Você está na página 1de 22

O IMPACTO DA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL EM

PEQUENOS MUNICÍPIOS1
André Maurício Sanábio Freesz

1. BREVE INTRODUÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE


FISCAL

A Lei Complementar n. 101 de 04 de maio de 2000, mais conhecida como


Lei de Responsabilidade Fiscal buscou um ordenamento a vários dispositivos da
Constituição Federal – CF, principalmente no que se refere aos seus artigos 163
e 169.
A LRF traz uma nova perspectiva no corpo da administração pública
brasileira promovendo significativa alteração na questão da aplicabilidade dos
recursos públicos, que em última instância é dinheiro da sociedade.
Um ponto, entretanto merece destaque: a LRF atua muito mais no
ordenamento e na pragmaticidade da eficaz e eficiente aplicação dos recursos
públicos, sobretudo na municipalidade, objeto fim do atendimento a todos os
cidadãos. Possui seu caráter restritor, mas não se reduz somente a isso.
No escopo da LRF destacam-se os seguintes pontos: Gasto com pessoal –
a legislação estabelece limites para a despesa com base na receita corrente
líquida para os três poderes e cada nível de governo. A União pode gastar até
50% de receita corrente líquida (total da receita menos os encargos), enquanto
que estados, Distrito Federal e municípios podem aplicar o máximo de 60% com
pessoal. Se esse limite não for respeitado, o município, estado ou a União
poderão ter suspensa a transferência de recursos, em forma de convênio;
Compensação de despesas – não poderão ser criadas novas despesas (por prazo
superior a dois anos) sem indicar uma fonte de receita ou redução de outra
despesa; Controle das finanças públicas – veda a contratação de operações de
crédito por antecipação de receita no último ano do mandato e proíbe o aumento

1
Artigo elaborado em 2007, para o Curso de Especialista em Planejamento e Gestão Social – UFJF.

1
de despesas com a folha de pagamento pelo prazo de 180 dias antes do final do
mandato; Critério de transparência – as contas públicas devem ser consolidadas
e divulgadas à população. Torna-se obrigatório a apresentação de um Relatório
de Gestão Fiscal que apresentará as contas da União, Distrito Federal, estados e
municípios. Parte-se de uma premissa bastante simples: “a irresponsabilidade
praticada hoje em qualquer nível de governo, resultará em mais impostos,
menos investimentos ou mais inflação, que é o mais perverso dos impostos pois
incide sobre o mais pobres”.2
O foco primordial da LRF é a responsabilidade na gestão fiscal que se
traduz na observância de alguns princípios: a ação planejada e transparente; o
equilíbrio das contas públicas; o acatamento dos limites e condições quanto à
renúncia de receita, geração de despesas com pessoal, seguridade social entre
outras, as dívidas e inscrições em Restos a Pagar.
Desta forma a administração municipal é compelida a executar um
Planejamento macro e micro em sua totalidade de ação.
Portanto as possibilidades de intercessão e transversalidade de recursos,
projetos e ações entre os diversos entes estruturantes da administração municipal
tornam-se mais objetiváveis, incidindo diretamente na capacidade de retorno da
contribuição dos cidadãos em geral – como serviços e outros – de forma eficaz e
eficiente.
A LRF foi criada há cinco anos e nesse período o Congresso Nacional
ainda não apreciou a criação do Conselho de Gestão – que terá a missão de
acompanhar a situação e uniformizar as interpretações dos artigos da LRF.
Atualmente os Tribunais de Contas é quem tem realizado a apreciação dos
gastos dos administradores públicos.

2. OS INTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO REQUISITADOS NA LEI


DE RESPONSABILIDADE FISCAL
2
Guedes, José Rildo de Medeiros. Comentários à Lei de Responsabilidade Fiscal. Rio de Janeiro: IBAM, 2001.

2
A LRF consagra os valores defendidos por todos que trabalham nos
órgãos de controle. Em síntese, ela vincula a despesa à receita, de modo que o
Administrador Público não gaste mais do que arrecadou; caso contrário poderá
pagar multa, perder o cargo, ou, até mesmo, ser preso. Deixar dívida em aberto,
sem que o sucessor receba um planejamento sobre os recursos que irá saldá-la,
pode ser agora um péssimo negócio3.
A LRF focaliza o processo orçamentário, e atribuiu um papel mais
importante ao Plano Pluri-Anual (PPA), a Lei de Diretrizes Orçamentárias
(LDO) e a Lei Orçamentária Anual (LOA).
O Orçamento Público é o mecanismo que disciplina a ação estatal em um
determinado período de tempo.
O Orçamento Público deve contribuir para o planejamento
governamental, indicando com clareza os objetivos perseguidos pelo governo,
permitindo à sociedade acompanhar as ações desenvolvidas.
Trata-se, portanto, de um ato preventivo e autorizativo das despesas que o
Estado ou qualquer de seus entes deve efetuar em certo período de tempo, em
geral, correspondente ao exercício financeiro4. Dessa forma, o orçamento serve
de instrumento de controle dos gastos na moderna administração pública.
No âmbito do governo federal e demais entes, a Constituição atual
estabeleceu os seguintes instrumentos de planejamento governamental:
 Lei do Plano Plurianual - PPA;
 Lei de Diretrizes Orçamentárias - LDO;
 Lei Orçamentária Anual - LOA.
Com base nesses instrumentos, podemos dividir o planejamento
governamental em:
3
Confira in Freesz, Luiz Alberto Sanábio. A Auditoria Governamental como Ferramenta de Controle cos Gastos
Públicos. Monografia apresentada à Faculdade Machado Sobrinho como requisito para obtenção do título de
Especialista em Auditoria e Contabilidade Gerencial. Juiz de Fora, 2002.
4
O exercício financeiro coincidirá com o ano civil, conforme artigo 34 da Lei 4320, de 23 de março de 1964.

