Você está na página 1de 35

COLÉGIO INTEGRADO

Telecomunicações I
POLIVALENTE
“Qualidade na Arte de Ensinar”

APRESENTAÇÃO

Acreditamos que, como nós, você lute “por um Brasil melhor” na perspectiva do desenvolvimento da
Educação Profissional.
Você encontrará um material inovador que orientará o seu trabalho na realização das atividades
propostas. Além disso, percebera por meio de recursos diversos como é fascinante o mundo da “Educação
Profissional”. Gradativamente, dominará competências e habilidades para que seja um profissional de
sucesso.
Participe de direito e de fato deste Curso de Educação a Distância, que prioriza as habilidades
necessárias para execução de seu plano de estudo:
• Você precisa ler todo o material de Ensino;
• Você deve realizar toda as atividades propostas;
• Você precisa organizar-se para estudar

Abra, leia, aproveite e acredite que “as chaves estão sendo entregues, logo as portas se abriram”.
Esta disposto a aceitar o convite?
Contamos com a sua participação para tornar este objetivo em realidade.

Equipe Polivalente

1 Proibido reprodução deste material em parte ou no todo,


propriedade do CIP – Lei n.º 9.610
COLÉGIO INTEGRADO POLIVALENTE
Telecomunicações I
“Qualidade na Arte de Ensinar”

SUMÁRIO

APRESENTAÇÃO.......................................................................................................... 1

INTRODUÇÃO ............................................................................................................. 3

UNIDADE I.................................................................................................................. 4
HISTÓRIA DAS COMUNICAÇÕES .............................................................................. 4
TRANSDUTOR ...................................................................................................... 5

UNIDADE II ................................................................................................................ 6
INFRA-ESTRUTURA.................................................................................................. 6
RETIFICADOR E BATERIA DE PARTIDA.................................................................... 8
EXERCÍCIO .......................................................................................................... 8

UNIDADE III .............................................................................................................. 9


BATERIAS................................................................................................................ 9
TORRES DE TRANSMISSÃO .................................................................................... 12
AUTOPORTANTE ................................................................................................ 12
ESTAIADA.......................................................................................................... 13
DE CONCRETO ARMADO..................................................................................... 13
PRINCIPAIS ACESSÓRIOS ................................................................................. 13
EXERCÍCIO ........................................................................................................ 14

UNIDADE IV ............................................................................................................. 15
REDE EXTERNA ...................................................................................................... 15
AS PRINCIPAIS PEÇAS .......................................................................................... 16
DE UM APARELHO TELEFÔNICO ............................................................................. 16
TIPOS DE APARELHOS TELEFÔNICOS ................................................................ 17
TIPOS DE REDE ..................................................................................................... 18
ARMÁRIOS DE DISTRIBUIÇÃO............................................................................... 21

UNIDADE V ............................................................................................................... 23
REDE INTERNA ...................................................................................................... 23
MEIOS DE TRANSMISSÃO ...................................................................................... 23
PUPINIZAÇÃO ....................................................................................................... 25

UNIDADE VI ............................................................................................................. 26
IDENTIFICAÇÃO E NUMERAÇÃO DA UNIDADE DE REDE......................................... 26
TIPOS DE CABOS UTILIZADOS EM REDE TELEFÔNICA AÉREA E SUBTERRÂNEA .... 26
LINHAS COAXIAIS................................................................................................. 27
FIBRAS ÓPTICAS ................................................................................................... 27
CABOS TELEFÔNICOS – IDENTIFICAÇÃO E NUMERAÇÃO ....................................... 27
CAIXAS SUBTERRÂNEAS........................................................................................ 31
TECNOLOGIA DE CABOS ÓPTICOS ......................................................................... 32
CABO ÓPTICO TIPO TIGHT ................................................................................ 32
CABO ÓPTICO TIPO LOOSE ................................................................................ 32

GLOSSÀRIO .............................................................................................................. 33

CONSIDERAÇÕES FINAIS.......................................................................................... 34

2 Proibido reprodução deste material em parte ou no todo,


propriedade do CIP – Lei n.º 9.610
COLÉGIO INTEGRADO POLIVALENTE
Telecomunicações I
“Qualidade na Arte de Ensinar”

TELECOMUNICAÇÃO I

INTRODUÇÃO

Você esta iniciando o estudo do Módulo I de TELECOMUNICAÇÕES que será dividido em 4


Módulos. Você terá contato com teorias importantes que vão proporcionar um desempenho eficiente durante o
seu Curso.
Este é o Módulo I que esta dividido em seis unidades: UNIDADE I: História das comunicações,

Transdutor; UNIDADE II: Infra-Estrutura, Retificador e Bateria de Partida; UNIDADE III: Baterias, Torres de

Transmissão; UNIDADE IV: Rede Externa, As Principais peças de um Aparelho Telefônico Tipos de Rede

Armários de Distribuição; UNIDADE V: Rede Interna, Meios de Transmissão Pupinização; UNIDADE VI:

Identificação e numeração da Unidade de Rede, Tipos de Cabos Utilizados em Rede Telefônica Aérea e
Subterrânea, Linhas Coaxiais, Fibras Ópticas, Cabos Telefônicos – Identificação e Numeração, Caixas
Subterrâneas, Tecnologia de Cabos Ópticos.
Nossa linha de trabalho abre um caminho atraente e seguro pela seqüência das atividades – leitura,
interpretação, reflexão, e pela variedade de propostas que mostram maneiras de pensar e agir, e que recriam
situações de aprendizagem.
As aprendizagens teóricas são acompanhadas de sua contrapartida prática, pois se aprende melhor
fazendo. Tais praticas são momentos de aplicação privilegiados, oportunidades por excelência, de demonstrar o
saber adquirido.
Nessa perspectiva, dois objetivos principais serão perseguidos neste material. De um lado, torná-lo
habilitado a aproveitar os frutos da aprendizagem, desses saberes que lhe são oferecidos de muitas maneiras,
em seu estudo, ou até pela mídia – jornais, revistas, rádio, televisão e outros - pois sabendo como foram
construídos poderá melhor julgar o seu valor. Por outro lado, capacitando-se para construir novos saberes. Daí
a necessidade do seu estágio para aliar a teoria à prática.

A soma de esforços para que estes módulos respondessem as suas necessidades, só foi possível mediante a
ação conjunta da Equipe do Polivalente.
Nossa intenção é conduzir um dialogo para o ensino aprendizagem com vistas a conscientização,
participação para ação do aluno sobre a realidade em que vive.

A Coordenação e Tutores/Professores irá acompanhá-lo em todo o seu percurso de estudo, onde as


suas dúvidas serão sanadas, bastando para isso acessar o nosso site:

www.colegiopolivalente.com.br.

Equipe Polivalente

3 Proibido reprodução deste material em parte ou no todo,


propriedade do CIP – Lei n.º 9.610
Telecomunicações I

Entretanto, a pequena banda de freqüência


UNIDADE I disponível, limitando o sistema a poucos
assinantes, levou ao telefone celular.
A telefonia desempenha outro papel
HISTÓRIA DAS COMUNICAÇÕES fundamental na sociedade, nem sempre visível ao
grande público: o sistema de telefonia é utilizado
Em 1830 o inglês FARAD realiza várias
para comunicação de dados entre equipamentos
experiências sobre eletricidade e magnetismo. A
(computadores como exemplo). Para esta tarefa a
pergunta da época era: “para que serve
rede telefônica precisa de uma interface
eletricidade e magnetismo?” De 1830 a 1900 os
adaptadora – o Modem – já que se trata de
cientistas foram descobrindo as aplicações deste
transmitir sinais digitais e não voz.
ramo da Ciência, tornando a tecnologia
Fibra Óptica e Satélites completam o
indispensável no dia a dia.
desenvolvimento tecnológico da telefonia.
O telefone foi uma das primeiras
A primeira substitui a fiação, permitindo
aplicações, inventado em 1876.
muito mais ligações simultâneas que condutores
A primeira descoberta foi o Telégrafo, em
elétricos. Satélites fazem a ligação entre pontos
1835, permitindo a comunicação de sinais
distantes, geralmente Centrais Telefônicas.
eletrônicos entre dois pontos ligados por uma
Em telefonia, por mais interessante que
fiação condutora. Daí surgirem duas tecnologias de
seja uma inovação, há um pré-requisito que ela
telecomunicações: uma que suprimia a fiação
deve obedecer: ser compatível com o sistema
condutora, usando transmissões de ondas
j´instalado. Isto obriga o técnico a estudar a
eletromagnéticas no ar (Rádio e Televisão), e outra
telefonia desde suas formas mais primárias,
que mantinha a fiação (telégrafo, telefone, fax).
entendendo o porque de certos padrões e
Com o telefone móvel, sem fiação, e a televisão à
exigências, enquanto certas descobertas não
cabo, estas tecnologias voltaram a se encontrar.
podem ser implantadas.
O começo da telefonia foi confuso, sem
uma noção clara do que se poderia transmitir.
Assim, logo se tentou a transmissão de cópias de Introdução: Origem da palavra telecomunicações,
documentos (Fax 1843, Alexandre Brain), que foi tele (grego) = distância + comunication (latim)
conseguida mas teve de esperar o desenvolvimento communis = comum. E sua origem, quanto às
da Eletrônica para se tornar popular. formas primárias de: comunicação à distância.
Alexandre Graham Bell, físico escocês
naturalizado norte-americano, no começo da O avanço tecnológico possibilitou ao
década dedicou-se à pesquisa de transmitir voz por homem que ele comandasse a variação dos
fiação, o telefone. Em 1875 obteve a patente do fenômenos físicos, formando símbolos e criando
aparelho telefônico, fazendo sua primeira códigos.
demonstração pública na Filadélfia EUA, em 1876. O domínio dos fenômenos elétricos, ou
Estavam presentes 15 pessoas, entre elas o precisamente eletromagnético, possibilitou a
Imperador do Brasil, D. Pedro II, que atendeu a comunicação a longas distâncias.
ligação feita da sala ao lago pelo assistente de Bell, Após 1978, o CNPQ (Centro Nacional de
Thomas A. Watson. Pesquisa) desenvolveu o telefone-padrão Brasileiro,
Bell e Watson aperfeiçoaram o sistema e já no qual o disco foi substituído por um teclado
em 1878 aparecia a primeira rede pública comercial digital e a irritante campainha por sistema sonoro
em New Haven, EUA. Em 1885 foi formada a AT & agradável. (Veja figura)
T – American Telephone And Telegraph Company –
que até 1984 exerceu o monopólio da telefonia nos Entendemos como SISTEMA DE
Estados Unidos (sendo desmembrada por ordem TELECOMUNICAÇÕES o conjunto de equipamentos,
judicial (anti-trust) servindo de modelo
administrativo e fonte de padrões técnicos para o
resto do mundo.
No Brasil, o primeiro telefone (interno) foi
instalado no Palácio São Cristóvão, Rio de Janeiro
1878. Logo em seguida, 15 de novembro de 1879,
o Decreto Imperial 7.539 criou a CTB –
Companhia Telefônica Brasileira. Com o tempo
outras concessionárias foram autorizadas e
finalmente criou-se a Telebrás, monopólio estatal
para controlar todo o sistema de Telecomunicações cabos, linhas fios etc, que permite a transferência
Brasileiro. de informação e por comunicação entenderemos a
Nos dias atuais com a privatização foi transferência de informação de um ponto ao outro.
criada a Anatel, agencia do governo que A variação comandada de um fenômeno
regulamenta as normas de Telecomunicações no físico na representação da informação denomina-se
país. SINAL.
Uma revolução na área começou com o As telecomunicações lidam principalmente
Telefone Móvel, que vem a ser uma transmissão com SINAL ELÉTRICO no processo de transmissão.
radiofônica ligada pela rede pública de telefonia. Em telefonia, por exemplo, o sinal acústico (voz ou

