Você está na página 1de 26

ORÒ

Orações, cânticos, encantamentos e muito mais


Conhecimentos passado por sacerdotes do culto a divindade orò
Awo ifá gbemi Ibadan
Orò
Orò é um Òrìsà masculino que abomina a companhia do
feminino, pois nenhum membro feminino é permitido
começa no culto de Orò. A mulher pode ouvir a voz
Orò, mas não pode vê-lo. Se uma mulher feiticeira vê
Orò, os membros do culto de Orò a matarão como feiticeira e
eles dirão que foi Orò quem a matou. Nenhuma mulher será capaz de comer
a comida ou oferendas que são dadas a Orò. Muitos
Líderes rituais na Nigéria dizem que Orò é cruel,
mas um informante o define como alguém calmo e pacífico.
Orò pode trazer boa sorte para uma cidade que foi
destruídos por espíritos malignos, bruxas ou outras entidades ou
pessoas más). Orò pode ser convocado em caso de
que existe uma epidemia em uma cidade ou no caso de
uma mulher é estéril, então ela deve propiciar a divindade
Ele orou para que pudesse ter seus próprios filhos. Porque não
as mulheres podem participar dos rituais
salas de misericórdia de Orò, você será aconselhado a fazer o
sacrifícios através do marido e parentes do sexo masculino para
que eles apresentem as ofertas em seu nome. Orò tem o
poder para impedir que as crianças de Abiku morram, e também
Você pode ser solicitado a proteger sua propriedade.

De acordo com a tradição, a pena de morte na


O colonial era administrado por membros do culto de Orò.

Os culpados foram trazidos para a floresta pelos sacerdotes de


Orò e morto, mas eles fizeram acreditar que ele era a divindade Orò
quem os criou.
Antes, os sacerdotes de Orò enterravam a
pessoas cujas mortes foram peculiares, por exemplo, um
mulher que morreu ao dar à luz seu filho ou um homem
que morreu de cair de uma árvore.
Acredita-se que Orò odeie as bruxas e sacerdotes de Orò
Eles usam uma estaca Orò para impedi-los de causar estragos. Ele
Orò é um pedaço de ferro ou madeira, de preferência do
Òbò, com aproximadamente 5 ou 6 polegadas de comprimento
um buraco na ponta disso, que é preparado com ervas e
Estado. Um cabochão é inserido, fixando a estaca em um.
Quando girado rapidamente, soa como um apito.

Porque os pássaros não vêem, cheiram ou comem do


madeira da árvore Òbò, os pássaros que têm dentro do
as bruxas morrem quando Orò é usado, e as bruxas também
morrer. Orò também pode ser solicitado a destruir o
árvores que servem de alojamento para as bruxas-pássaros. Outras
praticantes do mal podem ser levados à loucura pelo
som de Orò.
O dispositivo ou rugido pode ser mantido em casa, mas
o santuário Orò estará sempre na floresta. Em algumas
grandes cidades, como um templo que foi construído
para Orò. A mulher nunca deve se aproximar do bosque de
Ouro. Uma árvore de pèrègún será plantada no santuário. Ouro
ele é adorado apenas à noite.

Cerimônia Anual de Orò

No bosque sagrado de Orò, algumas ofertas são


colocado na frente do emblema Orò, um pedaço de ferro
moldado como o fabricante de rugidos de madeira. Entre os materiais
propiciação são: àsáró, ègbo, èkuru, èko, um
ovelha, èwó, banana assada, óleo de palma e sal. Um galo é
sacrificado e seu sangue junto com o óleo de palma ( dendê ) é
esfregou no ícone Orò, seguido por uma ovelha e um
cão, cujo sangue também é lavado no ícone Orò.
Depois que os sacrifícios foram feitos, o sacerdote
mastigará algumas pimentas da Guiné juntamente com nozes
de kola ( obi bata ) e o conteúdo no ícone Orò será cuspido. UM
homem vai bater no chão com uma nova folha de palmeira e
Ele invocará Orò da seguinte maneira: "Ìtá o". Isso vai
três vezes e na segunda ocasião do chamado
responderá através do rugido. Uma música de Orò é transportada por uma ou duas pessoas
segurando marreta de
madeira

Èké nwo Orò,


Konko nwo Orò
Bí obìnrin fi ojú ba Orò,
Orò yíò gbe e lo
Àjé nwo Orò
Ídòwú nwo Orò
Kéhìndé nwo Orò
Táiyé nwo Orò
Àlàbá nwo Orò
Konko nwo Orò.

Tradução

Os traiçoeiros estão vendo Orò,


Curtidores (do uso da medicina nativa) estão vendo
Oro
Se uma mulher vê Orò,
Orò a levará embora
As bruxas estão assistindo Orò
Ídòwú está vendo Orò
Kéhìndé está vendo Orò
Táiyé está vendo Orò
Àlàbá está vendo Orò
Os curtidores estão vendo Orò.

Alguns participantes vão cair no chão com marretas


pilão enquanto dança. Enquanto os rugidos são virados, o
o homem emitirá palavras abusivas para os infratores
conhecidos, bem como ladrões e outros da
Vila. Os sacerdotes podem fazer sacrifícios a seus respectivos
Orí e seus pais. Antes de retornar da floresta ou
templo, eles comerão as refeições que lhes foram oferecidas
para Orò. No final da cerimônia, os participantes dançam
pela cidade enquanto vagam pelo rugido de (Orò).
Além de bater no chão com os marretas de pilão, 2 marretas
eles se batem, e às vezes um tambor chamado
obedecer, que é semelhante ao ìpèsè usado em rituais
de Ifá será tocado, assim como pode haver alguns
mãos batendo palmas ao ritmo da música. Nenhum terno ou
máscara é usada no cerimonial anual do Orò, bem como
nem haverá nenhum tipo de possessão espiritual. Um ritual
Anual pode durar cerca de 9 dias, com o Orò girando e tocando
toda a noite.

Esses dois orin ( cantigos ) são das terras de Ìbàdàn:

(orin 1)

Làgbàlàgbà nígbó Owá.


