Você está na página 1de 8

ISSN 1679-1150

Plantas Daninhas na Cultura do Milho

79 Plantas Daninhas

As plantas daninhas requerem para o seu desenvolvimento os mesmos fatores exigidos


pela cultura do milho, ou seja, água, luz, nutrientes e espaço físico, estabelecendo um
processo competitivo quando a cultura e as plantas daninhas se desenvolvem
conjuntamente. É importante lembrar que os efeitos negativos causados pela presença
das plantas daninhas não devem ser atribuídos exclusivamente à competição, mas sim
a uma resultante total de pressões ambientais, que podem ser diretas (competição,
alelopatia, interferência na colheita e outras) e indiretas (hospedar insetos, doenças e
outras). Esse efeito total denomina-se INTERFERÊNCIA. O grau de interferência
imposto pelas plantas daninhas à cultura do milho é determinado pela composição
florística (pelas espécies que ocorrem na área e pela distribuição espacial da
comunidade infestante) e pelo período de convivência entre as plantas daninhas e a
cultura. A competição por nutrientes essenciais é de grande importância, pois esses na
maioria das vezes, são limitados. Devido àa grande diversidade e densidade das
comunidades infestantes, cada indivíduo não poderá crescer de acordo com seu
Sete Lagoas, MG potencial genético, mas em consonância com as quantidades de recursos que
Dezembro, 2006
conseguir recrutar, na intensa competição a que está submetido. Por isso, em altas
densidades, o potencial de crescimento da comunidade é controlado por aquele recurso
Autores que, de acordo com as necessidades gerais da comunidade, apresentar-se em menor
quantidade no ambiente. Em relação à cultura do milho, mesmo esse sendo eficiente
Décio Karam
Ph.D em Ciência das Plantas na absorção, não consegue acumular nutrientes como as plantas daninhas fazem em
Daninhas Embrapa Milho e Sorgo
Cx. Postal 151, Sete Lagoas, seus tecidos. Em condições de competição onde o nitrogênio seria o nutriente de maior
MG.
correio eletrônico: limitação entre milho e planta daninha, a adubação nitrogenada merece especial
karam@cnpms.embrapa.br
atenção em condições de alta infestação.
André Luiz Melhorança
Pesquisador da Embrapa
Agropecuária Oeste, C.Postal A competição por espaço ocorre e a planta do milho assume uma arquitetura diferente
661, Dourados, MS
DS.c. em Plantas Daninhas daquela que possui quando cresce livre da presença de outras plantas, mudando o
correio eletrônico:
andre@cpao.embrapa.br posicionamento de suas folhas, porque o espaço que deveria ocupar já se encontra
Maurílio Fernandes de Oliveira ocupado por outra planta. É importante ressaltar que qualquer mudança na arquitetura
DS.c em Solos e Fisico-química
Ambiental da planta do milho representa sérios prejuízos na produção. A redução do espaçamento
Embrapa Milho e Sorgo Cx.
Postal 151, Sete Lagoas, MG. nas entrelinhas aumenta a radiação fotossinteticamente ativa interceptada pela cultura e
correio eletrônico:
maurilio.oliveira@cnpms.embrapa.br diminui a competição intra-específica por luz, água e nutrientes, devido à distribuição
mais uniforme das plantas. O índice de área foliar e a radiação fotossinteticamente ativa
interceptada pelo dossel são influenciados pela redução do espaçamento nas
entrelinhas, sendo o comportamento dependente do estádio fenológico, da densidade
de plantas, ao tipo de arquitetura do híbrido e ao sistema de manejo. Por outro lado, a
redução do espaçamento nas entrelinhas impede a entrada de luz e consequente
germinação das plantas daninhas. Associado a isto, a dessecação, o imediato plantio
em situações normais de umidade e temperatura e as adubações mais concentradas
2 Plantas Daninhas na Cultura do Milho

de nitrogênio favorecem o arranque inicial do milho em climáticas, e de propriedade a propriedade, devido às