3
• Planejamento Estratégico: tem como peça-chave o PPA e
compreende as diretrizes que relacionam o presente ao futuro da organização,
direcionando as ações a uma estrutura idealizada.
• Planejamento Operacional: tem como documentos básicos a LDO e
a LOA. Refere-se às diretrizes e interações presentes que, com base na situação
atual e tendo em vista os recursos disponíveis, procura maximizar os resultados
no período.
O ciclo orçamentário pode então ser definido como um processo de
caráter contínuo através do qual se elabora, discute, aprova, executa, controla e
avalia a programação de dispêndios do setor público nos aspectos físico e
financeiro. Logo, o ciclo orçamentário corresponde ao período de tempo em que
se processam as atividades típicas do orçamento público, desde a sua concepção
até a apreciação final.
O processo orçamentário é um conjunto de etapas e procedimentos a
serem cumpridos com o propósito de elaborar e aprovar o orçamento do setor
público. Compreende as atividades de elaboração do orçamento, a cargo das
unidades do Poder Executivo, e as atividades de apreciação da proposta
orçamentária pelos órgãos técnicos do Poder Legislativo, facultado a estes as
modificações entendidas como necessárias, observadas as limitações legais e
constitucionais.
O PPA tem por objetivo formular as diretrizes para as finanças públicas
no período do plano, identificar e avaliar os recursos disponíveis para o
desenvolvimento das ações do setor público, estabelecer as despesas segundo
cada programa de governo, etc. As diretrizes definidas pelo PPA nortearão a
captação, gestão e gastos de recursos durante o período do plano, ou seja,
objetivam a qualidade dos gastos públicos.
Assim, o PPA busca alocar os recursos públicos de modo eficiente e
racional, com base nas modernas técnicas de planejamento. É a partir da

4
definição das diretrizes, metas e objetivos que a administração pública
desenvolve suas ações, objetivando alcançar o desenvolvimento do país.
Os principais pontos do PPA são:
 Organização em programas;
 Definição de indicadores e metas;
 Transparência na aplicação dos recursos públicos;
 Melhoria no desempenho gerencial da administração pública;
 Ênfase nos resultados.
No âmbito municipal, o projeto de lei do PPA será encaminhado pelo
Chefe do Executivo Municipal para a Câmara Municipal. Por este motivo se diz
que a iniciativa em matéria orçamentária é do Poder Executivo, mas a
competência para legislar é do Poder Legislativo, visto que a proposta será
discutida e votada na Comissão de Orçamento, podendo ser emendada. O PPA
possui natureza de lei ordinária
A lei que instituir o PPA estabelecerá, as diretrizes, objetivos e metas da
administração pública para as despesas de capital e outras delas decorrentes,
assim como aquelas relativas aos programas de duração continuada.
Os planos e programas serão elaborados de acordo com o PPA, conforme
determina a CF/88. Nesse sentido, as emendas ao projeto da LDO não poderão
ser aprovadas quando incompatíveis com o PPA.
Nenhum investimento cuja execução ultrapasse um exercício financeiro
poderá ser iniciado sem prévia inclusão no PPA, ou em lei que autorize a
inclusão, sob pena de crime de responsabilidade.
O projeto do PPA deve ser submetido a Câmara Municipal até 4 meses
antes do encerramento do 1º ano do mandato do Chefe do Executivo Municipal
e devolvido para sanção até o final da sessão legislativa, cobrindo o período que
vai do início do 2º ano do mandato ao final do 1º ano do mandato seguinte.

5
Essa defasagem entre a vigência do PPA e os mandatos dos governantes
foi criada por dois motivos: primeiro, por que a discussão e a aprovação de um
plano tão abrangente como o PPA só é viável depois da posse de cada novo
governante, e, segundo, por ser racional que se articulem mecanismos que
permitam à nova administração dar continuidade às ações em andamento.
É da competência do Poder Legislativo Municipal, conforme artigo 48 da
CF/88, dispor sobre o plano plurianual, diretrizes orçamentárias, orçamento
anual, operações de crédito, dívida pública e emissão de curso forçado, plano e
programas setoriais de desenvolvimento.
A LDO é o instrumento instituído pela CF/88 para fazer a transição entre
o PPA e a LOA. É por meio dela que são estabelecidas, em cumprimento ao
disposto no artigo 165 da CF/88, desde as metas e prioridades da administração
pública federal até as disposições sobre alterações na legislação tributária da
União. A LDO possui natureza de lei ordinária.
Assim, os orçamentos anuais (fiscal, seguridade social e de
investimentos), que formam o orçamento unificado, bem como os demais
projetos de caráter financeiro, terão como referencial para sua elaboração as
regras definidas pela LDO. Deve-se ressaltar que a CF não permite a fixação de
despesas sem que estejam definidas as respectivas fontes de receitas.
O planejamento da atividade da administração pública, em sintonia com o
orçamento, é reafirmado pela CF, pois esta determina que as emendas ao projeto
de LDO devam guardar compatibilidade com o PPA. Caso contrário, as
diretrizes do orçamento não poderão ser aprovadas.
O art. 165 da CF dispõe:
“A LDO compreenderá as metas e prioridades da administração pública
federal, incluindo as despesas de capital para o exercício financeiro subseqüente,
orientará a elaboração da LOA, disporá sobre as alterações da legislação

