Você está na página 1de 9

UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO

CAMPUS RUDGE RAMOS


CURSO DE PEDAGOGIA

DENISE DE ALMEIDA SARAIVA - 294055


JANAÍNA SANTOS DE SOUZA - 299981

PEDAGOGIA HOSPITALAR:
A EXPERIÊNCIA DA CRIANÇA NO AMBIENTE NÃO ESCOLAR

SÃO BERNARDO DO CAMPO


2020

DENISE DE ALMEIDA SARAIVA - 294055


JANAÍNA SANTOS DE SOUZA - 299981

PEDAGOGIA HOSPITALAR:
A EXPERIÊNCIA DA CRIANÇA NO AMBIENTE NÃO ESCOLAR

Projeto de pesquisa apresentado à disciplina


“Práticas docentes e metodologia de pesquisa” do
curso de Pedagogia da Universidade Metodista de
São Paulo.

SÃO BERNARDO DO CAMPO


2020
APRESENTAÇÃO DO TEMA

Pedagogia Hospitalar é uma especialidade, que surgiu nos anos de 1933 na França.
No Brasil, esta categoria também foi implantada na década de 1930, no estado de São
Paulo pela Santa Casa de misericórdia. Desde então esta prática vem sendo adotada em
diversos hospitais, o que concretiza o imenso valor que a educação informal traz às
crianças impossibilitadas de frequentar o espaço escolar. Assegura-se que os objetivos e
metodologias não se focam em estruturação física e sim na construção de uma fonte de
ensino proveitosa para quem faz o seu usufruto. A classe hospitalar tem como intenção,
preservar para a criança hospitalizada o ambiente escolar, de forma humanizada,
solidária e tolerante, criando um ambiente familiarizado e confortável para o educando
fazendo-o sentir-se acolhido, respeitando cada limitação e necessidade de cada aluno
trazendo para ele a realidade da sala de aula, mesmo que distante do seu ambiente
regular corriqueiro. A classe escolar hospitalar proporciona ao aluno o não atraso nas
atividades de sua rotina, e quando reinserido na escola, estudos apontam que não se
sentem prejudicados ou excluídos. Considerando a importância da dessa Pedagogia, este
projeto aborda as práticas pedagógicas humanizadas no ambiente hospitalar.

JUSTIFICATIVA

De acordo com o art. 53 do ECA, a criança e o jovem tem direito ao acesso à educação
para o seu pleno desenvolvimento pessoal. Isto assegura que a criança em situação de
evasão escolar por motivo de enfermidades, possa continuar a sua aprendizagem sem
maiores prejuízos, o que faz com que a Pedagogia Hospitalar, seja uma área essencial
para o cumprimento deste direito. A classe educacional hospitalar busca preservar a
criança hospitalizada de forma humanizada, solidária e tolerante. Assim, justificamos a
escolha por este tema, uma vez que, como futuras educadoras, precisamos conhecer de
modo mais detalhado as práticas pedagógicas, se humanizadas ou não, no ambiente
hospitalar. O que dá sentido a esta escolha é saber que este tema é pouco explorado,
mas, socialmente é extremamente necessário.

PROBLEMA DA PESQUISA
A pedagogia é um campo com variadas possibilidades. O serviço humanizado é uma das
maiores características do pedagogo. Partindo deste pressuposto a pedagogia hospitalar,
uma área não formal da pedagogia, levantamos a seguinte questão: como é realizada
prática desse profissional para a humanização durante o processo clínico da
criança e do jovem em situação de internação? O desenvolvimento da aprendizagem
em situação hospitalar, precisa ser avaliado com a delicadeza em que o momento requer.
Pensando assim, destaca-se a importância de diminuir o sofrimento da exclusão social,
que a criança adquire ao ter que conviver em um ambiente hospitalar. Deste modo,
assegura-se por pesquisas científicas que, a sala de aula hospitalar é a válvula de escape
e a ponte mais segura entre a criança e o mundo fora do hospital, sendo assim, por que
não é de obrigatoriedade a universificação em hospitais que acolhem crianças e
jovens em situação de internação prolongada?

