Metodologia do Trabalho Científico

- Coletânea de Tópicos Relacionados -

Professor: Gustavo Melo

Mossoró 2010

UNIDADE 1 – A PESQUISA E O PESQUISADOR

INTRODUÇÃO

Hoje se reconhece que a ciência e a tecnologia se viabilizam por meio de um processo de construção do conhecimento e que esse processo flui na esfera da comunicação. Garvey (1979), um autor clássico da área de Sociologia da Ciência, incluiu no processo de Comunicação Científica “as atividades associadas com a produção, disseminação e uso da informação, desde a hora em que o cientista teve a idéia da pesquisa até o momento em que os resultados de seu trabalho são aceitos como parte integrante do conhecimento científico”.

O TRABALHO CIENTÍFICO E SUA AVALIAÇÃO

O trabalho científico, propriamente dito, é avaliado, segundo Demo (1991), pela sua qualidade política e pela sua qualidade formal. Qualidade política refere-se fundamentalmente aos conteúdos, aos fins e à substância do trabalho científico. Qualidade formal diz respeito aos meios e formas usados na produção do trabalho. Referese ao domínio de técnicas de coleta e interpretação de dados, manipulação de fontes de informação, conhecimento demonstrado na apresentação do referencial teórico e apresentação escrita ou oral em conformidade com os ritos acadêmicos.

O PESQUISADOR E SUAS QUALIFICAÇÕES

Alguns atributos pessoais são desejáveis para você ser um bom pesquisador. Para Gil (1999), um bom pesquisador precisa, além do conhecimento do assunto, ter curiosidade, criatividade, integridade intelectual e sensibilidade social. São igualmente importantes a humildade para ter atitude autocorretiva, a imaginação disciplinada, a perseverança, a paciência e a confiança na experiência. Atualmente, seu sucesso como pesquisador está vinculado, cada vez mais, a sua capacidade de captar recursos, enredar pessoas para trabalhar em sua equipe e fazer alianças que proporcionem a tecnologia e os equipamentos necessários para o desenvolvimento de sua pesquisa. Quanto maior for o seu prestígio e reconhecimento, obtido pelas suas publicações, maior será o seu poder de persuasão e sedução no processo de fazer aliados.

O raciocínio dedutivo tem o objetivo de explicar o conteúdo das premissas.. denominada de conclusão (GIL....... Locke e Hume......MÉTODOS CIENTÍFICOS A investigação científica depende de um “conjunto de procedimentos intelectuais e técnicos” (Gil.(premissa menor) Logo....... LAKATOS....... consiste na adoção da seguinte linha de raciocínio: “quando os conhecimentos disponíveis sobre determinado ..... hipotético-dedutivo. Por intermédio de uma cadeia de raciocínio em ordem descendente........ Carlos é mortal.. No raciocínio indutivo a generalização deriva de observações de casos da realidade concreta.......(conclusão) MÉTODO INDUTIVO Método proposto pelos empiristas Bacon..... 1999...... MARCONI. Hobbes.UNIDADE 2 .. É a linha de raciocínio adotada no processo de pesquisa. . indutivo. MARCONI. dialético e fenomenológico (GIL... a partir de duas premissas. LAKATOS......... ..... Veja um clássico exemplo de raciocínio dedutivo: Exemplo: Todo homem é mortal. Spinoza e Leibniz que pressupõe que só a razão é capaz de levar ao conhecimento verdadeiro. 1993).. p.. e Carlos são homens.26) para que seus objetivos sejam atingidos: os métodos científicos..(premissa maior) Pedro é homem... 1999. Paulo. Logo... de análise do geral para o particular. retirar uma terceira logicamente decorrente das duas primeiras...... Método científico é o conjunto de processos ou operações mentais que se devem empregar na investigação........ João. Usa o silogismo... Antônio... construção lógica para.... MÉTODO DEDUTIVO Método proposto pelos racionalistas Descartes... Ora......... Pedro é mortal. Veja um clássico exemplo de raciocínio indutivo: Exemplo: Antônio é mortal. chega a uma conclusão.. Considera que o conhecimento é fundamentado na experiência. 1999. (todos) os homens são mortais. 1993).. 1993)..... não levando em conta princípios preestabelecidos...... LAKATOS.... Os métodos que fornecem as bases lógicas à investigação são: dedutivo.. As constatações particulares levam à elaboração de generalizações (GIL.. João é mortal... . MARCONI.... Paulo é mortal... MÉTODO HIPOTÉTICO-DEDUTIVO Proposto por Popper.... 1999.

a realidade não é única: existem tantas quantas forem as suas interpretações e comunicações. TRIVIÑOS. 1999. se percebe que a ciência não é fruto de um roteiro de criação totalmente previsível. p. MÉTODO FENOMENOLÓGICO Preconizado por Husserl. MÉTODO DIALÉTICO Fundamenta-se na dialética proposta por Hegel. são formuladas conjecturas ou hipóteses. hoje. etc. MARCONI. ao contrário. o método fenomenológico não é dedutivo nem indutivo. político. o comunicado. 1999. Portanto. o interpretado. O sujeito/ator é reconhecidamente importante no processo de construção do conhecimento (GIL. deduzem-se conseqüências que deverão ser testadas ou falseadas. Na era do caos. 1993). 1999. Para tentar explicar a dificuldades expressas no problema. O ideal seria você empregar métodos. não há apenas uma maneira de raciocínio capaz de dar conta do complexo mundo das investigações científicas. no método hipótetico-dedutivo. Apesar da sua reconhecida importância. A realidade é construída socialmente e entendida como o compreendido. mais do que nunca. e não um método em particular. na qual as contradições se transcendem dando origem a novas contradições que passam a requerer solução. que ampliem as possibilidades de análise e obtenção de respostas para o problema proposto na pesquisa. Empregado em pesquisa qualitativa (GIL. Enquanto no método dedutivo se procura a todo custo confirmar a hipótese. os métodos científicos andam com seu prestígio abalado.assunto são insuficientes para a explicação de um fenômeno.30). surge o problema. procuram-se evidências empíricas para derrubá-la” (GIL. 1992). É um método de interpretação dinâmica e totalizante da realidade. Falsear significa tornar falsas as conseqüências deduzidas das hipóteses. LAKATOS. Preocupa-se com a descrição direta da experiência tal como ela é. Então. Das hipóteses formuladas. . do indeterminismo e da incerteza. econômico. Considera que os fatos não podem ser considerados fora de um contexto social. Empregado em pesquisa qualitativa.

