Você está na página 1de 14

UNIÃO DE ENSINO DO SUDOESTE DO PARANÁ

FACULDADE EDUCACIONAL DE FRANCISCO BELTRÃO

UNIÃO DE ENSINO DO SUDOESTE DO PARANÁ


FACULDADE EDUCACIONAL DE FRANCISCO BELTRÃO
CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

SIMULAÇÃO DE RETIFICADORES NÃO CONTROLADOS.

Iago Calone Giordani Fernandes (Acadêmico, UNISEP) iagogiordani09@gmail.com


Mauricio Pavan (Acadêmico, UNISEP) mauriciopvn@hotmail.com

Docente: Mr Cledimar Nardi

FRANCISCO BELTRÃO

JUNHO DE 2019
UNIÃO DE ENSINO DO SUDOESTE DO PARANÁ
FACULDADE EDUCACIONAL DE FRANCISCO BELTRÃO

1.0 INTRODUÇÃO
Apresentamos este relatório referente a atividade prática realizada na data de
16/03/2019 em sala de aula na Faculdade Educacional de Francisco Beltrão – FEFB,
pelo curso de Engenharia Elétrica, através da disciplina de Eletrônica de Potência, na
qual foram realizadas simulações de circuitos retificadores, que são resumidamente
um circuito usado para transformar tensão alternada em contínua. Podendo ser usado
tanto em tensões monofásicas como trifásicas. As simulações foram realizadas
através do uso do software PSIM.

2.0 OBJETIVOS
Os principais objetivos das simulações estão na transformação das formas de
onda quando alterado o modelo de circuito, sendo com uma adição de um elemento
ativo, que pode ter interferência no atraso da tensão ou corrente (capacitor/indutor),
ou nos modelos de trabalhar com o diodo que seria o principal elemento na retificação
da onda, podendo tratar ele como real ou idealmente, ou sua inserção de modelos
diferente no circuito podendo ser como roda livre, em série ou em paralelo com a
carga.

3.0 DESENVOLVIMENTO TEÓRICO


3.1 Primeira simulação

Tensão média na carga 𝒗𝒑𝒊𝒄𝒐 𝟏𝟕𝟗, 𝟔𝟏 (1)


= = 𝟓𝟕, 𝟏𝟕𝒗
𝝅 𝝅

Corrente média na carga 𝒗₀ 𝟓𝟕, 𝟏𝟕 (2)


= = 𝟎, 𝟓𝟕𝟏𝟕𝑨
𝑹 𝟏𝟎𝟎

Tensão máxima na carga 𝑽𝒎𝒂𝒙 = 𝟏𝟕𝟗, 𝟔𝟏 (3)

Tensão mínima na carga 𝟎𝒗 (4)

Tensão RMS na carga 𝒗𝒑𝒊𝒄𝒐 𝟏𝟕𝟗, 𝟔 (5)


= = 𝟖𝟗, 𝟖𝟎𝟑𝒗
𝟐 𝟐

Corrente RMS na carga 𝑽𝒓𝒎𝒔 𝟖𝟗, 𝟖𝟎𝟑 (6)


= = 𝟎, 𝟖𝟎𝟗𝑨
𝑹 𝟏𝟎𝟎

Potência eficaz na carga 𝑷𝒆𝒇 = 𝑽𝒓𝒎𝒔 𝒙 𝑰𝒓𝒎𝒔 = 𝟖𝟎, 𝟔𝟒𝟓𝑾 (7)

Frequência na carga A mesma da fonte 60 Hz (8)


UNIÃO DE ENSINO DO SUDOESTE DO PARANÁ
FACULDADE EDUCACIONAL DE FRANCISCO BELTRÃO

3.2 Segunda simulação

Duas considerações que devem ser levadas em questão para a resolução


deste segundo tópico é que precisa de que garanta uma ondulação de tensão de 10%,
logo sua capacitância é definida por:

𝒗𝒑𝒊𝒄𝒐 𝟏𝟕𝟗, 𝟔𝟏
𝑪= = = 𝟖𝟑𝟑, 𝟑𝟑µ𝑭
𝑹𝒙𝒇𝒙∆𝒗 𝟏𝟎𝟎𝒙𝟏𝟐𝟎𝒙(𝟎, 𝟏𝒙𝟏𝟕𝟗, 𝟔𝟏)

Tensão média na carga 𝒗𝒑𝒊𝒄𝒐 𝒙 𝟐 𝟏𝟕𝟗, 𝟔𝟏 𝒙 𝟐 (1)


