Você está na página 1de 6

Transcrição Aula 1 - Apresentação

Esta aula está separada em quatro partes:


-A história da Geografia;
-Principais Geógrafos e suas ideias;
-Transição da Geografia e seu estudo;
-Nosso ano letivo

Geografia = de origem Grega; Geo = Terra; Grafia = descrição, fonética ou desenho.


A Geografia passa por muitas mudanças no decorrer da História humana, assim eu
acredito que antes de entender a Geografia hoje, devemos entender suas mudanças, pois em
cada momento ele serviu a um propósito para humanidade e esses propósitos vão dando corpo
a Geografia. Aliás, entender suas mudanças é entender um conceito muito importante da
Geografia: os processos.

-História da Geografia

Os saberes geográficos, junto com os saberes da Astronomia ou da Matemática, é um


dos mais antigos conhecimentos da humanidade. Tão antigos que demorou até esses saberes
serem chamados de Geografia, sendo esse nome, Geografia, usado pela primeira vez na só
Grécia Antiga, reunindo todos os saberes sob essa matéria. Vale dizer que por muito tempo a
Geografia estava atrelada a Astronomia como parte de seu estudo, enquanto a Astronomia
estudava tudo aquilo fora da orbita da Terra, a Geografia estudava a Terra em si. E o que era os
conhecimentos geográficos? Como eles eram estudados?
Os conhecimentos geográficos acompanharam a humanidade desde seu início como
espécie. O senso de direção, de se localizar, de conhecer e lembrar de lugares ou de onde esteve
é algo que parte de dentro do ser humano, é um conhecimento atrelado ao viver humano. A
interação do ser humano com o local onde está, o meio ou Espaço, cria o conhecimento
geográfico, esse é um importante conceito da Geografia, o Espaço. Mas com a evolução
humana e o avançar da história, novos conhecimentos vão sendo criados, como a agricultura.
Com ela os conhecimentos de solo, de clima, de hidrografia, de meteorologia, ampliam
os conhecimentos geográficos. Saber onde plantar, qual solo é melhor, quando chove, onde
chove, qual a melhor época para plantar, são conhecimentos que alteram a vida humana e a
Geografia. A agricultura traz também um novo leque de conhecimentos que a Geografia
estudará: o trabalho e a produção, estudados pela Geografia Humana principalmente depois da
Revolução Industrial.
São inúmeras as áreas em que o conhecimento geográfico foi aplicado, mas existem
duas áreas em que esses conhecimentos foram de extrema importância para humanidade: a
Guerra e a Navegação.
A Arte da Guerra é um dos livros mais vendidos na história, escrito há mais de 2500
anos atras por Sun Tzu, um general Chines, e antes (de hoje em dia) ser utilizado como
estratégias no mercado corporativo ele foi escrito para Guerra. Muitos foram os comandantes,
como Napoleão, que utilizaram esse livro para guerra. E um de seus capítulos é o Terreno.
Conhecer o terreno da batalha pode ser uma vantagem contra o inimigo. Conhecer o terreno é
um conhecimento geográfico, e aqui encontramos outro conceito importante da Geografia, a
Descrição do Espaço. Conhecer os terrenos é saber seu relevo, suas características, o clima,
quais seus recursos, saber descrever o terreno cria um novo conhecimento, o da Geografia
Física.
A Navegação possibilitou muitos caminhos para sociedade, o comércio distante, o
encurtamento das distancias e talvez a maior de todas: a descoberta de novos continentes. Mas
para isso muitos dos conhecimentos geográficos foram utilizados, novamente saber se localizar,
por meio das estrelas e outros instrumentos, foi muito importante para os navegadores. E os
mapas os ajudaram nessas viagens. A Cartografia é um saber muito antigo, desde antes das
navegações. Saber fazer cartas, ou mapas, é o mesmo que saber colocar a Descrição do
Espaço, aquilo que se vê, no papel. Onde se localizam os recursos, os pontos de interesse ou
de referência, as rotas e as cidades é um avanço enorme em relação ao senso de direção. Com
as grandes navegações a Cartografia ganha mais do que nunca um papel muito importante e um
avanço nas Técnicas de produção. Conhecer os portos, as rotas marítimas, os terrenos, dá ao
homem um grande poder.
Mas Geografia só se transforma em ciência a partir do Séc. 18, com o início do
Capitalismo. Nessa época é quando surgem várias ciências que temos hoje em dia. Se
transformar em ciência significa ter um Objeto, algo que a matéria vai estudar. E estudar esse
algo (Objeto) é investigar e comprovar por meio de fatos, dados ou teorias que ele existe ou
como ele funciona, tendo cada matéria sua maneira de realizar isso. Assim até o final do Século
18, a Geografia era um conhecimento Descritivo da Terra, descrevia seus atributos e utilizava
essa descrição para se localizar e utilizar o Espaço. Após o final do Séc. 19 e o início do 20, a
Geografia começa a se tornar a Ciência que estudo o Espaço propriamente.

-Principais Geógrafos e suas ideias

Ou os pais e avôs da Geografia.

