Você está na página 1de 225

Treinamento Desportivo

em Educação Física

Prof. Paulo Cesar do Nascimento Salvador


Prof. Amadeo Félix Salvador
Prof. Anderson Santiago Teixeira

2017
Copyright © UNIASSELVI 2017

Elaboração:
Prof. Paulo Cesar do Nascimento Salvador
Prof. Amadeo Félix Salvador
Prof. Anderson Santiago Teixeira

Revisão, Diagramação e Produção:


Centro Universitário Leonardo da Vinci – UNIASSELVI

Ficha catalográfica elaborada na fonte pela Biblioteca Dante Alighieri


UNIASSELVI – Indaial.

796.07
S182t

Salvador; Paulo César do Nascimento

Treinamento desportivo em educação física / Paulo


César do Nascimento Salvador; Amadeo Félix Salvador; Anderson Santiago
Teixeira: UNIASSELVI, 2017.

215 p. : il.

ISBN 978-85-515-0072-9

1.Educação Física - Treinamento.


I. Centro Universitário Leonardo Da Vinci.
Apresentação
Caro acadêmico! Seja bem-vindo a mais uma disciplina do nosso
curso!

Convido você a começar agora sua jornada de estudos na disciplina de


TREINAMENTO DESPORTIVO EM EDUCAÇÃO FÍSICA. Acreditamos
que será uma viagem prazerosa pelos caminhos do conhecimento que
envolvem a teoria do Treinamento Esportivo e suas facetas dentro do contexto
da Educação Física. Esperamos poder proporcionar a você, acadêmico, bons
momentos de estudos e reflexão para que possamos aprender mais sobre a
temática.

Na Unidade 1, teremos como objetivos o entendimento dos


fundamentos do Treinamento Esportivo e seus processos de avaliação, o
desenvolvimento das capacidades aeróbias e anaeróbias e o treinamento
esportivo no contexto escolar e suas implicações para a saúde.

Na Unidade 2, o objetivo é o aprendizado dos aspectos relacionados aos


princípios do Treinamento Esportivo, como a individualidade, especificidade
e a sobrecarga, bem como, o condicionamento físico específico para diferentes
atividades esportivas.

Enquanto que, na Unidade 3, veremos os principais métodos e a


periodização do treinamento, com o objetivo de entender a aplicação deste
para crianças e adolescentes, o condicionamento e o desenvolvimento das
principais qualidades físicas como força, resistência e flexibilidade.

Por fim, nós desejamos a você um ótimo período de estudos dentro


desta e outras disciplinas do curso. Que você possa aproveitar esta fase da
vida da melhor forma possível, valorizando a formação profissional e, acima
de tudo o crescimento pessoal que você obterá!

Bons estudos e sucesso!

Prof. Paulo Cesar do Nascimento Salvador


Prof. Amadeo Félix Salvador
Prof. Anderson Santiago Teixeira

III
UNI

Você já me conhece das outras disciplinas? Não? É calouro? Enfim, tanto para
você que está chegando agora à UNIASSELVI quanto para você que já é veterano, há novidades
em nosso material.

Na Educação a Distância, o livro impresso, entregue a todos os acadêmicos desde 2005, é o


material base da disciplina. A partir de 2017, nossos livros estão de visual novo, com um formato
mais prático, que cabe na bolsa e facilita a leitura.

O conteúdo continua na íntegra, mas a estrutura interna foi aperfeiçoada com nova diagramação
no texto, aproveitando ao máximo o espaço da página, o que também contribui para diminuir
a extração de árvores para produção de folhas de papel, por exemplo.

Assim, a UNIASSELVI, preocupando-se com o impacto de nossas ações sobre o ambiente,


apresenta também este livro no formato digital. Assim, você, acadêmico, tem a possibilidade
de estudá-lo com versatilidade nas telas do celular, tablet ou computador.
 
Eu mesmo, UNI, ganhei um novo layout, você me verá frequentemente e surgirei para
apresentar dicas de vídeos e outras fontes de conhecimento que complementam o assunto
em questão.

Todos esses ajustes foram pensados a partir de relatos que recebemos nas pesquisas
institucionais sobre os materiais impressos, para que você, nossa maior prioridade, possa
continuar seus estudos com um material de qualidade.

Aproveito o momento para convidá-lo para um bate-papo sobre o Exame Nacional de


Desempenho de Estudantes – ENADE.
 
Bons estudos!

IV
V
VI
Sumário
UNIDADE 1 - FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO ..................................... 1

TÓPICO 1 - OS FUNDAMENTOS ....................................................................................................... 3


1 INTRODUÇÃO ..................................................................................................................................... 3
2 FUNDAMENTOS ................................................................................................................................. 4
2.1 O TREINAMENTO FÍSICO . .......................................................................................................... 7
3 OS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DO TREINAMENTO DESPORTIVO .............................. 8
3.1 A AVALIAÇÃO DOS ASPECTOS FÍSICOS ................................................................................. 10
RESUMO DO TÓPICO 1 ....................................................................................................................... 23
AUTOATIVIDADE ................................................................................................................................. 24

TÓPICO 2 - O TREINAMENTO DA APTIDÃO AERÓBIA E ANAERÓBIA ............................. 25


1 INTRODUÇÃO ..................................................................................................................................... 25
2 APTIDÃO AERÓBIA ........................................................................................................................... 26
3 O DESENVOLVIMENTO DA APTIDÃO AERÓBIA .................................................................... 31
3.1 AVALIAÇÃO DA APTIDÃO AERÓBIA ...................................................................................... 34
3.2 POSSIBILIDADES DE TREINAMENTO DA APTIDÃO AERÓBIA ........................................ 43
4 APTIDÃO ANAERÓBIA ..................................................................................................................... 45
5 DESENVOLVIMENTO DA APTIDÃO ANAERÓBIA ................................................................. 46
5.1 AVALIAÇÃO DA APTIDÃO ANAERÓBIA . .............................................................................. 51
5.2 POSSIBILIDADES DE TREINAMENTO DA APTIDÃO ANAERÓBIA ................................. 53
RESUMO DO TÓPICO 2 ....................................................................................................................... 55
AUTOATIVIDADE ................................................................................................................................. 57

TÓPICO 3 - O TREINAMENTO DESPORTIVO E A SAÚDE NA IDADE ESCOLAR ............. 59


1 INTRODUÇÃO ..................................................................................................................................... 59
2 PREOCUPAÇÕES EM RELAÇÃO À SAÚDE NA ADOLESCÊNCIA ....................................... 59
3 O ESPORTE E SUAS IMPLICAÇÕES PARA SAÚDE DE ADOLESCENTES ......................... 61
4 O ESPORTE COLETIVO E OS PROCESSOS DE CRESCIMENTO DE
ADOLESCENTES, POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÃO ...................................................... 65
LEITURA COMPLEMENTAR ............................................................................................................... 68
RESUMO DO TÓPICO 3 ....................................................................................................................... 72
AUTOATIVIDADE ................................................................................................................................. 73

UNIDADE 2 - PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO E O CONDICIONAMENTO


FÍSICO APLICADO ........................................................................................................................... 75

TÓPICO 1 - OS PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO ........................................... 77


1 INTRODUÇÃO ..................................................................................................................................... 77
2 PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO DESPORTIVOS – O QUE SÃO? ...................................... 77
3 HISTÓRIA DOS PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO ..................................... 79
4 PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO – DEFINIÇÕES, EXEMPLOS,
APLICAÇÕES E CURIOSIDADES ................................................................................................... 82
4.1 O PRINCÍPIO DA INDIVIDUALIDADE BIOLÓGICA ............................................................. 83

VII
4.2 O PRINCÍPIO DA ADAPTAÇÃO ................................................................................................. 86
4.3 O PRINCÍPIO DA SOBRECARGA ............................................................................................... 91
4.4 O PRINCÍPIO DA CONTINUIDADE .......................................................................................... 95
4.5 O PRINCÍPIO DA REVERSIBILIDADE ....................................................................................... 96
4.6 O PRINCÍPIO DA INTERDEPENDÊNCIA VOLUME-INTENSIDADE . ............................... 98
4.7 O PRINCÍPIO DA ESPECIFICIDADE .......................................................................................... 100
4.8 O PRINCÍPIO DA VARIABILIDADE ........................................................................................... 102
4.9 O PRINCÍPIO DA TREINABILIDADE ........................................................................................ 104
4.10 O PRINCÍPIO DA SAÚDE ........................................................................................................... 106
4.11 INTER-RELAÇÃO ENTRE OS PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO . .................................... 107
4.12 EDUCAÇÃO ESPECIAL E OS PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO ........... 108
4.13 INDIVIDUALIDADE BIOLÓGICA AO ATLETA OU ESTUDANTE ESPECIAL ................ 111
4.14 SOBRECARGA APLICADA AO DEFICIENTE ........................................................................ 116
4.15 CONTINUIDADE COM TREINAMENTO ESCOLAR . .......................................................... 117
4.16 ENTREVISTA COM PSICÓLOGA ESPORTIVA . ..................................................................... 118
RESUMO DO TÓPICO 1 ....................................................................................................................... 123
AUTOATIVIDADE ................................................................................................................................. 125

TÓPICO 2 - O CONDICIONAMENTO FÍSICO PARA DIFERENTES


ATIVIDADES ESPORTIVAS ......................................................................................... 127
1 INTRODUÇÃO ..................................................................................................................................... 127
2 PLANEJAMENTO ................................................................................................................................ 127
2.1 HABILIDADES MOTORAS ENVOLVIDAS . .............................................................................. 128
2.2 TREINAMENTO DE ESPORTES CÍCLICOS PARA JOVENS E CRIANÇAS . ....................... 129
2.3 MINI JOGOS EM ESPORTES COLETIVOS ................................................................................. 131
2.4 ESPORTE DE COLISÃO – O CONTATO ..................................................................................... 133
RESUMO DO TÓPICO 2 ....................................................................................................................... 137
AUTOATIVIDADE ................................................................................................................................. 138

UNIDADE 3 - MÉTODOS, ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO


ESPORTIVO ................................................................................................................... 139

TÓPICO 1 - CRESCIMENTO, MATURAÇÃO E DESENVOLVIMENTO


DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE ......................................................................... 141
1 INTRODUÇÃO ..................................................................................................................................... 141
2 OS PERÍODOS ETÁRIOS DURANTE O CRESCIMENTO PÓS-NATAL ................................ 141
3 DEFININDO CRESCIMENTO, MATURAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ............................. 142
4 MEDIDAS USADAS PARA A AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO E MATURAÇÃO .......... 143
4.1 AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO .............................................................................................. 144
4.2 MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DA MATURAÇÃO ..................................................................... 147
4.2.1 Idade no pico de velocidade em altura ................................................................................... 154
4.2.2 Porcentagem da estatura adulta predita . ............................................................................... 155
RESUMO DO TÓPICO 1 ....................................................................................................................... 157
AUTOATIVIDADE ................................................................................................................................. 158

TÓPICO 2 - TREINAMENTO ESPORTIVO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA ................... 159


1 INTRODUÇÃO ..................................................................................................................................... 159
2 PERÍODOS SENSÍVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS
CAPACIDADES FÍSICAS ................................................................................................................... 160
3 MODELOS DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO EM LONGO PRAZO
PARA JOVENS ...................................................................................................................................... 162
3.1 DIFERENÇAS RELACIONADAS AO SEXO .............................................................................. 168
3.2 TREINAMENTO PARA JOVENS: MATURAÇÃO TARDIA VS. PRECOCE ......................... 169

VIII
RESUMO DO TÓPICO 2 ....................................................................................................................... 171
AUTOATIVIDADE ................................................................................................................................. 172

TÓPICO 3 - ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DOS PROGRAMAS


DE TREINAMENTO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA ..................................... 173
1 INTRODUÇÃO ..................................................................................................................................... 173
2 TREINAMENTO DA APTIDÃO AERÓBIA PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES .......... 173
2.1 ADAPTAÇÕES AO TREINAMENTO AERÓBIO ....................................................................... 174
2.2 RECOMENDAÇÕES GERAIS PARA PRESCRIÇÃO DO EXERCÍCIO AERÓBIO
EM JOVENS ...................................................................................................................................... 174
2.3 TREINO DE FORÇA PARA JOVENS E CRIANÇAS – PARADIGMAS . ................................ 176
2.4 ADAPTAÇÕES AO TREINAMENTO DE FORÇA E POTÊNCIA ........................................... 177
2.5 ESTRUTURAÇÃO DO TREINAMENTO USANDO EXERCÍCIOS NA MÁQUINA E DE
PESO LIVRE ..................................................................................................................................... 178
2.6 ESTRUTURAÇÃO DO TREINAMENTO USANDO EXERCÍCIOS PLIOMÉTRICOS ......... 187
2.7 IMPLICAÇÕES PARA O TREINAMENTO PLIOMÉTRICO . .................................................. 187
2.8 PROGRESSÃO DO TREINAMENTO PLIOMÉTRICO AO LONGO DA INFÂNCIA E
ADOLESCÊNCIA ............................................................................................................................ 188
2.9 TREINAMENTO PARA FLEXIBILIDADE EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES ................ 191
2.9.1 Desenvolvimento da flexibilidade na infância e adolescência ............................................ 192
2.10 TREINAMENTO DA VELOCIDADE EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES ....................... 194
2.10.1 Desenvolvimento da velocidade na infância e adolescência ............................................. 195
2.11 TREINAMENTO DA AGILIDADE EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES ........................... 198
2.11.1 Desenvolvimento da Agilidade na infância e adolescência . ............................................. 199
2.11.2 Diretrizes para o treinamento da agilidade ......................................................................... 201
RESUMO DO TÓPICO 3 ....................................................................................................................... 203
AUTOATIVIDADE ................................................................................................................................. 205
REFERÊNCIAS ......................................................................................................................................... 207

IX
X
UNIDADE 1

FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO
DESPORTIVO

OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM
Esta unidade tem por objetivos proporcionar a você:

• conhecer acerca dos fundamentos e dos processos de avaliação do Treina-


mento Esportivo;

• entender as capacidades aeróbias e anaeróbias, os processos de produção


de energia e o desenvolvimento destas capacidades com o treinamento;

• compreender os métodos de treinamento para o condicionamento esporti-


vo de crianças e adolescentes em idade escolar.

PLANO DE ESTUDOS
Esta unidade está dividida em três tópicos. No final de cada um deles, você
encontrará atividades que visam à compreensão dos conteúdos apresentados.

TÓPICO 1 – OS FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

TÓPICO 2 – O TREINAMENTO DAS CAPACIDADES AERÓBIAS E


ANAERÓBIAS

TÓPICO 3 – O TREINAMENTO DESPORTIVO E A SAÚDE NA IDADE


ESCOLAR

1
2
UNIDADE 1
TÓPICO 1

OS FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO
DESPORTIVO

1 INTRODUÇÃO
Olá, acadêmico! Seja bem-vindo ao nosso livro de estudos. Você está tendo
o primeiro contato com o conteúdo que será abordado durante a disciplina de
Treinamento Desportivo, e já que estamos iniciando esta unidade, vamos introduzir
você ao primeiro tema que será apresentado. Esta unidade abordará os Fundamentos
do Treinamento Desportivo, e no nosso primeiro tópico, além dos fundamentos,
vamos também tratar sobre os processos de avaliação do treinamento. O objetivo
deste tópico é proporcionar a você, acadêmico, conhecimentos relacionados aos
principais fundamentos, por exemplo, o desenvolvimento físico e os fatores que
envolvem este, bem como os processos de avaliação que envolvem essa disciplina,
como por exemplo, as diferentes possibilidades de avaliação física.

Nos dias de hoje, com toda a evolução tecnológica e científica, a ciência


da Teoria e Metodologia do Treinamento também evoluiu muito. Na atualidade,
a Ciência do Esporte tem um enorme embasamento científico e teórico sobre
quais os melhores meios de atingir o melhor rendimento. Na área da iniciação
esportiva e na formação de talentos não é diferente, são inúmeros pesquisadores
e/ou cientistas com grande diversidade de publicações sobre o treinamento e o
desenvolvimento de crianças e adolescentes. São diversos os campos da ciência
que envolvem o treinamento. Podemos citar a anatomia, fisiologia, biomecânica,
estatística, medicina esportiva, psicologia, aprendizagem motora, a pedagogia e a
nutrição, entre outros.

A teoria e metodologia do treinamento é uma área muito extensa e cabe


ao professor de Educação Física selecionar os melhores conteúdos que estarão
diretamente envolvidos com sua forma de trabalho.

Durante o treinamento, o atleta reage a vários estímulos, alguns dos


quais podem ser previstos com mais exatidão do que outros, com
base na coleta de informações fisiológicas, biomecânicas, psicológicas,
sociais e metodológicas. Assim o treinador precisa de um instrumento
científico para garantir que o processo de treinamento seja ancorado
em avaliações objetivas que meçam a reação do atleta, a qualidade e a
carga dos exercícios, podendo-se assim planejar de modo apropriado os
futuros programas (BOMPA, 2002, p. 4).

Assim como este conceito que foi citado acima, muito da teoria que existe
sobre o Treinamento Desportivo está em livros-textos ou artigos científicos, que

3
UNIDADE 1 | FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

tratam principalmente do como lidar com atletas. A intenção deste tópico é trazer
este conhecimento a você buscando possibilitar o aprendizado dos conceitos
principais e de como estes poderão ser aplicados na sua realidade na atuação
como professor de Educação Física. Por exemplo, podemos explorar no conceito
de Bompa (2002) que o planejamento das aulas e atividades da Educação Física
deverão estar ancoradas em avaliações específicas do comportamento e da evolução
dos alunos. O conhecimento dos fundamentos também auxiliará para uma melhor
compreensão do último tópico desta unidade que irá abordar especificamente o
treinamento desportivo na escola.

2 OS FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO


Para começar precisamos pensar no significado da palavra fundamento. O
que seria para você os fundamentos do treinamento esportivo?

No dicionário Priberam (2017) o significado da palavra fundamento é


base principal, prova, causa, motivo, fundação, alicerce. Desta forma, podemos
pensar que fundamento poderia estar ligado ao sentido de alicerce ou uma base
sólida para construir algo que se deseja que seja duradouro. De outra forma
então, podemos pensar que os fundamentos do treinamento seriam as questões
teórico/práticas que dariam um embasamento para a construção ou planejamento
de uma linha de trabalho, ou seja, um ponto de partida e uma rota de destino
clara e fixa para conduzir as aulas e o trabalho que se objetiva. Em palavras mais
teóricas, poderíamos dizer que é o conjunto de regras básicas de organização e
funcionamento ou o conjunto de princípios a partir dos quais se pode fundar ou
deduzir um sistema ou um conjunto de conhecimentos.

UNI

E você, caro acadêmico, concorda com o que foi dito? O que você acredita
serem os fundamentos do Treinamento Desportivo? Pare por alguns instantes e reflita sobre o
assunto antes de prosseguir a leitura.

Para pensarmos de maneira um pouco mais aprofundada sobre o


assunto, vamos começar considerando as questões relacionadas aos objetivos do
treinamento. Estes objetivos podem ser diversos e será preciso adaptar cada um
deles a sua realidade na prática profissional. Porém, de maneira geral, o quadro a
seguir lista cada um dos principais objetivos que estão ligados ao treinamento de
acordo com Bompa (2002).

4
TÓPICO 1 | OS FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

QUADRO 1 - OBJETIVOS DO TREINAMENTO


Desenvolvimento físico Desenvolvimento físico
Fatores técnicos.
multilateral. específico.
Habilidade para o trabalho em
Fatores táticos. Aspectos psicológicos.
equipe.
Fatores ligados a saúde. Prevenção de lesões. Conhecimento teórico.
FONTE: Os autores

Vamos, a partir de agora, explorar um pouco mais detalhado cada um


deles. Comecemos pelo desenvolvimento físico multilateral.

• Desenvolvimento físico multilateral: Como o nome já propriamente refere,


é pensar no desenvolvimento do corpo como um todo, todas as habilidades
necessárias para uma boa execução esportiva. É uma base para o treinamento
físico geral. A ideia é aprimorar todas as qualidades físicas (por exemplo:
resistência, força e velocidade) de uma maneira harmoniosa para o melhor
desenvolvimento corporal.

• Desenvolvimento físico específico: Neste caso, a ideia é desenvolver ou


aprimorar as qualidades físicas mais associadas ao desporto-alvo que será
praticado. O treinamento buscará desenvolver todas as qualidades físicas
necessárias, mas o foco será um melhor aprimoramento daquelas diretamente
ligadas à execução de movimento da modalidade praticada.

• Fatores técnicos: Buscam-se desenvolver as habilidades técnicas necessárias


do desporto, ou seja, o aprimoramento da melhor técnica, aquela com melhor
economia de movimento, o gesto motor mais eficiente e ideal para realização de
determinada tarefa.

• Fatores táticos: Bompa (2002) diz que os fatores táticos são a melhoria da
estratégia por meio do estudo da tática de futuros oponentes. Ampliar a
capacidade técnica e aperfeiçoar a estratégia desenvolve um modelo estratégico.
A tática é a estratégia em ação.

• Aspectos psicológicos: É preciso pensar que todo bom desportista, independente


da modalidade, vai precisar de um bom nível motivacional, força de vontade,
confiança, perseverança e disciplina para o desenvolvimento das habilidades
necessárias.

• Habilidade para o trabalho em equipe: Em alguns desportos, principalmente os


coletivos, este fator é de imprescindível importância para um bom aprendizado
e desenvolvimento das habilidades envolvidas. O aluno vai precisar ter um bom
desenvolvimento social e saber lidar com relações sociais. Nas aulas de educação
física o desenvolvimento do trabalho em equipe vai criar alunos conscientes,
confiantes e certos de seus direitos e deveres diante da sociedade.

5
UNIDADE 1 | FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

• Fatores ligados à saúde: A recuperação adequada é tão importante quanto ao


estímulo que será dado. Essa é uma mensagem importante aos profissionais
que precisam planejar atividades físicas para os seus alunos. O aluno vai
precisar sempre estar saudável e recuperado para realizar de maneira correta
as atividades esportivas, o seu desenvolvimento e aprendizado também vai
depender de uma saúde adequada, por isso é importante que o professor crie
estratégias de acompanhamento da qualidade de vida dos seus alunos.

• Prevenção de lesões: Aumentar o nível de flexibilidade, proporcionar aumentos


da força muscular, principalmente durante o treinamento com iniciantes são
cuidados que auxiliarão na prevenção de lesões (BOMPA, 2002). A realização de
uma prática esportiva tomando todos os cuidados de segurança também é um
ponto a se observar.

• Aspectos psicológicos: É preciso pensar que todo bom desportista, independente


da modalidade, vai precisar de um bom nível motivacional, força de vontade,
confiança, perseverança e disciplina para o desenvolvimento das habilidades
necessárias.

• Conhecimento teórico: O aluno vai precisar de um bom nível de conhecimento


dos aspectos nutricionais, psicológicos, do funcionamento do organismo, da
Fisiologia, do planejamento do aumento sistemático da carga de treinamento e
da necessidade de uma boa recuperação. Estes aspectos o professor vai precisar
saber transmitir da melhor forma possível, sempre respeitando as características
dos indivíduos que ele está trabalhando, sua realidade e sua faixa etária.

FIGURA 1 – DESENVOLVIMENTO INTEGRAL NA INFÂNCIA

FONTE: Disponível em: <http://maurosandri.blogspot.com.br/2015/11/


atividade-fisica-na-infancia-pode-ser.html>. Acesso em: 2 fev.
2017.

6
TÓPICO 1 | OS FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

2.1 O TREINAMENTO FÍSICO


O treinamento físico, ou um bom condicionamento físico, é um dos primeiros
aspectos que lembramos quando pensamos em atletas. O que vem a sua mente
quando você pensa no treinamento físico? Esforço, cansaço, fadiga, superação,
gasto energético, são vários os fatores que podemos elencar. Geralmente, as pessoas
ligam o treinamento a atletas, ou quando pensam em treinamento lembram-se do
mais rápido, do mais alto, do mais forte. Não era esse o lema grego? O que você
poderia listar como componentes que fazem parte do treinamento físico?

Segundo Bompa (2002), o treinamento físico é em muitos dos casos o


fator mais importante para o rendimento esportivo. Dependendo da modalidade
o treinamento físico vai ser um fator que receberá mais ou menos ênfase, mas
sempre muito considerado. O objetivo deste é o desenvolvimento do potencial
fisiológico e das habilidades motoras. O treinamento físico é divido por muitos
autores em treinamento geral e treinamento específico. Perceba, caro acadêmico,
que deve haver uma ordem lógica em um treinamento organizado e planejado,
segundo Bompa (2002), pode ser desenvolvido na seguinte sequência:

1. Treinamento físico geral.


2. Treinamento físico específico.
3. Aperfeiçoamento das capacidades biomotoras.

É sugerido que o desenvolvimento desta sequência ocorra durante o
planejamento anual, ou seja, aplicado com o objetivo de chegar ao final de
uma temporada no melhor rendimento. No caso do trabalho com crianças é
sempre bom lembrar da necessidade de respeitar as fases de desenvolvimento e
crescimento (POWERS; HOWLEY, 2005). Dessa forma, esta sequência também
se aplica de maneira longitudinal, ou seja, nos primeiros anos da infância a
preocupação do professor vai estar voltada ao desenvolvimento geral e global dos
alunos, o desenvolvimento do organismo como um todo a partir de atividades
mais lúdicas. Ao que, na adolescência, durante a fase da puberdade, pelo desejo de
muitos pais e pela própria vontade dos adolescentes, estes são encaminhados para
alguma modalidade específica. Nesse momento, o professor vai trabalhar com
estes indivíduos buscando o aperfeiçoamento físico específico da modalidade.
Em outras palavras, o aprimoramento fisiológico ideal para desempenhar tal
desporto. A necessidade de respeitar a sequência citada acima no decorrer de uma
temporada permanece válida.

Com o final da puberdade, o jovem poderá começar o trabalho de


desenvolvimento e aperfeiçoamento das capacidades biomotoras específicas,
buscar-se-á o aprimoramento das qualidades físicas, como força, potência,
resistência e velocidade de maneira que o desporto seja praticado em um bom
nível de rendimento.

7
UNIDADE 1 | FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

E
IMPORTANT

Tenha em mente que a maioria dos livros que abordam a teoria do Treinamento
Desportivo dividem um planejamento anual ou uma temporada em períodos de preparação.
Os dois principais são o período preparatório, quando ocorrerá a preparação física geral e
específica e; o período competitivo em que ocorrerá o aperfeiçoamento das capacidades
biomotoras específicas. Ainda, você poderá encontrar, na literatura, outras divisões de períodos,
nomeadamente os períodos de pré-temporada, de base, pré-competitivo, de transição,
entre outros.

Segundo Powers e Howley (2005), existem muitas questões não esclarecidas


relacionadas às respostas fisiológicas de uma criança saudável a vários tipos
de exercício. Muito do que é realizado na prática do treinamento com crianças
e adolescentes ainda é de forma empírica e sem muito embasamento científico.
Isto se dá pela seguinte razão, por questões éticas óbvias muitas pesquisas e
projetos não são aplicados com crianças para salvaguardar o bem-estar físico
do indivíduo. Dessa forma, pouco se sabe sobre os efeitos da exposição ao calor
ou ao frio extremo, ou outros ambientes hostis, por exemplo. Poucos cientistas
fariam uma biópsia muscular em uma criança somente para saber os efeitos de
determinado treinamento. Assim, muito do que existe na teoria do treinamento
durante a infância e a adolescência está relacionado ao desenvolvimento do
sistema cardiopulmonar e do sistema musculoesquelético (MACARDLE et al.,
2005). No decorrer desta unidade, mais precisamente no Tópico 2, vamos estudar
o desenvolvimento do sistema aeróbio e dos sistemas anaeróbios de produção
de energia. O treinamento do sistema musculoesquelético, mais precisamente
questões relacionadas ao desenvolvimento da força serão abordadas de maneira
mais aprofundada na Unidade 3.

3 OS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DO TREINAMENTO


DESPORTIVO
A ciência do treinamento esportivo é uma área muito ampla e complexa.
Esta ciência possui um grande número de variáveis intervenientes, ou seja, que vão
influenciar em maior ou menor grau e estão relacionadas entre si. Como foi listado
anteriormente sobre os fatores fundamentais do treinamento, essas variáveis
serão de teor prático ou teórico. Estas poderão estar relacionadas aos objetivos
dos principais componentes do treinamento esportivo, o aprimoramento físico,
técnico, tático ou psicossocial.

São diversas as ferramentas que poderão ser usadas para o acompanhamento


e a avaliação do rendimento esportivo de um aluno. Estas ferramentas poderão ser
mais complexas ou mais simples, poderão avaliar um ou mais componentes do
treinamento, poderão ser mais específicas ou gerais. Existe, ainda, outra divisão
clara na literatura que você acadêmico poderá encontrar em muitos livros que
8
TÓPICO 1 | OS FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

tratam do assunto, avaliações laboratoriais ou testes de campo. Uma ferramenta


de avaliação poderá ser avaliada pela sua especificidade, reprodutibilidade e
validade (MATHEWS, 1980).

Ao começar um novo trabalho, ou um novo ano de trabalho, uma das


primeiras coisas que você irá fazer é decidir seu plano de ensino, traçar suas metas
e objetivos para aquele período. Depois, você escolherá ou decidirá qual(ais)
método(s) ou metodologia(s) de avaliação do desenvolvimento dos seus alunos
você usará, sejam teóricos ou práticos, físicos ou de alguma habilidade ou
capacidade específica.

FIGURA 2 – AVALIAÇÃO ESPORTIVA NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

FONTE: Disponível em: <https://www.google.com.br/


search?q=avaliação+esportiva+crianças>. Acesso em: 2 fev. 2017.

Independente da ferramenta que você utilizará para avaliar seus alunos


ou do componente que você quer avaliar, é preciso, primeiramente, ter certeza de
que esse instrumento foi cientificamente elaborado e que faz um trabalho acurado
de medição daquilo que foi designado a medir (MATHEWS, 1980). Assim, vamos
olhar um pouco mais detalhadamente quais seriam estes critérios:

• Validade: uma ferramenta de avaliação pode ser considerada válida quando ela
foi cientificamente testada para avaliar o que ela se propõe a medir. Por exemplo,
um teste de habilidade para jogar basquete será válido se os praticantes que
apresentarem maiores escores no teste forem os melhores pontuadores durante
um jogo ou um torneio. Não adiantaria um teste com o objetivo de testar o
mais habilidoso dos jogadores, se este praticante não fosse realmente o que
apresentasse um melhor rendimento em uma situação real.

• Reprodutibilidade: o teste precisa ser reprodutível, ou seja, se for aplicado duas
vezes ou mais com o mesmo grupo de indivíduos na mesma situação terá que
apresentar resultados idênticos ou semelhantes (MATHEWS, 1980). No caso
do exemplo acima, o mesmo grupo de alunos apresentaria resultados muito

9
UNIDADE 1 | FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

parecidos no teste de habilidade se fossem testados uma segunda vez sem a


ocorrência de alguma intervenção que pudesse melhorar o rendimento.

• Especificidade: a avaliação do professor precisa ser específica à realidade da
modalidade que ele quer testar (MATHEWS, 1980). Utilizando-se do mesmo
exemplo citado, testar a habilidade dos alunos pedalar em uma bicicleta pouco
responderia à capacidade deles em jogar basquete.

Concluindo esta parte, Mathews (1980) ainda ressalta que um dos critérios
para selecionar um teste é a sua aplicação educacional. Dessa forma, ao selecionar
um teste é preciso ver se ele se aplica ao programa escolar oferecido e, esse plano
deve ditar os tipos de testes que serão aplicados. Podemos ainda ressaltar a você,
caro acadêmico, que uma avaliação precisa ser bem planejada, clara, objetiva,
estruturada, direta e organizada.

E
IMPORTANT

Caro acadêmico! Grave as seguintes informações, pois serão de grande valia para
o seu aprendizado. O aprimoramento físico, técnico, tático e psicossocial são os principais
objetivos do treinamento esportivo. São diversas as ferramentas que poderão ser utilizadas para
a avaliação do desenvolvimento durante o treinamento. Estas ferramentas precisarão possuir
validade, especificidade, reprodutibilidade e aplicação educacional.

3.1 A AVALIAÇÃO DOS ASPECTOS FÍSICOS


Um dos principais componentes que precisamos avaliar de nossos alunos
durante nossa atuação profissional é a avaliação dos aspectos físicos, ou seja,
do desenvolvimento das capacidades motoras e das qualidades físicas destes
indivíduos. São diversas qualidades físicas que um indivíduo precisa desenvolver.
Podemos classificá-las em três grandes grupos: força, resistência e velocidade.
Dentro de cada um desses grandes grupos haverá outras subdivisões. A força
pode ser dividida em estática, dinâmica e explosiva. A resistência em aeróbia,
anaeróbia e resistência muscular localizada. Enquanto que a velocidade poderá
ser dividida em de deslocamento, de membros e de reação (WEINECK, 2005).
Veja a figura a seguir para gravar estas informações.

10
TÓPICO 1 | OS FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

FIGURA 3 – QUALIDADE FÍSICAS

FONTE: Os autores

Perceba você, acadêmico, que não podemos entender estas capacidades


como isoladas e sem conexão com as outras. É preciso ter o entendimento que elas
estão conectadas e existem inter-relações que ainda vão criar outras categorias.
Observe que na figura as conexões criam as categorias de resistência de força,
resistência de velocidade e a potência. Cada uma dessas qualidades poderá
ser treinada ou desenvolvida em menor ou maior grau, dependendo sempre
do planejamento de ensino do professor e dos objetivos traçados durante um
determinado período de tempo. Assim, os instrumentos para avaliação, quando
do objetivo de uma avaliação física, devem estar direcionados para averiguar uma
ou mais dessas qualidades físicas. Os testes podem ser bem específicos para a
avaliação de um destes componentes físicos, por exemplo, um teste de sprint curto
para avaliar a velocidade de deslocamento, ou mais amplos e generalizados como
um teste que vise, por exemplo, avaliar ao mesmo tempo o desempenho técnico de
alguma tarefa e a exigência física do mesmo. Portanto, nesta parte deixamos um
exemplo de uma possibilidade de avaliação criada por nós para o futsal, mas que
pode ser adaptada para outras modalidades coletivas. Acreditamos que poderá ser
uma boa ferramenta para aulas de educação física por exemplo.

11
UNIDADE 1 | FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

DICAS

O teste que será sugerido agora foi criado enquanto atuava como treinador
de futsal. Acabou não sendo publicado em nenhuma revista científica, mas ele pode ser
encontrado on-line no blog <nascimentopc.blogspot.com.br>.

TESTE FÍSICO/TÉCNICO ESPECÍFICO PARA O FUTSAL

Após um longo período de “silêncio” no blog, e depois de um período de férias na ativa, um


pouco conturbado, mas também merecido, queremos retomar com uma breve sugestão de
avaliação para nossa modalidade. Esta tem como objetivo uma avaliação mais completa com
aspectos físicos e técnicos/táticos, de uma forma global incluindo os componentes técnicos
básicos com uma movimentação semelhante ao que ocorre durante o jogo e certo nível de
acidose. Antes de discutir melhor o assunto, a figura a seguir ilustra a forma de realização do
teste.

Vamos desvendar agora a complexa ilustração do teste. Pode-se dividi-lo em três partes: parte
inicial com ênfase no esforço físico. A segunda e a terceira partes, com mais ênfase na técnica
do passe e chute, respectivamente. O raio significa o ponto de início do teste. As carinhas são
os jogadores(as). O(a) atleta inicia o teste com deslocamento para sua direita, o caminho a ser
percorrido está demarcado pelos triângulos estrategicamente posicionados em lugares onde
poderia estar um jogador no caso do sistema 3x1. A distância entre os triângulos (na prática,
discos ou cones) é de 10 metros.

Depois do primeiro deslocamento para a direita, o jogador muda de sentido e corre até o
próximo disco (posição pivô, vamos nomear didaticamente dessa maneira), contornando e
voltando pelo mesmo caminho até o ponto inicial. Muda de sentido e corre em direção à
ala esquerda, passando pelo disco e correndo até o disco “pivô”. Retorna pelo caminho da ala
esquerda chegando ao ponto de início novamente.
Até então, o atleta realizou uma corrida de 80 metros, dividido em 8x de 10 metros com 7
mudanças de sentido, caracterizando um esforço anaeróbio alático e lático. O tempo deve ser
coletado a cada 40 metros.

A partir desse ponto, começa a segunda parte com ênfase na realização correta do fundamento
passe. Serão 4 passes ao todo. O primeiro já é realizado no ponto inicial, onde está o disco ‘fixo’.
O “T” no centro da quadra significa o treinador, que deve passar a bola aos atletas durante essa
parte do teste. Os atletas dominam a bola, realizam o passe de volta ao treinador e correm ao
próximo disco (ala direita). Executam outro passe e assim sucessivamente até chegar ao disco
da ala esquerda. O passe é classificado pelo conjunto de ações e classificado em um score de
0-3. Será considerado o domínio correto, a força correta aplicada ao passe e se o passe foi em
linha reta para o treinador. A distância total percorrida nessa parte será de 30 metros.
Por fim, a terceira parte do teste será a fase de chutes a gol. Posicionado no disco da ala
esquerda, após realizar o quarto passe, o atleta receberá a bola passada pelo treinador nesta
mesma ala para executar a primeira finalização.

12
TÓPICO 1 | OS FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

O “T” situado no canto esquerdo da figura significa o outro treinador necessário para a realização
do teste. Este deve passar a bola próxima ao centro da quadra ofensiva (marca dos 10 metros)
para a execução da segunda finalização. Após o chute o atleta deve posicionar-se próximo da
ala direita para realizar a terceira e última finalização a gol.

Desta forma, vamos focar principalmente nas ferramentas que poderão ser
utilizadas como avaliação do processo de treinamento. Como dito anteriormente,
para a avaliação física de uma (ou mais) determinada qualidade poderão ser
utilizados testes laboratoriais ou testes de campo. Como o nome propriamente já
diz, o teste laboratorial é aquele em que o indivíduo realiza uma avaliação neste tipo
de ambiente. Geralmente, este tipo de teste é mais válido e é chamado de padrão
ouro para avaliação de determinada qualidade física. Por outro lado, usualmente
dependem de materiais e equipamentos mais caros, não é tão específica a realidade
das modalidades realizadas de maneira individual.

Nesse sentido, os testes de campo surgem buscando atender uma demanda


de custo-benefício para as avaliações físicas. Os testes de campo, historicamente,
foram criados como alternativas para a avaliação dos componentes físicos em um
ambiente “fora do laboratório”, na busca de acompanhar o desenvolvimento e
rendimento esportivo no ambiente em que é praticado, ou seja, o próprio local
de prática. Dessa forma, este tipo de teste geralmente ganha em especificidade e
aplicação educacional, pois além de serem de um custo-benefício melhor, permitem
a avaliação de um grupo de indivíduos simultaneamente e não dependem
de equipamentos caros. Esta possibilidade pode auxiliar o professor que visa
acompanhar a evolução dos seus alunos no próprio ambiente de ensino e prática
(quadra esportiva por exemplo) de uma maneira mais barata e acessível. Vejamos,
em seguida, o que Arins et al. (2015, p. 759) têm a dizer sobre os testes de campo:

Porém, apesar das avaliações realizadas em laboratório fornecerem


dados valiosos sobre a performance e as características fisiológicas
de atletas, normalmente não possuem validade ecológica, sendo

13
UNIDADE 1 | FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

incapazes de reproduzir os padrões de movimentos específicos


associados às modalidades intermitentes. Desse modo, para superar
algumas deficiências apontadas sobre os testes de laboratório, foram
desenvolvidos protocolos de campo mais específicos que possuem a
finalidade de refletir de forma mais apropriada o caráter intermitente
dessas modalidades [...] os testes compostos por multiestágios têm
sido amplamente utilizados para estudar as respostas fisiológicas
do exercício intermitente que envolve mudanças de direção, como o
futsal. Esses protocolos objetivam reproduzir o padrão de movimento
executados nos esportes coletivos, permitindo a avaliação simultânea
de um grande número de atletas por um custo financeiro mínimo.

Dessa forma, podemos observar que além de tudo que foi citado sobre os
testes de campo, eles podem avaliar também uma ou mais das qualidades físicas
exigidas durante a prática. Um dos mais famosos e utilizados em muitos lugares
é o teste de vai e vem de 20 metros. Inicialmente proposto por Léger e Lambert
(1982), se popularizou e ganhou espaço em muitos clubes, escolas e equipes, que
utilizam o teste para avaliação da resistência aeróbia.

O teste progressivo intermitente de campo de 20 metros (SHT20)


de Léger et al. é um teste incremental máximo, do tipo intermitente
escalonado, composto de multiestágios de 60 segundos de duração
em sistema shuttle-run run, constituído de um número de repetições
variadas de corrida. O SHT20 fornece dados de potência (estimativa do
VO2max; PV) e capacidade (ponto de deflexão da FC (PDFC)) aeróbia
(ARINS et al., 2015, p. 759).

ATENCAO

Caro acadêmico! Em relação às variáveis a que Arins et al. (2015) se referem, o


PV (Pico de Velocidade) é a máxima velocidade atingida durante o teste e é um indicador da
máxima produção aeróbia de energia. Enquanto o ponto de deflexão da frequência cardíaca
(PDFC) é um indicador de capacidade aeróbia, ou seja, um limite que pode indicar a capacidade
do indivíduo em realizar um esforço de longa duração.

Como pode ser observado na figura seguinte, o teste de vai e vem é executado
em um espaço delimitado por cones de 20 metros. É necessária a utilização de um
equipamento de som para emitir um sinal sonoro ‘beep’ que vai dar o ritmo de
corrida. A cada ‘beep’ o indivíduo deve atingir uma das marcas. A cada 60 segundos,
a duração entre os sinais sonoros vai diminuindo e, em consequência aumentando
a velocidade. Se houver a possibilidade do uso de um monitor cardíaco é possível
identificar através do comportamento da frequência cardíaca o PDFC (veja o UNI
anterior).

14
TÓPICO 1 | OS FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

FIGURA 4 – TESTE DE CAMPO VAI E VEM DE 20 METROS

FONTE: Disponível em: <http://guardamunicipalcuritiba.blogspot.com.


br/2015/04/corrida-de-vai-e-vem-em-20-metros-teste.html>. Acesso
em: 7 fev. 2017.

Vale ressaltar que o monitoramento da aptidão aeróbia é de extrema


importância e, nas fases da infância e adolescência poderá auxiliar na prescrição
das cargas de treinamento para o desenvolvimento adequado do praticante, bem
como na detecção de talentos esportivos.

TUROS
ESTUDOS FU

A aptidão aeróbia e anaeróbia será abordada mais especificamente no Tópico 2


desta unidade.

Metodologias de treinamento para o desenvolvimento da força serão abordadas na Unidade 3.

Outro ponto que precisa ser destacado é a avaliação do desenvolvimento


das qualidades físicas relacionadas à força durante o processo de treinamento.
Existem algumas ferramentas que podem ser utilizadas para tal. O método que
parece ser mais confiável é a avaliação isocinética. A avaliação em aparelhos
isocinéticos e/ou dinamômetros, apesar de não possuir uma grande especificidade
com a maioria dos gestos motores das modalidades esportivas, trará valores bem
apurados da força de membros do avaliado. A maior dificuldade neste tipo de
teste é o custo e o acesso a este tipo de equipamento. Basicamente, os aparelhos
trazem como resultado a capacidade de aplicar em determinado movimento, por
exemplo, a extensão de joelho que poderia estar relacionada ao movimento do
chute e/ou a flexão de cotovelo que poderia estar relacionado a algum gesto do
vôlei ou tênis.

15
UNIDADE 1 | FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

FIGURA 5 – AVALIAÇÃO DE EXTENSÃO DE JOELHO EM DINAMÔMETRO


ISOCINÉTICO

FONTE: Disponível em: <http://bmsi.ru/doc/3970d6ac-5b28-470d-b805-


8751cd154363>. Acesso em: 7 fev. 2017.

O termo isocinético significa se mover numa velocidade constante.


Dinamômetro isocinético de resistência variada é um instrumento
eletromecânico que mantém uma velocidade movimento constante
enquanto varia a resistência durante determinado movimento. A
resistência oferecida pelo instrumento é uma resistência de acomodação,
destinada a combinar com a força gerada pelo músculo. Um transdutor
de força no interior do instrumento monitora constantemente a força
muscular gerada e transmite a informação a um computador, que
calcula a força média gerada em cada período de tempo e o ângulo
articular durante o movimento (POWERS; HOWLEY, 2005, p. 419).

Existem outros tipos de testes para avaliar parâmetros de força com um


custo mais baixo. Entre eles, podemos destacar os que utilizam dinamômetros
mais simples para realizar o teste de força de membros inferiores e lombar (como
no exemplo da figura a seguir, do lado esquerdo) ou força de preensão manual
(figura a seguir no lado direito).

Os dinamômetros de preensão manual e os dinamômetros de tração


lombar têm sido utilizados para avaliar as forças de preensão e dorsal,
respectivamente, há muitos anos. Quando uma força é aplicada a um
dinamômetro uma mola de aço é comprimida e move um ponteiro
ao longo de uma escala. Calibrando-se o dinamômetro com pesos
conhecidos, pode-se determinar quanta força é necessária para mover
o ponteiro a uma distância específica da escala (POWERS; HOWLEY,
2005, p. 420).

16
TÓPICO 1 | OS FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

FIGURA 6 – TESTE EM DINAMÔMETRO DE FORÇA LOMBAR E PREENSÃO


MANUAL

FONTE: Disponível em: <https://www.google.com.br/


search?q=dynamometer+children>. Acesso em: 7 fev. 2017.

Apesar deste tipo de testes não apresentar grande nível de especificidade,


eles apresentam boas relações com determinados esportes, ou pelo menos com
testes mais específicos de determinados esportes. O teste de preensão manual,
por exemplo, apresenta-se como uma boa ferramenta para avaliar tenistas ou
praticantes de esportes de raquete, visto da necessidade da força para realizar
a empunhadura da raquete (REID; SCHNEIKER, 2008). Neste sentido, Lemos
(2015) ressalta a importância de acompanhar variáveis relacionadas à força
em adolescentes tenistas para identificar possíveis desequilíbrios de força e,
consequentemente, evitar o risco de desenvolvimento de instabilidade e lesão na
articulação do ombro. Esta citação poderemos aplicar a outros tipos de esportes
nos quais o movimento de membros superiores é predominante, como o basquete,
handebol e vôlei.

Além disso, o desenvolvimento da força parece estar relacionado ao


crescimento e à maturação, bem como é influenciado pelo tipo de treinamento e a
modalidade praticada. Neste sentido, modalidades coletivas, por exemplo, podem
desenvolver a força de jovens e adolescentes de maneira diferente que modalidades
individuais. Por isso a importância de se analisar a ferramenta que poderá ser
utilizada de maneira mais adequada para atender aos objetivos do professor e do
planejamento.

Durante esse período da puberdade, o aumento do torque muscular tem


sido atribuído a diferentes alterações nas características morfológicas,
biomecânicas, neurais e hormonais do sistema neuromuscular
e neuroendócrino. Além disso, a participação em programas de
treinamento esportivo organizados também pode influenciar
positivamente o desenvolvimento do torque muscular. Os estudos
realizados com adolescentes jogadores de futebol têm apresentado
resultados consistentes mostrando que o torque muscular concêntrico e
excêntrico dos extensores e flexores do joelho em diferentes velocidades
angulares aumenta progressivamente entre os 9-21 anos de idade
(TEIXEIRA, 2015, p. 24).

17
UNIDADE 1 | FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

Outro tipo de teste que é comumente utilizado para avaliar os aspectos de


força e potência muscular, principalmente de membros inferiores, são os testes de
saltos verticais. Acreditamos, caro acadêmico, que os mais utilizados são os saltos
com contramovimento (CMJ) e os saltos contínuos (CJ). A questão que mais
implica este tipo de avaliação é a necessidade de uma plataforma de força ou de
um equipamento similar. Porém, primeiramente queremos explicar rapidamente
como este tipo de teste funciona e depois vamos apresentar algumas evidências
que mostram a aplicação prática deles.

FIGURA 7 – TESTE DE SALTOS VERTICAIS

A = posição inicial. B = ângulo do joelho próximo a 90º. C = joelho em


completa extensão no salto. D = aterrissagem

FONTE: Bosco (1999)

O CMJ investiga os níveis de força explosiva exercida, a capacidade de


recrutamento neural e a reutilização da energia elástica (BOSCO, 1999). Neste salto
ocorre participação do ciclo alongamento-encurtamento, potencializando a ação
muscular por meio da energia elástica acumulada e aos reflexos de estiramento.
O uso do salto CJ possibilita os profissionais da área a diagnosticar os processos
neuromusculares e metabólicos em esforços de alta intensidade e curta duração. O
teste CJ é importante para avaliação de praticantes que participam de esportes onde
a potência muscular é um fator determinante para rendimento, como por exemplo
o futebol ou o futsal, considerando que, os mecanismos de força produzidos no CJ
são muito sensíveis as características dos sujeitos e as mudanças no treinamento
(BOSCO, 1999).

No protocolo do CMJ, o indivíduo realizará os saltos verticais a partir de


uma posição em pé, com as mãos na cintura, precedido por um contramovimento,
o qual consiste em uma aceleração para baixo do centro de gravidade, flexionando
os joelhos até próximo aos 90º. Durante o salto, o tronco deverá manter-se o mais
vertical possível. São realizadas três tentativas para o CMJ, sendo considerada para

18
TÓPICO 1 | OS FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

análise a média das alturas obtidas. O teste do CJ consiste na execução de saltos


com contramovimento, de modo contínuo, por um período de 15 segundos. Como
nos demais saltos, o sujeito mantém o tronco o mais vertical possível e as mãos
no quadril, com o ângulo do joelho sempre próximo aos 90º ao final da fase de
descida. No protocolo CJ realiza-se apenas uma tentativa, tendo em vista ser um
teste mais exaustivo. Assim, utiliza-se para análise a altura média relativa de todos
os saltos realizados em um período determinado de tempo.

GRÁFICO 1 – COMPARAÇÃO DE SALTOS VERTICAIS NO FUTEBOL E FUTSAL

FONTE: Silva et al. (2012)

Veremos, em seguida, alguns aspectos mais práticos envolvendo a avaliação


de saltos verticais. Podemos ver como um exemplo de aplicação prática o estudo
de Silva et al. (2012), que demonstrou que praticantes de futebol e futsal parecem
apresentar níveis semelhantes de potência muscular. Apenas os zagueiros no
futebol apresentaram maiores níveis de potência quando comparados aos meio
campistas, porém, no futsal, os atletas apresentaram níveis similares de potência
muscular. Independente da categoria, tanto os praticantes de futebol quanto de
futsal, apresentaram níveis semelhantes de potência muscular.

Podemos observar que a partir do que foi dito e com base na figura
apresentada, o planejamento do treinamento para o desenvolvimento da força e
potência muscular poderia ser realizado de acordo com esses aspectos. Vale ressaltar
que não podemos generalizar achados de alguns estudos para outras realidades ou
outras populações. Por isso, a importância de você, como profissional, escolher a
melhor ferramenta e a maneira como você as aplicará nos seus alunos no contexto
que você está inserido.

Neste contexto, podemos ainda destacar um outro estudo realizado pelo


nosso grupo de pesquisa em Biomecânica e Fisiologia do Exercício na Universidade
Federal de Santa Catarina (DAL PUPO et al., 2016). Este estudo apresentou dados
interessantes sobre a relação entre os saltos verticais e a capacidade de realizar
sprints. O objetivo do trabalho foi comparar ao desempenho nos saltos verticais e
sprints repetidos realizados com mudança de sentido e linha reta entre jogadores

19
UNIDADE 1 | FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

de futsal das categorias sub-15 e sub-17. Foram avaliados 15 jogadores do sexo


masculino, que realizaram saltos verticais e testes de sprints repetidos em linha
reta e mudança de sentido. Foram observadas em ambas as categorias que
desempenho nos sprints, tanto de linha reta quanto com mudança de sentido
apresentaram relação com os saltos verticais. Em outras palavras, podemos dizer
que, como conclusão do estudo, independente da categoria ou faixa etária abaixo
ou acima dos 15 anos a potência muscular estaria relacionada com o desempenho
nos sprints.

TABELA 1 – SALTOS VERTICAIS EM DIFERENTES FAIXAS ETÁRIAS

FONTE: Dal Pupo et al. (2016)

Caro acadêmico! Na tabela anterior estão apresentadas as características


dos sujeitos. Na tabela a seguir, você poderá observar uma tabela apresentada pelo
estudo citado que apresenta a relação entre os saltos verticais com contramovimento
(CMJ) e o desempenho de sprints. Observe que, o CMJ foi relacionado com ambos
sprints, em linha reta ou mudança de sentido, mas a relação maior foi observada
nos sprints de linha reta. Se você observar o tempo médio em linha reta, por
exemplo (TMLR), a relação foi de -0,87, ou seja, uma relação alta visto que o maior
valor possível é 1,00 e, basicamente, mostra que quanto maior o salto CMJ menor
o tempo médio para realizar este tipo de sprint. Importante destacar que o nível de
potência muscular pode ser considerado um dos aspectos mais importantes para
praticantes de modalidades coletivas considerando esta relação com o desempenho
na capacidade de sprints repetidos, que também é de suma importância para um
bom desempenho nestas modalidades.

20
TÓPICO 1 | OS FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

TABELA 2 – SALTOS VERTICAIS E DESEMPENHO DE SPRINTS

FONTE: Dal Pupo et al. (2016)

Assim, levando em consideração o que foi exposto previamente, avaliar


a capacidade de realizar sprints é de suma importância, principalmente em
modalidades coletivas e com características intermitentes. Entre estas, podemos
destacar o basquete, handebol, futsal, futebol, hóquei, rúgbi, tênis, entre outras.
Existem, basicamente, duas formas de avaliar a qualidade física de velocidade
e resistência de velocidade de membros, bem como a resistência e potência
anaeróbia. Afinal de contas qualquer movimento que exija a velocidade de
membros vai depender principalmente do fornecimento de energia anaeróbio,
mas isso será melhor abordado no próximo tópico. Entretanto, mantendo o foco no
tipo de avaliação para estas qualidades físicas, uma das formas bastante utilizadas
é o esforço em linha reta de 10 e 30 m.

