Você está na página 1de 22

Faculdade De Engenharia

Departamento De Engenharia Electrotécnica


Licenciatura Em Engenharia Informática
IIIº Ano – IIº Semestre
Redes de computadores II

PABX, PABX-IP, VoIP

Discentes Docentes
Chume, Edson Eng. Munguambe, Felizardo
Junior, Abel Jorge Guirute Eng. Chadreca, Délcio
Matosse, David
Sono, Mauro Domingos
Tauzene, Larisse Amélia

Maputo, Novembro de 2018


Faculdade De Engenharia
Departamento De Engenharia Electrotécnica
Licenciatura Em Engenharia Informática
IIIº Ano – IIº Semestre
Redes de computadores II

PABX, PABX-IP, VoIP

Discentes Docentes
Chume, Edson Eng. Munguambe, Felizardo
Junior, Abel Jorge Guirute Eng. Chadreca, Délcio
Matosse, David
Sono, Mauro Domingos
Tauzene, Larisse Amélia

Maputo, Novembro de 2018


Índice

1. Introdução ............................................................................................................................. 1
2. Objectivos .............................................................................................................................. 2
2.1. Objectivo geral ................................................................................................................. 2
2.2. Objectivo específico ......................................................................................................... 2
3. Metodologia ........................................................................................................................... 2
3.1. Metodologia de trabalho................................................................................................... 2
3.2. Metodologia de investigação............................................................................................ 2
4. PABX ......................................................................................................................................... 3
4.1. Definição .............................................................................................................................. 3
4.2. Tipos .................................................................................................................................... 3
4.2.1. PABX analógico .......................................................................................................... 3
4.2.2. PABX Digital ............................................................................................................... 3
4.2.3. PABX Híbrido ............................................................................................................ 4
4.2.4. PABX VoIP (IP) ......................................................................................................... 4
4.2.5. PABX virtual .............................................................................................................. 4
4.3. Funcionamento..................................................................................................................... 4
4.4. Vantagens............................................................................................................................ 5
4.5. Desvantagens ...................................................................................................................... 5
5. PABX-IP .................................................................................................................................... 5
5.1. Definição .............................................................................................................................. 5
5.2. Características ...................................................................................................................... 6
5.3. Funcionalidades ................................................................................................................... 6
5.4. Requisitos para configuração ............................................................................................... 7
5.5. Arquictetura de PABX-IP .................................................................................................... 7
5.6. Vantagens ............................................................................................................................. 8
5.7. Desvantagens ...................................................................................................................... 8
6. Comparação entre PABX e PABX IP ................................................................................. 9
7. VoIP...................................................................................................................................... 10
7.1. História ........................................................................................................................... 10
7.2. Definição ........................................................................................................................ 11
7.3. Componentes VOIP ........................................................................................................... 11
7.3.1. Terminal..................................................................................................................... 11
7.3.2. Servidores ................................................................................................................. 11
7.3.3. Gateway ..................................................................................................................... 11
7.3.4. Pontes de conferencia ............................................................................................... 11
7.3.5. Endereçamento.......................................................................................................... 11
7.4. Protocolos da Tecnologia VOIP..................................................................................... 12
7.4.1. H.323 ...................................................................................................................... 12
7.4.2. SIP (Session Initiation Protocol) .......................................................................... 13
7.4.3. MGCP (Media Gateway Control Protocol) ........................................................ 13
7.4.4. H.248 ...................................................................................................................... 13
7.4.5.IAX .............................................................................................................................. 13
7.4.6. RTP – Real-time Transport Protocol .................................................................. 14
7.4.7. RTCP ...................................................................................................................... 14
7.5. Cenários para o uso VoIP ............................................................................................... 14
7.5.1. PC-a-PC ..................................................................................................................... 14
7.5.2. Gateways .................................................................................................................... 15
7.6. Vantagens ....................................................................................................................... 16
7.7. Desvantagens .................................................................................................................. 16
8. Conclusão ............................................................................................................................. 17
9. Referências Bibliográficas .................................................................................................. 18

