Você está na página 1de 4

Escola Técnica Estadual da Zona Leste

Auxiliar Técnico em Administração

ANNA BEATRIZ FAUSTINO SILVA

Dificuldades das micro e pequenas empresas e oque as


levam a falência.
Matéria apresentada no Curso Técnico em
Administração da Escola Técnica da Zona
Leste, a ser utilizado como requisito parcial
para aprovação na disciplina desenvolvimento
de modelos de negócios.

Orientador: Francimar dos Santos Souza.

São Paulo
2021
INTRODUÇÃO.
A partir da década de 1970 com a crise econômica mundial e a recessão
da economia brasileira, as micro e pequenas empresas tiveram destaques na
economia nacional, pois gera muitos empregos e auxiliando o país até
mesmo na economia mundial. Com uma pesquisa feita pelo SEBRAE (2004),
31% das empresas fecham antes do primeiro ano de sua abertura e cerca de
60% após cinco anos. Tendo motivos frequentes como: falta de planejamento
estratégico antes de abrir o negócio, deficiência na gestão, falta de políticas
governamentais incentivadoras, flutuações na conjuntura econômica, além
da alta carga tributária e muita das vezes a falta de capital de giro e
inexperiência administrativa do empreendedor.
Em pesquisa do SEBRAE (2004), 99% das empresas do país é Micro e
pequenas empresas, que são praticamente 70% dos postos de trabalho e
20% do PIB. As micro e pequenas empresas, a cada ano tem uma maior
colocação na economia, próximo dos 90% do total de empresas segundo o
IBGE (2004), com esse destaque aumenta o emprego e o PIB. Pensando
nesse problema, este trabalho tem por objetivo fazer um estudo sobre os
principais problemas enfrentados pelas empresas e o porquê entram em
falência tão precocemente.

1.  EMPREENDEDORISMO NO BRASIL


A algum tempo o nosso cenário econômico estava voltado para formar
profissionais destinados a gerenciar grandes negócios ou trabalhar em
repartições públicas, quem seguia essa forma e queriam empreender eram
considerados pessoas ousadas, pois não havia a estabilidade de um salário
fixo todo mês assim correndo risco e podendo até mesmo ter um negócio mal
sucedido. Mesmo tendo esses benefícios o empreendedorismo ainda
enfrenta grandes dificuldades, a falta de políticas governamentais elas não
incentivam na criação e permanência das micros e pequenas empresas no
mercado e as altas taxas tributárias que levam muitas delas a decretarem
falência ainda nos primeiros anos.
Vemos a mudança desse conceito a partir da década de 90 com a
criação do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas
Empresas) que auxiliam essas empresas.

2. MORTALIDADE DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS


Mesmo tendo um papel muito importante socioeconômica, as micro e
pequenas empresas tem uma alta taxa de mortalidade antes de completar
cinco anos, o que gera prejuízo no pais todo, como a área de trabalho
costuma ser feita por meio de análise de superfície, para a empresa, a maior
sensação de insegurança faz com que os gestores ignorem o plano
estratégico a ser aplicado e efetivamente implementado.

2.1 - FATORES RESPONSÁVEIS


Para que essas empresas continuem abertas e fazendo suas funções é
preciso identificar as falhas responsáveis pela sua falência. Podem ser
muitos erros feito repetidamente pelos empresários no processo de criação
e gestão de seus negócios, como: a ausência de um comportamento
empreendedor e a falta de planejamento, pois para que uma empresa tenha
êxito, é necessário que antes de abrir a empresa se faça um estudo de todos
os aspectos do negócio, como: localização, concorrência, público-alvo,
custos fixos e variáveis, ou seja, é necessário ter domínio de conhecimentos
sobre aquilo que se quer empreender e a presença dessas pessoas são
fundamentais para que não haja erros logo no início.
       Podemos aponta algumas das possíveis causas de mortalidade nas
empresas, com base na citação de Chiavenato (2008, p. 15),. As causas
mais comuns de falhas no negócio
Inexperiência- 72 %, incompetência do empreendedor, ele não supre o
esperado pela empresa, seus funcionários e até mesmo clientes, falta de
Experiência de campo, não fazendo um estudo minucioso sobre o ramo que
deseja seguir, falta de experiência profissional, não ter uma boa qualificação
influencia muito na abertura de um novo negócio, experiência desequilibrada,
não se pode comparar um ramo com outro cada um tem seu seguimento,
tipos de cliente, fornecedores, fatores econômicos - 20 %, lucros
insuficientes, juros elevados, perda de mercado, mercado consumidor
restrito, sempre em uma empresa é necessário o controle total de todas as
coisas entrada, saída para que não haja defasagem em sua renda.
Tendo também outro erro que pode levar a falência é a confusão
patrimonial, muito comum em micro e pequenas empresas, gerando grande
dificuldade no entendimento da real situação financeira, já que a grande
parte delas não apresenta bem delimitado o que é patrimônio pessoal
pertencente à empresa, gerando confusão e fazendo com que muitas das
vezes dívidas pessoais sejam pagas com o dinheiro da empresa seus
recursos.

CONCLUSÃO
Pensando na importância que essas empresas tem para com o país é
necessário que haja uma boa administração, para que assim tenham longos
anos no mercado empreendedor.
Também sendo necessário que seja visto a burocracia e as cargas
tributárias para que assim seja permitido que muitos empreendedores
possam sair da informalidade e tenham condições de entrar no mercado
capitalista.
Portanto, posso considerar que para que essas empresas possam
crescer e acompanhar a evolução do país é necessário somar as forças
entre governo e micro e pequenos empresários, lembrando que o
empreendedorismo deve sempre estar intimamente ligado à administração
para que assim possa se manter estável.

Você também pode gostar