Você está na página 1de 218

SÉRIE CÍRCULO DE DANTE 03 – UMA LUA AZARADA

Disponibilização e Revisão Inicial: Mimi


Revisão Final: Angéllica
Gênero: Hetero/ Sobrenatural / Contemporâneo
Os seres humanos não são tão sozinhos como escolheram acreditar. Todo ser

humano possui um traço de sobrenatural, que estabelece dormente dentro de sua

composição genética. Séculos de diluição e reprodução permitiram os humanos pensarem

que estão sozinhos e intocados pela magia. Mas o que acontece quando algo muda?

Ele passou os últimos anos no inferno lutando nos jogos dos demônios e fazendo

as coisas que assombrariam até mesmo o mais feroz dos pesadelos dos homens. Mas

agora Hunter Brooks está de volta ao reino humano, pronto para assumir o bando que

deixou para trás... e tomar a companheira que ele acabou de conhecer.

Becca Quinn é uma das sete mulheres golpeadas pelo raio ‒ um ser humano que

não é tão humano e só precisa encontrar sua metade verdadeira para desbloquear tudo o

que ela poderia ser. Hunter, o perigoso, lobo sexy, tem salvado sua vida duas vezes, e

ainda assim ela não sabe nada sobre ele, só que ela quer saber tudo o que puder.

Entre o Conselho do Bando e os estranhos que poderiam tirar tudo deles, Becca e

Hunter têm mais para lutar e tudo pelo que lutar. O passado obscuro de Hunter assume

o namoro, e quando ele acha que está tudo perdido, vai achar que Becca é mais do que

ele, ou ela, já pensou.

Aviso: Contém um lobo sexy que choca com o melhor dele, uma mulher que define

o termo azar, e uma química que certamente fará o lobo de todos nós uivar.

Aviso: Contém um Alpha sexy leopardo que almeja o mais decadente dos sonhos,

um tesouro escondido contido dentro de uma mulher corajosa, e a capacidade de criar

um vínculo de acasalamento, que é mais explosivo ainda.


2
Personagens do Círculo de Dante

Com uma lista sempre crescente de personagens de cada livro, eu sei que pode parecer

que existem muitos para lembrar. Bem, não se preocupe, aqui está uma lista para você, para

que não se esqueça. Nem todos são vistos neste livro exatamente, mas aqui são os que

conheci até agora. Como a série progride, a lista vai bem. Um agradecimento especial vai

para o meu FÃ CLUBE por ajudar com esta lista.

Boa leitura!

Agda - Líder do conselho Brownie.

Agnes – Líder Femea no conselho Angélico.

Amara Young ‒ Uma das sete mulheres que o raio atingiu. Trabalha em uma

pousada. Tem um passado que é muito secreto.

Ambrose Griffin- Anjo Guerreiro, mentor do Shade. Pai de Laura (falecida) e Nathan

(falecido) marido de Ilianya (falecida).Companheiro de Balin e Jamie, a história contada em

"Seus guerreiros, Três Desejos.”

Azel ‒ Anjo Negro alado. Terceiro atacante no comando.

Balin Drake ‒ Sem-alma demônio devorador, filho de Pyro. Companheiro de Jamie e

Ambrose, a história contada em "Seus guerreiros, Três Desejos.”

Becca Quinn ‒ Uma das sete mulheres que o raio atingiu. Trabalha como garçonete no

Círculo de Dante. Companheira de Hunter Brooks, história contada em uma “Lua azarada”.

Bryce ‒ Ex-noivo de Lily.

Caine ‒ Líder do conselho Angélico.

Shade ‒ Ex-noivo de Cora (falecida). Agora companheiro de Lily.

Dante Bell ‒ Shifter Dragão. Dono do Círculo de Dante.

3
Eli ‒ Proprietário de Padaria.

Eliana Sawyer ‒ Uma das sete mulheres que o raio atingiu. Trabalha como soldadora.

Faith Sanders ‒ Uma das sete mulheres que o raio atingiu. Trabalha como fotógrafa.

Fawkes ‒ Demônio, filho de Lúcifer, amigo de Balin. História contada em Sua Escolha

(Encontrada na Antologia Ever After).

Fury ‒ Líder do Conselho demônio.

Glenn ‒ Desprezível ex-chefe de Lily.

Hunter Brooks ‒ Lobo e Beta do Bando Nocturne. Encontra Ambrose, Jamie e Balin no

inferno durante os jogos demoníacos. Companheiro de Becca, história contada em “Uma lua

azarada.”

Ilianya (falecida) ‒ Irmã de Shade, esposa de Ambrose.

Jamie Bennett ‒ Uma das sete mulheres que o raio atingiu. Dona de livraria e amante

de romance. Companheira de Ambrose e Balin, história contada em "Seus guerreiros, Três

Desejos”.

Kobal ‒ Mais velho djinn, membro do conselho, aliado de Pyro.

Law ‒ Anjo de asa cinza, o segundo no comando.

Lily Banner ‒ Uma das sete mulheres que o raio atingiu. Trabalhou no laboratório

químico em RMN no estado solido. TOC e peculiares. Companheira de Shade, história

contada em “O pó das minhas asas.”

Lúcifer – Demônio, Infame do inferno e pai Fawkes.

Laura ‒ (falecida) Filha de Ambrose.

Nadie Morgan ‒ Uma das sete mulheres que o raio atingiu. Trabalha como professora

em uma escola.

Nathan(falecido) ‒ Filho de Ambrose.

Pyro ‒ Demônio do inferno, pai de Balin.

4
Shade Griffin ‒ Anjo Guerreiro, ex-noivo de Cora, irmão de Illianya, companheiro de

Lily Banner, história contada em “O pó das minhas asas.”

Striker ‒ membro do conselho Angélico, o líder dos rebeldes.

Temperance ‒ Mais novo Líder do conselho Djinn.

Thad ‒ colega de trabalho de Lily. Tinha uma queda por ela.

Timmy ‒ Brownie de 10 anos de idade.

COMENTÁRIOS DA REVISÃO
MIMI

Sou tããão viciada nessa série. Não só cada mulher é muito diferente umas das

outras fazendo com que cada livro seja novo e diferente, mas o interessante é como amor

é supergostoso e são tão variados. Estou sempre procurando novos lançamentos dessa

série bem como as outras dessa autora. Fiquei apaixonada por Hunter, quando ele foi

introduzido pela primeira vez (no livro anterior) neste mundo maravilhoso que Carrie

Ann criou. Não é só a história de amor entre Hunter e Becca quente, romântica,

divertida e cheia de voltas e reviravoltas que nos leva de volta ao seu lugar no bando,

depois de estar longe do reino humano por tanto tempo, mas também começamos a ver

Becca vindo por conta própria. Eu fiquei espantada com o crescimento dela, adoro

quando a mocinha tem atitude e não é uma parva, adorei a cena da luta dela. Minha

parte favorita do livro, no entanto, não tinha nada a ver com qualquer um deles e 100%

a ver com Dante *-*. Temos que aprender muito mais sobre meu shifter dragão e por

mais difícil que seja de acreditar, gosto dele mais do que antes. Você não precisa ter lido

livros anteriores desta série para entender e desfrutar disto. Com esses personagens
5
fortes e o retrato vívido deste mundo sobrenatural, você fica completamente envolvido

no drama e se senta na ponta da cadeira esperando para ver o que acontece em

seguida. Mais personagens são introduzidos e, claro, a autora intriga o leitor com picos

nas vidas dos nossos favoritos, deixando-nos querendo saber mais.

ANGÉLLICA

Caracas que esta história foi.... algo! Comi as páginas (claro que no sentido

figurado por que é virtual kkk). A autora consegui me fazer rir, emocionar e um puro T,

tudo num mesmo capitulo. Foi realmente uma reviravolta na vida de Becca, e achei

Hunter muito submisso ‒ com relação ao povo do mal ‒ nem no inferno foi tão passivo.

E que má sorte destas meninas com seus novos reinos sobrenatural. Esse da

Becca... PQP!

Pois bem... já estou com comichão na história de Dante (só em abril/2014), isto

vai ser de matar e morrer, então já faça um novo estoque de MNPL (Material

Necessário Para Leitura), os bichos vão pegar! E será forte.

6
Capítulo Um

As profundidades do fogo do inferno eram um segundo plano fresco em comparação

com o tormento que estava diante dele. Hunter Brooks baixou do soco que visava a cabeça e

rolou para o chão, chegando em pé a poucos metros de distância. Nunca deixou que seu

olhar deixasse o seu oponente, mesmo que ele movesse o braço para parar um chute no

pescoço.

O baixo trovão na distância definiu seu lobo na borda, mas socou-o. A chuva viria

eventualmente e Hunter queria ter certeza de que terminaria com isto antes. O círculo já era

um poço de lama, a lama molhada pegava a suas calças jeans rasgadas, não queria lidar com

mais disso.

Seu lobo escovou ao longo do interior de sua pele, uma presença animalesca que

queria vingança, sangue e morte.

O homem dentro dele queria a mesma coisa.

O outro lobo veio a ele em sua velocidade mais rápida, mas Hunter foi mais

rápido. Suas mãos deslocaram-se para as garras, e cortou para fora, pegando o outro lobo ao

longo do ombro. Seu adversário gritava enquanto o sangue escoava da ferida profunda, mas

Hunter não se importava. Apertou os dedos, cortando o outro homem mais profundo.

Seu adversário encontrou seu olhar, toda a raiva, mas atacando-o.

Hunter tinha visto a depravação de um demônio alado dobrado em sua sede e desejo

de cadáveres em decomposição dentro das profundezas dos jogos de gladiadores.

Este lobo não tinha nada disso.

Seu adversário cortou suas garras para baixo do lado de Hunter, mas Hunter mudou

muito rápido para o outro lobo quebrar a pele.

7
Passou bastante tempo brincando com este lobo, permitindo-lhe pensar que ele

realmente tinha uma chance. Hunter levantou um lábio e mostrou as presas, rosnando no

fundo de seu peito. O ar em torno dele parecia congelar e tempo parar.

Hunter inclinou a cabeça para o lado, quando o medo penetrou os olhos do outro

lobo. Finalmente, o outro lobo sabia que sua vida contou com a misericórdia de Hunter.

Os outros chamaram Hunter de animal.

Eles o chamavam de depravado.

Desumano.

Sim, este lobo tinha algo a temer, mas a morte não estaria entre eles.

Não hoje.

Hunter expulsou em seguida, torceu, fazendo com que o outro lobo caísse de joelhos

em dor. Agarrou o desgraçado pelo pescoço e apertou.

"Renda-se." Hunter rosnou, sua voz arranhando a garganta por falta de uso.

Os olhos do outro lobo rolaram para trás, e então ele bateu a mão no chão duas vezes.

Os murmúrios e uivos ao redor de Hunter o forçou a olhar para a multidão. Ele e o

outro lobo estavam no centro do círculo do Bando Nocturne, sangue e lama cobrindo seus

corpos e jeans desgastados. Outros membros de sua matilha rosnaram ao seu redor. Alguns

tinham olhares de alívio em seus rostos. Outros realizaram um pouco de medo... ou raiva.

Neste último caso, teria que ser tratado em breve.

"Matthew se rendeu." Liam Murray, membro do conselho e amigo uma vez,

gritou. "Cabe a Hunter chamar a morte, mas o círculo escolheu. Hunter é o nosso Beta.”

"Como deveria ter sido, em primeiro lugar." Josiah, seu Alpha, cuspiu. "Eu tenho

falado e o círculo concordado. Minha escolha reina."

"Por enquanto." Dorian Masterson sussurrou, embora Hunter não tivesse certeza se

que alguém tinha ouvido o bastardo.

8
Hunter tinha sentidos mais aguçados do que a maioria dos lobos, devido à sua

linhagem e destino. Sua passagem nos jogos gladiadores do inferno só os tinha afiado mais

fortes. Estava de volta apenas um mês, e ainda não se sentia como se encaixasse em sua

pele. Tudo mudara em sua ausência.

O conselho tinha crescido com mais potência. Seu Alpha tinha crescido mais fraco sem

Hunter lá para protegê-lo. O último protetor de Josiah tinha perecido.

Samuel... Samuel, irmão de Hunter, tinha morrido protegendo o Alpha, quando o

conselho havia tentado assumir.

Nada disso fazia sentido para Hunter. Ele lutou por sua vida inúmeras vezes e matou

tantos demônios e outros seres sobrenaturais que não tinha certeza de que o sangue deixaria

suas mãos, mas quando voltou para o reino humano, enfrentou outra batalha.

Seu próprio bando.

Hunter rolou seus ombros, em seguida, caminhou em direção ao seu Alpha, que

estava cercado pelos cinco membros do conselho. Isso por si só irritou a um fim. O conselho

não deveria ter nenhum lugar perto do Alpha. Havia apenas assessores em dias bons e

sussurros sobre maus.

No entanto, eles estavam lá e exigiram uma luta até a morte para garantir a posição de

Beta.

A posição que Samuel tinha realizado.

A posição que Hunter ocupava antes que tivesse sido levado pelos demônios e forçado

a servir.

Ele se ajoelhou na frente de seu Alpha, olhando para os outros quando fez isso.

"Meu Alpha." Hunter resmungou então virou a cabeça ao lado para descobrir seu

pescoço. Outros engasgaram em torno dele, mas ele ignorou. Eles deveriam ter sido os únicos

a darem seus pescoços, mas se tornam negligentes em suas funções e rituais.

Eles pensavam que bando era uma democracia.

9
Eles logo se provariam errados.

Josiah colocou a mão no ombro de Hunter e assentiu. "Você é um bom Beta,

Hunter. Vai me deixar orgulhoso. Você me faz orgulhoso."

Algo quente começou a enchê-lo, perfurando o gelo com as palavras de seu Alpha,

então se dissipou. Seu lobo uivava dentro dele e endureceu contra a intrusão. Não, não faria

nenhum bem se aquecer as palavras de seu Alpha.

Hunter não era um homem quente. Ele era um assassino, o assassino do Alpha. Ele foi

criado para ser o lobo, e cumpriu a promessa no inferno. Agora estava de volta dentro dos

limites de sua matilha e pronto para matar novamente.

Ou pelo menos foi o que disse a si mesmo.

"Hunter, boa luta." Alec Brennan, outro dos uma vez amigos de Hunter e membro do

conselho, disse quando deu um tapa no ombro. "Você quase matou o lobo Lloyd." Um brilho

vicioso entrou nos olhos de Alec e Hunter resmungou.

"Deixe o lobo viver em sua memória da derrota." Hunter rosnou. "Não estou com

vontade de matar uma lesma inútil que não é digna do título de Beta."

"Cuidado com o que você diz sobre o meu filho." Gregory Lloyd rosnou. O membro

mais antigo do conselho tentou aproximar-se dele, seus dentes arreganhados, mas Alistair

Jacobs − membro do conselho restante o segurou de volta.

"Isso não seria nada bom, lutar como animais." Alistair demorou. "Podemos ter os

lobos à nossa disposição, mas vamos permanecer civilizados."

Hunter bufou com isso. Tinha de haver mais de cem lobos em torno deles em forma

humana, com camisa, prontos para mudar, se necessário. Cada macho adulto e algum dos

jovens, foram marcados com cicatrizes e tatuagens que celebravam suas vitórias no campo de

batalha.

A qualquer momento, uma vez que o círculo tivesse acabado, eles poderiam sair em

brigas para aliviar a tensão.

10
Havia apenas duas maneiras de liberar a tensão andando através dos seus órgãos:

combate e sexo. Como lobos, não se preocupavam com privacidade e modéstia. Se havia uma

mulher ou um homem, se era sua tendência, na frente deles, foderiam duro, deixando o

stress e as preocupações do dia escoar fora.

Como não havia parceiros dispostos no momento, Hunter tinha certeza de que a luta

sairia em breve. Sangue e suor logo permeariam através do ar, enchendo as narinas de

Hunter para substituir o cheiro de traição e raiva que derramou dos lobos que tinham

perdido a esperança hoje.

Hoje, como a maioria dos outros dias, a luta reinaria sobre sexo.

As fêmeas estavam de volta em suas casas − as poucas mulheres que tinham. Lobos

não nasceram de mordidas, em seu mundo, ao contrário do que acreditavam os

fandoms1. Embora fosse fácil engravidar, era duro como inferno manter o bebê e ainda mais

difícil de produzir uma menina.

Sua ausência na reunião do círculo tinha sido a decisão do Conselho, e não do

Alpha. Sua história sempre tinha realizado suas mulheres em profundo respeito. Não só

eram lobos em seu próprio direito, mas lutadoras fortes também. Eram temidas entre os

homens, se alguém ameaçasse seu filhote.

No entanto, o conselho havia as declarou fracas na ausência de quatro anos de

Hunter. Aparentemente, a mulheres e homens que tinham lutado contra o Conselho haviam

sido espancadas ou mortas.

Nada estava certo no Bando Nocturne.

Hunter manteve culpando o Conselho por tudo isso, mas sabia que não eram os cinco

deles. Não, eram três deles, que detinham o poder, ou pelo menos pensavam que fizeram.

1
A comunidade que envolve um programa de TV / filme / livro etc Fanfiction escritores, artistas, poetas

e cosplayers são todos membros que o fandom. Fandoms muitas vezes consistem em fóruns, comunidades

LiveJournal, e pessoas.

11
Por enquanto.

"Vamos lá." Liam sussurrou. "Vamos olhar para seus cortes no meu lugar. Vai chover

logo de qualquer maneira. Prefiro não fazer meu cabelo molhado." Ele sorriu para o seu

último comentário, mas Hunter não respondeu. Que era tácita a sua necessidade de falar

sobre as correntes dentro do círculo.

Hunter tinha voltado no reino humano por um mês inteiro, no entanto, a mudança

levou tempo. Depois de Ambrose, Jamie e Balin e, claro, o jovem demônio, Fawkes − o

tivessem resgatado das profundezas do inferno, ele voltou para o reino que havia crescido

dentro.

Diferentemente da maioria dos seres sobrenaturais, shifters lobo e alguns outros tipos

de shifters viveram dentro do reino humano, mas estavam escondidos no fundo das

florestas. Sua própria magia manteve os seres humanos longe e os seus segredos

enterrados. Outros seres sobrenaturais viviam em outros reinos que eram acessíveis apenas

através do reino humano. Era como se os próprios seres humanos fossem a cola que segurava

todos juntos.

Considerando os seres humanos não eram realmente os seres humanos em tudo, mas

apenas diluído para baixo em versões dos próprios seres sobrenaturais. Eles não sabiam que

as coisas que foram colidindo na noite eram reais e não tinha ideia de que, dentro de si,

tinham a capacidade de se transformar em outro ser... se algo viesse a alterar o seu curso, o

que é.

Hunter tinha crescido com os humanos ao seu redor e seu bando ao seu lado. Eles

podem ser escuros e depravados no melhor dos tempos, mas amava como os seus próprios.

Pensou que iria voltar para o bando que ele havia conhecido, mas que não tinha sido o

caso.

Quatro anos é muito tempo para ficar fora.

12
Tudo havia mudado e não para melhor. Embora uma coisa que pudesse oferecer a luz

em seu horizonte.

Ele a deixou sozinha para que pudesse encontrar o seu lugar e ser melhor para

ela. Agora era a hora.

Ele a encontraria em breve. Sua Becca.

"Você deve estar pensando em uma mulher." Brincou Alec quando fizeram o seu

caminho de volta para a casa de Liam. "Está sorrindo."

Hunter resmungou, então caminhou dentro do lugar com Liam e Alec seguindo. Ele

acendeu as luzes e esticou os braços sobre a cabeça. Foi malditamente cansado depois da

luta, embora ainda se sentisse um pouco nervoso já que não tinha caçado um grande jogo.

"Eu não sorri." Hunter rosnou.

Alec apenas balançou a cabeça e roubou uma cerveja da geladeira de Liam. Liam fez

uma careta e deu um tapa na nuca de Alec.

"Você nunca pediu para tirar minhas coisas." Liam rebateu.

Alec franziu a testa. "Eu não achei que tinha, Murray." Ele falou.

Hunter piscou para os dois, a tensão diferente do que tinha sido antes que ele tivesse

ido embora. Enquanto antes os dois sempre brigavam e irritavam o outro, isso era

diferente. Antes eles sempre sorriam e superariam isso, a tensão se dissipava depois de

alguns momentos. Agora, porém, parecia haver uma corrente subjacente entre os dois que

Hunter não conseguia colocar seu dedo.

"Pessoal? É cerveja. Superem isso."

Os dois homens giraram a cabeça e olharam para ele. Poderiam se parecer em nada,

Liam com sua aparência escura e olhos azuis, Alec com o cabelo castanho e olhos verdes, mas

naquele momento, tinham a mesma expressão.

Fome, raiva e confusão, tudo em um.

Mas que diabos?

13
Olhando para Liam, Alec torceu a tampa da cerveja, em seguida, tomou um longo

gole. A mandíbula de Liam apertou quando apertou os dentes, e então entregou a Hunter

uma garrafa.

Hunter olhou entre os dois homens, mas colocou suas perguntas de lado. Tinha o

suficiente para lidar sem se aprofundar em qualquer drama que eles tinham.

"Conte-me sobre o que eu perdi." Disse ele depois de um minuto de silêncio

constrangedor.

"Tudo, Hunter." Disse Liam.

"Não me diga." Hunter agarrou. "Dê-me detalhes."

"Quando você deixou..." Alec começou então se interrompeu. O outro homem apertou

a mandíbula, em seguida, tomou uma respiração profunda. "Não, quando foi tomado, as

coisas foram à merda. Nós ainda não sabemos como foi levado por demônios, Hunter. Você

tem que acreditar nisso."

Hunter assentiu e fez isso. Ele sabia que os dois homens nesta sala não o teriam

vendido para os demônios. Isso era tudo o que sabia embora. Ele tinha suas ideias sobre o

que tinha acontecido, mas nenhuma prova.

Descobrir como ele tinha sido vendido, como escravo, para o maior lance de demônio

estava no alto de sua lista de prioridades.

Liam pigarreou, então colocou a mão no ombro de Alec, antes de se sentar no

sofá. Alec lançou-lhe um olhar, e Liam puxou seu braço.

"Quando você foi embora, Masterson, Lloyd e Jacobs pensaram que acharam um

espaço para o seu plano." Liam continuou. "Eles nunca esconderam a quem parecesse como

eles queriam tomar o bando. Querem trazer os lobos para o século XXI, como eles dizem, e

forçar uma democracia."

Hunter amaldiçoou. "Nós somos lobos. Isso não pode acontecer. Nenhum dos outros

bandos que tentaram, sobreviveram. Nós não somos seres humanos. Temos lobos envoltos

14
ao nosso redor, no fundo dos próprios aspectos de nossas almas e seres. Negar um Alpha

deve doer."

Liam assentiu. "Você não está dizendo nada que Alec e eu não dissemos antes. A

quantidade de dor, no entanto, depende do Alpha."

Hunter conteve uma careta. "Josiah está ficando mais velho, mas não envelhece como

seres humanos. Sua energia deve aumentar apenas com a idade."

Alec balançou a cabeça. "Não sem um Beta que possa apoiá-lo ou sem as magias que

ele obteve a posição de qualquer maneira. Um Alpha não pode sobreviver sem um

Beta. Josiah detém toda a magia e a força de todo o bando em seus ombros, mas não pode

governar e ser ele mesmo, sem outro para se apoiar."

Hunter assentiu. "Teria sido bom se ele não tivesse perdido Clara."

Liam passou a mão pelo cabelo. "Ela se foi há uma década, Hunter. Josiah é mais forte

do que ele próprio dá crédito, mas não pode fazer isso sozinho. Ele não deveria ter que fazer

isso sozinho."

"E Samuel, que descanse em paz, não era forte o suficiente para protegê-lo." Alec

sussurrou.

Hunter não estremeceu ou moveu com a menção das falhas de seu irmão

falecido. Não, isso não estava certo. Ele não podia chamar a decisão de seu irmão um

fracasso, desde que o menino tinha feito tudo ao seu alcance para proteger o bando. Ele só

não tinha sido bom o suficiente. Nunca houve qualquer dúvida de que Samuel não tinha sido

forte o suficiente para a posição, mas o garoto nunca deveria ter sido posto em perigo, para

começar. Se Hunter tivesse estado lá, Samuel estaria vivo.

Que acima de tudo seria algo que assombraria Hunter até o dia que morresse.

"Você já encontrou seu assassino?" Hunter perguntou, em voz baixa, mortal.

Alec balançou a cabeça. "Não, mas podemos fazer suposições."

15
"Os três bastardos que pensam que podem assumir o bando." Hunter cerrou os

punhos, sua fúria montando-o com força.

"Você está aqui agora e chamado Beta, na verdade." Disse Liam. "Nós não poderíamos

fazê-lo sozinho, não e manter nossas famílias vivas e o bando fluindo, mas vamos estar ao

seu lado, Hunter."

Hunter assentiu, mas permaneceu em silêncio.

"A luta apenas começou, Hunter." Alec colocou dentro. "Nós não sabemos o que os

outros têm na loja, e não sabemos exatamente o que eles fizeram no passado. Tudo o que

sabemos é que vamos proteger Josiah e com as nossas vidas."

Hunter inclinou a cabeça para os dois homens que tinham sido seus melhores amigos

desde que eram filhotes. Os três sempre foram grossos como ladrões, e quando tinham

crescido em lobos adultos, tinham tomado as suas posições como os membros do conselho e

beta no tranco.

Sozinhos, eles eram fortes.

Juntos, eram mais fortes.

"Isso vai causar uma guerra, se não formos cuidadosos." Liam murmurou.

"Nós já estamos em uma guerra." Disse Hunter categoricamente. "Só precisamos nos

certificar de que está contida."

A última coisa que ele queria era trazer o conflito para os outros reinos e ferir os seres

humanos.

Especialmente um ser humano particular. Ela já tinha sido ferida uma vez em uma

batalha sobrenatural, e seria amaldiçoado se deixaria outro tocá-la.

Ele se afastou dela uma vez para garantir a sua segurança.

Não faria isso novamente.

16
Capítulo Dois

"Ok, seu bastardo, fique onde está." Becca Quinn rosnou para seu inimigo. Ela agarrou

sua arma e plantou seus pés, pronta para assumir a criatura, mesmo que isso significasse pôr

em perigo a sua vida.

Era passado o tempo para este bastardo morrer.

Seu inimigo se contraiu, mas por outro lado parecia perplexo.

"Eu não vou deixar você ganhar desta vez." Ela prometeu. "Você e seus amiguinhos

podem ter vencido antes, mas não desta vez. Hoje serei a vencedora, e você será o único se

contorcendo de dor, impotente e gritando."

Imagens de olhos dourados e ao som fraco de um uivo ferido encheu sua mente, mas

ela empurrou longe.

Não era o momento.

"Becca, mate a maldita aranha e vá em frente." Dante Bell, seu chefe e amigo, gritou da

porta.

Becca gemeu, mas não deixou seu olhar cair de seu inimigo feroz. O pesadelo de oito

patas tinha que ser tão grande quanto sua mão, apenas levantou uma perna, como se ele não

tivesse um cuidado no mundo.

Provavelmente não tinha.

Ela rapidamente olhou para o êmbolo em uma das mãos e uma garrafa de água

sanitária limpa na outra. Tudo bem, poderia ter ido ao mar com suas armas de escolha, mas

considerando que estava no banheiro, do bar, pegou o que poderia conseguir.

"Ela poderia me matar a qualquer momento." Disse Becca.

"Ela é uma aranha, Becca." Dante rosnou. "Uma aranha. Você já viu demônios, anjos e

ouviu quem sabe o que mais, e está com medo de uma aranha desprezível."

17
Becca bufou. "Ela poderia ser um shifter aranha por tudo que sabemos, pronta para me

matar assim que eu relaxar."

"Pelo amor dos deuses. Não existem coisas como shifters aranha. Nem sequer pense

em me pedir em matar para você, Becs. Consiga um maldito sapato."

Becca finalmente tirou o olhar de seu inimigo e se virou para olhar Dante. "Você senta

e me deixa morrer?"

Algo escuro passou por seus penetrantes olhos azuis, e ele colocou sua mandíbula. Ela

piscou quando se lembrou de que seu amigo e patrão não era humano. Seu cabelo longo

preto e azul, suas tatuagens e piercings, e tudo mais sobre ele escondeu quem ele era.

O dragão dentro dele, o que ela e suas amigas nunca tinham visto, estava bem abaixo

da superfície.

Espera.

"Eu prefiro caminhar através do fogo do inferno, o mesmo inferno que estou proibido,

então, sentar e assistir a qualquer uma de vocês meninas morrer. Você sabe disso. Estou te

deixando matar a porra da aranha, porque você me pediu, Becca Quinn. Você me disse que

queria enfrentar seus medos, e vou deixar. Nunca se esqueça quem eu sou e nunca se

esqueça de que morreria, antes de ver você ou as meninas se machucarem."

Com isso, ele se virou e a deixou sozinha no banheiro, com o coração na garganta e

sua vergonha em torno dela.

Inferno, tinha fodido isso.

Mal.

Voltou-se para a esquina, só para encontrá-la vazia. Em pânico, esquadrinhou as

paredes, pisos, sob as barracas, e seu cabelo, só para vir acima. O maldito ‘aracnídeo da

morte’ tinha escapado dela.

Ele e todos os seus amiguinhos estariam de volta, porém, e ela estaria pronta.

Talvez.

18
Colocou o êmbolo e garrafa de volta sob o balcão e lavou as mãos. Não era como se

pudesse passar horas correndo atrás de algo que provavelmente não iria machucá-la, quando

tinha que voltar a trabalhar e ser uma garçonete alegre.

Becca gemeu em seguida, colocou a massa de cabelos ruivos encaracolados de volta à

sua aparência de um rabo de cavalo. Seu corpo doía ferozmente, e realmente não queria

colocar um sorriso no rosto e fingir que amava seu trabalho.

Bem, isso realmente não era justo. Adorava conhecer novas pessoas, e adorava Dante

como o irmão mais velho que nunca teve – como inferno − quente de irmão mais velho, mas

não era como se estivesse atraída por ele, além de um vislumbre de gostosura.

Não, ela tinha outro homem em mente quando se tratava de quem queria. Não que ela

tivesse visto Hunter em um mês.

Não, ele deixou alto e seco, depois de salvar a vida dela no beco quando um homem a

atacou. Então Hunter tinha estado lá quando quase morreu no ataque djinn.

Inferno, a vida dela não parecia mais real. Costumava ser a azarada do grupo, que

incluía ela e suas seis amigas. Estava sempre tropeçando em algo ou rasgando um buraco em

sua camisa, por apenas ir contra uma parede ou algo assim.

Então, um raio tinha atingido ela e suas amigas, literalmente, e tudo tinha mudado.

Becca bufou. Apenas soava como algo saído de um romance de horror?

Tudo o que tinha sobrevivido, Dante também, embora ela não descobriu, até mais

tarde, porque estava ileso. Afinal de contas, um dragão tinha que ter escamas espessas, certo?

Desde aquela noite, quando o quarto tinha iluminado como uma árvore de Natal e seu

corpo tinha enchido com uma forma maníaca de energia, as coisas tinham sido

diferentes. Lily tinha sido a primeira a notar a mudança quando conheceu Shade, um anjo

guerreiro do reino angélico. Ele tinha estado lá para impedi-la de descobrir que os seres

sobrenaturais existiam, mas que tudo tinha sido em vão.

19
Uma vez que Lily e Shade eram metades verdadeiras, uma vez que, hum, conectaram

em um nível mais profundo, Lily tinha mudado em uma criatura sobrenatural por conta

própria, um brownie. Parecia que a parte não tão humana de seu DNA tornou-se dominante.

A mesma coisa havia acontecido um ano depois com Jamie, tinha se transformado em

um gênio. Sua transformação não foi tão bonita como Lily embora. Os demônios do inferno a

levaram para seu próprio reino e quase a mataram. Felizmente, o mentor de Shade, Ambrose,

arriscou a própria vida para salvá-la. Lá eles conheceram o terceiro de sua tríade, Balin, e

viveram para contar o conto. Becca ainda não podia acreditar que a pequena proprietária da

livraria, Jamie, estava em um relacionamento ménage em que Balin e Ambrose também eram

amantes.

Do jeito que sua amiga sempre corou e brilhava, Becca percebeu que as coisas estavam

dando certo.

Tinha sido apenas um mês uma vez que todos tinham voltado para o reino humano e

que tinham derrotado o demônio e djinn que queriam prejudicá-los. Becca mesma tinha

quase morrido ao ser empalada por um pedaço de madeira. Jamie tinha guardado seu corpo,

mas tinha sido Hunter que tinha salvado sua alma.

Ela soube no instante que Hunter significaria algo mais para ela do que apenas ser um

estranho que a tinha salvo em um beco escuro. Ela tinha visto a dor e a angústia dentro

desses olhos dourados e ouviu o seu grito. Isso a trouxe de volta, enquanto Jamie curou suas

feridas.

Então, Hunter deixou para voltar ao seu bando, e Becca foi presa trabalhando no bar

com Dante, perguntando por que se preocupava com o lobo que não tinha olhado para trás.

Uma onda de fraqueza, seu corpo tremeu, empalideceu, deslizou por ela, e esfregou a

parte de seu torso, onde a madeira a havia empalado.

Tinha a sensação de que sabia o que era fraqueza, e estava chateada com isso. Lily e

Jamie tinham ambas sentido, quando encontraram suas metades verdadeiras antes de

20
cimentar o vínculo. Becca teve um sentimento que Nadie sentia-o também, embora Nadie

não estivesse dizendo nada sobre isso.

Hunter tinha que ser seu companheiro, sua metade verdadeira.

A pessoa que iria lhe mostrar o que significava ser parte do mundo sobrenatural e

permitir que ela se tornasse... Alguma coisa.

No entanto, ele a deixou sozinha.

Bem, inferno, não iria ficar por isso. Ficaria com o seu negócio e o esqueceria ou

encontraria por conta própria. Não havia nenhuma maneira que ia ficar sentada e desmaiar

sobre um homem que ela só se encontrou duas vezes, mas sabia que tinha uma conexão com

ele.

Teria que enfrentá-lo em seu território e descobrir o que diabos ele quis dizer quando

disse que ia cuidar dela antes de sair. Se, naquele momento, não podia ver um caminho para

que as coisas funcionarem, ela iria embora, mas não havia nenhuma maneira que deixaria as

coisas irem para merda sem tentar primeiro.

Não estava em sua natureza.

Além disso, seu corpo doía como se tivesse acabado sobre a gripe ou um resfriado

muito ruim. Ela queria saber se poderia tornar algo... mais. Hunter parecia ser a chave para

isso, e seria amaldiçoada se perderia a promessa de um futuro, porque não falou com ele.

Becca olhou no seu reflexo novamente e então saiu do banheiro. Não houve uso de

bater-se até agora, quando tinha um trabalho a fazer, um trabalho que desfrutou uma

vez. Ela já sabia, porém, que precisava seguir em frente, eventualmente.

Acenou para Dante, que levantou uma sobrancelha com piercing, mas não lhe disse

que a aranha tinha ganho este round.

Dante possuía e trabalhava no Círculo de Dante, um dos bares mais antigos da cidade,

mas por causa dos vários ataques contra ela e suas amigas, o lugar tinha sido renovado

algumas vezes no ano passado. Os painéis de madeira escura tinham lascas e dentes nele a

21
partir de quando o vento tinha balançado pelo lugar durante a última tempestade feita pelos

djinn, mas que tinha sido limpo e polido para parecer quase novo, apesar disso. Fotos e

outras memórias enchiam as paredes, cada uma em quadros novos ou reparados.

Dante queria um lugar que lembrasse as pessoas de quem eram e de onde vieram,

pelo menos se conheciam o dragão pessoalmente. Ou, quão pessoalmente, como qualquer

um poderia chegar a Dante. Apesar de ter que limpar a bagunça do mal que os tinha

ameaçado, ele conseguiu.

Era algo que Becca queria fazer em seu próprio bar, quando tivesse um. Não sabia que

seria o seu objetivo quando entrou primeiro com dezoito anos de idade, que precisava de um

lugar para trabalhar e dormir, mas Dante a tinha tomado sob sua asa, e ela floresceu.

Fazia mais de 12 anos desde que pisou no local, e estava pronta para seguir em

frente. Terminou o ensino médio através de cursos on-line, e apesar do fato de que lutou na

escola, estava quase acabando com o seu mestrado em gestão de negócios.

Ela poupou e estava pronta para terminar a escola e começar a sua própria vida.

Sabia que Dante teria lhe dado o dinheiro para começar por conta própria, ele era

assim, mas ela queria, não, precisava − fazê-lo por conta própria.

"Becca? Você está bem?" Nadie perguntou quando caminhou até ela no bar. Pequena e

loira, Becca sempre pensou que sua amiga parecia uma fada. Considerando-se que as fadas

eram provavelmente reais, Becca não ficaria surpresa se isso fosse realmente o caso.

"Eu estou bem, apenas me preparando para terminar o meu turno." Respondeu ela. O

lugar estava morrendo para baixo, uma vez que era quase dez em uma sexta-feira, e não

havia nenhum jogo esta noite. Felizmente Becca não teve que fechar, pelo que poderia sair

em breve.

Nadie sorriu em seguida, fez uma careta quando seu rosto empalideceu. Becca

estendeu a mão para pegar sua amiga quando caiu, mas Dante foi mais rápido. Ela não tinha

22
ideia de como ele a superou tão rapidamente, mas antes que Becca pudesse piscar, Dante

tinha Nadie envolvida em seus braços, a preocupação em seu rosto aterrorizante.

"Deixe-me ir." Nadie sussurrou, dor inconfundível em seu tom. "Eu estou bem, Dante."

Ele esfregou o ombro um pouco, em seguida, assentiu. Seu próprio rosto empalideceu

um pouco quando a cor infiltrou de volta a Nadie.

"O que aconteceu?" Becca perguntou quando segurou o rosto de Nadie. Nadie, como o

resto das mulheres que ela chamou de família, era uma de suas melhores amigas. Não havia

nenhuma maneira que deixaria Nadie ir sem uma explicação.

Não outra vez.

"Só um pouco tonta." Nadie disse, sua voz segurando espaço para perguntas.

Parafuse isso.

"Você está mentindo. O que há de errado?" Becca tentou puxar sua amiga mais

próxima, mas Nadie puxou de volta.

"Eu só não comi o suficiente para o dia. Estou bem. Na verdade, me sinto melhor

agora. Eu deveria ir para casa."

"Nadie..."

"Becca, pare. Eu estou bem."

"Eu vou te levar para casa." Disse Dante, sua voz segurando nenhum espaço para

discussão.

Nadie rolou seus ombros, em seguida, virou-se de Becca para enfrentar Dante. "Não se

incomode. Vou dirigir. Vivo apenas alguns quarteirões de distância, algo que você sabe. Vou

ficar bem." Repetiu.

Dante franziu as sobrancelhas e olhou como se estivesse prestes a tocar seu rosto, em

seguida, parou. Droga, estes dois estavam indo para matá-la com os seus problemas não

liquidados.

Embora, na realidade, ela não era de falar.

23
"Tudo bem, se é isso que você quer." Disse Dante, em seguida, foi embora sem outra

palavra.

Nadie parecia lutar por compostura, depois deu um abraço em Becca. "Vejo você

amanhã. Fique segura."

Becca observou a amiga sair do bar, deixando um dragão virado na sua esteira. Nadie

normalmente não veio dentro em uma semana, desde que teve que trabalhar na parte da

manhã, tinha que haver algo mais para ela estar lá, mas Becca não tinha certeza se queria

saber. Graças aos deuses Dante gostava dela, porque não estava com vontade de descobrir

como domá-lo.

Se houver mesmo uma maneira.

Alguém gritou para ela, e voltou ao trabalho. Fez 30 minutos antes de cortar-se em um

vidro quebrado.

"Porra."

"Que diabos você fez dessa vez?" Dante perguntou quando ele tirou o kit de primeiros

socorros utilizado diariamente.

"Apenas cortei meu dedo." Respondeu ela, quando colocou o dedo sob uma corrente

de água. "Não é profundo."

"Então, sem pontos?" Ele a puxou para o fundo do bar e sentou em um banquinho

antes de tomar uma olhada no corte. Estava ficando muito bom em tomar conta dela.

"Não. Pelo menos eu espero que não. Não estou no clima para outra visita ao

hospital."

"Desculpe, não sou um dragão de cura, ou tinha acabado de cuidar de todos os seus

ferimentos com facilidade."

Ela inclinou a cabeça. "Há coisas como dragões de cura?"

Ele apenas levantou o lábio num sorriso. "Claro."

Becca revirou os olhos. "Você nunca vai me mostrar como você se parece, não é?"

24
Ele levantou uma sobrancelha perfurada. "Talvez um dia."

Ela o deixou colocar um band-aid no dedo dela, e então voltou a trabalhar. Estava

prestes a terminar a sua última mesa quando deixou cair o cheque. Quando se abaixou para

pegá-lo, o aperto duro na bunda dela surpreendeu.

"Que porra é essa?" Gritou quando se virou para encarar um homem desprezível em

um terno de negócio e afrouxando a gravata.

"Só sentindo os bens. Se você não quer ser tocada, não deveria ter ostentado essa

bunda doce ou os seios fodiveis na minha frente."

Becca piscou os olhos, surpresa com suas palavras cruas. Claro, tinha tratado com

idiotas antes, mas eles não eram geralmente tão descaradas depois que foram pegos.

"Desculpe-me?"

"Por que você não vem sentar no meu colo, e vou te mostrar o que eu quero dizer." Ele

agarrou sua virilha, e Becca resistiu à vontade de vomitar.

Ela piscou de volta ao tempo em que outro homem tinha estado sobre ela, e Hunter a

tinha salvado.

Não estava nessa posição agora, porém, e seria amaldiçoada se deixasse o homem

fugir com isso.

"Saia daqui. Agora."

"Você não possui este lugar, cadela."

"Não, mas eu sim." Dante rosnou atrás dela. "Quer que eu cuide disso, Becs?"

Ela balançou a cabeça. "Não. Eu posso lidar com isso."

"Oh sim, bebê? Você vai lidar com isso?" Ele esfregou o pênis através de suas calças, e

Becca engoliu a bile que subiu em sua garganta.

Sério? Esse cara tinha que estar fora de sua mente.

Ele estendeu a mão novamente, e ela acertou o bastardo no nariz. O sangue jorrou e

ele gritou como o bichano estava.

25
"Sua vadia! Vou processá-la!"

"Não, não vai." Disse ela, calmamente. "Você vai sair daqui e entrar em um táxi e

nunca mais voltar. Se tentar processar, vou cobrar-lhe com o assédio e agressão."

Dante cruzou os grandes braços sobre o peito e olhou. "Eu não vejo por que você não o

acusa agora."

"Então, eu tenho que vê-lo novamente. Saia."

Ele cambaleou para fora da porta, e os ombros de Becca afundaram. "Deus, eu estou

cansada."

"Vá para casa, Becs. Vou limpar sua seção." Dante trouxe-a para um abraço que a

lembrou que tinha amigos que podia se apoiar, se fosse necessário.

"Obrigada. Estou chicoteada, e ainda tenho que terminar esse trabalho hoje à noite."

"Jason virá para ajudar com isso?" Perguntou Dante, sua voz estranhamente sem

emoção.

Becca fez uma careta. "Não, não penso assim. Não é assim que é um exame, e por que

você está assim? Não é como se Jason e eu estivéssemos namorando."

Além disso, o cara era assustador para estar sozinha por muito tempo, mas não estava

prestes a dizer isso Dante. A última coisa que ela precisava era de seu parceiro de estudo

assado no espeto, quando seu amigo dragão sorrisse com alegria.

"Tenha cuidado. Só porque o seu lobo está de volta em seu bando, lidando com o seu

desaparecimento, não significa que ele não vá matar um homem por tocar o que é seu."

Que lhe trouxe a polêmica para cima. "Desculpe-me? Você tem que estar brincando

comigo. Não sou propriedade de ninguém. Hunter não está aqui, e desde que ele não tem

mesmo falado comigo em um mês, vou abster-me de pensar que o lobo tem algum dinheiro

em mim."

"Becca, algumas coisas são feitas para manter aqueles com que nos preocupamos em

segurança, não porque necessariamente queremos fazê-las."

26
Becca franziu a testa, pensando que Dante não estava falando apenas dela e Hunter

agora.

"Eu não me importo agora. Vou para casa e escrever, então vou para a cama. Tem sido

um pouco demais para mim hoje."

Ok, certo, ela só teve que lidar com um par de bêbados, cortando-lhe a mão, e a aranha

do inferno, mas estava muito cansada para lidar com isso agora.

Dante assentiu com a cabeça, em seguida, caminhou até a parte de trás do bar. "Vou

cuidar daquela pequena aranha minúscula para você também."

Ela virou, em seguida, foi buscar suas coisas. Talvez sua vida fosse mudando

lentamente, mas pelo menos teve suas amigas para lembrá-la do que ela tinha. Agora só

tinha que pensar sobre o que queria e se isso incluía o lobo com olhos amarelos que

assombravam seus sonhos.

27
Capítulo Três

Hunter ficou na frente do Círculo de Dante, o pôr do sol batendo nele. Estreitou os

olhos, a lente de contato marrom que ele usava irritando-o. Odiava usar as malditas coisas,

mas os olhos amarelos pareciam assustar os humanos. Ele não as usava a última vez que

esteve aqui, mas tinha esquecido.

Depois de gastar quatro anos lutando contra demônios e fazer as coisas que

assombrariam seus pesadelos para os próximos anos, colocar uma fina película sobre os

olhos para não assustar os pequenos seres humanos não lhe ocorrera.

Pessoas moviam em torno do sol no início da noite, conversando e indo sobre o seu

dia. A maioria delas eram seres humanos, que não perceberam que foram se aventurando em

torno de uma sombra ambulante da morte. Uma duende passou por ele e parou, com os

olhos arregalados. Ela piscou, então saiu correndo, como se estivesse com muito medo do

que ele poderia fazer, em vez de lembrar que, para a maioria dos predadores, presas fugindo

só os encorajou.

Hunter não era um desses predadores embora. Apesar de seu nome, não sentia a

necessidade de caçar a presa, quando o que ele realmente queria estava dentro das paredes

na frente dele. Fazia um mês que tinha visto Becca. Um mês desde que ela tinha ficado em

seus braços, seu corpo pálido, em cura.

