Você está na página 1de 17

T.P.S. Técnicas de Projeto de Sistemas - Prof.

Marcos César Bottaro 1

TÉCNICAS DE PROJETO DE SISTEMAS

É a maneira pelo qual utilizamos as melhores idéias, melhores técnicas,


conhecimentos e conceitos para desenvolvimento de sistemas eficientes e
eficazes para computadores, gerando informações para utilização no processo
de decisão.

PROJETO Æ É a maneira de avaliar as vantagens e desvantagens de implantação


ou alteração de um sistema.

A palavra SISTEMA pode pertencer a qualquer sistema - biológico, de transporte


ou de computador. Entretanto no contexto de análise de sistemas de informação, a
palavra sistema pertence a sistemas de computador que processam informações.

A palavra ANÁLISE se refere ao processo de separar as partes de um sistema


para facilitar o exame de sua natureza, funções e relações. Uma tal análise contribui para
melhor compreensão de um sistema.

TÉCNICAS DE PROJETOS DE SISTEMAS TAMBÉM ENVOLVE:

O projeto, a implementação e avaliação de sistemas de informação.


A técnica de análise de sistemas é definida como o processo de analisar, projetar,
implementar e avaliar sistemas para fornecer informações que apóiem as operações e
processos de tomada de decisão de uma organização.

PAPEL DO ANALISTA DENTRO DA TÉCNICA DE PROJETO DE SISTEMAS

O Analista De Sistemas Desempenha Um Papel Crítico Numa Organização.


A informação e os sistemas que a fornecem estão entre os recursos mais valiosos de
uma organização. Os sistemas de informação são projetados para assegurar a
coordenação e controle das funções organizacionais cada vez mais diversas. O analista
de sistemas desempenha um papel chave na realização deste objetivo.

Um analista de sistemas eficaz pode preencher essa falha entre o especialista em


informática e o usuário. Entretanto, para fazer isso, seu repertório de conhecimentos
deveria incluir habilidades conceituais pertinentes às organizações, tomada de decisão,
comportamento humano e sistemas de informação.

O analista de sistemas tem que possuir, mais ainda, habilidades técnicas em


análise de sistemas e habilidades em comunicações oral e escrita.

LOGÍSTICA Æ Conjunto de Sistemas. Projeto e desenvolvimento, obtenção,


armazenamento, transporte, distribuição, manutenção e evacuação de material
(para fins operativos ou administrativos).

A missão da logística é dispor a mercadoria ou serviço certo, no lugar


certo, no tempo certo e nas condições desejadas, ao mesmo tempo em que
fornece a maior contribuição à empresa.
T.P.S. Técnicas de Projeto de Sistemas - Prof. Marcos César Bottaro 2

DENTRO DO SISTEMA DA LOGÍSTICA TEMOS O ERP.

ERP Æ (Enterprise Resources Planning) Planejamento dos Recursos da


Empresa. Ele fornece rastreamento e visibilidade global da informação de
qualquer parte da empresa e de sua cadeia de suprimento.

Esses sistemas, também chamados no Brasil de Sistemas Integrados e


Gestão Empresarial, controlam e fornecem suporte aos processos operacionais,
produtivos, administrativos e comerciais da empresa. Todas as transações
realizadas pela empresa devem ser registradas para que as consultas extraídas
do sistema possam refletir o máximo possível a realidade.

Pode se afirmar que o ERP é um sistema integrado, que possibilita um


fluxo de informações único, contínuo e consistente por toda a empresa, sob
uma única base de dados. É um instrumento para a melhoria de processos de
negócios, como a produção, compras ou distribuição, com informações on-line e
em tempo real.

____________________________________________________________________

LAYOUT DO CICLO DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

Avaliação e
Surgem Novos Análise do Identificação Seleção dos Desenvolvimento Avaliação e
Soluções Implementação
Problemas e/ou Sistema de Meios para Melhores Meios e Teste do Manutenção do
de Projeto do Sistema
Oportunidades Existente as Soluções para as Sistema Sistema
Soluções

O CICLO DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

Todas as organizações têm diversos tipos de sistemas de informação (é o


resultado da coleta e organização de dados). Por exemplo, o sistema de FOPA de uma
organização pode estar parcialmente baseado em computador, mas seu sistema de
informação de contas a receber pode ser processado manualmente.

Com o tempo, os processos organizacionais se modificam. Os sistemas de


informação da organização mudam em resposta às necessidades modificadas na
organização. Quando isso está para ocorrer, a gerência, usualmente, inicia alguma forma
de ciclo de desenvolvimento de sistemas para atacar o problema.

Os passos no ciclo não são nem discretos, nem paralelos. Ao contrário, o ciclo
de desenvolvimento de sistemas é iterativo e evolutivo (ação repetitiva, freqüente)
os passos no ciclo, entretanto, mantêm um fluxo seqüencial básico a partir do ponto de
origem do ciclo de desenvolvimento - “surgem novos problemas e/ou oportunidades”.

Um sistema de informação apropriado inclui a informação necessária, e


também a tecnologia e conhecimento pessoal necessários para processar
apropriadamente a informação.
Se um sistema de informação estiver estruturado apropriadamente, ele será
eficiente (produzirá informação com um mínimo de esforço, despesa ou desperdício).
T.P.S. Técnicas de Projeto de Sistemas - Prof. Marcos César Bottaro 3

SURGEM NOVOS PROBLEMAS E/OU OPORTUNIDADES

O impulso para iniciar um ciclo de desenvolvimento de sistemas é a identificação


de novos problemas e/ou oportunidades.