relação à planta daninha. O termo alelopatia aplica-se variações de solo, população de plantas daninhas,
quando uma planta daninha libera substâncias químicas sistemas de manejo (rotação de culturas, plantio direto)
no meio, prejudicando o desenvolvimento de outro, etc. Portanto, é necessário que o produtor de milho
podendo ocorrer inclusive entre indivíduos da mesma tenha uma estimativa das perdas que as plantas
espécie. Diversas plantas daninhas possuem daninhas ocasionam em sua lavoura, pois ela servirá
capacidade alelopática que reduz o desenvolvimento do para avaliar quando e de que modo deve ser feito o
milho: como exemplo, o capim-arroz (Echinochloa controle.
crusgalli), o capim-colchão (Digitaria horizontalis) e o
capim-rabo-de-raposa (Setaria faberil). O grau de Beneficiar as condições de colheita
interferência das plantas daninhas pode variar de acordo
Os métodos de controle de plantas daninhas serão
com as condições climáticas e os sistemas de
usados também para beneficiar a colheita e não apenas
produção. No entanto, as perdas ocasionadas na
para evitar a competição inicial. As plantas daninhas
cultura do milho em função da interferência imposta
que germinam, emergem e crescem no meio da lavoura
pelas plantas daninhas têm sido descritas como sendo
do milho após o período crítico de competição não
da ordem de 13,1%, sendo que em casos onde não
acarretam perdas na produção. Entretanto, tanto a
tenha sido feito nenhum método de controle essa
colheita manual quanto a mecânica podem ser
redução pode chegar a aproximadamente 85%.
prejudicadas. No caso da colheita manual, a presença

Objetivos do Manejo Integrado de da espécie Mimosa invisa Mart. Ex Colla, popularmente

Plantas Daninhas conhecida como malistra ou dormideira, pode provocar


ferimentos nas mãos dos trabalhadores. A colheita
O manejo integrado visa eliminar as plantas daninhas mecânica quando realizada em lavouras com alta
durante o período crítico de competição, que é o período infestação de corda-de-viola (Ipomoea sp.) e trapoeraba
em que a convivência com as plantas daninhas pode (Commelinna sp.), pode ser inviabilizada, pois a
causar danos irreversíveis à cultura, prejudicando o máquina não consegue operar devido ao embuchamento
rendimento. Outro importante aspecto é dar condições dos componentes da plataforma de corte.
para que a colheita mecanizada tenha a máxima
eficiência, e evitar a proliferação de plantas daninhas, Evitar o aumento da infestação
garantindo-se a produção de milho nas safras
O terceiro objetivo do manejo integrado de plantas
seguintes. Portanto, ao usar algum método de controle
daninhas está ligado à produção sustentada. Ao
de plantas daninhas na cultura do milho, o produtor
terminar a colheita da safra, o produtor deve lembrar-se
deve lembrar-se de que os principais objetivos são:
de que a terra é um bem sagrado e que deve ser

a. evitar perdas devido à competição; conservada para as próximas safras. Se a terra é


deixada em pousio, as plantas daninhas irão sementear
b. beneficiar as condições de colheita; e aumentar a infestação. O banco de sementes das
plantas daninhas é o solo e, se nada for feito para evitar
c. evitar o aumento da infestação; e a produção de sementes, o número de plantas daninhas
emergindo a cada ano vai aumentar significativamente,
d. proteger o ambiente
as produções de milho cairão, a dependência do uso de
Evitar perdas devido à competição herbicidas aumentará, os custos de controle ficarão
mais elevados e, depois disso, o único jeito é
O importante é que o produtor entenda que as perdas abandonar a terra. Em um sistema de produção
podem variar de ano a ano, devido às condições sustentado, um dos fatores mais importantes é a
Plantas Daninhas na Cultura do Milho 3

manutenção da população de plantas daninhas em desejável para tornar a atividade agrícola