Ele ainda podia se lembrar dos gritos ecoando nas paredes. Não tinha sido até mais

tarde que ele percebeu os gritos de angústia tinham sido seus. Embora ele não soubesse

muito sobre Becca – ainda − o lobo dentro dele, sabia tudo o que precisava saber.

Becca Quinn seria sua companheira, ela era sua companheira.

Agora, só tinha que convencê-la disso.

28
Indo por um mês para deixar o outro curar e trabalhar o seu caminho através do

labirinto de mentiras e traições dentro do bando, pode não ter sido a melhor ideia em

retrospecto. Pelo que sabia das fêmeas, tinha certeza que sair, sem qualquer forma de

comunicação não era o mais inteligente.

Ele teria o tribunal de Becca, algo que não tinha ideia de como funcionava ou o que

implicava. Talvez Ambrose e Balin fossem ajudá-lo. Mesmo no inferno, o anjo e demônio

souberam como fazer Jamie sorrir. Hunter tinha certeza que Ambrose tinha sujado alguma

coisa, antes que tinham ido para o inferno em primeiro lugar. Hunter assumiu que queria

dizer que, se o guerreiro anjo-velho poderia cometer erros e sair tudo bem, certamente ele

poderia.

Esperemos.

Hunter era o Beta do Bando Nocturne, mas neste exato momento, não sabia se tinha

forças para enfrentá-la. Nunca tinha tido uma companheira antes, muito menos um ser

humano ou o que Becca fosse. Ele não tinha certeza, e a tríade não tinha estado exatamente

próxima com detalhes.

A maioria dos lobos dentro de sua matilha acasalou com outros lobos. Isso foi apenas

o caminho das coisas. Lobos tinham um companheiro de verdade, às vezes dois, se estavam

em uma tríade. Era isso. Claro que poderiam acasalar com outros e ter filhos, mas não seria

um verdadeiro acasalamento. Todos os outros seres sobrenaturais tiveram a mesma ideia da

verdadeira felicidade.

Encontrar sua metade verdadeira era uma bênção.

Uma rara.

No momento em que ele entrou naquele beco e viu a deusa de cabelos vermelhos,

sabia que ela era a pessoa certa para ele. Tinha o atingido como um trem de carga. Onde a

maioria dos homens teria pensado que era uma loucura, Hunter saudou.

Ele sabia que ela era dele.

29
Agora, só tinha que descobrir o que fazer sobre isso.

Seu bando queria que ele acasalasse − pelo menos os que queriam que ele vivesse de

qualquer maneira. Ele ter uma companheira de verdade, mas não fazia parte do

bando. Hunter sabia que isso seria um problema, mas realmente não se importava. Tudo que

ele queria era a mulher de aroma doce que o drogava, como um elixir com a sua presença.

Um ser humano cruzou com ele e deu-lhe um olhar sujo, presumivelmente por estar

em pé no meio da calçada. Ele não culpava o ser humano por estar incomodado, então piscou

para ele, em vez de rosnar. Os olhos do humano se arregalaram, e medo infiltrou-se dele

antes que decolou em um ritmo acelerado na outra direção.

"Assustando as pessoas de novo?" Balin perguntou quando caminhou em sua direção

a partir do parque de estacionamento.

Hunter deu de ombros, mas acenou com a cabeça em direção ao demônio que havia se

tornado seu amigo. "Eu não rosnei ou o mordi. Pensei que estava indo bem."

Balin balançou a cabeça e riu. "Você estava. Eu realmente não obtive aqui

também." Desde que aqui é o reino humano, em vez do reino do inferno que Balin tinha

vivido por 300 anos.

Embora o próprio Bando de Hunter estivesse no escuro, pedregoso, e ligeiramente

demente, ele ainda preferia isso ao inferno.

Balin deu-lhe um olhar estranho, em seguida, balançou a cabeça novamente. "Nós não

te vimos em algum tempo. Conseguiu cuidar das coisas?"

Hunter pensou em voltar os olhares de piedade e medo dentro de sua matilha. "Não

totalmente, mas estive fora por muito tempo."

"Você não vai me dizer o que precisava fazer, não é?"

"Eu não posso." Era verdade. Embora Balin tivesse ajudado a salvar a vida de Hunter,

ele não foi fazendo as malas. Alguns segredos precisavam manter-se dentro dos limites de

sua própria espécie, algo que o demônio deve entender.

30
"Você está aqui para Becca, não é?" Balin cruzou os grandes braços sobre o peito e

olhou.

Não que Hunter soubesse exatamente por que o demônio passou a ser gritante, mas

não se sentia fácil com ele. Arrepios subiram em Hunter, mas atenuou-os. Era bom que Becca

tivesse gente para cuidar dela, mesmo que os avisos fossem perdidos.

"Sim. Ela é minha." Ele respondeu simplesmente.

Balin estreitou os olhos. "Lembre-se que essas mulheres não são como aquelas que

você conhece." O demônio olhou para os seres humanos que estavam ignorando a tensão

crescente. "Vamos para dentro. Podemos falar um pouco mais livremente lá."

"Você ficaria no caminho de um acasalamento?"

Balin balançou a cabeça e levou-os até a porta da frente. "Não, mas estarei ali diante

dela para garantir que é o que ela quer. Você a deixou confusa como o inferno um mês

atrás. Não pense que pode apenas espreitar e achar que tudo vai ficar bem."

Hunter fez uma careta. "Eu sei que vou ter de cortejá-la. Pretendia pedir a você e seus

companheiros para a ajuda."

Balin piscou, com a mão na porta. "Você ia pedir ajuda? Pensei que você fosse um lobo

Alpha."

"Eu sou o Beta da minha matilha, mas sou um dominante. Isso não significa que eu

não sei como pedir ajuda quando é necessário. Becca não é do meu bando, e quero que ela

permaneça segura. Trazê-la para o meu bando agora seria perigoso com todos os fatos, e não

pretendo forçá-la a ficar comigo."

Balin bufou então abriu a porta, levando-os para o bar. "Você está dizendo as coisas

certas, mas tenho a sensação de que vai agir todo lobo e achar que ela deveria dobrar para

você."

Hunter cerrou os punhos. "Eu não sou tão esclarecido como alguns. O destino fez para

mim, e o curso foi definido. Não vou romper com isso."

31
O doce aroma de sua companheira e da mulher encheu seu nariz, e se virou para ver a

deusa dos seus sonhos. Ela colocou seu cabelo vermelho encaracolado em um emaranhado

no topo da sua cabeça, então pequenos cachos caíram no pescoço. Esses cachos pareciam

implorar por seu toque, e ele tinha que se lembrar de não alcançá-la ainda. Seu pescoço longo

seria perfeito para a sua língua, como seriam os seios fartos. Havia mais do que um punhado,

e queria saber a cor dos seus mamilos.

Seriam um rosa escuro ou um vermelho escuro quando lambesse e chupasse-os para

que se tornassem picos pontiagudos? Sua cintura era uma coisa pequena que brilhou para os

quadris que seriam perfeitos para as mãos, quando a agarrasse, esmurrando em seu calor por

trás. Sua bunda era perfeita, não aquelas pequenas que as mulheres pareciam adorar, mas

com carne suficiente sobre ela, para fazer água na sua boca. Ele não podia esperar para vê-la

nua e se perguntou se essas sardas que salpicavam o nariz foram em qualquer outro

lugar. Tinha a sensação de que ele adoraria lamber cada uma, aprendendo suas curvas e seu

gosto.

Aqueles olhos verdes de jade furaram nele como se acendessem o fogo. Ela bateu o pé,

em seguida, ergueu o queixo. Parecia que sua companheira não estava feliz em vê-lo. Sabia

que este seria o caso, embora o lobo dentro dele parecesse desapontado que não correu

imediatamente para os seus braços e declarou seu amor eterno e necessidade.

Não se preocupe. Isso viria.

Ele ignorou os outros clientes enquanto caminhava em sua direção. Sabia que moveu-

se mais como um animal do que homem, mas não se importava. Becca teria que saber que ele

era um lobo, não o homem que ela poderia ter sonhado.

O destino não lhe daria uma companheira que não poderia aceitar o animal dentro

dele.

Ele já havia sido cruel suficiente.

32
Parou na frente dela, seus corpos um sussurro de distância. Seu aroma arrebatou-o,

segurando-o perto.

Ela inclinou a cabeça e piscou para ele. "Você está de volta."

Inferno, sua voz tinha uma qualidade rouca suave que foi direto para suas bolas. Seu

pênis esticou no zíper da calça jeans, e seu corpo começou a suar. Ele não costuma usar uma

camisa a não ser que, como agora, estivesse em público, porque seu corpo foi naturalmente

superaquecido e o lobo fez sua pele se sentir apertada, coçando, e agora estava arrependido

de colocar a maldita coisa. A camisa branca de botão que ele tinha sobre, sentia agora

confinante. Arregaçou as mangas para que seus antebraços conseguissem respirar, o

bronzeado de sua pele pareceu mais profundo contra o branco de sua camisa, mas isso não

ajudou.

Esta mulher fez querer mais e tudo, mas nem sequer a conhecia.

Isso mudaria.

Em breve.

"Estou de volta." Disse ele, sua voz mais um grunhido que o tom calmo que pretendia

usar. "Eu sempre voltarei para você, minha Becca."

Ela revirou os olhos, em seguida, mudou-se para o lado, como se estivesse tentando

obter em torno dele. Bem, não haveria nada disso. Mudou-se com ela, e ela parou, o queixo

subindo.

"Mova-se, Hunter. Eu tenho trabalho a fazer."

Hunter piscou e olhou ao redor da sala. As pessoas olhavam para ele como se tivesse

crescido uma segunda cabeça − ou tivesse mudado em seu lobo. Ambrose, Balin e Jamie

sentaram-se na mesa de canto com pequenos sorrisos em seus rostos. Jamie ainda deu-lhe

uma pequena onda de dedo, embora Ambrose puxasse a mão de volta para ele, em seguida,

beijou a palma da mão.

33
"Eu vou ajudá-la então." Seu único plano neste momento é para garantir a segurança

da Becca e trazê-la para sua vida. Teve que deixá-la por muito tempo, pois foi por causa de

sua matilha e sua própria escuridão. Ficaria ao seu lado agora, não importa o que, mesmo se

isso significasse que servisse cerveja e asas quentes para homens, que não deveriam olhar

para sua companheira desse jeito.

Pensando bem, ele gostava de trabalhar com Becca. Não só podia ver a forma como ela

se mudou, mas agora poderia matar qualquer um que ousasse olhar para ela.

Seu lobo rosnou de acordo.

Bom. Isso foi resolvido.

"Uh, Hunter, que está grunhindo." Becca sussurrou quando ela colocou a mão em seu

peito.

Ele congelou, seu corpo indo em alerta naquele leve toque.

"Você não gosta quando eu faço isso?" Iria incomodá-lo se ela não gostasse de seu

lobo, mas lhe mostraria que não tinha nada a temer.

Ela virou a cabeça, apertando os olhos verdes. "Eu não sei o que sinto sobre isso, mas

esse não é o ponto. Pare de fazer isso em público. Eu não quero que você fique em apuros."

Ela sussurrou.

Hunter inclinou-se como se para ouvi-la melhor, embora seus sentidos fossem muito

bons para ouvi-la do outro lado da sala.

"Sinto muito." Ele sussurrou de volta. "Vou ajudá-la hoje."

Ela balançou a cabeça. "Não, eu não preciso de você."

Ferido, ele se afastou. Não se tratava de necessidade. Ele queria ajudá-la para mostrar

que sempre estaria ao seu lado como um bom companheiro. Será que ela não entendia isso?

"Eu não sei por que está aqui, ou porque ficou longe por tanto tempo. Sei que temos

coisas para falar, e não sou uma daquelas garotas que fogem, porque não conseguem se

34
comunicar. Eu realmente não sei o que está acontecendo, mas agora, você precisa ir sentar-se

com Jamie e seus homens, enquanto termino meu turno."

"Você não está me dizendo para ir?" Inferno, ele soava como um adolescente chorão de

algum programa de TV cheio de angústia, em vez do Beta do Bando Nocturne.

"Estou dizendo para você fazer o que quiser, como está fazendo, mas se quiser falar

comigo, vai sentar-se com Jamie e seus homens."

Ele balançou a cabeça, em seguida, riscou sua ira, traçando seu rosto com seu

dedo. Ela estremeceu, e ele inalou seu perfume doce, que realizou uma pitada de excitação.

Bom.

Ela a deixou de pé, congelada e caminhou até o canto de trás, onde Jamie, Ambrose, e

Balin sentaram com sorrisos nos rostos.

"Suave." Disse Balin, em seguida, tomou um gole de sua cerveja. "Você sabe como

fazer a senhora desmaiar. Porra!" Ele esfregou o lado onde Jamie lhe deu uma cotovelada, e

Hunter bufou.

Sentou-se à mesa redonda e tomou em seus arredores. Ele tinha estado muito

distraído por Becca para notar o bar, além das pessoas que poderiam vir a serem ameaças. O

dragão não tinha mudado muito seu bar desde a última vez que Hunter tinha estado lá, mas

ele pelo menos limpou os restos da luta.

Seus punhos fecharam quando se lembrou da forma pálida de sua companheira em

seus braços enquanto ela estremeceu, tomando o que ele pensava ser seu último suspiro.

"Hunter?" Perguntou Jamie. "Ela está bem. Você não tem que rosnar."

Ele piscou para afastar as lembranças e se virou para Jamie. Como o resto das amigas

de Becca, ela foi agradável aos olhos. Seu cabelo castanho e olhos castanhos poderiam

parecer chatos para alguns, mas ele sabia que os dois homens em ambos os lados dela

achavam que ela era a coisa mais sexy do mundo.

"Desculpe." Ele resmungou.

35
"Quatro anos é um longo tempo para não ter de esconder suas habilidades." Ambrose

disse calmamente. "Faz apenas algumas semanas desde que esteve de volta. Você está

autorizado a não ser o que foi uma vez."

Esse foi um eufemismo.

"Eu sempre fui um lobo." Disse Hunter, com a voz quase um sussurro. "Eu nunca fui

normal. Será que ela vai aceitar isso?”

Ele não teve que indicar quem ela era. Era por demais evidente.

Jamie sorriu. "Não acho que isto será uma barreira. É quem você é, e o que você faz

que importa. Enquanto você explicar sua ausência e ter uma boa razão para isso, tenho

certeza que vão chegar a um entendimento."

Saindo dos pesadelos e tentando juntar ao bando pareciam razões decentes. Ele só

esperava que Becca concordasse.

"Então, você quer nos dizer o que tem feito?" Perguntou Jamie.

Hunter deu de ombros. "O que disse que eu estaria fazendo quando saí. Eu precisava

cuidar do meu bando antes que pudesse levar minha companheira."

Balin levantou uma sobrancelha. "E você conseguiu tudo cuidado?"

Hunter pensou em voltar para os membros do conselho e seu Alpha envelhecendo,

mas apenas balançou a cabeça. "Quase."

Jamie estreitou os olhos. "É melhor não ferir nossa Becca. Posso ser pequena, mas eu

arrumo um soco poderoso."

Hunter lembrou a magia correndo em suas veias e conteve de se curvar aos seus pés e

expor seu pescoço. Ela era um djin poderoso, enquanto era apenas um lobo humilde de

comparação.

"Não se esqueça de Faith, querida." Ambrose disse com um sorriso.

Quem diria que o anjo guerreiro podia sorrir com tanto carinho?

36
"Espere. Faith?” Ele perguntou, genuinamente confuso. Sim, a mulher que ele

conheceu parecia um pouco abrasiva, mas pensou que tinha acabado de ser a tensão da

guerra de cerveja na época.

Balin estremeceu dramaticamente e Jamie puxou para o seu lado. "Vamos apenas dizer

que, se você incomodar Becca de qualquer forma, Faith estará lá para se certificar de que

nunca faça-o novamente."

"Vou manter isso em mente." Realmente, porém, o que poderia Faith fazer?

"Eu vejo esse olhar, Hunter." Ambrose disse, com um sorriso em sua voz. "Não

subestime qualquer uma que o raio atingiu. Elas eram fortes antes e são ainda mais fortes

agora."

Jamie sorriu para ele, em seguida, puxou o anjo mais perto dela e seu demônio. "Vocês

estão obtendo sorte esta noite." Ela sussurrou.

Ciúme comeu as palavras que foram feitas para apenas os três deles. Virou-se para

assistir a Becca em movimento. Embora ela geralmente se movesse com a graça de uma

dançarina, às vezes iria tropeçar e amaldiçoar debaixo de sua respiração. Ele amava o jeito

que ela corou quando disparou. Teve que se segurar de volta algumas vezes para não puxá-la

em seus braços e se certificar que estava bem.

Becca apenas parecia um pouco desajeitada, mas ele estava bem com isso. Se alguém

fizesse piada dela para ele, rasgaria sua garganta fora. Havia vantagens em ser o Beta do

Bando Nocturne.

Ele se sentou e ouviu a conversa da tríade sobre a sua vida juntos e como eles estavam

trabalhando as coisas. Aparentemente, no reino humano, fora dos limites de um bando ou o

Pride, ménages eram tabus. Ele sabia disso, é claro, mas nunca tinha visto as

ramificações. Algumas pessoas evitavam Jamie para que o destino tivesse decidido por ela,

mas pegou no tranco. Parecia muito mais feliz, do que a pequena flor selvagem que ele

conheceu em sua cela, dentro dos jogos demoníacos.

37
Lembrou-se de olhá-la e pensar, por um momento, seria o inferno para matá-la... então

ela tinha falado. Tinha sido mais forte do que ele pensava, e sabia que tinha que protegê-la,

mesmo que não fosse sua para proteger.

Ele lutou ao lado dela dentro do jogo e viu quando tinha tirado um demônio completo

por conta própria.

Agora, estava em um relacionamento e vínculo mais forte do que a maioria dos

acasalamentos lá fora. O verdadeiro vínculo de acasalamento pode resistir até mesmo ao

mais escuro dos poderes e Hunter estava contente que Jamie tinha isso.

Ele só precisava ter certeza de que ele e Becca tivessem a mesma chance. Nunca tinha

cortejado ninguém antes e muito menos um ser humano.

Seria complicado descobrir a melhor maneira de estratégias. Ele imaginou que jogá-la

por cima do ombro e levá-la para sua cova estaria fora de questão.

Muito ruim.

Hunter viu Becca se mover um pouco mais. Suas longas pernas sexys como o inferno

em shortinhos mostrando sua bunda. Estreitou os olhos para um homem que não conseguia

tirar os olhos do corpo de Becca. Seu lobo subiu para a superfície, e deixou um pequeno

rosnado sair.

O homem virou-se para ele com olhos arregalados e baixou o olhar. Embora os seres

humanos não pudessem dizer que ele era um lobo, sabiam instintivamente para não foder

com ele... ou sua companheira.

"Hunter, cara, pare de aterrorizar os seres humanos." Disse Balin baixinho.

Hunter virou-se para o demônio. "O homem deve aprender o seu lugar. Ele não tem o

direito de olhar para Becca assim." Ele cerrou os punhos, suas garras prontas para lutar pelo

que era dele.

"Ela trabalha em um bar." Explicou Balin. "Este tipo de coisa acontece, mas ela pode

cuidar de si mesma."

38
"Além disso, Dante iria chutar a bunda de alguém que a incomodasse."

Ao ouvir o nome do dragão, Hunter fechou os olhos, lutando por controle. Ele não

disse nada para a tríade... não podia. Não sabia o tipo de relação existente entre Dante e

Becca, mas sabia que não poderia derrubar um dragão, não importa o quão forte ele fosse.

O dragão teria que recuar por conta própria.

Não havia espaço em seu relacionamento com Becca para um terceiro.

Seu acasalamento não era assim.

"Hunter, você sabe que Dante e Becca não estão juntos, não é?"

Ele olhou para Jamie, que mordeu o lábio.

"Eles são apenas amigos. Quase como irmão e irmã. Eu juro."

Uma pequena quantidade de alívio deslizou por ele, mas até que ouvisse aquelas

palavras de Becca, não seria capaz de relaxar. Essa coisa toda de sorte foi seriamente fazendo-

o louco. Sim, ele era um pouco maníaco do seu tempo no inferno, mas o destino era

pior. Tinha dado uma olhada em Becca e sabia que ela era dele. Não importa se não houvesse

sentimentos antes desse momento, porque o vínculo foi definido.

Ele só teria que aprender sobre ela e ele. Esse era o problema com o acasalamento de

uma metade verdadeira. Onde outros podem acasalar quando queriam e tomar o seu tempo,

o desejo de acasalamento que veio de encontro, quando uma pessoa que foi feito para eles

fazia-os a se mover mais rápido do que seria normalmente.

Agora ele estava trabalhando de volta a aprendizagem e cortejar a pessoa que sabia

que passaria o resto de sua vida.

Becca caminhou até ele com um leve sorriso no rosto. Respirou seu perfume doce, e

seu lobo relaxou em sua presença, ainda que o desejo de acasalamento montasse mais.

"Terminei com o meu turno agora." Disse ela, enquanto veio para o seu lado. "O que

você quer?"

Ele piscou, pego por sua beleza. "Vou levá-lo para casa, e podemos conversar."

39
Sim, conversar. As mulheres gostavam disso, certo?

Ela inclinou a cabeça e franziu a testa. "Só falar? Porque eu não te conheço."

Ele assentiu e socou a dor em suas palavras. Sabia que eles não conheciam uns aos

outros, passado esse vínculo que queriam formar, mas ele mudaria isso.

Então a traria para o seu bando.

Logo, ele encontrou-se dizendo adeus à tríade e olhando para o dragão, que ficou em

silêncio na soleira da porta. Teria que lidar com Dante mais tarde.

"Será que você dirigiu aqui?" Becca perguntou, olhando ao redor do estacionamento.

"Minha moto está lá." Ele gesticulou para a Harley preta e sorriu.

Ela congelou, em seguida, olhou para ele. "Eu costumo caminhar ou pegar o ônibus

porque não tenho um carro."

Ele franziu a testa. Ele não gosta da ideia de que ela estaria perto de estranhos e em

perigo. "Por que você não precisa de um carro? Pensei que todos os seres humanos fizeram."

Ela encolheu os ombros. "Estou guardando para o meu... para o futuro, então eu só

andar. Não é tão longe."

"Você pode montar atrás de mim. Eu não quero você sozinha."

Ela estreitou seu olhar. "Precisamos esclarecer uma coisa, ok? Só porque você acha que

sou sua companheira e nós temos essa... essa conexão ou o que quer que seja, não lhe dá o

direito de me dizer o que fazer. Estive bem mais de uma década sozinha, e não preciso de

você me dizendo o que fazer. "

Seu lobo pediu-lhe para levá-la em seus braços, e nunca deixar ir, mas ele se

rebelou. "Eu não estou lhe dizendo o que fazer."

Ela piscou.

"Tudo bem, tudo bem. Tentei dizer-lhe o que fazer. De agora em diante, vou tentar

perguntar. Lembre-se, porém, eu sou um lobo, por isso é difícil desligar essas tendências.”

Para Becca, porém, ele faria qualquer coisa.

40
Eles ficaram no estacionamento escuro sozinhos, além da brisa. Seu pênis esticou em

sua calça jeans quando ela se aproximou.

"Eu não entendo nada disso, Hunter."

Ele balançou a cabeça e deu um risco, emoldurando o rosto com as mãos. Ela não se

afastou, e ele tomou isso como um bom sinal. "Eu sei. Estou tentando entender também."

"Por que você ficou longe por tanto tempo? Se o que minhas amigas estão dizendo é

verdade e nós somos... nós somos metades verdadeiras, por que você saiu?"

Ele contaria tudo a ela em breve, não deixando nenhum segredo para trás, mas agora,

ele só conseguia dizer às palavras que significavam mais.

"Eu não valia a pena antes. Precisava me fazer valer a pena pra você."

Ela chupou o lábio e assentiu. "Isso não me diz o suficiente, mas sei que você está

tentando. Não sei o que eu quero, Hunter. Preciso de escolhas."

O destino não lhes tinha dado uma escolha, e que não iria discutir com o que poderia

ser bom para ele, mas apenas acenou com a cabeça.

"Farei o que quiser. Para sempre."

"Um passo de cada vez, Hunter. Quero saber quem você é e por que sinto este calor

dentro de mim cada vez que está por perto. Não cresci com nada disso. Preciso de tempo."

Ele balançou a cabeça, em seguida, abaixou a cabeça, deixando os lábios descansarem

suavemente sobre os dela. Ela suspirou, e ele lambeu a costura de sua boca. Ela se abriu para

ele baixinho, sua respiração vinda em ofegos curtos. Beijou-a com um cuidado que não sabia

que possuía.

Ele era um lobo, um animal, e não alguém que estava acostumado à gentileza, mas por

Becca, seria qualquer coisa que ela precisasse.

Ele se afogou em seu doce sabor, saboreando sua submissão. Finalmente, se afastou,

seu lobo uivava de prazer. Seus olhos escureceram, e seus mamilos duros roçaram sua

camisa.

41
"Um passo de cada vez, Becca. Tudo o que você precisa."

Ela sorriu para ele, e sabia que tinha rompido o primeiro passo.

Agora ele só precisava mostrar-lhe que poderia ser sua.

E mostrar ao bando que ela era segura.

Mais fácil dizer do que fazer.

42
Capítulo Quatro

Dante Bell viu sua melhor amiga sair pela porta com o lobo, que seria seu

companheiro. Não era que ele quisesse Becca para si mesmo, isso não, que estava tão longe

da verdade como algo. Infelizmente, o ciúme comeu nele, porque esta amiguinha de fogo,

não conseguia ficar no lugar sem bater em algo mais, estava bem no seu caminho para

encontrar a felicidade.

Embora soubesse que os dois tinham mais a tratar em seu futuro do que palavras

bonitas e olhares aquecidos, estava feliz por eles.

Ele estava fodidamente com ciúmes.

Não era como se não soubesse quem era a sua metade verdadeira ou metades, como

foram. Ele sabia sua identidade há anos, mas não tinha sido capaz de fazer qualquer coisa

sobre isso, porque havia sempre algo no caminho. Agora, estava começando a soar como esse

velho tolo Ambrose, algo que com certeza não queria ser.

Quando os deuses decidiram que suas amigas humanas precisavam de uma sacudida,

ele observou quando tinha sido atingido por um raio e suas vidas mudaram para

sempre. Tinha sido forçado a ficar de lado e fazer o seu melhor para protegê-las, embora não

soubesse com que estava lutando contra. Ainda não sabia que estava lutando ou se,

francamente, não era algo para lutar. Ele ficaria por suas amigas e seus companheiros

quando os encontrassem e protegeria-os de tudo o que veio, mesmo um do outro.

Agora ele estava, mais uma vez, nos bastidores, esperando e rezando para que todos

fosse se encontrar e que pudesse reivindicar os dois que tinham assombrado seus sonhos

como seu.

43
Como era, Nadie estava com dor, porque não poderia agir sobre o que ele sabia que

ambos precisavam, ansiavam. Ele não conseguia completar a ligação, no entanto, porque não

seria o suficiente, não sem o seu terceiro.

E foi fodidamente duro para completar o acasalamento, se ele não sabia onde estava o

terceiro.

Então agora por causa da maneira que a iluminação funcionou, foi forçado a assistir a

energia de Nadie e drenagem de força longe, porque não podia se relacionar com ela. Se as

meninas não tivessem sido atingidas por um raio, em primeiro lugar, Nadie não estaria em

dor. Claro, ela teria permanecido humana para o resto de sua vida, mas teria usado sua

metade verdadeira de acasalamento para torná-la tão imortal como ele. Agora tinha que estar

perto e vê-la na dor, porque eles não tinham o seu terceiro... porque ele deixou seu terceiro a

distancia para ir em sua própria jornada. Claro que tinha feito tudo o que podia para

encontrar seu terceiro e tirar a dor de Nadie, mas havia tanta coisa que não podia fazer.

Ele tomou sua dor profunda dentro de seu corpo quando podia, deixando seu corpo

enfraquecido. Por alguma razão, sempre que tomou as dores dela, se engrandeceu dentro

dele dez vezes. Embora às vezes o deixasse sentindo um pouco mais forte, mais tarde, ele foi

forçado a enrolar em uma bola e recuperar sua força. Era um maldito dragão, mas não havia

nada que pudesse fazer para a dor e fraqueza.

Também não houve jeito dele forçar Nadie a lidar com isso, ou até mesmo um

pequeno pedaço disso, por conta própria.

Então, agora, porque não podia fazer nada para protegê-la, além de tentar ajudar

sempre que podia, estava criando uma divisão entre os dois.

Sabia que só tinha um pouco mais de tempo. Logo a divisão seria muito grande para

qualquer um deles vencer.

Ele só esperava que não fosse tarde demais.

44
"Então, como foi?"

Becca revirou os olhos para as palavras de Faith, desde que ela sabia que sua amiga

não podia vê-la por telefone. Ela não teria estado de bom humor para lidar com a atitude de

sua amiga, se a outra mulher pudesse vê-la.

"Como foi o quê?" Perguntou ela.

"O beijo! Droga, Becca, pare de me amarrar junto. Vi o quão quente que o menino lobo

era. Você viu o jeito que ele ardia? Sim, ardia. Quem sabia o que aconteceu fora dos filmes ou

livros? Inferno, se você não o quer, vou levá-lo para um passeio."

"Caia fora, Faith. Ele não é para você." Becca estalou.

Faith gargalhou sobre a linha. Gargalhou. Ela conhecia sua amiga, assim como o resto

das meninas, que um dia se transformaria em outra criatura sobrenatural, e Becca tinha

certeza de que Faith seria uma bruxa, considerando que ela já tinha a risada.

"Melindrosa, não estamos?" Faith brincou. "Então acho que o cara pode beijar. Bom

para ele. Espero que você não dormiu com ele imediatamente embora."

"Foda-se, Faith."

"Você está me deixando irritada aqui, mas eu te amo. Além disso, se tivesse dormido

com ele, todas nós estaríamos ouvindo sobre seus novos poderes. Não posso esperar para ver

no que você se transformará."

Becca não tinha certeza se queria saber e disse a Faith.

45
"Becs, você está com dor, e isso é porque encontrou Hunter e não estão acoplados. Nós

vimos Jamie e Lily passarem por isso, e estamos assistindo Nadie passar por isso."

"Eu sei, querida. Sei que os deuses, o destino e todos querem Hunter e eu juntos, mas

eu não gosto de não ter uma escolha."

"Eu sei o que você quer dizer. Vejo Lily e Jamie felizes e loucas no amor, mas isso não

significa que será o mesmo para nós."

Becca revirou os olhos. "Obrigada por essa confiança."

"Qualquer coisa que você precisar, querida."

"Você é má."

"Não, não neste momento. Eu fui só por muito tempo."

Becca riu e amordaçou no telefone. "Absolutamente não preciso saber disso."

"O quê? Você começou."

"Você é uma idiota, mas eu te amo de qualquer jeito. Realmente, porém, não sei o que

fazer."

Faith suspirou. "Faça o que quiser, Becs, mas saiba que às vezes, apenas tem que

trabalhar com o que o destino traz a você. Não fuja de algo que poderia ser bom, porque está

lutando contra o sistema."

"Estou indo para lembrá-la da conversa, quando encontrar o seu companheiro."

Sua amiga bufou. "Deus, isso vai chupar. Todo mundo vai vir para mim, com minhas

próprias palavras."

"Dói, não é?"

"Cala a boca, chica. Realmente, no entanto, vá devagar com Hunter e descubra o que

está além do que o vínculo que está sentindo ou vai sentir. Se a dor for demais, durma com

ele."

Becca revirou os olhos. "Sério? Dormir com ele? Esse é o seu conselho?"

46
Faith bufou. "O quê? É o melhor que posso dar. Isso vai ajudá-la a se sentir melhor, e

você sabe o sexo alivia o stress. Além disso, sei que você tinha toda essa conexão com ele

depois da tempestade djinn, para que sinta alguma coisa. Este é o século XXI. Divirta-

se. Tenha relações sexuais. Não sei o que o destino vai trazer, mas vamos descobrir isso. Eu

realmente não entendo a coisa toda ainda. Se não quer estragar isso, pelo menos o beije."

"Então, o beijo está bem?"

"Com a forma como ele beija aparentemente, eu diria que é mais do que bem."

"Não é o que quero dizer, e você sabe disso." Inferno, às vezes Faith tinha em alguma

coisa e nunca o deixava ir, como um cachorro com um osso.

"Basta ir com ele, Becca. Ele precisou reparar deixando você por um mês, mas

considerando onde tinha estado para os quatro anos antes, tenho certeza que ele tem uma

desculpa pronta."

Becca revirou os olhos. "Você está parecendo que não acredita em quaisquer

desculpas."

"Claro que não. Ele provavelmente fez aquela coisa de Alpha/homem das cavernas

onde queria protegê-la sem realmente dizer o porquê. Você sabe, como não podemos lidar

com as palavras grandes ou algo assim."

"Pare de odiar os homens, querida. Vamos ver o que acontece, quando ele deve estar

aqui para o jantar."

"Ooooh, um encontro?"

"Claro, chame do que quiser. Primeiro, porém, tenho uma sessão de estudo com

Jason."

"Sério? Você não terminou com essas aulas com essa aberração ainda?"

"Ele não é uma aberração. Ele é apenas... assustador." Essa parecia ser a melhor

palavra para o homem que constantemente a convidou para sair, mesmo que ela sempre

recusou.

47
"Eu não gosto do fato de que ele está gastando tanto tempo com você."

"Ele ajuda-me a estudar, Faith. Nunca fez um movimento para além de me convidar

para sair e sempre deixa ir, assim que eu digo que não. Nós trabalhamos bem juntos, além

disso, e ele está realmente me ajudando nesta classe."

Sua amiga bufou. "Você é brilhante, sem ele, mas se quiser estudar com ele, tudo

bem. Basta lembrar de socá-lo como fez com aquele cara do bar, se ele cruzar a linha. Oh, e

certifique-se que esteja fora da casa, antes de Hunter aparecer. A última coisa que você

precisa é de um lobo, chateado com algum idiota invadindo o seu território."

"Não é assim com Jason, então Hunter não deve ter um problema com ele. Como você

sabe tanto sobre os lobos e os homens Alphas a propósito?"

"Uh, sem razão." Faith cobriu.

"A Faith, derrama."

"Tudo bem. Estive lendo alguns dos romances de Jamie."

Becca conteve uma gargalhada, mas revirou os olhos. "Você sabe que esses não são

reais, certo? Eles realmente não dizem o que você precisa saber sobre o sobrenatural."

"Talvez não me digam exatamente de Hunter como um lobo, mas ajuda com toda essa

coisa de macho Alpha. Ele não vai querer outro homem farejando o que é seu."

Na imagem mental de Hunter cheirando como um cão, Becca sabia que era hora de

chamá-la.

"Tudo bem, você precisa se afastar dos romances, se pensa que são a vida real."

"Não é isso. Oh, desligue-o. Você não entende. Apenas certifique-se que Jason esteja

fora do lugar e pulverize-o para baixo com purificadores de ar ou algo assim. Você não quer

um lobo puto em suas mãos. Espere, talvez não purificador. Que não vai machucar os

sentidos de Hunter? Realmente tem que haver um livro estúpido paranormal aqui, você não

acha?"

"Tudo o que você diz, Faith. Agora tenho que ir. Jason estará aqui a qualquer minuto."

48
"Esteja segura, Becs. Por favor."

"Eu vou. Te amo."

"Te amo muito."

Elas desligaram, e Becca saiu até sua sala de estar para se certificar de que tinha tudo

pronto para sua sessão de estudo. Não era como Lily com suas pilhas limpas de cadernos,

notas, marcadores e cores coordenadas, mas pelo menos ficava agradavelmente

organizada. Essa, felizmente, seria a última com Jason, e Becca não estava chateada com tudo

isso.

Quando Jason bateu à porta, dez minutos depois, estava mais do que pronta para

acabar com isso. O exame era em dois dias, e então estaria livre.

Graças a Deus.

Jason, como de costume, passeava pela sala como se fosse o dono do lugar. Com seu

cabelo castanho escuro e olhos verdes escuros, Becca supôs que ele era atraente, mas nunca

tinha visto isso. Claro, ele teve a cara esculpida, as coisas que meninas amavam, mas havia

apenas um homem com aparência escura e uma arrogância que poderia fazê-la desmaiar.

Não que ela já desmaiou na presença de Hunter.

Não, nunca.

"Jamie, querida, você parece tão intoxicante como nunca." Jason disse, sua voz

bajuladora.

Bem, ele não poderia ter realmente zombado, mas com certeza no inferno parecia o

jeito para Becca no momento.

Como diabos ela deveria torná-lo mais duas horas com o homem que a fez querer

tomar banho fora da sombra?

"Ei, Jason. Pronto para nossa sessão de estudo final?"

O homem fez beicinho. Amuou. Seria tarde demais e rude bater a porta na cara dele e

fingir doença? "Não quero que o nosso tempo acabe, boneca."

49
Ela estava indo para simplesmente ignorar o significado não tão vago de suas palavras

e arar através disso. "Bem, estamos quase acabando com a escola, então vamos focar nisso."

Jason brilhou com isso. "Sim, a escola. Apesar de que está terminando, Becca, isso não

significa que temos que acabar."

Caro Deus, ela precisava de uma aspirina. Ou uma frigideira para jogar na cara. Sim,

uma frigideira poderia funcionar. Se tivesse uma panela de ferro de Shade, que ele gostava

de usar quando estava cozinhando para sua Lily.

"Jason, não há nós."

Ele se moveu em sua direção, e ela ficou onde estava. Não estava disposta a recuar e

mostrar que ele assustou-a. Era mais forte do que isso.

Talvez.

"Oh, Becca, querida, poderia haver um nós. Tudo que você tem a fazer é dizer a

palavra, e vou levá-la em meus braços e nunca deixá-la ir. Sabe que nós estamos destinados a

ficar juntos."

Poderia ser este homem mais delirante?

Ele colocou a mão no ombro dela, e ela se encolheu.

"Afaste-se, Jason. Eu já lhe disse várias vezes que não somos um casal, que nunca

seremos um casal. Por que você não conseguiu isso?"

"Sim, por que não você conseguiu isso?"

Becca congelou e virou-se para Hunter, que encheu sua porta. Seus olhos se

estreitaram, e seus lábios se levantaram em um grunhido.

Oh merda, Faith tinha razão. Isso não poderia acabar bem.

"Hunter, não é o que você pensa." Becca fez uma careta. Bem, isso não saiu da maneira

certa em tudo.

Quando tinha a sua vida se transformado em uma novela horrivelmente escrita?

50
O olhar de Hunter nunca deixou Jason, mas ele fez cerrar os punhos um pouco

mais. Era errado que ela descobriu que Alpha era sexy como o inferno? Com seu longo

cabelo castanho escovando seus ombros largos e quadris estreitos, ele parecia perfeito para

ela.

Talvez ele tivesse um gosto tão bom quanto parecia.

Tudo. Sobre.

Ela piscou, obrigando sua mente fora de seu corpo delicioso e de volta no fato de que

Jason poderia estar olhando a sua própria morte no rosto.

Não haveria nenhuma maneira que pudesse tirar o sangue para fora do tapete.

Aparentemente estava passando muito tempo com seres sobrenaturais se esse foi o

primeiro pensamento que lhe ocorreu.

"Becca, por favor, você pode retirar-se das garras desse homem?" Hunter perguntou

em um rosnado. "Eu não quero que se machuque."

Jason zombou disso e puxou-a para trás.

Idiota.

Hunter rosnou novamente e Becca moveu por trás de Jason. "Pare com isso. Ambos de

vocês."

"Eu não disse nada, querida." Jason disse com voz arrastada.

Sim, ela ia matar o cara. Devagar.

Becca arriscou um olhar para o rosto de Hunter, apenas para ver um grunhido.

Ok, talvez ela matasse Jason rapidamente para que Hunter não precisasse.

"Eu não sou a porra de sua querida. Você precisa ir, Jason. Não preciso de sua ajuda

estudando neste momento. Na verdade, eu deveria tê-lo afastado antes."

Ele se virou para ela, um misto de raiva e incredulidade em seu rosto. "Você não pode

estar falando sério. Está me afastando por este macaco?"

51
Hunter não reagiu ao comentário. Na verdade, parecia que ele estava usando toda a

sua força para não se aproximar e assumir a situação de rasgar Jason membro a membro no

processo.

"Vai, Jason. Eu não vou pegá-lo de cima de você." Hunter rosnou de novo, e ela

colocou a mão para silenciá-lo. "Você nunca esteve na corrida. Foi batendo em mim por

meses, e tentei ser boa porque pensei que nós poderíamos ser amigos. Bem, dane-se

isso. Você precisa ir. Cansei de lidar com a sua merda assustadora."

"Você vai se arrepender, Becca. Isto não terminou. Não por um longo tiro. Estarei de

volta."

"Você acabou de me ameaçar?" Agora foi à vez de Becca bocejar em descrença.

"Você tem dois segundos para sair, Jason, antes de cuidar disso para ela." Hunter

advertiu.

Bem, pelo menos ele tentou segurar por pouco. Isso tinha que contar para alguma

coisa, certo?

"Você é uma vadia, sabe disso?" Jason não esperou por sua resposta. Hunter se moveu

para fora do caminho, como se não quisesse tocar o bastardo, e Becca não o culpava, quando

Jason arrastou fora do apartamento com sua bolsa a tiracolo.

O homem que poderia ser seu companheiro caminhou em sua direção, o ritmo mais

como um animal do que o homem que ela viu, mas não se importava.

Ele correu os dedos sobre seu rosto, em seguida, para baixo dos ombros, onde Jason

havia tocado. "Você cheira a ele." Ele murmurou.

"Ele nunca me tocou antes, mas vou borrifar-me para baixo com alguma coisa, se seu

cheiro incomoda."

"Não, não. Sprays e perfumes são geralmente muito para os meus sentidos. Vou

cuidar disso embora."

52
Confusa, ela olhou para ele, então congelou quando passou as mãos ao longo do seu

lado, então abaixou a cabeça para acariciar seu pescoço e ombro com seu rosto.

"O que... o que você está fazendo?" Não que ela não gostasse disso nem nada, mas foi...

estranho. Ok, não estranho, mas... diferente.

"Marcando meu perfume em você." Ele respondeu, sua voz profunda vibrando ao

longo de sua pele.

"Oh, ok. Eu preciso mover-me ou alguma coisa?" Aparentemente, ela estava bem com

a marcação de perfume. Quem diria?

Ele deu uma risada estridente, como se não fossem usadas para rir. Maldito todos

aqueles que o tinham enviado para o inferno, ela o faria rir mais. "Você está bem onde

está. Adoro a maneira como você se sente."

"Oh, bem, você se sente muito agradável."

Uau. Realmente, Becca? Isso é o melhor que pode fazer?

Ele correu as mãos para cima e para baixo de seus lados, em seguida, emoldurou seu

rosto. "Olá."

"Oi. Você está cedo."

Ele sorriu. "Sinto muito. Não poderia ficar de fora."

"Estou feliz por estar aqui embora."

"Sim, para lidar com esse tolo."

"Não, quero dizer, sim. Eu poderia ter tomado conta dele sozinha."

"Eu não gosto dele."

"Hunter, você não precisa se preocupar com ele. Não estou saindo com ninguém."

"Incluindo Dante?" Ele virou a cabeça como um lobo ao invés de um homem, e ela

começou.

"Dante? Uh, não. Claro que não. Ele é... ele é Dante. Ele não é meu."

"Bom, porque você é minha."

53
Ela se afastou de suas garras. "Espere. Você precisa adiar as palavras dominantes e

possessivas."

"Por quê? Eu quero você. Você me quer. Eu posso cheirar isso."

Ela corou e fechou os olhos. Maldito lobo. "Uh, não tente fazer isso. Por favor."

"Eu não posso ajudá-lo, Becca. Você tem um cheiro doce."

Oh inferno santo.

"Pare com isso." Não era justo que ela não pudesse cheirá-lo daquele jeito. Obrigou-se

a não olhar para baixo e ver a evidência física de sua excitação. Essa foi à última coisa que ela

precisava.

"Não é algo para se envergonhar. Gosto que você me ache desejável. Eu me sinto da

mesma maneira sobre você. Afinal de contas, nós somos companheiros."

"Sobre isso... podemos levar isso devagar? Não vou fugir e mentir sobre o que eu estou

sentindo, mas, primeiro, quero entender isso."

Ele olhou para ela, em seguida, assentiu. "Tudo o que você precisar."

"Então, podemos te um encontro primeiro."

"Encontro?"

Becca bufou. "Quer dizer que você e eu podemos sair, ir jantar, e fazer coisas

juntos. Apenas adiar a toda coisa sorte um pouco, enquanto começamos a conhecer uns aos

outros. Ou, pelo menos, deixe-me terminar a escola, e depois podemos levar toda a coisa

sobrenatural em consideração."

Hunter piscou. "Isso significa que não podemos fazer amor?"

Imagens de seu corpo muito bronzeado e suado montando o dela encheram sua

mente, e ela gemeu.

"Acho que eu gosto, onde sua mente só foi." Disse ele com um sorriso em sua voz.

"Hunter, pare de dizer coisas assim. Vamos apenas ficar a conhecer um ao

outro. Podemos falar sobre sexo... mais tarde."

54
"Não seria apenas sexo entre nós, Becca."

Oh, ela tinha certeza do que ele disse estava certo. Droga, isso ia ser mais difícil do que

ela pensava.

"Nós podemos beijar, Hunter, mas é isso. Vamos apenas levar isso em sua evolução

natural."

"A evolução natural seria acasalar e me afundar em seu calor uma e outra vez."

Seria possível ter um orgasmo de apenas palavras faladas em um grunhido?

"Agora você está dizendo essas coisas para me provocar."

Ele pareceu sério para um momento e depois emoldurou seu rosto novamente.

"Nunca iria provocá-la para além de querer ver o seu prazer. Vou levá-lo lento, porque você

pediu isso de mim. Agora, posso beijar você?"

Becca acenou com a cabeça, sua língua pesada demais para falar. Hunter sorriu em

seguida, baixou os lábios nos dela. Deus, eles eram tão suave, mas tão inflexíveis. Não podia

esperar para senti-los contra outras partes do corpo.

