Você está na página 1de 2

DEFININDO UMA POLÍTICA AMBIENTAL E OS PLANOS DE AÇÃO DA

EMPRESA

O setor produtivo e as empresas estão caminhando para uma total incorporação e


conscientização dos custos para uma melhor conservação ambiental, o que implica
mudanças nos padrões de produção, comércio e consumo. O princípio 16 da
Declaração sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, durante a ECO-92 no Rio de
Janeiro, cita “Tendo em vista que o poluidor deve, em princípio, arcar com o custo
decorrente da poluição, as autoridades nacionais devem promover a internalização
dos custos ambientais e o uso de instrumentos econômicos, levando na devida conta o
interesse público, sem distorcer o comércio e os investimentos internacionais”. Em
tempos de globalização, vários requisitos e regras ambientais estão se definindo
adequando os custos associados ao produto, processo ou instalação. Esta
conformidade ambiental exige consciência e intensa participação dos setores
produtivos, de comércio e consumo. O desempenho ambiental de uma empresa, ou
seja, o resultado da gestão de seus aspectos ambientais, é, primordialmente, reflexo
do seu grau de conformidade a requisitos e princípios ambientais e da respectiva
visão e prática empresarial associada. Cada empresa situa-se em nível diferente de
desempenho ambiental, em função das suas próprias peculiaridades e respectivas
imposições externas.

As vantagens de um desempenho ambiental adequado são diversificadas,


economicamente sensíveis e mensuráveis. Elas se traduzem em maior aceitação de
produtos e serviços no mercado consumidor, eliminação de penalidades e multas,
redução e diluição de custos de minimização de impactos e recuperação de danos
ambientais, e diminuição do consumo de matéria prima, água e energia. Outras
vantagens competitivas também se sobressaem, tais como: a redução da possibilidade
de ocorrência de acidentes ambientais; a otimização do trabalho; a prevenção de
questões de responsabilidade civil ou criminal; a melhora do relacionamento da
empresa com o órgão ambiental e com a comunidade vizinha; o comprometimento
com a responsabilidade social empresarial; a melhoria da imagem da empresa perante
a opinião pública, e o aumento da credibilidade da empresa como fornecedora
eficiente e confiável.

Como organizar políticas e ações para respaldar o setor industrial no sentido da


melhoria do desempenho ambiental?
Aparentemente, numa abordagem inicial, seria plausível respaldar apenas ações
internas, preventivas ou corretivas, das empresas, exercitando especialmente as
práticas de controle da poluição.

Qual a abordagem ambiental proposta?


Apoiando-se nas considerações acima, distinguem-se quatro estágios diferenciados de
abordagem ambiental nos negócios, com foco tanto nos contextos empresarial e
setorial como no sistêmico. Esses estágios, resumidos a seguir, constituem a proposta
de abordagem ambiental:
1 – Conformidade legal: ou seja, atendimento a exigências ambientais estipuladas em
legislação. Tem caráter obrigatório.
2 – Conformidade normativa: corresponde ao atendimento voluntário às exigências
estabelecidas em normas técnicas ambientais de gestão e de processos, com eventuais
certificações. Tem caráter facultativo.
3 – Ecoeficiência: que contempla a adoção de processos de produção em
conformidade com os requisitos ambientais, considerando a avaliação dos impactos
no meio ambiente, a mensuração dos respectivos custos ambientais e o princípio da
melhoria contínua como fatores diferenciais.
4 – Econegócio: refere-se a inserção em mercados de padrões de consumo
ambientalmente responsável, a partir de pesquisa, geração ou fornecimento de
produtos e serviços sustentáveis que incorporem saltos tecnológicos significativos
para a conservação ambiental.

Conformidade é o ato de combinar atitudes, crenças e comportamentos para agrupar


normas.

Você também pode gostar