Você está na página 1de 7

REORGANIZAÇÃO CURRICULAR

 ENSINO FUNDAMENTAL ANOS INICIAIS


 ENSINO FUNDAMENTAL ANOS FINAIS
 ENSINO MÉDIO
DOCUMENTO DE REORGANIZAÇÃO CURRICULAR
A proposta de Reorganização Curricular aqui apresentada configura-se como uma referência para o planejamento dos professores, tanto no
retorno às aulas não-presenciais – ocorrido em 01/06/2020 com o término do recesso escolar – quanto no retorno às aulas presenciais quando for
decretado o final do período de isolamento social, em decorrência da Pandemia da COVID-19.

Quando se iniciou a suspensão das aulas em março, a Secretaria de Educação e Esportes (SEE) e a UNDIME iniciaram um planejamento estratégico
para disponibilizar várias formas de ações pedagógicas para apoiarem estudantes e professores do ensino fundamental e do ensino médio a darem
continuidade aos processos de aprendizagem. Para isto, foram selecionados pelas equipes técnico-pedagógicas da Secretaria Executiva de
Desenvolvimento da Educação (SEDE) e da UNDIME objetos de conhecimento, conteúdos, habilidades e expectativas de aprendizagem referentes a cada
ano escolar. Essa seleção observou o grau de prioridade desses objetos de conhecimento considerando sua relevância, pertinência e relação com outros a
serem estudados nos bimestres seguintes e pautou as aulas não presenciais e atividades disponibilizadas.

Mediante o prolongamento do período de suspensão de aulas presenciais, da certeza que no retorno às atividades presenciais ainda teremos
restrições para a presença da totalidade de estudantes nas escolas e considerando o parecer emitido pelo Conselho Nacional de Educação/Conselho Pleno
(CNE/CP) nº 5/2020, que orienta que se proceda ao reordenamento do planejamento anual com o intuito de consolidar a realização qualificada do
processo de ensino e aprendizagem nas escolas, esse documento de Reoganização Curricular vem a contribuir como uma referência para orientar o
professor a reorganizar o planejamento de suas aulas em 2020, tanto as propostas de atividades não presenciais para esse momento, como também após
o retorno às aulas presenciais.

Salientamos que a materialização de tais medidas recai, também, sobre a reformulação do calendário escolar; e, assim, sobre o
redimensionamento da carga horária anual destinada ao desenvolvimento das aulas presenciais no tocante ao processo de ensino e aprendizagem dos
saberes escolares, sendo possível a mesma ser complementada por atividades não presenciais, podendo também ser reordenada considerando a
programação curricular de 2021.

Portanto, a partir do cenário de incertezas que decorre da pandemia, é necessário que professores reorganizem o seu planejamento anual, de
modo que possam priorizar neste retorno a revisão do que foi trabalhado presencialmente no início do ano letivo, o que foi trabalhado nas atividades não
presenciais, bem como dar continuidade ao planejado considerando a nova organização do currículo a partir das habilidades e expectativas de
aprendizagem prioritárias para 2020, que precisam ser vivenciadas preferencialmente em aulas presenciais, e em habilidades e expectativas de
aprendizagem complementares, que podem ser vivenciadas de forma presencial e também a partir de outras estratégias, como atividades não presenciais,
ou até a reorganização envolvendo o ano letivo seguinte. O que se quer com esta proposta é garantir os direitos e objetivos de aprendizagem dos
estudantes sobre o que está posto no currículo, dentro de um planejamento alinhado com a realidade da pandemia e dos desafios que ela impõe à
Educação.

É preciso ficar claro que não se trata de fazer um recorte do currículo para redução do que será vivenciado, porque entende-se que tudo que está
no currículo é essencial para garantir os direitos de aprendizagem. Na verdade, é uma proposta de reorganização que visa ajudar o professor a se planejar
frente à este momento de excepcionalidade que estamos vivendo no mundo. De fato, o ano letivo de 2020 é atípico e precisará ser reorganizado de forma
diferente do formato regularmente adotado.

Vale reforçar que este material constitui uma orientação para o professor, para que sejam assegurados os direitos e objetivos de aprendizagem dos
estudantes, com qualidade para o seu percurso escolar. O professor, mediante seu planejamento anual, o conhecimento de seus estudantes e do trabalho
que realizou de forma não presencial poderá fazer os ajustes necessários. O que a SEE e a UNDIME trazem aqui são referências que podem ser
consideradas na inteireza ou mesmo servirem de parâmetros para os professores. Esperamos assim estar contribuindo para este trabalho de
reorganização.