Ela gemeu em sua boca e balançava contra ele. Sua ereção revestida nos jeans roçou

sua barriga, e ele gemeu de volta.

Ela afastou-se, ofegante. "Bem, parece que temos essa parte para baixo."

Hunter sorriu, seus dentes de um branco austero contra o bronzeado de sua pele. Ele

se aproximou e mordeu o lábio inferior depois lambeu a picada. "Oh, acho que nós teríamos

algumas coisas para baixo. Não vou te deixar ir, Becca Quinn. Você é minha."

Por alguma razão, não importa o que ela disse a si mesma antes, essas palavras

fizeram querer pensar sobre o futuro e o que isso significaria para tê-lo ao seu lado.

Segurando e não saltando de cabeça no desconhecido seria mais difícil do que ela

pensava.

Olhou em seus olhos castanhos. Eles tinham uma borda amarela ao redor de suas

lentes de contato.

55
Sim, muito, muito mais difícil.

Nadie Morgan agarrou a borda de seu pedestal e gemeu. Outra onda de dor subia por

ela, e forçou a voltar a bile que ameaçava subir em sua garganta.

Seu cabelo loiro, uma vez brilhante estava magro, se agarrou ao seu rosto e o corpo

começou a suar. Seus olhos violeta olharam para ela de sua reflexão, mas não teve o mesmo

brilho que tinha antes.

Ela estava morrendo.

Isso tinha que ser ele.

Maldito.

Maldito aquele dragão estúpido.

Ela tinha uma queda pelo homem desde que teve apenas dezoito anos, e agora a

queda tinha se transformado em algo que não era normal. Poderia ter caído no amor com o

homem que ele era e o dragão que sabia que escondeu dela, mas isso não queria dizer que a

amava de volta.

Uma vez que o raio havia caído, ela tinha sido forçada a ficar para trás e ver como suas

amigas encontraram os amores de suas vidas. Shade não esperou muito tempo para se

declarar para Lily. Ambrose tinha ido por um ano por causa de seu conselho e tinha lutado

56
para estar ao lado de Jamie. Balin tinha arriscado sua vida, mesmo sem saber quem Jamie era,

antes que fez a dele. Nadie sabia que Hunter reclamaria Becca qualquer dia agora, uma vez

que soubesse que era seguro.

No entanto, Dante não tinha feito nada.

Oh, ela sabia que da conexão, o cabo que poderia reuni-los estava lá, mas ele

ignorou. Ficou para trás e viu como ela outrora vibrante tinha desaparecido a quase nada.

Ela atacou, e ele tinha tomado com nada além de um olhar de tristeza.

O que ele tinha para se sentir triste?

Ele estava matando-a com a sua falta de ação, e estava fraca o suficiente para levá-lo.

Bem, não mais.

Bateu as mãos na pia e amaldiçoou.

Ela foi feita com a espera de um homem que não a teria. Ele pode ser sua metade

verdadeira, mas isso não quer dizer que era a sua decisão.

Ela tinha de levantar ou encontrar outra maneira.

Dante era dela, e ela ou o teria ou encontraria outra maneira de viver.

Não iria chafurdar mais.

Tinha que ser mais forte.

57
Capítulo Cinco

Hunter não tinha certeza se seria capaz de esperar mais tempo para Becca ceder ao seu

acasalamento. Já havia se passado duas semanas desde que veio para ela e disse-lhe que

estava na hora. Em retrospecto, dizendo a um ser humano − a uma mulher humana que seu

acasalamento tinha que ocorrer logo em seguida, pode não ter sido a melhor coisa a fazer.

Não, ela disse-lhe que teria que levá-lo lento, de modo que o que estava fazendo.

Namoro lento e constante teria sido bom se ele tivesse sido humano. Comer refeições,

assistir filmes, e fazendo outras coisas em público foi bom, mas seu lobo estava no

limite. Passou toda a noite com ela.

Assistindo.

Esperando.

Desfrutando.

Ele faria qualquer coisa por ela, mas inferno, precisava de um banho frio ou um rápido

mergulho no lago depois de cada encontro.

Esperar, no entanto, foi lhe matando.

Ele era um lobo, não um homem, assim ficou para trás e viu-a tomar o seu tempo e

fazer... coisas humanas, o fez se sentir como se estivesse traindo sua metade animal. Ele sabia

que não era o caso, mas não ajudou que tudo o que queria fazer em sua presença era tirá-la

para baixo e festejar em seu doce sabor.

Aparentemente, que estaria se movendo muito rápido.

Em quatro patas, em vez de dois pés, Hunter correu pela floresta, deixando seu lobo

assumir. Eles estavam caçando na lua cheia sancionada. Correram como um bando, ao invés

de homens e mulheres desiludidos que estavam se tornando rapidamente.

58
Ao contrário da sabedoria popular, os lobos não precisavam do chamado da lua cheia

e poderiam se transformar quando necessário, enquanto tivessem a energia. Quanto mais

dominante, o lobo, mais rápido que poderiam mudar e menos tempo de recuperação que eles

precisavam. Embora cada mudança doesse como uma cadela, devido ao fato de que eles

estavam, literalmente, reorganizando seus ossos e tecidos, empurravam por isso, porque

estava em sua natureza.

Alguns dos lobos mais submissos poderiam mudar mais rápido que um lobo mais

dominante, porque o seu poder sentou diferente. Eles eram o mais forte dos submissos, algo

que nem todo mundo entendeu.

Também ao contrário do que foi afirmado na tradição, não eram bestas viciosos

metade homem, metade lobo que caminhava sobre duas pernas e parecia filme de terror

rejeitado. Não, eles pareciam lobos e foram apenas um pouco maiores do que suas

contrapartes animais. A maioria das pessoas não conseguia nem dizer a diferença. Correram

em uma ampla gama de cores naturais e tinham os mesmos olhos cor de ouro que tinham em

forma humana, mas geralmente para alguns membros especiais.

Os membros do bando com olhos azuis eram geralmente valorizados e cuidados para

além da medida, porque eram submissos, e os lobos mais fortes precisavam cuidar deles, não

que todos os submissos tinham olhos azuis também. Hunter conteve um grunhido com o

pensamento de um dos lobos submissos que não tinham sido tratados como o tesouro que

eram. Leslie Masterson era a irmã mais nova de Dorian, um membro do conselho, e que ela

tinha sido tratada como um animal de estimação, em vez da mulher forte que escondia

debaixo dos olhos baixos.

Ele tinha corrigido isso.

Não só foi seu trabalho como Beta, mas ele também gostou da garota como a irmã

mais nova que nunca teve.

59
Hunter saltou sobre uma árvore caída, deixando o cheiro da floresta lavar em cima

dele. Ele tinha sentido falta disso. Porra, tinha perdido isso. Podia sentir seu bando em torno

dele, seus movimentos em sincronia enquanto caçavam suas presas, quer se tratasse de um

coelho ou parceiro disposto.

Para os lobos, a caçada levou à violência ou sexo. Sempre. Eles ou matavam um

coelho, veado, ou algo não-humano, ou encontravam outro lobo para foder com força no

chão. Eles matavam em forma de lobo, acoplavam em forma humana. Podia sentir algumas

das lobas em torno dele, sua excitação enchendo suas narinas, mas ele ignorou. Elas queriam

a aberração do inferno que tinha ido há tanto tempo. Queriam uma foda dura do Beta do

bando e a esperança de um acasalamento.

Ele tinha Becca e não precisava de outro lobo para preencher o lugar dela, enquanto

tomou seu tempo a decidir o que ela queria, embora ambos soubessem que o que ela queria e

só foram dando-lhe tempo, porque correndo de cabeça em um cruzamento como um não

humano não parece ser a melhor escolha.

Ele não iria culpá-la por isso e esperaria.

Sozinho.

Rosnou para uma fêmea que chegou muito perto, mas manteve o grunhido suave para

que ele não a irritasse. Não queria irritar alguém que só queria o contato, mas não estava

disposto a enviar sinais contraditórios.

Ela sacudiu a cabeça, em seguida, correu para encontrar outro homem. Quando o lobo

montava com força, não importava para a maioria, desde que descobrissem para satisfazer as

necessidades.

Liam e Alec correram de cada lado dele, o seu poder dominante escoando fora deles

quando empurraram mais. Seu ouvido se contorceu quando o som da frenética perseguição

de um coelho começou. Ele inalou, esse sabor picante de rapina batendo seu lobo.

60
Ele correu mais e, Liam e Alec seguiram. Saltou sobre o coelho e enterrou os dentes em

sua carne. Deu-lhe uma rápida morte e Hunter não estava a deixá-lo sofrer e começou a sua

refeição, seu lobo feliz com a caça.

Liam e Alec cada um encontrou um coelho seu próprio, e eles festejaram até que suas

barrigas estavam parcialmente cheias e a lua escorria sobre sua pele. Não tinha estado em

uma caçada em mais de quatro anos. Poderia ter ido quando voltou, mas tinha sido mais

animal que homem e precisava de espaço.

Em retrospecto, que poderia ter sido a decisão errada, pois o impediu de sua Becca por

muito tempo.

Sabia que estava pagando por isso agora. Talvez não conscientemente, mas tinha a

sensação de que estava em sua mente.

Ele sacudiu sua pequena dúvida e uivou para a lua. Liam e Alec se juntaram a ele, os

seus próprios uivos fundindo em uma perfeita harmonia. Outros uivaram quando

descobriram suas conquistas, suas caçadas terminando.

Ele trotou passado outros lobos comendo seus jantares em forma de animal, e eles

baixaram os olhos, o seu poder não tão dominante quanto o dele. Gemidos e tapas chegaram

aos seus ouvidos, e seu lobo animou-se com o cheiro de sexo no ar. Membros do bando em

forma humana fodiam em cantos e sombras, seus parceiros em êxtase. Alguns com seus

companheiros, outros com homens ou mulheres aleatórias. A maioria dos lobos eram

bissexuais, considerando que não havia muitas mulheres e sexo era um processo natural, e

não algo a ser desprezado. Hunter tinha estado com os homens, mas preferia as mulheres.

Bem, mulher, agora, pensando em Becca.

A mulher que, como um lobo, lhe tinha mostrado vontade de se ajoelhar atualmente

em todos os quatro, quando Dorian se chocava por trás. O outro lobo macho não fez muita

conta que a mulher não estava gozando, mas sim simulando os ruídos e movimentos então

61
Dorian podia se divertir. O homem era um sádico em todos os sentidos da palavra e Hunter

estava feliz por não ter que ver tudo o que passou por trás de suas portas fechadas.

Quando os três, ele, Liam e Alec passaram, Dorian levantou um lábio e rosnou, seu

agarre apertou sobre a mulher, Sandra. Ela revirou os olhos, mas de outra forma parecia que

estava bem.

Hunter não estava com vontade de entrar em uma briga com o homem, mas ele

protegeria Sandra se precisasse. Em vez disso, ele, Liam, e Alec fizeram o seu caminho de

volta para sua casa, então mudaram de volta, a ruptura de tendões e quebra de ossos uma

dor doce. Ele se moveu mais rápido do que os outros dois, mas não por muito. Havia uma

razão para Liam e Alec serem membros do conselho.

Hunter jogou em alguns jeans, mas não se incomodou com uma camisa. Embora

tivesse deixado o seu lobo, sua pele ainda estava em coceira para lidar com o tecido.

"Reunião do Conselho em cinco minutos." Liam chamou do outro quarto.

"Não apenas tivemos uma?" Alec disse com um grunhido.

"Não, essa foi à cerimônia de Beta." Liam explicou quando Hunter entrou na sala de

estar.

Os dois homens estavam sentados no sofá de Hunter em jeans, mas não tinham

colocado em camisas também. Ele teria que ter certeza que estariam vestidos para quando

Becca viesse morar com ele. Não havia nenhuma maneira que ia deixar os dois passear

livremente na frente dela. Era verdade que o bando não se preocupou com a modéstia, a

menos que estivesse no centro da cova ou perto de onde estavam os filhotes, mas ele não

achava que Becca pensaria da mesma forma.

Além disso, queria mantê-la para si mesmo.

Seu lobo cutucou em sua pele novamente, e conteve um rosnado.

Esperar por ela estava demorando demais. Teria que ir para a casa dela de novo e

pedir outro... encontro, como ela mesma disse.

62
"O que te tem parecendo como se estivesse pronto para rasgar a garganta de

alguém?" Perguntou Liam.

"Nada." Não havia mencionado Becca a eles ainda, por algum motivo, e não queria

lidar com o problema agora. Ela estaria lá em breve.

"Está mentindo, mas vou deixar passar isso por agora." Alec disse. "Agora precisamos

sair, ou que vamos nos atrasar para a reunião do conselho."

"O conselho não deve ter o poder de chamar o Alpha e Beta quando quiserem."

Resmungou Hunter quando fizeram o seu caminho para as câmaras do conselho, longe de

suas casas.

Liam levantou as mãos em sinal de rendição simulada. "Josiah concordou com isso,

por isso estamos tendo a reunião. Não fique em minha bunda por isso."

"Eu não quero nada a ver com a sua bunda, Liam." Disse Hunter. "Só estou chateado

que na noite da nossa caça tenho que ir sentar e ouvir os outros três membros idiotas do

conselho gemer sobre algo que não tem nada a ver com eles."

Alec assentiu solenemente. "Eu concordo. Porque você acha que Liam e eu ficamos no

conselho? Sem nós, quem sabe o que os outros três fariam?"

Hunter conteve um estremecimento para isso e estendeu a mão para apertar o ombro

de Alec, ignorando o olhar estranho no rosto de Liam. Eles lidariam com o último mais

tarde. "Eu sei que não disse o suficiente, mas obrigado por estarem aqui. Obrigado por cuidar

de Samuel, quando eu não podia."

Essa facada familiar de dor ecoou através dele com a menção do nome do seu irmão,

mas colocou isso de lado. Não queria pensar sobre o menino que tinha sido muito jovem para

levar ao lado de Josiah e havia perdido sua vida por causa disso.

"Nós não fomos suficientes." Alec sussurrou.

Liam rosnou. "Não, mas vamos descobrir quem fez isso e quem te mandou para o

inferno."

63
Hunter começou, olhando para o lobo que chamou de amigo. Embora tivesse tudo na

ponta dos pés em torno do fato de um membro do bando havia lhe traído, eles não tinham

absolutamente afirmado isso. O fato de que Liam e Alec estavam do seu lado quase o

mandou para os seus joelhos.

Inferno, ele não estava sozinho.

Superado com uma emoção que não queria nomear, deu ao outro lobo um aceno de

cabeça, em seguida, caminhou para as câmaras do conselho. O quarto era em forma de

ferradura, com cinco assentos em torno de um centro, onde alguém poderia estar e deu

testemunho ou conselho. Havia dois lugares mais altos do que os dos membros do conselho

para o Alpha e Beta.

Segundo alguns dos membros do conselho, os assentos eram apenas para mostrar,

mas Hunter seria amaldiçoado se ele deixaria o conselho reunir-se sem ele. O conselho

deveria apenas aconselhar, e não governar.

O bando não era uma democracia. O Alpha detinha o poder para governar o Bando, e,

em troca, seus lobos ganhariam o poder de saber que estavam protegidos não só por Josiah,

mas o Beta também.

O conselho, por muito que tentasse, não seria capaz de mudar isso.

Hunter faria certeza.

Destino e os deuses tinham assegurado para as gerações que o antecederam.

Dorian, Gregory e Alistair já sentavam em seus lugares. Gregory e Alistair

sussurravam para o outro sobre coisas mundanas. Besteira era sussurrar quando um lobo

estava por perto, mas os dois pareciam querer ser humanos, não importa a insanidade da

questão.

Dorian, por outro lado, se envolveu sobre a cadeira. Suas calças estavam compactadas,

mas não abotoadas. O olhar saciado no rosto só fez Hunter querer agarrá-lo mais, porque ele

sabia que Sandra foi, provavelmente, ainda desejosa, algo que poderia ser perigoso para um

64
lobo, macho ou fêmea. Ele próprio não tinha sua Becca, deixando-o dolorido da mesma

forma.

Josiah sentou-se no seu trono, um cuidadosamente em branco, mas tão feroz, a

expressão em seu rosto. Não importa o que as pessoas pensavam, o que Hunter pensava,

Josiah foi mais forte do que todos eles. Ele jogou o governante suave quando foi necessário e

morto quando os outros não fariam em nome da paz. Seu lobo poderia mudar mais rápido, e

sua própria força superou a força de qualquer outro.

A única queda para a Alpha forte era que eles precisavam de um Beta ainda mais forte

para equilibrar esse poder.

Quando Hunter tinha ido embora, Josiah parecia enfraquecido. Ele poderia ter sido

Beta antes de tudo isso acontecer, mas quando ele voltou, teve que provar a si mesmo de

todo o ganho. Não fazia sentido para alguns, mas para os lobos, provando a si mesmo nunca

terminava.

Quando o irmão de Hunter, Samuel, tinha pisado dentro quando nenhum outro

podia, não tinha sido suficiente. Como os membros do conselho, Liam e Alec não tinham

sido capazes de se tornarem Betas, mesmo que o seu poder e nível de domínio tivessem

tornado mais fácil. Samuel poderia ter sido um lobo dominante, mas não tinha o poder de

cuidar de sua matilha. Nem ele tinha conhecido a política suficiente para manter-se vivo.

Liam e Alec tomaram seus assentos, enquanto Hunter fez o seu caminho para o dele.

"Espere, Hunter." Gregory demorou. "Você precisa estar no meio."

Seu lobo se agarrou a ele, chateado com o comando no tom do homem. "Você acabou

de me mandar?"

Gregory empalideceu um pouco, mas não disse nada.

"Nós não estamos ordenando isso." Dorian disse, a mentira evidente em sua voz. "Nós

convocamos o conselho para falar sobre o Beta. Caberia a você ficar no centro."

"Convocaram?" Hunter levantou uma sobrancelha.

65
Convocaram? Quem sabia que o outro lobo sabia tão grandes palavras.

Dorian revirou os olhos. "É uma reunião do conselho. Você sabe o que eu quis dizer."

"Por que eu sou o assunto?" Hunter resmungou, olhando para Liam e Alec.

Seus dois amigos balançaram sua cabeça, e Hunter ficou tenso. Se eles não sabiam o

tema da reunião do conselho, então, que algo estava acontecendo, mas com cada recente

reunião do conselho, algo que sempre foi para cima.

Josiah rosnou do seu poleiro, mas não disse nada.

Foda-se, isso não pode ser bom.

"Você precisa de uma companheira." Alistair sistemático.

Hunter piscou. "Desculpe-me?"

"Por lei, como Beta, você precisa de um companheiro." Disse Dorian, uma ligeira

vantagem para o seu tom de voz. "Porque o seu Alpha decretou que você fosse Beta

novamente, foi sua vez para garantir que as leis sejam cumpridas."

Hunter rosnou. "Em primeiro lugar, ele é seu Alpha também."

Josiah soltou um pequeno grunhido, o poder vazando através e provocando arrepios

pelas costas de Hunter. Foda-se, o homem poderia ser mortal, se necessário. Os outros na

sala pareciam ainda mais aflitos.

Bom.

"Em segundo lugar, eu não tinha companheiro antes, então por que se preocupar

forçando a agenda agora?"

"Você ousa questionar a autoridade do conselho?" Gregory zombou.

"Eu sou o Beta. Vou questionar quem diabos eu quiser." Hunter respondeu, sua voz

calma.

"Por que deveríamos forçar a questão?" Perguntou Liam, interrompendo a tensão

crescente.

66
"Só porque você é camarada de foda do Beta, não significa que ele recebe tratamento

especial." Dorian zombou. "Ele deve ter tido um companheiro antes."

"Cuidado com a língua, lobo." Alec sussurrou, sua voz uma lâmina letal.

Dorian apenas sorriu. "Eu tenho alguns lobos para você, se não consegue encontrar

um companheiro. Minha irmã é uma."

Hunter rosnou. O homem estava, na verdade, negociando fora sua irmã? Para quê?

"Eu já tenho companheira."

Ele viu Liam e Alec tencionarem um pouco, mas não disse nada. Sabia que tinha

machucado-os por não dizer algo mais cedo, mas não tinha tido tempo ainda. Becca ainda era

novo... ainda que sua.

"Conveniente." Alistair cuspiu. "Onde está essa sua companheira, e por que não

ouvimos isso antes?"

"Eu só a conheci quando cheguei de volta do inferno. Você sabe, o lugar que passei

quatro anos quase morrendo? Vamos ter certeza de discutir isso em algum momento em

breve, não é?"

Gregory acenou com a questão a distância. "Falaremos disso mais tarde. Quem é essa

pessoa que é de repente sua companheira?"

"Ela está no reino humano." Tecnicamente, como lobos, eles também estavam no reino

humano, eles estavam, na verdade, escondidos de olhares curiosos, o que ajudou a distinguir

a diferença.

"Um ser humano?" O lábio de Dorian enrolou, e ele cuspiu no chão com nojo claro. "Eu

não vou ter vindo um ser humano para o bando e diluindo as linhagens."

"Ela não é apenas minha companheira." Hunter rosnou. "Ela é a minha metade

verdadeira, e você não tem autoridade sobre o destino, meu, ou de minha companheira."

Mais uma vez, Liam e Alec começaram, mas não disseram nada. Hunter sabia que

teria muito a dizer em privado, mas agora não era o momento.

67
Josiah, por outro lado, irrompeu em um sorriso. "Esta é a melhor notícia que eu ouvi

desde que voltou para nós, Hunter, meu filho." Seu olhar viajou por todo o conselho. "Foda-

se seus pensamentos sobre as linhagens. Vocês todos têm algo mais em sua árvore

genealógica. O destino deu a Hunter uma companheira, e assim será."

"Eu digo que devemos celebrar este novo acasalamento e chamar esta reunião ao fim."

Liam disse com um sorriso e mudou-se com uma graça atlética para o centro da sala.

"Isto não terminou." Disse Dorian.

Alec discordou. "É o fim. O Beta terá sua companheira, e nosso bando será mais forte

por isso. Você sabe que as metades verdadeiras são raras. Este deve ser um momento de

alegria, não um debate sobre a linhagem."

Josiah se levantou e saiu da sala, com a cabeça erguida. Hunter rondava fora da sala,

certificando-se que as costas de seu Alpha estavam a salvo. Não importa a corrida de

sentimento através de suas veias, Hunter sempre protegeria o seu Alpha − especialmente de

membros do conselho que não conseguiam o que queriam.

Sua Alpha fez uma pausa e virou-se em direção a eles. "Parabéns, garoto. Precisamos

conversar em breve."

"Sim. Eu senti muita falta."

Josiah assentiu depois voltou para sua casa, enquanto Liam e Alec caíram na linha ao

lado de Hunter.

"Você vai explicar?" Perguntou Liam.

"Ela é humana e precisa de tempo."

"Você tem alguma ideia do que vai fazer com ela?" Perguntou Alec.

"Encontrar uma forma de trazê-la para o bando e mantê-la segura." Disse Hunter,

sabendo que seria mais fácil dizer do que fazer.

O conselho queria que sua companheira como puro sangue, e Becca estava longe de

ser isso.

68
Ele teria que ter a certeza de que ela estava segura.

Não importa o custo.

69
Capítulo Seis

"Eu estou pronta. Eu tenho que estar."

Lily piscou na explosão aparentemente aleatória de Becca, então, levantou uma

sobrancelha. Droga, Becca teria que aprender a fazer isso. Poderia elevar ambas as

sobrancelhas e olhar surpreso, mas isso era tudo.

"Cuidando de refletir sobre o que você está pronta?" Lily perguntou quando colocou

outro dominó sobre a mesa.

Becca tinha ido para o lugar de Lily, sob o pretexto de querer passar mais tempo com

sua amiga, quando na realidade queria ver como uma relação paranormal iria

funcionava. Ok, isso não era bem verdade. Ela queria sair com Lily de qualquer maneira, mas

com Shade lá com suas asas negras, cotadas em azul, espalhando-se atrás dele enquanto ele

andava em volta da casa ajudou.

Lily e Shade estavam juntos há mais de um ano, e já, a sua casa parecia deles, em vez

de uma de um anjo de mil anos de idade e um humano com TOC que virou brownie. Tudo

estava em seu lugar e em um ângulo perfeito, mas havia também antiguidades e outros

toques que deve ter vindo de Shade. Em retrospecto, porém, as coisas podem não ter sido

antiguidades quando Shade as tinha comprado.

Era estranho e muito empolgante ouvir sobre passados de Shade e de

Ambrose. Mesmo Balin era muito mais velho do que as meninas, mas não tão antigo como os

anjos. Tudo isso a fez pensar em Hunter e seu passado. Ela só sabia os simples fatos a

respeito dele, o seu passado e seu bando.

Isso era algo que tinha que mudar. Deus, ela tinha sido tão egoísta. Então, o que se o

destino havia decretado-os perfeitos um para o outro? Isso significava que ela tinha que fugir

dele, porque não tinha sido sua escolha?

70
Inferno, foi escolha dela.

Hunter foi certificando-se disso.

"Becca? Aonde você foi?"

Becca sacudiu a cabeça para limpar seus pensamentos nas palavras de Lily. "Sinto

muito. O que você disse?"

Lily levantou a testa novamente e depois inclinou a cabeça. "O que exatamente você

está pronta?"

"Hunter."

Um sorriso apareceu no rosto da amiga antes que ela esfregou sua barriga. "Sim! Estou

tão animado por você. Sei que está tentando segurar porque não estava certo, mas eu sei que

isso vai dar certo."

Becca estendeu a mão com o entusiasmo da amiga. "Não estou dizendo que vamos...

companheiro, ou o que ele chama. Só queria dizer que eu estou indo para aprender sobre

quem ele é."

Lily inclinou a cabeça, as sobrancelhas agrupadas. "Eu não entendo."

"Estou dizendo que fui egoísta. Passamos todo esse tempo juntos, e tudo o que

fizemos é estar perto um do outro. Eu não sei nada sobre ele. Não como eu deveria."

"Ele é um lobo, Becca. Lembre-se disso." Shade avisou quando entrou na sala, suas

asas arrastando atrás dele, um mau hábito dele. Ele se inclinou e beijou sua companheira, sua

esposa, em seguida, ajoelhou-se atrás dela, com a mão possessiva em seu estômago.

Deus, ela não tinha percebido o quanto queria isso até testemunhar em primeira mão.

Ela poderia ter isso?

"O que você quer dizer sobre Hunter ser um lobo?" Ela finalmente perguntou.

Shade beijou a têmpora de Lily, como se não conseguisse parar de tocar sua

companheira. Essa pequena bola de calor se transformou em ciúme, e empurrou-o para

longe.

71
"Eu sei que você está se sentindo um pouco fraca fisicamente por causa da falta de um

acasalamento, mas Hunter está sentindo o desejo de acasalamento também." Explicou Shade.

Becca endireitou-se. "Ele está com dor também."

Shade fez uma careta quando Lily lhe deu uma cotovelada no estômago. "Shade, pare

de tentar convencê-la."

"Eu não estou, bebê, mas Becca precisa conhecer os fatos."

"Sim, Becca precisa conhecer os fatos." Ela repetiu.

Deus, se ela tivesse estado ferindo-o, porque precisava saber mais sobre o que ela

queria? Se tivesse feito exatamente o que prometeu que não faria?

"Hunter é um lobo." Continuou Shade. "Ele não é como Ambrose, eu, ou mesmo

Balin. Podemos ser sobrenaturais, mas não humano em tudo. Nós somos... um com a nossa

outra metade."

"Eu não entendo."

"O lobo de Hunter é parte dele, mas também o monta. Enquanto Balin pode ter o

demônio montando-o e tentando transformá-lo, ou pelo menos isso é como era antes, ele

estava sempre no controle. Às vezes Hunter precisa deixar seu lobo na frente e estar no

controle. Shifters são diferentes do que os outros sobrenaturais."

Becca acenou com a cabeça, absorvendo tudo o que podia sobre quem Hunter, ou

melhor, o que Hunter era. Ela praticamente já tinha decidido ficar com ele, mas precisava

saber mais.

"Com essa necessidade, porém, vem outro lado. Ele não só tem que forçar para baixo o

laço e puxar em sua direção com sua metade humana, mas com a sua metade lobo também."

"Eu estou machucando ele?" Becca sussurrou. Expressando-o muito alto faria tudo o

isso mais real.

Shade parecia triste, mas acenou com a cabeça.

Becca se levantou e jogou as mãos no ar. "Por que diabos ele não disse nada?"

72
Shade levantou uma sobrancelha de forma semelhante à sua Lily, e Becca rosnou. Sim,

rosnou. Assim como o lobo/homem que ela deveria acasalar. Ou melhor, queria acasalar.

"O que ele deveria dizer? Tenha relações sexuais comigo e acasale para que ambos

pudéssemos nos sentir melhor?"

Shade bufou e Becca queria bater no anjo que havia momentos atrás sido tão bom. Não

tanto agora.

"Os efeitos colaterais são ruins em ambas suas partes, eu sei, mas realmente? Não

havia nada que ele pudesse fazer. A menos que você estivesse pronta para o acasalamento,

você teria apenas ficado ressentida com ele o tempo todo. Isso foi realmente algo que queria

fazer?"

Becca suspirou, em seguida, esfregou as têmporas. "Não é justo. Quero dizer, nós

passamos tanto tempo juntos, e sei que eu realmente gosto dele. E, sim, meu corpo dói,

minha alma dói, e bem... tudo dói, estar sem ele por causa do destino e toda a porcaria, mas

eu queria mais tempo."

Lily levantou-se, com a ajuda de Shade e deu-lhe um abraço. "Eu sei, querida. Eu não

sabia das consequências do que poderia acontecer se eu dormisse com Shade, mas você sabe

o quê? Não me arrependo nem por um minuto."

"É melhor você não fazê-lo, Lily."

Becca sorriu enquanto Shade resmungou baixinho, e Lily esfregou pequenos círculos

sobre a barriga.

"Vou para casa tomar banho e fazer a mala. Então vou chamar Hunter e ver se posso

ficar com ele e seu bando. Preciso saber mais sobre o lobo, e não apenas o homem."

Lily abraçou-a com força. "Tem certeza que está pronta para isso?"

Becca soltou um suspiro exasperado. "Sério? Realmente. Depois de todo esse aviso

sobre ferir Hunter, você me pergunta se eu estou pronta?"

73
Lily beijou sua bochecha, em seguida, puxou o fim dos longos cabelos ruivos de Becca,

fazendo-a estremecer com a picada. "Eu não seria uma de suas melhores amigas se não

tivesse a certeza que não estava pronta para isso. Você está prestes a desistir de parte de sua

vida por um homem, você sabe, mas quer saber mais."

"Eu não vou desistir de tudo. Certo?" Becca apoiou e correu para a mesa do

café. Esfregou sua perna, irritada com sua falta de jeito. Novamente.

Lily deu um pequeno sorriso. "Não, não de tudo. Está ganhando muito mais. O

destino, porém, é complicado. Não será capaz de ficar no reino humano, ou pelo menos do

lado de fora da cova, tanto quanto faz agora. Hunter é o Beta, e tenho certeza que isso

significa algo mais do que sair de vez em quando. Você terá que perguntar a ele. Além disso,

se acasalar, vai se transformar em uma criatura sobrenatural. Quer dizer, essa é a teoria

correndo de qualquer maneira."

"Eu não sei se estou pronta para mudar tudo assim."

"Acho que o relâmpago escolheu para nós, querida."

Becca acenou com a cabeça, em seguida abraçou a amiga mais uma vez. "Eu estou

indo para casa e tomar banho, em seguida, chamar Hunter. Fiz a minha decisão, e se me

mantenho a adivinhar, estou indo só para nos prejudicar mais. Não é como se estou dizendo

que vou realmente acasalar com ele, mas quero chegar mais perto."

Shade deu-lhe um sorriso, em seguida, abraçou-a. Ele se fundiu em seu círculo de

amigos muito bem, o mesmo que Balin e Ambrose tinham. Bem, pelo menos os homens

tinham feito amizade com a maioria. Faith seria sempre a protetora e um osso duro de roer.

Becca sorriu quando voltou para casa, pensando sobre o olhar no rosto de Faith

quando finalmente encontrasse seu companheiro. Oh, sim, isso seria divertido.

Quando ela chegou em casa, logo arrumou uma mala que pode durar uma semana e

então chamou Hunter. Eles poderiam ter falado todas as noites no telefone como um casal de

adolescentes, mas ela não se importava. Adorava ouvir os suaves grunhidos de sua voz e os

74
tons ressonantes profundos, enquanto ele falava. Seu corpo seria arranhando por horas

depois de falar com ele.

Quando chegou em seu correio de voz, ela fechou os olhos e deixou lavar a sua voz

sobre ela. Felizmente, o sinal sonoro no final foi alto o suficiente para assustá-la, ou teria

acabado de deixar um ofegante gemido ou dois em seu telefone.

Ah, sim, isso seria uma ótima maneira de começar a nova fase em seu relacionamento.

"Oi, Hunter, é Becca. Eu só queria ver... hum..." Oh grande, realmente deveria ter

praticado esta parte. "Ver se te importaria de ir com você para o bando. Quero ver o seu lugar

e sua gente, sabe? Sinto muito, Hunter." Ela fechou os olhos, desejando que as suas emoções

mantivessem sob controle. "Desculpe que fiquei longe. Chame-me de volta."

Ela apertou ‘End’ em seu telefone, em seguida, foi para tomar um banho. Esperava que

ligasse de volta em breve, ou estaria presa saltando sobre seus pés, tudo pronto para sair com

nenhum lugar para ir. Embora tivesse um sentimento que Dante seria capaz de mostrar-lhe

onde o bando foi, ela tinha a sensação de que ir lá sem avisar com um dragão, que, por

alguma razão, Hunter não gostaria muito, não seria a melhor coisa fazer.

Então, ao invés, ligou a água quente − que não foi escaldante ou mesmo muito quente,

considerando a idade do aquecedor e deixou seu telefone em cima do balcão, no caso Hunter

chamar.

Talvez ela deva ligar de novo, só para ouvir sua voz.

Ok, chega disso. Fale sobre como se tornar uma perseguidora.

Ele ligaria em breve e, em seguida, a próxima parte de seu plano não tão planejado

poderia funcionar.

Becca pulou no chuveiro e molhou os cabelos, deixando a água tirar as dores e tensões

do dia. Poderia ter sido terminado com a escola e oficialmente ser graduada, mas ainda tinha

que colocar em longas horas no bar para economizar dinheiro, no entanto, agora, depois de

conversar com Lily, tinha que pensar sobre o que faria.

75
Ela poderia ficar com Hunter metade do tempo e permanecer no reino humano a outra

metade? Como lobos ganhavam dinheiro? Como é que eles viviam?

Ela lavou o cabelo, irritada consigo mesma. Fazendo-se todas essas perguntas

realmente não ajudava em nada. Ela precisava conversar com Hunter. Mesmo que ele não

tivesse todas as respostas, pelo menos seria capaz de ajudá-la com as questões fáceis.

O rosto de Hunter estava em sua mente e sua voz um grunhido que fez doer. Ela

tentou se controlar, mas tudo o que podia pensar era o som de sua voz e o toque de suas

mãos e corpo, quando tinha marcado seu perfume.

Droga.

Essa tinha sido a coisa mais quente de sempre.

Ela quase chegou lá, sabendo que estava segurando-a, marcando-a, precisando

dela. Suas mãos circularam os mamilos, e ela imaginou ser Hunter, beliscando,

puxando. Engasgou quando fez o que ela queria que ele fizesse, em seguida, deixou a outra

mão cair para entre suas pernas. Esfregou os dedos contra seu clitóris, e gemeu. Deixou uma

mão beliscar e brincar com seus seios, deixou a outra mão espalhar seus lábios, em seguida,

circular sua abertura.

Inferno, não podia esperar para ter as mãos ásperas, grossas contra sua pele, seus

músculos fortes segurando-a contra a parede enquanto a fodia duro por trás.

Ela não era doce como Lily ou Nadie.

Não, queria isso duro.

Ela queria Hunter.

Fodeu com os dedos, deixando as imagens de Hunter lavar mais até que suas paredes

internas fixaram ao redor de seus dedos e ela gozou. Estrelas estouraram por trás das

pálpebras, e suas pernas ficaram pesadas, fracas. Inclinou-se contra a parede do chuveiro,

grato pela esteira de banho que colocou no chuveiro. Sem isso, teria caído, com certeza.

76
A última coisa que precisava explicar para Hunter ou os paramédicos foi que bateu-se

inconsciente por foder-se com pensamentos do homem que ela só poderia ter uma chance

com ele.

Oh, sim, que iria mais além.

Ela rapidamente ensaboou-se, tomando cuidado com as áreas recém-sensíveis, em

seguida, saiu do chuveiro. Depois que se secou, colocou o sutiã e calcinha, em seguida, sua

camiseta e um velho par de jeans. Ela se vestiria mais quando Hunter chamasse, mas agora,

só queria estar confortável.

O som de vidro quebrando não registrou em primeiro lugar. Nem a sensação de

alguma coisa... fora em seu apartamento.

Mais tarde, muito tarde demais, ela se virou, ignorando os cabelos subindo na parte de

trás do pescoço dela, apenas para ficar cara a cara com um punho.

Dois pares de pés entraram em sua linha de visão e ela gemeu.

Bateu no chão, um gemido escapou de seus lábios, então, nada.

Becca abriu os olhos, mas só viu escuridão. Ela gritou, ou pelo menos tentou, mas

havia algo sobre sua boca. Seu corpo tremia quando a adrenalina subiu por ela, mas se forçou

a acalmar.

Sentiu as lágrimas quentes derramarem pelo rosto, enquanto tentava descobrir o que

tinha acontecido.

77
Dois homens, ou, pelo menos, dois pares de pés e um punho, haviam entrado em sua

casa e a levado. Ela tinha certeza que tinha uma sacola de lona sobre a cabeça dela, porque

conseguia respirar, então sabia que não era de plástico. Podia sentir as arestas da fita em seu

rosto, onde cobriu a boca. Suas mãos estavam amarradas nas costas, e suas pernas foram

amarradas juntas também.

Ela estava deitada de lado, suas roupas ainda, graças aos deuses, e sabia que estava na

merda.

Hunter, Dante, Jamie, alguém, por favor, venha por mim.

Ela nunca se sentiu tão impotente em sua vida.

Finalmente, o som de passos chegaram a seus ouvidos, e enrijeceu. Tinha a sensação

de que não eram os passos da cavalaria, mas dos homens que a tinham levado.

O que fariam com ela?

"Você sabe por que está aqui, garota?" Perguntou uma voz abafada.

Ela não poderia dizer exatamente como sua voz soava considerando que ela ouviu

através do saco e também porque ele deve ter feito alguma coisa para isso. Ele quase parecia

o cara mascarado do Batman.

Será que o homem não sabia que a fita segurava sua boca? Como diabos ela deveria

responder? Não sabia por que diabos estava lá.

Ela estava feliz com a fita. Conhecendo-a, iria dizer a coisa errada e acabar em pior

problema.

"Sua boca está selada, seu idiota." Outra voz abafada cuspiu.

Oh bem, pelo menos um sequestrador não era idiota. Bem, talvez.

Os dois homens, e depois um terceiro, começou a gritar um com o outro sobre os

planos e regras, mas Becca não poderia seguir. Sua cabeça ainda doía como uma cadela do

soco do homem, e tudo o que queria fazer era ir para casa.

Tinha a sensação, porém, que não estaria acontecendo tão cedo.

78
Oh, doces deuses, ela não estava pronta para isso.

Por que não disse a Hunter como se sentia? Para essa matéria, ela deve ter pensado

sobre o que ela sentia mais. Estava fugindo porque estava com medo.

Ela sempre foi assustada.

Agora, nunca teria a chance de descobrir como Hunter parecia em sua forma de

lobo. Nunca saberia no que se transformaria, nunca acharia essa outra parte dela que sabia o

que queria. Oh, ela pode estar assustada com a mudança e não querer pensar sobre isso, mas

ela queria.

Mal.

Nunca seria capaz de ver a quem o bebê de Lily seria semelhante. Nunca seguraria o

bebê ou dela própria em seus braços. Nunca diria a Dante quanto ele significava para ela

como um amigo. Ele tinha estado lá para ela através de toda a sua dor e sua luta para

descobrir quem era, mesmo quando não tinha certeza de que jamais chegaria lá.

Nunca seria capaz de ver a reação de Faith quando encontrasse seu

companheiro. Deuses, isso machucava. Duro. Queria ver sua amiga se apaixonar e estar com

uma ou duas pessoas que romperia a casca. Na verdade, Becca não seria capaz de ver

qualquer uma de suas amigas acasalar e encontrar o seu sobrenatural interior.

Nunca veria o que aconteceria quando Nadie e Dante finalmente se encontrassem e

descobrissem o que diabos eles estavam fazendo.

Nunca veria Hunter novamente.

"Menina? Você não está ouvindo?"

Alguém lhe deu um chute nas costelas, a dor aguda e quebra de alguma coisa estalou

fazendo-a querer vomitar.

Tinha estado tão profunda nos pensamentos dela, que não estava prestando

atenção. O que perdeu quando ela tinha sido agida pelo idiota?

"Não a mate ainda. Precisamos ter certeza de que temos tudo seguro."

79
Ainda?

O que eles querem dizer com ainda?

"Você não pode estar viva, menina. Não deve encontrar o Beta. Agora, porque ele

anunciou seus planos para acasalar com você, estamos fodidos. Você não consegue entender

isso? Não podemos permitir que este acasalamento ocorra. Você tem duas opções. Nós a

matamos agora. Ou você promete ficar longe."

"Não acredite em tudo o que a cadela diz. Ela é humana." Outra voz cuspiu.

Beta. Isto tinha de ser por causa de Hunter. Então, eles tinham planos contra Hunter, e

ela não era parte deles.

Bem, inferno.

Eles só têm que superar isso.

Ou algo assim.

"Aquele desgraçado não deveria ter conseguido sair do inferno vivo, e agora olha para

a merda que ele trouxe para baixo. Vamos ter que matá-la. Dessa forma, ele vai ficar tão

desesperado que vai ser inútil, e podemos terminar nossos planos."

Becca chorou a sério então. Deuses, eles não poderiam matá-la. Não podiam machucar

Hunter. Quem diabos eram essas pessoas?

"Não podemos matá-la ainda. Ele vai saber. Nós apenas temos que escondê-la um

pouco, então podemos matá-la."

Oh bem, eles a matariam mais tarde. O sarcasmo acontecendo no seu cérebro no

momento que realmente não estava ajudando as coisas.

"Ela não tem que estar inteira para ser escondida." Disse outra voz, desta vez mais

profunda, mais perigosa.

Eles vieram para ela como um todo. Eles chutaram, socaram e arranharam. Sabia que

eram lobos e estavam segurando sua força de volta de matá-la, mas que doía.

Sentiu a pele rasgar, ossos quebrar, contusões formarem, e não podia lutar contra eles.

80
Finalmente, a dor atravessou sua cabeça, e veio a escuridão.

Bem, não antes que ela tivesse um último pensamento de Hunter e como iria matá-lo

ver isso.

Então não era mais.

81
Capítulo Sete

O punho no rosto deveria ter sido o primeiro indício de que algo estava errado, mas

Hunter não estava pensando claramente uma vez que ouviu a mensagem de Becca.

Ela queria vir para o bando.

Ela queria estar perto dele e seu bando.

A alegria que se espalhou por ele com essas palavras quase o derrubou de joelhos.

O punho dez minutos depois quase fez novamente.

"Que porra é essa?" Hunter rosnou para Gregory Lloyd, o membro do conselho e dor

na bunda.

Lloyd atacou novamente, mas desta vez Hunter puxou, pegando o pulso do outro

homem, antes que ele pudesse entrar em contato. Lloyd rosnou, em seguida, tentou puxar de

volta, mas Hunter apertou. O rosto do outro homem empalideceu, os ossos sob a mão de

Hunter estalando.

"Por que diabos você está me desafiando, Lloyd?"

O outro lobo cuspiu nele, e Hunter abaixou. Agora ele estava ficando irritado.

Primeiro, ele poderia simplesmente chamá-lo de um dia ruim... agora? Agora, ele estava

prestes a chutar alguns traseiros.

"Eu sou mais dominante, Lloyd. Você sabe disso. Já passei por essa merda e fiz nossas

batalhas mais de uma década atrás. Por que você está lutando agora?"

"Você não merece ser Beta."

Hunter piscou. A multidão que ele não tinha notado reunir em torno deles

engasgou. Era uma coisa para o conselho tentar tirá-lo de sua posição com o círculo inicial

Beta, mas foi outro a atacá-lo sem rodeios.

82
"Você não diz isso, Lloyd. Fui indicado pelo nosso Alpha." Ele ressaltou o nosso,

considerando que o conselho parecia ter uma opinião diferente sobre o que exatamente

significa ser bando. "Ganhei a batalha contra o seu lobo. Fiz tudo o que o conselho tem

exigido, mas você quer brigar comigo sobre isso?"

"Você não é nada. É apenas um lobo de origem humilde com a porra de um humano

como uma companheira. Uma que você nem sequer nos mostrou. O que devemos

pensar? Que está realmente orgulhoso de estar com aquela vadia? Não, você está

envergonhado de estar com ela e envergonhar-nos a todos. Quanto mais diluir as linhagens,

mais dilui nosso poder. Olhe ao seu redor. Não somos nada. Poderíamos ter sido muito mais,

mas em vez disso, queremos isto que chama de paz?" Ele zombou a última palavra, com o

rosto vermelho e os olhos esbugalhados. "Não temos nada. Podíamos ter estado no topo de

todos os bandos. Nós ainda podemos estar."

Hunter balançou a cabeça. Que diabos foi o pensamento do conselho? Ele se inclinou

perto do rosto do outro homem para que sua voz não elevasse. Tinha a sensação de que

alguns dos lobos mais fortes seriam capazes de ouvir, então fez baixo.

"Cuidado com o degrau, Lloyd. O Alpha só pode lidar com tanta desobediência, então,

ele vai ter que tomar o assunto em suas próprias mãos. O conselho é relativamente novo para

a nossa cultura. Ele pode morrer. Assim como você."

"Você se atreve a me ameaçar?"

"Atrevo-me, e vou fazer isso um passo adiante. Você chega perto de mim, de minha

companheira, ou do meu povo, e vou estripar você onde está." Hunter tinha tido o suficiente

deste bando e seus problemas.

