Você está na página 1de 12

Ciências do ambiente

Aula 10: Gestão do ambiente

Apresentação
Nesta aula, realizaremos o estudo sobre a gestão do ambiente, uma área de extrema importância para a manutenção do
equilíbrio do ecossistema e da manutenção da vida terrestre. Discutiremos o conceito de gestão ambiental e o conceito de
gestão da sustentabilidade observando a função de cada um.

Conheceremos o conceito de gestão compartilhada, ou seja, uma gestão ambiental sustentável e as formas como deve
ser implementada, e aproveitaremos para rever alguns conceitos já vistos nas outras aulas da nossa disciplina.

Objetivos
De nir os conceitos de gestão ambiental e gestão da sustentabilidade;

Descrever o conceito de gestão compartilhada e sua aplicação.

Gestão ambiental
 (Fonte: freepik)

O ecossistema consiste em uma unidade de organismos que funcionam em conjunto, interagindo com o ambiente em que
vivem e gerando os ciclos de energia e de materiais levando a uma sequência fundamental de atividades, como recepção de
energia, produção primária de matéria orgânica pela ação dos consumidores, consumo da matéria orgânica pelos
consumidores, decomposição da matéria orgânica, e outros.

Apesar dos componentes bióticos do ecossistema e do poder que eles possuem de se regenerar, a velocidade com que vêm
sendo consumidos ou degradados impede que a regeneração ocorra, levando a várias complicações para os seres vivos e
comprometendo todo um equilíbrio.

A m de manter o equilíbrio no ecossistema, os governos têm por função realizar ações a m de reduzir drasticamente os
danos ambientais causados pelo crescimento desordenado de cidades, crescimento populacional e do desperdício, utilizando,
para tal, a criação de incentivos no aproveitamento de matérias-primas, redução no consumo de energia, redução no consumo
de água, reciclagem e reuso, entre outros.

Os municípios, estados e a federação devem, portanto, No Brasil, os órgãos ambientais existentes são
assumir políticas públicas que visem a de redução dos organizados no Sistema Nacional do Meio Ambiente
desperdícios, que dê subsídio a projetos (SISNAMA), que contém como órgão superior, o
ecologicamente corretos e de geração de emprego e Conselho de Governo; órgão consultivo e deliberativo, o
renda, e diversas outras ações, de maneira que possam Conselho Nacional de Meio Ambiente (CONAMA), órgão
punir, corrigir e incentivar medidas que, além de serem central, o Ministério do Meio Ambiente; órgão executor,
ambientalmente justas, também fazem parte de seu o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (IBAMA) e os
interesse econômico. órgãos setoriais, seccionais e locais.

A Constituição Brasileira de 1988 estabeleceu que a população possui direito a ter um ambiente ecologicamente equilibrado,
sendo toda e qualquer ação contra esse princípio ilegal, e estabelece os princípios de sustentabilidade, como uma imposição
ao poder público e à população, para que defendam e preservem o ambiente para as futuras gerações e para a atual; e o da
responsabilidade ambiental, levando o ônus da recuperação de danos e impactos ambientais a aqueles que os causaram, e por
meio da Lei nº 6938/81, estabeleceu o que deve ser obtido por meio da PNMA por seu artigo 2º:

Art. 2º. A Política Nacional do Meio Ambiente tem por objetivo a preservação, melhoria e recuperação da qualidade
ambiental propícia à vida, visando assegurar, no País, condições ao desenvolvimento socioeconômico, aos interesses da
segurança nacional e à proteção da dignidade da vida humana, atendidos os seguintes princípios:

I - ação governamental na manutenção do equilíbrio ecológico, considerando o meio ambiente como um patrimônio
público a ser necessariamente assegurado e protegido, tendo em vista o uso coletivo;
II - racionalização do uso do solo, do subsolo, da água e do ar;
III - planejamento e scalização do uso dos recursos ambientais;
IV - proteção dos ecossistemas, com a preservação de áreas representativas;
V - controle e zoneamento das atividades potencial ou efetivamente poluidoras;
VI - incentivos ao estudo e à pesquisa de tecnologias orientadas para o uso racional e a proteção dos recursos ambientais;
VII - acompanhamento do estado da qualidade ambiental;
VIII - recuperação de áreas degradadas;
IX - proteção de áreas ameaçadas de degradação;
X - educação ambiental a todos os níveis do ensino, inclusive a educação da comunidade, objetivando capacitá-la para
participação ativa na defesa do meio ambiente.

