Você está na página 1de 7

ção indenizatória por Danos Morais – Cobrança Indevida de Serviços Cancelados.

COMENTAR1

SALVAR

Tassia Christiane de Macedo, AdvogadoPublicado por Tassia Christiane de Macedohá 4 anos6.560


visualizações

Ação indenizatória por Danos Morais – Cobrança Indevida de Serviços Cancelados..docx

FAZER DOWNLOAD

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DO JUIZADO ESPECIAL DE DEFESA DO


CONSUMIDOR DA COMARCA DE XXXXXX

XXXXXX, brasileiro, RG nº XXXX, inscrito no CPF sob o nº XXXX, residente e domiciliado na XXXXXXX –
XXCEP XXXX, vem, perante V. Exª, por sua advogada constituída por instrumento particular de mandado
anexo, propor

AÇÃO INDENIZATÓRIA POR DANOS MORAIS – COBRANÇA INDEVIDA CUMULADA COM PEDIDO LIMINAR

em face do XXXXXXXXXXXXXXX, com sede na XXXXXXXXXXXXXXXXX CEP XXXXXXXXX, pelas razões de fato
e de direito a seguir aduzidas.

PRELIMINARMENTE DA ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA GRATUITA

Preliminarmente requer a Parte Autora a V. Exa., com amparo na Lei 1.060/50, que lhe conceda os
benefícios da justiça gratuita, pelo fato de ser pessoa pobre no sentido legal e por não possuir recursos
financeiros suficientes a arcar com o pagamento das custas e despesas processuais devidas, bem como
dos honorários advocatícios, sem que prejudique o seu sustento próprio e de sua família.
DOS FATOS E DO DIREITO

Declara a Parte Autora que utilizava os serviços xxxxxxx prestados pela Empresa Acionada, pagamento
mensal no valor de R$ xxxx (xxxxx), descontados mensalmente em fatura de cartão de credito Master
Card *xxxx. Que sempre adimpliu com pagamento das faturas, conforme comprovantes de pagamento
em anexo.

Que, no mês de xxxx/xx, efetuou o cancelamento do contrato de prestações de serviço, sendo o mesmo
formalizado através do e-mail em anexo.

Ocorre que, no mês de xxx/xxxx, já sem a disponibilização dos serviços prestados pela Ré, o Autor foi
surpreendido com a cobrança no valor de R$ xxxxxxxxxxxx, referente ao serviço cancelado.

Dessa forma, entrou em contato com a Empresa Ré, através do Sistema de Atendimento ao Cliente
Online, formalizando Reclamação Administrativa, reiterando pedido de cancelamento do serviço, bem
como o estorno da quantia cobrada indevidamente na fatura de xxxxx/xxxx, conforme telas em anexo.

Para desespero do Autor, no mês seguinte, xxxx/xxxx, foi mais uma vez creditado indevidamente a
quantia de Rxxxxxx (...), conforme comprova a fatura em anexo. Que, diante da irregularidade, entrou
em contato com a Empresa Acionada, através da Central de Atendimento ao Cliente, solicitando
providencias quanto aos fatos expostos.

Ressalta que, após a formalização de diversas reclamações administrativas, no mês de xxxx/xx, o Autor
constatou que foram estornados valores referente aos meses de xxxx/xx, xxxx/xx e xxxx/xx (fatura em
anexo).

Entretanto, em que pese os estornos referentes aos meses de xxxx/xx, xxxx/xx e xxxx/xx, ao verificar a
fatura do mês corrente, xxxx/xx, o Autor constatou que, mais uma vez, de forma indevida, a Acionada
creditou o valor de xxxxxx referente ao serviço xxxxx.

Ora Excelência, convém salientar que o Autor já tentou solucionar o problema administrativamente e
diante da impossibilidade de solução do problema acima narrado na via administrativa, não restou
alternativa, senão recorrer a via judicial, no intuito de ter os danos suportados por ele devidamente
reparados, motivo pelo qual passa a expor os direitos que a resguardam.