baixos níveis de infestação. Para isso, podem ser ambientalmente mais segura.
adotadas algumas técnicas como rotação de culturas e
semeadura de plantas de cobertura e de adubação Métodos de Controle de Plantas
verde. Culturas de cobertura, como nabo forrageiro, Daninhas
aveia, ervilhaca peluda, milheto, no período de
Diversos são os métodos de controle de plantas
entressafra, têm grande poder de supressão na
daninhas empregados na cultura do milho, dentre os
emergência e no desenvolvimento das plantas daninhas.
quais pode-se destacar:
Operações de pós-colheita, como a passada de uma
roçadeira ou a aplicação de herbicidas para dessecação Controle Preventivo
das plantas daninhas, também podem ser realizadas
para que não ocorra produção de sementes ou outros O controle preventivo tem como objetivo evitar a
propágulos. introdução ou a disseminação de plantas daninhas nas
áreas de produção. A legislação nacional estabelece a
Proteger o meio ambiente relação das espécies nocivas e seus respectivos limites
máximos específicos de tolerância para sementes de
Finalmente, o último objetivo do manejo integrado está
espécies daninhas toleradas e determina as proibidas.
ligado diretamente ao controle químico, que é
Isso evita que contaminem novas áreas utilizando
dependente do sistema de produção de milho adotado e
sementes com impurezas. A introdução de novas
consequentemente, do nível tecnológico do produtor
espécies geralmente ocorre por meio de lotes
rural. Para os produtores de alta tecnologia, o manejo
contaminados de sementes, máquinas agrícolas e
de invasoras é realizado quase que exclusivamente com
animais. A utilização de sementes de boa procedência,
herbicidas. Herbicidas são substâncias químicas que
livres de sementes de plantas daninhas e a limpeza de
apresentam diferentes características físico-químicas e,
máquinas e de implementos antes de cercas e de
portanto, um comportamento ambiental diferenciado.
estradas, em terraços, em pátios, em fontes de água e
Associado às características das substâncias, as
em canais de irrigação ou em qualquer lugar da
condições edafoclimáticas também afetam
propriedade são importantes para evitar a disseminação
diferentemente o destino dos herbicidas no ambiente.
de sementes e de outras estruturas de reprodução.
Dependendo das características, como o coeficiente de
adsorção (K ), a constante da lei de Henry e,
d
Controle Cultural
principalmente, a meia-vida do composto no solo, ar e
água (T ), o herbicida usado pode ser uma fonte de O método cultural normalmente é utilizado pelos
1/2
contaminação do ambiente. Produtos voláteis (que se agricultores mas não como uma técnica de manejo de
transformam em gases) poderão contaminar o ar, plantas daninhas. O método cultural visa a aumentar a
produtos lixiviáveis (que sofrem movimentação no perfil capacidade competitiva da cultura em detrimento das
do solo) poderão atingir o lençol de água subterrâneo e plantas daninhas. Menor espaçamento entrelinhas,
os herbicidas fortemente presos nos sedimentos maior densidade de plantio, época adequada de plantio,
poderão atingir depósitos de águas superficiais, por uso de variedades adaptadas às regiões, uso de
meio da erosão. Além das preocupações com a cobertura morta, adubações adequadas, irrigação bem
contaminação ambiental pela utilização dos produtos, a manejada, rotação de culturas são técnicas que
redução na eficiência agronômica dos mesmos nas permitem à cultura tornar-se mais competitiva com as
culturas é motivo de preocupação. A adoção de plantas daninhas. O plantio direto tem auxiliado no
métodos de controle de plantas daninhas que controle das plantas daninhas, especialmente no milho
minimizem ou dispensem o uso de herbicidas é safrinha, semeado após a lavoura de verão. Nesse
sistema, sem revolvimento do solo, o banco de
4 Plantas Daninhas na Cultura do Milho

