Você está na página 1de 3

Um comportamento é uma relação entre estímulo e resposta.

Quando um estímulo induz a uma resposta, dá-se o nome de comportamento respondente


Em contrapartida, quando uma resposta induz a um estímulo, isso recebe o nome de
comportamento operante

Comportamento Respondente (Reflexo)


- Apresenta como característica um estímulo levar a uma resposta . Esse tipo de comportamento só
explica respostas inatas. A resposta se dá sem a escolha/vontade, agindo de forma natural. Se o
estímulo estiver presente, há de vir a resposta.

Ex : a contração e dilatação da pupila em diferentes intensidades de luz

Existem dois tipos de comportamento respondente :


Incondicionados (inatos) – Características da espécie
Condicionados – Comportamentos aprendidos. (Explica a formação de novos estímulos)
→ (Condicionamento Respondente = Aprendizagem de novos estímulos)

Ser consciente sobre uma resposta é diferente de ter escolha sobre ela.

Quando um estímulo neutro é pareado com um estímulo incondicionado, esse deixa de ser neutro
e passa a eliciar uma resposta (virando um estímulo condicionado)

Pareamento de estímulos :
 Dois estímulos diferentes podem levar a uma mesma resposta.

Ex : Um garoto que toma um remédio de cor rosa. Sempre que ele toma esse remédio, ele
sente enjôo devido aos efeitos do remédio. Certa vez esse garoto comeu uma gelatina de cor
rosa, e sentiu-se enjoado, mas não que a gelatina leve a um enjôo, e sim o estímulo 'cor rosa'
que gerou uma resposta no organismo do garoto.

Para mudar uma resposta de um paramento de estímulos, deve-se realizar uma extinção
respondente ( eliminar o estímulo incondicionado , desassociar os estímulos)

Comportamento operante
(Operar = Intervir, Produzir mudança)

“A consequência do que eu fiz altera a probabilidade de eu fazer aquilo de novo ou não”

Ocorre em um determinado contexto, e gera um estímulo que afeta a probabilidade dele ocorrer
novamente. É modelado a partir de nosso repertório inato. As respostas que gerem mais reforço em
média, tendem a aumentar de frequência e se estabelecer no repertório, ou seja, em um contexto
semelhante tendem a ser novamente emitidas. Assim, uma resposta pode gerar um estímulo
(chamado de estímulo consequente), que altera a probabilidade futura da resposta.
O tipo de consequência que aumenta a probabilidade de ocorrência da mesma função de resposta
em contextos semelhantes, chama-se reforço. O reforço pode ser positivo, quando há a adição de
um estímulo no ambiente que resulte no aumento da frequência da resposta que o gerou; ou
negativo, quando a resposta emitida remove algum estímulo aversivo, ou seja, que a pessoa tende a
evitar, do ambiente.
Um reforço pode ser qualquer mudança no ambiente/comportamento, e o que define um reforço é
ele vir após a resposta.

''Não é porque uma resposta está sendo reforçada que ela é boa”

Ao identificar uma resposta cuja consequência não se compreende, deve-se suspeitar de um reforço
negativo.

Extinção
A extinção é um processo onde se dá a quebra de uma relação entre resposta e reforço. Porém a
diminuição da frequência de uma resposta não é extinção

Quanto mais reforçada uma resposta, piores os efeitos da extinção.


Durante o processo de extinção, ocorrerá um aumento expressivo da resposta até enfim estar extinto
o comportamento. (vale lembrar das aulas de extinção no laboratório).

''Ser reforçado todas as vezes e ser reforçado algumas vezes faz diferença''

Esquemas de Reforçamento
CRF (Reforçamento contínuo)
É usado para ''instalar'' uma nova resposta, e todas as respostas emitidas são reforçadas. Mas é
péssimo para manter uma resposta.

“A privação de um reforço faz com que seu valor reforçador aumente”

Reforçamento Intermitente (Persistência)


Intermitente : Que para e recomeça por intervalos
No reforçamento intermitente nem todas as respostas são reforçadas, fazendo com que a ''saciação''
do reforço demore mais. Porém, é bom para manter uma resposta.

Punição
Ela suprime o estímulo reforçador. A punição tem efeito imediato de duração limitada. Uma
resposta elimina um estimulo reforçador positivo enquanto produz um estimulo reforçador negativo.

Tipos de punição
“O reforçamento de uma resposta dependerá do contexto em que a resposta ocorre”

→ Punição condicionada
→ Fuga-esquiva
→ Agressividade
→ Contra-controle

Punição Condicionada : Estímulos que vem pareados a punidores, viram punidores em si . O


estímulo se torna punidor

Fuga-esquiva :

Quanto mais ameaças, ou mais punidores na vida,os estímulos serão evitados (aprendizagem de
respostas que evitem a punição). A resposta que ocorre na presença do punidor .

Fuga - É evitar estímulos aversivos, porém obrigatoriamente deve-se entrar em contato com esse
estímulo para então evitá-lo. (Fuga).
Esquiva – É necesário aprender, mas não há consequências aversivas (nada acontece).

Agressividade : Durante uma punição, o natural (esperado) é que o indivíduo agrida o outro. Este
dano ao outro, vira um reforço.

Contra-controle : Livra ou evita da punição, e dá acesso ao reforço de outra maneira.

Treino discriminativo
''O que explica a sensibilidade à estímulos é o treino discriminativo''

Consiste em reforçar um comportamento na presença de um estímulo discriminativo e extinguir na


presença de um estímulo delta (estímulo não associado ao reforço)
→ O estímulo associado ao reforço chama-se estímulo discriminativo, e o de não-reforço estímulo
delta.
→ Responder sob controle do estímulo antecedente = discriminação

''Houve discriminação quando a resposta passa a ocorrer no estímulo discriminativo''

Ex : O rato na Caixa de Skinner pressiona a barra quando a luz está acesa, mas não quando a luz
apagada, pois aprendeu a discriminar que quando a luz está apagada, ele não receberá água ao
pressionar a barra.