O direito à indenização por danos materiais e morais encontra-se expressamente consagrado em nossa
Carta Magna, como se vê pela leitura de seu artigo 5º, incisos V e X, os quais transcrevo: "É assegurado o
direito de resposta, proporcional ao agravo, além da indenização por dano material, moral ou imagem"
(artigo 5º, inciso V, CF).

"São invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito à
indenização pelo dano material ou moral, decorrente de sua violação" (artigo 5º, inciso X, CF).

A indenização dos danos morais e materiais que se pleiteia é direito constitucional a todos. E no
ordenamento jurídico infra constitucional, além do CDC, está o Código de Leis Substantivas Civis de 2002
a defender o mesmo direito da parte autora.

O Código de Defesa do Consumidor traz, em seu artigo 6º os direitos básicos do consumidor. Dentre eles
está prevista a efetiva prevenção e reparação dos danos morais e materiais, como infere-se do trecho
abaixo transcrito:

“Art. 6º São direitos básicos do consumidor:

(...)

VI - a efetiva prevenção e reparação de danos patrimoniais e morais, individuais, coletivos e difusos;

(...)

VIII - a facilitação da defesa de seus direitos, inclusive com a inversão do ônus da prova, a seu favor, no
processo civil, quando, a critério do juiz, for verossímil a alegação ou quando for ele hipossuficiente,
segundo as regras ordinárias de experiências. ”

De acordo com o art. 186 do código civil:

“Art. 186. Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e
causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito.”

No caso em tela, em função do tormento psíquico causado pelo sentimento de desrespeito e impotência
diante da irregularidade cometida pelo Réu, bem como pelos transtornos ocasionados pela cobrança
indevida, resta evidenciado que o Réu causou dano moral ao Autor.

Dessa forma, em consonância com o artigo acima transcrito, está configurado o ilícito. Praticado o ato
ilícito e existindo um nexo causal entre este e os danos sofridos pelo autor, é gerado, então, o
consequente dever de indenizar por parte daquele que o praticou, tal como preceitua o código civil, em
seu art. 927:

“Art. 927. Aquele que, por ato ilícito (arts. 186 e 187), causar dano a outrem, fica obrigado a repará-lo.”

Não obstante o dano moral que sofreu, o Código de Defesa do Consumidor determina que na cobrança
de débitos o consumidor não será submetido a qualquer constrangimento ou ameaça. Determina ainda
que:

Art. 42. Na cobrança de débitos, o consumidor inadimplente não será exposto a ridículo, nem será
submetido a qualquer tipo de constrangimento ou ameaça.

Parágrafo único. O consumidor cobrado em quantia indevida tem direito à repetição do indébito, por
valor igual ao dobro do que pagou em excesso, acrescido de correção monetária e juros legais, salvo
hipótese de engano justificável.

Neste sentido a jurisprudência vem decidindo:


APELAÇÃO CÍVEL. 9ª CÂMARA CÍVEL. TJRS - Apelação Cível: AC 70049173081 RS. APELAÇÃO CÍVEL.
RESPONSABILIDADE CIVIL. COBRANÇA DE SERVIÇOS NÃO SOLICITADOS PELO CLIENTE. Dano moral.
Descaso com o consumidor. Quantum indenizatório. CRITÉRIOS. Recurso de apelação que devolve
apenas a questão da caracterização do abalo moral. Danos morais decorrentes da reiterada cobrança
indevida de serviço não contratado, obrigando a parte autora a contatar a prestadora de serviço
reiteradamente, sem lograr êxito em excluir a cobrança por serviço não solicitado. Mesmo depois de
diversas reclamações via call center, a prestadora de serviços telefônicos manteve a cobrança do serviço
impugnado, evidenciando o total descaso com o consumidor.