6
tributária e estabelecerá a política de aplicação das agências financeiras oficiais
de fomento.”
O projeto da LDO deverá ser encaminhado pelo Chefe do Executivo
Municipal à Câmara Municipal até 15 de abril de cada ano (“até oito meses e
meio antes do encerramento do exercício financeiro”) e devolvido para sanção
até 30 de junho (“até o encerramento do primeiro período da sessão
legislativa”).
O não acatamento do prazo pelo Executivo motiva a instauração de
processo por crime de responsabilidade, enquanto a sua não aprovação pelo
Legislativo, conduz à automática prorrogação da sessão legislativa, por força do
que dispõe o artigo 57 da CF/88 (“A sessão legislativa não será interrompida
sem a aprovação do projeto de LDO”).

CICLO DE GESTÃO NO SETOR PÚBLICO

1. ELABORAÇÃO E 3.ELABORAÇÃO DO PLOA


2. PROGRAMAÇÃO
REVISÃO DO PPA DE ACORDO COM A LDO

8. AVALIAÇÃO DA
EXECUÇÃO 4. EMENDAS
ORÇAMENTÁRIA PARLAMENTARES

7. CONTROLE DA
6. EXECUÇÃO
EXECUÇÃO 5. APROVAÇÃO DA LOA
ORÇAMENTÁRIA
ORÇAMENTÁRIA

A LRF veio para ser efetivamente cumprida, como parte da cultura


contábil e jurídica, e modelo da atuação de todos os Administradores Públicos.
O brasileiro não consegue mais conviver com a irresponsabilidade e a
incompetência na Administração Pública. A sociedade aposta na Lei de
Responsabilidade Fiscal que ataca frontalmente o estigma de que o cofre público
é um buraco sem fundo e que o contribuinte sempre paga a conta.

7
3. O IMPACTO DA LRF NAS CONTAS PÚBLICAS DE PEQUENOS
MUNICÍPIOS

A LRF determina que seja gasto pelos municípios com despesa de pessoal
o limite de até 60% (54% com pessoal do executivo e 6% com pessoal do
legislativo) da receita corrente líquida (arrecadação, menos transferências
voluntárias, como os repasses da saúde e da educação), com relação aos
investimentos na área de educação e saúde os mesmos devem corresponder
respectivamente a 25% e 15% da receita corrente líquida. Computados os
valores respectivos o município tem suas despesas com saúde e educação
compulsoriamente no mínimo a 40% de sua receita, dispondo somente de 60%
de suas receitas para as despesas com pessoal e outros investimentos.
Partindo do fato de que as despesas com pessoal(limite máximo
estabelecido), educação e saúde(limites de investimento estabelecidos) são
fortemente vinculadas a finalidades específicas e podem não ter sofrido
reduções em virtude da LRF e recaem sobre as outras áreas as reduções de
investimento. Em muitos casos, as despesas com pessoal sofreram redução
devido ao fato de haverem decisões judiciais que descontaram do cálculo
despesas de pessoal as advindas com aposentados e pensionistas.
Em pequisa realizada pela Diretoria de Estudos Regionais e Urbanos do
IPEA, com base em dados do Finbra – sistema criado pela Secretaria do Tesouro
Nacional, que reune informações contábeis dos poderes estadual e municipal,
indica que 563 municípios (60%) passaram a gastar mais com despesas de
pessoal, prevalecendo cidades menores com arrecadação baixa e estagnada.
Em estudo publicado em 2006 o IPEA indica que dos 29 pequenos
municípios que compõem a Zona da Mata Mineira, 20(69%) destes aumentaram
suas despesas com pessoal após a promulgação da LRF5.

5
Despesas com pessoal aumentaram depois da LRF. Jornal Tribuna de Minas. 21 e 22 de janeiro de 2007. página
5.

8
DEMONSTRATIVO RELATIVO A DESPESAS COM PESSOAL

DESPESAS COM PESSOAL


MUNICÍPIO ANTES DEPOIS
DA LRF DA LRF
Aracitaba 33% 39%
Belmiro Braga 41% 44%
Bias Fortes 42% 47%
Bicas 50% 51%
Chácara 47% 43%
Chiador 39% 48%
Coronel Pacheco 52% 47%
Descoberto 53% 42%
Ewbanck da Câmara 38% Não Informado
Goianá 40% 40%
Guarará 47% 47%
Lima Duarte 38% 46%
Maripá de Minas 43% 47%
Matias Barbosa 49% 48%
Olaria 28% 36%
Oliveira Fortes 38% 49%
Paiva 34% 42%
Pedro Teixeira 45% 52%
Pequeri 42% 41%
Piau 34% 43%
Rio Novo 43% 52%
Rio Preto 28% 48%
Rochedo de Minas 38% 47%
Santa Barbara do Monte Verde 43% 43%
Santa Rita do Jacutinga 47% 49%
Santa Rita do Ibitipoca 37% 44%
Santana do Deserto 37% 52%
Senador Cortes 39% 45%
Simão Pereira 38% 45%
Fonte: IPEA

No estudo apresentado, nos municípios com menos de 20 mil habitantes


foi onde ocorreu o aumento de despesas com pessoal mais expressivo.

