Você está na página 1de 20

A sociologia de

Pierre Bourdieu:
primeiras lições
Influências: dialogando estrutura e ação
◦ Influências dos clássicos da Sociologia e de outros pensadores e escolas (Husserl, Sartre,
Heiddeger, Fenomenologia, Estruturalismo)

◦ Marx: discussão das classes sociais; perspectiva crítica do modo de produção capitalista; foco
na luta de classes e nos processos de dominação, antagonismo e hierarquia da relação entre
burguesia e proletariado.
◦ Crítica/divergências: consideração de aspectos culturais nos mecanismos de dominação,
pouco observados na perspectiva marxista

◦ Weber: conceito de legitimidade, que explica o poder da dominação. Ela não ocorre pela
força, mas pela aceitação dos dominados.
Influências: dialogando estrutura e ação
◦ Durkheim: construção da sociologia como ciência, com método e procedimentos específicos e
verificação de aspectos da conduta humana, de acordo com determinadas condições sociais.
◦ Divergências/críticas: oposição ao objetivismo positivista; ênfase no contexto histórico para
compreensão dos fenômenos sociais

◦ Crítica ao estruturalismo: Bourdieu questiona a explicação dos fenômenos sociais baseadas


em estruturas, percebidas como um conjunto de elementos interdependentes, formando um
sistema, cuja organização é predeterminada

◦ Conciliar estrutura e ação na compreensão das dinâmicas sociais.


SUJEITO
INDIVÍDUO
AGENTE…
A visão sobre os
sujeitos, em sociedade,
e a noção de habitus
Habitus
◦ “[...] um sistema de disposições duráveis e transponíveis que, integrando todas
as experiências passadas, funciona a cada momento como uma matriz de
percepções, de apreciações e de ações – e torna possível a realização de tarefas
infinitamente diferenciadas, graças às transferências analógicas de esquemas”
(Bourdieu, 1983)
◦ habitus = uma identidade social, uma experiência biográfica, um sistema de
orientação, uma matriz cultural que predispõe os indivíduos a fazerem suas
escolhas.
◦ A gênese das estruturas mentais individuais se dá via incorporação das
estruturas objetivas do mundo social
Habitus
◦ É vivendo em sociedade que o agente assimila as normas, regras, valores,
preceitos, ações e comportamentos de seu grupo ou classe social.
◦ É por meio do habitus que cada um desenvolve sua visão de mundo, pelo
qual se guia, percebe e julga a realidade.
◦ É por do habitus que o agente se torna um ser social.
◦ O habitus pode ser entendido como uma forma de condicionamento, que cria
um sistema de disposições duradouras para a ação, organizadora de práticas,
esquemas de percepção e representação, geradora de princípios e valores
interiorizados, que regula a conduta dos agentes na estrutura social.
HTTPS://MUSEUDAPESSOA.ORG/SOBRE-O-MUSEU/
Como Bourdieu compreende as
desigualdades sociais?
◦ Espaço social = A sociedade, com sua complexidade, é um ambiente desigual
e conflituoso.
◦ Relações entre as pessoas, que tem diferentes níveis de acesso aos bens
econômicos e culturais.
◦ Hierarquias e distinção entre grupos sociais
◦ A hierarquia vertical dos grupos sociais os distingue, portanto, segundo a
estrutura e acúmulo de capital.

◦ Campos X Capitais X Posições sociais


Como Bourdieu compreende as
desigualdades sociais?
◦ Nas hierarquias os sujeitos estão situados/localizados de acordo com sua ocupação e segundo as
diferenças relativas ao seu capital cultural e econômico.
◦ No topo da hierarquia está o grupo dominante, por ter um elevado acúmulo de capital e uma
identidade própria, cujos interesses são impostos à coletividade.
◦ Esse grupo evoluiu da burguesia antiga para uma nova burguesia, composta pelos novos
executivos, os “patrões”, os empresários.
◦ Numa posição intermediária estão situados aqueles indivíduos pertencentes à pequena
burguesia (assalariados, trabalhadores independentes ou empregados), que almejam a ascensão
social.
◦ Já no segmento inferior da hierarquia social encontram-se as camadas populares, os operários e
assalariados agrícolas
Capital
◦ Bourdieu amplia a noção de capital de Marx

◦ Capital não se refere somente ao acúmulo de bens e riquezas econômicas,


mas aos recursos ou poder que se manifestam em uma atividade social

◦ Capital = recursos / poder

◦ 4 tipos de capital: econômico, cultural, social e simbólico


Capital
econômico
◦ Renda, salários, imóveis
◦ Bens materiais
◦ Tipo de capital dominante, que
está na raíz das outras formas
de capital, podendo ser
transformado nelas a partir de
procedimentos adotados pelos
agentes sociais
Capital
cultural
◦ Capital cultural consiste em
qualificações intelectuais de uma pessoa,
como educação, estilo de fala e postura,
conhecimentos específicos etc.
◦ Essas habilidades/disposições são
capazes de promover mobilidade social
numa sociedade estratificada
◦ Três categorias de capital cultural:
incorporado, objetificado e
institucionalizado
Capital cultural
incorporado
◦ É obtido por meio da socialização nos
parâmetros de uma determinada cultura e
tradição.
◦ Não é imediatamente transmissível, mas
adquirido ao longo do tempo.
◦ Está ligado a maneira de se comunicar e
comportar, aos gostos e aptidões, às
formas de vestir, comer, etc
Capital cultural
objetificado
◦ É composto de bens materiais que podem
ser transmitidas por ganhos econômicos
◦ Demonstram, simbolicamente, o ser
detentor de capital cultural.
◦ Por exemplo: obras de artes,
equipamentos científicos, instrumentos
musicais, coleções de livros e discos.
Capital cultural
institucionalizado
◦ Se expressa por meio da
detenção de qualificações
escolares e acadêmicas
◦ É produto de um processo
institucional
Capital social
◦ Refere-se ao valor implícito das
conexões internas e externas
de uma rede social de um
agente
◦ Depende da extensão da rede
de relações de um sujeito:
família, amigos, colegas,
conhecidos etc.
Campo
◦ Campo é um universo social PARTICULAR constituído de AGENTES ocupando posições
específicas dependentes do VOLUME e da ESTRUTURA do capital eficiente dentro do
campo considerado.
◦ É um sistema de posições – que podem ser alteradas e contestadas.
◦ Campos são arenas de conflito estruturadas onde ocorrem as práticas sociais (que se
originam da interseção entre habitus e campos)
◦ Mediam a relação entre estrutura social e prática cultural

◦ A sociedade moderna é um arranjo de campos, relativamente autônomos, de produção,


circulação e consumo e várias formas de recursos culturais e materiais
Campos
◦ O campo é um microcosmo dotado de
leis próprias.
◦ Há uma importância crescente do
campo econômico em relação aos
demais.
◦ Campo de disputa por posições sociais.
Por ex., no mercado de trabalho, no
sistema de ensino escolar, no mundo
acadêmico, no governo, na arte etc
Vídeos
◦ Habitus e campo

◦ https://www.youtube.com/watch?v=OGXtv6PAdVk

◦ Escola e reprodução social

◦ https://www.youtube.com/watch?v=zO4QuCSMO0k