Você está na página 1de 88

Dayse Lúcide Silva Santos

História do Brasil
República I

Montes Claros/MG - 2011


Copyright ©: Universidade Estadual de Montes Claros
UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS - UNIMONTES

REITOR REVISÃO TÉCNICA


João dos Reis Canela Admilson Eustáquio Prates
Cláudia de Jesus Maia
VICE-REITORA Josiane Santos Brant
Maria Ivete Soares de Almeida Karen Tôrres Corrêa Lafetá de Almeida
Káthia Silva Gomes
DIRETOR DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÕES Marcos Henrique de Oliveira
Huagner Cardoso da Silva
DESIGN EDITORIAL E CONTROLE DE PRODUÇÃO DE CONTEÚDO
CONSELHO EDITORIAL Andréia Santos Dias
Maria Cleonice Souto de Freitas Camilla Maria Silva Rodrigues
Rosivaldo Antônio Gonçalves Clésio Robert Almeida Caldeira
Sílvio Fernando Guimarães de Carvalho Fernando Guilherme Veloso Queiroz
Wanderlino Arruda Francielly Sousa e Silva
Hugo Daniel Duarte Silva
REVISÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA Marcos Aurélio de Almeida e Maia
Ângela Heloiza Buxton Patrícia Fernanda Heliodoro dos Santos
Arlete Ribeiro Nepomuceno Sanzio Mendonça Henriques
Aurinete Barbosa Tiago Tatiane Fernandes Pinheiro
Carla Roselma Athayde Moraes Tátylla Ap. Pimenta Faria
Luci Kikuchi Veloso Vinícius Antônio Alencar Batista
Maria Cristina Ruas de Abreu Maia Wendell Brito Mineiro
Maria Lêda Clementino Marques Zilmar Santos Cardoso
Ubiratan da Silva Meireles

Catalogação: Biblioteca Central Professor Antônio Jorge - Unimontes


Ficha Catalográfica:

2011
Proibida a reprodução total ou parcial.
Os infratores serão processados na forma da lei.

EDITORA UNIMONTES
Campus Universitário Professor Darcy Ribeiro
s/n - Vila Mauricéia - Montes Claros (MG)
Caixa Postal: 126 - CEP: 39.401-089
Correio eletrônico: editora@unimontes.br - Telefone: (38) 3229-8214
Ministro da Educação Chefe do Departamento de Ciências Biológicas
Fernando Haddad Guilherme Victor Nippes Pereira

Secretário de Educação a Distância Chefe do Departamento de Ciências Sociais


Carlos Eduardo Bielschowsky Maria da Luz Alves Ferreira

Coordenador Geral da Universidade Aberta do Brasil Chefe do Departamento de Geociências


Celso José da Costa Guilherme Augusto Guimarães Oliveira

Governador do Estado de Minas Gerais Chefe do Departamento de História


Antônio Augusto Junho Anastasia Donizette Lima do Nascimento

Vice-Governador do Estado de Minas Gerais Chefe do Departamento de Comunicação e Letras


Alberto Pinto Coelho Ana Cristina Santos Peixoto

Secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Chefe do Departamento de Educação


Alberto Duque Portugal Andréia Lafetá de Melo Franco

Reitor da Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes Coordenadora do Curso a Distância de Artes Visuais
João dos Reis Canela Maria Elvira Curty Romero Christoff

Vice-Reitora da Unimontes Coordenador do Curso a Distância de Ciências Biológicas


Maria Ivete Soares de Almeida Afrânio Farias de Melo Junior

Pró-Reitora de Ensino Coordenadora do Curso a Distância de Ciências Sociais


Anete Marília Pereira Cláudia Regina Santos de Almeida

Diretor do Centro de Educação a Distância Coordenadora do Curso a Distância de Geografia


Jânio Marques Dtias Janete Aparecida Gomes Zuba

Coordenadora da UAB/Unimontes Coordenadora do Curso a Distância de História


Maria Ângela Lopes Dumont Macedo Jonice dos Reis Procópio

Coordenadora Adjunta da UAB/Unimontes Coordenadora do Curso a Distância de Letras/Espanhol


Betânia Maria Araújo Passos Orlanda Miranda Santos

Diretor do Centro de Ciências Humanas - CCH Coordenadora do Curso a Distância de Letras/Inglês


Antonio Wagner Veloso Rocha Hejaine de Oliveira Fonseca

Diretora do Centro de Ciências Biológicas da Saúde - CCBS Coordenadora do Curso a Distância de Letras/Português
Maria das Mercês Borem Correa Machado Ana Cristina Santos Peixoto

Diretor do Centro de Ciências Sociais Aplicadas - CCSA Coordenadora do Curso a Distância de Pedagogia
Paulo Cesar Mendes Barbosa Maria Narduce da Silva

Chefe do Departamento de Artes


Maria Elvira Curty Romero Christoff
Autora
Dayse Lúcide Silva Santos
Graduada em História/FAFIDIA/UEMG. Mestre em História e Doutoranda em História pela Univer-
sidade Federal de Minas Gerais – FAFICH/UFMG. Professora do Instituto Federal do Norte de Minas
Gerais/IFNMG do Campus de Pirapora.
Sumário
Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9

Unidade 1
A República no Brasil: do início à consolidação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11

Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11

1.1 Diálogos do poder: transição Império-República . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11

1.2 Um povo bestializado? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13

1.3 A formação das almas republicanas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16

1.4 A Consolidação da República . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21

Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23

Unidade 2
O coronelismo e a República Velha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25

Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25

2.1 O coronelismo como fenômeno político no Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25

2.2 O poder dos coronéis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28

2.3 Economia e sociedade na Primeira República . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32

Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37

Unidade 3
A transição para o governo Vargas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39

Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39

3.1 As Contestações sociais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39

3.2 As revoltas urbanas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46

3.3 Os movimentos operários no Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50

3.4 A década de 1920 e o desgaste da República Velha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53

Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
Unidade 4
O governo de Vargas ente 1930 e 1945 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59

Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59

4.1 Da ascensão de Vargas ao Governo Constitucional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59

4.2 O Governo Constitucional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61

4.3 O Estado Novo Varguista (1937-1945) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64

4.4 Política industrial brasileira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66

4.5 A crise do modelo autoritário: o fim da Era Vargas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68

Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71

Vídeos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72

Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75

Referências básicas, complementares e suplementares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77

Atividades de Aprendizagem - AA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
História - História do Brasil República I

Apresentação
A disciplina História do Brasil República I A compreensão dos processos históri-
é integrante da Matriz Curricular do Curso de cos como imbuídos do caráter de mudança é
História da Universidade Estadual de Montes importante para o historiador, pois é o que o
Claros/UNIMONTES. forma com uma visão de que as “coisas” não
O presente material didático dessa disci- são estáticas. Buscamos construir uma discus-
plina busca apresentar e discutir com você a são que demonstrasse esse princípio ao orga-
nossa História no período Republicano brasi- nizarmos a Unidade III: A transição para o
leiro de 1889 a 1945. O que denominamos em governo Vargas e, para que melhor pudésse-
nossa matriz curricular como sendo o conteú- mos perceber isso, dividimos tal unidade nos
do de Brasil República I, comumente, estuda- seguintes itens:
mos nos livros didáticos como a República Ve- • As Contestações sociais
lha (1880 a 1930) e a Era Vargas (1930 a 45). a. Guerra de Canudos
Vale ressaltar que neste material você b. Guerra do Contestado
encontrará diversas figuras que foram apro- c. o Cangaço
priadas por nós, visando estimular a sua crítica • As revoltas urbanas
imagética. Sendo assim, aconselhamos anali- a. a Revolta da Vacina
sar as imagens pensando sempre em seu con- b. a Revolta da Chibata ou a Revolta dos Ma-
texto de produção e os interesses de quem as rinheiros
produziu e a quem ou a qual grupo social elas • Os movimentos operários no Brasil
eram endereçadas. As figuras a que nos referi- • A década de 20 e o desgaste da República
mos são fotografias, recortes de jornais, char- Velha
ges, entre outras. a. A semana de arte moderna de 1922
A distribuição do conteúdo em quatro b. A fundação do partido comunista
grandes blocos de discussão contou inicial- c. A crise de 1929
mente com o diálogo com o professor Alysson d. A revolução de 1930
Luiz Freitas de Jesus, a quem agradecemos nesse Buscando alcançar os anos 1940, abrimos
instante. Feitas essas considerações, chamamos outra discussão a respeito da chamada Era
a sua atenção para que observe o modo como Vargas e para tal a Unidade IV: O governo de
organizamos esse material. Vejamos: Vargas de 1930 a 1945. Esta está organizada
Com o intuito de apresentar a você o pro- a partir dos seguintes pontos de discussão:
cesso histórico relativo à passagem do Império à • Diálogos do poder: transição Império-Re-
República, organizamos a Unidade I: A República pública.
no Brasil: Do início à consolidação e, para tanto, • Um povo bestializado?
destacamos os seguintes pontos de reflexão: • A formação das almas republicanas.
• Diálogos do poder: transição Império-Re- • A Consolidação da República.
pública. Por fim, vale ressaltar que as unidades
• Um povo bestializado? descritas foram organizadas pensando na di-
• A formação das almas republicanas. versidade da discussão dessa temática entre
• A Consolidação da República. os historiadores e, diante disso, procedemos à
Visando estimular a reflexão sobre o pe- escolha de alguns autores que consideramos
ríodo em questão, no que tange às escolhas fundamentais para a sua leitura.
políticas e a característica socioeconômica da Temos plena consciência de que o as-
nossa República nascente, organizamos a Uni- sunto aqui tratado não se esgotou e que,
dade II: O coronelismo e a República Velha e, como em todas as escolhas, alguns assuntos
para tal discussão, destacamos os itens a seguir: e autores não foram contemplados. Todavia,
• O coronelismo como fenômeno político entendemos o quanto é importante você de-
no Brasil. senvolver a visão de dar continuidade aos seus
• O poder dos coronéis. estudos a partir de uma base sólida. Procuran-
• Economia e sociedade na Primeira República. do contribuir com a sua formação, desejamos
a. A sociedade do café. que este material faça parte dessa base.
b. A sociedade da borracha. Bom estudo!
c. Os ideais de modernidade e a belle époque Profª Dayse Lúcide Silva Santos

9
História - História do Brasil República I

Unidade 1
A República no Brasil: do início à
consolidação

Introdução
Esta primeira Unidade da disciplina Brasil República I tem como objetivo precípuo entabular
uma discussão sobre o contexto histórico da “virada” do Império para a República no Brasil.
Você se defrontará com situações comuns, que até os dias de hoje corriqueiramente usamos
em nosso cotidiano: notas e moedas. Entretanto, utilizaremos moedas e notas um pouco mais
antigas e que deram origem à unidade de cruzeiro em priscas eras e, atualmente, desaguou no
atual real que utilizamos em 2011.
Entenderemos, por meio de diversas indagações, os diálogos do poder, a participação po-
pular no momento importante para o Brasil e o modo como a alma republicana foi forjada nesse
país e caminhou para a consolidação ao longo de breve tempo.
Boa Aula!

1.1 Diálogos do poder: transição


Império-República

◄ Figura 1: Imagem
representativa da
Primeira Carta Magna
brasileira do período
da República Velha no
Brasil, publicada em 24
de fevereiro de 1891 no
Diário Oficial da União.
Fonte: http://www.
novomilenio.inf.br/festas/
brasil17.htm acesso em
20/12/2010.

11
UAB/Unimontes - 6º Período

Dicas Analisemos a figura. Ela representa a sala mento dos jornais e partidos abolicionistas e
das Sessões do Congresso Nacional Consti- republicanos.
Vamos conhecer um pouco
tuinte, na cidade do Rio de Janeiro, como es- Essa constituição representava o momen-
mais sobre a primeira Carta
Magna brasileira? paço físico privilegiado. Aos 24 dias do mês do to político liderado pelas elites agrárias no Bra-
Acesse o documento na fevereiro de 1891, a constituição foi promulga- sil quando implantamos o voto universal para
íntegra em: da e iria mudar os rumos do Brasil no sentido os cidadãos. Dizendo assim até que é interes-
http://www.novomilenio. de constituir um país republicano, abandonan- sante, não é mesmo? Entretanto, as ressalvas
inf.br/festas/brasil17.htm
do de modo mais definitivo seus veios políti- existiram, pois as mulheres, os analfabetos e
Ao ler a nossa primeira
Carta Magna republica- cos monarquistas no poder instituído. os militares de baixa patente não votavam. A
na procure perceber no Inicialmente, podemos questionar: de ideia de cidadania veiculada na constituição
texto o papel dos Estados e onde veio o modelo de governo instituído na de 1891 atendeu à cerca de 3% da sociedade
Municípios nessa República Primeira República? Ou melhor, em qual povo/ brasileira.
nascente.
nação a elite brasileira irá se inspirar para defi- O momento histórico que se estende de
Destaque alguns aspectos
que lhe chamaram a nir o seu modelo de governabilidade? O dia 15 1889 a 1893 foi marcado pela atuação de mi-
atenção na constituição e de novembro de 1889, data em que comemo- litares no poder, notadamente o Marechal De-
poste no Fórum criado pelo ramos até os dias de hoje como marco político odoro da Fonseca, que em 1891 renunciou, e o
professor visando socializar importante em nossa história, guarda marcas seu vice, Floriano Peixoto, assumiu o cargo po-
diferentes “impressões”
de processos anteriores de desejo de institui- lítico mais importante no país. O cerco à mo-
sobre esse documento.
ção de um novo regime político? Ou essa foi narquia (regime político anterior: 1822 a 1889)
PARA REFLETIR uma data marcante apenas no sentido de que vai se fechando e a república ganhando cada
A Constituição brasileira naquele ano se iniciava um novo tempo que vez mais espaço.
de 1891 adotou em gran- abandonava o passado monarquista? Já o período de 1894 a 1930 foi caracteri-
des linhas o modelo da Certamente você deve ter se perguntado zado pela presença de civis no poder, notada-
Constituição dos Estados sobre essas questões aqui levantadas. Vamos mente aqueles ligados ao setor agrário-expor-
Unidos.
compreender melhor esse momento político tador cuja atuação foi marcante nos partidos
Sua principal característi-
ca foi o presidencialismo. brasileiro? políticos republicanos brasileiros, especial-
O presidente é eleito com Vejamos que a nossa constituição de 1891 mente o Partido Republicano Mineiro (PRM) e
mandato por quatro anos, tem como abertura as palavras: “Nós, os re- o Partido Republicano Paulista (PRP).
com vice-presidente, não presentantes do povo brasileiro, reunidos em Soma-se ao processo de modificação do
podendo haver reelei-
Congresso Constituinte, para organizar um nosso regime político fatores históricos que se
ção. Também os estados
tinham presidentes, os regime livre e democrático, estabelecemos, processavam desde o século XIX, a saber:
quais eram eleitos em decretamos e promulgamos” a presente Carta - o crescimento econômico do oeste pau-
cada uma de suas unida- (CONSTITUIÇÃO, 1891). Encontramos dizeres lista cuja base era o café e possuía interesses
des federativas. semelhantes na Constituição da República dos por vezes conflitantes com os do Império do
Adotamos, ainda, do mo-
Estados Unidos da América do Norte (EUA). Brasil no período da segunda metade dos oi-
delo norte americano a
divisão entre três poderes: Caso você esteja desconfiado de que a influ- tocentos;
- o Executivo (que executa ência de nossa república tenha vindo dos Esta- - o crescente desenvolvimento urbano
as leis ou encaminha dos Unidos, você acertou! Ainda, é importante no país e as alterações no sistema escravista
projetos de lei para o destacar que tal influência foi notada desde o até culminar com a abolição da escravatura
Congresso);
século XVIII, especialmente no movimento de em 1888;
- o Legislativo (Câmara
dos Deputados e Senado Inconfidência Mineira ocorrido em Minas Ge- - a insatisfação no exército, que deseja-
que fazem as leis); rais, em 1789. va obter prestígio profissional além de ser
- o Judiciário (Julga con- Logo, você já percebeu que outro ques- uma classe que não podia manifestar as suas
flitos entre os cidadãos e tionamento feito acima foi respondido: a no- reclamações;
interpreta as leis, inclusive
ção de República no Brasil remonta ao século - o questionamento do alto custo e do
a Constituição).
Vale destacar algumas XVIII, entretanto, esta não teve força majori- despreparo do Império brasileiro frente às
outras características: tária para se fazer presente no sistema gover- guerras internas e externas, bem como a cons-
- direito de voto para os namental adotado. Sendo assim, assistimos, tatação de que o nosso Império não dava con-
homens maiores de 21 durante o século XIX, o Império como o siste- ta de promover o progresso material almejado
anos alfabetizados, o voto
ma de governo estabelecido até 1889. A nos- por grande parte de nossa elite.
não era secreto e não
existia justiça eleitoral. sa República foi instituída a partir dessa data, Uma análise do historiador marxista Buo-
- decretada a separação mas constituiu-se, paulatinamente, no proces- nicore (2010) aponta para duas estratégias dis-
da Igreja Católica e Esta- so histórico e teve grande impulso ao final dos tintas no processo de substituição da Monar-
do, ou seja, laicização do anos 1860/70, notadamente com o fortaleci- quia pela República, vejamos:
Estado.
- institucionalização do
casamento civil, registro
de óbito e nascimento
pelo Estado.
- definição do Estado
como nitidamente liberal.

12
História - História do Brasil República I

Uma defendia que essa mudança deveria se dar dentro da ordem, sem grande
mobilização popular, outra advogava a derrubada revolucionária da monar-
quia.
Essas duas correntes do republicanismo estavam ligadas a distintas bases so-
ciais. A reformista era composta, fundamentalmente, por elementos vincu-
lados à aristocracia agrária. Os radicais às parcelas urbanas, especialmente às
classes médias. O republicanismo moderado – ou conservador – tinha maior
força em São Paulo e o radical no Rio de Janeiro. Embora os reformistas fossem
hegemônicos nos dois estados.
Entre os republicanos mais exaltados se encontravam Silva Jardim e Lopes
Trovão. Acreditavam que a República precisava ‘ser feita nas ruas e em torno
dos palácios do imperante e de seus ministros’ e que não se poderia ‘dispen-
sar um movimento francamente revolucionário’. Por outro lado, ainda em 1881,
o principal líder nacional dos republicanos, Quintino Bocaiúva, condenava os
que ‘procuravam encaminhar a causa republicana para uma solução violenta e
inoportuna’, os que almejavam desviar o movimento ‘do campo da discussão e
da propaganda pacífica, para o campo da revolução armada, fazendo-o aban-
donar as armas da persuasão e da influência moral para substituí-la pelo facho
incendiário da discórdia civil e da guerra fratricida’.
No decorrer da década de 1880 estabeleceu-se uma aliança entre os ‘republi-
canos históricos’ paulistas, os reformistas e positivistas do Rio de Janeiro, que
isolou a ala radical do Partido Republicano Nacional. Silva Jardim, como Lopes
Trovão, acabaram sendo postos à margem do movimento quando ele estava
prestes a tornar-se vitorioso (BUONICORE, 2010, p.1)

Mas, ainda nos falta compreender o papel do povão. Será que o povão assistiu a todo o pro-
cesso da Proclamação da República brasileira bestializado? Ou melhor, alheio ao movimento po-
lítico que acontecia naquele instante? Essas questões incomodaram ao cientista político e histo-
riador José Murilo de Carvalho e, dentre tantas obras desse autor, podemos trabalhar com duas
delas: “Os Bestializados” e a “Formação das Almas”. Em ambas, a República brasileira é a temática
central.

1.2 Um povo bestializado?


◄ Figura 2: El Rey, nosso
senhor e amo, dorme o
sonno da... indifferença.
Os jornaes, que
diariamente trazem
os desmandos desta
situação, parecem
produzir em S. M. o
efeito de um narcótico.
Bem aventurado
senhor! Para vós o reino
do céo e para o nosso
povo, o do inferno.
Figura publicada na
Revista Ilustrada, ano
10, n.415, 27/07/1885.
Fonte: http://www.
franklinmartins.com.br/
estacao_historia_artigo.
php?titulo=o-povo-
-assistiu-aquilo-bestiali-
zado-artigo-de-aristides-
-lobo-1889
Acesso em 22/12/2010.

13
UAB/Unimontes - 6º Período

Figura emblemática. Qual é a impressão que você tem ao ver a representação do Império
brasileiro nessa condição? Podemos arriscar inoperância? Falta de agilidade diante das mudanças
processadas no final do século XIX? Desconsideração com as reclamações advindas do povo que
de algum modo apareciam nas páginas dos jornais? Vamos compreender melhor o significado
da crítica contida na figura que abre o nosso item.
Aristides da Silveira Lobo (1838-1896) era um dos jornalistas republicanos indignados com
a situação do país. Como jurista e político abolicionista, em 1889, reuniu esforços para publicar
no Diário Popular uma carta intitulada: “O povo assistiu àquilo bestializado”. Na sua percepção, a
atuação do povão diante da proclamação da República brasileira no Rio de Janeiro, em 1889, foi
assistir sem participar diretamente.
Vamos ler essa carta para formarmos a nossa opinião?

Cartas do Rio (*) ACONTECIMENTO ÚNICO

Rio de Janeiro, 15 de novembro de 1889.

Eu quisera poder dar a esta data a denominação seguinte: 15 de Novembro, primeiro ano de Re-
pública; mas não posso infelizmente fazê-lo. O que se fez é um degrau, talvez nem tanto, para o
advento da grande era.
Em todo o caso, o que está feito, pode ser muito, se os homens que vão to-
mar a responsabilidade do poder tiverem juízo, patriotismo e sincero amor à liberdade.
Como trabalho de saneamento, a obra é edificante. Por ora, a cor do Governo é puramente mi-
litar, e deverá ser assim. O fato foi deles, deles só, porque a colaboração do elemento civil foi
quase nula.
O povo assistiu àquilo bestializado, atônito, surpreso, sem conhecer o que significava.
Muitos acreditaram seriamente estar vendo uma parada.
Era um fenômeno digno de ver-se.
O entusiasmo veio depois, veio mesmo lentamente, quebrando o enleio dos espíritos.
Pude ver a sangue-frio tudo aquilo.
Mas voltemos ao fato da ação ou do papel governamental. Estamos em presença de um es-
boço, rude, incompleto, completamente amorfo.
Bom, não posso ir além; estou fatigadíssimo, e só lhe posso dizer estas quatro palavras, que
já são históricas.
Acaba de me dizer o Glycério que esta carta foi escrita, na palestra com ele e com outro cor-
religionário, o Benjamim de Vallonga.
E no meio desse verdadeiro turbilhão que me arrebata, há uma dor que punge e exige o seu
lugar - a necessidade de deixar temporariamente, eu o espero, o Diário Popular.
Mas o que fazer? O Diário que me perdoe; não fui eu; foram os acontecimentos violentos
que nos separaram de momento.

Adeus. Aristides Lobo

(*) Cartas do Rio era o título da coluna que o jornalista mantinha no Diário Popular.

Fonte: http://www.franklinmartins.com.br/estacao_historia_artigo.php?titulo=o-povo-assistiu-aquilo-bestializado-
-artigo-de-aristides-lobo-1889 Acesso em 22/12/2010.

É nítida a indignação de Aristides Lobo diante da participação popular na República nascen-


te, pois este ficou atônito ao ver uma parada militar diante de seus olhos.
Esse documento histórico que você acabou de ler foi também representado na pintura de
Benedito Calixto (1853-1927). Essa imagem buscou representar a movimentação das tropas do
exército sob o comando de Marechal Deodoro da Fonseca, sem presença de populares na de-
monstração.
Vejamos a figura.

14
História - História do Brasil República I


Possivelmente, a figura não nos remete à situação de tensão, mas de demonstração de força Figura 3: Óleo sobre
e poder, o poder republicano! É importante assinalar que, como apontou a pintura de Calixto, a tela de Benedito
proclamação da República tem mais a ver com a atuação do Exército, das classes urbanas médias Calixto (1853-1927),
e dos fazendeiros do Oeste Paulista, bem como com o desprestígio da Monarquia, do que com Proclamação da
República, 1893.
uma atuação de populares.
Fonte: http://2.
Buscando compreender melhor o uso do termo “povo bestializado”, o José Murilo de Carva- bp.blogspot.com/_AxCu-
lho nos forneceu uma leitura importante sobre o evento. Ele apresenta uma narrativa histórica, BauiBF0/SSAAnUdC4eI/AA-
contextualiza o momento social vivido na virada do século XIX para o XX, por diferentes sujeitos AAAAAAA-s/E9q8bGp7X-
-w/s1600/proclama%C3%A
que viram importantes mudanças se processarem no seu tempo. 7%C3%A3o+da+republica.
Nesse contexto, a proibição do voto dos analfabetos já demonstrava que a nossa República jpg acesso 22/12/2010.
distinguiria claramente a população entre sociedade civil e sociedade política. Contradição mar-
cante, pois, desde o Império, poucos eram os que sabiam ler e escrever no Brasil. O projeto de
Atividades
República nasce marcado pela exclusão que facilitava a manutenção de uma classe dominante
no poder. Ao ler o texto de Aris-
José Murilo de Carvalho ainda nos lembra de que a escolha do modelo federalista de 1891, tides Lobo e analisar a
figura sobre a procla-
em nossa primeira Constituição, favoreceu e fortaleceu as oligarquias locais que acabaram por se mação da República
perpetuar no poder (CARVALHO, 2005) e que ainda vemos resquícios disso até os dias atuais. (figura 3), discuta no
Ideologicamente, o nosso estado republicano nascente foi marcado pela dificuldade em ambiente virtual da
ampliar a cidadania, gerando a sensação de descrença, descrédito, conduzindo a uma situação disciplina as represen-
propícia ao desenvolvimento do anarquismo junto às classes operárias. José Murilo de Carvalho tações contidas em
ambos documentos
chama a nossa atenção para o fato embaraçoso em que nossas elites se encontravam: por um históricos.
lado, era preciso implantar a democracia visando à consolidação do poder de nossas elites, en-
tretanto, por outro lado, essa democracia não deveria ser estendida à população menos favoreci-
da da sociedade. Tal situação gerou insatisfação (CARVALHO, 2005).
Poderíamos entender a expressão “povo bestializado” como sendo “massa de manobra”,
simplesmente? José Murilo de Carvalho nos orienta a abandonar esse tipo de interpretação sim-
plista e cômoda para o historiador. Não podemos ser ingênuos em acreditar em total falta de
movimentação da população. Muitas das poucas pessoas que podiam votar, não votavam. Mui-
tas pessoas de diferentes segmentos sociais se envolveram ativamente nos movimentos sociais
populares de rebelião na primeira República. Enfim, muitas pessoas preferiram manter distância
de um sistema no qual não se sentiam incluídos. Nos dizeres de Martha Abreu, a recusa de parti-
cipação que os populares cariocas apresentavam significava que estes percebiam que a promes-
sa de cidadania feita pela República era, na realidade, uma farsa (ABREU, 2009).

15
UAB/Unimontes - 6º Período

1.3 A formação das almas


republicanas

▲ Ao longo da República Velha, que é a de-


Figura 4: Cartão Postal nominação convencional para a história repu-
editado por Typo-Lito 
Pimenta de Mello & Cia blicana que vai da proclamação (1889) até a
– Rio. A PROPAGANDA ascensão de Getúlio Vargas em 1930, o Brasil
- A FIGURA MAIOR/ conheceu uma seqüência de treze presiden-
DEODORO (1827-1892) - tes. Vejamos:
A PROCLAMAÇÃO
Fonte: http://3.
bp.blogspot.com/__Na-
Fonte: http://www.culturabrasil.pro.
EPDaj4OM/TN_QkPEP- br/imagens/presidentes.jpg Acesso em
smI/AAAAAAAACuk/ 22/12/2010.
dwQQ9XOIdDU/s1600/CP
OSTAL+PROCLAMA%25C
3%2587%25C3%2583O2.
JPG Acesso em 23/12/2010.

16
História - História do Brasil República I

O cartão postal visto na figura é emblemático para a nossa análise. Essa é uma publicação Glossário
oficial e foi comemorativa de um evento político, por isso é condutor de intencionalidades, como Justiça Eleitoral :
todo documento histórico. Em sua composição observamos nitidamente que o cartão é consti- Em 1916, o Presidente
tuído por três partes importantes, as quais constituem a mensagem a ser divulgada pelo Estado Wenceslau Brás, preo-
Republicano, visando explicitar a alma da República: cupado com a serie-
a. À esquerda a “Propaganda”: “a sombra da bandeira da liberdade sem que o sangue de dade do processo elei-
toral, sancionou a Lei
irmãos fosse derramado - a ideia da Republicana evoluiu e se tornou o anseio maior do nº 3.139, que entregou
Exército Brasileiro”. Podemos observar que, como pano de fundo, existe uma crítica e uma ao Poder Judiciário o
mensagem de “paz”. Diferentemente do que o fez o Império, a República quer criticar as preparo do alistamento
baixas brasileiras durante a Guerra do Paraguai (1864-1870). A mensagem de paz pode ser eleitoral. Por confiar ao
percebida no sentido de que o agora se quer outro país, mais evoluído – porque republi- Judiciário o papel de
principal executor das
cano – e que goza de liberdade. leis eleitorais, muitos
b. Compondo essa alma republicana, vemos ao centro do cartão postal o responsável pela percebem nessa atitu-
proclamação da República Brasileira, o mito, o herói nascendo e sendo divulgado. Nos di- de o ponto de partida
zeres do cartão: “A figura maior: herói e condutor a cuja voz o Império ruiu”. Vemos a edifi- para a criação da Justi-
cação de um herói nacional. ça Eleitoral, que só viria
a acontecer em 1932.
c. À direita, o feito, a proclamação. Nos dizeres do cartão postal: “Sob o emblema da terra
libertada num exemplo magnificente dado ao mundo – a República se tornou uma reali- Fonte: http://cri-
dade palpitante e caminhou vitoriosa pelas armas engalanadas.” As armas eram como en- xasgoias.blogspot.
feites, por isso não houve derramamento de sangue. O exemplo que se quer demonstrar com/2010/09/justica-
ao mundo é o de mudança sem grande alarde, sem derramamento de sangue, pacífica. -eleitoral-passando-
-pelo.html Acesso em
23/12/2010.
Vejamos o encadeamento das mensagens contidas no cartão: à sombra da bandeira da li-
berdade (propaganda) a ação de um homem (Deodoro da Fonseca), de um herói, realizou-se um
grande feito político (a proclamação). Observem que essa é uma construção ideológica impor-
tante para firmar a imagem de uma República nascente, fortificada pelos ideais de liberdade. Afi-
nal, há pouco tempo o país tinha se libertado da escravidão (1888), embora tenha criado tantas
outras mazelas sociais.

