Você está na página 1de 9

PREVENÇÃO, MEDIAÇÃO E RESOLUÇÃO DE CONFLITOS 1ª SEMANA

PSICOLOGIA: É a ciência que estuda os processos mentais (sentimentos, pensamentos e razão)


e o comportamento humano (andar, falar, correr, cantar).
Psique e logia = alma e estudo (deriva do grego)
LINHA HISTÓRICA: Década de 40 - realização de práticas de atenção psicológica para
integrantes da Força Pública;
24out49 – criação do gabinete psicotécnico da força pública;
1994 – estabelece oficialmente o atendimento a policial militar, e em situações específicas, a
seus familiares.
1962 - A Psicologia foi regulamentada no Brasil;
1990 - a psicologia clínica na PM começou a se desenvolver, em função da demanda interna e
sociais;
1997 - Criação do Sistema de Saúde Mental da Polícia Militar (SisMen);
2000 regulamentado;
2002 regimento interno.

COMPOSIÇÃO DO SISMEN
São órgãos centrais (OC): DP = direção geral; DS = direção técnica
São órgãos técnicos executivos (OTE): Centro de Atenção psicológica e social (CAPS); Centro
Médico (CMED); e Divisão de seleção e alistamento (DAS)
PROFISSIONAIS: Os profissionais da área de PSICOLOGIA E ASSISTENCIA SOCIAL, sujeitos ao
credenciamento para atuação no SisMen: - Policiais militares de todos os quadros e
qualificações; - servidores públicos; - pessoal civil contratado ou voluntário; e - pessoal civil
colocado à disposição do SisMen em razão de parcerias estabelecidas.
PÚBLICO ALVO: o PM que fizer solicitação; indicação medica, indicação judicial, por indicação
do Cmt, por indicação do CAPS e NAPS.
LOCAIS DE ATENDIMENTO
CAPS - Centro de Atenção Psicológica e Social (Não interferem em questões administrativas
(transferências, PD, férias, LP entre outros) não dá afastamento ou restrições e
osatendimentos necessitam de agendamento prévio
NAPS - Centro de Atenção Psicológica e Social (Para facilitar o atendimento)

NAPS ESPECÍFICOS:
1. CMed - policiais militares que estão internados ou sendo atendidos pela psiquiatria
2. CRPM: policias militares que estão passando por tratamento de reabilitação
3. PMRG: Internos a disposição da justiça;
4. APMBB: alunos dos cursos de formação de oficiais;
5. COPOM: o efetivo do COPOM e Unidades sediadas no Quartel General

MODALIDADES
Modalidades de atendimentos psicológicos desenvolvidos
Psicologia clínica - atendimentos individuais e em grupo
PPMS - Programa de Prevenção em Manifestações Suicidas
PPAD - Programa de Prevenção ao Uso Abusivo de Álcool e Outras Drogas
PROSEN - Programa de Sensibilização para o Encerramento da Carreira Policial Militar
PAAPM - Programa de Acompanhamento e Apoio ao Policial - Destinado a todos os
policiais militares de serviço ativo que, de folga ou de serviço, tenham sua integridade física e
ou psíquica expostas a situações de risco em decorrência de:
 Ocorrência de resgate e salvamento circunstâncias trágicas ou calamidade pública;
 Acidente de trânsito com vítima fatal;
 Quadro emocional instável ou mudança nos padrões habituais de desempenho
funcional (admite a procura espontânea)
 Intervenção policial com resultado morte folga ou participação direta.
NÂO INTERFEREM em questões administrativas (transferências, LP, Procedimentos, entre
outras) não concede afastamentos ou restrições e os atendimentos são realizados mediante
prévio agendamento, por telefone ou pessoalmente.
APOIO EM INCIDENTES CRÍTICOS: apoio (assistência psic. e social) dos familiares de PM da
ativa, vítimas de morte violência ou súbita bem como prestar apoio ao policial militar em
situação de perda de seus familiares de primeiro grau, em situações semelhantes.
SOBREAVISO: OFICIAL DE SEMANA, PSICÓLOGO E ASSISTENTE SOCIAL.
DIVISÃO DE SELEÇÃO E ALISTAMENTO: (psicologia organizacional) - A seleção de pessoal
interna ou externa; - elaboração e revisão de perfil psicológico para o cargo e função que se faz
necessária seleção prévia; - Entrevista de saída que tem por objetivo coleira informações
daqueles que estão saindo da instituição; - Reavaliação psicológica dos SD PM 2ª Classe
durante o estágio probatório; - Avaliação psicológica para porte de arma dos policiais militares
inativos.