Na sua ausência, a maioria dos dominantes tinha aprendido a tratar submissos como

merda. Eles foram lentamente começando a retirada completamente do reino

humano. Embora tivessem dinheiro e a capacidade de viver dentro da cova e sustentar-se

por longos períodos de tempo, ainda contaram com os seres humanos para a maioria das

83
coisas. Na verdade, a maioria dos lobos tinham empregos humanos e tinha sido, antes que

ele tivesse sido tomado, completamente enraizado no seio da sociedade.

Agora, estavam trabalhando dentro da cova, alguns trechos nunca deixando em

emergências ímpares. Hunter estava trabalhando em mudanças, junto com Liam e Alec, mas,

honestamente, não tinha ideia de como resolver uma questão tão generalizada.

Agora Lloyd ficou na frente dele, um olhar em seu rosto, jorrando merda sobre o

desejo de governar os outros bandos?

Como diabos eles fariam isso?

Cada bando trabalhou por conta própria. Não havia um último Alpha ou

conselho. Nunca tinha havido um motivo para ter um lobo com todo esse poder. Tanto poder

seria demais para um homem. Porra, já era quase demais para Josiah, portanto, as

responsabilidades de Hunter.

Ele não sabia o que Lloyd e os outros tinham planejado, mas teria que descobrir em

breve e cuidar disso. Não ia deixar ninguém morrer ou se machucar, porque não conseguia

lidar com todos os problemas do bando.

Isso era onde queria trazer Becca dentro?

Ela chamou querendo conhecer o bando e saber mais sobre ele, esperava, porque ela

queria dar um passo mais perto do acasalamento, mas não tinha certeza se poderia forçá-la a

essa turbulência.

Porra.

Outro punho veio ao seu lado, desta vez de uma pessoa diferente, trazendo Hunter

fora de seus pensamentos. Ele torceu para abaixar o soco, mas teve que deixar Lloyd ir.

Hunter rosnou e deixou suas garras romperem sua pele, pronto para revidar.

Dois dos lobos de Lloyd ficaram ao lado de seu líder, ofegante, sem camisa, e

parecendo geralmente merda inútil.

84
"Eu não vou te matar." Hunter demorou. "Não, quando apenas uma surra vai

servir." Ele não podia matá-los. Não em definitivo e não agora. Tecnicamente, tudo que

Lloyd tinha feito era tentar iniciar uma batalha pelo domínio. Quando os outros dois lobos

tinham aderido, no entanto, que as linhas foram cruzadas. Hunter poderia prejudicá-los,

matá-los se quisesse, mas como Beta, se ele começasse a matar todos que o irritou ou queriam

tentar machucá-lo, as coisas ficariam complicadas rápido fodidamente real.

"Estou cansado de ter essa mesma conversa com você." Hunter continuou, mantendo

um olho na crescente multidão. Ele tinha a sensação de que as coisas poderiam ir mal a

qualquer momento, se pessoas suficientes se envolvessem.

"Então desista e vá embora." Lloyd flexionou seus punhos, parecendo o forte lobo que

era, mas ainda assim um idiota.

Hunter bufou. "Você não é muito bom em jogar o vilão, Lloyd. Pelo menos quando se

trata do diálogo."

"Ele está apenas dizendo o que todos nós estamos dizendo." Dorian demorou quando

se juntou ao corpo a corpo.

Hunter segurou seu lobo, se quisesse arrancar o pescoço do desgraçado só para ver se

podia. Oh, sim, ele poderia fazer isso... e saboreá-lo.

Talvez ele precisasse segurar suas tendências violentas por Becca.

Falando de Becca, um aroma picante entrou narinas, em seguida, desapareceu tão

rapidamente quanto veio. Era quase como se Becca estivesse parada por ele... ou alguém que

tinha estado perto dela. No entanto, não conseguiu encontrar o cheiro de novo. Talvez ele só

a queria perto, tanto que estava imaginando coisas.

Sim, isso foi uma ótima maneira de provar aos outros que ele não era o animal louco

do inferno.

85
"Você ouviu o que disse na reunião do conselho de ontem à noite, mas não fez nada

para nos provar, que tem uma companheira." Disse Dorian. "Então, diga-nos onde está esta

humana mística, que tem a ousadia de estar com o Grande mal Beta do inferno?"

Grande mal Beta do inferno?

Huh, isso era novo, embora ele meio que gostou. Talvez ele o obtivesse tatuado.

No rosto de Dorian.

"Deixa minha companheira fora disso, Dorian." A última coisa que ele queria fazer era

ter Becca no meio de algo perigoso. Ele mataria por ela, mas não queria matar na frente

dela. Já tinha matado e mostrado seu verdadeiro lado a Jamie e os outros, quando tinham

estado todos no inferno. Ainda podia sentir o sangue em suas mãos, os ossos quebrando e

secos debaixo de seus pés.

Dorian ergueu as mãos, o peito sem camisa, fumando quando ele sorriu como um

idiota. "Onde ela está? Ela é mesmo real? Ou talvez você pense que pode mentir para nós,

para não ter que acasalar com uma das nossas?"

Pessoas engasgaram e resmungaram em torno deles.

Porra.

"Eu não tenho que responder a você, Dorian." Ele reprimiu a raiva consumindo-o. Não

queria lutar. Não mais. Lutou toda a sua vida e que ainda lutava para proteger aqueles que

amava, mas não queria mais sangue em suas mãos.

"Não, você tem que responder a nosso bando e nossas leis." Dorian mordeu fora.

"Minha metade verdadeira estará aqui em breve."

Mais suspiros. Mais rosnados.

"Você está mentindo." Dorian cuspiu, mas algo na voz do outro homem deu uma

pausa em Hunter. Como se Dorian soubesse que Becca não estaria vindo para o bando.

Ele negou isso fora e guardou-o para mais tarde. Não podia ignorar completamente os

seus instintos, mas se preocuparia com isso tudo outra vez.

86
Primeiro ele tinha que lidar com esse idiota ‒ fazendo de idiotas na frente dele.

"Você tem que ter uma companheira. Como Beta, é o seu dever de linhagem,

estabilidade e reprodução. Disse que tem uma companheira, mas nenhum de nós tem visto

esta sua humana. Você não disse a Liam e Alec, seus amigos mais próximos."

Hunter estreitou os olhos. Ele sabia que Liam e Alec não tinham dito nada, mas não

havia maneira de esconder a forma como seus amigos haviam endurecido durante a reunião

do conselho, traindo a sua surpresa.

"Você pode ter qualquer uma das mulheres aqui. Tenho certeza de que elas se

curvariam para você em um minuto. Basta manter o seu pau nelas e morder para marcar, e

está feito."

Ele não vacilou na crueza das palavras de Dorian. As mulheres atrás dele fizeram.

"Nós não estamos aqui para fazer o seu lance." Uma mulher, uma loba dominante,

gritou e Hunter interiormente aplaudiu.

"Sim, ele pode ser quente como o inferno, mas se ele tem uma companheira? Então

foda-se, não." Outra loba colocou dentro.

Os murmúrios e gritos ficaram mais altos em torno dele e Hunter sorriu. Este. Este foi

o bando que ele queria. O que se unia para provar que eram melhores do que os lobos que

Dorian e os outros queriam que fossem.

"Pare com isso, Dorian." Hunter pediu. "Você não está fazendo nada de bom."

Dorian sorriu, em seguida, virou-se. Puxou o braço de uma mulher e ela gritou. Ele a

puxou mais perto de seu lado e Hunter avançou para ajudar. Lloyd e seus homens se

aproximaram, bloqueando seu caminho.

Leslie, irmã de Dorian ‒ a loba submissa olhou para o irmão dela, então, deu um

sorriso fraco a Hunter.

Ela murmurou. "Eu sinto muito."

Porra. Ele não estava no clima para escutar o que estava prestes a acontecer.

87
"Você não vai tomar qualquer uma das lobas dominantes? Então, tome Leslie. Ela é

puro sangue e submissa. Vai fazer o que quiser. Qualquer coisa."

Dorian olhou de soslaio, e Hunter teve que engolir a bile subindo na garganta.

"Eu não estou indo para acasalar com sua irmã, Dorian. Sem ofensa, Les."

A loba bonita de cabelos castanhos sorriu. "Nenhuma."

Dorian rosnou. "Assim, a minha família não é boa o suficiente para você?"

Leslie revirou os olhos, apesar do perigo que estava só de estar perto de seu irmão. Ela

teve mais de um osso e deu-lhe crédito.

"Dorian, ouça a si mesmo. Você está chegando agora. Vamos parar com isso antes que

fique fora de mão. Estou acasalando com Becca, e você não pode me parar."

"Sério?" Dorian zombou.

O vento aumentou, uma leve brisa escovou os sentidos de Hunter, e ele congelou.

Becca.

Esse aroma picante.

Lágrimas encheram os olhos de Leslie. Hunter começou a rosnar quando Dorian riu.

"O que você fez? Onde ela está?" Sua voz era baixa, perigosa. Mataria qualquer um

que tivesse tocado nela.

Devagar.

"Onde está quem? Você não sabe onde sua própria companheira está? Quão...

lamentável."

Ele olhou para o rosto de Leslie e seguiu seu olhar para a floresta. A mesma área onde

Lloyd tinha um porão que costumava guardar as coisas para sua família.

Dorian puxou o braço de Leslie, e ela gritou.

"Sua vadia!"

"Vá, Hunter!"

88
Leslie deu a Hunter uma última olhada e correu em direção à floresta, tentando pegar

o cheiro de Becca. Como Dorian tinha ficado com ela? Oh deuses, e se ele a machucou... ou

pior?

Seu lobo agarrou-o, em seguida, caminhou, rosnando para ser solto, para ser capaz de

caçar. Desta vez, porém, foi para o homem e não o lobo.

As árvores passaram por ele em um borrão, o seu aroma picante cada vez mais forte

quando se aproximou do lugar de Lloyd. Este era o homem e animal que se tornou.

O caçador.

Ele arrancou a porta do porão subterrâneo de suas dobradiças e seguiu o cheiro de

Becca para o nível mais baixo. Alguém tinha cortado a energia, então teve apenas uma ligeira

luz da porta que viria através para ver. Mesmo com seus sentidos aguçados de ser um lobo e

o Beta, ainda teve que apertar os olhos para ver através das sombras.

"Becca?"

Droga, sua voz apenas rachou?

Ouviu algo se mover e seguiu o som, rezando que estivesse bem.

"Becca... bebê, deixe-me saber onde você está."

Ele ouviu um gemido abafado e se arrastou em sua direção. Seu perfume era mais

forte aqui. Finalmente, viu uma forma escura amontoada no chão, e respirou fundo.

"Oh, bebê, o que eles fizeram com você?"

Agachou-se ao lado dela e lentamente tirou o saco sobre a cabeça, segurando

maldições quando fez isso. Alguém tinha batido no rosto dela, seus lados, e quem sabe onde

mais. Inalou profundamente, seu corpo tremia enquanto deixava seu perfume, seu medo, seu

alívio lavando em cima dele.

Tirou a fita da boca tão cuidadosamente quanto pôde.

"Hunter." Ela murmurou para fora, o alívio em sua voz quase tátil.

89
"Oh, bebê, quem fez isso com você?" Sua voz ainda era um grunhido, mas tentou

mantê-la macia.

"Hunter?" Liam e Alec invadiram o quarto, seus lobos próximos à superfície. "Puta

merda." Liam respirou.

"Ok, Becca, vou pegá-la e levá-la para a minha casa. Sei que isso vai doer, mas preciso

que você seja forte."

"Leve-me para casa." Ela sussurrou, sua voz cheia de dor.

Ele a pegou, estremecendo em seus tremores e segurou-a perto de seu peito. "Isto não

é como eu queria mostrar-lhe a cova."

Becca riu depois tossiu. "Não me faça rir. Dói."

Ele beijou sua testa, em seguida, subiu as escadas e caminhou para fora do porão tão

cuidadosamente quanto podia para que não fosse abalá-la. Não podia cheirar quem a tinha

levado. Seus atacantes usaram perfumes e outras coisas para mascarar seus aromas de modo

que o único que restou foi Becca, a partir de quando ela havia sido realizada lá. Ele a cheirou

em Dorian, porém, e este era o lugar de Lloyd.

Haveria justiça.

Tinha de ter.

"Vigie-os." Hunter ordenou. Liam e Alec assentiram com a cabeça, em seguida,

afundaram-se nas sombras. Eles encontrariam Leslie, protegeriam e vigiariam os outros.

Entrou na sua casa e caminhou até seu quarto. Isso não tinha sido como ele tinha

imaginado trazendo Becca para sua casa. Raiva e medo guerrearam dentro dele, mas o alívio

em saber que ela estava viva acalmou seu lobo.

Tê-la em sua casa, em geral, acalmou seu lobo.

"O que aconteceu, Becca?"

Ela piscou para ele, seus grandes olhos verdes cheios de dor. "Levaram-me..."

Raiva afiada cortou para ele, mas se conteve, não querendo assustá-la.

90
"Eu vou matá-los."

"Não quero falar mais sobre isso. Estou chateada que eu não pude revidar."

Hunter fez uma careta. "Eles eram lobos dominantes adultos. Você é humana. Não

poderia ter lutado de volta."

Becca franziu o rosto, em seguida, fez uma careta. "Isso não me faz sentir melhor. Não

faz sentido estar irritada se não sou forte o suficiente."

Hunter traçou sua mão ao longo de seu rosto. Sua humana foi um pouco louca, mas

ele gostava. "Quando eu e você estivermos acasalados e você encontrar sua metade

sobrenatural, será forte."

Preocupação nublou seus olhos. "Eu liguei para você antes."

"Eu sei, minha companheira."

"Eu queria..."

"Vamos falar sobre isso mais tarde." Ele se levantou e tirou a camisa, observando a

maneira como seu olhar seguiu o movimento.

"O que você está fazendo, Hunter?"

"Vou ajudá-la a limpar, e não posso fazer isso com as minhas roupas. Então vou

envolver esse seu lado e olhar para o seu braço. Não acho que ele está quebrado, na verdade,

apenas machucado."

"Eu pensei que estava." Disse ela, com os olhos arregalados e fixos em seu peito. Ele

resistiu ao impulso para flexionar. "Por que você ficou nu?"

Hunter sorriu. "Porque quero ter certeza de que limparei a sujeira e gordura do

porão. Além disso, a água quente vai ajudar a relaxar os músculos. Não se preocupe, nós não

vamos fazer sexo hoje à noite."

Ela piscou, então corou.

Não tinha qualquer corte nela, então não teria que limpá-los. Foram só as contusões,

com o braço torcido, e sua costela que seria um problema. Deixou-a na cama e foi para ligar a

91
água quente. Tinha um chuveiro grande o suficiente para os dois, bem como uma banheira

grande o suficiente. Era um cara grande e depois de brigas gostava de ficar de molho.

Voltou ao quarto para encontrar Becca deitada de lado, mas parecendo um pouco mais

relaxada.

"Sou uma mulher forte e independente, mas agora eu meio que só quero que você

cuide de mim. Ok?"

Algo como pura felicidade se espalhou por ele em suas palavras. Foi para o lado dela e

segurou-lhe o rosto. "Eu sempre vou cuidar de você, minha Becca. Isso para o que é um

companheiro. Só porque quer me deixar cuidar de você agora, não significa que não pode

cuidar de si mesma. É uma questão de confiança."

Ela esfregou o rosto em sua mão, e ele caiu só muito mais apaixonado por

ela. "Contanto que eu possa cuidar de você também."

Imagens dela lavando-o e tocando-o encheu sua mente. "Contanto que você não esteja

em perigo, você é bem-vinda. Vamos lá, minha Becca."

Ele sentou-se, em seguida, tirou o top e sutiã. Não podia deixar a sua reação ao ver

seios fartos e os mamilos rosados, mas seu lobo parecia saber que era o momento de conforto,

não necessidade.

As contusões ao longo de seu lado ajudaram a suavizar a borda de excitação também.

Ela corou toda, até os mamilos deliciosos, mas não disse nada enquanto ele a

levantou. Ela apoiou as mãos em seus ombros enquanto tirava suas calças jeans e

calcinhas. Ele propositadamente manteve o olhar de sua boceta, sabendo que precisava agir

de cavalheiro, mesmo que fosse um lobo.

Ele a colocou na cama de novo e tirou sua calça jeans. Seu pênis era dura como pedra,

mas ignorou. Não podia parar sua reação a ela, mas não faria nada sobre isso.

Ainda não.

92
Hunter a pegou novamente e a levou para o chuveiro. Com suas costas ao spray,

colocou-a sobre seus pés e deixou-a inclinar-se sobre ele.

"Você é tão quente." Ela sussurrou, sua voz baixa e pesada.

"Você vai ser muito em breve."

Lavou-a lentamente, prestando muita atenção a suas contusões, mas manteve seu

toque macio. Não queria quebrar a frágil confiança que ela lhe deu. A água arrastou entre os

seios dela, e ela inclinou suas costas contra seu peito. Seu lobo rosnou, contente que Becca

estava ao seu lado.

"Obrigada por me encontrar. Sabia que você iria."

"Eu sempre vou te encontrar, Becca. Saí do inferno para você."

Ela virou-se em seu abraço, lentamente e com cuidado devido a suas costelas. "Você

não me conheceu até depois que saiu do inferno."

Ele colocou um fio de seu cabelo molhado vermelho-fogo atrás da orelha. "Eu sei, mas

isso não significa que não saiu do inferno para você."

Ela bufou, então estremeceu. "Essa foi à linha mais doce que eu já ouvi."

Ele estreitou os olhos, em seguida, inclinou-se para morder os lábios

suavemente. "Comporte-se."

Ela deu um olhar aguçado em seu pênis totalmente ereto e levantou as

sobrancelhas. "Você primeiro."

Ele se afastou, percebendo a decepção em seu olhar, mas forçou-se a ignorá-lo. Teriam

de esperar para completar o acasalamento, até que ela se sentisse melhor. Embora ele já

pudesse dizer que tudo a fazia era diferente dos humanos normais, o relâmpago já estava

trabalhando a sua magia. Ela estava curando mais rapidamente do que os seres humanos,

mas não como um ser sobrenatural. Pela manhã, ainda estaria dolorida, mas muito melhor,

esperava.

93
Hunter desligou a água, saiu do chuveiro, e em seguida, delicadamente secou a

ambos. "Nós estamos indo para a cama e podemos falar tudo na parte da manhã. Tenho

lobos que confio nos guardando. Você está segura aqui."

Ela assentiu com a cabeça, as pálpebras caídas. Ele a levantou e caminhou até o quarto,

puxou os lençóis. Ela mal se mexeu quando a colocou dentro. Caminhou em direção à janela

e olhou para fora. Liam estava em forma de lobo na borda de sua propriedade e deu um

aceno de cabeça, em seguida, voltou para as sombras.

Quando ele foi para a cama e puxou Becca mais perto, inalou o cheiro dela, precisando

para acalmar seu lobo. Eles estavam a salvo no momento, mas isso poderia mudar.

Descobriria quem fez isso e os mataria. Tinham ferido o que era seu e mereciam

pagar. Sua matilha estava morrendo, apesar de tentar crescer.

Ele corrigiria. Consertaria tudo. Isso é o que faria.

Ele era o Beta.

94
Capítulo Oito

Algo quente e sólido pressionou contra suas costas, e Becca nunca quis sair.

Nunca.

Uma grande mão calejada se espalhou ao longo de sua barriga, mantendo-a no

lugar. Um sorriso se espalhou por seu rosto quando balançou para trás, querendo manter o

sonho vivo. Ela nunca queria acordar, não quando tinha esse calor que a rodeava. A mão em

seu estômago deslizou lentamente até o peito nu para seu seio. Ela engasgou quando o

mamilo endureceu na mão. Becca jogou a cabeça para trás, saboreando o toque de seu

amante do sonho quando colocou seu pênis entre suas nádegas. Se ela se movesse

ligeiramente, ele seria capaz de deslizar para a direita em seu calor, e gozaria.

Pelo menos em seu sonho.

Não tinha ninguém, não para fazer isso de verdade, afinal.

Ela mudou-se para que ele pudesse entrar nela, e uma dor aguda abalou o peito.

Seus olhos se abriram e ela engasgou.

Imagens do dia anterior inundaram sua mente, e ela engoliu em seco. A escuridão do

porão, o som de vidro quebrado e vozes profundas tudo batendo o seu sistema, e mordeu o

lábio. O medo deslizou através de seu corpo e, em seguida, lembrou-se que tinha vindo por

ela, levando-a como se fosse preciosa. Ele também a despiu e lavou a noite fora de sua pele.

Hunter.

Lábios de veludo roçaram seu pescoço e ela estremeceu.

Ok, isso não tinha sido um sonho.

Ela podia sentir o calor de sua pele, quando um rubor cobriu todo o seu corpo.

Todo o seu corpo nu.

Pressionada contra o corpo nu de Hunter.

95
"Você já passou por toda a gama de emoções, esta manhã, Becca querida." Hunter

ronronou no ouvido dela.

Bem, talvez ronronar não era a melhor palavra para um lobo, mas foi a melhor que

podia chegar a considerar que seu rosnado baixo tinha feito algumas coisas muito

interessantes para suas partes femininas. Ela se recusou a gozar só por sua voz apenas. De

jeito nenhum.

"O que...o que você quer dizer?" Perguntou, sua voz completamente muito ofegante. Já

estava nua na cama com ele. Não precisava dar-lhe mais incentivo para levá-la como

queria. Sim, ela sabia que não fazia sentido, mas sua cabeça ainda doía, e não queria acasalar

até que eles falassem.

Maldição, no entanto, tê-lo deslizando direito em sua boceta amortecida soou como a

melhor maneira possível para acordar.

Não, permaneceria forte. Ela faria a coisa adulta e falaria sobre o que exatamente

estava acontecendo.

Então ela o montaria como uma cowgirl.

Aparentemente, tinha sido muito tempo desde que tinha tido relações sexuais.

Um caminho muito longo.

Hunter correu os lábios pelo pescoço e ombro, onde ele mordeu suavemente. Seu

corpo estremeceu, e ela se arqueou contra ele. Ele soltou uma risada rouca depois lambeu

onde tinha mordido.

"Isso é o que eu queria de você, minha companheira."

"O quê?" Oh boa, ela foi reduzida para dizer uma palavra e outra.

Talvez ela fosse reduzida para dizer sim ou Hunter mais e mais cedo.

Não, baixo, menina.

"Esse aroma doce e picante da sua excitação." Hunter respondeu, e ela corou

novamente. "Quando acordei, ou pelo menos quando tinha os olhos fechados, você cheirava

96
doce o suficiente para afundar meus dentes. Queria morder, morder e lamber, para conhecer

o seu gosto. Queria levantar a perna e deslizar dentro de você por trás, estender essa boceta

apertada em volta do meu pau, enquanto balançava em você. Teríamos ambos gozado, e

então eu lamberia cada centímetro de sua pele, até que estivesse ofegante com a necessidade,

então chuparia seu clitóris, sua boceta, e faria você gozar."

Sua vagina palpitou, o clitóris encheu.

Caro. Senhor.

Sua mão deslizou ao longo de seu lado, acalmando. "Então você deve ter se lembrado

onde estava ou como veio parar aqui porque endureceu, e o medo se infiltrou a partir de seus

poros. Sinto muito, Becca." Respondeu asperamente para fora. "Eles não deveriam ter vindo

atrás de você por causa de quem eu sou. Diria que ia deixar você se afastar de tudo isso, mas

estaria mentindo."

Ele a puxou para debaixo dele e que seus antebraços fossem de ambos os lados de sua

cabeça, seu cabelo longo escovava seu rosto, enquanto ele pairava sobre ela. Teve a certeza de

que seus corpos não tocavam, porém, como se soubesse que assim que isso acontecesse, não

haveria como voltar atrás.

"Não vou deixar você ir, Becca. Podemos estar nos estágios iniciais de acasalamento,

mas me recuso a deixar você ir. Não até que saiba quem eu sou. Não até que eu saiba quem

você é. Não quero deixá-lo ir."

Ela engoliu em seco. "Mesmo que eu pedisse para você me deixar ir?"

A dor atravessou seu rosto antes que educasse suas feições. "Se você desejar ir... Eu

seguiria os seus desejos, porque não posso suportar te machucar, mas faria tudo ao meu

alcance para convencê-la a ficar."

Ela estendeu a mão e acariciou seu rosto, as cerdas em suas bochechas esfregando ao

longo de sua palma. "Eu não quero ir."

Um estremecimento atormentou seu corpo, e ele virou-se para beijar a palma da mão.

97
"Nós precisamos conversar primeiro."

Ele balançou a cabeça, em seguida, inclinou-se para beijar seus lábios

suavemente. Antes que ela pudesse saborear o veludo de seus lábios, ele se afastou. "Eu

quero que você se cure primeiro, minha Becca."

Suas palavras trouxeram de volta a sua dor, mas não tanto quanto pensou que ela

teria. "Por que não esta mais dolorido?"

Hunter afastou uma mecha de cabelo atrás da orelha, em seguida, afastou-se dela,

deixando-a com a sensação estranhamente desolada da perda. "Acho que é porque você está

curando mais rápido do que um humano normal." Respondeu ele enquanto caminhava nu ao

seu armário, onde pegou um par de jeans.

Ela não poderia mantê-lo fora de seu olhar totalmente duro como pedra ‒ oh Senhor, o

seu traseiro.

Ele pareceu comestível.

Absolutamente, fodivelmente comestível.

E dela se quisesse.

Ah, como ela queria. Esse não era o problema, não mais. Ela o queria, mas queria ter

certeza que eles conversassem primeiro. Não queria apenas ir para a cama com ele, mais do

que já tinha, sem saber o que ele estava pensando.

Suas palavras a afastaram de seu pênis agora coberto e em seu rosto. Sentou-se,

estremecendo um pouco, puxando o lençol para cobrir os seios. "Não sou humana?"

Ela olhou para as contusões desbotadas nos braços e suspirou. Ela não se parece com

nada além de si mesma, mas ela definitivamente não estava cicatrizando como um ser

humano. "O que isso quer dizer?"

Hunter passou a mão pelo cabelo, em seguida, encolheu os ombros, os músculos de

seus braços e peito movendo-se de tal forma que tinha Becca fechando as pernas.

Maldição, o homem era quente.

98
Ele lhe deu um sorriso, e ela revirou os olhos. O cara tinha que saber que ele era

quente. "Acho que você está curando mais rápido, porque o que aconteceu com você naquele

bar a noite da tempestade te mudou. Sim, é preciso completar o vínculo de acasalamento com

sua metade verdadeira, para que parte do seu DNA se torne importante e que possa

realmente mudar, mas as coisas poderiam ser diferentes agora."

"Então por que não Lily e Jamie curaram rapidamente quando foram atacadas? Por

que não me curei quando o djinn nos atacou?"

Hunter rosnou para o lembrete dela ser espetada na parede, e ela não o culpou. Não

era algo que gostava de lembrar também. "Essas não eram coisas superficiais. Acho que,

dado tempo suficiente, os cortes e arranhões teriam curado por conta própria. Você não tem

ossos quebrados, e acho que sua costela só está machucada, não quebrada. As outras, porém,

tiveram ferimentos fatais. Como você fez naquela noite."

Ela assentiu com a cabeça, tentando absorver a informação. Tanta coisa havia mudado

naquela noite. Elas ainda não sabiam por que tinham sido escolhidas. Também não sabiam se

todas se transformariam em algo uma vez que encontrassem seus companheiros, embora

parecesse provável. Elas também não sabiam se teriam vida longa ou, como agora,

curariam. Estava tudo no ar, mas estavam aprendendo mais a cada dia.

"Além disso, Becca, todas vocês reagem as suas metades verdadeiras de forma

diferente. Faria sentido que todas teriam diferentes mudanças também. Pode ser devido ao

fato de que todas possam ser sobrenaturais separadas, ou pode ser que você sejam diferentes

de todas as pessoas, em geral."

Ela soprou o cabelo do rosto. "Eu odeio não saber."

Ele andou em direção a ela e sentou-se na borda da cama, em seguida, enfiou aquele

pedaço de cabelo atrás da orelha novamente. "Eu sei. Odeio não saber também. Vamos dar

um passo de cada vez, ok?"

Ela assentiu com a cabeça, sabendo que não tinha outra escolha.

99
"Espere. Eu preciso chamar minhas amigas para que saibam que eu estou bem."

Hunter assentiu. "Eu já tive Liam e Alec, meus amigos, chamando Dante." Ele rosnou o

nome do dragão e Becca mal resistiu ao impulso de revirar os olhos. Não era como se Hunter

tivesse tudo para ter ciúmes, mas deixou-o ter aquela voz rouca, pois era quente como o

inferno.

"Então, elas sabem que eu estou segura?"

"Sim, elas queriam vir aqui e tirá-la, considerando que a haviam levado, em primeiro

lugar, mas Dante persuadiu-as a deixá-la ficar aqui." Seus olhos brilhavam, e ela piscou. Isso

era novo.

"Por que os seus olhos brilham, e por que Dante disse-lhes para me deixar ficar?"

Hunter puxou um par de calças de moletom e uma camisa do seu armário e colocou-

os na cama. "Eu não tenho mais nada para você usar agora. Sinto muito. Estes terão que

servir."

"Isso é bom, agora responda às minhas perguntas." Ela vestiu-se debaixo das cobertas,

e Hunter sorriu. Ele já pode ter visto e tocado as mercadorias, mas ela precisava manter sua

modéstia de vez em quando.

"Dante disse-lhes para deixar você ficar, porque, se tivesse que sair agora, meu lobo

ficaria louco. Eu preciso de você aqui, Becca. Posso te proteger melhor se estiver ao meu

lado. Além disso, eu só quero ficar com você."

Seu coração se derretia com esse pensamento, e queria envolver os braços ao redor

dele. Ela segurou.

Mal.

"Meus olhos brilham quando estou com raiva ou sinto outra emoção intensa como

excitação. Então, quando estou gozando, meu lobo vai subir para a superfície, e os meus

olhos vão brilhar. Quando estou falando sobre o ‘breve a serem mortos homens’ que a

tomou, eu fico puto prá caralho, e não posso controlar o meu lobo, bem, daí o brilho."

100
Ela deixou a próxima parte deslizar desde que queria falar sobre outras coisas

importantes primeiro, e se falasse sobre sexo, não tinha certeza se poderia parar de se

esfregar sobre ele como uma gata no cio.

Novamente com as referências do gato, ela precisava pensar melhor como um cão ou

lobo.

"Você não pode matar as pessoas se não sabe quem fez isso."

"Eu sei quem fez isso." Disse Hunter, a certeza em sua voz como uma presença sólida.

"Você sabe? Com certeza?" Nesse sentido doente de medo envolvendo sua espinha, e

ela se odiava por isso. Embora sentisse algo parecido antes, tinha sido por suas amigas, e não

ela. Não gostava de se sentir fraca. Não era fraca. Não queria ter que esperar e ter o herói

bonitão varrendo-a em seus braços e salvando-a.

Isso tinha sido o que aconteceu, entretanto.

Ela tinha sido fraca, porque tinha sido humana.

Isso mudaria logo, embora.

Não seria mais fraca.

Não poderia ser mais fraca.

"Sei quem tomou você, porém, agora, não podemos prová-lo. Eles cobriram seus

aromas, e apesar de Leslie, a irmã de um dos sequestradores, que nos defendeu, não quero

correr o risco de sua segurança."

Algo como o ciúme varreu nela, e odiava isso.

Hunter levantou uma sobrancelha. "Penso em Leslie como uma irmã. Seu irmão,

Dorian, é um sádico, e não quero que ela seja punida por falar."

Becca assentiu, reviveu e um pouco de vergonha por pensar que Hunter iria querer

outra, e mesmo que ele fosse velho o suficiente para ter um passado, não o tornava melhor

para ela.

Ótimo, agora era uma namorada ciumenta.

101
Ou companheira.

Que seja.

"Liam e Alec estão trabalhando para encontrar evidências para que possamos

retaliar. Porque sou o Beta, não posso assumir os membros do conselho sem provas. Se fosse

fazer isso, seria prejudicial para o bando agora."

Becca meneou a cabeça, confusa.

"Ok, você precisa explicar tudo isso. A única coisa que eu sei sobre como lobos

funcionam vem de TV e romances."

Hunter ergueu um sorriso, embora ela ainda pudesse ver as linhas de tensão nos

cantos dos olhos. "Saia da cama enquanto eu nos faço alguma coisa de café da

manhã. Podemos conversar enquanto comemos."

Becca olhou para a camisa folgada e suores. Sim, ela realmente não estava escorrendo

apelo sexual, no momento, e realmente tinha que usar o banheiro. Além disso, havia a

questão inspiração matinal.

"Uh, você tem uma escova de dentes de reposição?" Ele já a tinha beijado naquela

manhã, e com seus sentidos aguçados, estava um pouco surpresa que já não tinha

desmaiado.

Hunter sorriu a toda velocidade, seus dentes brancos gritantes contra a sua pele de

mel.

Oh, ele era bonito.

"Não, Liam e Alec estão trazendo as coisas do seu apartamento um pouco mais tarde,

apesar de tudo. Você pode usar a minha escova de dentes. Não é como se nós não fomos nos

beijando."

"Isso é meio nojento. Espere, eles estão indo para o meu lugar? Sem mim lá? Não

quero eles tocando em minhas calcinhas."

102
Hunter rosnou. "Eles não vão tocar suas calcinhas. Faith ira encontrá-los lá para

embalar seus pertences. Não tinha certeza de que iria aprovar dois homens que você não

conhece em seu lugar, mais não quero que eles toquem em nada seu, sem que não tenham. Se

alguém vai tocar a sua roupa de baixo, que serei eu."

Becca relaxou com o pensamento de Faith estar lá, pelo menos sua amiga teria certeza

que ela tivesse tudo que precisava. Segurou o riso com o pensamento de ‒ Faith resistente

como pregos ‒ com alguém embora. "Uh, esses caras sabem da Faith... uh, personalidade?"

Hunter sorriu. "Desde que Liam e Alec são meus melhores amigos, sim, eu avisei. E,

não, Faith não está vindo aqui. Não quero apresentá-la, ou qualquer outra pessoa, para o

bando quando ainda estamos em evolução. Quero ter a certeza que está segura em primeiro

lugar. Por que compartilhar uma escova de dentes comigo é nojento?"

Becca revirou os olhos. "Não importa. Vou encontrá-lo na cozinha."

Ela correu para o banheiro e fechou a porta atrás dela. Quando olhou para seu reflexo

no espelho, não conseguia segurar o gemido.

Sexy, ela não estava.

Seus cachos vermelhos estavam nesse bloqueio maldito que Hunter continuou a tocar

em sua cara novamente. As contusões do seu ataque foram desaparecendo, pelo menos, mas

desde que tinha ido para a cama com os cabelos molhados, parecia um monstro zumbi.

Ok, talvez não fosse a melhor descrição, mas era o mais próximo.

Os círculos escuros sob os olhos e palidez de sua pele tinham mais a ver com a

fraqueza de não acasalar com Hunter que sua provação, ela pensou, mas realmente não a

fizeram parecer no seu melhor.

Não que ela fosse vaidosa nem nada, mas pelo menos não parecendo lixo teria sido

bom.

103
Ela rapidamente tomou conta das necessidades, escovou os dentes com esta escova de

dentes de qualquer maneira, e tentou controlar os cachos. Esperemos que Liam e Alec, que

ela só tinha conhecido vagamente, estivessem de volta com as coisas dela em breve.

Embora tivesse preferido usar suas próprias coisas, ela meio que gostava de usar as

roupas de Hunter. Isso fez as coisas muito mais... Íntimas. Além disso, tinha a sensação de

que ele gostava de ter seu perfume em cima dela. Pelo menos é o que ela pensava,

considerando como tinha reagido com Jason e toda a coisa marcação de perfume.

Ela atravessou o lugar de Hunter, tendo nos tons quentes e vividos no sentimento de

sua casa. Não era um apartamento de solteiro, mas um lugar onde poderia dizer que Hunter

se sentiu confortável. Além disso, não havia espaço para uma família crescer.

Ela congelou.

Ok, precisava voltar atrás esse pensamento um pouco.

Becca seguiu o cheiro de bacon para a cozinha e desmaiou sobre. Hunter ficou na

frente da cozinha nu, fazendo bacon e ovos no fogão, além de um par de jeans bem-vestido

que fez seu traseiro parecer como o céu.

"Você não tem medo de espirrar em seu peito?" Ela deixou escapar, em seguida,

fechou os olhos.

Teria desejado que um buraco se abrisse e a engolisse, mas desde que Jamie já tinha

estado no inferno, ela não queria arriscar toda a coisa fogo e enxofre.

Hunter virou a cabeça, com um sorriso no rosto. "Só vai queimar um pouco."

Ela revirou os olhos. "Tão viril de você."

"Eu tento. Quanto à gordura, eu me afasto antes que me queima. Reflexos rápidos e

tudo."

"Huh, eu nunca pensei nisso. Bom saber. Ah, e isso cheira celestial."

104
Ele estendeu a mão para ela, e ela se moveu em seus braços, sem outro

pensamento. Encaixava perfeitamente ao seu lado, algo que ela já sabia, mas gostava de

pensar de qualquer maneira. Ele deu um beijo no topo da cabeça dela e ela suspirou.

Era um caso perdido.

"Café da manhã está quase pronto. Você deseja obter o leite ou suco da geladeira?"

Ela apertou-lhe então se afastou, sabendo que o ato de domesticidade era um pouco

perfeito, mas gostou. "Com o que você está no humor?"

Ele levantou uma sobrancelha com as palavras dela, e ela corou. "Não é isso. Sabe o

que quero dizer. Suco ou leite?"

"Leite funciona para mim. Tenho o café também indo."

"Amo café. Sou uma viciada." Ela teve o leite para ambos indo com seu café, desde que

percebeu que precisava de cálcio para curar. Ou só poderia estar fazendo as coisas como ela

foi, mas iria com isso.

"É bom saber." Disse Hunter quando banhou suas refeições, e então foi até a mesa. Seu

olhar seguiu o caminho das longas linhas de seu corpo se movendo, e ela teve que arrancar

seus olhos fora.

Respostas em primeiro lugar.

Sexo depois.

Talvez.

Eles comeram em silêncio por um minuto ou dois. Hunter parecia o lobo que ele era ‒

voraz ‒ enquanto Becca, se apenas morreria de felicidade quando mordeu uma fatia de

bacon.

Sim, ela era uma viciada em bacon, mas não se importava.

"Você quer que lhe diga sobre o bando agora?" Hunter perguntou antes de tomar um

gole de leite. Becca observava a maneira como a garganta trabalhou quando ele engoliu em

seco, e ela quase se abanou.

105
Precisava conseguir um aperto em sua luxúria.

Rápido.

"Por favor, e não só porque eu estou aqui agora. Eu queria saber antes. Quero dizer,

quando estávamos indo nesses encontros, vi um vislumbre do homem, mas quero saber do

lobo também."

Hunter sorriu, e ela segurou fora o desmaio.

"Cada bando tem um Alpha e Beta. O Alpha, Josiah, lidera o grupo, mas não é tão

vocal quanto o Beta. Josiah tem de lidar com os outros bandos mais do que eu. Ele também

detém o bando junto por causa de sua força. O Beta, eu, lida com as coisas do dia-a-dia na

matilha. É o meu trabalho garantir que os membros do bando estejam tratando o outro com

respeito e de acordo com a hierarquia e me certificar de que não há uma resistência interna."

Becca acenou com a cabeça, absorvendo tudo o que ele disse.

"Há também o conselho." Sua voz tornou-se um rosnado baixo para isso, e ela

instintivamente estendeu a mão para segurar sua mão. Ele apertou de volta, em seguida,

continuou. "O conselho é formado por cinco famílias líderes do bando. Nem todas as

matilhas têm conselhos. O trabalho de nosso conselho é supostamente garantir a segurança e

aderência às regras que governam a todos nós do bando. No entanto, isso não está

acontecendo. Liam e Alec são membros do conselho e são as únicas coisas retendo o conselho

da ruína total. Os outros três, Dorian, Gregory e Alistair, querem assumir o bando. Eles

querem fazer do bando uma democracia, ou pelo menos mudar o Alpha. Lobos não

funcionam assim, e está prejudicando o nosso bando por causa disso."

Becca assentiu, apertando seu aperto na mão de Hunter. "Esses três são os três que

acha que me levaram, não é?"

Hunter assentiu, um rosnado baixo vindo de sua garganta. "Sim. Eles vão pagar. Por

isso e muito mais."

"Mais?"

106
"Liam, Alec e eu achamos que eles são os únicos que me mandaram para o inferno."

Becca engasgou. "Você acha que os lobos te traíram? Eu não tinha pensado sobre o

porquê você estava lá em primeiro lugar." Ela baixou os olhos. Por que não pensou que

alguém o havia enviado lá?

"Eu não estava lá por minha própria vontade. Acordei lá uma manhã, como se alguém

tivesse entrado em meu quarto e me levado para longe. Não me lembro de tudo. Como o

Beta do bando, eu deveria ter sido mais forte do que isso, mas não sei o que aconteceu."

Becca se levantou e colocou os braços ao redor dele, a necessidade de confortar

quando não sabia como.

Ele a puxou para o seu colo, inalando seu perfume. Podia sentir o ritmo acelerado de

seus batimentos cardíacos contra o lado dela, e ela o abraçou com mais força.

"Quando eu tinha ido embora, meu irmão mais novo, Samuel, tomou conta do meu

trabalho. Eles o mataram porque eu não estava aqui."

Becca engoliu em seco, as lágrimas ameaçando a se formar. "Estou tão, tão triste,

Hunter."

Ela o beijou suavemente, colocando toda a emoção, cuidado, e o que poderia ser amor,

nesse beijo. Ele abraçou-a, beijando-a de volta com cuidado absoluto, e quase a quebrou.

"Vou encontrar uma maneira de provar tudo isso. Sinto muito por trazê-la em uma

guerra que não estava preparada."

"Hunter, eu não estava pronta para qualquer coisa, mas sei que posso lidar com isso se

você está ao meu lado."

Ele a beijou de novo, e o calor de baixo na barriga ressuscitou, consumindo-a.

Hunter resmungou baixinho. "Você deve sair do meu colo, se não quer terminar isso,

minha Becca."

107
Ela olhou para os olhos amarelos dele e lambeu os lábios. "Sei que não posso voltar ao

que eu era. Não sei o que serei ou quem serei quando as coisas mudarem, mas estou pronta

para estar ao seu lado se isso acontecer."

Hunter rosnou suavemente. "Há algo que você precisa saber. Como Beta, sou obrigado

a ter uma companheira. Não quero que você pense que vou te levar, porque o conselho me

diz que eu preciso. Eu quero você, Becca."

Poderia ter sido à força do vínculo que ainda não havia se formado, ou que poderia ter

sido apenas o destino em si, mas ela não se importava. Queria esse homem, esse lobo.

"Você é meu, Hunter."

Ele sorriu um sorriso feral, em seguida, puxou para mais perto. "Como você é minha."

108
Capítulo Nove

O gosto de Becca na língua de Hunter era pura felicidade. Ela se sentou no colo dele,

seu pau pressionado contra sua bunda, e ele queria ficar com seu sabor para sempre. Ela

mexeu no seu aperto, e ele gemeu, seu pênis dolorido no contato.

Afastou-se, sem fôlego. "Se você continuar mexendo assim, vou gozar, e isso vai

arruinar a minha reputação."

Ela levantou as sobrancelhas, ele amava que ela não conseguia levantar uma de cada

vez, embora tentasse. "Você tem uma reputação? Devo perguntar?"

Ele mordeu o lábio, duro, então acalmou o ferrão com a língua. O pequeno suspiro de

ambas as ações foram direto para o pau dele. Conteve um gemido e se ajustou. "Ninguém

importa, exceto você."

"Boa resposta, amigo."

Ele sorriu, em seguida, mudou-se para que ela montasse sobre ele, seu pênis

diretamente contra seu calor, apenas a calça jeans e os moletons que ela usava entre eles. Ela

jogou a cabeça para trás e suspirou com o contato. Desde que deixou sua garganta muito

vulnerável, ele não poderia resistir inclinar para frente e lamber pelo pescoço, mordendo

suavemente na junção.

Um arrepio percorreu seu corpo, e ele rosnou. "Vou marcar aqui um pouco mais tarde,

quando minhas bolas estiverem profundas nessa sua boceta, suas paredes internas fixadas

em torno de mim enquanto você ordenha meu pau. Então estaremos acasalados de verdade,

nossa ligação cimentada."

Ela abaixou a cabeça, seu olhar vítreo já. "Isso deve soar estranho, mas maldição, eu

quero que você me morda."

"O prazer é meu."

109
Ele envolveu seu cabelo ao redor de seu punho e puxou. Ela deixou escapar um

pequeno suspiro que novamente foi direto para seu pênis, em seguida, balançou contra

ele. Puxou sua cabeça para o lado e chupou seu pescoço, precisando de seu gosto para

sempre em sua língua. Ele podia sentir seu calor abrasador através de seu jeans e sabia que

ela estava pronta para gozar logo que a tocasse, mas não queria que ela gozasse naquele

momento. Não, ele queria provocá-la.

Hunter estava com ela ainda em seus braços, com as mãos na bunda dela, e ela

engasgou. "Onde você está me levando?"

"Você vai ver." Rosnou.

Ele sentou na beirada da mesa e puxou a camisa sobre a cabeça. Ela mal tinha tempo

de reagir antes de sua boca estar sobre seu mamilo, sugando o botão apertado entre os

dentes.

"Jesus, Hunter. Você não puxa quaisquer socos, não é?" Sua respiração acelerou

enquanto falava, e ele poderia cheirar sua excitação.

Ah, sim, sua pequena companheira queria isso. Mal.

Deslizou seu mamilo para fora de sua boca, em seguida, beijou entre os seios. "Eu

nunca puxo socos. É quem eu sou, minha Becca. Sou um lobo. Eu luto, fodo, e faço todas as

bolas para fora."

Ela engasgou com as palavras dele, empurrando seu peito para cima sempre tão

pouco, que ele só tinha a lamber e chupar o outro mamilo. Vamos lá, ele estava lá. Ela tinha

sabor de frutas, doces, deliciosas bagas. Nunca tinha pensado em mamilos ou que uma

pessoa podia sentir tão doce, mas inferno, isto era maná.

