Você está na página 1de 9

O que é estratégia?

A palavra estratégia vem do grego “strategos” a arte do general.

A estratégia da empresa consiste do conjunto de mudanças competitivas e


abordagens comerciais que os gerentes executam para atingir o melhor
desempenho da empresa.

A estratégia é o planejamento do jogo de gerência para reforçar a posição


da organização no mercado, promover a satisfação dos clientes e atingir os
objetivos de desempenho.

A estratégia pode ser definida como o conjunto de objetivos, finalidades,


metas, diretrizes fundamentais e os planos para atingir os objetivos,
postulados de forma a definir em que situação a organização se encontra,
que tipo de organização ela é ou deseja ser.

As empresas têm de ser flexíveis para responder rapidamente às alterações


competitivas e do mercado. Deve possuir competências essenciais para se
manterem a frente de seus rivais.

A primeira análise sobre estratégia é que ela tem compromisso com a ação.
Os executivos e gerentes tomam decisões o tempo todo, o que
presumivelmente os comprometerá a fazer alguma coisa, mas nem todas
são decisões estratégicas.
Pelo termo estratégicas em geral, entendemos decisões que:

 Têm efeito abrangente e por isso são significativas na parte da


organização à qual a estratégia se refere;
 Definem a posição da organização relativamente a seu ambiente;
 Aproximam a organização de seus objetivos de longo prazo.

Logo, uma estratégia é o padrão global de decisões de ações que


posicionam a organização em seu ambiente e têm o objetivo de fazê-la
atingir seus objetivos de longo prazo.
Existem vários conceitos e interpretações sobre o que é ser estratégico,
sendo que todos estão associados ao conceito de escolha de rumo, um
caminho, que uma vez constatado onde está localizado, decide-se aonde se
quer chegar, relacionando-se direta ou indiretamente a noções de
planejamento.

A estratégia e os objetivos descrevem um conceito do campo de atuação da


empresa. Eles especificam o volume, a área e as direções do crescimento,
os principais pontos fortes e meta de responsabilidade.

Principais Características das Estratégias

 Devem ser basear no resultado da análise do ambiente;


 Devem criar vantagem competitiva;
 Devem ser viáveis e compatíveis com os recursos;
 Devem ser coerentes entre si;
 Devem buscar o compromisso das pessoas envolvidas;
 Ter o grau de risco limitado pela empresa;
 Devem ser fundamentadas nos princípios da empresa;
 Devem ser criativas e inovadoras.

Como checar a consistência da Estratégia

 Esta estratégia está clara para todos que a lerem?


 Ela é viável?
 É compatível com os recursos atuais e potenciais?
 Cria vantagem competitiva?
 Aproveita oportunidades e minimiza ameaças?
 Ela potencializa as forças e neutraliza as fraquezas?
 Ela está circunscrita ao risco definido pela Diretoria?
 Respeita e reforça os princípios?
 Respeita a responsabilidade social da empresa?
 Pode promover o compromisso das pessoas envolvidas?
 É criativa e inovadora?
 É coerente com as demais?
Porque construir uma estratégia?
Nenhuma organização pode planejar por menorizadamente todos os
aspectos de suas ações atuais ou futuras, mas todas as organizações
podem beneficiar-se de ter noção para onde estão dirigindo-se e de como
podem chegar lá. Com outras palavras, todas as organizações precisam de
alguma direção estratégica.

As organizações precisam de estratégias para orientar-se sobre como


atingir os objetivos e como seguir a missão da organização.

A estratégia é necessária para a empresa como um todo, para cada negócio


em que a empresa está, e para cada parte funcional de cada negócio – P&D,
compras, produção, vendas e marketing, finanças, recursos humanos.

Uma estratégia bem concebida destina-se a captar as melhores


oportunidades de crescimento da empresa e promover a defesa do
desempenho futuro contra ameaças externas.

Como elaborar uma estratégia?