sementes na parte superficial do solo tende a reduzir, dias quentes e secos, com o solo com pouca umidade,
diminuindo a germinação dos propágulos. A rotação de aprofundando-se as enxadas o suficiente para o
culturas, além de muitas outras utilidades, é praticada arranquio ou o corte das plantas daninhas. Quando as
como meio de prevenir o surgimento de altas plantas de milho encontrarem-se de 4 a 6 folhas utilizar
populações de certas espécies de plantas daninhas enxadas do tipo asa de andorinha para evitar danos no
mais adaptáveis a determinada cultura. Para que a sistema radicular do milho pois o mesmo encontra-se
cultura do milho tenha vantagem competitiva em relação superficial. A produtividade desse método é de
às plantas daninhas, é importante que se tenha aproximadamente 0,5 a 1 dia.homem por hectare
adequado espaçamento. Em termos práticos, o bom (tração animal) e 1,5 a 2,0 horas por hectare
espaçamento é aquele que permite a cobertura do solo, (tratorizada).
quando a cultura atinge seu pleno desenvolvimento
Controle Químico
vegetativo, devendo ser diferenciado para os diversos
híbridos e variedades e condições edafoclimáticas. O controle químico consiste na utilização de produtos
herbicidas para o controle das plantas daninhas, sendo
Controle Mecânico de Plantas Daninhas necessário o registro dos produtos no Ministério da
Capina Manual Agricultura. Em algumas situações as Secretarias
Estaduais de Agricultura podem proibir o uso de
Esse método é amplamente utilizado em pequenas determinado(s) produto(s). Ao se pensar em controle
propriedades. Dos 350 milhões de produtores no químico em milho, algumas considerações devem ser
mundo, estimados nos anos 80, aproximadamente 250 feitas: i - a seletividade do herbicida para a cultura; ii - a
milhões usavam algum tipo de capina manual. eficiência no controle das principais espécies na área
Normalmente de duas a três capinas com enxada são cultivada; e iii - o efeito residual dos herbicidas para as
realizadas durante os primeiros 40 a 50 dias após a culturas que serão implantadas em sucessão ao milho.
semeadura, pois a partir daí o crescimento do milho O uso de herbicidas, por ser uma operação de maior
contribuirá para a redução das condições favoráveis custo inicial, é indicado para lavouras médias e grandes
para a germinação e o desenvolvimento das plantas e com alto nível tecnológico onde a expectativa é de
daninhas. A capina manual deve ser realizada uma produtividade acima de 4.000 kg/ha. Embora seja,
preferencialmente em dias quentes e secos e com o ultimamente, o método de controle com maior nível de
solo com pouca umidade. Cuidados devem ser tomados crescimento, o controle químico, se utilizado
para evitar danos às plantas de milho, principalmente às indiscriminadamente, pode vir a causar problemas de
raízes. Esse método de controle demanda grande contaminação ambiental. Cuidados adicionais devem
quantidade de mão-de-obra visto que o rendimento da ser tomados com o descarte de embalagens, o
operação é de aproximadamente 8 dias homem por armazenamento, o manuseio e a aplicação dos
hectare. herbicidas.
Capina Mecânica
Os herbicidas registrados para uso na cultura do milho
A capina mecânica usando cultivadores, tracionados por podem ser vistos nas Tabelas 1 e 2. O seu uso está
animais ou tratores, ainda é o sistema mais utilizado no vinculado aos cuidados normais recomendados nos
Brasil. As capinas devem ser realizadas nos primeiros rótulos pelos fabricantes e à assistência de um técnico
40 a 50 dias após a semeadura da cultura. Nesse da extensão oficial ou do distribuidor.
período, os danos ocasionados à cultura são
Métodos de Aplicação de Herbicidas
minimizados comparados com os possíveis danos
(quebra e arranquio das plantas de milho) em capinas A eficiência de um herbicida está intimamente
realizadas tardiamente. A exemplo da capina manual, o relacionada à sua aplicação, que deve ser feita de
cultivo mecânico deve ser realizado superficialmente em maneira uniforme e utilizando-se os equipamentos
Plantas Daninhas na Cultura do Milho 5

adequados a cada tipo de situação. Os problemas época de controle das plantas daninhas, a aplicação,
verificados na ineficiência do controle de plantas principalmente via pivô central pode apresentar riscos
daninhas na maioria dos casos estão relacionados à de contaminação ambiental e aumento do tempo de
tecnologia de aplicação. Cerca de 46% dos problemas aplicação.
das aplicações ocorrem na calibragem do pulverizador,
Normas Gerais Para o Uso de Defensivos
5% na mistura de produtos e 12% na combinação da
Agrícolas
calibragem e da mistura de produtos. Por outro lado,
mais de 90% dos herbicidas ainda são aplicados via Antes da aquisição de qualquer defensivo agrícola deve-
trator (sistemas hidráulicos), embora a aplicação via se fazer uma avaliação correta do problema e da
água de irrigação tenha aumentado nos últimos anos. necessidade da aplicação. Não adquira nenhum
defensivo agrícola sem receituário agronômico e
Terrestre
verifique a data de validade evitando comprar produtos
A calibragem do sistema de aplicação terrestre deve ser vencidos e com embalagens danificadas. Não aplique
realizada preferencialmente no local da aplicação defensivos agrícolas sem estar vestindo os
observando-se os fatores que interferem na eficiência Equipamento de Proteção Individual (EPI) necessários.
dos herbicidas. Os equipamentos tratorizados Fazer a tríplice lavagem da embalagem após o uso e
apresentam quatro componentes básicos: tanque, inutilizá-la por meio de furos. Toda embalagem vazia e
regulador de pressão, bomba e bicos de aplicação, que inutilizada de qualquer defensivo agrícola deverá ser
devem ser sempre verificados, evitando defeitos ou retornada aos pontos de compra (oriente-se junto ao
entupimentos que possam vir a tornar a aplicação vendedor). Cumpra as suas obrigações e exija seus
ineficiente. direitos de consumidor.