Por exemplo, um distribuidor atacadista de produtos eletrônicos, recebe


reclamações de cliente com respeito a entregas atrasadas de pedidos.
Estas entregas atrasadas resultam em perda de pedidos e perda da boa vontade
do cliente. É necessário ação.

O atraso na entrega de pedidos pode ser causado por diversos fatores:

1º) ineficiência no processamento dos pedidos dos clientes,


2º) faltas no estoque;
3º) erros de programação;
4º) o atraso na entrega de pedidos pode estar ligado a outros problemas e não ao
sistema de informação (por exemplo, negligência dos empregados ou capacidade de
depósito inadequada);
5º) site com deficiências na entrada de dados e geração de informação;
6º) capacidade inadequada de depósito;
7º) logística ineficiente;
8º) funcionários sem treinamento adequado.

ATIVIDADE 1

1-) Defina com suas palavras o que é TÉCNICAS DE PROJETO DE SISTEMAS?


2-) Dentro de TPS como podemos definir PROJETO?
3-) Defina ANÁLISE dentro de TPS.
4-) Defina SISTEMA dentro de TPS.
5-) Técnicas de Projetos de Sistemas envolve também outros aspectos além da ANÁLISE
DO SISTEMA, quais são esses outros aspectos?
6-) Por que o analista desempenha um papel chave numa organização?
7-) Alem dos conhecimentos e habilidades técnicas o que um analista deve ter em seu
currículo?
8-) O Ciclo de desenvolvimento de sistemas é ITERATIVO e EVOLUTIVO. Explique o que é
um sistema ITERATIVO E EVOLUTIVO?
9-) Alem da informação necessária e correta, quais são os outros fatores que influenciam
para que um sistema seja eficiente e eficaz?
10-) Qual é o impulso para iniciar um novo ciclo de desenvolvimento de sistemas em
uma organização de indústria e comércio de equipamentos eletrônicos?
11-) Qual a principal função de um SISTEMA?
12-) Quantos e quais são os passos no ciclo de desenvolvimento de sistemas? Escreva
em ordem lógica.
13-) O atraso na entrega de pedidos de uma empresa de logística pode ser causada por
vários fatores. Quais são?
T.P.S. Técnicas de Projeto de Sistemas - Prof. Marcos César Bottaro 4

ANÁLISE DO SISTEMA EXISTENTE

Neste momento a gerência pode iniciar uma equipe de trabalho (ou força tarefa)
para analisar o sistema de processamento de pedidos existente. Esta equipe de trabalho
pode ser encabeçada por alguém que seja analista de sistemas ou que, embora não o
seja, tenha habilidades em gerenciamento de Sistemas de Informação.

A análise existente consiste das seguintes atividades:


⇒ Rever o fluxo de trabalho;
⇒ Definir a tomada de decisão associada com o fluxo de trabalho;
⇒ Rever o fluxo de informação para apoiar a tomada de decisão ( por exemplo,
transações e relatórios eletrônicos);
⇒ Isolar deficiências no sistema de informação.

As deficiências nos sistemas de informação podem ser categorizadas como


deficiências de inclusão e/ou de estrutura.
As deficiências de inclusão pertencem a: que informação, tecnologia e pessoal
estão incluídos no sistema.
As deficiências de estrutura pertencem a: como a informação, tecnologia e pessoal
estão organizados e inter-relacionado por todo o sistema.

Æ ... deficiências de inclusão ... A: QUE, isto é ... pertencem A QUAL .....
Æ ... deficiências de estrutura ... A: COMO, isto é ... COMO ELAS PERTENCEM ...

ATIVIDADE 2

1-) Descreva o Layout da logística do sistema de vendas de uma empresa, conforme


estudo na apostila.
2-) Quais são os dois principais arquivos no processamento dos pedidos dos clientes?
3-) Defina SISTEMA dentro de TPS.
4-) Defina LOGÍSTICA.
5-) No que consiste a ANALISE existente em um sistema de informação?
6-) As deficiências em um sistema de informação podem ser categorizadas como?
T.P.S. Técnicas de Projeto de Sistemas - Prof. Marcos César Bottaro 5

DEFICIÊNCIAS DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE UMA ORGANIZAÇÃO

CATEGORIAS
Definições DEFICIÊNCIAS DE DEFICIÊNCIAS DE
TIPOS Exemplos INCLUSÃO ESTRUTURA
Falta a informação apropriada, A maneira pela qual a
I correta e/ou informação informação é coletada,
N Definição inadequada, inapropriada está armazenada, e/ou relatada
F incluída no sistema. no sistema é difícil ou
O inconveniente de utilizar.
R
M Falta informação necessária Os dados detalhados não
A para a aprovação de uma estão resumidos
Ç Exemplo requisição de empréstimo adequadamente.
à e/ou informação que não é
O necessária está incluída na
requisição.
Falta tecnologia apropriada O equipamento e programas
e/ou tecnologia obsoleta, incluídos no sistema não
T Definição inapropriada está incluída no estão organizados para
E sistema. processar o mais eficaz e
C eficientemente a informação
N disponível.
O
L É usado o processamento por Os programas de
O lotes, quando é necessário um computador foram escritos
G Exemplo sistema on line (tempo real). de forma ineficiente, lógica
I errada ou contem erros de
A programação.