Eni tí ó bá puró kò ní bímo ye.
Épà! Lórò lórò la bí wa o.
Orò o o o! Baba o o o!
Yìnmíyìnmí gbinkin
Ògògòrumòrumò,
Orumò láyé, ó rumò lórun.
Omo tuntun abi-owó pínnípín.

Tradução

O poderoso Orìsà que vive nos arbustos de Owá


O mentiroso não terá filhos
Épà! Nascemos no culto de Orò
Orò ou o! Pai ou o!
O terrível que faz um som aterrorizante
Aquele que se glorifica em meio a folhas de palmeira
Quem se veste de palmeira deixa no chão e no chão
o céu
O recém-nascido com uma boa mão.

(orin2)

Làgbàlàgbà nínú igbó òwá.


Eni kunlé kò ní bímo yè.
Baba wa ló lorò.

Tradução

O problema do palmeiral
Quem queima casas nunca terá filhos
Orò pertence ao nosso pai.

Os próximos 3 versículos de louvor também pertence as terra de Ìbàdàn:

Yìnmíyìnmí gbinkin.
O terrível òrìsà que produz um som aterrorizante

Ògògò rumòrumò.
Aquele que se glorifica entre as folhas de
Palmeira.

Òrumò láyé, òrumò lórun.


Alántakùn abirun yantara.
Orò o o o.
Quem se veste de palmeira deixa no chão e no chão
o céu.
Uma criatura parecida com uma aranha com pouco ou nenhum cabelo
Orò o o o

HISTÓRIAS RELACIONADAS À DEIDADE

1.- Quando Orò desceu à terra

Nos tempos antigos, Orò e Egúngún deixaram o céu


para a terra juntos. Suas intenções eram que, ao atingir o
terra poderia se estabelecer em algum lugar. Quando chegaram
para a fronteira entre o céu e a terra, Orò, a maior divindade
ele instruiu Egúngún, seu irmão mais novo, a ir para Ilé Ayé
para ver se em Ilé Ayé seria favorável para eles poderem
acalme-se e depois volte com as notícias.
Egúngún partiu para Ilé Ayé, na chegada, aqueles que o viram
eles souberam instantaneamente que ele não era um ser humano comum,
especialmente para o seu terno. Eles o cumprimentaram na forma de
reverência. Egúngún respondeu a eles da mesma maneira e

pediram que o levassem ao palácio dos Oba (rei) de Ilé-


Ai. Então eles o levaram.