Aérea Manejo de Plantas Daninhas no Milho


A principal vantagem da aplicação aérea em relação às
“Safrinha”
aplicações terrestres tratorizadas ou manual é o menor As práticas de controle a serem adotadas no milho
tempo gasto para tratar uma mesma área. Esse método “safrinha” ou milho de segunda época, que é semeado
é economica e tecnicamente viável somente em áreas em sua maioria após a cultura de verão no final de
extensas e planas. Aplicações aéreas apresentam alto fevereiro e início de março, devem levar em conta que o
risco de contaminação ambiental em função do alto plantio do milho nesse período apresenta maior risco e
risco de deriva, devendo portanto sempre ser produção menor que a época normal. Nesse período a
acompanhada por um técnico responsável. temperatura do solo é menor, fazendo com que a
emergência e o desenvolvimento das plantas daninhas
Via irrigação
sejam menores e, por conseguinte, a pressão exercida
A aplicação de herbicidas via água de irrigação é por elas é reduzida, especialmente as gramineas, que
conhecida como herbigação. Embora a adoção desse tem como época preferencial de emergência os meses
método de aplicação tenha aumentado nos últimos de outubro a dezembro. Somado a isso, a presença de
anos ainda não existem herbicidas registrados para palhada após a colheita da cultura antecessora ao
essa modalidade. Além disso apenas alguns herbicidas milho aumenta a supressão das invasoras, reduzindo a
possuem características favoráveis à aplicação com competição.
água de irrigação. Embora a herbigação apresente
É importante lembrar que alguns herbicidas de efeito
como vantagens a redução do custo de aplicação, o
residual longo utilizados nas culturas de verão, como
aumento da atividade herbicida, maior uniformidade de
exemplo o imazaquim utilizado na cultura da soja,
aplicação e maior compatibilidade com o sistema de
podem causar prejuízos ao desenvolvimento do milho
plantio direto por não haver trânsito de máquinas na
que é plantado em seqüência.
6 Plantas Daninhas na Cultura do Milho

Tabela 1. Alternativas de herbicidas pré-emergentes para o controle de plantas daninhas na cultura do