Ele sentiu os dedos emaranharem por seu cabelo, pressionando-o mais perto de seus

seios, e sorriu. Ela balançou contra ele, então ele puxou de volta, a necessidade de ver o

desejo em seus olhos.

Não estava desapontado.

110
Lagoas negras de calor e luxúria encheram suas pupilas, deixando que apenas uma

pequena borda verde permanecesse. Não podia esperar para fazê-la perder tudo. Ela cairia

de joelhos e agitaria com a liberação.

Ele rapidamente se desfez do moletom que ela usava, amando que levantou a parte

inferior para ele, como se ela não pudesse esperar mais.

Nem ele podia.

Então ele se ajoelhou entre as pernas dela e abriu os joelhos afastados.

"Hunter..."

"Shh, Becca, deixe-me."

Ele viu seu aceno pelo canto do olho, mas não deixou o seu olhar deixar sua boceta

tão molhada, tão cor de rosa, tão... dele.

Ele só tinha que ter um gosto.

Lambeu em torno das bordas de sua vagina, deixando sua língua dardejar em seu

calor, em seguida, novamente de volta para brincar e seduzir. Deixou suas mãos deslizarem

até as coxas, em seguida, colocou uma mão no quadril para mantê-la firme e deixar a outra

deslizar para sua boceta. Pressionou seu polegar sobre o capô de seu clitóris, em seguida,

esfregou círculos duro em torno dela, sem tocá-lo diretamente. Ela gemeu e tentou empurrar

mais perto, mas a outra mão a mantinha ainda.

"Hunter, por favor, é demais."

"Ainda não, Becca." Ele gemeu, chupando e lambendo sua boceta. Porra, seus sucos

saboreavam ainda mais doce do que seus mamilos, como xarope com mel, perfeito para a sua

língua.

Ele deu ao seu clitóris uma vez, amando o jeito que a bunda dela disparou para fora

da mesa, em seguida, pressionou seu quadril para baixo novamente antes de esfregar mais

em torno de seu clitóris. Repetiu este processo mais e mais, mantendo a boca na boceta dela

e, finalmente, ela gozou com força contra seu rosto.

111
Gritou seu nome, suas paredes internas fixando em torno de sua língua e ele

continuou a lamber, precisando que fosse à beira de novo antes que fizesse qualquer outra

coisa. Ela se contorceu e ele rodou todos os seus sucos, não querendo perder uma gota.

Ele finalmente beijou o interior de ambas as coxas, em seguida, levantou com as

pernas trêmulas. Seu pênis esticava seu zíper, e tinha um sentimento se ele não tirasse teria

marcas de dentes permanentes em seu pau.

"Querido. Senhor."

Hunter riu de suas palavras sem fôlego, em seguida, pegou-a e levou-a para o

quarto. Ela preguiçosamente colocou os braços ao redor do pescoço dele e descansou a

cabeça em seu ombro. Ele ficou apenas um pouco mais apaixonado por ela pela fácil

confiança, e seu lobo rondava abaixo da superfície na necessidade de marcar e acasalar.

Ele a colocou na beirada da cama, em seguida, retirou seus jeans. Seu pênis balançava

contra sua barriga, e ele sorriu com a reação dos olhos arregalados de Becca.

"Isso é tudo meu?" Ela sorriu, mas não moveu o olhar do seu pau.

Hunter jogou a cabeça para trás e riu em seguida, caminhando em sua direção e

segurou seu rosto, forçando-a olhá-lo.

"Todo seu. Tudo o que eu tenho é seu, bebê."

Ela sorriu então se inclinou para frente, lambendo a cabeça de seu pênis.

Um choque de luxúria fechou-lhe a espinha, e ele gemeu. "Puta merda, tudo bem, não

faça isso. Se você me tocar, não vou durar muito mais tempo, e preciso marcá-la. Agora."

Sua boca curvou-se num sorriso, e ela se recostou em seus braços, os seios saltando um

pouco quando fez isso.

"Você não é divertido."

Hunter estreitou os olhos e soltou um grunhido suave. "Vou te mostrar divertido,

minha Becca."

112
Cuidadosamente, no caso dela ainda estar dolorida, ele rapidamente sentou-se na

beirada da cama e mudou-a no seu colo para que o encarasse. Seus joelhos estavam em cada

lado de suas coxas, sua boceta correndo contra seu pênis. Ele tinha estado através de tortura

antes, mas esta doce versão requintada tinha que ser sua favorita.

Ela colocou as mãos em seus ombros, seu olhar nunca deixando o seu.

"Você está pronta para isso?" Perguntou ele. Mesmo que pudesse matá-lo parar, ele o

faria. Isso não seria um acasalamento normal. Nenhum preservativo entre eles e controle de

natalidade não funcionaria em seu primeiro acasalamento, não quando estava em jogo mais

do que a biologia apenas simples. Se o destino quisesse que um bebê viesse de seu vínculo,

em seguida, ele o faria.

Logo iria afundar os dentes em seu ombro, e teriam o vínculo totalmente, tornando-se

companheiros para a vida, não era algo que poderia ser mudado ou tomado de ânimo

leve. Queria isso mais do que qualquer coisa, mais do que ele pensava. O conselho pode

querer que ele encontrasse uma companheira, mas esperaria mais tempo para formar a

ligação se era isso que Becca queria.

Este acasalamento também mostraria seu novo lado sobrenatural a Becca, algo

assustador como o inferno a um ser humano, ele pensaria.

Tudo seria diferente.

Não se importava.

Ele a queria, e esperava pelos deuses que ela quisesse isso, o quisesse.

Becca moveu as mãos em cima dos ombros para enquadrar seu rosto. "Eu quero

isso. Quero um futuro. Deixe-me te amar, Hunter."

Ele respirou em suas palavras, em seguida, agarrou seus quadris para levantá-la na

posição. Quando seus olhares se encontraram, ele lentamente deslizou-a para baixo. Ela

suspirou, com os olhos arregalados, sua respiração vinda em ofegos com a intromissão. Sua

respiração combinou com a dela quando seu calor sedoso cercou seu pênis em bela agonia.

113
Finalmente, ela sentou-se em suas coxas, pele a pele, seu pau totalmente em sua

vagina. Deixou-a sentar-se ali por um momento, enquanto ambos ajustavam para o

sentimento. Ele tinha que se concentrar duro para não chegar lá.

"Monte-me, Becca."

Ela piscou, então lentamente sorriu. "Achei que seria o cara que queria o controle."

Ele resmungou baixinho e mordeu o lábio. Quando sua boceta apertou em torno de

seu pau, ele respirou fundo. Sua pequena companheira gostava de morder.

Bom saber.

"Eu amo controle. Terei tudo isso. Agora, porém, quero ver você me montar. Quero

ver seus seios saltarem quando se mover. Quero que você goze ao redor do meu pau, seus

sucos deslizando em torno de nós, escorregadia e molhada. Então, só então, vou retomar o

controle e fodê-la duro e muito antes de acasalar com você."

"Sim." Ela sussurrou.

Ele sorriu, em seguida, respirou fundo enquanto ela se movia. Ela revirou os quadris,

em seguida, deslizou para cima e para baixo de seu comprimento. Hunter passou a mão até o

lado dela, em seguida, segurou-lhe o peito, mesmo quando ela se moveu, a necessidade de

tocá-la. Montou-o duro, e concentrou-se em seus seios e seu prazer para que não

gozasse. Como um lobo, ele poderia ir mais de uma vez em uma sessão de sexo, mas queria

gozar pela primeira vez que a marcasse como sua.

Chame-o sentimental.

Becca fechou os olhos enquanto montava, e ele deslizou a mão abaixo de sua barriga

para acariciar seu clitóris. Com apenas um movimento que ela estava fora de novo, gozando

duro em torno de seu pênis.

Ele cerrou os dentes para que não gozasse em sua boceta apertada. Seu corpo tremia,

com a cabeça jogada para trás, e porra, ela era a coisa mais linda que já tinha visto. Enquanto

114
ainda estava montando a subida, ele puxou para fora, então a colocou de joelhos sobre a

cama. Ainda estava caindo para a cama quando ele bombeou por trás dela.

"Puta merda." Ela respirou.

Ele sorriu em seguida, agarrou seus quadris, pistoneou nela. Ela se inclinou para

frente e agarrou os lençóis da cama e seu olhar seguiu a longa fila das costas. Suor irrompeu

sobre cada um deles, mas ainda assim, fodeu duro.

Não, não fodia, isso era algo mais. Ele já sentia a construção da conexão, já sentia o

calor que era algo mais do que apenas uma reação química.

Isso... Isso era tudo.

Ele bombeava nela e ela moveu a bunda para trás, como se estivesse precisando de

mais dele. Arrepios começaram na base de sua espinha, e suas bolas apertaram. Sabia que

não tinha muito tempo até que gozasse.

Ele se inclinou a frente para que seu peito estivesse contra as costas dela. Ela virou a

cabeça, e ele capturou seus lábios em um beijo ardente.

"Minha." Ele rosnou.

"Sua." Ela sussurrou, seu olhar vítreo.

Ele bombeou nela mais uma vez, duro, em seguida, mordeu seu ombro. Ela gritou de

felicidade e ele gozou.

Ele jorrou em sua vagina, seu pênis latejando e sentiu a pressão do vínculo de

acasalamento no lugar. Não era uma obrigação que lhes deu pensamentos da outra pessoa e

sentimentos mais íntimos, mas sim uma conexão sólida com outro ser.

Hunter deslizou seus dentes para fora de seu ombro, em seguida, lambeu a ferida. Ela

já tinha começado a cura de seu toque, mas o sinal estaria ali para sempre. Mudou-se para

colocar-se ao seu lado, seu pênis ainda dentro dela e puxou Becca perto de seu peito.

"Becca?"

"Eu estou aqui." Ela murmurou, sua voz pesada, calmante.

115
"Você está bem?" Sabia que tinha sido duro, mas inferno, esperava que ele não a

tivesse machucado.

"Eu estou... perfeita." Sussurrou, e ele podia sentir o sorriso em sua voz.

Ele sorriu de volta, contente pela primeira vez em sempre e beijou-a na marca de

acasalamento.

Ela engasgou com a sensação e ele lambeu a marca novamente.

"Pare de fazer isso. Eu não posso gozar de novo.”

Ele riu, mas moveu os lábios para trás, não querendo dominá-la mais do que já tinha.

Ele a puxou e quase teve que virá-la para encará-lo quando ela congelou, sua espinha

enrijecendo.

"Becca?"

Ele rapidamente se inclinou sobre ela e seu corpo começou a tremer, os olhos rolando

para trás em sua cabeça.

"Becca!"

Ela agarrou debaixo dele e seu corpo começou a brilhar com tom dourado que

rapidamente mudou para um tom verde e vice-versa. Ele a puxou perto, para que ela não se

machucasse.

Porra.

Ambrose e Balin tinham mencionado que a mudança iria acontecer logo depois que

ela fizesse amor com a sua metade verdadeira, mas não esperava que fosse dramático... Isto

era doloroso para ela. O que ele faria? Não queria machucá-la, e, agora olhar para o que

estava acontecendo.

Depois do que pareceu uma eternidade, ela parou a apreensão, e o brilho dourado e

verde desbotou. Ele empurrou o cabelo para trás de seu rosto e olhou por cima do corpo para

detectar quaisquer sinais de ferimentos ou no que ela tinha se transformado, mas não podia

dizer nada.

116
Ele respirou fundo e seu aroma picante misturado com algo novo encheu suas

narinas. Ele franziu a testa, em seguida, inclinou-se para dar mais um fôlego.

Leprechaun2.

Sua companheira era um leprechaun.

Ele sorriu com o pensamento.

Bem, isso era novo.

Becca agitou os cílios, então olhou para ele. "O que aconteceu?"

Hunter a beijou suavemente, a necessidade de assegurar-se de que ela estava bem.

"Nós acasalamos, e você mudou, querida."

Ela engoliu em seco, em seguida, olhou para si mesma, por qualquer parte que ela

pudesse ver como ele ainda estava atualmente inclinando-se sobre ela.

"O que eu sou? Não vejo nada de diferente."

Hunter sorriu então se sentou entre suas pernas, para que pudesse puxá-la no seu

colo. Ela se inclinou em seu aperto e ele agarrou-a com mais força. "Você é um leprechaun."

Becca puxou para trás e piscou. "Quer dizer o carinha na caixa de cereal que tem um

pote de ouro, gosta de arco-íris e é uma sorte?"

Hunter bufou. "Não, não é assim, da mesma forma que eu não sou um adolescente

angustiado ou algum estranho metade-homem metade-lobo de filme rejeitado."

Becca riu, e um pouco da tensão aliviou a partir dela, exatamente o que ele queria.

"Então, o que isso significa? Por que não sou diferente? Sinto-me como se eu tivesse

sido enganada ou algo assim. Lily e Jamie têm impressionantes novas aparências, e eu ainda

sou eu."

117
Seu aperto apertou e ele beijou-a com força. "Você ainda é você e eu gosto do jeito que

você é. Leprechauns, como todos os sobrenaturais, são diferentes. Você vai brilhar dourado

quando aumentarem as emoções, por isso vamos ter de controlar isso. Também vai ter um

pouco de magia, eu acho. Vamos ter que perguntar ao redor disso. Ah, e você será capaz de

se teletransportar."

Ele sorriu quando seus olhos se arregalaram com essa última observação.

"Sério? Inferno, sim. As outras meninas não podem fazer essa última parte."

"Está vendo? Você vai gostar." Embora tivesse uma espécie de desejo que fosse acabar

como um shifter, este novo desenvolvimento era bom. Ele seria capaz de ajudá-la através de

cada passo que aprendesse de quem e o que ela era. Como sua companheira, estaria ao seu

lado e seria seu protetor.

Seu lobo caminhava dentro dele, ansioso para proteger, mas feliz com sua segurança,

no entanto.

Quando Becca aprendesse controle, seria capaz de proteger-se melhor assim. Ela não

só será capaz de se teleportar para longe do perigo, mas também usar sua força para lutar. Os

outros lobos não seriam capazes de prejudicá-la, quando ele não pudesse estar ao seu lado.

Ele acalmou nessa ultima parte.

Sim, isto era o melhor.

"E a minha sorte embora?" Perguntou ela. "Quer dizer, eu tropeço em tudo em meu

caminho e corro em paredes e portas mais frequentemente do que não. Como diabos serei

essa coisa de ouro da sorte?"

Hunter bufou. "Bebê, acho que você é apenas uma desajeitada. Não acho que ser um

leprechaun terá qualquer impacto sobre isso."

Becca estreitou os olhos, em seguida, inclinou-se para morder o lábio. Ele endureceu,

consciente de que ela se comportou como sua companheira, brincalhona e territorial.

Seu lobo uivava, e ele quase entrou dentro.

118
Ah, sim, ele ia gostar de estar acasalado.

Hunter emoldurou seu rosto e trouxe os lábios nos dele. Deus, ele queria uma mulher,

e agora ela era dele. Seu lobo já a amava. Ela poderia ter sido mais fraca do que ele, mas seu

espírito era forte. O homem embora... Ele a ama? Hunter sabia que a queria, a admirava,

respeitava e gostava dela. Foi um dado, no entanto. Certo?

Tinha uma sensação de que ele foi bem em seu caminho para ser totalmente

apaixonado por ela.

Esta foi sua companheira, seu futuro, sua vida.

Faria tudo e qualquer coisa para protegê-la.

Mesmo lutar contra o bando que ele lutou tanto para voltar.

119
Capítulo Dez

Se mais uma pessoa esbarrou nele e Becca novamente, Hunter poderia ter rosnado

para seus companheiros de matilha.

Novamente.

Andando pela cova deveria ter sido, literalmente, um passeio no parque.

Nem tanto.

"Por que eles todos ainda estão olhando para mim?" Becca perguntou quando se

inclinou para o lado dele.

Hunter estreitou os olhos para alguns dos lobos que não poderiam manter o fascínio

da nova companheira do Beta fora de seus rostos. Fazia pouco mais de um mês, uma vez que

tinham acasalado, e o bando ainda não tinha se acostumado a sua presença diária.

Os dois caíram em uma rotina dentro do bando. Em outras palavras, eles passaram a

maior parte do tempo na cama, no sofá, no chuveiro, ou em cima da mesa deixando o desejo

de acasalamento montá-los. Eles também tinham se conhecido um pouco mais, embora

soubesse que Becca tinha mais a dizer a ele sobre seu passado.

Isso viria, embora.

Não tinham deixado a cova, mesmo que ele quisesse ter certeza, que ela soubesse, que

tinha uma escolha. Ela insistia em permanecer ali para ficar e saber como o seu mundo

funcionava. Queria mergulhar com os lobos e aprender tudo o que podia. Então, mais tarde,

prometeu que iria voltar para o mundo humano, onde ele poderia aprender sobre a vida

dela. Dante já tinha prometido que cuidaria do seu trabalho e casa, pelo que não era um

problema. Apesar de suas amigas terem saudades dela, ele sabia que iam recebê-la de volta

assim que ela estivesse pronta.

120
Grandes mudanças, como um novo acasalamento, novas espécies, e ser sequestrada

precisava de tempo para se adaptar, e ele tinha uma sensação de que ela não estava pronta

para enfrentar suas amigas com tudo isso, até que fosse resolvida. Seu trabalho era para se

certificar de que ela se sentia segura enquanto se concentrou, e até agora, estava funcionando.

Logo, porém, eles iriam para o reino humano, e teria que ser o único que teria olhares

e olhares estranhos.

Ele estaria pronto enquanto Becca estivesse ao seu lado.

Becca também tinha feito amizade com Liam, Alec e, sem surpresa, Leslie. Ele tinha a

sensação de que Leslie seria parte de suas vidas, mesmo que fosse em um papel pequeno de

irmã. Leslie poderia ter sido algumas décadas mais velha que Becca, mas Becca a tinha

levado para a irmã mais velha perfeitamente. Dorian, porém, tinha sido um problema. Não

um grande problema considerando que os três membros do conselho foram mantendo as

coisas calma recentemente, mas um problema, no entanto. O lobo não gostava de partilhar

sua irmã e, francamente, estava pisando em gelo fino.

Liam, Alec e Hunter não tinham sido capazes de provar que os membros do conselho

tiveram algo a ver com o sequestro de Becca. Tudo o que tinham recolhido era uma mistura

de aromas contaminados e o fato de que tinha estado no porão de Lloyd. No entanto, uma

vez que tecnicamente Lloyd tinha abandonado os abrigos anos atrás, segundo ele, qualquer

um poderia ter entrado e usado para incriminá-lo.

Hunter não poderia fazer justiça, se não tinha provas. O bando não ficaria por isso,

não quando eles já estavam em crise e instáveis.

"Hunter?"

A voz de Becca trouxe-o para fora de seus pensamentos, e se inclinou para beijá-la na

têmpora. Ela mudou-se para seu lado e estremeceu.

"Eles estão olhando, porque estão com inveja que eu tenho você e não a tenham."

121
Becca bufou então revirou os olhos. "Claro, querido e depois que eu vou tomar um chá

com o coelhinho da Páscoa." Ela fez uma pausa. "Espere, há shifters coelho?"

A pessoa passando-lhe deu um olhar como se Becca fosse louca, mas riu com Hunter

de qualquer maneira.

"Não, sem shifters presas. Apenas os predadores." Bem, tanto quanto ele sabia. Não

poderia ter estado mais lá fora, considerando a maioria dos sobrenaturais tinham muito

segredo sobre quem eles eram e o que poderiam fazer, mas Hunter não achava que foi o caso

aqui.

"Vamos lá, você sabe que teria sido bonito ver minúsculos coelhos com dentes

pontudos."

Hunter revirou os olhos. "Você está vendo agora muitos filmes que fornecem

expectativas irrealistas. Além disso, se houvesse shifters coelho, eu teria encontrado. Afinal,

coelhos têm um gosto incrível."

Becca congelou em seguida, bateu-lhe com força no braço. Outros olhavam para ela

como se estivesse louca por bater no Beta, mas superaram isso. Ela era sua companheira, pelo

que podia fazer o que quisesse com ele, desde que conseguisse dormir ao seu lado durante a

noite.

"Isso não é tão engraçado, Hunter Brooks. Eu não posso acreditar que você comeu

Thumper3."

"Eu comi Bambi e sua mãe também." Brincou.

Becca enfiou o dedo na boca e fingiu vomitar. "Graças aos deuses que não me

transformei em um shifter." Ela estremeceu e olhou ao seu redor. "Eu só estou dizendo que

não poderia tolerar isso. Desculpe, eu amo vocês."

3
Thumper é um personagem fictício coelho de filmes de animação da Disney Bambi e Bambi II. É o

Tambor.

122
A maioria dos lobos ao seu redor apenas riu, sabendo o que ela queria dizer. Alguns

outros, porém, os lobos do lado de Dorian, olharam. No entanto, eles sempre olhavam, e isso

não era novidade.

"Você se acostumaria à caça, se fosse um lobo." Liam falou lentamente, quando veio

para o seu lado, Alec logo atrás dele.

Becca mostrou a língua em seguida, realizou seus braços abertos. Liam deu um passo

em direção a eles e deu-lhe um forte abraço. O abraço de Alec era um pouco mais suave, mas

tão fraternal. Hunter não teve um problema com qualquer um de seus amigos, abraçando ou

tocando-a, contanto que mantivesse platônico. Eram do bando, e o mais próximo de seus

amigos, por isso só fazia sentido que eles gostassem de trazer Becca em suas dobras. Becca

parecia amá-lo, e podia dizer a partir de seu perfume que era como se estivesse abraçando

Dante ou Shade ou a tríade− que só gostava como amigos.

Ocorreu a Hunter que ele pode ter que se desculpar com o dragão por sua atitude, mas

sabia que não iria acontecer. Hunter foi um pouco demasiado dominante para lidar com

curvar-se a um dragão.

Mesmo aquele que passou a ser o melhor amigo de sua companheira.

"Eu ainda não sei como usar magia ou teletransporte." Disse Becca. "Deixe-me lidar

com isso em primeiro lugar, então talvez eu vá me acostumar a vocês comendo bebês

coelho."

Liam colocou sua mão sobre o peito e fingiu choque. "Nós nunca dissemos bebês."

Hunter puxou Becca em seus braços e beijou o topo de sua cabeça. "Nós não comemos

bebês, seu idiota."

Ela inclinou a cabeça para que pudesse sorrir para ele e ele riu. "Oh, eu sei. Eu só gosto

de ver Liam exagerar."

Alec revirou os olhos. "Ele faz isso muitas vezes."

"Eu não." Liam resmungou, cruzando os braços sobre o peito dele.

123
Hunter apenas balançou a cabeça e abraçou Becca apertado. Sabia que eles deveriam

se mover para o lado e sair do caminho, considerando-se que parados no meio pareciam um

pouco estranho, mas não sentia como se mover. Eles poderiam ter estado no centro da cova

com as pessoas andando à sua volta, mas não se importava se estava exibindo mais carinho

do que o normal. Ele tinha sua companheira em seus braços e seus melhores amigos ao seu

lado.

O que mais ele poderia querer?

"Há essa sua companheira deliciosa." Disse uma voz atrás deles.

Hunter rosnou, virando-se para Dorian e puxando Becca atrás dele. Fisicamente, ela

poderia ter sido mais forte do que tinha sido como um ser humano, mas ela não podia

controlar todas as suas novas forças e poderes ainda. Nem ela mesma sabia quem todos eles

eram. Até agora, tudo o que podia fazer era abrir um pote de alho com mais facilidade e

pegar peças de mobiliário com relativa facilidade. Esses poderes, no entanto, oscilavam na

força que ela estava aprendendo a usá-los.

Tinha sido uma experiência.

Eles estavam pensando em reunir com seu novo povo e conselho em breve para que

pudesse aprender. Isso, porém, não lhes faria nenhum bem no momento.

"O que você quer, Dorian?" Ele perguntou, sua voz tão calma como poderia fazê-la.

Dorian sorriu como o canalha que ele era, então, levantou uma sobrancelha. "Tudo que

estou fazendo é que elogiar sua companheira. Afinal, nós, o conselho, fomos os únicos que

lhe dissemos para acasalar com ela, em primeiro lugar."

O aperto de Becca apertou a mão dele, e ele teve que se conter de matar Dorian logo

ali. Felizmente Hunter tinha explicado a Becca de antemão exatamente o que Dorian quis

dizer com isso, mas ainda não ajudou. Ele sabia Becca teve problemas para lidar com a mão

do destino em seu acasalamento, e muito menos um conselho de lobos arrogantes que

tiveram um motivo, Liam e Alec excluídos, é claro.

124
Becca inclinou-se em torno dele, fazendo com que seu lobo subisse à superfície, com

raiva por ela colocar-se em qualquer tipo de perigo. "Obrigada pelo elogio, eu acho. No

entanto, eu sei que você não teve nada a ver com o nosso acasalamento, além de tentar ficar

no caminho dele. Então... Obrigada. Terminamos?"

Hunter sorriu e apertou a mão de sua companheira quando a empurrou para trás. Ele

gostava desse lado mal humorado dela. Ela pode não ser um lobo e ter a capacidade de jogar

o jogo de dominação, mas não era influenciável por qualquer trecho da palavra.

Deus, ele a amava.

Ele diria a ela isso... eventualmente.

O sorriso de Dorian perdeu um pouco de sua borda, e fúria encheu seu olhar. Alec e

Liam foram em ambos os lados de Hunter, ainda protegendo Becca, mas seu Beta estava

bem. Hunter não queria isso para descer em uma luta, mas pode não ter outra escolha, não

quando Dorian era tão volátil como ele era.

"Sua pequena leprechaun não será capaz de se esconder atrás de suas saias por muito

tempo." Dorian cuspiu. "Lembre-se, ela vai ter ser forte para agir como companheira do

Beta. Se não..." O outro lobo deu de ombros. Os músculos de Hunter contraíram prontos para

atacar o bastardo. "Se não, bem, acho que destino terá que fornecer outra companheira para

você. Afinal, qual uso de uma companheira morta?"

Hunter queimou, suas garras cavando no ombro de Dorian antes que o outro lobo

pudesse piscar. Hunter tinha a outra mão enrolada em volta do pescoço do bastardo,

cuidando para não cortá-lo e fazer com que o homem sangrasse muito rapidamente.

Dorian engoliu em seco, esse pouco de medo não era facilmente escondido até ele

piscou, fúria substituindo-o. "Calma, calma." Dorian sufocou.

"Chegue perto dela de novo e vou estripar você onde está. Está vivendo agora só

porque é do conselho." Mesmo que não estivesse segurando, Hunter voltou para muito

125
mais. A ideia de que o conselho pensava que poderiam atacar sua companheira e mantê-la

cativa fez sua pele arrepiar. O conselho tinha muito poder e Hunter não aguentava mais.

Ele pode destruir o tecido de seu bando derrotando o conselho, mas estava em seu

melhor interesse.

Ele só esperava que o bando visse desse jeito.

Ele lançou Dorian, deixando o outro lobo cair de joelhos, em seguida, levantar-se. "Vá

para casa, Dorian."

Dorian bufou depois se afastou, os seus companheiros fugindo atrás dele como

cachorrinhos perdidos.

Pequenos braços em volta de sua cintura e ele deixou lavar o cheiro de Becca sobre

ele. Ela acalmou seu lobo, mesmo através da névoa escura.

"Vamos para casa." Ela sussurrou. "Eu prefiro estar apenas em seus braços agora."

Ele virou-se e ergueu-a nos braços como se ela queria. Deixou a testa contra a dela,

precisando dessa âncora. A escuridão tentou tomar posse como se tinha todos esses anos no

inferno, mas ele era mais forte agora.

Ou pelo menos tentou ser por Becca.

Ela era a pessoa que o puxou para fora, quando precisava. Só esperava que ele não

dependesse exclusivamente dela para manter seu lobo e demônios interiores em cheque.

Com um aceno a Liam e Alec, ele caminhou de volta para sua casa com sua

companheira em seus braços. Na realidade, era mais de sua casa no momento. Ele sabia que

o sequestro e ameaças subsequentes a tinham obrigado a se mover mais rápido do que

gostava, mas tomaria o que poderia conseguir. Eles foram acasalados, um vínculo mais

profundo do que o casamento e foram vivendo juntos. Foram lentamente começando a

conhecer um ao outro, mas sabia que tinha muito mais o que falar.

126
Quando ele a colocou sobre seus pés em sua sala de estar, Becca revirou os

olhos. "Você sabe, quando eu disse ‘em seus braços’, eu realmente não quis que você tivesse

que me levar para fora de lá."

Hunter deu de ombros. Ele gostava de tê-la em seus braços. Por que se preocupar em

deixá-la passear, quando poderia levá-la e mantê-la perto. Confiou que Liam e Alec assistiam

suas costas, então ele não precisa manter os braços livres.

"Sabe que a única razão de eu deixar você fazer isso, foi para que não tivesse que lidar

com o olhar furioso de Dorian, se eu quisesse para baixo."

Ele franziu as sobrancelhas. "Você queria ficar longe de mim?"

"Sério? Isso é o que você tem disso?" Ela bateu o pé, a sua falta de paciência em seu

entendimento das mulheres evidentes.

"Explique o que você quis dizer então."

Ela jogou as mãos no ar, embora ainda sorrisse. "Quero dizer, oh homem Alpha, que

eu posso andar sozinha. Não sou uma donzela em perigo." Suas sobrancelhas franziram. "Ok,

então eu tive uma ou duas vezes desde que você me conheceu, mas estou tentando não

ser. Gostaria de estar em seus braços, mas você não tem que me levar em torno como uma

criança. Eu só deixei você fazer isso, de modo que Dorian não fosse um burro sobre isso."

Ele adorava a maneira como seus olhos verdes brilharam quando ela era apaixonada

por alguma coisa, seja sua opinião ou quando eles estavam fazendo amor. Seu cabelo

desenvolvia ao redor de sua cabeça, como se fosse tão selvagem quanto ela.

Deus, ele a amava.

"Eu amo você, Becca."

Becca congelou, e Hunter amaldiçoou. Sabia que ela não estava pronta para ouvir

isso. Ela tinha sido humana toda a sua vida, e sabia que ela tinha sido ferida no passado. Não

lhe tinha dito como, mas ele tinha a sensação de que era ruim. Era um lobo, ou seja, quando

ele encontrou sua companheira e encontrou coisas que gostava dela, ele se apaixonou.

127
Rápido e duro.

"O que... que... o que foi que você disse?" Sua voz tremeu, e ele engoliu em seco.

Maldito ele e seus impulsos. Deveria ter mantido esse sentimento para si mesmo até

que ela estivesse pronta. O gato estava fora da bolsa, porém, e não poderia levá-lo de volta,

não sem confusão e até machucá-la.

"Eu amo você, minha Becca. Você não tem que dizer nada de volta, mas achei que

gostaria de saber os meus sentimentos. Desta forma, não há confusão sobre a forma como me

sinto sobre você."

"Hunter... eu... eu não sei o que sinto. Quero dizer, maldição, eu gosto tanto de

você. Gosto de estar com você. Quero estar com você. Nós somos acasalados, e eu sei que isso

é para sempre, mas as palavras? Não sei se posso dizê-las. Quero dizer, ainda não. Inferno,

eu pareço uma idiota. Sinto muito."

Embora a dor arqueando sobre o peito doesse como o inferno, ele a puxou para seus

braços, inalando seu perfume. Sabia que ela o amava, porque não teria dito sim para sempre,

sem sentir. Mas dizendo as palavras que talvez nunca tivesse sido ditas a ela em primeiro

lugar, além de suas amigas e sentir essas sensações estranhas eram duas coisas diferentes.

"Leve o seu tempo. Não vou a lugar nenhum."

Ela assentiu, envolvendo os braços ao redor da cintura.

"Não sou boa nessa coisa de amor, Hunter. Quer dizer, nunca tive o que um filho tem,

sabe?"

Ele não sabia porque, ela nunca lhe falou sobre seu passado em detalhes antes, mas

balançou a cabeça de qualquer maneira, deixando-a falar. Queria tomar em cada pedaço de

informação que poderia ter dela, mesmo que fosse em pequenos lotes que teria que juntar

mais tarde.

Puxou-a para o sofá, onde ela se aconchegou ao seu lado como se sempre estivesse lá.

128
Ela soltou um suspiro, em seguida, revirou os olhos. "Eu juro que é clichê. Meu pai nos

deixou quando eu era um bebê. Aparentemente, ser um pai e marido, ou namorado desde

que eu ainda não tenho certeza se eles eram mesmo casados, para começar, foi demais para

ele. Que eu e minha mãe saímos, e, bem, minha mãe não era a mãe mais carinhosa ou

interessada lá fora. "

Raiva agitou na barriga ao pensar nela sendo deixada para trás pelo homem que

deveria tê-la valorizado e cultivado. Seus pais podem ter morrido quando ele era mais jovem,

mas, antes que tivessem, ele sabia que o amavam. Ele tinha a sensação de que não gostaria de

ouvir mais sobre o quão ‘não amada’ por sua mãe, mas permaneceu em silêncio, esfregando

pequenos círculos em suas costas.

"Não é como se ela me deixou passar fome ou me batesse, nem nada. Conheço um

monte de crianças que tiveram piores. Mamãe nunca manteve um emprego por muito tempo

e tinha muitos homens em sua vida para contar. Ela costumava me dizer que a única maneira

de fazê-lo como uma mulher neste mundo era para ser forte, o suficiente para saber quando

confiar em um homem para alguma coisa." A última parte saiu atada com a amargura, e ele

não a culpava. "Nós sempre tivemos comida na mesa, às vezes era escassa, mas

funcionava. Os homens embora..." Ela engoliu em seco e ele a puxou para perto.

Raiva arranhou nele, seu lobo subiu, mas se conteve, precisando que ela terminasse a

sua história antes de ir para fora e arrancar cabeças.

"Eles nunca me tocaram, se é isso que você está pensando."

"Diga-me." Ele rosnou, em seguida, engoliu em seco para manter seu lobo na baía.

"Quando cheguei à minha adolescência e desenvolvi seios, alguns dos homens de

minha mãe começaram a prestar mais atenção em mim do que ela. Ela ficou chateada e me

deu um tapa algumas vezes, mas não havia nada que eu pudesse fazer. Não era como eu se

pedi, você sabe? Era muito jovem para sair de qualquer maneira, e queria terminar a

129
escola. Então, bem, mãe tinha um novo cara que queria fazer mais do que apenas olhar

lascivo."

O aperto de Hunter apertou na cintura, mas ele não confiava em si mesmo, por isso

não disse nada.

"O cara colocou as mãos sobre mim, mas eu fui mais rápida. Dei uma joelhada nas

bolas, e quando fui dizer à minha mãe o que aconteceu, ela não acreditou em mim. Ela me

deu um tapa de novo e me chamou de prostituta. Então, me chutou para fora. Eu tinha

dezessete anos na época, tinha pelo menos idade suficiente para terminar a escola e ficar com

amigos. Então, quando me formei, bem, não havia outro lugar para ir. Felizmente me deparei

com um sinal de ‘precisa-se’ em Dante."

Parecia que ele devia ao dragão mais do que um pedido de desculpas.

Merda.

"Hunter?"

"Não vou perguntar o nome do homem que lhe tocou, porque matar seres humanos

nos levaria em problemas, no entanto, estou feliz que você saiu de lá quando fez."

Ela balançou a cabeça, em seguida, beijou sua mandíbula. "Estou feliz

também." Tomou uma respiração profunda. "Eu... eu também te amo, Hunter."

Ele piscou. "Realmente?"

"Realmente, mas não deixe que me assuste, ok?"

Ele balançou a cabeça, em seguida, puxou para mais perto. Ela mexeu então sentou em

seu colo, seu pênis diretamente sobre o calor dela.

Sua boca encontrou a dela num piscar de olhos, a língua enrolando, seus dentes em

choque. Enquanto antes eles tinham começado suave e terminaram duro e rápido, agora ele a

queria debaixo dele, sobre ele e seu pau enterrado em seu calor.

Tirou a blusa, então gemeu quando ela se afastou para se levantar e tirar suas

calças. Seguiu e puxou-a para baixo sobre seu pênis. Ambos gemeram com a sensação, sua

130
boceta apertando ao redor dele. Ele tinha cheirado sua excitação e sabia que ela estava

molhada antes de entrar nela, mas merda, da próxima vez que ele teria que usar um pouco

mais de finesse.

"Isso será rápido, Becca. Acho que não posso durar muito tempo."

Ela sorriu então congelou. "Merda. A camisinha."

Ele piscou, então agarrou seus quadris para erguê-la fora dele. Iria matá-lo, mas tinha

uma sensação de que ela não estava pronta para crianças, se isso viesse a acontecer. Eles

estavam se esquecendo de usar camisinha depois de seu primeiro acasalamento, mas porra,

ele perderia a sensação dele nu dentro de seu calor.

Ela agarrou seus pulsos, parando-o. Poderia ter quebrado o aperto mais de mil vezes,

mas só o leve toque iria congelá-lo.

Qualquer coisa por ela.

"Vamos usar uma próxima vez." Ela sussurrou e Hunter tentou conter o calor em seu

peito. Ele era um lobo, um forte nisso. Não poderia ser pavimentado pela conexão a uma

mulher.

Foda-se, tudo bem, ele poderia ser.

Apenas por ela.

"Você sabe que nós não compartilhamos doenças, mas Becca, poderíamos fazer um

bebê. Está bem com isso?" Seu pênis ainda estava enterrado dentro dela, então não podia

acreditar que estava realmente formulando frases neste momento.

"Estou pronta para cair nessa borda e estar com você plenamente."

Ele bufou, em seguida, beijou a cabeça. Oh, sua Becca, não a mais romântica das

palavras, mas as levaria.

Hunter agarrou seus quadris, então flexionou sua pélvis para cima, batendo ainda

mais fundo dentro dela.

131
Ela deslizou as mãos até os braços para segurar seus ombros quando jogou a cabeça

para trás enquanto o montava. Seus seios saltaram na frente de seu rosto e ele se inclinou

para tomar um em sua boca. Inferno, ela tinha um gosto tão doce, como uma droga que não

poderia obter o suficiente.

Deixou-a marcar o ritmo, lento e sensual quando balançou contra ele, então, forte e

rápido. Suas bolas apertaram enquanto suor escorria pelas costas. Ele seria amaldiçoado se

gozasse sem ela, então deslizou a mão abaixo para esfregar seu clitóris. A pequena

protuberância inchou em seu toque e Becca deixou escapar um gemido.

Seus dedos tocaram ao longo de seu clitóris e, em seguida, onde se juntaram antes que

ele finalmente sentiu esse doce, doce flutuando de sua vagina ao redor de seu pênis.

Gozou ao mesmo tempo, sua semente enchendo-a em longos jorros. Ambos fora do ar,

se inclinaram contra o outro, e ele passou os braços em volta da cintura.

Inferno, poderia se acostumar com isso.

"Eu te amo." Ela sussurrou.

"Eu te amo, minha Becca."

Fúria corria nas veias de Jason. Ele não conseguia encontrar sua maldita parceira de

estudo, Becca, e foi matando-o.


132
Ok.

Não literalmente, mas iria matá-la, uma vez que a encontrasse, se não a encontrasse

logo.

"Que diabos você quer dizer que não pode encontrá-la?" Jason cuspiu no telefone. Ele

passeou em seu escritório, derrubando as moedas de ouro e bronze fora de sua mesa. Odiava

as malditas coisas, uma vez que confundia o seu lugar, mas desde que ele tinha que contá-los

diariamente antes de colocá-las no cofre, lidou com elas.

Sendo parte do conselho leprechaun não era para os fracos de espírito, mas merda, ele

odiava a papelada.

E moedas.

Odiava moedas.

Elas estavam por toda parte.

"Não foi de volta para seu lugar em mais de um mês. Apenas aquele maldito dragão e

alguns de suas amigas estranhas para checar o despejo." Seu segundo em comando

respondeu do outro lado da linha.

Jason beliscou a ponta de seu nariz. Isso foi ridículo. Precisava encontrar Becca. Ele a

havia escolhido para ser sua por uma razão. Ela foi uma das sete atingidas pelo raio, ou seja,

ela tinha poder correndo em suas veias. Ele não tinha certeza do que ela era, ou como

poderia usá-la, mas queria esse fodido poder.

Além disso, não havia número suficiente de mulheres em seu reino, e ele sempre

poderia usar uma boa transa. Becca era selvagem e ardente, e se divertiria a fodendo ao longo

do tempo.

Ele só tinha que encontrar a cadela primeiro.

"Eu quero que a encontre, maldição. Não chame de volta, a menos que tenha a cadela

no reboque. Entendeu?"

133
"Claro, o que você diz, mas por que não pode simplesmente usar uma das outras

mulheres?"

"Porque quero essa!" Ele gritou para o telefone antes de pressionar ‘end’. Foda-se, ele

sentia falta dos telefones normais, onde poderia bater o receptor para baixo. Pressionando

‘end’ não era o mesmo.

Alguém bateu na porta, e Jason respirou fundo. Não podia matar quem estava do

outro lado por mijar nele.

Bem, ele poderia, mas era ruim para os negócios.

"O quê?" Ele cuspiu.

"Há um lobo aqui fora para você, senhor." Seu secretário... uh, ele não conseguia

pensar no nome do pequeno bastardo, disse.

"Por que diabos há um lobo na minha porta?"

"Eu não estou indo para bufar e soprar se é isso que você está com medo." Um homem

alto disse quando ele empurrou através do escritório, um sorriso irritante no rosto.

O outro homem irradiava perigo, fazendo com que Jason quase desse um passo atrás

antes de pensar melhor. "Quem diabos é você?"

"Sou Dorian Masterson, membro do conselho do Bando Nocturne e seu novo melhor

amigo."

"E por que você é o meu novo melhor amigo?"

"Porque tenho um leprechaun no meu seio, e tenho a sensação de que você a quer."

"Ela?" O pulso de Jason acelerou. Havia apenas um punhado de leprechaun mulheres

vivas. Sua corrida foi morrendo lentamente, porque não foram autorizados a cruzar do lado

de fora as espécies, não que Jason quisesse acasalar com um lobo ou humano de qualquer

maneira.

"Sim, ela. Acho que você a conhece, bem se minha rede esta correta. Um certo raio

atingiu uma mulher chamada Becca?"

134
Jason quase gozou em sua calça jeans na alegria que o atravessou. Becca? Sua Becca?

Uma leprechaun. Foda-se, esta foi à melhor novidade do destino que ele nunca ouviu falar.

"Ela é uma leprechaun? Então, eu tomo que encontrou o que era o seu poder." Ele

tentou manter a voz calma, mas sabia que o lobo tinha percebido sua excitação.

"Sim. Ela encontrou sua metade verdadeira em nosso Beta. Agora, isso não vai

funcionar para mim."

Jason lembrou-se do fodido lobo que teve coragem de ameaçá-lo na casa de Becca, e

rosnou.

"Sim, eu suponho que você conhece Hunter. Eu quero vê-lo morto, mas não posso

fazer isso da maneira normal, então farei a próxima melhor coisa."

"E o que é isso?"

"Leve sua companheira longe e obrigue-o a matar."

Jason sorriu. E quando eles a levarem, eles teriam uma nova criadora. Por causa da

falta de mulheres em suas sociedades, foram forçadas a estar com muitos homens ao mesmo

tempo, produzindo filho após filho até que seus corpos foram eventualmente gastos. As

criadoras eram um segredo profundo entre os leprechauns. Mulheres e alguns dos homens

tinham tentado se levantar contra o conselho de direitos e privilégios, por isso Jason tinha

sido parte do grupo para abater o rebanho. Era mais fácil governar com mão de ferro, que,

lidar com opositores.

Becca se tornaria uma criadora e salvaria seu povo... e ele a teria para si mesmo

durante a noite.

Ele pode ter que acorrentá-la por um tempo, mas ela se acostumaria com isso.

"O que você precisa de mim?" Perguntou Jason, seu corpo duro de excitação.

Dorian sorriu.

Ah, sim, este foi o início de uma bela aliança.

135
Capítulo Onze
Onze

A vida como um leprechaun não era todo o arco-íris e moedas de ouro. Ok, pensou

Becca, não era realmente muito diferente de sua vida regular. Claro, ela se sentiu um pouco

mais forte e tinha mais resistência, para a alegria de Hunter, mas não podia fazer muito mais

do que qualquer outra coisa.

Aparentemente, ela pode ter algum tipo de magia, mas que não tinha aparecido ainda.

Também deveria ter sido capaz de transportar o corpo de um lugar para outro, mas

não era como se soubesse como fazer isso. Ser atingida por um raio e se transformar em uma

outra criatura pela sua outra metade, não vêm com um manual de instruções.

Talvez ela pudesse convencer Jamie para escrever um e vendê-lo para quem passasse

por isso no futuro.

Não que isso iria acontecer, mas não poderia machucar.

"O que está passando por essa sua cabeça?" Hunter perguntou quando veio por trás

dela, onde ambos estavam na cozinha.

Ele passou os braços ao redor da cintura dela e ela, instintivamente, recostou-se

nele. Nunca tinha sido uma pessoa melosa, antes, mas não podia ajudar a profunda

necessidade de ser tocada por esse homem. Talvez sendo cercado por lobos tivesse mudado

de tom. Todos no bando foram constantemente abraçando, beijando e apoiando-se um no

outro. Hunter tinha explicado que era porque lobos ansiavam o toque para sentirem

centrados e inteiros. Tinha a sensação de que alguns disso, porém, foi porque os lobos

pareciam estar sempre com tesão.

Ok, tudo bem, ela estava excitada como o inferno em torno Hunter, mas ainda ...

Já tinha visto os efeitos da lua em suas caçadas. Claro, os lobos não tem o chamado da

lua cheia, mas havia um sentimento enlouquecido naquelas noites. Ela ficou em casa com

136
Leslie naquela noite, enquanto Hunter saiu para caçar com Liam e Alec. Ainda lembrou a

sensação do bando, como se todo mundo estivesse no limite e soubesse que algo glorioso

estava por vir. A maioria dos lobos caçava por presa. Liam e Alec tinham encontrado um

coelho para comer, enquanto Hunter voltou para casa com ela.