é um “processo formal e sistemático de desenvolvimento do método científico. DO PONTO DE VISTA DA FORMA DE ABORDAGEM DO PROBLEMA PODE SER: Pesquisa Quantitativa: considera que tudo pode ser quantificável. vendo por um prisma mais filosófico. média. moda. Requer o uso de recursos e de técnicas estatísticas (percentagem. Pesquisa é um conjunto de ações. Minayo (1993. análise de regressão.34) insere a pesquisa como atividade cotidiana considerando-a como uma atitude. desvio-padrão. o que significa traduzir em números opiniões e informações para classificá-las e analisá-las. CLASSIFICAÇÕES DAS PESQUISAS Existem várias formas de classificar as pesquisas. um “questionamento sistemático crítico e criativo. mais a intervenção competente na realidade. fazendo uma combinação particular entre teoria e dados”. O objetivo fundamental da pesquisa é descobrir respostas para problemas mediante o emprego de procedimentos científicos”. Envolve verdades e interesses locais. É uma atitude e uma prática teórica de constante busca que define um processo intrinsecamente inacabado e permanente. que têm por base procedimentos racionais e sistemáticos. Pesquisar significa. etc. p.23). de forma bem simples. procurar respostas para indagações propostas. . A pesquisa é realizada quando se tem um problema e não se tem informações para solucioná-lo. considera a pesquisa como “atividade básica das ciências na sua indagação e descoberta da realidade. Demo (1996. a pesquisa tem um caráter pragmático. ou o diálogo crítico permanente com a realidade em sentido teórico e prático”. propostas para encontrar a solução para um problema. Para Gil (1999.42).UNIDADE 3. p. Envolve verdades e interesses universais. As formas clássicas de classificação serão apresentadas a seguir: DO PONTO DE VISTA DA SUA NATUREZA. É uma atividade de aproximação sucessiva da realidade que nunca se esgota. PODE SER: Pesquisa Básica: objetiva gerar conhecimentos novos úteis para o avanço da ciência sem aplicação prática prevista.A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES O que é pesquisa? Esta pergunta pode ser respondida de muitas formas. mediana. Pesquisa Aplicada: objetiva gerar conhecimentos para aplicação prática dirigidos à solução de problemas específicos.). coeficiente de correlação. p.

O processo e seu significado são os focos principais de abordagem. DO PONTO DE VISTA DOS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS (GIL. Aprofunda o conhecimento da realidade porque explica a razão. as formas de Pesquisas Bibliográficas e Estudos de Caso. definem-se as formas de controle e de observação dos efeitos que a variável produz no objeto. . requer o uso do método experimental. Envolve levantamento bibliográfico. artigos de periódicos e atualmente com material disponibilizado na Internet. Os pesquisadores tendem a analisar seus dados indutivamente. Pesquisa Experimental: quando se determina um objeto de estudo. em geral. Assume. 1991) PODE SER: Pesquisa Exploratória: visa proporcionar maior familiaridade com o problema com vistas a torná-lo explícito ou a construir hipóteses. Assume. a “causa” das coisas. análise de exemplos que estimulem a compreensão. Assume. isto é. Pesquisa Descritiva: visa descrever as características de determinada população ou fenômeno ou o estabelecimento de relações entre variáveis. em geral. Quando realizada nas ciências naturais. PODE SER: Pesquisa Bibliográfica: quando elaborada a partir de material já publicado. e nas ciências sociais requer o uso do método observacional. em geral. Pesquisa Documental: quando elaborada a partir de materiais que não receberam tratamento analítico. selecionam-se as variáveis que seriam capazes de influenciá-lo. É descritiva. a forma de Levantamento. Não requer o uso de métodos e técnicas estatísticas. a formas de Pesquisa Experimental e Pesquisa Expost-facto. 1991). um vínculo indissociável entre o mundo objetivo e a subjetividade do sujeito que não pode ser traduzido em números.Pesquisa Qualitativa: considera que há uma relação dinâmica entre o mundo real e o sujeito. Pesquisa Causal: visa identificar os fatores que determinam ou contribuem para a ocorrência dos fenômenos. O ambiente natural é a fonte direta para coleta de dados e o pesquisador é o instrumentochave. Envolve o uso de técnicas padronizadas de coleta de dados: questionário e observação sistemática. A interpretação dos fenômenos e a atribuição de significados são básicas no processo de pesquisa qualitativa. constituído principalmente de livros. entrevistas com pessoas que tiveram experiências práticas com o problema pesquisado. DO PONTO DE VISTA DE SEUS OBJETIVOS (GIL.