Ao chegar ao palácio Oba em Ilé Ayé, o Oba perguntou a ele


Que tarefa você planeja executar? Ele respondeu que
desempenharia o papel de abençoar mulheres estéreis,
mulheres com filhos; solteiros, aqueles que têm um bom
esposa; os pobres e deficientes com a possibilidade de serem
bem sucedido e rico; e abençoe as pessoas e a comunidade com
prosperidade, paz e tranquilidade. Em suma, ele prometeu
mudar todos os aspectos ruins da vida das pessoas para
bem, para que eles pudessem ter uma vida decente. Quando
eles perguntaram o que você quer como uma oferta para a realização
desta tarefa?, ele respondeu que queria como uma oferta:
àkàrà, èko, oole, obì, àkùko, otí e àgbò. O Oba instruiu o
primeira pessoa a ver Egúngún para levá-lo para casa e
essa pessoa receberia o título de Ààre Òjè. Cada vez
que Egúngún foi propiciado ou a cerimônia foi realizada,
o Ààre Òjè deve ser a primeira pessoa a ver Egúngún.
Na cidade onde Egúngún lhe foi imposta como sua
residência, era conhecida como Ìgbàlè. Egúngun só poderia
ser visto em ocasiões em que cerimônias especiais
foram feitos.
Após 12 meses, Egúngún teria um dia de campo. o
As pessoas se reuniam para o seu Ìgbàlè. Ele fez o que
prometeu: o homem doente foi curado; o pobre homem ficou rico; o devedor
cancelou suas contas; o solteiro / solteira tornou-se
bons maridos; o estéril recebeu a bênção do fruto do
barriga; decepções se transformaram em esperanças. No
em pouco tempo, a vida mudou para o bem de todos os habitantes
Ilé-Ayé, que se aproximou de Egúngún, solicitando sua ajuda e
suporte para.
Enquanto Orò estava esperando na fronteira entre Ayé e
Unrun. Inicialmente, ele sentiu que não tinha nada com o que se preocupar.
Mas depois de três meses, e começou a se preocupar
se perguntando por que Egúngún demorou tanto
vir denunciar? Será que ele encontrou problemas quando
partiu para Ilé Ayé?
Orò apagou rapidamente esse pensamento de sua mente desde
Ele sabia que se Egúngún tivesse um problema, ele
(Orò) notaria isso instantaneamente. Mas se Egúngún não tivesse
problema, então o que causou o seu atraso?
Após 7 meses de árdua espera, Orò foi
completamente irritado com Egúngún. Orò sentiu que
Egúngún não poderia ter levado mais de 7 dias para chegar
Ilé Ayé para determinar se era favorável para
eles a moram e voltam para denunciá-lo.
Por que, então, se era uma tarefa que poderia ser realizada
em apenas sete dias e já se passaram 7 meses e não tem sido
completado por isso? Por quê? Já faz mais um mês,
Orò estava se alimentando de sua própria raiva. Ele concluiu que
Egúngún estava sendo apenas impertinente com ele. Razão
imediatamente que Egúngún estava jogando apenas um
enganado com o objetivo de perturbá-lo. Ele decidiu que isso não
incomodaria. Então ele prometeu contar a Egúngún coisas que
nunca esquecerá nunca.
Após doze meses, os habitantes de Ilé Ayé tornaram-se
unidos para realizar a cerimônia anual de quando Egúngún
chegou a eles. Todo mundo que tinha boas histórias para
contar. Este foi um grande evento e todos aqueles que
participaram da cerimônia foram imensamente
abençoado. No lugar que eles dançavam e cantavam, tocavam bateria
e mostrou suas roupas. Então os devotos de Egúngún
aumentado.
No décimo terceiro mês, um pensamento invadiu Orò: poderia ser
ele fez tão bem em Ilé-Ayé esquecendo que seu irmão
Major enviou você para executar uma tarefa simples? Assim que eu chego
rapidamente este pensamento em sua cabeça, bem o que
apagado de sua mente. O que Egúngún poderia ter feito como
para que ele não voltasse para me contar os fatos? Passaram
já 13 meses e descartou a possibilidade de que houvesse alguma
problema; então que outra razão poderia haver?
Nenhum! Egúngún provavelmente está se divertindo
às minhas custas, sou seu irmão mais velho. Não, e se não, e sim
É mesmo isso. Se sim, é porque é assim, então
Egúngún deve aprender uma lição, Egúngún deve ser
punido por isso. Isso deve ser feito na presença de
pessoa de Ilé-Ayé para que eles saibam que Egúngún tem
quebrou um grande juramento e traiu a confiança de que sua
irmão depositou nele. Egúngún traiu seu irmão
mais velho e deve ser punido por isso. Sim! Deve ser
punido. Com esse quebra-cabeça resolvido, Orò saiu
com raiva da fronteira entre Ayé e Òrun e irrompeu
Ilé-Ayé.
Assim que chegou a Ilé-Ayé, ele começou a perguntar sobre
Egúngún. Em sua incessante fúria cega, ele estava
imensamente horrível. A primeira pessoa a vê-lo foi
Ele estava tão assustado que não sabia o que fazer. No final, ele decidiu ir
para o palácio Oba-Ayé. Durante a sua estadia no palácio, Orò
Ele ainda estava perguntando sobre o paradeiro de Egúngún. A raiva dele
era totalmente incontrolável.
Quando Oba-Ayé viu isso (Orò), ele convocou seus chefes e teve
um breve encontro com eles. Enquanto isso, Orò estava
Ele se acomodou, mas a raiva ainda persistia dentro dele. Ele nao
Ele poderia esperar mais tempo até colocar os olhos em Egúngún.
No entanto, durante a deliberação, os Oba e seu Chefe
Eles concluíram que Orò nunca deveria ver Egúngún novamente.
Eles refletiram que nas últimas 13 luas cheias, suas vidas e
a qualidade, melhorou bastante e tudo estava
devido às atividades que foram realizadas por Egúngún.
Por esse motivo, eles teriam que defender Egúngún a todos
costa. Eles pensaram que a única maneira de fazer isso era
garantir um lugar onde Egúngún poderia viver escondido de
Oro.
Os chefes também pensaram que poderiam
aproveite a presença da Orò em Ilé-Ayé e faça uso de
de suas habilidades também, então eles perguntaram qual
era o papel dele aqui na terra. Orò respondeu que ele iria
as mesmas tarefas que foram realizadas por Egúngún. Eles
eles perceberam que Egúngún e Orò eram representantes de
antepassados e que Orò era maior que Egúngún. Os chefes vão
eles exigiram que Orò lhes dissesse os artigos que ele gostaria
as pessoas usarão para propiciá-lo a todas as coisas boas que
ele poderia dar e fazer e ele deu detalhes sobre o
artigos, sendo muito semelhantes aos de Egúngún.
Oba-Ayé foi até a primeira pessoa que viu
Orò e disse-lhe para levá-lo para casa e colocá-lo em um
Arvoredo. Esse bosque será conhecido como Igbórò. Também
ordenou que Egúngún quando ele saísse, faça-o durante o dia, enquanto
que Orò deve sair no escuro da noite. Isso foi feito
para evitar o confronto entre esses dois. Então em
Hoje, Egúngún e Orò ainda não estão nas boas notícias.
Mesmo seus devotos não são amigos muito próximos.

2.- A chave para os sacrifícios a Orò serem


Aceitaram

Alàwòrò-sàsà (O Sacerdote principal do culto Orò) foi um


sacerdote altamente respeitado em sua comunidade. A acusação que
estava ocupando naquele momento era uma posição hereditária do
que estava vago quando seu pai faleceu. Está
próprio pai também ocupou o cargo quando seu avô
faleceu. Isso era verdade há gerações. Sempre que
alguns Alàwòrò-sàsà realizaram algum ritual para Orò, este foi
forçado a ser aceito. No entanto, no momento em que
este Alàwòrò-sàsà em relação aos seus rituais, estes não foram aceitos.
Como conseqüência, as coisas começaram a dar errado e a
descontentamento entre seus seguidores e a comunidade. Pelo que
Alàwòrò-sàsà decidiu ir à casa de seus Babaláwos para ver
o que tinha que ser feito para que os rituais Orò fossem
aceitos como seus pais, assim como
preservar o cargo ocupado por tantos
gerações e também como dissipar qualquer feitiço que
impedia que os rituais fossem aceitos.

Certa vez, os padres consultaram Ifá em Alàwòrò-


sàsà, eles garantiram que ele seria capaz de fazer os rituais de

para que eles fossem aceitos. Eles também disseram a ele nunca
vai ignorar a importância das mulheres em qualquer coisa
que ele fez em sua vida. Embora o culto de Orò seja
exclusivamente masculino, ele deve pelo menos
imagem da mulher quando o ritual foi realizado e se
é possível que ele contribua com parte dos materiais
do ritual. As mulheres não devem ter permissão de saber como
os rituais estão terminados e nenhum deles está entrando no santuário de Orò.
Eles também o aconselharam a fazer ebo. Um pouco depois
os Alàwòrò-sàsà fizeram o ebo, quando chegou a hora de
executar seu ritual para Orò, ele convidou homens e
mulheres que pediram conselhos sobre como fazer
disse ritual. Todos eles contribuíram financeiramente e contribuíram
seus respectivos conselhos. As mulheres estavam felizes porque em
pelo menos tinha participado de algo referente à
comunidade. Então eles garantiram o sucesso do ritual em vez do
falha do mesmo. Então, naquela época, os rituais realizados
pelos Alàwòrò-sàsà eles foram aceitos. O Alàwòrò-sàsà
ele nunca cometeu o erro de pensar que o culto de Orò já era
exclusivamente para homens, onde o homem estava
quão único é tomar a decisão em todos os aspectos do ritual
para Orò com a exclusão total de mulheres.
Quando Alàwòrò-sàsà descobriu que todos os rituais agora
foram aceitos, ele começou a elogiar seus sacerdotes Ifá e
estes, por sua vez, elogiaram Olodumare porque a previsão era
verdade.