Ela corou, lembrando-se do olhar compreensivo no rosto de Leslie quando voltou para

casa. Hunter tinha tomado Becca duro naquela noite, como se seu lobo estivesse chamando

os tiros. Ela não se preocupou com isso apesar de tudo. Só se importava que ele fizesse amor

com ela, com uma paixão feroz que tinha feito a sua queda para o homem.

Sim, sabia que havia uma diferença entre amor e luxúria, mas sem esta ultima o

primeiro seria chato. Pelo menos para ela.

Além disso, ele cuidou dela depois, acalmando cada mordida de amor e tomando um

longo banho com ela, como se tivesse tido conhecimento que tinha sido duro. Gostou de tudo

isso, porém, e tinha dito a ele.

Não podia esperar pela próxima lua cheia.

Os lábios de Hunter arrastaram até o pescoço dela, e ela virou-se para dar-lhe mais

acesso. Não conseguia obter o suficiente deste homem, e não como se isso fosse uma coisa

ruim.

Eles estavam realmente falando além do que o destino tinha decretado para

eles. Também tinham declarado seu amor um pelo outro, algo que ela nunca pensou que

faria.

Este foi um relacionamento real, não algo que desapareceria com o tempo.

Pelo menos ela não esperava.

"Você apenas suspirou, Becca querida, mas não foi um bom suspiro." Hunter

sussurrou. "O que há de errado?"

"Não é nada." Ela mentiu.

137
Ele mordeu seu pescoço e ela engasgou. "Não minta para mim, minha

companheira. Diga-me o que a está incomodando."

"Você não tem medo que vamos perder tudo?" Ela deixou escapar. "Isso tudo

aconteceu tão rápido, e não quero contar muito com isto."

Ele girou em torno dela para que pudesse ver o amor em seu olhar. "Eu estou sempre

com medo que alguém vá tentar tirar você de mim. Nós não estamos a salvo, ainda não, mas

sempre vou te proteger. Quanto a confiar nele? Eu sempre vou te amar, Becca. Você tem que

acreditar nisso."

"Acho que estou me sentindo fora de série."

"É porque você não configurou raízes aqui ainda, nem encontrou o seu lugar no reino

humano. Sei que sente isolada aqui, e acho que, uma vez que temos através da reunião de

hoje, podemos voltar para o reino humano e encontrar uma maneira de fazer ambas as vidas

trabalharem. Não quero que você desista de tudo, e não estou pensando em forçá-la. Eu

também não estou pensando em deixá-la ir para lá sozinha, então vai ter que encontrar uma

maneira de abrir espaço para mim em sua vida, em ambos os lugares."

Um amor profundo e gratificante a encheu com suas palavras. "Você tem pensado

sobre isso."

"É claro que eu tenho. Posso ser dominante, mas isso não significa que eu queira

dominá-la. Vamos encontrar uma maneira de fazê-lo funcionar em ambos os lugares."

Ela soltou um suspiro. "Isso significa que, eu acho, temos que lidar primeiro com a

reunião."

Ele balançou a cabeça, sua mandíbula apertada. "Sinto muito que você tem que lidar

com isso, mas poderia ser uma coisa boa."

Ela levantou uma sobrancelha.

O conselho leprechaun a convocou.

Convocou.

138
Isso não poderia ser bom.

Não era como se a tivessem convidado para tomar chá ou algo assim. Não, eles

exigiram a presença dela na frente de seu conselho naquela tarde, para alguma forma de

questionamento.

Até agora, a aceitação entre os novos conselhos de suas amigas era de cinquenta por

cento. Lily tinha sido envolvida nos braços quentes do mundo brownie. Eles queriam mostrar-

lhe o que significava ser um brownie e disseram que ela sempre tinha uma casa lá. Eles

mesmo adotaram Shade em seu cercado.

Jamie, por outro lado, teve uma experiência completamente diferente. O conselho

djinn no momento não queria Jamie. Não. Todos. O antigo líder queria matar Jamie por ser

uma ‘abominação’. Ele até iniciou um acordo com o pai demônio de Balin,

Pyro. Desnecessário será dizer, que não tinha terminado muito bem. O novo líder djinn tinha

uma abordagem diferente e tinha cautelosamente aquecido a Jamie, mas Becca tinha a

sensação de que não seria tão fácil. Mesmo se Jamie perdoasse e esquecesse, seus dois

companheiros não seriam tão brandos.

Não que Becca os culpasse.

Afinal de contas, ela quase morreu por causa do velho líder djinn. Não era como se

pudesse esquecer aquele sentimento ou o olhar no rosto de Hunter quando deixou escapar

que ela pensava ser seu último suspiro.

Ela piscou quando os lábios de Hunter capturaram os dela, e então afundou nele.

Quando ele se afastou, ela gemeu, precisando de mais.

"Isso tem a tristeza de seus olhos." Ele sussurrou.

Era de se admirar que ela amava esse lobo?

"Estou com medo que eles me rejeitem." Disse ela.

Ele colocou uma mecha atrás da orelha e beijou sua testa. "Eu não posso prever o que

eles vão dizer, mas sei disso, você sempre terá um lugar ao meu lado e ao lado de suas

139
amigas. Se os leprechauns agirem como idiotas, você nunca estará sozinha. Se eles a receberem

de braços abertos, bem, parece que vamos ter três reinos para lidar em uma base diária."

Ela sorriu e beijou o queixo. Ele tinha se barbeado para a ocasião, mas ainda sentiu

falta dessa grossa suave contra seus lábios quando ele deixou a barba crescer.

"Pronto para ir?" Ela perguntou, mantendo sua voz leve.

"Vou a qualquer lugar com você."

E é por isso que ela amava este lobo. Apenas dizendo.

Olhou para sua roupa e deixou escapar um pequeno suspiro. Não havia realmente

uma etiqueta para o que vestir quando se descobria que eram um novo ser sobrenatural e

tinha que encontrar pessoas como eles... ou pelo menos como uma parte deles. Ela usava um

vestido bonito de ombros, de modo que estaria coberta, mas ainda de uma boa

aparência. Suas pernas estavam nuas, mas não estava mostrando muita pele.

Talvez ela devesse ter usado calças.

"Pare de pensar demais." Hunter ordenou quando a puxou em direção ao quintal.

O lugar de Hunter estava na borda da floresta, onde ainda podia ver as árvores altas e

afundar na escuridão, se necessário, mas não havia um espaço aberto para correr e aproveitar

o sol.

Ele segurou a convocação na mão, quando estiver pronta, abra um portal para que

possam entrar no reino leprechaun. Ela ainda não tinha certeza de como tudo funcionava, mas

tinha certeza de que a maioria dos reinos estava trancados fora, sem solicitações especiais. A

convocação, que havia chegado pelo correio de todas as coisas, agia como uma ligação entre

as duas esferas.

Becca não achava que se acostumaria com como as coisas funcionavam, agora que não

era humana. Pelo menos teve um longo tempo para aprender mais sobre isso.

O portal abriu na frente deles, um vórtice de ouro e luzes verdes. Ela se preparou, em

seguida, deu um passo adiante com Hunter ao seu lado. Frescos tentáculos de fumaça

140
enrolaram em torno de seus braços e pernas, puxando-a através da corrente, até que ela se

encontrava na outra extremidade.

A floresta era muito longe.

Não, agora ela estava no final da estrada de tijolos amarelo, ou, pelo menos, uma

versão demente dessa estrada. Edifícios esmeralda grandes formaram uma cidade com ruas

pavimentadas ziguezagueando com ouro. Havia uma floresta estranha em torno da cidade,

com árvores curtas atarracadas.

O céu segurou seu interesse mais do que qualquer outra coisa.

Arco-íris.

Centenas de arco-íris.

Eles foram tecidos em uma teia interligada com fortes rajadas de brilhos de luz

atirando através delas, como se alguém estivesse enviando mensagens de magia ou através

delas.

Aparentemente, as leis da física e da luz não importam para leprechauns.

Bom saber.

"É como o Mágico de Oz em ácido." Ela sussurrou.

Hunter bufou, e sua carranca permaneceu. Ela sabia que ele não gostava de ficar

sozinho, sem apoio em um lugar estranho, mas a convocação tinha estritamente proibido.

"O quê? Sem brincadeira?" Ela tentou manter o tom leve, mas não estava funcionando.

"Eu não conheço a área ou as pessoas."

"E não devemos contrariar. Entendi." Ela endireitou os ombros, em seguida, pegou a

mão de Hunter.

Assim que fez isso, um grupo de pessoas saiu do edifício mais próximo.

Todos eram homens.

Todos eram ruivos.

Interessante.

141
Um na frente cruzou os braços sobre o peito e olhou para ela, antes de deixar seu olhar

vagar sobre seu corpo. Os outros seguiram o exemplo, e Becca resistiu ao impulso de se

esconder atrás de Hunter. Eles haviam discutido antes que tinha deixado que ela iria fazer o

seu melhor para ficar sozinha. Não queria parecer com medo ou fraca na frente de pessoas

que ela não conhecia.

Não só ela tinha que encontrar a coragem para não correr de pessoas mais fortes do

que ela, algo que não fazia há algum tempo, mas honestamente Hunter também teria que

engolir a vontade de protegê-la a todo custo.

Os olhares maliciosos, no entanto, assustaram-a.

Era como se eles não se importassem que ela totalmente soubesse que eles estavam

imaginando-a nua e outras... coisas. Conteve um arrepio só de pensar.

Deuses, ela só queria ir para casa.

"O conselho está esperando por você dentro." O primeiro homem que olhou para ela

disse.

Ela ergueu o queixo e passou o grupo de homens, Hunter ao seu lado, e tentou não

deixar nenhum deles escovar contra ela.

Não poderia ser responsável pela sua segurança, se eles agissem em seus pensamentos

com Hunter ao redor. Inferno, teve que segurar-se de bater em alguns deles.

Onde estavam todas as mulheres?

Eles entraram na sala grande, com muros altos e tetos abobadados, e Becca sabia que

isso tinha sido um erro. Ela não deveria ter vindo. Deveria ter ignorado a convocação e ficado

dentro das paredes da cova com Hunter.

Sim, essa teria sido a maneira covarde e pode ter iniciado uma guerra, mas inferno, ela

tinha um mau pressentimento sobre isso.

Ok, tudo bem, não teria ficado longe, mas o pensamento era bom.

142
Cinco homens sentaram-se em cadeiras verde-esmeralda que pareciam realmente ser

feita de esmeralda. Quatro homens olharam para ela, mas não pareciam mais perigosos do

que os homens que ela tinha passado.

O quinto, no entanto, a fez parar em suas trilhas.

"Jason."

Ele zombou dela, toda a aparência do cara legal que tentou ser antes se foi. Não que

ele já tinha sido muito bom antes, como sempre assustou o inferno fora dela. Ela só estudou

com ele por hábito e sua incapacidade de dizer não. Em seu lugar estava um homem que

olhou de soslaio para ela como o resto.

"É bom ver você, minha Becca."

"Eu não sou sua Becca." Ela cuspiu. Foi nada como parecia? Seu parceiro de estudo

que costumava ser banal de sua existência era um leprechaun?

O que mais que ela não sabia?

"Eu vejo Hunter, que você nunca disse a sua chamada companheira quem eu era."

Jason brincou.

Becca endureceu. Isso é certo. Hunter conheceu Jason antes. Ele deve ter lhe cheirado

ou algo assim. Por que ele não disse nada?

Seu companheiro inclinou-se para ela, seus lábios roçando sua orelha. "Eu

honestamente esqueci. Ele não quis dizer muito para mim, e nós tivemos outras coisas para

nos preocupar."

Ela assentiu com a cabeça, enchendo-a de alívio. Hunter tinha lhe dito quando Dorian

tinha tentado erguê-los. Não havia nenhuma razão para não confiar nele agora. Jason tinha

sido uma praga antes. Agora, parecia ser uma praga com o poder.

Oh inferno.

"Vocês terminaram de vaguear uns sobre os outros, para que possamos

começar?" Perguntou Jason.

143
Becca estreitou os olhos para o homenzinho magro que só tinha incomodado

antes. Agora, ele irritou.

"Bom." Disse Jason. "Parabéns por se tornar algo melhor do que o pequeno ser

humano que era."

Becca piscou. Sério? O que foi com outras espécies de pensar que eles eram melhores

do que os outros? Claro, os humanos tinham seus próprios problemas com o pensamento de

que eram melhores do que os outros seres humanos, mas inferno, por que as pessoas não

simplesmente conseguem sobre isso?

"O que é que você queria?" Perguntou ela, evitando sua provocação. Ela estremeceu

quando ouviu suas próprias palavras. Não é exatamente a mais graciosa das coisas para

dizer, mas já tinha sido um longo dia, e as coisas não parecem que ficariam melhores em

breve. Claro, ela queria agir recatada, bem, pelo menos sociável, quando encontrasse as

pessoas que, aparentemente, seus genes compartilhados em algum nível básico, mas não

parecia que ia acontecer a qualquer momento em breve.

Jason olhou um pouco, em seguida, sentou-se em sua cadeira, olhando como uma

criança petulante usada para conseguir o que queria. "Uma vez que você é agora um

leprechaun, está sob nosso domínio. Você é de uma longa linha de gloriosas pessoas que

lutaram guerras e batalhas, a fim de ganhar a nossa liberdade. Pode não ter crescido dentro

dos leprechauns, mas agora você é um. Você é parte de nós. Você vai nos obedecer."

Becca piscou no discurso embrulhado de Jason. Uma sensação desconfortável se

espalhou através dela, misturando-se com a raiva, o medo e a ansiedade já rastejando em seu

ventre.

"Isso significa que você terá que ficar aqui com a gente e tornar-se parte da nossa

cultura. Você é nossa agora, Becca."

"Não há nenhuma maneira que está acontecendo." Hunter rosnou, e Becca concordou.

144
Jason levantou uma testa. "Você, lobo, não têm direito aqui. Você só foi autorizado

através de nossas alas, em primeiro lugar, porque está acoplado a um dos nossos. Esse

vínculo, no entanto, terá de ser cortado. Não há nenhuma maneira que vamos querer você

em nosso rebanho."

"Você não pode fazer isso." Disse Becca. Metades verdadeiras e vínculos de

acasalamento não eram algo que uma pessoa pode mudar. Isso, pelo menos, ela sabia com

certeza. Se não, estava lutando contra a ideia de em um primeiro momento por nenhuma

razão.

Isso, porém, não foi o que fez seu coração doer. Apenas o pensamento de perder

Hunter a fez querer gritar... ou fazer alguma coisa.

Ele era dela.

Ninguém tinha o direito de levá-lo dela.

"Oh, eu não discordaria de mim, querida." Jason murmurou. "Quando você se juntar a

nós, você vai ser minha. Uma criadora. Vai ter nossas crianças e desfrutar dos prazeres

sensuais de qualquer homem que quiser. Nossa cultura é diferente da sua, então vai ter que

se acostumar com isso. Não é algo para os... fracos de coração, mas você vai gostar. Eu

prometo. Está em seu sangue."

Repulsa deslizou através dela.

Santo. Inferno.

Uma criadora?

Nem. Fodendo.

"Estamos terminados aqui." Hunter rosnou.

Ele pegou a mão dela e puxou-a através da porta. Becca olhou por cima do ombro para

Jason, que apenas sorriu para eles. Oh, ela tinha a sensação de que ele poderia deixá-la e

Hunter deixarem o reino, se quisessem, apenas para manter-se de incitar uma guerra, mas

este não era o fim de tudo.

145
Nem de longe.

Embora alguns dos homens que estavam em seu caminho, o olhar no rosto de Hunter

deve tê-los avisado. Um mudou-se para o lado, com os braços ainda sobre o peito, seus

olhares ainda rolando em seu corpo, mas não os deteve.

Isso, no entanto, foi apenas o começo.

Hunter puxou seu próprio portal, e eles se encontraram dentro das trincheiras do

bando em outro fôlego.

"Puta merda." Ela sussurrou.

Hunter a puxou em seus braços, seu corpo tremendo. "Eu não me importo com o que

temos de fazer, você nunca vai voltar para lá."

Ela balançou a cabeça, em seguida, beijou-o com força, a necessidade de lembrar-se o

que era real e o que era uma ameaça. Sabia que ia ser difícil tornar-se algo novo, mas nunca

pensou que seria assim. Eram monstros.

Os outros que ela conheceu foram os pesadelos que assombravam os sonhos. Eles

tinham ameaçado e tentado assustá-la. Ok, eles a tinham com medo.

Que diabos iriam fazer?

146
Capítulo Doze

Uma semana depois, os braços de Becca estavam cheios com um lobo filhote adorável,

e seu coração tinha se estabelecido. O rapaz lambeu-lhe o queixo, assustando o riso dela. Ok,

então ela parecia uma adolescente, mas vamos lá.

Lobo. Filhote.

Esse carinha foi a definição de adorável.

"Eles fazem o seu coração só derreter para baixo, não é?" Perguntou Leslie, segurando

seu próprio filhote.

A outra mulher tinha parado para o seu lanche diário e fofocas. Sem Leslie, e mesmo

Liam e Alec, Becca não tinha certeza se teria feito em ficar presa dentro da cova por muito

tempo. Entre a mudança dela, os perigos de quem a tinha tomado, o fato de que ela queria

estar perto de Hunter e conhecê-lo, e toda a coisa leprechaun, seu tempo dentro das paredes

da cova continuava aumentando.

Ela sentia falta de suas amigas.

Hunter tinha se oferecido para levá-la ao reino humano, para que pudesse vê-las. Ele

até se ofereceu para ficar lá por meses. Becca, porém, colocou-o fora. Queria ver suas amigas,

mas sabia que Hunter precisava estar aqui agora com o estado que o bando estava, e Becca

precisava estar ao lado de Hunter.

Ela voltaria para sua outra casa em breve, mesmo que fosse apenas para lembrar-se de

que as pessoas gostavam dela.

Embora Becca tivesse tentado, realmente não tinha se fundido com o resto do bando,

tanto quanto queria. As pessoas ainda estavam desconfiadas de uma estranha, e mais ainda

do que ela virou.

147
Eles nunca conheceram outra pessoa golpeada por um raio antes.

Com certeza, ela só encontrou suas amigas, mas não fez sentir-se como uma

aberração. Bem, talvez Faith sim, mas isso foi só porque sua amiga a amava. A outra mulher

gostava de ser sarcástica para suas amigas. É assim que mostrava o seu amor.

Os outros membros do bando, salvo alguns, Hunter deu um amplo espaço

também. Sim, eles vieram a ele com seus problemas, e ele abraçou, afagou, e ajudou-os como

um Beta aparentemente deveria fazer, mas não era a mesma coisa.

Mesmo um estranho como ela podia ver a ambivalência que os outros membros do

bando sentiam sobre o lobo que tinha passado tanto tempo lutando e matando nos jogos

demônio das profundezas do inferno. Eles não sabiam o que fazer com ele.

Hunter merecia mais do que olhares cautelosos e sorrisos sem graça, mas não sabia

como ajudá-lo. Honestamente, ela ainda não teve um lugar para si dentro do bando, por isso

não fazia sentido para ela tentar fazer um lugar para ele.

Hoje, porém, deu um passo para ingressar no bando pelo espírito, assim como o

corpo.

Hoje foi dia de babá.

"Acho que estou apaixonada." Becca disse quando se aninhou aos cinco anos de idade,

filhote em seus braços. Ele latiu depois lambeu o queixo novamente, fazendo uma nova

rodada de risos.

"Brandon é uma gracinha, não é?" Leslie perguntou a Dylan, gêmeo de Brandon,

balançando em seus braços.

Aparentemente, a mãe dos meninos gêmeos era uma grande fã 902104.

"E eles sabem disso." Brandon se afastou dela para agachar-se baixo no chão, seu

pequeno rabo balançando no ar enquanto ele rosnou.

4
Aqui no Brasil a série foi chamada de Barrados no Baile.

148
Becca revirou os olhos, mas atacou-o como ele queria de qualquer maneira. Teve o

cuidado de não colocar qualquer peso sobre ele, como ele era tão cuidadoso para não deixar

suas garras para fora quando subiu em cima dela. Hunter tinha lhe dito que os filhotes foram

ensinados desde a primeira mudança, cerca de dois anos de idade, que precisavam manter

suas garras enquanto brincavam. Apesar de shifters lobo curarem rapidamente, isso não

significa que as crianças devem ser áspera umas com as outras em forma de lobo. Além disso,

como os bebês e as crianças, eles adoravam lutar com adultos em forma humana, como Becca

estava fazendo agora.

Ela não tinha certeza se curou tão rápido quanto shifters, como não queria cortar-se

para ver, mas a maioria dos leprechauns, de acordo com Hunter, poderia curar um pouco mais

rápido do que os humanos, mas não tão rapidamente como lobos. Desde que tinha visto a

partir de suas amigas, Becca sabia que ia obter os plenos poderes dos leprechauns, mas isso

não significava que os teria agora. Jamie e Lily tinham recebido todos os seus poderes

relativos, mas não de imediato, talvez por isso Becca fosse à mesma.

Que a mãe da cova confiou em Becca o suficiente para deixá-la assistir os gêmeos,

mesmo com Leslie ao seu lado, disse-lhe que alguns estavam tentando incluí-la. Ela só tinha

que se esforçar mais para fazer os próximos passos acontecerem.

"Quando foi que você disse que Hunter estaria em casa?" Leslie perguntou quando

fazia cócegas em Dylan.

Becca sorriu apesar de si mesma. Apenas ouvir o nome do homem a fez feliz. Ela tinha

ruim. "Ele disse que estaria em casa em breve." Na verdade, depois que ele beijou o inferno

fora dela e beliscou ao longo de seu pescoço deixando a sua marca para que todos possam

ver, deixando-a desejosa e um pouco tonta, ele disse em breve.

Isso tinha sido mais de uma hora atrás.

"Ele disse que estava indo se encontrar com Liam e Alec, certo?"

149
"Sim, mas não sei sobre o que exatamente. Não é que ele seja secreto, é só que..." Ela

não conseguia articular o que queria dizer exatamente. Era mais que ela imaginou que

Hunter estava acostumado a estar sozinho e não ter que dizer às pessoas onde estava indo e

para que finalidade exata. Becca não precisava saber tudo também. Havia uma diferença

entre saber que estaria de volta e querendo saber tudo.

"É que ele é o Beta e tem coisas para fazer." Leslie terminou por ela e Becca assentiu.

Brandon cutucou a mão dela, e sentiu um calor de luz irradiar de sua palma. Becca

espalhou os dedos, deixando a sensação de formigamento se espalhar entre os dedos. Isso

vinha acontecendo algumas vezes durante a semana passada ou assim, mas não sabia o que

significava exatamente. Tendo cuidado, ela puxou a mão de volta para que não ferisse o

filhote.

Brandon mudou em sua forma humana, deixando um menino nu no lugar do lobo. Ele

rapidamente tirou suas roupas que deixou no meio da sala, em seguida, se sentou em frente a

ela, suas pequenas sobrancelhas amassadas.

"O que foi isso?" Perguntou Brandon.

"Eu não tenho certeza. Acho que são os meus poderes." Bem, ela tinha certeza de que

tinha que ser, mas não quis fazer quaisquer julgamentos precipitados.

"Você já sabe o que pode fazer?" Perguntou Leslie, acariciando Dylan, que permaneceu

em sua forma de lobo.

Becca meneou a cabeça. "Acho que eu deveria ser capaz de curar. Eventualmente.

Leprechauns, como outras espécies, têm diferentes formas de magia. Desde que a minha

parece estar centrada em minhas mãos, Hunter acha que isso tem a ver com a cura. Ele

também me disse que eu poderia precisar encontrar outro leprechaun para me ajudar a

descobrir o que fazer."

Leslie fez uma careta. "E isso não parece ser uma possibilidade."

150
Esse foi um eufemismo. Não havia nenhuma maneira que arriscaria pedir a alguém

que ela não conhecia e acabar em um programa de melhoramento. Conteve o tremor que

veio com esse pensamento. "Não. Eu poderia perguntar a Ambrose, porém, quando eu

voltar. Ele é velho como inferno, como eu gosto de provocá-lo, então deve saber mais do que

os outros."

"É uma ideia tão boa quanto qualquer outra."

Uma queimadura leve arqueou sobre o peito, e ela engasgou. Dor quente cortou ao

longo de seu vínculo de acasalamento com Hunter, e ela gritou.

"Hunter".

"O que é isso?"

"Alguma coisa está errada. Oh doce Deus, é o vínculo." Ela colocou a mão sobre seu

coração, tentando fazer a dor parar, mas só se intensificou.

Hunter estava ferido.

Mal.

Os olhos de Leslie brilhavam, e ela estendeu o braço em direção a Brandon. "Eu tenho

as crianças. Vá."

Becca não sabia como estaria se Hunter estivesse com problemas, mas o vínculo

pulsava, criando agonia. Hunter precisava dela, mesmo que não pudesse ser de muita ajuda.

Ela precisava dele.

Deus, ele tinha que estar bem.

Jogou os sapatos, em seguida, bateu fora da casa, seguindo o impulso do vínculo, em

vez de uma direção firme.

O cheiro de fumaça atingiu pela primeira vez, queimando suas narinas, irritando os

olhos.

Passos bateram no chão atrás dela, enquanto outros sentiram o medo no ar e avistaram

a alta e ondulante coluna de fumaça negra vindo de um dos edifícios mais antigos da cova.

151
O mesmo prédio onde Hunter tinha se reunido a Liam e Alec.

Ela cambaleou, perto de onde os outros estavam reunidos, o medo apertando com

mais força do que os homens que a tinham agarrado por seu aparto.

"Hunter." Ela gritou tão alto quanto pôde. Ele tinha que estar bem. Ainda podia sentir

o vínculo, doloroso como era.

Isso significava que ele tinha que estar vivo, certo?

Movimento da frente do edifício lhe chamou a atenção, e os homens e as mulheres

correram a ele, apesar do fogo. Outros foram tendo mangueiras e baldes, tentando colocá-lo

para fora. Becca correu em direção a figura de bruços no chão e suspirou.

Seu Hunter deitado de costas, queimaduras cobriam seu corpo. Queimaduras

ruins. Ela não sabia o grau, mas tinha a sensação de que era o terceiro.

"Hunter, oh Deus." Ela caiu de joelhos ao seu lado mesmo quando viu Alec tropeçar

fora dos destroços, Liam sobre os ombros.

Ambos foram queimados pelo que podia dizer, mas não tanto quanto Hunter. Outros

correram para seu lado, mas ela ficou por Hunter.

Ele levantou um braço trêmulo, enfiando um pedaço de seu cabelo atrás da orelha.

"Becca." Ele raspou fora, baixa e som doloroso.

Calor deslizou através de seu corpo, essa estranha familiar sensação de formigamento

envolvendo em torno de suas mãos. Instintivamente, ela colocou as mãos sobre a pior das

queimaduras de Hunter e observou suas mãos brilharem. Doce prazer, não o tipo sexual, mas

o tipo que fez sentir a felicidade, calor e promessa a encheu. Hunter apoiado curvou

enquanto seus olhos se arregalaram. Ela ouviu os murmúrios e suspiros de pessoas ao seu

redor, mesmo com o barulho do fogo e sua eventual limpeza.

Ela o estava curando.

152
Seus tecidos e músculos malharam juntos em alguns lugares, a cura das pequenas

queimaduras, mas não totalmente. Ela não sabia como estava fazendo isso, só que sabia que

tinha que ser feito.

Não sabia quanto tempo manteve para isso, mas quando suor alisou as costas e desceu

as têmporas, sua visão começou a embaçar.

"Becca, bebê, pare. Vou viver. Você está machucando a si mesma."

Ela encontrou seu olhar amarelo, em seguida, deixou cair os braços ao seu lado. Por

algum motivo, seu corpo estava muito pesado e duro de mover. Talvez ela só fosse descansar

sua cabeça perto de Hunter um pouco.

"Becca? Alguém ajuda!"

Ela ouviu seu companheiro gritar o nome dela, mas suas pálpebras eram muito

pesadas para olhar. Só precisava de um pouco de fôlego, e então ficaria bem.

Hunter estava bem.

Isso era tudo o que importava.

***

Ela o estava deixando louco.

E não na luxúria preenchida, necessidade, agora era uma espécie de loucura que

Hunter geralmente gostava de sua companheira.

Não, este era o tipo de loucura que veio depois de anos de acasalamento, não depois

de algumas semanas e um quase encontro ‘final da vida’.

O sofá não era o lugar que ele queria estar.

Não, queria correr sobre quatro pés, ou dois.

Ele não se importava.

153
"Becca, querida, pare de ficar pairando." Ele murmurou, mas ela apenas balançou a

cabeça dela, os cachos bem vermelhos dançando ao redor de seus ombros, depois ajeitou o

travesseiro nas costas.

"Como se sente?" Perguntou ela, o calor se misturava com a ligeira austeridade que

amava sobre ela.

Ele recostou-se nos travesseiros, observando que, sim, de costas se sentia melhor e as

queimaduras em seu peito não estavam puxando tanto mais, mas foi o princípio da

coisa. Becca estava correndo cuidados irregulares nele. Claro, estava um pouco fraco no

momento, segurou um rosnado para isso, mas não era um inválido. Ele queria manter Becca

ao seu lado ou estar sobre ela enquanto afundou seu pênis nessa boceta apertada dela, mas

ela estava tendo nada disso.

Não, ela queria ter certeza de que estava todo curado e saudável antes que fizessem

qualquer tipo de carinho.

Qualquer tipo.

As feridas em seu peito, porém, não eram as que mais doíam. Não, era a lembrança

dos olhos de Becca rolando na parte de trás de sua cabeça, enquanto ela desmaiou ao longo

de seu lado. Ele se machucou ainda sentando-se e puxando-a em seus braços, precisando, ver

se ela estava bem.

Assustou-o.

Ele teria ido de bom grado com cicatrizes e passado meses se recuperando dos

ferimentos que teriam matado um ser humano do que assistir Becca passar pelo que ela

fez. Tendo certeza de como usar seus poderes, ela deixou-os todos correrem por ela como

uma torneira aberta, em vez de desviar alguns dos seus poderes de uma vez.

Ele não sabia como ajudá-la a usar seus poderes de cura, e ela quase morreu por salvá-

lo.

154
Nunca a deixaria fazer isso de novo. Não importa o que aconteça. Não havia nenhuma

maneira que a deixaria fazer mal a si mesma por ele, mais do que ela já tinha. Na verdade, ela

já havia tentado inúmeras vezes curar mais suas feridas, mas ele recusou.

"Hunter, por que eu não posso simplesmente curá-las um pouco mais? Prometo que

não vou desmaiar de novo." Ela mordeu os lábios, seus dentes afundando nesse suculento

pedaço de carne.

A imagem foi direto para seu pênis, e ele não conseguia segurar seu gemido.

"O que há de errado? Você está machucado?" Ela passou as mãos para cima e para

baixo nos braços, e ele teve de encontrar paciência. Entre os lábios dela e suas mãos em seu

corpo, teria que se masturbar no chuveiro.

Novamente.

"Eu estou bem, Becca. Juro. E, não, você não pode me curar. Nós já conversamos sobre

isso. Não me faça bater em você."

Seus olhos escureceram, e o cheiro de sua excitação bateu duro. Ajustou-se em seus

moletons, observando como seu olhar travou em sua mão.

"Hunter Brooks, pare de tentar me excitar."

Ele sorriu apesar de si mesmo. "Você gostou da ideia de eu espancar você, não é? Não

posso esperar para ver essa sua bundinha toda vermelha da minha mão."

Ela fechou os olhos, e sabia que estava segurando um gemido.

"Devo sair do quarto?" Alec perguntou atrás dela.

O rosto de Becca virou esse rosa que Hunter tanto amava, e ele conteve uma

gargalhada. "Acho que já disse coisas piores para chocar suas sensibilidades delicadas antes,

Alec."

Seu amigo levantou uma sobrancelha na direção de Becca. "Acho que seria questão de

sua companheira, não minha."

155
Becca pôs as mãos nos quadris, em seguida, estreitou os olhos para Hunter. "Você só

está tentando mudar de assunto. Não, meu amigo, não estamos tendo relações sexuais ou

surra ou fazendo algo sujo. Não até que esteja curado. Que viria – que nós poderíamos − se

você me deixar te curar.

Alec soltou uma risada, e Hunter virou-o. "Você não está me curando. Não até que fale

com Ambrose sobre como lidar com seus poderes."

"Nós poderíamos ir e falar com ele mais cedo se estivesse curado." Ela sorriu quando

disse isso, e ele sabia que sua companheira estava apenas brincando com ele agora.

"Nós estamos andando em círculos, bebê. Não quero machucar você." Ele disse essa

última parte com toda a seriedade.

"Eu não gosto de ver você machucado agora."

"Eu estou curando, bebê. Liam também. Estaremos de volta ao normal em breve."

"Normal? O que é normal? Pessoas sendo sequestradas e lugares sendo explodidos?

Desculpe, isso não é normal para mim."

"Também não é para mim." Disse Josiah da porta da frente.

Hunter sentiu a presença de seu Alpha alguns minutos mais cedo, mas Josiah não

tinha entrado na casa até pouco depois.

Becca virou-se para Josiah, torcendo as mãos. Sua companheira ainda não tinha

chegado confortável para a presença avassaladora do homem diante deles.

"Oh, oi, Josiah. Posso pegar algo para beber?"

Hunter abriu um sorriso e lançou um olhar para Alec, que estava fazendo o mesmo.

Josiah deu um sorriso triste, então balançou a cabeça. "Não, querida, não estou com

sede, mas obrigado pela hospitalidade em sua casa. Eu sei que sou um intruso, mas nós

precisamos conversar."

"Você nunca é um intruso, Josiah. Você é a família de Hunter." Becca deu de

ombros. "Acho que isso faz a minha família também."

156
Felicidade encheu Hunter em suas palavras, e a expressão de Josiah iluminou.

"Essa foi à melhor coisa que você poderia ter dito para mim hoje. Obrigado. Sinto-me

honrado por fazer parte de sua família."

Seu Alpha afundou em uma poltrona, enquanto Becca se sentou na ponta do sofá,

mantendo a mão sobre Hunter. Alec permaneceu de pé. Hunter tinha um sentimento que

qualquer que Josiah tinha vindo a dizer não ia ser bom.

"Deixe sair, Josiah." Disse Hunter.

Seu Alpha estava começando a parecer abatido, algo que assustou Hunter. Eles

estavam no meio das negociações de paz com outros quatro bandos, algo que Josiah teve de

lidar pessoalmente. Isso tinha que estar mantendo-o acordado até tarde da noite. O fato de o

próprio bando estar quebrando dentro, que alguém desejasse poder, não podia estar

ajudando.

"Os três membros não-feridos do conselho tem convocado o Beta do bando."

Raiva em espiral em sua espinha e afundou em seus músculos. "Que porra é essa? Por

que agora? Eles não podiam me matar, então decidiram me dar novamente em seus

aposentos? Fodam-se eles. Estou cansado dessa merda, Josiah. Sei que seu avô criou o

Conselho para garantir que não se tornasse como os outros bandos, que tinham uma

necessidade desenfreada por poder, mas isso não está funcionando."

Alec assentiu. "Em vez de criar um equilíbrio, isto está permitindo aos lobos, que não

podem se tornar Alpha através da tradição, tentarem todos os meios para atingir o domínio

que eles desejam."

"Você acha que eu não sei disso?" Josiah exclamou. "Claro que sei o que os outros

membros do conselho querem. Sem você e Liam, nós teríamos sido fodidos muito antes

disso. A coisa é, porque tivemos mais de um século para que as famílias ganhassem

lentamente terreno para o poder, o bando está em um estado de fluxo. Nós não podemos

157
simplesmente entrar e bater cabeça em torno, como costumávamos fazer." Um olhar

longínquo entrou nos olhos de Josiah, e ele abriu um sorriso. "Deus, eu sinto falta disso."

"Quando precisamos reunir-nos em seus aposentos?" Perguntou Hunter. Ele ainda se

ressentia do fato de que o Conselho tinha suas próprias câmaras, enquanto o Alpha e Beta

lidavam com o círculo como eles sempre tiveram. Não que quisesse uma câmara para si

mesmo, mas não gostou do fato dos outros terem uma quando não era necessário.

"Não é nas câmaras, filho. Eles estão chamando um círculo completo. Eles não

acreditam que você é forte o suficiente para ser Beta. Não com você sendo colocado e sua

companheira... não-lobo."

Hunter respirou fundo, engolindo a raiva e pegando a mão de Becca.

"Por minha causa? Eles não pensam que eu sou boa o suficiente?" Perguntou Becca,

sua voz suave. "O que quer dizer um círculo completo?"

Ignorando seus ferimentos, ele trouxe Becca até o peito dele. Precisava senti-la. Ela

aterrava-o com sua presença por si só, seu toque ainda mais. "Isso significa que o conselho

não acha que estou apto para ser Beta."

"E eu não sou digna de ser sua companheira."

Ele apertou a mandíbula, mas acenou com a cabeça contra o topo de sua cabeça. "Eles

querem que eu lute para permanecer no poder."

"Você não pode fazer isso. Está ferido."

As queimaduras o tinham enfraquecido, mas tinha os efeitos da inalação de fumaça e

uma hemorragia interna que o estava preocupando. Ele não era tão rápido quanto

geralmente era... não era tão forte.

Não sabia qual seria o resultado.

"Vou ficar bem."

Pela expressão no rosto de seu Alpha, Josiah viu as mentiras em suas palavras, mas

isso não importa. Ele lutaria.

158
Ele estabeleceu Becca fora de seu colo e se levantou do sofá. Conteve um

estremecimento e pior quando suas queimaduras e danos internos gritaram para ele, mas

precisava colocar o rosto do guerreiro. Não podia mostrar fraqueza.

Nem mesmo a sua Becca.

Ela se levantou e segurou seu rosto. "Você não deveria ter que lutar. Já fez a sua coisa

no círculo Beta. É sua culpa que está machucado, para começar, embora não possamos prová-

lo."

Hunter se inclinou e capturou seus lábios, precisando da sua suavidade e força

interior. "Podem chamar o suficiente do bando para acreditar neles."

Ela engoliu em seco, mas acenou com a cabeça.

"Eu vou." Declarou ela. "Você não pode me manter longe."

Embora ele preferisse que ela ficasse para trás, sabia que não poderia escondê-la do

mal. Ela era do bando agora.

Logo eles encontraram Liam então irem ao encontro. Fizeram o seu caminho para o

círculo do Bando, Josiah levando a carga. Liam mancando ao lado deles, recusando-se a

inclinar-se sobre a forma de Alec e Hunter recusou-se a encostar em Becca. As pessoas se

reuniram de novo quando eles tiveram para o círculo que ele havia lutado antes. Parecia que

há muito tempo. Também como antes, alguns pareciam que preferiam estar em outro lugar,

ou tinham medo dele ou sabiam que tudo isso era besteira.

Dorian sorriu enquanto o grupo de Hunter veio através da borda do círculo. "Olhe

para o seu Beta, bando. Ele é fraco."

Hunter rosnou. "Você é a pessoa me desafiando, Dorian? Entre no círculo, e vou

arrancar o seu rosto fora."

Ele tinha passado todas as besteiras políticas.

Dorian bufou. "Eu não estou desafiando você, velho. Você não é mesmo quem estamos

desafiando."

159
Algo como o medo deslizou por ele. "Então por que estou aqui?"

"Estamos desafiando sua companheira. Ela não é forte o suficiente para ajudar a levar

o bando. "

"Que diabos você está fazendo?" Hunter gritou. "Você não pode desafiar minha

companheira."

"Oh, nós não queremos tirar o título, já que não podemos de qualquer maneira, mas

podemos fazer com que o nosso bando seja forte. Nós não podemos fazer isso com ela ao seu

lado ou como parte do bando."

Becca segurou sua mão. Duro.

"Becca Quinn, o bando desafia você para o domínio. A sobrinha de Lloyd estará

lutando a recuperar lugar de direito da nossa família. Hunter, se sua companheira perder,

assim como você. Lembre-se disso."

"Eles não podem fazer isto, podem?" Becca sussurrou.

Ele não conseguia falar. Não podia se mover.

Ele não podia perder, mas se a levasse para longe disto, ele deixaria o bando. Sua

família.

Não foi uma escolha embora. Não era verdade.

Ele virou-se para Becca. "Vamos embora." Ele sussurrou, as palavras apenas para seus

ouvidos. "Sou lobo solitário. Estamos terminando aqui."

Ela se afastou, sua mandíbula apertada. "Não."

160
Capítulo Treze

Becca ergueu o queixo. "Você não está deixando o bando. Nós não podemos deixá-los

ganhar. Vou lutar. Vou provar que sou digna." O bando estava fora de sua mente, se eles

achavam que estava tudo bem governar assim.

Eles estavam brigando, matando e quebrando suas regras sutis e algumas não tão

sutis, e estavam destruindo seu bando de dentro para fora. Hunter estava pronto para deixar

o bando que havia ressuscitado, o bando que tinha sido parte de seu sangue durante séculos,

tudo por causa dela.

Ok, não apenas por causa dela. Ela não era egoísta o suficiente para pensar isso, se não

tivesse chegado às coisas teriam sido diferentes, mas a sua presença não estava ajudando. O

conselho teria encontrado outra maneira de tentar derrubar Hunter. Eles tinham uma

espinha na sua bunda sobre o seu Beta, e Becca estava cansada disso.

Ela seria amaldiçoada se deixaria seu companheiro com essa porcaria para o resto de

seus anos. Alguma coisa tinha que mudar, e se levasse a luta para provar o seu valor entre

um grupo de lobos que a queria morta, então que assim seja. Dante e Shade lhe tinham

ensinado a lutar um pouco, e Hunter tinha ensinado-a ainda mais.

Ela não estava completamente desamparada.

Não era um lobo também.

Sua pele era tão frágil como um humano fraco e pronta para sangrar, mas era mais

forte do que tinha sido antes. Enquanto essa cadela Lloyd não mudasse em sua forma de

lobo, Becca provavelmente poderia lutar através do seu caminho. Inferno, por que não

poderia ter se transformado em uma criatura sobrenatural que foi realmente útil?

Como um tigre ou algo com garras afiadas e dentes afiados e pontiagudos.

Hunter segurou seu rosto. "Nós estamos indo." Seu tom não tinha nenhum pedido de

desacordo, mas ela não se importava.

161
Virou-se para beijar-lhe a palma da mão, em seguida, mudou-se de volta. "Se sairmos

agora, você os deixará ganhar. Está deixando os outros membros do bando que acreditam em

você cair nas mãos daqueles que não dão a mínima para eles. Se sairmos agora, eu estou

dizendo que não valho nada e não sou boa o suficiente para ser sua companheira. Eu não vou

deixar isso acontecer."

Hunter fechou os olhos e respirou fundo, um forte tremor rolava sobre seu corpo. As

marcas de queimaduras que cobriam seu peito pareciam que doíam como o inferno, e ela

sabia que seus pulmões e outros órgãos internos não estavam cem por cento ainda, algo que

poderia ter sido mudado se tivesse deixado-a curá-lo. Isso, porém, não era algo que eles

poderiam lidar no momento.

"Eu não posso perder você." Ele sussurrou, sua voz tão cheia de dor que o seu coração

se partiu por ele.

"Não me subestime ainda. Eu preciso da sua força."

E um milagre, mas não ia dizer isso em voz alta.

Ele fechou os olhos, e ela tinha medo que diria que não. Ou, pelo menos, levá-la para

longe daqui antes que pudesse lutar por eles. Poderia ter sido mais forte do que já tinha sido,

mas sabia que era muito mais fraca do que Hunter, mesmo se ele estivesse ferido.

E ela queria lutar com uma loba?

Inferno, tinha um desejo de morte.

"A loba que você está lutando tem um joelho esquerdo fraco. Você a chuta lá, ela vai

descer, e então pode pegá-la pelo pescoço. Esta não é a morte. Você só tem que imobilizá-

la. Enquanto está no chão e não usa suas garras, você é forte o suficiente para fixá-la."

Esperança encheu, e ela beijou o queixo. "Obrigada."

"Não morra, Becca. Você pode me ouvir? Se você morrer vou matar cada lobo e

criatura que ousou olhar para você engraçado, então, encontrarei um caminho para a vida

após a morte e chutarei sua bunda por me deixar. Você entendeu?"

162
Ela sorriu para ele, apesar de ter sido um pouco forçado. Deus, era estúpido, mas se

ela não lutasse, nunca provar-se-ia aos lobos que não queriam um ser humano, ou pelo

menos um ex-humano em suas fileiras.

Hunter a beijou em seguida, com força. Ela podia sentir o desespero em seus lábios,

mas misturado com a vontade de vê-la através disso.

Ela poderia fazer isso.

Tinha que fazer.

"Vocês dois terminaram a merda em torno aí?" Perguntou Dorian, o tédio em seu

tom. "Anastasia está pronta para lutar. Vamos acabar com isso."

Hunter manteve a mão em seu quadril quando se voltaram para enfrentar o círculo

novamente. A mulher que Dorian tinha chamado Anastasia estava no centro, com os punhos

nos quadris.

Caro. Senhor.

Ela parecia uma amazona. Ou talvez uma zagueira magra.

A mulher tinha de ter no mínimo um metro e oitenta, toda músculos.

Não admira que Hunter estivesse assustado, foda-se.

"Seu joelho, bebê, seu joelho." Hunter sussurrou no ouvido dela.

Becca revirou os ombros para trás, não querendo se esconder e mostrar o medo

correndo em suas veias. Isso tinha que ser uma das coisas mais estúpidas que já tinha feito, e

que estava dizendo algo desde um tempo que ela tinha ido com Faith para a escola de beleza

e teve uma cera biquíni.

Ela conteve um estremecimento com a lembrança dessa experiência.

Claro que, com a forma que Anastasia olhou para ela, Becca tinha certeza que ia ter

uma outra cera biquíni ao pisar no círculo.

"Eu não vejo por que tenho que lutar com esta pequena cadela." Anastasia cuspiu. "Ela

parece uma pequena prostituta, toda selada junto a um dos nossos homens. Eu poderia pegar

163
meus dentes com seus ossos com um movimento do meu pulso. Não quero nem esse fodido

Beta ao seu lado. Prefiro pegar o meu próprio homem. Não se preocupe, mãe, vou pegar o

que eu quiser, quando eu quiser. Por que não consigo encontrar algo digno o suficiente para

desafiar?"

Algo? Bem, não era esta senhora um pêssego. Não só tinha Becca acabado de ser

chamada de puta, e sem valor, agora ela não era mesmo uma pessoa? Oh, isso ficou ainda

melhor e melhor.