Falta pessoal apropriado, O pessoal associado ao


habilitado e/ou pessoas sem sistema está mal organizado
P Definição conhecimentos e habilidades e/ou gerenciado.
E técnicas estão incluídos no
S sistema.
S O pessoal não tem aptidão, As responsabilidades do
O treinamento, ou motivação pessoal não estão
A Exemplo para trabalhar com o sistema claramente definidas, ou a
L ou para tomar decisões a carga de trabalho não está
partir das informações por ele uniformemente distribuída
geradas. entre o pessoal.

ATIVIDADE 3

1-) Quais são os TIPOS de deficiências em um sistema de informação?


2-) Quais são as CATEGORIAS de deficiências em um sistema de informação?
3-) Falta a informação apropriada, correta e/ou informação inadequada, inapropriada
está incluída no sistema faz parte de qual TIPO de deficiência no S.I.?
4-) Falta informação necessária para a aprovação de uma requisição de empréstimo e/ou
informação que não é necessária está incluída na requisição, faz parte de qual
CATEGORIA de deficiência no S.I.?
5-) Os programas de computador foram escritos de forma ineficiente, lógica errada ou
contem erros de programação, faz parte de qual TIPO de deficiência no S.I.?
6-) O pessoal não tem aptidão, treinamento, ou motivação para trabalhar com o sistema
ou para tomar decisões a partir das informações por ele geradas, faz parte de qual
CATEGORIA de deficiência no S.I.?
T.P.S. Técnicas de Projeto de Sistemas - Prof. Marcos César Bottaro 6

SOLUÇÕES DE PROJETO - (define o que é desejado).

Uma vez que as deficiências do sistema de informação tenham sido determinadas,


poderão ser projetadas as soluções para essas deficiências.
As soluções para os problemas de informação podem ser definidas em termos da
inclusão ou estrutura da informação.

No caso de um distribuidor atacadista, pode-se determinar que a informação


histórica quanto aos pedidos dos clientes facilitaria a previsão de estoque. Esta solução
orientada pela estrutura poderia consistir do fornecimento de um relatório resumido da
demanda média por mês. Como esta informação está disponível, apenas é necessário
uma reestruturação da informação existente dentro de uma nova forma.

Quando se definem soluções, é importante que as soluções se refiram ao


aperfeiçoamento do fluxo de trabalho e/ou às decisões que estão sendo tomadas.
Qualquer tentação de incluir informação adicional, que não seja necessária, deveria ser
evitada. Do contrário, as despesas do sistema de informação poderão crescer
desnecessariamente e os gerentes poderão ser sobrecarregados com relatórios
volumosos, irrelevantes para sua tomada de decisão.

IDENTIFICAÇÃO DE MEIOS PARA AS SOLUÇÕES (define como fazê-lo).

A definição das soluções desejadas estabelece o critério para a identificação de


meios alternativos para se alcançar a solução. Isto é, o passo anterior definia “o que é
desejado”. Este passo define “como fazê-lo”.
São identificadas as tecnologias viáveis e pessoal, as quais, se incluídas no
sistema, poderão ser estruturadas para apoiar a solução definida no passo anterior.
Por exemplo, o distribuidor atacadista atualmente utilizava uma base semanal
para a remessa de pedidos dos clientes para o arquivo de estoque.
As transações são entregues ao pessoal de entrada de dados diariamente e é
dada entrada a esses dados durante a semana.
O arquivo de estoque é atualizado e os relatórios de estoque são impressos e
distribuídos uma vez por semana.
O problema com este sistema é que a informação de estoque está atrasada de até
uma semana. Consequentemente, o pessoal de vendas frequentemente
supercompromete o estoque existente.
A necessidade de reencomendar itens em falta no estoque também só é detectada
depois de concluído o processamento semanal..
Uma maneira de melhorar a circulação do relatório de estoque é reestruturar o
sistema existente para acelerar o procedimento de processamento atual.
A geração de remessas e relatórios das transações poderia ser feita duas vezes
por semana ou mesmo diariamente.
A inclusão de uma nova tecnologia é outra possibilidade. Uma versão mais
dispendiosa desta alternativa é ter terminais conectados diretamente a um sistema de
computador.
A medida que cada transação ocorre, a informação do estoque é atualizada
imediatamente.

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DOS MELHORES MEIOS PARA AS SOLUÇÕES

A avaliação e seleção consiste da consideração cuidadosa das abordagens


possíveis para a solução do problema, numa estrutura de custo/benefício.
Por exemplo, quanto benefício será derivado de melhorar a boa vontade do cliente
pelo fato de se acelerar os pedidos deste cliente?
T.P.S. Técnicas de Projeto de Sistemas - Prof. Marcos César Bottaro 7

DESENVOLVIMENTO E TESTE DO SISTEMA

Neste momento, já foram identificadas as soluções desejadas e os meios de


alcançá-las. Agora é possível a estruturação real, ou desenvolvimento e teste do sistema.
O passo consiste da instalação dos equipamentos ou programa adicional necessário e
testes dos programas de computador. O produto final deste passo é um sistema operável
e, espera-se, viável que realiza os objetivos do projeto original.

IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA

Depois de o novo sistema ter sido desenvolvido e testado, é possível a


conversão do sistema antigo para o novo sistema. O processo real de implementação
pode ser expresso em termos de um continuum que varia de paralelo a discreto.
Numa implantação paralela, o antigo e o novo sistema são processados
simultaneamente até que o novo se estabilize.
Neste tipo de implantação se reduz o risco da implantação do novo sistema, no
entanto, ele traz certas desvantagens. Mesmo que justificado, o processamento paralelo
ocasionalmente não é prático.
Por exemplo, não é plausível para o processo paralelo ter dois sistemas contínuos
de reservas de vôos. Em tais casos, é fundamental um teste rigoroso do novo sistema,
antes de se tentar uma implementação discreta.
Numa implantação discreta, o antigo sistema é encerrado quando o novo tem
início. Em muitos casos, algumas partes do novo sistema são implementadas em
paralelo, enquanto outras são implementadas de maneira discreta.

AVALIAÇÃO E MANUTENÇÃO DO SISTEMA

Depois que um novo sistema tenha sido implementado, é importante rever quão
eficaz e eficientemente as soluções aos novos problemas e/ou oportunidades têm sido
alcançadas. A avaliação, contudo, consiste em estimar o grau de variação entre o
desempenho planejado e o real dos sistemas.
Se o novo sistema falhar seriamente em alcançar os objetivos do projeto ou
apresentar novos problemas ou oportunidades, talvez tenha que ser iniciado um novo
ciclo de desenvolvimento, então o sistema poderá ser mantido ao nível de operação
atual, até que surjam novos problemas e/ou oportunidades.

RESUMO

A necessidade de informação oportuna, precisa e completa está aumentando


continuamente à medida que as organizações aumentam em complexidade e tamanho.
O papel do analista de sistemas na execução de projetos de sistemas de
informação é importante, pois ele deve desenvolver uma compreensão dos, e uma
intimidade com os, problemas da organização e trabalhar com a organização para
projetar soluções apropriadas.
O ciclo de desenvolvimento de sistemas consiste de oito passos. Ele evolui e
recicla com o tempo.
Através do ciclo de desenvolvimento de sistemas terão que ser considerados
cuidadosamente a inclusão e estruturação de aspectos de informação, tecnologia e
pessoal, para que se alcance um sistema de informação eficaz e eficiente.

ATIVIDADE 4
1-) Uma vez que as deficiências do S.I. tenham sido determinadas, poderão ser
projetadas as soluções para essas deficiências, sendo assim quais são os TIPOS e as
CATEGORIAS dessas deficiências?
2-) Quando se definem soluções, é importante que as soluções se refiram a que?
3-) Qualquer tentação de incluir informação adicional, que não seja necessária em um
S.I., deve ser evitada. Por quê?
4-) Quando se definem soluções para um problema o que é importante destacar?
T.P.S. Técnicas de Projeto de Sistemas - Prof. Marcos César Bottaro 8

PROJETO I - EVENTOS/CURRÍCULO e CÁLCULOS – SISTEMA RH


FASES DO CICLO DE VIDA DE UM SISTEMA INFORMATIZADO

CONCEPÇÃO PROJETO PROJETO


LÓGICO FÍSICO

PROGRA
-MAÇÃO

FUNCIONAMENT IMPLANTAÇÃO
O OPERACIONAL

1ª FASE – CONCEPÇÃO
É analisada a vantagem em ser construído um novo sistema de processamento de dados
ou ser modificado o sistema já existente. Resumindo concepção é a idéia.

2ª FASE – PROJETO LÓGICO


Nesta fase é especificado detalhadamente o sistema que vai ajudar a melhorar o
funcionamento da organização.
O projeto lógico deve atender os seguintes requisitos:
ƒ Satisfazer os objetivos da organização;
ƒ As suas especificações devem ter sido aceitas pelo usuário;
ƒ As suas especificações devem ser técnicas economicamente viáveis;
ƒ A lógica de processamento de dados do sistema deve estar bem definida.
O resultado final desta fase é um documento que apresenta o sistema lógico proposto.

3ª FASE – PROJETO FÍSICO


O projeto físico consiste em definir os seguintes tópicos:
ƒ A organização de processamento (tempo real, bath, etc);
ƒ O equipamento necessário a ser utilizado;
ƒ O sistema operacional a ser utilizado;
ƒ Os packages utilitários e de suporte necessário;
ƒ As especificações dos programas do sistema;
ƒ A organização dos bancos de dados;
ƒ Os controles no sistema.
Nesta fase são produzidas as especificações para os componentes do sistema físico que
processará as informações, sempre levando em conta custo e benefício e não modismo.

4ª FASE – PROGRAMAÇÃO
Esta fase engloba:
ƒ A revisão das especificações dos programas;
ƒ O desenvolvimento da lógica dos programas;
ƒ A codificação dos programas (escolher a linguagem mais apropriada);
ƒ A construção dos arquivos;
ƒ O teste dos programas;
T.P.S. Técnicas de Projeto de Sistemas - Prof. Marcos César Bottaro 9

ƒ A elaboração dos manuais de operação (item importante para os usuários).