Levantamento: quando a pesquisa envolve a interrogação direta das pessoas cujo comportamento se deseja conhecer. Pesquisa Participante: quando se desenvolve a partir da interação entre pesquisadores e membros das situações investigadas. Os pesquisadores e participantes representativos da situação ou do problema estão envolvidos de modo cooperativo ou participativo. . Pesquisa-Ação: quando concebida e realizada em estreita associação com uma ação ou com a resolução de um problema coletivo. Estudo de caso: quando envolve o estudo profundo e exaustivo de um ou poucos objetos de maneira que se permita o seu amplo e detalhado conhecimento. Pesquisa Expost-Facto: quando o “experimento” se realiza depois dos fatos.

portanto.106): a) A existência de uma pergunta que se deseja responder.UNIDADE 4 . O planejamento de uma pesquisa dependerá basicamente de três fases: Fase decisória: referente à escolha do tema. b) A elaboração de um conjunto de passos que permitam chegar à resposta. 1999. consistência. Metodologia científica entendida como um conjunto de etapas ordenadamente dispostas que você deve vencer na investigação de um fenômeno. à definição e à delimitação do problema de pesquisa. É desejável que uma pesquisa científica preencha os seguintes requisitos (GOLDEMBERG. Inclui a . originalidade e objetivação. p. Fase construtiva: referente à construção de um plano de pesquisa e à execução da pesquisa propriamente dita. a realização concreta de uma investigação planejada e desenvolvida de acordo com as normas consagradas pela metodologia científica. c) A indicação do grau de confiabilidade na resposta obtida”. Pesquisa científica seria. A apresentação do relatório de pesquisa deverá obedecer às formalidades requeridas pela Academia.O PLANEJAMENTO DA PESQUISA Pesquisa é a construção de conhecimento original de acordo com certas exigências científicas. É a organização das idéias de forma sistematizada visando à elaboração do relatório final. Fase redacional: referente à análise dos dados e informações obtidas na fase construtiva. Para que seu estudo seja considerado científico você deve obedecer aos critérios de coerência.

a elaboração das conclusões e a divulgação de resultados. estabelecendo limites ou restrições para o desenvolvimento da pesquisa pretendida. ordenada. Os tipos de pesquisa apresentados nas diversas classificações não são estanques. 5) Determinação de objetivos. desde que obedeça aos requisitos inerentes a cada tipo. escreva um relatório final e este seja apresentado de forma planejada. o planejamento da investigação. 11) Redação e apresentação do trabalho científico que poderá ser um monografia. Uma mesma pesquisa pode estar. . 3) Justificativa. Escolher um tema significa eleger uma parcela delimitada de um assunto. 2) Revisão de literatura. 1 ESCOLHA DO TEMA Nesta etapa você deverá responder à pergunta: “O que pretendo abordar?” O tema é um aspecto ou uma área de interesse de um assunto que se deseja provar ou desenvolver.escolha do tema. 4) Formulação do problema. 6) Metodologia. enquadrada em várias classificações. 8) Tabulação de dados.AS ETAPAS DA PESQUISA A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. artigo científico. 10) Conclusão da análise dos resultados. a coleta e a tabulação de dados. 9) Análise e discussão dos resultados. O planejamento e a execução de uma pesquisa fazem parte de um processo sistematizado que compreende etapas que podem ser detalhadas da seguinte forma: 1) Escolha do tema. o desenvolvimento metodológico. a análise dos resultados. ao mesmo tempo. Realizar uma pesquisa com rigor científico pressupõe que você escolha um tema e defina um problema para ser investigado. 7) Coleta de dados. elabore um plano de trabalho e. lógica e conclusiva. dissertação ou tese. após a execução operacional desse plano. UNIDADE 5 .

Da sua formulação dependerá o desenvolvimento da sua pesquisa. seu conhecimento a respeito. na vida profissional. ser uma revisão empírica ou ainda ser uma revisão histórica. se é realmente um problema e se vale a pena tentar encontrar uma solução para ele. Definido isso. A escolha do tema de uma pesquisa. A revisão de literatura é fundamental. para a escolha do tema. se é. que aspectos já foram abordados. Pergunte a você mesmo: o tema é relevante e. no feedback de pesquisas já realizadas e em estudo da literatura especializada (BARROS. você irá levantar e analisar a literatura já publicada sobre o tema. 2 REVISÃO DE LITERATURA Nesta fase você deverá responder às seguintes questões: quem já escreveu e o que já foi publicado sobre o assunto. em contato e relacionamento com especialistas. . LEHFELD. sua preferência e sua aptidão pessoal para lidar com o tema escolhido. está relacionada à linha de pesquisa à qual você está vinculado ou à linha de seu orientador. porque fornecerá elementos para você evitar a duplicação de pesquisas sobre o mesmo enfoque do tema. por quê? Quais os pontos positivos que você percebe na abordagem proposta? Que vantagens e benefícios você pressupõe que sua pesquisa irá proporcionar? A justificativa deverá convencer quem for ler o projeto. em programas de pesquisa. 4 FORMULAÇÃO DO PROBLEMA Nesta etapa você irá refletir sobre o problema que pretende resolver na pesquisa. Pode objetivar determinar o “estado da arte”. 1999). Você deverá levar em conta. com relação à importância e à relevância da pesquisa proposta. A pesquisa é fundamentada e metodologicamente construída objetivando a resolução ou o esclarecimento de um problema. sua atualidade e relevância.A definição do tema pode surgir com base na sua observação do cotidiano. Favorecerá a definição de contornos mais precisos do problema a ser estudado (futuramente abordaremos especialmente a Revisão de Literatura). quais as lacunas existentes na literatura. O problema é o ponto de partida da pesquisa. em um Curso de PósGraduação. ser uma revisão teórica. 3 JUSTIFICATIVA Nesta etapa você irá refletir sobre “o porquê” da realização da pesquisa procurando identificar as razões da preferência pelo tema escolhido e sua importância em relação a outros temas.