Para a elaboração de uma estratégia é necessária a realização de três
tarefas:

 Desenvolvimento de uma visão estratégica e da missão do negócio;

 Estabelecimento de objetivos de desempenho;

 Refinamento da estratégia para produzir os resultados desejados;

Desenvolvimento de uma visão e missão


estratégicas
A visão do tipo de empresa que a gerência está tentando criar e sua
intenção de manter uma posição comercial específica representa a visão
estratégica da empresa. A visão estratégica fornece um quadro em
perspectiva de “o que somos, o que fazemos e para onde vamos”. Ela não
deixa nenhuma dúvida sobre o rumo de longo prazo da organização e para
onde a gerência pretende conduzir a empresa. Uma visão estratégica bem
concebida é um pré-requisito para uma liderança estratégica eficaz.

Um gerente não pode funcionar eficientemente como líder da organização


ou como criador de estratégia sem um sólido conceito de negócio, sem
saber quais as atividades que deve executar e quais não deve, e que tipo de
posição competitiva de longo prazo deve tentar estabelecer em relação aos
concorrentes.

Estabelecendo Objetivos
O estabelecimento de objetivos converte a visão estratégica e o rumo em
metas de resultados e marcos de desempenho. Os objetivos representam o
compromisso gerencial de produzir resultados específicos por determinado
tempo. Elas dizem quanto de que tipo de desempenho para quando. Eles
direcionam atenção e energia para o que precisa ser executado.

Elaborando a Estratégia
A elaboração de estratégia é sobre tudo como atingir as metas de
desempenho, como superar os rivais, como atingir vantagem competitiva
sustentável, como reforçar a posição de longo prazo no negócio da
empresa, como transformar em realidade a visão estratégica da gerência
para a empresa.

A estratégia geral e o planejamento gerencial de uma organização surgem


do padrão de ações já iniciadas e dos planos que os gerentes têm para as
mudanças. Na elaboração de uma estratégia dentre as muitas opções
factíveis, o gerente forja uma resposta para as mudanças do mercado,
procura novas oportunidades e sintetiza as diferentes mudanças e
abordagens tomadas várias vezes em várias partes da organização.

A estratégia é inerentemente orientada pela ação; ela trata do que fazer,


quando fazer, e de quem deve ser envolvido no esforço.

A estratégia de uma organização evolui com o tempo. Raramente é possível


planejar todas as partes da estratégia com antecedência e passar longos
períodos sem encontrar necessidade de alteração.

A tarefa de elaboração da estratégia é infindável, envolve uma monitoração


inteligente da situação para fazer os ajustes à medida que se fizerem
necessários.

Nas empresas diversificadas, existem quatro níveis de estratégias, são


eles:

 Estratégia Corporativa
Se a organização é uma corporação de porte e diversificada, sua estratégia
a posicionará em seu ambiente global, econômico, político e social e
consistirá em decisões sobre quais dos tipos de negócio o grupo quer
conduzir, em quais partes do mundo deseja operar, quais negócios adquirir
e de quais desfazer-se, como alocar seu dinheiro entre os vários negócios e
assim por diante. Decisões como essas formam a estratégia corporativa da
organização.

A estratégia corporativa é o plano do jogo gerencial geral para uma


empresa diversificada. Elas orientam e conduzem a corporação em seu
ambiente global, econômico, social e político. Consiste das mudanças feitas
para estabelecer posições comerciais em diferentes indústrias e abordagens
usadas para gerenciar o grupo de negócios da empresa.

 Estratégia de Negócios
A estratégia do negócio é o plano geral de jogo para um único negócio. Ela é
espelhada no padrão de abordagens e mudanças elaboradas pela gerência
para produzir desempenho bem-sucedido numa linha de negócio específica.