Esta história atesta que, embora a mulher não possa


veja Orò, ele não pode entrar em seu santuário, muito menos
participar diretamente de seu festival anual, isso pode
participar indiretamente de seus rituais como o fato de
colocar ofertas através de um homem para seu próprio
beneficiar.
3.- Quando o Aséyìn quis iniciar sua esposa no
culto de Orò
O Aséyìn era o principal sacerdote do culto Orò que tinha
uma esposa que desejava profusamente conhecer o segredo de
culto de Orò, mas apesar do fato de que esse culto proibia a iniciação
e a presença da mulher, ela implorou muito ao marido
que ele decidiu ir à casa de seus Babaláwos para que
consulte Ifá para ver quais possibilidades existiam
que sua esposa foi iniciada na adoração de Orò sem
qualquer retaliação.
Os padres consultaram Ifá e disseram-lhe para oferecer
sacrificar com sua cadeira, seu terno usado e um carneiro, mas
Ele se recusou a oferecer o sacrifício.
Quando havia pouco tempo para o festival anual Orò, o
esposa novamente pediu ao marido (Aséyìn) sobre
que queriam conhecer o segredo do culto a Orò. Devido a que
Aséyìn se recusou a executar seu ebo a Esu pensou em como deixá-lo em
ridículo e colocá-lo em grandes problemas. Agindo sob a
disfarçado de vidente, Esu disse que sua esposa tinha
fez um apelo, mas que ele tinha rejeitado. Ele
vidente lhe disse que, para evitar o risco de perder sua
esposa, ele deveria construir uma cadeira que tivesse espaço
por baixo disso que seria coberto com suas vestes e que
como ela podia ver o que aconteceu. O chefe de Aséyìn
facilmente caiu na estratégia feita por Èsù.
No dia do festival, uma cadeira foi trazida por seus servos para
o evento, coberto com fitas. Como governador e líder da
aldeia, o Chefe de Aséyìn solicitou uma tocha com a qual
marcaria o início da cerimônia. A primeira indicação
visível que algo estava errado foi quando a luz se recusou a
Ligar. Depois de tentar acender a tocha
em vão, ele disse que o líder da cidade continuaria com a segunda fase
que era fazer Orò tocar bateria para declarar o
toque de recolher; então os bateristas começaram a
tocar bateria por algumas horas, mas Orò não conseguiu
tomar posse. Esta foi uma afirmação de que as coisas
eles estavam errados, o Chefe Sacerdote do culto de Orò decidiu
mande Orunmila fazer dele um
adivinhação para encontrar a causa de seu infortúnio.
Eles ficaram surpresos ao ouvir de Orunmila que
profanou as cerimônias por ter realizado um
espião lá. Foi por isso que a cerimônia havia parado
até que a ação irreligiosa de Olójà foi corrigida. Orunmila
Ele insistiu que a cadeira onde o Olójà estava sentado deveria ser
examinado.
Quando o guardião foi ao Sumo Sacerdote, eles anunciaram o
encontre com uma música sarcástica:
Bí kò dún, a ó ye apèrè Oba wò

Tradução:
Vamos chama Orò para aparecer mais uma vez,
Mas se ele se recusou a aparecer, examine
Temos que examinar a cesta onde fica o Olójà
Porque parece que ele está encobrindo um espião leigo.
Quando verdadeiramente o líder da cidade chamou novamente
Eu rezei para ele aparecer, ele se recusou a responder
novamente. Então eles forçaram Olójà, o Chefe de Aséyìn a
ele se levantar e as pessoas ficaram surpresas ao ver que
ele estava escondendo uma mulher debaixo da cadeira. o
mulher foi imediatamente apreendida forçando-a a
ela se ajoelharia em um lugar onde ela foi imediatamente sitiada
por formigas soldado e abelhas selvagens que o
eles picaram até a morte. Naquele exato momento, o chefe Aséyìn
ele foi imediatamente banido do trono.
É por isso que qualquer pessoa que não seja membro da
O culto do Orò deve testemunhar seus rituais, pois pagaria com
sua vida como profanador e o membro do culto que é
cúmplice neles, ele será expulso do próprio culto.

4.- O culto de Orò é secreto

Orò foi consultado por Òkàràn-mo-Òfún no dia em que


disse para não lançar o míssil com o qual ele declarou o toque de
Resta evitar o risco de se perder, mas isso ele fez
desconsiderou o aviso e quando ele lançou o míssil, descobriu-se que
ele estava com tanto medo que fugiu para a floresta,
desaparecido e o festival naquele ano foi suspenso.
No ano seguinte, Orò ainda não estava pronto para suas férias
anual desde que seus seguidores, não importa o quanto o procurassem,
eles conseguiram, então eles decidiram ir para
Òkànràn-mo-Ofún que os aconselhou a oferecer sacrifícios
com obì e vinho de palma.
Feito o sacrifício, seus seguidores decidiram
vá para a floresta para procurá-lo. Eles finalmente conseguiram
levá-lo encostado a uma árvore e eles lhe disseram que tanto a sua
amigo Òkànràn-mo-Ofún, bem como seus seguidores, desejou
voltar para a cidade. Ele concordou em ir para casa com eles,

mas assim que ele entrou na cidade, Òkànràn gritou:


mo-Ofún, mofún mofún.

Quando ele lembrou que estava nu, ele correu de volta para o
floresta. Ele deu a faca aos seus seguidores com os quais ele
declarou o toque de recolher e disse-lhes para usá-lo sempre
que eles queriam invocá-lo, e assim ele viria
onde eles estavam.
É por isso que o culto de Orò é secreto, essa divindade deve
ser propiciado à noite e em um local onde não está à vista
público.