Que fatores determinam a deterioração de uma área urbana? Muitos fatores determinam a escolha de um problema de pesquisa.Que sensações as cores de embalagens de sabonete despertam nos consumidores? .Qual a relação entre subdesenvolvimento e dependência econômica? .A percepção de um problema. para facilitar a identificação do que se deseja pesquisar.35). Gil (1999) arrola questões para as quais ainda não se tem respostas. neste momento. Como exemplos de problemas de pesquisa. Todo o processo de pesquisa irá girar em torno de sua solução. Na acepção científica.Qual o grid mais adequado para diagramação de conteúdo em jornais comunitários? . Para Rudio (2000). O problema tem que ter dimensão viável: deve ser restrito para permitir a sua viabilidade. “é uma questão que mostra uma situação necessitada de discussão. investigação. problema é uma questão que a pesquisa pretende responder. o pesquisador. O problema formulado de forma ampla poderá tornar inviável a realização da pesquisa. em qualquer domínio do conhecimento (GIL. deve fazer as seguintes perguntas: Na literatura da área de metodologia científica podem-se encontrar muitas recomendações a respeito da formulação do problema de pesquisa. Problema. . Veja algumas dessas recomendações: O problema deve ser formulado como pergunta. soluções possíveis para o problema identificado. e nesse processo você formula hipóteses. . Simplificando. 1999. p. é que leva ao raciocínio que gera a pesquisa. p. decisão ou solução”.Será que a propaganda de cigarro pela TV induz ao hábito de fumar? . então. Gil (1999) considera que as recomendações não devem ser rígidas e devem ser observadas como parâmetros para facilitar a formulação de problemas. problema é qualquer questão não respondida e que é objeto de discussão.49). para Kerlinger (1980.

sustentem ou refutem a afirmativa feita na hipótese. que são soluções possíveis para a sua resolução. por isso. observe: Assunto: Finanças Tema: O investidor diante do risco e o retorno dos investimentos . observe os exemplos abaixo (Martins. Para melhor entendimento de como deve ser formulado um problema de pesquisa. O problema deve ser preciso: além de definir os termos é necessário que sua aplicação esteja delimitada. 1994): Assunto: Recursos Humanos Tema: Perfil ocupacional Problema: Qual é o perfil ocupacional dos trabalhadores em transporte urbano? Assunto: Finanças Tema: Comportamento dos investidores Problema: Quais os comportamentos dos investidores no mercado de ações de São Paulo? Assunto: Organizações Tema: Cultura organizacional Problema: Qual é a relação entre cultura organizacional e o desempenho funcional dos administradores? Assunto: Recursos Humanos Tema: Incentivos e desempenhos Problema: Qual é a relação entre incentivos salariais e desempenho dos trabalhadores? 5 HIPÓTESES Hipóteses são suposições colocadas como respostas plausíveis e provisórias para o problema de pesquisa.A hipótese é sempre uma afirmação. Então. As hipóteses são provisórias porque poderão ser confirmadas ou refutadas com o desenvolvimento da pesquisa. A hipótese define até aonde você quer chegar e.O problema deve ter clareza: os termos adotados devem ser definidos para esclarecer os significados com que estão sendo usados na pesquisa. Um mesmo problema pode ter muitas hipóteses. uma resposta possível ao problema proposto. O processo de pesquisa estará voltado para a procura de evidências que comprovem. será a diretriz de todo o processo de investigação. A(s) hipótese(s) irá(ão) orientar o planejamento dos procedimentos metodológicos necessários à execução da sua pesquisa.

julgar. 6 DETERMINAÇÃO DOS OBJETIVOS: GERAL E ESPECÍFICOS Nesta etapa você pensará a respeito de sua intenção ao propor a pesquisa. sublinhar e nomear. . escolher. H2: O investidor arrojado considera primeiramente taxa de retorno e critérios como risco. validar e valorizar. empregar. tempo mínimo da aplicação e valor mínimo são critérios secundários. repetir. Como exemplos de verbos usados na formulação dos objetivos. relatar. registrar. Determinar estágio de avaliação: os verbos apreciar. explicar. Determinar estágio cognitivo de compreensão: os verbos descrever. tempo mínimo da aplicação e valor mínimo como critérios secundários para a realização do investimento financeiro. classificar. definir. constatar. praticar. Os objetivos devem estar coerentes com a justificativa e o problema proposto. e os objetivos específicos explicitarão os detalhes e serão um desdobramento do objetivo geral. podem-se citar para: Determinar estágio cognitivo de conhecimento: os verbos apontar. organizar e esquematizar. Os enunciados dos objetivos devem começar com um verbo no infinitivo e este verbo deve indicar uma ação passível de mensuração. esclarecer. reunir. demonstrar. provar. compor. estimar. Os objetivos informarão para que você está propondo a pesquisa. distinguir. inscrever. isto é. interpretar. investigar e experimentar. discutir. debater. avaliar. diferenciar. manipular. selecionar. O objetivo geral será a síntese do que se pretende alcançar. examinar. localizar. traduzir e transcrever. comparar.Problema: Quais as diferenças de critérios utilizados pelos diferentes tipos de investidores para decidir seus investimentos financeiros? H1: O investidor conservador considera primeiramente o risco como critério principal e taxa de retorno. inventariar. Determinar estágio de síntese: os verbos articular. enunciar. ilustrar. preferir. constituir. eliminar. quais os resultados que pretende alcançar ou qual a contribuição que sua pesquisa irá efetivamente proporcionar. examinar. Determinar estágio de análise: os verbos analisar. identificar. coordenar. criticar. traçar e usar. expressar. Deverá sintetizar o que pretende alcançar com a pesquisa. Determinar estágio de aplicação: os verbos aplicar.