Geralmente, quando professores e/ou treinadores adotam realizar a avaliação


de 10 e 30 m, anota-se o tempo que o aluno levará para percorrer esta distância de
30 m iniciando no ponto 0 com o corpo partindo de posição estática. Anota-se
também o tempo que o aluno levará para percorrer 10 m. Desta forma, obtém-se
uma medida de aceleração de 10 m e outra medida de 20 m lançados, ou seja, do
décimo metro que ele já estava correndo até o trigésimo metro. O ideal é realizar
estes testes com fotocélulas que irão capturar o tempo exato de deslocamento.
Porém, considerando a realidade de muitos lugares, dois avaliadores experientes
utilizando-se de cronômetros já trará a possibilidade de uma boa avaliação. É
sempre importante destacar a necessidade de um aquecimento adequado e, neste
caso específico de avaliação, geralmente são recomendadas duas ou três tentativas
com intervalos de 3 a 5 minutos entre elas, para anotar o melhor tempo que será
considerado como medida de aceleração e velocidade.

Quanto à avaliação da capacidade de repetir sprints um dos testes mais


utilizados em clubes, associações esportivas e bem disseminado na literatura é o
teste de Rampinini et al. (2007). Este teste já apresentou validade ao ser comparado
com a performance no futebol, por exemplo, é um teste de fácil aplicação e
reproduz alguns movimentos específicos das modalidades coletivas. O protocolo
é composto por 6 sprints de 40 m com uma mudança de sentido (180°) a cada 20

21
UNIDADE 1 | FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

m do percurso. O período de recuperação é de 20 segundos entre cada sprint de


forma passiva. O avaliado deve iniciar o teste em posição estática, e ser estimulado
verbalmente para executar cada sprint no menor tempo possível. Antes de realizar
o teste é importante a realização de aquecimento específico. Com o teste de
Rampinini é possível a determinação de variáveis relacionadas ao desempenho
anaeróbio alático (como o melhor tempo – Tmel); e lático como o tempo médio e/
ou total para realizar os 6 sprints (Tmed, Ttotal, respectivamente).

TABELA 3 – DESEMPENHO DE SPRINTS REPETIDOS

FONTE: Nascimento et al. (2014)

Agora, observe a tabela acima por alguns instantes. O objetivo deste


trabalho foi comparar as características antropométricas e de performance aeróbia
e anaeróbia em jogadores de futebol entre as categorias infantil e juvenil. Observe
você na tabela apresentada que tanto as características de velocidade (10 e 30 m)
quanto as variáveis de desempenho anaeróbio (Tmel, Tmed, Ttotal) foram menores
na categoria de atletas juvenis quando comparados com os infantis. Como uma
das conclusões do estudo podemos dizer que encontramos que os efeitos da
idade cronológica influenciam na potência aeróbia máxima e nas performances
anaeróbias, como demonstrado pelo melhor desempenho dos juvenis tanto no
teste aeróbio, na habilidade de repetir sprints quanto na capacidade de aceleração
(NASCIMENTO et al., 2014).

22
RESUMO DO TÓPICO 1
Neste tópico, você aprendeu que:

• O treinamento esportivo pode ser pensado observando os fundamentos do


treinamento esportivo e os processos de avaliação do treinamento.

• Existem diversos fundamentos do treinamento esportivo englobando os


aspectos físicos, técnicos, táticos e psicossociais.

• São diversos os objetivos do treinamento e entre eles podemos destacar o


desenvolvimento físico de maneira global, os fatores técnicos e táticos, os fatores
ligados à saúde e os aspectos psicossociais.

• O treinamento físico pode ser dividido em treinamento geral e específico e


aperfeiçoamento das capacidades biomotoras.

• Uma ferramenta de avaliação poderá ser avaliada pela sua especificidade,


reprodutibilidade, validade, aplicação educacional e, poderá ser dividida em
avaliações laboratoriais ou testes de campo.

• As qualidades físicas podem ser classificadas em três grandes grupos: força,


resistência e velocidade. Dentro de cada um desses grandes grupos haverá
outras subdivisões. A força pode ser dividida em estática, dinâmica e explosiva.
A resistência em aeróbia, anaeróbia e resistência muscular localizada. Enquanto
que a velocidade poderá ser dividida em de deslocamento, de membros e de
reação.

• Os testes podem ser específicos para a avaliação de um dos componentes físicos


ou mais amplos e generalizados como um teste que vise, por exemplo, avaliar
ao mesmo tempo a performance física e técnica de um grupo de indivíduos.

23
AUTOATIVIDADE

1 A área de conhecimento acerca da metodologia do treinamento esportivo é


muito abrangente. São diversos fundamentos que precisam ser observados.
Existem princípios e objetivos que precisam ser seguidos. Assim, os processos
de avaliação precisam ser coerentes com os fundamentos e objetivos do
treinamento. Dessa forma, assinale as alternativas relacionadas ao conteúdo
deste tópico com V para verdadeiro ou F para falso:

( ) Os aspectos psicológicos não são treináveis e não precisam ser observados


no processo de treinamento.
( ) A avaliação física de qualquer componente físico deve ser feita somente em
laboratório para que seja válida.
( ) As qualidades físicas podem ser divididas em três grandes grupos: força,
resistência e velocidade.
( ) O aspecto de aplicação educacional deve ser observado como um dos
quesitos para escolher uma avaliação.
( ) Uma ferramenta de avaliação precisa ser válida, reprodutível e específica
para fazer com que a avaliação seja adequada.
( ) Existem inter-relações entre as qualidades físicas que formam outras
categorias com a potência, por exemplo.

24
UNIDADE 1
TÓPICO 2

O TREINAMENTO DA APTIDÃO AERÓBIA E


ANAERÓBIA

1 INTRODUÇÃO
Olá, acadêmico! Vamos dar continuidade aos nossos estudos sobre o
treinamento desportivo em um novo tópico sobre a aptidão aeróbia e anaeróbia.
Veja bem, caro acadêmico, este tópico estará dividido em duas partes principais,
o primeiro sobre desenvolvimento da aptidão aeróbia e; o segundo sobre o
desenvolvimento da aptidão anaeróbia.

Para falarmos de desenvolvimento para estas aptidões precisamos pensar


que elas são treináveis, ou seja, o treinamento ou a falta deste poderá modificá-las.
Além disso, precisamos saber que é muito importante ter um conhecimento mais
aprofundado sobre a Fisiologia do Exercício, área que contribuirá para um melhor
entendimento destas aptidões no contexto do que é possível e do que é treinável
em relação à aptidão aeróbia e anaeróbia. O conhecimento fisiológico também
proporcionará saber qual é a influência genética e quais são os melhores estímulos
e métodos para treinar tais capacidades.

Dessa forma, você perceberá que este tópico busca proporcionar


conhecimentos acerca da Fisiologia do Exercício e da Teoria e Metodologia
do Treinamento Esportivo na busca de um entendimento mais amplo do
funcionamento do organismo nos aspectos aeróbios e anaeróbios. Buscará
abordar também de que forma é possível avaliar estas aptidões e quais
as possibilidades que existem para tal. Você estudará também algumas
possibilidades de treinamento aeróbio e anaeróbio e de que forma o profissional
de Educação Física poderá planejar seu trabalho para o desenvolvimento de
tais habilidades.

Participe conosco do estudo de mais um tópico que trará novos


conhecimentos ou uma melhor compreensão destes assuntos para sua formação
acadêmica e seu crescimento profissional, bem como novas possibilidades
para o treinamento desportivo na sua atuação profissional. Ressalta-se que o
entendimento completo do funcionamento do organismo aeróbio e anaeróbio é
imprescindível para que o profissional possa administrar cargas de treinamento
de maneira adequada aos indivíduos, respeitando seus limites, sua saúde,
suas capacidades, sua faixa etária e seus objetivos. O treinamento aeróbio e
anaeróbio adequado possibilitará um ótimo desenvolvimento do indivíduo de
maneira global.

25
UNIDADE 1 | FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

2 APTIDÃO AERÓBIA
Acreditamos que o primeiro passo que precisamos dar é um entendimento
geral do que é a aptidão aeróbia. A palavra “aptidão”, segundo o dicionário
Priberam (2017), está relacionada à capacidade, disposição ou à qualidade de
estar apto. Enquanto que, a palavra “aeróbio”, segundo o site Significados (2017),
quer dizer "com oxigênio" ou "na presença de oxigênio" e refere-se a tudo que
necessita de oxigênio para subsistir. A respiração aeróbia ou aeróbica necessita do
oxigênio (O2), que é usado como agente oxidante e essa propriedade importante
do O2 é utilizada pelas células para produzir uma forma utilizável de energia e
converter moléculas de carboidratos, gorduras e proteínas em moléculas de ATP
(trifosfato de adenosina) e gerar energia (POWERS; HOWLEY, 2005). O ATP é a
fonte imediata de energia para a contração muscular.

FIGURA 8 – A RESPIRAÇÃO CELULAR

FONTE: Disponível em: <https://www.google.com.br/search?q=mitocondria&source>. Acesso


em: 13 fev. 2017.

Observe, caro acadêmico, que estamos buscando alguns conhecimentos


básicos da Fisiologia nesta parte introdutória. Demos agora um passo atrás,
praticamente voltamos a conhecimentos do ensino médio somente para relembrar
que a respiração celular vai ocorrer em uma minúscula organela denomina
mitocôndria. É lá na mitocôndria, dentro do citoplasma celular, ou, no caso das
células musculares, o sarcoplasma, ou seja, o meio intracelular, que o O2 vai
realizar seu papel fundamental e terminar sua jornada que começou quando o
ar foi inspirado. Na figura anterior, no lado esquerdo podemos ver um esquema
didático de um músculo, composto por diversas fibras musculares, que por sua
vez são compostas por miofrilas e filamentos de actina e miosina. Podemos ver
outras organelas que fazem parte da célula muscular, como o núcleo celular e o
retículo sarcoplasmático. A mitocôndria pode ser considerada a “usina celular”,
pois está envolvida na conversão oxidativa de nutrientes em energia celular
utilizável, o ATP, e existem diversas delas envolvendo a fibra muscular (POWERS;
HOWLEY, 2005). Lembramos, ainda, que a mitocôndria estará dividida em dois
espaços distintos o espaço intermembranoso e a matriz mitocondrial. Estes espaços
estão divididos por uma membrana interna e a mitocôndria é revestida por uma
membrana externa.

26
TÓPICO 2 | O TREINAMENTO DAS CAPACIDADES AERÓBIAS E ANAERÓBIAS

Importante destacar ainda que é na membrana interna da mitocôndria que


está localizada a cadeia de transporte de elétrons ou cadeia respiratória. O ciclo
de Krebs, que está localizado no interior da mitocôndria na matriz mitocondrial,
juntamente com a cadeia respiratória vai interagir como vias metabólicas
cooperativas para que ocorra a produção aeróbia de ATP. Esse processo de
produção de energia é denominado fosforilação oxidativa.

A função primária do ciclo de Krebs (também denominado de ciclo


do ácido cítrico) é o término da oxidação (remoção de hidrogênio) dos
carboidratos, das gorduras ou proteínas com a utilização de NAD ou
FAD como transportadores de hidrogênio (energia). A importância
da remoção é que os hidrogênios (em virtude dos elétrons que eles
possuem) contêm a energia potencial das moléculas dos alimentos. Essa
energia pode ser utilizada na cadeia de transporte de elétrons a fim de
combinar o ADP + Pi para ressintetizar o ATP. O oxigênio não participa
das reações do ciclo de Krebs, mas é o aceptor final de hidrogênio no
fim da cadeia de transporte de elétrons (isto é a água é formada, H2 + O
= H2O) (POWERS; HOWLEY, 2005, p. 35).

ATENCAO

É preciso destacar aqui uma explicação sobre o que foi dito no texto anteriormente.
O hidrogênio é removido dos substratos nutricionais nas vias bioenergéticas e transportados
por “moléculas transportadoras”. Nicotinamida adenina dinucleotídeo (NAD) e flavina
adenina dinucleotídeo (FAD) são duas importantes moléculas transportadoras (POWERS;
HOWLEY, 2005).

Observe você na Figura 10 a demonstração de um “zoom” na atividade


mitocondrial. Neste caso, para efeitos didáticos está demonstrada somente uma
formação de energia através da glicose ou da via glicolítica. Porém a fosforilação
oxidativa para a geração de energia de maneira aeróbia inicia com uma molécula
de dois carbonos chamada acetilcoenzima A ou acetil-CoA. O acetil-CoA pode ser
formado pela degradação tanto de carboidratos, gorduras ou proteínas e vai passar
por uma série de reações no ciclo de Krebs o que vai formar CO2, NAD e FAD. A
NAD e a FAD por sua vez vão transportar os elétrons e os íons de hidrogênio (H+)
para a cadeia respiratória. É ali, durante os processos da cadeia respiratória, que
o O2 vai exercer seu papel fundamental na produção de ATP de forma aeróbia, o
O2 que respiramos entra na mitocôndria e age como receptor de H+ para formar
H2O que vai sair da célula. O O2 permite que os elétrons continuem passando pela
cadeia transportadora e que estes processos não sejam interrompidos, dessa forma,
enquanto há O2 presente há formação de energia aeróbia (POWERS; HOWLEY,
2005).

27
UNIDADE 1 | FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

FIGURA 9 – O PAPEL DO O2 E A FORMAÇÃO AERÓBIA DE ENERGIA

FONTE: Disponível em: <https://www.google.com.br/search?q=mitocondria&source>.


Acesso em: 13 fev. 2017.

Se o O2 tem
­
esse importante papel no metabolismo aeróbia, qual é o caminho
que ele percorre para chegar até a mitocôndria? A partir do ar que respiramos
como que o O2 chega lá neste momento final de produção de energia que vimos até
aqui para formar água?

FIGURA 10 – O SISTEMA RESPIRATÓRIO

FONTE: Powers e Howley (2005)

28
TÓPICO 2 | O TREINAMENTO DAS CAPACIDADES AERÓBIAS E ANAERÓBIAS

O oxigênio vai entrar pelas narinas e passar pela cavidade nasal. Existem
outros órgãos do sistema respiratório que vão auxiliar a filtrar o ar e transportá-lo
para o interior dos pulmões, a faringe, laringe, traqueia e a árvore brônquica. O
sistema respiratório tem como principal objetivo prover um meio de troca gasosa,
em outras palavras, permitir que um indivíduo possa liberar o CO2 que está
acumulado no sangue e repor o O2 que está sendo utilizado durante uma tarefa.

A troca de O2 e CO2 entre os pulmões e o sangue ocorre em consequência


da ventilação e da difusão. O termo ventilação se refere ao processo
mecânico de mobilização do ar para dentro e para fora dos pulmões.
Difusão é o movimento aleatório das moléculas de uma área de
concentração elevada para uma área de menor concentração. Como
a tensão de O2 nos pulmões é maior do que no sangue, o O2 se move
daqueles para este. Similarmente a tensão do CO2 no sangue é maior do
que a tensão do CO2 nos pulmões, consequentemente este se move do
sangue para os pulmões e é expirado (POWERS; HOWLEY, 2005, p. 35).

Podemos salientar também que a respiração acontece por diferença de


pressão. Os pulmões são revestidos por uma fina camada chamada pleura. A
pleura reveste tanto os pulmões como a caixa torácica e o músculo diafragma. A
pressão na cavidade interna da pleura é menor do que a pressão atmosférica e se
torna mais baixa ainda durante a inspiração. O diafragma desempenha um papel
fundamental na mecânica da respiração. Existem outros músculos que participam
aumentando o volume torácico, mas o diafragma é o principal músculo inspiratório.
Quando o diafragma se contrai aumenta o espaço torácico e diminui a pressão
intrapleural e a pressão intrapulmonar fazendo os pulmões se expandirem. Assim,
a pressão atmosférica, que é maior, faz com que o ar flua para dentro dos pulmões.
FIGURA 11 – A MECÂNICA RESPIRATÓRIA

FONTE: Powers e Howley (2005)

29
UNIDADE 1 | FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

O caminho do ar, desde a faringe (garganta), no sistema respiratório pode


ser dividido em duas etapas. Uma zona de condução e uma zona respiratória.
Como o nome propriamente já diz, a zona de condução inclui todas as estruturas
que auxiliam na passagem do ar até chegar à zona respiratória, bem como
umidificam e filtram o ar. Destacamos como estruturas desta zona a traqueia,
árvore brônquica, os bronquíolos e os bronquíolos terminais. A zona respiratória é
onde ocorre a troca dos gases propriamente dito. Nesta zona estão os bronquíolos
respiratórios e os sacos alveolares. A troca gasosa ocorrerá através de pequenas
estruturas chamadas de alvéolos. Estima-se que a área superficial total de alvéolos
em um pulmão humano é de mais 60 metros.

FIGURA 12 – O CAMINHO DO OXIGÊNIO

FONTE: Powers e Howley (2005)

Dessa forma, observe, caro acadêmico, que nos alvéolos é onde o O2 entra
na corrente sanguínea para seguir sua jornada até o músculo. Ressalto que esta
troca ocorrerá por diferença de pressão e, dessa forma, o CO2 deixa a corrente
sanguínea e é expirado. Grande parte do O2 que seguirá caminho para o organismo
recebe uma “carona”, ou seja, ele é conduzido pelas artérias. A molécula que vai ser
responsável por dar essa “carona”, de conduzir a maior parte (aproximadamente
99%) do O2 que entra na circulação sanguínea é a hemoglobina. Perceba na figura
anterior que o O2 ligado à hemoglobina vai seguir para o coração e depois é
bombeado juntamente com o sangue para o restante do corpo.

30
TÓPICO 2 | O TREINAMENTO DAS CAPACIDADES AERÓBIAS E ANAERÓBIAS

A rota segue então com o O2 ligado à hemoglobina, passando pela veia


pulmonar até o átrio esquerdo no coração, e depois para o ventrículo esquerdo
que vai enviar a hemoglobina através da aorta para o restante do corpo. O O2 é
necessário em todas as outras partes do corpo, principalmente no tecido cerebral,
mas para o nosso contexto aqui, do treinamento, o destino final do O2 é o tecido
muscular. No entanto, para chegar ao destino final o O2 precisa fazer uma
“baldeação” podemos assim dizer, ele vai deixar sua ‘carona’ com a hemoglobina
para pegar uma nova ‘carona’, agora num trecho menor, com a mioglobina. A
mioglobina é uma proteína que se encontra no músculo esquelético e cardíaco,
mas não é encontrada no sangue. O papel dela é pegar o O2 que está chegando à
membrana da célula muscular e levá-lo para o interior das mitocôndrias. Como
dito anteriormente, é lá no músculo que o O2 vai agir auxiliando na produção de
energia em forma de ATP de maneira aeróbia. Dito tudo isto, acreditamos agora,
caro acadêmico, que conseguiremos entender melhor a aptidão aeróbia e as
possibilidades de desenvolvimento desta.

E
IMPORTANT

Resumindo o que foi visto até o momento sobre a aptidão aeróbia, destacamos
que precisamos ter claro em mente que a formação de energia de forma oxidativa é dependente
da disponibilidade de O2. Com O2 disponível para o tecido celular, mais especificamente em
nosso contexto no músculo, a formação de energia aeróbia vai ocorrer na mitocôndria com
o ciclo de Krebs e a cadeia respiratória participando efetivamente desse processo. A produção
de energia aeróbia pode ocorrer utilizando as diferentes formas de substratos energéticos,
gordura, carboidrato e proteína, em maior ou menor grau dependendo da intensidade e da
duração do exercício.

3 O DESENVOLVIMENTO DA APTIDÃO AERÓBIA


Agora, caro acadêmico, vamos pensar em aspectos um pouco mais práticos
relacionados à aptidão aeróbia. Esta qualidade física pode ser dividida em dois
aspectos, a capacidade aeróbia e a potência aeróbia. A capacidade aeróbia está
relacionada à resistência de um indivíduo (ou seja, o organismo deste) em sustentar
esforços físicos por um longo período de tempo. Em outras palavras, podemos
dizer que está relacionada à produção de energia aeróbia de maneira predominante
com a mínima participação do metabolismo anaeróbio, a capacidade do organismo
produzir energia através das vias oxidativas.

31
UNIDADE 1 | FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

FIGURA 13 – EVENTOS DE LONGA DURAÇÃO

FONTE: Disponível em: <https://www.google.com.br/search?q=maratona&source>. Acesso em:


13 fev. 2017.

Num aspecto mais prático podemos pensar, por exemplo, que os esforços
físicos que são caracterizados pela sustentação por um longo período de tempo e
dessa forma em intensidades mais baixas. Esse tipo de exercício exigirá uma alta
resistência dos indivíduos em realizar tais tarefas, tais como a maratona, triátlon e
maratonas aquáticas. Considere que, para conseguir sustentar tal tipo de exercício
um indivíduo terá que realizá-lo em uma intensidade relativamente mais baixa,
e esse é um ponto importante para entendermos do funcionamento das vias de
produção de energia, intensidade e duração sempre estão em direção opostas e
uma precisará diminuir para a outra aumentar. Assim, dependendo desta relação
a participação aeróbia para a produção de energia vai ser maior ou menor.

Podemos observar então que os eventos de longa duração são dependentes


da capacidade de o metabolismo produzir energia de maneira aeróbia. Neste tipo
de esforços indivíduos realizarão o exercício por um longo período de tempo, ou
seja, horas, e em baixa intensidade, 50% ou menos da capacidade máxima. Porém,
a pergunta que precisa ser feita então é: e os eventos de curta duração? Como
por exemplo as provas de 1500 metros e 3000 metros com obstáculo no atletismo,
determinadas provas na natação como a de 400 metros, boa parte dos esportes
coletivos, entre outros.

Estes tipos de esforços vão ser caracterizados pela necessidade de gerar


energia da maneira mais rápida e eficiente possível. Dessa forma, estes exercícios
serão classificados como dependentes da potência aeróbia. Pensemos no conceito
de potência que é força versus velocidade, assim pode-se dizer que a potência aeróbia
está relacionada a produzir em maior quantidade de energia de maneira oxidativa
no menor tempo possível. Um dos índices fisiológicos que representa a potência
aeróbia é o consumo máximo de oxigênio (VO2max). Como o nome já sugere o
VO2max é definido com a taxa mais alta de captação (pulmões), transporte (vasos)
e utilização (células musculares) de oxigênio no nível do mar para fornecimento de
energia necessária à locomoção (POWERS; HOWLEY, 2005). Mais adiante vamos
analisar possibilidades de avaliação para mesurar e estimar o VO2max.

32
TÓPICO 2 | O TREINAMENTO DAS CAPACIDADES AERÓBIAS E ANAERÓBIAS

É preciso destacar para vocês acadêmicos que todas as vias de produção de


energia trabalhem simultaneamente. Assim, mesmo nas atividades físicas de baixa
intensidade, onde o predomínio é aeróbio, o metabolismo anaeróbio vai trabalhar,
mas com uma pequena parcela de produção. Em outras palavras, podemos dizer
que sempre haverá uma parcela de contribuição anaeróbia para a produção total
energética, mas dependendo da intensidade e duração do esforço essa contribuição
será em maior ou menor grau.

ATENCAO

Intensidade e duração: GUARDE bem estas duas palavras, elas serão muito
importantes no planejamento e prescrição do treinamento, pois o trabalho sempre será pensado
baseado na relação das duas. Mais à frente, nas próximas unidades, você verá especificamente
como pensar as cargas de treinamento considerando estes aspectos.

TABELA 4 – SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA

FONTE: Powers e Howley (2005, p. 47)

33
UNIDADE 1 | FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

Observe a tabela anterior, Powers e Howley (2005) apontam no seu livro


de “Fisiologia do Exercício” a duração do exercício e o percentual de participação
aeróbia ou anaeróbia (parte superior). Na parte de baixo da figura podemos ver que
eles listaram uma série de modalidades e sua respectiva estimativa de participação
dos metabolismos. Com algumas ressalvas para as modalidades apresentadas,
visto que a tabela é baseada em dados mais antigos da literatura, os autores nos
permitem uma ideia de como funciona o metabolismo em diferentes eventos.

• O primeiro ponto a ser destacado, como já dito anteriormente, é que ambas as


vias aeróbias ou anaeróbias trabalham ao mesmo tempo para uma produção
total de energia.
• O segundo ponto é que depende da modalidade praticada, a predominância vai
ser aeróbia ou anaeróbia.
• Terceiro ponto é que a partir de aproximadamente três minutos de duração do
exercício a predominância de produção de energia vai ser sempre aeróbia.

3.1 AVALIAÇÃO DA APTIDÃO AERÓBIA


Para avaliar a capacidade e a potência aeróbia o método considerado
padrão ouro na literatura é a espirometria. A espirometria é um tipo de teste
utilizado há décadas, que vem evoluindo e passando por transformações com
o avanço tecnológico. Porém, o princípio é sempre o mesmo, a mensuração das
trocas de gases de um indivíduo com o ambiente durante algum tipo de exercício
(FOX; MATHEWS, 1983). Como dissemos anteriormente, o VO2max é uma medida
que indica a potência aeróbia máxima de um indivíduo em exercício envolvendo
grandes grupos de massa muscular.

Embora existam vários testes para estimar o VO2max, o meio mais


preciso é a mensuração laboratorial direta. A mensuração direta do
VO2max geralmente é realizada num laboratório utilizando-se uma
esteira motorizada ou uma bicicleta ergométrica, e a espirometria de
circuito aberto é utilizada para a mensuração da troca gasosa pulmonar.
[...] historicamente, a mensuração do VO2max tem sido considerada o
teste de escolha para a predição do sucesso em eventos de resistência,
como a corrida de longa distância (POWERS; HOWLEY, 2005, p. 407).

34
TÓPICO 2 | O TREINAMENTO DAS CAPACIDADES AERÓBIAS E ANAERÓBIAS

FIGURA 14 – ESPIROMETRIA EM ESTEIRA ROLANTE

FONTE: Os autores

Durante os testes de espirometria, além da medida do VO2max como


indicador de potência aeróbia, é possível determinar outras variáveis relacionadas
à capacidade aeróbia. Entre elas podemos destacar os limiares ventilatório e/
ou limiar de lactato e os limiares do início de acúmulo de lactato no sangue.
Entretanto, para podemos entender melhor isso precisamos pensar nas
características dos testes. Existem diversos protocolos de testes na literatura que
são válidos para a mensuração da capacidade e potência aeróbia. Eles geralmente
são realizados em esteira ou bicicleta ergométrica. Outro ponto importante
é que na maioria das vezes esses testes são realizados de maneira incremental,
aumentando a velocidade, inclinação (esteira) ou carga imposta (se for realizado
em cicloergômetro) buscando fazer o indivíduo atingir o seu máximo fisiológico
(FOX; MATHEWS, 1983).

Atualmente, na literatura existem dois tipos principais de testes incrementais,


o incremental de rampa e o teste de degrau. O princípio é o mesmo, aumentar a
carga ou a velocidade de execução durante o teste. A diferença consiste no grau
de aumento, enquanto no teste de rampa são realizados pequenos aumentos
sucessivos durante todo o teste, o protocolo de degrau é realizado em estágios de
3 a 5 minutos, geralmente, ou seja, a cada estágio aumenta a velocidade ou a carga
(DENADAI, 1999). No laboratório de esforço físico da Universidade Federal de
Santa Catarina, os protocolos adotados para este tipo de avaliação geralmente são:
se for teste degrau estágios de 3 min com aumentos de 1 km.h-1 se for na esteira, ou
30 W se for na bicicleta. Se for teste rampa aumentos de 0,5 km.h-1 a cada 30 s na
esteira, ou aumentos de 1 W a cada 2 s.

35
UNIDADE 1 | FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

GRÁFICO 2 – TESTES INCREMENTAIS DE DEGRAU OU RAMPA

FONTE: Os autores

Observe, no gráfico anterior, o teste de degrau realizado com um voluntário


(gráfico da esquerda), e o teste de rampa realizado com outro voluntário (gráfico da
direita). Perceba você que com o aumento da intensidade ocorre um aumento do VO2
até atingir valores máximos. Vamos pensar primeiramente no teste incremental de
degrau. Com o objetivo de estimar a capacidade cardiorrespiratória do indivíduo é
possível mensurar através deste tipo de teste os limiares de transição metabólica
pela análise do lactato sanguíneo e a potência aeróbia pela análise do consumo
máximo atingido e pela intensidade máxima. É preciso ter em mente que o
organismo apresenta comportamentos distintos de acordo com a intensidade do
exercício. Esses diferentes comportamentos podem ser nomeados como domínios
de intensidade de esforço ou domínios fisiológicos. Basicamente, a literatura
apresenta três domínios, o moderado, o pesado e o severo (DENADAI, 1999).

GRÁFICO 3 – DOMÍNIOS FISIOLÓGICOS

FONTE: Os autores

Num teste incremental de degrau, no final de cada estágio é coletada uma


gota de sangue, geralmente do lóbulo da orelha, para analisar a resposta do lactato
sanguíneo. Observe no gráfico anterior que durante o início do teste o lactato
permanece estável e depois começa a aumentar gradualmente. Um segundo
aumento ainda pode ser visto, mas este vai ser exponencial e o lactato vai continuar
aumentando até o indivíduo atingir o máximo de esforço. O primeiro aumento

36
TÓPICO 2 | O TREINAMENTO DAS CAPACIDADES AERÓBIAS E ANAERÓBIAS

acima dos valores de base vai ser denominado limiar de lactato (LL) e define o
limite superior do domínio moderado. O segundo aumento exponencial pode ser
definido como limiar anaeróbio (LAn) ou início de acúmulo de lactato no sangue e
define o limite do domínio pesado, entre o limiar de lactato e este último. Todas as
intensidades de esforço que estiverem acima do LAn serão no domínio severo e o
indivíduo atingirá seu máximo de esforço em poucos minutos (DENADAI, 1999).

E
IMPORTANT

O lactato sanguíneo é uma substância encontrada na circulação sanguínea ou


no músculo que pode indicar quanto uma atividade está tendo participação do metabolismo
anaeróbio. Quando o suprimento de O2 é deficiente para a musculatura em exercício ocorre
uma maior participação da via glicolítica para produzir energia de maneira anaeróbia e o
produto final dessa cadeia de reações é o lactato (ASTRAND; RODAHL, 1980).

Na prática, conhecer os domínios de intensidade de esforço ou domínios


fisiológicos são de grande valia, pois a partir destes poderá se ter uma estimativa
de quanto um indivíduo poderá se exercitar em determinada intensidade.
Basicamente, em intensidade do domínio moderado o indivíduo poderá realizar
horas e horas de exercício e os fatores que vão levá-lo a parar estão mais ligados
à fadiga do sistema nervoso central, como a motivação para realizar tal tarefa, só
para deixar um exemplo, atletas de Ironman ou Ultraman realizam as provas no
domínio moderado geralmente (BURNLEY; JONES, 2007). No domínio pesado,
os indivíduos ainda conseguem realizar esforços de longa duração, por exemplo,
podemos citar os maratonistas que geralmente realizam as provas em intensidades
muito próximas do limite superior do domínio pesado, o limiar anaeróbio. A
duração do exercício no domínio pesado pode variar de 30 minutos a 2 horas
ou mais, dependendo da capacidade do indivíduo e da intensidade (BURNLEY;
JONES, 2007). Vale lembrar que o limiar anaeróbio é um indicador de máxima fase
estável de lactato, ou seja, a produção de lactato que vai para a corrente sanguínea
ainda é “tamponada” por mecanismos próprios no organismo responsáveis por
isso. Em outras palavras, a produção e a capacidade de remoção ainda estão
balanceadas e pode-se dizer que é o ponto de máxima produção aeróbia de energia
com a menor participação do metabolismo anaeróbio (DENADAI, 1999).

Isto é importante porque muitos confundem e acham que a partir desse


ponto a predominância é anaeróbia, mas não é verdade. Nas intensidades do
domínio severo, a predominância de produção de energia ainda é AERÓBIA, mas
ocorre uma maior participação das fontes de energia anaeróbias e quanto maior a
intensidade maior será a participação anaeróbia, reveja a Tabela 4. Neste domínio
a duração do exercício geralmente vai ser menor do que meia hora e quanto mais
próximo da potência aeróbia máxima menor a duração (BURNLEY; JONES, 2007).
Um indivíduo poderá realizar um exercício na intensidade do VO2max com uma
duração de 5 a 6 minutos.

37
UNIDADE 1 | FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

Antes da puberdade, meninos e meninas não mostram nenhuma


diferença significativa na potência aeróbia máxima. Posteriormente
a potência das mulheres é, em média, 70 a 75 por cento daquela dos
homens. Em ambos os sexos existe um pico dos 18 aos 20 anos, seguido
por um declínio gradual na captação máxima de oxigênio. Aos 65 anos,
o valor médio é de aproximadamente 70 por cento do valor de um
indivíduo com 25 anos (ASTRAND; RODAHL, 1980, p. 292).

ATENCAO

As crianças e adolescentes apresentam níveis diferentes de aptidão aeróbia


e anaeróbia quando comparados com os adultos. As crianças, até a fase da puberdade,
apresentam menores concentrações de testosterona, que podem determinar menor hipertrofia
de fibras brancas (anaeróbias), uma maior atividade enzimática aeróbia e uma menor atividade
de uma enzima específica (PFK) da via glicolítica, assim produzem menos lactato e apresentam
um sistema anaeróbio menos desenvolvido, mas em compensação apresentam uma maior
capacidade aeróbia relativa em comparação aos adultos (ASTRAND; RODAHL, 1980; DENADAI,
1995).

Importante pensarmos que a análise laboratorial não é de fácil acesso.


Outro ponto importante é que a coleta de lactato sanguíneo é um método invasivo
e que vai necessitar de matérias de alto custo e equipamentos caros. Além disso,
se o objetivo for avaliar crianças e adolescentes pode não ser a melhor maneira de
avaliar este tipo de população. Na busca de evitar este tipo de análise e na tentativa
de se realizar avaliações com um melhor custo benefício muitos pesquisadores
propuseram algumas alternativas. A primeira que vamos destacar é a metodologia
dos limiares ventilatórios (LV).

GRÁFICO 4 – LIMIARES VENTILATÓRIOS

FONTE: Os autores

38
TÓPICO 2 | O TREINAMENTO DAS CAPACIDADES AERÓBIAS E ANAERÓBIAS

A primeira questão que você precisa ter em mente é que para que
possamos analisar os limiares ventilatórios é preciso realizar um teste de rampa.
O teste de rampa com aumentos sucessivos da intensidade, como já foi explicado
anteriormente, não é o ideal para medir as respostas do lactato ao exercício, por que
o que está sendo produzido no músculo não irá refletir determinada intensidade,
visto que os aumentos são constantes. Dessa forma, este tipo de protocolo é o ideal
para analisar a resposta de algumas variáveis pulmonares que respondem de
maneira similar ao lactato apontando o momento que ocorrerá a mudança de um
domínio fisiológico para outro (FOX; MATHEWS, 1983). O gráfico acima apresenta
duas das variáveis em que podem ser analisados os equivalentes ventilatórios de
O2 e CO2 (VE/VO2 e VE/VCO2, respectivamente). Ainda existem outras variáveis
que auxiliam na determinação dos LV, como a resposta da ventilação, do VCO2 e
da pressão parcial de O2 e do CO2 no final da expiração (FOX; MATHEWS, 1983;
DENADAI, 1995).

Para fins didáticos vamos nos concentrar na resposta do VE/VO2 e


do VE/VCO2. Como pode ser observado no gráfico acima, o comportamento
dessas duas variáveis permanece praticamente estável durante o início do teste
quando analisadas sobre o tempo ou a intensidade do exercício. O que ocorre
primeiramente é um aumento VE/VO2 e com a VE/VCO2 permanecendo estável, o
que indica o primeiro LV (LV1) ou o limite superior do domínio moderado. Com
a continuação do teste e o aumento das intensidades vai ocorrer um aumento da
acidose metabólica e queda do pH em consequência do lactato aumentado, o que
pode ser verificado por aumento simultâneo da VE/VO2 e VE/VCO2 ou o segundo
LV (LV2) indicando o limite entre domínio pesado e severo (DENADAI, 1995).

Na prática, então, é possível com um teste mais acessível determinar as


mesmas respostas fisiológicas do organismo. Talvez você, que hoje está cursando
esta disciplina, no futuro profissional trabalhe com avaliações do gênero em clínicas
esportivas e, para tal vai precisar ter um domínio deste conhecimento. Talvez em
sua atuação profissional você não participe diretamente deste tipo de avaliação,
mas muitos dos seus alunos poderão realizar testes de espirometria e trazer para
você avaliar os resultados ou, até mesmo, como uma forma de acompanhamento
do desenvolvimento dos mesmos.

Porém, pode ser que você ainda não esteja convencido e veja todo esse
conteúdo apresentado muito distante de sua realidade. Dessa forma, iremos
apresentar a vocês um método ainda mais acessível para a análise indireta das
respostas fisiológicas. Com o teste de rampa, que você poderá realizar em uma
esteira motorizada ou em um cicloergômetro em qualquer academia ou até mesmo
em casa, utilizando aumentos pequenos e graduais, como por exemplo 1 km por hora
a cada minuto, é possível determinar o ponto de deflexão da frequência cardíaca
(PDFC). É claro que, nos dias de hoje, com o avanço tecnológico, é muito acessível
mensurar a frequência cardíaca (FC). Encontra-se facilmente frequencímetros
por valores mais baixos do que um tênis simples. Muito também tem se utilizado
dos percentuais da FC para prescrever exercício. Há um consenso na literatura
que abaixo de 70% da FC máxima o indivíduo estaria se exercitando no domínio

39
UNIDADE 1 | FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

moderado e entre 70% e 90% da FC máxima o exercício seria no domínio pesado.


Contudo, utilizar os percentuais da FC cardíaca pode ser complicado pela variação
grande que esta variável apresenta (DENADAI, 1995; GALOTTI; CARMINATTI,
2008).

Entretanto, buscando ainda alternativas que se valessem do comportamento


da FC cardíaca e como de forma de avaliação mais acessível alguns autores,
entre eles destaque para Conconi et al. (1982) e Kara et al. (1996) têm proposto
maneiras de se analisar o PDFC durante testes de laboratório e de campo. Conconi
et al. (1982) buscaram estimar o limite superior do domínio pesado com uma
metodologia visual tentando identificar o momento no qual ocorre uma perda da
linearidade na relação FC e intensidade. Enquanto Kara et al. (1996) buscaram
propor um método matemático chamado de Dmáx buscando identificar este
mesmo fenômeno fisiológico. No próximo gráfico, você poderá visualizar dois
exemplos de determinação do PDFC, um por cada método. Na parte superior
está o método visual, enquanto na parte inferior está o método matemático. No
primeiro é importante ignorar os valores FC abaixo de 140 bpm e tentar identificar
o momento que a linearidade da FC é perdida. No segundo, a partir de regressão
polinomial de 3ª ordem se obtém uma equação de estimativa que vai calcular o
ponto mais distante entre a curva da FC e uma reta unindo o primeiro e o último
ponto.

40
TÓPICO 2 | O TREINAMENTO DAS CAPACIDADES AERÓBIAS E ANAERÓBIAS

GRÁFICO 5 – PONTO DE DEFLEXÃO DA FREQUÊNCIA CARDÍACA

FONTE: Galotti e Carminatti (2008)

DICAS

Se você, caro acadêmico, tem interesse em saber mais e entender melhor estas
questões que foram abordadas aqui como possiblidades de avaliação da aptidão aeróbia,
deixamos como dica o artigo do professor Benedito Sérgio Denadai, que foi utilizado como
referência algumas vezes no texto. Ou ainda, o livro do mesmo autor que trata sobre o assunto.

1. DENADAI, B. S. Limiar anaeróbio: considerações fisiológicas e metodológicas. Revista


brasileira de Atividade Física e Saúde, v. 1, n. 2, p. 74-88, 1995.
2. DENADAI, B. S. Índices fisiológicos de avaliação aeróbia: conceitos e aplicações. Ribeirão
Preto: BSD, 1999.

41
UNIDADE 1 | FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

Por fim, para que possamos encerrar esta parte sobre avaliação da aptidão
aeróbia não poderíamos deixar de mencionar aqui uma opção de avaliação de teste
de campo. Nesta unidade já abordamos as vantagens e desvantagens dos testes
de campo e não queremos ser repetitivos. Foi citado também, no Tópico 1, como
opção de avaliação da aptidão aeróbia o teste de vai e vem de 20 metros. A crítica
maior a este teste é que ele é contínuo com distância fixa e um grande número de
mudanças de direção o que poderia vir a subestimar a potência aeróbia. Pois bem,
queremos apresentar outra opção já validada na literatura e reprodutível que pode
ser talvez uma opção ideal para a realidade de alguns lugares onde o acesso a
avaliações laboratoriais é mais difícil. O protocolo a que nos referimos é o teste de
Carminatti (TCAR). As vantagens deste método consistem em estar mais próximas
da realidade dos esportes coletivos com distâncias variadas e pausas. Outro ponto
é a possibilidade da avaliação de vários alunos ao mesmo tempo e a fácil aplicação.

FIGURA 15 – ESQUEMA DO TESTE DE CARMINATTI

FONTE: Os autores

Nesse sentido, Carminatti et al. (2004) propuseram um teste de campo


incremental de corrida intermitente, o TCAR, a partir do qual se pode determinar
índices de capacidade e potência aeróbia. Ainda, Carminatti et al. (2005), em
um estudo com 112 atletas de modalidades intermitentes demonstraram que a
velocidade do PDFC se encontra em 80,4 ± 5,6% do pico de velocidade (PV) atingido
no TCAR, evidenciando a validade de identificação do limiar anaeróbio (limite
superior do domínio pesado) a partir de 80.4% do PV. Outra variável mensurada
no TCAR é o PV, que é a máxima velocidade alcançada em testes progressivos de
laboratório ou campo, apresentado como um indicador de potência aeróbia que
pode auxiliar na identificação da performance aeróbia (OLIVEIRA, 2004).

O TCAR é um teste incremental máximo, do tipo intermitente em sistema


“ida e volta”, com estágios de 90 segundos de duração, cada estágio com 5 repetições
de 12 segundos de corrida (distância variável), intercaladas por 6 segundos de
caminhada (± 5 m). O ritmo é ditado por um sinal sonoro, em intervalos regulares
de 6 segundos, que determinam a velocidade de corrida a ser desenvolvida nos
deslocamentos entre as linhas paralelas demarcadas no solo que podem ser
sinalizadas por cones. O teste inicia com velocidade de 9,0 km·h-1 (distância inicial
de 15 m) com incrementos de 0,6 km·h-1 a cada estágio, aumentando sucessivamente
1 m a partir da distância inicial até a exaustão voluntária do avaliado (SILVA et
al., 2011). Observe na figura anterior um esquema ilustrativo do teste. Lembrando

42
TÓPICO 2 | O TREINAMENTO DAS CAPACIDADES AERÓBIAS E ANAERÓBIAS

que o material necessário para o teste é basicamente uma caixa de som, alguns
cones para delimitar o espaço e as fichas do teste. É interessante a possibilidade
de avaliar o PDFC no TCAR, e para tal seria necessário o uso de frequencímetros.
Numa avaliação mais aprimorada ainda é possível coletar sangue para a análise
do lactato sanguíneo.

DICAS

Se você tem interesse em utilizar o teste ou aprender mais sobre ele acesse o
YouTube e veja os vídeos no link a seguir:

<https://www.youtube.com/watch?v=4WeoDhS2hmE>.

3.2 POSSIBILIDADES DE TREINAMENTO DA APTIDÃO AERÓBIA


Podemos considerar que existem diversas formas e possibilidades de
treinamento da aptidão aeróbia. O objetivo deste livro não é esgotar as alternativas,
e nem seria possível, mas sim deixar algumas dicas e informações do que pode ser
pensando para o aprimoramento aeróbio. Vale considerar também que ao longo
desta unidade, bem como nas demais, assuntos relacionados às possibilidades do
treinamento das diferentes qualidades físicas serão abordados. No entanto, vamos
considerar alguns aspectos nesse momento. Um dos mais importantes é a duração
dos esforços e sua relação com a intensidade. Lembrando que em esforços mais
longos e de menor intensidade sempre o sistema aeróbio de produção de energia
estará atuando de maneira predominante.

O desenvolvimento do sistema de transporte de oxigênio deveria ser


parte de qualquer programa para melhorar a capacidade de resistência.
A alta capacidade aeróbia, vital para o treinamento, também facilita
a recuperação rapidamente durante e após o treinamento. Uma
recuperação ágil permite que o atleta reduza o intervalo de descanso
e execute o trabalho com intensidade mais alta. Como resultado de
intervalos de descanso mais curtos, é possível aumentar o número de
repetições, aumentando também o volume do treinamento. Uma taxa
de recuperação mais rápida, conquistada pela alta capacidade aeróbia,
é também importante em desportos que requerem muitas repetições
de uma habilidade, como eventos de salto, ou um número grande
de períodos curtos de exercício intenso em desportos de equipe [...]
(BOMPA, 2002, p. 360).

É importante pensar que o treinamento aeróbio poderá ser dividido em


treinamento de capacidade ou potência aeróbia. A capacidade, como já foi dito,
vai estar sempre ligada à resistência do metabolismo em produzir energia pelo
maior tempo possível, enquanto que potência vai estar ligada a mais alta taxa
de produção de energia de maneira aeróbia. Assim, podemos pensar em dividir

43
UNIDADE 1 | FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

também o treinamento aeróbio em esforço de longa duração em intensidades


mais baixas, o chamado treinamento contínuo e/ou esforços de média duração
e intensidades elevadas, geralmente realizado de maneira intermitente e por isso
comumente chamado de treinamento intervalado.

Independente do modelo de treino adotado é preciso novamente pensar


na realidade de prática esportivas de nossos alunos, por exemplo, podemos nos
questionar: é interessante fazer um treinamento de corrida contínua em baixa
intensidade para um aluno que vai praticar um esporte coletivo, como o handebol,
por exemplo? O handebol não seria mais caracterizado por esforço de maior
intensidade e curta duração, intercalado por períodos de recuperação passiva ou
ativa? Considerando estes quesitos, podemos seguir em nossa argumentação. Se
o objetivo for melhorar a capacidade aeróbia e a prática esportiva exige este tipo
de movimento, o treinamento contínuo com esforços com duração superiores a
meia hora em intensidade moderada serão bem recomendados. Se você, em sua
prática, adotar algum dos tipos de avaliação mencionados anteriormente também
poderá pensar em melhorar o limite superior do domínio moderado e do domínio
pesado, ou seja, os limiares de lactato e de início de acúmulo de lactato no sangue,
ou os limiares ventilatórios, ou o ponto de deflexão da FC, dependendo do tipo de
avaliação que for utilizada (DENADAI, 1999; BOMPA, 2002).

Por outro lado, caro acadêmico, se você quiser melhorar a potência aeróbia
de seus alunos será preciso planejar a realização de esforços máximos ou próximos
do máximo. Você provavelmente já deve ter ouvido falar do tão badalado HIT
que virou febre nos últimos tempos. O termo vem da expressão em inglês high-
intensity training e nada mais é do que o conhecido treinamento intervalado. Porém
este tipo de treinamento é preciso quando se quer melhorar a potência aeróbia e é
recomendado para uma grande gama de modalidades, como as lutas, os esportes
coletivos de maneira em geral, determinadas provas da natação, como o 400 m,
provas de 800 m,1500 m e 3000 m no atletismo, entre tantas outras.

44
TÓPICO 2 | O TREINAMENTO DAS CAPACIDADES AERÓBIAS E ANAERÓBIAS

FIGURA 16 – TREINAMENTO INTERVALADO

FONTE: Buchheit e Laursen (2013)

A maneira como ele pode ser realizado, quais os tipos de estímulos, de que
maneira serão organizados vai depender muito da realidade que o profissional
estará inserido. Entretanto, em um estudo de revisão bastante interessante, Buchheit
e Laursen (2013) deixam algumas considerações importantes que poderemos ver
agora. Vejamos a figura esquemática apresentada por estes autores, visto que ela
está em inglês vamos analisar um pouco mais. A primeira divisão que podemos
pensar é a entre estímulo (work) e recuperação (relief). Para os estímulos precisamos
pensar nas variáveis de modalidade do estímulo (work modality), intensidade
(intensity), duração (duration), número de séries (# of series) e duração das séries
(series duration). Já quando pensarmos em planejar a recuperação vai ser preciso
pensar na intensidade da recuperação (passiva ou ativa), a duração da mesma, o
tempo entre as séries (time between series) e a intensidade da recuperação entre as
séries (between-series recovery intensity).

4 APTIDÃO ANAERÓBIA
Até o momento tratamos da aptidão aeróbia e das formas de avaliação.
Porém, acreditamos que como é de conhecimento, o organismo tem outras formas
de produzir energia para realizar trabalho. Entenda trabalho por qualquer tarefa
que necessitará do movimento de um ou mais grupos musculares. Sabemos
que esta outra forma de produção de energia é denominada de metabolismo
anaeróbio. O metabolismo anaeróbio, ao contrário do que foi estudado sobre
a produção de energia de forma aeróbia, não vai necessitar da presença do O2
para produzir energia. Outro ponto que precisa ficar destacado para você é, que

45
UNIDADE 1 | FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

a produção anaeróbia de energia pode ser de mais de uma forma. Para tal temos
então o metabolismo anaeróbio alático e o anaeróbio lático, ou seja, o primeiro
vai produzir o ATP sem produzir lactato e o segundo terá a produção de lactato no
final da via, respectivamente.

Novamente, queremos lembrar que é preciso o entendimento dos aspectos


fisiológicos para que possamos pensar em maneiras de desenvolver as aptidões de
nossos alunos, sabendo como aplicar as cargas de treinamento e de que forma eles
responderão a diferentes estímulos. Voltando ao assunto, somente relembrando o
que foi dito no tópico anterior, o ATP é a forma imediata de energia no organismo,
ou seja, a forma mais rápida para que um músculo possa realizar uma contração
(ASTRAND; RODAHL, 1980). Assim, sabemos que existem reservas de ATP no
organismo para que qualquer estímulo recebido possa ser atendido. Em outras
palavras, quando o músculo recebe um estímulo nervoso ele já possuirá uma
maneira de responder de maneira imediata utilizando a quebra do ATP para
que com esse potencial energético o estímulo seja correspondido (ASTRAND;
RODAHL, 1980).

5 DESENVOLVIMENTO DA APTIDÃO ANAERÓBIA


Dessa forma, o ATP que é um fosfato de alta energia, onde é armazenada a
energia provinda dos alimentos, pode ser “quebrado” por uma enzima específica
(rompimento da ligação pela enzima ATPase) resultando em ADP (uma adenina
e dois fosfatos) e Pi (fosfato inorgânico). Essa quebra vai gerar energia necessária
para que ocorra a contração muscular por exemplo. Observe na figura a seguir o
formato bioquímico das moléculas de ATP e ADP. Vale ressaltar também que é a
energia provinda dos alimentos, sejam de lipídeos, carboidratos ou proteínas, que
vão possibilitar a formação desses fosfatos de alta energia. A maior questão está na
quantidade limitada de ATP, em que as células musculares possuem e por isso a
necessidade do auxílio de outra via metabólica, a via do fosfato de creatina.

FIGURA 17 – FOSFATOS DE ALTA ENERGIA

FONTE: Disponível em: <http://www.sobiologia.com.br/conteudos/bioquimica/


bioquimica2.php>. Acesso em: 20 fev. 2017.

46
TÓPICO 2 | O TREINAMENTO DAS CAPACIDADES AERÓBIAS E ANAERÓBIAS

Como já vimos na Tabela 4, em esforços de alta intensidade a energia inicial


pode ser quase totalmente provinda do sistema anaeróbio. O sistema do fosfato de
creatina ou fosfocreatina (CP) vai atuar nos primeiros segundos do exercício para
gerar a energia de maneira mais rápida. Esse sistema também possui uma limitação
de estoques e poderá ter uma duração de 15 a 20 segundos. Todas as modalidades
ou esforços físicos utilizarão este sistema para gerar energia em menor o maior
grau, porém existem modalidades que dependem praticamente de forma total
deste metabolismo energético (MACARDLE; KATCH; KATCH, 2003). É o caso das
provas curtas na natação, o 100 e o 200 metros no atletismo, o levantamento de peso,
o futebol americano, entre outras. Veja bem, alguns esportes de predominância
aeróbia dependem da via da fosfocreatina durante sua execução, como é o caso do
futebol, que durante as partidas ocorrem os esforços como o chute, que irão utilizar
a fosfocreatina para auxiliar na produção de energia. Vale lembrar que, como foi
dito anteriormente, todas as vias de produção de energia participam em menor ou
maior grau durante o exercício. Assim, até mesmo em esforços ou modalidades
predominantemente aeróbias, neste exemplo o futebol, a via da fosfocreatina vai
atuar para produzir uma parcela de energia para realizar tal tarefa. Perceba na
próxima figura que a via da fosfocreatina é uma via muito rápida que depende
basicamente de uma reação. Uma enzima específica (fosfofrutoquinase – CPK) que
faz a ‘quebra’ da fosfocreatina para gerar o ATP.

FIGURA 18 – FOSFOCREATINA

FONTE: Disponível em: <http://vetblog.vetjg.com/marcadores-bioquimicos-la-


creatinina/>. Acesso em: 20 fev. 2017.

Com os estoques limitados de fosfocreatina no músculo, e como existe


um limite deletério para o organismo da substância resultante, a creatina, a outra
via anaeróbia começa a participar mais efetivamente por volta de 20 segundos
para auxiliar na contribuição energética. O metabolismo anaeróbio lático, ou
mais propriamente dito a via glicolítica. O número de reações dessa via é maior
em comparação com o anterior, porém ainda é bem menor, e dessa forma mais
rápido que o aeróbio. No metabolismo aeróbio somente a etapa de betaoxidação
são 16 reações, enquanto a via glicolítica precisará um total de 10 reações para
produzir ATP. Assim, podemos dizer que a velocidade de uma via metabólica está
ligada ao número de reações que precisam acontecer nesta para produzir energia
(MACARDLE; KATCH; KATCH, 2003).

Observe na próxima figura todas as etapas da via glicolítica. Perceba, você,


que, como o nome já diz, essa via vai depender da glicose sanguínea, que está sendo
disponibilizada para o músculo ou do glicogênio intramuscular. Independente
da fonte energética, a via vai ter o mesmo número de etapas e poderá produzir

47
UNIDADE 1 | FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

um ATP a mais se for a partir do glicogênio muscular. O produto final dessa via
é o ácido pirúvico ou piruvato, que vai sofrer uma reação transformando-se em
lactato no interior da célula muscular.