Para fins de entendimento, apresentamos abaixo como o organizador de cada etapa da Educação Básica está apresentado:

Para os Anos Iniciais do Ensino Fundamental foram elencadas habilidades e objetos de conhecimento prioritários dos Componentes de Língua
Portuguesa e de Matemática, com a sugestão de que as habilidades prioritárias dos demais componentes curriculares (Arte, Educação Física, Ciências,
Geografia, História e Ensino Religioso) sejam definidas pelos professores e abordadas numa perspectiva interdisciplinar com os dois componentes
supracitados. As habilidades sugeridas como prioritárias de Língua Portuguesa e de Matemática seguem a mesma organização do Currículo de
Pernambuco com o objetivo de dar continuidade ao manuseio que o professor já tem com o referido documento. Foi acrescentado a essa reorganização a
indicação dos bimestres onde as habilidades estão indicadas no documento que seleciona as habilidades do currículo. É importante salientar que algumas
habilidades prioritárias para o ensino de Língua Portuguesa são recorrentes em mais de um bimestre, considerando que o objetivos principal desse ensino
nos Anos Iniciais é a apropriação do sistema da escrita alfabética (alfabetização), a formação do leitor e formação do produtor de textos orais e escritos, o
que sinaliza para um trabalho contínuo em sala de aula.

Para os Anos Finais do Ensino Fundamental e para o Ensino Médio foram apresentados, por componente curricular a cada ano e bimestre, as
habilidades/expectativas de aprendizagens e os objetos de conhecimento/conteúdos prioritários e complementares que estão organizados e agrupados
em tabelas que identificam: para os Anos Finais - unidades temáticas, objetos de conhecimento, habilidades e conteúdos; e para o Ensino Médio - eixos /
campo, expectativas de aprendizagem e conteúdos. Também estão identificads as aprendizagens trabalhadas nas videoaulas veiculadas no Canal EDUCA
PE, nesse momento de isolamento social.

Seguiremos com os princípios que nortearam a seleção e identificação das habilidades e objetos de conhecimento a serem apresentados nas
tabelas para as etapas da Educação Básica. Salientamos que para o Ensino Fundamental (anos iniciais e finais) o documento de referência utilizado foi o
Currículo de Pernambuco para cada uma dessas etapas. Já para o Ensino Médio, o documento de referência para tal reorganização foram os Parâmetros
Curriculares de Pernambuco..

A REORGANIZAÇÃO CURRICULAR NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

No tocante a etapa dos Anos Iniciais, de uma forma geral, a sugestão é que seja dada ênfase aos componentes de Língua Portuguesa e de
Matemática, que são considerados os fundamentais para o processo de implementação (1º e 2º anos) e sistematização (3º ao 5º ano) do processo de
alfabetização. Para atender também as prioridades dos componentes curriculares de Arte, Educação Física, Ciêcias, História, Geografia e Ensino Religioso,
sugerimos que seja adotada a perspectiva interdisciplinar, com objetos de conhecimento que possibilitem o diálogo com as habilidades dos dois
componentes supracitados.

De forma mais específica, sugere-se também priorizar, nos 1º e 2º anos, um investimento em habilidades que fortaleçam os princípios alfabéticos
para a apropriação do sistema de escrita, na perspectiva do letramento, de forma gradual, respeitando as habilidades básicas para cada ano. Já para os
demais anos, a sugestão é priorizar as habilidades básicas que visem o aprofundamento do processo de alfabetização, o investimento em habilidades
básicas que visem a formação do leitor e do produtor de texto e da ortografização, sem perder de vista as habilidades e conteúdos específicos de cada ano,
inserindo os estudantes nas práticas de letramento.

No tocante à Matemática, de forma semelhante, é prioritário a construção do conceito de número a partir da compreensão dos princípios do
sistema de numeração decimal, o que prepara o estudante para sua imersão nos campos das estruturas aditivas e multiplicativas a partir do trabalho
contextualizado de resolução de situações problemas envolvendo as quatro operações.