Amostras casuais estratificadas: cada previamente.7 METODOLOGIA Nesta etapa você irá definir onde e como será realizada a pesquisa. Amostras não probabilísticas podem ser: Amostras acidentais: compostas por acaso. estará representado na amostra. . População (ou universo da pesquisa) é a totalidade de indivíduos que possuem as mesmas características definidas para um determinado estudo. Amostras probabilísticas são compostas por sorteio e podem ser: Amostras casuais simples: cada elemento da população tem oportunidade igual de ser incluído na amostra. Definirá o tipo de pesquisa. selecionada de acordo com uma regra ou plano. Barbetta (1999) fornece uma abordagem muito didática referente à delimitação de amostras e ao emprego da estatística em pesquisas. os instrumentos de coleta de dados e a forma como pretende tabular e analisar seus dados. a amostragem. Para definição das amostras recomenda-se a aplicação de técnicas estatísticas. Amostra é parte da população ou do universo. constantes da Amostras intencionais: escolhidos casos para a amostra que representem o “bom julgamento” da população/universo. A definição do instrumento de coleta de dados dependerá dos objetivos que se pretende alcançar com a pesquisa e do universo a ser investigado. na mesma proporção. estrato. Os instrumentos de coleta de dados tradicionais são: Observação: quando se utilizam os sentidos na obtenção de dados de determinados aspectos da realidade. A observação pode ser: Observação assistemática: não tem planejamento e controle previamente elaborados. definido Amostras por agrupamento: reunião de amostras representativas de uma população. Amostras por quotas: diversos elementos população/universo. a população (universo da pesquisa). com pessoas que vão aparecendo. A amostra pode ser probabilística e nãoprobabilística.

Observação individual: realizada por um pesquisador. Observação na vida real: registro de dados à medida que ocorrem. Observação em laboratório: onde tudo é controlado. com o advento da informática. De múltiplas escolhas: fechadas com uma série de respostas possíveis. Atualmente. mas não participa. O questionário deve ser objetivo. duas qualidades são fundamentais: a paciência e a persistência. ressaltar a importância da colaboração do informante e facilitar o preenchimento. As perguntas do questionário podem ser: Abertas: “Qual é a sua opinião?”. Despadronizada ou não-estruturada: não existe rigidez de roteiro. Podem-se explorar mais amplamente algumas questões. tabelas. realiza-se em responder aos propósitos Observação não-participante: o pesquisador presencia o fato. 10 ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS .Observação sistemática: tem condições controladas para preestabelecidos. A entrevista pode ser: Padronizada ou estruturada: roteiro previamente estabelecido. 9 TABULAÇÃO E APRESENTAÇÃO DOS DADOS Nesta etapa você poderá lançar mão de recursos manuais ou computacionais para organizar os dados obtidos na pesquisa de campo. Observação em equipe: feita por um grupo de pessoas. Para obter êxito neste processo. 8 COLETA DE DADOS Nesta etapa você fará a pesquisa de campo propriamente dita. planejamento. Entrevista: é a obtenção de informações de um entrevistado. limitado em extensão e estar acompanhado de instruções As instruções devem esclarecer o propósito de sua aplicação. sobre determinado assunto ou problema. é natural que você escolha os recursos computacionais para dar suporte à elaboração de índices e cálculos estatísticos. Fechadas: duas escolhas: sim ou não. quadros e gráficos. Questionário: é uma série ordenada de perguntas que devem ser respondidas por escrito pelo informante.

Deverá explicitar se os objetivos foram atingidos. 12 REDAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO Nesta etapa o pesquisador deverá redigir seu relatório de pesquisa: dissertação ou tese. fraseologicamente claro. Normas de documentação da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) deverão ser consultadas visando à padronização das indicações bibliográficas e a apresentação gráfica do texto. A análise deve ser feita para atender aos objetivos da pesquisa e para comparar e confrontar dados e provas com o objetivo de confirmar ou rejeitar a(s) hipótese(s) ou os pressupostos da pesquisa. 11 CONCLUSÃO DA ANÁLISE E DOS RESULTADOS OBTIDOS Nesta etapa você já tem condições de sintetizar os resultados obtidos com a pesquisa.Nesta etapa você interpretará e analisará os dados que tabulou e organizou na etapa anterior. . isto é. terminológica-mente preciso e estilisticamente agradável”. deverá ressaltar a contribuição da sua pesquisa para o meio acadêmico ou para o desenvolvimento da ciência e da tecnologia.22) argumenta que o texto deverá ser escrito de modo apurado. E. se a(s) hipótese(s) ou os pressupostos foram confirmados ou rejeitados. Normas e orientações do próprio Curso e Universidade também deverão ser consultadas. “gramaticalmente correto. p. principalmente. Azevedo (1998.

UNIDADE 6 . imprensa escrita e até eletronicamente. Para elaborar uma revisão de literatura é recomendável que você adote a metodologia de pesquisa bibliográfica.ebscohost.org http://search. Esse processo requer algumas dicas: http://acessolivre. Para tornar o processo de revisão de literatura produtivo.REVISÃO DE LITERATURA Uma das etapas mais importantes de um projeto de pesquisa é a revisão de literatura.univerciencia. A revisão de literatura refere-se à fundamentação teórica que você irá adotar para tratar o tema e o problema de pesquisa. revistas. disponibilizada na Internet.capes.Verificar as opiniões similares e diferentes a respeito do tema ou de aspectos relacionados ao tema ou ao problema de pesquisa.br http://www. Os passos sugeridos por Lakatos e Marconi (1991) são: Levantamento O levantamento implica fazer uma busca na bibliografia ligada ao tema para obter as informações sobre o que já foi publicado sobre o assunto. Por meio da análise da literatura publicada você irá traçar um quadro teórico e fará a estruturação conceitual que dará sustentação ao desenvolvimento da pesquisa.Conhecer publicações existentes sobre o tema e os aspectos que já foram abordados. A revisão de literatura/pesquisa bibliográfica contribuirá para: .gov. .Obter informações sobre a situação atual do tema ou problema pesquisado. Pesquisa Bibliográfica é aquela baseada na análise da literatura já publicada em forma de livros. você deverá seguir alguns passos básicos para sistematizar seu trabalho e canalizar seus esforços.com/ . A revisão de literatura resultará do processo de levantamento e análise do que já foi publicado sobre o tema e o problema de pesquisa escolhidos. . Permitirá um mapeamento de quem já escreveu e o que já foi escrito sobre o tema e/ou problema da pesquisa. publicações avulsas.