◄ Figura 5: A Marianne,
símbolo da República
Francesa, representada
por Eugène Delacroix
em “A liberdade
Guiando o Povo”.
A moça “surgiu”
durante a Revolução
francesa, em 1789,mas
somente em meados
do século XIX se
tornou imagem
oficial da França e
dos movimentos
republicanos. Países
como o Brasil e Portugal
são bons exemplos do
uso dessa simbologia
além da França.
Fonte: http://1.
bp.blogspot.com/_
WMYV8-sprKw/Sso2u-
J0UImI/AAAAAAAABe0/
zx4fCtIf1zc/s400/
+Liberdade+Guiando+o+
Povo+-+Delacroix.JPG
Acesso em 23/12/2010.

17
UAB/Unimontes - 6º Período

Como nos dizeres do Jornal carioca “Gazeta da Tarde”, em 15 de novembro de 1889, deseja-
va-se criar a sensação de novo tempo, de uma nova fase na vida dos brasileiros, mesmo não sen-
do essa a realidade mais próxima da maioria das pessoas: “a partir de hoje o Brasil entra em nova
fase, pois pode se considerar finda a Monarquia, passando a regime francamente democrático
com todas as conseqüências da liberdade.”
Podemos dizer que foram nesses “novos-velhos tempos” que se iniciou a consolidação do
sistema republicano. Expurgar imediatamente a família real era condição importante para impe-
dir tentativas de retomada do poder de forças imperiais. As nossas elites agrárias alojam-se no
poder paulatinamente a partir de então.
O papel moeda também foi usado como veículo para a construção da “alma republicana”
via a criação de símbolos carregados de significados consonantes com o regime republicano.
Analisaremos a criação de outros símbolos que foram veiculados em papel moeda e procu-
raremos perceber a ambiguidade existente nessas construções. As primeiras cédulas brasileiras
que foram impressas sob o nome de República dos Estados Unidos do Brasil datam de 1890, ten-
do os valores de 1, 2, 5, 10, 20 e 100 mil réis.

Figura 6: Cédula de 20 ►
Mil Réis - Data emissão
1890 (R111). Estampa
do  lado direito
“Colheita de Café”;
lado esquerdo cupido
ladeado por duas
mulheres. Fonte:
http://4.bp.blogspot.
com/__NaEPDaj4OM/TNl-
vTQsAniI/AAAAAAAACsk/
bm-faZJifvM/s1600/xxxx.
JPG

Observamos claramente a tentativa de criação de símbolos para a República na esperança


de aproximar a noção de República da noção de Brasil.
A nota de vinte mil réis traz consigo duas representações importantes a serem destacadas.
Ao lado esquerdo da cédula observamos duas mulheres. Tais mulheres aparecem como musas
representativas da liberdade, uma espécie de modelo no qual os republicanos se inspiraram para
apresentar a figura feminina segundo o molde francês de Marianne (ver figura 6). Essa imagem
trazia em si o significado, em França, da liberdade, apregoada pelos movimentos republicanos.
Ao lado direito vemos a representação da colheita de café, da agricultura, representação do nos-
so principal elemento de exportação naquele momento.
Vale ressaltar que, no Brasil, a utilização da figura feminina como símbolo foi algo no míni-
mo estranho para a maioria da população, a qual estava mais afeita a uma constituição machista
da sociedade. Para Carvalho, o uso da alegoria feminina era duplamente falha,

no significado, no qual a República se mostrava longe dos sonhos de seus idea-


lizadores, e do significante, no qual inexistia a mulher cívica, tanto na realidade,
como em sua representação artística (CARVALHO, 1990, p. 96)

De todo modo, até os dias atuais observamos a permanência do rosto representativo de


Marianne nas cédulas de 1 e 100 reais. Vejamos:

18
História - História do Brasil República I

◄ Figura 7: Cédula de 1
real.
http://3.bp.blogspot.
com/_vLdzkHj6DFM/
S9Yfh8uzCVI/AAAAAAAA-
ACk/VmHFy7a9X1E/s1600/
nota+d+1real.jpg
Acesso em 06/01/2011.

◄ Figura 8: Cédula de
100 reais. Segundo o
Banco Central, trata-
se de uma ‘’efígie
simbólica da república,
interpretada sob a
forma de escultura’’.
Repare que, além da
coroa de louros, ela usa
uma touca: é o barrete
frígio (da Frígia, na
atual Turquia), outro
ícone republicano.
O barrete frígio e
a coroa de louros,
No modo de ver de José Murilo de Carvalho pode-se afirmar que o imaginário da República respectivamente,
não apresenta espaço para os populares, considerando que há ausência de sentido, pouco ou representam uma
quase nada de significação, de representatividade desses símbolos. Nesse sentido, o autor esclarece herança romana, a
liberdade e a vitória
militar.
Por que o fracasso da representação positiva da República como mulher? A
busca de explicação poderá ir em várias direções. Mas o centro da questão Fonte: http://www.baixaki.
com.br/
talvez esteja na observação já referida de Baczko de que o imaginário, apesar imagens/materias/
de manipulável, necessita, para criar raízes, de uma comunidade imaginação, ock_000005671305
de uma comunidade de sentido. Símbolos, alegorias, mitos, só criaram raízes Medium_baixaki.jpg
quando há terreno social e cultural no qual se alimentarem. Na ausência de tal Acesso em 06/01/2011.
base, a tentativa de criá-los, de manipulá-los, de utilizá-los como elementos de
legitimação, cai no vazio, quando não no ridículo. Parece-me que na França havia
tal comunidade de imaginação. No Brasil, não havia (CARVALHO, 1990, p. 89).

A significação, a mensagem contida nessas representações são objetos da história. São


objetos portadores de mensagens representativas dos anseios de uma sociedade, das suas es-
peranças e de suas crenças. Tais artefatos, de acordo com o conceito de representação, como
já estudado anteriormente nesse curso, trazem à memória “coisas” ausentes materialmente, mas
presentes na memória e que se quer perpetuar. No caso do Brasil, todo o processo relativo à
proclamação e solidificação da República foi encabeçado pelos grupos participantes do Estado, Atividades
quer como dirigentes, quer como opositores formais. Ainda, podemos afirmar que o processo de
Realize uma pesqui-
construção da memória e a construção do imaginário da nação também ficaram sob os cuidados sa na internet sobre
desses grupos. Logo, os grupos sociais menos abastados levariam mais tempo para se apropria- o Hino Nacional e a
rem desse processo e nele intervir. Bandeira Brasileira
Realmente, a propaganda republicana brasileira não apresentava apelo popular. A nossa Republicana.
mudança de regime gerou a sensação de golpe de estado. Todavia, é importante saber que o
Poste os comentários
movimento político republicano no Brasil não era uníssono e divergia quanto ao significado da do que foi encontrado
liberdade. A esse respeito, Jorge Zeidan Araújo afirma que (com as devidas refe-
rências) no ambiente
A primeira pode ser entendida como a liberdade dos antigos, que havia ca- virtual da disciplina.
racterizado as antigas repúblicas gregas e também Roma, ademais de ter sido
defendida pelos jacobinos na Revolução Francesa. Era a liberdade do homem Discuta: qual o signi-
público, a liberdade de participar de maneira coletiva do governo e da sobera- ficado dos símbolos
nia, liberdade de decidir na praça pública os negócios da república. Segundo presentes nos objetos
Constant, esse tipo de liberdade se havia tornado impraticável nos tempos mo- oficiais da República
dernos, aos quais se ajustava um outro tipo de liberdade. Brasileira?

19
UAB/Unimontes - 6º Período

A liberdade dos modernos era a liberdade do homem privado, liberdade de ir


e vir, de propriedade, de opinião e liberdade religiosa. Esse tipo de liberdade
não exclui o direito de participar politicamente, porém essa participação não é
mais direta, mas feita através de representação. Ainda de acordo com Constant,
o desenvolvimento do comércio e da indústria havia feito que as pessoas não
mais possuíssem tempo nem tampouco interesse para participar nos debates e
nas resoluções em praça pública (ARAÚJO, 2010, p.32).

Como você pode ter observado, a noção de liberdade não corria por uma única visão, um
único veio! Ao contrário, percebemos que essas noções embalavam diferentes posicionamentos
políticos no Brasil de antanho, todavia “descolados” da realidade, assim:

Ambos os modelos não consideravam um componente fundamental da reali-


dade nacional e que, em parte, na opinião de (José Murilo de) Carvalho, seria
o responsável pela dificuldade brasileira com esses dois modelos de liberdade:
a inexistência anterior de um sentimento de comunidade, de identidade cole-
tiva. Na Antiguidade, esse sentimento seria a sensação de pertença à uma ci-
dade, enquanto que modernamente, seria a consciência de fazer parte de uma
nação. Uma característica comum aos dois modelos seria essa sensação de
possuir uma identidade coletiva, de identificar-se como parte de uma comuni-
dade (ARAÚJO, 2010, p.33).

Vale lembrar aqui que outros símbolos foram construídos e representados como pertencen-
tes à nova República Brasileira. O hino e a bandeira, símbolos formais de um Estado-nação (os
atuais hino e bandeira de inspiração positivista) foram criados e associaram tradição e mudança.
Mas nesse instante houve a criação de um mito, já dito a vocês em diversas outras disci-
plinas do Curso de História da Unimontes, muito famoso até os dias atuais:Tiradentes. Talvez o
melhor termo a ser utilizado não seja o de criação de um mito, mas de reinvenção. A figura de
Tiradentes foi bem aceita pelos monarquistas que queriam usar a sua figura contra a dominação
portuguesa e os republicanos que exploraram a face de um “cristo” martirizado, de um soldado
que morreu por sua pátria. Talvez por isso, Tiradentes foi muito mais aceito como herói nacional
do que republicano. Mas qual figura de Tiradentes a República quis enaltecer?

Essa figura de Tiradentes esquartejado


aponta que, naquele instante, a tradição e os
valores religiosos é que faziam sentido para
os brasileiros. Isso também explica porque a
alegoria de Marianne não foi apropriada pelo
povo. A respeito da figura de Tiradentes, con-
cluímos com as palavras de Carvalho:
A falta de uma identidade republicana e a
persistente emergência de visões conflitantes
ajudam também a compreender o êxito da fi-
gura de herói personificada em Tiradentes. O
herói republicano por excelência é ambíguo,
multifacetado, esquartejado. Disputam-no
várias correntes; ele serve à direita, ao centro
e à esquerda. Ele é o Cristo e o herói cívico; é
o mártir e o libertador; é o civil e o militar; é o
símbolo da pátria e o subversivo. A iconogra-
fia reflete as hesitações. Com barba ou sem
Figura 9: Tiradentes ► barba, com túnica ou de uniforme, como con-
Esquartejado em tela de denado ou como alferes, contrito ou rebelde:
Pedro Américo, 1893. é a batalha por sua imagem, pela imagem da
Fonte: http://www. República.
portalsaofrancisco.com.br/
alfa/tiradentes/imagens/ Ele se mantém como herói republicano
tiradentes-17.jpg Acesso por conseguir absorver todas essas fraturas,
em 15/09/2010. sem perder a identidade. Ao seu lado, apesar
dos desafios que surgem nas novas correntes
religiosas, talvez seja ainda a imagem da Apa-
recida a que melhor consiga dar um sentido

20
História - História do Brasil República I

de comunhão nacional a vastos setores da população. Um sentido que, na ausência de um civis-


mo republicano, só poderia vir de fora do domínio da política. Tiradentes esquartejado nos bra-
ços da Aparecida: eis o que seria a perfeita pietà cívico-religiosa brasileira. A nação exibindo, aos
pedaços, o corpo de seu povo que a República ainda não foi capaz de reconstruir” (1990, p.141).

1.4 A Consolidação da República

◄ Figura 10: A política dos


governadores.
Fonte: http://4.
bp.blogspot.
com/_hM4wb6toj_0/
S7X_2PLUqGI/
AAAAAAAAAn8/
m06ZB0zvHeM/s1600/
politica+Governadores.
png Acesso em
23/12/2010.

A figura demonstra um organograma do poder e de influências políticas durante a Primeira


República. Nesse item nos ocuparemos em compreender esse processo. Antes, porém, vale des-
tacar algumas ações políticas mais imediatas, notadamente no período do governo provisório
(1889-1891) liderado por Deodoro da Fonseca e por Floriano Peixoto (1891-1893). O fazer político
mudou. Vejamos.
As câmaras municipais e as assembleias provinciais foram dissolvidas, foram demitidos os
presidentes das províncias e novos dirigentes foram indicados para esses lugares políticos. Cons-
tituiu-se uma força militar e civil mais heterogênea para por em desenvolvimento o aparelho ad-
ministrativo republicano brasileiro.
Os municípios ganharam bastante autonomia política e financeira, o que levou a um grande
jogo pelo poder em alcance municipal e sob domínio de coronéis. Todavia, podemos dizer que
foi com Prudente de Morais (1894-1897) e com Campos Sales (1898-1902) que as oligarquias agrá-
rias tiveram mais sucesso no poder, notadamente as de São Paulo e de Minas Gerais, dando base
para uma dita “política de governadores”, a qual buscava assegurar amplo apoio do Congresso
Nacional à política financeira e aos acordos realizados junto ao capitalismo internacional.

21
UAB/Unimontes - 6º Período

O pacto existente entre o governo federal do início da República Velha e os governadores


ATIVIDADES foi muito perspicaz. Você consegue imaginar tal situação? Afinal, que política é essa? Que arran-
jos são esses? Como você pode ter observado na figura intitulada “a política dos governadores”
(a imagem que abre esse item) demonstra bem as transações e arranjos políticos durante a Repú-
blica Velha.
Nessa política cabia aos governadores dos Estados elegerem deputados e senadores que
tivessem uma postura de fidelidade ao Governo Federal, ao passo que ao presidente do Brasil
cabia cumprir o pacto de não interferência na política eleitoral estadual. É explícito esse arranjo
político, essa troca de favores e de interesses para a implantação e consolidação de grupos oli-
gárquicos no poder dos Estados.
Para que tal política desse certo, dois instrumentos importantes ganharam força, a saber: a
Comissão de Verificação de Poderes e o Coronelismo. A aceitação dos resultados de um processo
eleitoral era feita pela Comissão de Verificação de Poderes, ligada diretamente ao poder Legisla-
tivo da República. Tal comissão, formada por deputados, é que oficializava os resultados das elei-
Figura 11: Charge do
ções. Mas, quem tinha poder efetivo sobre a comissão? O presidente da República. A política dos
Jornal O Malho, 1901.
Fonte: http://3.
governadores foi efetivada em função, também, das leis eleitorais, pois não havia:
bp.blogspot. • justiça eleitoral independente;
com/_39ephwOkYhQ/ • o voto não era obrigatório, nem secreto;
SSN6UmcLiKI/
AAAAAAAAABM/6Df5
• as apurações eram organizadas e controladas pelos governadores.
dxwL Entendeu a lógica que movia as forças políticas na República Velha? Vamos aprofundar um
_cQ/s400/charge_g.jpg pouco mais ao observar a figura:

Vamos discutir a men-


sagem que a imagem
acima traz a partir do
que foi estudado até o
momento?

Figura 12: O poder das ►


oligarquias agrárias.
Fonte: http://2.
bp.blogspot.
com/_4SxExif3C7Q/
ShRM4-aMLTI/AAAAAAA-
AAHw/nLuF7XH-3T0/s400/
POL%C3%8DTICA+DO+C
AF%C3%89+COM+LEITE+-
-+ESQUEMA.jpg
Observemos que, em cada Estado, existia uma minoria de pessoas que se alojavam no po-
der (oligarquia), os quais se associavam ao governo federal por meio do apoio pelo voto. Durante
esse processo histórico de implantação da política dos governadores, observamos a existência
da chamada “política do café com leite”. Em que consistia tal política? Nada mais era que a arti-
culação da liderança das oligarquias Mineira e Paulista no poder federal ao longo da República
Velha (1889-1930).
Mas vale destacar que a figura chama a sua atenção para o poder político em nível local. O
poder dos coronéis. Está aí estruturado um cenário político que fragmentou o poder republicano
– se compararmos com o período imperial – mas também o reforçou em nível local. Compreen-
deremos melhor esse processo na próxima unidade.
Em estudo recente, Cláudia Maria Ribeiro Viscardi, ao enfatizar as elites políticas mineiras,
questiona a abordagem recorrente de que Minas Gerais sempre esteve, durante a Primeira Re-
pública, oferecendo apoio maciço às candidaturas apoiadas por determinados setores mineiros.
Melhor dizendo, ela questiona a visão de alinhamento à famosa política de café com leite. Para
se ter uma ideia disso, em suas palavras:

22
História - História do Brasil República I

Um terceiro momento propício à divisão nacional ocorreu por ocasião da su- ATIVIDADES
cessão de Epitácio Pessoa à Presidência da República. Opuseram-se duas can-
didaturas. A de situação, sustentada pelos Estados de Minas e São Paulo, en- Acesse o texto:
cabeçada por Artur Bernardes; e a de Nilo Peçanha, sustentada por gaúchos,
fluminenses e baianos. VISCARDI, Cláudia
É natural que os mineiros apoiassem maciçamente a candidatura de seu Maria Ribeiro. Elites
conterrâneo. O levantamento realizado comprova que apenas 15,78% da elite políticas mineiras na
mineira sustentou a candidatura oposicionista de Nilo Peçanha. (Ver quadro Primeira República
Número 7). O que nos chamou mais a atenção foi o fato de que o menor apoio Brasileira: um
a Bernardes partiu exatamente da região sul-mineira e o maior apoio partiu da levantamento prosopo-
Mata, região de origem do candidato. gráfico.
Novamente, as duas regiões encontravam-se em pólos opostos. Desta vez,
pode ter atuado como elemento mobilizador da candidatura fluminense de Em: http://www.fee.
Nilo Peçanha no Sul de Minas Gerais as mudanças empreendidas por Bernar- tche.br/sitefee/down-
des no PRM quando esteve à frente do governo de Minas (1918-1922). Na oca- load/jornadas/1/s11a2.
sião, Bernardes provocou mudanças partidárias importantes que confluíram no pdf
afastamento de antigos coronéis (em sua maioria sul-mineiros) do controle da
comissão executiva do partido. Tal comportamento angariou oposições que Leia atentamente a
iriam se manifestar por ocasião de sua candidatura presidencial, poucos anos discussão que a autora
mais tarde (VISCARDI, 2001, p.6). faz em relação às elites
mineiras e discuta com
o professor e os demais
Visando compreender melhor o processo mineiro quanto à política na Primeira República, colegas no fórum da
faremos um estudo sobre tal processo a partir de um artigo dessa autora disponível na internet. disciplina:
Veja o Box ao lado.
Como a autora trata os
Chegamos ao final dessa primeira unidade e você deve ter observado que utilizamos larga- momentos políticos da
mente os termos “República Velha”, do mesmo modo que observará o tal termo aparecerá em Proclamação da Repú-
outros momentos desse material didático. Ressaltamos que denominar a Primeira República de blica (1889), da disputa
“velha” é recorrente em diversos livros didáticos com que você irá se deparar ao longo de sua tra- eleitoral entre Hermes
jetória como professores de História. Entretanto, cabe ressalvar a historicidade desse termo em da Fonseca e Rui
Barbosa (1910), da
uso, considerando que a atual opção dos Historiadores pelo termo “Primeira República” esvai-se disputa eleitoral entre
da sobrecarga de juízo de valor comumente associado à República “Velha”. Nilo Peçanha e Rui
O termo República Velha recebeu a designação de “velha” segundo a visão dos políticos e Barbosa (1922) e a
intelectuais de pós-1930, especialmente “aqueles vinculados à proposta autoritária estadonovis- Revolução de 1930?
ta com a nítida intenção de acentuar a sua força transformadora, sua força revolucionária” (GO-
MES, 2009, p.22). Ao operar uma periodização de nossa história, os ideólogos do Estado Novo
quiseram imputar a visão de que eles se constituíam como um bloco coeso e a Primeira Repú-
blica, chamada de “velha”, seria um período de equívocos e fracassos políticos. Nesse sentido,
Ângela de Castro Gomes afirmou que a

República Velha, segundo a versão dos ideólogos do pós-1930, teria se ex-


cedido na adoção da fórmula federativa, copiada dos EUA, o que não só
comprometera definitivamente o próprio liberalismo no Brasil, como nos
desviara do caminho centralizador já apontado pela monarquia. Por fim,
toda a elite político-intelectual daquele período, em suas várias correntes,
teria falhado no campo simbólico, pois não conseguira construir nem um
imaginário republicano poderoso nem um sentimento cívico de amor à nova
pátria. Em tal diagnóstico, a Primeira República situa-se como uma espécie de
interregno no curso de história do Brasil, que, a despeito de uma série de difi-
culdades e problemas, sempre reconhecidos, seguia uma rota, quer antes do
episódio da Proclamação da República, quer depois da Revolução de 1930 (GO-
MES, 1999, p. 23).

Referências
ABREU, Martha & MARZANO, Andrea. Entre palcos e músicas: caminhos de cidadania no início da
República. In: CARVALHO, José Murilo de & NEVES, Lúcia Maria Bastos Pereira das(orgs). Repen-
sando o Brasil do Oitocentos: cidadania, política e liberdade. Rio de Janeiro: Civilização Brasilei-
ra, 2009. p.123-49.

ARAÚJO, Jorge Zeidan. As correntes republicanas e o imaginário republicano à época da Pro-


clamação de 1889: concepções e disputas. Revista Urutágua. Acadêmica Multidisciplinar DCS/
UEM. N 20, Jan./Fev./Mar./Abril de 2010. ISSN. 1519.6178.
23
UAB/Unimontes - 6º Período

BRASIL. Constituição da República Brasileira, 1891. Diário Oficial da União de 1891.

BUONICORE, Augusto. A proclamação da República. Disponível em http://www.contee.org.br/


noticias/artigos/art564.asp acesso em 17/11/2011.

CARDOSO, Fernando Henrique. Dos governos militares a Prudente-Campos Sales. In: FAUSTO,
Boris (dir). O Brasil Republicano. Estrutura de Poder e Economia (1889-1930). 8 ed. Rio de
Janeiro: Bertrant Brasil, 2004, p.15 a 50. (História Geral da Civilização Brasileira, t.3, v.1).

CARVALHO, José Murilo de. A formação das almas. O imaginário da República no Brasil. São
Paulo: Companhia das Letras, 1990.

CARVALHO, José Murilo de. Os bestializados: O Rio de Janeiro e a República que não foi. 3.ed.
São Paulo: Cia das Letras, 2005.

FAUSTO, Boris (dir). O Brasil Republicano. Estrutura de Poder e Economia (1889-1930). 8. ed.
Rio de Janeiro: Bertrant Brasil, 2004. (História Geral da Civilização Brasileira, t.3, v.1).

GOMES, Ângela de Castro. A República, a História e o IHGB. Belo Horizonte: Argumentum,


2009.

VISCARDI, Cláudia Maria Ribeiro. Elites políticas mineiras na Primeira República Brasileira:
um levantamento prosopográfico. História. Rio Grande do Sul: São Leopoldo, v. 5, n. 4, p. 243-
260, 2001. Disponível em http://www.fee.tche.br/sitefee/download/jornadas/1/s11a2.pdf
Acesso em 15/07/2011.

24
História - História do Brasil República I

Unidade 2
O coronelismo e a República Velha

Introdução
Esta segunda Unidade da disciplina História do Brasil República I tem como objetivo maior
o estudo e a discussão do Coronelismo no Brasil. Esta é uma unidade que exigirá de você a com-
preensão e aplicação de conceitos, bem como compreender que os mesmos são datados, pois
que não podemos “sair por aí” dizendo que em tal e tal lugar existe o sistema coronelista. Mesmo
assim, essa afirmação é corriqueira.
Para tanto, a compreensão do conceito, de sua longevidade, de outros conceitos que se re-
lacionam como o coronelismo será de grande valia para o nosso estudo. Figura 13: Neste cartoon
Você se defrontará com um texto simples e objetivo, além disso, tal material pretende es- da revista paulistana
timular que você busque além das páginas escritas aqui um diálogo com o seu professor e seus A Lua, de março de
1910, a personagem
colegas no sentido de irem além. Zé Pagante protesta:
Desejamos boa aula! “Sucedem-se os
quatriênios, mas o meu
minguante não muda.”

2.1 O coronelismo como


Fonte: http://4.
bp.blogspot.com/_Rrat-
2TctWyg/TJjPj50yHXI/
AAAAAAAAAj8/

fenômeno político no Brasil


j9Fb_98f758/s1600/A+L
ua,+n%C2%BA+8,+mar
%C3%A7o+de+1910.jpg
Acesso em 15/11/2010.

Você observou bem o cartoon intitulado
“A phase habitual do Zé”? Percebeu a crítica
feita à nossa sociedade nos anos de 1910? Po-
demos notar questões ligadas às eleições e o
interesse direto dos políticos nos processos
eleitorais, e associar isso à condição de vida
dos populares, dos contribuintes, como o Zé
Pagante, personagem da figura, que continua
a mesma.
Olhando de “baixo para cima” para a nos-
sa estrutura de poder, o povo realmente apa-
rece, mas numa condição de “coitado”, de sub-
jugado. Que lógica coronelista é essa que se
transformou num fenômeno político no Bra-
sil? Como conceituar o coronelismo e de onde
vêm as suas raízes? Como o povo se comporta-
va diante desse fenômeno?
A partir desses questionamentos va-
mos refletir sobre o fenômeno coronelista
como algo marcante da República Velha Bra-
sileira. Inicialmente, já sabemos então que tal
conceito não deve ser usado fora desse tempo
histórico.
Não basta pensar apenas no fenômeno
do coronelismo para compreendê-lo. É preciso
pensar em outros conceitos que o fundamen-

25
UAB/Unimontes - 6º Período

tam, caracterizam e até se confundem com ele. Referimo-nos aos conceitos de Mandonismo e
Clientelismo. Para tal, utilizaremos os estudos de José Murilo de Carvalho (1970) e de Maria Izaura
Pereira de Queiroz (2004).
Buscando responder de onde/quando vem a noção de coronel, apoiamos no texto de Ma-
ria Izaura P. Queiroz para confirmar que desde 1832, no Império Brasileiro, os coronéis existiam
como título doado a pessoas que garantiriam a ordem imperial e defenderiam a Constituição de
1824. Ainda, auxiliariam na manutenção da ordem prevenindo revoltas e promoveriam o poli-
ciamento regional e local. Eram coronéis os chefes locais que ocupavam, na Guarda Nacional, os
postos mais elevados. Apesar da Guarda Nacional ter sido extinta logo após a Proclamação da
República, o termo coronel continuou a ser usado para denominar as pessoas que dominavam
grande parte de poder político e econômico (QUEIROZ, 2004, p.155-6).
A Guarda Nacional foi uma instituição patrimonial responsável pela interligação dos proprietá-
rios rurais com o governo. Os oficiais da Guarda Nacional compravam suas patentes e fardavam as
tropas com recursos próprios. José Murilo de Carvalho é esclarecedor quanto ao assunto, vejamos:

Não se resumia à Guarda Nacional o ingrediente patrimonial do sistema im-


perial. Os delegados, delegados substitutos, subdelegados e subdelegados
Para Refletir substitutos de polícia, criados em 1841, eram também autoridades patrimo-
Estudos recentes niais, uma vez que exerciam serviços públicos gratuitamente. O mesmo pode
voltados para a classe ser dito dos inspetores de quarteirão, que eram nomeados pelos delegados.
média urbana e seu Praticamente toda tarefa coercitiva do Estado no nível local era delegada aos
papel na passagem do proprietários. Algumas tarefas extrativas, como a coleta de certos impostos,
Império para a Repú- eram também contratadas com particulares. O patrimonialismo gerava situa-
blica revelam que ela ções extremas como a de um município de Minas Gerais onde os serviços pa-
não era portadora de trimoniais, assim como os cargos eletivos de juiz de paz, vereador e senador
vocação democrática, estavam nas mãos de uma só família. Treze pessoas ligadas por laços de paren-
não estava insatisfeita tesco ocupavam quase todos os postos, algumas acumulavam cargos eletivos
com o estado de coisas e patrimoniais, como o de vereador e os de comandante da Guarda Nacional e
reinante e não afronta- subdelegado.(...) A Guarda era uma organização criada pelo governo e contro-
va a classe dominante. lada pelo ministro da Justiça; os cargos de delegado e subdelegado de polícia
Dependente da elite foram criados para esvaziar as funções dos juízes de paz, autoridades eletivas.
agrária no Império, não Na medida em que os proprietários rurais controlavam a eleição dos juízes de
terá situação muito paz, o esvaziamento do poder destes em benefício de uma autoridade patri-
diferente nas primeiras monial era uma perda de poder para aqueles (CARVALHO, 2004, p.10-11).
décadas da República
e será, como regra, Percebemos nos dizeres de Carvalho que o Estado se utilizava da Igreja Católica para reali-
elitista, conservadora, zar uma série de atividades que o mesmo ainda não tinha como executar: registros de casamen-
anti-industrialista,
to, de nascimento e de morte dos indivíduos. Além disso, os Padres, no período imperial, tinham
agrarista. Longe de
opor-se às oligarquias o papel “importante nas eleições, que eram realizadas dentro das igrejas” (2004, p.10). Além do
agro-exportadoras, Estado se utilizar dos serviços dos clérigos, é inegável que a preocupação estatal direcionava-se
identifica-se com seus em outro sentido:
valores aristocráticos, A tendência era claramente no sentido de reduzir, até a eliminação, os resíduos
cultiva os mesmos gos- patrimoniais da administração em favor da burocracia do Estado. Na Repúbli-
tos e opiniões, depen- ca, as tarefas de manutenção da ordem passaram todas para a burocracia, na
de economicamente medida em que delegados se tornaram funcionários públicos e os estados au-
dela e assume posições mentaram rapidamente o efetivo de suas polícias militares que substituíram a
no máximo reformistas, Guarda na sua função original. A Igreja também foi separada do Estado, tendo
o que lhe permite aliar- sido instituído o registro civil (CARVALHO, 2004, p. 10-11).
-se politicamente aos
oligarcas sempre que
Foi exatamente no contexto descrito por CARVALHO que podemos afirmar que surgiu o co-
os interesses destes pe-
dem novas palavras de ronelismo: quando o patrimonialismo recuou e a burocracia avançou.
ordem e a ampliação Então, como definir coronelismo? O trabalho de Victor Nunes Leal foi responsável pela am-
do apoio da sociedade pliação desse conceito. Leal entendia por coronelismo um sistema, uma estrutura desenvolvida
civil. na primeira República brasileira a partir do município. Sendo assim, podemos entender o coro-
Fonte: nelismo como “um sistema político, uma complexa rede de relações que vai desde o coronel até
PATTO, Maria Helena o presidente da República, envolvendo compromissos recíprocos. O coronelismo, além disso, é
Souza. Estado, ciência datado historicamente” (LEAL citado por CARVALHO, 1997, p.1). O período histórico a que o autor
e política na Primeira
República: a desqualifi- se refere é a Primeira República, que durou de 1889 até 1930.
cação dos pobres. Estud. No quadro podemos visualizar as forças políticas desse período em torno do que conhece-
av. [online]. 1999, vol.13, mos como coronelismo.
n.35, pp. 167-198. ISSN
0103-4014.