Em busca da obtenção de uma gestão 


ambiental, as organizações ambientais vêm
estimulando o uso das normas da
International Organization of Standardization
(ISO), por meio da associação, padronização
e normatização, utilizando para tal a ISO
14000, que trata de um conjunto de condutas
técnicas e administrativas que determina os
padrões para a gestão ambiental em
empresas, organizações públicas,
organizações privadas e associações.

 De maneira geral, tem-se, portanto, que um


sistema de gestão é a inter-relação de
elementos que estabelecerão políticas para
atingir objetivos, e um sistema de gestão
ambiental, que deve proporcionar garantias
de que o desempenho de atividades
industriais e humanas atenderão a requisitos
legais e aos de sua própria política.

A Resolução nº 306/2002 do CONAMA 


estabelece a gestão ambiental como a
condução, direção e controle no uso dos
recursos naturais, nos riscos ambientais e
nas emissões de gases pela implementação
de um sistema que se baseia em um método
com foco e prioridade no desenvolvimento
sustentável.
 Uma gestão ambiental está aplicada na
destinação nal de uma embalagem de bala,
de um pacote de biscoitos, de um resíduo
gerado por uma indústria, ou seja, está
relacionada a hábitos cotidianos da
população, como não jogar o lixo na rua, nos
córregos e rios, e a procedimentos
empresariais, e dessa forma, a gestão do
ambiente deve ser planejada desde a
obtenção do material até o seu descarte na
forma de embalagem ou restos.

Uma gestão ambiental deve possuir:

1. Sistema de gestão ambiental;

2. Estudo de aspectos e impactos ambientais;

3. Utilização de uma matriz energética sustentável;

4. Gestão dos recursos hídricos;

5. Emissão atmosférica e mercado de créditos de carbono;

6. Gestão de resíduos sólidos.

A série ISO 14000 contempla uma série de normas e ainda apresenta outras em desenvolvimento, mas, uma boa forma de se
obter essa certi cação (para empresas) ou um sistema de gestão ambiental cotidiano (para população), é a aplicação do ciclo
PDCA:
No ciclo PDCA, ocorre uma avaliação de todos os processos com a
nalidade de veri car a origem dos problemas e, dessa forma, corrigir por
meio de intervenções, ações de melhoria, e outros, tendo-se a ideia de
continuidade produzida por circularidades.

De maneira geral, a ISO 14000 possui cinco princípios a serem seguidos pelas empresas:
1 2

Princípio do comprometimento e política, em que deve-se Princípio do planejamento, em que ocorre a formulação do
de nir a política ambiental e assegurar o seu plano a ser seguido para o cumprimento da política ambiental.
comprometimento com o sistema de gestão ambiental.

3 4

Princípio da implementação, em que ocorre a capacitação e o Princípio da medição e avaliação, em que ocorre a
desenvolvimento de mecanismos a m de atender a política, mensuração e o monitoramento, a m de avaliar o
metas e objetivos ambientais. desempenho ambiental da empresa.

Princípio da análise crítica e melhoria, em que ocorre a análise


crítica, a m de se o processo de gestão ambiental seja
aprimorado e aperfeiçoado.

Os principais instrumentos da política pública brasileira (Figura 1) podem ser designados como em gênero e espécie, e são
centrados nos instrumentos de gestão ambiental a m de estabelecer padrões de qualidade, zoneamentos ambientais,
espaços territoriais protegidos, licenciamento ambiental e outros.
 Figura 1: Instrumentos da política pública brasileira. | Fonte: (FLORIANO, 2007)

Esses instrumentos podem ser divididos em:

✔ Instrumentos de comando e controle;


✔ Instrumentos econômicos,
✔ Instrumentos de autorregulação
✔ Macropolíticas com interface ambiental

Tais instrumentos são obtidos por meio de licenciamentos, incentivos econômicos, inibições econômicas, punição e
conservações de ambientes.