5.- porque as mulheres não podem ser iniciadas no


culto de Orò

Orò lhe devia uma grande quantidade de 6 sacos de dinheiro


para uma mulher, cuja esposa foi persistente em colecioná-la
dinheiro para Orò, tanto que Orò não saiu de casa para
evite entendê-lo. Cansado dessa situação, Orò decidiu ir
para a casa de Orunmila para ver como ele poderia
livrar-se da mulher e assim pagar sua dívida.
Orunmila disse a Orò que ele deveria oferecer sacrifício, e
terminar de oferecer instruiu Orò a gritar por
em todos os lugares quando ele saiu de casa; que geralmente
isso sempre saiu à noite e foi assim que o únrúnmìlà lhe garantiu
que ele se livraria de sua dívida e a mulher não o incomodaria
mais. Pelo que Orò fez no ebo e quando ele saiu naquela noite, ele gritou
que únrúnmìlà o instruiu; naquela época a mulher estava
aproximou-se da casa de Orò para recolher seu dinheiro, mas isso
ouvindo o grito aterrorizante emitido por Orò, ele correu
aterrorizada por sua casa, assim como pelo resto das mulheres
que andaram pela rua e decidiram nunca mais sair
quando ouvirão esse grito por medo de perder
vive, especialmente a mulher a quem Orò devia. Pelo que
desta maneira Orò liberou sua dívida.

Esta é a origem do som emitido pelos devotos de


Ele orou para anunciar o toque de recolher que inicia o
festival de Orò em que todas as mulheres devem
abrigue-se em suas casas sem poder sair a noite toda.

6.- Quando o Culto de Orò foi estabelecido na terra de Ègbá

Em uma das viagens de Orò à cidade de Ègbá, este


ele decidiu ir primeiro à casa de seus padres para ver como
sua jornada seria lucrativa, então seus sacerdotes
eles o aconselharam a oferecer 2 sacrifícios, o primeiro para que
suas coisas correram bem na viagem e na segunda para que
Eu poderia voltar sem nenhum problema; então Orò já
ele já esteve naquela cidade antes e decidiu pelos momentos
faça o primeiro sacrifício ao exibir-se em
disse cidade.
Na chegada, ele encontrou muitas dificuldades que em muito pouco tempo
tempo que ele conseguiu corrigir, ele fez os pobres ricos; a fome
conseguiu ter muita comida em casa, mulheres estéreis
eles poderiam engravidar, as mulheres que já estavam
gestantes foram capazes de dar à luz com segurança e
solteiros conseguiram bons casais que deram
muitas crianças alcançando prosperidade para entrar no
cidade de Ègbá e aqueles que, em gratidão, estabeleceram
uma instituição em adoração a Orò, que permaneceu
até a data.
Esta história conta a origem do culto de Orò em Ègbáland

ÀWON OHUN TI A FI Ń BO ORÒ


Itens para propiciar Orò

 Òbúko (bode)
 Àkùko adìe (Galo)
 Elédè (porco)
 Àsáro
 Iyán
 Èwà
 Okà (àmàlà)
 Èko
 Èfó èkùyá. (CLEOME GYNANDRA) "Isso é um vegetal"

De todos os alimentos que Orò mais gosta e que não


podem estar faltando em sua propiciação: o Èfó èkúyá e o Àsáro
NOTA: Se você quiser saber como preparar cada um
essas ofertas, você deve pedir ao autor deste manual uma
da gastronomia yorùbá.

ÈÈWÒ ORÒ
Tabús de Orò

 Nenhuma mulher deve ver Orò


 Orò não deve ser incentivado com Orógbó
 Nunca apoie Orò com qualquer tipo de peixe
 Ninguém pode ver as sobras de Orò
 Nenhum baterista tocará seu tambor na frente de Orò.

ÀWON ÀWÒRÒ ORÒ


Escala sacerdotal do Culto de Orò
 Làlú: Líder dos sacerdotes de Orò
 Àjànà: Chefe que organiza os festivais e medeia os
 Problemas
 Olúgaga: Líder feminina do culto Orò.
 Lájòrun:
 Modélàbà: Assistente ou mensageiro do Olóyè no Culto
 de oro

VERSÍCULOS RELACIONADOS À DEIDADE ORÒ

1.- Solicitar filhos, seguidores e reconhecimento a


Orò

Òwónrín Òdí

Pòpá kan téérété


A dífá fún Àlúkúlàkà
Níjó tí ń fomi ojúú sògbéré omo
Wón ni ó rúbo
Wón ní wíndin wìndin lomo è ó pò
Bí àbímo yè bí àbímo yè
Àlúkúlàkà bí àbímo yè o
À á séé mo Àlúkúlàkà làá pe Orò
A lóun bí windín windín windín windìn
A tún ké
Bí àbímo yè bí àbímo yè
Àlúkúlàkà bí àbímo yè o
Ó bímo
Omo pó kárí ayé.

Tradução

Uma bengala fina


Ele profetizou Ifá para Àlúkúlàkà
O dia em que eu estava chorando porque não tinha filhos
Ele foi aconselhado a oferecer sacrifício
Seu padre garantiu que ela teria muitos filhos
Como uma entrega bem-sucedida
Àlúkúlàkà é o alias de Orò
Ele cantou: "terei muitos filhos"
Ele cantou alto novamente
Como terei uma entrega bem-sucedida
Àlúkúlàkà, assim como ela teve uma entrega bem-sucedida
Ele teve muitos filhos
E eles estavam se expandindo em todo o mundo.
2.- Para solicitar uma casa e proteção de Orò

Ogbè Òtúrúpòn

Ìtáà mi jèlé
Ìrèlèè mi jèlé
Ikán torí omo rè
Ikán molé
Ìtáà mi jèlé
Ìrèlèè mi jèlé
Òdìdè fírí-fírí-fírí torí omo rè
Ó ràjà
Ìtáà mi jèlé
Ìrèlèè mi jèlé
Oyin torí omo rè
Ó rè kókó igi
Ìtáà mi jèlé
Ìrèlèè mi jèlé
Orò dákùn torí mi
Kólé mi o.