26
História - História do Brasil República I

QUADRO 1: Forças políticas na República


O federalismo implantado pela República substituiu o centralismo imperial. Criou um
O FEDERALIS-
MO REPUBLI-

novo ator político com amplos poderes, o governador de estado. O antigo presidente de
CANO

Província, durante o Império, era um homem de confiança do Ministério, não tinha poder
próprio, podia a qualquer momento ser removido, não tinha condições de construir suas
bases de poder na Província à qual era, muitas vezes, alheio. No máximo, podia preparar
sua própria eleição para deputado ou para senador.

Era eleito pelas máquinas dos partidos únicos estaduais, era o chefe da política estadual.
DOR REPUB-
GOVERNA-

Em torno dele se arregimentavam as oligarquias locais, das quais os coronéis eram os


LICANO

principais representantes. Seu poder consolidou-se após a política dos estados implan-
tada por Campos Sales em 1898, quando este decidiu apoiar os candidatos eleitos “pela
política dominante no respectivo estado”. Segundo Sales, era dos estados que se gover-
nava a República: “A política dos estados [...] é a política nacional” (Sales, 1908:252).

Esta decadência acarretava enfraquecimento do poder político dos coronéis em face de


DECADÊNCIA
ECONÔMICA
DOS FAZEN-

seus dependentes e rivais. A manutenção desse poder passava, então, a exigir a presença
DEIROS

do Estado, que expandia sua influência na proporção em que diminuía a dos donos de
terra. O coronelismo era fruto de alteração na relação de forças entre os proprietários
rurais e o governo e significava o fortalecimento do poder do Estado antes que o predo-
mínio do coronel.

Nessa concepção, o coronelismo é, então, um sistema político nacional, baseado em bar-


ganhas entre o governo e os coronéis. O governo estadual garante, para baixo, o poder
GOVERNO, CORONEL E

do coronel sobre seus dependentes e seus rivais, sobretudo cedendo-lhe o controle dos
cargos públicos, desde o delegado de polícia até a professora primária. O coronel hipote-
ca seu apoio ao governo, sobretudo na forma de votos. Para cima, os governadores dão
SISTEMA

seu apoio ao presidente da República em troca do reconhecimento deste de seu domí-


nio no estado. O coronelismo é fase de processo mais longo de relacionamento entre os
fazendeiros e o governo. O coronelismo não existiu antes dessa fase e não existe depois
dela. Ele morreu simbolicamente quando se deu a prisão dos grandes coronéis baianos,
em 1930. Foi definitivamente enterrado em 1937, em seguida à implantação do Estado
Novo e à derrubada de Flores da Cunha, o último dos grandes caudilhos gaúchos.

Fonte: Adaptado de CARVALHO, José Murilo de. Mandonismo, Coronelismo, Clientelismo: Uma Discussão Conceitual.
Dados [online]. 1997, vol. 40, n.2 ISSN 0011-5258.  doi: 10.1590/S0011-52581997000200003. Disponível em http://www.
scielo.br/scielo.php?pid=S0011-52581997000200003&script=sci_arttext Acesso em 10/06/2010.

Feito esse esclarecimento sobre coronelismo, pensemos a respeito de dois outros conceitos
que por vezes se confundem com o coronelismo: mandonismo e clientelismo.
Falar em mandonismo é o mesmo que pensar nos mandões, nos potentados, nos chefes, no
coronel, nesses indivíduos que detinham algum controle de recursos estratégicos. Quase sem-
pre esses recursos estavam ligados à posse da terra. Diversos filmes e principalmente novelas de
emissoras de TVs brasileiras colocam esse tipo de característica comum à nossa história em suas
tramas, exprimindo muito bem essa característica de nossa política. Sendo assim, o mandonismo
não é um sistema, mas apenas uma característica de nosso modo de fazer política. Identificamos
o mandonismo em toda a nossa história e não podemos dizer que coronelismo seja igual a man-
donismo. Embora o coronel possa ser um “mandão”, distinguimos o coronelismo como um siste-
ma. Além disso, o coronel não era apenas o latifundiário, isolado em sua fazenda, mas também o
médico, o comerciante, o padre , etc.
Já o clientelismo pode ser entendido como sendo as relações estabelecidas entre os atores
políticos na concessão de benefícios públicos (voto, emprego, apoio político). Assim conceituado, o
clientelismo é característica do coronelismo, assim como o mandonismo, o clientelismo se apresenta
como característica do período histórico da Primeira República, não podendo ser entendidos como
sinônimos. Para o estabelecimento das relações clientelares nem sempre teremos o coronel, mas po-
líticos e instituições que têm algo a barganhar, podendo ocorrer na cidade ou no campo. Atualmente
ainda assistimos a críticas em TVs, jornais, revistas e internet referentes a essas relações clientelares
estabelecidas entre governo, políticos e população pobre. Vejamos um exemplo:

Exemplo claro dessa situação é o da cidade que na década de 60 era domina-


da por duas famílias, cujo poder se baseava simplesmente na capacidade de
barganhar empregos e benefícios públicos em troca de votos (Carvalho, 1966).
As famílias não tinham recursos próprios, como os coronéis, e o fenômeno não
era sistêmico, embora houvesse vínculos estaduais e federais. Por vários anos
as duas famílias mantiveram o controle político da cidade, alternando-se no
poder. Os resultados eleitorais eram previstos de antemão com precisão quase
matemática. Os votos tinham dono, eram de uma ou de outra família. Tratava-

27
-se de um caso exacerbado de clientelismo político exercido num meio predo-
minantemente urbano. Não se tratava de coronelismo (CARVALHO, 2004, p.4).
UAB/Unimontes - 6º Período

Segundo José Murilo de Carvalho, autor em que baseamos essas análises, o coronelismo
existiu como fenômeno no Brasil no período da República Velha e não fora desse período, como
já apontava Leal em seu estudo anterior. O clientelismo existiu durante toda a nossa história, mas
ganhou ênfase pós anos 1930, com o término do coronelismo. Já o mandonismo foi bem carac-
terístico do Brasil Colonial, Imperial e República Velha, perdendo força com o avançar das noções
de cidadania.

2.2 O poder dos coronéis


Novos tempos, antigas questões

“O Brasil vem sendo sacudido por uma sucessão interminável de denúncias e de práticas
comprovadas de corrupção, que criam um desalento e um pessimismo tão profundo na população
a ponto de esta considerar [que] os políticos e os governantes em geral não passam de corjas de la-
drões. Não é para menos: a corrupção inscreveu-se na normalidade da vida publica brasileira...
O que confere normalidade à corrupção no Brasil é a sua extensão, o seu caráter histórico-
-cultural e a sua impunidade. Recapitulem-se as principais denúncias dos últimos tempos: com-
pra de voto na reeleição, jogo de cartas marcadas nas privatizações das teles, corrupção e nepo-
tismo no judiciário...
Diariamente, surgem denúncias por todo o país envolvendo vereadores, prefeitos, gover-
nadores, deputados, secretários, ministros, funcionários públicos, fiscais, chefes administrativos,
juízes, policiais, e assim por diante. Ladeando-a e fundindo-se com a corrupção temos o neopa-
trimonialismo, que, em síntese, pode ser definido como o uso do cargo público para constituir
privilégios privados.
O apossamento ou utilização do cargo publico de forma privada para auferir privilégios,
bens materiais, recursos pecuniários, prebendas, recompensas disfarçadas em direitos, etc, é
uma prática entranhada em nossa história e em nossa cultura. Embora sobreviva na Repúbli-
ca até os nossos dias, trata-se de uma prática anti-republicana: ela rompe com os princípios da
equidade, da justiça e da igualdade perante a lei e ignora a essência mesma da República como
coisa pública comum ao apropriar privadamente os bens públicos.
Trata-se de um enorme engano supor que as práticas patrimonialistas tenham desaparecido
em nossos dias. Elas se revestem de inúmeras faces, umas ilegais outras legais.”

José Genoíno. O Estado de São Paulo. São Paulo, 13 de março de 2000.

Como você pode perceber a partir da leitura do texto do Deputado José Genoíno, publica-
do em jornal de circulação nacional, em 2000, ainda percebemos resquícios de processos históri-
cos muito longos em nossa história.
O contexto narrado pelo autor nos faz lembrar práticas clientelares das quais já falamos e
que muito se confundem com práticas coronelistas. Ao passo que a noção de cidadania vai ganhan-
do força, o mandonismo vai perdendo espaço. Pensemos que durante a República Velha houve a
construção de um Estado que permitiu a “utilização de cargos públicos para auferir privilégios”, ou
seja, um Estado patrimonial. Para José Genoíno, essa prática não é Republicana, pois não entende
o Estado como de todos, como direito de todos. Todavia, tal prática fez-se presente no processo de
constituição do Estado Republicano brasileiro e dela ainda temos notícias nos dias atuais.
No segundo parágrafo do texto de Genoíno, notadamente a parte referente à compra de
voto nas eleições, esse contexto, sim, nos remete ao momento histórico corriqueiro na República
Velha. Partindo desse tipo de leitura, procuraremos compreender nesse item como os diferentes
atores sociais estabeleciam relações no período em que o coronelismo existiu como um sistema
político. Iniciemos analisando a figura.

28
História - História do Brasil República I

◄ Figura 14: Charge


criticando o voto “de
cabresto”.
Fonte: http://2.
bp.blogspot.com/_CNwe-
gA21-cI/TImumxbPpvI/
AAAAAAAACYo/
v52gH2jlWKA/s400/co-
ronelismo.gif acesso em
16/02/2011.

Glossário
A conhecida expressão “voto de cabresto” existe até os dias de hoje. No passado, indicou Parentela: Entende-
mos por parentela
a caracterização do processo eleitoral em que o eleitor não possuía autonomia de escolha para
brasileira um grupo de
dar seu voto. Existia ainda uma “teia” que acabava por envolvê-lo na manutenção de uma dada parentesco de sangue
situação que resultava na continuidade do poder do coronel, cujo domínio local e regional tinha formado por várias
a capacidade de submeter pessoas e famílias inteiras. famílias nucleares e al-
Para se ter uma ideia do que estamos dizendo, convém lembrar o que disse Queiroz. A auto- gumas famílias grandes
(isto é, que ultrapassam
ra afirma que, se alguém perguntasse quem era um “tal fulano” na República Velha, esse respon-
o grupo pai, mãe e
deria que: “sou gente de tal coronel” (grifo nosso, QUEIROZ, 2004). Desse modo, já saberíamos a filhos), vivendo cada
qual lugar socioeconômico aquela pessoa pertenceria, bem como a sua posição política. Interes- qual em sua moradia,
sante observar que o termo “gente” indicava que não eram pessoas do mesmo nível social. Esse regra geral economica-
termo indica que a pessoa é de nível inferior, podendo ser até parente do coronel, mas “aque- mente independente;
as famílias podem se
le” parente pobre. No geral, observamos que numa simples resposta, a pessoa logo apresentava
encontrar dispersas
a sua posição quanto à política local, se contrário ou favorável aos diversos coronéis existentes a grandes distâncias
numa dada região. Essas pessoas são clientes, são apaniguados dos coronéis, constituem a sua umas das outras; o
clientela. Logo, também herdam os inimigos dos coronéis que apoiam. afastamento geo-
Diante disso vale ressaltar a vocês que o poder político do coronel é medido pelo seu poder gráfico não quebra a
vitalidade dos laços ou
de voto, ou seja, a quantidade de votos que o mesmo conseguia angariar. A estrutura é a seguinte:
das obrigações recípro-
cas. Sua característica
1º Coronel principal é a estrutura
interna complexa que
2º Cabo Eleitoral tanto pode ser do tipo
igualitário, quanto do
tipo estratificado.
3º Eleitores
Fonte: QUEIROZ, Maria
O cabo eleitoral tem a função de organizar a massa, mantendo-a em forma para o período Izaura Pereira de. O coro-
nelismo numa interpre-
eleitoral. Ele é o elemento fundamental para o coronel, pois mantém a ligação entre ambos. Disse- tação sociológica. 2004,
mos anteriormente que o mandonismo é também uma característica do coronelismo, lembra-se? p. 165. In: FAUSTO, Boris
Então, vamos compreender que existem também, além do sistema bem estruturado de “ca- (dir). O Brasil Republicano.
Estrutura de Poder e Eco-
bos eleitorais”, outras formas de mando bem sutis. Observamos que existiam hierarquias entre nomia (1889-1930). 8 ed.
os mandões regionais, certo? Assim, Rio de Janeiro: Bertrant
Brasil,2004, p. 165.

29
UAB/Unimontes - 6º Período

GLOSSÁRIO existiram no Brasil coronéis de vários graus, desde o pequeno coronel não do-
minando senão uns 20 eleitores, até o grande coronel, o mandão nacional com
Oligarquia: segundo outros níveis de coronéis abaixo dele. [...] A multiplicidade dos coronéis é, as-
Platão, é o sistema de sim, o aspecto essencial, a originalidade da estrutura política do Brasil, na Pri-
governo no qual uma meira República, traço que se prende diretamente à estrutura socioeconômica
determinada elite eco- tradicional do país, fundamentada em grupos de parentela que são ao mesmo
nômica exerce o poder tempo grupos de parentesco de sangue com suas alianças, e grupos de asso-
político exclusivamente ciados econômico-políticos (QUEIROZ, 2004, p.159).
segundo os próprios
interesses, sem se
pautar nos anseios da Para além da coação física e do poder econômico dos coronéis para conseguirem o voto,
maioria. também há que se considerar o poder de barganhar. Os políticos precisavam de seus eleitores e
deviam servi-los (benesses e favores) em troca do voto.
No Brasil, durante a Ainda no período imperial votavam apenas aqueles que comprovassem renda mínima de
chamada república oli-
200$000 (alta quantia para a época), e o voto dessas pessoas constituía um bem valorizado e por
gárquica (1894-1930), a
elite cafeicultora, prin- isso algo que lhe dava poder de barganha. Com a República, esse critério financeiro caiu, preva-
cipalmente a paulista, lecendo a negativa do voto para analfabeto e para as mulheres. Ainda assim, houve a ampliação
dominava o cenário do colégio eleitoral, mas a prática da barganha continuou.
político nacional, im- Para Queiroz , é preciso rever a lógica da expressão “voto de cabresto”, pois a exigência de
pondo seus candidatos
um coronel para que os seus eleitores em potencial votassem no candidato por ele indicado (ou
mediante o clientelis-
mo e o coronelismo. imposto) exigia em contrapartida o dever moral desse coronel, o qual acaba por assumir a defesa
Foi nessa conjuntura e o auxilio de seu eleitor, sempre que fosse necessário. Sendo assim,
que Rodrigues Alves
(1848-1919), cafeicultor ... votar num candidato indicado por um coronel não é aceitar passivamente a
paulista, foi eleito pre- vontade deste; é dar conscientemente um voto a um chefe poderoso, de quem
sidente da República já se obteve algo, ou se almeja obter algo. O voto é, pois, consciente, mas orien-
entre 1902-1906, perí- tado de maneira diversa do que o voto de um cidadão de sociedade diferencia-
odo no qual eclodiu a da e complexa; no primeiro caso, o voto é um bem de troca; no segundo caso,
Revolta da Vacina. o voto é a afirmação pessoal de uma opiniã. (QUEIROZ, 2004, p.163).
Dentre as atitudes da
elite cafeicultora em
Isto se deve ao fato de que a nossa sociedade foi fundamentada no “dom” dentro de uma
defesa de seus próprios
interesses, destacaram- parentela ou mesmo na relação de diferentes camadas sociais. Esse modelo acabou por se es-
-se práticas como tender ao setor político de modo que uma dada causa de um coronel é também a causa de seus
a socialização das apaniguados. Entretanto, não podemos deixar de enfatizar outro lado dessa relação. Também foi
perdas, que desvalo- recorrente o fato de uma pessoa ou um grupo não votarem num dado indivíduo indicado pelo
riza a moeda nacional
coronel, nesses casos tais indivíduos sofriam processos violentos e as eleições, certamente, ocor-
para manter lucro dos
fazendeiros na hora de reriam de modo fraudulento.
converter suas libras, e Com relação à fortuna do coronel é importante lembrar que no imaginário brasileiro este
o Convênio de Taubaté, aparece como sendo aquele grande proprietário de terras. Isso é verdade, mas não pode ser en-
em que se decidiu tendido como sendo apenas esse tipo de pessoa com essa condição social. Sabemos que mé-
que o governo federal
dicos, empresários, comerciantes e outros também foram considerados coronéis no tempo em que
compraria o excedente
de café produzido para viveram. Visando exemplificar tal postulado, vamos aqui destacar um tipo de coronel bem diferente,
evitar que o excesso denominado Delmiro Gouveia, pioneiro na industrialização do nordeste brasileiro. Vejamos:
de oferta reduzisse o
preço do produto no Delmiro Augusto da Cruz Gouveia era filho ilegítimo de um fazendeiro e negociante de
mercado internacional.
gado, Delmiro Porfírio de Farias, que morrera na Guerra do Paraguai, e de Leonilda Flora da Cruz
Fonte: BICHARA, Conrado
Gouveia. De origem pobre, teve que trabalhar cedo para se manter e ajudar a mãe e aos 19 anos,
Ferranti. Resistência na mudou-se com ela para a cidade de Goiana, em Pernambuco e depois para o Recife. Foi bilhetei-
veia. Revista Desvendando ro da estação Olinda do trem urbano chamado maxambomba, trabalhando também na estação
a História. São Paulo, ano
3, nº15, 2007, p.37.
de Apipucos, bairro do Recife, e trabalhou ainda como despachante de barcaças. Interessado na
compra e venda de couro e peles de cabras e ovelhas vai para o interior de Pernambuco, onde
casou-se (1883) com Anunciada Cândida de Melo Falcão, na cidade de Pesqueira.
Trabalhou inicialmente como intermediário entre os produtores de peles de cabra, carneiro
e couros de boi espalhados por todo o sertão nordestino e os comerciantes estrangeiros sedia-
dos no Recife. Trabalhou depois para a Keen Sutterly & Co., da Filadélfia, e tornou-se gerente de
sua filial (1892). No ano seguinte, quando a matriz faliu, ele comprou seus escritórios no Recife
e fundou a Casa Delmiro Gouveia & Cia (1896). Ligou-se à firma L. H. Rossbch, Brothers de Nova
York e, com seu apoio financeiro e com postos de compra espalhados por todo o Nordeste, enri-
queceu e tornou-se conhecido como o Rei das peles.
Partiu para outros empreendimentos e pela urbanizou o bairro do Derby, no Recife, onde só
havia manguezais, abrindo ruas, construindo casas e um grande mercado modelo sem similar no
Brasil, o Mercado Coelho Cintra (1899), incendiado (1900), reformado (1924) e hoje sede do quar-
tel general da Polícia Militar de Pernambuco, e construiu uma refinaria de açúcar que chegou a

30
História - História do Brasil República I

ser a maior da América do Sul.


Autoritário e de temperamento difícil, à medida que enriquecia criava mais inimigos, es-
pecialmente entre os políticos pernambucanos, o que o levou a se separar da esposa (1901) e a
refugiar-se durante um ano na Europa. De volta ao Brasil, no ano seguinte fugiu com uma adoles-
cente, Carmela Eulina do Amaral Gusmão, fixando-se em Vila da Pedra, uma localidade a cerca de
280 km de Maceió, hoje Delmiro Gouveia, perto do rio São Francisco, no sertão alagoano (1904),
e voltou ao comércio de peles. Era um povoado formado por uma meia dúzia de casebres em
torno de um terminal da ferrovia que unia Piranhas a Petrolândia, pela qual circulava um trem
por semana.
Com apoio financeiro dos irmãos Rossbach, uniu-se a dois sócios italianos, Lionelo Iona e
Guido Ferrário, fundando a firma Iona e Cia., com sede em Maceió. Para Pedra eram levadas pe-
les e couros dos estados do Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Bahia
e Sergipe, onde elas eram tratadas e enfardadas. Seguiam de trem até Piranhas, desciam o São
Francisco até Penedo e por mar seguiam para Maceió, de onde eram exportadas para os Estados
Unidos.
Em pouco tempo recuperou-se financeiramente e viajou diversas vezes à Europa e aos Esta-
dos Unidos, onde conheceu a nova revolução industrial provocada pelo uso da energia elétrica.
Quando ele conheceu a cachoeira de Paulo Afonso, teve a idéia de realizar ali um grande projeto
e trouxe um grupo de engenheiros e investidores estadunidenses (1909-1910), para o projeto e a
construção de uma grande hidrelétrica, que geraria energia suficiente para iluminar e abastecer
o Recife e um grande um empreendimento agro-industrial nas terras em torno da cachoeira, em
áreas da Bahia, Alagoas e Pernambuco a serem adquiridas pela empresa.
Porém, o governador de Pernambuco, Dantas Barreto, desconfiou da enormidade do proje-
to e o forçou a reduzir as dimensões do projeto. Com o apoio dos irmão Rossbach, ele organizou
a Cia. Agro-Fabril Mercantil e com turbinas e geradores alemães e suíços, instalou, num dos sal-
tos da cachoeira de Paulo Afonso, o de Angiquinho, no lado alagoano do rio, uma usina hidre-
létrica que gerava 1.500 HP, com uma voltagem de 3 KV. Pessoalmente, escolheu, na Inglaterra,
máquinas da indústria Dobson & Barlow, para uma fábrica, a Cia Agro-Fabril, que iniciou (1914), a
produção de linhas de coser, para rendas e bordados, fios e cordões de algodão cru em novelos,
fios encerados e fitas gomadas para embrulhos. Essa indústria tinha características revolucioná-
rias, no campo social, com uma vila operária, assistência médica, escola e cinema.
Este empreendimento, porém, passou a prejudicar o monopólio dos ingleses no setor, pois,
com o início da Primeira Guerra Mundial, seus produtos escassearam no mercado e a produção
da Pedra, a marca Estrela, logo se tornou conhecida por sua qualidade e resistência e obteve
aceitação imediata.
Produzindo mais de 20 mil carretéis por dia, as linhas Estrela ganharam o Brasil e entraram
nos mercados da Argentina, Chile, Peru e outros países andinos. A inglesa Machine Cotton, pro-
dutora das Linhas Corrente, reagiu registrando (1916) no Chile e Argentina a marca Estrela, for-
çando o produto brasileiro a ser reembalado com seus rótulos trocados, e em seguida, tentou
omprar o parque industrial de Pedra.
Pressionado e irredutível, resistiu às propostas de compra da fábrica e acabou sendo assas-
sinado misteriosamente em Vila de Pedra (1917), município que hoje tem seu nome, aos 54 anos
de idade, no terraço da sua casa, um crime que jamais foi esclarecido.
A Machine Cotton, uma das empresas mais ricas do mundo, comprou a Fábrica da Pedra.
Algum tempo depois, a fábrica foi inteiramente destruída e seus restos atirados na cachoeira de
Paulo Afonso.
Fonte: http://cafehistoria.ning.com/profiles/blogs/delmiro-gouveia acesso em 06/01/2011.

Um comerciante que se aloja em um determinado lugar, como o caso de Delmiro Gouveia,


tem ali instalada a possibilidade de realizar diversos favores e estabelecer ligações com diver-
sas pessoas por meio do elo do trabalho, facilitando a constituição de uma clientela natural de
indivíduos que poderiam se beneficiar desse poder. Os comerciantes de origem humilde logo
se transformavam em cabos eleitorais e em seguida ampliavam a sua fortuna, transformando-se
em um coronel local de grande poder político. Esse parece ter sido o caso de Delmiro.
Vale ressaltar que ele vai tomar partido do coronel Aureliano Menezes que era o chefe políti-
co da oposição em Jatobá (hoje cidade de Petrolândia), opondo-se aos coronéis José Gomes e José
Rodrigues. Estes se associam contra Delmiro e então aí está se armando um cenário propício às desa-
venças políticas e mesmo o assassinado de Delmiro Gouveia em 1917 (QUEIROZ, 2004,175).
O caso de Delmiro Gouveia nos chama a atenção ainda pelo fato de já observarmos as ten-

31
UAB/Unimontes - 6º Período

tativas de empresas internacionais se associarem ao capital brasileiro. Lembremos que o coronel


em questão vivenciará os anos iniciais da nossa República e o contexto internacional da entrada
de capital estadunidense e a continuidade do capital inglês nas Américas.

2.3 Economia e sociedade na


Primeira República
QUADRO 2: Produtos de exportação brasileira – 1889-29 (em %)
Café Açúcar Cacau Mate Fumo Algo Bor Couros e Outros
dão racha peles
1889-1897 67,6 6,5 1,5 1,1 1,2 2,9 11,8 2,4 4,8
1898-1910 52,7 1,9 2,7 2,7 2,8 2,1 25,7 4,2 5,2
1911-1913 61,7 0,3 2,3 3,1 1,9 2,1 20,0 4,2 4,4
1914-1918 47,4 3,9 4,2 3,4 2,8 1,4 12,0 7,5 17,4
1919-1929 58,8 4,7 3,3 2,4 2,6 3,4 3,0 5,3 16,5
1924-1929 72,5 0,4 3,3 2,9 2,0 1,9 2,8 4,5 9,7
Fonte: VILELA, Annibal Villanova at al. Política do Governo e crescimento da economia brasileira – 1889 a 1945. Apud:
Adaptado de FARIA, Ricardo de Moura at al. Estudos de História, v.3. São Paulo: FTD, 2009, p. 255.
Atividades
Leia atentamente a No quadro que destaca os produtos da exportação brasileira de 1889 a 1930, chamamos a
resenha do livro “Estra- sua atenção para debruçar sobre o mesmo um olhar comparativo. Pense então: qual é o produto
das de Ferro no Brasil” que atingiu maior porcentagem na exportação brasileira para o período em questão? E qual o
no link: segundo grande produto de exportação podemos destacar no quadro?
http://www4.fct.unesp. Certamente essas questões são de simples identificação. Nossa intenção é tão somente cha-
br/pos/geo/revista/arti-
gos/13_pereira.pdf mar a sua atenção para a produção do café e da borracha no Brasil, mas ao mesmo tempo, como
Em seguida, poste você percebeu, o açúcar, o cacau, o mate, o fumo, o algodão, o couro, as peles e outros produtos
seus comentários para que também compunham o nosso rol de produtos de exportação.
o professor e demais Debruçaremos nosso olhar para buscarmos compreender mais detidamente sobre a impor-
colegas de turma no tância dada ao café e, posteriormente, à borracha. Estudaremos então o impacto de tais ativida-
fórum da disciplina.
des econômicas sobre a população brasileira durante a República Velha.

a) A sociedade do café

Os cafeicultores brasileiros de modo recorrente demonstravam a sua preocupação em con-


seguirem manter a valorização do café no mercado consumidor internacional. O território agri-
cultável no país foi dando lugar a plantações de café, resultando numa quantidade significativa
de grãos a serem exportados. Essa é uma situação que incorpora duplo problema, a saber:
a. Era interesse dos agricultores manterem em alta o preço do café no mercando internacio-
nal apesar de haver grande produção no Brasil, e
b. Era interesse dos agricultores solucionarem qualquer possibilidade de superprodução
sem, no entanto, cortarem os pés de café.
Em 1906, o Convênio de Taubaté foi o meio encontrado pelos agricultores e os governos
estaduais em solucionar o impasse. Desse modo, todas as vezes em que o café tivesse maior pro-
dução que a capacidade de exportação do país, o governo dos estados de Minas Gerais, de São
Paulo e do Rio de Janeiro comprometeram-se, com o aval do governo federal, em comprar o ex-
cedente da produção.
Até os anos de 1929, os cafeicultores não tiveram prejuízo, pois sempre encontravam com-
pradores para o seu produto. A charge apresenta tal preocupação dos cafeicultores. O temor era
realmente a superprodução, o que ocorreu em 1929, na Europa, e que afetou o Brasil, notada-
mente, a produção cafeeira.

32
História - História do Brasil República I

◄ Figura 15: Charge Crise


de superprodução?
Fonte: http://2.
bp.blogspot.com/_
aJT3I8ICB-8/StHGHaL-
V5GI/AAAAAAAAARs/
BQAYdlf9MNU/s400/
crise%2Bde%2B29%2BIII.
jpg Acesso em 10/02/2011.