Becca deu um último aperto de mão em Hunter, em seguida, deu um passo para

dentro do círculo. "Seu nome é realmente Anastasia? Parece que um nome tão bonito é muito

para uma cadela bunda grande de uma mulher como você."

Alguns da multidão ofegaram, e ela tinha certeza de que ouviu a risada de Liam.

Anastasia estreitou os olhos.

Bom trabalho, Becca, irrite a mulher que provavelmente poderia quebrá-la em dois

com um espirro.

"Sem garras ou dentes." Hunter chamou.

Alívio caiu sobre ela com as suas palavras, mas não ajudou com a tensão que sentia.

Era só pegar o joelho. Apenas o joelho e ela podia fixar a cadela para baixo.

Talvez.

"Tudo bem. Não preciso ir de lobo para matar essa vadia." Anastasia sorriu e Becca

teve que engolir a bile que subiu em sua garganta.

O sorriso de Anastasia não era tanto um sorriso feliz cheio de arco-íris e unicórnios

como era mais ao longo das linhas de "Yay, eu consigo a brincar com a minha comida antes

de comê-la."

"Sem garras." Dorian concordou, como se soubesse que Becca perderia, não importa o

quê. Bastardo. "Isto não é para a morte, Anastasia."

164
A outra mulher fez beicinho, na verdade, fez beicinho, com as palavras de

Dorian. Becca poderia ter sido grata que o cara tinha mencionado isso, mas ela não iria

colocá-lo passado por ele ter um motivo.

Talvez ele tenha pensado que estar sendo mutilada e quebrada era melhor do que a

morte no momento.

"Tudo bem." Anastasia cuspiu em seguida, mudou-se.

E não apenas um movimento normal, mas mudou.

Droga, a cadela era rápida.

Becca se abaixou para fora do caminho e rolou, mas não rápido o suficiente. Anastasia

teve um aperto de seu tornozelo e puxou. Becca caiu para a sujeira em suas costas, duro, e

tentou se afastar, mas a outra mulher era mais forte. Ela não poderia ter tido suas garras para

fora, mas a maneira como rondava o corpo de Becca a lembrou de um animal enjaulado.

Embora ela estivesse ciente das pessoas ao seu redor, assistindo, aplaudindo,

chorando, ou pior, ignorou todos eles. Se Lily e Jamie podiam sair de suas próprias lutas,

então que assim Becca poderia. Ela fugiu de debaixo Anastasia e ajoelhou a cadela no queixo

para uma boa medida.

Apesar de seu próprio joelho doer como uma cadela de bater a mulher no queixo,

Anastasia só cuspiu sangue e se aproximou. O lobo bateu para fora − garras e dentes − Becca

se abaixou novamente, desta vez usando o ombro para obter Anastasia no estômago. A outra

mulher não se mexeu, mas pelo menos Becca estava tendo alguns socos dentro. Isso tinha

que contar para alguma coisa.

A outra mulher chutou e socou, batendo Becca mais frequentemente do que não, mas

Becca não recuou. Dor irradiava através de seu corpo, sangue escorrendo de um corte no

lábio. Seu olho direito começou a ficar embaçado, e tinha a sensação de que ela teria um

pedaço de um olho negro vindo de manhã, mas não parou de lutar. Para cada soco que

Anastasia teve sobre ela, Becca conseguiu marcar.

165
Ela ouviu o grito angustiado de Hunter com cada ataque contra ela e grito com toda

soco em sua oponente, e a impulsionava.

Por tudo isso, ela não se esqueceu de seu objetivo principal.

Joelho da grande puta.

Mas cada vez que ela tentava conseguir um bom tiro, a outra mulher saiu do

caminho. Anastasia conhecia sua própria fraqueza e não estava disposta a deixar Becca ter

um indo para lá.

Puta.

A outra mulher deu a Becca um soco na cara, forçando a cabeça para bater de

volta. Embora ela não achasse que havia quebrado nenhum osso, a dor cegante quase a fez

vomitar.

A outra mulher sorriu para isto, então riu.

Seu erro.

Becca engoliu a dor e o sangue enchendo a boca e se lançou em direção do joelho de

Anastasia. Pega de surpresa, a outra mulher gritou de dor quando Becca usou todo o seu

corpo para dobrar o joelho do lobo todo o caminho de volta. O som nauseante de rasgar os

ligamentos e ossos mais prováveis encheu os ouvidos de Becca, mas ela não se importava.

Anastasia gritou e bateu no chão.

Becca rolou em seguida, pulou em cima dela, usando sua força restante para bloquear

vias aéreas da outra mulher. Lágrimas escorriam por ambos os choques, mas também não

iria ceder. Anastasia tentou mover-se debaixo dela, mas Becca não teria nada disso.

Não tinha certeza de quanto tempo se passou, mas, finalmente, e doces deuses

finalmente, Anastasia bateu com a mão para baixo três vezes no chão, se rendendo.

Puta merda, o lobo não se enganava.

Ela deve ter tido maior honra do que Becca tinha pensado.

166
Um silêncio chocado encheu o círculo até gritos e rosnados subirem entre os

observadores.

Braços vieram em torno dela, e ela inalou o perfume celestial de seu companheiro,

Hunter.

"Becca, minha Becca." Ele beijou os hematomas no rosto, mas não a deixou ir.

Ela ganhou.

Ela ganhou, porra.

Como diabos tinha feito isso?

"Isto não terminou." Dorian cuspiu.

Becca resistiu à vontade de socar o sacana no rosto. Seu corpo doía muito para isso.

"Terminou, Dorian. Você perdeu. Ou recue e lide com isso, ou lide comigo." Hunter

rosnou.

"Eu acho que estou atrasado para o show." Disse outra voz ao lado deles.

Um homem alto, construído com longos cabelos loiros estava entre eles, com o rosto

inexpressivo, com os braços cruzados sobre o peito. Se Becca não tivesse estado na dor e no

amor com o homem segurando, ela teria pensado que aquele estranho era malditamente

lindo.

Este não era o melhor momento para estar pensando isso, no entanto.

"Que diabos você está fazendo aqui, urso?" Perguntou Dorian.

O outro homem/urso arqueou uma sobrancelha.

Hunter balançou a cabeça, em seguida, colocou Becca em seus pés. "Jace, é bom ver

você."

Hunter conhecia esse homem ou urso ou qualquer outra coisa. O cara, Jace, parecia tão

grande como um urso, de modo que se encaixava.

"Você chamou um urso para vir ao nosso bando?" Dorian gritou.

167
Jace bufou. "Eu sou um mediador, idiota, e parece que o Conselho deveria ter me

chamado mais cedo."

Que diabos era um Mediador, e por que Dorian não parece feliz em vê-lo? Bem, isso

pelo menos fez Becca gostar do urso.

"Leve-me para as câmaras do conselho." Jace ordenou, sua voz não segurando espaço

para discussão. "Vejo que temos muito que discutir. Hunter, gostaria de ter a sua

companheira a casa e se certificar de que ela está curada?"

Ela respondeu para si mesma. "Eu estou bem." Hunter abriu a boca para argumentar, e

ela o fez calar. "Não vou deixar você ir lá sem mim."

Jace curvou um sorriso, fazendo com que ele parecesse ainda mais bonito. "Eu já gosto

desta sua companheira."

"Mãos fora, Jace. Olhos também. Tudo bem, Becca, você pode vir, mas no minuto em

que parecer que está indo para desmaiar em mim, você vai para casa."

Ela estava bem, sabia disso, mas se Hunter queria surtar, ela o deixaria.

Jace passou seu olhar sobre Hunter. "Desde a aparência dele, você parece como se

poderia usar um pouco de descanso."

"Diga-me sobre isso." Becca murmurou.

Jace balançou sua cabeça. "Não, você me contará sobre isso quando chegarmos às

câmaras."

Os outros membros do Conselho caminharam para as câmaras. Se eles tivessem estado

vestindo capas, Becca tinha certeza de que teria florescido como Drácula com uma

atitude. Parecia que Jace estava lá para consertar as coisas.

Isso foi bom, certo?

Uma vez dentro os membros do conselho, incluindo Liam e Alec, tomaram seus

assentos. Josiah levou o seu, com Hunter trazendo Becca com ele para o banco do Beta. Jace

estava no centro, aparentemente despreocupado que estava abaixo do resto deles em suas

168
cadeiras altas. Afinal, Jace era um homem grande. Provavelmente, seria necessário muito

para insinuá-lo.

"Quem te chamou aqui?" Perguntou Alistair, um pouco de medo em seu tom.

Embora feliz em ouvir seu medo, Becca não sabia por que o lobo estava tão assustado.

"Quem me chamou aqui, não importa." Jace respondeu, sua profunda voz calma, mas

exigindo atenção e respeito.

Becca viu o olhar rápido entre Liam e Alec, e ela tinha certeza de quem tinha feito

isso. Bom para eles. Eles estavam em uma situação sem vitória no conselho como os dois

únicos homens sensatos. Os outros três ganhariam cada voto, só porque eles lutaram juntos

ao invés de pensar por conta própria. Liam e Alec poderiam querer ajudar o Beta e Alpha,

mas com as regras e tradições como eram, nada estava acontecendo, nada poderia acontecer.

Esperemos que Jace fosse encontrar uma maneira de ajudar a situação. Ou seja, se esse

era o seu trabalho, para começar. Ela ainda não sabia bem o que era um mediador em relação

ao shifters. Só podia arriscar um palpite sobre o seu propósito.

"Estou aqui porque o seu bando precisa de ajuda. Sou um mediador, um shifter de

conselho fora, enviado para bandos, Prides e outros antros para garantir a luta dentro da

própria estrutura seja resolvida."

"Sabemos disso." Dorian cuspiu.

"Eu estou fazendo isso para que Srta. Quinn entenda." Jace explicou. "Eu não paro a

luta entre bandos. Cabe a você e seu Alpha garantir a segurança do bando, mas estou aqui

para garantir que vocês não matem uns aos outros sobre o poder. Ou, se há uma luta pelo

poder, terei a certeza que, pelo menos, façam-no dentro de suas próprias regras."

Becca conteve um suspiro, principalmente porque o rosto ainda doía. Regras? Essas

foram as coisas que matavam sua matilha para começar.

"Suas regras e tradições, porém, são as coisas matando você." Disse Jace.

Ela poderia realmente começar a gostar desse cara.

169
Hunter passou a mão sobre o lado dela e beijou seu pescoço, um gesto de propriedade,

mas ela adorou, no entanto.

"Você acha que vir aqui e dizer-nos que as nossas regras estão perdidas?" Lloyd

rosnou. "Você não passa de um urso solitário com muito poder. Não tem nada a dizer aqui."

Jace grunhiu, e não um rosnado que ela estava acostumada, como um lobo, mas um

rosnado urso terrível que vinha do fundo de seu peito e quase balançou as paredes. Ela

afundou no agarre de Hunter. Neste ponto, não se importa se parecia mais fraca do que Jace

por isso.

Ela era mais fraca do que Jace.

"Eu sou o mediador. Cuidado com o tom de voz, meu velho. Seu bando está

desmoronando e você precisa fazer algo a respeito. Todos vocês estão lutando entre si, tanto

que o sangue de seus lobos mais fracos está em suas mãos. O que aconteceria se outra cova

estivesse atacando agora? Você seria forte o suficiente para combatê-los? Não. Não penso

assim. Você está deixando seu orgulho apodrecer em algo contaminado. Não vou levar o

caso até o momento, porque quero ver se podem lidar com isso por conta própria, sem

derramamento de sangue. Agora cresça, porra, e aprenda a executar um bando ou vou lidar

com eles para você."

Becca piscou. Ok, então o mediador não era algum, homem de fala doce e suave, mas

um urso que veio, poderia assustá-los, e cuidar de coisas por conta própria.

Bom saber.

"Estarei de volta em breve para ver se tem tudo decidido, mas, por ora, corrijam essa

merda."

Com isso, o urso se afastou e Becca piscou. Hunter a puxou para mais perto em seus

braços novamente, apesar de suas feridas e levou-a para fora das câmaras, sem outra

palavra. Liam e Alec seguiram atrás com Josiah entre eles.

"O que está acontecendo?" Becca sussurrou, o medo arranhando-a.

170
"Temos alguns dias, e, em seguida, Jace vai entrar e decidir por nós, quem deve viver

ou morrer."

"Ele pode fazer isso?" Deus, que era um monte de poder e responsabilidade para

colocar sobre os ombros de alguém, tão amplo quanto eles eram.

"Sim, e ele vai ter se nós não descobrirmos uma maneira de quebrar o conselho. Se

todo mundo quiser viver o caminho mais fácil seria separá-los, mas é difícil ir contra a

tradição. É ainda mais difícil fazer isso quando outros membros do bando parecem seguir os

três idiotas." Ele caminhou-os em sua casa e fechou a porta. Ela assumiu que os outros

tinham ido para casa também.

"Você vai quebrar o conselho?"

Hunter assentiu. "Estamos em um momento diferente do que estávamos quando foi

formado. Não é necessário agora e, realmente, é só um bando de cabeças falantes. Nós

funcionamos melhor como um par de Alpha e Beta com executores, e não um conselho."

Ela segurou o rosto dele, ignorando suas dores.

"Como é que você vai fazer?"

Ele beijou a palma da mão. "Eu não sei, querida, mas estamos correndo contra o tempo

para descobrir isso."

Um arrepio percorreu-lhe a espinha, e ela balançou a cabeça. Se não encontrassem

uma maneira de derrubar os lobos indisciplinados, não haveria lugar para se esconder de um

urso em uma missão.

Disso, ela tinha certeza.

***

Jace Goodwin respirou fundo, fechou os olhos, deixando lavar o domínio humano

sobre ele. Deus, ele sentiu falta desse lugar. Sentiu falta da azáfama dos seres humanos e seus

171
problemas. Adorava o fato de que nunca iria ser chamado para mediá-los, ele apenas

observava de longe.

O que ele realmente sentiu falta, no entanto, era o edifício que estava na frente. Mais

importante, ele sentiu falta do homem dentro daquele prédio. Já poderia sentir o cheiro dele,

esse tempero misturado com chocolate escuro e uma pitada de perigo.

Deus, ele tinha sentido falta daquele dragão.

Saiu pela porta da frente e suspirou com alívio na sala vazia. Seria apenas Dante e ele,

agradeça aos deuses.

Fazia muito tempo, e seu urso precisava do seu dragão.

Outro perfume, algo muito mais delicado e doce, roçou contra ele, e congelou. O

cheiro desapareceu tão rapidamente como tinha vindo, e ele franziu a testa.

O que foi isso?

Quem era?

"Onde diabos você estava?"

Jace sorriu enquanto Dante entrou no quarto de trás. Esse preto cabelo com listra azul

dele tinha crescido desde que Jace o tinha visto pela última vez o homem. Seu piercing na

sobrancelha brilhou a luz em cima, forçando Jace se lembrar exatamente quantos piercings o

outro homem tinha e quanto Jace queria tocá-los... mas nunca tinha sido permitido.

"Isso é jeito de me receber?" Jace cantarolou.

"Você se foi, durante anos, cara. Anos. Eu tentei obter um aperto de você. Onde diabos

você estava?" Dante cruzou os braços sobre o peito, uma pequena mecha de fumaça saindo

de sua narina.

Bem, inferno, o dragão estava bem e verdadeiramente irritado. Não que Jace o

culpava. Ele tinha ido embora por muito mais tempo do que tinha previsto.

"Eu estava preso na área de aves de rapina." Respondeu Jace. "Levou três anos apenas

para obter através de mediações."

172
Embora Jace tivesse lavado o sangue de suas mãos, não tinha certeza de que ele

obteria as imagens do que exatamente tinha ido lá, fora de sua cabeça.

A postura de Dante relaxou um pouco, mas não se mexeu mais. Jace não se moveu

também, não tendo certeza de ser bem-vindo. Ele odiava se sentir como se estivesse fora de

sua profundidade, mas que sempre veio quando estava perto de seu dragão.

"Eu a encontrei." Dante sussurrou, e Jace respirou.

"Quem... onde... ela?"

Dante sorriu, em seguida, caminhou em direção a ele. Jace segurou ainda esperando

para ver o que o outro homem faria. Ao um metro e noventa e seis, havia apenas algumas

pessoas em torno de sua altura, e Dante, embora três centímetros mais baixo, foi uma

delas. Jace nunca se sentia tão grande e estranho ao seu redor.

A maioria dos dias.

Dante segurou o rosto de Jace, e Jace se inclinou para o toque. "Eu a encontrei."

Jace engoliu em seco. "Quem ela é?"

"Você vai amá-la."

Oh, Jace não tinha nenhuma dúvida sobre isso.

Dante fez uma careta. "Por que você cheira como lobos? E Becca e Hunter? O que está

acontecendo?"

Jace piscou então amaldiçoou, movendo-se para trás. "Porra. Estou mediando, ou pelo

menos estarei, para o Bando Nocturne. Você conhece Becca e Hunter?"

Dante estreitou os olhos. "Becca é uma das minhas melhores amigas, e Hunter é seu

companheiro. Preciso tirá-la de lá para sua segurança? Fui deixando-a ficar lá para se

familiarizar com o seu futuro, mas vou levá-la para longe, se eu precisar."

Ciúme irracional com as palavras de Dante encheu Jace, mas ele negou-os. "Eu não sei

exatamente o que está acontecendo lá, mas vou consertá-lo. É o meu trabalho." Que na

173
maioria dos dias, ele detestava. "Isso significa que, no entanto, não posso colocá-lo em perigo

e ela agora. Assim que eu resolver isso, posso voltar, embora. Voltar e ficar."

Algo cintilou no rosto de Dante, antes que ele apagasse sua expressão. "Nós não

ficaremos esperando para sempre, Jace. Você precisa voltar para casa. Proteja Becca e Hunter

depois volte para casa."

Ele não teve todos os fatos sobre o Bando Nocturne, por isso não podia prometer

proteger os amigos de Dante. Queria fazer alguma coisa por este homem, mas não tinha

certeza.

Jace balançou a cabeça, em seguida, passou a mão pelo cabelo comprido de Dante,

incapaz de parar a si mesmo.

"Eu vou voltar. Prometo."

"Não leve anos desta vez, Jace. Nadie não tem esse tipo de tempo."

Nadie.

Ele gostava desse nome.

"Vou lidar com isso rápido. Eu prometo."

Afastando-se para que ele não beijasse o homem e fizesse um tolo de si mesmo ao

gozar em sua calça jeans, ele saiu do bar, esperança enchendo-o, mesmo quando uma ligeira

vantagem de aborrecimento lutou contra ele. Precisava passar por essa mediação, e então

poderia ter o seu futuro.

Finalmente.

174
Capítulo Quatorze

"Oh, inferno, você tem que estar brincando comigo." Becca murmurou para o pequeno

pedaço de vara na mão. A coisa parecia gritar com ela e amaldiçoá-la para o seu

descuido. Ok bem, não gritar, mas olhou de volta com um estranho alto silêncio, mas tudo

bem.

As duas linhas rosa zombaram dela, dizendo que deveria ter usado um

preservativo. Deveria ter usado mais o pensamento, ao invés de querer sentir Hunter

enterrado entre as pernas dela, enchendo-a com seu esperma.

Não era como se, na época, tivesse esquecido como os bebês eram feitos. Afinal, ela

estava no topo de Hunter com seu pau firmemente na boceta dela na época, de modo que

sabia. Não era como se não quisesse os bebês com seu companheiro, era mais por causa de

toda essa coisa de perigo.

Toda o bando está fora para obter-lhes essa ‘coisa’.

Não poderia ter escolhido um momento pior para estar grávida.

Becca engoliu em seco a essa palavra.

Não poderia estar grávida.

As linhas zombaram dela novamente.

Bom. Ela poderia, mas por que ela teve que ser tão fértil? Deve ser Hunter e esse

esperma dele. Eles devem ser como superesperma de lobo e em esteroides ou algo assim.

Oh Deus. Ela estava indo para dar à luz a filhotes.

Nem sabia como cuidar de um filhote de verdade, e muito menos um bebê lobo.

Ou seria um leprechaun? Inferno. Não sabia nada disso. Não sabia que gene venceria

ou mesmo se um iria para começar. Por tudo o que sabia, nenhum dos genes sobrenaturais

iria ganhar e ela acabaria com um bebê humano. A ideia de que os humanos vieram em

175
primeiro lugar porque as diferentes espécies, como lobos e leprechaun, mantiveram

procriando, até que finalmente não houve mais do que uma pequena metade de DNA

sobrenatural deixado.

Ela nem sabia como se teletransportar ainda. Claro, tinha aprendido a curar outras

pessoas um pouco, mas Hunter não a deixava fazer muito mais do que um corte ou arranhão,

com medo que desmaiasse como tinha antes. Ela realmente era um desperdício de um

leprechaun.

Não estava mesmo com um pouco sorte.

Imagens de Hunter segurando um pacote envolto em cobertor rosa encheu sua mente.

Lágrimas derramaram por suas bochechas e ela fungou. Ok, isso seria sorte. Seu

companheiro sexy segurando uma menininha... ou menino... e sendo todo superprotetor.

Que ela poderia subir a bordo com isso.

Não tinha certeza de que poderia acontecer embora. Não com o perigo à margem de

todos os aspectos de sua vida. O conselho não tinha recuado de verdade, mas pelo menos

ficou quieto por um momento. Era como se eles estivessem com medo de que Jace poderia

ser forçado a fazer, que ela e Hunter estavam. Jason e os outros leprechauns não haviam

chegado para ela, mas tinha a sensação de que se souberam que ela estava grávida, as coisas

não seriam bonitas.

Deus, precisava falar com alguém. Tanto quanto ela amava Leslie, queria suas velhas

amigas. Fazia muito tempo que ela tinha falado com alguma delas, e se sentiu à deriva. Ela

não deveria ter isolado a si mesma. Não podia nem culpar Hunter. Inúmeras vezes ele lhe

havia dito que a levaria para o reino humano e ficaria lá o tempo que precisava, mas jurou

que ela estaria aprendendo sobre o bando.

O que ela realmente fez foi esconder o seu passado e tentar mergulhar em um futuro

que tinha tanta certeza de que poderia perder.

176
Deus. Por que não tinha visto isso antes? Estava tão certa de que iria perder tudo que

tinha quando era uma criança, que se recusou a deixar Hunter ir. Mas, ao fazer isso, deixou

que suas amigas fossem.

Bem, foda-se.

Ela precisava das meninas para conversar.

Becca estava com as pernas trêmulas e colocou a mão sobre o estômago. Tinha apenas

um mês ao longo, mais ou menos, não muito longe de tudo, mas era uma vida crescendo

dentro dela. Uma parte dela e Hunter.

Estava tão fodidamente assustada.

A necessidade de sair da cova e voltar para onde tinha vindo agarrou nela. Não era

como se quisesse ter ido embora para sempre, mas precisava de um momento ou dois de

distância de todos os perigos e medos segurando-a, para que pudesse descobrir como ela

realmente sentia em relação a um bebê.

Neste momento, sua mente parecia estar andando em círculos, o que não ajudava

nada.

Rapidamente, antes que pudesse mudar sua mente, ela colocou botas e colocou seu

cabelo em um rabo de cavalo. Só precisava respirar. Colocou o teste positivo em sua bolsa

para que pudesse mantê-lo perto, em seguida, caminhou até a sala onde Hunter estava lendo

textos antigos. Ele estava tentando encontrar uma forma pacífica para livrar-se do conselho, e

ela sabia que estava chegando no vazio.

"Eu preciso ir embora."

A cabeça de Hunter disparou. "O quê?"

"Eu tenho que ir. Não posso ficar mais aqui."

Choque, em seguida, tristeza, espalhou sobre o rosto antes dele lentamente se levantar

e caminhou em sua direção. "Você disse que nunca me deixaria. Eu disse que não iria deixá-

la ir."

177
Apesar do fato de que ela sabia que não queria deixar para sempre, tudo o que

aconteceu nos últimos meses apenas vomitou em cima dela. "Eu preciso ir. Agora. Apenas

deixe-me ver minhas amigas. Você não pode me manter aqui, Hunter." Deus. Que diabos

havia de errado com ela? Sabia que ele não a tinha obrigado a ficar aqui, mas agora, neste

momento, ela precisava de ar.

Ele passou a mão pelo cabelo. "Eu nunca disse que você tinha que ficar aqui, Becca.

Você poderia ter ido e visto suas amigas sempre que quisesse. Por que está agindo assim

agora?"

"Você está dizendo que eu não posso ir?"

"Não, bebê, você pode ir. Vou levá-la agora para ver suas amigas, mas me diga que vai

voltar comigo."

Ao ouvir a palavra bebê, ela se encolheu. Hunter pegou recuo, com o rosto em

pedra. Ele dobrou para frente então a única coisa que ela podia ver era seu olhar. "Nunca vou

deixar você ir, Becca. Você é minha, tanto quanto eu sou seu. Vou levá-la para ver Faith e as

outras, mas estou trazendo você de volta para onde pertence. Ao meu lado. Então, podemos

descobrir uma maneira de viver nos dois lugares. Eu prometo."

Ela não disse nada, incapaz da voz que estava acontecendo em sua cabeça. Sim. Queria

estar ao seu lado, mas nesse caso, foi demais. Ela só precisava de uma ruptura com o perigo,

e precisava de suas amigas.

Becca engoliu em seco, e Hunter procurou seu rosto antes de perseguir em direção à

porta. "Vamos lá."

Ela seguiu, sabendo que tinha feito algo que pôde não ser capaz de resolver. Sua

cabeça doía muito para descobrir isso, mas o faria.

Ela tinha que fazer.

O portal abriu perto da casa de Faith, e eles pararam em seu quintal. Hunter puxou-a

em seus braços e a beijou. Duro.

178
"Você é minha, Becca. Nunca vou mantê-la em uma gaiola, mas não fuja de mim. Vou

ficar neste domínio. Tem o meu telefone. Chame-me quando quiser ir para casa."

Casa.

Sim, a cova era a sua casa. Ela só precisava estar em um lugar que não fosse

constantemente tentando matá-la.

"Becca?" Faith chamou para fora de sua varanda. Hunter acenou para a outra mulher

quando se afastou, indo quem sabe onde, deixando Becca segurando sua bolsa. Nadie vindo

por trás de Faith.

"O que há de errado?" Nadie perguntou quando a abraçou.

"Estou grávida." Becca deixou escapar, em seguida, começou a soluçar.

"Eu vou matá-lo." Disse Faith mais tarde quando ela colocou um bule de chá sobre a

mesa de café. "Trouxe a tequila, mas já que você está grávida, isso não parece ser a melhor

coisa a fazer."

Assim que Becca tinha deixado escapar a sua condição, Nadie tinha puxado-a para a

casa de Faith e sobre o sofá, segurando-a perto. Faith tinha resmungado alguma coisa sobre

idiotas estúpidos e preservativos, em seguida, foi buscar o chá.

Becca ainda não sabia por que estava exagerando ou por que não havia dito a

Hunter. Deus, ela se sentia como uma idiota. Não era como se achasse que Hunter iria levá-lo

mal. Muito pelo contrário, na verdade. Ele provavelmente estufaria o peito e andaria como se

seus soldadinhos tivessem feito algo verdadeiramente heroico. Então ele a envolveria em

plástico bolha e tentaria manter o lobo mau de soprar sua casa abaixo.

Era toda aquela coisa grande lobo mau que Becca não achava que ele seria capaz de

controlar.

179
Não era como se não achasse que Hunter ou Josiah eram fortes o suficiente. Era que

teriam que ir contra sua matilha e suas tradições para fazer as coisas acontecerem.

Como diabos tinha sua mente feito o seu caminho de volta para a fabricação de guerra

com os cova?

"Ok, você precisa nos dizer exatamente o que aconteceu." Faith exigiu. "Eu preciso

saber se você quer que eu castre o bastardo ou não."

"Faith, pare de tentar tirar as peças vitais do corpo fora do companheiro de Becca."

Nadie advertiu então se virou para Becca, que ainda estava contra ela. "Mas vou segurar o

filho da puta abaixo para Faith, se você precisar de mim."

Becca bufou uma risada − exatamente o que ela precisava. "Senti falta de vocês,

estupidamente muito."

Nadie apertou-a perto enquanto Faith revirou os olhos, mas Becca não perdeu a

felicidade neles.

"Se fizemos muita falta, você não deveria ter ficado na maldita cova por tanto tempo."

Disse Faith. "Quero dizer, vamos lá, um minuto você está namorando o homem, o próximo

você está sequestrada, salva e vivendo com ele com estrelas em seus olhos. Não é que eu

soubesse que havia estrelas em seus olhos, porque eu realmente não tinha visto você. Pelo

que sei, as coisas têm sido perfeitamente terríveis, e ainda assim, você não veio para nós."

"Inferno, me faça sentir como um inseto sob seu sapato, por que não?" Becca

sussurrou.

"Nós sentimos sua falta, isso é tudo." Nadie acalmou.

"Sinto muito que fiquei longe por tanto tempo."

"Não, você não sente." Faith corrigiu. "Sim, você está triste que não poderia nos ver,

mas a partir desse pão no forno, tenho certeza que você gostou mais do seu tempo."

Becca riu, então, disse-lhes sobre o que tinha acontecido na sala, enquanto ela morava

lá. Tentou fazer as peças com Hunter e o quanto ela amava o homem das partes mais

180
importantes, mas suas amigas estavam mais interessadas no fato de que ela era agora uma

leprechaun, que qualquer uma ameaça de morte ou ameaça de criadora que pairava sobre sua

cabeça.

"Por que diabos não soubemos sobre isso?" Faith gritou enquanto passeava sua sala de

estar.

"Faith."

"Não, não comece, Becca." Nadie disse, embora mais calma do que Faith. "Dante disse

apenas que estava sendo bem cuidada e feliz. Ele não mencionou que as pessoas ainda

estavam tentando matá-la, ou que o reino que deveria recebê-la de braços abertos parece ter

se transformado em um bando de loucos, de malucos que só querem você para o seu

útero. Ele sabia de tudo isso, não foi?"

A traição atou dentro voz de Nadie. Becca sentiu como tivesse cerca de dois

centímetros de altura. Maldição. O que ela estava pensando? Por que ficou longe de suas

amigas por tanto tempo, só porque queria ver o seu futuro?

"Nadie, querida, ele não sabia de tudo. Eu sou uma idiota. Tentei tanto examinar o que

eu queria que meu futuro fosse, que mesmo eu não sabia exatamente que joguei meu

passado distante, ou pelo menos escondi."

Faith arremessou-se para baixo ao lado de Becca. "Vou perdoá-la um pouco, porque eu

meio que entendo."

Surpresa, Becca virou-se para a amiga. "Você entende?"

Faith suspirou. "Sim. Eu entendo. Quero dizer, você ainda não está fora do gancho por

nos trocar, e ainda mais em apuros porque não explicou quão bom Hunter é no saco, mas

vou superar isso."

"Faith!" Nadie corou, e Becca apenas riu.

"Diga-me como você entende porque eu não sei se consigo."

181
"Você o ama, Becca." Faith disse simplesmente. "Tudo isso é muito novo, então é claro

que você está confusa. Vamos lá, não é como se tivesse a mais estável das infâncias, e,

inferno, mesmo até seus vinte anos sugou um pouco com isso de uma só vez e não tomar

qualquer ajuda que oferecemos."

"Faith..."

Sua amiga levantou a mão. "Não, deixe-me terminar. Você é a nossa melhor

amiga. Nós sete passamos o inferno, e para algumas de nós isso significa literalmente. Nós

temos sido atingidas por um raio em pânico e agora olhamos para o nosso futuro. É claro que

vai querer ver como o outro lado parece e mergulhar nele. Você está com muito medo de que

se você se afastar de Hunter, até um pouco, ele vai deixar como todos os outros que,

excluindo suas amigas e você vá ficar sozinha."

Becca engoliu em seco. Apesar de que tinha sido o que estava pensando, ainda doía

ouvir. Deus, era uma idiota.

"Acho que preciso aprender a multitarefa um pouco melhor."

Faith bufou. "Querida, toda vez que você faz multitarefa acaba largando as coisas. Não

há problema em precisar compartimentar um pouco. Assim, da próxima vez, certifique-se

que não leve isso tão perto do coração."

Nadie esfregou a mão no ombro de Becca. "Por que está aqui agora, Becca?"

Porque era uma idiota, e disse isso para suas amigas. "Além disso? Porque eu...

inferno. Acho que fiquei com medo. Hunter é malditamente incrível. Mesmo quando ele é o

cara ‘duro/Alpha/lobo’, ele sempre me coloca em primeiro lugar."

"Talvez você só quisesse testá-lo." Faith colocou dentro.

"Isso me faz soar como uma cadela. Pode ser verdade, ou só tive medo. Odeio aquelas

mulheres que jogam se encaixando apenas para testar os seus homens. Nunca fiz isso antes, e

serei amaldiçoada se deixar esta finalidade aqui."

182
"Você vai explicar-lhe essa parte." Disse Faith. "Ambrose mandou uma mensagem

dizendo que seu companheiro está pendurado com ele e Balin no seu lugar fazendo coisas

viris."

"Ambrose não disse coisa viris." Disse Nadie. "E Ambrose realmente mandou uma

mensagem?"

Becca bufou, tentando imaginar o anjo de cinco mil anos de idade, mandando

mensagens de texto.

Faith sorriu. "Jamie está forçando-o a aprender novas coisas. Quanto à parte viril,

poderia ter acrescentado isso, mas não significa que seja verdade. Seu Hunter estará para

buscá-la daqui a pouco. Apesar do que está pensando, ele entende. Bem, não a parte da

gravidez, mas a parte medo de tudo. Quando é que vai dizer a ele que está tendo seus

filhotes a propósito?"

"Os lobos não têm ninhadas, então acho que não terei como oito bebês de uma só vez."

Becca brincou, sentindo-se melhor, apenas vendo suas amigas. "E vou dizer a ele que nós

teremos um bebê, assim que voltar para casa. Não estou escondendo isso, e conhecendo seu

nariz, não posso escondê-lo por muito mais tempo de qualquer maneira. Só tenho o teste de

gravidez para começar, porque Leslie, outra loba, escapou-me e não queria preocupar

Hunter mais do que ele já está."

Faith balançou a cabeça, e as três começaram a falar sobre o que ela tinha perdido,

enquanto estava fora. Estas duas mulheres, e as outras mulheres que faziam parte do seu

círculo mais íntimo, eram, ou tinham sido, a sua âncora. Hunter poderia ter se tornado isso

agora, mas suas amigas sempre estariam lá também.

Ela só precisava se lembrar disso.

183
Capítulo Quinze

Hunter enfiou as mãos nos bolsos das calças de brim e olhou para a porta de trás do

lugar de Faith. Ele sentiu como se tivesse acabado de deixar Becca lá, mas, ao mesmo tempo,

parecia que tinha sido anos. Deus, ele sentia falta mais do que tudo, e seu lobo, assim como o

homem, precisava saber que ela estava segura.

A lua olhou para ele, como se soubesse que de alguma forma ele fodeu tudo. Nem o ar

da noite e a liberdade, que vieram de estar longe da cova poderiam ajudá-lo agora.

Inferno, ele não sabia o que fazer. Não sabia se Becca estaria pronta em ir para casa ou

não.

Nem sequer sabia se ela ainda considerava a cova como casa.

Foda-se.

O que diabos ele tinha feito para assustá-la?

Ambrose e Balin tinham lhe dito que algo deve ter acontecido para provocar a

agitação. Ao longo de tudo, Becca tinha sido forte e jovial.

Alguma coisa deve ter mudado, mas não teve nenhuma pista.

"Hunter?"

A voz de Becca quebrou-o afastado de seus pensamentos, e seus olhos se abriram. Ele

ainda não tinha tido conhecimento que tinham estado fechados. Sem adivinhar-se, pelo

menos por enquanto, caminhou na sua direção e levantou sua companheira em seus

braços. Enterrou o nariz contra seu pescoço, precisando levar seu perfume para abrandar seu

lobo, e se acalmar.

Não era que ela tivesse estado fora de sua vista; não, não era tão louco assim. Foi

porque tinha deixado uns aos outros em termos incertos − algo que ele preferia não fazer

novamente.

184
Nunca.

Ele gostaria de encontrar uma maneira de fazer tudo o melhor para ela, certificar-se

que isso funcionaria. Não estava disposto a deixá-la sair de sua vida.

Ela era dele.

Para sempre.

Seus braços em volta de sua cintura e a segurou com força. Seu corpo relaxou contra

ela, amando o modo como seu corpo afundou nele.

Poderia cheirar as outras duas mulheres perto deles, mas tinham ficado em casa,

cuidando de sua amiga. Esperemos que Becca tivesse confiado nelas, para que não tivesse de

suportar tudo isso em seus ombros, embora ele tivesse preferido se tivesse falado com ele

também.

Depois de mais alguns minutos de apenas abraçados e deixando seu vínculo resolver

sobre eles, ele puxou de volta e emoldurou seu rosto com as mãos.

"Você está pronta em ir para casa?" Lutou para manter a voz calma e

despretensiosa. Não sabia o que faria se ela dissesse que queria ficar com Faith ou voltar ao

seu antigo apartamento.

Sozinha.

Se ela quisesse voltar para o seu antigo lugar com ele ao seu lado, faria isso num piscar

de olhos. Liam e Alec poderiam cuidar das suas funções por um tempo. Afinal, era isso que

ele queria fazer, em primeiro lugar, quando estava decidindo como fazer com que se

encaixasse na vida de Becca, tanto quanto ela tinha desistido das coisas para caber dentro de

sua vida. Ele mesmo disse isso, mas agora não tinha certeza se ela entendia ou ainda

acreditava nele.

Inferno, ele queria, não, precisava, se certificar de que o que aconteceu agora, não iria

estragar tudo para o futuro. Se apenas ela falasse com ele.

185
Não tinha ideia de quando se transformou em um homem que precisava conversar e

desabafar seus sentimentos, mas, neste momento, superaria isso. Poderia ter crescido dentro

de um bando que se orgulhava do fato de que não eram humanos e não cumpriam todas as

leis humanas, mas agora, ele precisava de Becca.

Não era assim antes dela entrar em sua vida naquele beco. Antes que pudesse ter

apenas caminhado para habitação de qualquer mulher e conseguido suas bolas fora se

quisesse. Não, agora é tudo sobre Becca. Outros membros do bando poderiam ter estado bem

com fodas aleatórias, sempre que quisesse, mas ele precisava de uma mulher em seus braços.

Precisava matar quem a machucou. As três vidas dos membros do Conselho foram

perdidas. Ou pelo menos seriam em breve. Hunter teria que lidar com as consequências

depois de quebrar o juramento e as sanções do bando. Aqueles homens tinham tentado

matar sua companheira, o seu futuro.

Foi passado o tempo de palavras e orações. Agora ele tinha que lidar com as ações dos

outros e as consequências de sua autoria.

Os leprechauns também estavam na sua lista. Eles poderiam ter estado tranquilos, por

agora, mas Hunter teve a sensação de que não tinha acabado. Não, não por um tiro

longo. Por tudo o que sabia, eles estavam planejando algo agora e prontos para pegá-lo de

surpresa e Becca.

Isso não era algo que deixaria acontecer.

Olhou para sua companheira e lutou para manter as emoções em conflito e

pensamentos de seu rosto.

"Você está pronta em ir para casa?" Ele repetiu.

"Sim. Estou pronta."

Suas palavras suaves deslizaram por ele, e ele quase caiu de joelhos.

Graças aos deuses.

186
Não estava pronto para deixá-la ir. Não. Arranhe isso. Nunca estaria pronto para

deixá-la ir, e ela só tinha que aprender isso. Era um lobo dominante, e não podia deixar ir a

única que foi feita para ele pelo destino, biologia, coração e muito mais.

Ela só tinha que se acostumar com isso e dizer-lhe por que reagiu assim, em primeiro

lugar.

Agora, porém, ele só queria chegar em sua casa, por trás das paredes de sua casa, em

sua cama, e sob ele.

Seu lobo precisava reafirmar o vínculo.

O homem estava ali atrás de seu lobo.

Hunter deu um aceno de cabeça para as duas mulheres na janela, em seguida, abriu

um portal e levar Becca de voltar para casa. Felizmente Faith teve uma cobertura total de

árvores em seu quintal, por isso facilitou as coisas. Se não tivessem tido tanta pressa em

primeiro lugar, ele teria trazido Becca aqui em sua moto. Amava o jeito que ela riu quando

foi mais rápido e abraçou-o apertado, seu corpo pressionado contra ele, sua boceta quente

contra as costas dele com apenas a pequena quantidade de roupas que usavam entre eles.

Becca deslizou sua pequena mão na sua, e ele relaxou ainda mais.

Nunca deixou de espantá-lo como seu toque poderia fazê-lo reagir.

Não havia nenhuma maneira que estivesse deixando-a ir.

De jeito nenhum que estava deixando-a deixá-lo.

De jeito nenhum que estava deixando-a manter o que a estava incomodando longe

dele.

Eles pisaram em seu próprio quintal, quando o portal se fechou atrás deles. A noite já

tinha caído quando esteve na casa da tríade, e era ainda mais escuro dentro da cova, como as

altas árvores bloquearam alguns do luar.

Ele cheirava a fumaça da chaminé de alguém, e podia ouvir os sons suaves de

membros da sua matilha relaxando para uma noite. Manteve Becca perto quando usou seus

187
sentidos para ver se havia algum intruso ou qualquer coisa fora do lugar, mas não pegou

nada.

Parecia que Liam e Alec tinham feito como tinham dito e vigiado sua casa, bem como

o bando. Hunter ainda podia sentir o cheiro dos traços da dupla quando correram sua terra,

mantendo-se de fora, se tivesse havido qualquer para começar, imediatamente.

"Pronta para ir?" Ele perguntou e olhou para sua companheira.

Ela inclinou a cabeça para cima e lhe deu um pequeno sorriso, mas ainda podia ver a

tristeza nela. Quebrou-lhe que não sabia por que ela estava agindo dessa forma, por que ela

precisava de espaço.

Eles teriam que falar sobre isso em breve, porque não havia nenhuma maneira que

pudesse ir, nem mesmo por uma noite inteira. Ele estava muito ligado a proteger e cuidar das

pessoas que ele gostava para ficar de braços cruzados e deixar que as coisas se desfizessem.

Ele já teve que fazer isso quando esteve no inferno.

Não havia nenhuma maneira que faria isso de novo.

Eles caminharam para dentro, sem tirar seus sapatos e sua bolsa, em seguida,

entraram na sala de estar.

"Diga-me o que te chateia, Becca." Disse ele, logo que os dois estavam no sofá, ela

debaixo do braço.

Exatamente onde deveria estar.

Ela respirou fundo e encostou-se no ombro. Seu lobo montava, amando o jeito que ela

sentia contra ele, mas a necessidade de saber exatamente o que estava acontecendo.

"Acho que foi apenas tudo."

"Tudo?" Merda. O que isso significa?

"Quero dizer, Deus, Hunter. Tudo o que tem acontecido ultimamente é malditamente

terrível se você olhar para tudo isso junto. Nós nos conhecemos porque eu fui assaltada e

quase estuprada em um beco."

188
Ele apertou a mandíbula, forçando para trás a raiva naquela memória.

"Eu quase morri quando o pedaço de madeira atravessou-me e o djinn atacou."

Desta vez, a raiva misturou com o horror no que tinha acontecido. Se não tivesse sido

pelo desejo de Jamie...

Ela mudou-se para que pudessem olhar os rostos uns dos outros. Ele tentou treinar

seus recursos para evitar assustá-la, mas não achava que estava fazendo um bom trabalho.

"Eu ainda me lembro do jeito que você uivou. Na época era como um eco, tão longe,

mas algo que eu ainda poderia segurar. Sei que o desejo de Jamie foi o que me salvou, mas se

você não estivesse lá, do outro lado, me puxando através..." Ela estremeceu. "Você foi o único

para mim, então, mesmo que não soubesse exatamente o que fazer sobre isso."

Ele colocou uma mecha de seu cabelo atrás da orelha, em seguida, traçou o seu dedo

pelo seu rosto. Não falou, sabendo que ela precisava deixar suas palavras e encontrar um

lugar.

"Então, quando nós finalmente nos tornamos um casal, ou pelo menos tentávamos,

considerando o meu próprio jeito humano teimoso, o conselho mudou tudo isso. Desde

então, as coisas têm sido uma loucura, Hunter. É como se fosse uma coisa atrás da outra,

tentando nos testar ou nos separar."

Ele franziu o cenho, sabendo que ela estava certa, mas ainda assim não gostando das

palavras. Não tinha feito o suficiente para protegê-la de seu próprio passado. Sabia disso,

mas não o tornava mais fácil de engolir.

"Desculpe-me, que não sou o melhor protetor." Ele sussurrou. "Eu deveria ser mais

forte do que sou, e, ainda, mantê-la de se machucar."

Ela balançou a cabeça rapidamente, em seguida, emoldurou seu rosto com as

mãos. Ele colocou uma das suas em cima dela, a necessidade de toque.

"Não é culpa sua que o mundo está aí para nos pegar. Ok, talvez não o mundo, mas

pessoas o suficiente com viagens de ego que parecem o mundo inteiro. Você está fazendo

189
tudo o que pode, e eu sei que quer fazer mais. Você não pode sem pôr em risco os outros,

Hunter. Eu sei disso."

"É por isso que você precisava deixar, no entanto."

Ela balançou a cabeça novamente. "Não, talvez, eu não sei. Acho que foi tudo demais,

e eu só precisava respirar de novo. Escondi aqui do meu próprio passado e as decisões,

deixando minhas amigas se preocuparem comigo. Isso foi egoísta."

Ele franziu a testa. "Elas sabiam onde você estava e como as coisas estavam. Você não

foi egoísta."

"Eu sinto isso agora, e de agora em diante, não serei. Terei que encontrar uma maneira

de misturar os dois mundos."

Ele acenou com a cabeça. "Feito. Vou ajudar. Tudo o que você precisa."

"Você é exatamente o que eu preciso, Hunter. Espero que saiba disso."

Ela sorriu, mas ele sentiu como se houvesse alguma coisa estivesse faltando. Beijou

sua testa, a necessidade de tocá-la novamente, e endureceu.

Havia algo de diferente em seu perfume. Alguma coisa... doce... suave.