Cada unidade de negócio na corporação precisará elaborar sua própria


estratégia de negócios, que estabelece sua missão e objetivos individuais,
bem como definir como pretende competir em seus mercados. Esta
estratégia de negócios orienta o negócio em um ambiente que consiste em
seus consumidores, mercados e concorrentes, mas também inclui a
corporação da qual faz parte.

Dentro do negócio cada função precisará considerar qual papel em termos


de contribuição para os objetivos estratégicos e/ou competitivos do negócio.
Todos os setores, produção, marketing, finanças, pesquisa e
desenvolvimento e outros, precisarão traduzir os objetivos do negócio em
termos que têm sentido para eles e precisam determinar a melhor forma de
organizar seus recursos para apoiá-los.

O vigor central da estratégia do negócio é como formar e reforçar a posição


competitiva de longo prazo da empresa da empresa no mercado.

 Estratégia Funcional
A estratégia funcional diz respeito ao plano do jogo gerencial de um
departamento ou atividade funcional chave dentro do negócio. Cada função
do negócio precisa de uma estratégia funcional que conduz suas ações no
âmbito do negócio. Nesta ocasião, o “ambiente” da função inclui em
particular o negócio em que se insere.

A estratégia funcional, de abrangência mais restrita que a estratégia de


negócios, adiciona detalhes relevantes ao plano geral do negócio
estabelecendo as ações, abordagens e práticas para a operação de um
departamento ou função do negócio. O papel principal de uma estratégia
funcional é fornecer apoio para a estratégia geral de negócios e para a
abordagem competitiva da empresa.

 Estratégia Operacional
As estratégias operacionais estão relacionadas com iniciativas estratégicas
e abordagens mais restritas para o gerenciamento de unidades operacionais
chave (fábricas, distritos de vendas, centros de distribuição) e para o
tratamento de tarefas operacionais diárias que tenham significado
estratégico (campanhas de propaganda, compra de material, controle de
estoque, manutenção, expedição).

As estratégias operacionais delineiam como gerenciar unidades


organizacionais chave dentro de um negócio e como executar atividades
estrategicamente significativas.

As estratégias operacionais acrescentam mais detalhes e complementos


para as estratégias funcionais e para o plano geral do negócio. A
responsabilidade principal pela estratégia operacional normalmente é
delegada para os gerentes da linha de frente, mas ficam sujeitas à revisão e
aprovação de seus chefes.

"A estratégia de uma empresa deve ser baseada naquilo que ela faz bem e
deve evitar aquilo que ela não faz tão bem.”

Os seis assassinos silenciosos da estratégia


Segundo Michael Beer e Russel A. Eisenstat, existem seis obstáculos à
implementação da estratégia e ao aprendizado presentes na maioria das
empresas.

 Os assassinos silenciosos:
Primeiro assassino silencioso: Estilo gerencial de cima para baixo ou de não-
interferência. Ou seja, quando executivos reúnem-se para discutir questões
estratégicas, fica evidente que as principais decisões já foram definidas pela
cúpula da empresa.

Segundo e quinto assassinos silenciosos: Prioridades conflitantes e conseqüente


coordenação inadequada. Essas barreiras caminham juntas. Quando a empresa
possui estratégias que brigam pelos mesmos recursos.

Terceiro assassino silencioso: Equipe líder ineficaz. A situação em que os


membros da equipe líder ficam restritos a seus territórios. Parecem grupos de
feudos que se recusam a cooperar mutuamente por medo de perder poder.

Quarto assassino silencioso: Comunicação vertical inadequada. Individualmente,


os funcionários reconhecem os problemas, mas acham que os executivos
seniores não estão abertos a uma discussão sincera. O cinismo cresce.

Sexto assassino silencioso: Inadequação das habilidades de liderança e


desenvolvimento dos escalões inferiores. Os executivos dos escalões inferiores
não estão desenvolvendo habilidades para liderar a mudança a partir das
oportunidades recém criadas nem recebem apoio por meio de treinamento em
liderança.