Índice de figuras
Figura 1 - Arquitetura PABX-IP. .................................................................................................... 8
Figura 2:cenario de uso VoIP PC-PC. .......................................................................................... 15

Índice de tabelas
Tabela 2- Tabela comparativa PABX e PABX-IP ........................................................................ 10
1. Introdução
A necessidade da comunicação na sociedade vem desde a pré-história. Hoje em dia podemos
perceber que existem muitas formas de se comunicar com rapidez como a Internet, a televisão, a
rádio, que nos passam informações com instantaneidade, objetividade e que nos permitem estar
conectados com o mundo. O nosso trabalho cujo tema é “PABX, PABX IP, VoIP” visa abordar
sobre redes telefónicas comutadas, que constituí um meio de comunicação.
No presente trabalho realiza-se a definição de conceitos, descreve-se o funcionamento, apresenta-
se a aplicação, identificam-se as vantagens, desvantagens e faz-se a comparação do PABX, PABX
IP e VoIP.

1
2. Objectivos
2.1. Objectivo geral
• Abordar sobre o PABX, PABX-IP e VOIP

2.2. Objectivo específico


• Especificar o funcionamento (PABX, PABX-IP e VoIP);
• Apresentar as vantagens e desvantagens (PABX, PABX-IP e VoIP);
• Apresentar as aplicações (PABX, PABX-IP e VoIP);
• Realizar análise comparativa.

3. Metodologia
3.1. Metodologia de trabalho
● Reuniões sucessivas em grupo;
● Divisão de tarefas entre os membros do grupo;

3.2. Metodologia de investigação


● Pesquisas bibliográficas na Internet e livros;

2
4. PABX
Neste capítulo debruça-se sobre os sistemas PABX, apresenta-se a sua definição, acompanhada
dos conceitos, explica-se o seu funcionamento e são apresentadas as suas vantagens e
desvantagens.

4.1. Definição
PABX do inglês Private Automatic Branch Exchange (troca automática de ramais privados) é o
equipamento responsável pela distribuição de linhas telefônicas para diferentes ramais. Sua função
é ligar diferentes telefones a uma linha (ou central telefónica) interna através de ramais (ou externa
(linhas telefônicas fixas)).
Permite que diferentes ramais façam ligações ao mesmo tempo: internas ou externas. Ou seja, não
é necessário que uma empresa tenha mais de uma linha telefônica para fazer diferentes
atendimentos simultâneos. Uma única linha pode receber chamadas e distribuir, por meio do
PABX, pelos ramais disponíveis.

4.2. Tipos
Os principais tipos de PABX são: pabx -analógico, -digital, -hibrido, -VoIP e –virtual, que serão
descritos a seguir.

4.2.1. PABX analógico


Possui componente analógico (mais antigo), projetado para receber linhas fixas convencionais
através das operadoras de telefonia fixa. Seus ramais não possuem recursos avançados e sua
utilização é básica, podem possuir URA tradicional. Ainda é muito comercializado, principalmente
para empresas que não precisam de muitas funcionalidades, contudo, seu custo é mais alto.

4.2.2. PABX Digital


Esse tipo de PABX é mais avançado do que o analógico, pois possui recursos mais inovadores e
melhor qualidade de voz (elimina ruídos). Possui DDR (discagem direta para ramal), aumento do
volume da ligação e pode se conectar a linhas fixas e troncos digitais (E1 – tubo de passagem de
até 30 diferentes linhas telefônicas).

3
4.2.3. PABX Híbrido
Une as melhores características do analógico e do digital, e ainda implementa a tecnologia VoIP, o
que permite interligar filiais a custo zero. Com ele é possível implementar linhas fixas (ou E1) e
números VoIP. Ele determina a rota de menor custo para as chamadas, dependendo de cada tipo.
Indicado para empresas que tem linha analógica, mas querem utilizar VoIP.

4.2.4. PABX VoIP (IP)


É mais complexo e moderno, pois possui mais recursos disponíveis, como o gravador. Funciona
como um provedor, e pode receber ligações digitais ou entroncamentos E1 com placas específicas.
Ele é mais caro do que o analógico e o digital. Foi projetado apenas para funcionar com linhas de
operadora VoIP.