Vale destacar que, antes da crise mundial


do capitalismo, no decorrer do tempo os Esta-
dos tiveram que resolver diversos problemas
encontrados, tais como a questão da mão de
obra (resolvida com a imigração) e a necessi-
dade de construção de uma rede de transpor-
tes no Brasil.
A rede ferroviária brasileira tinha pouco
mais de nove mil quilômetros de estrada fér-
rea sem interligação interna. A chamada Estra-
da de Ferro Noroeste (Bauru/SP a Mato Grosso)
e a ampliação da Estrada de Ferro Leopoldina
fez aumentar para praticamente trinta e dois
mil quilômetros a nossa rede de ferrovias. As
estradas de rodagem também tiveram im-
portância e ganharam espaço desarticulando,
paulatinamente, as estradas ferroviárias.
Por volta dos anos 1930, já possuíamos
pouco mais de 112 mil quilômetros de rodo-
vias. Tão importante e necessária era a aten-
ção aos transportes no país que o Presidente
Washington Luis usou como lema do seu go-
verno a máxima: “governar é construir estra-
das”. No mapa observe o nosso sistema de
transporte à época.
O fato de possuirmos um mercado inter-
no modesto não inviabilizava a sua existência
e a importância de estudá-lo nas teses de His- ▲
tória. De todo modo, é importante afirmar que Figura 16: Mapa do Brasil com ferrovias e
a economia “maior” voltava-se para o exterior. navegação fluvial.
A exemplo do Rio Grande do Sul podemos vis- Fonte: MATTOS, C. M. Brasil - geopolítica e destino. 1975.
lumbrar o potencial de tal região em atender p.46. Apud CAMPOS, Simone Martinoli Madeira. Espaço
ao mercado interno brasileiro. Além do café, Nacional e Amazônia. 2003, p. 21. (mimeo)
como dito anteriormente, a Borracha foi outro
produto brasileiro que vale a pena compreen-
der mais sobre a “sua época”.

33
UAB/Unimontes - 6º Período

b) A sociedade da borracha

Dicas A produção de borracha no Brasil remon- benesses do desenvolvimento econômico pro-


A Ford foi a primeira ta ao contexto da região amazônica e não porcionado pela extração da borracha, como a
indústria fabricante de pode se prender exclusivamente ao século XX. construção de Teatros, movimentação de pes-
carros a se instalar no Sendo assim, relembrar é fundamental. E re- soas, estruturação urbana e outros.
Brasil. Isso aconteceu lembrar o século XIX na província do Grão-Pa- Há que se ressaltar que nesse momento
no ano de 1919. Antes
disso, em 1908, as
rá e do Maranhão é revisitar importantes espa- houve a chamada questão do Acre. Os brasi-
indústrias Ford lança- ços e momentos históricos. Nessa época, esses leiros que trabalhavam nos seringais foram se
ram o modelo T, um lugares apresentavam uma economia baseada adentrando pela floresta e penetrando no terri-
carro muito resistente nas ditas “drogas do sertão” e na agricultu- tório do país vizinho, a Bolívia. Como o Acre per-
e econômico. Isso fez ra do cacau, arroz e algodão; a exploração da tencia à Bolívia, essa contenda foi aos poucos re-
dele um enorme su-
cesso durante 20 anos.
borracha concentrava-se na região de Belém e solvida pelo governo brasileiro, coroando o Acre
A idéia da Ford era a ilhas próximas. como pertencente ao Brasil em 1903.
seguinte: quanto mais Podemos afirmar que a autonomia do A partir dos anos 1920, para encorajar a
cresciam as vendas, Amazonas deu-se somente em 1850, a par- ocupação e garantir uma atividade econômi-
mais baixos ficavam os tir da criação da Província do Amazonas, com ca estável, foram feitas várias concessões de
preços. E isso funcio-
nou mesmo! Quando
sede na cidade da Barra, que adotou o nome terras, principalmente a empresários ou imi-
o Ford T foi lançado, de Manaus, em 1856. A situação enfrentada grantes estrangeiros, a exemplo da ocupação
custava 850 dólares e, nesse momento apontava para as dificulda- levada a cabo por Henry Ford, em 1926. (Veja a
em 1927, seu preço era des de mão-de-obra e capitais, comunicação e dica sobre a Ford).
de apenas 190 dólares. transporte e população escassa. Os nipônicos, a partir de 1929, come-
Para ler mais a esse
Diante desse contexto é relevante apon- çaram a fixar-se em vários pontos da região
respeito acesse: tar que a extração da borracha induziu a uma amazônica. Tomé-Açu, no Pará, tornou-se o as-
http://www.portalsa- forma de ocupação que gerou conflitos e dis- sentamento mais importante, ficando famosa
ofrancisco.com.br/ putas em virtude de interesses diversificados pela produção de pimenta, transformando-se
alfa/henry-ford/henry- na região (seringueiros, posseiros, indígenas). no terceiro município em receita no Estado.
-ford-1.php Acesso
em 27/04/2011.
Muitos brasileiros se dirigiram para o Amazo- Alguns historiadores ainda usam o termo
nas, promovendo desenvolvimento urbano ciclo da borracha, o que não nos parece ade-
principalmente em Belém e Manaus. A mão- quado, pois corremos o risco de pensar que
-de-obra imigrante foi importante nesse pro- a história se desenvolve em ciclos, excluindo
cesso de exploração da borracha, como po- outros modos de fazer. Todavia, tendo esse
demos perceber. Para se ter uma ideia, 1 kg de cuidado, vale destacar que tal terminologia
borracha equivalia, em 1900 e 1950 a, respec- (assim como os termos República Velha, Pri-
tivamente, 30 kg e 2 kg de arroz. Observamos meira República, pré e pós para determinados
que esse era um produto valorizado no início períodos, compartimentando o processo his-
do século e era tão importante quanto outros tórico) é recorrente na historiografia, mas cer-
produtos, a exemplo do café, embora não tamente os que a utilizam sabem desse cuida-
atingisse o mesmo patamar quantitativo. do teórico-metodológico que consiste em não
As marcas deixadas no espaço urbano compartimentar o processo histórico apenas
pelo período de exploração da borracha apon- para “facilitar o seu entendimento”. De todo
Atividades tam, por exemplo, para a construção de uma modo, podemos afirmar que houve um perío-
Pesquise sobre o perío- grande estrada de ferro (Madeira-Mamoré), do de grande exploração e exportação da bor-
do da belle époque no em 1907. Empreendimento moroso que só em racha de 1879 até aproximadamente 1920 e
Brasil e em sua cidade. 1912 foi inaugurado, época tardia para o boom um segundo grande momento de 1942 a 1945.
No fórum da disciplina
socialize as informa- da exploração de borracha que teve seu auge Ambos os períodos são ancorados no contex-
ções encontradas com no final do século XIX. Indiscutivelmente, as ci- to de demanda internacional e de investidores
os demais colegas. dades da região amazônica aproveitaram das estrangeiros no Brasil.
Não se esqueça de
informar os locais onde
buscou as informações,
disponibilizando a c) Os ideais de modernidade e a belle époque
todos.

Ao pensarmos a economia e a sociedade na Primeira República é fundamental compreen-


der o viés cultural que move a sociedade brasileira nesse instante vivido. Optamos aqui em se-
lecionar para você os ideais de modernidade que embalaram a chamada belle époque. Segundo
Santos Junior em seu texto que discorre sobre a modernidade em Manaus, podemos entender
que a mensagem era de que

34
História - História do Brasil República I

A modernidade em Manaus não só substitui a madeira pelo ferro, o barro pela


alvenaria, a palha pela telha, o igarapé pela avenida, a carroça pelos bondes
elétricos, a iluminação a gás pela luz elétrica, mas também transforma a paisa-
gem natural, destrói antigos costumes e tradições, civiliza índios transforman-
do-os em trabalhadores urbanos, dinamiza o comércio, expande a navegação,
desenvolve a imigração (SANTOS JR, 1997, p.1).

A fotografia da época aponta para as alterações destacadas. Observe o bonde e a arboriza-


ção, ideais modernos que são apresentados nesta figura.


Além de Manaus, o Rio de Janeiro será o grande baluarte dos ideais de modernidade no Figura 17: Avenida
Brasil. A preocupação foi modernizar o Rio de Janeiro com vistas às reformas feitas em Paris, ci- Eduardo Ribeiro. Fonte:
dade modelo para tal concepção a partir das reformas de Haussmann de 1853 a 1870. No Brasil, Anuário 1910, Museu
ser moderno era viver no Rio de Janeiro, a nossa capital federal que apresentava maior núcleo de Amazônico.
ferrovias, maior mercado consumidor e com capacidade de empregar significativa mão-de-obra Fonte: http://www.seer.
ufu.br/index.php/cdhis/
nas indústrias. A meta de nossas elites republicanas era a de conjugar modernização, progres- article/viewFile/1208/1075
so e industrialização, apresentados no espaço urbano, o que terá lugar no Rio de Janeiro, por Acesso em 16/02/2011.
exemplo. A Avenida Central foi remodelada completamente, como já dissemos, inspirada em Pa-
ris. Desapareceram os becos e apareceram ruas largas mais apropriadas ao footing, mais aprazível
aos olhos das elites, segundo moldes europeus.
A respeito das reformas urbanas, vejamos a contribuição de Needell (1993), citado por Patto (1999):

... o historiador J. Needell ressalta a diferença de propósitos das reformas ur-


banas da Paris da segunda metade do século passado e do Rio da segunda
década republicana: o barão de Haussmann queria uma cidade bela, eficiente
e saudável, mas também executar um plano urbanístico de natureza contra-
-revolucionária, atacando ‘os bastiões da revolta da classe trabalhadora’; o en-
genheiro e prefeito carioca Pereira Passos tinha um plano de urbanização de
caráter antitradicionalista, fincado em padrões de eficiência, saúde e beleza à
européia, mas queria também executar um ataque ‘aos bastiões de um meio
essencialmente brasileiro e sua cultura afro-brasileira, incompatível com a
transformação do Rio em vitrine da Civilização’ (NNEDELL, apud PATTO, 1999,
p.197).

35
UAB/Unimontes - 6º Período

Figura 18: Avenida ►


Central, Rio de Janeiro
- 1905, atual Av. Rio
Branco -
Fonte: www.bhpbrasil.spa-
ces.live.com /Blog/cns!CB
F475499EC82673!4359.
entry Acesso em
18/03/2011.
Dicas
Tanto em São Paulo
como no Rio os relatórios
técnicos dos sanitaristas
terminavam encarecendo
a necessidade de inter-
venção do poder público
na prevenção de proble-
mas de saúde pública,
entre outras medidas, por
meio da construção de
casas populares baratas e
higiênicas. Na São Paulo
de 1886 o Código de
Postura do Município já
alertava para o perigo das
epidemias, e continha um
capítulo sobre cortiços,
casas de operários e ha-
bitações dos pobres (38).
Desde o fim do século XIX
a questão da moradia po-
pular estava no centro das
atenções; depois da epi-
demia de febre amarela Acompanhando esse mesmo ímpeto, houve tentativa de “civilizar” o comportamento dos
de 1893, a Administração “populares”, buscando aparelhá-los aos modos europeus. O carnaval, por exemplo, sofrerá influ-
Sanitária do Estado de São ência do modelo das colombinas e pierrôs, e a moda será direcionada no sentido de exigir que
Paulo criou um Código as pessoas que andassem no espaço público se vestissem com paletó e sapato. Na literatura po-
Sanitário que determinava
demos destacar a atuação de Bilac, como demonstra Marcela Cockell Mallmann:
que fossem “proibidas as
construções de cortiços e
eliminados os já exis- Temos ainda em Olavo Bilac um importante representante da Bélle Époque bra-
tentes”, além de normas sileira. O poeta e jornalista, defensor do estilo parnasiano era conhecido como
rigorosas de construção príncipe dos poetas e assumiu o cargo de jornalista substituindo Machado de
e higiene de moradias, Assis na Gazeta de Notícias em 1904. Sua escrita era marcada pela dualidade,
que inspetores sanitários enquanto sua poesia prezava pelo refinado e conservador estilo parnasiano
tentavam fazer cumprir. sua prosa seguia o compasso da modernidade:
Em 1917, o presidente da ... encontra-se em Bilac, como representante da civilização e crítico do “atraso”
Liga Brasileira contra a urbano carioca, um perfeito porta-voz da Bélle Époque carioca. Aí está a chave.
Tuberculose denunciava, Sua ironia e piedade estavam reservadas para seus compatriotas e serviam em
no I Congresso Médico grande parte para mascarar a vergonha e a raiva. Sua função na equipe de Pe-
Paulista, “a crise de domi- reira Passos não era mera conveniência, mas uma forte coincidência de interes-
ciliamento do operariado” ses ideológicos – ele se identificava desesperadamente com o Rio ‘civilizado’,
e seus efeitos maléficos uma metamorfose da cidade e do cidadão que ele só podia imaginar em ter-
sobre a saúde coletiva. A mos de cultura francesa (MALLAMANN, 2007, p.111).
cidade foi reurbanizada
em moldes semelhantes Os ideais de modernidade permearam a sociedade e a cultura brasileiras de modo a marcá-
ao que se fazia no Rio, -la profundamente. Em jornais, revistas, nos cafés e em diferentes lugares no Brasil, a modernida-
embora em menor escala:
de era falada e vivida, fotografada e escrita.
rasgaram-se avenidas e
alamedas, construíram-se A figura abaixo demonstra o que se queria extirpar da sociedade: cortiços, sujeira, pobres,
fontes públicas, expandi- doenças. Vejamos a figura e a dica sobre essa temática.
ram-se as redes de água
e esgotos, de iluminação
pública e de transportes
coletivos e criaram-se
novos bairros.

Fonte: PATTO, Maria Hele-


na Souza. Estado, ciência
e política na Primeira
República: a desqualifi-
cação dos pobres. Estud.

36 av. [online]. 1999, vol.13,


n.35, pp. 167-198. ISSN
0103-4014.
Figura 19: Cortiço no Rio de Janeiro no
começo do século XX
Fonte: http://acertodecontas.blog.br/artigos/
os-passos-de-pereira-nos-trilhos-da-moderni- História - História do Brasil República I
zacao/ Acesso em 18/03/2011.

Todavia, vale destacar que a belle epoque no Brasil tomou contornos diversos, podendo também
ser chamada de “caipira”, pois significou:

A Belle Époque caipira era constituída especialmente pela ação de uma elite de-
sejosa de modernizar-se. Desobrigados de qualquer ética, derribavam as ma-
tas, levando destruição, morte e grilagem às terras férteis do sertão. Tal qual
verdadeiros flibusteiros, adentravam a hinterlândia e agiam com violência, am-
parados na legitimidade de um discurso constituído a partir da significação so-
cial positiva atribuída ao moderno. Assim, o café seguia impávido, ladrilhando
as localidades outrora semeadas e levando os trilhos e silvos das locomotivas
em seu rastro. Rápido, então, lugarejos cresciam e tomavam forma de cidades,
tornando-se, assim, centros bafejados pela força da grana que construía e des-
truía coisas belas, um verdadeiro admirável mundo, que mesclava sem possi-
bilidades de separação o arcaico e o novo. Era nesse contexto que as ambiva-
lências da própria modernidade se somavam às contradições de um país e de
um povo forjado sob o sopro da bricolagem e da imposição do poder público
(DOIN et. al., 2007, p. 95).

Referências
BICHARA, Conrado Ferranti. Resistência na veia. Revista Desvendando a História. São Paulo,
ano 3, nº15, 2007, p.33-39.

CAMPOS, Simone Martinoli Madeira. Espaço Nacional e Amazônia. 2003, p. 21. (mimeo).

CAMPOS, Simone Martinoli Madeira. Espaço Nacional e Amazônia. Disponível em: http://www.usp.br/
fau/cursos/graduacao/arq_urbanismo/disciplinas/aup0270/4dossie/martinoli04-amazonia/Espaco-
-nacional-e-Amazonia.pdf Acesso em 16/02/2011.

CARDOSO, Fernando Henrique. Dos governos militares a Prudente-Campos Sales. In: FAUSTO,
Boris (dir). O Brasil Republicano. Estrutura de Poder e Economia (1889-1930). 8 ed. Rio de
Janeiro: Bertrant Brasil, 2004, p.15 a 50. (História Geral da Civilização Brasileira, t.3, v.1).

CARVALHO, José Murilo de. Mandonismo, Coronelismo, Clientelismo: Uma Discus-


são Conceitual. Dados [online]. 1997, 16p. vol. 40, n.2 ISSN 0011-5258.  doi: 10.1590/
S0011-52581997000200003. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0011-
-52581997000200003&script=sci_arttext Acesso em 10/06/2010.
37
UAB/Unimontes - 6º Período

DEL RIO, J. M. V. Etnografia das Fronteiras políticas e sociais na Amazônia ocidental. Cadernos Críticos
de Geografia Econômica, v.13, n.292. 1/jun/2009.

DOIN, José Evaldo de Mello; PERINELLI NETO, Humberto; PAZIANI, Rodrigo Ribeiro and  PACANO,
Fábio Augusto. A Belle Époque caipira: problematizações e oportunidades interpretativas
da modernidade e urbanização no Mundo do Café (1852-1930) . Rev. Brasileira de História. [on-
line]. 2007, vol.27, n.53, pp. 91-122. ISSN 0102-0188.

DORATIOTO, Francisco. Projeção brasileira na América do Sul. Nossa História. Ano 3, n.25, Nov/2005, p.
24-7

FAUSTO, Boris (dir). O Brasil Republicano. Estrutura de Poder e Economia (1889-1930). 8 ed.
Rio de Janeiro: Bertrant Brasil, 2004, p.155 a 190. (História Geral da Civilização Brasileira, t.3, v.1)

FAUSTO, Boris (dir). História Geral da Civilização Brasileira. O Brasil Republicano: Sociedade
e Política (1930-1964). 3 ed. Rio de Janeiro: Bertrant Brasil, 2004. (História Geral da Civilização
Brasileira, t.3, v.2t.

MAGNOLI, Demétrio. Um Ilha chamada Brasil. Nossa História. Ano 3, n.25, Nov/2005, p. 14-19.

MALLMANN, Marcela Cockell. Pelos Becos e Pela Avenida da Belle Époque Carioca. Revista
Soletras, ano X, nº 20, jul./dez.2010. São Gonçalo: UERJ, 2010.

MARINS, Paulo César Garcez. Habitação e vizinhança: limites da privacidade no surgimento das
Metrópoles brasileiras. In: SEVCENKO, Nicolau (org). História da vida privada no Brasil. República:
da Belle Époque à Era do Rádio. São Paulo: Cia das Letras, 1998.

PATTO, Maria Helena Souza. Estado, ciência e política na Primeira República: a desqualifica-
ção dos pobres. Estud. av. [online]. 1999, vol.13, n.35, pp. 167-198. ISSN 0103-4014.

QUEIROZ, Marçal de Queiroz. A administração provincial do Grão-Pará e as propostas de imigra-


ção, colonização e povoamento do Vale Amazônico (1875-1889). In: COELHO, Mauro Cezar (org).
Meandros da História. Belém: Unamaz, 2005, p. 248-70.

QUEIROZ, Maria Izaura Pereira de. O Coronelismo numa interpretação sociológica. In: FAUSTO,
Boris (dir). O Brasil Republicano. Estrutura de Poder e Economia (1889-1930). 8 ed. Rio de
Janeiro: Bertrant Brasil, 2004, p.155 a 190. (História Geral da Civilização Brasileira, t.3, v.1).

SANTOS JUNIOR, Paulo Marreiro dos. Manaus da Belle Époque: um cotidiano em tensão. A Utopia
da Modernidade na cidade disciplinar de 1890 a 1920. Revista Eletrônica Cadernos de História. Ano
2, n.1, março 2007, ISSN 19800339. Disponível em : http://www.ichs.ufop.br/cadernosdehistoria/
download/CadernosDeHistoria-03-08-Livre.pdf Acesso em 16/02/2011.

SANTOS JUNIOR, Paulo Marreiro dos. A imposição da modernidade na Manaus da Borracha. Ca-
dernos de Pesquisa CDHis – n 36/37, ano 20, p.119-31, 2007. Disponível em http://www.seer.ufu.br/
index.php/cdhis/article/viewFile/1208/1075 Acesso em 16/02/2011.

SEVCENKO, Nicolau (org). História da vida privada no Brasil. República: da Belle Époque à Era
do Rádio. São Paulo: Cia das Letras, 1998.

38
História - História do Brasil República I

Unidade 3
A transição para o governo Vargas

Introdução
Nesta terceira Unidade da disciplina História do Brasil República I analisaremos processos de
mudança, de desejos de alteração de uma dada ordem instituída, de resistência.
Com o objetivo de compreender melhor o processo histórico que culminou com o governo
Vargas, estudaremos de modo mais detido “o processo” em si, as contestações sociais regionais,
seus postulados, seus desfechos e suas tragédias, tais como Canudos, Cangaço, Contestado, Chi-
bata e Vacina.
Pululavam no Brasil desejos de mudança e, em especial na década de 1920, assistiremos à
conformação desses desejos expressos em movimentos sociais, na semana de arte moderna, na
fundação de partidos políticos, na luta para participar mais efetivamente dos rumos de um país:
do nosso país.
Você se defrontará com um Brasil que quer ser grande, mesmo sabendo de suas mazelas so-
ciais, com sujeitos sociais que não se deixaram intimidar na tessitura política de seu tempo, com
gente que saiu à rua para protestar e com gente que também preferiu se calar. Não podemos
esquecer dos silêncios e dos “quase gritos” de nosso povo emaranhado nas redes de poder.
Desejamos bom estudo e férteis discussões!

3.1 As Contestações sociais

◄ Figura 20: Movimento


messiânico de Canudos.
Fonte: http://3.bp.blogs
pot.com/_YqxjKmLnGzU
/THa4GhCM8dI/AAAAA
AAAABY/3VxBJhGz
RhQ/s320/Canudos.gif
Acesso 24/02/2011.

39
UAB/Unimontes - 6º Período

No Brasil da Primeira República podemos dizer que o nosso país teve importantes movi-
mentos rurais e messiânicos, os quais “sacudiram” o ambiente rural brasileiro. A figura em desta-
que refere-se à Guerra de Canudos, ocorrida no Brasil entre 1893 a 1897, no governo de Prudente
de Morais. Além desta, outras ocorreram no mesmo período, a saber: Guerra do Contestado e o
Cangaço.
Você já se perguntou sobre as razões que levaram as pessoas - em comunidades inteiras - a
se rebelarem contra a República nascente no Brasil? Vamos conhecer essas razões e os desfechos
desses processos para que possamos compreender melhor esse importante período da nossa
história.

a) A Guerra de Canudos

Acreditamos que a Guerra de Canudos não pode ser classificada como uma simples guerra
de fanáticos ou de meros seguidores de Antônio Vicente Mendes Maciel – O Antônio Conselhei-
Figura 21: Figura do ro. Esta guerra ocorrida no sertão da Bahia apontou muito mais para uma importante insatisfa-
lugarejo de Canudos. ção social à ordem vigente na Primeira República. Nesse momento, a ordem vigente na Bahia era
Fonte: http://www. de sujeição aos coronéis republicanos, cujas forças locais eram imensas, bem como a miserabili-
umbuzada.com/Historia/
Historia%20de%20Ca-
dade e a seca que afligia os sertanejos dessas terras brasileiras.
nudos/Foto%20-%20Ca- Antônio Conselho, líder de Canudos, nasceu em Quixeramobim/Ceará, em 1828. Ele se esta-
nudos%2008.jpg Acesso beleceu no arraial de Canudos em 1893, às margens do Rio Vaza-Barris, no sertão nordestino. O
18/02/2011.
lugarejo foi se desenvolvendo e atingindo aproximadamente 25 mil habitantes. A figura mostra

uma imagem panorâmica de Canudos.

40
História - História do Brasil República I

◄ Figura 22: Canudos


a Sudeste - Em
primeiro plano, uma
típica casa do arraial.
Segundo o relato do
correspondente da
Gazeta de Notícias, do
Rio de Janeiro, Favila
Nunes, as construções
eram de “pau-a-pique,
cobertas com folhas
de icó com barro por
cima ou telha vã. (...)
As portas são tão
pequenas que é preciso
abaixar-se para transpô-
las; estendendo-se o
braço para cima, toca
quase a cumeeira; os
caibros e ripas são
seguros com cordas e
cipós, as dobradiças das
portas e microscópicas
janelinhas são de sola,
na sua quase totalidade
não têm reboco nem
caiação, interna ou
externa”. À esquerda,
Inicialmente Canudos era uma fazenda abandonada de pau-a-pique. Nesse lugar a religio- ao fundo, as ruínas da
sidade era intensa e havia oposição clara quanto à instituição do casamento civil em 1890, en- Igreja do Bom Jesus.
fatizando a laicização da República brasileira. Segundo Koshiba e Pereira, a origem dos beatos
nordestinos encontra-se em atividades desenvolvidas por padres na região, a exemplo do “Padre Fonte: http://www.
José Maria Ibiapina, que, seguindo a orientação do catolicismo de seu tempo, procura melhor passeiweb.com/sai-
ba_mais/fatos_historicos/
comunicação entre clero e fiéis”. Vejamos: brasil_america/a_guer-
ra_de_canudos Acesso em
Ao Padre Ibiapina deve-se a criação de inúmeras ‘casas de caridade’, mescla de or- 10/02/2011.
fanato e escola, que se multiplicaram a partir da segunda metade do século XIX.
Essas ‘casas de caridade’ eram administradas por ordens leigas, não oficiais,
isto é, não reconhecidas pela Igreja, mas toleradas por ela. É em função dessas
‘casas’ que irão se multiplicar estas ordens de beatos, que eram expressão con-
creta da intensificação da religiosidade no sertão nordestino.
Dentro desse quadro é que começa então a aumentar o prestígio de Antônio
Conselheiro que, por isso mesmo, passa a ser perseguido sistematicamente
pela Igreja. Já com inúmeros seguidores, logo após a proclamação da Repúbli-
ca, Antônio Conselheiro se estabelece no sertão baiano, na localidade denomi-
nada Arraial de Canudos, à margem do rio Vaza-Barris.
Formam ali uma comunidade de beatos, que em virtudes das crescentes pres-
sões religiosas e civis, decidem romper com o mundo circundante, organizan-
do-se assim uma comunidade consciente de suas particularidades (KOSHIBA;
PEREIRA, 1996, p.226-7).

O arraial de canudos foi próspero, sempre a ele eram acrescidas pessoas advindas do sertão
que logo se “ajeitavam” em casa de taipa, produziam para o seu sustento. Desejavam construir
uma comunidade autônoma e igualitária baseada na posse coletiva dos bens e produtos e não
na propriedade privada da terra. É bem possível que a miserabilidade estivesse distante daquele
lugar onde a terra, a água e o trabalho humano geraram um breve período de fartura para aque-
la população.
Uma sociedade com essa natureza naturalmente não agradaria à sociedade brasileira repu-
blicana nascente. O povo de canudos não podia prosperar como modelo de sociedade, pois se
chocava com o modo de pensar do novo regime. Desse modo, foram organizadas quatro gran-
des expedições militares para destruir Canudos, sendo duas estaduais e duas federais, a saber:

41
UAB/Unimontes - 6º Período

Atividades QUADRO 3: Expedições contra Canudos.


Vamos pensar a atua- Expedição Descrição Soldados
ção do Estado Republi- Tenente Pires Ferreira Todos foram derrotados pelos conselheiristas. 104
cano no trato com as
revoltas messiânicas? Major Febrônio de Brito Mais de 100 homens foram mortos, sendo derrota- 550
Visite o site: dos pelos conselheiristas.
http://www.portalsao- Coronel Moreira César (tropas Todos derrotados pelos conselheiristas, abando- 1.220
francisco.com.br/alfa/ federais) nando no local canhões e o corpo do Coronel.
guerra-de-canudos/
bello-montes-canu- General Arthur Oscar de Andrade Os conselheiristas são derrotados em 10 dias de 5.000
dos-3.php Guimarães e o Marechal Bitten- guerra, sobrevivendo 4 pessoas apenas. Foram
court (Ministro da Guerra) (tropas mortos cerca de 900 soldados.
Você encontrará de- federais)
talhamento da última Fonte: Adaptado de KOSHIBA, Luís e PEREIRA, Denise M. F. História do Brasil. São Paulo: Editora Atual, 1996.
expedição a Canudos.
No fórum dessa
disciplina, discuta
Os soldados praticavam a degola dos seguidores de Antônio Conselheiro. Da cidade quase
com os seus colegas o nada restou semanas após a última expedição, a cidade e as pessoas esgotaram-se, destruídas,
processo de derrocada transformadas em escombros e cadáveres. Foram 15 mil conselheiristas mortos. Um testemunho
dos conselheiristas e ocular de tal história foi Euclides da Cunha que registrou em “Os Sertões” a história de canudos.
a atuação do nosso Para ele:
Estado na Primeira
República.
Canudos não se rendeu. Exemplo único em toda a História, resistiu até o esgo-
tamento completo. Expugnado palmo a palmo, na sua precisão integral do ter-
Figura 23: Mapa mo, caiu no dia 5, ao entardecer, quando caíram os seus últimos defensores,
demonstrativo da que todos morreram. Eram quatro apenas: um velho, dois homens feitos e uma
Guerra do Contestado. criança, na frente dos quais rugiam, raivosamente, cinco mil soldados. Caiu o
Fonte: http://1. arraial a 5. No dia 6, acabaram de o destruir desmanchando-lhe as casas, 5.200,
bp.blogspot.com/_FltWVk- cuidadosamente contadas (CUNHA, 1989, p. 433).
F1gtI/TD3l-K6b
wiI/AAAAAAAUY/3JrHhcI8
Y6Q/s1600/
Guerra+do+Contestado. b) A Guerra do Contestado
jpg . Acesso em
15/02/2011.
▼ A guerra do contestado ocorreu em 1912
na região fronteiriça dos Estados de Santa Ca-
tarina e do Paraná. Tal área era rica em ervais
nativos (erva-mate) e era uma área de explora-
ção madeireira, possuindo a dimensão de 48
mil km². Recebeu esse nome, pois represen-
tou, na realidade, uma disputa de terras entre
esses dois estados. Vejamos a localização exa-
ta de tal conflito no mapa.
A chamada região do contestado (1912
a 1916) foi cedida pelo governo à Companhia
norte-americana. A região estendia a dois es-
tados brasileiros, como observamos no mapa.
Certamente, o processo histórico dessa guerra
não começou necessariamente em 1912 e po-
demos remontá-la ao século XIX.
Como observamos no mapa, a Estrada
de Ferro que liga São Paulo ao Rio Grande do
Sul foi construída no final do século XIX e foi
desapropriada, pelo governo, uma área de
terra que atravessava o Paraná e Santa Cata-
rina. Essa construção atraiu muitas pessoas a
esse lugar, as quais buscavam emprego. Após
a construção da Estrada pela empresa Brazil
Railway Company, cujo dono era o empresário
Percival Farquhar, muitos migrantes que ha-
viam se fixado nesse lugar ficaram desempre-
gados, vivendo de modo precário. Soma-se a
essa questão que, quando foi feita a estrada,

42
História - História do Brasil República I

muitos foram desalojados de suas terras, uma Lucena Boaventura). José Maria chega à região
vez que tal lugar era considerado terra devolu- em 1912 e pratica o curandeirismo e realiza
ta, sendo que a madeira até então explorada por milagres. Aproveitando de sua enorme popu-
eles passou a ser explorada para os Estados Uni- laridade, o monge se envolverá nas questões
dos da América pela empresa de Farquar. político-econômicas da região, posicionando-
Esse contexto foi fundamental para a -se ao lado dos mais fracos. Além disso, pre-
eclosão da Guerra do Contestado. Como po- nunciava que a República terminaria e que
demos observar, a população local empobre- dias melhores estariam por vir.
ceu, ficou desempregada, sem terras e os que Toda essa situação não ocorreu sem con-
ainda possuíam alguma terra não conseguiam frontos entre: fazendeiros, posseiros, tropas
competir com a empresa Lumber, de Farquar, do governo e os seguidores do monge. Assim,
na venda de madeira. Todavia, outro fator im- o monge liderou os camponeses expulsos de
portante pode ser vislumbrado nesse contexto: suas terras e os ex-trabalhadores da Brasil Rai-
diversos monges frequentavam a região reali- lway e os fazendeiros que não conseguiam
zando trabalhos sociais e espirituais e, até mes- competir com a empresa Lumber. Certamente,
mo, envolviam-se em questões políticas locais. essa liderança era motivada por um discurso
Dois monges destacaram-se nesse lugar: messiânico estimulador, capaz de dar forças a
João Maria (1844-1870) e José Maria de Santo essas pessoas, inclusive para declarar a região
Agostinho (cujo nome verdadeiro era Miguel como um governo independente do Brasil.