-Friedrich Ratzel – O “pai” da Geografia Humana e da Geopolítica - Alemão – Criador


da Escola Geográfica Alemã Determinista - Séc. 19-20
Determinismo – o Homem é resultado do meio em que vive e assim o homem deve se
adaptar a esse meio. Ratzel acreditava que o meio ambiente em que uma pessoa vive determina
os seus atributos, tanto físicos como psicológicos. Assim o espaço determinaria altura, peso,
força e até mesmo agressividade ou passividade das pessoas.
Espaço Vital - Espaço é vital para vida humana, pois é nele que se acha as Recursos
necessários para vida ou para uma Sociedade prosperar. É no Espaço que se acham os recursos
estratégicos para uma sociedade, por exemplo, enriquecer. Esse conceito dá embasamento, ou
um porque, para as Grandes Guerras. Expandir o Espaço Vital é o mesmo que expandir os
recursos, assim o expansionismo das fronteiras gerou as Grandes Guerras.

-Alexander von Humboldt – pode se dizer que foi o "Pai” da Geografia Física - Nascido
na atual Alemanha - Séc. 18-19

Humboldt foi um cientista que viajou por toda parte do mundo, principalmente na
América no final do Séc. 18 e início do 19. Em suas viagens descreveu e descobriu muito dos
Espaços da América, anotava e descrevia os tipos de mata, de rios, de relevo, de solos, de clima,
de animais, de tribos. Descobriu diferentes tipos de vida, de flores e contribuiu com muitas
teorias que hoje se provam verdadeiros conceitos, como o de Ecossistemas, de Zonas Climáticas
e até mesmo contribui para as produções de Charles Darwin. Seus estudos criaram a Geografia
Física, que estuda os aspectos físicos do Espaço. Não só isso, sua maior contribuição foi para o
entendimento de que o Espaço exerce uma função muito importante na sociedade alterando essa
sociedade e essa mesma sociedade fazia parte de um sistema Natural, o Espaço Natural.

-Karl Ritter – criador da Geografia Comparada – Alemão - Séc. 19

Geografia Comparada – Karl Ritter leu muitos dos artigos e livros sobre Geografia,
sociedade, economia, escritos em sua época, inclusive os de Humboldt. Assim sua teoria do
estudo de Geografia se baseava no estudo de uma determinada área, seja suas características
físicas ou humanas, depois de observada e catalogadas seus atributos únicos, essa área deveria
ser comparada com outras áreas apontando semelhanças e principais diferenças entre elas e
entendendo aquele Espaço na comparação. Assim desenvolvendo os conceitos de Região e o
Todo. Diferente de Humboldt, acreditava que o homem era alterado pelo Espaço, mas também
altera o Espaço a seu favor por meio das técnicas. Além do mais, contribui para sistematizar a
Geografia, maneiras de como deve ser feito o estudo de Geografia

-Paul Vidal de la Blache – Criador do Possibilismo Geográfico - Frances - Criador de


Geografia Francesa Moderna e da corrente Francesa de Geografia Humana - Séc. 19-20

Possibilismo Geográfico - o Homem altera e é alterado pelo meio em que vive, assim
gerando diversas possibilidades para ação humana. Oposto a Ratzel, la Blache dizia que o
homem pode alterar o meio em que vive criando possibilidades para Homem, possibilidades de
escolher seu futuro e quem ele é. Assim la Blache acreditava que o homem não é fruto do meio
e nem precisa se adaptar ao meio em que vive, como dizia Ratzel, o homem pode transformar
o meio que vive em a seu favor e se transformar também.

-Milton Santos – Criador da Geografia Crítica - Brasileiro – Criador da Nova Geografia


Brasileira - Década de 1970-1990

Posicionamento Crítico - Critica ao poder capitalista exercido principalmente pelos


países de primeiro mundo. Formação de um cidadão crítico quanto sua realidade, os porquês
das coisas, diferente da velha Geografia Brasileira que priorizava somente decorar e descrever
conceitos geográficos, a nova Geografia que Milton Santos propõe tenta entender o cotidiano e
as relações que levam a essa realidade. Por trás das situações econômicas, políticas, culturais e
socias do nosso cotidiano existem conexões com todas as partes do mundo, entender como o
mundo se conecta é entender a Globalização e o Capitalismo, segundo Milton Santos.
Geografia como ciência das Técnicas - A globalização trouxe novas técnicas
(conhecimentos) para o mundo todo e essas técnicas levam a novas tecnologias que o homem
utiliza para modificar o espaço. A Globalização trouxe o Meio Técnico-Informacional que se
instala em todos os países, graças a Globalização, sem se importar se o meio em que se instala
é capaz de suportar essas novas técnicas e tecnologias, assim ignora a Cultura e a História do
povo, se sobrepõe e acaba gerando mais desigualdade e mais oposição entre os países
desenvolvidos e subdesenvolvidos.