br http://jcom.br http://bndigital.sissa.google.com.br http://scholar.it/archive/ .br http://www.dominiopublico.bn.gov.scielo.http://www.

além de ser o clube com maior número de sócios na América Latina. como estratégia e identidade são produzidas. HALL. Trata-se de uma pesquisa qualitativa de caráter descritivo que utiliza o método de estudo de caso único holístico (YIN. sobretudo. Resumo é a apresentação condensada dos pontos relevantes de um texto. o objetivo do trabalho. 2003) e a Semiótica Cultural (BAKHTIN. com a sociologia de Bourdieu (1996). Realizou-se análise de discurso da campanha “Alma Colorada” e dos símbolos identitários do Inter e dos seus concorrentes. que define as regras para sua redação e apresentação. No resumo você deve ressaltar de forma clara e sintética a natureza e o objetivo do trabalho. ainda.UNIDADE 7 . O conteúdo de um resumo deve contemplar o assunto ou os assuntos tratados de forma sucinta. verificando se incongruências transparecem nas ações de comunicação do clube. empregando na coleta de dados entrevistas com dirigentes do clube e da sua agência de publicidade. 1979). 2005. 2003). 2005). também. a abordagem dos Estudos Culturais (PIEDRAS. como sua identidade é projetada. os resultados e as conclusões mais importantes. SCHULTZ. Questiona. Emprega. para se viabilizar . o clube foi eficaz no alinhamento de seus diferentes planos de identidade.RESUMO. VOLOSHINOV. Aborda. como o tema foi abordado e suas conclusões. Ressalta-se que a escolha do Inter deve-se ao fato dele ser pioneiro na profissionalização de sua gestão. em especial a segunda corrente (HATCH. o método que foi empregado. verificou-se que estratégia e identidade se co-produzem no processo de interação dos membros da organização com seus principais stakeholders. seu valor e originalidade. além de analisar como o Inter lida com a ambigüidade dos labels de clube e empresa. CITAÇÕES E REFERÊNCIAS RESUMOS Você deve elaborar os resumos de acordo com a NBR6028 (NB88) da Associação Brasileira de Normas Técnicas (1990). O estudo conjuga teorias de branding. o método ou os métodos empregados. Além disso. Observe o exemplo abaixo: RESUMO 1 Esse artigo apresenta resultados de pesquisa realizada com o objetivo de compreender o processo de constituição da estratégia competitiva e da identidade corporativa do Sport Club Internacional. Os resumos devem vir sempre acompanhados da referência da publicação. em função da alta direção entender que. Como conclusão.

Exemplo Exemplo Exemplo: Porter (apud CARVALHO e SOUZA. 1998). por isso é necessário citar a fonte: dar crédito ao autor da idéia. p. para que atinja seus objetivos financeiros. É uma citação livre. precisa funcionar como empresa.como clube. citação é a “menção no texto de uma informação extraída de outra fonte”. A transcrição literal virá entre “aspas”. de fonte escrita ou oral. TIPOS DE CITAÇÃO Citação direta: É quando transcrevemos o texto utilizando as próprias palavras do autor. a identidade de clube precisa ser evocada. a idéia expressa continua sendo de autoria do autor que você consultou. porém. A NBR10520:2001 define os parâmetros para a apresentação de citações em documentos. Citação indireta: É a reprodução de idéias do autor. 1999. Exemplo Exemplo: O valor da informação está relacionado com o poder de ajuda aos tomadores de decisões a atingirem os objetivos da empresa (VIEIRA. Usamos a expressão latina apud (“citado por”) para indicar a obra de onde foi retirada a citação.74) considera que “a vantagem competitiva surge fundamentalmente do valor que uma empresa consegue criar para seus compradores e que ultrapassa o custo de fabricação pelas empresas”. sustentar uma idéia ou ilustrar um raciocínio por meio de menções de trechos citados na bibliografia consultada. Sobrenome(es) do Autor Original (apud Sobrenome(es) Sobrenome(es) dos Autor( es) da obra que retiramos a citação. Pode ser uma citação direta. Citação de citação: É a menção de um documento ao qual você não teve acesso. As citações em trabalho escrito são feitas para apoiar uma hipótese. CITAÇÃO Segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas (2001.5) o valor da informação está “diretamente ligado à maneira como ela ajuda os tomadores de decisões a atingirem as metas da organização”. É uma citação indireta. p. citação indireta ou citação de citação. mas que tomou conhecimento por citação em um outro trabalho. Contudo. ano de publicação da qual retiramos a citação). Exemplo Exemplo: Segundo Vieira (1998. p. .1). usando as suas palavras para dizer o mesmo que o autor disse no texto.

