Você está na página 1de 26

Automação II

Aula teórica n º 11

Variadores de velocidade – Inversores


 Introdução/operação
 Módulo de Rectificação
 Módulo Inversor
 Electrónica de potência (Cap 12.1 e 12.2, p. 621)
- Conversores CA/CC
- Conversores CC/AC
- Dispositivos electrónicos de comutação
 Parâmetros

Bibliografia: [Rizzoni, 5ªed]

http://www.midmichigansae.org/documents/DrGoverPresentationSAEApril20.pdf
Variador de Frequência

 Gera a Potência (tensão e corrente) trifásica


necessária ao motor.
 Permite variar a frequência dos sinais de potência
aplicados ao motor e dessa forma controlar as suas
rotação por minuto.
 Permite variar a amplitude das tensões aplicadas ao
motor e dessa forma controlar o seu binário.
 Permite variar o sentido de rotação do motor
Variador de Frequência
 Controlo do sentido e
velocidade do motor a
partir do seu teclado
Painel Unit
-Através do seu painel (Painel Unit (Keypad)
–PU), pode selecionar “Run”, ou
“Stop” e através do botão pode
regular a velocidade de rotação do
motor
Variador de Frequência
 Controlo do sentido e
velocidade do motor a
partir de sinais externos

- O motor irá rodar num


determinado sentido, se através
de um botão de pressão o
terminal ”PC” do variador ficar
em contato eléctrico com o seu
terminal STF.
- Se o terminal “PC” ficar em
contato com o terminal “STR” o
motor rodará em sentido
contrário.
- A velocidade de rotação do
motor irá variar
proporcionalmente à tensão
externa aplicada no contato nº2
deste variador.
Variador de Frequência

 Rectificação CA-CC
 Meia onda
 Onda completa
 Ângulo de disparo
Variador de Frequência

 Rectificação CA-CC
 Rectificação trifásica
Variador de Frequência

 Inversor CC – CA

 AC não tem que ser necessariamente sinusoidal!


 Se o não for, então tem harmónicos!
 Alguns sistemas não lidam bem com os harmónicos
 Perdas por indução no ferro (aumentam com a freq.), Ruidos...

 Um circuito oscilante, devidamente concebido, provoca


abertura e fecho alternado de “interruptores” mudando o
sentido da corrente
 O processo assemelha-se à ponte H
 No caso mais simples gera uma quadrada alterna!
Variador de Frequência

 Inversor CC – CA (cont.)
 O processo assemelha-se à ponte H
 No caso mais simples gera uma quadrada alterna!
Variador de Frequência

 Inversor CC – CA (cont.)
 Ponte H
 PWM
 Corrente sinusoidal
Variador de Frequência

 Inversor CC – CA (Cont.)
 Pressupostos dos motores eléctricos
 Mais tensão média -> mais velocidade
 Alteração do sentido de rotação por alteração da polarização
 O problema da onda quadrada
 O PWM a dois passos
 O PWM sinusoidal
Variador de Frequência

 Electrónica de potência – IGBT


Variador de Frequência
 Monitorização remota do variador
A partir de um computador é possível monitorizar e parametrizar o inversor
(Rs485
Variador de Frequência
 Monitorização remota do variador
 Ligação Rs485 entre um computador e diversos variadores
Variador de Frequência

 Operação
Variador de Frequência
 Parametrizar o variador
 Internamente o variador tem diversas posições de memória (Parâmetros).
Consoante os valores com que parametrizamos essas posições de memória
(P0 .. Pxx), o variador controla o motor de indução trifásico de forma
diferente.

 Alguns parâmetros dos variadores Mitsubishi


Variador de Frequência
 P0 – Binário de arranque
 Se este parâmetro for igual a 15, durante o arranque o variador aplica um
binário 115% mais elevado ao motor.

 P1 – Frequência máxima
 A tensão trifásica gerada por este variador pode chegar aos 120 Hz, mas se
este parâmetro tiver por exemplo o valor 100, o variador no máximo aplicará
uma frequência de 100 Hz ao motor.

 P2 – Frequência mínima
 A frequência da tensão trifásica aplicada ao motor será no mínimo igual ao
valor definido neste parâmetro. Se este parâmetro tiver o valor 20, quando
for dada ordem de “Run” o variador aplicará ao motor uma freq. igual ou
superior a 20 Hz.
Variador de Frequência
 P3 – Frequência base
 Neste parâmetro deve indicar a frequência nominal do motor, por exemplo
50 (50Hz).

 P7 – Tempo de aceleração
 Quando é dada ordem de arranque “Run”, o variador pode demorar o
número de segundos definido neste parâmetro até aplicar a frequência
pretendida. Por exemplo, se este parâmetro tiver o valor 5, o motor
demorará 5 segundos desde o arranque até atingir as RPM definidas no
parâmetro P20.

 P8 – Tempo de desaceleração
 Quando é dada a ordem de paragem “Stop”, o motor pode demorar vários
segundos a parar. Se este parâmetro tiver o valor 3, o motor demorará 3
segundos a ir das RPM definidas no P20 até parar.
Variador de Frequência
 P9 – Proteção térmica
 Neste parâmetro deve indicar a intensidade de corrente que o motor deve
consumir (chapa característica do motor). Se o motor pedir ao variador uma
corrente superior ao definido neste parâmetro o variador gera um sinal de
erro e desliga o motor.
 P79 – Modo de operação
 O operador pode interagir com o variador através do seu painel de controlo
(painel Unit - PU) ou através de sinais eléctricos externos, dependendo do
valor que atribuir a este parâmetro. O operador pode controlar a velocidade
e o sentido de rotação. O parâmetro P79 pode assumir diversos valores, ex:
1,2,3,4, ...
1- Controlo de velocidade, Run e Stop a partir do painel do variador (PU)
2- Controlo de velocidade através de um sinal analógico aplicado entre os pinos 2
e 5 deste variador. O controlo do sentido de rotação, Forward ou Reverse,
também através de sinais externos, através dos contatos externos STF e
STR.
3- Velocidade controlada pelo PU, sentido de rotação controlado por STF e STR.
4- Velocidade controlada pela tensão aplicada ao contato nº2, arranque e
paragem controlada através do PU
Variador de Frequência
 Parâmetros
Variador de Frequência
 Parâmetros
Variador de Frequência
 Parâmetros
Variador de Frequência
 Parâmetros
Variador de Frequência
 Parâmetros
Variador de Frequência
 Parâmetros
Variador de Frequência
 Parâmetros
Variador de Frequência
 Parâmetros

Você também pode gostar