9
Deve-se chamar atenção para a correspondência entre o processo de
descentralização de diversos serviços da esfera pública federal para o âmbito
municipal e sua correspondente necessidade de recursos humanos e de
infraestrutura para o atendimento dos mesmos, isso impactou
sobremaneiramente as despesas dos municípios.
Com relação aos municípios pequenos o impacto da LRF é maior, com
relação às despesas de pessoal, pois a arrecadação dos mesmos é muito pequena
e cresce pouco a cada ano, ou em alguns casos até decresce, isso faz com que o
impacto das despesas com pessoal seja cada vez maior. No município de
pequeno porte onde há pouca atividade econômica, as prefeituras têm
funcionado como o maior agente empregador.
Dos 29 municípios citados encontram-se com PIB percapta abaixo de R$
4.000,00 dezenove municípios, dentre os mesmos somente três municípios ( dois
mantiveram seus indices e outro diminuiu) não aumentaram seus gastos com
pessoal após a promulgação da Lei de Responsabilidade Fiscal. O aumento das
despesas com pessoal após a LRF incide de 4% a 10% em 12 municípios e em
tres outros municípios encontramos respectivamente taxas de 11%, 15% e 20%.
Um município não informou os dados necessários para essa pesquisa.
Com relação aos 10 municípios com PIB percapta acima de R$ 4.000,00,
quatro municípios diminuiram seus gastos com pessoal e um outro manteve seu
índice de gastos com pessoal após a promulgação da Lei de Responsabilidade
Fiscal. Os outros municípios aumentaram seus gastos variando em percentuais
de 1% a 9%.
Comparando-se os dois segmentos pode-se concluir que recai sobre os
municípios de pequeno porte um volume de serviços que os mesmos
constitucionalmente devem prestar, incidindo diretamente para o aumento das
despesas com pessoal, engessando-se assim toda a possibilidade de
investimentos em outras áreas que não as de despesas vinculadas.

10
COMPARATIVO VARIAÇÃO
DESPESAS COM PESSOAL, POPULAÇÃO E PIB PERCAPTA

Despesas c/
PIB
Pessoal População
MUNICÍPIO percapta
Variação 2004
2004
após a LRF
Bias Fortes 5% 4.156 2.703,91
Aracitaba 6% 1.925 2.782,51
Pedro Teixeira 7% 1.887 3.069,93
Senador Cortes 6% 2.078 3.076,51
Chiador 9% 2.988 3.088,97
Olaria 8% 2.315 3.090,96
Goianá 0% 3.438 3.223,29
Santa Rita do Ibitipoca 7% 3.736 3.255,55
Guarará 0% 4.347 3.364,44
Lima Duarte 8% 16.255 3.385,93
Ewbanck da Câmara S/informação 3.773 3.389,31
Oliveira Fortes 11% 2.126 3.511,53
Rio Preto 20% 5.374 3.583,74
Pequeri -1% 3.170 3.769,76
Maripá de Minas 4% 2.752 3.771,31
Rio Novo 9% 8.791 3.845,15
Paiva 8% 1.728 3.873,25
Rochedo de Minas 9% 2.092 3.891,37
Santana do Deserto 15% 3.957 3.978,40
Bicas 1% 13.590 4.070,74
Chácara -4% 1.915 4.340,90
Santa Rita do Jacutinga 2% 5.267 4.353,97
Coronel Pacheco -5% 2.719 4.415,73
Descoberto -11% 4.761 4.998,30
Santa Barbara do Monte Verde 0% 2.255 5.042,78
Belmiro Braga 3% 3.146 5.098,67
Piau 9% 3.001 5.571,91
Simão Pereira 7% 2.512 6.243,81
Matias Barbosa -1% 13.025 9.724,42
Fonte: IPEA