◄ Figura 24: Aviões da


brasileiros utilizados na
Guerra do Contestado..
Fonte: http://4.
bp.blogspot.com/_cyvI1E-
bw2fg/SxEApR47JvI/
AAAAAAAAAxw/
F2qLPWxjdSA/s1600/
Contestado+Ferrovia.jpg
Acesso em 12/02/2011.

Dicas
Observe a área de
atuação do Cangaço no
nordeste brasileiro:
Homens do exército brasileiro associados aos homens das forças militares dos governos do
Estado do Paraná e de Santa Catarina combateram fortemente essa comunidade a partir de 1912,
obtendo sucesso apenas a partir de 1914. Os combates duraram cerca de 5 anos, quando a po-
pulação foi massacrada, e cerca de 20 mil pessoas morreram nesse conflito. Toda a tecnologia
disponível na época foi usada, como os aviões que observamos na figura. Em 1916, o então pre-
sidente do Brasil Venceslau Brás decidiu dividir o território de modo mais igual possível entre os
dois Estados da Federação.

c) O Cangaço Figura 25: Mapa do


Brasil com atuação do
Cangaço.
Na sociedade brasileira, na qual predominava a grande propriedade, o banditismo social
Fonte: http://pt.wikipedia.
ocorreu fortemente no nordeste do Brasil. Desde meados da segunda metade do século XIX, a atual org/wiki/Ficheiro:Map_
região conhecida hoje como o nordeste brasileiro sofreu com a ação de uma seca que arrasou o inte- of_Canga%C3%A7o.png
rior do país, gerando uma onda de saques em diversos transeuntes, comboios, vilas e armazéns. Esse Acesso em 15/02/2011.
banditismo foi característico de uma sociedade agrária que oprimia seus camponeses, os quais, quase
sempre, eram desejosos de vingar a honra e fazer justiça com as próprias mãos.
43
UAB/Unimontes - 6º Período

Chegada do Lampião ao inferno


De José Pacheco

O vigia foi e disse


A Satanás no salão:

— Saibo vossa senhoria


Que aí chegou Lampeão
Dizendo que quer entrar
E eu vim lhe perguntar
Se dou-lhe o ingresso ou não.

— Não senhor, Satanás disse


Vá dizer que vá embora
Só me chega gente ruim
Eu ando muito caipora
Eu já estou com vontade
De botar mais da metade
Dos que tenho aqui p’ra fora”.

Citado por GOMES, Carolina et al. Lampião, Virgulino e o Mito. Agenda Eclética, julho a Dezembro de
2007, p. 18.

Todavia, sabemos que o bando de Lampião e de seus cangaceiros firmaram alianças vanta-
josas com os mais poderosos coronéis da época:

a relação cangaceiro-coronel mostrava-se vantajosa para as duas partes: ga-


nhavam os bandoleiros, que obtinham quartéis e asilos na caatinga e ganha-
vam os proprietários, que se fortaleciam e engrossavam o prestígio com esse
negócio temeroso. Virgulino Ferreira da Silva é o representante emblemático
deste ciclo. Lampião, tendo se tornado chefe de cangaço por volta de 1920, rei-
nou absoluto até 1938 quando, junto com Maria Gomes de Oliveira, a Maria Bo-
nita, sua companheira, morreu em Angico, sertão de Sergipe. Em 1940, a morte
do Cristino Gomes da Silva Cleto, o cangaceiro Corisco, tido como vingador de
Lampião, pôs um fim ao ciclo geral do cangaço (CLEMENTE, 2007, p.2).

Esse tipo de rebelião ancora-se em situações anteriores quando, por exemplo, em 1901, os
coronéis usaram alguns bandos sertanistas para impor uma dada ordem social. Antes de lampião
outros cangaceiros se destacaram, a saber: Inocência Vermelho, João Calangro, Jenuíno Brilhante
e Antônio Silviano. Todos esses cangaceiros conheciam bem a caatinga e o território do nordes-
te brasileiro como a palma de suas mãos. Andavam sempre preparados para qualquer situação
de embate com a polícia. Na figura demonstramos a preocupação em extirpar esses cangaceiros
por parte do poder Republicano baiano. Vejamos.

Figura 26: Cartaz a ►


procura de Lampeão.
Fonte:http://www.subs-
tantivoplural.com.br/wp-
-content/uploads/2010/11/
Cartazlampiao.jpg Acesso
em 12/02/2011.

44
História - História do Brasil República I

Sabemos que de 1870 (Jenuíno Brilhante) a 1940 (Corisco – Cristino Gomes da Silva Cleto)
o cangaceiro mais famoso foi aquele que atuou no período de 1920 a 1938, o já citado Virgulino
(o Lampião), visto pela população com valores de valentia e honra e, pelas autoridades, como
bandido brutal a ser eliminado da sociedade. Foi no período de Getúlio Vargas que os bandos de
cangaceiros foram desarticulados, presos e mortos pelo poder instituído. Mas realizar tal tarefa
não era fácil, como observamos a necessidade de divulgar cartaz à procura de Lampião.
Marcos Edilson de Araújo Clemente, ao estudar as fotografias e imagens do Cangaço, desta-
cou a figura abaixo com o intuito de analisar a quebra do poder adquirido por Lampião. Vejamos
a figura.

◄ Figura 27: Cabeças


cortadas, armas e
objetos de Lampião,
Maria Bonita e mais
nove Cangaceiros
mortos no combate de
Angico, Piranhas/AL.
Autor anônimo, 28 de
julho de 1938. Acervo
Sociedade do Cangaço,
Aracaju.
Fonte: CLEMENTE, Marcos
Edilson de Araújo. Canga-
ço e Cangaceiros: Histórias
e Imagens fotográficas do
tempo de Lampião. Revis-
ta de História e Estudos
Sociais. Out a Dez/2007,
ano 4, v.4, n.4.

O autor analisou a imagem “das cabeças cortadas” de modo a inverter o poder do Cangaço.
Fecharemos esse item lendo a sua análise:

Cabeças em simetria, algumas apoiadas por calços de pedra, cabelos desgre-


nhados, feições rígidas, olhos fechados. A ordem de apresentação do escalão
é inversa e quebra a hierarquia que tiveram em vida. No plano mais baixo, iso-
lada, a cabeça de Lampião; acima a de Maria Bonita tendo à direita a de Luís
Pedro e à esquerda Quinta-Feira; degrau acima, as cabeças dos cangacei-
ros Mergulhão Elétrico e Caixa de Fósforo; no plano mais alto, as cabeças de
Enedina (E), Cajarana, um cangaceiro não identificado, dito “desconhecido” e
o cangaceiro Diferente. A cena parece forjada para conjurar o espectro dos
cangaceiros e de tudo o mais que representam. As arrumações reforçam uma
imagem de Lampião solitário, que não mais detém o comando do grupo. Ade-
mais, rompe com a imagem à época já lendária do casal Lampião e Maria Boni-
ta, pois esta não aparece ao seu lado. Para tanto, a contemplação fúnebre não
é suficiente. Aloca-se nos espaços da escadaria os pertences dos mortos. Pelo
modo como são expostos, não identificam seus donos, seus usuários. Identi-
ficam, contudo, o espólio material do cangaço. No plano superior, à esquerda
e à direita, duas máquinas de costura marcas singer. Ao centro, artefatos de
couro. Ladeando as cabeças, pistolas, mosquetões e punhais longos e media-
nos; chapéus de couro com abas viradas, pontuados com estrelas em diferen-
tes padrões. Um dos chapéus repousa sobre uma caixa com a marca registrada
da empresa petrolífera inglesa Standar Oil Company of Brazil, inscrição somente
identificada quando colocada a imagem de baixo para cima. Embornais, car-
tucheiras, peças da indumentária adornada com moedas de ouro e traços ge-
ométricos. A autoria da imagem não é identificada. Os mortos são nomeados
em ordem numérica, vendo-se logo após a data: 28 de julho de 1938. Oficial-
mente, a data da morte de Lampião. Contudo, o espetáculo estava apenas co-
meçando. Da cidade de Piranhas, as cabeças seriam transportadas em cortejo

45
pelas cidades do sertão em direção a Maceió e finalmente para Salvador onde
ficaram expostas até 1969.
UAB/Unimontes - 6º Período

3.2 As revoltas urbanas

Figura 28: Cortiço ►


no Rio de Janeiro.
Extraído de Cidade
do Rio de Janeiro:
remodelação, extensão
e embellezamento,
1926-1930. Prefeitura do
Districto Federal. Paris:
Foyer Brésilien, 1930,
p.189-90. Apud Abreu,
M. Evolução urbana do
Rio de Janeiro, 1997,
p.90.
Fonte: http://thehis-
tory.hdfree.com.br/
corti%C3%A7o_RJ.jpg
Acesso em 15/02/2011.

Na figura observamos a representação de um cortiço no Rio de Janeiro. Certamente essa


não era a imagem que se queria ter e ver da cidade maravilhosa. Como sabemos, as cidades ti-
veram grande crescimento a partir do final do século XIX, sendo que para tal urbanização a abo-
lição da escravidão e a chegada de muitos imigrantes contribuíram para a mudança do cenário
urbano no país.
Esse desenvolvimento veio acompanhado de diversas mazelas sociais observadas nas pés-
simas condições de trabalho da classe trabalhadora. Imperava a marginalização e o preconceito
racial, dado que, em sua maioria, eram populações de negros e mulatos. A marginalização das
populações pobres nas cidades brasileiras era gritante, notadamente no Rio de Janeiro. A po-
breza, as péssimas condições de saúde e alimentação da população e a moradia desse povo era
bastante acentuada, situação que favoreceu a eclosão de movimentos sociais contestatórios à
ordem estabelecida na primeira República. Um desses foi a Revolta da Vacina. Vejamos mais so-
bre tal conflito.

46
História - História do Brasil República I

a) A Revolta da Vacina

Iniciaremos nosso estudo sobre a Revolta da Vacina a partir de um texto introdutório de Cel-
so Miranda. Ele dá início a sua narrativa dizendo que havia alguma coisa diferente no ar naquela
manhã abafada e úmida de novembro de 1904:

... nos últimos dias, boatos haviam tomado os bares, as conversas em família
depois que estudantes e operários saíram em passeata pelo centro do Rio de
Janeiro, gritando palavras de ordem e protestando contra o governo do presi-
dente Rodrigues Alves (MIRANDA, 2004, p.46).
Figura 29: Imagens
Continua dizendo que havia a impossibilidade de prever o que aconteceria dada a imprevi- criticando o contexto
sibilidade dos acontecimentos naquele ano. Assim, da Revolta da Vacina
publicados na Revista
... de repente, sem que parecesse haver qualquer organização, os grupos de da Semana, de 1904.
pessoas começaram a chegar ao centro. Tomaram as ruas do Ouvidor, da Qui- Fonte:
tanda, da Assembléia e, quando chegaram à praça Tiradentes, já eram milha- http://200.198.28.154/
res. ‘Abaixo a Vacina’, gritavam. O comércio baixou as portas e polícia chegou. sistema_crv/banco_obje-
A multidão respondeu em coro: ‘Morra a polícia’. Houve tiros. Correria. O cen- tos_crv/%7BCBB82D45-
tro virou campo de batalha. No meio de cacetadas, tiros e pernadas, talvez D3D1-4184-820F-
307DBC81DE4A%7D_ima-
ninguém – do lado dos manifestantes ou dos homens da lei – se lembrasse de
gem9.jpg Acesso em
como aquilo havia começado (MIRANDA, 2004, p. 47). 15/02/2011.

O que ocorria no Rio de Janeiro, capital
do Brasil, naquele momento? Como contex-
tualizar o ocorrido? Você já viu acontecer
uma revolta onde as pessoas não combinam
as coisas, tais como o modo do protesto, fai-
xas, etc., e saem às ruas quebrando o que
encontram pela frente? Vamos entender me-
lhor o que foi a revolta da Vacina, em 1904,
na cidade do Rio de Janeiro.
Essa revolta está relacionada com a ideia
de transformação da cidade do Rio de Janeiro
em um grande cartão de visita do país, livre de
focos de doenças. Nesse período, o então pre-
feito do Rio era Pereira Passos e este ordenou
a derrubada das áreas de cortiço da cidade
visando ao remodelamento da mesma, mas
deixando muitas pessoas sem ter onde morar.
Segundo orientações do médico sanitarista
Oswaldo Cruz buscou-se sanear e higienizar a
cidade, objetivando acabar com focos de va-
ríola e febre amarela. A vacinação obrigatória
da população por brigadas sanitárias (quase
sempre usando violência para realizar a tarefa)
foi um dos fatores que motivou a rebelião da
população e, ainda, as elites no poder não pos-
suíam a mínima preocupação em esclarecer a so-
ciedade em relação aos procedimentos adotados.
A rebelião ocorreu nos bairros, onde a população
ergueu barricadas e com paus e pedras enfren-
tou a polícia. Após intensa repressão e a prisão
de várias pessoas, a vacinação foi completada,
eliminando-se a varíola da cidade.
A representação em charge dessa situação
tomou conta dos semanários da época. Vejamos.

47
UAB/Unimontes - 6º Período

Segundo a Antropóloga Lilia Moritz Schwarcz, em o Espetáculo das Raças, observamos que,
nas cidades grandes, o ideal científico era percebido a partir da adoção de programas de higieni-
zação e saneamento, pois

... trata-se de trazer uma nova racionalidade científica para os abarrotados


centros urbanos, implementar projetos de cunho eugênico que pretendiam
eliminar a doença, separar a loucura e a pobreza. Reação desmesurada, mas
reveladora da violência com que se aplicavam esses projetos de higienização
foi a ‘Revolta da Vacina’ (1904). Apesar do acerto da medicina e da vacinação
obrigatória, a força da mobilização popular indicava o descompasso entre os
programas científicos e a compreensão por parte do povo.
Com efeito, o que se percebe a partir desses e de outros exemplos é, mais do
que o cuidado com uma produção especializada e local, o amplo emprego de
certa teorias deterministas da época , bem como a valorização e conclusão e
práticas científicas, e o desejo de aplicá-las ao contexto nacional. É preciso en-
tender, porém, não só a penetração desses ideários científicos, como a lógica
peculiar de sua inserção no país, as releituras próprias a esse contexto. Enten-
der, por exemplo, porque se elegiam as teorias raciais de análise em detrimen-
to de outros modelos de sucesso da época. A resposta não é tão imediata. Ou
seja, se é certo que o conhecimento e a aceitação desses modelos evolucionis-
tas e darwinistas sociais por parte das elites intelectuais e políticas brasileiras
traziam a sensação de proximidade com o mundo europeu e de confiança na
inevitabilidade do progresso e da civilização, isso implicava, no entanto, certo
mal-estar quando se tratava de aplicar tais teorias em suas considerações so-
bre as raças. Paradoxalmente, a introdução desse novo ideário cientifico expu-
nha, também, as fragilidades e especificidades de um país já tão miscigenado
(SCHWARCZ, 1993, p. 34-35).

Outra revolta muito importante ocorrida no Brasil foi a da Chibata, em novembro de 1910.
Passemos a página da história.

b) A Revolta da Chibata ou Revolta dos Marinheiros

O movimento conhecido como Revolta péssima alimentação fornecida na Marinha.


da Chibata ocorreu no Rio de Janeiro, em 1910 Em documento, os rebeldes fizeram menção
Glossário e envolveu os marinheiros do navio denomi- a uma espécie de escravidão na Marinha brasi-
nado Minas Gerais. O motivo de tal rebelião leira e à falta de proteção que o Brasil dava aos
Chibata: A chibata
deve-se ao fato que a Marinha brasileira tinha seus marinheiros.
constituiu-se de uma
corda de linho, de o costume de chicotear os marinheiros consi- O estopim da revolta foi a punição de
tamanho médio, atra- derados faltosos. Apesar de existir um decreto Marcelino Rodrigues Menezes, marinheiro do
vessada de pequenas do Governo Provisório da República proibindo o navio Minas Gerais, com 250 chibatadas. Ape-
agulhas de aço; ao ser castigo corporal, esses continuavam existindo. sar de o marinheiro desmaiar, as chibatadas
punido, o marinheiro
ficava algemado à ba-
A Marinha brasileira era aristocrática, uma continuaram a ser aplicadas até completar as
laustrada do navio, nu vez que toda a sua oficialidade era constituída duzentas e cinquenta. Os rebelados reivindica-
da cintura para cima. O por brancos, enquanto cerca de 80% dos ma- ram a Hermes da Fonseca, presidente do Bra-
bolo era o castigo físico rinheiros eram pessoas negras e mulatas. A sil, a anistia. Esta foi concedida, a revolta teria
aplicado nas mãos dos revolta foi bem organizada e os marinheiros acabado e aguardavam o retorno dos oficiais
marinheiros, como a
palmatória.
tomaram os principais navios da Marinha e aos navios para continuarem o trabalho. To-
ameaçaram bombardear a cidade, caso não fos- davia, o Congresso Nacional Brasileiro excluiu
sem atendidos os pedidos de abolir a chibata. todos os praças do Corpo de Marinheiros Na-
Em 22 de novembro de 1910, João Cândi- cionais no dia 28 de novembro, baseando-se
do Felisberto liderou 2.400 marinheiros con- na inconveniência da presença destes, dada a
tra o castigo físico, já mencionado, e contra a “indisciplina” ocorrida.

48
História - História do Brasil República I

Assim que os marinheiros entregaram os navios, o governo descumpriu o trato de anistia e ▲


boa parte desses marinheiros foram presos na Ilha das Cobras, Baia da Guanabara. Figura 30: Jornal do
Em dezembro de 1910, a Marinha alegou que havia um novo levante, justificando assim o Brasil e as notícias
bombardeio da Ilha e dos rebeldes. João Cândido, o principal líder do movimento, conhecido da Revolta dos
Marinheiros.
como o Almirante Negro, foi detido junto como mais 17 prisioneiros na Ilha das Cobras, enquan-
Fonte: http://api.ning.com
to outros prisioneiros foram enviados para a Amazônia (cerca de 300) e muitos foram fuzilados /files/LiTYPavgfmYkzIxm
na viagem. Na Amazônia, trabalharam na extração do látex ou na instalação de linhas telegrá- a8unk6nsj*sc-FnH5hcRda
ficas. O Almirante Negro foi julgado, inocentado e internado por dezoito meses num hospício. Ofq5HfNbD485RWa9rw
WGyDzSfD3IXbrfw69oGb
Faleceu em 1969, vivendo de biscates e tendo a idade de 90 anos. 2ZvgL9y5wXA1yip1jIss/
Desse modo terminava mais uma revolta na sociedade brasileira que apontava, entre outras 2007112326111910RDM.gif
coisas, para as mazelas sociais e as marcas dos conflitos de cunho étnico vividos por nossa popu- Acesso em 15/02/2011.
lação. Entretanto, pouco tempo depois, em 1922, foi a vez dos tenentes se rebelarem no Rio de
Janeiro, capital do Brasil. Veremos esse conflito mais adiante. Vamos encerrar esse item lendo o
texto de Maestre Filho sobre essa revolta:

Seria incorreto caracterizar a revolta de 1910 como uma revolução, ou mesmo


um ‘ensaio’ de revolução social. Os marinheiros não perseguiam uma mudança
de regime. Não lutaram, nem mesmo, para uma mudança de governo. Exigiam
seus direitos democráticos. O patético foi a inexistência de forças sociais que
apoiassem suas lutas. O proletariado era uma força do futuro – recém iniciava
a constituir-se. O fundamental dos trabalhadores brasileiros encontrava-se no
campo, disperso em milhares de explorações agrícolas, atomizados por díspa-
res formas de produção e outras circunstâncias. Os setores democráticos das
classes dominantes já tímidos e inconseqüentes. A derrota dos marinheiros
deveu-se a este fato: lutaram sós (MAESTRE FILHO, 1982, p. 78).

49
UAB/Unimontes - 6º Período

3.3 Os movimentos operários no


Brasil

Figura 31: Protestos de ►


trabalhadores em São
Paulo de 1917. Greve
Geral.
Fonte: http://www.bra-
silescola.com/historiab/
movimento-operario-
-brasileiro.htm Acesso em
17/02/2011.

A figura em destaque nesse item é a greve geral ocorrida em São Paulo no ano de 1917. As
greves que os operários fizeram nas duas primeiras décadas do século XX foram de grande im-
pacto no Brasil, e ocorreram em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e nos estados do Sul e do
Nordeste.
A classe trabalhadora urbana está presente no Brasil desde o final do século XIX, desenvol-
vendo uma conscientização classista. Os trabalhadores que se manifestaram de diferentes ma-
neiras eram ex-escravos e imigrantes.
Observa-se que a luta para a criação de sindicatos e consequentemente a melhoria nas con-
dições de trabalho era uma constante em todos os lugares no Brasil em que se estabeleceram as
fábricas. Via de regra, as greves foram o instrumento mais comum utilizado para fazer frente ao
modelo de gestão implementado no Brasil. Considerando que as leis trabalhistas ainda não exis-
tiam, os nossos trabalhadores lutavam para ter direito a férias remuneradas, à folga semanal, ao
salário mínimo e a ter direitos previdenciários.
Os trabalhadores criaram sindicatos, mas esses não eram reconhecidos pelo governo. Inicial-
mente, criaram associações mutualistas que evoluíam para o sindicato.

Além de formar uma caixinha, elas fundaram escolas para as crianças e abriram
cursos noturnos para adultos. O analfabetismo era grande e muitos trabalha-
dores estrangeiros não falavam o português. Também os jornais operários ti-
veram grande importância na educação e organização da classe. No período
entre 1870 e 1920 foram fundados 343 jornais em todo o país. Desse total, 55
eram em italiano, quatro em espanhol e um em alemão. Os jornais acompa-
nharam o crescimento das ligas de resistência e dos sindicatos. As Sociedades
de Socorro e Auxílio Mútuo foram o ponto de partida para os sindicatos. Entre
1897 e 1915, nasceram mais de 200 ligas em todo o país. Elas eram ilegais e per-
seguidas pela polícia. [...] Em 1903, o governo baixou uma lei reconhecendo os
sindicatos dos trabalhadores do campo e, em 1907, outra lei reconheceu os sin-
dicatos dos trabalhadores das cidades. Os próprios trabalhadores mantinham
os sindicatos e o governo não metia o bico (CARNEIRO, 1997, p. 92-3).

50
História - História do Brasil República I

Podemos afirmar que ser sindicalista no significam essas ideologias?


Brasil não era tarefa fácil. A aplicação da greve O anarquismo constituiu-se como um
era a arma mais eficiente que os trabalhado- movimento baseado em ideias extremadas
res encontraram para tentar mudar a sua re- de igualdade e, por ser contrário a quaisquer
alidade. Para se ter uma ideia, de 1901 a 1914, tipos de governo, considerando que este é
como nos informa Carneiro, foram realizadas sempre “quem” oprime a classe trabalhadora.
119 greves de trabalhadores no Brasil. Mas o Já o anarcossindicalismo difere-se por acreditar
governo logo reagiu e aprovou a lei Adolfo que é necessária a educação e a organização dos
Gordo, em 1907, que “previa a expulsão dos trabalhadores para que se atinja o poder, assim
trabalhadores estrangeiros e a deportação dos como o objetivo de expropriar a burguesia. O
brasileiros mais combativos” (p. 93). Certamen- meio usado para tal é sempre a greve geral.
te o motivo é que as ideias subversivas – como Para tornar mais simples e clara a mensa-
eram chamadas – vinham da Europa, logo, os gem dos ideais anarquistas era comum divulgar
trabalhadores acusados de subversão não de- panfletos esclarecendo a população quanto aos
veriam ficar no Brasil. pressupostos dessa ideologia e contra “o que”
Ideologicamente, o “sindicato” seguia o ela lutava. A figura demonstra esse tipo de pan-
Anarquismo e o Anarcossindicalismo. O que fletagem durante a Primeira República. Vejamos.

◄ Figura 32: Panfleto


comunista da 1º
República.
Fonte: http://1.
bp.blogspot.com/_FQbS-
BiS264g/TAM5DF6D-
c9I/AAAAAAAAAFg/
J3wDbsyiOIE/s1600/
Rep+Velha+-+panfleto.jpg
acesso em 15/03/2011.

Iniciamos esse item com uma figura sobre a greve geral de 1917, ocorrida em São Paulo. E é
dela que falaremos com maior afinco nesse instante.
No bairro Mooca, em São Paulo, ocorreu uma grande greve em 12 de junho de 1917, no co-
tonifício Crespi, onde os operários rotineiramente protestavam contra os salários e quase sempre
paravam o serviço. Diante dessa greve a fábrica fechou por tempo indeterminado, uma vez que
alegava não ter como atender à reivindicação salarial dos trabalhadores na ordem de 20%. A gre-
ve foi tomando proporções maiores e estendeu-se para aproximadamente mais 12 cidades pau-
listas. Em 9 de julho um operário foi morto e seu enterro foi acompanhado por 10 mil operários.
Barricadas foram feitas e os confrontos com os policiais eram intensos. Já no dia 15, um acordo
foi feito: nenhum empregado seria despedido por causa da greve e os empregados que foram
presos por órgãos policiais em função desse movimento foram soltos para que pudessem voltar
ao trabalho.

51
UAB/Unimontes - 6º Período

Figura 33: Greve de 1917 ►


em São Paulo. Imagem
destaca a ação da
polícia com os grevistas.
Fonte: http://novahis-
torianet.blogspot.
com/2009/01/republica-
-velha.html Acesso em
15/02/2011.

Dicas O programa de reivindicação era maior que os 20% já ditos. Tratava-se de questões traba-
lhistas e sociais mais profundas, tais como: proibição de trabalho para menores de 14 anos, proi-
Ao contrário dos países
industrializados onde a bição de trabalho noturno para mulheres e para os jovens com idade inferior a 18 anos, jornada
concentração operária de trabalho de 8 horas e congelamento de preços de primeira necessidade.
já era significativa, o Vale destacar que jornadas de trabalho de 10, 14 e até 17 horas eram comuns. Enquanto o
proletariado brasileiro salário continuava baixo (congelado), o custo de vida aumentava exorbitantemente. Foi contra
estava distribuído em essa situação que os paulistas lutaram. Entretanto, esse contexto era semelhante em outras par-
grande quantidade de
pequenas fábricas. tes do país, as quais também fizeram greves em 1917 e 1918 em busca de solução, tais como:
Em 1906 foi criada a Bahia, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul, Pernambuco, Rio de Janeiro, entre outros.
COB , Confederação Para concluirmos esse item, vale destacar que o texto de Everardo Dias (1977), publicado
Operária Brasileira, que por Milton Lopes em http://marquesdacosta.wordpress.com/milton_lopes_anarquismo_e_1_
em 1912 já possuía 50 de_maio/ é leitura importantíssima para você. Veja aqui um fragmento do texto e em seguida
mil associados.
Em 1907, houve uma baixe-o da internet. Vejamos:
greve em São Paulo,
mas a classe ainda O exíguo grupo capitalista, aglutinado em oligarquia patronal, que se havia
estava muito desorga- abalançado à criação de fábricas geralmente de tecelagem e metalurgia, es-
nizada. tabelecera seus cálculos sobre uma base salarial baixíssima, salário de escra-
O movimento operário vo, exploração bruta do braço humilde que se encontrava com abundância
no Brasil foi influencia- no país, gente de pé descalço e alimentação parca (um punhado de farinha
do pelo anarquismo. de mandioca, feijão, arroz, carne seca) artigos alimentares baratos e abun-
No Brasil foram edita- dantes no mercado; café adoçado com mascavo, e um pouco de farinha, pois
dos periódicos como pão era artigo de luxo, bem como o leite, a carne, os condimentos, os legumes
La Battaglia, O Livre (esses últimos desconhecidos na casa do trabalhador). E quanto à moradia, es-
Pensador, A Plebe, A tava confinada em barracões de fundo de quintal, em porões insalubres, em
Guerra Social, Sparta- casebres geminados (cortiços), próximos às fábricas e pelos quais pagava de
cus, a Lanterna, entre aluguel mensal 15, 20, 30 mil réis. Esse proletariado fabril, em grande parte fe-
outros. minino e constituído de mocinhas, era o preferido para a indústria têxtil, traba-
Adaptado de lhando das 6 da manhã às 7 e 8 horas da noite. […] Na indústria metalúrgica ou
mecânica o número de menores também era predominante, sendo que aqui o
MOCELLIN, R. Histó- sexo aceito era o masculino. […] Todos, ou quase todos, analfabetos, supersti-
ria. São Paulo: Ibep, ciosos, tímidos, humilhados por palavrões e insultos depreciativos. Ignorância
2004, p. 411. total. Ser dispensado do serviço significava mais fome, mais miséria em casa.
Encarava-se o desemprego com arrepios de terror. Já os patrões julgavam ‘es-
tar prestando um grande favor, praticando um ato de benemerência em dar
trabalho para proteger essa pobre gente esfomeada… Os gerentes e diretores
assumiam, por isso, ares altaneiros e superiores de grão-senhores, aos quais só
se podia falar de chapéu sobre o peito, fazendo vênia de beija-mão, numa hu-
mildade de escravo (DIAS, 1977, p. 45-6).