Tradução

Que a paz esteja com você


E com Ìrèlè
Para a formiga proteger seus filhos
A formiga constrói um formigueiro
Que a paz esteja com você
E com Ìrèlè
Para os ìdìdè protegerem seus filhos
Ìdìdè constrói sua casa no sótão
Que a paz esteja com você
E com Ìrèlè
Para a abelha proteger seus filhos
É dentro da árvore atada onde ele foi morar
Ore por favor me proteja
Construindo uma casa para mim.

3.- Para que nossos rituais sobre Orò sejam


Eficaz

Ogbè Ìká

Ogbè ká re káà ká dìmú


Díá fún Alàwòrò-sàsà
Tó tí ń sorò
Tí kò fín
Wón ní kó sákáalè, ebo ní síse
Ó gbébo, ó rúbo
Àsíkèré mo’ní kèré o
Alàwòrò e wá bá wa s’orò
Ilé Olórò la tó wá sawo
Àwòrò e wá bá wa s’orò ilé.

Tradução

Ogbè, vamos para a sala para um duelo


Essas foram as mensagens de Ifá para O Sacerdote Líder do
Culto de Orò
Quem estava fazendo rituais
Sem eles serem aceitos
Eles o aconselharam a oferecer sacrifício
E ele fez isso
Todos os padres de Orò se unem na realização deste
ritual
Somos da linhagem dos adoradores de Orò
Por favor, padres de Orò, participem da realização de
nosso ritual ancestral.

4.- Solicitar vencimento de dificuldades imposta pelos inimigos em Orò

Ìretè Méjì

Ìrì tíwílí tíwílí;


Ìrì tìwìlì tìwìlì;
Bí ìrí bá balè a gbòtún;
Ìrì balè a gbòsì;
Òde gbangba ò teruku fún ‘modé wònyí jókòó;
Ají rò omo àràn akàn;
Adìe fi ìyé sòsó;
Eyelé fi eégún sénu;
A díá fún wón l’óde Ègbá,
Níbi tí wón gbé fi igi inú igbó se iwin bo.
Níbi tí wón gbé fi ìtèkì àgbò bo Orò.
Wón ní kí wón rúbo
Nítorí omo tí yóó jogbó jató.
Èrò Ìpo, èrò Òfà;
E wáá ba ni ní tìségun.

Tradução:

Tirì tiwílí tíwílí; (o som do garuar)


Tirì tiwìlì tìwìlì;
Quando chuvisca para a direita;
Quando chuvisca para a esquerda;
Os cantos não serão tão empoeirados.
Os cantos não terão muito pó para as crianças
pode sentar
Aquele que acorda com veludo caro
Mulher usa penas de aves para decorar
O pombo bica um osso
Foram as mensagens Ifá para os cidadãos da terra de Ègbá
Quando eles usaram uma árvore da floresta como um santuário para o
Espírito da floresta.
Quando eles usaram a bengala com a qual Orò é adorado
Eles o aconselharam a oferecer sacrifício
Para que seus filhos pudessem ter uma vida longa e saúde.
Viajantes de Ìpo e Òfà
Venha e veja como conseguimos derrotar nossos inimigos.

5.-Para obter o apoio da Orò

Òwónrín Òsá

Oyé níi ta funfun kárí ayé


Olórun pàjùbà ìwà kálé
Díá fún Iye omo
A bù fún Akanke
Ebo ni wón ní kó wá se
Ó gbébo, ó rúbo
Akanke ma ni jó o
Orò ni lù
Omo ni se’hun baba rè.

Tradução:

O vento expande o giz branco(efun) no mundo


O céu construiu uma cabana improvisada
Esta foi a mensagem Ifá para a mãe da criança
E para Akanke
Eles a aconselharam a oferecer sacrifício.
E assim ele fez
Akanke está dançando
Orò está tocando o tambor
O garoto está fazendo o que seus ancestrais pediram.

6.-Pedir ao Orò para alcançar os objetivos

Òwónrín Òfún
Òwónrín wòfun wòfun
Díá fún Òrúnmìlà
Baba ńlo gbé Orò níyàwó
Ebo ni kó wá se
Kò pé, kò jìnnà
E wá ba ni ní jèbútú ire gbogbo.

Tradução:

Ónwónrín wòfun wòfun


Foram os sacerdotes que profetizaram Ifá para únicarúnmìlà
Quando Baba ia pedir a mão de Orò
Ele foi aconselhado a oferecer sacrifício
Não demorou muito
Venha nos ver no meio de todas as coisas boas.

7.-Para conseguir uma casa e alcançar metas com auxilio Orò

Ògúndá Ìrosùn

Kíkún lóyún omi


Opa tábà níí s’ofun ìmòràn lakaliki-lakaliki
Onílé etídò níí rí èrè eja je
Díá fún Odíde fírifíri
Tíí somo Onikaa kan akopari
Ebo ni wón ní kó se
Ó gbébo, ó rúbo
Odíde fírifíri omo Olórò ni o
Ilé gbogbo ma di t’odíde

Tradução:

A plenitude representa a gravidez do rio


O cachimbo com tabaco faz a laringe do fumante se mover
para cima e para baixo
Aquele com uma casa perto do rio é aquele que terá mais
peixe para comer do que outros
Essas foram as declarações de Ifá para Odíde fírifíri
O descendente de quem construiu uma casa completamente
Ele foi aconselhado a oferecer sacrifício
E ele fez isso
Odíde fírifíri, você é um filho dos devotos de Orò
Todas as casas agora pertencem a Odide.

8.- Para impedir o roubo com a ajuda de Orò

Ìká Ògúndá
Òsùká èrò níí j’èrò niyan
Díá fún Ojonna
Tíí serú Eléwii-doko
Ebo ni wón ní kó wáá se
Ó gb’ébo, ó rú’bo
Opa! ń ò wíí,
E gbérin orò
Ojonna ma ma wi,
E gbé’rin orò
Ń ò wíí, ń ò wíí, ń ò wíí, ń ò wíí.