= = 𝟏𝟏𝟒, 𝟑𝟒𝒗
𝝅 𝝅

Corrente média na carga 𝒗₀ 𝟏𝟏𝟒, 𝟑𝟒 (2)


= = 𝟏, 𝟏𝟒𝟑𝟒𝑨
𝑹 𝟏𝟎𝟎

Tensão máxima na carga 𝑽𝒎𝒂𝒙 = 𝟏𝟕𝟗, 𝟔𝟏 (3)

Tensão mínima na carga 𝑽𝒎𝒊𝒏 = 𝑽𝒑 − ∆𝒗 = 𝟏𝟕𝟗, 𝟔𝟏 − (𝟎, 𝟏 𝒙 𝟏𝟕𝟗, 𝟔𝟏) = 𝟏𝟔𝟏, 𝟔𝟒𝒗 (4)

Tensão RMS na carga 𝒗𝒑𝒊𝒄𝒐 𝟏𝟕𝟗, 𝟔 (5)


= = 𝟏𝟐𝟕𝒗
√𝟐 √𝟐

Corrente RMS na carga 𝑽𝒓𝒎𝒔 𝟏𝟐𝟕 (6)


= = 𝟏, 𝟐𝟕𝑨
𝑹 𝟏𝟎𝟎

Potência eficaz na carga 𝑷𝒆𝒇 = 𝑽𝒓𝒎𝒔 𝒙 𝑰𝒓𝒎𝒔 = 𝟏𝟔𝟏, 𝟐𝟗𝑾 (7)

Frequência na carga Enquanto a senoide de entrada faz um ciclo, na carga (8)


faz dois 120 Hz

3.3 Terceira simulação

Tensão média na carga 𝟑 (1)


𝒙√𝟐 𝒙(𝟏𝟐𝟕𝒙√𝟑) = 𝟐𝟗𝟕, 𝟎𝟔𝒗
𝝅

Corrente média na carga 𝒗₀ 𝟐𝟗𝟕, 𝟎𝟔 (2)


= = 𝟐, 𝟗𝟕𝟎𝑨
𝑹 𝟏𝟎𝟎

Tensão máxima na carga 𝑽𝒎𝒂𝒙 = (𝟏𝟐𝟕𝒙√𝟑)𝒙√𝟐 = 𝟑𝟏𝟏, 𝟎𝟗𝒗 (3)


UNIÃO DE ENSINO DO SUDOESTE DO PARANÁ
FACULDADE EDUCACIONAL DE FRANCISCO BELTRÃO

Tensão mínima na carga 𝟏, 𝟐𝟐𝟓 𝒙 (𝟏𝟐𝟕 𝒙√𝟑) = 𝟐𝟔𝟗, 𝟒𝟔 𝒗 (4)

Tensão RMS na carga 𝑽𝒓𝒎𝒔 = 𝑽₀ = 𝟐𝟗𝟕, 𝟎𝟔 (5)

Corrente RMS na carga 𝑽𝒓𝒎𝒔 𝟐𝟗𝟕, 𝟎𝟔 (6)


= = 𝟐, 𝟗𝟕𝟎𝑨
𝑹 𝟏𝟎𝟎

Potência eficaz na carga 𝑷𝒆𝒇 = 𝑽𝒓𝒎𝒔 𝒙 𝑰𝒓𝒎𝒔 = 𝟐𝟗𝟕, 𝟎𝟔 𝒙𝟐, 𝟗𝟕𝟎 = 𝟖𝟖𝟐, 𝟒𝟕 𝑾 (7)

Frequência na carga 𝟔 𝑿𝟔𝟎𝑯𝒛 = 𝟑𝟔𝟎 𝑯𝒛 (8)

4.0 DESENVOLVIMENTO PRÁTICO


4.1 Primeira simulação

Neste experimento, foi montado um retificador de meia onda com diodo, fonte
senoidal e um resistor de carga, a frequência do sinal pulsante na carga será 60Hz.

Na primeira simulação o diodo é ideal e por isso não há queda de tensão na


retificação do sinal senoidal. Com isso o sinal em cima da carga será pulsado com
toda a parte positiva diretamente no resistor “R1”. Isso implica em toda a energia
fornecida pela fonte e retificada pelo diodo ser aplicada diretamente no resistor de
carga.

Ao adicionar a queda de tensão característica do diodo, na segunda parte do


primeiro experimento, vemos o mesmo sinal senoidal retificado, pulsado, no resistor
“R1”, porém, com a queda de tensão o diodo assume um consumo de energia, assim
a energia fornecida pela fonte será dissipada no diodo e no resistor.