5ª FASE – IMPLANTAÇÃO
Esta fase começa quando os componentes do sistema, já testados e aceitos
individualmente, são resumidos para teste e aceitação como sistema.
Esta fase engloba:
ƒ O treinamento para implantação;
ƒ O teste do sistema;
ƒ A revisão dos procedimentos operacionais;
ƒ A conversão do sistema;
Esta fase termina quando o sistema é aceito pela organização e é entregue para
operação da organização.

6ª FASE – FUNCIONAMENTO OPERACIONAL


Esta fase é composta por duas sub-fases: Produção e Manutenção.
Enquanto a produção, que corresponde à operação propriamente dita se preocupar em
manter o sistema funcionando, a manutenção do sistema se preocupa com as
mudanças que deverão ser introduzidas no sistema para mantê-lo viável.

PROJETO II - Desenvolver um Projeto REALATÓRIO (descrição das fases) de um


site para comércio eletrônico.
T.P.S. Técnicas de Projeto de Sistemas - Prof. Marcos César Bottaro 10

FUNÇÕES RELACIONADAS COM T.I. (TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO)

Antes de analisarmos cada função convém lembrar que hoje com a


globalização dos negócios muitas profissionais assumiram varias funções ao
mesmo tempo.

ANALISTA DE SISTEMAS
Analisa, projeta, implementa e avalia sistemas. É o profissional capaz de preparar
especificações para sistemas de processamento de dados e realizar estudos de
viabilidades: empresa – comportamento humano e equipamentos de informática.

PROGRAMADOR / ENGENHEIRO DE SOFTWARE / TÉCNICO EM INFORMÁTICA


E o profissional capaz de codificar e testar programas, cujas especificações foram
preparadas pelo analista de sistemas.

OPERADOR
Em grandes organizações este profissional é o responsável da operação dos
equipamentos de informática, seguindo instruções preparadas pelos programadores
(como ligar o sistema (rede), fazer backup, atualizar arquivos, etc.).

ALIMENTAÇÃO DE INFORMAÇÕES (PREPARADOR DE DADOS)


É o profissional encarregado pela transcrição, codificação e conferencia dos dados
que alimentam a máquina e pela crítica e controle de dados que saem do sistema.

Neste mundo globalizado, as empresas buscam cada vez mais aumentar sua
competitividade, seja pela redução de custos, pela melhoria do produto, ou mesmo
agregando valor ao produto do cliente, para se diferenciar da concorrência.

A tendência atual da área de sistemas de informações gerenciais não é de apenas


visualizar a empresa isoladamente, mas toda a cadeia de suprimento, conseguindo
realizar o planejamento estratégico e tático globalmente para a cadeia, além do
operacional da empresa.

Com essas evoluções tecnologias e empresariais, os profissionais da área de


tecnologia tem desenvolvido e desempenhado muitas funções. Podemos assim verificar
um resumo das funções e suas relações, podendo ser alterado de acordo com as
necessidades da equipe.

RESUMO DAS FUNÇÕES RELACIONADAS COM S.I. INFORMATIZADO


Funções Analista de Programador Operador Alimentação de
Sistemas Informações (dados)
Fases e
Técnico em Técnico em Técnico em Técnico em
Informática Informática Informática Informática
(Assistente)

1 - Concepção ⊗
2 - Projeto Lógico ⊗
3 - Projeto Físico ⊗
4 - Programação ⊗ ⊗
5 - Implantação ⊗ ⊗ ⊗ ⊗
6.1- Produção ⊗ ⊗ ⊗ ⊗
6.2- Manutenção ⊗ ⊗ ⊗ ⊗
T.P.S. Técnicas de Projeto de Sistemas - Prof. Marcos César Bottaro 11

TÉCNICAS E CONCEITOS DE INFORMAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO.

INFORMAÇÃO
O valor da informação é o resultado da coleta e organização de dados.

Exemplo1: No ano de 2001 iniciou-se o censo em todo o país, pois a coleta das
informações é de vital importância para o sucesso do censo.

Dentro de uma orientação de sistemas de informação, os dados se tornam


informação quando são a base sobre o qual (se espera) possam ser tomadas decisões
eficientes e eficazes. A transformação dos dados em informação é a principal
função de um S.I.

O valor da informação gerada por um sistema eficiente é uma função do efeito


que ela tem sobre a tomada da decisão. Se a informação resultar numa decisão melhor,
a informação realmente terá valor, se não, ela terá pouco ou nenhum valor. Por isso
muito cuidado com modismos e informações desnecessárias nos sistemas.

Exemplo2:

Consideramos um gerente de marketing que tenha que determinar se deve ou


não lançar um novo produto no mercado. A principio o gerente decidiu não lançar o
produto, contudo pediu ao departamento de pesquisa de mercado uma amostra
do perfil dos clientes para determinar o interesse do produto.
A informação resultante desta pesquisa indica uma probabilidade de 80% que o
novo produto tenha sucesso. Com base nesta informação, o gerente decide que talvez
seja uma boa idéia introduzir o produto.
Suponhamos que a gerente queira estar mais certo quanto ao sucesso do
produto, sendo assim, ele pede ao departamento de pesquisa que faça uma pesquisa
adicional mais abrangente e o resultado indica uma probabilidade de 90%. Assim sendo
a informação adicional aumenta a confiança na decisão tomada anterior.