4 Proibido reprodução deste material em parte ou no todo,


propriedade do CIP – Lei n.º 9.610
Telecomunicações I

música) é transformado em sinal elétrico que, após


o conveniente tratamento será transmitido, aos Coube ao Marechal Cândido Mariana da
dispositivos especiais que transformam um sinal de Silva Rondon, Patrono das Telecomunicações do
uma forma de energia para outra, denomina-se Brasil, cruzar o País com linhas telegráficas,
TRANSDUTORES. Para ilustrar: no telefone uma fazendo-se ouvir de Leste a Oeste e de Norte a Sul.
cápsula especial de microfone (transdutor-elétrico) Os fenômenos eletrostáticos eram
transforma o sinal acústico de voz em sinal elétrico conhecidos já na Grécia Antiga, embora as
de voz. Outra cápsula, a receptora (transdutor partículas subatômicas não fossem conhecidas, e
eletro-acústico) transforma o sinal elétrico de voz somente em 1881 o inglês Stoney criasse a palavra
em sinal acústico de voz, capaz de ser percebido “electron” para designar a partícula portadora da
pelo ouvido humano. (Ver figura abaixo) menor carga livre que se conhece.
Durante o século XVIII os fenômenos
elétricos e magnéticos são alvos de experiências
simples, onde os conceitos de corrente e de
tensão elétrica são determinados. Já no século
XIX inicia-se a classificação dos fenômenos
eletromagnéticos, conseqüência dos trabalhos de
Faraday, que anteviu o funcionamento do motor
elétrico.
Em 1876, Alexandre Grahan Bell,
patenteou o seu invento (o telefone), ganhando a
corrida técnica do professo Elisha Gray por uma
questão de poucas horas. Também 1877 MacEvoy e
TRANSDUTOR Prichett inventa o telefone transmissor – receptor.
O Brasil parece ter uma destinação para as
Entre os transdutores existe um complexo telecomunicações e já 1876 D. Pedro II recebendo
sistema eletro-mecânico, tais como eletro-óptico um aparelho de presente de Grahan Bell, mandou
(televisores), óptico-eletro (câmaras de vídeo), instalar no Palácio de São Cristóvão ligando-o às
eletro-acústico (caixa de sons – alto falante), Forças Armadas e ao Quartel dos Bombeiros.
acústico-elétrico (microfones), conhece-lo será Em 15 de novembro cria-se a primeira
objetivo do nosso curso. Companhia Telefônica do Brasil (CTB). Também em
Os sistemas de equipamento de 1893, o Padre Roberto Landell de Moura, dois
telecomunicações vêm sendo constantemente anos antes de Marconi, consegue transmitir sinais e
aperfeiçoados visando comunicações rápidas, sons musicais a uma distância de oito kilômetro da
fáceis, de boa qualidade e a baixo custo. avenida Paulista ao alto de Santana, em São Paulo,
Os primeiros sistemas de telecomunicações num sistema de telefonia sem fio. Ele foi o
tiveram aplicação em telegrafia”, para o auxílio do verdadeiro inventor do triodo (válvula de três
tráfego ferroviário. pólos). E em reconhecimento ao seu trabalho do
Em 1837, Samuel Morse, inventou o Padre Landell de Moura a Telebrás batizou com o
manipulador de telegrafia e criou o código que leva seu nome o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento,
o seu nome. O sistema consiste em interrupções de situado em Campinas – São Paulo.
uma corrente elétrica, codificadas em traços e O setor de telecomunicações inclui além do
pontos representativos do alfabeto e demais sinais telefone, a telegrafia, o telex, a transmissão de
gráficos: (maior interrupção = traço; menor = dados, de imagens, Fac símile, TV, videotexto, a
ponto) radiodifusão, as comunicações via satélite, a
Ex.: S . . . O _ _ _ S cabodifusão (CATV ou televisão por cabo), cabos
ópticos de alta velocidades, as múltiplas formas de
Em 1844, os Estados Unidos inaugura sua radiocomunicações (faixa do cidadão –
primeira linha telegráfica e no Brasil, 8 anos mais radioamadorismo), videofone, serviços postais, etc.
tarde (1852) inaugurava-se a primeira linha
telegráfica para transmissão em morse. (veja Após a privatização do sistema foi criado a
figura de um manipulador telegráfico) Agencia Nacional de Telecomunicações – ANATEL,
e têm como finalidade de: Agenciar, Normalizar e
fiscalizar todo os setores de Telecomunicações do
País.
O Brasil também participa da Organização
Internacional de Telecomunicações – O.I.T, que
1906 foi decidido mudar o nome da Organização
para o atual U.I.T – União Internacional de
Telecomunicações que coordena o
relacionamento comercial e a cooperação técnico-
operacional que possibilita o funcionamento global
das telecomunicações, onde todos os países do
mundo estão filiados a ela, inclusive o Brasil.
INTELSAT (Organização Internacional de
Telecomunicações por Satélite), criado em agosto
”
telegrafia – arte de construir telégrafo e de os usar. de 1964, é um Organismo mundial que tem por
5 Proibido reprodução deste material em parte ou no todo,
propriedade do CIP – Lei n.º 9.610
Telecomunicações I

finalidade prever, em bases comerciais, um sistema


especial capaz de estabelecer serviços públicos de
telecomunicações internacionais de alta qualidade,
via satélite, em bases são discriminatórias e
acessível a todas as áreas do mundo. Para tanto
lhe cabe a responsabilidade de projetar,
desenvolver estabelecer, manter e operar o
UNIDADE II
segmento espacial do sistema de comunicações
internacionais via satélite. Participam desta INFRA-ESTRUTURA
organização os estados diretamente, ou através de
entidade pública ou privada de telecomunicações, INTRODUÇÃO
devidamente autorizadas. Basicamente, temos dois tipos de estações
Em 1965, o Brasil filiou-se ao INTELSAT, de Telecomunicações:
mantendo um representante legal e hoje, o nosso a) ESTAÇÃO TELEFÔNICA: Conjunto constituído do
país figura como um dos principais proprietários prédio (ou unidades volantes) e de uma ou mais
dos satélites, quase em pé de igualdade com os centrais telefônicas nela instaladas;
países do 1° mundo. b) ESTAÇÃO REPETIDORA: Conjunto de
equipamentos incluindo as instalações acessórias,
capaz de captar sinais recebidos de um sentido e
O QUE NOS ESPERA O FUTURO? retransmiti-los.
Qualquer ficcionista, por mais ousado que Os sistemas que compõe a infra-estrutura
seja, corre o risco de falar da realidade e pensar destas estações são:
que é fantasia. Já temos como certo: • Prédio
• Os sinais analógicos já foram substituídos • Torres
pelos sinais digitais; • Sistema de Corrente Alternada
• O sistema convencional foi substituído pela • Sistema de Corrente Contínua
optoeletrônico e agora pelo digital; • Sistema de Ar Condicionado
• Os correios tradicionais substituído pelo • Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio
eletrônico, agora digital; • Sistema de Aterramento e pára-raios
• Os jornais do “fac-simile”, pela computação
gráfico-digital;
• Os computadores já estão interligados em ELETRICIDADE: CONCEITOS BÁSICOS
redes de alta velocidades e sua linguagem é Toda matéria que conhecemos, incluindo
tão simplificada que qualquer pessoa pode sólidos, líquidos e gases, contém partículas básicas
acessa-lo tanto no uso comercial como de carga elétrica: elétron e próton
doméstico;
• As redes de microondas estão dando lugar
aos sinais de satélites; O elétron possui carga elétrica negativa.
• Já se pode fazer conferências/palestras em O Próton possui carga elétrica positiva,
vídeo-conferências, tudo em terceira onde os prótons encontram no núcleo do átomo e
dimensão, e, faixas de 20 a 30 GHz; os elétrons ficam girando ao redor do mesmo.
• A televisão com tubos de imagem
convencional já está sendo substituídos por
tubos de cristais líquido; Na natureza temos substâncias com uma
• Os teclados serão substituídos por “imputs” quantidade maior de elétrons do que de prótons e
verbais. vice-versa. Esses elétrons livres podem
movimentar de átomo para átomo, com o objetivo
O telefone de pulso, parece ser uma de ser tornarem neutros.
realidade, no Japão já há estudos e está em Quando esse deslocamento ou fluxo de
aperfeiçoamento para o futuro. elétrons é orientado numa certa direção
denominados de corrente elétrica. A unidade
PRIORIDADES básica de corrente é o “Ampère” ( A ).
Tudo que foi dito é possível até que ponto
e até quando chegaremos lá é uma questão de As substâncias que permitem o livre
prioridade. Prioridade é puramente política. A movimento de um grande número de elétrons,
vontade de fazer, entretanto, impulsionar a oferecendo baixa resistência ao fluxo de corrente
política. chamamos de condutores. Os cobres em fio é
considerado um bom condutor porque possui
Em última análise, fazer ou não muitos elétrons livres. Entre os metais mais
depende de cada um de nós. conhecidos como condutores estão: a prata, o
cobre e o alumínio.
Em contato com os bons condutores,
algumas substâncias como a borracha, vidro,
madeira seca possuem muito pouco elétrons livres,
e são chamados de isolantes.
Ao aplicarmos uma força ocasiona
movimento de elétrons livres em um condutor,
6 Proibido reprodução deste material em parte ou no todo,
propriedade do CIP – Lei n.º 9.610
Telecomunicações I

formando assim uma corrente elétrica, que é A potência elétrica está aliada a trabalho.
chamada de tensão elétrica ou diferença de Ao realizarmos um trabalho aplica-se uma força
potencial. A unidade básica de tensão é o “Volt” ( que gera um movimento, onde a força elétrica
V ). aplicada a tensão, força a passagem de uma
Todos os matérias oferecem uma certa corrente em um circuito fechado. Então a potência
resistência ou oposição à passagem da corrente será dada pelo produto da tensão aplicada a um
elétrica. Os condutores oferecem pouquíssima circuito pela corrente que flui no mesmo. A unidade
resistência e os isolantes alta resistência. A unidade básica de potência é o “Watt” ( W ).
de resistência é o “Ohm” ( Ω ).

TABELA DAS GRANDEZAS E SUAS RESPECTIVAS SIMBOLOGIAS

GRANDEZAS ELÉTRICAS REPRESENTAÇÃO UNIDADE SÍMBOLO

CORRENTE I AMPÈRE A
TENSÃO V VOLT V
POTÊNCIA P WATT W
RESISTÊNCIA R OHM Ω

As grandezas apresentada estão relacionadas pelas seguintes equações:

V=R.I e P=V.I

TENSÃO E CORRENTE ALTERNADA


(CA)
É caracterizada pela variação ao longo do tempo, assumindo valores positivos e negativos.
A tensão alternada utilizada no Brasil, tem
PERÍODO ( T ) uma freqüência de 60 Hz.
A freqüência e o período da forma de onda
senoidal da tensão e corrente, estão relacionados
pela expressão:

1
f = onde T = período em segundos
T
f = freqüência em Hz

AMPLITUDE ( A )
Expressa o valor máximo de uma
alternância e é medida em volts.

É o tempo gasto por uma onda para a


realização de ciclo TENSÃO E CORRENTE CONTÍNUA (C.C.)
A tensão e corrente contínua apresenta um
valor único ao longo do tempo e obtida a partir da
FREQÜÊNCIA ( F ) alternada, e suas principais vantagens são a sua
É o número de ciclos que ocorre no tempo estabilidade e a possibilidade de ser armazenada
de um segundo. através de baterias.
Normalmente é expresso em “hertz”
(Hz), ou seja 1 Hz é igual a 1 ciclo por segundo.

