Você está na página 1de 49

2.

Processos e materiais geológicos importantes em ambientes terrestres

2.3 Rochas sedimentares


Formação

© ricardo barroso2006
adaptado em parte de: www.cientic.com © ricardo barroso 2011-2019
Distribuição dos três tipos de rochas na crusta terrestre
Xisto
(Rocha metamórfica)

27%
8%
Brecha
(Rocha sedimentar
conglomerática)

65% Rochas sedimentares


Rochas magmáticas
Rochas metamórficas
Granito
(Rocha magmática intrusiva) p. 47
© ricardo barroso 2011-2019
p. 47
© ricardo barroso 2011-2019
Sedimentogénese
Conjunto de processos que intervém na
Meteorização e erosão formação de sedimentos http://www.cientic.com

Transporte e sedimentação

Diagénese
formação da rocha sedimentar consolidada
© ricardo barroso 2011-2019
Caos de blocos
Amontoados de blocos graníticos espalhados pelas encostas dos maciços
graníticos, resultantes da separação de blocos pela zona de diáclases e
posterior arredondamento das arestas e vértices.

© ricardo barroso 2011-2019


http://www.cientic.com

Granito

Mica
(biotite) Quartzo Feldspato

p. 48
© ricardo barroso 2011-2019
Água límpida Água turva
Quartzo
Teor em mineral

Argila

Biotite
Feldspato

Biotite Argilas
Intensidade de alteração Quartzo (caulinite)
Feldspatos Quartzo
Granito são Areias …
graníticas
Progressiva alteração
dos minerais primários
1.ª
FASE
2.ª
FASE

3.ª
FASE
Rególito jovem

Auréola de
meteorização
química

p. 48
© ricardo barroso 2011-2019
1. Ocorre principalmente pelas diáclases.
2. Meteorização mecânica.
3. As diáclases incrementam a circulação de água, aumentando a área e o
tempo de contacto entre a água e os minerais.
4. Ao longo das diáclases.
5. Biotite e magnetite, seguidos dos feldspatos.
6. A erosão remove os materiais mais friáveis, que foram sujeitos a uma
meteorização mais intensa.
7. A meteorização física aumenta a fraturação das rochas, facilitando a
circulação de água, que por sua vez aumenta a meteorização química. Esta
diminui a resistência da rocha à meteorização mecânica, pelo que estes dois
tipos de meteorização se complementam e atuam em conjunto.
8. A remoção das camadas de rochas suprajacentes ao granito provocam neste
uma redução da pressão facilitando a formação de diáclases. Estas aumentam
a infiltração de água aumentando a área de contacto entre a água e os
minerais o que intensifica a meteorização física e química ao longo das
arestas e vértices, tornando-se sucessivamente mais arredondados. © ricardo barroso 2011-2019
Por ação da gravidade, os blocos desorganizam-se ,rolando sobre o maciço
rochoso ficando dispersos constituindo os caos de blocos.

9. Comparativamente a muitas outras rochas, é mais resistente à


meteorização, mas quando se encontra sujeita a uma intensa fraturação e
em condições favoráveis à ocorrência de meteorização química revela-se
pouco resistente, com formação de novos minerais mais estáveis.
10. A desagregação das rochas e a sua meteorização química constituem um
material solto, que combinado com matéria orgânica forma solos (rególito).

© ricardo barroso 2011-2019


Em síntese…
Alteração dos minerais primários
Remoção de camadas suprajacentes Arenização
Movimentos da crosta Caos de blocos

Alteração
do granito
Afloramento
do granito
Granito em Diáclases
profundidade
Atmosfera oxidante
Águas acidificadas
Actividade dos seres vivos

© ricardo barroso 2011-2019


http://www.cientic.com

Meteorização
física

Área Área
superficial superficial

© ricardo barroso 2011-2019


https://www.redbull.com/

Meteorização
física

Predomina em zonas climáticas de


acentuada pobreza de água no
estado líquido, quer por extrema
secura quer por excesso de frio.