52
História - História do Brasil República I

3.4 A década de 1920 e o desgaste


da República Velha
A década de 1920 merece uma atenção tuação e vamos agora destacá-las, iniciando
especial de nossa parte. Lembra-se de que o Bra- pela insatisfação entre os tenentes.
sil tornou-se independente em 1822? Logo, em É nítida a insatisfação dos jovens oficiais
1922 comemoramos cem anos de nossa inde- do exército (tenentes) diante da sua não par-
pendência. Essas comemorações, em geral, nos ticipação direta nos rumos do país. Especial-
remetem a reavaliar o nosso processo histórico, mente, irão se rebelar opondo-se à candidatu-
econômico e sociocultural. Foi exatamente isso ra de Arthur Bernardes, que reforçaria o poder
que ocorreu na década de 20. Como aponta Fa- das oligarquias. O movimento dos tenentes ou
ria (2009) não se esqueçam de que outros fato- o tenentismo significou uma série de protes-
res nos ajudaram a repensar o nosso processo tos ocorridos entre 1922 a 1926 e que abalou o
histórico, tais como: a influência da Revolução país. Dito em outras palavras: o tenentismo foi
Russa de 1917, o término da primeira guerra e uma expressão de grande desagrado do seg-
a crise de 1929. A década de 20, desse modo, mento de classe média brasileira, no que se re-
é uma década especial para ser estudada, e fere à atuação corrupta de nossas instituições
aqui destacamos um item para ela, exatamen- na República Oligárquica.
te porque daí desembocará uma série de mu- Em julho de 1922, no Rio de Janeiro, o fi-
danças em nosso país. Vamos entender isso? lho de Hermes da Fonseca (ex-presidente do
Há que se considerar que a classe média Brasil), capitão Euclides Hermes da Fonseca,
urbana brasileira sofria um aumento desde o liderou um grupo de jovens militares que to-
final do século XIX, mas intensificou-se na dé- maram o Forte de Copacabana. O Congresso
cada de 1920 e era composta por: profissionais aprovou o estado de sítio que dava poder aos
liberais, comerciantes, pequenos industriais, militares de fazer busca e apreensão em do-
oficiais militares, funcionários públicos, entre micílios, suspensão da liberdade de reunião
outros. Esse segmento social possuía anseios e associação, censura à imprensa, entre ou-
políticos que dificilmente galgariam, dada a tros. Como as tropas do governo já estavam
atuação das oligarquias e, necessariamente, mobilizadas para tomar o forte, houve outro
da atuação política por meio de “currais eleito- confronto direto na praia de Copacabana e 17
rais”, bem como pela existência de eleições. Na (existem fontes que afirmam até 28) oficiais e
realidade, as pessoas se sentiam impotentes um civil enfrentaram tropas leais ao governo e
diante desse sistema e desejavam mudanças. apenas dois sobreviveram (os tenentes Siquei-
Diversas respostas serão dadas a essa si- ra Campos e Eduardo Gomes).

◄ Figura 34: Os 18 do
forte : episódio que
eterniza o idealismo do
movimento tenentista.
Fonte: http://www.portal-
saofrancisco.com.br/alfa/
coluna-prestes/coluna-
-prestes-3.php Acesso em
31/03/2011.

53
UAB/Unimontes - 6º Período

O segundo confronto ocorreu em São


Paulo a 5 de julho de 1924, sob o comando de
Isidoro Dias Lopes, general reformado. O obje-
tivo era depor Arthur Bernardes. Até o dia 24 o
movimento durou na capital e em seguida mi-
lhares de militares saíram do Rio de Janeiro e
dirigiram-se ao Rio Grande do Sul, encontran-
do-se com outros revoltosos desse lugar sob o
comando do tenente João Alberto e do capi-
tão Luis Carlos Prestes.
Essa revolta fardada teve maior impacto
no Brasil, uma vez que foi do Rio Grande do
Sul que partiu a Coluna Prestes. Essa coluna
percorreu cerca de 20 mil km em diferentes
Estados brasileiros buscando sensibilizar e
conscientizar a população contra a atuação
das políticas oligárquicas no país. Ao final do
governo de Bernardes, em 1926, a coluna in-
gressou pela Bolívia e, em 1927, lá se desfez.
Prestes retornou ao país e trabalhou em prol
do partido comunista brasileiro. Na figura, ob-
serve a marcha da coluna pelo Brasil.
Podemos compreender que, além da respos-
ta dada pelos tenentistas a uma dada conjuntura
por eles vivida, há que se pensar em fatos sociais
importantes da década de 20, que merecem nossa

Figura 35: Marcha da Coluna Prestes. atenção: a Semana de Arte Moderna de 1922, a fun-
Fonte: http://www.historianet.com.br/imagens/coluna- dação do partido comunista, os impactos da crise
prestes3.jpg Acesso em 30/03/2011. de 1929 e a revolução de 1930.

a) Semana de Arte Moderna de 1922

Figura 36: São Paulo, ►


anos 20: Vale do
Anhangabaú com o
Teatro Municipal ao
centro.
http://www.febf.uerj.br/
pesquisa/semana_22.
html Acesso em
20/04/2011.

Iniciemos nossa conversa sobre a Semana de Arte Moderna de 1922, ocorrida em São Paulo,
a partir de um texto publicado no editorial do Jornal Folha de São Paulo em maio de 1978, o qual
veiculou a ideia por nós compartilhada: a semana estimulou um novo olhar para o Brasil e repre-
sentou um marco histórico importante em nossa História. Vamos ler fragmentos desse texto:

54
História - História do Brasil República I

Em geral, os artistas e intelectuais de 1922 queriam arejar o quadro mental da Atividades


nossa ‘intelligentsia’, queriam pôr fim ao ranço beletrista, à postura verborrá-
gica e à mania de falar difícil e não dizer nada. Enfim, queriam eliminar o mofo Acesso o site:
passadista da vida intelectual brasileira. Do ponto de vista artístico, o obje- http://www.febf.uerj.
tivo fundamental da Semana foi acertar os ponteiros da nossa literatura com br/pesquisa/sema-
a modernidade contemporânea. Para isso, era necessário entrar em contacto na_22.html
com as técnicas literárias e visões de mundo do futurismo, do dadaísmo, do ex- Nesse espaço virtu-
pressionismo e do surrealismo, que formavam, na mesma época, a vanguarda al você encontrará
européia. Desse ângulo, o modernismo é expressão da modernização opera- imagens e textos sobre
da no Brasil a partir da década de 20, que começava a dar sinais de mudança a Semana de Arte Mo-
(vide, no plano político, o movimento rebelde dos tenentes) de uma economia derna de 1922.
agroexportadora para uma economia industrial. Esse juízo é, do ponto de vista Encontrará informa-
mais geral, certeiro; no entanto, ele não deve esconder as diferenças no seio ções sobre o evento,
do movimento de 22. Diferenças de ordem política, ideológica e estética. Na sobre os antecedentes
verdade, houve duas correntes modernistas: uma de inspiração conservadora e da semana, discussões
totalitária, que iria, em 1932, engrossar as fileiras do integralismo, e outra, mais sobre o que é ser mo-
crítica e dissonante, interessada em demolir os mitos ufanistas e contribuir para derno, diversas linhas
o conhecimento de um Brasil real que não aparecia nas manifestações oficiais de tempo e imagens
da nossa cultura. O pressuposto essencial de 22, o autoconhecimento do País, representativas desse
tinha a um só tempo de acabar com o mimetismo mental e denunciar o atraso, momento histórico.
a miséria e o subdesenvolvimento. Cada um de vocês
(FOLHA, disponível em: http://almanaque.folha.uol.com.br/semana22.htm) deverá selecionar uma
figura ou duas figuras
e tecer comentários
Pela leitura do fragmento de texto recortado do editorial do jornal podemos relacionar os sobre a mesma. Sob co-
seus dizeres com o que estudamos até o momento. Esse ponto é importante no texto e por isso ordenação do profes-
merece destaque, pois apresenta um país distante de suas verdadeiras raízes, um país “atrasado” sor, vamos descobrir a
que arroga para si as benesses de um mundo elitizado. Essa crítica está embutida na produção nossa história pelo viés
cultural por meio das
modernista do início do século XX. Em especial a produção do modernista Oswald de Andrade
imagens comentadas e
iria romper com o excesso de erudição na linguagem e lançar críticas mais severas ao capitalismo estudadas previamente
no modo como ele se apresenta aos países ‘subdesenvolvidos’: o seu caráter de dependência. No por você.
mesmo texto observamos que ele No espaço virtual da
disciplina criado pelo
Denunciou o bacharelismo das camadas cultas, que permanecem alhe- seu professor você
adas da realidade do País, reproduzindo os simulacros dos países capi- encontrará o lugar para
talistas hegemônicos. Ironizou a consciência enlatada de largos seto- o debate.
res do pensamento brasileiro, que se comprazem, quando muito, em
assimilar idéias, jamais criá-las. Se Oswald de Andrade teve a lucidez de
ridicularizar com o mimetismo que tanto seduz o intelectual solene e ba-
charel, ele não caiu no equívoco de fechar as portas do País do ponto de
vista cultural. Ao contrário, sua formulação em torno da ‘deglutição antro-
pofágica’ exige o remanejamento das idéias mais avançadas do Ocidente
em conformidade com a especificidade de nosso contorno social e político.
(FOLHA, disponível em: http://almanaque.folha.uol.com.br/semana22.htm)

O projeto “A idéia de cultura brasileira” da Universidade Estadual do Rio de Janeiro preparou


um material muito bom para um debate entre todos nós, uma vez que disponibiliza imagens e
contextualiza muito bem a semana de 1922. Para mais detalhes, veja o link em destaque na ativi-
dade ao lado.
DICAS
Para resolver a crise
brasileira e instaurar
b) A fundação do partido comunista uma nova dinâmica
econômica e social, as
forças que assumiram o
Ainda que de modo resumido, não podemos deixar de ressaltar a importância da fundação poder em 1930 tinham
do Partido Comunista Brasileiro em 1922, sob ideologia do pensamento marxista. O Jornal O Mo- como propósito acabar
vimento Operário divulgava as ideias do partido sempre interligadas ao contexto da Rússia revo- com o monopólio de
lucionária. poder das velhas elites
dominantes. Preten-
Falamos anteriormente sobre o estado de sítio que o presidente Arthur Bernardes decretou. diam, de imediato, re-
Nesse momento, o Partido Comunista foi posto na ilegalidade, mudando essa situação somente alizar a modernização
em 1927. Foi criado o Bloco Operário e Camponês (BOC), visando unir os trabalhadores rurais e do Estado e, por meio
urbanos, especialmente quanto a uma maior conscientização do processo eleitoral brasileiro. A dela, modernizar a vida
propaganda eleitoral dos candidatos do BOC em 1928 lembrava aos eleitores para concentrarem econômica e social
brasileira.
seus votos nos candidatos do partido, além de aproveitarem o momento para lembrar ao povo (P OMAR, 1999, p.10)
de se organizar em sindicatos. O partido chegou em 1930 com 800 filiados.
Ao final da década de 1920, a crise econômica de 1929 e a sucessão presidencial geraram
uma situação de insatisfação ainda maior no quadro histórico até o momento descrito.
55
UAB/Unimontes - 6º Período

c) A Crise de 1929

No caso da crise de 1929, vale destacar que tal crise iniciada nos Estados Unidos logo se
expandiu para todo o mundo. Foi uma crise, como sabemos, de superprodução, gerando uma
grande depressão econômica. Fato semelhante ocorreu no Brasil: tínhamos café, mas não quem
o comprasse.
A produção cafeeira no Brasil estava em alta, pois o excedente era comprado pelo governo,
como vimos no Convênio de Taubaté. Logo, os cafeicultores sabiam que deveriam ampliar a pro-
dução para obterem mais lucros. Endividaram-se para financiar esse crescimento de produção.
No momento em que o mundo entrou em depressão o consumo de café (principal produto
de exportação brasileiro) não ocorreu como o esperado pelos brasileiros no mercado interna-
cional e o preço do café despencou. Logo, o governo brasileiro não tinha como comprar todo
café anteriormente exportado. Os efeitos da crise chegaram aqui: muito produto sem ter quem
o consumisse. Os cafeicultores estavam insatisfeitos, pois achavam que o governo tinha que con-
tinuar “segurando” a situação, mas os estoques do governo eram imensos e não havia a possibi-
lidade de venda/exportação desse produto a médio prazo. A decisão de queimar o café ocorreu
no Brasil visando então manter o seu preço no mercado internacional.
Tudo isso ocorreu diante de uma crise política de grandes proporções no Brasil: as eleições
de 1929/1930. Nesse momento as oligarquias brasileiras estavam divididas.

d) A Revolução de 1930

Por um lado, existia a ANL (Aliança Nacional Libertadora) que representava Minas Gerais, Rio
Grande do Sul e Paraíba, sendo apoiada por grupos industriais emergentes, pela classe média e
por alguns setores da burocracia militar e civil. Esse grupo apoiou a candidatura do governador
do Rio Grande do Sul à presidência, Getúlio Vargas.
Por outro lado, existia a oligarquia cafeeira do PRP (Partido Republicano Paulista) e o poder
central brasileiro, na figura do atual presidente Washington Luís, que apoiava o candidato paulis-
ta à presidência, Júlio Prestes. Na eleição venceu o candidato paulista com 57,7% dos votos.
Ocorre que uma situação latente de insatisfação ganhou força, pois acusavam a eleição de
ter sido fraudulenta (apesar de ter ocorrido fraude de ambos os lados) e o assassinato de João
Pessoa (governador da Paraíba) criou um clima de Revolução e de tomada de decisão. A Revolu-
ção de 30 foi feita nesse clima, nesse contexto histórico. Vejamos:

Contra o Rio, sede do governo federal, partiram duas colunas: uma saiu da Pa-
raíba, chefiada pelo major Juarez Távora, e outra do Rio Grande do Sul, coman-
dada pelo general Miguel Costa e pelo tenente-coronel Góis-Monteiro. Getú-
lio Vargas era o comandante geral da revolução. O movimento mobilizou 300
mil soldados. Cerca de 70 mil homens deslocaram-se por dois mil quilômetros,
durante vinte dias, até Itararé, onde se esperava a confrontação final entre os
rebeldes e as tropas do governo. Mas a batalha de Itararé foi a batalha que não
houve: os principais comandos militares legalistas aderiram ao movimento re-
volucionário. No começo de novembro, três mil gaúchos de lenços vermelhos,
chapelão e bombacha apearam no Rio de Janeiro. Muitos amarraram seus ca-
valos no obelisco da Avenida Rio Branco, sob aplauso da população (POMAR,
1999, p.9).

Encerraremos esse item evidenciando o recorte espacial da Revolução de 1930 feita pelos
estudos do Centro de Pesquisa e Documentação (CPDOC) da Fundação Getúlio Vargas. Esse cen-
tro, a partir dos estudos referentes à nossa história política, lembra que em Minas Gerais a

56
História - História do Brasil República I

Revolução teve início no mesmo dia que em Porto Alegre. O movimento teve
o apoio do presidente do estado, Olegário Maciel, que no próprio dia 3 de ou-
tubro fez publicar em O Minas Gerais - órgão oficial do governo mineiro - um
manifesto conclamando o povo a apoiar os revolucionários. O comandante
militar da revolução em Minas era o tenente-coronel Aristarco Pessoa, irmão
de João Pessoa, em cujo estado-maior se incluíam Leopoldo Néri da Fonseca
e Cordeiro de Farias. As unidades militares sediadas em Belo Horizonte quase
não ofereceram resistência ao movimento, com exceção do 12º Regimento de
Infantaria, que resistiu por cinco dias. Em resposta ao chamado dos líderes re-
volucionários, logo foram formados batalhões de voluntários na capital. No in-
terior do estado os obstáculos à vitória da insurreição foram maiores, ao menos
em algumas cidades. Na luta travada em Três Corações morreu Djalma Dutra,
veterano dos levantes tenentistas da década anterior e elemento destacado da
Coluna Prestes. Em Ouro Preto a resistência foi facilmente vencida, mas em São
João Del Rei houve combates até o dia 15 de outubro, e em Juiz de Fora até o
dia 23. De Minas Gerais partiu ainda uma coluna revolucionária que ocupou Vi-
tória, a capital do Espírito Santo, no dia 19 de outubro.
(CPDOC/FGV, A era Vargas dos anos 20 a 45. Disponível em http://cpdoc.fgv.br/produ-
cao/dossies/AEraVargas1/anos20/Revolucao30/RupturaContinuidade acesso 19/03/2011)

Uma junta militar depôs Washington Luís e entregou provisoriamente a presidência a Getú-
lio Vargas. Teremos o início de um longo período político sob liderança Varguista. Vejamos essa
trajetória na próxima unidade.

Referências
CARNEIRO, Paulo. Um panorama das conquistas sindicais. In: KUPSTAS, Márcia (org). Trabalho
em Debate. São Paulo: Editora Moderna, 1997.

CLEMENTE, Marcos Edilson de Araújo. Cangaço e Cangaceiros: Histórias e Imagens fotográficas


do tempo de Lampião. Revista de História e Estudos Sociais. Out a Dez/2007, ano 4, v.4, n.4.

CUNHA, Euclides. Os sertões. São Paulo: Abril, 1989.

DE DECCA, Edgar S. 1930: o silêncio dos vencidos. São Paulo: Brasiliense, 1981.

DIAS, Everardo. História das Lutas Sociais no Brasil. 2 ed., São Paulo: Alfa-Ômega, 1977.

DULCI, Otávio Soares. Política e recuperação econômica em Minas Gerais. Belo Horizonte:
Editora UFMG, 1999.

FAUSTO, Boris. História concisa do Brasil. 2.ed. São Paulo: Edusp, 2006.

FOLHA de São Paulo, Editorial: O Sarampo Antropofágico. 15 de maio de 1978. Disponível em


http://almanaque.folha.uol.com.br/semana22.htm# Acesso em 20/04/2011.

KONDER, Leandro. As idéias socialistas no Brasil. São Paulo: Moderna, 1995.

KOSHIBA, Luís e PEREIRA, Denise M. F. História do Brasil. São Paulo: Editora Atual, 1996.

MIRANDA, Celso. Rio: Cidade Doente. Revista Aventuras na História. São Paulo, nº 15,
novembro/2004, p.46-51.

POMAR, Wladimir. A era Vargas: a modernização conservadora. São Paulo: Ática, 1999.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças. Cientistas, Instituições e Questão Racial no
Brasil de 1870-1930. São Paulo: Cia das Letras, 1993.

SEVCENKO, Nicolau. A Revolta da Vacina: Mentes Insanas em Corpos Rebeldes. São Paulo:
Brasiliense, 1994.

57
História - História do Brasil República I

Unidade 4
O governo de Vargas ente 1930 e
1945

Introdução
Nesta quarta Unidade da disciplina História do Brasil República I, propomos a você melhor
compreensão do período de Vargas, especialmente em seu primeiro governo.
Nosso objetivo é compreender melhor o contexto histórico em que Vargas levou a cabo um
estilo de governar, de lidar com diferentes forças políticas no Brasil, de mostrar a “cara” de um
Brasil para o exterior, de participar da Segunda Guerra Mundial e de dar início ao processo indus-
trial no Brasil.
Você se defrontará com um Brasil “quente”, com sujeitos sociais diversos em sua atuação po-
lítico-social e com um Brasil plural.
Desejamos bom estudo e férteis discussões!

4.1 Da ascensão de Vargas ao


Governo Constitucional

◄ Figura 37: Governo


Provisório. Vargas é
apoiado por militares.
Fonte:http://2.bp.
blogspot.com/-B-0gfnos
LGw/TabHlBTZvdI/AAA
AAAAAARE/nDfc8vIrD7o
/s1600/
Revolu%25C3%25A7%25
C3%25A3o_de_1930_-_
2-Por-Claro-Jansson-1877
-1954-5.jpg

59
UAB/Unimontes - 6º Período

Dicas O apoio ao presidente Vargas não se de interventores nomeados pelo governo re-
Em geral dividimos o restringia aos militares, especialmente aos volucionário. Logo, dissolveu as Assembleias
período varguista em: tenentes. Você observa essa ideia na ima- Legislativas Estaduais e as Câmaras Municipais
Governo provisório: gem que destacamos para esse item. Pense- de todo o país.
1930 a 1934. mos sobre ela. Mas, em 1932, houve uma revolução a
Governo Constitucio- Destacamos na figura o aporte militar partir de São Paulo, levantando a bandeira da
nal: 1934 a 1937.
Governo ditatorial: ao governo Vargas. Além disso, observamos a necessidade de tornar o país Constitucional.
1937 a 1945 presença de civis. Em novembro de 1930, mês Os paulistas desejavam, obviamente, retomar
em que Vargas recebeu a chefia de seu país, o poder político perdido em 30. Essa Revolu-
ele tem consigo parte representante ainda ção Constitucionalista visou combater o ca-
das oligarquias rurais alijadas do poder. Ainda, ráter mais centralista e a preocupação com o
havia o apoio dos militares legalistas que não social que o governo vinha apresentando e in-
concordavam com o movimento dos tenen- comodando principalmente a oligarquia pau-
tes mais radicais. Com essa base, administrar lista que gozava anteriormente de privilégios.
o país não seria fácil. O que fez o nosso presi- Em São Paulo, os constitucionalistas exi-
dente nessa época? giram que fosse indicado um interventor pau-
Diria que “andar na corda bamba”! lista e civil para o Estado paulista, além de
Melhor dizendo, entre 1930 e 32, Vargas exigir novas eleições e a convocação de uma
Figura 38: Imagem
do MMDC em Cartão tomou para si e para sua base aliada uma polí- Assembleia Constituinte. Em 1932, estudan-
Postal, 1932 – São tica ambígua, possibilitando a ele equilibrar-se tes morreram em confronto com a polícia ao
Paulo. CPDOC/Roberto sobre tendências diversas em seu governo. Os manifestarem sua insatisfação com o governo
Costa. (MMDC: Martins, lugares de atuação política para sua base alia- Vargas. Formou-se uma sigla MMDC a partir
Miragaia, Dráusio e da foram os ministérios e os cargos de inter- das iniciais dos nomes dos estudantes e logo o
Camargo)
ventores - cargo recém criado - nos Estados e símbolo do movimento constitucionalista. Tal
Fonte: http://cpdoc.fgv.br/
producao/dossies/AEraVar- Câmaras Municipais em todo o país. Essa foi a movimento mobilizou cerca de 30 mil homens
gas1/anos30-37/RevConsti- primeira ação varguista no governo provisório: de São Paulo para lutar contra o governo fede-
tucionalista32 ter apoio nos estados e municípios por meio ral. Veja a figura que marcou esse conflito.

60
História - História do Brasil República I

Os constitucionalistas paulistas produzi- tubro”, fundado pelos tenentes em 1931, trans- Glossário
ram armas, bombas, máscaras de gás, lança- formou-se em um grêmio de debates apenas.
Estado de Guerra:
-chamas e capacetes por meio de suas indús- Para aprofundar os seus conhecimentos, pes- Situação política na
trias. Receberiam apoio de outras elites do quise sobre o referido Clube e discuta com os qual o Estado assume
país, mas apenas o Mato Grosso apresentou seus colegas de turma o que vocês encontra- poderes excepcionais,
ajuda e envolvimento direto no conflito. Fo- ram durante a pesquisa. em vista do perigo de
ram três meses de guerra, culminando com o A Assembleia Nacional Constituinte pro- conflagração interna
ou externa. Todos os
desfecho desfavorável aos paulistas. Estes per- mulgou, em julho de 1934, uma constituição direitos e garantias
deram a batalha, mas o governo federal resol- para o Brasil, realizando a eleição para pre- individuais são sus-
veu abrir eleições para a Assembleia Nacional sidência do Brasil, elegendo Vargas. Deu-se pensos, a polícia pode
Constituinte em 1932, a única reivindicação início à construção de um Estado forte, cen- prender e manter presa
oficial do movimento. tralizador, nacionalista e autoritário. As resis- qualquer pessoa, sem
acusação formal ou
O governo teve, nesse sentido, que nego- tências o aborreciam, assim como a própria processo.
ciar com as elites que ele depôs em 1930 (no constituição, o Congresso e os movimentos (POMAR, 1999, p.18)
caso, a elite paulista), os tenentes mais revolu- sociais, na realidade, para ele eram um es-
cionários perderam poder e o “Clube 3 de Ou- torvo. Pelegos:
Pelego é a manta que
se usa ente o cavaleiro
e o cavalo. Ela amorte-

4.2 O Governo Constitucional ce o peso do cavaleiro


e faz com que ele sinta
menos o calor do corpo
do cavalo. (POMAR,
1999, p. 43)
Governar o Brasil com uma constituição e propugnava reunir os comunistas, liberais, Pelegos no Brasil eram
poderia ser menos difícil se não fosse a quan- anarquistas e antintegralistas, mas sua ação os sindicatos que
tidade e diversidade de interesses em jogo na junto aos populares, às forças armadas e ao agiam concordando
cena política. Apesar de Vargas ter sido con- alto grau de crítica ao governo levou Getúlio a em sua maioria com as
firmado como presidente da República pela acabar com essa aliança. decisões do governo,
atendendo à classe
Constituição de 1934, seu governo estava mui- A essa altura é certo afirmarmos que as trabalhadora de modo
to desgastado. Conciliar com as elites decepcio- nossas oligarquias estavam temerosas com o a aliviar o calor das dis-
nou em alto grau a juventude e os grupos sociais crescimento das ideias comunistas e congê- cussões entre patrões e
que lhe deram apoio na Revolução de 1930. neres, levando a apoiar o “endurecimento” empregados.
A oposição de esquerda foi grande. Pode- do regime, ou seja, aproximação das ideias
mos afirmar que a Aliança Nacional Libertado- fascistas e distanciamento do comunismo. A
ra (ANL) congregava os indivíduos desconten- ação inicial governamental foi fechar a ANL
tes na sociedade e acabou por se tornar um e a Intentona Comunista. O Jornal assim do-
movimento social. Esta foi fundada em 1935 cumentou o evento:

◄ Figura 39: Jornal


do Brasil, 26 de
novembro de 1935, fl.
7. “O norte agitado
por um movimento de
caráter extremista”. Os
amotinados ocuparam
a capital do Rio Grande
do Norte e a cidade
de Olinda – Os demais
estados estão em calma
tendo sido tomadas
medidas preventivas
contra qualquer
perturbação da ordem.
Fonte: http://www.jblog.
com.br/hojenahistoria.
php?blogid=
57&archive=
2007-11
Acesso em 31/03/2011.

61
UAB/Unimontes - 6º Período

A respeito desse evento, a Intentona comunista, podemos ler em Pomar uma contextualiza-
ção importante. Vejamos:

O partido comunista, principal base de apoio da ANL, tinha como filiados vá-
rios militares oriundos do movimento tenentista, a exemplo de Prestes, Agil-
do Barata e Cilo Meireles. Sob a influência desses tenentes, passou a conspi-
rar para realizar um levante militar. Este seria a base e o estopim da revolução
aliancista. Esses planos conspiratórios foram feitos à revelia da direção da ANL.
Além disso, o movimento amplo por mudanças, com forte apoio das camadas
populares, promovido pela ANL não defendia o confronto armado com o go-
verno. A conspiração do Partido Comunista tinha, assim, um caráter golpista
desvinculado das condições reais do movimento.
O governo, de seu lado, teve informações sobre a conspiração. Desse modo,
tomou medida não só para provocá-la, mas para aproveitá-la e retomar o con-
trole de toda a situação política. Entre 23 e 26 de novembro de 1935, quando os
revoltosos começaram o levante em quartéis de Natal e Recife, a polícia desen-
cadeou uma grande repressão contra os aliancistas de todo o país. Os levan-
tes que ocorreram a seguir nas guarnições da praia vermelha e do campo dos
afonsos, no Rio de Janeiro, também eram esperados pelo governo e foram ra-
pidamente esmagados. Com isso, Getúlio chamou a si o comando da luta inter-
na conta o comunismo, conquistou o apoio das elites a seu governo e decretou
estado de guerra em março de 1936. Daí em diante, passou a conspirar para
implantar um regime de ditadura, o Estado Novo (POMAR, 1999, p.17).

a) A Constituição de 1934

Neste item entenderemos melhor as ideias e os princípios que nortearam a constituição de 1934.
No que diz respeito aos Direitos Trabalhistas, a constituição regulamentou, a partir da luta
das classes trabalhadoras:
• O salário mínimo.
• A jornada de trabalho não superior a 8 horas.
• A proibição de trabalho para menor de 14 anos.
• As férias anuais remuneradas.
• Indenizações nas demissões sem justa causa.
No que diz respeito ao voto, podemos destacar que:
• O voto secreto era para os candidatos aos poderes Executivo e Legislativo.
• As mulheres adquiriram o direito de voto, fato que representou o coroamento da luta leva-
da a cabo pelas mulheres em todo o Brasil.
• Permaneciam sem direito ao voto os militares até o posto de sargento, analfabetos e mendigos.
• Criação de uma justiça eleitoral independente para cuidar do bom andamento das eleições.
Os direitos trabalhistas fundamentais estavam ali resguardados, bem como algumas con-
quistas de determinados setores da sociedade. Ainda, vale destacar que nesse documento op-
tou-se pelo nacionalismo, ou seja, pelo viés de proteção das riquezas naturais do país. Outro
aspecto importante de frisar é que a indissolubilidade do casamento foi mantida, não cedendo
à pressão de segmentos sociais que desejavam a institucionalização do divórcio (só consegui-
remos isso em 1977). Por fim, e não menos importante, ficou estabelecido que o primeiro presi-
dente da República após essa constituição seria eleito pelo voto indireto, ou seja, pelos membros
da Assembleia Constituinte. Como já sabemos, Vargas saiu vitorioso com 175 votos contra 59 vo-
tos obtidos pelo seu concorrente Borges de Medeiros.
Vale ressaltar a relação entre a Ação Integralista Brasileira (AIB), liderada por Plínio Salgado,
com o governo. As forças direitistas no Brasil “levantaram a bandeira” de um estado autoritário, de
combate ao liberalismo, ao socialismo e às sociedades secretas ligadas à maçonaria e ao judaísmo.
Nesse contexto, a nossa constituição recém promulgada previa a nova eleição presidencial
para o ano de 1938. Em fins de 1936 diversos candidatos demonstravam interesse em participar
da disputa eleitoral. Vejamos o desencadeamento político dessas diferentes vontades.

