Você está na página 1de 49

DIETAS ORAIS HOSPITALARES

PROFA ALANE BEZERRA


ALANE.BEZERRA@PROFESSOR.UNIFAMETRO.EDU.BR
OBJETIVOS DAS DIETAS ORAIS HOSPITALARES

Possibilitar a recuperação do paciente no menor tempo


possível;

Evitar a desnutrição durante a internação

Manter as reservas de nutrientes no organismo

Adequar a ingestão de energia, macro e micronutrientes


às necessidades nutricionais
CUIDADO NUTRICIONAL

Avaliação do estado nutricional

Identificação das necessidades nutricionais

Planejamento de objetivos de cuidado nutricional

Implementação de atividades nutricionais

Avaliação do cuidado nutricional


 Manual de dietas como forma de padronização
 Um plano alimentar hospitalar contempla dietas que
apresentam uma relação direta com a sobrevida do paciente:

Dietas
Dieta normal Dietas especiais
modificadas

Balanceada em
nutrientes, de fácil Para doenças como
preparação, de o DM, a obesidade, Dietas de
apresentação as nefropatias, as rotina (dietas
agradável hepatopatias, as DCV líquidas, dietas
ou patologias pastosas,
relacionadas à dietas
Adequada a indivíduos carência de brandas)
sadios e àqueles doentes determinados
que não necessitam de nutrientes
nenhum tipo de
modificação na sua dieta
em virtude da patologia.
• Mudança da consistência,
Adequar as dietas pode temperatura, volume
representar modificações • Adequação do valor calórico
qualitativas e quantitativas da • Alteração das proporções de
alimentação normal, como: macronutrientes
• Restrições de nutrientes

• Características
São primordiais a assistência • Indicações
nutricional de excelência: • Contraindicações
• Alimentos/preparações permitidos
e evitados das dietas orais
PRESCRIÇÃO DA DIETA: REFEIÇÕES

 Seis refeições:
 Desjejum
 Lanche da Manhã Padrão
 Almoço Hospitalar
 Lanche da tarde
 Jantar
 Ceia
PRESCRIÇÃO DA DIETA: VOLUME

Normal Aumentado Diminuído

 Depende da capacidade gástrica do paciente


 Para evitar a distensão gástrica:
 Aumentar a frequência
 Diminuir volume

Restrita em líquidos:

• Indicações:
• IRA: rins incapazes de manter a homeostasia de água e
eletrólitos
• Fases oligúricas da doença.
• IC.
PRESCRIÇÃO DA DIETA: VOLUME

 Frutas com muito baixo teor de líquidos: açaí, abacate,


tamarindo
 Frutas com baixo teor de líquidos: banana (nanica, prata, ouro,
maçã, da terra), caqui, cereja, siriguela, coco, cupuaçu, figo, fruta do
conde, goiaba, graviola, jaca, kiwi, manga, maracujá, romã, uva (niágara,
itália, rubi)
 Frutas com teor médio de líquidos: abacaxi, ameixa, amora, cajá
manga, caju, damasco, jabuticaba, laranja (pêra, lima, bahia, da pérsia),
maçã, mamão (formosa, papaia), mangaba, tangerina, pêra
 Frutas com alto teor de líquidos: acerola, carambola, grape fruit,
nectarina, pêssego, pitanga
 Frutas com muito alto teor de líquidos: melancia, melão,
morango.
PRESCRIÇÃO DA DIETA: CONTEÚDO DE RESÍDUOS

 Resíduo = Quantidade de massa fecal remanescente após o


processo de digestão
 Para:
 Estímulo do Trânsito Intestinal: dieta  resíduos
 Rica em resíduos (vegetais folhosos, frutas cruas e com casca,
cereais integrais).
PRESCRIÇÃO DA DIETA: CONTEÚDO DE RESÍDUOS

 Para:
 Repouso do TGI: dieta  resíduos;
 Indicações: Digestão, má absorção ou diarreia
 Alimentos que provavelmente são digeridos por completo e
bem absorvidos e que não aumentam excessivamente as
secreções do trato GI.
 Isenta de resíduos
 Com pouco resíduos (frutas e/ou verduras em forma de
purê);
 Com resíduos brandos (cereais triturados, verduras tenras
cruas ou cozidas, frutas cozidas, em compotas ou sem casca).
PRESCRIÇÃO DA DIETA: EQUILÍBRIO DE
NUTRIENTES - CALORIAS
Normocalórica:
• Quantidades normais de calorias, dentro das necessidades
de cada paciente.