4.2.5. PABX virtual


É a opção mais moderna atualmente. É VoIP e permite uso de ramais virtuais em qualquer
dispositivo com acesso a internet, em qualquer lugar do mundo. Nesse caso, não há nenhuma
necessidade de instalação física desse equipamento dentro da empresa, pois pode ser usado por
meio de softwares instalados em computadores, tablets, smartphones e celulares.

4.3. Funcionamento
Como apresentado na definição o PABX é um equipamento onde são ligadas as linhas telefônicas
da empresa e distribuídas para vários ramais. Possibilitando que todos os ramais façam ligações
externas simultaneamente, através das linhas telefônicas ligadas ao PABX. Além de realizar
ligações gratuitas entre os ramais internos.
o PABX funciona como um distribuidor de linhas e ramais, onde ele recebe as linhas externas das
operadoras e distribui ramais internos, desta forma é possível que diversos usuários possam utilizar
uma mesma linha telefônica através dos ramais do PABX, tornando possível a comunicação interna
entre os setores, e/ou departamentos.

4
4.4. Vantagens
A seguir são dispostas as vantagens do uso ou aplicação de PABX:

• Total controle na telefonia do seu negócio;


• Redução de custos na conta telefônica;
• Gravação de chamadas;
• Chamadas entre matriz/filial sem custo;
• Baixo investimento inicial;
• Mobilidade;
• Ramais ilimitados;
• Maior eficiência e rapidez na comunicação;
• Sistema administrativo online.

4.5. Desvantagens
A seguir são dispostas as desvantagens do uso ou aplicação de PABX:

• Não escalável;
• Não tem conexão com a Internet;
• Sua capacidade depende do tipo de hardware.

5. PABX-IP
5.1. Definição
Um PABX IP é um sistema PABX que oferece suporte ao protocolo IP para estabelecer uma
conexão usando uma LAN Ethernet ou comutação de pacotes de telefones e envia suas conversas
com voz nos pacotes IP.

Um PABX IP híbrido oferece suporte ao protocolo IP para enviar as conversas com voz em
pacotes, mas também se conecta de maneira tradicional analógicas e digitais.

5
5.2. Características
• PABXs IP são frequentemente mais fáceis de administrar que PABXs , pois os
administradores podem facilmente configurar seus serviços de PABX IP usando um
navegador da Internet ou outro utilitário com base em IP.
• Para todo porte de empresas;
• DAC receptivo com filas e relatórios;
• Compatível com gateways SIP para E1, GSM e analógicos;
• Compatível com módulo Callcenter uTech (Ativo e Receptivo);
• Callback via smartphones;
• URA multinível;
• Gravação de chamadas;
• Integração com sistemas de terceiros;
• Integração CTI com computadores e celulares (API e EasyPhony).

5.3. Funcionalidades
A central telefônica PABX IP tem como funcionalidades:
• Suporte ao protocolo SIP v2 (RFC3261);
• Distribuição automática de chamadas (DAC);
• Agenda de contatos;
• Rotas de menor custo;
• Permissionamento por usuário;
• Callback;
• Backup das configurações;
• Grupos de ramais;
• Gerenciamento de múltiplos troncos SIP, escalonável e com simples configuração;
• DISA (Atendimento automático de chamadas);
• Compatível com gateways SIP para troncos E1, troncos e ramais analógicos, interfaces
celulares e operadoras VoIP;
• Blacklist;
• Transferência cega e transferência com consulta;
6
• Interface Web para configuração.

5.4. Requisitos para configuração


Para configurar este dispositivo, é necessário acessá-lo via navegador Web atendendo os seguintes
requisitos:
• Computador com interface de rede Ethernet e sistema operacional Linux ou Windows
OSX.
• Navegador web Microsoft Internet Explorer (versão 6 ou maior), Mozilla Firefox (versão
3.5 ou maior) ou Google Chrome. Todos devem ter as configurações de javascript
habilitadas.