No terceiro momento, um indutor de 0,01H foi adicionado ao circuito em série


com o resistor de carga, essa alteração incluiu o efeito indutivo ao circuito. Com isso,
a corrente, que é quem mantém o diodo em condução e carrega o campo magnético
no indutor, não cessa instantaneamente quando a fonte passa sua amplitude para
zero(momento relativo ao ângulo 𝝅), e posteriormente para valores negativos. O
resultado dessa alteração é uma continuação da tensão, mesmo com o diodo
inversamente polarizado, no indutor até o ângulo 𝛃(Eletronica de potência, Ivo Barbie
UNIÃO DE ENSINO DO SUDOESTE DO PARANÁ
FACULDADE EDUCACIONAL DE FRANCISCO BELTRÃO

Pg 25), que é maior que 𝝅. Esse ângulo é obtido na curva da figura 2.6(Eletronica de
potência, Ivo Barbie Pg 26).... Comentado [1]: Imagino que a descrição da curva ou
dos calculos vão no desenvolvimento teórico, não sei
quão aprofundado o Cleidimar quer

Alterando o resistor para 1Ohm aumentamos a corrente demandada da fonte,


isso faz o indutor armazenar mais energia em seu campo, aumentando assim o ângulo
𝛃, dessa forma o diodo permite que a condução ocorra por mais tempo devido a Comentado [2]: Imagino que a descrição da curva ou
dos calculos vão no desenvolvimento teórico, não sei
passagem da corrente ser mantida, impedindo a recuperação da barreira de depleção. quão aprofundado o Cleidimar quer

Para a continuação do primeiro experimento, foi utilizado um diodo de roda


livre, esse em paralelo com o indutor e a carga impede que a tensão fique
momentaneamente negativa. Esse efeito ocorre porque quando a fonte passa a
polarizar inversamente o diodo de retificação, com o diodo de roda livre, a corrente
assume outro caminho, permitindo a recuperação da barreira de depleção.

4.2 Segunda simulação


UNIÃO DE ENSINO DO SUDOESTE DO PARANÁ
FACULDADE EDUCACIONAL DE FRANCISCO BELTRÃO

Neste caso, foi montado um retificador monofásico de onda completa com


quatro diodos, uma fonte senoidal e um resistor de carga. Por ser uma ponte de onda
completa monofásica com quatro diodos, temos uma frequência de 240Hz.

Diodos ideais foram utilizados, resultando em uma retificação sem perdas.


Num primeiro momento, a retificação foi aplicada diretamente no resistor de carga.
Num segundo momento adicionamos um capacitor ao circuito para que o ripple da Comentado [3]: Verificar valor...

tensão na carga seja de no máximo 10%. Com o capacitor somado ao circuito, a


tensão média na carga foi elevada, e juntamente com ela, a corrente média na carga.

4.3 Terceira simulação

Para a terceira simulação foi montado um circuito retificador trifásico de onda


completa. Para isso foi necessário seis diodos, uma fonte trifásica e um resistor de
carga. Esse possui na carga uma frequência na carga de 360Hz.

Com o circuito retificador trifásico em onda completa a tensão média na carga


se eleva em relação a ponte monofásica em onda completa ou meia onda. Dessa
forma a correção do ripple se torna mais fácil devido frequência que torna os pulsos
mais próximos um do outro, diminuindo assim a quantidade de capacitores necessária
para que a tensão fique com uma ondulação máxima de 10%.

5.0 RESULTADOS E DISCUSSÕES

Após simular os circuitos dos três experimentos foi tabelado os resultados


usando como parâmetros os principais dados para análise dos modelos de
retificadores.

5.1 Experimento 1

No primeiro experimento foi criado três colunas de valores, sendo elas os


valores calculados a mão (Teórico), Valores com o diodo nativo no PSIM (real) e com
o diodo com a queda de tensão programada (Ideal). Segue abaixo os resultados do
experimento junto com as modificações posteriores realizadas que resultou nas
mudanças nas formas de ondas.
UNIÃO DE ENSINO DO SUDOESTE DO PARANÁ
FACULDADE EDUCACIONAL DE FRANCISCO BELTRÃO

Grandeza Teórico Diodo ideal Diodo real


Tensão média na carga (V) 57,17 63,53 63,14
Corrente média na carga (A) 0,5717 0,6353 0,6314
Tensão máxima na carga (V) 179,6 179,59 178,88
Tensão mínima na carga (V) 0 -0,001795 -0,00179
Tensão RMS na carga (V) 89,8 94,66 94,18
Corrente RMS na carga (A) 0,898 0,9466 0,9418
Potência eficaz na carga (W) 80,64 147,24 145,94
Frequência na carga (Hz) 60 60,1 60

Tabela 1 - Experimento 1

É observado no primeiro experimento o efeito indutivo no circuito, no momento


em que o indutor é adicionado o diodo passa a conduzir durante sua polarização
reversa, o que para circuitos puramente resistivos não ocorre em condições normais
de trabalho, e ao utilizar o diodo de roda livre, o formato de onda na carga novamente
se altera, mas desta vez para o original, prelevando o atraso da corrente.