Gestão de desempenho ambiental

O desempenho ambiental pode ser de nido como a


mensuração de resultados de uma organização acerca de
sua gestão sob os aspectos ambientais, sendo realizada
com base na política, objetivos e metas contidos no sistema
de gestão ambiental de uma empresa.
A gestão do desempenho ambiental, portanto, consiste em
uma ferramenta de gestão interna com a nalidade de, por
meio da coleta de informações con áveis e veri cáveis,
determinar a adequação de uma organização frente os
critérios de desempenho ambientais estabelecidos, sendo
um processo contínuo que eleva a e ciência de uma
organização.

 (Fonte: Por RachenArt / Shutterstock)

De acordo com a norma ISO 14031, a gestão de desempenho ambiental pode ser aplicada por meio do PDCA:

Na fase de planejar, possui a Na fase de executar, obter os dados Na fase de veri car e atuar, rever e
avaliação dos aspectos ambientais originais, analisar e converter os analisar periodicamente os resultados
relevantes sob controle da mesmos, avaliar a informação e a m de detectar situações que
organização, os critérios de comunicar. precisam de melhoria ou podem ser
desempenho ambiental e as melhoradas.
perspectivas das partes interessadas.

Gestão de sustentabilidade
Conceitualmente, sustentabilidade é o resultado da interligação entre as necessidades das gerações presentes e futuras e as
necessidades econômicas, o que permite a criação de um conceito que almeje a viabilidade econômica e ao mesmo tempo
que crie condições necessárias ao futuro.

A transformação do conceito de sustentabilidade em ferramentas de gestão que possam ser medidas e simuladas é a principal
atribuição de um sistema de gestão da sustentabilidade, devendo diagnosticar, sensibilizar e capacitar por meio da
implementação de novas práticas ou de um sistema de gestão sustentável, o que pode ser obtido por meio de:

✔ Estratégia de desenvolvimento sustentável;


✔ Avaliação e monitorização de impactes ambientais, como a pegada de carbono ou a pegada hídrica;
✔ Planos de baixo carbono;
✔ Relatórios de sustentabilidade.
Na atualidade, uma gestão de sustentabilidade é atribuição
tanto de empresas quanto dos órgãos públicos, que devem
conscientizar as diferentes camadas sociais e setores de
que em tempos de crise hídrica e problemas no
abastecimento de energia elétrica, a sustentabilidade se
trata de uma conscientização coletiva a m de preservar os
recursos humanos.

 (Fonte: Por PopTika / Shutterstock)

Gestão compartilhada
Para garantir uma e ciência no ciclo de vida dos produtos, ou seja, desde a sua fabricação até o seu descarte, a
implementação de uma cadeia de ações de gerenciamento e responsabilidade com uma abordagem participativa é a principal
característica do que se denomina gestão compartilhada.

A gestão compartilhada compreende um conjunto de ações que visam buscar soluções para a destinação nal de resíduos ou
rejeitos, considerando as dimensões políticas, econômicas, ambientais, culturais, com controle social e sob a premissa do
desenvolvimento sustentável.

Os processos de uma gestão compartilhada são o incentivo à e ciência dos processos e a otimização do uso da matéria-
prima, que visam a redução do desperdício, diminuindo impactos ambientais e à saúde pública, redirecionando os resíduos
gerados ou reaproveitando os mesmos, acarretando em economia.