Vale lembrar que a via glicolítica poderá produzir energia de maneira


aeróbia. Se houver O2 suficiente, o piruvato sofrerá uma conversão por uma
enzima específica (PDH) e poderá entrar na mitocôndria formando acetil-coa e
participando da via oxidativa. Por isso que a formação de lactato durante o exercício
é dependente da intensidade do exercício (POWERS; HOWLEY, 2005). Como já
dissemos anteriormente, no domínio moderado, por exemplo, não há acúmulo de
lactato no sangue, e quando a intensidade do exercício aumenta acima de 50 a
60% do máximo individual começa a ocorrer uma maior produção de lactato, mas
que em todas as intensidades que o domínio pesado abrange até por volta de 85
a 90% da potência aeróbia, ainda existe um balanço entre produção e remoção do
lactato. Em outras palavras, a via glicolítica estará participando em maior grau
para produzir energia, mas muita da energia produzida será de maneira aeróbia.
Quando o exercício for realizado no domínio severo, ou seja, acima de 90% da
potência aeróbia máxima ou da capacidade máxima individual, a produção de
lactato superará a capacidade de remoção e a via glicolítica atuará efetivamente
fornecendo energia (ATP) de maneira anaeróbia para um exercício que ainda
será predominantemente aeróbio (DENADAI, 1999; POWERS; HOWLEY, 2005).
Importante aqui ressaltar uma nota que os exercícios realizados a 100% da potência
aeróbia, 100% do VO2max, por exemplo, ainda serão de predominância aeróbia,
mas com uma alta participação anaeróbia para a produção total de energia.

48
TÓPICO 2 | O TREINAMENTO DAS CAPACIDADES AERÓBIAS E ANAERÓBIAS

FIGURA 19 – VIA GLICOLÍTICA

FONTE: Disponível em: <http://vetblog.vetjg.com/marcadores-


bioquimicos-la-creatinina/>. Acesso em: 20 fev. 2017.

No gráfico a seguir poderemos ver um esquema didático da participação


dos três metabolismos de produção de energia. Em síntese, os primeiros segundos
de exercício são sustentados pela energia provinda da via da fosfocreatina, ou
também denominada ATP-CP. Após 10 a 20 segundos, a via glicolítica começa
a ser predominante para a produção de energia. Entre dois e três minutos o
sistema aeróbio se torna predominante. É lógico que estes tempos citados
dependem da intensidade de esforço e da aptidão física de cada indivíduo. Se
forem intensidades baixas de exercício, o sistema aeróbio poderá ser mais efetivo.

49
UNIDADE 1 | FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

Geralmente, indivíduos sedentários levam mais tempo para que o sistema aeróbio
seja predominante em comparação com fisicamente ativos ou atletas. Em síntese,
uma maneira fácil de identificar se um exercício será predominantemente aeróbio
ou anaeróbio é pensar no tempo de esforço. O metabolismo anaeróbio é limitado e
não conseguirá sustentar o exercício por muito mais do que 3 minutos na maioria
da população (crianças saudáveis, fisicamente ativos, atletas etc.). Seguindo
o exemplo anterior, um exercício a 100% do VO2max será realizado entre 4 a 7
minutos dependendo das capacidades do indivíduo. Na prática, poderíamos
pensar na prova de 1500 metros no atletismo, de predominância aeróbia.

GRÁFICO 6 – CINÉTICA DOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA

FONTE: Disponível em: <http://fisioexfisio.blogspot.com.br/2013_03_31_archive.


html>. Acesso em: 20 fev. 2017.

ATENCAO

Resumindo esta parte, a produção de energia anaeróbia alática, ou seja, sem


a formação de lactato, acontecerá através da via da fosfocreatina ou também chamada ATP-
CP. Por outro lado, a formação de energia de maneira anaeróbia lática, com o lactato como
produto no final da via, será através da via glicolítica. Ainda lembrando que a via glicolítica
poderá formar energia de maneira aeróbia se houver O2 suficiente, ou seja, intensidade mais
baixa de exercício.

50
TÓPICO 2 | O TREINAMENTO DAS CAPACIDADES AERÓBIAS E ANAERÓBIAS

5.1 AVALIAÇÃO DA APTIDÃO ANAERÓBIA


Como já foi falado no Tópico 1, antes de se pensar em avaliar um dos
nossos alunos ou qualquer indivíduo que seja, é preciso fazer algumas perguntas
do tipo: O que eu quero avaliar? Como eu vou avaliar? Por que eu vou avaliar? Se
você ficou com algumas dúvidas sobre os processos de avaliação no treinamento
desportivo volte ao Tópico 1 e recapitule o assunto. Porém vamos abordar aqui
especificamente da avaliação anaeróbia. Como dito anteriormente, o metabolismo
anaeróbio pode ser alático ou lático, o que podemos considerar também como
potência anaeróbia e capacidade anaeróbia, respectivamente. Nesta parte vamos
tratar desta última nomenclatura, pois acreditamos que você já compreendeu bem
o assunto neste ponto, pois bem, reforçando o que já foi dito, para pensar numa
avaliação de capacidade e potência anaeróbia, você precisará pensar na realidade
das tarefas que serão executadas, ou seja, como seus alunos irão se exercitar.
Considerando isso, já será um fator de grande importância para saber se a avaliação
anaeróbia é precisa e de que forma ela poderá ser realizada.

Dito isto, relembramos que já vimos alguns testes no Tópico 1, que tem
por objetivo avaliar estas qualidades físicas. Recapitulando, lembramos o teste de
capacidade sprints repetidos, que terá o melhor tempo de execução dos 6 sprints
de 40 metros como indicador de potência anaeróbia e o tempo total para execução
do teste como indicador de capacidade anaeróbia (RAMPININI et al., 2007).
Podemos perceber então que a potência anaeróbia vai estar ligada diretamente
aos esforços de curtíssima duração, ou seja, poucos segundos (< 10 s). Enquanto
que os esforços com duração entre 30 e 60 segundos estarão ligados diretamente
com a capacidade anaeróbia (POWERS; HOWLEY, 2005). Vale ressaltar que o teste
de sprints repetidos é uma opção válida para este tipo de avaliação, mas é preciso
sempre pensar na característica do exercício ou da modalidade que seus alunos
estarão praticando. Em caso da maioria dos esportes coletivos seria interessante
realizar este tipo de avaliação, porém somente para exemplificar, nada adianta
verificar a capacidade e potência anaeróbia do aluno realizando sprints se aulas
serão de natação (teste não específico).

Entretanto, novamente resgatando conteúdo do Tópico 1, algumas avaliações


de laboratório que são consideradas mais válidas possuem maior validade, mas
perdem em especificidade, ou seja, não são tão próximos do movimento específico
ou das características da modalidade. No entanto, avaliações de laboratório
geralmente terão uma acurácia maior para medir aspectos relacionados às
qualidades físicas (MATHEWS, 1980). Para resgatar outros exemplos podemos
destacar os testes realizados em dinamômetro de força que poderão apresentar
protocolos para mensurar capacidade e potência anaeróbia. Ainda, o teste de saltos
verticais também poderá avaliar ambas qualidades físicas, no caso, o salto com
contramovimento está mais relacionado à potência anaeróbia e os saltos contínuos
relacionados à capacidade anaeróbia (BOSCO, 1999).

51
UNIDADE 1 | FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

Gostaríamos, ainda, de apresentar mais uma possibilidade de avaliação


anaeróbia. Considerado como padrão ouro para avaliar a potência e a capacidade
anaeróbia o teste de Wingate é um protocolo que vem sendo utilizado em diferentes
partes do mundo há muitos anos com este objetivo.

Pesquisadores do Wingate Institute de Israel desenvolveram um teste


de ciclismo de esforço máximo com duração de trinta segundos (teste
de Wingate) destinado a determinar tanto a potência anaeróbia de pico
como a potência média máxima durante o teste de trinta segundos
[...]. A maior potência durante os primeiros segundos é considerada
a potência de pico máxima e é indicadora da velocidade máxima com
que o sistema ATP-CP produz ATP neste tipo de exercício. O declínio
da potência máxima durante o teste é utilizado como um índice de
resistência anaeróbia e, supostamente, representa a capacidade máxima
de produção de ATP por meio de uma combinação do sistema ATP-CP
e da glicólise (POWERS; HOWLEY, 2005, p. 416).

FIGURA 20 – PROTOCOLO DO TESTE DE WINGATE

FONTE: Disponível em: <http://www.bikemagazine.com.br/2011/04/avaliacao-fisica/>. Acesso


em: 20 fev. 2017.

52
TÓPICO 2 | O TREINAMENTO DAS CAPACIDADES AERÓBIAS E ANAERÓBIAS

Observe que mesmo sendo um teste realizado em bicicleta ergométrica, o


que não proporciona especificidade com muitos outros esportes, é um teste que
tem uma grande acurácia para determinar a capacidade e potência anaeróbia.
Por ser um teste de relativa facilidade de aplicação e curta duração, um pequeno
aquecimento em baixa intensidade e um esforço máximo de 30 segundos é uma
excelente opção. Veja você na figura anterior que a potência reproduzida no teste
vai atingir valores de pico em poucos segundos, de 3 a 5 segundos, e depois começa
a cair atingindo valores de até 50% do pico. Vale ressaltar que por exigir um esforço
máximo do avaliado durante todo o teste, não é um teste muito recomendado para
aplicação em crianças e precisa ser bem pensando quando for colocado em algum
planejamento de treinamento.

Ainda é possível pensar em outras avaliações que podem proporcionar


o entendimento da capacidade e potência anaeróbia de nossos alunos. Teste de
tiros curtos com distâncias entre 50 a 200 metros na corrida, outros protocolos
de sprints repetidos, tiros máximos na natação, protocolos de medidas de força,
entre outros (POWERS; HOWLEY, 2005). A chave é saber de que forma vamos
utilizar os testes que são apresentados na literatura. Os testes de coordenação ou
velocidade de reação ou de membros, por exemplo, são de grande importância
quando trabalhamos com crianças até o final da fase maturacional. O mais
importante é conhecer o funcionamento do organismo e como ele responde a
determinados estímulos, nesse caso específico, esforços máximos de curta duração,
para poder adaptar ou escolher o melhor teste a ser aplicado dentro dos objetivos
do planejamento do treinamento desportivo.

5.2 POSSIBILIDADES DE TREINAMENTO DA APTIDÃO


ANAERÓBIA
Existem diferentes possibilidades e protocolos que podem ser criados com
o objetivo de aprimorar tanto a capacidade quanto a potência anaeróbia. Diversas
modalidades, tipos de exercício e esportes necessitam dessas qualidades físicas
muito bem desenvolvidas para sua prática, como é o caso do tênis, do vôlei, provas
de velocidade na natação e no atletismo, entre outros. Como já foi dito, nenhum
tipo de esforço vai ser dependente de apenas uma via metabólica para produzir
energia, mas é possível planejar estratégias de treinamento que possibilitem
uma exigência máxima das vias anaeróbias. Como é o caso do treinamento de
sprints repetidos, por exemplo. O número de estímulos, de séries, e a duração
precisará estar de acordo com um planejamento prévio, o nível de aptidão dos
indivíduos e fatores ambientais, mas estes assuntos ainda serão abordados com
maior cuidado adiante. É possível pensar o treinamento anaeróbio com o foco na
potência anaeróbia (sistema ATP-CP) ou na capacidade anaeróbia (treinamento da
via glicolítica).

O treinamento para melhorar o sistema ATP-CP envolve um tipo


especial de treinamento intervalado. Para pressionar ao máximo a
via metabólica do ATP-CP, intervalos de exercício de curta duração
e alta intensidade (cinco a dez segundos de duração) que utilizam

53
UNIDADE 1 | FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

os músculos solicitados na competição são ideais. Em razão da curta


duração deste tipo de intervalo, pouco ácido lático é produzido e a
recuperação é rápida. O intervalo de repouso pode variar de trinta a
sessenta segundos, dependendo do nível de aptidão física dos atletas
(POWERS; HOWLEY, 2005, p. 431).

A outra possibilidade é pensarmos no treinamento de capacidade anaeróbia


ou da via glicolítica. Para tal é preciso pensar em esforços máximos e com duração
entre vinte a sessenta segundos, que sobrecarregarão esta via metabólica e gerar
uma alta acidose. Este tipo de treinamento é bem exaustivo e precisa ser planejado
com cautela, pois pode reduzir os estoques de glicogênio muscular (POWERS;
HOWLEY, 2005). Geralmente após esforços únicos de maior duração (por exemplo
60 segundos) ou mais curtos e repetidos, planeja-se um intervalo de recuperação
entre três e cinco minutos. Um modelo que é utilizado em modalidades coletivas, por
exemplo, é três séries de seis estímulos de 40 metros em cada série, recuperação de
vinte segundos de recuperação entre os estímulos e quatro minutos de recuperação
de forma passiva entre as séries. Outro cuidado importante é intercalar sessões
de treinamento de baixa intensidade entre as sessões que terão essa exigência
anaeróbia. Os princípios do treinamento esportivo que são utilizados como base
no planejamento e na montagem de uma ou mais sessões de treinamento serão
abordados mais profundamente na Unidade 2.

54
RESUMO DO TÓPICO 2
Neste tópico, você aprendeu que:

• A respiração aeróbia necessita do oxigênio (O2), que é usado como agente


oxidante e essa propriedade importante do O2 é utilizada pelas células para
produzir uma forma utilizável de energia e converter moléculas de carboidratos,
gorduras e proteínas em moléculas de ATP.

• O ATP é uma molécula de fonte imediata de energia para a contração muscular,


que está no interior das células e precisa basicamente de uma reação para gerar
energia.

• Na mitocôndria, que está localizada no sarcoplasma celular, no caso das células


musculares, que o O2 vai realizar seu papel fundamental de receber o hidrogênio
e formar água.

• Esse processo vai na membrana interna da mitocôndria onde está localizada


a cadeia respiratória. O ciclo de Krebs, que está localizado no interior da
mitocôndria na matriz mitocondrial e, também vai interagir com a cadeia
respiratória para que ocorra a produção aeróbia de ATP.

• O sistema respiratório tem como principal objetivo prover um meio de troca


gasosa, ou seja, permitir que um indivíduo possa liberar o CO2 que está
acumulado no sangue e repor o O2 que está sendo utilizado durante uma tarefa.

• A produção de energia anaeróbia alática, ou seja, sem a formação de lactato,


acontecerá através da via da fosfocreatina ou também chamada ATP-CP.

• A formação de energia de maneira anaeróbia lática, com o lactato como produto


no final da via, será através da via glicolítica.

• A via glicolítica poderá formar energia de maneira aeróbia se houver O2


suficiente, ou seja, intensidade mais baixa de exercício.

• A capacidade aeróbia está relacionada à produção de energia aeróbia de maneira


predominante com a mínima participação do metabolismo anaeróbio, através
das vias oxidativas.

• A potência aeróbia é a capacidade do organismo em produzir a maior quantidade


de energia de maneira oxidativa no menor tempo possível.

55
• Ambas as vias aeróbias ou anaeróbias trabalham ao mesmo tempo para uma
produção total de energia. O que difere é a predominância de uma das vias em
relação à outra em produzir energia e isso é dependente da modalidade ou do
tipo de exercício.

• O organismo apresenta comportamentos distintos de acordo com a intensidade


do exercício. Esses diferentes comportamentos podem ser nomeados como
domínios de intensidade de esforço ou domínios fisiológicos. A literatura
apresenta três domínios, o moderado, o pesado e o severo.

• São diversas as possibilidades para a avaliação e treinamento da aptidão aeróbia


e anaeróbia. No caso dos testes físicos é preciso se perguntar como, para que e
por que vou avaliar meu aluno. No caso do treinamento, é preciso saber qual é a
melhor forma para aplicá-lo, considerando a realidade em que se está inserido,
qual é a faixa etária, quais são os objetivos dos alunos, entre outros.

56
AUTOATIVIDADE

1 Vimos durante este tópico assuntos relacionados à aptidão aeróbia e anaeróbia.


Aprendemos que todos os sistemas de produção de energia trabalham em
conjunto para suprir a demanda do exercício. Porém, estudamos também
que, dependendo do modo de exercício e da intensidade do exercício
a predominância de produção de energia vai ser aeróbia ou anaeróbia.
Considerando esta afirmativa, assinale as alternativas CORRETAS quanto à
participação dos sistemas:

a) ( ) A prova de 100 metros rasos no atletismo é predominantemente anaeróbia.


b) ( ) A maratona no atletismo é predominantemente anaeróbia.
c) ( ) Uma série de levantamento de peso é predominantemente anaeróbia.
d) ( ) A prova de 50 metros na natação é predominantemente aeróbia.
e) ( ) A prova de remo de 2000 metros é predominantemente aeróbia.
f) ( ) A prova de cross-country de esqui é predominantemente aeróbia.
g) ( ) A prova de 400 metros na natação é predominantemente anaeróbia.
h) ( ) Os esportes coletivos de maneira em geral são predominantemente
aeróbios.
i) ( ) Uma aula de Educação Física com duração de 45 minutos é
predominantemente aeróbia.

57
58
UNIDADE 1
TÓPICO 3

O TREINAMENTO DESPORTIVO E A SAÚDE NA


IDADE ESCOLAR

1 INTRODUÇÃO
Olá, acadêmico! Neste terceiro e último tópico da Unidade 1, vamos terminar
nossa jornada juntos falando sobre o treinamento esportivo e suas implicações
para a saúde de adolescentes. Nas próximas duas unidades do livro você será
acompanhado pelos nossos colegas para continuar os estudos da disciplina.
Porém, ainda temos mais algumas páginas para estudar. Os anos em torno da
puberdade são os mais críticos do ponto de vista da saúde pública. O exercício e a
boa nutrição nessa idade são tão importantes quanto aos 50 anos de idade, quando
a perda óssea relacionada à idade torna-se mais aparente. Os ganhos de massa
óssea nos três anos em torno da puberdade podem chegar a 30% da massa óssea
máxima final. Aumentos adicionais de densidade mineral óssea ocorrem até pelo
menos os 25 anos. O maior impacto do exercício sobre a densidade mineral óssea
e a geometria óssea ideal ocorre durante esses anos de rápido crescimento. No
entanto, você já deve ter percebido que tem crescido cada vez mais o número de
adolescentes e jovens com comportamento sedentário no Brasil e no mundo, assim
como é possível observar o aumento na quantidade de indivíduos nessa faixa
etária obesos e com risco de obesidade. A atividade física/exercício físico é uma
importante ferramenta no combate aos malefícios deste estilo de vida prejudicial
nesta população. Com os avanços tecnológicos, meios de transportes, diminuição
das áreas de lazer urbanas, aumento da criminalidade e padrões de moradia da
sociedade moderna (por exemplo, a vida em condomínios fechados) torna-se cada
vez mais necessária a busca de estratégias para fazer com que os adolescentes se
tornam mais ativos fisicamente, visto que, os benefícios perdurarão para a vida
adulta. Nesse contexto, os esportes coletivos são importantes ferramentas para
a motivação destes indivíduos quanto a prática de exercícios, considerando o
contexto da socialização.

2 PREOCUPAÇÕES EM RELAÇÃO À SAÚDE NA


ADOLESCÊNCIA
As recomendações atuais de atividade física para crianças e adolescentes
são de 300 minutos semanais e/ou 60 minutos diários de atividade de intensidade
moderada a vigorosa. A maioria destas atividades deve ser de caráter aeróbio e
intensidades vigorosas devem ser incorporadas, incluindo aquelas que fortaleçam
a musculatura e a estrutura óssea, ao menos três vezes por semana (WHO, 2010).

59
UNIDADE 1 | FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

Por outro lado, os níveis de sedentarismo têm aumentado nessa faixa etária com
boa parte da população mundial não atingindo os níveis de recomendação diária,
por exemplo, o que foi demonstrado por Hallal et al. (2012) que mais de 80% dos
adolescentes em 55 países diferentes não atingem os 60 minutos diários. Esses
fatores preocupam os profissionais da área, especialistas e as autoridades políticas
cada vez mais, pois existe uma relação direta do sedentarismo/sobrepeso/obesidade
em adolescentes com os riscos de desenvolver doenças não contagiosas, como
câncer, diabetes, doenças cardiovasculares e de desordens psicológicas. Observe
na figura a seguir, as partes mais escuras do mapa são onde o sedentarismo mais
prevalece na adolescência.

FIGURA 21 – MAPA-MÚNDI DO SEDENTARISMO NA ADOLESCÊNCIA

FONTE: Hallal et al. (2012)

Por sua vez, os esportes coletivos podem ser considerados uma ferramenta
interessante para que crianças e adolescentes se tornem mais ativos fisicamente
(ALVES; LIMA, 2008). Os esportes coletivos são praticados em nível mundial e
estão enraizados na cultura popular do Brasil e são praticados por toda parte.
Dessa forma, pela questão da sociabilização e pelos fatores motivacionais, esses
tipos de modalidade apresentam-se como uma possibilidade de combater o
sedentarismo para esta parcela da população. Além disso, a iniciação esportiva
e prática sistemática podem fazer com que crianças e adolescentes busquem o
aprimoramento e a especialização dentro de uma modalidade específica para uma

60
TÓPICO 3 | O TREINAMENTO DESPORTIVO E A SAÚDE NA IDADE ESCOLAR

possível carreira esportiva futura (RÉ, 2011). Sabe-se que esportes coletivos, como
o futebol, voleibol e handebol são comumente praticados no Brasil. Considerando
que estas modalidades esportivas englobam movimentos como corrida, saltos e
mudanças de direção, os quais requisitam principalmente a ação muscular dos
membros inferiores e secundariamente os músculos de sustentação/posturais, o
que dessa forma, estimulariam maior ganho ósseo (LIMA et al., 2013), as cargas
exigidas durante a prática destes esportes estariam de acordo com o recomendado
pela organização mundial da saúde (OMS). Ainda podemos salientar que, grande
ênfase tem sido dada aos efeitos da atividade esportiva sobre a massa óssea e a
possibilidade de prevenção da osteoporose em época futura, uma vez que o exercício
físico vigoroso exerce um papel fundamental no processo de ganho de massa óssea
(CADORE et al., 2005). Considere você que os mecanismos de carga, impostos
pelos exercícios, aumentam a densidade mineral óssea, independentemente do
sexo e da idade dos indivíduos que os praticam (SNOW et al., 2001). O número de
adolescentes envolvidos em práticas desportivas tem aumentado sensivelmente
nos últimos anos. Por isso, precisamos ter em mente a necessidade de conhecer
os eventos que marcam a puberdade e a variabilidade individual em que eles
ocorrem, isso é de suma importância para o profissional que trabalhará com os
esportes coletivos voltados para essa faixa etária. O estresse contínuo, que pode ser
provocado com a prática, resulta em adaptações morfológicas, tais como: aumento
da espessura cortical e maior conteúdo ósseo na inserção músculo-tendínea. Esse
ganho de massa óssea pode prevenir complicações futuras, como por exemplo, a
osteoporose (SILVA; TEIXEIRA; GOLDBERG, 2003).

3 O ESPORTE E SUAS IMPLICAÇÕES PARA SAÚDE DE


ADOLESCENTES
Observe, caro acadêmico, o gráfico a seguir demonstra a mesma forma
que tinha sido mostrado pelo estudo de Hallal et al., (2012) em nível mundial,
dados coletados no Brasil pelo VIGITEL (2013). Veja que no gráfico superior
(A) aproximadamente 50% das crianças e adolescentes no Brasil parecem ser
sedentárias. Enquanto que, no gráfico da parte de baixo (B) podemos ver que mais
de 20% destas estão obesas. Este é um dado preocupante e que precisa de profunda
reflexão de nossa parte, e atitudes na busca de melhorar este quadro. O esporte
pode ser um grande aliado nessa luta.

61
UNIDADE 1 | FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

GRÁFICO 7 – SEDENTARISMO NA ADOLESCÊNCIA NO BRASIL

FONTE: Vigitel (2013)

Observe na figura anterior, da mesma forma que tinha sido mostrado pelo
estudo de Hallal et al. (2012) em nível mundial, agora apresentamos dados coletados
no Brasil por Vigitel (2013). Veja que no gráfico superior (A) aproximadamente
50% das crianças e adolescentes no Brasil parecem ser sedentárias. Enquanto que,
no gráfico da parte de baixo (B) podemos ver que mais de 20% destas estão obesas.
Este é um dado preocupante e que precisa de profunda reflexão de nossa parte, e
atitudes na busca de melhorar este quadro. O esporte pode ser um grande aliado
nessa luta.

62
TÓPICO 3 | O TREINAMENTO DESPORTIVO E A SAÚDE NA IDADE ESCOLAR

E
IMPORTANT

A adolescência é um período da vida permeado por profundas mudanças


biopsicossociais. De acordo com a OMS, a fase da adolescência compreende a faixa etária
entre 10 e 19 anos. Um dos principais fenômenos da puberdade é o pico de crescimento
em estatura, acompanhado da maturação biológica (amadurecimento) dos órgãos sexuais
e das funções musculares (metabólicas), além de importantes alterações na composição
corporal, as quais apresentam importantes diferenças entre os gêneros (RÉ, 2011). Estudos
com crianças e adolescentes têm demonstrado o benefício da atividade física no estímulo
ao crescimento e desenvolvimento, prevenção da obesidade, incremento da massa óssea,
aumento da sensibilidade à insulina, melhora do perfil lipídico, diminuição da pressão arterial,
desenvolvimento da socialização e da capacidade de trabalhar em equipe (CADORE et al., 2005;
ALVES; LIMA, 2008; LIMA et al., 2013). Nesse sentido, os esportes coletivos podem contribuir de
grande maneira para que adolescentes atinjam esses benefícios da atividade física (LIMA et al.,
2013), tanto os físicos quanto os psicossociais, visto que as interações entre indivíduos (“eu e o
companheiro de equipe”, “eu e o adversário”, “eu e o professor/treinador”, “eu e os pais/família”)
são maximizadas.

A puberdade é um período fundamental para a aquisição da massa óssea. O


aumento da densidade mineral óssea durante a puberdade é devido primariamente
à expansão do tamanho ósseo em função do crescimento físico e, posteriormente,
pelo aumento da espessura da cortical (CADORE et al., 2005). Em adolescentes
atletas, o pico de massa óssea pode apresentar maior incremento, em virtude do
estresse mecânico imposto aos ossos pelo exercício físico praticado (SNOW et al.,
2001; MATTA et al., 2013). O tecido ósseo é dinamicamente responsivo à demanda
funcional que lhe é imposta, o que gera alterações de sua massa e força. Essas
mudanças resultam da força gravitacional e da ação intensa dos músculos ligados
aos ossos (SNOW et al., 2001). A resposta adaptativa do osso dependerá, portanto,
da magnitude da carga e da frequência de aplicação, que são regularmente
repetidas, desencadeiam efeitos osteogênicos. A massa óssea responde por cerca
de 80% da variação na força óssea, mas outros fatores, como geometria óssea,
arquitetura interna e propriedades mecânicas também afetam a força de um osso
específico (LIMA et al., 2013). Durante a atividade física, a contração muscular
promove um aumento da atividade osteoblástica na região óssea próxima aos
locais onde os músculos se inserem, levando ao aumento da mineralização óssea.
Por outro lado, a ausência de contração muscular causa significativa perda óssea,
porém, considere você que o exercício físico realizado próximo ao pico máximo
da velocidade de crescimento, ou seja, no início da puberdade, é mais efetivo para
potencializar o ganho de massa óssea (ALVES; LIMA, 2008; RÉ, 2011).

63
UNIDADE 1 | FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

FIGURA 22 – PROCESSOS DE CRESCIMENTO

FONTE: Disponível em: <https://www.google.com.br/


search?q=adolescência+e+processos+de+crescimento>. Acesso em: 26 fev. 2017.

Com relação ao esporte, a adolescência reveste-se de grande importância,


não somente por aspectos específicos da prescrição de exercícios físicos a essa faixa
de idade, como para todo o contexto biopsicossocial, que envolve esse período da
vida. Esse é um período em que o contexto é muito importante, e as amizades e os
modismos ditados pela sociedade são de extrema importância para o indivíduo.
Nesse sentido, o “conceito de beleza do magro e forte” devem ser trabalhados
juntamente com a inserção do adolescente nas atividades esportivas para evitar
desequilíbrios entre o exercício e os hábitos nutricionais (ALVES; LIMA, 2008).
Essa insatisfação com a imagem corporal pode induzir os adolescentes à busca de
atividades esportivas de alta intensidade e grande volume de treinamento, com
ingestão calórica inadequada, também como valorização do corpo e da imagem
idealizados, a serem atingidos, muitas vezes, a qualquer custo. Na combinação de
exercício físico intenso e baixa ingestão calórica, a prática esportiva competitiva e

64
TÓPICO 3 | O TREINAMENTO DESPORTIVO E A SAÚDE NA IDADE ESCOLAR

intensa associada a um gasto energético excessivo estimula a liberação de citocinas,


como interleucina-1 (IL-1), IL-6 e fator de necrose tumoral alfa (TNF-α), os quais
poderiam inibir o eixo GH/IGF-1 e interferir nos processos de crescimento (ALVES;
LIMA, 2008).

Snow et al., (2001) relatam que, em estágios iniciais da puberdade, a


repercussão óssea ao estímulo da sobrecarga é pouco significativa, enquanto que,
em fases mais avançadas da maturidade sexual, o padrão hormonal conjugado à
atividade esportiva conduz a maior deposição de massa óssea nos locais específicos
dos estímulos musculares. A densidade mineral óssea atinge cerca de 90% do
seu pico no final da segunda década. Observe que, um quarto do osso adulto é
acumulado durante os dois anos de pico de velocidade de crescimento. Fatores
endógenos e exógenos participam desse processo. Entre os fatores endógenos
vamos destacar para vocês os seguintes: genética, raça e o aumento dos hormônios
anabólicos associados à puberdade. Em relação aos fatores exógenos (ambientais),
destacam-se o exercício e a nutrição, com adequado aporte de cálcio na dieta
(ALVES; LIMA, 2008).

4 O ESPORTE COLETIVO E OS PROCESSOS DE


CRESCIMENTO DE ADOLESCENTES, POSSIBILIDADES DE
INTERVENÇÃO
FIGURA 23 – RECOMENDAÇÕES DE ATIVIDADE FÍSICA

FONTE: Disponível em: <http://ricardodelucena.blogspot.com.br/>. Acesso em: 26


fev. 2017.

65
UNIDADE 1 | FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

Adolescentes devem realizar diariamente, pelo menos, 60 minutos de


atividade física e/ou desportiva em uma intensidade moderada a vigorosa e pelo
menos três vezes por semana de exercícios de força muscular capazes de promover
um desenvolvimento muscular e ósseo saudável (WHO, 2010). Por outro lado,
a interação social/ambiental nos dias de hoje é muito diferente, podendo ser
facilmente constatado nas alterações do estilo de vida da população jovem, que vão
desde uma diminuição das atividades ao ar livre a um aumento do tempo passado
em casa e com atividades sedentárias ligadas ao uso da tecnologia, aumento da
ingestão calórica e perda da qualidade do sono (GUEDES et al., 2002; SEABRA et
al., 2008; HALLAL et al., 2012).

Dessa forma, é preciso pensar em maneiras de incluir essa parcela da


população em atividades físicas que sejam prazerosas para estes indivíduos
(SEABRA et al., 2008), que façam com que o fator motivacional e social tenha
efeito na permanência dos adolescentes em programas de treinamento (ALVES;
LIMA, 2008). Os profissionais de educação física precisam buscar envolvimento
com políticas públicas que proporcionem possibilidades de espaços que façam
com que exercícios se tornem uma prática habitual dos jovens (GUEDES et al.,
2002; RÉ, 2011; HALLAL et al., 2012), visto que, boa parte desta população parece
desconhecer os efeitos dos esportes e do exercício físico sobre sua saúde óssea
(KOPP et al., 2013).

A adolescência é uma fase de intensas transformações não só físicas,


como também de valores e crenças que podem ter consequências na vida adulta.
Estimular nossos alunos à prática de atividade física na idade escolar será de
extrema importância contra a epidemia de inatividade física na vida adulta. O
esporte coletivo moderno transformou-se em um novo meio de comunicação entre
os indivíduos. É um sentimento participativo, interativo e interpretativo que se
multiplica em diferentes culturas e etnias (RÉ, 2011). O esporte coletivo tem um
grande impacto nos hábitos culturais desportivos dos nossos dias, o que provoca
uma enorme atração para sua prática a muitas crianças e adolescentes (MATTA et
al., 2013). Por sua vez, o ensino de uma modalidade na perspectiva educacional deve
promover o desenvolvimento humano, por meio da inclusão social e da produção
cultural esportiva, numa relação interdependente entre o esporte em questão
e a ludicidade (KOPP et al., 2013). Seabra et al., (2001) ressaltam a importância
da diferenciação entre idade biológica e idade cronológica no planejamento de
um programa de atividade física para uma população de adolescentes. Para tal,
é necessária a avaliação dos estágios de maturação. A classificação em função
da idade biológica possibilita distinguir, de forma mais clara, as adaptações
morfológicas e funcionais resultantes de um programa de treinamento das
modificações observadas no organismo decorrentes do processo de maturação,
principalmente intensificado durante a puberdade (CADORE et al., 2005). Além
disso, possibilita evitar que adolescentes com as mesmas idades cronológicas, mas
com diferentes graus de maturidade, sejam colocados lado a lado em atividades
esportivas. Isso geraria um sentimento de frustração no adolescente derrotado que
poderia influenciar todo seu relacionamento com os demais do seu grupo ou faixa
etária.

66
TÓPICO 3 | O TREINAMENTO DESPORTIVO E A SAÚDE NA IDADE ESCOLAR

E
IMPORTANT

Quanto à iniciação esportiva ou os processos de seleção para uma prática


competitiva, observa-se que a idade cronológica determina diferenças nas características
antropométricas e no desempenho físico de jovens atletas no meio e final da adolescência
como provável resultado do processo de crescimento e maturação biológica (NASCIMENTO
et al., 2014). Além disso, a performance motora dos adolescentes do sexo masculino está
significativamente relacionada com o seu status maturacional. Os rapazes com estágios
maturacionais mais avançados evidenciam, geralmente, melhores performances do que os
atrasados na maturação (SEABRA et al., 2001). Em geral, os jovens que apresentam maturação
biológica precoce (antes dos 13 anos de idade), possuem maior capacidade metabólica e
tamanho corporal em comparação aos seus pares de mesma idade cronológica com ritmo
maturacional normal (por volta dos 13-14 anos) ou tardio (após os 14 anos). Vale destacar
a transitoriedade desse fenômeno biológico, ligado ao ritmo de crescimento e maturação
individual. Porém, especialmente em situações de esporte competitivo, alguns jovens podem
ter desvantagem significativa enquanto estiverem em estágios de maturação biológica menos
adiantada do que seus colegas de mesma faixa etária (SEABRA et al., 2001). Portanto, observe,
você acadêmico, que sem a avaliação da maturação biológica não será possível interpretar
adequadamente se o desempenho apresentado pelo indivíduo reflete a sua real capacidade
ou se, por outro lado, está sofrendo uma interferência transitória do processo de maturação
biológica (RÉ et al., 2005).

A prática esportiva dos adolescentes está associada à prática de seus pais e


o gênero dos pais exerce efeitos distintos em tal fenômeno. Fernandes et al. (2011)
demonstraram que em ambos os gêneros, o envolvimento dos pais foi associado
com um maior engajamento por parte do adolescente em práticas esportivas,
mas o envolvimento materno foi associado apenas com a atividade física no sexo
feminino. Para Kopp et al. (2013), não devemos ver a adolescência simplesmente
como um estágio biológico e psicológico do desenvolvimento humano, pois esta
visão percebe a adolescência a partir da perspectiva que menospreza a interação
juvenil e a sua produção social. Precisamos nos preocupar como são produzidos
os espaços que criam práticas e promovem relações características e típicas da
modernidade e das transformações operadas nesse estágio de vida (ALVES; LIMA,
2008; RÉ, 2011).

Por fim, queremos apresentar este último estudo de Lima et al. (2001),
que observou em meninos de 12 a 18 anos, que praticavam esportes de impacto,
como basquetebol, aumento significativo na densidade mineral óssea na coluna
lombar e no fêmur proximal, quando comparados com um grupo de adolescentes
que praticavam esportes com carga ativa, tais como polo aquático e natação.
Entretanto, ambos os grupos apresentavam densidade mineral óssea superior à
do grupo de adolescentes que não praticavam esporte algum. Assim, precisamos
considerar que a prática do esporte pode ser um potente modulador da massa óssea
durante a infância/adolescência e este ganho adicional de massa óssea na infância/
adolescência pode influenciar positivamente a saúde óssea na idade adulta (LIMA
et al., 2013).

67
UNIDADE 1 | FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

UNI

As mudanças nos hábitos e no estilo de vida de adolescentes e jovens têm alertado


os profissionais da área na busca de compreender melhor as alterações comportamentais
e propor intervenções que auxiliem esta população quanto à prática de atividade física que
possibilitem benefícios tais como um melhor perfil lipídico, prevenção da obesidade, incremento
da massa óssea, aumento da sensibilidade à insulina, entre outros. Entre as diversas possibilidades
de exercícios, os esportes coletivos se destacam pelo fator motivacional e interação social
que são características intrínsecas da prática destas modalidades. As participações sistemáticas
nos esportes que exigem movimentos com a sustentação do peso corporal e altos níveis de
contração muscular geram tração entre os músculos e ossos e contribuem para o ganho de
massa óssea e densidade mineral óssea.

LEITURA COMPLEMENTAR

Este é um artigo que foi publicado em 2011, por Maria de Fátima Goulart
Coutinho, do Comitê de Adolescência, IPPMG/UFRJ, no volume 12 (Suppl 1),
agosto de 2011, na revista de pediatria da Sociedade de Pediatria do estado do Rio
de Janeiro. Mesmo não sendo uma publicação recente traz uma importe reflexão
que acreditamos que contribuirá para o crescimento profissional de você.

CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO NA ADOLESCÊNCIA

A adolescência compreende um complexo processo de maturação que


transforma a criança em adulto. A puberdade reúne os fenômenos biológicos
da adolescência, possibilitando o completo crescimento somático e a maturação
hormonal que asseguram a capacidade de reprodução e de preservação da espécie.

A puberdade tem início e evolução influenciados por fatores genéticos e


ambientais caracterizando-se pela ocorrência de:

Adrenarca: resultante do aumento da secreção dos andrógenos suprarrenais


(entre 6 e 8 anos de idade óssea) e que parece ser independente da ativação do eixo
hipofisário-gônadas.

Ativação ou desinibição de neurônios hipotalâmicos secretores de hormônio


liberador de gonadotrofinas (LHRH), com consequente liberação dos hormônios
luteinizante (LH) e folículo-estimulante (FSH) pela glândula hipófise.

Gonadarca (aumento dos esteroides sexuais produzidos pelos testículos e


ovários).
 

68
TÓPICO 3 | O TREINAMENTO DESPORTIVO E A SAÚDE NA IDADE ESCOLAR

EVENTOS PUBERAIS

A altura final, o ritmo como o crescimento se processa, o início e a velocidade


com que o desenvolvimento puberal ocorre, a maturação óssea, o desenvolvimento
dentário sofrem significante influência de fatores genéticos. As interações com os
fatores ambientais se dão de forma distinta, isto é, as condições ambientais que
alterem algum aspecto do crescimento não o fazem obrigatoriamente em todos.

A nutrição, incluindo a ingestão de nutrientes específicos, é um dos mais


significativos determinantes do crescimento.

Aspectos psicossociais como maus-tratos podem prejudicar o crescimento,


a despeito da nutrição adequada e de não haver doença orgânica.

A grande variabilidade quanto ao início, duração e progressão das mudanças


puberais tem, como consequência, a questão de a idade biológica nem sempre estar
de acordo com a idade cronológica. Assim, é preciso que se leve em conta a fase
puberal do desenvolvimento quando se analisa o crescimento de um adolescente.
 
ESTIRÃO DE CRESCIMENTO

Durante a adolescência, embora os hormônios desempenhem papéis


individuais, a interação entre os hormônios gonadais e adrenais com o hormônio
de crescimento torna-se essencial para o estirão de crescimento normal e para a
maturação sexual.

O estirão de crescimento, período em que se ganha 20% da estatura final,


tem idade de início e velocidade das mudanças variadas entre os indivíduos. Nas
meninas, ocorre no início da puberdade e, nos meninos, na fase intermediária.

A avaliação do crescimento é feita por meio de comparação com uma curva de


referência: a atualmente recomendada é a da Organização Mundial de Saúde (www.
soperj.org.br). Acima do escore Z-2, a estatura é considerada adequada para a idade;
acima do escore Z -3 e abaixo de Z-2, o diagnóstico é de baixa estatura para a idade;
estaturas inferiores ao escore Z-3 são consideradas muito baixas para a idade.

A velocidade de crescimento (aumento estatural no intervalo de um ano)


é medida em centímetros por ano e não deve ser aferida através de resultados
encontrados em intervalos menores do que seis meses, já que o crescimento sofre
influências sazonais.

Até os 4 anos, as meninas têm velocidade de crescimento discretamente


mais elevada que os meninos. A partir daí ambos crescem a uma velocidade de 5 a
6 cm/ano até o início da puberdade, quando a velocidade de crescimento sofre uma
aceleração, alcançando valores de 10 a 12 cm/ano no sexo masculino e 8 a 10 cm/
ano nas meninas. Essa aceleração da velocidade de crescimento é imediatamente
precedida por uma pequena redução da mesma.

69
UNIDADE 1 | FUNDAMENTOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

Para acompanhamento do peso de adolescentes, a Organização Mundial de


Saúde recomenda a utilização do gráfico de Índice de Massa Corporal (IMC), ainda
se configurando como melhor parâmetro clínico de avaliação nutricional de uma
população (www.soperj.org.br).

O IMC está adequado para a idade (eutrofia) quando seus valores se


encontram entre os escores Z -2 e Z +1. A obesidade é caracterizada por valores de
IMC acima do escore Z +2, enquanto valores maiores que Z +1 e menores que Z +2
são classificados como sobrepeso. Valores inferiores ao escore Z -2 são caracterizados
como magreza, sendo esta acentuada quando o IMC é inferior ao escore Z -3.

Segundo a Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009, o déficit de peso


está presente em apenas 3,4% dos adolescentes brasileiros, enquanto o excesso de
peso tem uma prevalência de 21,7% (3,7% em 1974-75) entre adolescentes do sexo
masculino e de 19,4% no sexo feminino (7,6% em 1974-75).

Pelo fato de a estatura sofrer influência de fatores genéticos, o cálculo do alvo


genético avalia a herança (estatura dos pais) na determinação da faixa de estatura
final. Assim, para calcular o alvo genético, é utilizada a seguinte fórmula:

COMPOSIÇÃO CORPORAL

Durante a puberdade, os homens adquirem massa magra a uma velocidade


maior e por mais tempo do que a mulher. Na mulher, a massa muscular relativa
diminui do início ao final da puberdade (80% para 75% do peso corpóreo). Embora
haja aumento absoluto da massa muscular, seu percentual sofre queda porque o
tecido adiposo aumenta mais rapidamente. No homem, a massa muscular aumenta
de 80 a 85% do peso corpóreo para 90% na maturidade. Esse aumento reflete a ação
dos andrógenos circulantes.

O ganho de tecido adiposo é mais acentuado no sexo feminino, sendo


importante para que os ciclos menstruais se instalem e se mantenham regulares.
 
HORMÔNIOS

Apesar de hormônios tireoideanos ainda serem necessários para o


crescimento normal, os hormônios gonadais desempenham um papel de maior
significância. A puberdade é caracterizada pelo aumento da amplitude dos pulsos
de secreção de hormônio luteinizante (LH) e folículo-estimulante (FSH), detectáveis

70
TÓPICO 3 | O TREINAMENTO DESPORTIVO E A SAÚDE NA IDADE ESCOLAR

já antes que os sinais externos da puberdade sejam evidentes. Além do aumento


do hormônio de crescimento e dos esteroides sexuais, há aumento na resistência
à insulina. A testosterona estimula a eritropoiese. Por isso, há aumento de células
vermelhas no sexo masculino.

ÓRGÃOS E TECIDOS

A maioria dos órgãos duplica de tamanho durante a puberdade. O tecido


linfoide sofre uma involução nesse período.
 
FONTE: Disponível em: <http://revistadepediatriasoperj.org.br/detalhe_artigo.asp?id=555>. Acesso
em: 3 maio 2017.

71
RESUMO DO TÓPICO 3
Neste tópico, você aprendeu que:

• O comportamento sedentário tem crescido cada vez mais no Brasil e no mundo,


assim como tem aumentado a quantidade de crianças, adolescentes e jovens
com sobrepeso, obesos e/ou com risco de obesidade.

• As recomendações atuais de atividade física para crianças e adolescentes são


de 300 minutos semanais e/ou 60 minutos diários de atividade de intensidade
moderada a vigorosa. A maioria destas atividades deve ser de caráter aeróbio
e intensidades vigorosas devem ser incorporadas, incluindo aquelas que
fortaleçam a musculatura e a estrutura óssea, ao menos três vezes por semana.

• Esportes coletivos, como o futebol, voleibol, basquetebol e handebol englobam


movimentos que requisitam, principalmente, a ação muscular dos membros
inferiores e secundariamente os músculos de sustentação/posturais, o que dessa
forma, estimulariam maior ganho ósseo e a possibilidade de prevenção da
osteoporose em época futura.

• Estudos com crianças e adolescentes têm demonstrado o benefício da atividade


física no estímulo ao crescimento e desenvolvimento, prevenção da obesidade,
incremento da massa óssea, aumento da sensibilidade à insulina, melhora do
perfil lipídico, diminuição da pressão arterial, desenvolvimento da socialização
e da capacidade de trabalhar em equipe.

72
AUTOATIVIDADE

1 Agora, caro acadêmico, chegou a hora de você praticar o que aprendeu


neste tópico. Crie uma resenha de uma página, considerando o que você
estudou neste tópico sobre o treinamento desportivo e suas consequências
para a saúde na idade escolar. Como o comportamento sedentário tem
crescido entre as crianças e adolescentes devido aos novos estilos de vida
da sociedade moderna, e pensando no esporte coletivo como uma proposta
de intervenção para combater este tipo de comportamento e estimular a
população a cumprir as recomendações da Organização Mundial da Saúde.

Dessa forma, em seu texto atenda às seguintes perguntas:

Quais são as consequências do sedentarismo em crianças, jovens e adolescentes?

Como as aulas de Educação Física podem promover a boa prática de atividade


física?

Que tipos de ferramentas didáticas poderiam ser usadas durante as aulas? Dê


exemplos práticos.

73
74
UNIDADE 2

PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO E
O CONDICIONAMENTO FÍSICO
APLICADO

OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM

Esta unidade tem por objetivos proporcionar a você:

• conhecer os princípios do treinamento e suas aplicações no mundo do


Educação Física;

• destacar o condicionamento físico necessário para as mais diversas ativi-


dades e modalidades esportivas;

• conhecer os princípios do treinamento e suas aplicações no mundo do


Educação Física;

• compreender as diferenças dos princípios do treinamentos desportivo de


acordo com a população.

PLANO DE ESTUDOS
Esta unidade está dividida em dois tópicos. No final de cada um deles, você
encontrará atividades que visam à compreensão dos conteúdos apresenta-
dos.

TÓPICO 1 – OS PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

TÓPICO 2 – O CONDICIONAMENTO FÍSICO PARA DIFERENTES ATIVI-


DADES ESPORTIVAS

75
76
UNIDADE 2
TÓPICO 1

OS PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO
DESPORTIVO

1 INTRODUÇÃO
Bem-vindo, acadêmico! Neste tópico, abordaremos algumas das mais
importantes bases da montagem e/ou manutenção do treinamento esportivo.
Sabendo que o treinamento é conhecido como um processo constante, repetitivo
e sistemático, composto de exercícios progressivos que visam ao aperfeiçoamento
do desempenho físico ou mental (BARBANTI; TRICOLI; UGRINOWITSCH, 2004),
e, além disso, conforme mencionamos até o momento, o treinamento esportivo
vem passando por evoluções a todo momento. Novas tecnologias, novos meios
e novos métodos, periodização e novos planejamentos, entretanto, as bases de
sua construção são de longa data. Entre estas bases devemos estacar com grande
importância os princípios do treinamento que são: o Princípio da Individualidade
Biológica, o Princípio da Adaptação, o Princípio da Sobrecarga, o Princípio da
Continuidade, o Princípio da Interdependência Volume-Intensidade, o Princípio
da Especificidade, o Princípio da Variabilidade e o Princípio da Saúde, entre outros
que também iremos mencionar posteriormente.

Todos estes princípios servem de ferramenta para os treinadores e cientistas


do esporte, assim como para os professores de educação física no momento de
criação de determinado treinamento esportivo, seja em um plano de sessão ou
em um macrociclo. Para aumentar seu conhecimento e senso crítico, durante todo
este tópico, abordaremos a opinião de profissionais que trabalham com o tema da
unidade para que você possa ver o conhecimento sendo aplicado no campo, na
quadra e na escola.

2 PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO DESPORTIVOS – O QUE


SÃO?
Caro acadêmico! Antes de discutir os princípios esportivos, suas qualidades,
aspectos históricos e aplicações práticas temos que entender o que realmente os
princípios são e como são definidos pelos autores.

Começaremos com a definição de Dantas (2014), que determina que os


princípios são os aspectos cuja observância diferenciará o trabalho feito à base de
ensaios e erros, do científico. Possivelmente, você, acadêmico, ficou confuso com
tal afirmação, acalme-se, vamos explicar. Podemos entender que a observância
(cumprimento rigoroso de uma regra) a que o autor se refere diz respeito

77
UNIDADE 2 | PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO E O CONDICIONAMENTO FÍSICO APLICADO

ao cumprimento deste princípio e terá resultados diferentes que devem ser


analisados em bases dos resultados, ensaios e erros. Portanto, temos que entender
o treinamento quando tomado com base nos princípios do treinamento como
um sistema contínuo organizado, muitas vezes não linear, que é construído em
princípios científicos, estimulando modificações morfológicas além de funcionais
no organismo (BARBANTI, TRICOLI e UGRINOWITSCH, 2004).

Segundo a Associação Atlética Gaélica (GAA, 2017), que estuda a formação


e aperfeiçoamento de treinadores, os princípios do treinamento desportivo
promovem um equilíbrio e aumento na aptidão física devido a uma adaptação
específica causada por um regime de treinamento necessário de cada esporte, e
além disso, necessário por cada atleta. Segundo a associação, um programa de
treinamento que tenha o objetivo de aumentar o desempenho do atleta deve
obedecer aos princípios do treinamento desportivo.

Baseado nestas definições, podemos estipular que os princípios têm muita


importância na construção de um treinamento e assim torna-se uma obrigação ao
professor ou treinador conhecer estes princípios. Por fim, com o crescimento do
conhecimento da ciência do esporte, os princípios do treinamento desportivo são
bases norteadoras na construção do treinamento e devem ser levados em conta
em todas as suas fases, seja na avaliação pré e pós-treinamento de determinado
atleta ou estudante, no controle do treinamento durante a temporada ou o ano
letivo, no modelo de organização, planificação, planejamento e periodização
do treinamento dos ciclos escolares ou ciclos competitivos, e além disso, no
desenvolvimento das capacidades motoras ou aperfeiçoamento destas por alunos
e atletas, respectivamente (ROSCHEL et al., 2011).

78
TÓPICO 1 | OS PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

FIGURA 24 - EVOLUÇÃO DA CIÊNCIA DO ESPORTE – FOTO A, EM


1967, CONSUMO DE GASES COLETA EM CORRIDA. FOTO
B, 2016, TESTES EM LABORATÓRIO COM APARELHOS
SOFISTICADOS

FONTE: Disponível em: <http://blogs.bmj.com/bjsm/2016/03/20/


retrospective-part-i-american-pioneers-in-distance-running-
research/ e http://www.flanderstoday.eu/education/
ugent-sports-lab-unites-science-and-athletics?utm_
content=buffere075e&utm_medium=social&utm_
source=twitter.com&utm_campaign=buffer>. Acesso em: 1º
mar. 2017.

3 HISTÓRIA DOS PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO


Em seus ensinamentos anteriores você já aprendeu as construções e
evoluções históricas do treinamento, portanto, neste momento iremos fazer uma
breve recapitulação para que você possa entender a origem histórica dos princípios
do treinamento desportivo. O fato da evolução do treinamento ter acontecido
simultaneamente em várias partes do mundo é difícil determinar um ponto e
local específico na linha do tempo para cada princípio, entretanto, iremos apontar
fatos e evidências que correspondem à determinada cultura e período de tempo
e relacioná-los ao determinado princípio de treinamento. Caro acadêmico! Neste
momento, atente-se a algumas descobertas que são vendidas como inovações, mas

79
UNIDADE 2 | PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO E O CONDICIONAMENTO FÍSICO APLICADO

já são muito antigas, e como o treinamento tem muito tempo de conhecimento,


porém continua em constante evolução.

A evolução do treinamento se divide em alguns períodos, são eles:

QUADRO 8 – A EVOLUÇÃO DO TREINAMENTO

Período da Arte Civilização Grega


Período da Improvisação 1896-1920
Período da Sistematização 1920- 1939
Período Pré-científico 1939- 1960
Período Científico Depois de 1956
FONTE: Os autores

No período da arte, temos algumas evidências sobre os princípios de


treinamento, Filostratos (séc. II d.C.) mencionou a preparação que o treinador
necessita e também discutiu sobre treinos individualizados para os atletas da época,
relacionando-se assim ao princípio da individualidade biológica. A civilização
grega abordava a importância do descanso e da volta à calma, evolução de carga,
além de ciclos temporais de treinamento, conhecidos como tretas, princípios de
sobrecarga, continuidade e importância de um planejamento já estavam sendo
abordados (DUARTE, 2004).

Durante o período de improvisação vários modelos de periodização e


planejamento foram elaborados no meio de tentativa e erro, naquele tempo, o
treinamento não poderia ser muito longo (8 a 10 semanas), nesta época começaram
as divisões de treinamento geral, preparatório e especial.

Durante o período de sistematização, em 1928, Mang discute e defende que


a formação do atleta, seja ela geral, especial ou técnica deve ser realizada de modo
paralelo e não de modo sucessivo, argumentos que podem ser evidenciados ao
princípio da adaptação e também ao princípio de continuidade. Em 1930, Pihkala
instala o controle ondulatório de cargas, partindo de curtos períodos, como dias
e semanas, para períodos mais longos de programação, como meses e anos, isso
nada mais é que a aplicação do princípio de sobrecarga aplicado ao estudo de
periodização.