Seus olhos se arregalaram e ele deixou cair o queixo.

"Puta merda. Você está grávida."

Ela se afastou, os olhos arregalados, mas não de total surpresa, que teria esperado.

"Você sabia."

Ela fez uma careta. "Eu descobri esta manhã. Acho que isso foi o que causou toda a

agitação. Não é que eu não queira esse bebê, porque, oh Deus, eu quero, mas porque tudo

está indo tão rápido."

Ele piscou os olhos, abrindo a boca e fechando. Ele queria dizer algo, mas não tinha as

palavras.

Grávida.

Sua companheira estava grávida de um filho dele.

190
Uma imagem de Becca grande e redonda, nua, com os cabelos cobrindo os seios cheios

e as mãos repousando sobre o local onde cresceu o seu futuro encheu sua mente, e ele sorriu.

"Nós vamos ter um bebê." Ele sussurrou.

Um bebê.

"Hunter? Você está bem?"

Ele balançou a cabeça lentamente, tudo como palavras e ações tomando um pouco

mais tempo do que o habitual.

Ele ia ser pai. Becca, uma mãe.

Puta merda. Isso mudava tudo.

Ele se afastou para que pudesse colocar a mão em sua barriga lisa. "Eu... eu..." Não

tinha nenhuma ideia do que estava tentando dizer, mas o que quer que fosse, aparentemente,

o seu cérebro tinha ido em colapso. A crise feliz, mas uma no entanto.

Será que ela piraria se ele corresse ao redor do quintal e uivasse para a lua para que

todos soubesse que a engravidou?

Macho Alpha também?

Provavelmente.

"Você está grávida."

"Você disse isso já. Você está bem? O que está pensando?" As palavras de Becca

aceleraram enquanto falava, como se estivesse com medo do que ele poderia dizer, como

poderia reagir.

"Eu estou..." Ele levantou-se e levou-a com ele, a necessidade de sentir tanto dela como

pôde. "Nós vamos ter um bebê. Estou tão feliz agora que quero pavonear por aí e dizer a

todos quão macho que eu sou, porque tenho você grávida."

Ela bufou, riso dançando em seus olhos. "Eu posso totalmente imaginar você fazendo

isso. Na verdade, acho Shade fez essa coisa exatamente, quando nos disse que Lily estava

grávida."

191
Hunter sorriu com o pensamento. "Parece que nosso bebê vai ter um companheiro."

Becca deu um pequeno sorriso em seguida, cheio e jogou os braços ao redor de seu

pescoço. "Nós vamos ter um bebê!"

Ele a levantou do chão e girou em torno dela, incapaz de acreditar na sua

alegria. "Espere." Ele congelou e a colocou no chão. "Eu não deveria estar girando você em

torno assim. Deve descansar ou deitar ou algo assim. Devo trazer-lhe um café? Não. Você

não pode ter cafeína. Acho que li algo sobre nenhum leite também. Ou talvez fosse muito

leite. Inferno, terei que ler alguns livros de bebê agora, então saberei o que fazer."

Becca jogou a cabeça para trás e riu. "Nós podemos aprender juntos, embora eu ache

que vamos precisar ver o médico do bando em vez de um humano. Eles vão nos dizer o que

fazer e o que ler. Quanto a girar? Acho que está tudo bem. Quero dizer, vamos lá, você não

espera que eu sente e não faça nada extenuante esse tempo todo, não é?"

Ele tinha considerado fazer exatamente isso, mas o tom das palavras de Becca disse-

lhe que seria uma má ideia.

"Hunter, se eu não puder me deslocar, não podemos fazer amor. Conseguiu isso?"

Ele congelou, em seguida, balançou a cabeça lentamente. "Oh, sim, não quero parar de

fazer isso até o último minuto possível."

Ela sorriu. "Então, nós estamos bem? Quero dizer, depois do que aconteceu antes?"

Ele acenou com a cabeça. "Nós somos perfeitos. Quanto ao porquê se assustou antes,

vamos lidar com isso. Agora, porém, quero excluir o resto do mundo e fazer amor com

minha companheira."

Ela mordeu o lábio e olhou para ele através de olhos semicerrados. "Pensei que você

nunca pediria." Em seguida, se abaixou na frente dele e traçou seu pênis através de seus

jeans.

Ele engoliu em seco, mas não se mexeu. "Becca, bebê, o que você está fazendo?"

192
Ela olhou para ele, então, ele quase gozou em sua calça jeans com a visão dela

ajoelhando-se diante dele, com a mão em sua virilha e os olhos arregalados olhando para

ele. Oh, inferno, sim, ele não podia esperar para foder sua boca.

"Pensei em dar-lhe um presente por ser tão compreensivo." Brincou ela.

Ele passou a mão pelo cabelo. "Toda vez que quiser colocar meu pau entre os seus

lábios, tudo que você precisa fazer é pedir. Não precisa de uma razão para me chupar, bebê."

Ela rapidamente desfez sua calça jeans e tirou o pênis para fora. Apenas o toque dela o

fez querer explodir, mas tinha mais controle do que isso.

Pelo menos um pouco.

Ela lambeu em torno da coroa e depois por baixo para a área sensível que fez seus

olhos rolarem para a parte de trás de sua cabeça. Forçou seu olhar sobre ela, em seguida,

passou o cabelo em torno de seu punho e puxou um pouco.

Seus olhos se arregalaram quando olhou para ele, suas pupilas dilatadas com a

necessidade.

"Você quer ir devagar hoje à noite? Ou duro e rápido?"

Ela beijou a ponta do seu pênis, em seguida, sorriu. "Acho que quando eu chegar

muito grávida, vamos ter que ser criativos e um pouco mais macios, e quando o bebê chegar,

teremos de ser mais silenciosos. Então por que não vamos com tudo e você me fode duro

enquanto pode?"

Gemeu e puxou o cabelo dela de modo que estava olhando diretamente para ele

novamente. "Estou tomando todo o controle esta noite, bebê. Meu lobo está no limite, e eu

preciso de você."

"Qualquer coisa." Ela sussurrou.

Ele empurrou sua cabeça em direção ao seu pau, e a sua boca abriu-se. Não iria forçá-

la a engasgar com ele, mas queria que ela soubesse que era o único no controle e no entanto,

também soubesse que nunca iria machucá-la.

193
Ela engoliu a cabeça de seu pênis, movendo a língua quando fez isso. Ele a puxou de

volta pelos cabelos, deixando um rastro molhado no seu pau.

"Lamba meu pau, em seguida, chupe minhas bolas. Quero ser bom e duro para você,

quando descer nessa sua garganta."

Ela olhou para ele, puro prazer no rosto. "Você está muito duro agora."

Ele não sorriu, mas queria. "Vou ter que puni-la por essa pequena insolência mais

tarde."

Ela sorriu e não parecia muito preocupada com a punição.

Bom.

Sua companheira lambeu e chupou ao longo de seu comprimento até chegar às bolas

dele. Apertou seu pênis até seu estômago para que pudesse obter um melhor acesso, em

seguida, começou a chupar. Ela começou em uma, deixando-a rolar em sua boca, em seguida,

deixando ir com um pop, antes de lamber a outra e repetir o processo. Ele bateu em sua mão

cobrindo o pau dele, e ela deixou ir, sabendo o que ele queria. Segurou seu próprio pênis

como uma de suas mãos apertou sua coxa, a outra atingindo em torno de suas bolas para

esfregar seu períneo. Ele gemeu e afrouxou o aperto em seu cabelo, para que ela pudesse ter

melhor acesso. Esfregou o dedo duro, em seguida, voltou a circular seu buraco.

Eles nunca tinham feito o jogo de dedo sobre antes, só nela, mas se ela quisesse

explorar, porra, ele a deixaria.

Enquanto soubesse exatamente quem estava no controle.

Ela se afastou e deslizou as mãos em suas calças jeans, então as deslizou de volta, os

dedos lisos com seus próprios sucos.

"O que você está fazendo, bebê?" Perguntou rispidamente. Oh, ele sabia exatamente o

que estava fazendo, uma vez que não tinha lubrificante na sala de estar, mas queria ouvi-la

dizer as palavras.

"Eu quero jogar." Brincou ela.

194
"Você vai foder o meu traseiro com seus dedos?"

Seus olhos se arregalaram com a vulgaridade depois assentiu.

"Você pode fazer isso com o meu pau na sua boca?" Perguntou ele. Tinha um

sentimento assim que ela começasse a esfregar sua próstata que ele gozaria duro, e preferia

que fosse na garganta do que no rosto e seios.

"Acho que sim."

Ele sorriu, em seguida, puxou para mais perto. "Chupe." Exigiu.

Ela o levou em sua boca, deslizando ao longo de seu comprimento, em seguida,

puxando de volta. Ele deixou-a marcar o ritmo, enquanto estava aprendendo, mas assumiria

em breve.

Ela ainda estava totalmente vestida, e usava sua camisa e suas calças estavam para

baixo em torno de seus joelhos.

Assim. Fodidamente. Quente.

Sentiu os dedos testando ao redor de seu buraco, provocando, e ele apertou a

mandíbula. Finalmente, ela apertou um dedo escorregadio contra a abertura e deslizou-o

dentro. Ambos congelaram com a sensação por um momento, antes de começar o

trabalho. Ele agarrou seu cabelo duro e sua cabeça permaneceu imóvel.

"Vou foder sua boca, bebê. Dessa forma, você pode se concentrar no que está fazendo

aí atrás, ok?"

Ela assentiu com o pau na boca dela, e ele conteve um sorriso.

Porra, sua companheira era quente.

Ele bombeou seus quadris lentamente, deixando que ela se recuperasse. Ela abriu sua

mandíbula para tomar mais dele, que o calor liso quase tão bom quanto sua boceta. Seu dedo

trabalhou dentro e fora dele, quando se moveu, mas ela também correu pequenos círculos

sobre o feixe de nervos, e teve que segurar de gozar.

Queria que o prazer montasse um pouco antes de gozar.

195
Ele fodeu a boca duro, puxando para trás, quando atingiu o fundo da garganta, e, em

seguida, definindo um ritmo decente que deixou ambos ofegantes, suor deslizando.

Finalmente, aquele formigamento na base de sua espinha subiu, e suas bolas apertaram. Ela

pressionou nesse feixe de nervos, e ele jorrou em sua garganta. Agarrou seus cabelos e forçou

a cabeça a ficar perto de seu corpo, para que ela pudesse engolir tudo dele.

Finalmente, ele voltou, e ela lambeu os lábios e levou as mãos até seu colo.

Droga eles fizeram uma imagem bonita.

"Você gostou disso, minha Becca?"

"Deus, sim, podemos fazer isso de novo?"

Ele sorriu para ela, em seguida, pegou-a pelos ombros, até que foi pressionada contra

ele. "Toda vez que você quiser, mas agora, vou cuidar de você. No entanto, acho que lhe devo

uma punição para esse seu atrevimento e por me deixar antes."

Ela arregalou os olhos, mas não com medo.

"Vá para o quarto, tire a roupa e se ajoelhe na cama de quatro."

"Ok."

Graças aos deuses, Becca estava dentro.

Ela correu para longe, mas não sem balançar seus quadris para ele. Seu pênis encheu

de novo, e era como se não tivesse acabado de explodir um minuto atrás.

Despojou de suas vestes e jogou-se no sofá. Ele teve que se esforçar para não ir no

quarto imediatamente e começar. Não, ele queria tomar o seu tempo e garantir que Becca

estava pronta para ele.

Depois de mais alguns minutos, entrou nu no quarto e respirou fundo ao vê-la diante

de si.

Becca ajoelhou-se de quatro em cima da cama na borda da cama, com a cabeça

abaixada, sua bunda e boceta de frente para ele.

Ela era perfeita.

196
"Nunca vou te machucar, Becca." Ele sussurrou enquanto caminhava em sua direção.

"Eu sei."

"Só vou usar a minha mão. Sei que você gosta de uma pequena picada, mas não muito,

e eu adoro ver sua bunda vermelha da minha mão."

Um arrepio percorreu todo seu corpo, e ele sorriu.

Ah, sim, ela estava pronta.

Deslizou as mãos para cima de sua espinha, amando o toque suave da pele sob as

palmas das mãos. Ela estremeceu sob seu toque, e inalou o cheiro dela.

Ele se afastou para que pudesse dar uma boa olhada em sua bunda e engoliu um

gemido. Inferno, teve a mais bela e sexy companheira viva.

Sua bunda estava gorda e pronta para sua mão. Sua vagina estava molhada, pronta

para seus lábios, sua língua, seus dedos, seu pênis... ele.

Não podia esperar para bater nela e sentir sua boceta abraçar ao redor de seu pênis

como um torno.

Primeiro, porém, ele tinha coisas para fazer.

Esfregou sua mão ao longo de sua bunda pálida, a suavidade cremosa. Ele se inclinou

para beijar a baixa de suas costas, e ela gemeu.

"Isto é por sua insolência." Ele resmungou baixinho.

Sua mão desceu dura na bunda dela, e ela engasgou, em seguida, soltou um pequeno

gemido. Ele tinha certeza de não bater muito duro, mas apenas o suficiente para dar a ambos

um pequena picada. Ele bateu nela quatro vezes mais em uma bochecha, em seguida, cinco

na outra, certificando-se de nunca atingi-la no mesmo lugar duas vezes.

Parou e olhou para o seu trabalho. Sua bunda era um bom rosa, corada e picada de

seus tapas.

Porra, ela era linda.

"Isto é por me deixar." Disse ele.

197
Ele bateu novamente, desta vez um pouco mais duro, mas ela jogou a cabeça para trás

e gemeu ao toque dele. Contou cinco em cada bochecha, e então quando ela olhou como se

estivesse prestes a cair sobre a cama, desmaiada, ele bateu em sua boceta.

Ela suspirou e olhou por cima do ombro, os olhos arregalados, cheios de necessidade.

"Você gosta disso, minha companheira?"

"Sim. Inferno, eu não achei que gostaria, mas sim."

Ele sorriu, sentindo-se arrogante como inferno. "Bom." Ele bateu em sua boceta mais

quatro vezes, mas não tão duro como bateu no traseiro.

Ela gozou no último tapa, um rubor rolando sobre seu corpo enquanto suas pernas

tremiam.

Ele não tinha sequer entrado nela com os dedos ou pênis, e ela gozou.

"Você é tão bonita quando goza, bebê." Disse ele, enquanto caminhava ao lado da

cama para que pudesse olhá-la.

Ele se inclinou e capturou os lábios, consciente de que tinha sido negligente em provar

sua companheira.

"Eu te amo." Ela sussurrou enquanto ele se afastava.

"Eu também te amo. Agora, de volta para cima em todos os quatro. Vou enterrar meu

rosto nessa sua boceta, e depois vou te foder duro."

Ela estremeceu novamente, e ele sorriu, satisfeito com a reação dela. "Qualquer coisa

que você quiser."

Voltou para a sua posição no final da cama e escondeu o rosto em sua boceta, como

disse que ia fazer. Seus sucos doces revestiam sua língua e rodou todos eles. Agarrou a

bunda dela e espalhou suas bochechas largas, melhorando o acesso.

Ele a fodia com a boca, em seguida, mordeu seu clitóris. Ela gozou novamente, com

força.

198
Enquanto ainda estava no auge de seu orgasmo, ele se levantou e colocou em seu

calor. Ambos congelaram, a ação plena, inebriante.

Ela olhou por cima do ombro e ofegante. "Foda-me."

Ele sorriu, em seguida, tirou antes bater de volta dentro. Agarrou seus quadris duro, e

sabia que provavelmente deixaria hematomas, mas que seria a sua marca, e ela amaria-

os. Bateu nela uma e outra vez, até que sentiu suas bolas apertarem, mas não queria gozar

sem ver seu rosto.

Ele rapidamente pegou e virou-a de modo que estava de costas. Ela saltou um pouco,

e mesmo antes de ir para a cama novamente, estava dentro dela, fodendo com ela para tudo

o que eles valiam.

Sons de tapa de carne batendo junto misturado com seus gemidos e calças curtas. Ele

estendeu a mão e enredou os dedos com os dela quando os seus olhares se encontraram.

Eles gozaram juntos, duro, e em uma onda de sensações que superou qualquer coisa

que nunca tinha sentido antes. Ele gemeu seu nome, em seguida, encontrou o ombro e

afundou suas presas em sua carne mais uma vez, a necessidade de marcá-la.

Sentiu a boca no ombro dele e sabia que ela tinha feito o mesmo, o sangue

desenhando, mas a fez sua.

Hunter se afastou e olhou para a companheira em seus braços que carregava o seu

futuro dentro de seu ventre e sorriu.

Era isso. Isso era tudo que precisava.

Seria amaldiçoado se alguém tentasse tirar isso dele.

Mataria todos eles.

Devagar.

199
Dorian passou a mão pelo cabelo e amaldiçoou. Não era para ser assim. O fodido Beta

deveria estar morto há muito tempo, mas não, ele tinha que voltar do inferno com vingança

em sua mente.

Eles estavam correndo contra o tempo para fazer seus planos funcionarem.

O bando não estava do seu lado mais, não como tinham estado antes, quando ele e

seus homens estavam espalhando rumores sobre a fraqueza de seu Beta e sua escolha de

companheira.

As coisas teriam que mudar agora, se seus planos tinham qualquer esperança de

funcionar.

Alistair e Lloyd ficaram para o lado, sua idade e cansaço escorrendo fora com um

fedor oleoso que cheirava a desespero.

Dorian não podia esperar para se livrar deles, uma vez que Hunter estivesse morto e

houvesse caminhos fáceis para a garganta de Josiah.

Jason, o saco de merda leprechaun que Dorian tinha de lidar, finalmente entrou no

prédio abandonado onde disseram que se encontrariam 30 minutos atrás.

"Onde diabos você estava?" Dorian cuspiu. "Você está fodidamente atrasado, e não

tenho amabilidade com desrespeito."

O outro homem empalideceu, mas não se desculpou. "Eu estou aqui. Qual é o plano?"

Dorian estreitou os olhos. Ele lidaria com este bastardo mais tarde.

Hunter e essa cadela em primeiro lugar, em seguida, todos os outros.

"Você teve em nossas terras, antes de definir o fogo, e ninguém viu, então sei que

nosso plano anterior funcionou." Disse Dorian.

Jason fez uma careta. "Mas o desgraçado ainda está vivo. Quem teria pensado que a

boceta saborosa era uma curandeira."

200
"Eu não mais preocupado com essa porra. É passado, e temos novos planos. Você vai

entrar em nossas terras novamente e pegar Becca. Não importa se as pessoas virem você,

porque vou fazer parecer que foi tudo ideia de Hunter. Que ele queria se livrar de sua

companheira."

Sim, não tanto. Dorian colocaria toda a culpa sobre os ombros de Jason, mas o outro

homem não tinha que saber disso.

"E o que dizer quando Hunter vier tomar Becca volta? Você pode me proteger do

bando, mas o que acontece com essa porra de Beta?"

Dorian encolheu os ombros, secretamente satisfeito que Jason estava caindo com

ele. "Mate-o. Use seus homens. Não me importo. Basta matar os dois ou foder com ela e

depois matá-la. Não me importo. Apenas mantenha-os longe da cova, enquanto eu... Eu

quero dizer nós." Acrescentou com um olhar na direção de seus outros membros do

conselho. "Assumimos o bando."

"Amanhã?" Perguntou Jason.

Dorian sorriu. "Amanhã."

Então, finalmente, porra, finalmente, tudo seria dele, e Hunter, esse bastardo estaria

morto.

Finalmente.

201
Capítulo Dezesseis

Tudo ia ficar bem, Becca pensou quando ela colocou a última roupa a

distância. Fazendo tarefas mundanas como lavanderia e limpeza a ajudaram a manter sua

mente fora do fato de que as coisas não foram totalmente bem agora. Hunter foi mesmo

cozinhando mais quando estava em casa, para se certificar de que estava se alimentando e

saudável, e sabia que era outra maneira que ele estava tentando fazer as coisas normais.

Eles não eram normais embora.

Fazia apenas três dias desde que descobriu que estava grávida, e tudo tinha mudado.

Ela não lutava mais para si ou mesmo por Hunter. Estava lutando por um bebê que

ainda não tinha vindo a este mundo e era completamente indefeso.

Não havia nenhuma maneira que deixaria Dorian e os outros ganharem.

De nenhum maldito jeito.

Hunter estava no quintal, depois de ter acabado de voltar de Liam de onde ele, Alec e

Liam tiveram uma reunião. Ela tinha certeza de que a qualquer momento algo grande estava

para acontecer e Hunter teria que mudar a forma como o bando foi executado para sempre.

Coisa inebriante.

Quando ela pisou no deck traseiro, vento roçou seu pescoço, e olhou para cima e

sorriu para seu companheiro. Hunter virou-se e sorriu para ela.

Ela abriu a boca para dizer ‘Olá’, então congelou, e Hunter endureceu.

Arrepios subiram na espinha de Becca quando braços fortes envolveram em torno de

seus braços, prendendo-os ao seu corpo. Ela tentou se mover, mas quem estava atrás dela era

mais forte.

Um portal se abriu atrás deles, e quem a tinha caiu para trás, levando-a com ele.

202
Não podia ouvir as palavras de Hunter, mas o viu gritar o nome dela, correndo para

ela o mais rápido que podia.

Seria muito tarde.

O portal desabou ao redor deles, algo que nunca tinha acontecido antes, e ela bateu no

chão duro. Instintivamente, colocou a mão sobre o estômago, rezando para que o bebê

estivesse bem depois de ter sido empurrada assim.

Ela olhou para o céu e segurou um soluço.

Arco-íris.

Os leprechauns a tinham levado.

Becca se levantou rapidamente, pronta para lutar, e sufocou um grito com o que viu.

Pelo menos cinquenta homens de pé ao seu redor em um círculo. Jason estava no

centro com ela.

"Olá, meu amor. Tão feliz que você pôde se juntar a nós. Estou tão feliz que o portal

funcionou. Eu teria apenas teletransportado, mas não posso fazer isso levando uma

carga. Você sabe como é. Oh, espere, você é fraca, então não tem ideia."

"Você... você me tirou da minha casa."

Deus, ela tinha que parecer mais forte do que isso. Era mais forte do que isso.

Jason caminhou em sua direção, o passo inteiramente demasiado arrogante. "Sim. Eu

te tirei da cova, mas isso não é a sua casa mais."

"Foda-se."

Ele bateu nela, a picada forçando-a a fechar os olhos por um momento antes de lhe

encarar novamente. "Esta é a sua casa, Becca querida. Eu lhe disse antes que você é uma

mulher leprechaun e, portanto, está sob a jurisdição de nossas leis. Você será uma criadora. É

um privilégio espalhar essas suas pernas bonitas e dar as nossas crianças. Você não

entende? Você pode salvar o nosso povo."

203
Deuses, esse cara era muito cheio de si. Forçando as suas mulheres a cruzar com eles e

outra vez não era a resposta.

Não que ela soubesse a resposta para a falta de mulheres em sua população. Talvez os

pequenos cromossomos Double X, não quisessem ser parte de um mundo onde não seriam

nada além de um útero.

"Não vou ficar aqui, Jason."

"Você acha que seu pequeno lobo pode salvá-la?" Ele jogou a cabeça para trás e

riu. "Menina doce, nada pode salvá-la. Fechamos o portal permanentemente no nosso

caminho, daí a difícil jornada. Claro que, mesmo se ele passar por isso, tem que lidar com os

meus homens aqui, e, bem... não gostaria de fazer apostas, mas não acho que eles estariam

em animais do inferno."

Becca estremeceu com o apelido que alguns tinham dado a Hunter quando ele voltou

do inferno.

"Ele vai me encontrar, e você se esqueceu? Posso me salvar. Já fiz isso antes."

Uma vez. Com a ajuda de Hunter.

Jason não precisava saber disso.

Jason deu um tapa de novo, e desta vez ela sentiu gosto de sangue. Estendeu a mão

para acertá-lo de volta, mas ele agarrou-lhe o pulso com força suficiente para deixar

hematomas e jogou-a no chão.

"Eu gosto quando você está mal humorada. Vou realmente gostar de colocar a minha

semente em você."

Ela empalideceu quando pensou no bebê que já estava em seu ventre.

O que Jason faria quando ele descobrisse sobre isso?

Não havia nenhuma maneira que ela esperaria o tempo suficiente para descobrir.

Por que não podia usar seus poderes e se teletransportar agora? Por que não conseguia

encontrar uma maneira de chegar em casa?

204
"Como... como você me encontrou?" Perguntou porque algo parecia fora. "Como você

conseguiu através das alas e até a cova?"

"Menina parva, alas não são fortes o suficiente para teleportar."

"Você teletransportou?"

Ele sorriu. "Sim, através do portal, para que eu pudesse trazê-la comigo. Tudo o que

tinha que fazer era pensar sobre o que eu mais queria, e lá estava eu, os meus braços em volta

de você, como vão estar para o resto de nossos dias."

Isso é o que ela tinha que fazer? Pensar no que mais queria no mundo?

Isso foi fácil.

Segurança do seu bebê.

Como isso ajudaria embora?

Seu corpo brilhou, e ela sentiu-se em movimento, não sabendo como estava fazendo

isso.

"Porra!" Jason gritou.

Ela mudou-se através de algo parecido com um portal, todo cintilante e cheio de luz

dourada e verde, em seguida, gritou quando bateu em algo sólido embora não pudesse vê-

lo. Caiu no chão, com o corpo tremendo.

"Você acha que você pode apenas me deixar?" Jason cuspiu. "Eu coloquei bloqueios

em nossos portais, sua puta. Não pode se teletransportar sem a minha permissão. Você está

presa aqui até eu terminar com você, e até então, seu pobre lobo será morto."

Ela estreitou os olhos, com o corpo ainda dolorido do que quer que Jason tivesse

feito. "Como você sabe disso?"

"Você realmente acha que estou sozinho neste barco? Como diabos acha que eu tenho

ido a cova tão silenciosamente nas duas vezes?"

"Nas duas vezes?"

"Quem você acha que começou o fogo, querida?"

205
Oh Deus, Jason e o conselho estavam nisso juntos. Hunter estava em perigo.

Tinha que haver uma maneira de fazer Jason deixá-la ir, para que pudesse voltar a

Hunter e avisá-lo de que as coisas estavam acontecendo.

Espere.

Magia de Jason não poderia funcionar se ele estivesse morto.

Certo?

Ela se levantou com as pernas trêmulas e gritou, batendo com os braços. Ele cobriu o

rosto, mas não antes que ela passou as unhas por ele. Ele gritou, e ela lhe deu um soco no

estômago, em seguida, chutou nas bolas.

Não havia nenhuma maneira que deixaria o bebê e companheiro morrer, porque este

pedaço de merda tinha delírios de grandeza.

Ela chutou e socou e gritou, surpreendeu que os outros não fizeram nada para ajudar

Jason. Talvez assistindo seu líder ser chutado na bunda por uma menina impediu de ajudar o

filho da puta.

Que seja.

Algo brilhava à luz na cintura de Jason, e ela estendeu a mão para o punho e agarrou-

Sem pensar nas consequências, mergulhou a faca no coração do homem que

costumava estudar com ela e tinha se transformado em um monstro.

Jason gritou, uma trilha fina de sangue escorrendo de seus lábios.

"Becca." Tosse. "Eu só queria o nosso futuro juntos.

Suas pernas cederam e ela se sentou no chão ao lado de Jason. Becca puxou a faca e

esfaqueou novamente. "Meu futuro é com Hunter, seu desgraçado."

A luz se apagou dos olhos de Jason, e ela se engasgou com um soluço quando se

levantou com as pernas ainda mais inseguras. Segurou a faca coberta de sangue de seu líder

e enfrentou os homens.

206
"Deixem-me ir. Não sou uma de vocês. Não quero nada a ver com isso."

Um dos homens deu de ombros, então piscou. "Eu realmente não dou a mínima para o

que você faz. A magia de Jason se foi, pelo que pode sair. Volte, saia, sei lá. Nós não

queremos você. Seu sangue não é puro o suficiente para nós. Temos melhores criadoras."

Alívio a encheu com suas palavras cruéis, e pensou em nada, além de Hunter,

tentando lembrar como ela se teletransportou antes.

Seu corpo brilhou, e ela nem sequer se preocupou em dar uma última olhada para o

homem que tentou matá-la.

Ele não importava.

Hunter fez.

Becca desembarcou na sala, não no quintal como pensou, mas no círculo do bando e

ao lado de Hunter.

Dorian, Alistair, e Lloyd o cercaram, mas não havia ninguém por perto para

testemunhar o que estava acontecendo.

Parecia que ela tinha aparecido na hora certa.

"Becca." Hunter raspou quando ela apareceu do nada ao seu lado.

Parecia que ela tinha aprendido a se teleportar.

207
A frente de sua camisa e os braços estavam cobertos de sangue, mas isso não parecia

dela, e ela segurava uma faca ensanguentada. Logo ele iria querer uma explicação, mas

agora, tinha outras coisas para tratar.

Ou seja, os três membros do conselho que o queriam morto.

Agora.

Ele segurou a mão de Becca e então confrontou Dorian e os outros. Assim que o portal

se fechou em torno de Becca, ele tentou romper. Embora o reino não tivesse tido um convite,

ele poderia ter encontrado um caminho, mas tinha a sensação que os leprechauns tinham

usado algum tipo de magia para impedir sua entrada.

Dorian tinha aparecido logo depois, juntamente com os outros dois do conselho

interno do bastardo, e um punhado de outros lobos, forçando Hunter para o círculo. Hunter

poderia ter lutado, mas não poderia ter ganhado contra os doze lobos atrás de Dorian no

momento, não quando sua companheira estava em outro reino, o mais provável lutando por

sua vida.

Os outros lobos tinham deixado o conselho sozinho com Hunter, para que eles não

tivessem de testemunhar os crimes prestes a acontecer.

Covardes.

"Por que você está fazendo isso, Dorian?"

Dorian rosnou. "Você acha que é fácil sentar e assistir minha matilha presa em um

sistema arcaico? Quero que vivamos e governemos. Com um Alpha e Beta, não somos nada."

"Não é arcaico." Hunter respondeu. Pelo menos nem tudo era arcaico. "É a maneira

que nós estamos ligados. Nós somos lobos. Não seres humanos."

Dorian bufou. "Contudo, se associam e se misturam com eles, tentando esconder o que

somos. Sim. Eu sei que é para o bem maior, mas o que estamos fazendo para nós

mesmos? Estamos nos tornando criaturas inúteis, que não compreendem a amplitude dos

208
nossos poderes. Nós seguimos um Alpha que usa palavras em vez de força para nos liderar.

Que uso tem isso na guerra? Que uso tem isso quando nós podemos matá-lo?"

Alistair, aquele que sempre parecia querer lutar de outra forma, ergueu as

mãos. "Agora, agora. Nós não queremos mais violência do que temos."

Dorian soltou uma gargalhada e jogou os braços. "Olhe para nós. Fornecemos o pano

de fundo para a violência e o caos, velho. Você me ajudou a mandar o filho da puta para o

inferno, porque pensou que era para o bem maior. Se isso não é violento, não sei o que diabos

é. Não finja que tudo o que fizemos é para a grandeza do todo."

Hunter rosnou para conseguir a confirmação de quem o tinha enviado para o

inferno. Oh, ele sabia o tempo todo, mas para escutar as palavras era outra questão. "Não,

você fez isso para o poder e autoridade sobre um bando que precisa de liderança, e não

esquemas malucos e causas perdidas. Nós estamos desmoronando, Dorian, e você está

deixando isso acontecer. Eu tenho apenas tanta culpa a esse respeito. Deixei nossas próprias

rivalidades e as leis ficarem no caminho do que eu deveria ter feito em primeiro lugar."

Josiah saiu das sombras, a raiva em seu rosto. "O conselho é a razão pela qual o nosso

bando está quebrando. Como Alpha, eu lidero pelo exemplo. Não só de palavras. Nós não

somos os animais escuros e depravados que você tão desesperadamente quer aniquilar. Você

se tornou a própria criatura que tem medo. Nosso Beta é o único que deve se conectar com os

membros individualmente, aprender as suas necessidades e curar quando ele pode. Ele não

tem sido capaz de fazer isso, porque vocês loucos idiotas querem matá-lo."

"Você não pode provar nada disso." Lloyd cuspiu.

A mandíbula de Hunter caiu. "Você acabou de dizer a todos nós, seu idiota."

"Nós não falamos sobre Samuel embora." Disse Lloyd e Dorian rosnou.

Becca apertou a mão de Hunter, e ele aterrou si mesmo, seu lobo rosnando, mas

esperando o momento certo para matar.

209
Dorian rolou seus olhos. "Tudo bem. Você vai morrer de qualquer maneira, mas eu

prefiro ter tido aquele filho da puta do Jason fazendo-o. Samuel morreu porque ele era

fraco. Não valia a merda que atirou dentro quando nós o matamos. Você não deveria voltar

do inferno. Que esperava para a sua proteção e ajuda na nossa aquisição, mas você viveu e

voltou, então, obviamente, voltou atrás na sua palavra. Fodidos demônios."

Hunter piscou. A profundidade da traição do conselho era tão intensa que ele não

tinha certeza de que pudesse compreender tudo isso.

Josiah veio para ficar ao lado de Becca e Hunter. Seria uma luta três contra três, desde

que eles não tinham nenhuma fodida pista onde Liam e Alec estavam.

"Se você está à procura de seus dois companheiros, eles estão ... indispostos."

Foda-se. Ele tinha acabado de ter a esperança de que eles estavam bem, porque tinham

outras coisas para tratar. Olhou para Becca rapidamente. "Eu não posso te proteger."

Ela olhou para cima, em seguida, beijou-o por tudo o que valeu a pena. "Eu posso me

proteger. Mate-o."

Com essas palavras fodonas de sua companheira, ele se equilibrou. Alistair se lançou

em direção a Josiah, a ideia da ‘não violência’ aparentemente esquecida. Os dois homens

lutaram, Josiah muito mais forte, mas Alistair brigou com o último de sua coragem e vida.

Hunter cortou as mãos ao longo do ombro de Dorian. O outro lobo virou e estendeu a

mão para fazer o mesmo com Hunter.

Ele olhou com o canto do olho, quando Becca rolou para abaixar um soco de Lloyd. A

raiva encheu, mas não podia tomar sua atenção fora de Dorian, ou tudo estaria

perdido. Becca aproximou-se de Josiah, e o Alpha cobriu quando eles lutaram contra os

outros dois lobos juntos.

Bom.

210
Hunter, com uma participação mais pessoal foi em Dorian, voltando para o seu

combate. Eles socaram, chutaram, e arranharam o que pareceram horas, mas deve ter sido

apenas vinte minutos.

Hunter agarrou o braço de Dorian, e, o outro lobo gritou.

Ele se afastou quando as garras de Dorian foram ao estômago de Hunter com a outra

mão. Dor chocou seu sistema, mas ele lutou. Eles atacaram um ao outro, cada golpe tão

doloroso e mortal como o último.

Mais uma vez, a partir do canto do olho, ele viu Lloyd tentar agarrar Becca, e Hunter

se perdeu. Ele estendeu a mão e, com toda a sua força, as garras no peito Dorian, segurando o

coração batendo do bastardo, e puxou.

Os olhos do homem se arregalaram por um momento, como se não pudesse acreditar

no que acabara de acontecer, em seguida, caiu de joelhos.

Com o coração do outro lobo danificado ainda em suas mãos, Hunter pulou para

Lloyd e arranhou através de seu pescoço. Lloyd gaguejou em seguida, caiu ao solo.

Josiah quebrou o pescoço de Alistair, e a batalha terminou.

Hunter deixou cair o coração de Dorian e puxou Becca em seus braços.

"Oh Deus, Hunter. Você está bem?" Ela tentou afastar-se para olhar as suas feridas,

mas ele não quis largar.

"O bebê?" Respondeu asperamente para fora. "Você e o bebê estão bem?"

Ela levantou os dedos dos pés e beijou sua mandíbula. "Sim. Acho que sim. Oh Deus,

Hunter. Eu te amo muito."

"Eu te amo mais do que tudo no mundo, minha Becca. Nunca mais quero ver você

lutar assim de novo."

Ela sorriu. "Eu meio que dei uma surra, embora."

Hunter rosnou. "Nunca. Mais uma vez."

"Eu vou encontrar Liam e Alec." Josiah interrompeu. "Cuide de sua companheira."

211
Hunter assentiu com a cabeça em direção ao seu Alpha, o homem que havia criado

para o homem que ele era, e protegido o bando da melhor maneira que sabia.

Ele sempre agradeceria pela forma como o homem tinha cuidado de Becca quando

Hunter não podia.

"Vamos para casa." Disse Becca. "Podemos nos preocupar com tudo na parte da

manhã. Eu só quero pegar essa sujeira e Deus sabe o que mais de mim e ir para casa."

Hunter a beijou. Duro. "Como você quiser."

212
Capítulo Dezessete

"Oh, aí, bebê. Bem. Porra. Aí."

Hunter bufou em suas palavras e Becca virou. "Você, minha Becca, soa como se

estivesse prestes a gozar apenas das minhas mãos em suas costas."

Ela sorriu para ele, em seguida, agarrou seu pênis, que passou a estar apenas em seu

peito, uma vez que ambos estavam nus e ele estava montando nela para dar-lhe uma

massagem bem necessária.

Ele soltou um gemido, em seguida, moveu os quadris para que fodesse a mão um

pouco.

"Parece que está prestes a gozar apenas com a minha mão no seu pau."

Ele sorriu, em seguida, afastou-se dela. Ela imediatamente se sentiu fria na perda.

"Aonde você vai?"

Ele apenas sorriu e pegou o lubrificante da gaveta do criado-mudo. "Acredito que eu

te prometi um presente por ser toda forte e durona durante a luta há dois dias."

Um arrepio percorreu-a, e ela se sentou. Desde que eles começaram a jogar mais na

cama, queria começar a fazer mais com Hunter. Sim, tinha feito anal antes, mas nunca com

ele. Nunca quando estava tão excitada a um nível mágico e pessoal com um homem que

significaria mais do que apenas algum tabu.

"Vire-se." Ele ordenou, e ela estremeceu.

Adorava quando ele vinha todo Alpha e dominante sobre ela. Confiava nele para

cuidar dela, não importa o quê, por isso não importava que lhe ordenou para fazer coisas na

cama. Ficaria feliz em fazê-las, contanto que pudesse tocar o amor de sua vida.

"Fique de quatro. Vou foder essa sua bunda doce e fazer você gozar desse jeito."

"Você vai me preencher?" Perguntou ela, sabendo que ele adorava quando falava sujo.

213
Ele gemeu em seguida bateu no traseiro.

Duro.

Quem sabia que ela era tão bizarra?

O lubrificante frio chocou por um momento antes de ele esfregar em torno de seu

buraco, aquecendo-a. Trabalhou-a com um, depois dois, depois três dedos, cada vez a

sensação um pouco dolorosa, mas para aliviar a felicidade doce. Ela se sentiu tão louca com

apenas os dedos. Não podia esperar para sentir seu pênis enchendo-a.

Hunter tirou os dedos e ela choramingou. Sentiu as mãos agarrarem seus quadris, e

ela voltou, procurando-o.

"Não se mova, bebê." Disse ele, em seguida, deu um tapa nela.

Ela congelou, esperando por ele. A cabeça de seu pênis sondou, e ela gemeu.

"Assim como nós praticamos, bebê. Relaxe e empurre de volta, e vou deslizar direito

dentro."

Ela fez o que ele disse, e devagar, oh tão devagar, deslizou até que suas coxas estavam

alinhadas com sua bunda.

"Oh Deus, se sentia tão cheia."

"Você é tão apertada como um maldito torno. Merda, isso é bom. Você está bem,

Becca?"

Ela assentiu com a cabeça, as sensações quase demais. "Só me foda. Por favor."

Ele puxou lentamente, em seguida, de volta dentro, tão lentamente, à espera que ela

realmente se acostumasse com ele. Após o terceiro golpe, ele aumentou o ritmo até que

estava fodendo com ela duro. Ela agarrou os lençóis e revirou os quadris para encontrá-lo,

amando o jeito que se moveu com ela.

"Porra, eu vou gozar. Toque o seu clitóris e goze comigo, bebê. Vou segurar você."

214
Ela sorriu para a necessidade de sua voz e esfregou o clitóris inchado, até que

gozou. Ele gritou o nome dela e gozou com ela. Podia sentir seu pênis pulsar dentro dela

quando jorrou sua semente, e ela sorriu.

Inferno, sim. Ela amava esse homem.

Hunter puxou para fora, e ela caiu sobre a cama. Passou as mãos sobre ela e beijou-a

suavemente. "Deixe-me nos limpar, e então podemos começar o dia."

"Melhor. Despertar. Sempre."

Ele sorriu, beijou-a novamente, e então caminhou nu para o banheiro.

Sim. Ela amava aquele homem.

Depois que limparam e comeram, eles se dirigiram para as câmaras de conselho para

encontrar Jace. Bem, na verdade não foram chamadas câmaras conselho mais, considerando

que o conselho havia sido dissolvido. Depois que três dos membros haviam sido mortos por

causa de traição, tentativa de homicídio, homicídio, e muito mais, o conselho não existia

mais. Em vez disso, Liam e Alec seriam executores, e as suas linhas de família seriam as

únicas que ajudariam a proteger e governar, juntamente com Josiah e Hunter.

Isso foi como tinha sido há séculos, e Becca esperava que fosse ajudar o futuro do

bando. Afinal de contas, desde que tinha acasalado com Hunter e se tornado um leprechaun,

teria um longo futuro pela frente.

Quanto aos leprechauns, bem, como Jamie e o djinn, Becca não achava que estaria

saindo com esse grupo a qualquer momento em breve. Eles tinham enviado uma nota com

um emissário tentando dizer sem ressentimentos, mas realmente?

Nem tanto.

Depois que o bebê nascesse, e ela estivesse um pouco mais calma, estava pensando em

descobrir uma maneira de mudar as coisas para as mulheres nesse campo, mas tinha a

sensação de que seria um bom tempo. Pelo menos ela teria um objetivo e trabalho agora, algo

muito diferente do que abrir um bar, porque era a única coisa que sabia fazer.

215
Oh, ainda poderia fazer isso, mas não era como se tivesse que decidir agora. Tinha

toneladas de tempo para descobrir tudo. Agora, porém, tudo o que queria fazer era ficar com

seu companheiro, seu filho, e seus amigos, novos e antigos.

Liam e Alec se encontraram com eles na porta para as câmaras e a abraçaram. Ela

amava aquela dupla. Eles eram como irmãos e iriam totalmente ser grandes tios para o bebê

dela e de Hunter.

Se os caras descobrissem que estavam totalmente apaixonados um pelo outro, poderia

até facilitar as coisas no caminho.

Isso, porém, era outra questão.

Eles entraram na sala como uma frente unida, e ela sorriu quando viu Jace lá. Com

esses, longos cabelos loiros e de construção fantástica, ele era totalmente quente.

Hunter rosnou, e ela conteve a risada.

Jace poderia ter sido quente, mas o único homem para quem rosnava era o lobo ao seu

lado.

Ela se inclinou para o lado de seu companheiro e ele passou o braço em volta dela,

como se proclamando ao mundo a quem pertencia. Bem, contanto que ele lhe pertencesse,

bem como, que estava tudo bem com ela.

O urso deu um sorriso torto. "Fico feliz em ver que vocês lidaram com isso sem

mim." Ele ficou sério em suas palavras.

"Estou feliz que você não teve que tomar essas decisões." Disse Hunter. "Isso significa

que está feito aqui?"

Jace deu de ombros. "Estou feito com o bando, a menos que você precise de mim como

um amigo. Acho, porém, com essa companheira ao seu lado, você vai ficar bem."

"Você está deixando ir para casa, ou de onde quer que veio, então?" Perguntou Becca.

O urso sorriu. "Não, eu estarei por perto por muito tempo."

216
Com esse comentário enigmático, ele mudou de assunto, e discutiram exatamente o

que fariam com o bando. Todos os seguidores de Dorian seriam ou exilados ou rebaixados na

classificação. Eles teriam que provar ao bando que eram leais. Os do bando que não tinham

tomado os lados já estavam mostrando sua lealdade, e alguns tinham mesmo se curvado a

ela, declarando sua proteção e fé nela.

Parecia que tinham estado igualmente com medo de Dorian, como ela tinha estado e

não queria se machucar. Enquanto Becca tinha entendido isso, abraçou e sorriu os que

estavam com medo, ela nunca esqueceria os que tinham assistido ao seu lado, em primeiro

lugar.

Colocou a mão na barriga e sorriu. Tinha um futuro cada vez mais em seu ventre e

faria qualquer coisa para protegê-lo, tinha feito qualquer coisa para protegê-lo.

Hunter andou para a casa com ela, o seu silêncio fácil.

Assim que entraram na casa, ele passou os braços em volta dela. "Não posso esperar

para ver você crescer redonda com o nosso filho."

Ela revirou os olhos. "Você vai ficar bem comigo sendo tão grande quanto uma

casa? Não é um homem pequeno, você sabe. Este bebê pode ser enorme."

Hunter se ajoelhou diante dela, levantou a blusa, e beijou sua barriga.

Se ela não o amasse com todo seu coração, logo então, com esse gesto simples, teria

caído mais.

Ela enroscou a mão em seu cabelo, enquanto ele descansava a cabeça em seu

ventre. "Você sabe, nunca tinha sido verdadeiramente feliz antes. Sempre tropecei em coisas,

corria em paredes, tive uma infância de merda. Então achei Dante, e pensei que talvez a

minha sorte tivesse mudado."

Hunter resmungou baixinho.

"Eu estava errada embora. Você me fez feliz, Hunter. Você me fez ver que posso ser

qualquer coisa que eu quero ser e ter um futuro."

217
Hunter levantou-se e ajudou-a a ficar com ele. Ela colocou os braços ao redor da

cintura e sorriu. "Pensei que quando voltasse do inferno, não teria nada. Pensei que iria

tornar a escuridão que tinha ameaçado me consumir. Você me mostrou a luz, Becca. Você me

salvou."

"Você me salvou em primeiro lugar."

Ela cobriu o rosto e beijou-o, colocando todas as suas esperanças e sonhos para isso.

Ah, sim, ela tinha sorte mesmo.

FIM

Acesse meu blog: http://angellicas.blogspot.com

Próximos:

218