7 Proibido reprodução deste material em parte ou no todo,


propriedade do CIP – Lei n.º 9.610
Telecomunicações I

A finalidade principal do sistema C.A é a de


V suprir energia, para os consumidores de C.A da
estação. O sistema C.A compõe-se basicamente
.................................. I dos seguintes itens.

t
a – Entrada da Rede Comercial (subestação
Transformadora)
b – Supervisão do Sistema C.A
c – Geração própria de energia C.A
d – Distribuição de C.A
SISTEMA DE CORRENTE ALTERNADA
(C. A)
alternador, excitatriz e motor de partida. Que
através de um eixo mecânico obtém-se energia
ENTRADA DE REDE COMERCIAL elétrica a partir de energia mecânica.
(SUBESTAÇÃO TRANSFORMADORA)
Para obter energia C.A, a nível comercial,

REDE
COMERCIAL
SUPERVISÃO DO DISTRIBUIÇÃO
GERAÇÃO SISTEMA C.A DE C.A
PROPRIA DE
ENERGIA
utiliza-se uma subestação, constituída de RETIFICADOR E BATERIA DE
transformadores abaixadores de tensão e
elementos de proteção. A energia elétrica é
PARTIDA
A finalidade do retificador e da bateria de partida é
transmitida até os locais em rede de alta tensão, e
alimentar, com tensão CC, o motor de partida do
função da subestação é colocar essa tensão a nível
motor a combustão. Normalmente o retificador de
comercial, ou seja, em baixa tensão.
partida mantém a bateria de partida em condições
A entrada da energia C.A, dependendo do
plenas de utilização (em flutuação), compensando
porte da estação telefônica pode ser feito, em baixa
as suas perdas internas por autodescargas.
ou alta, isto é:
Quando acionado o motor de partida, a
• Estações telefônicas de médio e grande
bateria alimenta-o até que o motor a combustão
porte e estações repetidoras – Entrada em
entre em regime normal. Neste momento há uma
alta tensão. Geralmente é de: 13.800
descarga de bateria, que logo após é suprida pelo
volts.
retificador de partida.
• Estações de pequeno porte – Entrada em
baixa tensão de: (380/220V ou As baterias alcalinas são as mais usadas
para esta finalidade, pois suportam melhor os picos
220/127V).
de correntes ocasionados na partida do motor.
Numa transmissão de energia elétrica a
potência transmitida deve ser a mesma que será
EXERCÍCIO
recebida. E quanto maior for a corrente, maior será
a potência dissipada nos cabos, a qual dada pela
1. Como se deu os primeiros sinais de
relação abaixo:
comunicação?
_________________________________________
P = R . 1²
_________________________________________
_________________________________________
R = Resistência dos cabos de alimentação da
estação _________________________________________
I = Corrente através dos cabos.
2. Quais os instrumentos utilizados no meio de
Geração própria de energia C. A.
comunicação?
_________________________________________
_________________________________________
GRUPO MOTOR GERADOR
_________________________________________
A finalidade principal do grupo motor
_________________________________________
gerador é a de gerar energia elétrica C.A, quando
há interrupção de fornecimento pela rede comercial
ou quando a mesma não é confiável. O motor
3. Qual o conjunto de equipamento que compõe o
gerador é composto de um motor a combustão,
Sistema de Telecomunicações?
8 Proibido reprodução deste material em parte ou no todo,
propriedade do CIP – Lei n.º 9.610
Telecomunicações I

_________________________________________
_________________________________________
_________________________________________
_________________________________________

4. Sabemos que as telecomunicações lidam com


sinais elétricos em transmissão e em telefonia com
sinais acústicos. A este conjunto chamamos de:
_________________________________________
_________________________________________
_________________________________________
5. Samoel Morse, inventor do manipulador UNIDADE III
telegráfico, no Brasil o patrono das
telecomunicações que cruzou o país de leste a
oeste, norte a sul foi:
BATERIAS
_________________________________________
A finalidade das baterias é alimentar os
_________________________________________
consumidores de CC, quando da falta de energia
_________________________________________
CA e/ou quando ocorrem picos de correntes no
_________________________________________
consumidor. O período que as baterias devem
alimentar os consumidores é calculado com o
intuito de dar autonomia ao sistema até que haja o
6. Em 1876, o telefone fora inventado e patenteado
retorno da energia CA.
por um escocês naturalizado americano, no Brasil
também tivemos um propulsor das
telecomunicações, a esta personalidade dá-se o
nome de:
_________________________________________
_________________________________________
_________________________________________
_________________________________________

7. Com a criação das TV’s preto e branco, em 1872


veio a televisão a cores e a este sistema chamamos
de:
_________________________________________
_________________________________________
_________________________________________
_________________________________________

8. Quais as principais atividades da Anatel


BATERIAS USADAS EM FONTES DE CC
(Agência Nacional de Telecomunicações)?
Existem dois tipos de baterias:
_________________________________________
1 – Com eletrólito ácido.
_________________________________________
2 – Com eletrólito alcalino.
_________________________________________
_________________________________________
O funcionamento de ambos os tipos são:
Tensão nominal por elemento:
• ácida – 2,0v
9. Descreva a finalidade e as responsabilidades da
• alcalina – 1,2v.
Intersat?
_________________________________________
Normalmente as baterias estão em regime
_________________________________________
de flutuação através do fornecimento de tensão
_________________________________________
adequada pelas Unidades Retificadoras
_________________________________________
• ácida – 2,2v / elemento.
• alcalina – 0 1,4v / elemento
10. Quando se fala em telecomunicações, pensa-se
Observamos que, devido a diferença de
em desenvolvimento, baseado nisto, cite alguns
tensão nominal por elemento da bateria ácida para
exemplos que poderá ocorrer no futuro:
a alcalina, o número de elementos da bateria ácida
_________________________________________
é menor que a da alcalina.
_________________________________________
• ácida – 22 elementos
_________________________________________
• alcalina – 36 elementos
_________________________________________
_________________________________________

9 Proibido reprodução deste material em parte ou no todo,


propriedade do CIP – Lei n.º 9.610
Telecomunicações I

SISTEMA DE AR CONDICIONADO
A finalidade deste sistema é o de controlar
a umidade relativa, temperatura, pureza e
movimentação de ar de ambientes delimitados,
mantendo-os dentro das faixas exigidas para
perfeito funcionamento de equipamentos e
condição de trabalho de pessoal.
A unidade que mede a quantidade de ar a
ser refrigerado:
TR – Tonelada de ar Refrigerado

Sistema com condensador a ar.

Ciclo de Refrigeração Mecânica

TIPOS DE SISTEMA DE AR
CONDICIONADO
a) Sistema de Expansão Direta
b) Sistema de Expansão Indireta

SISTEMA DE EXPANSÃO DIRETA


Neste sistema podemos ter condensação a
ar e a água.

Sistema de Expansão Direta com


Condensação a Ar. Consiste de Expansão Direta com
Consiste na troca direta de calor entre o ar Condensação a água
quente, oriundo do ambiente a ser refrigerado e o Consiste na troca de calor entre o sistema
sistema de gás refrigerador, o sistema de gás é de gás refrigerador e o ar quente. O sistema de gás
resfriado pela troca de calor entre o mesmo e o ar é refrigerado pela troca de calor entre o mesmo e a
frio. O gás refrigerador mais utilizado é o FREON água.
22.
APLICAÇÃO
APLICAÇÃO Em grandes instalações;
Em instalação de pequeno porte, a Capacidade: Acima de 100 TR
capacidade é de: 5 a 7, 5 TR. Vantagens: Flexibilidade do sistema de
Pequenas instalações (PE – 32, CP – 24, prover ar condicionado para áreas de diferentes
Repetidora) MO utilizações.

Sistema de água Gelada

10 Proibido reprodução deste material em parte ou no todo,


propriedade do CIP – Lei n.º 9.610
Telecomunicações I

9 Quadro de Comando do Sistema de


Alarme;
9 Retificador e bateria de 12 Vcc;
9 Quadro Principal de Alarme.

A detecção é realizada por detectores


automáticos e por detectores manuais
estrategicamente instalados. Onde todos os sinais
convergem para o QCSA (Quadro Comando
Supervisão de Alarme) que por sua vez emite todos
os comandos. O Comando remoto pode ser
interligado com o Corpo de Bombeiros.

Os tipos de detectores automáticos de


incêndio são os seguintes:
9 Térmico;
9 Térmico blindado;
9 Termovelocímetro de ação dual;
9 Iônico” e
9 Ultravioleta”.
GERADOR EÓLICO
Os dois tipos de energia não convencionais
Bomba de condensação pesquisados hoje no Brasil em Telecomunicações,
são energia solar e eólica”.
SISTEMA DE ATERRAMENTO Na energia solar os mais utilizados são
Finalidade do sistema de aterramento e termoelétrico e o fotovoltaico.
pára-raios:
I. Proporcionar baixa resistência de TERMOELÉTRICO – utiliza elementos que por
aterramento aos equipamentos em geral; aquecimento produzem energia elétrica.
II. Manter valores de tensão carcaça-terra
dentro do nível de segurança no caso de FOTOVOLTAICO – utiliza elementos excitados
energização acedental; pela energia luminosa para produzirem energia
III. Escoamento para terra de descargas elétrica.
atmosféricas, através do pára-raios, ou
sobretensões devidas a manobras elétricas; Na energia eólica vários são os tipos tais
IV. Escoamento para terra da eletricidade como: moinhos, bombas d’água, geradores
estática; elétricos, etc. Podemos destacar dois tipos de
V. Melhorar a operação e a continuidade dos cataventos.
serviços.
• cataventos de eixo vertical;
• cataventos de eixo horizontal.
Sistema de aterramento é constituído de
condutores, cabos, hastes (eletrodos) e conectores,
que formam uma malha, como mostrado abaixo.

SISTEMA DE ALARME E DETECÇÃO DE


INCÊNDIO
A finalidade desse sistema é a detecção de ”
iônico – relativo ao íon; ação de determinadas irradiações.
incêndio e consecutivos alarmes sonoros, visuais e ”
ultravioleta – relativo a parte do espectro que fica
remotos. situada imediatamente abaixo do violeta da qual os
Esse sistema é constituído de:
comprimentos de onda das radiações variam entre 0,2 a 0,4
9 Detectores automáticos e manuais;
de micro, além do espectro visível.
”
eólico – o vento; corrente aérea.
11 Proibido reprodução deste material em parte ou no todo,
propriedade do CIP – Lei n.º 9.610
Telecomunicações I

Deve obedecer preferencialmente terrenos


planos, não sujeita a enchentes e/ou concentração
excessivas de umidade e em logradouros providos
de energia elétrica, água e esgoto e de fácil acesso
para viatura de carga.
O terreno deve ter, preferencialmente,
forma retangular devendo sua área mínima atender
as operações e manutenções do sistema e ainda
atender às necessidades de crescimento dos
prédios para um período de no mínimo 30 anos.

No prédio de uma Estação Telefônica é


composto das seguintes dependências:
Para conhecimento: • Portaria
• Sala de distribuidor geral
No Brasil, o Instituto de Atividades • Sala de subestação
Espaciais (I.A.E) do Centro Técnico • Sala de retificadores
Aeroespacial (C.T.A.), está desenvolvendo • Galeria / túnel de cabos
pesquisas sobre geradores, desde 1974. • Sala de equipamento de comutação
• Posto de serviço para atendimento ao
As leituras obtidas pelo Desenvolvimento público
Nacional de Meteorologia (D.N.M.), revelou que na • Sala de pressurização”
região litorânea do Brasil, a velocidade dos ventos • Sala de baterias
variam em média de 3,5 a 8 m/s; na região • Sala grupo motor gerador
nordeste os ventos são fortes e constantes. • Central de condicionamento de ar
• Sala de equipamento de transmissão
Nas regiões interioranas as velocidades • e outras
médias usuais dos ventos, são inferiores a 3,5 m/s,
salvo locais de maior altitude.
TORRES DE TRANSMISSÃO
Para uso de aerogeradores é necessário
que a média das velocidades dos ventos seja de 4 a A finalidade das torres de transmissão é o
5 m/s, sem o qual não teremos potência eólica. de sustentar as antenas de telecomunicações e
Já existe a possibilidade de instalação e antenas de televisão (em alguns casos).
operação híbrida” da energia solar e eólica. E na São três os tipos de torres utilizadas em
ausência de sol, haja a ocorrência de ventos, como transmissões:
nas horas da manhã e da noite. Onde usando
juntos os dois sistemas, as variações climáticas são Ö AUTOPORTANTE
grandemente atenuadas, porque o ano de menos Ö ESTAIADA
ventos terá maior insolação” e vice-versa. Ö DE CONCRETO ARMADO
As vantagens na conjugação desses tipos
de energia são:
AUTOPORTANTE
• Facilidade de manutenção do sistema;
• Não necessita de combustível;
• Grande economia em médio e longo prazo; • Pode ser instalada em terrenos de
• Operação sem poluição do ambiente. dimensões reduzidas;
• Suporta cargas maiores do que a torre
estaiada;
COMPOSIÇÃO DE PRÉDIOS PARA • Pode ser facilmente reforçada para
ESTAÇÕES TELEFÔNICAS aumentar sua capacidade de suporte de
O mais importante é conhecer a localização cargas.
do Centro de Fios, o centro de fios é a soma dos
comprimentos de todas as linhas de assinantes seja
mínima. Fazendo com que haja menos
investimentos na construção da rede externa.
Observadas estas regras implanta-se então a
Estação Telefônica. Atentando sempre os
impedimentos naturais tais como: Morros, Rios
Lagos ou de ordem estrutural tais como:
Construções, Praças, Estradas de ferro e/ou ruas
de tráfego pesado que possa provocar vibrações no
ponto onde vai determinar a construção da estação
Telefônica.