Hipocalórica:
• Restrita em calorias ( - 500kcal)
• Função: Produzir balanço energético negativo → perda de
peso
• Indicações: Pacientes obesos ou com doenças que
requerem urgência em perda de peso.

Hipercalórica:
• Quantidades aumentadas de calorias
• Função: Gerar balanço positivo → ganho de peso
• Indicação: Pacientes em subnutrição ou catabolismo
SUGESTÕES PARA AUMENTAR
O APORTE CALÓRICO
Tipo de Adicionar para enriquecer
alimento
Leite integral Leite em pó, mel, creme de leite, sorvete
Sopas Acrescente azeite, queijo, requeijão
Carne Ovos, queijo, molhos a base de leite
Frutas Sorvete, farinhas, aveia, leite em pó, calda
de chocolate, leite condensado
Pães e Bolos e tortas com leite e ovos
cereais
Suplementos Incluir nos intervalos entre as refeições
PRESCRIÇÃO DA DIETA: EQUILÍBRIO
DE NUTRIENTES - PROTEÍNAS
Normoproteica (10-15% VCT):
• Quantidades normais, segundo as necessidades (0,8-
1g/kg/dia)

Hipoproteica:
• Quantidades diminuídas (0,5-0,6g/kg/dia e/ou < 10% VCT)
• Finalidade: Prevenir o acúmulo de metabólitos
nitrogenados
• Indicações: Pacientes com IRC ou outra patologia cujo
catabolismo proteico possa interferir na evolução

Hiperproteica:
• Quantidades aumentadas (1,1-1,5g/kg/dia e/ou > 15%
VCT)
• Finalidade: Produzir balanço positivo de nitrogênio
• Indicações: Pacientes em hipercatabolismo
PRESCRIÇÃO DA DIETA: EQUILÍBRIO DE
NUTRIENTES - CARBOIDRATOS

Normoglicídica (45-65% VCT):

• Quantidades normais de CHO, conforme as necessidades

Hipoglicídica:

• Quantidades de CHO reduzidas


• Pode reduzir CHO, sem diminuir calorias

Hiperglicídica:

• Quantidades aumentadas de CHO.


• Patologias com restrição de ptn e lipídios.
PRESCRIÇÃO DA DIETA: EQUILÍBRIO DE
NUTRIENTES - LIPÍDIOS
Normolipídica (15-30%):
• Quantidades normais de gorduras, segundo as
necessidades

Hipolipídica:
• Pobre em gorduras, principalmente saturadas
• Indicações: Pacientes com hipercolesterolemia grave

Hiperlipídica:
• Boa quantidade de gorduras
• Principalmente: TCMs
• Indicações: desnutrição grave, DPOC
• Nem sempre é hipercalórica
• Pode ser ajustada de acordo com as necessidades
• Foco nas gorduras de boa qualidade
PRESCRIÇÃO DA DIETA: EQUILÍBRIO DE
NUTRIENTES - SÓDIO E POTÁSSIO
Hipossódica:
• Pobre em Sódio (Na)
• Exclusão de alimentos: adoçantes, embutidos, enlatados,
conservas dentre outros.
• Indicações: Hipertensos, cardiopatas, com retenção de
líquidos (edemas), cirrose hepática com ascite, nefropatias.
• 2g de sal de adição/dia.

Hipercalêmica:
• Indicações: Pós-operatórios, má nutrição, perdas
gastrintestinais.