5.2 Experimento 2
Grandeza Teórico Simulado Capacitor
Tensão média na carga (V) 114,34 112,69 168,52
Corrente média na carga
(A) 1,1434 1,1269 1,6852
Tensão máxima na carga
(V) 179,6 179,59 179,59
Tensão mínima na carga (V) 161,64 0,0012 164,84
Tensão RMS na carga (V) 127 125,66 169,84
Corrente RMS na carga (A) 1,27 1,2566 1,6984
Potência eficaz na carga
(W) 161,29 194,97 292,43
Frequência na carga (Hz) 120 119,95 119,96

Tabela 2 - Experimento 2

Para o segundo experimento o efeito capacitivo é evidenciado. Para corrigir


a variação de tensão, limitando-a em 10%, utilizamos um capacitor de 833,33 µF.
Observamos que a variação diminuiu conforme esperado, elevando assim a tensão
e corrente media na carga.

5.3 Experimento 3
Grandeza Teórico Y aterrado Triângulo
Tensão média na carga (V) 297,06 296,96 171,54
Corrente média na carga (A) 2,9706 2,9696 1,7154
Tensão máxima na carga (V) 311,085 311,076 179,59
UNIÃO DE ENSINO DO SUDOESTE DO PARANÁ
FACULDADE EDUCACIONAL DE FRANCISCO BELTRÃO

Tensão mínima na carga (V) 269,46 269,39 155,54


Tensão RMS na carga (V) 297,06 297,22 171,69
Corrente RMS na carga (A) 2,9706 2,9722 1,7169
Potência eficaz na carga (W) 882,44 886,46 295,79
Frequência na carga (Hz) 360 360 363,87

Tabela 3 - Experimento 3

No terceiro experimento, o mais evidente para o grupo, foi a redução da


capacitância necessária para elevar a variação da tensão para níveis aceitáveis.
Essa observação trouxe a conclusão de que quanto maior o número de pulsos
menor será o período dos pulsos, elevando assim a tensão média na carga e
reduzindo a capacitância necessária para manter a tensão com variação de no
máximo 10%.

6.0 CONCLUSÕES

Concluímos que as simulações trouxeram grande aprendizado teórico e


prático nas áreas abordadas, podendo observar os efeitos ocorridos ao se adicionar
elementos capacitivos e indutivos, na presença, ou não, de um diodo de roda livre, e
para futuros trabalhos, uma sugestão aceitável é a implementação de uma ponte de
onda completa em um circuito com 6 fazes diferentes, para acrescentar no
aprendizado observando, entre outros efeitos, a capacitância que fará com que a
variação de tensão seja aceitável.

7.0 REFERÊNCIAS
ALVES, P. H. Retificadores não controlados, controlados e tiristores.
ebah, 2014. Disponivel em:
<https://www.ebah.com.br/content/ABAAAerCQAL/retificadores-nao-
controlados-controlados-tiristores>.
UNIÃO DE ENSINO DO SUDOESTE DO PARANÁ
FACULDADE EDUCACIONAL DE FRANCISCO BELTRÃO
UNIÃO DE ENSINO DO SUDOESTE DO PARANÁ
FACULDADE EDUCACIONAL DE FRANCISCO BELTRÃO
UNIÃO DE ENSINO DO SUDOESTE DO PARANÁ
FACULDADE EDUCACIONAL DE FRANCISCO BELTRÃO
UNIÃO DE ENSINO DO SUDOESTE DO PARANÁ
FACULDADE EDUCACIONAL DE FRANCISCO BELTRÃO
UNIÃO DE ENSINO DO SUDOESTE DO PARANÁ
FACULDADE EDUCACIONAL DE FRANCISCO BELTRÃO
UNIÃO DE ENSINO DO SUDOESTE DO PARANÁ
FACULDADE EDUCACIONAL DE FRANCISCO BELTRÃO