ESTRUTURA DA PERSONALIDADE HUMANA


ID - É a sede dos impulsos inatos e dos desejos que são recalcados.
EGO- Responsável pela percepção e representação do mundo exterior; É controlador dos
impulsos do Id; É mediador entre Id e Superego; Consciência.
SUPEREGO- Surgirá do desenvolvimento do Ego; Busca a moral e punir as transgressões ou
mesmo os desejos de transgredir; Julgamento, ideal do eu: herança cultural.
MECANISMOS DE DEFESA: reduzir as manifestações iminentemente perigosas ao Ego, todas as
pessoas fazem o uso, em maior ou menor grau, são importantes para um ego sadio, mas o uso
exacerbado torna-se ruim, quem faz o uso exacerbado, as coisas não vão bem, procurar ajuda
profissional.
QUAL O FATOR ESSENCIAL QUE FAZ O SUJEITO FAZER USO DE ALGUM MECANISMO DE
DEFESA?
Segundo a psicanálise, a ocorrência da angústia é a condição indispensável, o sujeito ativara
algum mecanismo para proteger a integridade do seu ego .
Compensação: é uma forma de o indivíduo garantir um equilíbrio entre as suas características
em termos de qualidades e deficiências. Exemplo: o sujeito não se considera bom em
gramática, mas tira excelentes notas em matemática.
Negação: o sujeito nega a existência da dor, ansiedade e outros sentimentos que representem
o desprazer ao indivíduo. Exemplo: diante do término de um namoro, o sujeito pode dizer
"Está tudo bem. Eu nunca gostei dele (a) mesmo. Estou ótimo (a)!"
Identificação: quando o sujeito assimila as características dos outros. Exemplo: crianças que
possuem os mesmos comportamentos dos pais.
Regressão: é um mecanismo onde o sujeito retorna a um estágio anterior à situação que causa
desconforto/desprazer ao sujeito. Nessa fase anterior, geralmente o prazer era mais imediato
e não havia a existência das circunstancias atuais que causam desprazer. Pode ser benéfico
pois nos permite ter outra perspectiva da realidade e a angustia é temporariamente afastada,
porém se for usado de mais pode levar a fantasia e fuga da realidade.Exemplo: diante do
falecimento de um ente querido, o sujeito decide, por exemplo, ficar brincando somente com
seus brinquedos, pois isso o traz de volta ao período infantil.
Sublimação: é um mecanismo bastante útil ao lidar com as demandas e conflitos criados pelo
Id e superego. Quando o ego não consegue satisfazer uma necessidade imediata, ele gratifica o
Id de uma forma que seja mais aceitável pelo superego. Exemplo: alguém que não pode ter
filhos apega-se aos bichinhos de estimação.
Racionalização: é quando o sujeito procura respostas lógicas para afastar o sofrimento.
Exemplo: É comum o sujeito criar muitas teorias, e teorias sobre teorias, a fim de tentar
explicar e justificar para si mesmo uma determinada situação.
Formação reativa: ocorre uma inversão do desejo real, a pessoa tenta de forma lógica explicar
os acontecimentos, mas tudo isso é uma forma de disfarçar os verdadeiros desejos, que estão
ocultos. Exemplo: o sujeito possui uma postura e atitude extremamente rígidas com relação à
sexualidade, pode estar ocultando seu lado sexual mais libertino e o que a sociedade
consideraria imoral.