Hipocalêmica:
• Indicações: doenças renais, cardiopatas.
• <2700mg/dia.
DIETA HIPERCALÊMICA

 Recomenda-se aumentar a oferta dos alimentos fonte.

Banana nanica Espinafre


Melão Berinjela
Laranja Abobrinha
Kiwi Frutas secas
Abacate Caldo de cana
Mamão Caldas de compotas
Feijão Massa de tomate
Lentilha Acelga
DIETA LAXATIVA

 Indicação: Constipação intestinal


 Alimentos com grande quantidade de fibras insolúveis
 Exemplos: ameixa fresca, ameixa seca, morango, melancia,
laranja, mamão, melão, tangerina, kiwi, abacaxi, manga, banana
nanica, pinha, caqui, tamarindo, jaca, uva com casca, agrião,
couve, alface, almeirão, nabo, acelga, maxixe, palmito, azeitona,
pepino, berinjela, rúcula, tomate, cogumelo, abóbora,
abobrinha, espinafre, beterraba, folha de mostarda, brócolis,
jiló, broto de feijão, repolho, cenoura crua, quiabo, couve-flor,
vagem, chuchu, ervilhas, grão de bico, fava, lentilha, feijão,
soja, iogurte, milho, cereais integrais e farelo de trigo
DIETA CONSTIPANTE

 Indicação: Diarreia
 Exemplos: Acerola, carambola, limão, lima, banana maçã sem
casca, banana prata, caju, goiaba, jabuticaba, maçã, pêra, aipim
(mandioca ou macaxeira), mandioquinha, batata doce, batata
inglesa, cará, cenoura cozida, inhame, arroz branco, biscoito e
pães não integrais, farinha de mandioca, farinha de trigo
branca, fécula de batata, macarrão.
PRESCRIÇÃO DA DIETA: EQUILÍBRIO DE
NUTRIENTES - FIBRAS E COLESTEROL
Rica em fibras:
• Objetivo: Aumentar a motilidade intestinal
• Redução do risco de doenças cardíacas
• Equilíbrio glicêmico

Pobre em Fibras:
• Objetivo: Diminuir o esforço gastrintestinal.
• Indicações: Problemas no TGI e cirurgias de cólon

Pobre em colesterol:
• Restringe a utilização de colesterol e de gorduras
saturadas e trans.
• Utilização moderada de gorduras poli e
monoinsaturadas
• Indicações: DLP, DM
MÓDULOS
CONSISTÊNCIA

• São alterações de TEXTURA das dietas;


• Modificações realizadas pela subdivisão, cozimento,
composição e seleção de alimentos;
• Quanto MAIOR a modificação, mais facilitada será a
DIGESTÃO;
• As modificações de consistência são as mais frequentes
alterações de Dietas Hospitalares;
PRESCRIÇÃO DA DIETA: CONSISTÊNCIA

Líquida
Normal Jejum
restrita

Branda Líquida

Pastosa Leve
PRESCRIÇÃO DA DIETA: CONSISTÊNCIA

 O que determina a escolha?


 Mastigação/deglutição
 Distúrbios gastrintestinais
 Intervenções cirúrgicas
 Preparação de exames
DIETA GERAL
DIETA NORMAL/ GERAL/ LIVRE

 Inclui todos os tipos de alimentos, sob qualquer forma de


preparação, conforme hábitos e costumes regionais
 Quantidade suficiente de nutrientes: manutenção de saúde e
estado nutricional adequado.
 Baseada nas necessidades dietéticas para indivíduos saudáveis
 Indicação: funções gastrointestinais preservadas, ausência de
alterações metabólicas importantes.
 Fornece de 2000-2200 kcal/ dia.
DIETA NORMAL/ GERAL/ LIVRE

 Alimentos Permitidos: Todos


 Alimentos a serem evitados: Nenhum
 Preparações: Todas são permitidas
 Frequência: 5 a 6x/dia
 Adequação: Atende a calorias e nutrientes
DIETA BRANDA
DIETA BRANDA

 Valor nutricional similar a dieta Geral.


