Você está na página 1de 2

A desigualdade no Brasil e seu crescimento na pandemia

Diogo Candido Sens - 06 - 2°D

Na reportagem de Marcelo Roubicek, publicada pelo jornal Nexo, no dia


13/09/2020, o repórter discorre sobre os problemas já grandes de desigualdade de
renda no país, e como essa desigualdade cresceu ainda mais durante a pandemia,
além de uma queda expressiva na renda por todas as classes brasileiras.
A desigualdade social tem sido um problema no Brasil há muito tempo, desde
antes de nossa independência, um problema que se torna ainda mais expressivo
quando a base da pirâmide social não recebe o suficiente para viver com o mínimo
de qualidade. No final de 2019, o índice Gini de desigualdade de renda total no
Brasil era 0,62, um número extremamente alto e indesejável.
A desigualdade vinha crescendo no Brasil desde 2015, quando vivíamos uma
crise econômica, e se arrastou até o último trimestre de 2019, quando houve uma
pequeníssima queda. Porém, logo no segundo trimestre deste ano, começou a
pandemia do coronavírus, que atingiu em cheio a economia. A queda total na renda
de trabalho dos brasileiros foi de 20,1%, embora a camada mais pobre teve sua
renda reduzida em mais de 25%. A desigualdade de renda do trabalho poderia ter
sido um baque ainda maior nos dados brasileiros de renda, se não fosse pelo
Auxílio Emergencial, programa do governo federal que assistenciou a camada mais
pobre.
O programa causou um fenômeno estranho: enquanto a desigualdade de
renda no trabalho aumenta, a desigualdade de renda total diminuiu a níveis
historicamente baixos durante a pandemia. Porém, essa diminuição é artificial e não
durará muito: no fim deste ano, o programa assistencialista irá acabar, e os níveis
de desigualdade de renda irão disparar se a economia não estiver aquecida até lá,
para reabsorver os trabalhadores que perderam seus empregos / tiveram cortes na
jornada para não os perderem.
A desigualdade no trabalho foi gerada, majoritariamente, pelos impactos da
pandemia e das quarentenas no Mercado. Os dois principais impactos identificados
na matéria de Marcelo são: A redução da jornada de trabalho, que empresas
negociaram com seus funcionários para não ter de demiti-los, o que acarretou numa
proporcional diminuição da renda; e os milhões de empregos perdidos, em
empresas que fecharam / não conseguiram manter todos seus funcionários.

Fontes:
https://cps.fgv.br/destaques/balanco-social-2019-o-brasil-chegou-ao-topo-da-
desigualdade
https://www.nexojornal.com.br/expresso/2020/09/13/O-aumento-na-desigualdade-
de-renda-do-trabalho-na-pandemia

Você também pode gostar