5.5. Arquictetura de PABX-IP


Muito dos componentes são distribuídos ao longo da rede IP para transmitir informações de voz e
controle da ligação.
1. Controlador de processo: é um servidor que executa uma aplicação num sistema
operacional padrão (Microsoft, Unix ou Linux). Existe um grande benefício em se utilizar
um hardware e software comercial, permitindo uma grande redução nos custos de
desenvolvimento e fabricação;
2. Os dispositivos de ponta (endpoints): são os telefones IPs que conectam-se diretamente
na rede IP ao invés de interligar nos cartões de interfaces dedicadas dos módulos. Esses
equipamentos necessitam de um endereço IP e podem ser atualizados (firmware) através
de um servidor TFTP com novas funcionalidades. Diferente do PABX tradicional, dois
telefones IPs conversam diretamente, sem utilizar recursos do servidor;
3. Gateway: são interfaces ou equipamentos que convertem a sinalização e o canal de voz
para a rede IP, fazendo a integração com a rede STFC e para permitir utilizar os telefones
analógicos ou digitais existentes, reduzindo os custos da migração para a nova arquitetura;
4. Módulos de interconexão: é realizado através da rede IP. Vai haver uma degradação na
qualidade da voz se acontecer algum congestionamento ao longo do trajeto dos dados,
normalmente no link WAN.

7
Figura 1 - Arquitetura PABX-IP. Fonte: SATO, Alberto Mitsuo. PABX IP. Disponível em: http://www.teleco.com.br/tutoriais.asp

5.6. Vantagens
A seguir são dispostas as vantagens do uso ou aplicação de PABX-IP:

• Redução de custos na conta telefônica;


• Gravação de chamadas;
• Chamadas entre matriz(ramal)/filial sem custo;
• Baixo custo de operação;
• Mobilidade;
• Fácil configuração;
• Conectado a Internet;
• Maior eficiência e rapidez na comunicação;
• Sistema administrativo online.

5.7. Desvantagens
A seguir são dispostas as desvantagens do uso ou aplicação de PABX-IP:

• Sua capacidade (quantidade de ramais) depende da largura de banda.

8
6. Comparação entre PABX e PABX IP

Abaixo é apresentada a tabela comparativa entre PABX e PABX-IP

PABX analógico PABX IP

Tipo Comutação de circuito Comutação de pacotes

Arquitetura Centralizada Distribuída

Topologia Estrela Espinha dorsal (backbone)

Instalação elétrica Cada ponto (telefone) necessita de Cada ponto (telefone) pode ser
(wiring) um par de fios qualquer nó da rede TCP/IP

Capacidade de Limitado (dependente Ilimitado (depende apenas da


(quantidade ramais) do largura de banda)
hardware)
Complexo (dependente Fácil (basta adicionar outros
Escalabilidade do servidores)
hardware)
Voz e dados são duas redes Voz e dados se convergem em uma
Convergência isoladas única rede

Conectividade com a Total, utiliza o mesmo protocolo da


Internet Não existe Internet

Grande. Uma extensão funciona em


Pouca. Adicionar ou mover uma qualquer nó da rede, inclusive na
Flexibilidade
extensão requer mudança física Internet

Limitação Limitado aos recursos tradicionais


de voz Aplicações baseados em software
(aplicação)

Necessita de interfaces ou placas Uma aplicação nova é fácil de ser


Novas aplicações adicionais implementado

Redundância / Não existe. Outro PABX deve ser Outros servidores podem ser
Backup configurado como Backup configurados como Backup

Configuração do Simples e normalmente baseado em


Complicada Interface Web
sistema

9
É fácil interligar diversos PABX´s
Não suporta interligação com através de VPN/WAN ou pela
Interligação
outros PABX´s Internet