HIPÓTESES

 Pode ser que nem todos os hospitais tenham espaço adequado para garantir o
desenvolvimento educacional da criança e/ou do jovem, que foi/foram retirado/s do
ambiente escolar, por motivos extraordinários;
 Consideramos que é necessário que a prática docente seja pertinente à relação
entre a criança e o hospital para o avanço da sua recuperação;
 Talvez assegurar que o emocional e social trabalhados de forma humanizada
sejam menos desestruturados, possa propiciar uma evolução no processo de
aprendizagem da criança ou do jovem em situação de internação, permitindo que o
processo clínico não seja o motivo de atraso no ensino-aprendizagem desse aluno,
evitando futuras frustrações.

OBJETIVOS
Geral:
 Investigar as práticas pedagógicas no ambiente hospitalar.

Específicos:
 Verificar se há no hospital um ambiente recreativo, leve e agradável para os alunos
em situação de internação;
 Analisar como o processo educativo deve ocorrer para que não se enquadre no
sofrimento hospitalar;
 Pesquisar se a equipe hospitalar oferece métodos facilitadores e mediadores entre
aluno-professor-hospital, para adquirir e assegurar o direito à educação;
 Investigar como as práticas podem contribuir na recuperação destes alunos de
maneira humanizada.

METODOLOGIA

A estrutura deste trabalho foi fixada a partir de dados científicos colhidos em literaturas,
internet e na Constituição Brasileira de 1988, trazendo clareza e importância sobre este
tema, visando acolher todos aqueles que em situação de processo clínico precisam dos
cuidados humanitários que a pedagogia pode proporcionar. Assim, além da
fundamentação teórica, pesquisaremos em hospitais municipais e particulares se há o
oferecimento do serviço “Pedagogia Hospitalar”, para podermos complementar nosso
projeto com a realidade aplicada, dando-nos maior visibilidade sobre aquilo que tanto nos
interessa e que também é de suma importância para quem necessita.

REFERENCIAL TEÓRICO

Conforme afirma Libâneo (2001), temos o dever de proporcionar e exercer vários tipos de
Pedagogias. Nesse sentido, visando aprofundar os conhecimentos na área da Pedagogia
Hospitalar e para fundamentar esta pesquisa, serão utilizadas as obras de Matos e
Mugiatti (2009), Mizukami (1986) e Brasil (1990).

RELEVÂNCIA

Consideramos que a importância desta pesquisa se dá pelo fato de a classe escolar


hospitalar proporcionar ao aluno o não atraso nas atividades de sua rotina, e quando
reinserido na escola, estudos apontam que não se sentem prejudicados ou excluídos,
pois tiveram contato com uma equipe especializada de professores, que com um trabalho
humanizado e delicado executaram a sondagem necessária para que o aluno pudesse se
manter estudando dentro dos parâmetros necessários para que o prejuízo de ser afastado
do ambiente escolar não comprometesse seu ensino e aprendizagem.
REFERÊNCIAS

LIBÂNEO, José Carlos. Pedagogia e Pedagogos para quê? 4. ed. São Paulo, Cortez,
2001.

ALMEIDA, Ana Rita Silva. A afetividade no desenvolvimento da criança. Contribuições de


Henri Wallon. Inter-Ação: Revista da Faculdade de Educação da UFG, Goiânia, v. 33,
n. 2, p.343-357, julho-dezembro de 2008. Semestral. Disponível em:
<https://www.revistas.ufg.br/interacao/article/view/5271/4688>.