11
4. CUMPRIMENTO DAS DETERMINAÇÕES DA LRF

A maioria dos municípios abaixo compromete seus gastos com despesas


vinculadas com um índice mínimo total de 86%, no ano de 2004. Este atua
diretamente sobre a capacidade de investimento do município em outras áreas.
Cumprem o que prescreve a LRF aos limites mínimos de investimento em
educação e saúde, entretanto alguns municípios aumentaram consideravelmente
seus gastos com pessoal.
CONSOLIDADO GASTOS PERCENTUAIS
PESSOAL, EDUCAÇÃO E SAÚDE
Município 2000 2001 2002 2003 2004
Aracitaba 79,15 87,32 84,56 100,60 90,87
Belmiro Braga 79,57 88,56 89,33 94,05 96,57
Bias Fortes 87,70 82,94 83,80 95,29 87,67
Bicas 90,28 88,63 103,38 102,27 99,46
Chácara 86,59 84,12 86,50 96,13 92,86
Chiador 87,02 100,53 94,87 101,82 97,85
Coronel Pacheco 91,52 85,10 95,33 100,61 98,23
Descoberto 91,02 83,63 87,81 99,87 93,30
Ewbank da Câmara 75,02 79,71 87,85 110,20 102,67
Goianá 68,93 74,40 70,91 85,03 86,11
Guarará 44,20 91,02 89,69 103,26 98,26
Lima Duarte 66,52 88,89 91,11 101,01 99,51
Mar de Espanha 28,22 76,81 99,93 104,69 94,57
Maripá de Minas 82,45 84,89 85,90 94,50 95,57
Matias Barbosa 98,87 100,50 103,19 106,27 98,50
Olaria 72,63 76,20 74,22 86,92 86,23
Oliveira Fortes 40,59 85,03 82,20 93,25 89,50
Paiva 47,21 84,00 83,30 93,58 88,06
Pedro Teixeira 93,48 87,28 84,67 97,48 99,91
Pequeri 74,53 79,13 75,12 87,12 88,84
Piau 77,72 71,03 75,76 85,13 87,37
Rio Novo 83,19 83,78 89,96 97,14 95,00
Rio Preto 63,85 81,48 87,93 93,12 92,14
Rochedo de Minas 67,62 79,81 89,45 97,31 96,02
Santa Bárbara do Monte Verde 81,86 80,50 94,59 94,33 82,31
Santa Rita de Jacutinga 86,75 103,84 88,82 93,00 92,06
Santa Rita do Ibitipoca 87,26 91,38 94,34 105,63 103,89
Santana do Deserto 88,93 86,55 91,16 102,64 97,25
Senador Cortes 74,37 75,01 74,47 91,43 89,20
Simão Pereira 76,14 78,47 82,69 93,53 97,51
Fonte: Indice Mineiro de Responsabilidade Social – 2005

12
PERCENTUAL GASTO COM SAÚDE - EC Nº29- CF (%)
Anos: 2000-2004
Município 2000 2001 2002 2003 2004
Aracitaba 8,05 15,80 16,14 22,06 16,18
Belmiro Braga 20,08 20,97 22,49 24,30 25,02
Bias Fortes 21,85 26,26 16,78 17,39 18,60
Bicas 13,29 17,53 22,72 17,26 20,23
Chácara 14,28 15,00 17,99 18,00 19,51
Chiador 17,61 17,30 18,27 18,28 17,67
Coronel Pacheco 17,15 17,71 20,67 22,38 22,60
Descoberto 19,35 17,28 19,58 24,02 16,70
Ewbank da Câmara 12,46 13,12 13,73 20,05 20,80
Goianá 8,21 10,74 12,21 13,77 15,81
Guarará 16,66 19,25 18,30 22,11 18,61
Lima Duarte 10,60 23,24 24,61 24,41 22,35
Mar de Espanha - 9,07 16,97 18,21 15,39
Maripá de Minas 10,60 11,48 14,26 15,99 16,59
Matias Barbosa 27,12 29,57 29,67 26,84 25,14
Olaria 13,21 14,63 15,88 16,18 15,87
Oliveira Fortes 13,24 15,87 14,86 16,23 18,21
Paiva 11,24 13,20 17,00 16,65 15,51
Pedro Teixeira 16,08 13,28 13,42 15,04 15,28
Pequeri 10,94 13,13 13,59 16,14 16,79
Piau 13,90 15,79 15,72 16,64 16,60
Rio Novo 7,79 9,64 12,16 13,24 15,22
Rio Preto 8,69 15,44 18,05 15,11 16,71
Rochedo de Minas 8,23 11,41 15,81 20,83 18,91
Santa Bárbara do Monte Verde 13,93 15,19 17,52 13,73 11,24
Santa Rita de Jacutinga 17,18 19,66 16,45 15,87 14,52
Santa Rita do Ibitipoca 15,03 19,35 21,85 17,68 17,90
Santana do Deserto 19,32 18,90 24,58 25,78 22,76
Senador Cortes 11,21 14,47 13,76 16,08 18,42
Simão Pereira 14,82 14,90 15,40 16,72 16,25
Fonte: Indice Mineiro de Responsabilidade Social - 2005

13
PERCENTUAL GASTO COM EDUCAÇÃO - Art. 212 - CF (%)
Anos: 2000-2004
Município 2000 2001 2002 2003 2004
Aracitaba 33,68 34,34 33,03 32,88 33,38
Belmiro Braga 25,30 28,37 28,04 27,14 27,64
Bias Fortes 27,25 25,06 24,39 25,76 25,56
Bicas 28,67 27,24 26,74 26,25 25,62
Chácara 26,42 26,44 27,02 27,22 26,00
Chiador 34,66 33,84 30,27 29,53 27,81
Coronel Pacheco 27,12 26,19 27,21 25,11 25,08
Descoberto 29,53 29,59 35,12 34,26 30,50
Ewbank da Câmara 26,70 27,94 28,36 28,35 28,75
Goianá 25,31 28,09 25,19 26,56 25,54
Guarará 27,54 28,57 28,04 28,32 28,83
Lima Duarte 25,72 25,12 25,86 30,55 28,16
Mar de Espanha 28,22 31,27 36,37 29,06 27,78
Maripá de Minas 26,88 29,24 29,48 25,96 25,91
Matias Barbosa 26,53 27,31 26,36 26,69 25,81
Olaria 29,93 28,84 27,17 30,71 27,25
Oliveira Fortes 27,35 28,35 25,68 25,45 24,81
Paiva 35,97 30,89 28,26 28,67 25,67
Pedro Teixeira 33,05 30,63 28,27 28,65 30,00
Pequeri 25,70 26,36 25,10 25,57 24,77
Piau 30,56 25,46 28,28 25,92 25,22
Rio Novo 29,66 29,27 30,04 27,31 26,50
Rio Preto 29,89 25,39 26,61 25,29 27,10
Rochedo de Minas 25,53 25,93 29,56 27,14 28,19
Santa Bárbara do Monte Verde 28,37 27,43 32,47 31,37 27,40
Santa Rita de Jacutinga 26,21 32,57 28,53 26,46 27,91
Santa Rita do Ibitipoca 35,22 30,91 30,22 31,17 28,65
Santana do Deserto 29,40 26,11 25,99 25,14 25,09
Senador Cortes 27,62 27,75 25,01 29,54 26,80
Simão Pereira 26,00 28,15 28,03 28,57 29,27
Fonte: Indice Mineiro de Responsabilidade Social – 2005