. As atividades centrais de criação de riqueza não serão nem a alocação de capital para usos produtivos. nem a ‘mão-de-obra’ – os dois pólos da teoria econômica dos séculos dezenove e vinte. para usar uma expressão dos economistas – não é mais o capital. Exemplo Exemplo: Porter (apud CARVALHO e SOUZA. Exemplo Exemplo: Drucker (1997. marxista. p. de documentos impressos ou registrados em diversos tipos de materiais. Mais de três linhas: recuo de 4 cm para todas as linhas.Encabeçando resumos ou recensões (conforme vocês já observaram . Ele será o conhecimento. p. Hoje o valor é criado pela ‘produtividade’ e pela ‘inovação’. Nesta nova sociedade: O recurso econômico básico – ‘os meios de produção’.Apresentação das citações no texto Até três linhas: aparece fazendo parte normalmente do texto. Autor (quem?). no todo ou em parte..Conforme anteriormente (quando se tratou de resumos).Em nota de rodapé ou no final texto. nem os recursos naturais (a ‘terra dos economistas’). como: 1. com letra menor (fonte 10) que a do texto utilizado e sem aspas. 1999. Edição.1) na NBR6023:2000: “fixa a ordem dos elementos das referências e estabelece convenções para transcrição e apresentação de informação originada do documento e/ou outras fontes de informação”.xvi) chama a nova sociedade de sociedade capitalista. keynesiana ou neoclássica. . p. quer ela seja clássica. Os principais grupos sociais da sociedade do conhecimento serão os ‘trabalhadores do conhecimento’ – executivos que sabem como alocar conhecimento para usos produtivos. Editora. REFERÊNCIAS Referência é o conjunto de elementos que permitem a identificação.. 5. Data de publicação da obra (quando?). 2. Nos trabalhos acadêmicos a referência pode aparecer: . as referências devem ter alguns elementos indispensáveis. 6. Local de publicação (onde?). Para uma melhor recuperação de um documento.74) considera que “a vantagem competitiva surge fundamentalmente do valor que uma empresa consegue criar para seus compradores e que ultrapassa o custo de fabricação pelas empresas”. que são aplicações do conhecimento ao trabalho. A Associação Brasileira de Normas Técnicas (2000. a partir da margem esquerda. 4. 3. nem a ‘mão-de-obra’. Título (o que?).

Francisco. Nos sobrenomes que acompanham “Filho”. Juca. Exemplo SILVA. In: BANA E COSTA. Tom. Exemplo COSTA NETO. São Paulo. São Paulo: Makron Books. coloca-se o primeiro seguido da expressão “et al”.. Bernard. p. São Paulo: FIPECAFI. Mais de três autores. Guia da Ernest & Young para gerenciar o lucro em tempo real. SILVA. Rio de Janeiro: Record. 1990. Quando necessário colocam. Na referência até três autores listam-se os três autores separados por ponto e vírgula.se todos os autores. 1999. O uso do balanced scorecard como um sistema de gestão estratégica. KOLLER. Artigo de Periódico . In: ___. “Neto” ou “Sobrinho”. Boo. MURRIN. Jack.. 2000. p. Onde o autor do capítulo não é o mesmo autor do livro.. Parte de Coletânea (Capítulo de Livro com Autoria Específica). Paulo. C. A. esses designativos são grafados junto aos sobrenomes.10. Uma das finalidades das referências é informar a origem das idéias apresentadas no decorrer do trabalho. Tim. REIS FILHO. Claudecir et al. Uma nova visão dos negócios. Capítulo de Livro sem Autoria Especial (Onde o autor do livro é o mesmo autor do capítulo): DRAGOO. The outranking approach and the foundations of electre methods. Anais. 1999.93– 100. Berlim: Springer-Verlag. Carlos. 1CD. SOARES. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CUSTOS. Reading in multiple decision aid. PIMENTA. para facilitar a localização dos documentos Veja alguns modelos de referencias: Livro no Todo COPELAND. Avaliação de empresas: valuation. cap. João et al. 39-52. LIMA SOBRINHO. 6. 1999. ROY. Sílvio.Você deve apresentar elementos de forma padronizada e na seqüência apresentada acima (ATELED). João. Nesse sentido você deve apresentá-las completas. Trabalho Apresentado em Congresso PATON.

.1. In: ___.4. A. 5 CD-ROM. Tese/Dissertação HOLZ. 1998. Adoção à brasileira: uma análise sociojurídica.aps. Eletronic publishing at APS: its not just on-line journalism. n. Os exemplos que constam da NBR6023:2000 são: Monografia em meio eletrônico Enciclopédia KOOGAN.html>. No caso de ser uma dissertação.Br/sma/entendendo/atual.htm>. 1996. Acesso em: 8 mar. Disponível em: <http:// www. Rio de Janeiro. Jornal do Brasil. Tratados e organizações ambientais e matéria de meio ambiente. 1999. Disponível em: <http://bdt. 26 dez. Publicações em meio eletrônico Artigo de Revista RIBEIRO. Florianópolis. G. v. v.org. APS News Online. Economia. Gustavo H. Parte de Monografia SÃO PAULO (Estado). Disponível em: <http:// www. B. ago. Datavenia. n.informação.SIMONS. Enciclopédia e dicionário digital 98. (Ed.3. 1999.Programa de Pós Graduação em Engenharia de Produção. 1998. S. A. 18.html>. Secretaria do Meio Ambiente. 1999. Artigo de Jornal Científico KELLY. O que aconteceu com as reformas em 1999. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) . muda-se a nota Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) para Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção). P. ano 3. . 1998. São Paulo. p. HOUAISS.). DOCUMENTOS ELETRÔNICOS/DIGITAIS A ABNT (2000) fixou recomendações para a referenciação de documentos eletrônicos/digitais. 1998. São Paulo. Acesso em: 10 set. São Paulo: Delta: Estadão./out. Elio.Br/frameartig. Robert.datavenia. p. 1999. São Paulo.16. Los Angeles. Artigo de Jornal FRANCO. Entendendo o meio ambiente. Acesso em: 25 nov. set. nov.122-130. 1999. R. UFSC. Qual é o nível de risco de sua empresa? HSM Management.org /apsnews/1196/11965. Estratégias de equilíbrio entre a busca de benefícios privados e os custos sociais gerados pelas unidades agrícolas familiares: um método multicritério de avaliação e planejamento de microbacias hidrográficas.

