Você está na página 1de 16

ESCE – IPVC

Licenciatura em:
Contabilidade e Fiscalidade
2º ano

1
Contabilidade Financeira III
VIII – IMPOSTOS DIFERIDOS - NCRF 25
NCRF 22
▪ O conceito e regulamentação dos impostos diferidos estão
preconizados no SNC — Sistema de Normalização Contabilística,
mais concretamente na NCRF 25 — Norma Contabilística de Relato
Financeiros 25, parte integrante do SNC.

▪ A pertinência dos impostos diferidos resulta das discordâncias


existentes entre os resultados/normas fiscais e os resultados/normas
contabilísticos.

▪ A génese dos impostos diferidos radica na divergência entre as


normas contabilísticas e as normas fiscais, dado que, em termos
fiscais, há sempre correções a efetuar ao resultado contabilístico
apurado, ou seja ao resultado apurado antes de impostos.

▪ Se as normas contabilísticas e fiscais fossem iguais, não existiriam


diferenças, pelo que não haveriam impostos diferidos.

ESCE/IPVC ÁLVAROSILVA CONTABILIDADEEFISCALIDADE-3ºANO 2


Contabilidade Financeira III
VIII – IMPOSTOS DIFERIDOS - NCRF 25
▪ ONCRF 22 a efetuar é fazer com que o balanço e a demonstração
raciocínio
dos resultados reflitam não só o imposto que se vai pagar, mas
também aquele imposto que não se pagou no período, mas se vai
pagar no futuro, assim como aquele imposto que se pagou no período,
mas que se vai deduzir no futuro.

▪ Para esse efeito, deve a empresa identificar todas as situações


passiveis de gerar diferenças entre a base contabilística e a base
fiscal. No entanto, nem todas as diferenças irão originar a
contabilização de impostos diferidos. Importa então distinguir:

✓ Diferenças DEFINITIVAS OU PERMANENTES


✓ Diferenças TEMPORÁRIAS

▪ As diferenças definitivas ou permanentes entre a base contabilística


e a base fiscal são aquelas que nunca serão revertíveis em período ou
períodos futuros. pois somente influenciam o imposto corrente do
período em que se verificam (Método do imposto a pagar).
ESCE/IPVC ÁLVAROSILVA CONTABILIDADEEFISCALIDADE-3ºANO 3
Contabilidade Financeira III
VIII – IMPOSTOS DIFERIDOS - NCRF 25
▪ NCRF 22
São diferenças que resultam de diferentes conceções de resultado:
nem todos os gastos e rendimentos registados pela contabilidade
são considerados no apuramento do resultado para efeitos fiscais.

▪ Estas diferenças podem dividir-se em 2 grandes grupos:


✓ Diferenças que provocam aumentos do valor do imposto a pagar
”Gastos contabilísticos que nunca serão fiscalmente dedutíveis/aceites, nem no
período presente nem em períodos futuros (e.g. despesas não documentadas,
multas, coimas por infrações fiscais e juros compensatórios). Nunca dão origem
à contabilização de impostos diferidos”
✓ Diferenças que provocam reduções do valor do imposto a pagar
“Rendimentos contabilísticos não tributáveis, tais como as mais–valias
reinvestidas”
As diferenças Temporárias - São diferenças entre o resultado
contabilístico e o resultado fiscal, que têm origem num período e que
podem ser revertidas num ou mais períodos subsequentes na medida
em que afetam os impostos desses períodos.
ESCE/IPVC ÁLVAROSILVA CONTABILIDADEEFISCALIDADE-3ºANO 4
Contabilidade Financeira III
VIII – IMPOSTOS DIFERIDOS - NCRF 25
NCRF 22
▪ O conceito de reversão significa que a situação que hoje originou
imposto a pagar pode ser deduzida no futuro ou a situação que
hoje não originou imposto a pagar será tributável no futuro.

▪ Aqui surge a distinção entre diferenças temporárias dedutíveis e


diferenças temporárias tributáveis

✓ Diferenças temporárias dedutíveis = diferenças que originaram


imposto a pagar no período presente (não são dedutíveis
fiscalmente no ano N), mas que serão fiscalmente dedutíveis em
período(s) futuro(s), i.e., provocam reduções do valor do imposto
a pagar em períodos futuros (Geram ATIVOS POR IMPOSTOS
DIFERIDOS)

✓ Como exemplos de situações que originam o reconhecimento


contabilístico de um ativo por impostos diferidos está o reporte
de prejuízos fiscais previsto no artº 47 do CIRC.

ESCE/IPVC ÁLVAROSILVA CONTABILIDADEEFISCALIDADE-3ºANO 5


Contabilidade Financeira III
VIII – IMPOSTOS DIFERIDOS - NCRF 25
NCRF 22

ESCE/IPVC ÁLVAROSILVA CONTABILIDADEEFISCALIDADE-3ºANO 6


Contabilidade Financeira III
VIII – IMPOSTOS DIFERIDOS - NCRF 25
NCRF 22

ESCE/IPVC ÁLVAROSILVA CONTABILIDADEEFISCALIDADE–2ºANO 7


Contabilidade Financeira III
VIII – IMPOSTOS DIFERIDOS - NCRF 25
NCRF 22
✓ Diferenças Temporárias Tributárias = diferenças que provocam
aumentos do valor do imposto a pagar em período(s) futuro(s), de
situações ocorridas no presente (Geram PASSIVOS POR
IMPOSTOS DIFERIDOS)

✓ Estas diferenças dão origem à contabilização de um passivo por


imposto diferido que irá influenciar para menos o Resultado
Liquido Exercício (RLE) a apresentar.