MASLOW
“Os aspectos motivacionais das pessoas estão diretamente ligados ao entendimento das
necessidades humanas”
"Motivação é o resultado dos estímulos que agem sobre as pessoas levando-as a ação"
“Temos necessidade de ser aceito socialmente, de ser amado, reconhecido de pertencer e
fazer parte de algo e de ser útil”.
Categorias:
Base da pirâmide (gráfico)

NECESSIDADES BÁSICAS
 NECESSIDADES FISIOLÓGICAS (comer, vestir, descansar, moradia);
 NECESSIDADES DE SEGURANÇA (segurança do corpo, do emprego, de recursos da
moralidade, da família, da saúde, da propriedade);

NECESSIDADES PSICOLÓGICAS
 NECESSIDADES SOCIAIS (amor, família, intimidade sexual);
 NECESSIDADES ESTIMA (auto estima, conquista, confiança, respeito dos outros.);

NECESSIDADES DE AUTO REALIZAÇÃO: Topo da pirâmide.

 NECESSIDADES DE REALIZAÇÃO PESSOAL (criatividade, solução de problemas,


moralidade, ausência de preconceito, aceitação de fatos).

ESTRESSE: Homem pela velocidade das mudanças fica vulnerável a pronta adaptação, gerando
sintomas que se convencionou denominar em seu conjunto como estresse. Reações do
organismo, com componentes físicos e psicológicos, causadas pelas alterações
psicofisiológicas, ocorrem quando uma pessoa se confronta com uma situação adaptativa, que
exija fuga ou luta, provocando um estado de tensão que causa uma ruptura no equilíbrio
interno do organismo.
PRIMEIROS SINAIS: RESPIRAÇÃO OFEGANTE, EXTREMIDADE MÃOS E PÉS FRIOS, MÚSCULOS
CONTRAIDOS, PENSAMENTO NEGATIVO OU EXTREMO.
SINAIS: DEPRESSÃO, IRRITABILIDADE, HIPOGLICEMIA, POBRE FUNÇÃO MENTAL E COGNIÇÃO,
ALERGIA, DORES ARTICULARES E MUSCULARES, FRAQUEZA MUSCULAR, PROBLEMAS
DIGESTIVOS, BAIXA RESISTENCIA E INFECÇÃO, VERTIGEM, FADIGA, CEFALÉIA, ANSIEDADE.
POSSÍVEIS CAUSAS DE ESTRESSES: - Emprego novo ou escola nova; - Filhos; - Casamento;
-Terminar um relacionamento; -Doenças; Depressão: sentimentos de estresse e ansiedade.
COMO EVITAR E TRATAR O ESTRESSE: - dormir direito; - cuidar da saúde; - alimentar-se de
forma saudável; - fazer atividades físicas; - proporcionar-se momentos de prazer; - refletir
sobre a maneira de lidar com as situações e buscar mudanças. Se com esses cuidados a
própria pessoa não conseguir controlar os níveis de estresse, deve procurar ajuda
profissional.

SÍNDROME BURNOUT: É um distúrbio psíquico grave, que atinge profissionais das áreas de
saúde, educação, assistência social, bombeiros, policiais, ou seja, aquelas que exigem
envolvimento interpessoal direto e intenso. Pessoas que realizam jornada dupla de trabalho
também pode desenvolver o transtorno.
O que causa a síndrome de burnout:
Agressividade, isolamento, alterações constantes e repentinas de humor, irritabilidade,
dificuldade de concentração, falha de memória, ansiedade, tristeza, pessimismo, ausência de
propósito, quadro facilmente confundido com depressão.

Sintomas físicos também compõe o quadro da doença, como:


-dores de cabeça, enxaqueca, cansaço, sudorese, palpitação, pressão alta, dores musculares,
insônia, crises de asma e distúrbios gastrointestinais, respiratórios e cardiovasculares.
COMO TRATAR: Saia da rotina, faça um caminho diferente, permita-se errar, aprender, fazer
algo inusitado. Seja leve e procure respeitar os seus próprios limites, e, ao invés de chegar ao
estado de esgotamento mental e físico, esgote-se de felicidade.

