Você está na página 1de 16

eBook

Conteúdo do nosso meeting equaliv, um webinar


exclusivo que abordou temas sobre nutrição, ganho
muscular, benefícios de uma alimentação saudável e
muito mais.

Tudo isso com uma equipe de convidados especialistas


nas áreas de nutrição, saúde e performance.

Boa leitura!
O impacto dos micronutrientes
e do TCM na flexibilidade
metabólica
A flexibilidade metabólica nada mais é do que a capacidade de
um organismo em responder ou se adaptar de acordo com os
substratos energéticos disponíveis. Ou seja, consiste em qual
fonte de energia será utilizada, seja gordura ou carboidrato. O
grande propósito de desenvolver estratégias para otimizar a
flexibilidade metabólica é melhorar a biogênese mitocondrial
por meio do estímulo do PGC 1- alfa.

Primeiro, para aumentar a flexibilidade metabólica, é preciso


alterar o substrato no qual o nosso corpo está acostumado e
estimular a produção de corpos cetônicos. Algumas
estratégias capazes de aumentar a produção de corpos
cetônicos são o jejum intermitente, a dieta cetogênica, dieta
lowcarb, entre outras.

Dr. Luciano Bruno

M E E T I N G E Q U A L I V - L E V A N D O E Q U I L Í B R I O C O M C I Ê N C I A 0 3
Espécies reativas de oxigênio (EROs) Quais as consequências da inflexibilidade
O excesso de EROS no organismo gera um mal metabólica ?
funcionamento na expressão do DNA mitocondrial, alterando
a biogênese e causando uma proteostase alterada, A inflexibilidade metabólica quando presente por muito
impossibilitando um bom funcionamento da mitocôndria e tempo, gera um excesso de EROS e provoca um quadro de
gerando uma diminuição na produção de ATP. Essa síndrome metabólica, aumentando a resistência à insulina,
diminuição, leva a uma sensação de cansaço e fadiga. maior risco para doenças cardiovasculares, aumento de peso
Portanto, é importante que algumas estratégias sejam e obesidade. Logo, é importante que se dê a devida atenção
utilizadas visando a diminuição das espécies reativas de desde cedo para a mitocôndria, evitando o acúmulo de EROS
oxigênio no nosso organismo. Sobre o tema, alguns e o mal funcionamento da mitocôndria por um longo período.
micronutrientes exercem um papel essencial nesse quesito.

Compostos ativos como o resveratrol e o licopeno, geram um


estímulo maior da SIRT1, enquanto alguns compostos lipídicos
Modulação circadiana
são capazes de ativar as vias da AMPK. Ambas levam a um O controle do ciclo circadiano é outra estratégia que pode
aumento do PGC 1-alfa e esse processo aumenta a otimizar o funcionamento das células mitocondriais. Noites
mitogênese e melhora o fornecimento de energia na cadeia mal dormidas alteram as atividades de enzimas e complexos
respiratória. Outros micronutrientes também são importantes protéicos, como por exemplo, o receptor CLOCK BMOL que
neste processo. Entre eles, temos a vitamina D, que contribui depende do ciclo circadiano, prejudicando o fornecimento de
para o controle dos EROs mitocondriais; além da vitamina C; energia pela mitocôndria e causando a sensação de cansaço e
vitamina A; as vitaminas do complexo B; vitamina E; os fadiga.
minerais selênio e zinco, que possuem também atividade
antioxidante;e as catequinas, presentes no chá verde e nos Esses receptores, regulados pelo ciclo circadiano, controlam
extratos de uva. a mitofagia e a biogênese mitochondrial. Portanto, alterações
no sono, seja através de viagens, turno de trabalho ou
Além disso, o consumo de gorduras monoinsaturadas e encontro sociais, aumentam os riscos de desenvolvimento de
poliinsaturadas também exercem um papel importante no doenças metabólicas, como diabetes e resistência à insulina.
controle dos EROs e na melhora da flexibilidade metabólica. Por isso, as estratégias referentes à qualidade do sono devem
Portanto, o consumo de alimentos fonte, como azeite de oliva ser muito bem controladas para assegurar a saúde do
e ômega-3, são essenciais para a nossa saúde mitocondrial. organismo e da nossa mitocôndria.