✓ A reavaliação livre de um imóvel manifestamente subavaliado é


um exemplo de uma diferença temporária tributária. As
amortizações resultantes do acréscimo de valor do imóvel não
serão em períodos futuros aceites fiscalmente.

ESCE/IPVC ÁLVAROSILVA CONTABILIDADEEFISCALIDADE–2ºANO 8


Contabilidade Financeira III
VIII – IMPOSTOS DIFERIDOS - NCRF 25
NCRF 22

ESCE/IPVC ÁLVAROSILVA CONTABILIDADEEFISCALIDADE–2ºANO 9


Contabilidade Financeira III
VIII – IMPOSTOS DIFERIDOS - NCRF 25
NCRF 22
(Diferenças temporárias dedutíveis: reporte de prejuízos fiscais)

A sociedade WZ apurou no período de 2008 um resultado antes de


impostos negativo de 30.000 €. Foi-lhe retido imposto de 200 €, e apurou
um valor de tributação autónoma de 3.500 €.

Pedidos:
1. Cálculo e registo da estimativa de IRC.
2. Apuramento do IRC.
3. Apuramento do RLP assumindo 2 cenários:
a) Não aplicação de impostos diferidos;
b) Aplicação de impostos diferidos (neste caso, proceda
previamente ao registo do valor do imposto diferido).

ESCE/IPVC ÁLVAROSILVA CONTABILIDADEEFISCALIDADE–2ºANO 10


Contabilidade Financeira III
VIII – IMPOSTOS DIFERIDOS - NCRF 25
NCRF 22
(Diferenças temporárias dedutíveis: reporte de prejuízos fiscais)

ESCE/IPVC ÁLVAROSILVA CONTABILIDADEEFISCALIDADE–2ºANO 11


Contabilidade Financeira III
VIII – IMPOSTOS DIFERIDOS - NCRF 25
NCRF 22
(Diferenças temporárias dedutíveis: reporte de prejuízos fiscais)

ESCE/IPVC ÁLVAROSILVA CONTABILIDADEEFISCALIDADE–2ºANO 12


Contabilidade Financeira III
VIII – IMPOSTOS DIFERIDOS - NCRF 25
NCRF 22
(Diferenças temporárias dedutíveis: perdas em dívidas a receber

Em 31/12/2017 a empresa X, S.A. reconheceu uma perda por


imparidade por 100% do valor da dívida de um cliente, cuja data de
vencimento tinha expirado há 12 meses e alguns dias (10.000 €).
Questões:
1. Em 31/12/2017 há divergência entre o resultado contabilístico e o
resultado fiscal? Fundamente.

2. Porque se trata de uma diferença temporária dedutível?

3. Qual o registo contabilístico em 31/12/2017 relativo a impostos


diferidos?

4. Qual o registo contabilístico relevante em 2018?

ESCE/IPVC ÁLVAROSILVA CONTABILIDADEEFISCALIDADE–2ºANO 13


Contabilidade Financeira III
VIII – IMPOSTOS DIFERIDOS - NCRF 25
NCRF 22
(Diferenças temporárias dedutíveis: reporte de prejuízos fiscais)

ESCE/IPVC ÁLVAROSILVA CONTABILIDADEEFISCALIDADE–2ºANO 14


Contabilidade Financeira III
VIII – IMPOSTOS DIFERIDOS - NCRF 25
NCRF 22
(Diferenças temporárias dedutíveis: reporte de prejuízos fiscais)

ESCE/IPVC ÁLVAROSILVA CONTABILIDADEEFISCALIDADE–2ºANO 15


Contabilidade Financeira III
VIII – IMPOSTOS DIFERIDOS - NCRF 25
NCRF 22
(Diferenças temporárias dedutíveis: reporte de prejuízos fiscais)
▪ Diferenças Temporárias dedutíveis - Uma diferença temporária dedutível
surge quando a quantia escriturada do passivo excede a sua base fiscal ou
quando a base fiscal de um ativo excede a sua quantia escriturada. Se a
quantia escriturada do passivo excede a sua base tributável, verifica-se que
os recursos fluam da entidade, num período anterior àquele em que parte ou
o todo das suas quantias possam ser dedutíveis, na determinação do lucro
tributável.
▪ Estas diferenças temporárias dedutíveis originam ativos por impostos
diferidos.

Diferenças temporárias tributáveis - Uma diferença temporária


tributável surge quando a quantia escriturada do ativo excede a sua
base fiscal, traduzindo um excesso de benefícios económicos tributáveis
que fluirão para a empresa, relativamente à quantia que será
permitida, como dedução para efeitos fiscais.

ESCE/IPVC ÁLVAROSILVA CONTABILIDADEEFISCALIDADE–2ºANO 16

Você também pode gostar