Pergunta-se, se o custo adicional de obter a informação adicional se justifica ?

JUSTIFICAÇÃO DO CUSTO DA INFORMAÇÃO


Existem duas categorias básicas para justificação do valor da informação:
aqueles casos em que os benefícios podem ser calculados e aqueles casos em
que não podem.

OS BENEFÍCIOS PODEM SER CALCULADOS


Quando o efeito na lucratividade por alterar uma decisão pode ser determinado.
Neste caso, se o custo da informação adicional for menor que o aumento na
lucratividade, a obtenção da informação terá seu custo justificado.

A INFORMAÇÃO CUJO CUSTO NÃO POSSA SER JUSTIFICADO


Explicitamente terá que, pelo menos influenciar as decisões quanto a valer a pena
ou não considerar a sua aquisição ou processamento.
Os fatores que afetam o custo da informação são: precisão, oportunidade e
intervalo de relatórios.

Exemplo:
Uma rede de lojas de departamentos que tem um problema com perdas ou roubo
de cartões de crédito que estão sendo usados para compras grandes em várias lojas
antes que possam ser bloqueados pela seção de crédito. Se as perdas anuais sofridas
pela companhia chegarem a US$ 200.000,00 e um sistema de informação que possa
resolver o problema por um custo de US$ 55.000,00 é bastante justificável.

Mas todos esses processos somente serão eficientes se tiver um sistema que gere
informações corretas para tomadas de decisões, sistema este que poderá ser um ERP-
Enterprise Resource Planning (Planejamento de Recursos Empresariais).
T.P.S. Técnicas de Projeto de Sistemas - Prof. Marcos César Bottaro 12

E.R.P. Enterprise Resource Planning- PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS


ou
SIGE - Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

História do ERP

No final da década de 50, quando os conceitos modernos de controle tecnológico


e gestão corporativa tiveram seu início, a tecnologia vigente era baseada nos gigantescos
mainframes que rodavam os primeiros sistemas de controle de estoques – atividade
pioneira da interseção entre gestão e tecnologia. A automatização era cara, lenta – mas
já demandava menos tempo que os processos manuais – e para poucos.

No início da década de 70, a expansão econômica e a maior disseminação


computacional geraram os MRPs (Material Requirement Planning ou PLANEJAMENTO
DAS REQUISIÇÕES DE MATERIAIS), antecessores dos sistemas ERP.

Eles surgiram já na forma de conjuntos de sistemas, também chamados de


pacotes, que conversavam entre si e que possibilitavam o planejamento do uso dos
insumos e a administração das mais diversas etapas dos processos produtivos.

Seguindo a linha evolutiva, a década de 80 marcou o início das redes de


computadores ligadas a servidores – mais baratos e fáceis de usar que os mainframes –
e a revolução nas atividades de gerenciamento de produção e logística. O MRP se
transformou em MRP II (que significava Manufacturing Resource Planning ou
planejamento dos recursos de manufatura), que agora também controlava outras
atividades como mão-de-obra e maquinário.

Na prática, o MRP II já poderia ser chamado de ERP pela abrangência de controles


e gerenciamento. Porém, não se sabe ao certo quando o conjunto de sistemas ganhou
essa denominação. Uma datação interessante é 1975, ano no qual surgiu a empresa
alemã – um símbolo do setor – SAP (System Analyse and Programmentwicklung, na
tradução literal ANÁLISE DE SISTEMAS E DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS).
Com o lançamento do software R/2, ela entrou para a história da área de ERP e ainda
hoje é seu maior motor de inovação.

O próximo passo, já na década de 80, serviu tanto para agilizar os processos


quanto para estabelecer comunicação entre essas “ilhas” departamentais. Foram então
agregados ao ERP novos sistemas, também conhecidos como módulos do pacote de
gestão. As áreas contempladas seriam as de finanças, compras e vendas e recursos
humanos, entre outras, ou seja, setores com uma conotação administrativa e de apoio à
produção ingressaram na era da automação.

A nomenclatura ERP ganharia muita força na década de 90, entre outras razões
pela evolução das redes de comunicação entre computadores e a disseminação da
arquitetura cliente/servidor – microcomputadores ligados a servidores, com preços mais
competitivos – e não mais mainframes. E também por ser uma ferramenta importante na
filosofia de controle e gestão dos setores corporativos, que ganhou aspectos mais
próximos da que conhecemos atualmente.

As promessas eram tantas e tão abrangentes que a segunda metade daquela


década seria caracterizada pelo boom nas vendas dos pacotes de gestão. E, junto com os
fabricantes internacionais, surgiram diversos fornecedores brasileiros, empresas que
lucraram com a venda do ERP como um substituto dos sistemas que poderiam falhar com
o bug do ano 2000 – o problema na data de dois dígitos nos sistemas dos computadores.
T.P.S. Técnicas de Projeto de Sistemas - Prof. Marcos César Bottaro 13

A importância do ERP nas corporações


Entre as mudanças mais palpáveis que um sistema de ERP propicia a uma
corporação, sem dúvida, está a maior confiabilidade dos dados, agora monitorados em
tempo real, e a diminuição do retrabalho.
Algo que é conseguido com o auxílio e o comprometimento dos funcionários,
responsáveis por fazer a atualização sistemática dos dados que alimentam toda a cadeia
de módulos do ERP e que, em última instância, fazem com que a empresa possa
interagir.
Assim, as informações trafegam pelos módulos em tempo real, ou seja, uma
ordem de vendas dispara o processo de fabricação com o envio da informação para
múltiplas bases, do estoque de insumos à logística do produto. Tudo realizado com dados
orgânicos, integrados e não redundantes.