PREVENÇÃO, MEDIAÇÃO E RESOLUÇÃO DE CONFLITOS 2ª SEMANA


LIDERANÇA: Liderar não é impor, Liderar é despertar-nos outros a vontade de fazer. Liderança
é a capacidade de influenciar pessoas ou a equipe de trabalho em direção ao alcance dos
objetivos, conquistando credibilidade, confiança e aceitação.
-Liderar envolve funções como: comunicar, planificar, informar, avaliar, controlar, motivar,
recuperar, punir e etc.
-Orientar grupo ou pessoas em direção a determinados objetivos ou metas.
QUALIDADE DE LIDERANÇA: 1. Entusiasmo; 2. Integridade; 3. Imparcialidade; 4. Firmeza; 5.
ZeIo; 6. Confiança; 7. Humildade.
Além de: Comprometimento, Altruísmo, Abnegação, Bom ouvinte, Iniciativa, Ambição,
Empatia, Maturidade, Sociabilidade, Bom senso, Conhecimento.
ESTILOS DE LIDERANÇA
Autocrático - O seu comportamento com relação aos subordinados é crítico e preconceituoso.
O líder autocrático é centralizador, define os objetivos de seus subordinados e o método de
trabalho, não dando oportunidade para participarem do processo decisório.
O controle é rígido e a avaliação de desempenho tende a não ser objetiva. - O líder comunica
aos colaboradores as metas e os objetivos; - O líder organiza as equipes e determina a sua
composição; - O líder orienta as tarefas na sua perspectiva.
Consequências - Desmotivação da equipe; Clima de desconfiança; Baixa qualidade nas tarefas.
Democrático- O líder tende a tomar decisões através do consenso do grupo incentivando a
participação de todos, procura delegar autoridade e usa feedback. Aceita as decisões do
grupo, mesmo que contrariem a sua própria opinião. A preocupação é atender as aspirações e
os pontos de vista dos subordinados que gozam de ampla liberdade para decidir, sugerir e
implementar. - O líder fixa metas e discute os objetivos; - Critérios de avaliação de
desempenho são conhecidos; - As tarefas planificadas em conjunto e de forma flexível; - O
trabalho é organizado com autonomia; - O líder dá feedback e orientação ao grupo.
Consequências - Equipe motivada; Membros autovalorizados; Trabalho realizado em conjunto
e com autonomia pelos membros; Maior qualidade nos resultados.
Liberal - Também chamado de Laisse-Faire, este líder toma poucas decisões, deixando que a
maior parte delas seja tomada pelos subordinados que gozam de ampla liberdade, em virtude
de ausência de controle ou avaliação do desempenho. O grupo fica a “vontade". - As metas
não são claras; - O trabalho é organizado livremente; - O líder fomenta apenas a relação inter-
pessoal; - O líder dá feedback “afetivo" focado na satisfação; - Os critérios de avaliação são
ambíguos.
Consequências - Pouco envolvimento da equipe; Competição entre os membros. Pouca
responsabilização por erros; Tendência para “jogos de empurra"
Variáveis da liderança:
- forma como o líder se comporta
- clima organizacional
- equipes de trabalho
- natureza da tarefa
- identificação dos objetivos
- experiência, expectativa em particular.