Ainda na década de trinta, o aumento da intensidade e diminuição do


volume é aplicado e defendido por Nurmi, exemplificando muito bem o Princípio
da Interdependência Volume-Intensidade. Além de Nurmi, Osolin, na antiga
URSS aplicava o treinamento de um ano inteiro de uma mesma modalidade.

Durante o período pré-científico, Gerschler deu início ao que conhecemos


como “Interval Training”, (treino caracterizado por cargas intervaladas, distâncias
curtas e intensidade altíssima). Este treino ainda é muito utilizado nos dias de
80
TÓPICO 1 | OS PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

hoje nos mais variados centros de treinamento, sua criação foi o entendimento do
doutor alemão Woldemar Gerschler, do Princípio da Interdependência Volume-
Intensidade.

FIGURA 25 - À DIREITA DR. WOLDEMAR GERSCHLER – UM DOS PIONEIROS DO


TREINAMENTO INTERVALO

FONTE: Disponível em: <http://www.irishrunner.ie/progression-by-intervals/>.


Acesso em: 1º mar. 2017.

Em 1939, Periodização do treinamento semelhante ao de Matweyev,


realizada por Grantyn, ainda nesta época Zatopék surgiu com a alteração de séries
de 200 m e 400 m para aprimorar o treinamento intervalado.

UNI

Emil Zatopék é o nome de um tcheco que realizou um feito único no esporte.


Nas olimpíadas de 1952, em Helsinque, conquistou a medalha de ouro nos 5.000 m, nos 10.000
m e na Maratona. Zatopék ficou conhecido como um atleta que treinava muito e tinha o
apelido de locomotiva humana pelos seus treinos intervalados acompanhando trens. Mais
tarde Zatopék veio ao Brasil e ganhou a famosa corrida de São Silvestre. Outra curiosidade
sobre este corredor é seu desafio de treino, denominado Desafio Zatopék, consistia em 100
tiros de 100 metros, ou seja, 10km em uma intensidade muito alta.

81
UNIDADE 2 | PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO E O CONDICIONAMENTO FÍSICO APLICADO

Em 1945, ao final da guerra, começou a cultura muito forte do “Weight


training”, nos EUA e na URSS. O momento de guerra queria mostrar os soldados
mais preparados e mais fortes, ainda no período Pré-científico.

No período conhecido como Científico temos a melhoria do Interval training,


entre outros treinos, com a descoberta de como controlar a frequência cardíaca e
como utilizá-la como parâmetro de treinamento. Além disso, temos os treinos com
grande intensidade e também com grandes volumes até a exaustão e esgotamento.
A evolução dos centros de treinamento e de análise dos atletas e do ser humano em
exercício no geral também são marcas deste período da história.

Existem alguns autores que separam este período em suas principais


descobertas como científico-metodológicos (métodos e meios de treinamento),
biológicos (descobertas biomédicas que auxiliam e auxiliaram no treinamento),
tecnológico (tecnologias que melhoram o desempenho físico dos humanos),
mercantilista (aumento de esporte como fonte de renda e lucro).

4 PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO – DEFINIÇÕES,


EXEMPLOS, APLICAÇÕES E CURIOSIDADES
Acadêmico! Para o seu entendimento, nesta parte, queremos responder às
seguintes perguntas e explicações sobre cada princípio:

• Qual é a definição de princípio de treinamento?


• Como este princípio determinado funciona no treinamento?
• Aplicações práticas e exemplos práticos.
• Artigos científicos de aprofundamento de cada princípio.
• Curiosidades.

DICAS

Para melhor entendimento e posteriormente poder estudar com mais prioridade,


faça um resumo de cada princípio do treinamento desportivo.

82
TÓPICO 1 | OS PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

4.1 O PRINCÍPIO DA INDIVIDUALIDADE BIOLÓGICA


Definições

Quando conversamos sobre individualidade, estamos falando sobre o


indivíduo como sendo único, por isso este princípio do treinamento desportivo é
tão importante, pois acredita que apesar de respostas de determinados estímulos
serem parecidas, cada praticante vai ter uma singularidade na resposta do
treinamento ou do exercício físico.

Nas definições encontradas em livros podemos destacar a definição de


Tubino, que faz relação tanto a aspectos físicos de condicionamento quanto a
aspectos psíquicos de condicionamento.

Chama-se individualidade biológica o fenômeno que explica a


variabilidade entre elementos da mesma espécie, o que faz com que se
reconheça que não existem pessoas iguais entre si. Cada ser humano
possui uma estrutura física e uma formação psíquica própria, o que
obriga a estabelecer-se diferentes tipos de condicionamento para um
processo de preparação esportiva que atenda às características físicas
e psíquicas individuais dos atletas (TUBINO, 1979, p. 93, grifo nosso).

Assim, a individualidade tornou-se um dos principais pontos e requisitos


do treinamento. Baseia-se no pensamento que o treinador ou o professor deve
tratar cada atleta ou cada estudante de modo individualizado. Estudando e
analisando suas habilidades motoras, seu potencial de evolução, sua capacidade
e velocidade de aprender determinada tarefa, independentemente de seu nível
de desempenho ser iniciante ou avançado. Conceitos fisiológicos e biomecânicos,
assim como psicológicos devem ser levados em conta no momento de construção
do treinamento (BOMPA, 2002).

Quando pensamos em escola ou esporte de base para crianças também


temos que perceber a individualidade biológica, pois ela nos permitirá entender
como funcionará o desenvolvimento individual de cada atleta. Para isso, buscamos
no Caderno de Esportes, criado com o apoio com a UNESCO, uma opinião formada
sobre este princípio de treinamento aplicado na escola:

Cada indivíduo é único e, por isso, cada indivíduo traz para o esporte as
suas próprias aptidões, capacidades e respostas aos estímulos do treino.
Crianças e atletas diferentes responderão de formas diferentes ao
mesmo tipo de treino. Assim, não existe uma forma de treino ideal que
produza resultados ótimos para todos. O professor-treinador precisa
entender esses princípios e aplicá-los, de forma a respeitar os diferentes
tempos de aprendizagem que os alunos apresentam para uma
determinada tarefa, ou mesmo compreender a lentidão na melhora do
desempenho de um aluno-atleta (VALE, 2013, p. 14, grifo nosso).

83
UNIDADE 2 | PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO E O CONDICIONAMENTO FÍSICO APLICADO

FIGURA 26 - DIFERENTES BIÓTIPOS, O PRINCÍPIO DA INDIVIDUALIDADE BIOLÓGICA

FONTE: Disponível em: <http://app.globoesporte.globo.com/olimpiadas/biotipos-dos-


atletas/>. Acesso em: 2 mar. 2017.

DICAS

Gostou da individualidade biológica? Que tal comparar o seu biótipo com o de


atletas olímpicos. Este aplicativo criado pelo Globo Esporte permite você se comparar a atletas
olímpicos. Basta entrar no site: Disponível em: <http://app.globoesporte.globo.com/olimpiadas/
biotipos-dos-atletas/>.

Boa sorte acadêmico!

Quando discutimos a individualidade biológica, geralmente conversamos


também sobre genótipo e fenótipo, estes dois aspectos entendidos em conjunto
formam a maneira como o atleta ou estudante respondem ao treinamento ou
atividade. Dantas (2014) caracteriza genótipo como a carga genética do indivíduo,
que nasce com ele, já o fenótipo é caraterizado como a interferência do meio,
acrescido, somado ao indivíduo.

Podemos citar como fatores genéticos: a composição corporal do indivíduo,


o biótipo, altura máxima esperada, força máxima possível e aptidões físicas e
intelectuais. Entretanto, já as características do fenótipo são: habilidades esportivas,
o consumo máximo de oxigênio que um indivíduo apresenta e potencialidades
expressas (altura do indivíduo, sua força máxima etc.), ou seja, fatores que são
alterados com o treinamento do indivíduo.

Para facilitar ainda mais o seu entendimento vamos pensar que o resultado
fenótipo seja a soma do genótipo com as alterações que a ambiente causa. Um
exemplo muito simples utilizado em aula de biologia é a pigmentação da pele da

84
TÓPICO 1 | OS PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

pessoa, quando nasce seria genótipo, o sol e as alterações na pigmentação da pele


causadas por ele são alterações do ambiente e o resultado fenótipo seria a pele com
alteração de pele.

Exemplos práticos

Abordaremos alguns exemplos para que você reflita e leve este princípio
de treinamento desportivo a sua prática:

• Você é um professor de Educação Física e se depara com estudantes da quarta


série heterogêneos com genótipos diferentes, um tem uma disposição de
gordura exagerada com 100 quilogramas de massa corporal e outro com uma
disposição de gordura diminuída com 50 quilogramas de massa corporal. A
pergunta central é: Você tomará as mesmas medidas de treinamento com ambos
os atletas, repetições, limites de exercícios, altura de saltos, esportes de combate?
Sim, acadêmico, esta pergunta é complicada, pois o princípio não tem como
objetivo a exclusão de atletas de atividades ou separação de grupos, porém
cabe a você, como futuro professor de Educação Física, tomar decisões para o
confronto ou prática com estes dois genótipos e que sejam seguras para ambos.

• Estudantes de sexos diferentes na mesma classe, quais atividades podem ser


realizadas em modelo misto e quais devem ser realizadas em momentos e
espaços separados ou em modelo diferente? Para esta resposta, caro acadêmico,
o correto é utilizar uma escala de crescimento e desenvolvimento por sexo, que
mostra quando os meninos começam a ter vantagem sobre as meninas nas mais
variadas capacidades físicas, é claro que cabe também ao professor identificar
modelos de exercícios que permitam que os atletas ou estudantes possam
praticá-los em harmonia entre sexos.

DICAS

No link que segue você pode encontrar uma tabela de crescimento e


desenvolvimento que estratifica por sexo entre as idades, que irá auxiliar você quando encontrar
o problema descrito acima. Disponível em: <http://www.misodor.com/CRESC.html>.

DICAS

Para aprender ainda mais sobre este princípio importantíssimo, o professor Dr.
João Moura explica a valência da individualidade biológica com muita propriedade, vale a pena
conferir o vídeo explicativo. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=zuCc26zf0kI>.

85
UNIDADE 2 | PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO E O CONDICIONAMENTO FÍSICO APLICADO

Artigo de aprofundamento do conhecimento aprendido



Aguiar et al. (2007) apresentou um artigo interessantíssimo sobre a área no
5º Simpósio de Ensino de Graduação da Universidade Metodista de Piracicaba,
intitulado “TREINAMENTO MISTO NO ESPORTE COLETIVO VOLEIBOL”.
O artigo abordou temas como sexo e individualidade biológica de cada sexo. A
metodologia abordada objetivou sanar as seguintes dúvidas: Como são feitos os
treinamentos mistos? Você vê benefícios no treino misto? Quais? Há preocupação
com a realização de treinos diferenciados para os sexos masculino e feminino
durante algum período?

Aguiar et al. (2007, p. 4) concluíram que: “[...] um treinamento misto só é


possível e benéfico se respeitar as individualidades de cada sexo e proporcionar
momentos de treinos separados, em que cada sexo melhorará seus desempenhos
dentro de parâmetros semelhantes”. Concluímos que é de grande importância
para todos os treinadores e para todos os professores levar em conta o princípio
da individualidade biológica, respeitar as características do indivíduo, além de
tornar a prática mais segura torna os resultados de desempenho mais fáceis de
serem alcançados.

4.2 O PRINCÍPIO DA ADAPTAÇÃO


Definições

Este princípio do treinamento desportivo está altamente relacionado com a
busca pela homeostase que o ser humano realiza. Para quem não sabe, homeostase
é o estado de equilíbrio mantido entre os sistemas que constituem o organismo
humano, além do equilíbrio existente entre este e o meio ambiente. Assim, de modo
resumido, o Princípio da Adaptação baseia-se na busca permanente de homeostase
pelo organismo. Para estímulo que o ser humano recebe em seu organismo haverá
uma resposta para busca de equilíbrio.

Conhecendo o estresse e os estímulos estressantes

Antes de partirmos para as definições dos autores sobre este princípio temos
que entender que a criação ou estabelecimento dele tem grande influência sobre as
pesquisas com estresse. Os estudos de estresse tiveram seu início em 1920, porém
foi entre 1950 e 1970 que a maioria das pesquisas aconteceu. Podemos destacar o
austríaco Hans Selye e também o Sueco Von Euler como grandes pesquisadores
deste tema. Porém, foi Claude Bernard, no século XIX, que mostrou que o ser
humano é capaz de se adaptar às variações ambientais através de manutenções
no meio interno humano, no organismo em constante equilíbrio. O que o francês
Bernard mostrou foi que, apesar de no meio externo haver grande poder de
alteração, o organismo humano tem ferramentas de controle destas alterações,
como por exemplo reservas energéticas para uma possível perda de energia,
mecanismos de proteção que controlam a temperatura com o próprio suor, entre
outras ferramentas fisiológicas e metabólicas (TUBINO, 1979).
86
TÓPICO 1 | OS PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

FIGURA 27 - HANS SELYE, EXPLICANDO SUA TEORIA DO STRESS

FONTE: Disponível em: <http://brainimmune.com/hans-selye-80th-


birthday-stress-research/>. Acesso em: 1º mar. 2017.

Mais tarde, estes estudos foram evoluindo até chegar ao que chamamos
antes de homeostase, mostrando que as células respondiam entre alterações
controladas e limites compatíveis com a atividade vital, funcionando com um
equilíbrio dinâmico e não algo imutável ou uma estabilidade totalmente rígida.
Segundo os pesquisadores, o ser humano teria uma situação ambiental de equilíbrio
com pressão e temperatura controlada além de nutrição e hidratação saudável, fora
desta situação o organismo perde homeostase e começa uma batalha fisiológica e
metabólica para a busca pelo equilíbrio novamente. Hans Selye trouxe ao mundo
científico o termo SAG – Síndrome da Adaptação Geral, processos de adaptação
aos chamados “agentes estressores”, também citado por Hans (MARGIS et al.,
2003).

A Síndrome de Adaptação é dividida em quatro principais fases que


acontecem em sequência até que o limite da capacidade fisiológica seja alcançado.
São eles, de acordo com Lipp (2000):

1. Fase de Alarme.
2. Fase de Resistência.
3. Fase da Quase Exaustão.
4. Fase de Exaustão.

87
UNIDADE 2 | PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO E O CONDICIONAMENTO FÍSICO APLICADO

FIGURA 28 - TEORIA DA SÍNDROME DA ADAPTAÇÃO GERAL DE HANS SELYE, AINDA SEM A FASE
DE QUASE EXAUSTÃO ADICIONADA POSTERIORMENTE

FONTE: Disponível em: <http://www.saudedescomplicada.com/doencas/sindrome-da-


adaptacao-geral/>. Acesso em: 1º mar. 2017.

A fase de alerta acontece quando o indivíduo entra em contato com o


agente estressor e mecanismos, a primeira tentativa é combater a fonte de estresse
e fazer com que o organismo possa voltar à homeostase (LIPP, 2000).

A fase de resistência é a fase de adaptação, nesta fase acontece o


desenvolvimento dos mecanismos de defesa do organismo. Se por acaso o
organismo não conseguir, na fase de alerta, combater o agente estressor, o
organismo continua a lançar defesas metabólicos e adaptações às opressões, alguns
autores a consideram como a mais importante ao estudo de treinamento esportivo
(LIPP, 2000).

A fase da quase exaustão, depois da luta contra o agente, é marcada pela


queda nos sistemas de proteção do corpo humano e o organismo fica vulnerável a
doenças se o agente opressor não cessar o estresse.

A fase de exaustão, propriamente dita, é quando estão totalmente escassos


os sistemas de proteção, queda total do sistema imunológico, e pode levar ao
colapso e até mesmo à morte (LIPP, 2000).

O pesquisador sueco Von Euler dividiu os agentes estressores segundo a


sua origem (TUBINO, 1979) e estes são divididos em três principais tipos:

• Agente estressor físico (qualquer agente da natureza física, como ventos,


umidade, temperatura ou esforço muscular).
• Agente estressor bioquímico (causados por efeitos farmacológicos, como
calmantes, estimulantes, anestésicos, entre outras drogas ou medicamentos).
• Agente estressor mental (causado por fatores como motivação, preocupações,
bullying etc).

88
TÓPICO 1 | OS PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

O que determina a nossa adaptação é: primeiro a força que o estímulo tem


e quão preparados ou treinados estamos para aquele estresse. Além dos agentes
estressores, Dantas (2014) classificou os estímulos conforme o quadro a seguir:

QUADRO 2 – ESTÍMULOS E CONSEQUÊNCIAS


Estímulos Consequências

Débeis Sem consequências

Médios Excitação somente

Fortes Provocam adaptações

Muito Fortes Provocam Danos


FONTE: Adaptado de Dantas (2014)

Caro acadêmico! Agora que já entendemos como funciona a teoria do


estresse e dos estímulos podemos ver as definições dos autores da área com mais
propriedade, busque entender o verdadeiro significado por trás da definição.

Na biologia, compreende-se ‘adaptação’ fundamentalmente como uma


reorganização orgânica e funcional do organismo, frente a exigências
internas e externas; adaptação é a reflexão orgânica, adoção interna de
exigências. Ela ocorre regularmente e está dirigida a melhor realização
das sobrecargas que induz. Ela representa a condição interna de uma
capacidade melhorada de funcionamento e é existente em todos os
níveis hierárquicos do corpo (WEINECK, 1999, p. 135).

O princípio de adaptação pode ser definido como a busca pelo equilíbrio


do organismo em resposta aos mais variados estímulos e agentes estressores.

Agora que definimos o princípio de adaptação temos que entender os


tipos de adaptações que podem acontecer no ser humano. Tubino (1979) divide as
adaptações em tipo, localização, efeito e o tempo necessário para cada adaptação.

Quanto à adaptação, existem dois principais tipos: adquiridos durante


a vida e as adaptações hereditárias. De modo óbvio as adaptações hereditárias
necessitam de alterações genéticas, já as adquiridas durante a vida acontecem
durante a existência do indivíduo.

Quanto à localização da adaptação destacamos as adaptações realizadas


em nível celular (acontecendo dentro das estruturas celulares), em nível tecidual
(acontecem em tecidos, sejam em alteração de forma ou composição), em nível
de órgãos ou sistemas (estômago e/ou sistema digestivo etc.) e em nível de uma
população (alteração de DNA).

Quanto ao tempo necessário para uma adaptação acontecer, nós partiremos


desde segundos, minutos, horas, dias, semanas, até anos e gerações, como é o caso
de alterações hereditárias.

89
UNIDADE 2 | PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO E O CONDICIONAMENTO FÍSICO APLICADO

Exemplos práticos

Agora que conhecemos as características da adaptação podemos citar
alguns exemplos de cada tipo de adaptação:

• Como professor dedicado você acompanha o crescimento ósseo de um


determinado aluno durante os anos. Sabemos que o crescimento do aluno é
algo que acontece por via de adaptações causadas pelo efeito piezoeléctrico,
que através de estímulos nos osteoblastos (adaptação em nível celular), causam
aumento na calcificação e formação de osso (adaptação em nível tecidual) e por
fim na altura corporal (adaptação no sistema esquelético).
• Desastres nucleares têm a infelicidade de deixar traços não somente nas pessoas
que estavam vivas, assim como nas gerações posteriores aos afetados (adaptação
do corpo ao evento nuclear estressor).
• Fase de maturação de jovens e adolescentes (mais comentada na Unidade
3 deste livro) tem aumento de hormônios circulantes (nível celular), que
por consequência se associa a outros fatores e causa a hipertrofia muscular
(adaptação tecidual).

Outro exemplo que acontece muito no treinamento seja de crianças ou de


adolescentes é o “strain” – que seria uma fadiga total, uma estafa, ou exaustão
total, para melhor entender este termo vamos primeiro ler com atenção o trecho de
Tubino (1979, p. 101):

É importante estabelecer que será sempre a adaptação do organismo


que dirigirá o nível de treinamento a ser imposto. Mas essa observação
é de difícil constatação no que diz respeito aos estresses mentais, pois
muitas vezes, devido ao excesso de atividades diárias, os treinadores
não conseguem perceber que seus atletas se encontram estimulados
continuamente por fortes agentes estressores mentais, como, por
exemplo, reações familiares em relação à "vida de atleta" ou pressões
sobre os resultados.

Neste contexto, entendemos que vários são os fatores que podem causar
o “strain”. Entre eles destacam-se esforço físico exacerbado, nutrição e hidratação
inadequada, patologias, estado psicológico anormal, repouso faltante (CARLILE;
DEE, 1967). Então, como evitaremos este mal denominado “strain”?

Com base nisso existem alguns protocolos que estudam sintomas ou


evidências que avisam ou alertam que o seu atleta ou estudante terá um strain.
Entre os sintomas podemos destacar: perda de peso excessivo, insônia, dores em
articulações, problemas digestivos, irritabilidade aguda, falta de ar, transtornos no
metabolismo e dificuldade de raciocínio.

Talvez, agora, você, acadêmico, entenda quão importante é a correta
utilização do princípio da adaptação, erros na identificação desta adaptação e dos
estímulos que são cruciais.

90
TÓPICO 1 | OS PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

Artigo de aprofundamento do conhecimento aprendido

Para você que quer ser o diferencial, aqui está o seu desafio de
aprendizado ainda maior, temos certeza de que se você ler este artigo terá mais
conhecimento sobre aspectos importantíssimos no entendimento da adaptação
ao treinamento de força. O artigo intitulado “Adaptações neurais e morfológicas
ao treinamento de força com ações excêntricas”, de Barroso e colaboradores
(2005), da Revista Brasileira de Ciência e Movimento, traz abordagens didáticas
de como o músculo, entre outras estruturas, responde ao treinamento de força
com ações excêntricas com uma visão de força muscular em nível celular até o
nível biomecânico dos membros geradores de força muscular. Quer aprender
ainda mais, basta clicar no link <https://scholar.googleusercontent.com/
scholar?q=cache:XOwDvt0ak3oJ:scholar.google.com/+adapta%C3%A7%C3%A3
o+ao+treinamento&hl=pt-BR&as_sdt=0,5> para ler o artigo no íntegra.

4.3 O PRINCÍPIO DA SOBRECARGA


Antes de conversarmos sobre o princípio da sobrecarga, vamos ao setor de
histórias, pois esta história, além de muito interessante, lhe ensinará como funciona
o princípio da sobrecarga. Contaremos a história de Mílon de Crotona da época de
500 a 580 a.C., na Itália. Foi atleta olímpico de luta (pancrácio), além de discípulo do
matemático Pitágoras. Nos jogos antigos teria ganho doze competições: seis vezes
nos Jogos Olímpicos e seis vezes nos Jogos Píticos. O nome da cidade de Milão foi
dado em sua homenagem. Tudo indica que através dele o método de treinamento
mais antigo da humanidade, utilizado até hoje, a evolução progressiva da carga,
foi criado. Este atleta corria com um bezerro nas costas, para aumentar a forças dos
membros inferiores, e quanto mais pesado o bezerro ficava, proporcionalmente
sua força aumentava. Esta história nada mais é que a aplicação do princípio da
sobrecarga, que a cada adaptação que você realiza, o estímulo necessitado para
evoluir é maior.

FIGURA 29 - MÍLON DE CROTONA E A EXPLICAÇÃO ILUSTRATIVA DO PRINCÍPIO


DE SOBRECARGA

FONTE: Disponível em: <http://revistasuaacademia.com.br/materia/um-pouco-


mais-sobre-a-historia-da-musculacao/363>. Acesso em: 25 ago. 2016.

91
UNIDADE 2 | PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO E O CONDICIONAMENTO FÍSICO APLICADO

Definições

Depois de conhecermos a história de Mílon de Crotona, o princípio
de sobrecarga fica mais fácil de entender. Realmente, o momento ou período
que acontece a adaptação do organismo aos eventos estressores (estímulos de
treinamento) é uma das principais incógnitas e discussões da ciência do esporte.
Existem estudos que evidenciam a adaptação durante os intervalos intermediários
dos treinos, enquanto outras pesquisas evidenciam a adaptação após o último
intervalo da sessão de treino (TUBINO, 1979). Assim, o princípio da sobrecarga
consiste em:

[...] sobrecarregar o organismo do atleta, de maneira adequada, variando-


se a frequência, a intensidade, o volume e a duração do treinamento.
A sobrecarga deve ser individualizada e aplicada de forma progressiva
ao longo do processo de treinamento (VALE, 2013, p. 10, grifo nosso).

Basicamente, para que tenhamos evolução no decorrer de um treinamento


é necessário que este treinamento seja realizado numa sobrecarga maior do que a
que se está habituado, parece óbvio, pois se você sempre se exercitar da mesma
maneira e com a mesma intensidade não acontecerão evoluções.

Entretanto, Dantas (2014) acredita que, conforme dito anteriormente,


a adaptação acontecerá pela busca de equilíbrio, porém o autor cita um termo
importante à assimilação compensatória também chamado de supercompensação.

A assimilação compensatória ou supercompensação é a capacidade do


organismo de volta ao seu estado ou em um estado melhor que o estado depois
de determinado agente estressor agir, por exemplo, fadiga. Assim, o processo
de supercompensação acontece posterior ao treinamento, quando seu corpo se
recupera do treinamento e então melhora suas qualidades morfológicas. O processo
de supercompensação do organismo pode ser severamente comprometido por uma
incorreta disposição do tempo de aplicação das cargas (CIOLAC; GUIMARÃES,
2004).

GRÁFICO 9 - SUPERCOMPENSAÇÃO

FONTE: Disponível em: <http://treinodeforca.com.br/?p=699>. Acesso em: 2 mar.


2017.

92
TÓPICO 1 | OS PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

Tubino (1979) complementa as definições de assimilação compensatória


como a soma do período de restauração e do período de restauração ampliada.
Para o autor, restauração seria o período que o corpo reestabelece aos padrões
de força e capacidade que estava no momento anterior ao estímulo. Já o período
de recuperação ampliada é quando o organismo se recupera e disponibiliza de
mais força ou mais capacidades que no momento anterior ao estímulo. Além
disso, acredita-se que é no final do período de recuperação ampliada que o novo
estímulo deve ser aplicado, momento em que o organismo está com mais energia
para o próximo treino.

Conforme conversamos, acadêmico, no princípio de adaptação sobre o
“strain”, quando realizamos um estímulo em momento inadequado podemos
alcançar algo denominado “over training”, conforme mostra a figura a seguir, com
dois caminhos do treinamento. Os sintomas são semelhantes aos “strain”, existem
autores que afirmam ser o mesmo efeito.

FIGURA 31 - SUPERCOMPENSAÇÃO VERSUS OVER TRAINING, IMPORTÂNCIA NO MOMENTO


CERTO DE ESTÍMULO

FONTE: Disponível em: <http://corredoresanonimos.pt/actualidade/especialistas/a-


importancia-do-estimulo-nos-treinos-para-a-melhoria-do-nosso-rendimento>. Acesso
em: 4 mar. 2017.

A supercompensação pode ser atingida de diversas maneiras, são algumas


delas:

• Alterando a velocidade da atividade.


• Aumentando a resistência.
• Aumentando o número de séries e/ou de repetições.

93
UNIDADE 2 | PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO E O CONDICIONAMENTO FÍSICO APLICADO

• Alterando o método de treinamento.


• Diminuindo descanso entre séries.
• Aumentando o tempo total da sessão.

Exemplos práticos

Será que existe o princípio da sobrecarga na escola? Se você é professor e
percebe que os estudantes estão começando a entrar em um plateau de desempenho
em determinada atividade, o que você faz? Seja ela uma atividade técnica ou
funcional. O mais sensato seria fazer uma análise na sala e verificar se todos já
compreendem o básico pré-estipulado, se sim, pensar e estudar novos meios mais
avançados e seguros daquela atividade. Lembre-se, acadêmico, de que podemos
falar de um saltar de corda como de um quicar da bola.

Over training na escola? O contrário também pode ser verdadeiro, é


possível que alguns estudantes passem por um over training ou strain. E assim,
é responsabilidade sua, professor, estar pronto para identificar os sintomas e
diminuir a intensidade e/ou volume do treinamento, ou até mesmo outras formas
de tratamento de over training.

DICAS

Quer aprofundar ainda mais seu conhecimento sobre a adaptação e suas


aplicações, confira o vídeo explicativo do professor Dr. João Moura: Disponível em: <https://
www.youtube.com/watch?v=oH1EujCGyQA>.

Artigo de aprofundamento do conhecimento aprendido



Exercícios de força para crianças, isso é possível? Para você que quer ser
um professor diferenciado, deve ler este artigo sobre o princípio da sobrecarga
aplicado no treinamento-força para as crianças.

O manuscrito intitulado “Elaboração de programas de treinamento de
força para crianças”, de Oliveira e colaboradores (2004) é uma revisão estruturada
sobre temas como atividade física na criança, aspectos fisiológicos e fatores de
crescimentos. Além disso, os autores abordam o treinamento com sobrecargas
para várias faixas etárias (5 a 7 anos, 8 a 10 anos, 11 a 13 anos, 14 a 15 anos, 16 anos
em diante). Os autores concluem que a musculação ou atividades resistidas é mais
uma opção de atividade física para crianças e adolescentes. Concorda ou discorda?
Leia e estude o artigo completo clicando no link que segue: <http://www.uel.br/
revistas/uel/index.php/seminabio/article/view/3662/29>.

94
TÓPICO 1 | OS PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

4.4 O PRINCÍPIO DA CONTINUIDADE


Definições

Caro acadêmico! Sabemos que é o treinamento que leva o atleta a ser


realmente classificado como atleta, porém não é somente um treino que vai tornar
aquele atleta com uma composição corporal de um atleta de elite. A continuidade
do treinamento é que o tornará um atleta. Além disso, como já estudamos a
sobrecarga, os treinos anteriores irão direcionar e influenciar os novos treinos
a serem planejados e executados. Estes dois pontos irão direcionar para o que
chamamos de o Princípio da continuidade, a influência de treinos anteriores e a
regularidade em sequência do treino. Tubino (1979, p. 107) discute estes conceitos
e acrescenta que:

[...] este princípio compreenderá sempre, no treinamento em curso,


uma sistematização de trabalho que não permita uma quebra da
continuidade. Em outras palavras, considerando um tempo maior, o
princípio da continuidade é aquela diretriz que não permite interrupções
durante esse período.

Segundo Dantas (2014), é necessário um mínimo de persistência no
treinamento para que este possibilite o desenvolvimento de algumas qualidades
físicas, tais como alterações morfológicos e/ou biológicas. Assim, um atleta ao
chegar ao topo tem uma enorme bagagem de treinamento, sem interrupções não
desejáveis.

Para o controle deste princípio os treinadores costumam usar termos para
os períodos que devem ser seguidos durante a periodização do treinamento como,
por exemplo, período preparatório, período competitivo, período de transição,
período de recuperação, período de base, sessões, microciclos, mesociclos,
macrociclos, entre outros termos.

FIGURA 32 - MODELO DE PERIODIZAÇÃO

FONTE: Disponível em: <http://www.farediunamosca.com/schema-bilancio-idrico-


infermieristico.html>. Acesso em: 5 mar. 2017.

95
UNIDADE 2 | PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO E O CONDICIONAMENTO FÍSICO APLICADO

Exemplos práticos

Você, como futuro professor, deve ter como dever programar as aulas
anteriormente e, além disso, programar os períodos do ensino, será que isso é
possível?

Claro, o professor deve analisar o que ensinará em cada parte do aprendizado,


não pode realizar sempre as mesmas atividades e não deve depender de sua mente
para criar atividades no momento, pois assim, você, futuro professor, não estará
criando uma linha de evolução no estudante. Por exemplo, o movimento de quicar
da bola, cabe ao professor programar quando pretende ensinar o movimento de
quicar com certas maneiras de evolução:

• Quicar com as duas mãos.


• Quicar com a mão dominante.
• Quicar com a mão não dominante.
• Quicar sem fase aérea.
• Quicar duas bolas simultaneamente.
• Quicar duas bolas alternadamente.

Artigo de aprofundamento do conhecimento aprendido

Quer saber tudo sobre periodização, busque mais conhecimento específico
sobre o assunto, lhe fornecemos o manuscrito intitulado “Estudo sobre a
Fundamentação do Modelo de Periodização de Tudor Bompa do Treinamento
Desportivo”. Este estudo explica bem e efetuou uma comparação entre os modelos
de periodização de Matveev e o modelo de Bompa através de uma metanálise entre
os dois, o que permite ao leitor um acompanhamento entre estes dois modelos.
Matveev publicou seu modelo em 1965 e foi utilizado por muito tempo, porém,
em 2002, Bompa publicou outro modelo com adaptações de Matveev, existem
os que acreditam que o modelo de Bompa é mais abrangente aos modelos de
exercícios de resistência. Leia o artigo em sua íntegra, clicando no link que segue:
<http://openrit.grupotiradentes.com/xmlui/bitstream/handle/set/520/159%20
Periodiza%C3%A7%C3%A3o%20de%20Bompa%20-%20F%26P%20J%20
%2805%29%20-%20DOI.pdf?sequence=1> e descubra detalhes desta ciência em
crescimento que se chama modelos de periodização.

4.5 O PRINCÍPIO DA REVERSIBILIDADE


Definições

Quando pensamos em treinamento não podemos esquecer que da mesma


forma como o treinamento se adapta de acordo com a sobrecarga exata, a falta de
treinamento faz com que o atleta ou estudante volte ao seu estado normal antes
do treino, ou seja, ele perde capacidade funcional ou adaptações morfológicas
que foram adquiridas com o treinamento. Basicamente, isto seria o princípio da

96
TÓPICO 1 | OS PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

reversibilidade, caracterizado pela volta ao estado original antes do treinamento


quando o exercício não é mais realizado, se esta pausa nos treinamentos não se
cessar, o indivíduo se tornará uma pessoa sedentária (MCARDLE, KATCH;
KATCH, 1998).

Monteiro (2011) menciona continuidade e reversibilidade na mesma


sentença, uma vez que o organismo se adapta a um nível habitual de solicitação, em
que os efeitos do treinamento se revertem, caso o indivíduo se torne mais inativo.

FIGURA 33 - EFEITO DO TREINAMENTO SEGUIDO DE DESTREINAMENTO

FONTE: Disponível em: <http://nikolasctesportivo.blogspot.com.br/2010_09_01_archive.


html>. Acesso em: 6 mar. 2017.

Exemplos práticos

Será que existe possibilidade de utilizar este recurso durante o planejamento
de um treinamento escolar ou em um treinamento de base. Imagine, você prepara
a criança durante todo o ano, percebe uma melhora em sua força, velocidade e
coordenação. Porém, agora vem o período de férias escolares (2-3 meses sem classes
de Educação Física), então, princípio da reversibilidade, segundo ele, o estudante
perderá um pouco do que foi ganho se não realizar atividades físicas durante as
férias. Outro exemplo é se acontecer uma lesão com algum estudante ou atleta.

97
UNIDADE 2 | PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO E O CONDICIONAMENTO FÍSICO APLICADO

Artigo de aprofundamento do conhecimento aprendido

Para que entenda melhor o que acontece quando crianças ou jovens param
o treinamento, ou seja, destreinam, sugerimos a leitura do artigo de Fontoura e
colaboradores (2004), que avaliou o destreinamento do treinamento de força no
artigo intitulado “O efeito do destreinamento de força muscular em meninos pré-
púberes”. Neste estudo foi avaliado o efeito de 12 semanas de destreino na força
muscular de meninos treinados por 12 semanas. Você se surpreenderia se a força
não tivesse caído nem um pouco durante 12 semanas?

DICAS

Quer aprofundar ainda mais seu conhecimento sobre os princípios do treinamento


desportivo da continuidade e reversibilidade e suas aplicações, confira o vídeo explicativo do
professor Dr. João Moura: Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=YuYaX7CqxJI>.

4.6 O PRINCÍPIO DA INTERDEPENDÊNCIA VOLUME-


INTENSIDADE
Definições

Antes de ir às definições do princípio do treinamento, temos que saber o
que é volume e o que é intensidade. De modo simplificado, volume é a quantidade
de tempo, distância ou trabalho em que você realiza a atividade física. Intensidade
é também, de modo simples, a carga do exercício, que pode ser mensurada em
peso, tempo, potência, entre outros. Alguns seriam na academia, suas séries do
treinamento vão ser seu volume e o haltere ou peso que escolher será a intensidade.
Em um treino de corrida, os quilômetros que correrá serão seu volume e a
velocidade será sua intensidade.

Este princípio do treinamento é extremamente importante quando


pensamos em prescrição do treinamento baseado nas variáveis volume de treino e
intensidade de treino. Basicamente, podemos dizer, de modo geral, que o aumento
dos estímulos de uma dessas variáveis é acompanhado de uma queda nos estímulos
da outra variável, ou seja, existe uma interdependência entre eles. Isso é, quando o
atleta aumenta muito abruptamente sua intensidade, logo o volume que consegue
percorrer ou treinar diminuirá. Assim, se o atleta resolver realizar um volume de
treino muito longo não poderá manter uma intensidade alta por muito tempo.

Sobre esta escolha entre intensidade e volume entre atletas de elite, Tubino
(1979, p. 108) afirma: “[...] os êxitos de atletas de alto rendimento, independente

98
TÓPICO 1 | OS PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

da especialização esportiva, estão sempre referenciados numa grande quantidade


(volume) e numa alta qualidade (intensidade) de trabalho”.

Existe uma grande gama de pesquisa neste princípio de Interdependência


Volume-Intensidade, pois os cientistas estão em busca constante de qual seria o
jogo perfeito de volume e intensidade para cada modalidade. Algumas maneiras,
entre muitas, de sobrecarregar o treinamento com volume e intensidade.

Volume – Maiores percursos; maior número de percursos; maior número


de repetições.

Intensidade – Menor duração nos intervalos entre estímulos; menor número


de intervalos entre estímulos; maior velocidade de execução.

GRÁFICO 10 - O JOGO DE VOLUME E INTENSIDADE DURANTE AS FASES DO TREINAMENTO E A


CURVA DE PERFORMANCE

FONTE: Disponível em: <http://www.viverdecorrida.com/periodizacao-de-treinamento-corrida-


de-rua/>. Acesso em: 6 mar. 2017.

Exemplos práticos

Você, como futuro professor, quer ensinar ao seu atleta técnica de corrida,
entre elas quer desenvolver a capacidade de correr distâncias longas, utilizará
a interdependência do volume e intensidade e obviamente não poderá colocar
intensidade e volume alto sempre. O correto, ou mais comum, seria seguir um
padrão de crescimento gradativo de ambas as variáveis e depois começar com
oscilações de ambas para que o atleta comece a entender que maiores volumes
precisam de intensidade mais baixa para que o volume possa ser completado com
sucesso.
99
UNIDADE 2 | PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO E O CONDICIONAMENTO FÍSICO APLICADO

DICAS

Vamos lá, mais uma grande aula do professor Dr. João Moura, sobre o jogo de
intensidade e volumes durante o planejamento de treinamento: Disponível em: <https://www.
youtube.com/watch?v=I6hQzk_ua-4>.

Artigo de aprofundamento do conhecimento aprendido



Um dos maiores problemas das crianças atualmente é o sobrepeso e,
por este motivo, você, como o futuro profissional, deve saber ainda mais sobre
emagrecimento. Como deve imaginar, volume e intensidade tem tudo a ver com
emagrecimento, visto que a utilização de gordura é dependente da intensidade
que você está e do volume que está percorrendo. Assim, caro acadêmico, com
o objetivo de preparar você ainda mais para o mercado de trabalho e ser um
profissional diferenciado recomendamos a leitura do artigo “Exercício resistido
e gordura corporal: relação entre volume, intensidade e emagrecimento”, de
Santos e colaboradores (2016). O artigo investigou a relação do treinamento com
peso e o emagrecimento, analisando o volume e a carga utilizados em estudos
experimentais, que investigaram sua influência na redução da gordura corporal.
Leia o artigo completo clicando no link: <http://portaldeperiodicos.unibrasil.com.
br/index.php/anaisevinci/article/view/1355/1169>.

4.7 O PRINCÍPIO DA ESPECIFICIDADE


Definições

Talvez você vai dizer que este princípio do treinamento desportivo é óbvio
depois de ler os seguintes conceitos. O princípio da especificidade preconiza que
quando um treinamento busca a melhoria de determinada variável (por exemplo,
força, velocidade, resistência etc.) é esta variável que você deve trabalhar, ou seja,
quer ficar forte nos membros superiores não treine os membros inferiores; quer
ficar rápido não treine capacidades de longas distâncias. Simples? Sim, porém
saiba que existem muitos profissionais cometendo o erro de não seguir o princípio
da especificidade. Temos que nos lembrar que:

O treinamento deve ser montado sobre os requisitos específicos da


performance desportiva, em termos de: qualidades físicas intervenientes,
proporcionalidade entre os sistemas energéticos participantes;
segmento corporal; utilizando coordenações psicomotoras empregadas
(DANTAS, 2014, p. 23).

Assim, de modo simples, se quisermos entender o princípio da especificidade


precisamos entender que quanto mais específica for a tarefa de treinamento, ou

100
TÓPICO 1 | OS PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

seja, quanto mais próxima da tarefa motora realizada na competição, maior será a
transferência que pode ser levada ao treinamento.

Os estudos de ciências do esporte utilizam o que chamamos de correlação


de Pearson (teste estatístico) para entender quanto determinado modelo de
treinamento determina ou auxilia na tarefa motora da competição e assim
conseguirmos mensurar quão importante é ter aquele tipo de exercício no
treinamento do atleta ou estudante.
GRÁFICO 11 - CORRELAÇÃO DE PEARSON UTILIZADA PARA ENTENDER QUANTO O TESTE
DE UMA REPETIÇÃO MÁXIMA É IMPORTANTE PARA A EXECUÇÃO DE SPRINTS E
SALTOS EM JOGADORES DE FUTEBOL

FONTE: Disponível em: <http://www.musculacao.net/treino-pesos-melhora-rendimento-


jogadores-futebol/>. Acesso em: 7 mar. 2017.

Exemplos práticos

Uma aplicação prática para este tipo de princípio do treinamento é simples,
se você necessita que seu estudante aprenda a pular corda, você não deve pedir
para ele quicar a bola. Você deve pensar em exercícios com maiores aplicações
à tarefa motora desejada. Por exemplo, movimento de elevação de joelhos em
conjunto, assim efetuando um salto primeiramente sem a corda. Outro exemplo,
seria a tarefa motora de pegar uma bolinha de tênis, uma vez que, se o aluno ainda
não tem coordenação motora fina para pegar a bola pequena, comece com bolas
maiores e vá diminuindo até a bola menor de tênis. Lembre-se e programe-se com

101
UNIDADE 2 | PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO E O CONDICIONAMENTO FÍSICO APLICADO

base no processo pedagógico de cada movimento, porém, às vezes, precisamos dar


a liberdade ao estudante vivenciar o movimento de modo global, ou seja, saltar
com a corda ou pegar a bola de tênis. Estude cada movimento por mais simples
que seja, este é seu papel, professor.

Artigo de aprofundamento do conhecimento aprendido

Muito se discute sobre o treinamento de potência muscular aplicado ao


esporte, quanto que treinar exercícios resistidos com velocidade é aplicado ao
jogo/ou competição em esportes coletivos de invasão (futebol, basquete, futebol
americano, rúgbi etc.). Quanto que o princípio da especificidade está sendo aplicado
ou não aplicado? Para ficar expert neste assunto e no conceito especificidade
recomendamos o artigo de Pinno e González (2008) intitulado “A musculação e
o desenvolvimento da potência muscular nos esportes coletivos de invasão: uma
revisão bibliográfica na literatura brasileira”. Os autores realizaram uma revisão
interessante sobre o assunto, leia o artigo na íntegra clicando no link que segue
<http://ojs.uem.br/ojs/index.php/RevEducFis/article/view/3396/2417>.

DICAS

Que tal aprofundarmos ainda mais nosso conhecimento com este vídeo
explicativo sobre o princípio da especificidade: Disponível em: <https://www.youtube.com/
watch?v=RCYqItnuvRE>.

4.8 O PRINCÍPIO DA VARIABILIDADE


Definições

Começaremos citando o trabalho clássico de Gomes da Costa (1996), que


define o princípio da variabilidade como fundamentado no pensamento de um
treinamento total, um treinamento completo, desenvolvido de modo global,
utilizando as mais variadas formas de treinamento e natureza de estímulos.

Este princípio pode lhe causar um pouco de confusão, acadêmico,


então muita atenção! Até um momento atrás estávamos conversando sobre a
especificidade do treinamento e agora conversamos sobre variabilidade. Sim, o
princípio da variabilidade acredita que uma grande variedade na característica
dos estímulos estressores causa um aumento maior na performance do atleta ou
estudante. Então, especificidade e variabilidade são princípios contrários, um
vai contra o outro, se contradizem? Não, você pode ter um treino que varia em
característica mais contínua, sendo específico para determinada tarefa motora.
Assim podemos definir este princípio como: “Quanto maior for a diversidade dos
estímulos, desde que estes fiquem em conformidade com todos os conceitos de
102
TÓPICO 1 | OS PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

segurança e eficiência que devem reger qualquer atividade, maiores serão então
as possibilidades de atingirmos uma melhor performance e resultados” (COSTA,
1996, p. 357).

A variabilidade é muito importante ao processo do treinamento,


principalmente quando alcançamos o plateau do treinamento (por exemplo,
estagnação do treinamento, dificuldade de melhora depois de nível de desempenho
alto). Quando somente a sobrecarga do exercício não consegue ser suficiente, uma
alteração na natureza do estímulo pode ser uma ótima saída para melhorar o
desempenho de seu atleta ou estudante ainda mais. Se esta alteração não acontecer,
assim como no princípio da sobrecarga, podem acontecer regressões no nível de
treinamento (FORNO, 2013).

FIGURA 34 - TIPOS DE AGACHAMENTOS QUE PERMITEM A APLICAÇÃO DA VARIABILIDADE DO


EXERCÍCIO

FONTE: Disponível em: <http://www.mundoboaforma.com.br/10-melhores-exercicios-de-


agachamento/ e http://blogspotdakamy.blogspot.com.br/2015/07/agachamento-com-
bola.html e http://www.pressaoalta.com.br/varie-no-agachamento-para-turbinar-o-
bumbum/>. Acesso em: 8 mar. 2017.

Exemplos práticos

Como professores e treinadores podemos aplicar este princípio com dois
motivos principais: tornar o treino mais produtivo e com maior evolução, além
disso para todos um treino diferente é muito atraente depois de vários treinos
repetitivos. Não quer dizer que você vai ter um treino diferente toda vez, lembre-
se do princípio da continuidade.

103
UNIDADE 2 | PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO E O CONDICIONAMENTO FÍSICO APLICADO

Você, como professor, pode usar este princípio como saída quando outras
maneiras convencionais não funcionarem. Por exemplo, é comum utilizar objetos
como steps e barreiras para ensinar saltos, uma vez que a presença de um obstáculo
torna o exercício mais palpável. Neste momento, a criatividade do treinador é
muito importante, facilite e busque ferramentas para o aprendizado.

DICAS

Um erro muito comum nos profissionais de Educação Física


é os treinos se tornarem uma rotina eterna, sempre o mesmo treinamento.
Que tal observar a abordagem que este vídeo faz sobre o tema – princípio da variabilidade.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=-UW327gbOMk>.

Artigo de aprofundamento do conhecimento aprendido



Como artigo de aprofundamento do conhecimento recomendamos o artigo
“O princípio da variabilidade nos programas para hipertrofia muscular prescritos
pelos professores de musculação na cidade de Criciúma”. O estudante Leandro
dal Forno vez uma abordagem muito interessante sobre a variabilidade do
treinamento prescrito nas academias. Você se surpreenderá com o resultado sobre
esta variabilidade e os modelos de treinamento utilizados. Será que poderíamos
pensar em uma pesquisa semelhante na escola de nossa cidade? Leia o texto
completo no link que segue <http://200.18.15.27/handle/1/1625> e reflita por um
momento: será que não sairia deste estudo um trabalho para conclusão de curso.
Qual é a variabilidade dos nossos professores nos treinamentos ou planos de aula?

4.9 O PRINCÍPIO DA TREINABILIDADE


Definições

Quando pensamos em atletas de elite, temos que ter em mente que o nível
de treinamento destes atletas é tanto que manter ou melhorar seu desempenho se
torna um grande desafio. O princípio da treinabilidade diz questão a este grande
desafio, uma vez que quanto mais treinado o atleta mais difícil treiná-lo.

Outra menção que é muito importante é que de acordo com a individualidade


temos que entender que pessoas diferentes e com cargas genéticas diferentes
tendem a responder de forma diferente ao treinamento. Algumas pessoas evoluirão
mais rapidamente e outras mais lentamente (TUBINO, 1979).

Esta dificuldade no desenvolvimento é normal do ser humano, pois


todos temos um limite físico e mental que podemos desenvolver com segurança.

104
TÓPICO 1 | OS PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

Muitos atletas de elite utilizam substâncias anabólicas, que causam muitos efeitos
colaterais podendo levar até a morte do usuário.

GRÁFICO 12 - PLATEAU DO TREINAMENTO DE FORÇA

FONTE: Disponível em: <https://pt.slideshare.net/cleitonesef/adaptaes-ao-tfpot>. Acesso


em: 8 mar. 2016.

Exemplos práticos

Como treinadores teremos que saber que o atleta possui um limite de


treinamento, ele terá um limite de evolução em determinado tempo e por isso
não podemos exigir de forma demasiada do estudante ou atleta. Quando estamos
falando de esporte e limites podemos citar inúmeros países que utilizam técnicas
forçadas de treinamento. Alguns exemplos são os treinamentos de ginástica que
buscam força e flexibilidade em atletas de 10 a 15 anos ou com idade inferior.
Temos que entender, como profissionais, que este treinamento forçado precoce
causa, além de sequelas morfológicas, também psicológicas.

105
UNIDADE 2 | PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO E O CONDICIONAMENTO FÍSICO APLICADO

FIGURA 35 - ESPECIALIZAÇÃO PRECOCE NA GINÁSTICA

FONTE: Disponível em: <http://edfpibid.blogspot.com.br/2014_08_01_archive.html>.


Acesso em: 8 mar. 2017.

Artigo de aprofundamento do conhecimento aprendido



Recomendamos que você aumente seu conhecimento sobre o tema e
esteja ainda mais preparado para o estudo da próxima unidade, para o mercado
de trabalho e principalmente entendendo que é responsável pela formação da
vida de jovens, leia o artigo intitulado “A relação entre a especialização precoce
e o abandono prematuro da Natação”. Oliveira e colaboradores (2007) fizeram
mensurações de correlação entre a especialização precoce e a madura desistência
da prática e os resultados são impressionantes. Leia o artigo na íntegra clicando no
link que segue: <https://goo.gl/FcTIgV>.

4.10 O PRINCÍPIO DA SAÚDE


Definições

Este princípio do treinamento desportivo ainda não é citado por todos os


autores, porém já está sendo citado em artigos mais atuais. O princípio da saúde
diz questão de que o exercício não deve ser contra a saúde da pessoa, deve ser
um dos cargos chefes do objetivo de se fazer exercício físico. Além disso, este
princípio defende que a prática deve ser sempre acompanhada por profissionais
da saúde. Conforme Gomes da Costa (1996, p. 358, grifos nosso), o princípio tem
uma abordagem bem mais ampla:

Assim, não só a Ginástica Localizada em si e suas atividades


complementares possuem grande importância. Também os setores
de apoio da Academia, como o Departamento Médico, a Avaliação
Funcional e o Departamento Nutricional assumem relevante função no
sentido de orientar todo o trabalho, visando a aquisição e a manutenção
dessa Saúde.

106
TÓPICO 1 | OS PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

Sabemos que nem sempre o princípio da saúde vem sendo o norteador das
atividades físicas realizadas, por exemplo, o esporte de alto rendimento possui
desvios da linha da saúde, visto que a busca constante por resultados cada vez
melhores faz com que os atletas se submetam a práticas nem sempre saudáveis,
como por exemplo, o arremessador do beisebol realiza milhares de arremessos em
sua vida com somente um lado de seu corpo, em longo prazo isso causará uma
disfunção postural no atleta. Outro exemplo é atletas que devido à busca infinita
por resultados se submetem a jogos e competição ainda lesionados.

Exemplos práticos

Quando tratamos o princípio em nossa prática na escola fica fácil entender


que a nossa prática deve ser sustentada para a saúde, as atividades escolhidas
devem ter segurança e devem levar em conta a interdisciplinaridade das ações,
com nutricionistas e psicólogas da escola, entre outros profissionais. Esta
interdisciplinaridade acontece com mais frequência em escolas de alunos especiais,
visto que são geralmente estruturadas com fisioterapia, nutricionista, psicólogos
e médicos.

4.11 INTER-RELAÇÃO ENTRE OS PRINCÍPIOS DO


TREINAMENTO
É simples entender, caro acadêmico, que um princípio não acontece de
modo único ou separado, os princípios se inter-relacionam, ou seja, acontecem
simultaneamente e assim, você, professor e treinador, deve pensar de modo
conjunto no momento que irá estruturar o treinamento. Isso é, por exemplo,
pensar no princípio da sobrecarga ao mesmo tempo que pensa no princípio da
especificidade daquela sobrecarga.

Costa (1996, p. 358, grifos nosso) comenta sobre esta inter-relação entre
alguns dos princípios do treinamento desportivo:

Apesar dessa importante correlação, os Princípios da Adaptação,


da Sobrecarga, da Continuidade e da Interdependência Volume-
Intensidade é que vão não só dar corpo como orientar toda a aplicação
prática do treinamento, ou seja, são os verdadeiros responsáveis pela
“arrumação” de todo o processo de treinamento, traduzida na forma
dos micro, meso e macrociclos de trabalho.

Assim, quanto maior a associação e o entendimento dos princípios do


treinamento esportivo, maiores são as chances de a periodização e a evolução do
treinamento beirar o excelente. É seu dever como professor entender e aplicar estes
princípios do treinamento a fim de buscar o melhor físico e mental do seu atleta e/
ou estudante.