62
História - História do Brasil República I

b) A constituição de 1937 e os ares autoritários do governo

Vargas procurou, ao longo de 1937, eliminar os seus opositores por meio do sistema de in-
terventores nos Estados. Ao final desse ano o sistema secreto brasileiro anunciou a existência de
um plano comunista para tomada do poder e acabar com o regime democrático brasileiro. Em
seguida o estado de sítio, para a região sul do país foi decretado.
O Plano foi denominado como Plano Cohen, mas, na realidade, era uma farsa com ajuda dos
integralistas para se livrarem dos adversários do governo. Segundo Cotrim, no dia 10 de novem-
bro de 1937, Vargas ordenou: o cerco militar ao Congresso Nacional e o fechamento do Legislati-
vo. Ainda, outorgou uma nova Constituição para o país, substituindo a Constituição de 1934.
E como comunicar isso à nação? Isso é um golpe!
O rádio seria o veículo privilegiado para alcançar a todos no Brasil. O rádio havia chegado na
maioria dos lares brasileiros e funcionava como um forte veículo de comunicação. O jornal também
estampou esse momento. Vejamos um recorte do Jornal do Brasil de 11 de novembro de 1937:

◄ Figura 40: Jornal do


Brasil, 11 de novembro
de 1937. “Falando pelo
rádio à nação brasileira,
o presidente Getúlio
Vargas dá as razões das
medidas tomadas pelo
governo.” Matéria acima
da foto: “A constituição
hoje promulgada criou
uma nova estrutura
legal, sem alterar o que
se considere substancial
nos sistemas de
opinião e manteve a
forma democrática, o
processo representativo
e a autonomia dos
Estados, dentro das
linhas tradicionais da
federação orgânica”.
Fonte: http://www.jblog.
com.br/hojenahistoria.
php?blogid=57&archive
=2007-11 Acesso em
31/03/2011.

A Constituição que o então presidente comunica à nação pelas ondas do rádio, em 1937,
possuía aspectos fascistas e ficou conhecida como a constituição “polaca”. Esse termo advém do
fato de ela ser inspirada na constituição da Polônia, que é fascista. Esta Constituição foi escrita
por Francisco Campos e aprovada anteriormente pelo ministro Guerra, o General Eurico Gaspar
Dutra e pelo próprio Getúlio Vargas.
Vejamos as características dessa nova Constituição:
• Os partidos políticos foram extintos e as eleições foram suspensas.
• Ao presidente cabia a autoridade suprema do Estado.
• O mandato de presidente seria de 6 (seis) anos.
• O restabelecimento da pena de morte, a qual tinha sido abolida na constituição de 1891.
• A instauração da censura por meio da criação do Departamento de Imprensa e Propaganda
(DIP).
• Os estados brasileiros perderam sua autonomia política.
• As greves e o direito de manifestação contra o governo foram proibidos.

63
UAB/Unimontes - 6º Período

PARA REFLETIR Vale destacar que dificilmente um presidente se manteria no poder por tanto tempo sem
A classe operária no
que tivesse, de algum modo, aprovação popular. Vargas será deposto somente em 29 de outu-
Brasil começa a se bro de 1945. Longo tempo de regime ditatorial no país, o qual estudaremos no próximo item.
desenvolver no final do
século 19, resultado das
transformações econô-
micas, sociais e políti-
cas da época. O mode-
lo agrário-exportador,
4.3 O Estado Novo Varguista (1937-
baseado na produção
de café, ganhou nova
força ao se deslocar do
1945)
Vale do Paraíba para o
Oeste Paulista, criando
as condições para a
a. aspectos políticos
constituição do capital O período histórico conhecido como Es- comunistas e simpatizantes dessa ideologia
industrial e do trabalho tado Novo estende-se de 1937 a 1945, sob li- foram os mais perseguidos pelo sistema ins-
assalariado no Brasil. derança de Getúlio Vargas. Como já dissemos, taurado por Vargas. Mas que sistema é que foi
A mão-de-obra escrava o suposto plano Cohen dos comunistas para montado? Vamos entendê-lo melhor?
foi sendo substituída
pela européia, atraída
tomarem o poder acelerou as condições para Visando controlar a imprensa e a propa-
para trabalhar nas fa- o estabelecimento de um governo ditatorial. ganda foi criado o DIP (Departamento de
zendas e nas indústrias Em 1937, o então capitão integralista Imprensa Propaganda) que tinha como obje-
que se desenvolviam Mourão Filho entrega ao General Góis Montei- tivo realizar a propaganda do governo, bem
nas cidades. Os primei- ro um falso plano comunista para tomada do como vigiar revistas e jornais. Desse modo,
ros núcleos operários
surgiram principalmen-
poder. Diante dessa ameaça e a previsão de instaurada está a censura no governo Var-
te no Rio de Janeiro e eleição no Brasil (marcada pela Constituição gas: sem controle interno e sem instrumen-
em São Paulo, forma- de 1934) para o ano de 1938, Vargas, com tos populares de denúncia.
dos em sua maioria apoio das forças armadas, fechou o congres- O tripé no qual o governo estadonovista
por imigrantes vindos so e instaurou o Estado Novo, não havendo se apoiava era constituído pelo DIP, por uma
da Itália, Espanha e
Portugal.
qualquer contestação. Política Sindical e pela Repressão. Efetivare-
As condições de vida O poder de instituição de interventores, mos uma pesquisa para promover um de-
e de trabalho eram ex- através de decreto, modificou a cena política bate no ambiente virtual a respeito da atu-
tremamente difíceis. Os de então. O poder estatal agora ganhou ten- ação governamental no que tange a esse
salários eram baixos e táculos em todos os Estados e municípios. Os “tripé”
a jornadas de trabalho
eram de 12 a 15 horas
por dia, sem direito ao b. Sindicatos, leis e direito dos trabalhadores
descanso nos finais de Outra questão fundamental a ser discutida 8 horas diárias, instituiu o salário mínimo (em
semana e feriados. Sem nesse item é a mensagem que podemos perce- 1940) e regulamentou as férias anuais dos tra-
contratos de trabalho, ber na charge em destaque. A sua intencionali- balhadores. Segundo Pomar (1999), o governo
as demissões aconte-
ciam verbalmente e a
dade é a de criticar a noção de sindicato corpora- estendeu o direito de férias aos empregados
qualquer momento. tivista. Vamos pensar melhor sobre essa questão. na indústria e nos portos, criou os Institutos
Os patrões não se Antes mesmo de Vargas chegar ao po- de Aposentadoria e Pensões dos Comerciários,
responsabilizavam por der vimos que havia grande pressão para que Bancários e Industriários. Ainda, assegurou es-
doenças ou aciden- fossem urdidas leis trabalhistas justas no Bra- tabilidade de emprego para os operários que
tes de trabalho. Nas
fábricas, os operários
sil. A grande intenção e ação do governo foi completassem dez anos de serviço na mesma
recebiam ameaças, cas- exatamente se antecipar aos movimentos e empresa. A carteira de trabalho passa a ser
tigos e multas. Quando protestos do povo. Nessa medida foi criado o obrigatória. Assim, em 1943, de modo defini-
alguém ficava doente Ministério do Trabalho, em 1930, que logo re- tivo, as leis são consolidadas na chamada CLT
era socorrido por meio gulamentou que o horário de trabalho seria de (Consolidação das Leis Trabalhistas).
de listas. Os aluguéis
eram caros e vivia-se
em cortiços sem água,
luz e esgoto, geralmen-
te perto das fábricas.

Fonte: http://www.
agendasindical.com.br/
index.php?option=com_
content&view=
article&id=34:does
-the-pdf-icon-render-
pictures-and-special-
characters&catid=35:
artigos&Itemid=55
Acesso em 15/03/2011.

64
História - História do Brasil República I

◄ Figura 41: Charge


“Teatrinho do pai dos
pobres: Vamos brincar
de sindicalismo?” (s/d)
Fonte: http://2.bp.blogspo
t.com/_aBNSahGm1r8/SxS
XeRFKZ5I/AAAAAAAAABU
/WDHPWuwVISE/s320/
vargas+sindicalismo.jpg
Acesso em 15/02/2011.

Sempre que o assunto é Getúlio Vargas e o seu governo, uma polêmica se coloca: ele foi
o pai dos pobres ou teve que ceder às exigências dos trabalhadores? Em outras palavras: o go-
verno varguista concedeu como um grande pai os direitos da classe trabalhadora ou esta clas-
se conquistou, paulatinamente, os direitos adquiridos durante esse governo? Os trabalhadores e
sindicatos não passavam de marionetes? Vejamos:

O historiador Boris Fausto analisou a construção dessa imagem de Vargas


como ‘pai dos pobres’, anotando que as várias cerimônias e festas, especial-
mente as do dia 1º de maio (dia do trabalhador), eram cuidadosamente pre-
paradas e nelas, sempre, o presidente anunciava a criação de alguma medi-
da favorável aos trabalhadores. Com isso, conseguiu-se construir a imagem
do presidente como ‘amigo e pai’, a quem se devia fidelidade e apoio (FARIA,
2009, p. 279).

Não há como negar os diversos instrumentos utilizados pelo governo visando conquistar as
mentes e corações dos cidadãos daquele tempo. O fato de falar no rádio iniciando com o termo
“trabalhadores do Brasil...”, o uso de imagens em tamanhos enormes, as faixas que muitos traba-
lhadores expunham em desfiles oficiais, a atuação do DIP , etc, isso não pode invalidar a luta dos
trabalhadores e colocá-los numa situação completamente subalterna à ação estatal. Certamente
o Estado tentou (e em alguns casos até mesmo conseguiu) cooptar os trabalhadores, que afinal
lutavam por condições dignas de trabalho. A luta da classe trabalhadora ou o trabalhismo, a nos-
so ver, não pode ser subjugado a um simples teatro de marionetes.
Visto desse modo, vale destacar para vocês que o medo - por parte do governo - relativo ao
crescimento de adeptos ao ideal comunista era grande, dado que o temor era de o Partido Co-
munista tornar-se majoritário entre os trabalhadores. Houve sim pressão dos trabalhadores que,
na visão do governo, deveriam se comportar como “filhos” obedientes. De todo modo, e feita a
nossa consideração, chamamos a atenção para o fato de que muitos trabalhadores reconheciam
esses esforços do governo e se sentiram satisfeitos com os avanços alcançados até o momento.
Chamamos a sua atenção para a questão de não minimizarmos a atuação dos sindicatos como
meros pelegos da ação estatal.

65
UAB/Unimontes - 6º Período

Todavia, como na passeata que observamos nessa figura, o “trabalhador também tem o seu
lugar no Estado Novo” aponta para um Estado centralista e ditatorial. A ideia de um sindicalis-
mo corporativista advém da influência da Carta Del Lavoro italiana, que organizava as categorias
profissionais em sindicatos classistas, sendo proibida a livre iniciativa e outros sindicatos que não
aqueles reconhecidos pelo Estado.

Figura 42: Manifesto ►


no Rio de Janeiro,
novembro de 1940,
comemoração dos 10
anos do governo de
Getúlio Vargas.
Fonte: http://3.
bp.blogspot.
com/_8_4ETXbz8RM/
Se52gPoCJ0I/
AAAAAAAAAIY/-
-J_VeTrDsw8/s320/cda_
vargas(trabalhadores_ho-
menageiam).jpg Acesso
em 2/3/2011.

Como nos informa Pomar, os sindicatos de uma mesma categoria eram representados por
uma federação no nível do Estado. Em nível nacional, essas federações reuniam-se em confede-
rações. Os trabalhadores deixaram, nesse período, de se sustentarem por meio de mensalidades
pagas por seus associados. O próprio governo sistematizou tal situação ao cobrar o imposto sin-
dical “descontada em folha de pagamento dos trabalhadores, sindicalizados ou não”. Todavia,
os sindicatos não tinham autonomia, pois, além de dependentes financeiramente do Estado, ti-
nham que endereçar suas reivindicações ao Ministério do Trabalho. As negociações coletivas só
poderiam ocorrer entre patrão e empregado uma vez ao ano (data-base) e cabia ao Ministério
do Trabalho arbitrar os conflitos, podendo decidir em favor de uma ou de outra parte, usando o
instrumento chamado de dissídio coletivo (POMAR, 1999, p.43-4).
Nesse panorama o nosso sindicalismo foi ganhando força e, ao mesmo tempo, uma política
industrial foi sendo delineada. Vejamos no item seguinte.

4.4 Política industrial brasileira


Na figura destacamos para você a intenção de Vargas em ser fotografado em visita oficial
a indústrias em São Paulo. Certamente não é pura e simplesmente uma visita. Como pano de
fundo podemos analisar essa figura e pensar a respeito do que se quer valorizar nesse instante
histórico do Estado Novo Varguista: a construção de um Estado industrializante. Neste item anali-
saremos as características de um Estado que assumiu a responsabilidade de racionalizar a econo-
mia, elevar a sua capacidade produtiva e a integrar o mercado nacional.
Nessa medida, o Estado Varguista foi essencialmente um Estado que interveio na economia
visando ao desenvolvimento industrial do Brasil. Como é de se imaginar, para construir um Es-
tado industrializante, era necessário apoiar a industrialização, mas, segundo o pensamento var-
guista, a valorização do nacional (caráter nacionalista) é essencial, quais sejam:

66
História - História do Brasil República I

• Em 1930: Criação do Ministério do Trabalho, da Indústria e do Comércio.


• Em 1930: Criação do Ministério da Educação e Saúde Pública.
• Em 1938: Criação do IBGE.
• Em 1940: Criação do salário mínimo.
• Década de 1940: Criação de um sistema de ensino nacional e do sistema “S” (SENAR – Servi-
ço Nacional de Aprendizagem Rural; SENAC – Serviço Nacional de Aprendizagem do Comér-
cio; SESC – Serviço Social do Comércio; SESCOOP – Serviço Nacional de Aprendizagem do
Cooperativismo. SENAI – Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial; SESI – Serviço Social
da Indústria; SEST – Serviço Social de Transporte; SENAT – Serviço Nacional de Aprendiza-
gem do Transporte).
• Predomínio de capital nacional nos investimentos brasileiros.
• Em 1941: Criação da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN).
• Em 1942: Criação da Companhia Vale do Rio Doce.
• Em 1943: Criação da CLT.
• Em 1953: Criação da Petrobras.

◄ Figura 43. Visita do


Pres. Getúlio Vargas
ao Moinho Santista.
1939. Acervo Biblioteca
Nacional.
Fonte: http://www.portal-
saofrancisco.com.br/alfa/
historia-da-industria-bra-
sileira/industria-brasileira-
-a-forca-do-brasil-1.php
Acesso em 16/03/2011.

Segundo Flávio Versiani e Wilson Suzigan (s.d), foi devido à crise do setor agrícola e exporta-
dor ainda na década de 1920 que o processo de industrialização ganhou força. Em suas palavras:

A demanda de produtos manufaturados passou a crescer primordialmente em


função da renda gerada nas atividades ligadas ao mercado interno, e o nível
da renda foi sustentado por políticas macroeconômicas expansionistas imple-
mentadas em defesa do setor exportador. A proteção à indústria foi aumenta-
da devido à desvalorização da taxa de câmbio, controle do mercado de câmbio
e controles quantitativos das importações, impostos pela crise cambial. Com
isso, a indústria passou a liderar o crescimento e a industrialização, avançou
substituindo importações de bens de consumo e de alguns bens intermediá-
rios. Mais tarde, entre fins da década de 1930 e meados dos anos cinqüenta,
o Estado passou a financiar e a investir diretamente no desenvolvimento de
algumas indústrias de insumos básicos (siderurgia, mineração, álcalis, petro-
química) e a reforçar a infra-estrutura (energia e transportes). É importante
ressalvar, entretanto, que a ação do Estado em favor da industrialização nesse
período não obedeceu a uma estratégia de desenvolvimento industrial. Isto só
viria a ocorrer a partir da segunda metade da década de 1950 (VERSIANI; SUZI-
GAN, s.d, p.12).

67
UAB/Unimontes - 6º Período

As características da Política Industrial do período em voga podem ser destacadas a partir


da política comercial e de proteção estatal, a qual se baseou na proteção da indústria no merca-
do interno. (VERSIANI; SUZIGAN, s/d, p.12). Outra característica a ser destacada é o investimento
em uma política de crédito que pode ser entendido como o financiamento para os investimen-
tos de caráter industrial, considerando que os bancos ainda não possuíam capacidade de finan-
ciamento a médio e longo prazo, coube ao Estado cumprir essa tarefa. Vejamos:

1. Carteira de Crédito Agrícola e Industrial (CREAI) do Banco do Brasil, criada em


1937. Embora tivesse por objetivo principal o financiamento à agricultura, teve
importante participação no financiamento à compra de máquinas e equipa-
mentos industriais em geral, e à implantação de algumas indústrias de insumos
básicos como celulose e papel, alumínio e siderurgia (VILLELA E SUZIGAN, 1973,
pp. 169-170);
2. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDE), criado em 1952.
Voltado inicialmente ao financiamento dos investimentos em infra estrutura
(energia e transportes), o BNDE se tornaria mais tarde na principal agência pú-
blica de financiamento para investimentos industriais (VERSIANI; SUZIGAN, s.d,
p.14).

Outra característica da Política Industrial brasileira eram os Ensaios de planejamento in-


dustrial que consistia em algumas tentativas de planejamento da atividade industrial pode ser
observada na constituição do Conselho Federal de Comércio Exterior (1934), a Coordenação da
Mobilização Econômica (1942), o Conselho Nacional de política Industrial e Comercial (1944) e
uma Comissão Mista Brasil e USA para o Desenvolvimento Econômico (1950). Soma-se a essa ca-
racterística o fato de que o Estado era visto como produtor direto, ou seja, com a participação
direta do Estado na condição de produtor, levou à implantação de algumas indústrias de base e
de geração de energia. Nesse sentido, vejamos que

Os principais empreendimentos estatais (ou de economia mista) voltados à in-


dústria nesse período foram:
1. No setor de mineração, a criação da Cia. Vale do Rio Doce, em 1942.
2. Na siderurgia, a fundação da Companhia Siderúrgica Nacional em 1941, e o
controle acionário pelo Banco do Brasil em 1952, da Companhia Aços Especiais
Itabira (ACESITA), fundada em 1944.
3. Na química, a criação da Companhia Nacional de Álcalis em 1943, para pro-
dução de barrilha e soda cáustica.
4. Na produção de motores pesados, com a criação da Fábrica Nacional de Mo-
tores em 1943; e
5. Na geração de energia elétrica, através da Companhia Hidrelétrica do São
Francisco, fundada em 1945 (VERSIANI; SUZIGAN, s.d, p.14) .

4.5 A crise do modelo autoritário:


o fim da Era Vargas
Em 29 de outubro de 1945, Getúlio Vargas tados Unidos a terem uma postura de maior
foi deposto pelos militares do principal cargo aproximação com o Brasil.
da política brasileira: o cargo da presidência O presidente norte americano Franklin
do país. Mas como isso se processou? Anali- Delano Roosevelt visitou o Brasil e fechou o
saremos a década de 1940 para entendermos seguinte acordo com os brasileiros: Natal, no
esse contexto histórico brasileiro. Rio Grande do Norte, receberia uma base mi-
Diante da segunda Guerra Mundial (1938 litar dos Estados Unidos, pois este ponto era
a 1945) a posição do presidente Getúlio foi o mais próximo da Europa, olhando a partir
ambígua. Havia uma simpatia do governo Var- da América do Sul, no limite das terras bra-
gas (e de muitos de seus militares) ao modelo sileiras; em contrapartida, os norte america-
de governo centralista e autoritário, como o nos financiariam o dinheiro necessário para a
de Hitler na Alemanha. O fato de os alemães construção da Companhia Siderúrgica (CSN)
terem interesses em realizar investimentos e em Volta Redonda/Rio de Janeiro. Por esse
acordos comerciais com o Brasil levou os Es- acordo (Acordo de Washington) o Brasil forne-

68
História - História do Brasil República I

ceu, além de base militar, borracha e minério


de ferro para o esforço militar norte america-
no. Além de receber em troca o financiamento
da CSN, recebeu crédito para recuperação de
jazidas de ferro de Minas e da ferrovia do Vale
do Rio Doce (POMAR, 1999).
Há que se lembrar que o Brasil participou
diretamente da Segunda Guerra Mundial ao
lado dos países aliados, em 1944. A participa-
ção brasileira, ainda que pequena - se conside-
rarmos a guerra como um todo -, vale ressaltar
que foi uma participação vitoriosa. Todavia,
essa participação foi motivada, em especial,
pelo ocorrido em 1942: navios brasileiros fo-
ram afundados por submarinos alemães. A po-
pulação brasileira saiu às ruas inconformada
com tal situação e exigiu a declaração de guer-
ra aos países do eixo.
Todavia, o governo Vargas lidou com uma
ambiguidade ainda maior em seu próprio ter-
ritório, qual seja: lutou contra os regimes au-
toritários na Europa, mas, no Brasil, destilava
autoritarismo para governar. Essa situação foi
ganhando força, complicando e o questiona-
mento ao Estado Novo tornou-se inevitável. O
manifesto dos mineiros de 1943 constituiu-se
como um movimento importante de questio-
namento do Estado Novo Varguista, no que
tange a essa ambiguidade. A Força Expedicio-
nária Brasileira foi constituída em 1943 e parti-
cipou da guerra na Itália, em 1944.
Dentro do próprio governo a situação
também era difícil. Vargas decidiu demitir o
seu Ministro do Exterior Oswald Aranha (este
incitava a população a apoiar a participação tervenção estatal na economia. ▲
brasileira na guerra) e outras pessoas defen- • Sob inspiração Varguista, o Partido Social Figura 44: “As leis
soras do nazismo, como Francisco Campos Democrático (PSD) reuniu as antigas oli- sociais com que o atual
(Ministro da Justiça) e Filinto Muller (Chefe de garquias nesse partido. governo por iniciativa
própria tem procurado
Polícia). Assim, fica evidente o acirramento • Os trabalhadores criaram o Partido Traba-
amparar as classes
das alas pró-Estados Unidos e pró-Alemanha lhista Brasileiro (PTB). trabalhadoras devem
dentro do governo brasileiro que se equilibra • O Partido Comunista do Brasil (PCB) se constituir motivo
em corda bamba para dar conta das diferentes legalizou e angariou uma quantidade sig- de orgulho para os
forças e tendências políticas que se digladiam nificativa de trabalhadores que acredita- brasileiros”.
vam nas ideias marxistas e criticavam os Fonte: http://4.
dentro do poder. bp.blogspot.
A pressão pela democracia foi crescente e ge- sindicatos como órgãos pelegos. com/_0Wc9EX9EBa0/
rou diversas ações do governo na tentativa de per- • Os integralistas reuniram-se em torno do SwtKgjfU7_I/
Partido de Representação Popular (PRP), AAAAAAAAAC0/Y-
manecer no poder. As medidas tomadas foram: -VGnMVz5GI/s400/
• suspendeu a censura aos meios de comu- sem muito sucesso na cena política. get%C3%BAlio+vargas.
nicação; Getúlio procurava evitar um golpe e re- jpg Acesso em
solveu fundar o já dito PSD e lançar a candi- 18/03/2011.
• presos políticos foram anistiados;
• marcou as eleições para 2 de dezembro datura de Dutra à presidência do País. Obte-
de 1945. ve apoio do PTB, que lançou a campanha da
Novos partidos políticos surgiram e o “constituinte com Vargas”. Além disso, o PTB
quadro político em 1945 foi se desenhando da atuou ativamente no movimento do “quere-
seguinte forma: mismo”, que foi um movimento popular que
• A União Democrática Nacional (UDN) reu- usava o slogan “queremos Getúlio”, para exigir
niu os setores de oposição ao governo a permanência de Vargas no poder. O PTB de-
cujo caráter era mais conservador. Defen- cidiu lançar o próprio Getúlio como candidato
diam o liberalismo econômico, a abertura às eleições. Essa decisão deixou os setores mi-
do país ao capital externo e o fim da in- litares temerosos. Vargas decidiu colocar o seu

69
UAB/Unimontes - 6º Período

Atividades irmão Benjamim Vargas (Bejo) como chefe de no conservador que podia contar com o apoio
Leia atentamente o
Polícia, deixando insatisfeitos os militares, pois até mesmo da UDN.
item 4.5: A crise do o Bejo vivia em jogatinas, boates e cassinos, Podemos destacar para esse momento de
modelo autoritário: envergonhando, desse modo, as forças arma- nossa história a construção de uma constitui-
o fim da Era Vargas e das. Esse fato foi o pretexto usado pelos mili- ção que praticamente não teve influência dire-
busque debater com os tares para tirar Getúlio do poder em 29 de ou- ta do Executivo. A constituição de 1946 tinha
seus colegas no fórum
da disciplina:
tubro de 1945. Desse modo, podemos afirmar os seguintes dispositivos:
- Em nome de quais que o Estado Novo chegava ao fim. Soma-se a • Necessidade de garantir os direitos indivi-
interesses o presidente tudo isso o fato de Vargas ter lançado uma lei duais.
Roosevelt veio visitar o que visava a proteger a economia nacional da • Estabelecer autonomia, de modo amplo,
Brasil? ação dos monopólios (Lei Antitruste). dos diversos municípios do país.
- Qual e como foi a atu-
ação dos militares no
Os trabalhos na Constituinte e no Proces- • Estabelecimento do direito de greve e da
desfecho da Era Vargas so de Eleição foram encaminhados e, segundo legislação trabalhista Varguista.
em 1945? FARIA (2009), candidataram-se Eurico Gaspar • Estabelecer que os trabalhadores pode-
Dutra (apoiado pelo PTB e pelo PSD) vitorio- riam participar do lucro das empresas (FA-
so com 55% dos votos, o Brigadeiro Eduardo RIA, 2009, p.283).
Gomes (apoiado pela UDN) que chegou à Após o mandato de Dutra, Vargas voltou
disputa com 35% dos votos e, por fim, Iedo ao poder eleito pelo povo, cumprindo um
Fiuza (apoiado pelo PCB) que obteve 10% mandato de 1951 a 1954. O mandato que seria
dos votos. de 5 anos foi interrompido pelo próprio Var-
Desse modo, as luzes do Estado Novo fo- gas, quando ele suicidou-se em 24 de agosto
ram apagadas. Eurico Gaspar Dutra inicia novo de 1954. Café Filho, seu vice, terminou o man-
governo de 1946 a 1951. Constituiu um gover- dato até 1955.

▲ Esse assunto será tratado diretamente em outra disciplina, qual seja, História do Brasil Repú-
Figura 45: blica II. Apenas desejamos comentar brevemente que João Goulart, o Ministro do Trabalho de
Fonte: http://www. Vargas, aprovou um aumento salarial de 100% aos trabalhadores, decisão mantida por Vargas,
opopularns.com.br/ mas a demissão de Goulart foi inadiável. Ainda, há que se ressaltar o contexto ligado à tentativa de
upload/noticias/getulio_ assassinado de Carlos Lacerda (jornalista e político ligado à UDN). Lacerda sobreviveu, mas um major
vargas.jpg Acesso em
13/04/2011. da Aeronáutica (Rubens Vaz) que o acompanhou faleceu. O chefe da segurança de Getúlio foi acusa-
do e indiretamente o presidente. De diversos setores da sociedade vinham pressão para que Vargas
renunciasse ao poder. Ele não renunciou, mas matou-se em 24 de agosto de 1954.

70
História - História do Brasil República I

Referências
ALDÉ, Lorenzo. 120 anos de República: por onde ela anda? Revista de História da Biblioteca
Nacional. Rio de Janeiro, ano 5, nº 50, novembro/2009, p.16-23.

COTRIM, Gilberto. História Geral e do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2005.

DULCI, Otávio Soares. Política e Recuperação Econômica em Minas Gerais. Belo Horizonte:
Editora da UFMG, 1999.

FARIA, Ricardo de Moura; MIRANDA, Mônica Liz e CAMPOS, Helena Guimarães. Estudos de Histó-
ria. Vol. 3. São Paulo: FTD, 2009.

GOMES, Ângela de Castro. Confronto e Compromisso no processo de constitucionalização (1930-


35). In: FAUSTO, Boris (dir). História Geral da Civilização Brasileira, III. O Brasil Republicano: So-
ciedade e Política (1930-1964). 3 ed. Rio de Janeiro: Bertrant Brasil, 2004, p. 9-75.

MARINS, Paulo César Garcez. Habitação e vizinhança: limites da privacidade no surgimento das
Metrópoles brasileiras. In: SEVCENKO, Nicolau (org). História da vida privada no Brasil. Repú-
blica: da Belle Époque à Era do Rádio. São Paulo: Cia das Letras, 1998.

RODRIGUES, Leôncio Martins. O PCB: Os dirigentes e a organização. In: In: FAUSTO, Boris (dir). His-
tória Geral da Civilização Brasileira, III. O Brasil Republicano: Sociedade e Política (1930-1964).
3. ed. Rio de Janeiro: Bertrant Brasil, 2004, p.363-443.

SAES, Décio A. M. Classe Média e Política no Brasil. In: FAUSTO, Boris (dir). História Geral da Civi-
lização Brasileira, III. O Brasil Republicano: Sociedade e Política (1930-1964). 3 ed. Rio de Janei-
ro: Bertrant Brasil, 2004, p. 449-506.