 Atenuação da textura através da cocção de fibras e de
verduras/legumes/frutas e tecido conectivo das carnes.
 Indicação: alterações e/ou pertubações orgânicas e funcionais
do TGI. Ex.: úlceras, gastrites, Pré e Pós operatórios.
 Transição entre a Dieta Pastosa e a Geral.
 Fornece de 1800-2200 kcal/ dia.
DIETA BRANDA

 Alimentos permitidos: Todos, desde que abrandados


pela cocção
 Alimentos a serem evitados: Alimentos crus, feijão
 Preparação: Evitar frituras
 Frequência: 5 a 6x/dia
 Adequação: Adequada em calorias e nutrientes
EXEMPLO DE DIETA BRANDA

Café da manhã Lanche da tarde


Iogurte de frutas Leite desnatado
Bisnaguinha com margarina Bolacha doce sem recheio
Mamão
Jantar
Lanche da manhã Frango desfiado
Pêra bem madura, sem casca Purê de cenoura
Arroz
Almoço Caldo de feijão
Acelga refogada Banana
Almôndegas de carne
Chuchu cozido Lanche noturno ou ceia
Arroz Leite Desnatado
Caldo de feijão Pão de leite
Goiaba cozida, sem casca
DIETA PASTOSA
DIETA PASTOSA

 Valor nutricional similar a dieta Branda.


 Textura menos sólida, na forma de purês, cremes, papas, suflês
e carnes subdivididas (moída, desfiada, triturada).
 Indicação: dificuldades de mastigação e deglutição. Ex.: doenças
neurológicas, idosos, IC, IRp.
 Transição entre a Dieta Leve e a Branda.
 Fornece de 1800-2200 kcal/ dia.
DIETA PASTOSA

 Alimentos permitidos: Todos, desde que


abrandados pela cocção e mecanicamente (pedaços
pequenos)
 Alimentos a serem evitados: Cereais integrais e
alimentos flatulentos
 Preparação: Evitar frituras
 Frequência: 5 a 6x/dia
 Adequação: Atende em calorias e nutrientes
EXEMPLO DE DIETA PASTOSA

Café da manhã Lanche da tarde


Leite c/ açúcar Mingau de maisena
Pão de Leite
Banana amassada Jantar
Frango bem desfiado com cebola,
Lanche da manhã tomate e salsa
Suco de melão Purê de batatas
Arroz papa
Almoço Abobrinha cozida e amassada
Arroz papa Mamão
Feijão amassado
Carne Moída Lanche noturno
Purê de jerimum Leite
Arroz Doce Pão de leite
DIETA LEVE/SEMILIQUIDA/PASTOSA LIQUIDIFICADA
DIETA LEVE/SEMILIQUIDA/PASTOSA LIQUIDIFICADA

 Pode precisar de suplementação.


 Consistência espessada (presença de farináceos ou espessantes
artificiais), Textura líquida e semissólida, pedaços em emulsão
ou suspensão.
 Indicação: função GI reduzida, intolerância a alimentos sólidos
(dificuldade de mastigar e deglutir). Ex.: doenças neurológicas,
idosos, Pós operatório.
 Transição entre a Dieta Líquida completa e a Pastosa.
 Fornece de 1300-1500 kcal/ dia
DIETA LEVE/SEMILIQUIDA/PASTOSA LIQUIDIFICADA

 Alimentos permitidos: Inclui alimentos líquidos e


semissólidos em suspensão, adicionado à base líquida. Ex:
leite, mingau, vitamina, chá, suco, biscoito, torradas, gelatina,
sobremesa em creme (pudim, manjar, flan), sorvete,
iogurte.
 Alimentos a serem evitados: Todos os outros
 Preparação: Inclui preparações semilíquidas e sopas
 Frequência: 6 ou mais refeições/dia
 Volume: 200-400mL
 Adequação: Teor calórico e nutricional reduzido
DIETA LEVE/SEMILIQUIDA/PASTOSA LIQUIDIFICADA