” ”
hídrico – relativo a água, ao hidrogênio; aquoso. pressurização – ação de pressurizar; manter pressão
”
insolação – aquecimento excessivo, expor ao sol. normal no avião, em uma sala, ou engenho espacial.
12 Proibido reprodução deste material em parte ou no todo,
propriedade do CIP – Lei n.º 9.610
Telecomunicações I

ESTAIADA

As estruturas das Torres são executadas


em perfis laminados planos ou tubos de aço
• Exige uma maior disponibilidade de galvanizado, aparafusados, com seção transversal
terrenos, haja visto que as sapatas de quadrada ou triangular.
sustentação de seus estais devem localizar-
se dentro dos limites do terreno da estação;
• Menor custo relativo, até determinada carga PRINCIPAIS ACESSÓRIOS
a ser instalada;
• Pode ser remanejada facilmente, por isso, ESTEIRAS DE GUIAS DE ONDA
sendo muito utilizada em estações de Servem para suporte das guias de onda e
pequeno porte; seu trajeto vai desde a antena até a face do prédio
• Devido a sua pequena capacidade de onde são instalados os equipamentos de
suporte, somente é aplicada em estações de transmissão.
pequeno porte.
ESCADAS
A escada é do tipo “marinheiro”,
DE CONCRETO ARMADO constituída de longarinas e degraus, iniciando a
três metros (3m) da base da torre e terminando na
plataforma de acesso às luminárias do topo da
• Capacidade de suporte de cargas elevadas torre.
• Custo de construção elevado, daí sua pouca
utilização; PLATAFORMA
• Custo de manutenção muito abaixo do que São constituídas plataformas de trabalho,
as demais torres; com largura mínima de 0,80m, localizadas a 1,00m
• Devido a sua estrutura, podem ser abaixo do eixo de cada antena com proteção de
instalados dentro da mesma os guarda corpo e rodapé.
equipamentos de transmissão e
eventualmente os de energia.
PÁRA-RAIOS
No topo das torres, são instalados pára-
raios destinados a protege-las contra descargas
atmosféricas.

13 Proibido reprodução deste material em parte ou no todo,


propriedade do CIP – Lei n.º 9.610
Telecomunicações I

_________________________________________
_________________________________________
ILUMINAÇÃO DE SEGURANÇA _________________________________________
No topo das torres são instalados dois _________________________________________
equipamentos de iluminação para balizamento _________________________________________
noturno de segurança, de longo alcance, com vidro _________________________________________
de cor vermelha, lâmpada de 100w.
O acendimento das lâmpadas é comandado 5. Fale sobre aterramento: Finalidade, utilização e
por célula fotoelétrica. proteção.
As torres instaladas dentro das zonas de _________________________________________
proteção de aeródromos” devem dispor de _________________________________________
aparelhos intermediários de sinalização, com _________________________________________
espaçamento vertical inferior a 45 metros. _________________________________________
_________________________________________

ACABAMENTO 6. Fale sobre sistema de alarme e detenção de


As torres que forem instaladas dentro da incêndio.
zona de proteção dos aeródromos devem ter o _________________________________________
acabamento por pintura. _________________________________________
As cores empregadas são o branco e o _________________________________________
vermelho, em seções alternadas de 5,00m, sendo _________________________________________
que a extremidade superior (último módulo) deve _________________________________________
ser na cor vermelha.
7. Você recebeu de uma grande Empresa a
responsabilidade de construir uma estação
EXERCÍCIO telefônica, e a única coisa que você sabe é que está
central terá capacidade final para 30.000 mil
1. Cite com suas palavras os dois tipos de estações terminais.
de telecomunicações, e quais são os sistemas que a) Quais são os tipos das torres de transmissão?
compõem a infra – estrutura de uma estação _________________________________________
telefônica. _________________________________________
_________________________________________ _________________________________________
_________________________________________ _________________________________________
_________________________________________
_________________________________________ b) Quais suas utilidades?
_________________________________________ _________________________________________
_________________________________________ _________________________________________
_________________________________________
2. Sabemos que toda matéria encontra-se nos _________________________________________
estados de sólidos, líquidos e gases, contendo duas _________________________________________
partículas básicas que são as cargas elétricas: _________________________________________
Elétron e o próton, baseado nesta teoria cite três
exemplos de: Condutores, Isolantes e semi- c) Quais os seus acessórios que compõem as torres
condutores. de transmissão.
_________________________________________ _________________________________________
_________________________________________ _________________________________________
_________________________________________ _________________________________________
_________________________________________ _________________________________________
_________________________________________ _________________________________________
_________________________________________ _________________________________________
_________________________________________
3. Para que serve o grupo motor gerador numa
estação telefônica.
_________________________________________
_________________________________________
_________________________________________
_________________________________________
_________________________________________
_________________________________________

4. Descreva um sistema de ar condicionado e suas


finalidades.

”
aeródromo – recinto com instalações próprias para o
serviço dos aeroplanos, com campo de pouso.
14 Proibido reprodução deste material em parte ou no todo,
propriedade do CIP – Lei n.º 9.610
Telecomunicações I

vibração numa determinada freqüência, produzindo


então o som.
No meio gasoso, o som propaga no sentido
longitudinal, ou seja na direção da vibração. Já no
meio sólido, o som propaga no sentido longitudinal
e transversal.

VOZ
UNIDADE IV As cordas vocais do ser humana são
capazes de produzir vibrações sonoras, dentro de
uma gama de aproximadamente de 100 a 10.000
REDE EXTERNA Hz. Cada som emitido é composto de diversas
vibrações, freqüência harmônica isto pode ser
observado no homem, esta freqüência é de 125 Hz
Denomina-se rede externa ao conjunto de
e na mulher é de 250 Hz.
cabos telefônicos, incluindo cabos de entrada em
A potência média de voz de diversas
edifícios, fios de distribuição externa, equipamentos
pessoas pode variar de amplos limites. Ex.:

(falando baixo ≈ 0,001 µw – normalmente ≈ 10 µw,


gritando ≈ 1 a 2 µw.
OUVIDO
A gama de freqüência audíveis pelo ouvido
humano vai de aproximadamente de 16Hz até
20.000 Hz.
acessórios (excetuando-se os telefones), externos Em fonia, as características da voz e do
às Estações Telefônicas (entrada vertical do ouvido humano em termos de inteligibilidade
distribuidor geral), destinados a interligar os reconhecida, numa conversação verificou-se que na
telefones às estações, bem como estas entre si. faixa de 100 a 1.500 Hz, estava concentrada 90%
da energia da voz humana e acima de 1.500 Hz
APARELHO TELEFÔNICO estava concentrada 70% da inteligibilidade das
Embora o telefone não seja um palavras.
equipamento da rede e sim um equipamento Baseado nestes dois valores foi definida a
terminal. Iniciaremos esta unidade com uma ligeira faixa de voz ideal entre 300 a 3.400 Hz. Para
apresentação deste aparelho tão importante. comunicação telefônica, o que garante 85% de
Quando duas pessoas conversam próximas inteligibilidade e 68% de energia da voz recebida
uma da outra o tom da voz pode ser baixo, mas ao pelo ouvinte.
distanciar-se o mesmo tem que ser elevado. Isto
acontece devido a atenuação ou perda que o ar
introduz no som. Então o objetivo do sistema
telefônico é transmitir a palavra falada,
compensando assim a atenuação imposta pelo
som.

SOM
O som se produz por vibrações mecânicas
de freqüência perceptíveis pelo ouvido humano,
num meio elástico. Ex.: Ao esticar um pedaço de
borracha e puxar a parte central haverá uma

Canal Padrão de Freqüência da Voz


Humana Comparado com a Faixa de Freqüência da
Voz Humana

15 Proibido reprodução deste material em parte ou no todo,


propriedade do CIP – Lei n.º 9.610
Telecomunicações I

produzida por um gerador manual ou por


AS PRINCIPAIS PEÇAS equipamento de chamada das estações
automáticas. É composta de imã montado no
DE UM APARELHO TELEFÔNICO centro da base e duas peças polares de material
ferro magnético, que entre as duas peças polares
Basicamente o aparelho de um modo mais existe uma bobina e sobre esse conjunto estende-
simples, possui cinco funções:
se uma armadura, presa por um pivô. a finalidade
• Cápsula transmissora;
da campainha no aparelho telefônico é de advertir
• Cápsula receptora;
o assinante de que seu aparelho está sendo
• Campainha;
chamado.
• Disco e
• Transformador ou bobina.

CÁPSULA TRANSMISSORA OU
MICROFONE
Quando a energia acústica produzida pela
voz é transformada em energia elétrica por
intermédio de um microfone. O microfone é uma
cápsula constituída de grânulos de carvão e
membrana (diafragma), que aplicada uma
diferença de potencial faz circular uma corrente
C.C., cuja vibrações sonoras incidem sobre a
membrana, fazendo vibrar com maior ou menor
intensidade os grânulos de carvão. Diminuindo e
aumentando a resistência e com variação na
corrente produzindo uma potência elétrica, que as
vezes é maior que a potência acústica aplicada na A freqüência da corrente de toque da
membrana, fazendo com que a cápsula se campainha é, normalmente, em torno de 20Hz (no
comporte como um amplificador. Brasil é de 25Hz).
Nos aparelhos telefônicos modernos as
campainhas eletromecânicas já foram substituídas
por campainha eletrônicas.

DISCO
É um dispositivo pelo qual o usuário
“informa” ao equipamento comutador, através de
impulso de corrente contínua, com qual aparelho
deseja comunicar-se. O disco possui dez furos,
correspondentes aos dez algarismos que são
utilizados na série numérica de 1 a 0, para
transmissão da informação.
Os telefones e centrais mais modernas não
CÁPSULA RECEPTORA operam com pulsos decádicos e sim, por pulsos de
Faz a função inversa e da transmissora, ou curta duração de um código multifreqüencial. O
seja recebe variações de corrente de uma bobina tempo para o envio da informação numérica
única a um diafragma,m cujo campo magnético independe do valor do algarismo, sendo mais
interage com o campo de um imã permanente. O rápida e segura. Essa modalidade de sinalização
resultado da interação dos dois campos movimenta chama-se DTMF (Dual Tone Mult-Frequency).
o diafragma ou cone, que comunica suas vibrações O DTMF usa teclado de idêntica aparência
ao ar. externa à do teclado decádico, mas a maneira de
enviar informação à central é completamente
diferente e incompatível com aquelas centrais
decádicas. Hoje, já há telefones universais, que
mediante uma pequena chave, pode ser operado
de uma ou outra forma.