COMUNICAÇÃO HUMANA
Comunicação é a forma como as pessoas se relacionam entre si, dividindo e trocando
experiências, ideias, sentimentos e informações se modificando mutuamente e também a
sociedade na qual se inserem. “A comunicação é uma necessidade básica do homem social"
 A comunicação é o canal pelo qual os padrões de vida e de cultura são transmitidos.
 É o instrumento de integração, instrução, troca, e desenvolvimento entre as pessoas e
permeia todas as atividades diárias do ser humano
 A comunicação está contida no dia a dia, desde o momento que acordamos até a hora
de irmos dormir.
 É impossível dissociar nossa vida das nossas necessidades de comunicação

ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO
Emissor: Ê aquele que pretende comunicar. Ele formula, codifica e transmite a mensagem.
Mensagem: E aquilo que se pretende transmitir. E o núcleo do esforço de comunicação.
Canal: Ê o meio pelo qual a mensagem é transmitida. Está ligado aos sentidos (visão audição,
tato, etc.) através dos quais a mensagem atingirá seu destino.
Receptor: Ê o destinatário da mensagem. Ê aquele que através de sua percepção, recebe e
interpreta a mensagem transmitida pelo emissor.
Feedback: Ê a “resposta" do receptor ao emissor, permitindo a este avaliar se a mensagem
inicial foi suficientemente compreendida ou se necessita de complemento.
TIPOS DE COMUNICAÇÃO
Comunicação Verbal: Códigos verbais (fala); E composta pela palavra e essencialmente
concretizada por escrito
Comunicação não-Verbal: Códigos não verbais; Troca de sinais, Olhar, gestos, postura, mímica,
vestimentas, atitudes, tiques, pés, mãos, distâncias, etc.
Como as pessoas percebem a comunicação.
O nosso cérebro processa um sistema representacional de cada vez (visual, auditivo ou
cinestésico), numa sequencia aleatório criada pela nossa história pessoal, cultural e social onde
vivemos.
CANAIS DE COMUNICAÇÃO: VISUAL, AUDITIVO E CINESTÉSICO (linguagem corporal)
NECESSIDADES BÁSICAS DA COMUNICAÇÃO: - CLAREZA NA COMUNICAÇÃO; - ADEQUAÇÃO
AO RECEPTOR; - OBJETIVIDADE NA COMUNICAÇÃO
BARREIRAS DA COMUNICAÇÃO: algumas barreiras distorcem a comunicação, toda
comunicação está sujeita a deformações, afetam direta ou indiretamente a mensagem
produzida
Emissor:
 Dificuldade de expressão;
 Timidez;
 Falta de Carisma;
 Escolha inadequada de momento e local;
 Escolha inadequada do meio de comunicação;
 Suposições;
 Excessos intermediários.
Receptor:
 Atitude de pouco interesse com o outro;
 Falta de incentivo para expressar suas ideias;
 Preocupações;
 Experiências anteriores;
 Estereótipos;
 Comportamento defensivo;
 Juízo precipitado.

Dicas para melhorar a Comunicação:


 Use linguagem clara, simples, correta, direta e objetiva;
 Ouvir de forma positiva;
 Comunicação face a face;
 Motivação;
 Fazer uso do feedback;
 Ser Empático;
 Usar recursos visuais, auditivos e cinestésico;
 Maior entrosamento: pessoal e profissional

