Você está na página 1de 14

REQUERIMENTOS DE ENERGIA

EER (Estimated Energy Requirement): IOM, 2002 /

TEE (Total Energy Expenditure): FAO,WHO,UNU, 2004


lV – COMPONENTES DA TEE (Total Energy Expenditure)

A – Taxa metabólica basal (TMB)

B – Resposta metabólica dos alimentos (FAO, 2004);


Efeito térmico dos alimentos (IOM, 2002); Ação
dinâmico-específica dos alimentos (termo original);
termogênese induzida pela dieta

C – Atividade física
lV – COMPONENTES DA TEE (Total Energy Expenditure)

A – Taxa metabólica basal (TMB)

➢ Conceito
➢ Fatores determinantes de diferenças na TMB
➢ Estimativa
EQUAÇÕES PARA O CÁLCULO DA TAXA METABÓLICA BASAL (TMB), A PARTIR DO PESO
CORPORAL (P)
INTERVALO IDADE TMB
(ANOS) (KCAL/DIA)
1O___18 17,5 P + 651
HOMENS 18___30 15,3 P + 679
30___60 11,6 P + 879
 60 13,5 P + 487
1O___18 12,2 P + 746
MULHERES 18___30 14,7 P +496
30___60 8,7 P + 829
 60 10,5 P + 596
Fonte. FAO/WHO/UNU. Energy and protein requirements. Geneva: World Health Organization. WHO- Technical Report Series, 724,
1985.
EQUAÇÕES PARA O CÁLCULO DA TAXA METABÓLICA BASAL (TMB), A PARTIR DO PESO
CORPORAL (P)
INTERVALO IDADE TMB
(ANOS) (KCAL/DIA)

1O___18 17,686 P + 658,2


HOMENS 18___30 15,057 P + 692,2
30___60 11,472 P + 873,1
≥ 60 11,711 P + 587,7
1O___18 13,384 P + 692,6
MULHERES 18___30 14,818 P +486,6
30___60 8,126 P + 845,6
≥ 60 9,082 P + 658,5
Fonte. FAO. Human Energy Requirements. Report of a Joint FAO/WHO/UNU Expert Consultation. FAO
Food and Nutrition Technical Report Series 1, Rome: Food and Agriculture Organization of the United
Nations, 2004 - Adaptação tabela 5.2, p. 37 (Schofield, 1985).
Classificação da massa corporal de acordo com o índice
de massa corporal (IMC) e conteúdo de gordura corporal,
para indivíduos acima de 19 anos (IOM, 2002, adaptado).
Faixa IMC (kg/m²) Classificação Gordura corporal (%)
Homens Mulheres
Baixo peso
< 18,5
18,5˾ 25,0 Adequação 13 ¬21 23 ¬31
Sobrepeso
25,0 ˾ 30,0 21¬ 25 31¬ 37
Obesidade
30,0 ˾ 35,0 25¬31 37¬42
Obesidade clínica > 31 > 42
≥35,0
• FAO, WHO, UNU, 2004
IMC adultos 21-23 kg/m²
(evitar ganho acima de 5 kg ao longo da maturidade)

• IOM, 2002
22 kg/m² (final da adolescência)
IMC (P (kg) / A2 (m))
• Indicador indireto da composição corporal;
• Índice preditor de “peso saudável”;
• Índice preditor de morte prematura associada às DCNT;
• Preditor do impacto da massa corporal sobre o risco de morbimortalidade por DCNT:

➢ SOBREPESO/ OBESIDADE: aumento da morbidade e mortalidade por doenças crônicas não comunicáveis, incluindo, DM2,
HAS, DCV, osteoartrite, DHGNA; alguns tipos de câncer, entre outras.
➢ BAIXO PESO: afeta o crescimento físico e o desenvolvimento cognitivo, favorece o aparecimento de doenças
infectocontagiosas, limita a capacidade física.

• Fácil aplicação, boa reprodutibilidade.


• Melhor preditor de diferenças em termos de percentual de gordura corporal entre mulheres (prega cutânea
tricipital, medida adicional recomendada). Entre homens, é recomendada a “circunferência da cintura” como
medida adicional.
IMC

Limitações
➢ Não confiável na avaliação do conteúdo de gordura corporal (verdadeiro fator de risco associado às DCNT;
➢ Indivíduos com expressiva quantidade de massa muscular podem ser, indevidamente, classificados com
sobrepeso.

Peso de referência (IMC MÉDIO X A2 ), corresponde ao valor de massa corporal relativa ao P50 do IMC de

adultos acima de 19 anos:

Homens = 22,5 X A2
Mulheres = 21,5 X A2
As equações lineares simples propostas pela WHO-FAO-UNU (2004), de acordo com o
próprio comitê de especialistas, constituem as melhores estimativas disponíveis para
predizer a TMB de indivíduos saudáveis de qualquer população.

Exemplo.
Massa corporal=58 Kg
Estatura = 1,65 m
Idade= 25 anos, mulheres
Calcular a TMB ...

TMB=1.346 Kcal por dia


lV – COMPONENTES DA TEE (Total Energy Expenditure)

A – Taxa metabólica basal (TMB)

B – Resposta metabólica dos alimentos (FAO, 2004);


Efeito térmico dos alimentos (IOM, 2002); Ação
dinâmico-específica dos alimentos (termo original);
termogênese induzida pela dieta

C – Atividade física
A ingestão de alimentos promove aumento no gasto de energia (consumo de
oxigênio), em relação ao dispêndio basal, de duração e intensidade
determinadas pela quantidade e composição dos alimentos consumidos
(macronutrientes).

Representa o custo energético relativo aos processos de digestão, absorção,


metabolização e armazenamento dos nutrientes.

Elevação do gasto de energia em percentuais distintos correspondentes a


energia consumida.
Carboidratos- 5-10%

Lipídios- 0-5%

Proteínas -20-30% (processos metabólicos mais dispendiosos. Síntese da

ureia, por exemplo)

Dietas mistas (mistura de macronutrientes)-10%


Exemplos:
Carboidratos -5-10%
Consumo “exclusivo” de 200 kcal, 10 a 20 kcal seria consumida nas
primeiras horas após sua ingestão.

Dietas mistas -10%

Refeição contendo 500 kcal, 50 kcal seria consumida nas primeiras horas
após sua ingestão.

Ocorre durante períodos do dia que sucedem a ingestão dos alimentos,


logo, não se estabelece ao longo de 24 h.

Você também pode gostar