107
UNIDADE 2 | PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO E O CONDICIONAMENTO FÍSICO APLICADO

4.12 EDUCAÇÃO ESPECIAL E OS PRINCÍPIOS DO


TREINAMENTO DESPORTIVO
Caro acadêmico, adentraremos em uma área da educação muito carente de
conhecimento, mas não menos importante, pois hoje um dos principais desafios da
escola é a inclusão escolar, na qual a Educação Especial, modalidade de educação,
deve ser oferecida preferencialmente na regular de ensino para pessoas com
necessidades educacionais especiais, desde a educação infantil ao ensino superior.
Portanto, a educação especial é um conjunto de recursos educacionais e estratégias
organizadas institucionalmente para apoiar, complementar e suplementar de modo
a garantir a educação escolar, promover o desenvolvimento das potencialidades
dos educandos que apresentam necessidades educacionais especiais.

Afinal de contas, a quem nos referimos quando nos reportamos aos alunos
da educação especial, ou alunos com necessidades educacionais especiais? Estamos
nos referindo a educandos que podem possuir a deficiência física (DF), afetados
na sua mobilidade e coordenação motora; deficiência intelectual (DI), em que seu
funcionamento cognitivo e emocional são prejudicados significativamente inferior
da média (DI leve = Q.I. entre 50-70, DI moderado = Q.I. entre 35 – 49, DI severo
= Q.I entre 20-30 e DI profundo= Q.I menor que 20); deficientes sensoriais (DS)
acometidos pela cegueira, visão subnormal e surdos, em muitos artigos/estudos
você verá esta classe subdividida em DV (deficiente visual) e DA (deficiente
auditivo), embora a caracterização continua a mesma. E, por fim, você, caro
acadêmico, poderá encontrar alunos com deficiência múltipla, em que ocorre a
associação de mais uma deficiência.

Agora que já sabemos o que é educação especial e a quem nos reportamos


quando tratamos deste assunto, como nós profissionais da área de educação física
lidaremos com estes alunos, como iremos aplicar nossos conteúdos tão práticos e
que exigem de certo modo toda nossa integridade corporal, tanto em aspectos de
mobilidade, coordenação e acuidades sensoriais? Foi então que surgiu o conceito
de educação física adaptada, que segundo Menezes et al. (2002), consiste em um
programa diversificado de atividades, jogos, esportes e ritmos, adequados aos
interesses, capacidades e limitações do aluno com necessidades especiais. O objetivo
da educação física adaptada, segundo o autor, é dar oportunidade ao portador de
necessidades especiais de ter várias opções de esporte e lazer, mostrando o impacto
destas atividades na qualidade de vida, nos aspectos físicos, sociais e psicológicos.
Partindo desse princípio vamos imaginar agora uma aula em que temos 20 alunos,
e que dois educandos possuem necessidades educacionais especiais, sendo que
um deles é cadeirante, devido à paralisia cerebral que afetou a mobilidade dos
membros inferiores e a outra educanda com visão subnormal, não é cega, mas
possui apenas 30% da visão do olho esquerdo e você tem como atividade planejada
uma estafeta lúdica que visa dar as primeiras noções da modalidade de handebol
de deslocamento com bola, que no caso você modificou para balão. Como você
poderia adaptar essa aula?

108
TÓPICO 1 | OS PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

FIGURA 36 - ESTAFETA DE HANDEBOL

FONTE: Disponível em: <http://adailbarbosa.blogspot.com.br/2015_11_01_archive.


html>. Acesso em: 12 mar. 2017.

Uma possível adaptação seria você, como professor, orientar/auxiliar os


educandos com necessidades educacionais especiais a realizar a atividade de
modo lado a lado, em que o professor fica ao lado auxiliando o aluno no que
necessitar de ajuda, no caso do cadeirante, auxílio no deslocamento da cadeira,
para que ele possa apenas conduzir o balão e no caso a deficiente visual, estar
ao lado dando as orientações espaciais. Entretanto, você, como um professor que
almeja mais o desenvolvimento do aluno, mas também a inclusão dele de fato na
turma e que o enxergue como um ser com muitas capacidades, você opta por uma
adaptação que todos terão o mesmo grau de dificuldade. Além de dividir a turma
em duas equipes, você determina que eles trabalhem em duplas, em que um deve
vendar os olhos e o outro sentar na cadeira de rodas. O que estiver sentado, além
de conduzir o balão, terá de orientar o condutor da cadeira que estará vendado,
vence a equipe que terminar a atividade antes. Estas seriam duas formas de se
aplicar uma mesma atividade, entretanto de modos distintos. O que é importante
ressaltar é que quando falamos de educação devemos abandonar o ensino a partir
dos déficits, mas adotar como base de ensino as capacidades. Para Hallahan,
Kauffman e Pullen (2011), não devemos deixar que as incapacidades das pessoas
nos impossibilitem de reconhecer as habilidades.

E partindo deste pressuposto, se é na educação física escolar que observamos


futuros talentos esportivos, porque não enxergar estes alunos especiais com as
mesmas potencialidades.

109
UNIDADE 2 | PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO E O CONDICIONAMENTO FÍSICO APLICADO

FIGURA 37 - LEVANTAMENTO DE PESO POR CADEIRANTE

FONTE: Disponível em: <http://www.brasil2016.gov.br/pt-br/noticias/iraniano-bate-


recorde-mundial-tres-vezes-levanta-310kg-e-encanta-criancas-e-adultos>.
Acesso em: 12 mar. 2017.

Nas paraolimpíadas de 2016 no Brasil, o iraniano S. Raman bateu novo


recorde na categoria acima de 107 Kg. Com 169 Kg de peso corporal, o atleta quebra
o recorde levantando 310 Kg após conquistar medalha de Ouro levantando 305 Kg.
O atleta é deficiente físico, devido a poliomielite, doença viral que pode afetar os
nervos e levar à paralisia parcial ou total.

Depois do Brasil sediar as Olímpiadas e Paraolimpíadas Rio 2016, todos


puderam acompanhar quão capazes, determinados e desportistas são nossos
atletas paraolímpicos, mas a principal indagação feita pelo público era, como eles
conseguem? Como conseguem levantar 300 kg sem ter a mobilidade das pernas?
Como eles conseguem bater recordes se eles não enxergam a linha de chegada
em um final de 100 metros? Estas perguntas são respondidas a partir de um
conceito que nós já vimos anteriormente, quando nos reportamos aos princípios
do treinamento desportivo. O treinamento baseado na individualidade biológica,
a partir disso, poderemos conversar sobre como ensinar, preparar, desenvolver e
aprimorar um treinamento para alunos com necessidades educacionais especiais.

FIGURA 38 - EQUIPE BRASILEIRA DE REVEZAMENTO, O ESPORTE POSSÍVEL

FONTE: Disponível em: <http://www.brasil2016.gov.br/pt-br/noticias/brasil-conquista-ouro-


inedito-no-revezamento-4-x-100-para-deficientes-visuais>. Acesso em: 12 mar.
2017.

110
TÓPICO 1 | OS PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

Com direito a recorde dos jogos, a equipe brasileira do revezamento 4x100


metros da classe T11-13 (para deficientes visuais) dominou a final da categoria e
subiu ao lugar mais alto do pódio com a marca de 42s37.

4.13 INDIVIDUALIDADE BIOLÓGICA AO ATLETA OU


ESTUDANTE ESPECIAL
Ao se discutir treinamento desportivo com pessoas portadoras de
necessidades especiais, muitas dúvidas acabam aparecendo de imediato em nossas
mentes, entretanto é importante salientar o que nos difere uns dos outros são nossas
diferenças, quando aplicamos um treinamento a uma pessoa dita “normal”, sem
deficiência, antes de prescrevermos o treino ideal, realizamos todo um contexto
biológico, físico, emocional, esportivo e o real objetivo para a realização do
treinamento. E quando nos reportamos à pessoa com deficiência devemos pensar e
agir do mesmo modo, respeitar e partir do princípio da individualidade biológica
para a construção de um treinamento que tenha volume, intensidade, frequência e
duração adequada ao perfil do atleta/ aluno com deficiência.

O que nos causa tanto temor é como lidar com a deficiência perante o
rendimento no treino, mas a que devemos nos atentar é até que ponto a deficiência
influencia na maneira de treinar? Em quais padrões fisiológicos devemos estar
atentos, que sofreram alteração em decorrência da deficiência? O que precisamos
modificar em termos biomecânicos para que ele consiga realizar o treino
resistido na academia? Como atuar sobre a resistência aeróbia de um aluno/
atleta cadeirante? As respostas para estas perguntas são simples, olhe para cada
aluno/atleta unicamente, aplique o princípio da individualidade biológica, o que
realmente é necessário ser executado com este indivíduo, qual a melhor forma
de se fazer isso, quais as suas capacidades, quais suas limitações, seus objetivos
de fato e que cuidados devemos ter para com aquela pessoa mediante o perfil
do esporte em relação à deficiência, pois como já estudamos anteriormente,
respeitarmos as características do indivíduo, além de tornar a prática mais segura,
torna os resultados de desempenho mais fáceis de serem alcançados.

Vamos a um exemplo prático

Você tem um aluno cadeirante que tem como talento um arremesso incrível,
é ágil, possui ótimo deslocamento com a cadeira, e o principal, ele sonha poder
jogar basquete, mas ele não consegue permanecer muito tempo na atividade, pois
tem baixo condicionamento aeróbio.

111
UNIDADE 2 | PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO E O CONDICIONAMENTO FÍSICO APLICADO

FIGURA 39 - BASQUETE CADEIRA DE ROTAS

FONTE: Disponível em: <http://sportsregras.com/basquetebol-cadeira-


rodas-historia-regras/>. Acesso em: 12 mar. 2017.

Vamos construir o treinamento individualizado e específico para este aluno


passo a passo, então, preste atenção o que realmente precisa ser analisado e ter sua
total relevância:

• A etiologia da deficiência, quais são as causas, sequelas e o diagnóstico atual do


aluno/atleta (capacidades e incapacidades)?
• Quais são as aptidões físicas que devem ser aprimoradas?
• Qual é o objetivo do treinamento, recreacional, aperfeiçoamento ou rendimento?
• Quais cuidados e limites devem ser respeitados?

Agora vamos nos reportar ao aluno:

Sabemos, com base no histórico do aluno, que ele tem 16 anos, é deficiente
físico, acometido pela paralisia cerebral que afetou somente a mobilidade e
função motora dos membros inferiores, ele até consegue deambular, mas devido
à fraqueza muscular permanece na cadeira de rodas. No que tange aos membros
superiores e à região torácica, o educando possui ótima mobilidade articular e
função motora, além de controle cervical e torácico (mantém a postura ereta da
coluna e cabeça). Seus padrões de força, resistência, capacidade cardiorrespiratória,
agilidade, velocidade de reação e padrões intelectuais, cognitivos, emocionais e
psicológicos estão dentro da normalidade. Estes seriam os aspectos relacionados à
etiologia da deficiência. Nesse momento vamos analisar o segundo tópico, no qual
você analisou os comportamentos motores e aptidões físicas nas aulas de educação
física, em que concluiu que ele tem força e precisão na realização de arremesso, é
ágil, tem boa compreensão e visão de jogo, mas que sua resistência aeróbia está
um pouco defasada, o que o limita a atuação total da prática da modalidade de
basquete, modalidade em que ele demonstra um excelente desempenho desportivo.
Partindo dos dois primeiros tópicos, observamos uma real oportunidade de
aperfeiçoamento e possível prática de rendimento esportivo para este educando.
Assim, além da manutenção das habilidades e capacidades já apresentadas, pode-
se considerar o aprimoramento e melhor aproveitamento de outras. Embora reste

112
TÓPICO 1 | OS PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

um tópico, não menos importante a ser examinado, existe alguma limitação ou


cuidado que devemos ter com este aluno? Perante conversa com o educando,
familiares, médicos que o acompanham e até pelo histórico dele, pelo desuso dos
membros inferiores, ele apresenta uma osteoporose, que já vem sendo medicada
há dois anos, mas que segundo relatos, deve-se evitar altos impactos e contusões,
pois há chance de fraturas. Agora sim temos o perfil completo do educando/atleta,
agora vamos construir seu treino para que este aluno/atleta venha a participar do
projeto esportivo da escola.

Treino específico de arremesso a cesta:

Treinos diários com arremessos de todas as posições e distâncias, sendo 3


séries de 20 – 30 repetições. Este exercício deve ser realizado em casa e na escola
nos dias do projeto. Deverá sempre ter acompanhamento durante a execução do
treino.

FIGURA 40 - POSIÇÕES DE ONDE DEVE OCORRER O ARREMESSO

FONTE: Disponível em: <http://layup.com.br/cinco-posicoes-basquete/>.


Acesso em: 12 mar. 2017.

Treino de condicionamento físico:

Treinos diários de ciclo ergômetro e deslocamento. Sendo 5 séries de um


minuto de leve à moderada intensidade. Este treino será realizado na academia da
escola, ou com os materiais disponíveis que ela oferece ou na academia com que
a escola possui parceria. Deverá sempre ter acompanhamento durante a execução
do treino.

113
UNIDADE 2 | PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO E O CONDICIONAMENTO FÍSICO APLICADO

FIGURA 41 - CICLO ERGÔMETRO DE BRAÇO (A) E DESLOCAMENTO COM A


CADEIRAS EM ROTAS (B)

FONTE: Disponível em: <http://www.polifisio.com.br/loja/cicloergometro-


pedalinho-exercitador-mecanico-para-membros-superiores-inferiores-
liveup-sports-p-1883.html> e <http://www.sportsscience.co/sport/strength-
or-power-for-increasing-vertical-jump/>. Acesso em: 12 mar. 2017.

Treino de força e resistência muscular:

Três seções semanais na academia com exercícios com peso livre/elástico


de leve à moderada carga e de moderada intensidade, executando em velocidade
média e com repouso de no máximo um minuto. Este treino será realizado na
academia da escola, ou com os materiais disponíveis que ela oferece ou na academia
com que a escola possui parceria. Deverá sempre ter acompanhamento durante a
execução do treino.

Supino deitado no banco


Rosca alternada 3 séries de 12 a 15
Francesa desenvolvimento militar repetições, somente o
abdominal que passa
Remada baixa
a ter 25 repetições
Abdominal supra curto

114
TÓPICO 1 | OS PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

FIGURA 42 - TREINAMENO DE ELÁSTICO COM CADEIRANTE

FONTE: Disponível em: <http://www.blogdocadeirante.com.


br/2013_02_01_archive.html>. Acesso em: 12 mar. 2017.

Treino coletivo:

Três seções semanais com duração de duas horas, quando serão


desenvolvidos os fundamentos técnicos, sistemas de jogo ofensivo e defensivo,
técnicas de queda e proteção e estudo de vídeo (jogos).

FIGURA 43 - ADOLESCENTES EM TREINAMENTO COLETIVO EM UMA ESCOLA

FONTE: Disponível em: <http://globoesporte.globo.com/pa/noticia2014/01/basquete-


paralimpico-do-para-enfrenta-dificuldades-fora-das-quadras.html>. Acesso em: 12
mar. 2017.

115
UNIDADE 2 | PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO E O CONDICIONAMENTO FÍSICO APLICADO

O que você notou de diferente nesta prescrição de treino? Houve alguma


modificação significativa?

Não houve modificações tão significativas, apenas algumas adaptações de


modo de execução/orientação e, é claro, sempre ter acompanhamento durante os
treinos. Em relação aos cuidados, você notou a prescrição de técnicas de queda e
proteção?

Este fundamento é essencial para a saúde do atleta/aluno, pois além de não


se contundir com facilidade, ele irá aprender a enfrentar seu adversário sem medo
e sem machucá-lo. Esta seria a única modificação mais significativa, embora se
observada a prática convencional do esporte também é executada, para a prevenção
e saúde dos atletas, mas que acabamos não dando tanta ênfase, pois é um reflexo
automático, o cair e levantar sem nenhuma maior restrição e/ou dificuldade.

FIGURA 44 - RUGBY DE CADEIRANTES

FONTE: Disponível em: <http://panamericano.ig.com.br/2015-08-14/quase-radical-rugbi-em-


cadeiras-de-rodas-faz-sucesso-no-parapan-de-toronto.html>. Acesso em: 12 mar.
2017.

4.14 SOBRECARGA APLICADA AO DEFICIENTE


Como em qualquer prescrição de treinamento, devemos nos atentar às
adaptações ocorridas, os resultados alcançados, mas devemos muito nos preocupar
com os volumes, intensidades, frequência e duração dos treinos, pois nem sempre
a resposta almejada será a dada pelo nosso aluno/atleta e a partir disto podemos
ter ganhos ou então perdas na evolução do aluno/atleta. O princípio de sobrecarga
de treinamento parte do pressuposto, conforme já vimos anteriormente, que para
termos ganhos é preciso que seja realizada uma sobrecarga maior do que a que se
está habituado, pois se você sempre se exercitar da mesma maneira e com mesma
intensidade não acontecerão evoluções.

116
TÓPICO 1 | OS PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

Após algumas semanas de treinamento seu aluno/atleta já lhe trará alguns


resultados que poderão lhe dar o feedback se o treino prescrito está trazendo
resultados positivos, assim como os atletas não deficientes as respostas podem ser
agudas e/ou crônicas, no caso do treino de força e hipertrofia a adaptação ocorre
entre 4 a 6 semanas de treinamento (BARROSO et al., 2005; SALVADOR et al.,
2016). Assim, a cada ciclo de quatro semanas, em média, é preciso que seja revisto
o treino, às vezes antes, caso você perceba uma melhora exacerbada de treino ou
então se seu aluno/atleta venha lhe solicitar, pois é de extrema importância você
reavaliar as cargas, volumes, intensidade e frequência para que seu aluno tenha
resultado positivo. Caso haja um exagero de cargas, além de não obter ganhos,
o aluno pode se lesionar, então é preciso ter muito cuidado e equilíbrio, pois é
preciso gerar estímulo, mas ele deve ser benéfico, caso contrário, ele passa ser
maléfico à saúde integral e atlética do aluno.

4.15 CONTINUIDADE COM TREINAMENTO ESCOLAR


O princípio da continuidade está diretamente ligado ao princípio de
adaptação que o treinamento ocasiona, pois é a partir da continuidade ao longo
de um determinado período que fará com que ocorram progressivas adaptações
e consequentemente ganhos e resultados positivos, tanto em ambiente escolar, no
qual se iniciam os contatos com as modalidades esportivas, quanto nos clubes e
escolinhas esportivas.

Segundo Tubino (1979), a condição atlética só pode ser conseguida após


alguns anos seguidos de treinamento e que existe ainda uma forte influência das
preparações anteriores em qualquer esquema de treinamento em andamento.
Portanto, a continuidade do treinamento visará com que seu objetivo de
manutenção, aperfeiçoamento e rendimento de fato sejam alcançados. Ainda
segundo Tubino (1979), a continuidade de treinamento evita que o treinador/
professor esqueça as etapas importantes na formação atlética do esportista. De
modo geral, um atleta/aluno que tem um alto desempenho teve uma continuidade
ao longo de sua preparação, treinamento e também do aprendizado do esporte
praticado, que veio desde a base do ensino, lá na escola. Portanto, o princípio de
continuidade perante o treinamento deve estar inserido nos projetos e aulas de
base de iniciação esportiva das escolas tanto as do ensino regular como as especiais
(APAEs) não apenas com fim de alto rendimento, mas também recreacional ou de
lazer, pois esta acaba interferindo tanto em aspectos fisiológicos, mas também,
nos aspectos psicológicos e entre outros que podem interferir na prática esportiva
destes educandos, dando-lhes a oportunidade de um melhor desenvolvimento e
aproveitamento das atividades escolares.

117
UNIDADE 2 | PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO E O CONDICIONAMENTO FÍSICO APLICADO

FIGURA 45 - AULA DE EDUCAÇÃO FÍSICA INCLUSIVA

FONTE: Disponível em: <http://universoef.com.br/escolar/ef-inclusiva/intervencao-


profissional-na-inclusao-de-criancas-com-deficiencias-no-ensino-regular/sub>.
Acesso em: 12 mar. 2017.

4.16 ENTREVISTA COM PSICÓLOGA ESPORTIVA


Entrevista com Lua Sobolwsky (CRP 12/12292), psicóloga clínica e do esporte
com grande experiência na prática desportiva, masculina adulta, feminina adulta,
assim como de crianças e adolescentes de ambos os sexos. Estamos abordando,
em um primeiro momento, os princípios do treinamento desportivo, estes são
princípios que regem a criação e execução do treinamento. Assim, viemos com
esta entrevista abordar como estes princípios podem ser abordados na psicologia
esportiva. O objetivo principal da entrevista é demostrar quão importante é a
psicologia no treinamento de base ou no treinamento escolar e como a psicologia
se relaciona nos princípios do treinamento.

1. Os princípios do treinamento são normas que devem ser seguidas se o


treinador ou professor deseja ter sucesso no treinamento. Princípio da
individualidade biológica, princípio da adaptação a estímulos, princípio de
sobrecarga são alguns deles. No estudo da psicologia existe algo semelhante
aos princípios do treinamento desportivo?

R.: Sim. Para a atuação no esporte, o psicólogo tem a necessidade de ampliar


seus conhecimentos específicos. Entendendo que o ser humano é seu objeto
de estudo, e que os processos mentais (cognitivos) e comportamentais são
os caminhos para a definição/análise/identificação deste sujeito, o psicólogo
do esporte deve atender aos rigores científicos para a obtenção de resultados
fidedignos. Cada ser humano é único. E diante disso é necessário que este seja
avaliado/analisado segundo cinco grandes frentes teóricas:

• Psicologia Experimental – em que se incluem a Psicologia da Aprendizagem

118
TÓPICO 1 | OS PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

(como o sujeito aprende), a da Memória (sensorial, curto-prazo, episódica,


semântica, processual, visual/auditiva, priming) e a da Motivação (o que
direciona e mantém o comportamento).
• Psicologia do Desenvolvimento – estrutura no entendimento do
desenvolvimento do sujeito na vida pessoal e esportiva, da infância à idade
adulta.
• Psicologia da Personalidade – centrada nas diferenças individuais (inatas e
adquiridas).
• Psicologia Social – voltada às relações interpessoais da equipe esportiva e ao
desenvolvimento da coesão do grupo.
• Psicologia Clínica – focaliza os problemas de desajustamento psicológico do
atleta e suas modificações.

2. O princípio da individualidade biológica, apesar de muito usado, para


composição e aptidão física do ser humano, pode ser aplicado para mente
do ser humano? Se sim, como podemos aplicá-los?

R.: Sim, pode. Pois para a psicologia os indivíduos até podem ser classificados
em grupos específicos, entretanto não existem indivíduos exatamente iguais
(nem no caso de serem gêmeos univitelinos). Isso por que, as características
genéticas, fisiológicas e comportamentais são estimuladas e/ou extinguidas
pelo ambiente ao qual este sujeito é exposto. Por exemplo, um sujeito pode
ter seu limiar de dor aumentado ou diminuído de acordo com as experiências
antecedentes ao estímulo presente. O psicólogo que atua no esporte buscará,
através da observação dos comportamentos, da identificação das emoções
(comunicação verbal e/ou verbal) e da investigação (através de conversas
individualizadas, pesquisas) as especificidades subjetivas de cada atleta, a fim
de diminuir o estresse, a frustração, pensamentos negativos automáticos, além
de comportamentos não assertivos, que dificultam ou impedem o atleta na
obtenção dos resultados individuais (modalidades esportivas individuais) ou
de equipe.

3. O princípio da sobrecarga também deve ser levado em conta no treinamento


mental? Podemos sobrecarregar (no sentido de evoluí-lo) nosso atleta ou
estudante mentalmente a ponto de no futuro ele estar mais preparado?

R.: Sim. Na psicologia do esporte trabalhamos isso de acordo com a faixa etária.
Na infância o mais importante é a criança ser estimulada de forma lúdica a
gostar da prática esportiva. Sem ser cobrada de forma não reforçadora (ou seja,
punitiva). Desta forma, ela se sentirá estimulada a aprender e querer praticar mais
a modalidade futuramente, quando pode ser inserida no ambiente competitivo,
de alto rendimento e com foco em resultado. Já em atletas adolescentes e adultos,
há a inserção de metodologia de aprendizagem (condicionamento operante*) e
desenvolvimento de habilidades que diminuam as probabilidades de frustração,
estresse e pensamentos negativos automáticos.
* Condicionamento Operante refere-se ao procedimento através do qual
é modelada uma resposta no organismo através de reforço diferencial e

119
UNIDADE 2 | PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO E O CONDICIONAMENTO FÍSICO APLICADO

aproximações sucessivas. É onde a resposta gera uma consequência e esta


consequência afeta a sua probabilidade de ocorrer novamente; se a consequência
for reforçadora, aumenta a probabilidade, se for punitiva, além de diminuir a
probabilidade de sua ocorrência futura, gera outros efeitos colaterais. Então,
o comportamento que tem como consequência um estímulo que afeta a sua
frequência é chamado Comportamento Operante.

4. No ambiente escolar Brasileiro, existe o treinamento psicológico do


estudante ou atleta escolar? Se sim, como funciona? Se não, o que podemos
fazer para implementarmos este treinamento?

R.: O modelo de aprendizagem escolar é todo desenvolvido de acordo com


pesquisas feitas na área da Pedagogia e da Psicologia do Desenvolvimento
(Teoria do Desenvolvimento Cognitivo de Jean Piaget e Vygotsky). Nessas
teorias são considerados: o ambiente sócio-histórico (cultural) das crianças, a
faixa etária dos alunos.

Piaget considera 4 períodos no processo evolutivo da espécie humana


que são caracterizados "por aquilo que o indivíduo consegue fazer melhor" no
decorrer das diversas faixas etárias ao longo do seu processo de desenvolvimento.
São eles:

• 1º período: Sensório-motor (0 a 2 anos): a criança nasce em um universo para


ela caótico, habitado por objetos evanescentes (que desapareceriam uma vez
fora do campo da percepção), com tempo e espaço subjetivamente sentidos,
e causalidade reduzida ao poder das ações. No recém-nascido, portanto,
as funções mentais limitam-se ao exercício dos aparelhos reflexos inatos.
Assim sendo, o universo que circunda a criança é conquistado mediante a
percepção e os movimentos (como a sucção, o movimento dos olhos, por
exemplo). Progressivamente, a criança vai aperfeiçoando tais movimentos
reflexos e adquirindo habilidades e chega ao final do período sensório-motor
já se concebendo dentro de um ambiente. Ela sabe que age e que pertence ao
mesmo lugar onde tudo aquilo que ela consegue ver, acontece.
• 2º período: Pré-operatório (2 a 7 anos): o que marca a passagem do período
sensório-motor para o pré-operatório é o aparecimento da função simbólica
ou semiótica, ou seja, é a emergência da linguagem. Nessa concepção, a
linguagem é considerada como uma condição necessária, mas não suficiente ao
desenvolvimento, pois existe um trabalho de reorganização da ação cognitiva
que não é dado pela linguagem. Em uma palavra, isso implica entender que o
desenvolvimento da linguagem depende do desenvolvimento da inteligência.
A emergência da linguagem acarreta modificações importantes em aspectos
cognitivos, afetivos e sociais da criança, uma vez que ela possibilita as
interações interindividuais e fornece, principalmente, a capacidade de
trabalhar com representações para atribuir significados à realidade. Tanto
é assim, que a aceleração do alcance do pensamento neste estágio do
desenvolvimento é atribuída, em grande parte, às possibilidades de contatos
interindividuais fornecidos pela linguagem. Contudo, embora o alcance do

120
TÓPICO 1 | OS PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

pensamento apresente transformações importantes, ele caracteriza-se, ainda,


pelo egocentrismo, uma vez que a criança não concebe uma realidade da
qual não faça parte, devido à ausência de esquemas conceituais e da lógica.
Para citar um exemplo pessoal relacionado à questão, lembro-me muito bem
que me chamava à atenção o fato de, nessa faixa etária, o meu filho dizer
coisas do tipo "o meu carro do meu pai", sugerindo, portanto, o egocentrismo
característico desta fase do desenvolvimento. Assim, neste estágio, embora
a criança apresente a capacidade de atuar de forma lógica e coerente (em
função da aquisição de esquemas sensoriais motores na fase anterior) ela
apresentará, paradoxalmente, um entendimento da realidade desequilibrado
(em função da ausência de esquemas conceituais).
• 3º período: Operações concretas (7 a 11 ou 12 anos): estabelece relações e
coordena pontos de vista diferentes (próprios e de outrem) e integra-os de
modo lógico e coerente. Este estágio também se refere ao aparecimento da
capacidade da criança de interiorizar as ações, ou seja, ela começa a realizar
operações mentalmente e não mais apenas através de ações físicas típicas da
inteligência sensório-motor (se lhe perguntarem, por exemplo, qual é a vareta
maior, entre várias, ela será capaz de responder acertadamente comparando-
as mediante a ação mental, ou seja, sem precisar medi-las usando a ação
física).
• 4º período: Operações formais (11 ou 12 anos em diante): nesta fase se ampliam
as capacidades conquistadas na fase anterior, já consegue raciocinar sobre
hipóteses na medida em que somos capazes de formar esquemas conceituais
abstratos e através deles executar operações mentais dentro de princípios da
lógica formal. Com isso, a criança adquire capacidade de criticar os sistemas
sociais e propor novos códigos de conduta: discute valores morais de seus pais
e constrói os seus próprios (adquire, portanto, autonomia). Ao atingir esta
fase, o indivíduo adquire a sua forma final de equilíbrio, ou seja, ele consegue
alcançar o padrão intelectual que persistirá durante a idade adulta. Isso não
quer dizer que ocorra uma estagnação das funções cognitivas, a partir do ápice
adquirido na adolescência, mas esta será a forma predominante de raciocínio
utilizada pelo adulto. Seu desenvolvimento posterior consistirá numa
ampliação de conhecimentos tanto em extensão como em profundidade e até
na aquisição de novos modos de funcionamento mental com certo esforço e
acompanhamento.

Na escola, não há a participação de um Psicólogo do Esporte. Na escola


há a presença de um Psicólogo Escolar. Entretanto, este segue as referências e
princípios descritos acima (e na próxima questão).

5. Existe uma lacuna na formação do professor ou do treinador quanto ao


como treinar ou ensinar o aluno psicologicamente? Ou isso não seria Papel
do professor e sim de outro profissional?

R.: Sim. Existe no que diz respeito às relações sociais, e a percepção de que
há demandas em grupos escolares (identificação de problemas). Essa lacuna

121
UNIDADE 2 | PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO E O CONDICIONAMENTO FÍSICO APLICADO

não se refere ao conhecimento técnico da ciência psicológica e nem de como


funcionam os processos mentais, mas sim, no desenvolvimento de um treino
de habilidade social focado na aprendizagem escolar e ensino humanizado.
Há a necessidade de lembrar professores de como é ser criança/adolescente.
Fazê-los vivenciar (reviver) questões relacionadas aos problemas infantis e de
adolescência. Dessensibilizar o medo de fazer contato emocional com alunos.
Fazê-los entender que sim, “dá mais trabalho”, mas que há um retorno (reforço)
pessoal intangível neste processo. Aos professores, deve ser novamente instigado
o prazer no processo de ensinar. No contexto escolar há que se fazer presente o
psicólogo escolar, este deve focar:

a. No desenvolvimento de programas específicos junto a pais e professores,


orientando sobre soluções facilitadoras da aprendizagem.
b. Na avaliação dos alunos de acordo com os projetos implementados.
c. Na análise e intervenção relacionadas às interações em sala de aula.
d. No diagnóstico e encaminhamento de problemas relativos a queixas escolares
(sejam elas vindas de pais, alunos ou professores. No caso de professores, a
identificação de síndromes como o Burnout*).
* Distúrbio psíquico de caráter agressivo/depressivo, precedido de
esgotamento físico e mental intenso.

O ambiente escolar não deve ser visto como um ambiente clínico e de
identificação de patologias ou problemas psicológicos, pois assim, será um
ambiente focado em problemas. A escola deve ser um ambiente onde sejam
oferecidas opções estimuladoras de saúde (biopsicossocial). A presença de um
psicólogo escolar deve fomentar a saúde em seu amplo sentido. Ele deve estar
atendo e focar na humanização do processo de ensino-aprendizagem. Agindo
assim, a lacuna será diminuída e o desenvolvimento dos sujeitos envolvidos no
processo será efetivo.

122
RESUMO DO TÓPICO 1
Neste tópico, você aprendeu que:

• Os princípios são os aspectos cuja observância diferenciará o trabalho feito à


base de ensaios e erros, do científico.

• Filostratos (séc. II d.C.) mencionou a preparação que o treinador necessita


e também discutiu sobre treinos individualizados para os atletas da época,
relacionando-se assim ao princípio da individualidade biológica.

• A civilização grega abordava a importância do descanso e da volta à calma,


evolução de carga, além de ciclos temporais de treinamento, conhecidos como
tretas, princípios de sobrecarga, continuidade e importância de um planejamento
já estavam sendo abordados.

• Durante o período pré-científico, Gerschler deu início ao que conhecemos como


Interval training.

• No período conhecido como Científico temos a melhoria do Interval training,


entre outros treinos, com a descoberta de como controlar a frequência cardíaca
e de como utilizá-la como parâmetro de treinamento.

• Chama-se individualidade biológica o fenômeno que explica a variabilidade


entre elementos da mesma espécie, o que faz com que se reconheça que não
existem pessoas iguais entre si.

• O princípio de adaptação pode ser definido como a busca pelo equilíbrio do


organismo em resposta aos mais variados estímulos e agentes estressores.

• A cada adaptação que você realiza o estímulo necessitado para evoluir é maior.

• Supercompensação é a capacidade do organismo de volta ao seu estado ou em


um estado melhor que o estado depois de determinado agente estressor agir.

• Continuidade e reversibilidade é quando o organismo se adapta a um nível


habitual de solicitação, em que os efeitos do treinamento revertem-se, caso o
indivíduo torne-se mais inativo.

• Existe uma interdependência entre volume e intensidade, quando o atleta


aumenta muito abruptamente sua intensidade, logo, o volume que consegue
percorrer ou treinar diminuirá. Se o atleta resolver realizar um volume de treino
muito longo não poderá manter uma intensidade alta por muito tempo.

123
• Define-se o princípio da variabilidade como fundamentado no pensamento de
um treinamento total, um treinamento completo, desenvolvido de modo global,
utilizando das mais variadas formas de treinamento e naturezas de estímulos.

• O princípio da treinabilidade tem um grande desafio, uma vez que quanto mais
treinado o atleta mais difícil treiná-lo.

• O princípio da saúde defende que o exercício não deve ser contra a saúde da
pessoa, ela deve ser um dos cargos chefes do objetivo de se fazer exercício físico.

• Os princípios se inter-relacionam, ou seja, acontecem simultaneamente e assim


você professor e treinador deve pensar de modo conjunto no momento que irá
estruturar o treinamento.

• A Educação Especial é uma modalidade de educação que deve ser oferecida


preferencialmente na regular de ensino para pessoas com necessidades
educacionais especiais, e no que tange à educação física busca-se adaptar as
atividades e exercícios às necessidades e capacidades dos alunos portadores de
necessidades educacionais especiais.

• No que envolve a educação física adaptada e o treinamento com pessoas


deficientes devem ocorrer algumas modificações, adaptações e cuidados extras
que devemos de ter ao longo de todo o período.

124
AUTOATIVIDADE

1 Toda área de estudo tem normas e princípios de atuação. O que são os


princípios do treinamento desportivo?

2 Quem foi o criador do chamado Interval training, revolucionário que


conseguiu ser uma inovação na época e vem sendo usado até os dias de hoje
no treinamento de vários atletas.

a) ( ) Dr. Woldemar Gerschler.


b) ( ) Willian Kraemer.
c) ( ) Osolin Treinador da URSS.
d) ( ) Pihkala.

3 Defina individualidade biológica.

4 Quando discutimos individualidade biológica, geralmente conversamos


sobre dois aspectos importantíssimos, são eles:

a) ( ) Genótipo e fenótipo.
b) ( ) Hábitat e os hábitos.
c) ( ) Sobrecarga e individualidade.
d) ( ) Força e resistência.

5 Sobre o princípio desportivo de adaptação selecione a alternativa correta:

a) Tem pouca relação com o princípio da sobrecarga, uma vez que os princípios
atuam separadamente.
b) Baseia-se na busca permanente de homeostase pelo organismo.
c) Aplicado somente para atleta de alto rendimento.
d) Todo estímulo de treino é considerado forte, independente da carga anterior
aplicada.

6 Selecione a alternativa que possui somente as corretas fases da adaptação e


na correta ordem de acontecimentos.

a) Fase de resistência, fase de alarme, fase da quase exaustão, fase de exaustão.


b) Fase de ativação, fase de resistência, fase da quase exaustão, fase de exaustão.
c) Fase de alarme, fase de resistência, fase da quase exaustão, fase de exaustão.
d) Fase de alarme, fase de resiliência, fase da quase exaustão, fase de exaustão.

7 Defina o princípio da continuidade.

8 Como deve ser montado o treinamento levando em conta o princípio da


especificidade?

125
9 Selecione a alternativa correta sobre a inter-relação entre os princípios do
treinamento.

a) Não é dever do professor saber os princípios e de como se interligam.


b) O princípio da variabilidade não tem relação com o princípio da sobrecarga.
c) É seu dever, como professor, entender e aplicar estes princípios do
treinamento a fim de buscar a melhor condição física e mental do seu atleta
e/ou estudante.
d) O excesso de carga que a continuidade pode causar não deve ser levado em
conta no momento de escolha da sobrecarga do próximo treinamento.

126
UNIDADE 2 TÓPICO 2
O CONDICIONAMENTO FÍSICO PARA
DIFERENTES ATIVIDADES ESPORTIVAS

1 INTRODUÇÃO
Bem-vindo ao Tópico 2 de nossa unidade! Neste tópico, abordaremos as
principais atividades esportivas e o condicionamento físico necessário para abordá-
las com excelência. Serão abordadas desde as atividades mais simples e básicas
que devem ser transmitidas na escola até atividades complexas e específicas dos
esportes.

O ensino e aprendizagem de um esporte é parte importante da educação


física, pois esta é, muitas vezes, a base para a iniciação desportiva em determinada
modalidade. O esporte é uma ferramenta de formação, criação ou lapidação de
aspectos psicomotores. Pode-se considerar que na aprendizagem esportiva é
fundamental uma aprendizagem corporal e motora. Quando o estudante aprende
uma nova modalidade desportiva ele evolui além das concepções do jogo em
tarefas motoras que exijam equilíbrio, coordenação e ritmo (GAYA; MARQUES;
TANI, 2004).

É evidente que se quisermos jogar livremente nada impede que se criem


exercícios novos, atividades diversas. Porém, não é disso que estamos
tratando. Trate-se, isto sim, de aulas sobre práticas esportivas formais.
São aulas de atletismo, de basquete, de futebol, enfim expressões
da cultura corporal do movimento humano onde estão presentes
tecnologias corporais formalizadas com objetivos bem definidos (GAYA;
MARQUES; TANI, 2004, p. 65 – grifo nosso).

2 PLANEJAMENTO
Apesar de antigamente as práticas desportivas serem criticadas na escola,
atualmente entende-se que com uma boa elaboração podemos usar o esporte
como uma ótima ferramenta. Para se ter um planejamento de sucesso no esporte
devemos conhecer e respeitar as fases (APOLO, 2007):

• Diagnóstico.
• Elaboração.
• Execução.
• Avaliação.
• Reestruturação.

127
UNIDADE 2 | PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO E O CONDICIONAMENTO FÍSICO APLICADO

Sobre as fases de planejamento que compreendem (diagnóstico e


elaboração) o mais importante é considerar a filosofia do trabalho, levantar
características e dificuldades, observar a população de aplicação, a aplicação do
local de treinamento desportivo e o tempo disponível para prática (APOLO, 2007).

Na fase de execução devemos definir a programação (semanal, temporada,


diária), estabelecer metas baseadas nos conteúdos programáticos. As fases de
avaliação e reestruturação andam de mãos dadas, uma vez que a avaliação deve
acontecer de modo interrupto e continuado e servir de base para uma possível
reestruturação (APOLO, 2007).

2.1 HABILIDADES MOTORAS ENVOLVIDAS



Antes de partirmos para as habilidades motoras e atividades físicas
necessárias em cada esporte e as necessidades específicas de cada esporte, temos
que entender a classificação das habilidades motoras, alguns autores, tais como
Scaglia e Souza, 2004; Apolo, 2007; Darido e Souza, 2007, definem a relação com o
meio como:

• Abertas – Modalidades imprevisíveis, geralmente com uma longa duração e


que acontecem em lugar aberto, onde os participantes podem se movimentar
livremente pelo espaço. Exemplos: futebol, basquete, futebol americano.
• Fechadas – Modalidades previsíveis, geralmente curta duração e de circuito
com posições estabelecidas, assim como trajetos. Exemplos: atletismo e natação.

Quanto à relação com o movimento:

• Discretas: Apresentam começo e fim. Exemplo: atletismo (100 m rasos).


• Contínuas: Sem começo e sem fim. Exemplo: pega-pega.
• Seriadas: apresentam intervalos. Exemplo: treinamento de força.

Quanto à precisão do movimento:

• Globais: Movimentos de grande amplitude. Exemplo: arremesso de peso.


• Finos: Movimentos refinados, curtos e minuciosos. Exemplo: arco e flecha.

Quanto ao controle de feedback:

• Circuito aberto: No decorrer da ação não pode ser modificada para melhorar
suas ações.
• Circuito fechado: No decorrer da ação pode ser modificada para ser melhorada.

Agora que as habilidades estão conhecidas, assim como o modelo de sucesso
para um projeto de desporte com crianças e jovens, iremos começar a descrever
alguns modelos de treinamentos para crianças e jovens para modalidades mais
específicas, como esportes coletivos, esportes de colisão e esportes cíclicos.

128
TÓPICO 2 | O CONDICIONAMENTO FÍSICO PARA DIFERENTES ATIVIDADES ESPORTIVAS

TUROS
ESTUDOS FU

A abordagem específica de como treinar as crianças e jovens em variáveis físicas,


como flexibilidade, força, potência e resistência serão abordadas na próxima unidade.

2.2 TREINAMENTO DE ESPORTES CÍCLICOS PARA JOVENS


E CRIANÇAS

Esportes cíclicos são esportes que apresentam, em sua maioria, o mesmo
movimento ou habilidade motora continuamente, por exemplo, podemos
caracterizar a pedalada do ciclismo, ou movimento de braçadas da natação ou
movimento de passadas da corrida. O esporte cíclico pode ser de longa e curta
duração. Neste subtópico, aplicaremos, principalmente, o esporte de longa duração
que necessita de muita resistência muscular, além de características metabólicas e
cardiovasculares avançadas durante a sua prática.

Ciclismo – O ciclismo é comum no currículo escolar de alguns países


mais desenvolvidos, pois a sua prática tem vários benefícios como: aumento
da resistência, estimula e melhora a coordenação e o equilíbrio, além disso traz
conscientização ecológica, pois a criança aprende que pode utilizar a bicicleta
como transporte. O trabalho do professor escolar pode ser ensinar à criança a
pedalar, uma vez que a urbanização é crescente nos dias de hoje, muitas pessoas,
devido à falta de espaços com segurança não aprendem a andar de bicicleta. Além
do caráter básico de aprender a andar de bicicleta, os estudantes que buscam o
ciclismo mais avançado terão que aprender noções de equilíbrio, o “sprintar” (tiro
de velocidade) na bike, aprender a correta utilização do “empurrar” e “puxar” do
pedal e fases da pedalada, pacing (estratégia de prova), entre outros fatores. Você,
como professor escolar, pode sim organizar aulas de ciclismo em suas aulas de
educação física, ou um dia da pedalada em que pais e alunos pedalem em conjunto.

Natação – A natação acontece de modo variado, podendo ser um dos


estilos de nado, assim como distâncias diferentes (50 m, 100 m, 200 m, 1500
m etc.), porém para crianças e adolescentes que não são desportistas existe
ainda o fator aprendizagem ao nado e segurança em meio aquático. Dentre os
benefícios da natação, podemos destacar: desenvolvimento cardiocirculatório e
respiratório; correção e manutenção da postura e prevenção de desvios da coluna;
desenvolvimento motor geral (coordenação e ritmo); condicionamento físico,
autoconfiança e preservação da vida humana no meio líquido (autopreservação e
salvamento) (MANSOLO, 1986).

“Muitas crianças e adultos, que iniciam num curso de natação, desistem


das atividades aquáticas muito antes que os benefícios da prática venham a surtir
efeito. São inúmeros os fatores que influenciam para que praticantes de atividades
129
UNIDADE 2 | PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO E O CONDICIONAMENTO FÍSICO APLICADO

aquáticas interrompam suas práticas” (FREIRE; SCHWARTZ, 2005, p. 1). Entre os


fatores que levam à desistência, conforme constado na citação, existe o estresse pré-
competitivo (SOUZA et al., 2012) . Por este motivo que no estágio inicial de ensino
da natação devemos ensinar de forma lúdica, utilizar fontes lúdicas, sejam elas
brincadeiras ou estafetas para desenvolver as crianças para somente em uma parte
mais avançada entrar em um caráter mais competitivo. Na fase inicial, o professor
deve ensinar: adaptações ao meio aquático, flutuação, maneiras de entrar e sair da
piscina, face na água, submersão aquática, respiração no meio aquático e posição
corporal na água e, somente depois, deslocamento na água (LAWTON, 2013).

Para a natação competitiva outras valências serão trabalhadas, como


capacidade aeróbia, potência aeróbia, potência muscular, tolerância a acidose,
entrada e saída da prova, finalização da prova, além de um sistema cardiovascular
e muscular bem mais preparado (LAWTON, 2013).

Corrida – Assim como a natação, a corrida também tem dependência da


distância que a prova exigirá, podendo ser 50 m, 100 m, 400 m, 1500 m, 1000 m,
42 km etc., porém, nós como professores de educação física, na escola, devemos
ensinar basicamente o ato de correr a todos os estudantes, a coordenação da
corrida, a corrida saudável, frequência e amplitude de passada, além de o mínimo
de capacidade de velocidade na corrida e de resistência na corrida.

Para os estudantes que forem se aventurar na corrida de competição,


outros meios devem ser utilizados, como saídas e chegadas de prova, saídas de
bloco, estratégia de prova, além de capacidades de velocidade e potência muscular
sobrecarregadas durante treinamento e sistemas cardiovasculares mais bem
preparados para aguentar as fortes cargas de treinamento.

Triatlo – Você deve se perguntar: será possível fazermos o triatlo para as


crianças e adolescentes? Claro que sim, já existem escolas de triatlo para 7 e 15 anos
para os estudantes que gostam deste tipo de prática, as modalidades e distância são
controladas para que todos consigam terminar a prova e a prática continua sendo
prazerosa aos praticantes. Nesta modalidade em que natação, ciclismo e corrida
devem ser praticados, todos as modalidades pré-estudadas devem ser aplicadas.

FIGURA 46 - TRIATLO PARA JOVENS E CRIANÇAS

FONTE: Disponível em: <http://www.attaka.or.jp.e.qy.hp.transer.com/kanko/dtl.


php?ID=6427>. Acesso em: 11 mar. 2017.

130
TÓPICO 2 | O CONDICIONAMENTO FÍSICO PARA DIFERENTES ATIVIDADES ESPORTIVAS

2.3 MINI JOGOS EM ESPORTES COLETIVOS


Como sabemos, existem várias maneiras de treinamento para esportes
coletivos e estas serão abordadas nas disciplinas específica, por exemplo,
Metodologia do Ensino do Futebol, do Basquete, do Handebol. Portanto, nesta
parte do tópico abordaremos somente o trabalho dos chamados “Small Games” ou
“Minijogos” para algumas modalidades (WEIN, 2004; CLEMENTE, 2016).

FIGURA 47 - OS MINIJOGOS, OPORTUNIDADE DE EVOLUÇÃO AOS JOGOS COLETIVOS

FONTE: Wein (2004)

Os “Small Games” ou os chamados de “minijogos” são versões menores


de um jogo real, estes vêm se mostrando muito populares na última década. São
muito utilizados para otimizar o tempo de treino e desenvolver capacidades
fisiológicas e metabólicas mantendo um dos principais princípios do treinamento, a
especificidade. Além disso, este modelo de treinamento também pode desenvolver
os padrões táticos de um time ou jogador.

Além dos motivos destacados acima devemos utilizar os modelos de small


games, estes podem ser executados com ou sem oposição auxiliando na tomada
de decisão, possuem uma especificidade de tarefa muito grande, aumentam a
comunicação e sincronismo entre o time (uma vez que em um treino físico tradicional
isto não aconteceria), causam adaptações em similares ao treinamento intervalado
de alta intensidade (adaptações aeróbias, anaeróbicas, potência e velocidade) e
podem ser divididos em fases de ensinamento ou fases de aprendizagem.

Como usar os small games deve tomar alguns princípios disciplinares com
padrões antes de sua execução, fisiologia, força, condicionamento, metodologia de
treinamento, pedagogia e psicologia. A montagem e o design dos small games devem
ser decididos com base em conceitos pedagógicos e que auxiliem todos a optarem

131
UNIDADE 2 | PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO E O CONDICIONAMENTO FÍSICO APLICADO

pela atividade mais benéfica no sentido de performance. Outro ponto importante é


a delimitação de complexidade do exercício, uma vez que a tarefa não pode ser tão
avançada e com tantas tomadas de decisões que acabem retardando a atividade e
não causando as adaptações fisiológicas necessárias.

FIGURA 48 - MINIJOGOS UTILIZADOS COM DIFERENTES OBJETIVOS A) POSSE DE BOLA


B) POSSE DE BOLA COM CORINGA C) POSSE DE BOLA COM GOLEIROS

FONTE: Clemente (2016)

Quando os small games são comparados com os métodos tradicionais de


treinamento, a especificidade do treinamento é um dos fatores que contribuem
ao condicionamento do atleta ou estudante. Em estudos de rúgbi, os atletas que
praticaram os small games tiveram melhoras nos sprints de 10, 20 e 40 m, potência
muscular, potência aeróbica máxima em comparação aos métodos de treinamento
tradicionais (CLEMENTE, 2016).

Além de melhoras físicas é muito importante que entendamos quantas


melhoras de inteligência acontecem nos esportes coletivos com este tipo de
abordagem. Professor, o que é inteligência nos esportes coletivos? Este tipo de
inteligência desenvolve melhor a velocidade da decisão tomada, além de melhorar
a qualidade das decisões tomadas, o atleta ou estudante entende melhor o jogo,
pois em um minijogo você pode focar em um determinado tipo de aprendizado,
por exemplo, ataque ou contra-ataque ou defesa contra um atacante a mais ou dois
atacantes a mais.

132
TÓPICO 2 | O CONDICIONAMENTO FÍSICO PARA DIFERENTES ATIVIDADES ESPORTIVAS

Vários esportes utilizam os minijogos para o treinamento. Um deles


muito comum é o futebol (soccer) que já apresenta vários estudos com este tipo de
abordagem. Além deles, o futebol americano e o rúgbi também o utilizam.

Minibasquete

Outro esporte que utiliza o conceito minijogo é o basquete, utilizado,


principalmente, com o objetivo principal de desenvolvimento infantil. O campo
de ação do minibasquete é a infância e os seus objetivos essenciais se dirigem
à educação. Assim, o mini deve ser um esporte em forma de jogo, para iniciar
as crianças nas atividades desportivas, prepará-las para o esforço físico do jogo,
aprender a conduta individual e coletiva de acordo com as regras e assim realizar
o desenvolvimento moral na criança. O esporte minibasquete não deve ser
exclusivista, deve ser sempre de integração da criança (MORALES; GRECO, 2007).

FIGURA 49 - CRIANÇAS PRATICANDO O MINIBASQUETE

FONTE: Disponível em: <http://www.superbraga.com/sys_cache/2_1297168198.


jpg> Acesso em: 11 mar. 2017.

2.4 ESPORTE DE COLISÃO – O CONTATO


Se o termo esporte de colisão é novo para você não se preocupe, iremos
explicar o que este termo significa. Os esportes de colisão são os esportes em que
os participantes realizam colisões propositais com o objetivo de pontuar ou evitar
pontuação no jogo ou esporte. As colisões podem ser no adversário, mais comum,
porém podem ser também no chão e também em outros objetos inanimados.
Alguns exemplos bem claros de esportes de colisão são o futebol americano e o

133
UNIDADE 2 | PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO E O CONDICIONAMENTO FÍSICO APLICADO

rúgbi, sendo também esportes coletivos, boxe e outras lutas, esportes individuais
também de colisão. Rodeio (variadas formas de rodeio) também é considerado um
esporte de colisão, uma vez que colisões aconteçam frequentemente ao chão, ao
touro e/ou outros objetos (COVASSIN; ELBIN; SARMIENTO, 2012; ALIC, 2015).

Sabemos que estes esportes precisam de um treinamento diferenciado,


os atletas de futebol americano e rúgbi precisam ser fortes, rápidos, potentes e
resistentes. Porém, como falamos, estas variáveis serão trabalhadas na unidade
posterior. Então, você, acadêmico, deve estar se perguntando: o que iremos
discutir agora? Discutiremos um fator muito importante nestes esportes: os níveis
de contato.

Níveis de contato são a quantidade e a intensidade dos contatos que


acontecem nos jogos ou treinos, estes contatos são extremamente importantes
para o resultado do jogo, e assim o seu treinamento também é muito importante.
Saber tacklear (derrubar) o adversário é algo muito importante, assim como saber
receber o tackle (derrubada) também é muito importante. Neste caminho, existe um
grupo de pesquisadores estadunidenses que estão buscando melhorar as técnicas
de execução e recepção do contato durante os jogos e treinos (KERR et al., 2015).

DICAS

Para que entenda ainda mais dos níveis de contato, recomendamos que você
visite o Website do USA Football, que ensina regras, técnicas e disponibiliza cursos gratuitos
sobre os níveis de contato. Disponível em: <https://usafootball.com/resources-tools/coach/
levels-of-contact/>.

Estes pesquisadores criaram os chamados “níveis de contato” que seriam


uma maneira de controlar e periodizar o contato. Através de estudos, eles perceberam
que o número de lesões com as normas adotadas diminuiu consideravelmente e
assim vários programas do país começaram a utilizar este projeto para a melhoria
do sistema de contato.

Os níveis de contato são separados em cinco classificações:

• Ar ou Intensidade 0 – Praticantes realizam exercícios sem nenhum contato.


• Sacos ou Intensidade 1 – Praticantes realizam exercícios com contato somente
com o saco de box ou “dummies” de treinamento (tipo de saco para treinamento).
• Controle ou Intensidade 2 – Exercícios são realizados com velocidade controlada
contra outro praticante até o momento do contato. O treinador determinará um
participante que é teoricamente o “vencedor”. Contato acima da cintura e os
participantes não devem ir ao chão.

