Você está na página 1de 9

23/02/16

AULA 4

Operações com vetores


no espaço

sl i d e 1 © 2 0 1 1 P
earso n P 1
ren tice Hal l . To do s os di rei tos reservad o s.

OBJETIVOS

§Vetor posição
§Vetor direção
§Expressar a força ao longo de uma reta.
§ Introduzir o produto escalar para
determinar o ângulo entre dois vetores ou
a projeção de um vetor sobre outro. 2

COMPETÊNCIAS E
HABILIDADES

• Competências
–Aplicar conhecimentos matemáticos, científicos,
tecnológicos e instrumentais à engenharia
• Habilidades
–Visualizar a aplicação dos conceitos básicos de mecânica
na engenharia
–Avaliar problemas de engenharia

1
23/02/16

VETOR POSIÇÃO

Um vetor posição r é
definido como um vetor rB
fixo que posiciona um
ponto no espaço em
rA
relação a outro.

VETOR POSIÇÃO

• Por exemplo, se r estende -


se da origem de
coordenadas, O, para o
ponto P (x, y, z) (Figura
2.35a), então r pode ser
expresso na forma de um
vetor cartesiano como:

VETOR POSIÇÃO

• Observe como a adição


vetorial ‘extremidade
para origem’ das três
componentes produz o
vetor r (Figura 2.35b).

2
23/02/16

Exemplo 1

Determine o vetor posição


rA, rB e rAB rB

rA
r AB

Exemplo 2

Determine o comprimento
da fita elástica esticada
entre os pontos A e B

Figura 2.36

2 -8

Figura 2.36

2 -9

3
23/02/16

Exemplo 3

Um cabo está esticado entre


os pontos O e A or uma
força F=-120i-80j-90k (N).
Se o cabo tem comprimento
de 1,02m, determine a
altura z do poste e as
coordenadas (x,y) da base.

2 -1 0

VETOR DE FORÇA ORIENTADO


AO LONGO DE UMA RETA

• Muitas vezes, em problemas de estática


tridimensionais, a direção de uma força
é definida por dois pontos pelos quais
passa sua linha de ação. Essa situação é
mostrada na Figura 2.38, na qual a força
F é direcionada ao longo da corda AB.
Pode-se definir F como um vetor
cartesiano pressupondo que ele tenha a
mesma direção e sentido que o vetor
posição r direcionado do ponto A ao
ponto B da corda. Essa direção em
comum é especificada pelo vetor
unitário u = r/r. Então,

11

PONTOS IMPORTANTES

§ Um vetor posição localiza um ponto no espaço em relação a outro


ponto.
§ A maneira mais simples de definir as componentes de um vetorposição
é determinar a distância e a direção que devem serpercorridas ao longo
das direções x, y, z, indo da origem para a extremidade do vetor.
§ Uma força F que atua na direção de um vetor posição r pode ser
representada na forma cartesiana se o vetor unitário u do vetorposição
for determinado e multiplicado pela intensidade da força, ou seja, F = Fu
= F(r/r).

12

4
23/02/16

Exemplo 4

O homem da figura puxa a


corda com uma força de
70lb. Represente esta
força como um vetor
cartesiano. Determine sua
direção.

Figura 2.38

2 -1 3

Figura 2.38

2 -1 4

PRODUTO ESCALAR

• Ocasionalmente, na estática, é preciso calcular o ângulo entre


duas linhas ou as componentes de uma força paralela e
perpendicular a uma linha. Em duas dimensões, esses
problemas são resolvidos facilmente pela trigonometria, uma
vez que a geometria é fácil de visualizar. Em três dimensões,
entretanto, é difícil e torna-se necessário empregar métodos
vetoriais para a solução. O produto escalar define um método
particular para ‘multiplicar’ dois vetores e será usado para
resolver os problemas mencionados anteriormente.
15

5
23/02/16

PRODUTO ESCALAR
• O produto escalar dos vetores A e B, escrito A . B e lido ‘A escalar B’, é definido
como o produto das intensidades de A e B e do cosseno do ângulo θ entre suas
origens (Figura 2.42). Expresso na forma deequação,

16

LEIS DAS OPERAÇÕES

• 1. Lei comutativa:

• 2. Multiplicação por escalar:

• 3. Lei distributiva:

17

FORMULAÇÃO DO VETOR
CARTESIANO

• i . i = (1)(1) cos 0° = 1
• i . j = (1) (1) cos 90° = 0.

Se quisermos determinar
o produto escalar de dois
vetores A e B expressos
na forma de um vetor
cartesiano, teremos:

18

6
23/02/16

PRODUTO ESCALAR
Efetuando as operações do produto escalar,
obtemos o resultado final:

sl i d e 1 9 © 2 0 1 1 P
earso n P 19
ren tice Hal l . To do s os di rei tos reservad o s.

APLICAÇÕES
O ângulo formado entre dois vetores ou linhas que se
interceptam. O ângulo θ entre as origens dos vetores A e B na
Figura 2.42 pode ser determinado pela Equação 2.12 e escrito
como:

sl i d e 2 0 © 2 0 1 1 P
earso n P 20
ren tice Hal l . To do s os di rei tos reservad o s.

VETORES PARALELOS E
PERPENDICULAR A UMA DIREÇÃO
• A componente do vetor A paralela a ou
colinear com a linha aa' na Figura 2.43
é definida por Aa, onde Aa = A cos θ.
Essa componente é algumas vezes
referida como a projeção de A sobre a
linha, visto que se forma um ângulo
reto na construção. Se a direção da
linha é especificada pelo vetor unitário
ua, então, como ua = 1, podemos
determinar a intensidade de Aa
diretamente do produto escalar
(Equação 2.12); ou seja,

21

7
23/02/16

VETORES PARALELOS E
PERPENDICULAR A UMA DIREÇÃO
A componente Aa representada como
um vetor é, portanto:

A componente de A que é
perpendicular à linha aa também
pode ser obtido (Figura2.43).

sl i d e 2 2 © 2 0 1 1 P
earso n P 22
ren tice Hal l . To do s os di rei tos reservad o s.

PONTOS IMPORTANTES

§ O produto escalar é usado para determinar o


ângulo entre dois vetores ou a projeção de um
vetor em uma direção especificada.
§ Da definição do produto escalar, o ângulo
formado entre as origens dos vetores Ae B é θ
= cos–1 (A. B/AB).
23

Exemplo 5
Determine as
componentes
perpendicular e
normal da força F em
relação à reta AB

Figura 2.43

2 -2 4

8
23/02/16

Figura 2.43

2 -2 5

Exemplo 6

Determine a
projeção da força de
80N ao longo da
linha BC. Expresse
esta força como um
vetor carteziano.

2 -2 6