Tradução:

A mala de um viajante normalmente briga com o


viajante
Essa foi a mensagem de Ifá para Ojonna
Quem é o escravo de Elewii-doko
Ele foi aconselhado a oferecer sacrifício
Para que seus pertences não sejam roubados
Ele ofereceu o sacrifício
Eu juro que vou expor o culpado
Por favor, crie a música Orò
Ojonna não fala por favor
Apenas cante a música de Orò
eu vou dizer
Por favor não fale

9.-Ìwúre a Orò para que a mulher grávida tenha um parto seguro e o estéril pode engravidar

Òtúrúpòn Òtúrá

Ìtá jàre
Ìrèlè jàre
Díá fún Òrúnmìlà
Baba ńs’oore l’Otù Ifè
Wón ní ibi ló nse
Ǹjé Ìtá jàre, Ìrèlè jàre
K’ÓtùIfè o r’oju, k’Ótù Ifè o r’áayé
K’aboyún Ile-Ifè ó bí tibi-tire
K’àgàn Ifè o t’ówó àlàà bo osùn
Ìtá j’aàre, Ìrèlè j’aàre

Tradução:

Ìtá, nós te imploramos


Ìrèlè, nós te imploramos
Este foi o Ifá emitido para únrúnmìlà
Baba mostrou sua benevolência em Otu-Ife
E foi erroneamente considerado como maleficência
Pedimos às Deidades de Ìtá e Ìrèlè (deidades de Orò)
Que a terra de Otu-Ife seja pacífica
Deixe a terra serena
Que a mulher grávida de Ile-Ife dê à luz com segurança
Que a fruta estéril no útero
etá a divindade, nós te imploramos
Ìrèlè a divindade, nós te imploramos.

10.-Para vencimento com Orò

Òsé Òbàrà

Igbó ńla mumo ni mu’rí


Òkùnkùn mu ni morun eni
Díá fún Omumuyeye
Tí ńbè láàrin òtá
Ebo ni wón ní kó se
Omumuyeye iyee
Baba wá ròrun kòi bò.

Tradução:

Uma floresta densa consome uma criança completamente,


E a escuridão também consome um totalmente,
Esta foi a mensagem de Ifá para Omumuyeye,
Quando ele estava no meio de seus inimigos,
Ele foi aconselhado a oferecer ebo,
Ele cumpriu,
Omumuyeye iyee!
Nosso pai foi para o céu e ainda não retornou.

11.-Para solicitar filhos de Orò

Ogbè Òdí

Ogbè ‘Dí
Ogbè’Di
Díá fún Kèrèkèrè
Tí n sunkún omo rè ‘gbó Ègbá
Wón ní kó sákaáalè, ebo ní síse
Ó gbébo, ó rúbo
Kò pé, kò jìnnà
Ire omo wá ya dé tùtúru
A ó se mo kèrèkèrè làá pe Orò.
Tradução:

Ogbè ‘Di
Ogbè’Di
Eles fizeram adivinhação para Kèrèkèrè
Quando ela se arrependeu de sua incapacidade de ter um filho
o bosque da terra Ègbá
Então eles o aconselharam a oferecer sacrifício
E ele fez
Não demorou muito
A irre das crianças chega a ela abundantemente
Como saberemos quem é Kèrèkèrè? Kèrèkèrè é Orò.

12.-Para solicitar filhos de Orò

Òbàrà Ìwòrì

Òbàrànìkòsì
Òbàrà wòrì-wòrì
A dífá fún Orò
Níjó tí ńfomi ojú sògbérè omo
Ebo ni wón ní kó wáá se
Mo tí sebo Òbàrà wòrì-wòrì
Taa ló bímo báwònyí beere?
Orò
N ló bímo báwònyí beere
Orò.

Tradução:

Àbàrànìkòsì
Para Òbàrà wòrì-wòrì
Eles foram os que fizeram adivinhação para Orò
Quando ele estava lamentando por não ter filhos
Eles o aconselharam a oferecer sacrifício
Eu fiz o ebo de Òbàrà wòrì-wòrì
Quem teve muitos filhos?
Orò
Ele é quem teve muitos filhos
Orò

13.-Ìwúre a Orò para derrotar os inimigos

Òfún Méjì

Orò gbáá
Orò gbóó
Taní ńpe’rí omo Orò níbi
Eni bá pe’rí omo Orò níbi
Orò a sé lápá
Orò gbáá
Orò gbóó
Taní ńpe’rí omo Orò níbi
Eni bá pe’rí omo Orò níbi
Orò a sé lésè
Orò gbáá
Orò gbóó
Taní ńpe’rí omo Orò níbi
Eni bá pe’rí omo Orò níbi
Orò a fóó lójú
Béèrún bá yàn
Gbogbo ewé’ko weju a résè Obarìsà
Òràngún méjì o!!!
Éèpà Odù!!!
Òtá a mi sé lápá
Òràngún méjì o!!!
Éèpà Odù!!!
Òtá a mi sé lésè
Òràngún méjì o!!!
Éèpà Odù!!!
Òtá a mi fó lójú.

Tradução:

Orò vencê-los
Orò bate neles
Quem está planejando atrás contra o filho de Orò
Quem planeja algo contra o filho de Orò
Orò vai quebrar os braços
Orò vencê-los
Orò bate neles
Quem está planejando atrás contra o filho de Orò
Quem planeja algo contra o filho de Orò
Orò vai quebrar as pernas
Orò vencê-los
Orò bate neles
Quem está planejando atrás contra o filho de Orò
Quem planeja algo contra o filho de Orò
Orò o cegará
Durante a estação seca
Todas as ervas e plantas retornarão aos domínios de
Obarìsà a residir em pé
Orangun méjì o !!!!
Éèpà Odù !!!!
Os braços dos meus inimigos estão quebrados
Orangun méjì o !!!!
Éèpà Odù !!!!
As pernas dos meus inimigos estão quebradas
Orangun méjì o !!!!
Éèpà Odù !!!!
Meus inimigos ficaram cegos.