ALMEIDA, Luciana Inez Seehaber; COSTA, Gisele Maria Tonin da. Pedagogia
Empresarial: A importância da valorização humana na empresa. REI: Revista de
Educação do Ideau, Caxias do Sul, v. 15, n. 7, p.2-14, janeiro-junho. 2012. Semestral.
Disponível em: https://www.ideau.com.br/getulio/restrito/upload/revistasartigos/47_1.pdf

BALDOINO, Eduardo Ferreira; DOMINGUES, Glaucia Regina; ALVES, Karina de Oliveira;


CARMO, Pedro Henrique Silva do; GALVÃO, Simone da Silva; TEIXEIRA, Solmar dos
Santos. A Atuação do Psicólogo no Tratamento de Pacientes Terminais e Seus
Familiares. Psicologia Hospitalar, São Paulo, v. 11, n. 1, p.2-24, fev-jun. 2013.
Quadrimestral. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/ph/v11n1/v11n1a02.pdf

BEE, Helen; BOYD, Denise. A Criança em Desenvolvimento. 12. ed. Porto Alegre:


Artmed, 2011. 567 p.

BORGES, Maria Isolina Pinto. Introdução à Psicologia do Desenvolvimento. Porto:


Edições Jornal de Psicologia, 1987. 175 p.

BRASIL. Constituição Federal de 1988. Promulgada em 5 de outubro de 1988.


Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente, Câmera dos Deputados, Lei nº 8.069,


de 13 de julho de 1990. – Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília, DF.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9394, de 20 de


dezembro de 1996, Brasília – DF. Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm

BRASIL. Resolução n. 41, de 13 de outubro de 1995. Direitos da criança e do


adolescente hospitalizados. Brasília: Imprensa Oficial, 1995. Disponível em:
<http://www.mpdft.mp.br/portal/pdf/unidades/promotorias/pdij/Legislacao%20e
%20Jurisprudencia/Res_41_95_Conanda.pdf>.

FURTADO, LuisAchilles Rodrigues; VIEIRA, Camilla Araújo Lopes. A Psicanálise e as


Fases de Organização da Libido. Scientia, Sobral, vol. 2, n. 4, p.93-107, fevereiro de
2014. Semestral. Disponível em:
<http://www.faculdade.flucianofeijao.com.br/site_novo/scientia/servico/pdfs/Scientia_4/Psi
cologia/A_PSICANALISE_E_AS_FASES_DA_ORGANIZACAO_DA_LIBIDO_Luis_Achiller
_Rodrigues_Furtado_Camilla_Araujo_Lopes_Vieira.pdf>.
GIL, Antonio Carlos. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6. ed. São Paulo: Atlas,
2008. 200 p.

GOHN, Maria da Glória. Educação não-formal, participação da sociedade civil e estruturas


colegiadas nas escolas. Ensaios: Avaliações e Políticas Públicas em Educação, Rio
de Janeiro, v. 14, n. 50, p.27-38, janeiro-março de 2006. Trimestral. Disponível em:
http://www.scielo.br/pdf/ensaio/v14n50/30405.pdf

GOULART, Bárbara Niegia Garcia de; CHIARI, Brasília Maria. Humanização das práticas
do profissional de saúde: contribuições para reflexão. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de
Janeiro, v. 15, n. 1, p.255-268, agosto de 2007. Disponível em:
<http://www.scielo.br/pdf/csc/v15n1/a31v15n1.pdf>.

GUIMARÃES, Sueli ÉdiRufini; BORUCHOVITCH, Evely. O Estilo Motivacional do


Professor e a Motivação Intrínseca dos Estudantes: Uma perspectiva da Teoria da
Autodeterminação. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, vol. 17, n. 2, p.143-150,
junho de 2003. Quadrimestral. Disponível em:
<http://www.scielo.br/pdf/prc/v17n2/22466.pdf>.

HUMANIZAÇÃO. Disponível em: <https://www.dicio.com.br/humanizacao/>.

LAPLANCHE, Jean; PONTALIS, Jean-Bertrand. Vocabulário da Psicanálise. 4. ed. São


Paulo: Martins Fontes, 2001. 554 p.