Integração com Os PC´s e telefones são integrados


Não existe em uma única rede
PC´s
Tabela 1- Tabela comparativa PABX e PABX-IP

7. VoIP
Para melhor compreensão da tecnologia VOIP é necessário perceber alguns conceitos como rede
telefónica comutada, rede de comutação de circuito e rede IP.
Iniciaremos por definir rede telefónica, a Rede Telefónica Comutada é a rede telefónica destinada
ao serviço telefônico, sendo administrada pelas operadoras de serviço telefônico incluindo as
linhas telefónicas, micro-ondas e outros modos de transmissão. Quer a rede IP como a rede de
comutação de circuitos podem ser suportadas pela RTC.
Rede de Comutação de Circuitos é a rede telefónica tradicional que envia informação através
dum circuito fixo. É estabelecido um circuito temporário entre o emissor e o recetor durante a
comunicação. Essa linha não pode ser usada por mais ninguém nesse período.
Por fim a Rede IP transmite dados usando pacotes, as comunicações são divididas em pequenos
pacotes e enviados de forma independente para a rede. Os pacotes por vezes são enviados através
de linhas de transmissão diferentes e reagrupados no destinatário.

7.1. História
A tecnologia VoIP surgiu em 1994 com Alan Cohen e Lior Haramaty fundando a Vocaltec, em
1995 a empresa laçou o Internet Phone que viria a ser o primeiro software de VoIP, não oferecia
toda a qualidade de transmissão que, por exemplo, o Skype2 oferece hoje, mas isso se limita devido
a largura de banda que era oferecida, porém, a partir deste ponto abriu-se as portas para esta
tecnologia que vem crescendo bastante atualmente.

10
7.2. Definição
São métodos que convertem os sinais de voz em dados digitais e enviam-na através da Internet ou
qualquer outra rede de computadores baseada no Protocolo de Internet, tornando a transmissão de
voz mais um dos serviços suportados pela rede de dados.

7.3. Componentes VOIP


7.3.1. Terminal
Apresenta um sistema final onde terminam comunicações e as suas cadeias de dados (media), é
atribuído um endereço IP a cada terminal.
Podem ser usados vários terminais no mesmo IP mas são independentes e Na maior parte das
vezes um terminal pode ter mais que um endereço que são usados para o chamar. Se forem usados
servidores de Telefone IP os terminais registam-se.

7.3.2. Servidores
Fornecem mecanismos adicionais de encaminhamento de chamadas, são também responsáveis
pela autenticação de registos, autorização dos participantes nas chamadas e elaboração de
contabilização.

7.3.3. Gateway
São terminais de telefone que facilitam a comunicação entre sistemas terminais que não inter-
operam. Realizam as atividades seguintes atividades: tradução de protocolos de sinalização SIP e
ISDN, tradução entre endereços de rede diferente IPv6/IPv4 e tradução entre Codecs.

7.3.4. Pontes de conferencia


Fornecem meios para ter conferência multiponto ad hoc ou previamente programadas, possui
requisitos muito elevados de recursos tais como: servidores dedicados e Hardware especial para
media.

7.3.5. Endereçamento
Fornece identificação ao emissor e ao destinatário da chamada.

11
As características do identificador são:
• Identificador deve ser independente da localização do utilizador
• A rede deve localizar o utilizador
• O utilizador deve ser identificado de vários formas

7.4. Protocolos da Tecnologia VOIP


Para estabelecer a comunicação entre terminais IP ocorrem 2 processos simultâneos.
“Basicamente, dois tipos de protocolos são utilizados nesses processos: um protocolo para
sinalização (com objetivo de estabelecer e gerenciar a chamada – sessão) e outro para o transporte
da voz por uma rede IP” (SIÉCOLA, 2010).
O SIP é um protocolo textual baseado em requisições e respostas, bastante similar ao HTTP,
que possui campos de cabeçalho e um corpo. No corpo de uma mensagem SIP é encapsulado
algum protocolo de descrição de sessão responsável pela negociação dos tipo e formatos de mídias
que serão trocadas entre as partes comunicantes, chamadas de User Agents (UA).

Para o transporte da voz digitalizada por uma rede IP, o protocolo mais utilizado é o RTP (Real-
time Transport Protocol), definido pelo RFC 3550, que não depende do tipo de protocolo de
sinalização e descrição sendo utilizados. Também no mesmo RFC é definido o RTCP, um
protocolo associado ao RTP que permite a troca de relatórios estatísticos entre os participantes de
uma sessão a respeito da recepção de mídia.