De acordo com as peculiaridades do caso concreto, bem como observada a natureza jurídica da
condenação e os princípios da proporcionalidade e razoabilidade, além dos precedentes adotados por
esta Corte para o julgamento de situações semelhantes, sobretudo a conduta reiterada da operadora de
telefonia, impõe a condenação da prestadora de serviço ao pagamento de indenização por abalo moral
na quantia de R$ 10.000,00.

PROCESSO Nº 71003276540 RS. RELATOR RICARDO TORRES HERMANN. JULGAMENTO 28/02/2012.


TERCEIRA TURMA RECURSAL CÍVEL. Constatado que os serviços não foram solicitados pela autora, é
indevida a sua cobrança, mostrando-se correta a condenação na devolução dos valores cobrados, em
dobro, por força do disposto no art. 42, § único, do CDC.

3. Danos morais caracterizados. A cobrança de serviços não solicitados acarreta situação de


aborrecimento que excede a condição de mero dissabor. Correta assim, a fixação de indenização por
dano extrapatrimonial, uma vez evidente a falha na prestação do serviço.

4. Com relação ao quantum indenizatório, deve ser mantido aquele estabelecido na sentença (R$
5.000,00), uma vez que adequado à gravidade da ofensa praticada.”.

Dessa forma, faz-se imperativo de justiça o reconhecimento dos danos sofridos pelo Autor, bem como a
imposição da obrigação de reparar por esse MM. Juízo.

DA MEDIDA LIMINAR
A verossimilhança dos fatos reside nos fatos acima narrados, bem como nos documentos acostados
nesta exordial. Bem como, o fundado receio de dano, por sua vez, evidencia-se a partir do momento em
que o autor pode vir sofrer um novo desconto em sua conta corrente e no contracheque, sem sua
autorização.

Diante da comprovação do pedido de cancelamento do serviço (tela em anexo), requer, a concessão de


medida liminar, que seja determinado que a Empresa Acionada suspenda a cobrança do serviço xxxxx.
Com, no valor de xxxxxx, do cartão de crédito Master Card * * * xxxx, de titularidade do Autor, bem
como se abstenha em adotar qualquer atitude com o fim de restringir o crédito do Autor, especialmente
encaminhar seu nome e CPF para os cartórios de protesto, assim como nos cadastros dos órgãos de
proteção ao crédito, em especial SPC e SERASA, até o final da presente lide, sob pena de multa diária de
R$ 100,00 (cem reais).

DOS PEDIDOS

Diante de toda a matéria já debatida, restando demonstradas as razões de fato e de direito que
constituem os fundamentos da presente demanda, passamos a requerer a Vossa Excelência:

a) A citação da parte ré para comparecer a audiência sob pena de se aplicarem os efeitos da revelia, para
conciliar ou seguir com a instrução da ação, sendo esta, ao final, JULGADA PROCEDENTE para confirmar
os efeitos da Medida Liminar, condenado que a Ré na obrigação de cancelar, definitivamente, a cobrança
do serviço identificado como xxxx, no valor de R$ xxxx (xxxxxx), referente ao cartão de crédito Master
Card * * * xxxx, de titularidade do Autor, determinando ainda a devolução, em dobro, das mensalidades
cobradas indevidamente, do período de xxxx/xx até a solução da presente demanda, acrescido de juros
e correção monetária.

b) A condenação da Ré a indenizar o Autor pelos danos morais sofridos em decorrência das


circunstâncias acima transcritas, o valor pecuniário de no mínimo R$ 10.000,00 (dez mil reais) ou em
montante a ser arbitrado por V. Exa.;

C) Requer provar por todos os meios de prova admitidos em direito, requerendo especialmente a
inversão do ônus da prova, como faculta o inciso VIII, art. 6º do CDC;
d) Seja concedido os benefícios da Assistência Judiciária Gratuita.

Dá-se a causa o valor de R$ 35.200,00 (trinta e cinco mil e duzentos reais).

Termos em que,

Pede Deferimento.

Salvador, xx de xxx de 2016.

Você também pode gostar