14
PERCENTUAL GASTO COM PESSOAL – LRF – LC nº 101/00
Anos: 2000-2004
Município 2000 2001 2002 2003 2004
Aracitaba 37,42 37,18 35,39 45,66 41,31
Belmiro Braga 34,19 39,22 38,80 42,61 43,91
Bias Fortes 38,60 31,62 42,63 52,14 43,51
Bicas 48,32 43,86 53,92 58,76 53,61
Chácara 45,89 42,68 41,49 50,91 47,35
Chiador 34,75 49,39 46,33 54,01 52,37
Coronel Pacheco 47,25 41,20 47,45 53,12 50,55
Descoberto 42,14 36,76 33,11 41,59 46,10
Ewbank da Câmara 35,86 38,65 45,76 61,80 53,12
Goianá 35,41 35,57 33,51 44,70 44,76
Guarará 0,00 43,20 43,35 52,83 50,82
Lima Duarte 30,20 40,53 40,64 46,05 49,00
Mar de Espanha 0,00 36,47 46,59 57,42 51,40
Maripá de Minas 44,97 44,17 42,16 52,55 53,07
Matias Barbosa 45,22 43,62 47,16 52,74 47,55
Olaria 29,49 32,73 31,17 40,03 43,11
Oliveira Fortes 0,00 40,81 41,66 51,57 46,48
Paiva 0,00 39,91 38,04 48,26 46,88
Pedro Teixeira 44,35 43,37 42,98 53,79 54,63
Pequeri 37,89 39,64 36,43 45,41 47,28
Piau 33,26 29,78 31,76 42,57 45,55
Rio Novo 45,74 44,87 47,76 56,59 53,28
Rio Preto 25,27 40,65 43,27 52,72 48,33
Rochedo de Minas 33,86 42,47 44,08 49,34 48,92
Santa Bárbara do Monte Verde 39,56 37,88 44,60 49,23 43,67
Santa Rita de Jacutinga 43,36 51,61 43,84 50,67 49,63
Santa Rita do Ibitipoca 37,01 41,12 42,27 56,78 57,34
Santana do Deserto 40,21 41,54 40,59 51,72 49,40
Senador Cortes 35,54 32,79 35,70 45,81 43,98
Simão Pereira 35,32 35,42 39,26 48,24 51,99
Fonte: Indice Mineiro de Responsabilidade Social – 2005

15
EVOLUÇÃO DAS RECEITAS CORRENTES MUNICIPAIS
Receita corrente Município 2000 2001 2002 2003 2004
Aracitaba 1.809.566,15 2.131.201,23 2.545.468,90 2.740.112,67 3.071.960,39
Belmiro Braga 2.373.521,66 2.737.973,48 3.230.297,38 - 4.561.994,26
Bias Fortes 2.188.707,00 3.081.611,23 2.976.505,40 3.023.894,53 -
Bicas 4.275.899,00 5.551.619,79 - 7.097.568,73 7.827.919,69
Chácara 1.981.759,90 2.328.065,97 2.769.616,84 3.117.253,68 3.747.759,31
Chiador 2.176.966,98 2.507.520,24 2.836.112,10 3.183.219,00 3.570.200,43
Coronel Pacheco 2.249.765,45 2.655.761,26 3.121.047,29 3.313.379,00 3.774.621,44
Descoberto 2.285.875,65 2.748.596,89 3.659.529,69 3.727.459,41 4.329.709,96
Ewbank da Câmara 2.066.396,65 2.424.343,18 - 3.039.111,27 3.374.072,27
Goianá 2.067.297,45 - 3.072.743,93 3.104.230,60 3.582.189,82
Guarará 2.326.649,16 2.710.898,90 3.186.791,45 3.533.561,75 3.955.324,13
Lima Duarte 4.622.069,77 5.504.381,81 - - 8.742.297,37
Maripá de Minas 1.973.772,00 2.403.840,00 2.617.907,00 3.241.604,00 3.564.548,45
Matias Barbosa 4.133.242,51 4.938.613,99 5.712.963,54 6.244.961,82 8.400.230,53
Olaria 1.979.530,05 2.324.721,12 - 3.073.454,13 3.543.901,64
Oliveira Fortes 1.897.502,25 2.232.887,96 - 2.820.000,98 3.543.901,64
Paiva 2.219.175,42 2.105.790,32 2.661.263,72 2.855.731,73 3.225.924,38
Pedro Teixeira 1.800.097,10 1.783.800,04 2.626.241,74 2.802.141,23 3.178.427,43
Pequeri 2.278.336,00 2.576.478,27 3.221.466,03 3.511.702,03 3.898.763,94
Piau 1.932.280,26 2.389.199,54 2.984.301,79 3.355.128,40 3.723.685,93
Rio Novo 3.563.575,05 4.156.093,94 4.987.984,34 5.021.336,76 3.723.685,93
Rio Preto 2.844.264,48 2.982.884,98 4.112.097,02 4.458.780,75 5.090.119,92
Rochedo de Minas 2.056.180,80 2.683.935,86 3.284.429,98 3.814.442,53 3.814.442,53
Santa Bárbara do Monte Verde 2.137.558,55 2.129.307,45 3.002.152,94 3.207.715,72 3.663.898,85
Santa Rita de Ibitipoca 1.964.656,78 2.278.918,00 - - 3.520.409,54
Santana do Deserto 2.358.409,94 2.803.374,27 3.629.437,66 3.629.437,66 4.057.966,17
Senador Cortes 2.054.548,67 2.390.562,57 - - 3.379.205,35
Simão Pereira 2.661.804,28 3.067.984,85 3.574.022,46 3.794.501,80 4.503.977,56
Fonte: Ipea