Os 7 principais protocolos da tecnologia VoIP são:

7.4.1. H.323
O protocolo H.323 é independente dos aspetos relacionados à rede e, portanto, pode ser utilizado
em tecnologias como Ethernet, Fast Ehternet, Token Ring e FDDI. Neste protocolo, somente o
suporte à mídia de áudio é obrigatório, mas o mesmo também é capaz de lidar com vídeo e dados.
É possível, portanto, trabalhar apenas com áudio (telefonia IP), com áudio e vídeo
(videoconferências), com áudio e dados e com áudio, dados e vídeo.

12
7.4.2. SIP (Session Initiation Protocol)
“O SIP é um protocolo da camada de sessão do modelo OSI (camada de aplicação do modelo
TCP/IP) que pode estabelecer, modificar e terminar sessões multimídias, onde sessão é
considerada uma troca de dados entre uma associação de UA, como uma chamada telefônica pela
Internet” (ROSENBERG, SCHULZRINNE e CAMARILLO et al, 2011).

As funções básicas do protocolo SIP na comunicação VOIP são: localização de um sistema final,
sinalização da intensão de se comunicar, negociação dos parâmetros e estabelecimento de uma
sessão e término de uma sessão previamente estabelecida.

7.4.3. MGCP (Media Gateway Control Protocol)

O MGCP é utilizado para integrar a arquitetura SS#7 em redes VoIP. Seu sistema é composto por
pelo menos um Media Gateway, pelo menos um Signaling Gateway e somente um Call Agent.
Aos poucos, o MGCP foi evoluindo e deu origem o H.248.

7.4.4. H.248

Conhecido também como Megaco, o H.248 é um padrão desenvolvido a fim de permitir que um
MGC (Media Gateway Controller) desempenhe o seu papel em um MG (Media Gateway). Esse
protocolo compete diretamente com o MGCP e, ao mesmo tempo, é complementar ao H.323 e
também ao SIP.

7.4.5.IAX

Desenvolvido pelo Digium, o IAX é um protocolo VoIP criado para estabelecer a comunicação
entre servidores Asterisk. Trata-se de um protocolo de transporte, assim como o SIP, com a
diferença de utilizar apenas uma porta para sinalizar ou fazer streams. O IAX é utilizado não
somente em servidores Asterisk, mas também em diversos telefones IP.

13
7.4.6. RTP – Real-time Transport Protocol
O RTP, definido em (SCHULZRINNE, CASNER e FREDERICK, 2011), foi desenvolvido para
tornar possível o transporte de pacotes contendo voz, vídeo ou outro tipo de mídia sobre uma rede
IP.O protocolo permite a deteção de pacotes perdidos, variações no atraso (jitter) e chegada fora
de ordem, contudo não garante qualidade de serviço para a mídia sendo transportada, isto é:
pacotes RTP são tratados da mesma forma como qualquer outro pacote numa rede IP.
Sendo usado por aplicações cuja natureza é de tempo real, o transporte de pacotes RTP requer uma
latência fim-a-fim tão baixa quanto possível através da Internet. Para isto, as aplicações
tipicamente utilizam o protocolo UDP na camada de transporte, uma vez que não há possibilidades
para detetar, sinalizar e retransmitir um pacote perdido.

7.4.7. RTCP

Este protocolo é baseado em envios periódicos de pacotes de controle para todos os participantes
de uma chamada (conexão). Ele utiliza o mesmo mecanismo para distribuição de pacotes de voz
(mídia). Através do RTCP, a transmissão é realizada em tempo real com um mínimo controle
através do suporte a pacotes UDP.

7.5. Cenários para o uso VoIP


São basicamente 3 cenários: PC-a-PC, uso de gateways e híbridas.

7.5.1. PC-a-PC

Neste tipo de arquitetura são utilizados 2 computadores conectados a rede, configurados com
recursos de multimídia e um software de Telefonia IP instalados (Netmeeting) utilizando a internet
para transporte do sinal de voz. Todo tratamento de sinal de voz (amostragem, compressão e
empacotamento) é realizado nos computadores. A chamada de voz pode ser estabelecida com base
no endereço IP do recetor ou através de um nome que será convertido para endereço IP utilizando
DNS.