Crioclastia
formação de cristais de gelo

Haloclastia
formação de cristais de sais

© ricardo barroso 2011-2019


Crioclastia
Meteorização física por acção do gelo

© ricardo barroso 2011-2019


Crioclastia
Meteorização física por acção do gelo

DIÁCLASES
DIÁCLASES

© ricardo barroso 2011-2019


Crioclastia
Meteorização física por acção do gelo

© ricardo barroso 2011-2019


Agentes de meteorização física
Serra do Gerês

Atividade biológica (líquenes,


crescimento de raízes, escavação
de galerias).
© ricardo barroso 2010

Granito com biocrosta de líquenes e musgos,


Montalegre
© ricardo barroso 2010

© ricardo barroso 2011-2019


Agentes de meteorização física

Descompressão à superfície,
expansão e fratura do material
rochoso aflorante.

Esfoliação mecânica

© ricardo barroso 2011-2019


Agentes de meteorização física

Abrasão
Acção mecânica da água e do vento por
projecção de detritos sobre a rocha.

© ricardo barroso 2011-2019


Cavidades resultantes da abrasão eólica em Arenito.
Vale do Fogo, Nevada, USA
© ricardo barroso 2011-2019
Agentes de meteorização física

https://jennycontreras.weebly.com

Termoclastia
Dilatações e contrações térmicas
diferenciadas nos diferentes minerais.
Ocorre em ambientes com extremos de
temperatura, como os desertos quentes.

© ricardo barroso 2011-2019


https://www.scienceabc.com © ricardo barroso 2011-2019
Meteorização
química
• Predomina em zonas climáticas © ricardo barroso 2006

quentes e húmidas;
• Resulta da instabilidade da estrutura
cristalina dos minerais primários,
gerados em profundidade;
• Remove ou introduz elementos
químicos na estrutura cristalina dos
minerais primários;
• Origina minerais de alteração, mais
estáveis ou iões dissolvidos;
• Os principais agentes de
meteorização química são a água, o
oxigénio e o dióxido de carbono, assim
como substâncias produzidas por
seres vivos.

© ricardo barroso 2011-2019


Calcário
Rocha carbonatada

© ricardo barroso 2011-2019


Carbonatação
Dissolução
Minerais reagem com a água acidificada,
resultando iões livres em solução. O mineral
desaparece.
Calcário
Ionização
Rocha carbonatada
H2O + CO2 H2CO3 H+ + HCO3-
ácido carbónico protão ião bicarbonato

H2CO3 + CaCO3 Ca2+ + 2(HCO3-)


Calcite iões hidrogenocarbonato

© ricardo barroso 2011-2019


Fendas de dissolução

Meteorização química de calcários na zona de Leiria com depósitos de terra rossa. © ricardo barroso 2011-2019
pormenor de depósitos de terra rossa. © ricardo barroso 2011-2019
Thorogummite, Silicato de Tório e Urânio hidratado http://www.thorium.tv

Adição ou remoção de água à estrutura


cristalina dos minerais primários. A hidratação Hidratação/Desidratação
implica o aumento do volume dos minerais de
alteração, facilitando a desintegração da rocha.

© ricardo barroso 2011-2019


HIDRÓLISE

Ortoclase (feldspato) Caulinite (mineral de argila)


KAlSi3O8 Al2Si2O5(OH)4
Ionização
H2O + CO2 H2CO3 H+ + HCO3-
ácido carbónico protão ião bicarbonato

H2O + 2H2CO3 + 2KAlSi3O8 Al2Si2O5(OH)4 + 2K+ + 4SiO2 + 2(HCO3-)

Catiões da estrutura cristalina de um mineral são


substituídos por iões de hidrogénio, com origem na Caulinização
água ou num ácido. Formam-se novos minerais ou
desintegram-se os minerais primários.

© ricardo barroso 2011-2019


Piroxena Hematite (óxido de ferro)
Fe2O3

H2O + FeSiO3 SiO2 + Fe2+


ião ferroso

Fe2++ O2 Fe3+ + H2O Fe2O3


ião férrico
Oxidação
Formam-se novos minerais por perda ou ganho
de electrões, substituindo átomos ou iões na
estrutura cristalina dos minerais primários.