por ato administrativo.in. DF.truenetm.Programa (Software) MICROSOFT Project for Windows 95. Windows 3. Software Educativo CD-ROM PAU no Gato! Por que? Rio de Janeiro: Sony Music Book Case Multimídia Educacional. Acesso em: 29 nov. Altera a legislação tributária federal.com.asp?Id=LEI%20 9887>. inscrição em concurso para cargo político. em razão da idade. Lei n° 9.br/ciberjur/stf. Julgamento: 1963/12/16. . 8 dez. em razão da idade. Legislação: BRASIL. version 4. Disponível em: <http://www. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. 1CD-ROM.br/ mp_leistexto. Brasília. por ato administrativo.1. com. 1999. Não é admissível.I. 1998. Súmula n° 14. Conjunto de programas. 0000-01 PG 00037. 1995. Acesso em: 29 nov. de 7 de dezembro de 1999. restringir. [S. Supremo Tribunal Federal. 1998. Disponível em: <http://www. restringir. Súmula em Revista Eletrônica: BRASIL. 1 CD-ROM.gov.prodau-sc. Acesso em: 22 dez. Revista Experimental de Direito e Temática. Não é admissível.html>.]: Microsoft Corporation. Disponível em: <http://www. Supremo Tribunal Federal.html >. [1990].br/jusrisnet/sumusSTF. 1999. inscrição em concurso para cargo público. Súmula n° 14. SUDIN vol. Documento Jurídico em meio eletrônico Súmula em Home Page: BRASIL.1: project planning software.887.

2001. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS.REFERÊNCIAS ANDRADE. 1990. Rio de Janeiro. NBR12225: títulos de lombada. Aidil de Jesus Paes de. Rio de Janeiro. Israel Belo de. Florianópolis: Ed. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. LEHFELD. da UNIMEP. BARBETTA. Projeto de pesquisa: propostas metodológicas. Rio de Janeiro. NBR6029: apresentação de livros. Rio de Janeiro. Como preparar trabalhos para cursos de pósgraduação: noções práticas. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. 1999. 2000. NBR14724: informação e documentação – trabalhos acadêmicos . . da UFSC. 1995. AZEVEDO. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. 1993. NBR6022: apresentação de artigos em publicações periódicas. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. 1999. Neide Aparecida de Souza. Rio de Janeiro. NBR6024: numeração progressiva das seções de um documento. NBR6027: sumário. Estatística aplicada às ciências sociais. BARROS. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. 1992. O prazer da produção científica: diretrizes para a elaboração de trabalhos acadêmicos. Rio de Janeiro. Piracicaba: Ed. 1989 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR6028: resumos. 1994. 2001.apresentação. 1989. Rio de Janeiro. São Paulo: Atlas. Rio de Janeiro. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR6023: informação e documentação – referências . ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS.elaboração. Pedro Alberto. Petrópolis: Vozes. 1998.. Maria Margarida de. NBR10520: informação e documentação – apresentação de citações em documentos. Rio de Janeiro.

1994. 1996. KADUSHIN. Bruno. CRANE. 1979. MARCONI. In: PETERSON. Metodologia do trabalho científico. Fundamentos de metodologia científica. Rio de Janeiro: Ed. 1999. 1972. Como elaborar projetos de pesquisa. present and future. Antonio Carlos. 1993. Métodos e técnicas de pesquisa social. 1998.37-42. HERSCHMAN. A arte de pesquisar. Avaliação qualitativa. 1970. Jamais fomos modernos. 1982. 34. 1989. 1999. A. Marina de Andrade. Antonio Carlos. GARVEY. (Ed. The primary journal. 1991. FEYERABEND. Sergio Vasconcelos de. v. Pesquisa na internet. LAKATOS. Pedro. past. São Paulo: Cortez. Eva Maria. São Paulo: Atlas. p. Metodologia da pesquisa em ciências sociais: um tratamento conceitual. .). R. p. Gilberto de Andrade. Manual para elaboração de monografias e dissertações. Communication: the essence of science. William D. Rio de Janeiro: Francisco Alves. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. LATOUR. MACROTESAUROS em ciência da informação. Mirian. MARTINS. LE COADIC. GIL. São Paulo: Loyola.10. O que é o método científico. Chicago: The University of Chicago Press. 1991. Yves-François. São Paulo: EDUC. 1997. 1980. Rio de Janeiro: Campus. Planejamento de pesquisa: uma introdução. Rio de Janeiro: Record. São Paulo: Atlas. Eva Maria. 1994. Rio de Janeiro: IBICT. Pesquisa e construção de conhecimento. GEWANDSZNAJDER. Brasília: Briquet de Lemos.1. Pierre. Paul. Contra o método. GOLDENBERG. KERLINGER. A ciência da informação. Invisible collegues: diffusion of knowledge in scientific communities. São Paulo: Pioneira. 1989. Beverly Hills: Sage. 1996. Oxford: Pegamon.107-123. São Paulo: Atlas. Fernando. Networks and circles in the prodution of culture. MARCONI.BRAD. Marina de Andrade. Dianne. 1976. Pedro. 1991. The production of culture. LUNA. 1999. Journal of Chemical Documentation. São Paulo: Atlas. Fred N. n. DEMO. LEVY. Hill. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. A. São Paulo: Atlas. C. GIL. São Paulo: EPU. LAKATOS. DEMO.

2000. São Paulo: Cortez. RUDIO. 2000. Silvio Luiz. Metodologia do trabalho científico. Disponível em: <http:www. SEVERINO. S. São Paulo: Pioneira. . São Paulo: Hucitec. A coleta de dados na pesquisa empírica. TRIVIÑOS. PESSOA. Antônio Joaquim.MINAYO.1993. Angelo Domingos. Tratado de metodologia científica. A lógica da pesquisa científica. 1978. Petrópolis: Vozes. Franz Victor. O desenvolvimento da ciência. Métodos e técnicas de pesquisa bibliográfica. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos. 1992. Introdução ao projeto de pesquisa científica.br/~walter/artigo. SALVADOR. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. Porto Alegre: Sulina. PRICE. Derick J.cgnet. O desafio do conhecimento. Karl. Augusto N. 1979. 1999. OLIVEIRA. 1993.html>. POPPER. São Paulo: Atlas. 1997. de S. São Paulo: Cultrix.com. Acesso em: 20 jul. Walter. Maria Cecília de Souza.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful