Você está na página 1de 47

carlos relvas | 1

PROJETO REPRESENTATIVO

GERAÇÃO DO CONCEITO

carlos relvas | 2
PROJETO REPRESENTATIVO
Ferramentas de geração de ideias

TÉCNICAS INTUITIVAS TÉCNICAS SISTEMÁTICAS

Brainstorming/brainwriting QFD: Método da Casa da Qualidade


Mind-map
Quick design Análise Morfológica
Técnica de Napoleão
Expressões populares FMEA : Análise de Falhas

carlos relvas | 3
geração de ideias
TÉCNICAS INTUITIVAS
Não se deve desperdiçar tempo a criticar as ideias dos outros
somos todos experts em fazer julgamentos, aprovar, vetar …

brainstorming/brainwriting
As regras do Brainstorming - adiar o julgamento, visar a
quantidade, combinar e aperfeiçoar ideias alheias -
quando direccionamos o pensamento num determinado
sentido, potencializamos nossa capacidade mental.

Nesta fase, não importa se as sugestões são boas ou não,


o que importa é a fluência de ideias. Além disso, as
propostas ditas malucas são justamente aquelas que têm
maior potencial para inspirarem ideias originais e válidas.

carlos relvas | 4
geração de ideias
TÉCNICAS INTUITIVAS

mind map
O mind map funciona como uma
representação gráfica de ideias que se
organizam em torno de um determinado
foco. Esta representação em diagrama
tenta reproduzir o funcionamento do
nosso cérebro, segundo Buzzan.

Quando é elaborado um mind map, cada


parte do mapa é associada com o
restante, criando conexões entre cada
conceito
carlos relvas | 5
Quick Design

geração de ideias
TÉCNICAS INTUITIVAS

carlos relvas | 6
geração de ideias
TÉCNICAS SISTEMÁTICAS
Análise de morfológica

carlos relvas | 7
PROJETO REPRESENTATIVO

GERAÇÃO DO CONCEITO

carlos relvas | 8
Mind-map

carlos relvas | 9
ANÁLISE MORFOLÓGICA

carlos relvas | 10
Quick design

INICIAL

FMEA CONCEITO

REVISTO

carlos relvas | 11
Mind-map

carlos relvas | 12
ANÁLISE MORFOLÓGICA

carlos relvas | 13
Quick design

carlos relvas | 14
PROJETO REPRESENTATIVO

GERAÇÃO DO CONCEITO

carlos relvas | 15
matriz do produto
> componentes físicos do produto
brainstorming
Conceber o produto Funções do produto
mind-map

Representar componentes físico esboçar ideia Quick


1º discutir a proposta de solução formal do produto
2º explorar ideias e propostas de solução funcionais do produto design

Analisar soluções
Análise morfológica

Modelo CAD 3D inicial


formas / volumes / simplificados
carlos relvas | 16
Esboçar ideia
Representar componentes físico funcionais do produto

carlos relvas | 17
Modelo CAD 3D inicial
formas / volumes / simplificados

formas simplificadas

estudar e analisar movimentos


principais e seu atravancamento

carlos relvas | 18
Modelo CAD 3D inicial
formas / volumes / simplificados

estudar e analisar volumetrias e a componente


ergonómica de interface com o utilizador

carlos relvas | 19
GERAÇÃO DO CONCEITO

Análise morfológica

carlos relvas | 20
Modelo CAD 3D inicial
formas / volumes / simplificados
estudar funções principais e analisar alternativas funcionais

Análise morfológica

carlos relvas | 21
Modelo CAD 3D inicial
formas / volumes / simplificados
estudar funções principais e analisar alternativas funcionais

Análise morfológica

Esquema de funcionamento do Clickpost

Diferentes tipos de mecanismos de ajuste do selim

carlos relvas | 22
estudar funções principais e analisar alternativas funcionais

Análise morfológica

alternativas de solução p/ ESPERA-FUSO


BIELA - MANIVELA
transformação
Matriz de movimento
Morfológica
rotativo em linear

PINHÃO-CREMALHEIRA CAM
carlos relvas | 23
estudar funções principais e analisar alternativas funcionais

princípios de solução para uma alavanca

Desenvolver Princípios de solução

carlos relvas | 24
GERAÇÃO DO CONCEITO

Mind-map

carlos relvas | 25
mind-map

Recolher bolas de
golf

fonte: Otto, K. and Wood, K. – Product Design, ed. Prentice Hall, 2001) carlos relvas | 26
GERAÇÃO DO CONCEITO

análise morfológica

carlos relvas | 27
1 2 3 4 5 6

Agrupar mexilhões

Agitar mexilhões

Matriz Morfológica Extrair detritos dos


mexilhões

Lavar mexilhões

equipamento para a limpeza de


Separar detritos

mexilhões Guiar água com detritos

Colectar água com


detritos

Pegar mexilhões

carlos relvas | 28
MATERIAL DE ESTUDO

COMPONENTE
TEÓRICA
carlos relvas | 29
carlos relvas | 30
sumário
Inovação e Criatividade no desenvolvimento de produto
Conceitos Gerais
Fases do processo criativo
Técnicas de geração de ideias e ferramentas de suporte

objetivos
Identificar o conceito de inovação, motivações e requisitos.

Avaliar os riscos associados à inovação

Identificar as fases do processo criativo.

Saber utilizar as ferramentas de geração de ideias no processo de desenvolvimento de


produto.
carlos relvas | 31
Inovação

carlos relvas | 32
criatividade, invenção e inovação

Criatividade é o produto do génio humano,


enquanto gerador de novas ideias, conceitos ou
teorias.

Invenção é um passo à frente, no qual se delineia


um produto, processo ou protótipo resultante da
combinação de ideias em que uma, pelo menos, é
inteiramente nova, ou em que o modo como essas
ideias estão combinadas é totalmente novo,
produto da criatividade

Inovação é a transformação de ideias e/ou


utilização de invenções, que resultam em aplicações fonte: Paulo Baptista, A inovação nos produtos, processos e organizações, ed. SPI )

úteis que chegam ao mercado.


carlos relvas | 33
criatividade vs inteligência

A Inteligência é a capacidade A Criatividade é a capacidade humana de


que o homem tem para resolver ver as coisas por um ângulo diferente,
problemas ou criar produtos ver os problemas que os outros não
valorizados num ou em vários reconhecem, e assim, aparecer com uma
contextos. (Gardner) solução nova. (Torrance)

não somos todos iguais (temos capacidades e competências distintas)

conceito de inovação:
é possível observar a estruturação do conceito de inovação em torno de três blocos principais:

ao nível dos produtos


ao nível dos processos
ao nível das organizações.
carlos relvas | 34
uma invenção só se torna numa inovação se puder ser
conceito de inovação implementada com sucesso na sociedade.

Existem dois tipos de inovação:

 Inovação incremental, quando existe melhoria no que se faz e/ou aperfeiçoamento


do modo como se faz através da utilização de novos materiais, desenhos ou embalagens
que tornam os produtos existentes mais práticos, ou ainda acrescentando utilidades
diferenciadas ou melhorias evidentes que os tornam mais apelativos junto dos clientes e,
portanto, mais competitivos.

 Inovação radical, quando as novas ideias resultam em produtos ou processos


totalmente novos, que antes não existiam no mercado. carlos relvas | 35
requisitos de inovação

Independentemente das motivações particulares subjacentes à opção de cada empresa


pela inovação, podemos agrupá-las em três tipos básicos:

Inovação como fator de sobrevivência.


"A mudança é a lei da vida. Aqueles que olham apenas para o passado ou para o presente
serão esquecidos no futuro."
John Fitzgerald Kennedy, antigo presidente dos EUA.

Inovação como fator de competição.


"As únicas grandes companhias que conseguirão ter êxito são aquelas que consideram os
seus produtos obsoletos antes que os outros o façam."
Bill Gates, Presidente da Microsoft.

Inovação como fator estratégico.


"Temos de fazer a mudança que queremos ver no futuro."
Mahatma Gandhi, antigo líder indiano.

fonte: Paulo Baptista, A inovação nos produtos, processos e organizações, ed. SPI ) carlos relvas | 36
a inovação e os seus riscos
O processo de inovação, como todas as atividades da empresa, tem dificuldades
associadas:

• o produto não satisfazer as necessidades do cliente, não sendo por isso


aceite pelo mercado ou sendo-o dificilmente;
• a inovação implicar elevados investimentos que podem não ser
rentabilizados ao longo do ciclo de vida do produto ;
• a concorrência aproveitar a inovação, fazendo benchmarking e
desenvolvendo rapidamente uma imitação de uma forma mais eficiente
ou que ultrapasse a inovação inicial pela incorporação de alguns
elementos distintivos;
• existir escassez de meios financeiros para tornar efetiva a ideia inovadora;

fonte: Paulo Baptista, A inovação nos produtos, processos e organizações, ed. SPI ) carlos relvas | 37
a inovação e os seus riscos

• se verificar incapacidade para implantar a inovação;


• assumir um risco demasiado elevado que leve os financiadores do
projeto a exigir uma remuneração superior, difícil de satisfazer;
• ser ultrapassado por parceiros quando a inovação é feita em
parceria/risco de transferência de know-how;
• a empresa tornar-se dependente do novo produto;
• se criar uma concentração excessiva de recursos e atenções no
novo produto em detrimento da qualidade e da comercialização
dos produtos já existentes

fonte: Paulo Baptista, A inovação nos produtos, processos e organizações, ed. SPI ) carlos relvas | 38
os riscos de não inovar
Não inovando, a empresa poderá perder competitividade, rentabilidade,
receitas e oportunidades de negócio. Uma empresa está inevitavelmente a
caminhar para a falência se não inovar. O tempo para lá chegar dependerá
apenas da velocidade a que ocorrer o seu desajustamento do mercado e do
grau de solidez que possuir.

Inovando, tentando procurar reforçar a competitividade e assegurar a


sobrevivência, uma empresa pode acelerar o processo de falência se a
inovação for mal sucedida. Este é um risco de quem inova, mas só através
de inovação contínua é que qualquer empresa pode assegurar a sua
existência futura.

A inovação deve ser, pois, uma preocupação permanente das empresas e


um risco por elas assumido, inserido numa estratégia de sobrevivência e
competitividade a médio e longo prazo
fonte: Paulo Baptista, A inovação nos produtos, processos e organizações, ed. SPI ) carlos relvas | 39
e
Criatividade

carlos relvas | 40
as fases do processo criativo

- inspiração inicial
“criatividade é 1% de inspiração e 99% de transpiração.” (Thomas Edison)
- preparação
“a fortuna favorece as mentes preparadas.” (Luís Pasteur)
- incubação
“procuraste com afinco e não encontraste nada. Deixaste de procurar e encontraste.” (Rosarium)

- geração de ideias
“a geração de ideias é o coração do pensamento criativo.” (Mike Baxter)
- iluminação
“para inventar, é necessário pensar lateralmente.” (Edward de Bono)

- seleção de ideias

- avaliação do processo criativo


carlos relvas | 41
o que é o serendipismo?
Por vezes os processos de novos produtos são acidentais.

Serendipismo significa acidentes que ocorrem com mentes preparadas.

Muitos produtos de sucesso não foram planeados, resultaram de descobertas acidentais

Um investigador da 3M derrubou uma proveta de um componente industrial que atingiu-


lhe as sapatilhas, mais tarde verificou que no sitio onde o liquido tinha caído estas
permaneciam limpas. (protector ScotchGard. The original formula for Scotchgard was
discovered accidentally in 1952 by 3M chemists Patsy Sherman and Samuel Smith. Sales
began in 1956, and in 1973.
Um químico da Dupont estava incomodado com um refrigerador experimental que não
diluía em solventes convencionais nem reagia a temperaturas extremas. A empresa
necessitou de algum tempo até identificar o que mais tarde se tornou conhecido por
teflon. (Descoberto acidentalmente por Roy J. Plunkett (1910-1994) para a empresa
DuPont, em 1938 e apresentado, para fins comerciais, em 1946, o PTFE é um polímero
similar ao polietileno.
carlos relvas | 42
a criatividade está associada a:
Existe sempre uma pessoa concreta
que afirma determinados
São várias as características ou comportamentos em contextos e
traços de personalidade circunstâncias. O meio circundante
associados aos criadores. Entre tem um enorme impacto na criação. A
elas: fluência e flexibilidade de pressão do ambiente estabelece por
pensamento, originalidade, isso, nexos facilitadores ou inibidores
sensibilidade aos problemas, de afirmação de qualidades pessoais
imaginação, humor, criticismo, no domínio da criatividade.
PRESSÃO
independência, etc. PESS OAS

CRIATIVIDADE

Produtos criativos são definidos em


função de dois critérios básicos: Dizem respeito à dinâmica, entre
PROCESSOS pessoas e meio envolvente, bem
PRODUTOS
a) Serem originais, raros, novos e como aos vários momentos e fases
estatisticamente pouco frequentes; de pensamento associados ao acto
b) Serem aceites, valorizados e de gerar algo de novo. Nestas fases
considerados como apropriados ou podemos distinguir vários momentos:
bons para os fins a que se destinam. preparação, produção e aplicação.

carlos relvas | 43
existem pessoas mais criativas que outras:
Alexander Bell

e algumas
Gutenberg mudaram o mundo
James Dyson

Thomas Edison

Gonçalo Rodrigues
Andre Citroën dos Santos
(mestre serralheiro)

carlos relvas | 44
Os bloqueios mentais
limitam a criatividade
Os bloqueios percetivos são o bloqueio mais frequente
dificuldade de isolar o problema
tendência de limitar demasiado o campo do problema.

Bloqueios intelectuais e expressivos é entendido como a dificuldade em


encontrar a estratégia mental adequada para a resolução de um problema.

Bloqueios emocionais e sentimentais refletem emoções negativas e sentimentos


como mal-estar, medo, vergonha, embaraço ou tristeza.

Bloqueios sistémicos. A sociedade, cultura ou domínio, assim como outros aspetos do


trabalho, têm uma influência considerável sobre o pensamento criativo do indivíduo.

Bloqueios culturais. Cada cultura compõe-se de diversos domínios,


são impostos por normas culturais
os jogos são para crianças.

Bloqueios ambientais. O ambiente de trabalho é um fator que pode funcionar como


incentivo ou obstáculo à criatividade. Um ambiente físico inadequado, como por exemplo, uma
iluminação deficiente, uma decoração do espaço que afeta o nosso bem-estar, e influenciam
negativamente os processos criativos.
carlos relvas | 45
o que são novos produtos?
novos para o conhecidos
mercado do mercado
novos para a radicalmente novas
empresa novos linhas
conhecidos da acréscimos a linhas melhorias
empresa reposicionamentos redução de custos

pequenas ideias - grandes soluções


ontem tal como hoje

A Xerox percebeu que os seus


clientes podiam querer ligar Altos
entre si, ou a sistemas periféricos,
como impressoras, e portanto
concebeu um sistema de rede
chamado “Ethernet”.

carlos relvas | 46
e o tema
seguinte é:

Validação do conceito:

FMEA: análise do modo de falha carlos relvas | 47

Você também pode gostar