-Transições da Geografia e seu estudo

Olhando para a história da Geografia é possível perceber que ela passa por vários
momentos. Quando ainda era só um conhecimento humano, antes de ser ciência, ela era algo
sentido, olhava-se a paisagem, notava-se pontos relevantes. Depois com a cartografia e as
grandes navegações, seu estudo ganha mais foco, com a aplicação dos mapas para viagens, a
mera descrição se transforma em um produto, o mapa, que auxilia os povos a se locomoverem
pelo mundo com ajuda de alguns instrumentos. Finalmente no séc. 18, com a Revolução
Industrial e o evoluir do capitalismo, a Geografia ganha um corpo, ou seja, cada vez mais
pensadores e estudiosos de diversas áreas do conhecimento começam a notar o papel importante
da Geografia, escrevendo teorias e artigos científicos sobre ela para tentar entender o mundo.
Esses artigos começam a ser utilizados para criar a Geografia como uma ciência, que tem um
objetivo: estudar o espaço da Terra. Como vimos, cada teórico tem sua maneira de estudar o
espaço, mas o Determinismo de Ratzel se manteve como uma forte corrente do pensamento
Geográfico no mundo e principalmente no Brasil. Junto ao Determinismo, o Positivismo
manteve a Geografia como uma matéria de conhecimento decorativo, principalmente nas
escolas, o conteúdo de Geografia era um conteúdo decorativo. O estudo do Espaço era feito
somente com aquilo que se podia comprovar ou por aquilo que pode ser visto. (Positivismo:
linha de pensamento que só acredita naquilo que pode ser mensurável ou palpável, só acredita
naquilo que pode ser comprovado, empirismo, comprovação por meio de provas reais,
repudiando tudo aquilo que é etéreo ou o pensamento reflexivo sem comprovação).
Mas com a Geografia de Milton Santos, a Geografia Crítica ou a Nova Geografia, essa
matéria muda de enfoco. O estudo do Espaço ou da Interação da Sociedade com a Natureza
no Espaço, quebra totalmente com o pensamento retrógado e eleva a Geografia a um novo
patamar. Para Milton Santos, saber de cor os nomes de rios e cidades é apenas uma parte de
contribuição para o estudo Geográfico. O avanço do Capitalismo com a Globalização fez com
que a sociedade mudasse e já que a Geografia estuda a sociedade, a própria Geografia também
deveria mudar. Essa mudança trouxe a reflexão crítica da história da humanidade e junto com
isso, um leque de estudos de outras matérias, como a Economia, Sociologia, Estatística,
Ciências Políticas, Direito, entre outras, para serem usadas como ferramentas no entendimento
do novo Espaço produzido. Assim Milton Santos cria no Brasil o que pode ser chamar de
Geografia dos Oprimidos. Ela entende que o Capitalismo criou classes e Nações mais
poderosas e dominantes, assim insere a Geografia nessa discussão. Nas Escolas, onde nós
estamos agora, essa matéria tem um novo objetivo: por meio da Geografia, o aluno possa
analisar e ler o mundo em que vive de forma crítica, entendendo as relações que estão por trás
das situações do cotidiano. Entender as Relações que se dão no Espaço e assim ter um ensino
libertador. Milton Santos é considerado o maior Geografo de seu tempo, seus estudos
influenciaram a Geografia Mundial, mudando sua direção e por isso, recebeu muitos prêmios e
glorias.
Todos os processos que a Geografia sofreu em todos esses anos ainda são relevantes
para seu estudo hoje em dia. Faz parte do processo de ensino de Geografia a Observação e
Descrição daquilo que é visto. Observar uma Paisagem e saber identificar o que está sendo
visto é Geografia. Refletir sobre o que é visto no dia-a-dia é fazer Geografia. A contribuição
da Geografia Física e Humana levou o homem a entender que estes dois elementos, o
Homem e a Natureza estão interligados.

-Nosso ano letivo

1° SEMESTRE
MÊS CONTEÚDO N° AULAS
Março Apresentação, Introdução, Planeta Terra, 9
Movimentos, Geologia Geral, Climas e Ecossistemas
Abril Espaço Geográfico e suas Representações 9

Maio Espaço Mundial e Conflitos 8

Junho Espaço Mundial e suas Configurações 9


Julho Revisão 4

2° SEMESTRE
MÊS CONTEÚDO N° AULAS
Agosto Espaço Geográfico Brasileiro 9
Setembro Brasil e Relações Internacionais 8
Outubro Questões Ambientais 6
Novembro Revisão 8

*PODE SOFRER ALTERAÇÕES*

Levando em conta esse pensamento Geográfico, primeiro vamos entender o


funcionamento da Terra, aquilo que compõe o Espaço em que vivemos. Depois vamos nos
aprofundar no conceito de Espaço, suas diferentes formas e suas categorias de análise. O Espaço
por meio da Cartografia pode ser representado de diversas formas, assim aprenderemos a
analisar Mapas e suas informações. Por fim entenderemos o que o processo de Globalização
causou no mundo.
No segundo Semestre vamos estudar nossa realidade, o Brasil. E por fim analisar os
impactos que ação humana causa no mundo.