16
VARIAÇÃO PERCENTUAL DAS RECEITAS CORRENTES MUNICIPAIS

Receita
corrente-R$ 2000 2001 2002 2003 2004 Variação
Município 2000/2004
2.219.175,4 2.105.790,3 2.661.263,7 2.855.731,7 3.225.924,3
Paiva 2 2 2 3 8 31%
2.176.966,9 2.507.520,2 2.836.112,1 3.183.219,0 3.570.200,4
Chiador 8 4 0 0 3 39%
2.249.765,4 2.655.761,2 3.121.047,2 3.313.379,0 3.774.621,4
Coronel Pacheco 5 6 9 0 4 40%
2.661.804,2 3.067.984,8 3.574.022,4 3.794.501,8 4.503.977,5
Simão Pereira 8 5 6 0 6 41%
1.809.566,1 2.131.201,2 2.545.468,9 2.740.112,6 3.0719.60,3
Aracitaba 5 3 0 7 9 41%
2.326.649,1 2.710.898,9 3.186.791,4 3.533.561,7 3.955.324,1
Guarará 6 0 5 5 3 41%
2.278.336,0 2.576.478,2 3.221.466,0 3.511.702,0 3.898.763,9
Pequeri 0 7 3 3 4 42%
2.358.409,9 2.803.374,2 3.629.437,6 3.629.437,6 4.057.966,1
Santana do Deserto 4 7 6 6 7 42%
1.800.097,1 1.783.800,0 2.626.241,7 2.802.141,2 3.178.427,4
Pedro Teixeira 0 4 4 3 3 43%
2.844.264,4 2.982.884,9 4.112.097,0 4.458.780,7 5.090.119,9
Rio Preto 8 8 2 5 2 44%
1.973.772,0 2.403.840,0 2.617.907,0 3.241.604,0 3.564.548,4
Maripá de Minas 0 0 0 0 5 45%

17
2.056.180,8 2.683.935,8 3.284.429,9 3.814.442,5 3.814.442,5
Rochedo de Minas 0 6 8 3 3 46%
1.981.759,9 2.328.065,9 2.769.616,8 3.117.253,6 3.747.759,3
Chácara 0 7 4 8 1 47%
2.285.875,6 2.748.596,8 3.659.529,6 3.727.459,4 4.329.709,9
Descoberto 5 9 9 1 6 47%
1.932.280,2 2.389.199,5 2.984.301,7 3.355.128,4 3.723.685,9
Piau 6 4 9 0 3 48%
4.133.242,5 4.938.613,9 5.7129.63,5 6.244.961,8 8.400.230,5
Matias Barbosa 1 9 4 2 3 51%
Fonte: Ipea

Dos dados informados pelos municípios ao Ipea, inúmeros não forneceram os dados completos, incorrendo
no expurgo dos mesmos para não comprometer a análise comparativa proposta da variação das receitas correntes.

18
A comparação entre a variação das receitas correntes municipais e das
despesas com pessoal apresenta algumas considerações que merecem destaque
os municípios de Coronel Pacheco, Chácara. Descoberto e Matias Barbosa
apresentam uma baixa variação no percentual de gastos com pessoal no período
de 2000 a 2004.
As variações mais altas no percentual de gastos com pessoal no período
de 2000 a 2004 podem ser constatadas nos seguintes municípios: Chiador e Rio
Preto.
Pode-se observar que a variação no período em questão, das Receitas
Correntes Municipais apresenta índices bastante próximos. Destaca-se somente
o município de Matias Barbosa, dado à política de isenções e redução de tributos
fiscais municipais havendo uma migração de empresas que se instalariam em
Juiz de Fora e que se deslocaram para Matias Barbosa dado à proximidade deste
município e a algumas infra-estruturas criadas no mesmo que favoreceram a
implantação dessas empresas, concorrendo assim para um aumento significativo
de suas receitas correntes municipais.