milho. Embrapa Milho e Sorgo. Sete Lagoas, MG. 2004.
NOME COMUM NOME COMERCIAL CONCENTRAÇÃO DOSE
(g/L ou g/kg) i.a kg/ha Comercial
(kg ouL/ha)
1
acetochlor Kadett CE 840 2,52 – 3,36 3,0 – 4,0
Kadett 840 2,52 -3,36 3,0 – 4,0
Surpass 768 2,00 – 4,00 2,6 – 5,2
1
alachlor Alachlor Nortox 480 2,40 – 3,36 5,0 – 7,0
Laço CE 480 2,40 – 3,36 5,0 – 7,0
1
achlor + atrazine Alachlor + Atrazina SC Nortox 240 + 250 2,94 – 3,43 6,0 – 7,0
Boxer 300 + 180 3,36 – 4,32 7,0 – 9,0
Agimix 260 + 260 3,12 – 4,16 6,0 – 8,0
Alazine 500 SC 250 + 250 3,50 + 4,00 7,0 – 8,0
amircabazone Dinamic 700 0,28 0,4
atrazine Atranex 500 SC 500 2,00 – 2,50 4,0 – 5,0
Atrazina Nortox 500 SC 500 1,50 – 3,25 3,0 – 6,5
Atrazine Atanor 50 SC 500 2,00 – 3,00 4,0 - 6,0
Atrazinax 500 500 1,50 – 3,25 3,0 – 6,5
Coyote 500 2,50- 3,00 5,0 – 6,0
Genius WG 900 0,90 – 2,70 1,0 – 3,0
Gesaprim 500 Ciba Geigy 500 2,00 – 2,50 4,0 – 5,0
Herbitrin 500 BR 500 2,00 – 2,50 4,0 – 5,0
Proof 500 2,00 -2,50 4,0 – 5,0
Siptran 500 SC 500 2,00 – 2,50 4,0 – 5,0
Siptran 800 WP 800 2,40 – 3,20 3,0 – 4,0
Gesaprim GRDA 880 1,76 – 3,08 2,0 –3,5
atrazine + Guardsman 320 + 280 4,0 – 5,0
dimetenamide
2
zine + isoxaflutole Alliance WG 830 + 34 1,245 + 0,051 1,5 - 2,0
1,660 + 0,068
atrazine + Primaiz Gold 370 + 230 1,95 – 2,40 3,25 – 4,0
s-metolachlor Primagran Gold 370 + 230 1,95 – 2,40 3,25 – 4,0
Primestra Gold 370 + 290 2,15 – 2,97 3,25 – 4,50
azine + simazine Actiomex 500 SC 250 + 250 2,00 – 3,00 4,0 – 6,0
Atrasinex 500 SC 250 + 250 1,75 – 3,50 3,5 – 7,0
Extrazin SC 250 + 250 1,80 – 3,40 3,6 – 6,8
Herbimix SC 250 + 250 3,00 - 3,50 6,0 – 7,0
Primatop SC 250 + 250 3,00 – 4,00 6,0 – 8,0
Triamex 500 SC 250 + 250 1,75 – 3,0 3,5 – 6,0
Controller 500 SC 250 + 250 1,75 – 3,0 3,5 – 6,0
3
cyanazine Bladex 500 500 1,50 – 2,25 3,0 – 45
2,4-D Aminol 806 670 1,70 – 2,30 2,5 – 3,5
Capri 720 1,40 – 2,20 2,0 – 3,0
Deferon 400 1,20 – 1,80 3,0 – 4,5
DMA 806 BR 670 1,70 – 2,30 2,5 – 3,0
Esteron 400 BR 400 1,20 – 1,80 3,0 – 4,5
Herbi D-480 400 1,20 – 1,80 3,0 – 4,5
Tento 867 CS 720 1,40 – 2,20 2,0 – 3,0
U 46 D – Fluid 2,4-D 720 1,40 – 2,20 2,0 – 3,0
dimethenamide Alliance SC 20 50 - 80 2,5 – 4,0
Zeta 900 900 1,125 1,25
2
isoxaflutole Provence 750 WG 750 60 80
linuron Linurex Agricur500PM 500 0,6 – 2,0 1,2 – 4,0
Afalon SC 450 0,72 – 1,49 1,6 – 3,3
4
s-metolachlor Dual Gold 960 1,44 – 1,68 1,5 – 1,750
5
pendimethalin Herbadox 500 CE 500 1,00 – 1,75 2,0 – 3,5
5
simazine Herbazin 500 BR 500 1,5 – 2,5 3,0 – 5,0
Sipazina 800 PM 800 1,6 – 4,0 2,0 – 5,0
trifluralin Premerlin 600 CE 600 1,8 – 2,4 3,0 – 4,0
Novolate 600 0,54 -2,40 0,9 – 4,0
Trifluralina Nortox Gold 450 1,35 – 2,25 3,0 – 5,0
1
Utilizar a maior dose em solos com teor de material orgânica superior a 5%.
Plantas Daninhas na Cultura do Milho 7

Tabela 2. Alternativas de herbicidas pós-emergentes para o controle de plantas daninhas na cultura do