Esta proposta de reorganização curricular traz, em anexo, uma sugestão de habilidades prioritárias para cada ano (1º ao 5º ano) em Língua
Portuguesa e Matemática, considerando a estrutura apresentada no Currículo de Pernambuco para o Ensino Fundamental, com foco nos direitos e
objetivos de aprendizagem e no percurso das aprendizagens. Vale salientar que a seleção do que é prioritário para cada turma precisa considerar, sempre,
a autonomia do professor para realizar a reorganização dos conteúdos e a transposição didática dos mesmos, com foco no currículo de sua rede e nas
necessidades reais de sua turma para esse ano letivo atípico e excepcional.

É importante explicitar os critérios considerados para se propor tais habilidades como prioritárias nesse documento, a saber:

 Diante do tempo menor para se vivenciar em sala de aula todas as habilidades de todos os componentes curriculares, a proposta é que se priorize
habilidades de Língua Portuguesa e de Matemática, considerando que a aprendizagem dessas habilidades prioritárias permite auxiliar no
desenvolvimento de habilidades que o professor julgar necessário dos demais componentes curriculares. Nesse sentido, a proposta é que, após o
professor selecionar tais habilidades, planeje sequências didáticas em Língua Portuguesa e Matemática que permitem o diálogo com os demais
componentes numa perspectiva interdisciplinar. Na página da SEE/PE existem atividades postadas semanalmente que sugerem, em forma de
sequência didática, esse diálogo interdisciplinar, de forma bastante interessante;
 Em se tratando do Ensino de Língua Portuguesa, conforme orienta o Currículo de Pernambuco, não se pode excluir nenhuma prática de linguagem
quando se elegem as habilidades prioritárias, uma vez que dentro da sequência didática, as práticas acontecem de forma simultânea. Por
exemplo: quando se trabalha a leitura (Prática de Linguagem Leitura) parte-se da leitura de textos escritos (Prática de Linguagem Produção de
Textos), cujos textos são constituídos de elementos linguísticos (Prática de Linguagem Análise Linguística/Semiótica); durante um debate de um
tema (Prática de Linguagem Oralidade) parte-se da leitura de textos, de escuta de gêneros orais, de pesquisas, toma-se nota, na modalidade
escrita. Nesse sentido, a distribuição das práticas de Linguagem no Currículo e suas respectivas habilidades e objetos de conhecimento, possui um
caráter meramente didático e tem, como objetivo maior, nortear o professor sobre quais habilidades das referidas práticas precisam ser
desenvolvidas, dentro de uma sequência didática; perpassando, portanto, por todas as práticas;

 Para o ciclo de alfabetização (aqui compreendido do 1º ao 3º ano, conforme normativa estadual) foram elencadas habilidades prioritárias
considerando-se dois aspectos relevantes, a saber: 1) habilidades focadas na sistematização da apropriação do Sistema da Escrita Alfabética,
voltadas mais especificamente, para desenvolver nas crianças a consciência fonológica de forma reflexiva, visando à aprendizagem dos princípios
alfabéticos; 2) Habilidades que dão início, de forma sistematizada, à formação dos leitores e de produtores de textos. Assim, são habilidades
consideradas prioritárias, cujo objetivo é garantir que as crianças se alfabetizem letrando, através das práticas sociais da leitura, da escrita e da
oralidade. Portanto, são habilidades recorrentes, que precisam ser trabalhadas, algumas em bimestres específicos, outras, em todos os bimestres,
porque todo o trabalho de formação de leitor, de produção textual, e alfabetização na perspectiva do letramento, precisa ser desenvolvido
mediante os textos que adentram à sala de aula, o que deve ocorrer em todos os bimestres;

 Já as habilidades sugeridas como prioritárias para os 4 º e 5º anos, têm como objetivo central o refinamento do processo de alfabetização, agora
focadas na ortografização e conhecimentos linguísticos/textuais mais aprofundados e na sistematização de formação de leitores e produtores de
textos mais proficientes. São habilidades mais refinadas, voltadas para os processos cognitivos envolvidos na aquisição da língua, na formação do
leitor e do produtor de textos;

 Dentre as habilidades sugeridas como prioritárias, existem aquelas que se repetem por todos os anos, conforme orienta o Currículo de
Pernambuco, principalmente aquelas que se referem aos processos de formação do leitor e do produtor de textos. Entretanto, o que irá diferenciar
tais habilidades em cada ano específico será a seleção dos gêneros e as abordagens metodológicas feitas pelos professores que precisam estar
adequadas a cada ano de escolaridade e ao desenvolvimento cognitivos dos estudantes;