 Recomendações: Devido ao baixo valor de


celulose desta dieta, seu uso por período prolongado
poderá resultar em constipação. Para aumentar o
valor calórico desta dieta, faz-se o uso de produtos
industrializados ricos em calorias, fibras, proteínas,
vitaminas e minerais.
EXEMPLO DE DIETA LEVE

Café da manhã Lanche da tarde


Vitamina de mamão Iogurte de morango
Pão de forma (não integral) sem
casca, com queijo Jantar
cremoso Canja (frango, cenoura, arroz)
Pudim de leite
Lanche da manhã
Banana amassada Lanche noturno
Leite com açúcar
Almoço Biscoito amolecido
Sopa de caldo de feijão, abobrinha
com macarrão e carne
liquidificados
Maçã, sem casca, raspada
DIETA LÍQUIDA COMPLETA
DIETA LÍQUIDA COMPLETA

 Precisa de suplementação nutricional e deve-se evoluir o


quanto antes.
 Consistência líquida.
 Indicação: mínimo de esforço digestivo e pouco resíduo. Ex.:
Pós operatório de cirurgia de boca, face, pescoço,
estreitamento esofágico, disfagia*.
 Transição entre a Dieta Líquida restrita e a Leve.
 Fornece de 750-1500 kcal/ dia
DIETA LÍQUIDA COMPLETA

 Alimentos permitidos: Ex: caldos, leite, bebidas lácteas,


iogurte, vitamina, chá, suco, gelatina, sobremesa em creme
(pudim, manjar, flan), sorvete, iogurte, bebidas não
gaseificadas.
 Alimentos a serem evitados: Todos os outros de
consistência mais sólida.
 Frequência: a cada 2 horas
 Volume: 200-300mL
 Adequação: Teor calórico e nutricional reduzido
EXEMPLO DE DIETA LÍQUIDA COMPLETA

Café da manhã Lanche da tarde


Vitamina de banana Vitamina de morango

Lanche da manhã Jantar


Suco de maçã Sopa de frango e abóbora,
liquidificada e peneirada
Almoço Gelatina
Sopa de ervilha, macarrão,
carne e beterraba liquidificada Lanche noturno
e peneirada Água de coco
Suco de tangerina
Flan de mamão
DIETA LÍQUIDA RESTRITA
DIETA LÍQUIDA RESTRITA/CRISTALINA/ LÍQUIDOS
CLAROS

 Deve-se evoluir o quanto antes, devido ao teor nutricional


inadequado.
 Consistência líquida, presença de água, líquidos límpidos e
CHO.
 Indicação: hidratação, mínima formação de resíduo., máximo
repouso GTI Ex.: Pré operatório de cirurgia do cólon, Pós
operatório imediato e evolução da Terapia Nutricional.
 Transição entre o Jejum e a Dieta Líquida Completa.
 Fornece de 375-600 kcal/ dia
DIETA LÍQUIDA RESTRITA/CRISTALINA/ LÍQUIDOS
CLAROS

 Alimentos permitidos: Ex: água, chás, açúcar, água de


coco, sucos de frutas coados, caldos coados de
legumes/verduras/carnes, gelatina, bebidas isotônicas.
 Alimentos a serem evitados: Todos os outros de
consistência sólida ou mais espessa.
 Frequência: a cada 2 horas
 Volume: 200-300mL
 Adequação: Teor calórico e nutricional reduzido
Exemplo de Dieta Líquida Restrita

Café da manhã Lanche da Tarde 1


Chá de erva cidreira com açúcar Água de coco

Lanche da manhã 1 Lanche da tarde 2


Suco de laranja coado Suco de maçã coado

Lanche da manhã 2 Jantar


Água de coco Caldo de legumes e carnes coado
Gelatina
Almoço
Caldo de legumes e carnes coados Lanche noturno
Picolé de fruta Chá de camomila com açúcar
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 MUSSOI, T. D. Nutrição: Guia Prático. 1ª edição. Rio de Janeiro, Editora


Guanabara Koogan, p. 199-203, 2017.

Você também pode gostar