Para entender melhor como isto funciona, o ERP pode ser visto como um grande
banco de dados com informações que interagem e se realimentam. Assim, o dado inicial
sofre uma mutação de acordo com seu status, como a ordem de vendas que se
transforma no produto final alocado no estoque da companhia.
Ao desfazer a complexidade do acompanhamento de todo o processo de
produção, venda e faturamento, a empresa tem mais subsídios para se planejar, diminuir
gastos e repensar a cadeia de produção.

Um bom exemplo de como o ERP revoluciona uma companhia é que com uma
melhor administração da produção, um investimento, como uma nova infra-estrutura
logística, pode ser repensado ou simplesmente abandonado.
Neste caso, ao controlar e entender melhor todas as etapas que levam a um
produto final, a companhia pode chegar ao ponto de produzir de forma mais inteligente,
rápida e melhor, o que, em outras palavras, reduz o tempo que o produto fica parado no
estoque.

A tomada de decisões também ganha uma outra dinâmica. Imagine uma empresa
que por alguma razão, talvez uma mudança nas normas de segurança, precise modificar
aspectos da fabricação de um de seus produtos.
Com o ERP, todas as áreas corporativas são informadas e se preparam de forma
integrada para o evento, das compras à produção, passando pelo almoxarifado e
chegando até mesmo à área de marketing, que pode assim ter informações para mudar
algo nas campanhas publicitárias de seus produtos. E tudo realizado em muito menos
tempo do que seria possível sem a presença do sistema.
Entre os avanços palpáveis, podemos citar o caso de uma indústria média norte-
americana de autopeças, situada no estado de Illinois, que conseguiu reduzir o tempo
entre o pedido e a entrega de seis para duas semanas, aumentando a eficiência na data
prometida para envio do produto de 60% para 95% e reduzindo as reservas de insumos
em 60%. Outra diferença notável: a troca de documentos entre departamentos que
demorava horas ou mesmo dias caiu para minutos e até segundos.

Esse é apenas um exemplo. Porém, de acordo com a empresa, é possível


direcionar ou adaptar o ERP para outros objetivos, estabelecendo prioridades que podem
tanto estar na cadeia de produção quanto no apoio ao departamento de vendas como na
distribuição, entre outras. Com a capacidade de integração dos módulos, é possível
diagnosticar as áreas mais e menos eficientes e focar em processos que possam ter o
desempenho melhorado com a ajuda do conjunto de sistemas.
T.P.S. Técnicas de Projeto de Sistemas - Prof. Marcos César Bottaro 14

PASSO-A-PASSO DE UM PROJETO ERP

Fase 1 - Raio X
Esta é a fase do projeto onde os processos e as práticas de negócio são
analisados. É o momento em que a companhia é profundamente observada e
quando é definida a necessidade de uma solução ERP.
Fase 2 - Desenvolvimento
É neste momento que uma aplicação é escolhida e configurada para uma
companhia. Também são definidos o modelo de funcionamento da solução e
outros aspectos do ambiente.
Fase 3 – Teste
Aqui a solução de ERP é colocada em um ambiente de teste. É quando os erros e
falhas são identificados, para realização das correções necessárias.
Fase 4 – Treinamento
Todos os profissionais são treinados no sistema para saber como utiliza-lo antes
da implementação ser concluída.
Fase 5 – Implantação
O software de ERP é finalmente instalado na companhia e se torna funcional aos
usuários.
Fase 6 – Avaliação (Homologação)
A solução de ERP é avaliada, observando-se o que é necessário melhorar e o que
está ou não funcionando adequadamente. Esta é apenas uma avaliação geral do
projeto ERP para referências futuras.

Uma observação válida em um sistema de ERP é o uso de uma ferramenta de


Business Intelligence (BI) para que todos os dados gerados sejam transformados em
informações gerenciais e assim haver um plano de melhorias e/ou ação. Tal ferramenta é
associada ao sistema de ERP e usa os dados contidos para que seja feito esse
levantamento de informações necessarias a todos os gerentes, diretores e demais
responsáveis administrativos da organização.

Vantagens do ERP
Algumas das vantagens da implementação de um ERP numa empresa são:

• Eliminar o uso de interfaces manuais

• Reduzir custos

• Otimizar o fluxo da informação e a qualidade da mesma dentro da organização


(eficiência)

• Otimizar o processo de tomada de decisão

• Eliminar a redundância de atividades

• Reduzir os limites de tempo de resposta ao mercado

• Reduz as incertezas do lead-time


T.P.S. Técnicas de Projeto de Sistemas - Prof. Marcos César Bottaro 15

Desvantagens do ERP
Algumas das desvantagens da implementação de um ERP numa empresa são:

• A utilização do ERP por si só não torna uma empresa verdadeiramente integrada;

• Altos custos que muitas vezes não comprovam a relação custo/benefício;

• Dependência do fornecedor do pacote;

• Adoção de best practices aumenta o grau de imitação e padronização entre as


empresas de um segmento;

• Torna os módulos dependentes uns dos outros, pois cada departamento depende
das informações do módulo anterior, por exemplo. Logo, as informações têm que
ser constantemente atualizadas, uma vez que as informações são em tempo real
(on line), ocasionando maior trabalho;

• excesso de controle sobre as pessoas, o que aumenta a resistência à mudança e


pode gerar desmotivação por parte dos funcionários.