 No que concerne ao componente curricular de Matemática, o Currículo de Pernambuco apresenta um conjunto de habilidades e objetos de
conhecimento. Visando consolidar aprendizagens básicas para os estudantes do 1º ao 5º ano, foram selecionadas habilidades consideradas
imprescindíveis para auxiliar na construção de conhecimentos matemáticos;

 As escolhas de tais habilidades levam em consideração que, sendo este um ano letivo atípico, estas poderão ser revisadas e aprofundadas em anos
seguintes, uma vez que, o próprio currículo de Matemática do Ensino Fundamental permite revisitar as unidades temáticas ampliando o seu nível
de complexidade por ano escolar.
Ainda em relação aos Anos Iniciais, chama-se a atenção para a necessidade de um olhar atento dos docentes para habilidades e objetos de
conhecimento do Componente curricular de Educação Física porque em tempos de pandemia, falar sobre a importância da atividade física é de extrema
singularidade. Diante disso, a Secretaria de Educação e Esportes e a UNDIME estão atentas a esse fato, que em conformidade com o Currículo de
Pernambuco, fortalece as práticas do componente curricular Educação Física, sendo evidenciada sua essencialidade no desenvolvimento e aprendizagem
motora da criança na fase dos anos iniciais do ensino fundamental, considerando o processo de alfabetização motora nas experiências oportunizadas de
habilidades motoras fundamentais, favorecendo assim a ampliação de seu repertório motor. Nesse sentido, em comunhão com outros componentes
curriculares da Área de Linguagens, a Educação Física tem sua ação pedagógica alavancada e em alta nessa fase de ensino através do letramento em
Língua Portuguesa e ensino das Artes potencializando a expressão corporal dessa criança em sua totalidade.

É importante lembrar que o professor pode trabalhar outras habilidades e componentes curriculares que julgar necessário, tanto nas aulas
presenciais, como nas atividades não presenciais. Ressaltamos, mais uma vez, que essa proposta de seleção de habilidades prioritárias para o ensino da
Língua Portuguesa e de Matemática dos Anos Inicias se configura como uma sugestão e que não dispensa, em momento algum, a curadoria do professor,
conhecedor das condições de aprendizagem de suas turmas e de cada estudante individualmente.

ENSINO FUNDAMENTAL ANOS FINAIS E ENSINO MÉDIO

Nos anos finais do ensino fundamental e no ensino médio a reorganização curricular baseou-se nos seguintes critérios:

 Contemplar todas unidades temáticas/eixos constantes do Currículo de Pernambuco nos anos finais do EF e dos Parâmetros Curriculares, no EM;

 Priorizar habilidade/expectativas de aprendizagem, objetos de conhecimento/conteúdos mais relevantes para a construção do conhecimento de
que trata o componente curricular, tendo como referência o ano de ensino que o estudante está cursando;

 Considerar a progressão das aprendizagens tanto entre os bimestres quanto entre os Anos/Fases/Etapas da Escolarização Básica;

 Considerar a continuidade das aprendizagens no decorrer de todo processo de ensino ao longo dos anos de escolarização;

 Oferecer habilidades e expectativas de aprendizagem para a garantia da “ênfase na progressão de aprendizagens” e da abordagem espiralada (não
linear) dos conceitos.

 Considerar aprendizagens que precisam ser efetivadas no ano atual, possibilitando aos estudantes o elo necessário para a compreensão do que
está previsto para ser estudado no ano seguinte;
 Observar as habilidades/expectativas de aprendizagem que têm no ano letivo vigente a sua única oportunidade de abordagem;

 Observar os objetos de conhecimento / conteúdos relevantes para compreensão de situações do cotidiano e sua interferência na vida das pessoas
e nas atividades econômicas e sociais, inclusive os que estão relacionados com a Pandemia;

 Considerar a possibilidade de algum objeto de conhecimento e habilidade/expectativa de aprendizagem ser direcionado, de forma extraordinária,
para o ano letivo seguinte, considerando que possa ser incluído sem prejuízos para o estudante e para o planejamento do ano letivo seguinte. Ou
mesmo, que possam ser vivenciados em outros formatos (não presenciais, mas orientadas e acompanhados pelo professor ainda nesse ano);

 Considerar a aproximação da escolha das expectativas de aprendizagem e dos conteúdos com os temas de maior incidência no ENEM, no caso do
Ensino Médio.