Você está na página 1de 31

02/09/2019

Equivalência entre a notação Hermann-Mauguin


e a notação de Schoenenflies

32 grupos pontuais cristalográficos

GRUPO PONTUAIS + SIMETRIA ESPACIAIS


GRUPOS ESPACIAIS

1
02/09/2019

230 GRUPOS ESPACIAIS

2
02/09/2019

3
02/09/2019

MgAl2O4
Fórmula Mínima =
142,3g/Mol

Z=8

8 Mg
16 Al
32 O

1138,4g/Mol
Para 1 Mol de
celas unitárias
ρ= 3,58g/cm3
(densidade
teórica)

4
02/09/2019

Posições de Wyckoff

5
02/09/2019

Presença de
não-estequiometria:

La2Ni2O5+δδ

Fases com metais de


transição com
1.0
1.0
1.0
diferentes estados de
1.0
1.0
1.0
oxidação.
0.06

ÁTOMOS POR CÉLULA = Z

6
02/09/2019

Face centrada: considerando ânions


Z=4

(a) Sal de rocha; (b) blenda de zinco; (c) anti-fluorita

DENSIDADE
 Densidade teórica — a partir das características da
rede, pode obter-se a densidade teórica mediante a
seguinte expressão:
 D = (massa atômica) x (átomos por célula) / (Número de
Avogrado) x (volume da célula).

7
02/09/2019

Densidade
Ex.: Metal com cela cúbica de face centrada (Z = 4)

Exemplo:

8
02/09/2019

(221) (225)

Cálculo da Densidade Teórica

9
02/09/2019

COMO SABER A POSIÇÃO DOS ÁTOMOS EM


SÓLIDOS?

DIFRAÇÃO:

PLANOS NO RETÍCULO PERIÓDICO

10
02/09/2019

PLANOS NO RETÍCULO PERIÓDICO

INDICES DE MILLER

11
02/09/2019

INDICES DE MILLER

INDICES DE MILLER

12
02/09/2019

INDICES DE MILLER

INDICES DE MILLER

13
02/09/2019

PLANOS = () X DIREÇÕES = []

Quais os índices de Miller para as famílias de planos abaixo:

14
02/09/2019

FORMULAS

DEFINIÇÕES

 h, k, l : são os indices Miller

 a, b, c : são as dimensões da cela unitária

 α, β, γ : são os angulos entre as direções


da rede

 A complexidade dos cáculos depende da


simetria do sistema cristalino.

15
02/09/2019

LEI DE BRAGG

PARA O CASO DE UM SISTEMA CÚBICO

16
02/09/2019

ex.: (b) FIGURA DE DIFRAÇÃO DO PÓ DE Ni METÁLICO


COMPARADA COM (c) FOTOGRAFIA DE Debye-Scherrer.
Planos: (111); (200); (220); (311); (222); (400) – sistema cúbico de face centrada

DIFRAÇÃO DE RAIOS X

17
02/09/2019

COMO SABER A POSIÇÃO DOS ÁTOMOS EM


SÓLIDOS?

DIFRAÇÃO:

LEI DE BRAGG

18
02/09/2019

FORMULAS

DEFINIÇÕES

 h, k, l = são os índices de Miller

 a, b, c = são as dimensões da cela


unitária

 α, β, γ = são os ângulos entre as direções


da rede periódica (arestas da cela unitária)

 A complexidade dos cáculos depende da


simetria do sistema.

19
02/09/2019

SISTEMA CÚBICO

DIFRAÇÃO DE RAIOS X

20
02/09/2019

ESPECTRO DE RAIOS X

FONTE DE RAIOS-X

(Catodo)

earthed metal
target
(Cu, Co, Fe,..)

(Anodo)

21
02/09/2019

EMISSÃO DE RAIOS-X

ESPECTROS DE EMISSÃO

22
02/09/2019

ESPECTRO DE EMISSÃO: Cu

ESPECTRO DE EMISSÃO: Cu

E = 8,05 keV

λ = 12,398 = 1,541 Å
8,046

23
02/09/2019

FILTRO DE Ni

FONTES DE RAIOS-X (ANODOS)

24
02/09/2019

FONTES DE RAIOS-X (ANODOS)

FONTES DE RAIOS-X: Elementos Problemáticos

25
02/09/2019

INTERAÇÕES COM A MATÉRIA

FENÔMENO DE DIFRAÇÃO

26
02/09/2019

CONES DE DIFRAÇÃO

Equipamentos de Difração de Raios-X

2) Powder Methods (“Policristais”)


2.1 Métodos de Câmara  “Powder-Film Methods”
a) Câmara Debye-Scherrer (1916, Göttingen)
b) Câmara Gandolfi
c) Câmara Guinier

2.2 Powder Diffractometers (1948, Philips, USA)


a) Geometria Seemann-Bohlin
b) Geometria Bragg-Brentano
 Horizontal θ-2θ
 Vertical θ-2θ
 Vertical θ-θ

27
02/09/2019

CAMARA DE DEBYE-SCHERRER

Câmara Debye-Scherrer

28
02/09/2019

ANEL DE DIFRAÇÃO

Lei de Bragg

A
θ • BDC = λ
B
d • BD = λ/2 nλ = 2dsenθ
2dsenθ
• sinθ = λ/2
sinθ
C d

29
02/09/2019

FORMULAS

30
02/09/2019

2 Theta →

31