134
TÓPICO 2 | O CONDICIONAMENTO FÍSICO PARA DIFERENTES ATIVIDADES ESPORTIVAS

• Baque (Thud) ou Intensidade 3 – Exercícios são realizados em velocidade


competitiva até o contato. Nesta intensidade não existe vencedor predeterminado.
Contato acima da cintura e os participantes não devem ir ao chão e um breve
som de apito termina o exercício.
• Full (Intensidade total) ou Intensidade 4 – Exercícios são realizados na velocidade
e intensidade do jogo, único momento que os jogadores vão ao chão.

FIGURA 50 - NÍVEIS DE CONTATO

FONTE: Disponível em: <https://usafootball.com/resources-tools/coach/levels-of-contact/>.


Acesso em: 11 mar. 2017.

USA football recomenda um número limitado de treinos com contato


durante a semana para evitar lesões e evitar contatos excessivos com a cabeça.
Durante a pré-temporada são permitidos somente 30 minutos de contato por treino
e no máximo 120 minutos por semana. Já durante a temporada regular 30 minutos
por treino de contato “full” e no máximo de 90 minutos por semana (ALIC, 2015;
KERR et al., 2015).

Para que isso aconteça recomendamos que os treinos sejam planejados


antecipadamente, discutidos e mostrados aos demais treinadores, e que o contato
seja periodizado como qualquer outra valência do treinamento, respeitando os
limites de periodização. Além disso, devemos dar uma atenção ainda maior no
ensino de técnicas de derrubada e de recepção da derrubada, ensine e disponibilize
os níveis de contato aos participantes.

Temos que destacar uma modalidade que também é utilizada na iniciação


de futebol americano entre outros esportes de contato, ou até mesmo quando os
treinadores querem treinar somente aspectos táticos sem colisões, o flag football.
Esta é uma modalidade a parte que utiliza regras semelhantes, porém algumas
alterações, para que os atletas desenvolvam a velocidade do jogo, assim como
agilidade. Nesta modalidade, utiliza flag na cintura para simular a derrubada, ou
seja, não tem colisões na regra do jogo (YOSHINAGA; TAKAHASHI; ONIZAWA,
2003).

135
UNIDADE 2 | PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO E O CONDICIONAMENTO FÍSICO APLICADO

FIGURA 51 - FLAG FOOTBALL, MODALIDADE SEM COLISÕES

FONTE: Disponível em:<http://www.krbe.com/2017/02/15/flag-football-is-


dangerous-now/>. Acesso em: 12 mar. 2017.

136
RESUMO DO TÓPICO 2
Neste tópico, você aprendeu que:

• As fases do planejamento de sucesso no esporte são: diagnóstico; elaboração;


execução; avaliação; reestruturação.

• As habilidades motoras são divididas em:


Abertas – Modalidades imprevisíveis, geralmente com uma longa duração e que
acontecem em lugar aberto.
Fechadas – Modalidades previsíveis, geralmente curta duração e de circuito com
posições estabelecidas assim como trajetos.
Discretas: Apresentam começo e fim.
Contínuas: Sem começo e sem fim.
Seriadas: Apresentam intervalos.
Globais: Movimentos de grande amplitude. Exemplo: arremesso de peso.
Finos: Movimentos refinados, curtos e minuciosos. Exemplo: tiro ao alvo.
Circuito aberto: No decorrer na ação não pode ser modificada para melhorar suas
ações.
Circuito fechado: No decorrer da ação pode ser modificada para ser melhorada.

• Esportes cíclicos são esportes que apresentam em sua maioria o mesmo


movimento ou habilidade motora continuamente, por exemplo, podemos
caracterizar a pedalada do ciclismo, ou movimento de braçada da natação ou
movimento de passadas da corrida. Muito dependentes da modalidade para
determinar o treinamento.

• Os “small games” ou os chamados de “minijogos” são versões menores de um


jogo real, estes vêm se mostrando muito populares na última década. São muito
utilizados para otimizar o tempo de treino e desenvolver capacidades fisiológicas
e metabólicas, mantendo um dos principais princípios do treinamento: a
especificidade.

• Níveis de contato são a quantidade e a intensidade dos contatos que acontecem


nos jogos ou treinos, estes contatos são extremamente importantes para o
resultado do jogo, e assim o seu treinamento também é muito importante. Saber
tacklear (derrubar) o adversário é algo muito importante, assim como saber
receber o tackle (derrubada) também é muito importante.

137
AUTOATIVIDADE

1 Qual alternativa possui todas as fases de um planejamento de sucesso no


esporte segundo José Jr. (APOLO, 2007):

a) ( ) Diagnóstico; elaboração; execução; avaliação e reestruturação.


b) ( ) Preparo; avaliação; ação e filmagem.
c) ( ) Diagnóstico; elaboração; execução e avaliação.
d) ( ) Elaboração; execução; avaliação e reestruturação.

2 Exemplifique cada uma das classificações das habilidades motoras presentes


no quadro com exemplos.

Habilidade motora aberta


Habilidade motora fechada
Habilidade motora discreta
Habilidade motora continuas
Habilidade motora seriadas
Habilidade motora globais
Habilidade motora finas

3 Selecione a alternativa correta sobre os esportes cíclicos e o seu ensino:

a) No estágio inicial de ensino da natação devemos ensinar principalmente de


forma lúdica.
b) No ciclismo não existem diferenças entre a criança e o adulto quanto ao
ensino, visto que os dois sabem pedalar.
c) Na corrida, o simples ato de correr não é importante no treinamento, visto
que correr é uma atividade naturalmente humana.
d) Triatlo é única exclusivamente uma modalidade de adultos.

4 O que são os minijogos e com que finalidade são utilizados?

5 O que são os níveis de contato criados pela USA football?

138
UNIDADE 3

MÉTODOS, ESTRUTURAÇÃO E
PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO
ESPORTIVO

OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM

Esta unidade tem por objetivos proporcionar a você:

• construir o conhecimento para a avaliação do crescimento e maturação


biológica e suas implicações práticas no processo de treinamento esporti-
vo em jovens;

• apresentar os modelos atuais de progressão para o desenvolvimento dos


diferentes componentes de aptidão física ao longo da infância até o início
da vida adulta;

• conhecer as principais diretrizes e considerações que devem ser levadas


em consideração durante a estruturação e planejamento das aulas ou ses-
sões de treino com jovens meninos e meninas.

PLANO DE ESTUDOS
Esta unidade está dividida em três tópicos. No final de cada um deles, você
encontrará atividades que visam à compreensão dos conteúdos apresenta-
dos.

TÓPICO 1 – CRESCIMENTO, MATURAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA


CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

TÓPICO 2 – TREINAMENTO ESPORTIVO NA INFÂNCIA E ADOLES-


CÊNCIA

TÓPICO 3 – ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE


TREINAMENTO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

139
140
UNIDADE 3
TÓPICO 1

CRESCIMENTO, MATURAÇÃO E
DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA E DO
ADOLESCENTE

1 INTRODUÇÃO

Olá, acadêmico! Seja bem-vindo à Unidade 3 do nosso livro de estudos.


Para que possamos abordar a temática do treinamento desportivo aplicado
durante o período da infância e da adolescência, precisamos relembrar brevemente
alguns conceitos prévios e importantes relacionados ao processo de crescimento,
maturação e desenvolvimento biológico.

Veremos que o crescimento, a maturação e o desenvolvimento são


processos centrais na evolução da criança desde o nascimento (vida pós-natal) até
a fase adulta. Esse mundo de transformações que ocorre durante as duas primeiras
décadas de vida é crucial para o desenvolvimento das capacidades motoras de
toda criança e adolescente. Assim, a criança e o adolescente serão o nosso público-
alvo nesta unidade. Conhecer esses conceitos auxológicos será de fundamental
importância para compreendermos como o programa de treinamento esportivo
poderá ser estruturado e individualizado ao seu aluno/atleta nas diferentes fases
do processo de crescimento e maturação biológica. De fato, apropriar-se desses
conceitos fará com que as suas futuras intervenções quanto ao planejamento e
aplicação de diferentes programas de treinamento físico com crianças e adolescentes
sejam mais efetivas.

2 OS PERÍODOS ETÁRIOS DURANTE O CRESCIMENTO PÓS-


NATAL

O crescimento pós-natal, de forma comum, embora arbitrariamente, é


dividido em três ou quatro períodos etários. Temos os seguintes períodos etários:
1º) início da infância, 2º) pré-adolescência (primeira e segunda infância) e 3º)
adolescência (MALINA; BOUCHARD; BAR-OR, 2004). O início da infância é
o primeiro ano de vida, mas sem incluir o primeiro aniversário. Esse período
é caracterizado por um rápido crescimento na maioria dos sistemas e das
dimensões corporais e de rápido desenvolvimento do sistema neuromuscular.
Após completar o seu primeiro ano de vida (1º aniversário), entramos na pré-
adolescência. A pré-adolescência que ocorre durante a infância pode ser subdivida
em primeira infância e segunda infância. A criança entra no que chamamos de

141
UNIDADE 3 | MÉTODOS, ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO ESPORTIVO

primeira infância assim que completar o primeiro aniversário até os 4 anos de


idade (1,0 até 4,99 anos). Ao completar 5 anos de idade, a criança entra na segunda
infância, que irá até o início da adolescência (MALINA; BOUCHARD; BAR-OR,
2004). Na primeira infância, o crescimento dos sistemas e dimensões corporais
ainda continua rápido, embora em uma taxa desacelerada, ao passo que durante
a segunda infância, comparativamente, é um período de progresso relativamente
mais estável em crescimento físico (ARMSTRONG, 2007). Por fim, ao sair da
segunda infância, entramos no período da adolescência. Esse período é o mais
difícil de definir em termos de idade cronológica, em razão da variação no tempo
de seu início e término. Algumas entidades, como a Organização Mundial da
Saúde (OMS), definem a idade da adolescência entre 10 e 18 anos, mas as faixas
etárias entre 10 e 19 anos para meninas e 10 e 22 anos para meninos são mais
apropriadas como limites para uma variação normal no início e no término da
adolescência. Agora, independente de qual faixa etária seja assumida, sabe-se
que durante a adolescência, os principais sistemas corporais se tornam adultos
em estruturas e funcionalidade, ou seja, eles alcançam a maturidade biológica
completa (ARMSTRONG, 2007; MALINA; BOUCHARD; BAR-OR, 2004).

ATENCAO

Toda vez que a palavra “criança” for mencionada estamos nos referindo ao período
da infância e/ou pré-adolescência. Por outro lado, sempre que usarmos o termo “adolescente”
estaremos nos referindo ao período da adolescência.

3 DEFININDO CRESCIMENTO, MATURAÇÃO E


DESENVOLVIMENTO
Durante este início do Tópico 1, você já deve ter percebido que algumas
palavras, tais como crescimento e maturação biológica, costumam se repetir
algumas vezes. E você sabe o que cada uma dessas palavras representa? Será que
elas indicam o mesmo fenômeno biológico?

O crescimento e a maturação são processos biológicos intimamente


relacionados. Você verá que normalmente o termo crescimento e maturação são
frequentemente utilizados juntos e, algumas vezes, até como sinônimos, mas na
verdade cada um se refere a atividades biológicas específicas.

O crescimento é a atividade biológica dominante por cerca das duas


primeiras décadas da vida humana, incluindo, certamente, os nove meses de
vida pré-natal. Conceitualmente, o crescimento é definido como um aumento no
tamanho do corpo como um todo ou o tamanho atingido por partes específicas do
corpo (BAXTER-JONES; EISENMANN; SHERAR, 2005). Conforme as crianças e os

142
TÓPICO 1 | CRESCIMENTO, MATURAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

adolescentes crescem, elas se tornam mais altas e mais pesadas, tendo um aumento
em tecidos magros e gordos e em seus órgãos. As alterações no tamanho e peso
corporal são resultadas de três processos celulares subjacentes: (1) hiperplasia, (2)
hipertrofia e (3) acrescimento. O crescimento do tecido ósseo, muscular e cerebral
são exemplos em que esses três processos celulares atuam (MALINA; BOUCHARD;
BAR-OR, 2004).

A maturação biológica, por sua vez, é um pouco mais difícil de definirmos


que o crescimento. A maturação pode ser descrita como o processo contínuo de
tornar-se maduro ou progresso em direção ao estado biológico maduro (BAXTER-
JONES; EISENMANN; SHERAR, 2005). Perceba que o termo “maturação”
descreve um processo, enquanto o termo “maturidade” se refere a um estado. A
maturação ocorre em todos os tecidos, órgãos e sistemas de órgãos. Portanto, a
maturidade pode variar de acordo com o sistema biológico estudado. A maturação
tem dois componentes considerados importantes, conhecidos como timing e
tempo, e por isso merecem destaque também. Timing refere-se a um período em
que ocorrem eventos de maturação específicos (por exemplo, a idade da menarca
– primeira menstruação – nas meninas, a idade no aparecimento dos pelos púbicos
nos meninos e nas meninas, ou ainda a idade no crescimento máximo durante o
estirão de crescimento). Por outro lado, o tempo se refere à taxa ou velocidade
na qual ocorrem os progressos de maturação, ou seja, a velocidade com o que o
adolescente passa dos estágios iniciais de maturação sexual ao estado maduro.
O timing e tempo variam consideravelmente entre crianças e adolescentes de
mesma idade cronológica (ARMSTRONG, 2007; BAXTER-JONES; EISENMANN;
SHERAR, 2005).

O desenvolvimento, por sua vez, denota um conceito mais amplo, utilizado


em dois contextos distintos. No primeiro contexto, temos o desenvolvimento
biológico, que se refere aos processos de diferenciação e especialização das
células embrionárias. No segundo contexto, veremos que toda criança e
adolescente passará por um desenvolvimento comportamental, que se relaciona
ao desenvolvimento de competência em uma variedade de domínios inter-
relacionados. Esse desenvolvimento se refere à aquisição e ao refinamento de
comportamentos esperados pela sociedade. Pode-se falar do desenvolvimento de
competência social, competência intelectual ou cognitiva, competência emocional
ou de bem-estar e competência motora (MALINA; BOUCHARD; BAR-OR, 2004).

4 MEDIDAS USADAS PARA A AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO


E MATURAÇÃO
Caro acadêmico! Vimos anteriormente as definições de crescimento,
maturação e desenvolvimento. Agora, veremos como o crescimento e a maturação
biológica podem ser avaliadas e monitoradas em longo prazo de forma prática e
aplicada às situações de campo (aulas ou sessões de treino).

143
UNIDADE 3 | MÉTODOS, ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO ESPORTIVO

4.1 AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO


Você sabe que a antropometria é o conjunto de técnicas padronizadas
utilizadas para a medição sistemática do corpo e de suas partes. A antropometria
é frequentemente vista como ferramenta tradicional e básica da antropologia
biológica, mas tem uma longa tradição de uso na Educação Física e na área de
Ciências do Esporte (PETROSKI, 2003). De fato, a estatura e o peso corporal
são as grandezas mais comumente utilizadas nos estudos de crescimento.
Ambas as dimensões são frequentemente medidas com base rotineira e regular
para monitorar o status de crescimento e progresso da criança e do adolescente
(MALINA; BOUCHARD; BAR-OR, 2004). Diante da facilidade para medição
dessas duas variáveis de crescimento e por servirem como base para avaliar o
processo de maturação somática da criança e do adolescente, é preciso explorar e
entender um pouco mais, ainda que superficialmente, o padrão de crescimento da
estatura e do peso corporal ao longo da infância e adolescência. Essas informações
serão úteis mais à frente no que se refere à organização dos treinamentos, seleção
dos exercícios e qualidades físicas a serem desenvolvidas e distribuição da carga
de treinamento.

O percurso do crescimento em estatura e peso corporal pode ser


representado a partir do uso de duas curvas distintas. Tradicionalmente, as curvas
de distância (Gráfico 13) e de velocidade (Gráficos 14 e 15) são utilizadas para avaliar
e monitorar o padrão de crescimento de uma única criança/adolescente ou de uma
amostra de crianças/adolescentes. A partir do nascimento até a fase inicial da vida
adulta, tanto a estatura quanto o peso corporal seguem um padrão de crescimento
de quatro fases: (1ª fase) rápido ganho na infância e no início da pré-adolescência,
(2ª fase) ganho ligeiramente estável durante o meio da pré-adolescência, (3ª fase)
rápido ganho durante o estirão do crescimento na adolescência, e (4ª fase) aumento
lento até que o crescimento cesse com o alcance da estatura adulta (ARMSTRONG,
2007). É importante ressaltar que o peso corporal, no entanto, geralmente continua
a aumentar na vida adulta.

O tipo de curva de crescimento ilustrado no Gráfico 13 é uma curva de


distância. Essa curva indica o tamanho atingido pelas crianças em determinada
idade ou a distância que as crianças percorreram no caminho para a estatura
adulta. Por outro lado, a curva de crescimento da razão ou da velocidade de
crescimento (cm/ano ou kg/ano) tem uma forma diferente daquela de tamanho
atingido em estatura e peso corporal. As razões de crescimento para a estatura e o
peso corporal são apresentadas nos Gráficos 14 e 15, respectivamente, como curvas
de velocidade.

144
TÓPICO 1 | CRESCIMENTO, MATURAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

GRÁFICO 14 - CURVAS DE DISTÂNCIA PARA ALTURA (À ESQUERDA) E PESO CORPORAL (À


DIREITA) PARA MENINOS (LINHA CONTÍNUA) E MENINAS (LINHA PONTILHADA)
DURANTE O PROCESSO DE CRESCIMENTO

FONTE: Malina, Bouchard e Bar-Or (2004)

GRÁFICO 15 - TÍPICAS CURVAS INDIVIDUAIS DE VELOCIDADE PARA A


ESTATURA EM MENINOS E MENINAS

FONTE: Malina, Bouchard e Bar-Or (2004)

145
UNIDADE 3 | MÉTODOS, ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO ESPORTIVO

GRÁFICO 16 - TÍPICAS CURVAS INDIVIDUAIS DE VELOCIDADE PARA O PESO


CORPORAL EM MENINOS E MENINAS

FONTE: Malina, Bouchard e Bar-Or (2004)

Vamos aproveitar para explorar um pouco mais essas curvas de velocidade


do crescimento em estatura e peso corporal. Você pode ver que a partir do
nascimento até o término do processo de crescimento, tanto a estatura quanto o
peso corporal passam inicialmente por uma fase de desaceleração constante, isto
é, a velocidade com que ganhamos estatura e peso corporal é diminuída. Note,
contudo, que durante a fase de desaceleração a velocidade de crescimento em
estatura e peso corporal difere um pouco uma da outra. A velocidade do ganho em
estatura é diminuída até o início do estirão de crescimento, enquanto para o peso
corporal essa desaceleração ocorre no início da infância e segundo ano de vida. A
partir do segundo ano de vida, você pode observar que a velocidade de crescimento
em peso corporal passa a ser levemente acelerado. Quando a criança e/ou o
adolescente entrar no período de estirão do crescimento (por volta dos 9-10 anos
em meninas e 11-12 anos nos meninos), você pode ver que a razão do crescimento
em estatura e peso corporal aumenta até atingir um pico de velocidade e, então,
gradualmente diminui até o término do processo de crescimento. De interesse, o
pico de velocidade em estatura nas meninas ocorre, em média, em torno dos 12
anos de idade, enquanto nos meninos ocorrerá aproximadamente dois anos mais
tarde, por volta dos 14 anos. E por fim, o pico de velocidade em peso corporal
acontece, em média, seis meses após o pico de velocidade em estatura.

146
TÓPICO 1 | CRESCIMENTO, MATURAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

ATENCAO

Lembre-se bem desses marcos biológicos (idade cronológica em que se dá o


início do estirão do crescimento e que se alcança o pico de velocidade em estatura) que
ocorrem durante a transição da infância/pré-adolescência para a adolescência, pois veremos
que isso pode variar amplamente em meninos e meninas da mesma idade cronológica. E,
portanto, tais informações serão de fundamental importância para nortear a prescrição do
treinamento para seus alunos/jovens atletas.

4.2 MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DA MATURAÇÃO


Já vimos anteriormente o conceito de maturação e os componentes que
estão relacionados a esse processo biológico. Vamos agora conhecer os métodos
mais conhecidos e tradicionalmente usados nos estudos de crescimento para a
avaliação do nível de maturidade de uma criança e/ou adolescente. A maturação
esquelética, sexual e somática são os principais métodos de maturidade biológica
utilizados na prática (BAXTER-JONES; EISENMANN; SHERAR, 2005; BAXTER-
JONES; THOMPSON; MALINA, 2002; MALINA; BOUCHARD; BAR-OR, 2004).
Apesar dos três sistemas biológicos se correlacionarem razoavelmente bem entre
si, cuidados são necessários quando inter-relações entre os métodos são feitas.
As vantagens e desvantagens de cada um desses métodos para avaliação da
maturidade biológica estão apresentadas no Quadro 3. Como nosso propósito
aqui é mostrar como esses métodos podem ser usados na prática para auxiliar
na prescrição do treinamento para crianças e adolescentes, não vamos detalhar
profundamente as particularidades de cada método de avaliação. Vamos nos
concentrar em saber quais indicadores de maturidade cada método nos fornece e
como podemos classificar o nível maturacional de cada criança e/ou adolescente.

QUADRO 3 - DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS ASSOCIADAS A CADA


METODOLOGIA UTILIZADA PARA A AVALIAÇÃO DA MATURAÇÃO BIOLÓGICA

Vantagens Desvantagens
- Metodologia invasiva (exposição a
- Aplicada durante todo o processo
baixo nível de radiação).
de crescimento.
- Alto custo (equipamentos).
- Fornece estimativas da idade
Maturação - Baixa aplicabilidade em situações
esquelética de forma reprodutível
esquelética de campo.
e precisa.
- Necessidade de avaliadores bem
- Reflete a maturação de um
treinados para a interpretação dos
importante sistema biológico.
indicadores de maturidade.

147
UNIDADE 3 | MÉTODOS, ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO ESPORTIVO

- Limitado ao período da puberdade.


- Pode ser avaliada por meio de - Fragmenta o processo de maturidade
autorrelato após instruções prévias sexual em estágios.
Maturação
detalhadas ao avaliado. - Não permite estabelecer em que
sexual
- Pode ser avaliada em campo. momento se deu o início do estágio
- Baixo custo financeiro. e nem quanto tempo permaneceu
nesse estágio.
- Pode ser avaliada em situações
de campo.
- Obtida a partir do registro de - Limitado ao intervalo do estirão do
variáveis antropométricas. crescimento.
Maturação
- Equações específicas por sexo - Medidas longitudinais para a
somática
para predizer a idade do pico de determinação direta da idade do pico
velocidade em altura de forma de velocidade em altura.
transversal.
- Baixo custo financeiro.
FONTE: Elaborado pelos autores

A avaliação da maturidade esquelética é feita a partir de radiografias


da mão e do punho. Após a avaliação da radiografia a partir de diferentes
métodos que usam indicadores e critérios distintos, é possível atribuirmos uma
idade estimada para o desenvolvimento desse esqueleto. Essa idade estimada é
conhecida como idade esquelética ou idade óssea, o que representa basicamente
a idade biológica de cada criança ou adolescente (MALINA; BOUCHARD; BAR-
OR, 2004; MALINA, 2011). A partir da diferença entre a idade esquelética e a
idade cronológica podemos classificar meninos e meninas em três categorias de
estatuto maturacional: atrasado (tardio), normomaturo (no tempo) e adiantado
(precoce). Portanto, futuro professor, se você sabe que sua aluna tem 12 anos de
idade cronológica e verifica que a idade esquelética dela é correspondente a 10,5
anos, essa aluna pode ser considerada como atrasada/tardia quanto ao nível de
maturidade esquelética. Veja na figura a seguir quais são os critérios usados para a
classificação do estatuto maturacional de seu aluno.

148
TÓPICO 1 | CRESCIMENTO, MATURAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

FIGURA 52 - CLASSIFICAÇÃO DAS CATEGORIAS DE MATURIDADE ESQUELÉTICA


(ATRASADO/TARDIO VS. NORMOMATURO/NORMAL VS. ADIANTADO/PRECOCE)
BASEADO NA DIFERENÇA ENTRE A IDADE ESQUELÉTICA (IE) E A IDADE
CRONOLÓGICA (IC)

FONTE: Elaborado pelos autores

A avaliação da maturação sexual é representada nas figuras seguintes


de meninos e meninas, ilustrando o desenvolvimento dos caracteres sexuais
secundários, em que os mais utilizados são os pelos púbicos, glândulas mamárias e
desenvolvimento genital (MALINA; BOUCHARD; BAR-OR, 2004; TANNER, 1962).
Tanner (1962) classifica em cinco as categorias (estágios) para um dos caracteres. Em
geral, os traços gerais dos estágios de desenvolvimento dos diferentes caracteres
sexuais secundários são descritos como: o estágio 1 corresponde ao estado pré-
púbere, isto é, a ausência de manifestação do carácter analisado; o estágio 2 indica
o aparecimento desse carácter, por exemplo, a elevação inicial da mama nas
meninas ou o aparecimento da pilosidade púbica em ambos os sexos; os estágios
3 e 4 caracterizam-se pela continuação do processo de maturação do carácter em
causa e são, de algum modo, mais difíceis de distinguir; o estádio 5 corresponde
ao adulto ou estado maduro do carácter avaliado.

149
FIGURA 53 - ESTÁGIOS DE DESENVOLVIMENTO DA GENITÁLIA (À ESQUERDA) E DOS PELOS PUBIANOS (À DIREITA) EM MENINOS

150
UNIDADE 3 | MÉTODOS, ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO ESPORTIVO
151
FONTE: Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/orientacoes_atendimento_adolescnte_menino.pdf>. Acesso em: 8 maio 2017.
TÓPICO 1 | CRESCIMENTO, MATURAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE
FIGURA 54 - ESTÁGIOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MAMAS (À ESQUERDA) E DOS PELOS PUBIANOS (À DIREITA) EM MENINAS

152
UNIDADE 3 | MÉTODOS, ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO ESPORTIVO
153
FONTE: Disponível em: FONTE: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/orientacoes_atendimento_adolescnte_menina.pdf>. Acesso em: 8 maio 2017.
TÓPICO 1 | CRESCIMENTO, MATURAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE
UNIDADE 3 | MÉTODOS, ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO ESPORTIVO

O momento (idade) em que ocorre o pico de velocidade do crescimento em


altura e a porcentagem da estatura adulta alcançada em determinado momento são
os dois principais indicadores de maturidade somática utilizados nos principais
estudos da área (MALINA; BOUCHARD; BAR-OR, 2004). No entanto, para que
a idade no pico velocidade em altura seja obtida diretamente são necessárias
avaliações longitudinais abrangendo um intervalo de cerca dos 9-10 anos até os
16-17 anos de idade, enquanto que para a determinação direta da porcentagem da
estatura adulta é necessário obter registros longitudinais e proceder ao tratamento
dos dados, retrospectivamente, uma vez que é necessário “esperar” que a criança
ou o adolescente alcance a idade adulta. Assim, diferentes equações preditivas têm
sido propostas para que a idade do pico de velocidade em altura e a porcentagem
da estatura adulta sejam estimadas a partir de avaliações transversais (KHAMIS;
ROCHE, 1994; MIRWALD et al., 2002).

4.2.1 Idade no pico de velocidade em altura


A partir de equações preditivas específicas propostas e validadas por
Mirwald e colaboradores (2002) é possível calcular o maturity offset em meninos e
meninas.

Equações para meninos:

Maturity offset: -9.236 + (0.0002708 x (comprimento dos membros inferiores


x altura sentada)) - (0.001663 x (idade cronológica x comprimento dos membros
inferiores)) + (0.007216 x (idade cronológica x altura sentada)) + (0.02292 x ((massa
corporal/estatura) x 100)).

Equações para meninas

Maturity offset: -9.376 + (0.0001882 x (comprimento dos membros inferiores


x altura sentada)) + (0.0022 x (idade cronológica x comprimento dos membros
inferiores)) + (0.005841 x (idade cronológica x altura sentada)) – (0,002658 x (idade
x massa corporal)) + (0.07693 x ((massa corporal/estatura) x 100)).

O maturity offset estima a distância, em anos, a que o menino e a menina


se encontram do pico de velocidade em altura, podendo o valor ser negativo (se
ainda não alcançou o pico de velocidade em altura) ou positivo (se já ultrapassou
o pico de velocidade em altura). Para obter a idade no pico de velocidade em
altura predita, você precisará somar ou diminuir o valor de maturity offset com a
idade cronológica da criança ou adolescente no caso do valor de maturity offset ser
negativo e positivo, respectivamente. Baseado nas equações apresentadas acima,
vocês viram que precisamos avaliar as seguintes medidas: massa corporal (em
kg), estatura (em cm), altura sentada (em cm) e idade cronológica (decimal) de
meninos e meninas. O comprimento dos membros inferiores deverá ser estimado
a partir da diferença entre estatura e altura sentada.

154
TÓPICO 1 | CRESCIMENTO, MATURAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

A seguir, você vê um exemplo real de dois meninos (A e B) com


idades cronológicas próximas (13,50 vs. 13,89 anos), porém com uma variação
interindividual ampla em relação à idade do pico de velocidade em altura/estatura
predita. Note que o menino A ainda irá passar pelo pico de velocidade em altura
(14,80 anos), por isso seu maturity offset é negativo, enquanto o menino B apresenta
um maturity offset positivo, indicando que ele já passou pelo período de crescimento
máximo em estatura (12,89 anos).

FIGURA 55 - EXEMPLO PRÁTICO DE DOIS MENINOS (A E B) COM IDADES CRONOLÓGICAS


PRÓXIMAS (13,50 E 13,89 ANOS), PORÉM COM IDADES NO PICO DE VELOCIDADE
EM ALTURA (PVA) OU ESTATURA (PVE) DISTINTA

FONTE: Elaborado pelos autores

Nota: IC: idade cronológica; MC: massa corporal; Comprimento MI: comprimento
de membros inferiores; PVE: pico de velocidade em altura/estatura.

4.2.2 Porcentagem da estatura adulta predita


Os estudos mais recentes têm utilizado o procedimento proposto por Khamis
e Roche (1994), que prevê para o cálculo da estatura adulta predita a utilização da
estatura e massa corporal atual da criança ou do adolescente juntamente com a
estatura média dos pais. A equação está disponível no estudo original. Ela não
será apresentada aqui, pois o seu entendimento é um pouco mais complicado, o
que requer mais tempo. Após esse cálculo da estatura adulta predita a partir da
equação é preciso verificar quanto a estatura atual corresponde da estatura adulta
predita a partir do seguinte cálculo mostrado a seguir:

% Porcentagem da estatura adulta predita: (estatura atual/ estatura adulta


predita) x 100.

Na prática, você observará crianças e adolescentes de mesma idade


cronológica com diferentes porcentagens de estatura adulta predita alcançada
em um determinado momento. O gráfico a seguir apresenta um exemplo prático
de três meninos jovens (A, B e C) com diferentes níveis de maturidade somática
durante o período da infância e adolescência.
155
UNIDADE 3 | MÉTODOS, ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO ESPORTIVO

GRÁFICO 17 - EXEMPLO PRÁTICO MOSTRANDO A PORCENTAGEM DA ESTATURA ADULTA


PREDITA DE TRÊS MENINOS (A, B E C) DURANTE A INFÂNCIA (7 ANOS),
ADOLESCÊNCIA (14 ANOS) E VIDA ADULTA (40 ANOS)

FONTE: Armstrong (2007)

156
RESUMO DO TÓPICO 1

Neste tópico, você aprendeu que:

• Os períodos etários que todos nós passamos ao longo das duas primeiras décadas
de vida pós-natal: início da infância, pré-adolescência ou infância (podendo ser
dividida em primeira e segunda infância) e adolescência.

• O processo de crescimento, maturação biológica e desenvolvimento embora


sejam inter-relacionados e aconteçam simultaneamente, representam processos
biológicos diferentes.

• O crescimento representa o aumento no tamanho do corpo como um todo ou


o tamanho atingido por partes específicas do corpo, enquanto a maturação
biológica pode ser descrita como o processo contínuo de tornar-se maduro ou
progresso em direção ao estado biológico maduro.

• A maturação biológica pode ser avaliada por meio de metodologias consideradas


não invasivas (maturação somática) e invasivas (maturação esquelética e sexual).

• O principal indicador usado na maturação esquelética (considerado padrão-


ouro) é a estimativa da idade esquelética ou idade biológica.

• Os principais indicadores usados na maturação sexual são as características


secundárias sexuais: pelos pubianos (meninos e meninas), desenvolvimento da
genitália (somente meninos) e das mamas (somente meninas).

• Os principais indicadores de maturação somática são a idade do pico de


velocidade em altura/estatura (vimos que há equações preditivas que nos
permitem ter acesso a essa informação com medidas antropométricas
transversais) e a porcentagem da estatura adulta predita (também há equações
que predizem a estatura adulta).

157
AUTOATIVIDADE

1 Sobre os principais fenômenos biológicos que ocorrem durante as duas


primeiras décadas de vida, qual é o conceito de crescimento e maturação
biológica? Esses dois fenômenos biológicos representam a mesma coisa?

2 Quais são os principais métodos utilizados para avaliar o processo de


maturação biológica?

3 Enumere os parênteses em aberto à direita de acordo com a metodologia


de maturidade biológica correspondente aos principais indicadores
apresentados.

(1) Maturação esquelética ( ) Porcentagem da estatura adulta predita.


(2) Maturação sexual ( ) Desenvolvimento das mamas.
(3) Maturação somática ( ) Desenvolvimento dos pelos pubianos.
( ) Idade esquelética.
( ) Desenvolvimento da genitália.
( ) Idade no pico de velocidade em altura.

4 Geralmente, o pico de velocidade em altura durante o estirão de crescimento


adolescente acontece, em média, com que idade para meninas e meninos?

a) Aos 8 e 9 anos de idade para meninas e meninos, respectivamente.


b) Aos 15 e 14 anos de idade para meninas e meninos, respectivamente.
c) Aos 10 e 11 anos de idade para meninas e meninos, respectivamente.
d) Aos 12 e 14 anos de idade para meninas e meninos, respectivamente.

158
UNIDADE 3
TÓPICO 2

TREINAMENTO ESPORTIVO NA INFÂNCIA E


ADOLESCÊNCIA

1 INTRODUÇÃO

Muitas vezes, quando ouvimos falar em treinamento esportivo, logo


pensamos em um processo complexo e totalmente planejado, estruturado e
sistemático para a melhoria única e exclusiva da capacidade física de atletas de
alto rendimento. Quando pensamos em treinamento esportivo para crianças e
adolescentes, naturalmente associamos isso àqueles modelos de treinamento
específicos aplicados em programas esportivos para o desenvolvimento de jovens
atletas de elite com capacidade para atuar profissionalmente na vida adulta.
No entanto, sabemos que o número de crianças e adolescentes envolvidos em
programas esportivos de alto rendimento é relativamente baixo devido a sua
característica seletiva. Em comparação, podemos encontrar um número muito
maior de crianças e adolescentes que optam em praticar esportes em uma
perspectiva apenas recreacional, assim como podemos ter aqueles jovens que
são extremamente sedentários e não conseguem cumprir as recomendações
diárias de prática de atividade física. Nesse sentido, seria intuitivamente ingênuo
negligenciar os potenciais benefícios dos modelos de desenvolvimento físico em
longo prazo como uma estratégia para melhorar diversos fatores relacionados à
saúde, aptidão física e capacidade esportiva de todas as crianças e adolescentes,
independentemente do nível de capacidade física (sedentário, fisicamente ativo ou
bem treinado).

O interesse pela saúde, aptidão física e bem-estar das crianças e dos


adolescentes na sociedade atual está em evidência em todo momento devido às
constantes preocupações com o aumento na prevalência de inatividade física,
obesidade infantil e sua associação com o desenvolvimento de doenças crônicas
degenerativas não transmissíveis (DIETZ, 1998; OGDEN et al., 2014). Além
dessas questões de saúde pública, outras preocupações têm sido apontadas
em consequência do baixo nível de atividade física habitual das crianças e dos
adolescentes, tais como maior susceptibilidade à ocorrência de lesões relacionadas
à atividade física ou ao esporte, constante percepção de cansaço físico e desistências
da prática esportiva na infância e adolescência (DIFIORI et al., 2014; MATOS;
WINSLEY; WILLIAMS, 2011). Por essas razões, os modelos de treinamento físico
para crianças e adolescentes têm como grande desafio propor uma abordagem
estruturada para evitar a inatividade física e promover o amplo desenvolvimento
de todas as capacidades físicas desde a infância até a vida adulta. Contudo,
professores/treinadores devem saber que melhorar a aptidão física de crianças e
adolescentes é uma questão complexa e dinâmica, devido às diferentes interações

159
UNIDADE 3 | MÉTODOS, ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO ESPORTIVO

de crescimento, maturação e treinamento (LLOYD et al., 2014). Além disso, para


garantir um desenvolvimento holístico durante a infância e adolescência, os
profissionais devem estar cientes dos fatores psicossociais, educacionais e de estilo
de vida que podem afetar o engajamento, a aderência e adesão aos programas
esportivos ou de atividade física, e a satisfação em geral na prática do esporte nos
diferentes contextos (alto rendimento, participação/lazer ou educacional).

2 PERÍODOS SENSÍVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS


CAPACIDADES FÍSICAS
Você já deve ter ouvido falar de períodos sensíveis para o treinamento
com crianças e adolescentes. Você já ouviu comentários sobre o termo “janela de
oportunidade”? Será que as adaptações induzidas pelo treinamento esportivo
estão relacionadas com os diferentes períodos etários e com os estágios de
desenvolvimento maturacional?

Conceitualmente, esses períodos sensíveis para o treinamento das


capacidades físicas, também conhecidos como “janelas de oportunidade”, são
caracterizados como períodos de desenvolvimento ou adaptação acelerada dos
componentes de aptidão física a partir de um estímulo de treinamento adequado
durante as diferentes fases de desenvolvimento maturacional da criança e do
adolescente (FORD et al., 2011a; LLOYD; OLIVER, 2012). Em teoria, o período
do estirão do crescimento adolescente, no qual meninas e meninos passarão
por diversas mudanças morfológicas, metabólicas, moleculares, anatômicas e
endócrinas, parece ser o momento ótimo para a aplicação do treinamento, pois
é quando vamos visualizar as maiores e principais mudanças na maior parte das
capacidades físicas e motoras (PHILIPPAERTS et al., 2006).

As informações disponíveis na área de fisiologia do exercício e treinamento


físico para populações pediátricas baseado em estudos de design longitudinal
têm sugerido alguns períodos sensíveis para o desenvolvimento dos principais
componentes de aptidão física (VIRU et al., 1999). Veremos agora de maneira
resumida quais são esses possíveis períodos considerados como sensíveis (“janelas
de oportunidade”) para cada qualidade física.

• Força: sugere-se que a “janela de oportunidade” para o desenvolvimento da


força em jovens ocorra, em média, 12-18 meses após o pico de velocidade
em altura, período que coincide com o pico de velocidade em peso corporal.
A fundamentação por trás dessa informação é que adolescentes passarão
por períodos de ganhos rápidos de massa muscular como resultado das
concentrações aumentadas de hormônios anabólicos circulantes.
• Flexibilidade: recomenda-se que o momento ótimo para o desenvolvimento
da flexibilidade ocorre entre os 6 e 10 anos de idade (meio e final da infância)
para ambos os sexos. Embora pareça receber menor atenção em programas de
treinamento durante a infância e adolescência, a manutenção e desenvolvimento

160
TÓPICO 2 | TREINAMENTO ESPORTIVO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

da flexibilidade devem ser parte essencial de qualquer programa de treinamento


com jovens, especialmente para garantir que crianças e adolescentes sejam
capazes de atingir amplitudes de movimento adequadas em qualquer prática
esportiva.
• Aptidão aeróbia (resistência): o período ótimo para o desenvolvimento
da aptidão aeróbia ocorre no momento que meninos e meninas atingem o
pico de velocidade em altura. Recomenda-se que a potência aeróbia seja
progressivamente introduzida após o pico de velocidade em altura, quando a
taxa de velocidade do crescimento começa a desacelerar.
• Hipertrofia: sugere-se que a partir da idade de 14 anos para meninos e 12 anos
para as meninas, o treinamento para o desenvolvimento da hipertrofia muscular
pode ser enfatizado. Conforme mencionado anteriormente, essas fases de
desenvolvimento normalmente ocorrem após o pico de velocidade em altura,
em um momento que os níveis de testosterona e hormônio do crescimento
circulante rapidamente aumentam de acordo com o estirão do crescimento
adolescente. Esses aumentos nas concentrações séricas de testosterona, estradiol,
progesterona tem sido diretamente associada às vias de sinalização celular para
a síntese proteica.
• Potência: Períodos de desenvolvimento rápido na potência muscular têm sido
estabelecidos em crianças pré-púberes entre as idades de 5 e 10 anos. Estes períodos
de desenvolvimento acelerado são em grande parte atribuíveis à coordenação
neuromuscular melhorada. Um segundo período de desenvolvimento acelerado
tem sido mostrado no início da puberdade em meninas entre 9 e 12 anos e em
meninos entre 12 e 14 anos, com desenvolvimento mais significativo da potência
muscular de membros inferiores nas idades de 14 e 15 anos. Esse segundo
período de ganho acelerado está relacionado a uma combinação de fatores
hormonais, musculares e mecânicos causados pelo início da puberdade (como
visto com os outros componentes da aptidão).
• Velocidade: Meninos e meninas mostram um similar desenvolvimento da
velocidade durante a primeira década de vida, com o primeiro período de
adaptação acelerada sugerido a ocorrer entre os 5 e 9 anos de idade em ambos os
sexos. A partir dos 12 anos de idade, a taxa de progressão de desenvolvimento
da velocidade é dramaticamente reduzida em meninas comparada aos meninos.
Essa diferença entre os sexos é atribuída às mudanças maturacionais em
dimensão e composição corporal. Por fim, um segundo período de adaptação
acelerada ocorre entre os 12 e 15 anos de idade nos meninos, enquanto para as
meninas esse segundo período acontece por volta dos 12 anos de idade.
• Agilidade: Não existe um consenso em relação ao período de desenvolvimento
acelerado para a agilidade. Talvez, isso possa ser explicado pelas poucas
evidências na área de prescrição de treinamento para populações pediátricas
tratando sobre os períodos específicos para a melhoria da agilidade.
Recentemente, tem sido sugerido que a agilidade deve ser progressivamente
desenvolvida a partir do meio da infância até o início da vida adulta.

Apesar do período da puberdade durante a adolescência ser a principal


fase de mudanças físicas e motoras relacionadas ao processo de maturação
biológica (BEUNEN; MALINA, 1988), devemos ter cautela na interpretação
e aplicação desse conceito de períodos sensíveis em relação à estruturação e
161
UNIDADE 3 | MÉTODOS, ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO ESPORTIVO

prescrição de treinamento físico para crianças e adolescentes. As evidências mais


recentes recomendam que tenhamos cuidado na interpretação do termo “janelas
de oportunidade”, pois podemos associar isso ao fato de que teremos somente
esse período para o amplo desenvolvimento dos componentes de aptidão física
(FORD et al., 2011a; LLOYD; OLIVER, 2012). Em outras palavras, isso significa
que se não desenvolvermos determinado componente de aptidão física entre o
exato momento em que a janela para essa aptidão física se abre até o momento
final em que ela se fecha, perderemos um período considerado chave e, como
consequência o desenvolvimento de todo o potencial atlético de nossa criança ou
adolescente poderia ficar comprometido. Na verdade, as evidências recentes vêm
tentando descontruir essa teoria e pensamento que alguns treinadores/professores
ainda aplicam na prática, e mostrando que todos os componentes de aptidão
física e sistemas biológicos são treináveis durante todo o processo de crescimento
e maturação biológica, isto é, desde a infância até a vida adulta (FORD et al.,
2011a; LLOYD; MEYERS; OLIVER, 2011; LLOYD et al., 2013; OLIVER; LLOYD;
RUMPF, 2013). Adicionalmente, essas recomendações recentes mostram que não
há razões para acreditarmos que exista um limiar maturacional para as adaptações
fisiológicas e de desempenho físico como previamente estabelecido, na qual
previa que somente após o período da infância ou da pré-puberdade que meninos
e meninas se favoreceriam de adaptações positivas induzidas pelo treinamento
físico. Maiores detalhes em relação às novas abordagens para a prescrição do
treinamento físico em crianças e adolescentes serão destacados e mostrados no
próximo item deste tópico.

3 MODELOS DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO EM LONGO


PRAZO PARA JOVENS
Durante todo o processo de crescimento e desenvolvimento humano,
a maior parte das crianças e dos adolescentes é constantemente estimulada a
se envolver em múltiplos programas esportivos com o propósito de maximizar
o desenvolvimento das suas capacidades físicas e habilidades motoras
(CAPRANICA; MILLARD-STAFFORD, 2011; MAIA et al., 2010). Na prática,
você, enquanto futuro professor/treinador, poderá encontrar/aplicar abordagens
distintas de modelos de treinamentos para jovens. Geralmente, os programas de
treinamento físico são planejados e estruturados baseados em resultados em curto
e longo prazo (BOMPA; CARRERA, 2015).

Apesar do desenvolvimento das capacidades físicas de crianças e


adolescentes ao longo do processo de crescimento e maturação biológica com
o intuito de maximizar o sucesso atlético na vida adulta não ser um conceito
relativamente novo, pesquisadores e professores/treinadores ligados ao esporte têm
mostrado cada vez mais interesse em conhecer detalhadamente as características
dos programas atuais de desenvolvimento físico em longo prazo para os jovens
(LLOYD; OLIVER, 2012). Esses mesmos pesquisadores têm recomendado

162
TÓPICO 2 | TREINAMENTO ESPORTIVO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

fortemente que crianças/adolescentes não sejam tratadas como “adultos em


miniatura”. Enquanto futuros professores/treinadores devemos saber que crianças
e adolescentes têm características fisiológicas, físicas e psicológicas totalmente
distintas daquelas apresentadas por adultos e, portanto, tais diferenças precisam
ser levadas em consideração durante a estruturação do programa de treinamento.

Historicamente, os modelos de treinamento físico de crianças e adolescentes


têm sido fundamentalmente baseados apenas na idade cronológica (CÔTÉ,
1999). A figura a seguir ilustra de forma simples o processo sequencial para o
desenvolvimento do componente físico em longo prazo ao longo da infância e
adolescência (BOMPA; CARRERA, 2015).

FIGURA 56 - ABORDAGEM DE DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES MOTORAS E


CAPACIDADES FÍSICAS EM LONGO PRAZO BASEADO NA IDADE CRONOLÓGICA
DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

FONTE: Bompa e Carrera (2015)

Você notará que a base da pirâmide, que nós podemos considerar o


início de qualquer programa de treinamento físico, consiste no desenvolvimento
múltiplo de habilidades multilaterais. Quando esse desenvolvimento alcança um
nível considerado aceitável, os jovens atletas estão aptos a se especializar em uma
determinada modalidade esportiva desejada. Após essa etapa, esse jovem atleta
é conduzido ao nível de alto rendimento ou à prática de atividades esportivas
relacionadas ao lazer. Essa proposta temporal do desenvolvimento atlético em
longo prazo, mostrado por Bompa e Carrera (2015), estabelece que apesar das
variações interindividuais e da especificidade dos diferentes tipos de esportes,
o desenvolvimento dos componentes físicos e habilidades motoras das crianças
e adolescentes deverão ser estruturados e aplicados de forma progressiva. No
entanto, essa proposta, apresentada na figura acima, apresenta um panorama
mais simplista, especialmente por estabelecer a progressão do treinamento

163
UNIDADE 3 | MÉTODOS, ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO ESPORTIVO

físico para crianças e adolescentes baseado apenas na idade cronológica. Esses


modelos estruturados dentro de uma perspectiva apenas cronológica têm sido
considerados falhos e amplamente criticados na literatura (FORD et al., 2011a). A
partir desse contexto, novas abordagens são necessárias e, de fato, alguns modelos
interessantes vêm propondo novos direcionamentos de forma mais compreensiva
para o desenvolvimento das capacidades físicas em longo prazo ao longo de toda
infância e adolescência (LLOYD; OLIVER, 2012).

Recentemente, uma nova abordagem para o desenvolvimento físico


em longo prazo para jovens, conhecido em inglês como “Long-Term Athletic
Development – LTAD”, tem ganhado destaque na área de condicionamento e
prescrição do treinamento físico para crianças e adolescentes (FORD et al., 2011a;
LLOYD; OLIVER, 2012). Esse modelo LTAD tem proposto que o nível maturacional
da criança e/ou adolescente seja levado em consideração durante a organização e
prescrição do treinamento, diferente daquelas propostas que têm usado apenas a
idade cronológica como referencial. Esse modelo baseado na inter-relação entre
crescimento, maturação e treinamento, que respeita as fases do crescimento e o
nível de desenvolvimento maturacional da criança/adolescente, possibilita uma
abordagem mais adequada e individualizada, maximizando o desenvolvimento
de todo potencial atlético desse jovem e minimizando o risco de lesões ao longo do
tempo, seja dentro do ambiente escolar ou contexto esportivo (LLOYD; OLIVER,
2012).

Na prática profissional, alguns professores/treinadores ainda se baseiam


naquele conceito que as adaptações induzidas pelo treinamento em jovens ficam
restritas somente ao período da adolescência, isto é, crianças pré-púberes não serão
responsivas aos sucessivos estímulos do treinamento durante a fase da infância/
pré-adolescência. Esse novo modelo LTAD proposto por Lloyd e Oliver (2012)
estabelece novas perspectivas de treinamento para crianças e adolescentes para
além daquela abordagem que tem sido fundamentada na ideia que o treinamento
dos diferentes componentes de aptidão física deva ser enfatizado apenas naqueles
períodos de adaptação acelerada, conhecidos como “janelas de oportunidade”,
na qual as adaptações induzidas pelo treinamento parecem ser maximizadas
(VIRU et al., 1999). Portanto, dentro de uma perspectiva mais prática, esse novo
modelo LTAD procura mostrar que não há apenas um único momento ideal para
a aplicação de diferentes regimes de treinamento visando ao aprimoramento das
principais capacidades físicas consideradas essenciais para a saúde das crianças e
dos adolescentes, e para que esses jovens consigam ter bons rendimentos durante
a prática de programas esportivos. Com isso, pensar que o treinamento das
principais capacidades físicas deve ficar exclusivamente restrito àquele período de
rápido desenvolvimento natural que cada uma das diferentes capacidades físicas
e motoras apresenta pode ser uma abordagem ultrapassada. Você verá, logo a
seguir, a partir de recomendações mais atualizadas, que as capacidades físicas
relacionadas ao desenvolvimento motor em sua maior parte, apesar da diferença
na magnitude das adaptações entre o período da infância e da adolescência, são
treináveis e devem estrategicamente ser estimuladas também ao longo de toda a

164
TÓPICO 2 | TREINAMENTO ESPORTIVO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

infância (MORAN et al., 2016), não se restringindo aos períodos sensíveis (“janelas
de oportunidade”) específicos de cada capacidade física comumente observada
durante o período de estirão em crescimento da adolescência.

A partir de uma perspectiva integrativa, esse novo modelo de LTAD tem


estabelecido uma proposta para o desenvolvimento físico de jovens desde o
início da infância (2 anos de idade) até a vida adulta (21 + anos de idade). Os
modelos de desenvolvimento físico para meninos e meninas, nas figuras acima,
podem ser visualizados logo a seguir. Esse modelo mais completo e baseado em
evidências atuais fornecerá aos treinadores, professores e também aos pais uma
base de informações consistentes para maximizar o desenvolvimento físico global
em longo prazo de qualquer criança e adolescente envolvidas no esporte de
rendimento, no esporte participação/lazer ou no esporte educacional. Você verá
que dentro desse modelo teórico, a ênfase do treinamento ao longo da infância
e adolescência é destacada a partir do aumento no tamanho da fonte (ou seja,
quanto maior for o tamanho da fonte, mais importante é o treinamento para aquela
aptidão física em questão). Por exemplo, se trabalharmos com meninas entre 10
e 11 anos, o modelo mostra que devemos primeiramente focar o treinamento
dessas meninas para o desenvolvimento da agilidade, velocidade, força e potência
muscular juntamente com as habilidades específicas dos esportes (possivelmente
mais de 1 ou 2), que elas praticam durante as aulas de Educação Física ou sessões
de treino em clubes esportivos. Por outro lado, treinamentos voltados para o
ganho de massa muscular (hipertrofia), potência e capacidade aeróbia (endurance)
e condicionamento metabólico devem ter um foco reduzido nesta faixa etária com
meninas entre 10 e 11 anos de idade.

165
UNIDADE 3 | MÉTODOS, ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO ESPORTIVO

FIGURA 57 - UM NOVO MODELO DE DESENVOLVIMENTO DAS CAPACIDADES FÍSICAS


EM MENINOS AO LONGO DA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA LEVANDO EM
CONSIDERAÇÃO AS DIFERENTES FASES DO CRESCIMENTO E MATURAÇÃO
BIOLÓGICA

FONTE: Adaptado de Lloyd e Oliver (2012)

Nota: O tamanho da fonte refere-se à importância no desenvolvimento dessa


qualidade física; caixa azul clara refere-se ao período da infância, caixa azul escura refere-
se ao período da adolescência. HMS: habilidades motoras fundamentais; HEE: habilidades
específicas ao esporte que pratica; PVA: pico de velocidade em estatura.

166
TÓPICO 2 | TREINAMENTO ESPORTIVO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

FIGURA 58 - UM NOVO MODELO DE DESENVOLVIMENTO DAS CAPACIDADES FÍSICAS


EM MENINAS AO LONGO DA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA LEVANDO EM
CONSIDERAÇÃO AS DIFERENTES FASES DO CRESCIMENTO E MATURAÇÃO
BIOLÓGICA

FONTE: Adaptado de Lloyd e Oliver (2012)

Nota: O tamanho da fonte refere-se à importância no desenvolvimento dessa


qualidade física; caixa rosa clara refere-se ao período da infância, caixa rosa escura refere-
se ao período da adolescência. HMS: habilidades motoras fundamentais; HEE: habilidades
específicas ao esporte que pratica; PVA: pico de velocidade em estatura.

É importante lembrar que esse modelo teórico foi apresentado para nortear
a prescrição de treinamento em crianças e adolescentes levando em consideração
os diferentes eventos maturacionais que acontecem durante todo o processo
de crescimento humano. É importante deixar claro para você que os modelos
apresentados nas figuras acima consideram uma situação em que estamos
trabalhando com meninos e meninas que tem um ritmo maturacional normal
(normomaturos), isto é, que não são nem atrasados (tardio) nem adiantados
(precoce) no nível de maturidade biológica. No entanto, em um contexto prático de
treinamento em ambientes esportivos e escolares, você, enquanto futuro professor/
treinador encontrará jovens alunos/atletas de diferentes faixas maturacionais,
idades, sexos e experiência em treinamento. Portanto, nos próximos itens veremos
como as diferenças relacionadas à idade e à maturação biológica podem ser
manipuladas para que a prescrição se torne cada vez mais individualizada e
apropriada para as características dos seus jovens alunos/atletas.

167
UNIDADE 3 | MÉTODOS, ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO ESPORTIVO

3.1 DIFERENÇAS RELACIONADAS AO SEXO


Embora seja amplamente reconhecido que meninos se envolvem de maneira
mais regular em esportes jovens do que as meninas durante a juventude, houve um
aumento do número total de crianças e adolescentes que participam ativamente em
esportes juvenis organizados na última década. Ao trabalhar com jovens, qualquer
professor/treinador deve estar ciente das diferenças fisiológicas e maturacionais
que existem entre meninos e meninas. Dessa forma, os programas de treinamento
devem ser individualizados e específicos para meninos e meninas. Durante os anos
pré-púberes (meio e final da infância), meninos e meninas basicamente seguirão
taxas de desenvolvimento semelhantes em crescimento e maturação, e apesar das
consistentes diferenças relacionadas ao sexo, força, velocidade, potência, aptidão
aeróbia e coordenação irão se desenvolver em taxas similares para ambos os sexos
ao longo da infância (ARMSTRONG, 2007; MALINA; BOUCHARD; BAR-OR,
2004). Consequentemente, considerando uma perspectiva prática, tanto as meninas
quanto os meninos podem seguir programas de treinamento semelhantes durante
os anos da pré-puberdade. O modelo LTAD preconiza que o foco de treinamento
para meninos e meninas seja direcionado ao desenvolvimento de habilidades de
movimentos fundamentais, força, velocidade e agilidade.

Após o início do estirão de crescimento adolescente, as diferenças de


maturação são aparentes para quase todos os componentes da aptidão física, com
os meninos melhorando a maioria das qualidades físicas mais que as meninas, com
exceção da flexibilidade (MALINA; BOUCHARD; BAR-OR, 2004). Tipicamente,
o início do estirão de crescimento adolescente ocorre cerca de 2 anos antes em
meninas (cerca de 10 anos de idade) do que em meninos (aproximadamente 12 anos
de idade) (IULIANO-BURNS; MIRWALD; BAILEY, 2001), e na maioria dos casos,
as meninas experimentam o pico de velocidade em altura em uma idade mais cedo
que meninos (12 anos versus 14 anos, respectivamente) (BEUNEN; MALINA, 1988).
Durante o estirão de crescimento adolescente, as meninas passarão por processos
fisiológicos específicos do sexo que podem afetar o desempenho/rendimento
físico: aumento da massa gorda, taxas diferenciais de desenvolvimento da força
neuromuscular, da altura e do peso; início do ciclo menstrual, frouxidão articular
aumentada, aumento do ângulo valgo do joelho; e dependência aumentada no
uso do membro inferior dominante em situações de aterrisagem ao solo, todas
associadas a um risco aumentado de lesão do ligamento cruzado anterior sem
contato (HEWETT; MYER; FORD, 2004; HEWETT; ZAZULAK; MYER, 2007).
Consequentemente, o modelo LTAD sugere que estratégias de treinamento
destinadas a reduzir o risco de lesões do ligamento cruzado anterior sem contato,
como treinamento pliométrico, fortalecimento do core, treinamento de força e
treinamento de equilíbrio, devam ser utilizadas nos programas de treinamento
físico de jovens meninas e mantidas até a idade adulta.

168
TÓPICO 2 | TREINAMENTO ESPORTIVO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

3.2 TREINAMENTO PARA JOVENS: MATURAÇÃO TARDIA VS.


PRECOCE
Por causa da ampla variabilidade interindividual no timing de maturação,
é necessário que qualquer modelo de treinamento físico específico para crianças
e adolescentes contenha um grau de flexibilidade (LLOYD et al., 2012). Uma
criança ou adolescente com nível de maturidade biológica avançada (precoce) tem
sido previamente definida como uma menina ou menino que inicia seu estirão
de crescimento adolescente aproximadamente 1,5 ou 2 anos mais cedo que uma
criança ou adolescente de ritmo maturacional tardio (GASSER et al., 2001). No
contexto prático, você enquanto futuro professor/treinador de condicionamento
físico deverá perceber que uma criança ou adolescente de ritmo maturacional
tardio ou precoce precisará ser tratado de forma um pouco diferente comparado a
uma criança ou adolescente classificado como normomaturo (ritmo maturacional
normal).

Na prática, podemos pensar que se uma criança é classificada como


adiantada no nível de maturidade biológica (precoce), então os componentes do
modelo para o desenvolvimento físico em longo prazo precisarão ser movidos
para a esquerda, permitindo assim que a criança ou o adolescente inicie técnicas
de treinamento mais avançadas em uma idade cronológica anterior ou mais nova.
Por outro lado, os componentes do modelo LTAD devem ser direcionados para a
direita no caso de trabalhar com uma criança ou adolescente que é considerado
como atrasado no processo maturacional (tardio), introduzindo-os assim a um
treinamento mais avançado em uma idade cronológica posterior ou mais velha,
momento em que eles estarão fisiologicamente prontos para lidar com o aumento
do estímulo de treinamento. Em qualquer um destes casos, embora a prescrição
de treinamento varie de acordo com a idade cronológica, deve-se permitir maior
consistência e maior precisão em termos da idade biológica da criança e do
adolescente.

Como vimos no Tópico 1, existem algumas metodologias não invasivas que


possibilitam estimar a idade do pico de velocidade em altura ou a porcentagem da
estatura adulta alcançada em um determinado momento. A partir disso, podemos
estruturar e aplicar diferentes programas de treinamento e condicionamento físico
para crianças e adolescentes de acordo com o nível maturacional de cada um
deles, respeitando, dessa forma, as individualidades biológicas. Por exemplo, se
trabalharmos com um grupo de meninos ou meninas classificadas como Pré-PVA
(> 1 ano antes do PVA) ou <85% da estatura adulta predita alcançada, os programas
de treinamento devem ser estruturados para promover prioritariamente positivas
adaptações neurais e, por consequência, proporcionar ganhos de força, potência
e velocidade. Agora, se trabalharmos com jovens entre 89% e 95% da estatura
adulta predita alcançada (meio e final da puberdade), os programas devem ser
direcionados para induzir tanto adaptações neurais quanto adaptações estruturais.
Por fim, se trabalhar com um grupo de jovens com 95% ou mais da estatura

169
UNIDADE 3 | MÉTODOS, ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO ESPORTIVO

adulta predita alcançada, caracterizando assim a pós-puberdade, a organização


e aplicação dos programas de treinamento deveriam ser fundamentalmente
baseados em promover significantes ganhos de força, potência e velocidade por
meio do desenvolvimento da hipertrofia muscular.

170
RESUMO DO TÓPICO 2

Neste tópico, você aprendeu que:

• Crianças e adolescentes passam por períodos de adaptação ou desenvolvimento


natural acelerado, comumente conhecido como “janela de oportunidade”, que
é caracterizada por um momento de sensibilidade aumentada às adaptações
induzidas pelo exercício ou treinamento.

• A maior parte das capacidades físicas (velocidade, força, potência, aptidão


aeróbia) apresenta a sua fase de adaptação ou desenvolvimento natural acelerado
próximo ao período de máximo crescimento em altura/estatura (ou seja, o pico
de velocidade em altura).

• Ao mesmo tempo, um novo modelo proposto por Lloyd e Oliver (2012) propõe
que todas as capacidades físicas devem ser progressivamente desenvolvidas ao
longo de toda a infância e adolescência em meninos e meninas. De fato, esse
novo modelo questiona um pouco aquele paradigma de que o treinamento de
qualquer capacidade física deveria ser exclusivamente restrito ao período de
adaptação acelerada (“janela de oportunidade”).

• Esse mesmo modelo apresenta também uma proposta mais aprofundada em


relação à estruturação e desenvolvimento dos principais componentes da
aptidão física levando em consideração o nível de desenvolvimento biológico
da criança e do adolescente, e não apenas baseado na idade cronológica.

• Recomenda-se que a potência muscular, e principalmente a força muscular,


seja integralmente desenvolvida desde o início da infância até o início da vida
adulta em meninos e meninas a partir de diferentes progressões de exercício e
modalidades de treinamento.

• Programas de treinamento voltados para o desenvolvimento da hipertrofia


muscular, aumento da aptidão aeróbia e treinamentos de característica metabólica
devem ser aplicados em direção ao final da puberdade e pós-puberdade (final
da adolescência).

• O programa de treinamento precisa ser individualizado para cada criança e


adolescente, considerando especialmente as diferenças relacionadas ao sexo e
à maturidade biológica. Por exemplo, um menino com um ritmo maturacional
mais rápido (adiantado) pode iniciar exercícios mais complexos em uma idade
cronológica mais cedo que aquele menino que apresente um ritmo maturacional
mais lento. Obviamente que isso só deverá acontecer se esse jovem aluno/atleta
já dominar as competências técnicas necessárias para tal.

171
AUTOATIVIDADE

1 Defina o que representa o termo “janelas de oportunidade”.

2 Assinale com verdadeiro (V) ou falso (F) as sentenças a seguir, considerando


as recomendações do modelo LTAD previamente apresentado em relação ao
desenvolvimento dos principais componentes de aptidão física em crianças
e adolescentes.

a) ( ) A progressão do treinamento físico para crianças e adolescentes deve ser


baseada apenas na idade cronológica.
b) ( ) Os modelos de progressão do treinamento físico estruturado dentro de
uma perspectiva apenas cronológica têm sido considerados falhos e tem
recebido algumas críticas, especialmente por não considerar as variações
interindividuais no ritmo de desenvolvimento biológico.
c) ( ) O nível maturacional da criança e/ou adolescente não precisa ser levado
em consideração durante o processo de organização e prescrição do
treinamento.
d) ( ) O modelo LTDA proposto baseia-se na inter-relação entre crescimento,
maturação e treinamento, respeitando assim as fases do crescimento e o
nível de desenvolvimento maturacional da criança/adolescente, assim como
possibilitando uma abordagem mais adequada e individualizada.
e) ( ) O modelo apresentado estabelece que todas as capacidades físicas e
habilidades motoras devem ser progressivamente estimuladas desde o
início da infância até a vida adulta, ainda que o nível de importância de cada
qualidade física varie ao longo da infância e adolescência.
f) ( ) De acordo com o modelo TTDA, o treinamento aeróbio (endurance) e
condicionamentos metabólicos devem ser enfatizados desde os anos iniciais
de formação do jovem aluno/atleta.
g) ( ) Durante o período da infância, as principais adaptações induzidas pelo
esforço ou treinamento são mais relacionadas aos fatores neurais, enquanto
que no período da puberdade as mudanças podem ser atribuídas aos
componentes neural e estrutural.

3 Preencha o quadro a seguir mencionando quais são os componentes físicos


ou motores que devem ser desenvolvidos prioritariamente nos diferentes
períodos etários da infância e adolescência em meninos e meninas?

Início da Infância Meio da Infância Puberdade Final da Adolescência

172
UNIDADE 3
TÓPICO 3

ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DOS


PROGRAMAS DE TREINAMENTO NA INFÂNCIA
E ADOLESCÊNCIA

1 INTRODUÇÃO
Neste último tópico, veremos como os diferentes componentes da
aptidão física podem ser progressivamente desenvolvidos ao longo da infância
e da adolescência. No entanto, devemos lembrar que para uma formação mais
holística da criança e do adolescente, além do componente físico devemos levar em
consideração o desenvolvimento psicológico, comportamental e social de todos.
De fato, esses três últimos fatores não foram o foco da Unidade 3, por isso ficaremos
mais atentos à estruturação e periodização dos programas de treinamento físico nos
diferentes períodos etários ao longo de todo processo de crescimento e maturação
biológica da criança e do adolescente.

2 TREINAMENTO DA APTIDÃO AERÓBIA PARA CRIANÇAS E


ADOLESCENTES
A capacidade de realizar e sustentar um determinado esforço físico por
longos períodos de tempo é comumente chamado de resistência aeróbia ou
aptidão aeróbia. De fato, a aptidão aeróbia não é simplesmente uma habilidade
exclusiva de corredores, nadadores, remadores, ou esquiadores de cross-country de
longas distâncias como se pensava anteriormente. O desenvolvimento da aptidão
aeróbia também é de fundamental importância para a maioria das jovens crianças
e adolescentes praticantes de esportes de equipe (handebol, futebol, basquetebol,
rugby, hóquei de grama). Maiores níveis de aptidão aeróbia durante a infância e
a adolescência farão com que os futuros alunos/atletas envolvidos em qualquer
programa de prática esportiva lidem melhor não somente com as constantes
cargas de treinamento e competição impostas sobre eles, mas também com as
tarefas escolares e as demandas físicas da vida diária de qualquer jovem (BOMPA;
CARRERA, 2015). De um modo geral, as principais modalidades de exercício
usadas para o desenvolvimento da aptidão aeróbia envolvem corrida, ciclismo,
natação, remo, canoagem, triathlon. Além disso, programas recreativos utilizando
as modalidades coletivas como estratégia para o aumento da aptidão aeróbia são
ferramentas viáveis e úteis tanto no contexto escolar quanto nos clubes esportivos.

173
UNIDADE 3 | MÉTODOS, ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO ESPORTIVO

2.1 ADAPTAÇÕES AO TREINAMENTO AERÓBIO


Crianças e adolescentes de ambos os sexos e diferentes níveis de
treinamento podem se beneficiar de qualquer programa de treinamento aeróbio
bem estruturado e supervisionado desde o início da infância até o início da vida
adulta. Entre os maiores benefícios de um programa de treinamento aeróbio bem
planejado estão (ARMSTRONG; BARKER, 2010; BOMPA; CARRERA, 2015):

• Aumentos nos valores de consumo máximo de oxigênio (VO2max).


• Aumento do volume sistólico e débito cardíaco.
• Redução dos valores de frequência cardíaca de repouso.
• Redução do risco de complicações cardíacas.
• Aumento do número de hemoglobinas.
• Melhora da economia de movimento.

2.2 RECOMENDAÇÕES GERAIS PARA PRESCRIÇÃO DO


EXERCÍCIO AERÓBIO EM JOVENS
Segundo Armstrong e Barker (2010), um programa de treinamento
apropriado para aumentar a potência aeróbia de crianças e adolescentes deve incluir
modos de exercícios contínuos e intermitentes, usando os grandes grupamentos
musculares, com uma frequência mínima de 3-4 sessões de treino com duração entre
40 e 60 minutos por semana ao longo de no mínimo 8 a 12 semanas. Além disso,
a intensidade do exercício durante as aulas ou sessões de treino deve variar entre
85-90% da frequência cardíaca máxima. A seguir serão brevemente apresentadas
as principais considerações que devem ser pensadas durante o planejamento e
estruturação das aulas ou sessões de treino para o desenvolvimento da aptidão
aeróbia ao longo da infância e adolescência.

Pré-puberdade (meninos: 0-12 anos; meninas: 0-11 anos)

De uma maneira geral, a infância pode ser caracterizada por um período


em que as crianças podem apresentar baixos níveis de coordenação motora e
economia de movimento. Além disso, as crianças parecem apresentar uma baixa
tolerância aos esforços de longa duração, especialmente por elas considerarem
esse tipo de atividade como uma tarefa de baixa motivação (BOMPA; CARRERA,
2015).

O principal objetivo do treinamento para meninos e meninas na fase da


pré-puberdade é progressivamente tornar essas crianças capazes de realizar
qualquer forma de atividade física por um período de tempo mais prolongado
antes de experimentar o cansaço. As aulas ou sessões de treino voltadas para o
desenvolvimento da aptidão aeróbia nessa fase do processo de crescimento devem
ser exclusivamente lúdicas por meio de desafios, jogos não estruturados e tarefas
de baixa complexidade física. O desenvolvimento da aptidão aeróbia nessa fase não
deve, em hipótese alguma, ser proposto de uma maneira altamente estruturada e
174
TÓPICO 3 | ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE TREINAMENTO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

controlada como, por exemplo, propor voltas de corrida para uma dada distância
ou velocidade. Isso, de fato, seria um grande desserviço para as crianças. Lembre-
se de que crianças têm um baixo nível de concentração e atenção e, portanto, não
devem ser consideradas como adultos em sua versão mais jovem. Se a atividade
pretendida não for atraente e divertida, eles estarão mais propensos a querer parar
o exercício ou associar o exercício à fadiga. Esse modelo de desenvolvimento da
aptidão aeróbia não funcionará com crianças. Eles irão facilmente ficar entediados
com esse padrão de aula ou sessão de treino e, podem ainda prematuramente
apresentar sintomas de fadiga/cansaço exagerado.

Durante a pré-puberdade, crianças parecem lidar melhor com atividades


ou exercícios que sejam curtas em duração e requeiram velocidade. De modo
algum ofereça atividades competitivas com distâncias acima de 100-200 metros.
Estas distâncias não devem ser aplicadas em programa algum de exercício aeróbio
para meninos e meninas pré-púberes porque as crianças não são capazes de
tolerar a percepção de esforço e fadiga aumentada específica que ocorre neste tipo
de atividade de alta intensidade. Somente ao final da adolescência professores/
treinadores são encorajados a incorporar essas distâncias nos programas esportivos
de seus jovens alunos/atletas. O período da infância é o momento de introduzir
diferentes formas de brincadeira e jogos não estruturados, e também envolver as
crianças em minijogos com pequenas regras simplificadas e com a menor rigidez
possível. Além disso, para facilitar as restrições e programação, as crianças devem
jogar durante o tempo que for divertido e não estressante.

Puberdade (meninos: 12-15 anos; meninas: 11-15 anos)

Uma vez que meninos e meninas entram na puberdade, seu nível de


aptidão aeróbia melhora progressivamente, mas com padrões diferentes entre os
sexos. Enquanto os meninos aumentam sua aptidão aeróbia desde a infância até
o início da vida adulta, as meninas parecem melhorar a sua capacidade aeróbia
até o meio/final da puberdade (ARMSTRONG; WELSMAN, 2000; ARMSTRONG,
2007). Devemos pensar que o início da puberdade representa o ponto de partida
para a elaboração de um programa de treinamento um pouco mais estruturado
(BOMPA; CARRERA, 2015). Qualquer programa de treinamento de aeróbio
para jovens adolescentes durante a puberdade tem como propósito continuar
desenvolvendo todos os componentes relacionados à aptidão aeróbia. Neste
período, o desenvolvimento das características aeróbias será ainda mais benéfico,
pois os alunos/atletas lidarão melhor com o aumento no número de horas de
treinamento por semana e também com a demanda total do treinamento, que
aumentará progressivamente durante a puberdade e pós-puberdade. Maiores
níveis de aptidão aeróbia também proporcionará uma capacidade de recuperação
mais rápida entre as sessões de treinamento, tornando os jovens adolescentes
melhor condicionados para tolerar uma carga de treinamento progressivamente
crescente.

Como muito dos jovens nesse período estarão envolvidos na prática de


algum programa esportivo, considere desenvolver a aptidão aeróbia por meio dos
trabalhos técnicos e táticos específicos de cada modalidade esportiva. Eventualmente,
175
UNIDADE 3 | MÉTODOS, ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO ESPORTIVO

se você estiver trabalhando com jovens atletas dentro de um ambiente esportivo


mais formal e estruturado, introduza a realização de treinamentos físicos para o
aprimoramento da aptidão aeróbia específica para determinada modalidade. Isto é,
propor certos tipos de treinamento aeróbio não significa necessariamente executar
voltas e mais voltas controlando o tempo. Professores e treinadores podem fazer
as aulas ou sessões de treino mais agradáveis e estimulantes, variando a distância
e terreno e organizando um treino mais desafiador. Para esportes de equipe, os
professores/treinadores podem definir a duração de exercícios técnicos e táticos
com o desenvolvimento da aptidão aeróbia em mente. Por exemplo, pode propor
uma atividade que dure entre 3 a 5 minutos com propósito de reforçar os padrões
técnicos, aprimorar os conceitos táticos e desenvolver a aptidão aeróbia de maneira
específica ao esporte praticado (BOMPA; CARRERA, 2015).

Final da Adolescência (meninos: 16+ anos; meninas: 15+ anos)

Conforme nossos jovens alunos/atletas melhor se adaptam ao treinamento,


o custo energético para uma determinada tarefa se torna mais efetiva e econômica,
fazendo com que o desempenho físico melhore constantemente. As diferenças
biológicas, assim como as diferenças de desempenho físico entre meninos e
meninas continuam crescendo ainda mais durante a fase final da adolescência
ou pós-puberdade. Embora haja maior visibilidade sobre o esporte masculino,
não esqueça que temos grandes exemplos de atletas femininas que mostram suas
habilidades esportivas em um nível de desempenho excelente, tais como a tenista
Serena Williams e a jogadora de futebol Marta.

A partir da base aeróbia construída na fase da pré-puberdade e puberdade,


as aulas ou sessões de treino agora se tornam mais específicas para atender às
exigências do esporte que nosso aluno/atleta pratica de maneira mais formal e
estruturada. Contudo, treinadores/professores devem lembrar que não precisam
excluir as outras opções de treinamento visando ao aprimoramento de competências
técnicas. Podemos pensar juntos, que durante os dois ou três primeiros anos dessa
etapa do processo de crescimento podemos desenvolver os componentes de
capacidade e potência aeróbia geral para os esportes coletivos ou individuais. E
então, nas etapas finais da fase final da adolescência, quando nossos alunos/atletas
estão se aproximando da vida adulta, maior ênfase é dada sobre os treinamentos
mais específicos respeitando a demanda fisiológica do esporte praticado por eles
(BOMPA; CARRERA, 2015).

2.3 TREINO DE FORÇA PARA JOVENS E CRIANÇAS –


PARADIGMAS
Existem várias dúvidas quando discutimos o treinamento para jovens.
Devemos treinar força com os jovens? Se sim, como treinaremos? Se não, por que
não? O treino de força prejudica o crescimento e desenvolvimento da criança, ou,
pelo contrário, ele auxilia?

176
TÓPICO 3 | ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE TREINAMENTO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

De modo genérico, podemos classificar o treinamento de força como


o conjunto de treinamento realizado com o objetivo de melhoria da força,
resistência e potência muscular. Temos que lembrar que treinamento de força não
necessariamente quer dizer halterofilismo ou culturismos, treinamento de força para
jovens e crianças não deve ser isso. No treinamento de força não necessariamente
são utilizadas cargas máximas como nestes esportes, e muito em particular para
crianças e jovens, uma sobrecarga com pesos que se conseguem realizar poucas
repetições já causa adaptações necessárias (FAIGENBAUM; WESTCOTT, 2009).

Acreditamos que não se deve dedicar o jovem exclusivamente ao


treinamento de força, porém este é um ótimo complemento para que o jovem
desenvolva força e saúde. Segundo Faigenbaum e Westcott (2009), dois grupos de
crianças precisam do treinamento de força são eles:

• Crianças com fraco desenvolvimento das atividades físicas regulares ou diárias,


resultado da vida cada vez mais sedentária. Este grupo está em crescente
aumento.
• Crianças desportistas, um grupo em menor escala, necessidade para realização
de certos gestos desportivos com excelência e acima de tudo segurança para
evitar lesões.

Entre os modelos de treinamento que podem ser utilizados com crianças e


jovens destacam-se os exercícios calistênicos, exercícios de peso livre, os exercícios
de máquina e os exercícios pliométricos, todos possuem pontos positivos e negativos
(FAIGENBAUM; WESTCOTT, 2009). Exercícios calistênicos, como flexões de braço,
apresentam um custo muito barato, porém com certa limitação quanto ao número
de exercícios que podem ser feitos, principalmente para crianças e adolescentes
com sobrepeso. Exercícios com máquinas têm os benefícios de serem mais fáceis
para realizar por serem mais controlados, porém temos os problemas de a maioria
das máquinas não serem construídas para as crianças, e terem um custo muito
elevado. Já os exercícios com pesos livres e os exercícios pliométricos parecem
ser a melhor escolha, visto que o praticante se adapta facilmente ao equipamento
como, por exemplo, cordas, caixotes, barras e halteres. Além disso, a quantidade
de exercícios que podem ser realizados é muito vasta. Além disso, se pensarmos
em um custo e benefício, esta também é uma boa escolha.

2.4 ADAPTAÇÕES AO TREINAMENTO DE FORÇA E POTÊNCIA


Crianças e adolescentes de ambos os sexos e diferentes níveis de treinamento
podem se beneficiar de qualquer programa de treinamento de força e potência
bem estruturado e supervisionado de forma segura desde o início da infância até o
início da vida adulta. Entre os maiores benefícios de um programa de treinamento
resistido bem prescrito estão (FLECK; KRAEMER, 2014):

177
UNIDADE 3 | MÉTODOS, ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO ESPORTIVO

• Aumento da força, potência e resistência muscular (capacidade de um ou


mais músculos realizar múltiplas repetições com uma determinada resistência
externa).
• Melhora da saúde cardiovascular, metabólica e óssea.
• Melhora no desempenho em tarefas específicas ao esporte.
• Menor susceptibilidade ao desenvolvimento de lesões relacionadas à prática
esportiva.
• Melhora na saúde mental como, por exemplo, aumento na percepção de bem-
estar psicológico e desenvolvimento de hábitos saudáveis em longo prazo.
• Melhora na capacidade cognitiva, melhorando assim o rendimento escolar de
crianças e adolescentes.

2.5 ESTRUTURAÇÃO DO TREINAMENTO USANDO


EXERCÍCIOS NA MÁQUINA E DE PESO LIVRE
Caro acadêmico! Você concordará conosco que a estruturação de um
programa de treinamento de força para jovens envolve muito mais do que
simplesmente prescrever o número de séries e repetições. Um bom programa
de treinamento de força com jovens envolve instrução e supervisão, juntamente
com uma progressão adequada das cargas, um aquecimento dinâmico adequado
e uma compreensão que nossos jovens alunos/atletas não são simplesmente
adultos em “miniatura”. Uma vez que os diferentes componentes da aptidão
física vão melhorando durante a infância e adolescência como resultado natural
do desenvolvimento biológico, um fator-chave na estruturação e planejamento
de qualquer programa de treinamento de força é equilibrar as demandas do
treinamento com a necessidade para recuperação entre os diversos estímulos.
Com uma prescrição apropriada de todas as variáveis agudas de treino, levando
em consideração não apenas a idade cronológica, mas também o nível de
maturidade biológica da criança e do adolescente, o treinamento de força pode ser
uma atividade agradável para meninos e meninas com diferentes necessidades,
objetivos e habilidades motoras (LLOYD et al., 2012).

Veremos agora como podemos estruturar as aulas ou sessões de treino para


o desenvolvimento da força, resistência e potência muscular usando exercícios na
máquina, pesos livres (halteres e barras), medicine ball e faixas elásticas durante
todo o processo de crescimento e desenvolvimento biológico. De um modo geral, o
quadro a seguir estabelece recomendações básicas para a progressão dos exercícios
em um programa de treinamento de força com jovens (FLECK; KRAEMER, 2014).

178
TÓPICO 3 | ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE TREINAMENTO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

QUADRO 4 - DIRETRIZES BÁSICAS PARA A PROGRESSÃO DO TREINAMENTO DE FORÇA EM


CRIANÇAS A PARTIR DE EXERCÍCIOS CALISTÊNICOS, MÁQUINAS, PESO LIVRE,
MEDICINE BALL E FAIXAS ELÁSTICAS

Faixa Etária Considerações

Introduza a criança aos exercícios básicos com pouca ou nenhuma


resistência externa; desenvolva o conceito de uma aula ou sessão de
5-7 anos treino; ensine as técnicas corretas dos exercícios; progrida de exercícios
calistênicos realizado com peso corporal, exercícios em dupla, e então
exercícios com carga leve; mantenha o volume e intensidade de treino
baixo.
Gradualmente, aumente o número de exercícios; pratique as
competências técnicas para todos os exercícios; inicie a progressão
8-10 anos gradual das cargas levantadas por aparelho; mantenha exercícios de
baixa complexidade; aumente o volume lentamente; cuidadosamente
monitore a tolerância da criança ao esforço induzido pelo exercício.
Ensine as técnicas básicas de todos os exercícios; continue progredindo
lentamente a carga de cada exercício; dê ênfase nas competências
11-13 anos
técnicas; introduza exercícios um pouco mais avançados com pouca
ou nenhuma resistência.
Progrida para programas de treinamento de força de nível
14-15 anos intermediário; adicione componentes específicos ao esporte praticado
pelo adolescente; aumente o volume e intensidade gradualmente.
Entra em programas de treinamento de força mais avançados após
16+ anos
adquirir as competências técnicas necessária nos estágios anteriores.
FONTE: Fleck e Kraemer (2014)

Considerações para o treinamento de força na infância

Quando o programa de treino é interessante e desafiador, e o professor/


treinador está engajado e motivado, as crianças e os adolescentes raramente
perdem uma aula ou sessão de treino. Segundo Fleck e Kraemer (2014), a aderência
de jovens em um bom programa de treinamento de força pode ser superior a 95%.
Principalmente durante o período da infância ou pré-puberdade, precisamos ser
criativos na elaboração da aula ou treino e atenciosos no momento que conversamos
com nossas crianças.

Embora seja lógico assumir que exercícios mais pesados produzam melhores
resultados, nesse período do meio para o final da infância (7-10 anos de idade),
meninos e meninas respondem favoravelmente a curtas sessões de treinamento
e conseguem excelentes ganhos de força fazendo mais repetições (entre 10 e 15)
com cargas moderada durante as semanas iniciais. Em geral, recomenda-se que
seja realizado entre 8 a 10 exercícios com uma frequência de 2 a 3x por semana
(FAIGENBAUM, 2000). Quanto às possibilidades de exercícios, meninos e meninas

179
UNIDADE 3 | MÉTODOS, ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO ESPORTIVO

nesta fase da pré-puberdade podem não se ajustar adequadamente às maquinas


disponíveis nos ginásios de aula ou treino, uma vez que os membros inferiores
e superiores de crianças são mais curtos. Nesse caso, professores/treinadores
podem propor diferentes exercícios usando principalmente medicine ball e faixas
elásticas, exercícios com o próprio peso corporal ou ainda com peso-livre (halteres
de peso leve). Além disso, durante as aulas de Educação Física ou sessão de treino,
o desenvolvimento de diversas estações (treinamento em circuitos) ao redor do
ginásio ou local de treino se mostra uma excelente e estimuladora estratégia para
o aumento da força, resistência e potência muscular em jovens (FAIGENBAUM;
WESTCOTT, 2009). Lembre-se de que o programa de treinamento deve sempre
contemplar exercícios que fortaleçam não somente os músculos dos membros
superiores e inferiores, mas também toda musculatura da região do tronco.

E
IMPORTANT

Considerações práticas:
Ao trabalhar com jovens meninos e meninas nessa fase da pré-puberdade, duas coisas são
fundamentais: instrução competente e supervisão adequada. As instruções devem ser claras
e concisas, com explicações curtas e demonstração de todos os exercícios. Em relação à
supervisão, jamais permita que eles façam qualquer exercício sem um supervisor por perto.
Isso é válido também para exercícios feitos em casa. Instrua pais e familiares que esse ambiente
familiar e confortável pode reduzir a consciência de segurança e nível de concentração da
criança durante a prática.

Considerações para o treinamento de força na puberdade

O período da puberdade é um momento do desenvolvimento biológico


crítico de meninos e meninas. Ao mesmo tempo em que ocorre uma melhora na
maior parte dos componentes de aptidão física como consequência das mudanças
induzidas pelo processo de maturação biológica, é esperando que os jovens
experimentem rápidos crescimento no crescimento dos membros, o que pode causar
alguns desconfortos e/ou redução momentânea na coordenação motora (LLOYD et
al., 2012). Consequentemente, é imperativo que nesta fase, professores/treinadores
monitorem essa taxa de crescimento de seus jovens alunos/atletas (já vimos como
fazer isso lá no Tópico 1 desta unidade) e estejam ciente da possível redução nas
competências técnicas de diferentes tarefas motoras. Portanto, em um primeiro
momento, o foco das aulas ou sessões de treino estará baseado na reaquisição das
competências técnicas e coordenação motora geral e específica. Depois desse período
de rápido crescimento em estatura, que coincidirá com o pico de ganho em massa
corporal, principalmente por meio do aumento da massa muscular, as aulas ou
sessões de treino poderão ser planejadas para enfatizar um incremento progressivo
nas cargas levantadas em cada exercício.

180
TÓPICO 3 | ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE TREINAMENTO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

De modo geral, recomenda-se que meninos e meninas façam entre 1-3 séries
de 6 até 15 repetições, podendo realizar entre 2 a 3 sessões por semana em dias
não consecutivos. Dependendo do nível do seu aluno/atleta, você pode prescrever
um programa incluindo entre 8 e 12 exercícios para os diferentes grupamentos
musculares (tronco, membro superior e inferior) por meio da combinação entre
exercícios multiarticulares e monoarticulares de cadeias cinética fechada e aberta.
Além disso, outras modalidades de exercício além de máquinas e peso livre podem
ser usadas como, por exemplo, medicine ball e faixas elásticas (FAIGENBAUM, 2000).

Considerações para o treinamento de força no final da adolescência

A maioria dos jovens de 15 a 18 anos é grande o suficiente para treinar


em máquinas de resistência de tamanho adulto, especialmente aqueles que
envolvem movimentos de empurrar ou puxar, tais como “leg press”, supino reto,
puxada máquina. Eles também são capazes de executar a maioria dos exercícios
de peso livre corretamente e com segurança a partir de uma boa instrução técnica
e adequada supervisão profissional. Como recomendação geral para esses jovens
adolescentes já se encaminhando para o final da adolescência e início da vida adulta,
o programa de treinamento pode ser baseado entre 3-6 séries de 6 até 15 repetições
cada dependendo dos objetivos e capacidade atlética de seu jovem aluno/atleta.
Iniciantes no treinamento de força nessa faixa etária podem começar com 1-2 séries
de 10 a 15 repetições e progredir para 2-3 séries de 6 a 12 repetições após quatro
a oito semanas de treinamento (FAIGENBAUM; WESTCOTT, 2009). No entanto,
note que nem todos os exercícios precisam ser executados para o mesmo número de
séries. Se o tempo total de treinamento for limitado, considere executar uma série
para os exercícios de pequenos grupos musculares e séries múltiplas nos exercícios
de grande grupamento muscular. Como o desenvolvimento de outras capacidades
físicas também é importante nessa fase final do processo de crescimento, uma
frequência de treinamento de 2-3x por semana em dias não consecutivos parece ser
apropriada para a maioria dos adolescentes.

Possibilidades de exercícios com pesos livres, máquinas, medicine ball e


faixa elástica

Veremos de forma ilustrativa algumas das possibilidades de diferentes


modos de exercícios para o desenvolvimento da força, potência e resistência
muscular com crianças e adolescentes.

181
UNIDADE 3 | MÉTODOS, ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO ESPORTIVO

FIGURA 59 - POSSIBILIDADES DE EXERCÍCIOS COM PESOS LIVRES

FONTE: Adaptado de: FAIGENBAUM; WESTCOTT (2009)

182
TÓPICO 3 | ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE TREINAMENTO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

Levantamento de Peso (Weightlifting) como estratégia de treino em jovens

A modalidade de levantamento de peso tem sido usada e recomendada


para o desenvolvimento da força, potência e velocidade em jovens envolvidos em
programas de treinamento dentro de ambientes esportivos e escolares (LLOYD et
al., 2012). O levantamento de peso refere-se a uma modalidade esportiva olímpica,
que inclui os exercícios “snatch” e “clean e jerk” (STONE et al., 2006). O “snatch” e
o “clean e jerk” são exercícios multiarticulares muito complexos que requerem uma
sequência estruturada de movimentos para mover a barra do chão para a linha
acima da cabeça em 1 (snatch) ou 2 (cleand e jerk) movimentos (LLOYD et al., 2012).
Ao ensinar estes levantamentos aos seus jovens alunos/atletas, é necessário que o
professor/treinador de força e condicionamento use uma abordagem estruturada e
lógica. Em todos os momentos, especialmente na infância, o foco na aprendizagem
do levantamento de peso deve ser única e exclusivamente colocado na competência
técnica (não indicado o uso de qualquer tipo de carga/peso durante estes exercícios).
Portanto, é recomendado que durante a infância, meninos e meninas devem sempre
começar por realizar os levantamentos com um bastão de madeira ou um longo
pedaço de cano PVC ao invés do uso de uma barra de levantamento de peso oficial
(LLOYD et al., 2012). Uma vez que a proficiência técnica pode ser completamente
demonstrada, só então é recomendado que a criança e/ou adolescente possa usar a
barra de levantamento de peso de tamanho juvenil, que tipicamente pesa 5-10 kg.
O professor/treinador precisará usar de todo seu conhecimento e experiência para
decidir depois qual será o momento adequado que seu jovem aluno/atleta estará
pronto para usar uma barra de levantamento de peso de tamanho normal.

A figura a seguir apresenta um modelo compreensivo e estruturado


para progressão e desenvolvimento das competências técnicas nos exercícios de
levantamento de peso (snatch, clean e jerk).

183
UNIDADE 3 | MÉTODOS, ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO ESPORTIVO

FIGURA 60 - MODELO DE PROGRESSÃO PARA A MODALIDADE DE LEVANTAMENTO DE PESO


AO LONGO DA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

FONTE: Adaptado de Lloyd et al. (2012)

Ao planejar e estruturar os programas de levantamento de peso para seus


jovens alunos/atletas, as seguintes variáveis: volume, intensidade, velocidade
de repetição, frequência e recuperação devem ser consideradas para garantir o
desenvolvimento atlético ideal e minimizar o risco de lesão. Vocês devem sempre
lembrar que as seguintes recomendações devem ser aplicadas dentro do contexto
das necessidades individuais de cada um dos seus alunos/atletas e, portanto,
tais variáveis de treinamento deverão sempre ser individualizadas. Lembre-se
de consultar também outras fontes de informações para ampliar o conhecimento
em relação à estruturação e planejamento do treinamento de força por meio da
modalidade de levantamento de peso (“snatch” e “clean e jerk”). O quadro a seguir
apresenta um resumo das diretrizes de prescrição de treinamento de levantamento
de peso ao longo da infância e adolescência.

184
QUADRO 5 - DIRETRIZES PARA A PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO DE LEVANTAMENTO DE PESO AO LONGO DA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

185
FONTE: Adaptado de Lloyd et al. (2012)
TÓPICO 3 | ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE TREINAMENTO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA
UNIDADE 3 | MÉTODOS, ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO ESPORTIVO

Veremos a seguir quais são os principais tópicos que devemos considerar e


ter atenção em relação à manipulação das variáveis agudas de treino mencionadas
no quadro acima.

Volume

• Para meninos e meninas durante o Estágio 1 (infância), o volume da aula ou


sessão de treino deverá ser maior comparado aos últimos estágios. Pode-se chegar
até 2-4 séries de 6-12 repetições. Ainda, recomenda-se que um feedback verbal em
tempo real seja fornecido a cada repetição. Em outras palavras, se o aluno estiver
fazendo algo de errado, peça para ele parar, forneça as instruções adequadas e,
então solicite que ela faça novamente.
• Os exercícios no Estágio 1 deverão ser de baixa complexidade, baixa sobrecarga
articular e baixo impacto, preferencialmente usando o peso corporal da própria
criança.
• No Estágio 2 recomenda-se a realização de séries múltiplas entre 3-5 repetições,
fornecendo também um feedback verbal a cada repetição.
• Na transição do Estágio 2 para os dois últimos estágios, o volume dentro de cada
sessão é reduzido, enquanto a intensidade é progressivamente aumentada.

Intensidade

• No Estágio 1, meninos e meninas deverão trabalhar com o próprio peso corporal.


• No Estágio 2, fase de aprendizagem do levantamento de peso, cargas baseadas no
percentual de uma repetição máxima (%1RM) podem ser usadas.
• O uso de cargas percentuais do 1RM é considerado preferível ao invés de se
basear no levantamento de cargas máximas para um dado número de repetições
(por exemplo, 10 repetições), especialmente para evitar que jovens alunos/atletas
treinem até a falha.

Velocidade de repetição

• É necessário que dentro de cada estágio do modelo de progressão existam


movimentos explosivos, exigindo assim que a velocidade de execução seja rápida.
• No Estágio 1, a maior parte dos exercícios precisará ser feito com o movimento
lento e controlado. No entanto, o professor/treinador pode propor outros exercícios
mais simples e já dominados tecnicamente pelo aluno/atleta para incluir esse
elemento de movimentos rápidos.

Frequência

• Jovens devem acumular entre 2 a 3 horas no máximo de aulas ou sessões de treino


usando a modalidade levantamento de peso.
• Como regra geral, podem ser realizadas múltiplas sessões com durações curtas
(30 a 40 min) ao longo da semana.
• Quando os nossos jovens alunos/atletas se encaminham para os estágios finais
do modelo de progressão, a frequência de aulas ou sessões de treino por semana
podem chegar a 5 vezes.
186
TÓPICO 3 | ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE TREINAMENTO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

Recuperação

• Como recomendação geral, um período de recuperação de 48 horas entre as


aulas ou sessões de treino parece ser o ideal.
• Com crianças pré-púberes e adolescentes no início da puberdade, esse tempo de
recuperação entre as aulas ou sessões de treino podem chegar até 72 horas.
• Ao trabalhar com jovens, fique atento aos principais sintomas de um processo
de recuperação física inadequada, o que pode cronicamente sinalizar
supertreinamento (overtraining): redução da capacidade física, percepção de
fadiga constante, infecções das vias aéreas superiores, qualidade de sono
diminuída, mudanças de humor e perda de peso acentuada.

2.6 ESTRUTURAÇÃO DO TREINAMENTO USANDO


EXERCÍCIOS PLIOMÉTRICOS
Pliometria refere-se a uma modalidade do treinamento de força, expressado
principalmente na forma de saltos ou pulos, na qual um “alongamento” excêntrico
do músculo é rapidamente terminado por uma potente contração isométrica,
iniciando desta forma um reflexo de estiramento biotático ou muscular, o qual irá
melhorar a ação concêntrica subsequente (LLOYD; MEYERS; OLIVER, 2011). O
treinamento pliométrico tem sido uma estratégia excelente e segura para promover
adaptações positivas (aumento de desempenho) na capacidade de produção
de força e potência muscular, velocidade de corrida e economia de movimento
(BOMPA; CARRERA, 2015; FAIGENBAUM, 2000; FLECK; KRAEMER, 2014;
MORAN et al., 2016). Tais capacidades motoras são determinadas por um padrão
muscular específico conhecido como ciclo alongamento-encurtamento (CAE), uma
combinação de processos sequenciais envolvendo ações musculares excêntricas,
isométricas e concêntricas que resultam em uma maior produção da força
concêntrica subsequente (KOMI, 1986). O CAE se mostra diretamente dependente
de mecanismos relacionados ao armazenamento de energia potencial elástica e ao
grau de atividade muscular reflexa (CAVAGNA; DUSMAN; MARGARIA, 1968;
KOMI; GOLLHOFER, 1997). É importante esclarecer que o CAE pode ser dividido
em ações rápidas (< 250 m) e lentas (> 250 m).

2.7 IMPLICAÇÕES PARA O TREINAMENTO PLIOMÉTRICO


Como com qualquer forma de programa de treinamento, as principais
variáveis agudas para a prescrição de exercício (intensidade, volume, frequência,
velocidade de repetição e tempo de recuperação) devem ser cuidadosamente
monitoradas para garantir um ótimo desenvolvimento atlético enquanto minimiza
o risco de lesões.

187
UNIDADE 3 | MÉTODOS, ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO ESPORTIVO

• Intensidade: a intensidade de um exercício pliométrico refere-se à quantidade


de stress colocado sobre a estrutura musculo-tendão e, portanto, é amplamente
dependente da seleção de exercício. Como regra geral, meninos e meninas devem
começar iniciando exercícios que requeiram baixa carga excêntrica (exercícios
mais simples) e gradativamente ao longo do tempo avançar para exercícios mais
complexos de maior sobrecarga excêntrica.
• Volume: no treinamento pliométrico, o volume tem sido estabelecido a partir do
número total de contato com o solo durante uma única sessão. Na infância, sugere-
se uma única série de 6-10 repetições por exercício, evoluindo posteriormente
para 2-3 séries de 6-10 repetições por exercício durante a adolescência. Em
média, o número total de contato com o solo pode variar entre 50 a 150 vezes.
• Frequência: recomenda-se a realização de treinos pliométricos 2x por semana
em dias não consecutivos.
• Velocidade de repetição: os jovens alunos/atletas devem sempre receber
informações claras e simples. Eles devem ser orientados a realizarem os
movimentos sempre o mais rápido possível e/ou o mais rápido e mais alto
possível. Lembre-se de que a técnica do movimento deve sempre ser priorizada
durante a execução da tarefa.
• Tempo de recuperação: a recuperação entre as séries deve ficar em torno de 60-
120 segundos para exercícios pliométricos de menor complexidade. Contudo,
esse tempo deve ser aumentado quando múltiplos exercícios pliométricos de
maior sobrecarga excêntrica forem realizados.

2.8 PROGRESSÃO DO TREINAMENTO PLIOMÉTRICO AO


LONGO DA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA
Pensando a partir de uma perspectiva prática, você, futuro professor/
treinador, quando trabalhar com crianças e adolescentes, certamente se deparará
com um grupo de alunos/atletas extremamente heterogêneo. Além disso, irão
lidar com alunos/atletas de diferentes faixas etárias e também com características
maturacionais amplamente distintas. Portanto, você terá o desafio de planejar e
estruturar as suas aulas ou sessões de treino de acordo com o nível motor, físico e
cognitivo de seus jovens alunos/atletas. Então, como fazer isso da melhor maneira
possível?

Na figura a seguir, você será apresentado a um modelo de progressão do


treinamento pliométrico ao longo da infância e adolescência (LLOYD; MEYERS;
OLIVER, 2011). Esse modelo propõe que toda criança e adolescente deverá passar
por esses seis estágios apresentados logo a seguir. Lembre-se de que a proposta
desse modelo é estruturar o processo do treinamento pliométrico levando sempre
em consideração as diferenças maturacionais entre meninos e meninas de mesma
faixa etária.

188
TÓPICO 3 | ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE TREINAMENTO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

FIGURA 61 - MODELO DE PROGRESSÃO DO TREINAMENTO PLIOMÉTRICO AO LONGO DA


INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

FONTE: Adaptado de Lloyd, Meyers e Oliver (2011)

Estágio 1 (Fundamental)

• A criança, para iniciar esse primeiro estágio, deve apresentar algum nível de
maturidade para escutar e seguir as instruções dadas pelo professor/treinador.
Além disso, a criança precisa demonstrar um bom padrão de movimentos
básicos.
• Os exercícios nesse estágio devem incorporar elementos de agilidade, equilíbrio,
coordenação motora e expor a criança a um ambiente que desenvolva a
percepção cinestésica e espacial. Como exemplo, podemos citar exercícios como:
agachamento com o próprio peso corporal, avanço realizado sobre uma linha
e outros exercícios multiarticulares de cadeia cinética fechada que envolva as
articulações de tornozelo, joelho e quadril.
• Sempre que possível estes exercícios devem ser introduzidos em jogos ou
estafetas (lembre-se de usar sua criatividade).
• A progressão para o Estágio 2 deve acontecer quando o seu aluno/atleta
apresentar um bom padrão de execução das habilidades motoras fundamentais,
tais como corrida, skipping, pequenos saltos laterais e outros.

Estágio 2 (Aprendendo a treinar)

• Esse estágio é caracterizado por uma maior variedade de exercícios pliométricos


que o estágio anterior. Crianças e adolescentes começam a realizar saltos verticais
e horizontais em torno de uma pequena área previamente definida e marcada.

189
UNIDADE 3 | MÉTODOS, ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO ESPORTIVO

• Os exercícios tipicamente exigem saltos e aterrisagem unilaterais e bilaterais.


• O aluno deve apresentar uma boa mecânica durante a fase de aterrisagem do
salto, tais como: aterrissar sobre a ponta dos pés e transferir o peso suavemente
para os calcanhares, evitar deslocamento dos joelhos para dentro (joelho
valgo), manutenção da integridade lombotorácica, e coordenação dos membros
superiores e inferiores durante o exercício.

Estágio 3 (Treinamento para treinar 1)

• Meninos e meninas começam a realizar saltos com deslocamentos horizontais.


• Os alunos/atletas devem ser estimulados a tocar o solo (fase da aterrisagem)
com as “bolas” de seus pés (região anterior) durante esses deslocamentos
horizontais.
• Exercícios para este estágio podem incluir: pogo stick hopping e múltiplos saltos
de contramovimento.
• Comece a incluir exercícios que exijam tempos curtos de contato com o solo.

Estágio 4 (Treinamento para treinar 2)

• Uma vez que seu aluno/atleta tenha demonstrado competência nos estágios
anteriores, eles podem ser apresentados aos exercícios pliométricos de saltos
sobre a caixa (box jumps) de baixa intensidade (saltando e descendo de uma
caixa) e exercícios com obstáculos (barreiras de pequena e média altura) em
sequência ou não.
• O objetivo desse estágio é aumentar a sobrecarga excêntrica e ao mesmo tempo
manter a velocidade de movimento e a competência técnica aprendida nos
estágios anteriores.

Estágios 5 e 6 (Treinamento para competir e ganhar)

• Esses dois últimos estágios são para meninos e adolescentes já no final da


adolescência se encaminhando para a vida adulta.
• Os exercícios nesse estágio podem incluir contato dos pés com o solo de forma
unilateral ou bilateral em direções variadas, na qual o objetivo é atingir a maior
distância com o menor tempo de contato com o solo possível.
• Inclusão dos exercícios pliométricos “drop jumps”, na qual o aluno/atleta começa
saltando de um caixote (altura ≤ 20 cm, baixa intensidade) em direção ao
solo, podendo o aluno/atleta na sequência fazer ou não um salto vertical com
contramovimento quando tocar o solo.
• O propósito é aumentar ainda mais a sobrecarga excêntrica, estimulando assim
o CAE durante a fase de aterrisagem do salto. Ao longo desses dois estágios você
pode progressivamente aumentar a altura do drop jump. Contudo, certifique-se
de que a altura do drop jump não promova uma estratégia inibitória protetiva que
reduza a ativação reflexa miotática (importante para a capacidade de produção
de força e potência).

190
TÓPICO 3 | ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE TREINAMENTO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

2.9 TREINAMENTO PARA FLEXIBILIDADE EM CRIANÇAS E


ADOLESCENTES
A flexibilidade refere-se à amplitude de movimento de uma articulação.
Nesse sentido, estratégias para a melhoria da flexibilidade é um elemento
considerado fundamental em qualquer programa de treinamento voltado
para jovens crianças e adolescentes. De fato, uma boa flexibilidade articular é
necessária para um bom desempenho locomotor, pois possibilita que meninos e
meninas sejam capazes de alcançar amplitudes de movimento articulares além
daquelas requeridas para a execução dos gestos motores em diferentes esportes.
Ainda, o treinamento de flexibilidade na infância e adolescência é de fundamental
importância para auxiliar na prevenção de lesões (BOMPA; CARRERA, 2015).

Visto que chegamos à vida adulta, o desenvolvimento da flexibilidade se


torna muito mais difícil quando comparado ao período da infância. Você deve
lembrar que o período de adaptação acelerada, também conhecido como “janela
de oportunidade”, para a flexibilidade é em torno dos 5 e 11 anos de idade para
meninos e meninas, isto é, do meio para o final da infância ou pré-puberdade (FORD
et al., 2011b; VIRU et al., 1999). Em geral, as crianças durante a pré-puberdade
são muito flexíveis, mas o desempenho da flexibilidade tende a diminuir com a
idade após a puberdade, especialmente em meninos, presumivelmente por causa
de ganhos em massa muscular, estatura e força muscular. Por conseguinte, o
treinamento de flexibilidade deve estar presente em todas as fases de um programa
de desenvolvimento físico em longo prazo de jovens alunos/atletas. No entanto,
você deve estar ciente que o objetivo desse treinamento pode variar de acordo
com os períodos etários do processo de crescimento. Uma vez que seu aluno/atleta
atingiu o nível desejado de flexibilidade, o objetivo do programa de treinamento de
flexibilidade passa a ser a manutenção desse nível ou a melhoria da flexibilidade
em casos particulares, como no caso de alguma aluna/atleta que apresente baixos
níveis de flexibilidade. A manutenção e aprimoramento dos níveis de flexibilidade
ao longo da adolescência são extremamente relevantes do ponto de vista prático
e clínico, principalmente porque meninos e meninas podem ter seus níveis de
flexibilidade rapidamente reduzidos com a inatividade física, tornando-os mais
propensos ao desenvolvimento de lesões (BOMPA; CARRERA, 2015).

A melhor maneira de melhorar a flexibilidade é por meio de exercícios


de alongamento. Em geral, os exercícios de alongamento podem ser realizados a
partir de três métodos distintos: (1) estático/passivo, dinâmico/balístico e facilitação
neuromuscular proprioceptiva (FNP) (BOMPA; CARRERA, 2015; WEINECK,
2005). Veja a seguir como cada método funciona brevemente:

1. O alongamento estático ou passivo envolve estender o músculo até o limite


do movimento articular sem forçar o alongamento e, em seguida, manter esta
posição sem movimento por um determinado tempo. Ao longo do desempenho
de exercícios de flexibilidade estática, o aluno/atleta deve tentar relaxar os
músculos para alcançar a máxima amplitude de movimento desejada.