TRANSFORMADOR OU BOBINA
As principais finalidades do transformador
existente no aparelho telefônico são:
• Acoplar a linha com o aparelho telefônico de
forma a assegurar uma boa qualidade de
transmissão;
• Isolar a cápsula receptora dos demais
componentes da corrente contínua da linha;
CAMPAINHA
• Possibilitar a indução do sinal de voz no
Especialmente projetada para funcionar
secundário, onde se encontra ligada a
com corrente alternada de baixa freqüência
cápsula receptora;
16 Proibido reprodução deste material em parte ou no todo,
propriedade do CIP – Lei n.º 9.610
Telecomunicações I

• Fazer parte de um circuito chamado Um material que contem alta resistividade,


antilocal, cuja finalidade é minimizar no e quase não conduzindo eletricidade, é chamado de
fone de cada interlocutor o sinal proveniente isolante. Ex.: Madeira (seca), borracha etc.
de seu próprio microfone. Os materiais cuja resistividade se situa
entre os condutores e isolantes, são chamados de
semicondutores. Ex.: Metal.
Quando a eletricidade escoa através de um
material, e encontram maior ou menor facilidade
de escoamento, é como se houvesse uma “fricção”
entre o fluido elétrico. Esta fricção traduzida pela
característica elétrica chama-se resistividade. A
resistividade é medida em Ohms.
Um fio de cobre, apresenta duas pontas
que chamaremos de terminais, que fazendo passar
eletricidade entrando por uma ponta e saindo pela
outra, a este dispositivo que força a eletricidade
fluir chama-se de Gerador de eletricidade.
Corrente elétrica – São terminais ou fios
ligados a um gerador que faz circular eletricidade, e
a este fluxo é denominado de corrente elétrica,
medida em Ampères. No gerador existe dois pólos
em positivo e negativo, assim a corrente elétrica
sempre flui por um circuito fechado, saindo e
TIPOS DE APARELHOS TELEFÔNICOS
voltando ao gerador que lhe deu origem.
Dois são os tipos de aparelhos telefônicos
Freqüência – É quando um gerador
conhecidos por telefone de bateria local (BL) e o
produz uma corrente ciclicamente vai-e-vem no
telefone de bateria central (BC)
circuito externo, isto que oscila, denomina-se
BL – Este tipo de aparelho telefônico
gerador C.A ou de corrente alternada. A corrente
constava de um eletromagnético, utilizando de um
elétrica alternada possui uma amplitude (medida
transmissor e receptor que logo após o transmissor
em Hertz), um período (medido em segundos) e
foi separado do receptor e colocado uma bateria
uma freqüência – medida em Hertz.
que alimenta o transmissor que produz a passagem
Atenuação – É quando os fios mais finos e
de corrente elétrica pelo circuito. Com a pressão
mais longos apresentam maior resistência e
acústica da voz em frente ao diafragma do
dissipam mais energia elétrica, em forma de calor.
transmissor, a corrente variava na freqüência da
Em telecomunicações esta perda de energia elétrica
voz. Este tipo ficou conhecido como telefone de
significa que o sinal elétrico diminui de energia e
bateria local ou telefone BL.
toma o nome de “atenuação do sinal”.
Capacitância – É quando o par de fios
BC – Em seguida surgiu o telefone de
transporta corrente alternada de freqüência
bateria central ou telefone BC. Este aparelho é
elevada, nota-se que há uma fuga do sinal de um
alimentado pelo sistema de energia existente na
fio para o outro, através do material isolante que
Central Telefônica, o qual é comum para todos os
envolve cada fio. Portanto, o sinal que chega no
aparelhos que formam a rede de assinantes. O
destino está atenuado da quantidade que fugiu fr
telefone BC é utilizado mundialmente nos dias
um fio para outro. Quanto maior é a freqüência
atuais.
maior é esta fuga. A este processo chamamos de
capacitância. Desta forma, um sinal elétrico
completo, que possua uma certa faixa de
CABO TELEFÔNICO EM PARES
freqüência sofrerá dois tipos de atenuação:
Por razões econômicas a ligação entre a
• O primeiro devido a resistência dos fios, que
Central e o assinante foi e será ainda por muito
dissipa, um calor, a energia elétrica;
tempo através de cabos telefônicos.
• O segundo, que atenua as altas freqüências
A escolha de cabos e fios, que constituem a
ainda mais, devido ao efeito da capacitância
rede de telefonia, depende das características
entre os fios.
físicas de como estes componentes transmitem o
sinal elétrico. Os fios são feitos de material de bom
Agora, se temos dois pares de fios,
condutor de eletricidade como: Cobre e alumínio.
carregando sinais telefônicos diferentes, e esses
Os fios deverão ser revestidos por material isolante
pares estão muito juntos, pelo efeito da
como papel ou plástico evitando contato direto
capacitância entre eles, parte do sinal de um par é
entre eles, caso contrário provocaria curto circuito.
induzido no outro par. Isso resulta em que o sinal
Conceituaremos melhor o que seja
de uma perturbe o sinal do outro, ocorrendo a
materiais condutores, isolantes e semicondutores,
conversa cruzada.
sob ponto de vista elétrico.
As capacitâncias envolvidas nos
Um material de baixa resistividade é
equipamentos telefônicos e cabos são muito
denominado de condutor. ex.: Cobre e alumínio
pequenas e normalmente são especificadas em
(ouro e a prata) melhor condutores.
“microfarad” (10-6 Farad) ou
“nanofarad” (10-9).

17 Proibido reprodução deste material em parte ou no todo,


propriedade do CIP – Lei n.º 9.610
Telecomunicações I

Como os comprimentos dos cabos podem malha. Nele todos os assinantes estavam
variar muito, os fabricantes especificam estas interligados entre si, o que não permitia grandes
grandezas por unidade de comprimentos: ampliações, além de apresentar diversos
• A resistência em Ohm/Km; inconvenientes, tais como o da manutenção e
• A capacitância em nanofarad/Km. sigilo.
Formula para calcular o número de linhas
Estas grandezas são chamadas “Primárias” neste tipo de rede é:
e são as mais importantes nas especificações dos n(n − 1)
cabos telefônicos. Baseado nelas, podemos calcular L= onde: L = número de linhas
a atenuação da linha telefônica e de outras
2
grandezas elétricas que possa interessar ao projeto n = número de assinantes
da rede externa.
Sendo assim, os pares que servem os
assinantes da central devem ter um calibre REDE RADIAL
(diâmetro) maior que os assinantes mais próximos. Com o passar dos anos e o aprimoramento
Os diâmetros típicos estão em torno de 0,40 a não só da própria comunicação telefônica, como
0,90 mm. também da rede a que deveria ser utilizada. Até
que surgiu um novo meio de comunicação,
denominado “sistema telefônico comandado por
Quanto maior o diâmetro mais caro é o fio. uma mesa operadora”, e com ele um novo tipo de
rede, que com relação a anterior levava vantagens
tanto na parte prática, onde a instalação e
No caso da energia elétrica, os cabos manutenção passou a ser mais simples, como
telefônicos são também especificados quanto ao também na parte econômica, onde teria reduzido,
número de pares de fios que contém. Um cabo de em muito, o número de fios que deveria ser
200 pares possui 200 pares de fios. No processo empregado. Que no novo sistema, cada assinante
produtivo, o fabricante garante que, dentro deste teria ligado ao seu aparelho um único par de fios
cabo, de 200 pares estão bons, isto é não há que estaria conectado com a mesa operadora. A
nenhum fio interrompido. Mas como garantia, é este processo chamou-se de rede radial.
padronizado que os fabricantes sempre coloque
uma margem de 1% a mais. Ex.: Um cabo de 200
pares, na verdade existem 202 pares e no cabo de
1.800 pares, existem 1.818 pares.
De posse do número de pares e das
características elétricas dos cabos telefônicas, já é
possível saber quantos sinais de voz e com que
qualidade o cabo transmite. Mas esses dados são
ainda insuficientes pois, os cabos podem ser aéreos
e subterrâneos. Portanto, as características de
proteção (capa externa) do cabo e isolação entre
os fios dos pares são também importantes.
Os fios são cobertos, normalmente, por
papel especial, enrolado sobre ele ou coberto por
plástico, geralmente de polietileno ou PVC (cloreto
do polivinil)

TIPOS DE REDE
Porém com o aumento constante de
Com a crescente evolução do telefone número de assinantes, esta nova rede foi tornando-
surgiram diversos tipos de redes, tais como: rede se obsoleta, não oferecia segurança, como
de malha, rede radial, rede rígida e rede flexível. também, economicamente não estava mostrando
vantagens até mesmo não era nada estética, com
REDE DE MALHA todo aquele amontoado de fios pendurados nos
Com o invento do telefone surgiram as postes da cidade. Surgiu então a necessidade de se
primeiras redes telefônicas. Era um sistema de inventar outro tipo de rede que fosse mais
rede muito precária, porém admissível e até econômico em todos os aspectos, ou então de se
mesmo o que havia de melhor em relação à época. inventar um material que substituísse todos
A este sistema convencionou-se chamar rede de aqueles fios. Foi então que apareceu um dos
elementos mais importantes na telefonia que é o
Cabo Telefônico.
Diante deste invento do cabo podemos
então classificar a rede de dois tipos:Rígida e
Flexível.

REDE RÍGIDA

18 Proibido reprodução deste material em parte ou no todo,


propriedade do CIP – Lei n.º 9.610
Telecomunicações I

É aquela em que cada par ligado a uma


caixa terminal corresponde a um único par nos Vantagens da Rede Rígida:
cabos alimentadores e no Distribuidor Geral da • Menores custos por não existirem pontos de
Estação Telefônica. Os pares conectados às caixas sub-repartição;
terminais são conectados à E. T. através de • Menor probabilidade de defeitos;
emenda individuais. • Ligação direta do assinante à estação
telefônica, simplificando o cadastramento
(registro de cabo);
• Maior economia para locais de densidade
telefônica pequena ou onde as linhas forem
curtas.

Desvantagens da Rede Rígida:


• Menor flexibilidade em remanejamento;
• Maior dificuldade para manutenção,
sobretudo na localização de defeitos nos
pares;
• Maior quantidade de pares reservas, pois
para cada caixa terminal (10 ou 20 pares)
deve existir uma porcentagem de pares
reservas.

Portanto, as Redes Rígidas são quase


sempre recomendáveis para áreas rurais (baixa
onde densidade de telecomunicações) e áreas urbanas
CABO ALIMENTADOR nas imediações das estações Telefônicas.
É o cabo telefônico que interliga pontos de
controle e cabos de distribuição, existente ao longo
de uma rota, à estação. REDE FLEXÍVEL
É aquela em que todo par ligado a uma
CABO DISTRIBUIDOR caixa terminal pode ser conectada, em um ponto
Cabo telefônico que interliga os assinantes, de sub-repartição (Armário de Distribuição), a um
ao se ponto de controle correspondente. par qualquer entre a sub-repartição e a Estação.
Desta forma, os grupos de pares provenientes dos
CAIXA TERMINAL cabos de distribuição podem combinar-se com os
Equipamento que instalado nos postos ou grupos de pares de cabo alimentador, que têm
em fachadas de prédios, atua como meio de ligação terminações na Estação.
entre o cabo de distribuição e os fios externos.

FIO EXTERNO
É o fio ligado, à caixa terminal, se estende
até o imóvel a ser atendido.

ASSINANTE
É a pessoa, natural ou jurídica, a quem se
confere ou reconhece o direito de haver, em
caráter individualizado e permanente, a prestação
de serviço público de telecomunicações.

Em rede externa, é o usuário do serviço


público de telecomunicações que utiliza facilidade
de uma rede telefônica.
A rede rígida pode ser dividida em:
a) Rede Rígida sem multiplagem: É
aquela rede em que o par que sai do DG da E.T. e
termina em um só ponto da rede (Ex.: na caixa
terminal).

b) Rede Rígida com multiplagem: É


aquela rede em que o par sai do DG da E.T., e
termina em dois ou mais pontos da rede. (Ex.: na
caixa terminal e na interna).

Multiplagem – é o arranjo de terminação


ou de conexão, repetida dos pares ou grupo de Vantagens da Rede Flexível:
pares de um cabo.