© ricardo barroso 2011-2019


Sedimentogénese
Sedimentos detríticos Sedimentos Sedimentos de
(clastos) biogénicos origem química
Fragmentos de dimensões Restos de seres vivos (conchas, Resultantes da precipitação de
variadas provenientes da ossos, fragmentos de plantas, substâncias dissolvidas na água.
alteração de outras rochas. pólen) Sedimentos de praia fluvial, Barcelos
© ricardo barroso 2011

© ricardo barroso 2011-2019


Transporte
http://www.cientic.com

Gelo dos glaciares


Vent
o

Torrentes, rios,
lagos, águas
subterrâneas, mares

Agentes de transporte

© ricardo barroso 2011-2019


Transporte de sedimentos detríticos pelo curso de água

Transporte
Sentido do Fluxo

Siltes e Argilas
Areias

Balastros
© ricardo barroso 2011-2019
Transporte de sedimentos detríticos pelo curso de água

Transporte

Rolamento

Siltes e Argilas
Areias

Balastros
© ricardo barroso 2011-2019
Transporte de sedimentos detríticos pelo curso de água

Transporte

Saltação

Siltes e Argilas
Areias

Balastros
© ricardo barroso 2011-2019
Transporte de sedimentos detríticos pelo curso de água

Transporte
Suspensão

Siltes e Argilas
Areias

Balastros
© ricardo barroso 2011-2019
Transporte de sedimentos detríticos pelo curso de água

Transporte
Energia do Fluxo Suspensão

Fe2+
Saltação Ca2+

H+ Mg2+
Na+
Rolamento
HCO3-
K+
Em solução
Siltes e Argilas
Areias

Balastros
© ricardo barroso 2011-2019
Transporte de sedimentos detríticos pelo curso de água

Transporte

O aumento da energia do fluxo do


curso de água provoca o aumento
da carga sedimentar em
suspensão e da carga sedimentar
de fundo

© ricardo barroso 2011-2019


Transporte http://www.cientic.com

Os sedimentos detríticos sofrem modificações ao longo do


transporte, como arredondamento e granotriagem

Sedimentos
heterogéneos Sedimentos
e angulosos homogéneos e
arredondados

© ricardo barroso 2011-2019


Transporte

© ricardo barroso 2011-2019


Distância de transporte

Reduzida Média Elevada

http://www.cientic.com

Arredondamento

Grãos Grãos Grãos


angulosos subarredondados muito arredondados

© ricardo barroso 2011-2019


Distância de transporte

Reduzida Média Elevada

http://www.cientic.com

Granotriagem

Sedimentos
Sedimentos Sedimentos
moderadamente
mal calibrados bem calibrados
calibrados

© ricardo barroso 2011-2019


http://www.cientic.com

Sedimentação

Estrato
s

© ricardo barroso 2011-2019


Sedimentação
Abundância de
materiais grosseiros

Curso superior

Diminuição da competência/energia
das águas

Curso médio
Abundância de
materiais finos
Curso inferior

© ricardo barroso 2011-2019


http://www.cientic.com

Ambientes de sedimentação

As estruturas de deposição sedimentar são


indicadoras dos ambientes de sedimentação

© ricardo barroso 2011-2019


Diagéneselitificação http://www.cientic.com

Compactação Cimentação

Calcite
50 a 60% de água

Quartzo
10 a 20% de água

© ricardo barroso 2011-2019


Diagéneselitificação

DESIDRATAÇÃO
COMPACTAÇÃO

Sedimento

Rocha compacta

© ricardo barroso 2011-2019


Junta de estratificação
Tet
o

Estrato

Junta de estratificação

Muro

© ricardo barroso 2012 © ricardo barroso 2011-2019


• Sedimentos clásticos
• Rochas sedimentares clásticas

© ricardo barroso 2011-2019

Você também pode gostar