Você está na página 1de 3

Leucemia Mielóide Crônica (LMC).

Caracteriza-se como uma proliferação anormal das células mielóides


granulociticas (Neutrófilos, Eosinófilos e basófilos). É um câncer de progressão
lenta, que se inicia na medula óssea e geralmente acomete adultos e idosos.

Pacientes com LMC apresentam uma superprodução de glóbulos brancos e


normalmente têm uma evolução lenta no crescimento das células doentes ao
longo do tempo. Isso pode causar anemia, fadiga, infecções, sangramentos e
outros problemas. Mas alguns pacientes são completamente assintomáticos e
a doença é descoberta em um exame comum de sangue.

Causas

• Alteração Cromossômica da LMC (Genética), presença do Cromossomo


philadélphia. Descoberto por Peter C. Noel e David Hungeford em 1960.
Estudos indicam que a origem da LMC está diretamente relacionada
com a presença do cromossomo philadelphia. A translocação
philadelphia está presente em 90% dos casos de LMC. Tal alteração
produz uma enzima anormal chamada tirosino quinase, que leva à
produção dos glóbulos brancos anormais.

• Não se sabe ao certo o que causa a alteração genética em todos os


pacientes. Sabe-se que a exposição à radiação em doses altas pode
causar a doença, uma vez que ela é observada em sobreviventes
japoneses das bombas atômicas. Pelo mesmo motivo, ela também
ocorre com maior frequencia em pacientes com outros tipos de câncer
submetidos a altas doses de radioterapia.

Sintomas

• Palidez (devido a anemia)

• Mal-estar

• Cansaço

• Desconforto no lado esquerdo do abdome (Esplenomegalia)


• Emagrecimento

• Suor excessivo

Diagnóstico

• Exame da medula óssea. Em pacientes com leucemia mieloide crônica,


a medula óssea é muitas vezes hipercelular porque contém muitas
células leucêmicas.

• Hemograma completo. A maioria dos pacientes com leucemia mieloide


crônica apresentam glóbulos brancos imaturos no sangue e uma
quantidade insuficiente de células vermelhas ou plaquetas.

• Exames Bioquímicos: Utilizados para monitoramento das funções


renais, funções hepáticas entre outros.

• Exame Genético Cromossômico: Utilizado para a detecção do


cromossomo philadelphia.

Tratamento

• As opções de tratamento dependem de vários fatores, como estágio da


LMC, idade do paciente, fatores prognósticos e disponibilidade de um
doador de células tronco.

• Os tratamentos incluem terapia com interferons, quimioterapia,


radioterapia, cirurgia e transplante de células tronco. terapia biológica.

• Terapia com Leucoaférese: É um procedimento que usa um


equipamento parecido com o da hemodiálise para remover os glóbulos
brancos do sangue.

• Hidroxiureia: É um medicamento em cápsula tomado via oral, utilizado


para abaixar o número alto de glóbulos brancos que tambem ajuda a
diminuir o tamanho do baço

• O tratamento com base em medicamentos que inibem a produção da


enzima tirosino quinase e destroem as células que possuem o
cromossomo Filadélfia.

Você também pode gostar