19 Proibido reprodução deste material em parte ou no todo,


propriedade do CIP – Lei n.º 9.610
Telecomunicações I

• Economia nos pares de reserva e devem ser menores do que a economia


conseqüentemente o menor espaço ocupado obtida com a redução dos pares de reservas
no Distribuidor Geral da Estação Telefônica; necessários e é essencial fazer, em cada
• Crescimento independente das redes caso, um estudo econômico para
alimentadora e distribuidora facilitando a comparação de custos.
solução de problemas imprevistos; • Maior possibilidade de defeitos em locais de
• Facilidade de manutenção quando a clima úmido sujeito a grandes variações de

localização de defeitos, pela possibilidade de temperaturas, e em regiões, cujo ar


desconexão dos cabos, para teste, nos apresenta substancias corrosivas. Neste
pontos de sub-repartição; caso, devem ser tomados cuidados especiais
• Melhor utilização dos cabos da rede na instalação, pintura e vedação dos
alimentadora até a época de instalação de armários, além da utilização de blocos
cabos adicionais; terminais adequados a este tipo de clima.
• Facilita o estudo de transmissão, pois e • Dificuldades práticas de instalação de certos
• elimina o excesso de multiplagem; pontos de sub-repartição.
• Menor custo na expansão da rede, pois
quando novos cabos alimentadores são
instalados as conexões são simplificadas, REDE SEMI-RÍGIDA
isto é, os pares devem ser ligados apenas Este tipo de rede apresenta características
ao Distribuidor Geral e dos pontos de sub- intermediárias, situadas entre a Rígida e a Flexível,
repartição. sendo que, em alguns trechos da rede de
Desvantagens da Rede Flexível: distribuição há pontos de sub-repartição. (ver
• Custos dos pontos de sub-repartição figura)
(armários de distribuição) – tais custos

Consiste numa rede derivada de uma Rede


A maioria das concessionárias brasileiras Digital Integrada, onde o sinal a ser transmitido
utilizam o sistema de Rede Flexível, na Europa o tem conexão digital extremo a extremo e suporta
sistema Flexível, também é o preferido e nos uma ampla gama de serviços de voz e não voz.
Estados Unidos o sistema de rede que predomina é Basicamente, representa a integração dos diversos
o rígido com multiplagem e, em menor escala, o serviços de telecomunicações, inclusive aqueles
sistema rígido sem multiplagem (rede dedicada). oferecidos através das redes dedicadas,
racionalizando e reunindo os recursos necessários
em uma única rede de telecomunicações. (ver
REDE DIGITAL DE SERVIÇOS figura)
INTEGRADOS (RDSI)

20 Proibido reprodução deste material em parte ou no todo,


propriedade do CIP – Lei n.º 9.610
Telecomunicações I

ARMÁRIOS DE DISTRIBUIÇÃO rápido. Os dutos de PVC são


padronizados em 75 e 100 mm de
É o dispositivo destinado a suportar e abrigar diâmetro.
blocos de conexão, que possibilitem a interconexão
dos cabos da rede de alimentação (primária), que
ali terminam, com os cabos da rede distribuidora Estes dutos iniciam e terminam ou passam
(secundária). em caixas subterrâneas. Nestas caixas, os cabos
Há basicamente, dois métodos de emergentes de uma linha de dutos penetram em
instalação de armários de distribuição: montagem outra linha, inclusive mudando de direção.
em pedestal ou em poste. Dependendo da capacidade (tamanho da caixa
poderá admitir vários homens trabalhando
simultaneamente. Nas caixas, onde os cabos
afloram, são feitas as emendas entre seções de
cabos que mergulham em dutos diferentes

Estas caixas são construídas ao longo das


Armário de Distribuição Armário de Distribuição ruas, com acesso por um tampão de ferro instalado
Instalado em Instalado em na sua laje superior. São também, construídas em
Pedestal Postes esquinas ou cruzamento com a finalidade de
facilitar a distribuição dos cabos pelas ruas do
cruzamento. Nelas são instaladas ferramentas
especiais para acomodação dos cabos e das
CANALIZAÇÃO SUBTERRÂNEA emendas ali existentes.
Quando passamos da rede aérea para a
subterrânea, normalmente são utilizados dutos, no
interior dos quais são instalados os cabos. No
roteiro escolhido para os dutos, são abertos valas,
geralmente sob calçadas, para maior facilidade de
obras.
Existem vários tipos de dutos utilizados em
rede telefônica, tais como: Barro vidrado,
Cimento amianto e o de PVC (plástico).

• Os dutos de barro vidrado: são mais barato, DISTRIBUIDOR GERAL (DG)


porém, apresentam desvantagem por serem Os pares de fios dos cabos telefônicos
muito curto (máximo de 1 metro) e grande terminam no distribuidor geral (DG) da estação
facilidade de penetração de água nas telefônica.
emendas. O DG é uma armação de ferro que, nos
• Os dutos de cimento amianto e o de PVC, grandes centros telefônicos, pode ter da ordem de
embora mais caro, apresentam vantagem uma a quatro dezenas de metros de comprimento
de serem mais compridos (tubos com 4 e por uns 2 a 5 metros de altura. De um lado são
6m, respectivamente), e com menor atrito fixados blocos retangulares (de madeira ou
interno e serem estanques à água, e plástico), disposto em orientação vertical e que
possibilitarem lançamento mais fácil e mais dispõem de terminais onde os fios da rede externa
são conectados. É chamado lado vertical do DG.
21 Proibido reprodução deste material em parte ou no todo,
propriedade do CIP – Lei n.º 9.610
Telecomunicações I

Estes terminais dispõem de dispositivos para


proteção do equipamento da estação quanto a
qualquer perturbação elétrica introduzida na rede
externa (raio, curto-circuito com a rede de energia TÚNEL DE CABOS (TC)
elétrica). O túnel de cabos é a dependência
Do outro lado do DG existem outros blocos subterrânea localizada na estação telefônica,
de terminais, agora dispostos horizontalmente. É o geralmente sob a sala do Distribuidor Geral, onde
lado chamado de horizontal do DG. Nestes blocos, chegam os cabos da rede externa que serão ligados
estão ligados os pares de fios que vão para o às verticais do Distribuidor Geral.
equipamento de comutação. A cada “número de
telefone”, corresponde um terminal do lado
horizontal. É o chamado terminal de assinante.

Existe, aí também, um pequeno contacto


que permite desconectar o assinante em caso de
falta de pagamento de conta telefônica e outros.
Chamado de Bloqueio. Que nas atuais centrais
automáticas digitais já se pode fazer através de
comando

22 Proibido reprodução deste material em parte ou no todo,


propriedade do CIP – Lei n.º 9.610
Telecomunicações I

REDE DE CABO TRONCO


Quando as ligações são realizadas entre
assinantes de centrais localizadas em estações
UNIDADE V diferentes, as mesmas processam-se através da
rede de cabos troncos, que têm a finalidade de
interligar as estações.
Pelo exemplo da figura, podemos observar
REDE INTERNA que uma ligação entre os assinantes 1 e 2 foi
realizada dentro da mesma estação de
atendimento, enquanto que os assinantes 1 e 5 se
Chama-se Rede Telefônica Interna ao interligam através da rede de tronco e assim por
conjunto de cabos telefônicos, blocos terminais, diante. (área de atendimento de estações
ferramentas e materiais acessórios instalados no diferentes)
interior de um edifício, com a finalidade de permitir
a ligação de equipamentos de telecomunicações do
usuário à rede telefônica urbana.
Portanto, as redes telefônicas em edifícios MEIOS DE TRANSMISSÃO
constituem-se em complementos ou extensões da
rede interna. Como tal, devem merecer um Denomina-se meios de transmissão a todo
tratamento semelhante ao que normalmente é elemento utilizado para a programação de um sinal
dispensado àquela rede, no que diz respeito a seu elétrico, luminosos ou das ondas eletromagnéticas,
dimensionamento e projeto. podendo ser classificadas em:
Com a crescente verticalização das grandes • meios físicos;
cidades, elas vêm assumindo uma importância • ar (onde se propagam as ondas de rádio).
cada vez maior no desempenho do sistema
telefônico. Meios Físicos – São meios de
transmissão em linhas físicas que empregam
condutores e neles a propagação da energia é
guiada, isto é, fica praticamente confinada ao
caminho definido pelo referido condutor.
As linhas físicas utilizadas para
comunicações podem ser divididas conforme a sua
construção mecânica em: linha de pares simétricos,
quadra simétrica, linhas coaxial, guia de onda e
fibra óptica.
Linhas abertas – São linhas constituídas
por pares de fios metálicos sem isolamento,
montados sobre isoladores fixados em postes,
formando linhas aéreas abertas.

Cabo de pares simétricos – Este tipo de


meio de transmissão é largamente utilizado nas
redes urbanas, interligando os assinantes com as
centrais telefônicas e estas entre si. Comumente,
cada par de fios de um cabo está destinado a
prover um único circuito, sendo possível,
entretanto,a transmissão de sistemas Multiplex
FDM, porém, de pequeno porte, sendo exemplo o
sistema de ondas portadoras.
Rede Interna (Exemplo de Corte Esquemático das
Tubulações de Entrada e Primária)

23 Proibido reprodução deste material em parte ou no todo,


propriedade do CIP – Lei n.º 9.610
Telecomunicações I

REDE AÉREA
A construção de uma rede aérea, é
portanto muito mais econômica quando o número
de pares previstos em determinado itinerário (rota)
não for muito elevado. Levando-se em conta o
custo da instalação de uma rede aérea torna-se
mais barato do que instalação via subterrânea.
desta forma, a instalação em rede aérea é muito
utilizada nas artérias urbanas de menor
movimento, ou quando nestes casos imposições de
ordem estética ou de segurança não exigem a
instalação de rede subterrânea.

PROTEÇÃO ELÉTRICA Aterramento


A maioria dos distúrbios elétricos nas redes
telefônicas são provenientes de descargas
atmosféricas e de linhas de energia elétrica nas PRESSURIZAÇÃO DE CABO
vizinhanças. Porém, o circuito telefônico é exposto Um dos maiores problemas é manter a
a outra perturbações elétricas, como sinais de voz água e a umidade fora dos cabos telefônicos pois,
em circuitos adjacentes, transientes de relés, sinais tem sido uma preocupação constante das
de rádio de qualquer espécie, etc. Companhias telefônicas e dos fabricantes de cabos.
Se a água é encontrada no interior de um cabo há
uma grande possibilidade de que ela tenha
penetrado através de um furo na capa ou através
de uma emenda defeituosa. No entanto, no caso de
cabos com capa plástica, a água pode entrar, em
certas circunstâncias, através de uma capa intacta,
por um processo de impermeabilidade do tipo
“osmose”, ou seja por diferença de pressão do
vapor d’água. (è quando a pressão externa excede
a interna, e há uma penetração de vapor de água
através da capa).
Algumas das avarias mais freqüentes a que
estão sujeitos os cabos telefônicos, danificando o
seu revestimento e permitindo a entrada de
umidade para o interior dos mesmos são:
O meio e elementos protetores mais • Falhas estruturais, causadas pela fadiga do
utilizados são: material, porosidade das soldas, fissuras
nas costuras e soldas das luvas, etc.
• Fusíveis, centelhadores e bobinas térmicas: • Falhas externas, tais como: esmagamento,
Normalmente instalados no DG ou Caixas perfurações, rupturas, etc;
Térmicas com proteção. Os mesmos • Falhas de origem elétrica e químicas,
interrompem o circuito telefônico, quando a causadas pelos raios, contatos com cabos
corrente chega a valores consideráveis, que de energia, eletrólise, corrosão e outros
poderia danificar os equipamentos. agentes de natureza química ou elétrica.
• Aterramentos: Os aterramentos têm como
função desviar para terra as correntes Para minimizar esses defeitos os cabos são
indesejáveis. O valor da resistência das pressurizados (a pressurização se dá nos cabos
ligações á terra deve ser o menor possível, primários e nos cabos troncos).
para oferecer o caminho mais fácil às A pressurização consiste em se injetar ar
correntes estranhas ao circuito, evitando seco ou gás inerte, sob pressão, no interior dos
assim que elas percorram outros caminhos, cabos, através de pequena válvula adaptada ao
pelos quais poderiam causar danos. cabo e ligada a compressores ou garrafões de ar
comprimido. A pressão interna sendo maior que a
A construção de um aterramento consiste externa, impede a entrada de umidade.
em instalar um eletrodo metálico a uma dada São as seguintes as vantagens do sistema
profundidade do solo e conecta-lo por meio de de pressurização:
condutores ao ponto da rede telefônica, onde se Ö Permite detectar e remover falhas no
deseja obter ligação à terra. Veja desenho de uma revestimento dos cavos, antes que o serviço
rede aterrada. telefônico seja interrompido;
Ö a circulação de ar seco no interior dos cabos
mantém as características de isolamento
dos condutores dentro de níveis
especificados;