milho. Embrapa Milho e Sorgo. Sete Lagoas, MG. 2004.
NOME COMUM NOME COMERCIAL CONCENTRAÇÃO DOSE
(g/L ou g/kg) i.a kg/ha Comercial
(kg ou L/ha)
alachlor + atrazine Agimix 260 + 260 3,12 – 4,16 6,0 – 8,0
1
ametryne Ametrina Agripec 500 1,50 – 2,00 3,0 – 4,0
Gesapax 500 Ciba Geigy 500 1,50 – 2,00 3,0 – 4,0
Gesapax GRDA 785 1,57 – 1,96 2,0 – 2,5
amircabazone Dinamic 700 0,28 0,4
amônio-glufosinato Finale 200 0,40 1,5
atrazine + bentazon Laddok 200 + 200 0,96 – 1,20 2,4 – 3,0
atrazine + glyphosate Gillanex 225 - 125 1,40 -2,10 4,0 – 6,0
atrazine + s- Primaiz Gold 370 + 230 1,95 – 2,40 3,25 – 4,0
metolachlor Primagran Gold 370 + 230 1,95 – 2,40 3,25 – 4,0
Primestra Gold 370 + 290 2,15 – 2,97 3,25 – 4,50
2
atrazine + óleo vegetal Posmil 400 + 300 2,0 – 2,8 5,0 – 7,0
Primóleo 400 + 300 2,0 – 2,4 5,0 – 6,0
atrazine + simazine Actiomex 500 SC 250 + 250 2,00 – 3,00 4,0 – 6,0
Atrasinex 500 SC 250 + 250 1,75 – 3,50 3,5 – 7,0
Extrazin SC 250 + 250 1,80 – 3,40 3,6 – 6,8
Herbimix SC 250 + 250 3,00 - 3,50 6,0 – 7,0
Primatop SC 250 + 250 3,00 – 4,00 6,0 – 8,0
Triamex 500 SC 250 + 250 1,75 – 3,0 3,5 – 6,0
Controller 500 SC 250 + 250 1,75 – 3,0 3,5 – 6,0
bentazon Basagran 480 480 0,72 1,5
Basagran 600 600 0,72 1,2
Banir 480 480 0,72 – 1,2 1,5 – 2,5
3
2,4-D Aminamar 806 1,21 1,5
Aminol 806 806 0,40 – 1,21 0,5 – 1,5
Capri 868 0,87 – 1,09 1,0 – 1,25
Deferon 502 0,30 – 0,45 0,6 – 0,9
DMA 806 BR 806 1,21 1,5
Navajo 970 0,39 – 1,65 0,4 – 1,7
Tento 867 SL 867 1,73 2,0
U 46 BR 806 0,40 – 1,21 0,5 – 1,5
U 46 D – Fluid 2,4-D 806 1,21 1,5
Weedar 806 806 0,40 – 1,21 0,5 – 1,5
2,4 D Agripec 867 1,73 2,0
2,4 D Amina 72 698 0,70 – 1,05 1,0 – 1,5
glyphosate Várias marcas comerciais
imazapic + imazapyr Onduty 525 + 175 52,0 + 17,5 100
mesotrione Callisto 480 0,144 – 0,192 0,3 – 0,4
4
nicosulfuron Nicosulfuron Nortox 40 SC 40 50 – 60 1,25 -1,5
Nippon 40 SC 40 52 – 60 1,3 – 1,5
Nissin 750 52,5 – 60 70 - 80
Sanson 40 SC 40 50 – 60 1,25 – 1,50
foramsulfuron + Equip Plus 300 - 20 0,038 – 0,048 120 - 150
iodosulfuron methyl
5
dicloreto de paraquate Gramoxone 200 200 0,3 –0,6 1,5 – 3,0
Paradox 200 0,3 – 0,6 1,5 – 3,0
sulfosate Touchdown 480 0,48 – 2,88 1,0 – 6,0

1
Utilizar nas entrelinhas após o estádio de 50cm de altura do milho. Adicionar adjuvante.
2
Aplicar quando as gramíneas estiverem no estádio de 3 folhas e as folhas largas no estádio
de 6 folhas.
3
Aplicar com o milho com no máximo 4 folhas, antes da formação do cartucho.
4
Não utilizar em misturas com inseticidas organofosforados. Verificar susceptibilidade de
cultivares.
5
Aplicar nas entrelinhas quando o milho estiver com mais de 8 folhas.
8 Plantas Daninhas na Cultura do Milho

Circular Exemplares desta edição podem ser adquiridos na: Comitê de Presidente: Antônio Álvaro Corsetti Purcino
Técnica 79 Embrapa Milho e Sorgo publicações Secretário-Executivo: Cláudia Teixeira Guimarães
Endereço: MG 424 Km 45 Caixa Postal 151 CEP Membros: Carlos Roberto Casela, Flávia França
35701-970 Sete Lagoas, MG Teixeira, Camilo de Lelis Teixeira de Andrade,
Fone: (31) 3779 1000 José Hamilton Ramalho, Jurandir Vieira Magalhães
Fax: (31) 3779 1088
E-mail: sac@cnpms.embrapa.br Expediente
Editoração eletrônica: Tânia Mara Assunção Barbosa
1a edição
1a impressão (2006): 200 exemplares