191
UNIDADE 3 | MÉTODOS, ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO ESPORTIVO

2. O alongamento dinâmico ou balístico envolve a realização de movimentos


ativos (por meio de “balanços”) que atinjam os limites do movimento articular.
O aluno/atleta não deve se manter estático ao alcançar a posição final. Por
exemplo, fique de pé com os braços acima da cabeça e os pés levemente
separados. Abaixe o tronco dinamicamente em direção aos joelhos para alcançar
a máxima amplitude de movimento. Repita isso várias vezes, tentando alcançar
em cada repetição o maior ângulo. Pare se sentir qualquer desconforto ou dor.
3. O método de facilitação neuromuscular proprioceptiva (FNP) consiste
basicamente de um processo sequencial, iniciado por um alongamento passivo
estático dos músculos até o limite articular e, em seguida, pede-se ao aluno/atleta
que faça uma contração isométrica por alguns segundos contra a resistência
aplicada por um parceiro e imediatamente após, aplica-se outro alongamento
assistido de maior amplitude que o primeiro.

2.9.1 Desenvolvimento da flexibilidade na infância e


adolescência
Durante o período da infância ou pré-puberdade, as aulas ou programas de
treinamento deverão propor exercícios de alongamento para o desenvolvimento
da flexibilidade geral de todas as articulações, especialmente as articulações do
quadril, ombro e tornozelos. A flexibilidade do quadril e tornozelo é crucial para
qualquer habilidade requerendo saltos ou corridas. É recomendado nessa fase que
professores/treinadores aconselhem e estimulem seus alunos/atletas de ambos os
sexos para dedicarem o maior tempo possível no desenvolvimento da flexibilidade
geral, pois quanto mais tempo destinado para o aumento da flexibilidade na
infância provavelmente menor será a chance da ocorrência de lesões graves na
adolescência e, posteriormente vida adulta. De acordo com Bompa e Carrera (2015),
o uso do método estático ou passivo é priorizado nessa fase da pré-puberdade em
comparação com os outros métodos. Nesse sentido, é preciso ter atenção para não
alongar o músculo além daquele ponto de leve desconforto.

Quando caminhamos para a fase final da puberdade e final da adolescência,


período também caracterizado pelo início do processo de especialização esportiva,
as aulas ou sessões de treino previamente planejadas e estruturadas por você,
futuro professor/treinador, deve priorizar primariamente o desenvolvimento da
flexibilidade mais específica ao esporte prático pelo seu aluno/atleta. Portanto,
mais atenção deve ser destinada em nível de flexibilidade daquelas articulações
que estão sendo constantemente exigidas durante os gestos motores específicos
de determinado esporte. Nessa etapa, os três métodos principais para o
desenvolvimento ou manutenção da flexibilidade já podem ser usados. No
quadro a seguir, você encontrará um modelo descrevendo resumidamente como
a flexibilidade pode progressivamente ser desenvolvida ao longo da infância e
adolescência.

192
TÓPICO 3 | ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE TREINAMENTO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

QUADRO 6 - MODELO DESCRITIVO MOSTRANDO COMO A FLEXIBILIDADE PODE


PROGRESSIVAMENTE SER DESENVOLVIDA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES
Estágio de
Método de Treinamento Exercícios
Desenvolvimento
• Estático. • Flexão do quadril e tronco.
Infância ou Pré- • Exercícios dinâmicos de • Sentado com pernas juntas ou
puberdade baixa intensidade. afastadas (alcançar as pontas
dos pés).

• Estático ou passivo. • Exercícios em pé ou sentado com


• Facilitação neuromuscular um parceiro para melhorar a
proprioceptiva. flexibilidade usando os métodos
Puberdade
• Introdução de de alongamento estático ou
alongamentos dinâmicos FNP.
de maior intensidade.
• Estático ou passivo. • Executar exercícios de
• Facilitação neuromuscular alongamento com e sem um
proprioceptiva (FNP). companheiro usando o método
• Alongamentos dinâmicos FNP.
Final da Adolescência
de maior intensidade e • Você pode usar exercícios de
específicos ao esporte. alongamento dinâmico em
dupla. Tome cuidado nos
pontos de desconforto.
FONTE: BOMPA: CARRERA (2015)

Como uma regra geral, os exercícios de alongamento estático, dinâmico


e FNP podem ser introduzidos no início da aula ou sessão de treino logo após o
término do aquecimento. Particularmente para o alongamento estático, o tempo
de duração do alongamento precisa ser controlado (KAY; BLAZEVICH, 2012).
Caro acadêmico, se o objetivo principal da aula ou sessão de treino não for o
desenvolvimento da flexibilidade, e sim o desenvolvimento de outras capacidades
físicas como força, potência ou tarefas dependentes de velocidade, recomenda-se
o seguinte procedimento:

1. Exercícios de alongamento estático com durações ≤ 30-45s podem ser


seguramente usados previamente ao início do treino sem comprometimento do
desempenho subsequente (KAY; BLAZEVICH, 2012).
2. Exercícios de alongamento estático com durações ≥ 60s podem ser problemáticos
se usados antes da parte principal da aula ou sessão de treino, pois podem
reduzir o desempenho tarefas que requeiram força, potência e velocidade (KAY;
BLAZEVICH, 2012).

193
UNIDADE 3 | MÉTODOS, ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO ESPORTIVO

2.10 TREINAMENTO DA VELOCIDADE EM CRIANÇAS E


ADOLESCENTES
A velocidade pode ser considerada como uma das capacidades físicas
mais importantes para a prática esportiva durante a infância e adolescência,
especialmente por estar presente nos momentos mais decisivos de um jogo. Agora,
você sabe como devemos planejar e estruturar um programa de treinamento para
o desenvolvimento da velocidade ao longo da infância e adolescência? Quais
elementos são necessários desenvolver para melhorar a capacidade de nossos
alunos/atletas se moverem eficientemente de forma mais rápida?

Embora velocidade represente um termo genérico referindo-se à capacidade


de realizar movimentos o mais rápido possível, existem outros elementos
essenciais para o desenvolvimento da velocidade. A velocidade não está somente
relacionada à capacidade de correr rapidamente, mas também associada ao
desempenho em gestos motores acíclicos (saltos e lançamentos) e cíclicos (sprint no
ciclismo, braçada na natação) (WEINECK, 2005). Segundo Bompa e Carrera (2015),
o termo velocidade incorpora três elementos fundamentais: velocidade de reação
(capacidade de reagir a um estímulo no menor tempo possível), velocidade de
deslocamento de membros (capacidade de mover um membro rapidamente, como
um chute ou um arremesso) e velocidade de corrida (frequência de movimento
de braços e pernas sincronizados). Por consequência, o desenvolvimento dessas
diferentes formas de manifestação da velocidade está diretamente relacionado a
diferentes fatores fisiológicos e biomecânicos.

Particularmente durante a infância os principais ganhos em velocidade a


partir dos 5 anos de idade ocorrem por meio de adaptações neurais como, por
exemplo, melhoria da coordenação intramuscular e intermuscular. Quando
chegamos à adolescência, mais especificamente na puberdade, o desenvolvimento
da velocidade embora ainda possa ser atribuído aos fatores neurais agora passa a ser
principalmente associado às mudanças morfológicas (ganho de massa muscular)
e metabólicas (desenvolvimento do metabolismo anaeróbio) promovidas pelo
processo de maturação biológica (OLIVER; LLOYD; RUMPF, 2013). Do ponto
de vista mecânico, outros dois fatores são considerados fundamentais para o
desenvolvimento da velocidade. A partir de uma perspectiva mais simplista,
a velocidade pode ser considerada como o produto da frequência da passada e
comprimento da passada. Portanto, a capacidade da criança ou do adolescente
em produzir e aplicar força contra o solo pode influenciar diretamente estas
duas variáveis consideradas importantes para a geração de velocidade (BOMPA;
CARRERA, 2015). Em teoria, as crianças quando comparadas aos adolescentes
por serem menos potentes e apresentarem um menor comprimento de membros
inferiores podem ser mais dependentes da frequência de passada para atingir sua
velocidade máxima. Por outro lado, conforme a criança se torne mais velha (ou
seja, adolescente e depois adulta), a velocidade de corrida se torna cada vez mais

194
TÓPICO 3 | ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE TREINAMENTO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

rápida como consequência da maior capacidade de produção de força horizontal


e potência contra o solo, o que aumentará o comprimento de passada e permitirá
que o corpo seja impulsionado mais para frente durante a fase aérea da corrida
(OLIVER; LLOYD; RUMPF, 2013).

2.10.1 Desenvolvimento da velocidade na infância e


adolescência
Considerando uma abordagem de desenvolvimento da velocidade
em longo prazo, LIoyd e colaboradores (2013) propõem que os programas de
treinamento para o aprimoramento da velocidade, conforme apresentado na
figura a seguir, devem ser progressivamente estruturados a partir de quatro
períodos maturacionais distintos: (1) início da infância, (2) final da infância/início
da adolescência (pré-puberdade), (3) puberdade e (4) final da adolescência (pós-
puberdade). Nesse sentido, vamos entender as características de cada um desses
períodos.

FIGURA 62 - PROGRAMAS DE TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DA VELOCIDADE EM


CRIANÇAS E ADOLESCENTES

FONTE: Adaptado de Oliver, Lloyd e Rumpf (2013)

Pré-puberdade (meninos: 0-12 anos; meninas: 0-11 anos)

Durante a pré-puberdade ou infância, o rápido desenvolvimento do sistema


nervoso central leva a melhorias aceleradas nas diferentes habilidades motoras
fundamentais. Durante este período, as crianças devem ser constantemente
estimuladas a repetirem exercícios que promovam o desenvolvimento de novas
habilidades motoras, assim como aprimorem/refinem a execução de forma
eficiente de gestos motores já previamente conhecidos. Durante a pré-puberdade
ou infância, as adaptações de treinamento continuarão sendo predominantemente
195
UNIDADE 3 | MÉTODOS, ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO ESPORTIVO

neurais em sua essência (BOMPA; CARRERA, 2015; OLIVER; LLOYD; RUMPF,


2013). Portanto, o foco das aulas ou sessões de treino deverá priorizar a melhoria
dos diversos fatores neurais que contribuem para a produção de força rápida
contra o solo e, consequente, desenvolvimento da velocidade. Lembre-se de
elaborar e propor exercícios que imitem os diferentes padrões de movimento e
deslocamentos articulares associados a fases de corrida, dando preferência àqueles
exercícios que permitam a realização de passadas mais longas e tempos de contato
mais curtos com o solo. Considerando isso, a inclusão de sessões de treinamento
pliométrico com baixa carga excêntrica e de modo pouco estruturado parece ser
uma boa estratégia para alcançar esse propósito (OLIVER; LLOYD; RUMPF, 2013).
Ao mesmo tempo, não devemos negligenciar o desenvolvimento da velocidade de
deslocamento de membros, especialmente membros superiores. Crianças adoram
realizar tarefas físicas em que precisam desenvolver velocidade. Lançamentos
simples usando bolas de tênis ou medicine ball de pesos mais leves podem ser boas
opções para o desenvolvimento dessa velocidade de deslocamento de membros
(BOMPA; CARRERA, 2015).

Durante o planejamento e estruturação das aulas ou sessões de treino


para crianças pré-púberes alguns pontos importantes devem ser levados em
consideração:

1. As crianças devem ser estimuladas a jogar ou fazer os exercícios/educativos no


seu próprio ritmo, ou seja, de acordo com a sua capacidade.
2. Brincadeiras e jogos devem ser os maiores elementos de um programa de
treinamento para a melhoria da velocidade durante a pré-puberdade.
3. Introduza uma variedade de movimentos e exercícios que desenvolvam a
coordenação motora.
4. Nessa etapa, as crianças devem realizar exercícios de corrida primários em linha
reta. Conforme eles vão se aproximando da fase da puberdade (por volta dos 11-
12 anos em meninos e 10-11 anos em meninas), você pode incorporar exercícios
em zigue-zague ou com mudanças de direção rápidas.
5. A duração dos exercícios/educativos e a distância não devem ser muito longas;
as crianças não devem experimentar nenhum tipo de desconforto ou dor nessa
fase.
6. Em geral, não há necessidade de separar meninos e meninas nessa fase do
crescimento. Meninos e meninas podem executar todas as brincadeiras, jogos e
exercícios em equipes mistas, uma vez que as diferenças relacionadas ao sexo se
tornam mais pronunciadas somente na puberdade.

Puberdade (meninos: 12-15 anos; meninas: 11-15 anos)

A velocidade aumenta progressivamente durante a fase da puberdade


(MENDEZ-VILLANUEVA et al., 2011). Em geral, meninos e meninas melhoram sua
velocidade a partir de mudanças no tamanho corporal e morfologia muscular. No
entanto, meninas apresentam um platô na taxa de desenvolvimento da velocidade
em direção ao final da puberdade (OLIVER; LLOYD; RUMPF, 2013). Diante desse
contexto, você pode planejar suas aulas ou sessões de treino com maior ênfase no
desenvolvimento dos componentes da força e potência muscular para maximizar
196
TÓPICO 3 | ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE TREINAMENTO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

os ganhos em velocidade ao longo da puberdade. A incorporação de exercícios


de força que promovam a produção de força horizontal, assim como programas
de treinamento que estimulem a hipertrofia muscular, principalmente naquele
período próximo ao pico de velocidade em peso corporal (entre 14 e 15 anos de
idade), visando potencializar o aumento na capacidade de produção de força e
potência são estratégias efetivas para esse período do processo de crescimento
e desenvolvimento biológico de nossos jovens alunos/atletas. Os exercícios
pliométricos podem continuar sendo utilizados para ajudar no desenvolvimento
de força rápida e também da velocidade, bem como é possível começar a
incorporar exercícios mais complexos que exigem uma maior carga excêntrica e
força propulsiva.

Durante a fase da puberdade, o planejamento e estruturação dos programas


de treinamento para o desenvolvimento da velocidade ser tornam um pouco mais
complexos e requerem intervenções diferenciadas daquelas apresentadas na fase
da pré-puberdade. Vejamos a seguir alguns itens importantes:

1. O treinamento da velocidade deve ser conduzido de forma individualizada por


sexo, isto é, os jogos e exercícios/educativos embora possam ser os mesmos para
meninos e meninas, precisam ser feitos em grupos separados.
2. O volume do treinamento é consideravelmente superior àquele proposto na fase
da pré-puberdade. Logo, a duração e a distância dos exercícios e educativos
podem ser maiores.
3. Os exercícios podem incluir sprints em linha reta, sprints com mudanças de
direção, deslocamento em velocidade com a condução da bola (com os pés ou
mãos), saltos sucessivos sobre pequenas barreiras (baixa altura).
4. Proposição de exercícios pliométricos com cargas excêntricas moderadas a alta
de forma mais estruturada.
5. O tempo de recuperação entre os estímulos deverá ser aumentado para permitir
uma recuperação completa ou quase completa dos sistemas de produção de
energia anaeróbia.
6. Para jovens meninos e meninas envolvidas em um programa esportivo mais
estruturado e formal (basquetebol, handebol, futsal, voleibol, futebol, rugby), o
desenvolvimento de componentes de velocidade específicas ao esporte desejado
pode ser iniciado do meio para o final da puberdade.

Final da Adolescência (meninos: 16+ anos; meninas: 15+ anos)

Na fase da pós-puberdade, sugere-se que seja dado menos ênfase (o que não
significa que tenha menor importância) no treinamento técnico das características
motoras fundamentais para o aumento da velocidade e maior atenção para o
desenvolvimento dos fatores relacionados à velocidade máxima propriamente
dita (OLIVER; LLOYD; RUMPF, 2013). O volume e intensidade do treinamento
são aumentados ainda mais com o propósito de desenvolver a força máxima
juntamente com a aplicação de exercícios explosivos, tais como pliometria e sprints
máximos. Em síntese, quanto mais forte e mais potente o nosso aluno/atleta se
torne, mais rápido ele será. Maiores detalhes sobre as características do treinamento
pliométrico e do treinamento de força já foram apresentados previamente.
197
UNIDADE 3 | MÉTODOS, ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO ESPORTIVO

1. Devemos reduzir a quantidade de tempo destinado para jogos com o propósito


de deixar mais tempo para o treinamento específico da modalidade de acordo
com a demanda física do esporte praticado.
2. O treinamento de velocidade tem de ser dinâmico e realizado com alta
intensidade para constantemente estimular o sistema neuromuscular.
3. Professores/treinadores começam a aplicar um planejamento anual mais
estruturado para o desenvolvimento da velocidade, especialmente no período
preparatório da temporada esportiva, na qual aplicam diferentes modelos de
treinamento específicos para melhorar os componentes da velocidade.

2.11 TREINAMENTO DA AGILIDADE EM CRIANÇAS E


ADOLESCENTES
A agilidade é considerada um componente-chave para o desempenho em
esportes de características intermitentes e multidirecionais (handebol, basquetebol,
futebol, tênis e outros). Esses esportes são aqueles que requerem constantemente
mudanças rápidas de direção em resposta a uma variedade de estímulos (BOMPA;
CARRERA, 2015; LLOYD et al., 2013). Conceitualmente, a agilidade pode ser
definida como a capacidade de executar movimentos muito rápidos com o corpo
em situações que requeiram mudanças de direção ou de velocidade em resposta
a um dado estímulo (SHEPPARD; YOUNG, 2006). Para que nosso aluno/atleta
possa mudar de direção rapidamente, precisamos trabalhar e desenvolver os
principais elementos que estão diretamente relacionados com a agilidade. Alguns
autores propõem que os principais elementos considerados fundamentais para o
desempenho em agilidade são: (1) capacidade de mudar de direção rapidamente
(o que envolve aceleração, desaceleração e reaceleração), (2) força e potência de
membros inferiores, (3) tempo de reação e (4) percepção e tomada de decisão
(BOMPA; CARRERA, 2015; LLOYD et al., 2013; SHEPPARD; YOUNG, 2006).

Geralmente, a agilidade pode ser avaliada em dois contextos distintos. No
primeiro contexto, a agilidade é avaliada em situações fechadas e pré-planejadas
que não requerem reação a um estímulo. A agilidade, nesse contexto, se mostra
amplamente dependente da capacidade de acelerar e desacelerar, técnica de
movimento, velocidade de corrida em linha reta, força e potência de membros
inferiores e características antropométricas. Para exemplificar essa situação,
lembre-se daqueles protocolos de testes específicos para avaliar a agilidade, os
quais já têm seu padrão de movimento pré-planejado (percurso definido) e não
requerem reação a um estímulo externo (o aluno/atleta decide quando iniciar a
ação). Por outro lado, a agilidade reativa, a qual requer mudanças de direção ou
de velocidade em situações abertas e não planejadas (condições não previsíveis)
são determinadas por fatores relacionados ao processo de percepção e tomada de
decisão, tais como o campo de visão periférica, conhecimento da tarefa, padrão
de reconhecimento e antecipação (SHEPPARD; YOUNG, 2006). Como exemplo
dessa situação, podemos mencionar algumas situações particulares que ocorrem
durante a prática esportiva. No basquetebol, vemos que os jogadores estão em todo
momento movendo rapidamente suas pernas em diferentes direções para tentar

198
TÓPICO 3 | ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE TREINAMENTO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

driblar ou marcar o seu oponente de acordo com as situações abertas que podem
ocorrer durante o jogo. Da mesma forma, a reação de uma jogadora a um ataque
no voleibol ou a marcação de uma oponente no futebol são situações abertas e não
planejadas que requerem uma agilidade bem desenvolvida.

2.11.1 Desenvolvimento da Agilidade na infância e


adolescência
O desenvolvimento em longo prazo da agilidade é certamente alcançado
como resultado da repetição variada de diferentes exercícios e educativos
elaborados para a agilidade – obviamente partindo de uma progressão no padrão
de movimento do mais simples para o mais complexo – durante todo o processo
de crescimento e maturação biológica da criança e do adolescente. De acordo
com LIoyd e colaboradores (2013), toda criança e adolescente deve estar exposta
a todo momento aos três principais componentes relacionados à agilidade, isto é,
desenvolvimento das habilidades motoras fundamentais, exercícios que aprimore
a capacidade de mudar de direção em velocidade e o treinamento da agilidade
reativa. No entanto, o percentual de tempo destinado para cada um desses três
componentes variará de acordo com o período de desenvolvimento maturacional
do seu aluno/atleta. A figura a seguir ilustra como esses componentes relacionados
à agilidade podem ser distribuídos em uma sessão de treino (LLOYD et al., 2013).
Notem que o percentual de tempo destinado aos exercícios e educativos para as
habilidades motoras fundamentais diminui em direção ao final da puberdade,
enquanto os minutos de treino (em percentual) para o desenvolvimento da
agilidade reativa a partir de diferentes exercícios e educativos é progressivamente
aumentado.

FIGURA 63 - FOCO PRINCIPAL PARA O TREINAMENTO DE AGILIDADE CRIANÇAS E


ADOLESCENTES PRÉ-PÚBERES, PÚBERES E PÓS-PÚBERES

FONTE: Adaptado de Lloyd et al. (2013)

199
UNIDADE 3 | MÉTODOS, ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO ESPORTIVO

Caro acadêmico! Você deve lembrar que vimos no Tópico 2 desta unidade,
que a partir dos cinco anos de idade, o desenvolvimento da agilidade junto
com outras qualidades físicas começa a ser mais enfatizado e aprimorado em
ambos, meninos e meninas (LLOYD; OLIVER, 2012). Neste período, entre o meio
e final da infância, você que estará futuramente na figura central de professor/
treinador deverá promover ambientes que sejam seguros e divertidos para o
desenvolvimento de qualquer componente da aptidão física. Particularmente,
em relação à agilidade, você deve priorizar o aprimoramento das habilidades
motoras fundamentais a partir de diferentes jogos informais e introdução de
inúmeros exercícios e educativos de baixa complexidade motora. O foco principal
desta etapa é dar o passo inicial para que um padrão correto dos mais variados
movimentos seja aprendido. Lembre-se de que nesta etapa da pré-puberdade,
o desenvolvimento da agilidade está relacionado com as adaptações neurais,
especialmente no controle motor e no processo de coordenação intermuscular e
intramuscular. Por isso, a criança deve ser constantemente estimulada a repetir os
mesmos exercícios e educativos nos mais distintos e variados contextos (BOMPA;
CARRERA, 2015).

Ao sair da pré-puberdade (final da infância) e entrar na puberdade, após


terem construído uma base ampla e variada em relação ao repertório motor, as
nossas crianças e adolescentes estão preparados para receber uma maior ênfase
em exercícios e educativos que desenvolvam a capacidade de mudar de direção
em velocidade. Nessa perspectiva, os professores/treinadores deverão promover
diferentes tarefas motoras que estimulem seus alunos/atletas a aprender
rapidamente a acelerar, desacelerar, e então reacelerar a partir de um ambiente
pré-planejado e controlado. O conhecimento da magnitude da mudança de
direção é extremamente importante e deve ser levado em consideração durante o
planejamento da aula ou sessão de treinamento. Embora a figura acima proponha
que nesse período da puberdade meninos e meninas devam dedicar mais tempo
ao desenvolvimento da capacidade de mudar de direção em velocidade (40%),
há também um tempo significativo dedicado ao desenvolvimento continuado
das habilidades motoras fundamentais (30%) e treinamento da agilidade reativa
(30%). Esse tempo de 30% destinado para cada um dos dois outros componentes
mencionados é justamente para reforçar padrões de movimento previamente
aprendidos e desenvolver técnicas de agilidade reativa específicas ao esporte que
seu aluno/atleta pretende ou está participando durante um período em que o
córtex sensório-motor é suscetível a ganhos rápidos no desenvolvimento (LLOYD
et al., 2013).

De fato, esse vasto repertório motor construído e desenvolvido durante


a fase da pré-puberdade, refinado e mantido durante a fase da puberdade,
certamente continuará a melhorar durante a fase da pós-puberdade e início da
vida adulta. Espera-se que isso aconteça conforme os nossos jovens meninos e
meninas sejam expostos a um crescente volume de experiências de aprendizagem
dentro de variadas situações que ocorram no ambiente esportivo ou escolar. Em
consequência da capacidade cognitiva se tornar progressivamente elevada ao
longo da infância e adolescência, a prescrição do treinamento da agilidade também
precisará se tornar cada vez mais desafiadora e específica ao esporte em questão
200
TÓPICO 3 | ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE TREINAMENTO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

conforme meninos e meninas se aproximem da fase adulta. Por isso, você verá que
no período da pós-puberdade, conforme ilustrado na figura anterior, o foco da
aula ou sessão de treino deverá prioritariamente ser destinado ao treinamento da
agilidade reativa (60%).

2.11.2 Diretrizes para o treinamento da agilidade


O planejamento e estruturação da aula ou sessão de treino são fundamentais
para que o objetivo do treinamento seja alcançado. No nosso caso é ensinar e
desenvolver a agilidade ao longo de todo o processo de crescimento e maturação
da criança e do adolescente. Portanto, veremos alguns fatores que devemos
considerar durante esse processo de estruturação do programa de treinamento.

• Intensidade: exceto para as situações em que o propósito da atividade é


aprender a tarefa motora, a maior parte dos exercícios de agilidade deverão ser
realizados em alta intensidade – a partir de 80 a 95% do máximo individual de
cada menino ou menina. Lembre-se de que para obter ganhos no desempenho
em agilidade, nossos jovens meninos e meninas terão que aplicar o máximo de
força dinâmica contra o solo.

• Duração: a duração dos educativos e exercícios de agilidade deve ser estabelecida


de acordo com o sistema de produção de energia. Você pode classificar os
educativos/exercícios de agilidade como:
1) Anaeróbio alático: durações entre 5 e 10 segundos com muito alta intensidade
de aplicação de força contra o solo e rapidez nas ações motoras; intervalo de
recuperação entre 1 e 2 minutos.
2) Anaeróbio lático: durações entre 20 e 60 segundos com alta intensidade (80-
90%); intervalo de recuperação entre 2 e 3 minutos.

• Seleção dos exercícios: lembrem que a seleção dos exercícios deverá ser feita
de acordo com o principal componente relacionado à agilidade que deverá ser
desenvolvido respeitando o período de desenvolvimento maturacional do seu
aluno/atleta.

201
UNIDADE 3 | MÉTODOS, ESTRUTURAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO ESPORTIVO

ATENCAO

Atenção aos principais detalhes a ser observado no treinamento de agilidade

1. Preste atenção no contato do pé com o solo – para produzir movimentos mais rápidos e
potentes, o aluno/atleta deverá reduzir o tempo de contato com o solo.
2. Ouça o barulho dos passos durante o movimento – quanto mais silencioso for o contato
com o solo, mais dinâmico e elástico são os movimentos e maior os ganhos em potência e
agilidade.
3. Observe a altura dos passos – a altura dos passos deve permanecer o mais baixo possível
de modo que o aluno/atleta possa ter contato com o solo novamente o mais rápido possível
para uma nova fase de propulsão.
4. Preste atenção na mecânica corporal – instrua-os a manter uma postura correta durante
os movimentos: pés afastados na linha dos ombros, ponta do pé para frente e peso corporal
igualmente distribuído sobre ambas as pernas.
5. Maximize a potência durante a fase de propulsão – nos movimentos em que é necessário
mudar de direção, instrua-os a manter o calcanhar em contato com o solo para maximizar a
produção de força e potência contra o solo durante a fase de propulsão.

202
RESUMO DO TÓPICO 3

Neste tópico, você aprendeu que:

• O treinamento de cada componente da aptidão física deve ser estruturado


progressivamente ao longo da pré-puberdade (infância), puberdade e pós-
puberdade (adolescência).

• O treinamento aeróbio deve ser prioritariamente enfatizado em direção ao final


da adolescência com sessões de treino mais estruturadas e estímulos de maior
intensidade. Durante a pré-puberdade devem-se usar diferentes brincadeiras
e jogos não formais de curta duração e espaço reduzido, enquanto no período
da puberdade a potência aeróbia pode ser desenvolvida em conjunto com os
componentes técnicos-táticos dentro de uma mesma atividade.

• A força, potência e resistência muscular podem ser progressivamente


desenvolvidas de forma segura e divertida desde o início da infância até a vida
adulta. Para o aprimoramento dessas qualidades físicas, diferentes modalidades
de exercícios podem ser utilizadas (calistênicos, medicine ball, faixas elásticas,
máquinas, peso livres [incluindo o levantamento de peso] e pliometria).

• O levantamento de peso é uma possibilidade segura e efetiva para o aumento


dos níveis de força e potência, no qual o desenvolvimento das competências
técnicas específicas para a realização dos exercícios “snatch” e “clean e jerk” é
dividida em quatro estágios ao longo da infância e adolescência. No entanto,
essa modalidade requer uma alta supervisão e qualificação profissional de
professores/treinadores devido à complexidade dos exercícios.

• O treinamento pliométrico também é uma excelente estratégia para promover


ganhos de força e potência em crianças e adolescentes. Ao longo dos seis
estágios propostos no modelo, a sobrecarga excêntrica dos exercícios deverá
ser progressivamente aumentada e aplicadas em aulas ou sessões de treino de
maior complexidade.

• A flexibilidade deve ser desenvolvida principalmente durante a fase da pré-


puberdade, e mantida ao longo da adolescência. Três métodos de alongamento
têm sido utilizados, são eles: estático ou passivo, dinâmico ou balístico e
facilitação neuromuscular proprioceptiva.

• O aumento da velocidade ao longo da infância e velocidade está diretamente


associado a fatores neurais e mecânicos. Assim como a velocidade de corrida,
a velocidade de reação e de deslocamento de membros precisa ser estimulada
durante todo o processo de crescimento. As competências técnicas de movimento

203
para a realização de sprints devem ser progressivamente desenvolvidas a partir
do início da puberdade. Exercícios pliométricos são fundamentais para a
melhora dos componentes mecânicos relacionados com a velocidade.

• O desenvolvimento das habilidades motoras fundamentais, da capacidade de


mudar de direção em velocidade e da agilidade reativa são os principais fatores
considerados determinantes da agilidade. Enquanto na infância devemos
enfatizar o desenvolvimento das habilidades motoras fundamentais, no período
da puberdade e final da adolescência deveremos aprimorar a capacidade de
mudar de direção e a agilidade reativa de meninos e meninas.

204
AUTOATIVIDADE

1 Considerando a importância do treinamento pliométrico para os ganhos de


força e potência muscular, como devemos planejar e estruturar a progressão
das sessões de treino ao longo da infância e adolescência?

2 Em nossa prática profissional, observamos que muitos planos de aula ou


sessões de treino incluem a realização de exercícios de alongamento estático
imediatamente após o aquecimento e antes da parte principal das aulas
ou sessões de treino. Considerando que o objetivo principal da sessão seja
desenvolver força e potência muscular, quais cuidados você tomaria em
relação aos exercícios de alongamento estático ou passivo?

205
206
REFERÊNCIAS
AGUIAR, L.; PAIXÃO, F.; GOZZO, G. J., J.; COSTA, R.; CASARINI, R.
TREINAMENTO MISTO NO ESPORTE COLETIVO VOLEIBOL. 5º Simposio de
Ensino de Graduação, v. 5, n. 1, p. 4, 2007.

ALIC, S. Datalys Center study finds USA Football’s Heads Up Football program
reduces injuries by 76 percent. Estafos Unidos, 2015. Disponível em: <https://
www.usafootball.com>. Acesso em: 2 maio 2017.

ALVES, C.; LIMA, R. V. B. Impacto da atividade física e esportes sobre o


crescimento e puberdade de crianças e adolescentes. Revista Paulista de
Pediatria, v. 26, n. 4, p. 383–391, 2008.

ARINS, F. B.; NASCIMENTO, S. P. C. do; CARMINATTI, L. J.; GUGLIELMO,


L. G. A. Características fisiológicas, avaliação e prescrição do treinamento
aeróbio no Futsal. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desenvolvimento
Humano, v. 17, n. 6, p. 753–762, 2015.

APOLO, A. A criança e o adolescente no esporte: como deveria ser. São Paulo:


Phorte, 2007.

ARMSTRONG, N. Paediatric Exercise Physiology: Advances in Sport and


Exercise Science series. 1st Editio ed. Churchill Livingstone, 2007.

ARMSTRONG, N.; BARKER, A. R. Endurance Training and Elite Young Athletes.


Medicine and sport science, v. 56, p. 59-83, 2010.

ARMSTRONG, N.; WELSMAN, J. R. Development aerobic fitness during


childhood and adolescence. Pediatric exercise science, v. 12, p. 128-149, 2000.

ASTRAND, P.; RODAHL, K. Tratado de fisiologia do exercício. 2. ed. Rio de


Janeiro, Interamericana, 1980.

BURNLEY, M.; JONES, A. M. Oxygen uptake kinetics as a determinant of sports


performance. European Journal of Sports Science, v. 7, n. 2, p. 63-79, 2007.

BARBANTI, V.; TRICOLI, V.; UGRINOWITSCH, C. Relevância do conhecimento


científi co na prática do treinamento físico. Revista Paulista de Educação Física,
v. 18, n. 1, p. 9, 2004.

BARROSO, R.; TRICOLI, V.; UGRINOWITSCH, C. Adaptações neurais e


morfológicas ao treinamento de força com ações excêntricas. Revista brasileira
de ciência e movimento, v. 13, n. 2, p. 111-22, 2005.

207
BAXTER-JONES, A. D. G.; EISENMANN, J. C.; SHERAR, L. B. Controlling for
Maturation in Pediatric Exercise Science. Pediatric exercise science, v. 17, n. 1, p.
18–30, 2005.

BAXTER-JONES, A. D. G.; THOMPSON, A. M.; MALINA, R. M. Growth and


Maturation in Elite Young Female Athletes. Sports Medicine and Arthroscopy
Review, v. 10, n. 1, p. 42-49, 2002.

BEUNEN, G.; MALINA, R. M. Growth and physical performance relative to the


timing of the adolescent spurt. Exercise and sport sciences reviews, v. 16, p. 503-
540, 1988.

BOMPA, T. O. Periodização: teoria e metodologia do treinamento. 5. São Paulo:


Phorte, 2002.

BOMPA, T.; CARRERA, M. Conditioning young athletes. In: 1st Editio ed.
Human Kinetics Books, Champaign, 2015. p. 306.

BOSCO, C. Strength assessment with the Bosco’s test. Italian Society of Sport
Science, Rome, 1999.

BUCHHEIT, M.; LAURSEN, P. B. High-Intensity Interval Training, Solutions to


the Programming Puzzle. Sports Medicine, v. 43, p. 313-338, 2013.

CADORE, E. L.; ARIAS, M.; FERNANDO, L.; KRUEL, M. Efeitos da atividade


física na densidade mineral óssea e na remodelação do tecido ósseo. Revista
Brasileira de Medicina do Esporte, v. 11, n. 51, p. 373-379, 2005.

CAPRANICA, L.; MILLARD-STAFFORD, M. L. Youth sport specialization: how


to manage competition and training? International journal of sports physiology
and performance, v. 6, n. 4, p. 572–9, dez. 2011.

CARMINATTI, L. J.; LIMA-SILVA, A. E.; OLIVEIRA, F. R. de; PAZIN, J. Ponto


de deflexão da frequência cardíaca por inspeção visual e método dmáx em teste
intermitente de campo. Rev. Motriz. v. 11, n. 1, supl., S38, jan-abr, 2005.

CARMINATTI, L. J.; SILVA, A. E. L.; RIBEIRO, D. G.; OLIVEIRA, F. R. de.


Determinantes do pico de velocidade em teste progressivo intermitente com
pausas. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, São Paulo, v. 10, set/out, p.
441-441, 2004.

CARLILE, M. J.; DEE, J. Plasmodial fusion and lethal interaction between strains
in a myxomycete. Nature, v. 215, n. 5103, p. 832-4, Aug. 19 1967.

CAVAGNA, G. A.; DUSMAN, B.; MARGARIA, R. Positive work done by a


previously stretched muscle. Journal of applied physiology, v. 24, n. 1, p. 21-32,
jan. 1968.

208
CIOLAC, E. G.; GUIMARÃES, G. V. Exercício físico e síndrome metabólica.
Revista Brasileira de Medicina do Esporte, v. 10, p. 319-324, 2004. ISSN
1517-8692. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_
arttext&pid=S1517-86922004000400009&nrm=iso>. Acesso em: 8 maio 2017.

CLEMENTE, F. M. Small-Sided and Conditioned Games in Soccer Training:


The Science and Practical Applications. Madri: Springer, 2016.

CONCONI, F. et al. Determination of anaerobic threshold by a noninvasive


field test in runners. Journal of Applied Physiology: The American Physiology
Society, v.52, n.4, p. 869-873, 1982.

COSTA, M. G da. Ginástica localizada. São Paulo: Sprint, 1996.

CÔTÉ, J. The Influence of the Family in the Development of Talent in Sport. The
Sport Psychologist, v. 13, n. 4, p. 395–417, dez. 1999.

COVASSIN, T.; ELBIN, R.; SARMIENTO, K. Educating coaches about concussion


in sports: evaluation of the CDC's “Heads Up: Concussion in Youth Sports”
initiative. Journal of school health, v. 82, n. 5, p. 233-238, 2012.

DAL FORNO, L. O princípio da variabilidade nos programas para hipertrofia


muscular prescritos pelos professores de musculação na cidade de Criciúma.
2013. 64 (Graduação). UNESC, Universidade do Extremo Sul Catarinense, Santa
Catarina.

DAL PUPO, J.; DETANICO, D.; ARINS, F. B.; DO NASCIMENTO SALVADOR, P.


C.; GUGLIELMO, L. G. A.; SANTOS, S. G. dos. Capacidade de sprints repetidos
e níveis de potência muscular em jogadores de futsal das categorias sub-15 e sub-
17. Revista Brasileira de Ciência e Esporte, 2016.

DANTAS, E. H. M. A prática da preparação física. Rio de Janeiro: Editora Roca


Ltda., 2014.

DARIDO, S.; SOUZA, O. Para ensinar educação física. Campinas: Papirus, 2007.

DENADAI, B. S. Índices fisiológicos de avaliação aeróbia: conceitos e aplicações.


Ribeirão Preto, BSD, 1999.

DENADAI, B. S. Limiar anaeróbio: considerações fisiológicas e metodológicas.


Revista brasileira de Atividade Física e Saúde, v. 1, n. 2, p. 74-88, 1995.

DIETZ, W. H. Health consequences of obesity in youth: childhood predictors of


adult disease. Pediatrics, v. 101, n. 3 Pt 2, p. 518-25, mar., 1998.

209
DIFIORI, J. P.; BENJAMIN, H. J.; BRENNER, J. S.; GREGORY, A.; JAYANTHI,
N.; LANDRY, G. L.; LUKE, A. Overuse injuries and burnout in youth sports:
a position statement from the American Medical Society for Sports Medicine.
British Journal of Sports Medicine, v. 48, n. 4, p. 287-288, 24 fev. 2014.

FAIGENBAUM, A. D. Strength training for children and adolescents. Clinics in


sports medicine, v. 19, n. 4, p. 593–619, out. 2000.

FAIGENBAUM, A. D.; WESTCOTT, W. L. Youth strength training for sport,


fitness and health. 2nd Editio ed. Human Kinetics, 2009.

FERNANDES, R.; CHRISTOFARO, D.; MILANEZ, V. F.; CASONATTO, J.;


CARDOSO, J. R.; RONQUE, N. R. V.; JUNIOR, I. F.; OLIVEIRA, A. R. Physical
activity: rate, related factors, and association between parents and children.
Revista Paulista de Pediatria, v. 29, n. 1, p. 54-59, 2011.

FLECK, S. J.; KRAEMER, W. J. Designing resistance training programs. 4th


Editio ed. Human Kinetics Books, Champaign, 2014.

FORD, P.; STE CROIX, M. DE; LLOYD, R.; MEYERS, R.; MOOSAVI, M.;
OLIVER, J.; TILL, K.; WILLIAMS, C. The long-term athlete development model:
physiological evidence and application.
Journal of sports sciences, v. 29, n. 4, p. 389-402, fev. 2011.

FOX, E. L.; MATHEWS, D. K. Bases fisiológicas da educação física e dos


desportos. 2. ed. Rio de Janeiro, Interamericana, 1983.

GASSER, T.; SHEEHY, A.; MOLINARI, L.; LARGO, R. H. Growth of early and
late maturers. Annals of human biology, v. 28, n. 3, p. 328-36, 2001.

GALOTTI, T.; CARMINATTI, L. J. Variáveis identificadas em testes progressivos


intermitentes. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São
Paulo, v. 2, n.7, p. 01-17, 2008.

GUEDES, D. P.; GUEDES, J. E. R. P.; BARBOSA D. S.; OLIVEIRA, J. A. Atividade


física habitual e aptidão física relacionada à saúde em adolescentes. Revista
Brasileira de Ciência e Movimento, v. 10, n. 1, p.13-21, 2002.

HALLAL, P. C.; ANDERSEN, L. B.; BULL, F. C.; et al. Global physical activity
levels: surveillance progress, pitfalls, and prospects. Lancet, v. 380, n. 9838, p.
247-57, 2012.

HEWETT, T. E.; MYER, G. D.; FORD, K. R. Decrease in neuromuscular control


about the knee with maturation in female athletes. The Journal of bone and joint
surgery, v. 86-A, n. 8, p. 1601-8, ago. 2004.

210
HEWETT, T. E.; ZAZULAK, B. T.; MYER, G. D. Effects of the Menstrual Cycle
on Anterior Cruciate Ligament Injury Risk. The American Journal of Sports
Medicine, v. 35, n. 4, p. 659-668, abr. 2007.

IULIANO-BURNS, S.; MIRWALD, R. L.; BAILEY, D. A. Timing and magnitude


of peak height velocity and peak tissue velocities for early, average, and late
maturing boys and girls. American journal of human biology, v. 13, n. 1, p. 1-8,
2001.

KARA, M.; et al. Determination of the heart rate deflection point by the Dmax
method. The Journal of Sports Medicine and Physical Fitness, n. 36, v. 1, p. 31 –
34, 1996.

KAY, A. D.; BLAZEVICH, A. J. Effect of acute static stretch on maximal muscle


performance: a systematic review. Medicine and science in sports and exercise,
v. 44, n. 1, p. 154-64, jan. 2012.

KHAMIS, H. J.; ROCHE, A. F. Predicting adult stature without using skeletal age:
the Khamis-Roche method. Pediatrics, v. 94, n. 4 Pt 1, p. 504-7, out. 1994.

KOMI, P. V. Training of muscle strength and power: interaction of neuromotoric,


hypertrophic, and mechanical factors. International journal of sports medicine,
v. 7 Suppl 1, p. 10-5, jun. 1986.

KOMI, P. V.; GOLLHOFER, A. Stretch Reflexes Can Have an Important Role in


Force Enhancement during SSC Exercise. Journal of Applied Biomechanics, v.
13, n. 4, p. 451-460, nov. 1997.

KOPP, M. T.; PEREIRA, N. S.; SOUZA, G.; FERRARI, L. Saúde na escola:


educação, saúde e inclusão em adolescentes brasileiros. Revista sobre la infancia
y adolescencia, v. 4, n. 1, p. 78-90, 2013.

LEGER, L. C.; LAMBERT, J. A maximal multistage 20-m shuttle run test to


predict VO2max. European Journal Applied Physiology, v. 49 p. 1-12, 1982.

LEMOS, E. C. Assimetria morfofuncional de jovens tenistas: efeitos da idade


cronológica e da maturação somática. Florianópolis, Universidade Federal de
Santa Catarina, Dissertação de mestrado, 2015.

LIMA, F.; FALCO, V.; BAIMA, J.; CARAZZATO, J. G.; PEREIRA, R. M. R. Effect
of impact load and active load on bone metabolism and body composition of
adolescent athletes. Medicine Science and Sports Exercise, v. 33, p. 1318-1323,
2001.

LIMA, M.; CAYRES, S; AGOSTINETE, R. R.; ITO, I. H.; FRENANDES, R. A.


Estabilidade da prática esportiva durante a infância/adolescência e densidade
mineral óssea na idade adulta. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, v.
18, n. 4, p. 445-452, 2013.
211
LLOYD, R. S.; MEYERS, R. W.; OLIVER, J. L. The Natural Development and
Trainability of Plyometric Ability During Childhood. Strenght and Conditioning
Journal, v. 33, n. 2, p. 23-31, 2011.

LLOYD, R. S.; OLIVER, J. L. The Youth Physical Development Model: A New


Approach to Long-Term Athletic Development. Strenght and Conditioning
Journal, v. 34, n. 3, p. 61-72, 2012.

LLOYD, R. S.; OLIVER, J. L.; FAIGENBAUM, A. D.; MYER, G. D.; STE CROIX, M.
B. A. DE. Chronological age vs. biological maturation: implications for exercise
programming in youth. Journal of strength and conditioning research, v. 28, n.
5, p. 1454-1464, maio 2014.

LLOYD, R. S.; OLIVER, J. L.; MEYERS, R. W.; MOODY, J. A.; STONE, M. H.


Long-Term Athletic Development and Its Application to Youth Weightlifting.
Strenght and Conditioning Journal, v. 34, n. 4, p. 55-66, 2012.

LLOYD, R. S.; READ, P.; OLIVER, J. L.; MEYERS, R. W.; NIMPHIUS, S.;
JEFFREYS, I. Considerations for the Development of Agility During Childhood
and Adolescence. Strenght and Conditioning Journal, v. 35, n. 3, p. 2-11, 2013.

MACARDLE, W. D.; KATCH, F. I., KATCH, V. L. Fisiologia do Exercício,


energia, nutrição e desempenho humano. 5. ed. Rio de Janeiro, Guanabara
Koogan, 2003.

MATHEWS, D. K. Medida e avaliação em Educação Física. 5. ed. Rio de Janeiro,


Interamericana, 1980.

MAIA, J. A R.; LEFEVRE, J.; CLAESSENS, A L.; THOMIS, M. A; PEETERS, M.


W.; BEUNEN, G. P. A growth curve to model changes in sport participation in
adolescent boys. Scandinavian journal of medicine & science in sports, v. 20, n.
4, p. 679-85, ago. 2010.

MALINA, R. M. Skeletal age and age verification in youth sport. Sports


medicine, v. 41, n. 11, p. 925-47, 1 nov. 2011.

MALINA, R. M.; BOUCHARD, C.; BAR-OR, O. Growth, Maturation, and


Physical Activity. 2nd Editio ed. Champaign, IL: Human Kinetics., 2004.

MATTA, M. O.; FIGUEIREDO, A. J. B.; GARCIA, E. S.; SEABRA, A. F.T.


Crescimento, maturação biológica e aptidão física e técnica de jovens futebolistas:
uma revisão. Revista Brasileira de Futebol, v. 6, n. 1, p. 85-99, 2013.

MATOS, N. F.; WINSLEY, R. J.; WILLIAMS, C. A. Prevalence of nonfunctional


overreaching/overtraining in young English athletes. Medicine and science in
sports and exercise, v. 43, n. 7, p. 1287–94, jul. 2011.

212
MENDEZ-VILLANUEVA, A.; BUCHHEIT, M.; KUITUNEN, S.; DOUGLAS, A.;
PELTOLA, E.; BOURDON, P. Age-related differences in acceleration, maximum
running speed, and repeated-sprint performance in young soccer players.
Journal of sports sciences, v. 29, n. 5, p. 477–84, mar. 2011.

MINISTÉRIO DA SAÚDE (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. VIGITEL


Brasil 2013: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por
inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde; 2014. 164 p.

MIRWALD, R. L.; BAXTER-JONES, A. D. G.; BAILEY, D. A; BEUNEN, G. P.


An assessment of maturity from anthropometric measurements. Medicine and
science in sports and exercise, v. 34, n. 4, p. 689-94, abr. 2002.

MONTEIRO, A.; NEIRA, M. Treinamento personalizado: uma abordagem


didático-metodológica. 4. ed. São Paulo: Phorte 2011.

MORAN, J.; SANDERCOCK, G. R. H.; RAMÍREZ-CAMPILLO, R.; MEYLAN,


C.; COLLISON, J.; PARRY, D. A. Age-related variation in male youth athletes’
countermovement jump following plyometric training. Journal of Strength and
Conditioning Research, v. 31, n. 2, p. 1, abr. 2016.

NASCIMENTO, P. C.; CETOLIN, T.; TEIXEIRA, A. S.; GUGLIEMO, L. G. A.


Perfil antropométrico e performance aeróbia e anaeróbia em jovens jogadores de
futebol. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, v. 22, n. 2, p. 57-64, 2014.

OGDEN, C. L.; CARROLL, M. D.; KIT, B. K.; FLEGAL, K. M. Prevalence of


Childhood and Adult Obesity in the United States, 2011-2012. Journal of the
American Medical Association, v. 311, n. 8, p. 806, 26 fev. 2014.

OLIVEIRA, A. R. de; LOPES, A. G.; RISSO, S. Elaboração de programas de


treinamento de força para crianças. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, v.
24, n. 1, p. 85-96, 2004.

OLIVER, J. L.; LLOYD, R. S.; RUMPF, M. C. Developing Speed Throughout


Childhood and Adolescence: The Role of Growth, Maturation and Training.
Strength and Conditioning Journal, v. 35, n. 3, p. 42-48, 2013.

OLIVEIRA, F. R. de. Predição dos limiares de lactato e ajustes de frequência


cardíaca no teste de Léger – Boucher. Tese (Doutorado em Filosofia e Ciências da
Educação), San Sebastián: Universidade do País Basco, 2004.

ORIENTAÇÕES PARA O ATENDIMENTO À SAÚDE DA ADOLESCENTE.


Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/orientacoes_
atendimento_adolescnte_menina.pdf>.
0028-0836 (Linking). Disponível em: <http://www.ncbi.nlm.nih.gov/
pubmed/6069921>. Acesso em: 7 maio 2017.

213
ORIENTAÇÕES PARA O ATENDIMENTO À SAÚDE DO ADOLESCENTE.
Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/orientacoes_
atendimento_adolescnte_menino.pdf>. Acesso em: 7 maio 2017.

PETROSKI, E. L. Antropometria: técnicas e padronizações. 2. ed. Porto Alegre:


Editora Revista e Ampliada, 2003.

PHILIPPAERTS, R. M.; VAEYENS, R.; JANSSENS, M.; RENTERGHEM, B. VAN;


MATTHYS, D.; CRAEN, R.; BOURGOIS, J.; VRIJENS, J.; BEUNEN, G.; MALINA,
R. M. The relationship between peak height velocity and physical performance in
youth soccer players. Journal of sports sciences, v. 24, n. 3, p. 221–30, mar. 2006.

POWERS, S. K.; HOWLEY, E. T. Fisiologia do exercício. Teoria e aplicação ao


condicionamento e ao desempenho. Barueri, Manole editora, 2005.

PRIBERAM DICIONÁRIO. Fevereiro. 2017. Fundamento. Disponível em:


<https://www.priberam.pt/dlpo/fundamento>. Acesso em: 2 fev. 2017.

RAMPININI, E. et al. Validity of simple field tests as indicators of matchrelated


physical performance in top-level professional soccer players. International
Journal Sports Medicine, v. 28, p.1018-1024, 2007.

RÉ, A. H. N. Crescimento, maturação e desenvolvimento na infância e


adolescência: implicações para o esporte. Motricidade, v. 7, n. 3, p. 55–67, 2011.

RÉ, A. H. N.; BOJIKIAN, L. P.; TEIXEIRA, C. P.; BOHME, M. T. S. Relação entre


crescimento, desempenho motor, maturação biológica e idade cronológica em
jovens do sexo masculino. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v. 19,
n. 2, p.153-162, 2005.

REID, M.; SCHNEIKER, K. Strength and conditioning in tennis: Current research


and practice. Journal of Science and Medicine in Sport, v. 11, n. 3, p. 248-256,
2008.

SEABRA, A. F., MENDONÇA, D. M.; THOMIS, M. A.; ANJOS, L. A.; MAIA, J. A.


Determinantes biológicos e socioculturais associado à prática de atividade física
de adolescentes. Cadernos de Saúde Pública, v. 24, n. 4, p. 721-736, 2008.

SEABRA, A.; MAIA, J. A.; GARGANTA, R. Crescimento, maturação, aptidão


física, força explosiva e habilidades motoras específicas. Estudo em jovens
futebolistas e não futebolistas do sexo masculino dos 12 aos 16 anos de idade.
Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, v. 1, n. 2, p. 22-35, 2001.

SIGNIFICADOS. Fevereiro. 2017. Aeróbio. Disponível em: <https://www.


significados.com.br/aerobio/>. Acesso em: 12 fev. 2017.

214
PATON, C. D. Validity and reliability of a new field test (Carminatti's test)
for soccer players compared with laboratory-based measures. Journal Sports
Science, v. 29, n. 15, p. 1621-8, 2011.

SILVA, J. F.; DETANICO, D.; FLORIANO, L. T.; DITTRICH, N.; NASCIMENTO,


P. C. dos; SANTOS, S. G. dos; GUGLIELMO, L. G. A. Níveis de potência
muscular em atletas de futebol e futsal em diferentes categorias e posições.
Motricidade, v. 8, n. 1, p. 14-22, 2012.

SNOW, C. M.; WILLIAMS, D. P.; LARIVIERE, J.; FRUCHS, R. K.; ROBINSON,


T. L. Bone gains and losses follow season training and detraining in gymnasts.
Calcified Tissue International, v. 69, n. 1, p. 7-12, 2001.

SHEPPARD, J. M.; YOUNG, W. B. Agility literature review: Classifications,


training and testing. Journal of Sports Sciences, v. 24, n. 9, p. 919-932, set. 2006.

SILVA, C. C. da; TEIXEIRA, A. S.; GOLDBERG, T. B. L. O esporte e suas


implicações na saúde óssea de atletas adolescentes. Revista Brasileira de
Medicina do Esporte, v. 9, n. 6, p. 426-432, 2003.

STONE, M. H.; PIERCE, K. C.; SANDS, W. A.; STONE, M. E. Weightlifting: A


Brief Overview. Strength and Conditioning Journal, v. 28, n. 1, p. 50-66, 2006.

TANNER, J. Growth at adolescence. Oxford: Blackwell Scientific Publications,


1962.

TEIXEIRA, A. S. Avaliação dos parâmetros neuromusculares em adolescentes


jogadores de futebol. Florianópolis, Universidade Federal de Santa Catarina,
Dissertação de mestrado, 2015.

VIRU, A.; LOKO, J.; HARRO, M.; VOLVER, A.; LAANEOTS, L.; VIRU, M. Critical
Periods in the Development of Performance Capacity During Childhood and
Adolescence. European Journal of Physical Education, v. 4, n. 1, p. 75–119, 7 jan.
1999.

WEINECK, J. Entrenamiento total. 1st Editio ed. Paidotribo, 2005.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Global Recommendations on Physical


Activity for Health. Geneva: WHO, p.1-60, 2010.

215

Você também pode gostar