VERSIANI, Flávio & SUZIGAN, Wilson. O processo brasileiro de industrialização: uma visão ge-
ral.

http://vsites.unb.br/face/eco/textos/industrializacao.pdf Acesso em 1/04/2011.

71
UAB/Unimontes - 6º Período

Vídeos
Veja abaixo indicação de filmes relacionados ao conteúdo dessa disciplina. Como sabemos,
o filme é uma criação livre e difere-se da história, todavia, contribui para que possamos entender
melhor o que as pessoas pensam e querem “rememorar” sobre o passado de nossa sociedade.
Aproveitem os filmes! Bom cinema!

Título original: Guerra de Canudos


Lançamento: 1997 (Brasil)
Direção: Sérgio Rezende
Atores: José Wilker, Paulo Betti, Cláudia
Abreu, Marieta Severo.
Duração: 169 min
Gênero: Drama

◄Figura 46:
Fonte: http://www.
adorocinema.com/filmes/
guerra-de-canudos/

Figura 47: Filme da ►


Guerra dos Canudos
Fonte: http://www.ache-
tudoeregiao.com.br/atr/
Guerra_de_canudos.htm

Sinopse: Em 1893, Antônio Conselheiro (um monarquista assumido) e seus seguidores co-
meçam a tornar um simples movimento em algo grande demais para a República, que acaba-
ra de ser proclamada e decidira por enviar vários destacamentos militares para destruí-los. Os
seguidores de Antônio Conselheiro apenas defendiam seus lares, mas a nova ordem não podia
aceitar que humildes moradores do sertão da Bahia desafiassem a República. Assim, em 1897,
esforços são reunidos para destruir os sertanejos. Estes fatos são vistos pela ótica de uma família,
que tem opiniões conflitantes sobre Conselheiro.

72
História - História do Brasil República I

Título original: Olga


Lançamento: 2004 Brasil
Direção: Jayme Monjardim
Atores: Camila Morgado, Caco Ciocler, Luís
Mello, Eliane Giardini.
Duração: 141 min
Gênero: Drama

◄ Figura 48: Filme Olga.


Fonte: http://www.adoro-
cinema.com/filmes/olga/
trailers-e-imagens/#35189

Figura 49
Fonte: http://www.adoro-
cinema.com/filmes/olga/
trailers-e-imagens/#35189

Sinopse: Olga Benário (Camila Morgado) é uma militante comunista desde jovem. Persegui-
da pela polícia, foge para Moscou, onde faz treinamento militar. Lá ela é encarregada de acom-
panhar Luís Carlos Prestes (Caco Ciocler) ao Brasil para liderar a Intentona Comunista de 1935,
apaixonando-se por ele na viagem. Com o fracasso da revolução, Olga é presa com Prestes. Grá-
vida de 7 meses, é deportada pelo governo Vargas para a Alemanha nazista e tem sua filha Anita
Leocádia na prisão. Afastada da filha, Olga é então enviada para o campo de concentração de
Ravensbrück.

73
UAB/Unimontes - 6º Período

Além de sugerirmos os filmes A Guerra de Canudos e Olga, desejamos que você explore a
internet e, em especial, o site “domínio público” e baixe os filmes documentários disponibiliza-
dos pelo Ministério da Educação do Brasil .
O link é: http://www.dominiopublico.gov.br.
Após abrir o site faça a busca selecionando pelo menos os campos no menu lateral esquerdo:
Tipo de mídia: ''selecione vídeo"
Categoria: ''TV Escola -História''

Sugerimos para você alguns deles que você poderá baixar gratuitamente do referido site.

QUADRO 4: Lista de filmes/documentários livres para download.


1. A Era Vargas. (Brasil 500 anos: o Brasil-república na TV) 32.44 MB

2. A Era Vargas. (História do Brasil por Boris Fausto) 43.07 MB

3. A modernidade chega a vapor. (Brasil 500 anos: o Brasil-império na TV) 23.93 MB

Canudos e Contestado: guerra de Deus e do Diabo. (Brasil 500 anos: o


4. 32.53 MB
Brasil-república na TV)

5. Da Nova República ao Real. (Brasil 500 anos: o Brasil-república na TV) 33.81 MB

6. José F. Nascimento, Dragão do Mar - Milton Gonçalves 3.29 MB

7. O puxa-encolhe da borracha. (Brasil 500 anos: o Brasil-república na TV) 22.24 MB

8. O reino do café. (Brasil 500 anos: o Brasil-império na TV) 27.86 MB

9. República Velha. (História do Brasil por Boris Fausto) 44.06 MB


Fonte: http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/ResultadoPesquisaObraForm.do?first=50&skip=0&ds_
titulo=&co_autor=&no_autor=&co_categoria=106&pagina=1&select_action=Submit&co_midia=6&co_obra=&co_idio
ma=&colunaOrdenar=null&ordem=null

74
História - História do Brasil República I

Resumo
Chegamos ao final de nossa disciplina. Nossa tarefa foi a de montar um quebra-cabeça a
partir de nosso objetivo maior. Eu diria que, em vez de resumo da disciplina, chamaríamos esse
item de “A cara do nosso quebra-cabeça”.

◄ Figura 50: Quebra


cabeça.
Fonte: http://microma-
cropuzzle.blogspot.
com/2009_06_01_ar-
chive.html Acesso em
24/04/2010.

Certamente você observou que o nosso sentes em seu tempo são apreendidos pelo
objetivo foi entabular um diálogo a respeito historiador e socializados nas pesquisas, nos
da conformação de nossa história no período grupos de estudos, nas rodas de conversas,
que se estende de 1889 a 1945. Nessa cons- nas salas de aulas presencial e virtual, enfim,
trução e, até mesmo desconstrução, fomos para parafrasear Milton Nascimento, nos “bai-
observando “as cores” de nosso passado, além les da vida”. Buscando apreender essa dança
de observar que, ao construir a história, “peças de nossa história no período de 1889 a 1945 é
ainda ficam espalhadas pelo chão”. que esse material didático tem sentido de ser.
Penso que as peças do chão representam o A tessitura do encaixe das peças, do
nosso papel de buscar encaixá-las e compreen- próprio material de tais peças de nosso que-
dê-las num processo histórico de nosso viver. bra-cabeças e o modo como o compreen-
Você estudou diversas peças que se en- demos e o interpretamos é tarefa que você,
caixaram no quebra-cabeças que os historiado- estudante de História da UAB/ Unimontes,
res vivem montando ao longo do tempo. Você poderá ocupar/construir ao discutir futura-
viu como a peça do coronelismo, os movimentos mente com os seus alunos.
sociais, o autoritarismo, as revoltas no campo, a Para tanto, durante o período de estudo
cultura política e tantas outras, foram se encai- dessa disciplina, você discutiu na primeira uni-
xando no fazer de nossa história. Sabemos que dade “A República no Brasil: do início à conso-
ainda existem peças a serem encaixadas. lidação” como os diferentes diálogos do poder
Podemos afirmar que o modo pelo qual ocorreram no Brasil, analisou o questionamen-
os diferentes sujeitos sociais se fizeram pre- to acerca do povo e de sua atuação na arena

75
UAB/Unimontes - 6º Período

política, bem como a discussão sobre a formação fundamental, quando operaram mudanças no
e a consolidação da Primeira República brasileira. país capazes de marcarem a nossa História.
A segunda unidade desse caderno didá- Na quarta unidade intitulada “O Gover-
tico trouxe importantes discussões para a sua no de Vargas entre 1930 e 1945”, estudamos
formação, no que tange ao “O coronelismo e a ascensão de Vargas ao poder enfatizando o
a República Velha”, dando vazão a diferentes governo constitucional e alguns aspectos do
questões sobre a atuação dos coronéis, sobre Estado Novo. Falamos ainda sobre a política
a sociedade que se formou no Brasil na época industrial brasileira e a crise do modelo auto-
de grande produção do café e da borracha, ritário levado a cabo no período em questão.
bem como os ideais modernos veiculados no Todos esses capítulos certamente foram
Brasil na belle époque. associados a uma rotina de estudo na qual
Durante a terceira unidade estudamos “A você não pode deixar de participar dos fóruns,
transição para o Governo Vargas”, debruçamos de visitar sites das universidades e assistir aos
sobre as contestações sociais desse período, filmes sugeridos. Essas ações ampliarão o seu
as revoltas urbanas, os movimentos operários olhar crítico, tão importante ao professor de
e destacamos a década de 20, com o período História/historiador. Bom estudo!

Profª Dayse Lúcide Silva Santos

76
História - História do Brasil República I

Referências
Básicas

ABREU, Martha & MARZANO, Andrea. Entre palcos e músicas: caminhos de cidadania no início da
República. In: CARVALHO, José Murilo de & NEVES, Lúcia Maria Bastos Pereira (orgs). Repensan-
do o Brasil do Oitocentos: cidadania, política e liberdade. Rio de Janeiro: Civilização Brasilei-
ra, 2009. p.123-49.

ARAÚJO, Jorge Zeidan. As correntes republicanas e o imaginário republicano à época da Procla-


mação de 1889: concepções e disputas. Revista Urutágua – Acadêmica Multidisciplinar DCS/UEM.
N 20, Jan./Fev./Mar./Abril de 2010. ISSN. 1519.6178

CARDOSO, Fernando Henrique. Dos governos militares a Prudente-Campos Sales. In: FAUSTO,
Boris (dir). O Brasil Republicano. Estrutura de Poder e Economia (1889-1930). 8 ed. Rio de Janei-
ro: Bertrant Brasil, 2004, p.15 a 50. (História Geral da Civilização Brasileira, t.3, v.1)

CARVALHO, José Murilo de. A formação das almas. O imaginário da República no Brasil. São
Paulo: Companhia das Letras, 1990.

CARVALHO, José Murilo de. Mandonismo, Coronelismo, Clientelismo: Uma Discussão Concei-
tual. Dados [online]. 1997, 16p. v. 40, n.2 ISSN 0011-5258.  doi: 10.1590/S0011-52581997000200003.
Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0011-52581997000200003&script=sci_art-
text Acesso em 10/06/2010.

CARVALHO, José Murilo de. Os bestializados: O Rio de Janeiro e a República que não foi. 3ed.
São Paulo: Cia das Letras, 2005.

FAUSTO, Boris (dir). O Brasil Republicano. Estrutura de Poder e Economia (1889-1930). 8 ed.
Rio de Janeiro: Bertrant Brasil, 2004. (História Geral da Civilização Brasileira, t.3, v.1)

FAUSTO, Boris (dir). História Geral da Civilização Brasileira. O Brasil Republicano: Sociedade
e Política (1930-1964). 3 ed. Rio de Janeiro: Bertrant Brasil, 2004. (História Geral da Civilização
Brasileira, t.3, v.2)

GOMES, Ângela de Castro. A República, a História e o IHGB. Belo Horizonte: Argumentum,


2009.

MALLMANN, Marcela Cockell. Pelos Becos e Pela Avenida da Belle Époque Carioca. Revista
Soletras, ano X, nº 20, jul./dez.2010. São Gonçalo: UERJ, 2010.

PATTO, Maria Helena Souza. Estado, ciência e política na Primeira República: a desqualifica-
ção dos pobres. Estud. av. [online]. 1999, v.13, n.35, pp. 167-198. ISSN 0103-4014.

POMAR, Wladimir. A era Vargas: a modernização conservadora. São Paulo: Ática, 1999.

QUEIROZ, Maria Izaura Pereira de. O Coronelismo numa interpretação sociológica. In: FAUSTO,
Boris (dir). O Brasil Republicano. Estrutura de Poder e Economia (1889-1930). 8 ed. Rio de
Janeiro: Bertrand Brasil, 2004, p.155 a 190. (História Geral da Civilização Brasileira, t.3, v.1)

SAES, Décio A. M. Classe Média e Política no Brasil. In: FAUSTO, Boris (dir). História Geral da Civi-
lização Brasileira, III. O Brasil Republicano: Sociedade e Política (1930-1964). 3 ed. Rio de Janei-
ro: Bertrant Brasil, 2004, p. 449-506.

SEVCENKO, Nicolau. A Revolta da Vacina: Mentes Insanas em Corpos Rebeldes. São Paulo: Brasi-
liense, 1994.

SEVCENKO, Nicolau (org). História da vida privada no Brasil. República: da Belle Époque à Era do

77
Rádio. São Paulo: Cia das Letras, 1998.
UAB/Unimontes - 6º Período

VISCARDI, Cláudia Maria Ribeiro. Elites políticas mineiras na Primeira República Brasileira:
um levantamento prosopográfico. História. Rio Grande do Sul: São Leopoldo, v. 5, n. 4, p. 243-
260, 2001. Disponível em http://www.fee.tche.br/sitefee/download/jornadas/1/s11a2.pdf
Acesso em 15/07/2011.

Complementares

ALDÉ, Lorenzo. 120 anos de República: por onde ela anda? Revista de História da Biblioteca Na-
cional. Rio de Janeiro, ano 5, nº 50, novembro/2009, p.16-23.

BICHARA, Conrado Ferranti. Resistência na veia. Revista Desvendando a História. São Paulo, ano 3,
nº15, 2007, p.33-39.

BRASIL. Constituição da Republica Brasileira, 1891. Diário Oficial da União de 1891.

BUONICORE, Augusto. A proclamação da República. Disponível em http://www.contee.org.br/


noticias/artigos/art564.asp acesso em 17/11/2011.

CAMPOS, Simone Martinoli Madeira. Espaço Nacional e Amazônia. 2003, p. 21. (mimeo)

CAMPOS, Simone Martinoli Madeira. Espaço Nacional e Amazônia. Disponível em: http://www.usp.
br/fau/cursos/graduacao/arq_urbanismo/disciplinas/aup0270/4dossie/martinoli04-amazonia/Espaco-
-nacional-e-Amazonia.pdf Acesso em 16/02/2011.

CARDOSO, Fernando Henrique. Dos governos militares a Prudente-Campos Sales. In: FAUSTO,
Boris (dir). O Brasil Republicano. Estrutura de Poder e Economia (1889-1930). 8 ed. Rio de
Janeiro: Bertrant Brasil, 2004, p.15 a 50. (História Geral da Civilização Brasileira, t.3, v.1)

CARNEIRO, Paulo. Um panorama das conquistas sindicais. In: KUPSTAS, Márcia (org). Trabalho
em Debate. São Paulo: Editora Moderna, 1997.

CARONE, Edgard. A República Velha (instituições e classes sociais). São Paulo: Difel, 1972.

CHALLOUB, Sidney. Cidade Febril: Cortiços e epidemias na Corte Imperial. São Paulo: Compa-
nhia das Letras, 1996.

CLEMENTE, Marcos Edilson de Araújo. Cangaço e Cangaceiros: Histórias e Imagens fotográfi-


cas do tempo de Lampião. Revista de História e Estudos Sociais. Out a Dez/2007, ano 4, v.4, n.4.

COTRIM, Gilberto. História Geral e do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2005.

CUNHA, Euclides. Os sertões. São Paulo: Abril, 1989.

DE DECCA, Edgar S. 1930: o silêncio dos vencidos. São Paulo: Brasiliense, 1981.

DEL RIO, J. M. V. Etnografia das Fronteiras políticas e sociais na Amazônia ocidental. Cadernos Críticos
de Geografia Econômica, v.13, n.292. 1/jun/2009.

DIAS, Everardo. História das Lutas Sociais no Brasil. 2. ed., São Paulo: Alfa-Ômega, 1977.

DOIN, José Evaldo de Mello; PERINELLI NETO, Humberto; PAZIANI, Rodrigo Ribeiro e  PACANO,
Fábio Augusto. A Belle Époque caipira: problematizações e oportunidades interpretativas da
modernidade e urbanização no Mundo do Café (1852-1930) . Rev. Brasileira de História. [online].
2007, vol.27, n.53, pp. 91-122. ISSN 0102-0188.

DORATIOTO, Francisco. Projeção brasileira na América do Sul. Nossa História. Ano 3, n.25, Nov/2005, p.
24-7

DULCI, Otávio Soares. Política e Recuperação Econômica em Minas Gerais. Belo Horizonte:
Editora da UFMG, 1999.

FARIA, Ricardo de Moura; MIRANDA, Mônica Liz e CAMPOS, Helena Guimarães. Estudos de Histó-

78
História - História do Brasil República I

ria. v. 3. São Paulo: FTD, 2009.

FAUSTO, Boris. História concisa do Brasil. 2.ed. São Paulo: Edusp, 2006.

FERREIRA, Jorge e DELGADO, Lucília (orgs). O Brasil Republicano. V. 1 e 2. Rio de Janeiro, Civiliza-
ção Brasileira, 2003.

FOLHA de São Paulo, Editorial: O Sarampo Antropofágico. 15 de maio de 1978. Disponível em


http://almanaque.folha.uol.com.br/semana22.htm# Acesso em 20/04/2011.

GOMES, Ângela de Castro. Confronto e Compromisso no processo de constitucionalização (1930-


35). In: FAUSTO, Boris (dir). História Geral da Civilização Brasileira, III. O Brasil Republicano: So-
ciedade e Política (1930-1964). 3 ed. Rio de Janeiro: Bertrant Brasil, 2004, p. 9-75.

IPANEMA, Rogéria Moreira de. Rir para não chorar. Revista de História da Biblioteca Nacional.
Rio de Janeiro, Ano 5, Nº 54, Março/2010, p.68-73.

KONDER, Leandro. As idéias socialistas no Brasil. São Paulo: Moderna, 1995.

KOSHIBA, Luís e PEREIRA, Denise M. F. História do Brasil. São Paulo: Editora Atual, 1996.

LOURENÇO, Elaine. A epopéia Amazônica. Revista de História da Biblioteca Nacional. Rio de


Janeiro, ano 1, nº10, Maio-julho/2010, p.21-28.

LUZ, Ângela Ancora da. Reflexos da lavoura. Revista de História da Biblioteca Nacional. Rio de
Janeiro, ano 57, Junho/2010, p. 36-41.

MAGNOLI, Demétrio. Um Ilha chamada Brasil. Nossa História. Ano 3, n.25, Nov/2005, p. 14-19.

MARINS, Paulo César Garcez. Habitação e vizinhança: limites da privacidade no surgimento das
Metrópoles brasileiras. In: SEVCENKO, Nicolau (org). História da vida privada no Brasil. Repú-
blica: da Belle Époque à Era do Rádio. São Paulo: Cia das Letras, 1998.

MIRANDA, Celso. Rio: Cidade Doente. Revista Aventuras na História. São Paulo, nº 15, novem-
bro/2004, p.46-51.

MOTA, Miriam & BRAICK, Patrícia. História das Cavernas ao terceiro milênio. São Paulo: Moder-
na, 2005, volume 3.

NASCIMENTO, Álvaro Pereira do. De ingênuo a rebelde. Revista de História da Biblioteca Na-
cional. Rio de Janeiro, Ano 6, Nº 62, Novembro/2010, p.24-27.

QUEIROZ, Marçal de Queiroz. A administração provincial do Grão-Pará e as propostas de imigração,


colonização e povoamento do Vale Amazônico (1875-1889). In: COELHO, Mauro Cezar (org). Meandros
da História. Belém: Unamaz, 2005, p. 248-70.

RODRIGUES, Leôncio Martins. O PCB: Os dirigentes e a organização. In: In: FAUSTO, Boris (dir). His-
tória Geral da Civilização Brasileira, III. O Brasil Republicano: Sociedade e Política (1930-1964).
3 ed. Rio de Janeiro: Bertrant Brasil, 2004, p.363-443.

SANGLARD, Gisele. O mecenato da cura. Revista de História da Biblioteca Nacional. Rio de Ja-
neiro, ano 1, nº10, Maio-julho/2010, p.29-33.

SANTOS JUNIOR, Paulo Marreiro dos. Manaus da Belle Époque: um cotidiano em tensão. A
Utopia da Modernidade na cidade disciplinar de 1890 a 1920. Revista Eletrônica Cadernos de
História. Ano 2, n.1, março 2007, ISSN 19800339. Disponível em : http://www.ichs.ufop.br/cader-
nosdehistoria/download/CadernosDeHistoria-03-08-Livre.pdf Acesso em 16/02/2011.

SANTOS JUNIOR, Paulo Marreiro dos. A imposição da modernidade na Manaus da Borracha.


Cadernos de Pesquisa CDHis – n 36/37, ano 20, p.119-31, 2007. Disponível em http://www.seer.
ufu.br/index.php/cdhis/article/viewFile/1208/1075 Acesso em 16/02/2011.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças. Cientistas, Instituições e Questão Racial no
Brasil de 1870-1930. São Paulo: Cia das Letras, 1993.

VERSIANI, Flávio & SUZIGAN, Wilson. O processo brasileiro de industrialização: uma visão ge-
ral. http://vsites.unb.br/face/eco/textos/industrializacao.pdf Acesso em 1/04/2011.
79
UAB/Unimontes - 6º Período

Suplementares

WIRTH, John. O fiel da balança: Minas Gerais na federação brasileira (1889-1937), Rio de Janeiro:
Paz e terra, 1982.

SILVA , Vera Alice C. O significado da participação dos mineiros na política nacional, durante a
Primeira República. IN: MONTEIRO, Norma de G. (org.) V Seminário de Estudos Mineiros, Belo
Horizonte: UFMG, 1982, pp.145-163.

RESENDE, Maria E. L. de. Formação e estrutura de dominação em Minas Gerais: o novo PRM.
1889-1906. Belo Horizonte: UFMG, 1982.

CUNHA, Euclides da. Os Sertões-Campanha de Canudos. São Paulo: Ática, 2001.

FAUSTO, Boris. História Concisa do Brasil. São Paulo: Edusp, 2001.

SCHWARTZ, Lilia Moritz. Dando nome às diferenças. IN: SÂMARA, Eni de Mesquita (org.). Racis-
mo & Racistas: trajetória do pensamento racista no Brasil. São Paulo: Humanitas/FFLCH/USP,
2001, pp.9-43.

VILLA, Marco Antonio. Canudos - o povo da terra. São Paulo: Ática, 1995.

80
História - História do Brasil República I

Atividades de
Aprendizagem - AA
1) Analise a figura.

◄ Figura 51: Óleo sobre


tela de Benedito
Calixto (1853-1927),
Proclamação da
República, 1893.
Fonte: http://2.
bp.blogspot.com/_AxCu-
BauiBF0/SSAAnUdC4eI/
AAAAAAAAA-s/
E9q8bGp7X-w/s1600/pro
clama%C3%A7%C3%A3o
+da+republica.jpg acesso
22/12/2010.

Com base na figura e no material didático que discute o contexto histórico da Primeira Repúbli-
ca, assinale a alternativa CORRETA.

a. ( ) Esta figura possui uma representação pouco valorizada em nossa história, pois repete
a ideia de que a realidade social brasileira permanece monarquista.
b. ( ) Esta figura demonstra a participação popular no evento da Proclamação da Repúbli-
ca, reforçando exatamente esse ideal.
c. ( ) Esta é uma figura que demonstra o olhar dos Republicanos sobre o evento da Procla-
mação, buscando valorizar a participação das forças armadas nesse evento político.
d. ( ) Esta figura aponta para a ideologia neomarxista apresentada na República Velha, no-
tadamente com Deodoro da Fonseca.

2) O início do período republicano no Brasil apresentou diversas características, EXCETO

a. ( ) Nos primeiros tempos podemos observar que a população civil logo se rebelou ao
poder republicano, criando uma situação insustentável no país, como é o caso da Revolu-
ção de 30.
b. ( ) Nos primeiros tempos predominaram os militares, como é o caso de Deodoro e Floria-
no, mas, a partir de Prudente de Morais, instituiu-se uma República civil.
c. ( ) Houve uma descentralização dos poderes, das atribuições e dos direitos dos Estados,
que ganharam autonomia.
d. ( ) A Constituição Republicana de 1891 adotou o modelo da República Federativa, isto é,
o Brasil foi dividido em vários Estados, reunidos numa Federação.

81
UAB/Unimontes - 6º Período

3) Leia o texto:

“Uma vez numa cidade


Lampião apareceu
Cinco rapazes pegou
E de punhal abateu
Tirando o sangue de um deles
Um de seus cabras bebeu.
Um rapaz que estava noivo
Num esteio ele amarrou
A noiva fez ficar nua
Com ferro em brasa a marcou
E ao noivo desesperado
O criminoso castrou”.

(Combate e morte de Lampião, de Zé Vicente)

Esse trecho é parte constituinte de literatura de Cordel comum em Pernambuco, Paraíba e Ceará.
Sobre o conteúdo e o contexto histórico retratado no cordel, é INCORRETO afirmar que

a. ( ) Lampião era temido e suas façanhas eram contadas e recontadas pelo sertão.
b. ( ) Lampião foi o único cangaceiro de que podemos comprovar a sua existência histórica.
c. ( ) Lampião teve as suas façanhas refletidas pelo medo e pela admiração da mentalidade
popular.
d. ( ) Lampião e seu bando conheciam muito bem a caatinga.

4) Analise a figura.

A figura representa Marianne, símbolo da República Francesa, representada por Eugène Dela-
croix em “A liberdade Guiando o Povo”. A respeito dessa figura e o uso de sua representação no
Brasil podemos afirmar que

82
História - História do Brasil República I

a. ( ) a imagem feminina da República foi largamente usada e apropriada pelos populares


no Brasil da República Velha.
b. ( ) a imagem de Mariane representou bem a noção de República para o Brasil, que via na
figura feminina o ideal forte de mulher.
c. ( ) a imagem feminina no Brasil para a República foi muito mais adequada que a de Tira-
dentes, por exemplo.
d. ( ) a imagem feminina usada nas representações republicanas não representa, necessa-
riamente, a imagem de República Velha que se construiu no Brasil.

5) Analise a figura.

◄ Figura 52: Charge do


Jornal O Malho, 1901.
Fonte: http://3.
bp.blogspot.
com/_39ephwOkYhQ/
SSN6UmcLiKI/AAAAAAA
AABM/6Df5d
xwL_cQ/s400/charge_g.
jpg

A respeito da Charge publicada no jornal República nascente no Brasil, é CORRETO afir-


carioca “O Malho” de 1901, tecendo críticas à mar que

a. ( ) O Atlas da República são os marinheiros, especialmente aqueles envolvidos na Revol-


ta da Chibata.
b. ( ) O Atlas da República nascente é o povo que carrega a sobrecarga das mazelas sociais
e políticas do país.
c. ( ) O Atlas da República nascente são os militares que lutaram bravamente para instaurar
a República.
d. ( ) O Atlas da República é o governo que luta pela ordem e o progresso no Brasil de mui-
tos contrastes.

6) Assinale a alternativa que NÃO ESTÁ relacionada à ideia de coronelismo:

a. ( ) As relações estabelecidas entre os atores políticos na concessão de benefícios públicos.


b. ( ) Os mandões, os chefes e indivíduos que detinham algum controle de recurso estratégico.
c. ( ) As redes clientelares pouco ou nada influenciaram na definição do coronel.
d. ( ) Os mandões eram os potentados que possuíam estratégias de poder sob seu eleitorado.

7) Assinale a alternativa INCORRETA a respeito da Revolução de 1930:

a. ( ) O assassinato de João Pessoa teve grande impacto nesse evento.


b. ( ) As greves de 1917 geraram essa revolução.
c. ( ) A revolução de 1930 ocorreu, apesar da pouca atuação dos comunistas.
d. ( ) A revolução foi gerada pela Crise de 1929.
83
UAB/Unimontes - 6º Período

8) Analise a figura.

Figura 53: Imagem ►


do MMDC em Cartão
Postal, 1932 – São
Paulo. CPDOC/Roberto
Costa. (MMDC: Marins,
Miragaia, Dráusio e
Camargo)
Fonte:http://cpdoc.fgv.br/
producao/dossies/AEraVar-
gas1/anos30-37/RevConsti-
tucionalista32

A figura trata do movimento constitucionalista paulista de 1932. A respeito desse episódio é


CORRETO afirmar:
a. ( ) Os constitucionalistas paulistas foram fundamentais no apoio a Vargas e, para tal, lan-
çaram mão desse tipo de panfletagem.
b. ( ) Os constitucionalistas paulistas eram pacíficos e protestaram apenas via cartazes, sem
conseguir chegar efetivamente à luta armada.
c. ( ) Os constitucionalistas paulistas protestaram contra o governo de Washington Luís,
visando impedir a convocação de uma Assembleia Constituinte.
d. ( ) Os constitucionalistas paulistas produziram armas, bombas, máscaras de gás, lança-
-chamas e capacetes por meio de suas indústrias.

9) Analise a figura.

“As leis sociais com que o atual governo por


iniciativa própria tem procurado amparar as classes
trabalhadoras devem constituir motivo de orgulho
para os brasileiros”.
Fonte: http://4.bp.blogspot.com/_0Wc9EX9EBa0/
Sw tKgjf U7_ I/A A A A A A A A AC0/ Y-VGnMVz 5GI/s 4 0 0/
get%C3%BAlio+vargas.jpg Acesso em 18/03/2011.

84
História - História do Brasil República I

A respeito da figura, bem como os seus dizeres e representações, é INCORRETO afirmar que

a. ( ) Vargas quer mostrar à população que ele é o pai de todos.


b. ( ) Vargas quer conduzir a população trabalhadora no país.
c. ( ) Vargas quer enaltecer a noção de trabalhador comunista.
d. ( ) Vargas quer demonstrar o seu carisma e capacidade de coerção.

10) Analise a figura

Fonte: http://1.
bp.blogspot.
com/_ePjIFGip98A/
R5ldzyGmPxI/
AAAAAAAAK8M/
cZjAibGl6w8/S150/
portinari.JPG Acesso
em 30/04/2011.

No início do século XX, a situação dos indivíduos que viviam no campo não era nada boa e
quase sempre migravam, como demonstra a pintura. A esse respeito é INCORRETO afirmar que
a. ( ) as regiões brasileiras, do norte ao sul, receberam igualmente as benesses do progres-
so e da ordem, os quais chegaram até as populações rurais.
b. ( ) algumas regiões progrediam muito, mas amplas extensões no campo eram extrema-
mente pobres com populações que ficaram à margem do progresso.
c. ( ) quase todos os estados do Nordeste eram paupérrimos na área do campo e a popula-
ção, em sua grande maioria, servia de mão-de-obra a grandes proprietários.
d. ( ) a região nordestina pode observar o processo de migração e empobrecimento de sua
população rural durante a República Velha.

85