LOSS, Adriana Salete. Para Onde Vai a Pedagogia? Os desafios da atuação do


profissional na pedagogia hospitalar. Curitiba: Appris, 2014. 121 p.

MATOS, Elizete Lúcia Moreira; MUGIATTI, Margarida Maria Teixeira de


Freitas. Pedagogia Hospitalar: A humanização integrando educação e saúde. 7. ed.
Petrópolis: Vozes, 2009. 181 p.

MIZUKAMI, Maria das Graças Nicoletti. Ensino: as abordagens do processo. São


Paulo: EPU, 1986. 119 p.

NASCIMENTO, Aretha Soares; FERNANDES, Fabíola Tunala; FERREIRA, Marta Justo;


PAIVA, Renata Aparecida; LISBOA, Rosimar Rodrigues; MACIEL, Rubiane Soares;
MUNERON, Selma Luiza. A atuação do pedagogo em espaços não escolares: desafios e
possibilidades. Pedagogia em Ação, Belo Horizonte, v. 2, n. 1, p.61-65, fevereiro-junho.
2010. Quadrimestral. Disponível em: <http://periodicos.pucminas.br/index.
php/pedagogiacao/article/view/4481>.

OLIVEIRA, Beatriz Rosana Gonçalves de; COLLET, Neusa; VIEIRA, Cláudia Silveira. A
Humanização na Assistência à Saúde. Revista Latino-americana de Enfermagem,
Ribeirão Preto, v. 14, n. 2, p.277-284, março-abril de 2006. Mensal. Disponível em:
http://www.scielo.br/pdf/rlae/v14n2/v14n2a19.pdf

PAULA, Ercilia Maria de; MENDONÇA, Fernando Wolff. Psicologia do


Desenvolvimento. 2. ed. Curitiba: IESDE Brasil, 2009. 164 p.
PEDAGOGIA. Disponível em: <https://www.dicio.com.br/pedagogia/>.
RODRIGUES, Janine Marta Coelho. Classes Hospitalares: O espaço pedagógico nas
unidades de saúde. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2012. 140 p.

SAVIANI, Dermeval. Pedagogia: O espaço da educação na universidade. Caderno de


Pesquisa, Campinas, v. 37, n. 130, p.99-134, Jan, 2007. Trimestral. Disponível em:
<http://www.scielo.br/pdf/%0D/cp/v37n130/06.pdf>.

SAVIANI, Dermeval. História das Ideias Pedagógicas no Brasil. 4 ed. Campinas:


Autores Associados, 2013. 472 p.

TAILLE, Yves de La; OLIVEIRA, Marta Kohl de; DANTAS, Heloysa. Piaget, Vigostki,
Wallon: Teorias psicogenéticas em discussão. 28. ed. São Paulo: Summus, 2019. 176 p.

WOLF, Rosângela Abreu do Prado. Pedagogia Hospitalar: a prática do pedagogo em


instituição não-escolar. Revista Conexão UEPG, Universidade Estadual de Ponta
Grossa, Ponta Grossa, v. 3, n. 1, p.47-51, janeiro-dezembro. 2007. Anual. Disponível em:
<https://www.revistas2.uepg.br/index.php/conexao/article/view/3836/5842>.
CRONOGRAMA DO TCC1

ENTREGA REVISÃO PESQUISA DE ANÁLISE DOS ESCRITA REVISÃO ENTREGA APRESENTAÇÃO


MÊS/ANO DO BIBLIOGRA CAMPO TEXTOS DO TEXTO ORAL
PROJETO FICA

MAIO/JUNHO 2019

AGO/SET 2019

OUT/NOV 2019

JAN/MARÇO 2020

ABRIL/JUNHO 2020

JULHO/AGO 2020

SET/OUT 2020

NOV 2020

1
O cronograma deverá conter as descrições nos quadros de acordo com as necessidades de cada pesquisa. Exemplo: se não houver pesquisa de campo, essa
coluna poderá ser retirada. Após o preenchimento, a nota de rodapé deverá ser descartada.