14.-Ìwúre de Orò para invocá-lo

Òwónrín Òsá

Owó èwe kò tó pepe


Ti àgbàlagbà kò wo akèrègbè
Ise tí èwe be àgbà
Kí ó má se kò mó
Gbogbo wa ni a ní
Ohun ti a jo n be ara wa
A díá fún Ìtá
Lójó tí ń tìkòlé òrun bò sí tayé.

Tradução:

As mãos dos jovens não conseguem alcançar as vigas do teto


E as mãos dos anciãos não podem entrar na abóbora
de conhaque
O jovem não pode recusar antes de uma tarefa que tenha
fez um homem velho
Cada um de nós pode fazer algo pelos outros
Foi a mensagem de Ifá para Ìtá (Orò)
Quando eu estava descendo do céu para a terra.

15. -IWúre a Orò para que as coisas boas venham em sua direção

Òwónrín Ìká

Òwónrín wòká wòká Awo Orò


Díá fún Orò
Orò ńsawo ló sóde Ègbá
Ebo ni kó wáá se
Ó gbébo, ó rúbo
Kò pé, kò jìnnà
E wá bá ni ní jèbútú ire gbogbo
Orò jé kí n kóreé bò wáá bá mi

Tradução:

Ónwónrín wòká wòká é o Babaláwo de Orò


Quem consultou Ifá para Orò
O dia em que ele iria exercer seu sacerdócio na cidade
de Ègbá
Eles o aconselharam a oferecer sacrifício
E ele fez isso
Não demorou muito
Quando eles nos vêem desfrutando de todas as coisas boas
Orò deixa coisas boas entrarem na minha casa.

ORÍKÌ ORÒ
Oração de louvor a Orò

Ìtá ni Orò í jé
Ègbá ni wón pè ní Orò
Omo yín mi yín mi gbínkin
Omo ògògò rumò rumò
Omo Láalé
Omo Osùndíjo
Omo kòkòkò ti ó je èlú
Jàre èlú
Ìba ni ewé inú oko
Í dára á mo
Wón jiyán dùn mí
Ní ò béèrè
Wón je okà dùn mí
Ní ò béèrè
Sùgbón a kìí je èfó èkùyá dun
Ará Ìséyìn, omo Ebedí-moko
Eni ti ó bá je èfó èkúyà dun
Ará Ìséyìn
Owó alé ni wón gbé won
Ebedímoko kìí jé kí ó dòla

Kí ó tó pa olúware
Èèwò ni, ìjà orò kan
Kò sùn kasì
ALáké-jo-bí, Ègbá Ìmòdé
Omo Orò pa igi, rí igi láso
Jàǹdùkú olórò níí so àdó mó orí
Afínjú olórò níí dé àbùro ide
Bíbí ni a bí isu mó ikókóró
Bíbi ni a bí ìyàngbò mo okà
Bíbí ni a bí eyìn mo èètán
Bíbí ni a bí èèrí mo àgbàdo
Bíbí ni a bí mo Orò
Èmi kò toro Orò se lówó won
Òrìsà tí obìnrin kìí fójú kàn
Bàbá mí di Irúnmolè
Kikùn ní n kùn yunmu, yunmu
Bàbá mí di Irúnmolè
Yóò tún tèmi se dandan.

ÀWON ORIN ORÒ


Cantigas de Orò

Orò pèlé o! Àjàká òkò.


Saudações! para Orò. Quem joga pedras.

Ìtá Òtútù, olópón owó.


Ìtá (Orò) Otútù aquele com um recipiente de madeira para
dinheiro.

Agbé-èké bí eni gbé jìgá.


Quem captura o mentiroso como um objeto ao qual ele quebra
pela ponta

Ìtá àjíkí, olóde àbòbá.


Ìtá é recebido todas as manhãs, o dono da rua a quem
as pessoas o honram.

Orò pagi máà sé.


Quem destrói árvores e não nega ter feito isso

Orò omo Ilémú.


Orò descendente de Ilémú.

Kí Orò ilé yìí ó láse sí ebo yìí


Deixe Orò participar deste ebo

Ìlú ó níí tóbi kìípa Orò o má káà


Não importa o tamanho da cidade, a autoridade de Orò
Isso afetará a cidade.

Bí enìkán bá fojú di Orò, Oro a gbé e.


Se alguém desafia Orò, ele faz isso longe dele.

Bí obìnrín bá wogbó Orò, a ò lè rí àbò-o è mó.


Se uma mulher entra no bosque sagrado de Orò, ninguém verá
o retorno dela

Eni tí Orò-ó máa mú ḿba won se àìsùn Orò.


A pessoa que será vítima do sacrifício de Orò é
junta-se às festividades na véspera do sacrifício.

Òkú’gbè, òhun Orò


Èmi á rìn dòdò, òhun òjíngbí,
Òkú'gbè, é a voz de Orò
Sua respiração é tão profunda quanto a voz de Òjígbin

Òjò ńrò, Orò ńké.


A chuva cai e a ligação de Orò está tocando alto
lado de fora.

Àpagbé l’Orò ńpagi.


Matar sem recurso é o caminho de Orò
mata árvores.

Gba-n-gba l’Orò ńperan


É espontaneamente que Orò mata os animais

Àgbà ló tó Orò-ó lò
Um ancião é aquele que tem o poder de invocar Orò.

Ní inú ilèkú l’Orò ńje.


Onde os mortos são enterrados, lá Orò se alimenta.

Bí obìnrin bá fojú kan Orò, Orò á gbé e.


Se uma mulher vislumbrar Orò, Orò a matará.

Pàtàkì orò ò ju ilé Àjànà


A grande autoridade dentro do culto de Orò não deve ser
procurado além da casa de Àjànà (título do líder do culto
de oro).

A kì í rí àjekù Orò.
Ninguém vê as sobras do deus Orò.

Eni tó ránsé sí orò-ó bèwè fún àìsùn


Qualquer um que manda Orò está ficando insônia.

Éèpà! Éèpà! Éèpà!


Bàbá oba ń wò ìlú bò o!
Éèpà!

Tradução

Éèpà! Éèpà! Éèpà!


sacerdote do rei está entrando na cidade
Éèpà! Éèpà! Éèpà!

Àbó ̣rú, Àbó ̣yé ̣