24 Proibido reprodução deste material em parte ou no todo,


propriedade do CIP – Lei n.º 9.610
Telecomunicações I

Ö Há uma inversão na filosofia de mínimo necessário para um bom funcionamento do


manutenção, que passa de corretiva a mesmo. Quando isto ocorre, é utilizado um
preventiva, com os seguintes benefícios; equipamento para cada par de fios, denominado
Ö Redução nos custos de manutenção extensor de enlace. A palavra enlace refere-se ao
corretiva, pela minimização da troca de circuito fechado, percorrido pela energia elétrica
lances e falhas pequenas que podem ser nessa extensa linha de assinantes. O extensor de
ignoradas; enlace funciona da seguinte maneira: quando o
Ö Redução nos custos de investimentos e assinante retira o telefone do gancho,
estocagem de cabos destinados à automaticamente, o extensor de enlace reforça a
manutenção; energia CC para essa linha. Com isto, pode-se
Ö Redução nos custos de mão-de-obra uma utilizar esse meio de transmissão para distâncias
vez que a remoção de defeitos pode ser maiores.
adiada, evitando trabalho em regime O extensor de enlace tem a capacidade de
extraordinário; aumentar o limite convencional de resistência de
Ö Melhor aproveitamento de mão-de-i]obra “loop” o que significa que podemos estender em
destinada a]à remoção de vazamentos, muito o comprimento de uma rede.
através de manutenção programada por
áreas, rotas, etc.
EQUIPAMENTOS DE ONDAS
Para evitar vazamento de ar do interior dos PORTADORAS
cabos pressurizados, é necessário que as pontas Quando um cabo telefônico serve a área
dos mesmos (instalados no DG, armários de rurais, por exemplo, servindo assinantes em sítios,
distribuição, prédios e subidas laterais) sejam casas de campo e fazendas, fica difícil atender a
bloqueadas. Esses bloqueios chamados de novos assinantes se esse cabo estiver com
“bloqueios de pressão”, são feitos pela injeção ocupação plena. O investimento para a implantação
de uma resina de endurecimento rápido, capaz de de novo cabo pode ser proibitivo a esses
penetrar e ocupar os espaços interiores do cabo e assinantes. Neste caso, utiliza-se o artifício de
de impedir a passagem do gás ou ar seco. multiplexar em freqüências alguns assinantes em
um mesmo par. Esse equipamento multiplex
denomina-se equipamento de ondas portadoras
PUPINIZAÇÃO ou carrier de assinantes (carrier = portadoras)
Existem “carriers” de assinantes para um
Pupinização é o sistema utilizado em rede canal adicional na linha de assinantes (sistema
telefônica que serve para ampliar a faixa e o meio monocanal) ou até 10 canais (sistema multicanais).
de transmissão (par de fios) que transmite, ou seja Os canais telefônicos são agrupados, na estação
contrabalança o efeito capacitivo, que atenua as por um equipamento MUX terminal que transmite e
altas freqüências. Uma bobina, composta de um fio recebe até 10 canais por uma única linha de
enrolado sobre um núcleo, que pode ser de ferro, assinante. Assim, aumenta-se a capacidade de
ferrite ou mesmo ar, que provoca um efeito transmissão do cabo telefônico.
elétrico, denominado indutância, que utilizado para Esse sistema é pouco utilizado em zonas
compensar o efeito capacitivo. Assim, para anular o urbanas, exceto em casos em que a rede encontra-
efeito de capacitância do par de fios, a este são se esgotada e até que se implante nova rede, e
adicionados bobinas especiais, enroladas sobre atendendo alguma necessidade urgente, instala-se
núcleos de ferrite, denominadas bobinas de então um carrier.
pupinização. Este processo foi introduzido por um
Engenheiro chamado PUPIM, de onde deriva o
nome.
Os cabos troncos, geralmente são
pupinizados, para que a faixa de transmissão dos
pares de fios corresponda à freqüência do sinal que
transmite. Os cabos de assinantes podem ou não
ser pupinizados. Geralmente os mais longos o são.

EXTENSOR DE ENLACE
As centrais telefônicas energizam os
telefones através da rede externa, isto é, os fios
telefônicos transportam corrente contínua,
fornecidas por um conjunto de baterias instaladas
na estação telefônica. Esta energia é muito mais
baixa e da rede elétrica, não oferecendo nenhum
perigo aos assinantes. Porém, quando a linha de
assinante é muito extensa, além da grande
atenuação dos sinais de voz, esta energia CC
também sofre perdas, de modo que a corrente que
chega ao telefone pode estar abaixo do valor

25 Proibido reprodução deste material em parte ou no todo,


propriedade do CIP – Lei n.º 9.610
Telecomunicações I

CABO TELEFÔNICO CI

APLICAÇÕES – Os cabos CI são indicados


para uso interno em centrais telefônicas, prédios
UNIDADE VI comerciais, industriais, residenciais e outros.

CONSTRUÇÃO – Os cabos CI são


IDENTIFICAÇÃO E NUMERAÇÃO DA constituídos por condutores de cobre recozidos,
UNIDADE DE REDE estanhados e isolados em PVC. O conjunto dos
pares que formam o núcleo é blindado com fitas de
TIPOS DE CABOS UTILIZADOS EM alumínio, sobre as quais é colocada uma capa
externada de PVC na cor cinza.
REDE TELEFÔNICA AÉREA E
SUBTERRÂNEA CAPACIDADE – 10 a 1.200 pares nos
diâmetros 0,40mm, 0,50mm e 0,65mm.
™ CABOS TELEFÔNICOS CT - APL

APLICAÇÕES – Indicados para redes


alimentadoras (primárias) para instalações
subterrâneas em linhas de dutos. São projetados
de sorte a permitir sua utilização em circuitos de
freqüência até 150 khz.

CONSTRUÇÃO – Os cabos telefônicos CT – ™ FIOS EXTERNOS (FE)


APL são construídos por condutores de cobre
isolados com papel e ar protegidos por uma capa APLICAÇÃO – Os fios FE são utilizados em
APL (fita de alumínio politenada lisa, rigidamente instalações aéreas como derivação a partir das
colada à capa externa de polietileno preta). caixas de distribuição até as entradas de
CAPACIDADE – 200 a 2.400 pares nos assinantes.
diâmetros de 0,40mm, 0,50mm, 0,65mm e
0,90mm. CONSTRUÇÃO – Os fios externos FE são
constituídos por 2 (dois) condutores paralelos de
liga de cobre isolados com material termoplástico.
Os fios FE são fabricados com três
diâmetros de condutores:
Fio FE – AA-8 formado por condutores
de 0,80mm com alma de aço;
Fio FE – 100 formado por condutores de
1,00mm;
Fio FE – 160 formado por condutores de
1,60mm.

™ CABO TELEFÔNICO CTP - APL

APLICAÇÕES – Indicado para redes


urbanas distribuídas (secundárias) em instalações
aéreas sustentados por mensageiros de aço. Este
tipo de cabo apresenta alto desempenho elétrico
permitindo normalmente a sua utilização com
100% de ocupação, tanto em circuitos de voz como
em circuitos de freqüência até 150 kHz.

CONSTRUÇÃO – Os cabos telefônicos CTP ™ FIO INTERNO (FI)


– APL são constituídos por condutores de cobre,
isolados com polietileno ou polipropileno e APLICAÇÃO – Os fios FI são indicados
protegido por uma capa APL. para uso interno na ligação de aparelhos
telefônicos domiciliares, instalados em tubulações
ou presos em rodapés sob canaletas.
CAPACIDADE – 10 a 200 pares nos
diâmetros 0,40mm, 050mm, 0,65mm e 0,90mm. CONSTRUÇÃO – Os fios FI são constituídos
por 2 condutores de cobre estanhados de 0,65mm

26 Proibido reprodução deste material em parte ou no todo,


propriedade do CIP – Lei n.º 9.610
Telecomunicações I

de diâmetro e isolados com um composto de


cloreto de polivinila (PVC).
LINHAS COAXIAIS
As linhas coaxiais são constituídas
mecanicamente por um condutor interno, envolto
por um outro externo de forma cilíndrica,
separados por um material isolado. Os condutores
das linhas coaxiais terrestres são geralmente de
cobre.
As intempéries, irradiação, captação de
interferências de outros sistemas de transmissão
de energia, de ruídos naturais em baixa freqüência FIBRAS ÓPTICAS
e etc, são fatores que limitam a transmissão
telefônica através de pares de fios ou cabos de As fibras ópticas são geralmente
pares. mencionadas quando à transmissão de informação,
Em vista disto, estimulou-se o por intermédio da luz, ao longo de fibras
desenvolvimento e a fabricação de cabos transparentes de vidro ou plástico.
telefônicos com características a poder transportar, O conceito do uso da luz como uma forma
sem as limitações referidas, quando aplicadas às de comunicar informação não é nada novo. Durante
altas freqüências portadoras exigidas pelos o período pré-laser, várias foram as tentativas de
sistemas multiplex. E os cabos desenvolvidos para transmitir sinais através de luz, mas nenhum
atender a estas exigências, denominamos de cabos sistema foi aceitável. O maior problema era
coaxiais. conseguir um meio adequado para a transmissão. A
possibilidade de transmissão por fibra óptica surgiu
recentemente e hoje é perfeitamente factível.
O mecanismo de se guiar a luz em uma
fibra óptica é a reflexão interna total. Uma fibra
óptica é basicamente composta de um núcleo e
uma casca de dimensões capilares, com índice de
refração diferentes, de tal modo que uma luz
incidente em uma das extremidades da fibra, com
um ângulo conveniente, fica confinada na fibra,
podendo percorrer grandes distancias,
independente da trajetória da fibra. Como mostra a
figura abaixo de forma simplificada, o corte em
uma fibra óptica com a trajetória da luz.
As fibras ópticas utilizam fontes de luz
coerentes (monocromáticas) LED (Diodo Emissor
de Luz) ou Laser.
As fibras ópticas têm símbolos, caracteres
numéricos e/ou alfabéticos que caracterizam de

GUIAS DE ONDA
Guias de onda são condutores especiais e
ocos de seção reta, circular ou elíptica, que guiam
internamente ondas de rádio de freqüências muito
altas. Estes sistemas apresentam capacidade muito
superior aos meios de transmissão anteriores,
alcançando até 200.000 canais de voz. Requerem
uma tecnologia cara e de altíssima precisão.
Atualmente, guias de onda já desenvolvidas são
utilizados para interligar as antenas aos maneira completa uma determinada unidade de
transmissores e receptores das estações-rádio. rede, bem como possibilitam a diferenciação entre
si de unidade de rede de mesma natureza.

CABOS TELEFÔNICOS –
IDENTIFICAÇÃO E NUMERAÇÃO
DEFINIÇÕES
É o conjunto de informações obtidas
através do emprego de símbolos, caracteres
numéricos e /ou alfabéticos que caracterizam de
27 Proibido reprodução deste material em parte ou no todo,
propriedade do CIP – Lei n.º 9.610
Telecomunicações I

maneira completa uma determinada unidade de Representado pelo prefixo indicativo do


rede, bem como possibilitam a diferenciação entre tipo de interligação proporcionada pelo cabo
si de unidade de rede de mesma natureza. (alimentador, de distribuição, tronco etc.), número
propriamente dito, contagem e distribuição dos
pares.
Nota: Quando se tratar de cabos e caixas
terminais, além das informações contidas na
numeração e identificação, há necessidade de se PREFIXOS INDICATIVOS DOS CABOS
caracterizar a distribuição e/ou contagem de pares • C – Prefixo de designação de cabos da rede
contidos nos cabos ou terminados em caixas de de assinantes conectados ao Distribuidor Geral
distribuição. (cabos alimentadores).