3ª SEMANA
O PAPEL DO MEDIADOR: Possui o papel de facilitar uma negociação, sendo ele uma terceira
pessoa neutra (mediador) escolhida pelas partes, que aproxima e restaura o diálogo entre
elas e facilita a negociação do conflito com foco nos interesses verdadeiros.
A IMPORTÂNCIA DO MEDIADOR: Destacam-se a rapidez e efetividade de seus resultados, a
redução do desgaste emocional e do custo financeiro, a garantia de privacidade e de sigilo, a
facilitação da comunicação e promoção de ambientes cooperativos, a transformação das
relações e a melhoria dos relacionamentos.
POLÍCIA MODERNA: A garantia dos direitos do homem e do cidadão necessita de uma força
pública, essa força é, portanto, instituída para benefício de todos, e não para utilidade
particular daqueles a quem é confiada.
Uso da força: aplicadores da lei, só podem empregar a força quando estritamente necessária e
na medida exigida para o cumprimento do seu dever.
Fatores da ação policial: SABER – SABER FAZER – QUERER FAZER
POLÍCIA COMUNITARIA: Tendo como principal fundamento a parceria polícia - sociedade, o
policiamento comunitário busca aproximar-se de pessoas, associações e líderes locais, com o
objetivo de angariar o apoio necessário para a construção de estratégias, tendentes a garantir
a paz social.
O policial militar é o elo entre a comunidade e o Estado, o qual representa, sendo que grande
parte do sucesso das políticas públicas de segurança está diretamente vinculada ã sua
capacidade de liderança, iniciativa e interação com a comunidade.
OS FUNDAMENTOS DE MEDIAÇÃO DE CONFLITOS SÃO APLICÁVEIS AO POLICIAMENTO
PREVENTIDO E OSTENSIVO, EM CONSONANCIA COM A FILOSOFIA DE POLICIA COMUNITARIA
MEDIAÇÃO: Constatação de que há um amplo rol de ocorrências em que a mediação pode
ser empregada, NÃO SE VE PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS NESSE SENTIDO NA
INSTITUIÇÃO.
RELACIONAMENTO: O relacionamento entre um grupo haverá sempre relações convergentes
(concordância) ou divergentes (discordância). Dentro desta perspectiva ocorrerão aqueles
conflitos que, havendo os de fácil resolução e os casos em que poderão ocorrer situações
extremas, como as agressões e os homicídios.
MÉTODOS ALTERNATIVOS OU EXTRAJUDICIAIS DE RESOLUÇÕES DE CONFLITOS

NEGOCIAÇÃO: Um instrumento primeiro e natural para solucionar os conflitos, a negociação


se faz apenas entre os atores envolvidos na controvérsia, que recorrem ao diálogo e a troca
de opiniões e impressões, não havendo a participação de terceiros. Uma vez que a solução
atenda ambas as partes, o conflito estará resolvido.
ARBITRAGEM: É um meio de solução de controvérsias, no qual ocorre a intervenção de um
terceiro independente e imparcial, podendo ser judicial ou extrajudicial.
CONCILIAÇÃO: A conciliação é um procedimento mais célere e, na maioria dos casos,
restringe-se a uma reunião entre as partes e o conciliador. (característica: não existe um
relacionamento significante no passado e nem possibilidade futura).
MEDIAÇÃO: A atividade de mediação de conflitos é um método de resolução de conflitos em
que um terceiro, independente e imparcial, coordena reuniões conjuntas ou separadas com
as partes, com o objetivo, dentre outros, de promover o diálogo entre elas, construir soluções.
O nome do terceiro neutro empregado é MEDIADOR

SOCIOLOGIA

SOCIEDADE: A definição mais geral de sociedade pode ser resumida como um sistema de
interações humanas culturalmente padronizadas. Sistema de símbolos, valores e normas,
posições e papéis.
CULTURA: Aos olhos da Sociologia, cultura é tudo aquilo que resulta da criação humana. São
ideias, costumes, leis, crenças morais, conhecimento, adquirido a partir do convívio social.
ACULTURAÇÃO: O processo de aculturação se dá pelo contato de duas ou mais matrizes
culturais diferentes. O Brasil sofreu influências das culturas africanas, europeia e indígena.
CONTRACULTURA: O conceito de “contracultura”, definidor de todas as práticas e
manifestações que visam criar, debater e questionar tudo aquilo que é visto como vigente
em um determinado contexto sócio-histórico.
INDIVÍDUOS E A SOCIEDADE: As transformações ocorreram pela transição de uma realidade
rural para um ambiente urbano industrial.
GRUPO ÉTNICO: Pessoas que se identificam umas com as outras, ou são identificadas como tal
por terceiros, com base em semelhanças culturais ou biológicas, ou ambas, reais ou
presumidas. Tal como os conceitos de raça e nação.
OS GRUPOS SOCIAIS: São definidos pela interação estabelecida entre as pessoas e o
sentimento de identidade existente; em outros termos, é a forma básica de associação
humana.
AS CIÊNCIAS SOCIAS: Conjunto de disciplinas cientifica que estudam os aspectos sociais das
diversas realidades humanas, relativos as área da antropologia, sociologia e da ciência
política. Em geral, são postas em contraste com as Ciências Exatas, já que essa pode ser
avaliada e quantificada pelo método cientifico na área social os métodos utilizados são outros.