A gestão compartilhada pode ser aplicada em diferentes setores e também em instituições públicas, levando a uma
horizontalidade e criando um envolvimento consciente e integrado das atividades.
 (Fonte: Freepik)

As principais vantagens de uma gestão As desvantagens se baseiam em:


compartilhada são:
Perda do foco: As estratégias são
Diferentes visões sobre um mesmo aplicadas apenas na ocorrência de
problema: Diferentes áreas pensam em necessidade, o que, muitas vezes, acaba
soluções relacionadas às suas por não permitir a conclusão do projeto;


perspectivas de mundo, o que acarreta
numa otimização e soluções mais Di culdade de se chegar a uma solução:

uidas; Ideias muito díspares levam problemas


em concordância dos líderes e
Desenvolvimento maior dos segmentos di culdade em conquistar metas, sendo
de liderança nas empresas: Leva a um necessária uma sinergia organizacional.
melhor aproveitamento dos pro ssionais
da empresa e permite maior autonomia
às equipes, para que cresçam e se
desenvolvam.
Atividade
1. A gestão ambiental deve ser aplicada nos diferentes setores, e dessa forma, a gestão da qualidade dos recursos hídricos
deve conciliar interesses com elevado potencial de gerar con itos em relação aos usos pretendidos para os corpos d’água,
como:

a) Pesca esportiva e esportes náuticos.


b) Pesca comercial e abastecimento de água.
c) Harmonia paisagística e navegação.
d) Produção de energia e transporte hidroviário.
e) Irrigação e criação de peixes.

2. Segundo a Política Nacional do Meio Ambiente, é considerada degradação da qualidade ambiental resultante de atividades
que direta ou indiretamente afetem desfavoravelmente a biota:

a) O meio ambiente degradado.


b) A servidão ambiental.
c) A exploração da vegetação.
d) O desequilíbrio ecológico.
e) A poluição.

3. De acordo com a Lei Nacional que institui o Sistema Nacional do Meio Ambiente (SISNAMA), que previu as competências do
Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA), é correto inferir que se insere dentro do conceito de preservação, melhoria e
recuperação da qualidade ambiental, previstos na Lei de Política Nacional do Meio Ambiente (Lei no 6.938/1981):

a) Ação governamental na manutenção do equilíbrio ecológico, considerando o meio ambiente como um patrimônio público a ser
necessariamente assegurado e protegido, tendo em vista o uso coletivo.
b) Controle irrestrito do uso do solo, do subsolo, da água e do ar, com limitação para seu uso.
c) Proteção dos ecossistemas, sem preservação de áreas representativas, quando inviável a recuperação dos referidos ecossistemas.
d) Desregulação de atividades potencial ou efetivamente poluidoras, quando o particular houver demonstrado, por estudos técnicos, a
ausência de potencial dano ao meio ambiente.
e) Alienação de áreas degradadas, para o fim de garantir o desenvolvimento social das áreas mais pobres ou zonas de exclusão
econômica.

4. Quais as principais estratégias de um sistema de gestão de sustentabilidade?

Referências
5. Comente sobre como seria o funcionamento da gestão compartilhada de resíduos sólidos.

ALBUQUERQUE, Fábio. Entenda o que é e como funciona a gestão compartilhada. Disponível em: //blog.unipe.br/pos-
graduacao/entenda-o-que-e-e-como-funciona-a-gestao-compartilhada. Acesso em 1 maio 2019.

AMORIM, Eduardo Lucena. Gestão Ambiental. Universidade federal de Alagoas (UFAL). Disponível em:
//www.ctec.ufal.br/professor/elca/gest_amb.pdf Acesso em 1 maio 2019.
CONSULAI. Gestão da sustentabilidade. Disponível em: https://www.consulai.com/index.php?
option=com_content&view=article&id=52&Itemid=371&lang=pt. Acesso em 1 maio 2019.

NASCIMENTO, Luiz Felipe. Gestão ambiental e sustentabilidade. Florianopolis: Departamento de Ciências da


Administração/UFSC; (Brasília):

CAPES: UAB, 2012. 148p. Disponível em:


//www.ufjf.br/engsanitariaeambiental/ les/2012/09/Livrotexto_Gestao_Ambiental_Sustentabilidade.pdf. Acesso em 1 maio
2019.

PAGEL, Floriano Eduardo. Políticas de gestão ambiental. 3. ed. Santa Maria: UFSM-DCF, 2007. 111p. Disponível em:
//coral.ufsm.br/dc /seriestecnicas/serie7.pdf Acesso em 1 maio 2019.

Explore mais

Avaliação de desempenho ambiental;

Políticas de gestão ambiental.