• Tipo • XX – Prefixo de designação de cabos com


• Diâmetro dos condutores origem em armários de distribuição (cabos
• Capacidade e secundários) que servem a uma determinada seção
• Código de cores de serviço. Estas letras identificam a seção de
serviço ao qual está conectado.
TIPOS DE CABO
• L – Prefixo de designação de cabos de
Todos os tipos de cabos são por Normas distribuição ligados diretamente à Rede
tanto da ABNT ou por especificação dos fabricantes Alimentadora (laterais).
e são designados por letras.
• TR – Prefixo de designação de cabos
Fios e Cabos Dividem-se em troncos locais.
Internos e Externos.
• TI – Prefixo de designação de cabos
Internos: FI - CI - CCI troncos, interurbanos ou terminais interurbanos.
Externos: FE - CE - CCE
• E – Prefixo de designação de cabos internos
FI - Fio interno = 1 Par de edifícios ou grupo de edifícios da mesma
CI - Cabo interno de 2 a 1.200 Pares propriedade. Esta codificação somente deve ser
CCI - Cabo conexão interna de 2 – 4 e 6 Pares utilizada quando existir mais de um cabo interno no
mesmo prédio.
FE - Fio externo = 1 Par (FE – 100/FE –
160) • D – Prefixo de designação de cabos
CE - Cabo externo de 2 a 2.400 Pares utilizados em sistemas de comutação privada, tipo
CCE - Cabo conexão externa de 2 – 4 e 6 Pares KS ou P (A) BX ou na interligação destes sistemas
às caixas de distribuição interna de edifícios.

DIÂMETRO DOS CONDUTORES CÓDIGOS DE CORES


Todos os cabos são representados pelo Nos cabos telefônicos podemos distinguir
diâmetro nominal dos mesmos, em milímetros. Ex. bem definidas e estabelecida pelo código padrão
0,40mm; 0,50mm; 0,65mm e assim por diante. em telefonia.
Vejamos:
(5) cinco são as cores primárias e
CAPACIDADE DO CABO (5) cinco são as cores secundárias.
Designada pelo número representativo da
capacidade nominal do cabo. Cores Primárias:
Exemplo: Branca (BR)
Vermelha (VM)
CT – 50 – 1200 Preta (PT)
ET Amarela (AM)
Violeta (VL)
Capacidade do
cabo: 1200 Pares Cores Secundárias:
Azul (AZ)
Diâmetro dos Laranja (LJ)
condutores: Verde (VD)
0,50mm Marrom (MR)
Cinza (CZ)

Tipo do cabo: CT Então vejamos uma seqüência dos


primeiros 25 pares de um cabo:

NUMERAÇÃO Par Cores Par Cores


1 BR/AZ 14 PT/MR

28 Proibido reprodução deste material em parte ou no todo,


propriedade do CIP – Lei n.º 9.610
Telecomunicações I

2 BR/LJ 15 PT/CZ
3 BR/VD 16 AM/AZ CP - 1800
4 BR/MR 17 AM/LJ E.T. C 22 1 – 16 + 200 M
5 BR/CZ 18 AM/VD
6 VM/AZ 19 AM/MR Significado: Cabo alimentador n° 22, tipo
7 VM/LJ 20 AM/CZ CT – APL, com condutores de 0,40mm de diâmetro,
8 VM/VD 21 VL/AZ capacidade de 1800 pares e distribuição dos grupos
9 VM/MR 22 VL/LJ 1 a 16 com 200 pares mortos.
10 VM/CZ 23 VL/MR
11 PT/AZ 24 VL/MR
Exemplo 3:
12 PT/VD 25 VL/CZ
13 PT/VD
CA - 200
E.T. L = 14,09,4 - 5
Lembrete: Após o par 25 roda-se novamente na
mesma seqüência das cores iniciais. Significado: Cabo lateral, tipo CTP – APL,
com condutores de 0,40mm de diâmetro, de 200
CONTAGEM DOS PARES pares, lateral número 09 do cabo alimentador 14 e
distribuição dos grupos 4 e 5.
Dentro de cada grupo de 100 pares, os
pares são numerados seqüencialmente de 1 a 100. TIPO DE BLOCO TERMINAL
Os pares mortos contidos dentro de cada cabo não São definidos de acordo com os códigos
são computados na numeração e sua quantidade é representativos, padronizados pelas normas ABNT
representada após a distribuição por um número e e/ou Anatel.
a letra “M”.
Tipo de Instalação – E definido pelo
Exemplo 1: próprio símbolo utilizado na representação do
armário de distribuição.
Numeração – É definida pela seção de
serviço e ano de instalação.
Significado: Cabo alimentador n° 10, tipo Código da Seção de Serviço e ano de
CT, com condutores de 0,50mm de diâmetro, Instalação – Representado pela identificação da
capacidade de 1200 pares e distribuição dos grupos seção de serviço à qual pertence o armário e pelos
1 a 12. dois últimos números de ano em que o armário foi
instalado.
Exemplo 2:

Exemplo 1

29 Proibido reprodução deste material em parte ou no todo,


propriedade do CIP – Lei n.º 9.610
Telecomunicações I

Significado: Armário de distribuição de


alumínio, capacidade padrão para 1.400 pares, Significado: Terminal de pronto acesso
instalados em pedestal, atendendo à seção de número (conectado à dezena) 02 do armário AB,
serviço AB, instalado em 1978 e utilizando blocos capacidade 10 pares, distribuição de 11 a 20.
tipo BLA – 50.

Exemplo 2:

Exemplo 2: Significado: Terminal de pronto acesso


número (conectado às dezenas) 11 e 12 do armário
de distribuição AB, capacidade de 20 pares,
distribuição de 101 a 120

Exemplo 3:

Significado: Armário de distribuição de


alumínio, capacidade padrão para 1000 pares,
instalado em poste, atendendo à seção de serviço
AE, instalado em 1976 e utilizando blocos BLA –
50.

CAIXAS TERMINAIS
Quanto a Identificação, Numeração, Tipo e Significado: Caixa de distribuição número
Capacidade das Caixas terminais está aliada ao 08 do armário AB, de 10 pares, conectada aos
projeto de atendimento em determinada área de pares 71 a 80 do cabo distribuidor.
atendimento.
Exemplo 4:
Exemplo 1:

30 Proibido reprodução deste material em parte ou no todo,


propriedade do CIP – Lei n.º 9.610
Telecomunicações I

CAIXAS SUBTERRÂNEAS
Quanto a Identificação, Numeração, Tipo e
Capacidade das Caixas Terminais está aliada ao
projeto de atendimento em determinada área de
atendimento.

Exemplo 1:

Significado:Terminal de pronto acesso


número 12, do lateral 03 do cabo 14, com 10 pares
e distribuição de pares de 311 a 320.

Exemplo 5: Caixa Interna ligada a


secundária de armário de distribuição

Significado: Caixa subterrânea tipo I2, número 15.

Exemplo 2:

Significado: Caixa geral de edifício derivado do


armário AB, com 20 pares, distribuição 41 a 60 e
blocos tipo BLI.

Exemplo 6: Caixa Interna ligada à lateral


rígida
Significado: Caixa subterrânea tipo LM2, número 28.

Exemplo 3:

Significado: Caixa geral de edifício de 200 pares,


conectada ao lateral 05 do cabo 15, distribuição de
1202 – 1400 e blocos BLI.

Significado: Caixa subterrânea tipo I2 especial, com


comprimento de 3,30m, largura de 1,60m e altura
de 2,20m, número 125.

31 Proibido reprodução deste material em parte ou no todo,


propriedade do CIP – Lei n.º 9.610
Telecomunicações I

POSTES IDENTIFICAÇÃO
Quanto aos postes devem ser considerado • Tipo do poste: Definida pelas letras –
as seguintes informações: códigos padronizados.
A) Identificação: Tipo, altura e carga • Altura do poste: Definida por um número,
nominal do poste; que representa a altura total do poste, em metros.
B) Numeração: Série e número do poste. • Carga nominal do poste: Definida por um
número que caracteriza esta grandeza, em KGF.
Estas informações são necessárias em
postes de propriedade da empresa. NUMERAÇÃO
Quando utilizadas as convenções da Concessionária Os postes são numerados seqüencial e
de energia elétrica local, estas informações ou consecutivamente a partir de 01, para cada série e
algumas delas podem ser fornecidas pelo próprio para cada área local ou rota interurbana,
símbolo de representação do poste. independentemente do tipo dos mesmos.

Exemplo 1:

Significado: Poste próprio, tipo duplo “T” TECNOLOGIA DE CABOS ÓPTICOS


de concreto, com 9 metros de altura, carga
nominal de 400 kgf, série número 1009 e poste de Reunião de várias fibras ópticas revestidas
número 45. de materiais que proporcionam resistência
mecânica e proteção, denomina-se cabo óptico.
Exemplo 2:
CABO ÓPTICO TIPO TIGHT

• As fibras ópticas recebem um revestimento


secundário de material plástico, e este
isolante é identificado por cores.
• Pode ter formação de 1 fibra até 12 fibras,
e/ou grupo múltiplo de 12 fibras.

CABO ÓPTICO TIPO LOOSE

• As fibras ópticas com revestimento primário


em acrilato recebem uma pintura para sua
Significado: Postes próprios, tipo seção identificação.
circular de concreto, com 12 metros de altura, • A reunião de 1 até 12 fibras será dentro do
carga nominal de 800 kgf, poste de número 53 e tubo plástico denominado “tubo loose”
série 1012. adicionando uma espécie de geléia sintética
à base de petróleo, que proporciona melhor
preenchimento do tubo bem como proteção
contra a umidade e choques mecânicos.
• Na formação final do cabo óptico pode-se
ter de 1 a 12 tubos looses.

32 Proibido reprodução deste material em parte ou no todo,


propriedade do CIP – Lei n.º 9.610
Telecomunicações I

GLOSSÀRIO
”
telegrafia – arte de construir telégrafo e de os usar.
”
ultravioleta – relativo a parte do espectro que fica
”
aeródromo – recinto com instalações próprias para o situada imediatamente abaixo do violeta da qual os
serviço dos aeroplanos, com campo de pouso. comprimentos de onda das radiações variam entre 0,2 a 0,4
”
eólico – o vento; corrente aérea de micro, além do espectro visível.
”
hídrico – relativo a água, ao hidrogênio; aquoso.
”
insolação – aquecimento excessivo, expor ao sol.
”
iônico – relativo ao íon; ação de determinadas irradiações.
”
pressurização – ação de pressurizar; manter pressão
normal no avião, em uma sala, ou engenho espacial.

33 Proibido reprodução deste material em parte ou no todo,


propriedade do CIP – Lei n.º 9.610
Telecomunicações I

COLÉGIO INTEGRADO POLIVALENTE


“Qualidade na Arte de Ensinar”

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Neste módulo, você encontrou conteúdo, textos e interpretações para apoiá-lo no seu Curso. Aqui, a
teoria é acompanhada da sua contrapartida – estágio – que será de grande valor para o seu enriquecimento
profissional.
Não pretendemos de forma alguma ditar receitas infalíveis. Nossa intenção é conduzir um diálogo
direcionado a você e dessa forma, ajudá-lo a desenvolver habilidades de estudo – consultas a dicionário,
enciclopédia e leitura de textos – tornando-o apto a superar os limites que esse material encerra.

34 Proibido reprodução deste material em parte ou no todo,


propriedade do CIP – Lei n.º 9.610
Telecomunicações I

Agora, vamos ao seu desempenho. Se você acertou tudo, passará para o próximo módulo. Caso
contrário, esclareça suas dúvidas com o seu professor/tutor, de acordo com a sua disponibilidade de tempo e

esteja você onde estiver, seja por telefone, fax ou internet (www.colegiopolivalente.com.br.)
O desafio de toda Equipe Polivalente é saber articular um ensino profissionalizante de modo a ser
compreendido pela comunidade. O único modo para articulá-lo e vivê-lo, é dando testemunho de vida.

O seu sucesso é também sucesso do CIP.


Afinal, o CIP é você!!!!

35 Proibido reprodução deste material em parte ou no todo,


propriedade do CIP – Lei n.º 9.610