Fatores Críticos de Sucesso


Segundo uma pesquisa Chaos e Unfinished Voyages (1995) os principais fatores
críticos de sucesso para um projeto de implantação de um ERP são:

• Envolvimento do Usuário

• Apoio da direção

• Definição clara de necessidades

• Planejamento adequado

• Expectativas realistas

• Marcos intermediários

• Equipe competente

• Comprometimento

• Visão e objetivos claros

• Equipe dedicada

• Infraestrutura adequada

Uso do software
Um dos pontos fortes do sistema é a integração entre os módulos. Os
monitores, as operações e a navegação dentro do sistema são de tal forma padronizadas
que, na medida que o utilizador se familiariza com um módulo, aprende mais
facilitadamente e rapidamente os demais.
Os acessos às informações são realizados através de menus com utilização de
senhas, permitindo que se controle quais os utilizadores que têm acesso a que tipo de
informações. Além disso, os menus são customizados de forma que cada utilizador
T.P.S. Técnicas de Projeto de Sistemas - Prof. Marcos César Bottaro 16

visualize e tenha acesso somente às operações que atendam aos objetivos específicos de
seu interesse.
Exemplos de Software
Compiere é um sistema de CRM e ERP distribuído como software livre. É um
sistema de gestão completo, que integra as informações das áreas de negócio de uma
empresa. Foi desenvolvido pela Compiere Inc., e é composto por módulos como Contas a
Pagar, Contas a Receber, Gestão de Relacionamento com Clientes, Análise de
Desempenho. Vem sendo utilizado por empresas de todos os portes, no mundo todo. Por
ser de código aberto o software pode ser customizado para atender às necessidades
específicas dos clientes.

ERP5 é um software livre publicado sob a licença GPL utilizado para sistemas
ERP/CRM/MRP/SCM/PDM para empresas, indústrias e orgãos governamentais. A criadora
do software é a empresa francesa Nexedi.Utiliza da plataforma de servidor Zope e
principalmente a linguagem de programação Python.

O webERP é um sistema ERP de código aberto para Pequenas e Médias Empresas


(PME). A aplicação e os fontes são fornecidos com base na GNU General Public License.

Funcionalidades
• Sales Order (Ordens nos Departamentos)

• Contas a Receber

• Análise de Vendas definida pelo usuário

• Purchase Orders (Ordens de Compra)

• Contas a Pagar

• Gerenciamento de Inventário

• General Ledger (Registro de Operações Contábeis Gerais)

• Manufatura

Multi-língua, Multi-moeda, suporte a sistemas complexos de impostos. Multiple


inventory locations with serial number and lot tracking facilities. Contabilidade de dupla
entrada. Flexible pricing on inventory items. Matriz de Descontos, Shipment costing.
Relatórios em PDF enviáveis por email. HTML rápido criado por PHP para qualquer
navegador. Multi-level Bills of Material. Sales orders support assemblies and kit-sets.

Arquitetura
O webERP é uma aplicação LAMP baseada em Web com os seguintes objetivos:

• Uma interface HTTP/S leve própria para conexões de internet rápidas e lentas.

• Pequeno ou nenhum uso de Java ou JavaScript.

• Forte segurança e integridade de dados por banco de dados tipo innodb, com
histórico completo de todas as transações.
T.P.S. Técnicas de Projeto de Sistemas - Prof. Marcos César Bottaro 17

Referências Æ E.R.P.
1. Laudon, Kenneth C. (2004). Sistemas de Informações gerenciais : administrando
a empresa digital. São Paulo: Prentice Hall, p61.

2. Padovoze, Clóvis Luís (2004). Sistemas de informações contábeis: fundamentos e


análise. São Paulo: Atlas, p68.

Atividades

1-) Defina Informação dentro de Técnicas e Conceitos de S.I.

2-) Qual é a principal função de um S.I. (Sistema de Informação)?

3-) Qual é o efeito de um Sistema Eficiente dentro da tomada de decisões?

4-) Quais são as duas características básicas do custo da informação?

5-) Qual a origem do Sistema ERP?

6-) Qual a importância do ERP nas corporações?

7-) Dentro das técnicas de Projeto de Sistemas, quais as vantagens da


implementação de um Sistema ERP?

8-) Analizando a estrutura de um ERP, podemos afirmar que existe


desvantagens da Implementação de um ERP numa empresa.

9-) Quais são os pontos fortes do Sistema ERP.

10-) Qual a vantagem do ERP? Cite pelo menos 3 vantagens?

11-) Dê exemplos de Softwares utilizados no ERP?

12-) Cite agluns fatores críticos de sucesso para um projeto de implantação de


um ERP.