- Ciência que estuda as sociedades humanas e os processos que interligam os indivíduos em


associações, grupos e instituições.

Pensadores clássicos da sociologia:

 Karl Marx – classes sociais - dialético,


 Emile Durkheim – fato social – explicação,
 Max Weber – ação social – compreensão social.

O homem se uniu por motivo de auto-afirmação, identidade e segurança, também


desenvolveu processos de convivência, reprodução, acasalamento e defesa.

Tipos de grupos sociais (a ausência desses grupos é chamada desorganização social):


Grupos primários:

Relações mais íntimas, contato direto ou indireto, família, vizinhos e amigos.

Grupos secundários:

Tem grandes dimensões e são mais organizados, relacionamento de menor contato, formais e
institucionais, com mesmos objetivos e interesses, empresas, igrejas.

Grupos intermediários:

Existências de contatos maiores e menores incluem grupos primários e secundários, ambiente


escolar, amigos, professor, diretor.

Mecanismos de sustentação da sociedade:

 Liderança
 Valores sociais
 Símbolos
 Normas e sanções sociais.

Família: é quem inicia o processo de socialização, educação e formação para o mundo, é um


fenômeno social.

Compreensão da pobreza:

Desenvolvemos muito de nossas reflexões a partir do nosso entorno, de modo a concluir que
um grupo social possui uma função primordial na configuração da sociedade, uma vez que
auxilia na criação de uma identidade grupal, bem como na formação dos gostos e preferencias,
valores e visões de mundo.

- Brasil um dos 10 países mais importantes, mas os graves desequilíbrios da estrutura social o
tornam em campeão mundial de desigualdade.

- a pobreza não pode ser paisagem das ruas nas grandes cidades, produzem uma legião de
pessoas sem acesso às condições mínimas de terem sanadas as suas necessidades básicas, os
miseráveis.

Sociologia da violência:

Marca que se faz presente em toda a história da humanidade, Existe correlação da violência
com a estrutura político-econômica, segurança dos indivíduos e a manutenção da ordem
pública.

Os sistemas penitenciários se consolidaram nos fins do século XVIII, a violência no Brasil


contemporâneo tem assumido um papel desastroso, cotidianamente ela é exposta a
população com pouco ou nenhum critério crítico, os veículos midiáticos não expõem a
complexidade que existe por detrás dos atos tidos como violentos, exemplo, desigualdade
social, miséria, baixa escolaridade, inoperância estatal, avanço do capitalismo e etc.

Problemas sociais no Brasil

Desemprego, violência, criminalidade, educação, moradia, saúde, racismo, fome e etc.

- a falta de dinheiro é um dos principais fatores inibidores para o acesso a meios essenciais.
Marginalização: exclusão social, cultural, política e econômica. Os indivíduos são
popularmente chamados de marginais, vadios ou indigentes, estão à margem da sociedade,
sem acesso as moradias, saúde, alimentação, educação e etc.

Subemprego: relacionado ao desemprego, pouca ou nenhuma formação exigida, empregos


como diarista, catadores de latinha e etc. resulta em baixa qualidade de vida, é a única
oportunidade aqueles sem oportunidades.

Criminalidade:

A urbanização acelerada contribui para isso, crescimento desordenado, colaboram para


aumento da violência, fortes aspirações de consumo frustradas pela dificuldade de trabalho.

Nem toda criminalidade deriva de condição econômica, estado ineficiente sem políticas
publica de segurança contribui para aumentar a sensação de injustiça e impunidade, que é
talvez a principal causa da violência. A violência se apresenta nas mais diversas configurações,
violência contra mulher, criança, idoso psicológica e etc.