14
Figura 2:cenario de uso VoIP PC-PC. Fonte: http://www.pcvoip.com.br/

7.5.2. Gateways

Um telefone comum é utilizado para gerar e receber ligações utilizando a internet como meio de
transmissão. Duas ou mais centrais telefônicas são interligadas através da internet, sendo
necessários gateways que convertam a sinalização utilizada na telefonia tradicional para a utilizada
em redes IP, e vice-versa. Ao ser iniciada uma chamada, o gateway de telefonia IP mais próximo
de sua central telefônica local recebe as informações do usuário chamado.

Este gateway reconhece e valida o número telefônico deste usuário para fins de autenticação e
bilhetagem e solicita que se forneça o número do usuário de destino. O gateway de entrada
identifica o gateway de saída mais próximo do usuário de destino e inicia com este uma sessão
para a transmissão de pacotes de voz.

O gateway de saída chama o telefone recetor e após a chamada ser atendida, a comunicação fim a
fim tem início com o sinal de voz sendo enviado através de datagramas IP entre gateways. Da
central telefônica para os telefones tradicionais é utilizada a sinalização da telefonia tradicional.

7.5.3. Híbridas
O usuário de um telefone tradicional origina ou recebe uma chamada para um usuário em um PC
ou em um telefone IP. Deve haver um mapeamento dos endereços IPs em números de telefone.

15
7.6. Vantagens
A seguir são dispostas as vantagens do uso ou aplicação de VoIP:

• Redução de custos;
• Maior largura de banda;
• Integração da voz e dados;
• Eficiência da rede;
• Mais e melhores serviços.

7.7. Desvantagens
A seguir são dispostas as desvantagens do uso ou aplicação de VoIP:

• Dependência de uma rede baseada no protocolo Intermet;


• A qualidade da chamada depende da conexão.

16
8. Conclusão

Após a realização do trabalho, foi possível verificar a importância do trabalho para as áreas de
atuação da telefonia. A telefonia IP utiliza a mesma infraestrutura para dados e esta telefonia
oferece muitos benefícios e vantagens. Muitas empresas acreditam que a telefonia IP é o futuro
das telecomunicações e estão a implementar os sistemas PABX IP para desfrutar dos recursos
avançados da nova arquitetura.
Utilizar a rede IP para interligar todas as unidades da empresa por meio de um PABX IP possibilita
uma grande flexibilidade.
A tecnologia VoIP possibilita os usuários o controle de recursos, possui menor custo em relação
as linhas telefónicas tradicionais, por isso tem sido muito usada atualmente. Finalmente conclui-
se que a tecnologia VoIP não causará o fim da utilização da telefonia convencional, mas certamente
será responsável por uma fatia considerável em ligações de longa distância e na interligação de
matriz, filiais e parceiros através da Internet. O uso da tecnologia VoIP consiste numa alternativa
estável, flexível e viável tanto tecnicamente quanto financeiramente para empresas que desejam
adicionar recursos na estrutura de comunicação existente e reduzir custos com ligações telefônicas.

17
9. Referências Bibliográficas

FILHO, Huber Bernal. Telefonia IP. Disponível em: http://www.teleco.com.br/tutoriais.asp


SATO, Alberto Mitsuo. PABX IP. Disponível em: http://www.teleco.com.br/tutoriais.asp
TANENBAUM, Andrew S. Redes de Computadores. 4. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

ROSS, Julio. VoIP Voz sobre IP. Rio de Janeiro: Antenna, 2007.

https://www.atendesimples.com/blog/conheca-os-diferentes-tipos-de-pabx

http://encanto.br.com/pabx-e-pabx-ip-entenda-as-diferencas/

https://voipstudio.com/what-is-pbx-and-how-it-works/

https://www.techwalla.com/articles/how-does-a-pabx-work

https://searchnetworking.techtarget.com/definition/private-automatic-branch-exchange

18

Você também pode gostar