Receita corrente Variação Percentual gasto c/ pessoal


Município 2000/2004 Variação 2000 2001 2002 2003 2004
Chiador 39% 34% 34,8 49,3 46,3 54,0 52,3
Coronel Pacheco 40% 7% 47,3 41,2 47,4 53,1 50,5
Simão Pereira 41% 32% 35,3 35,4 39,2 48,2 51,9
Aracitaba 41% 9% 37,4 37,1 35,3 45,6 41,3
Pequeri 42% 20% 37,9 39,6 36,4 45,4 47,2
Santana do Deserto 42% 19% 40,2 41,5 40,5 51,7 49,4
Pedro Teixeira 43% 19% 44,4 43,3 42,9 53,7 54,6
Rio Preto 44% 48% 25,3 40,6 43,2 52,7 48,3
Maripá de Minas 45% 15% 45 44,1 42,1 52,5 53,0
Rochedo de Minas 46% 31% 33,9 42,4 44,0 49,3 48,9
Chácara 47% 3% 45,9 42,6 41,4 50,9 47,3
Descoberto 47% 9% 42,1 36,7 33,1 41,5 46,
Piau 48% 27% 33,3 29,7 31,7 42,5 45,5
Matias Barbosa 51% 5% 45,2 43,6 47,1 52,7 47,5
Fonte: Ipea

19
CONCLUSÃO

Com relação a Lei de Responsabilidade Fiscal, dado ao fato de ter sua


implementação ainda bastante recente, existem poucos estudos no Brasil que
tratam das questões relativas a regras orçamentárias e os impactos que estas
causam no orçamento público.
Buscou-se através de uma amostra dos dados de municípios da Zona da
Mata Mineira obtidos em diversas fontes, sobre a aplicação da Lei de
Responsabilidade Fiscal, correlacionar as despesas com pessoal, saúde e
educação.
Estudo realizado pelo IPEA atesta que após entrarem em vigor as
determinações da Lei de Responsabilidade Fiscal, o percentual de municípios
que extrapolavam o limite de despesas com pessoal diminuiu
consideravelmente. Nos três anos anteriores à promulgação da Lei, 4% dos
municípios (208), gastavam mais que 60% da receita com despesas de pessoal e
no período de 2001 a 2004, o número de municípios regrediu para 52, o que
equivale a 1%.
Isso confirma a colocação de que a Lei de Responsabilidade Fiscal agiu
diretamente no ordenamento do Planejamento da Administraçâo Pública, o qual
era realizado em muitas prefeituras sem nenhum critério técnico.
Nas correlações apresentadas, no que se refere ao municípios com renda
percapta abaixo de R$ 4.000,00, percebe-se o quanto o estabelecimento dos
índices de investimento em Educação e Saúde impactaram a capacidade de
investimento em outras áreas.
O processo de descentralização implementado após a promulgação da
Constituição levou a que os municípios tivessem que aparelharem-se em termos
de recursos humanos para atender a essa nova realidade, tal fato

20
consequentemente gerou uma despesa com pessoal cada vez mais ascendente em
seus custos.
A maioria dos municípios analisados comprometeu seus gastos com
despesas vinculadas de pessoal, saúde e educação com um índice mínimo total
de 86% de seus gastos, no ano de 2004.
Portanto cabe destacar que os administradores municipais passaram a ter
os limites com gastos de pessoal enunciados na LRF como uma meta e não um
limitador de seus custos com este item.
A queda no investimento causada pela LRF pode influenciar
significativamente o provimento futuro de bens e serviços públicos nos
municípios.
Portanto, a capacidade de investimento do município em outras áreas
como a Assistência Social, Infra-estrutura entre outras, fica bastante
comprometida.
Com o aumento das receitas não vinculadas, que podem ser utilizadas
com maior cuidado técnico, é possível atender melhor as demandas por
investimento dos habitantes sem deixar de adequar-se o cumprimento das
determinações elencados na Lei de Responsabilidade Fiscal.

21
BIBLIOGRAFIA

ENAP. Curso de Elaboração e Execução do Orçamento Público.


Apostila de apoio ao treinamento on-line (ENAP e-cursos) – Escola Nacional de
Administração Pública. Brasília.
FJP. Índice Mineiro de Responsabilidade Social. Versão 1.0 –
dezembro de 2005. Belo Horizonte.
FREESZ, Luiz Alberto Sanábio. (2002). A Auditoria Governamental
como ferramenta de controle dos gastos públicos. Monografia
(Especialização em Auditoria e Contabilidade) - Fundação Educação Machado
Sobrinho, Juiz de Fora.
GUEDES, José Rildo de Medeiros.(2001) .Comentários à Lei de
Responsabilidade Fiscal. Rio de Janeiro: IBAM,2001.
LOBATO, Paulo Henrique. Prefeituras descumprem a lei fiscal. Jornal
Estado de Minas. Belo Horizonte. 28/08/2005, pág.s 12 a 14.
MIRANDA, Ricardo. Despesas com pessoal aumentaram depois da
LRF. Jornal Tribuna de Minas.Juiz de Fora. 21/22 de janeiro de 2007. página 5.
SANCHES, Osvaldo Maldonado. (1997)Dicionário de Orçamento,
Planejamento e Áreas afins. 1ª edição. Brasília: Prisma.
www.ipea.gov.br. Finanças públicas municipais, capturado em 24/01/2007.

LEGISLAÇÃO

Constituição da República Federativa do Brasil, de 5 de outubro de


1988, atualizada.
Lei Complementar nº. 101/00, de 04 de maio de 2000. Estabelece
normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal e
dá outras providências (Lei de Responsabilidade Fiscal).

22