M E E T I N G E Q U A L I V - L E V A N D O E Q U I L Í B R I O C O M C I Ê N C I A 0 4
Jejum Intermitente
A busca de informações sobre o jejum intermitente vem
crescendo de forma significativa nos últimos anos. Desta
forma, muitos trabalhos vêm sendo realizados sobre o tema.
Como exemplo, um estudo publicado avaliando a realização
do jejum em dias alternados e exercício físico intenso,
observou que essas estratégias podem prever e ajudar a
tratar a obesidade junto com a síndrome metabólica, devido a
uma melhora na resistência à insulina.

Dieta Cetogênica
Um estudo avaliando a utilização do ácido caprílico C8, avaliou
a melhora do funcionamento da cadeia respiratória,
aumentando a produção e geração de energia na mitocôndria
e evitando assim a sensação de cansaço e fadiga presente na
inflexibilidade metabólica. Esse efeito da utilização de C8, se
dá pela capacidade de desacoplamento do ácido graxo.

Portanto, otimizar essas estratégias que contribuem para uma


melhora do funcionamento da mitocôndria e da flexibilidade
metabólica, pode ser interessante para reduzir as sensações
de cansaço e melhorar o quadro de saúde dos pacientes,
evitando o desenvolvimento de doenças associadas à
síndrome metabólica.

M E E T I N G E Q U A L I V - L E V A N D O E Q U I L Í B R I O C O M C I Ê N C I A 0 5
Suplementação de
proteínas na prática clínica
A fisiologia do estômago
Primeiramente, para entendermos a hipocloridria, precisamos
compreender os mecanismos de secreções estomacais.
Nesse contexto, há 3 hormônios que atuam na liberação do
suco gástrico, sendo a acetilcolina, a gastrina e a histamina.
Por outro lado, o nosso organismo precisa se assegurar que o
suco gástrico, devido ao baixíssimo pH, não lesione as células
estomacais. Assim, é produzido tanto bicarbonato quanto
muco gástrico, protegendo assim as células epiteliais.

Nesse contexto, podemos citar diversas funções do suco


gástrico, como:
Ativação de enzimas digestivas (pepsina) responsáveis pela
quebra de proteínas;

Controle da população bacteriana do trato digestivo;

Dra. Denise de Carvalho Absorção de nutrientes como vitamina B12 e B9, ferro,
magnésio, cálcio, além da liberação do fator intrínseco;

Ativação da cascata de secretina com estimulação das


secreções pancreáticas.

M E E T I N G E Q U A L I V - L E V A N D O E Q U I L Í B R I O C O M C I Ê N C I A 0 6
Hipocloridria Tratamento
Por outro lado, podemos encontrar algumas patologias Como tratamento, podemos adotar algumas estratégias em
relacionadas a esse sistema. Assim, a hipocloridria é um relação à suplementação. Nesse contexto, podemos optar
estado persistente de redução da acidez gástrica em que o pH pela prescrição do colágeno Equaliv BodyBalance, um tipo de
se mantém entre 3 a 5. Entre suas principais causas, proteína que pode ser absorvida parcialmente intacta, não
observamos o estresse crônico/overtraining; deficiências passando de forma prejudicial pelo processo de digestão.
nutricionais como vitaminas do complexo B, magnésio, zinco e Assim, como resultado da suplementação desse composto, é
cálcio; idade avançada; uso de drogas inibidoras da secreção observado uma maior força e se contrapondo a sarcopenia.
ácida; idade prematura e infecções por bactérias H. pylori.
Nesse cenário, os idosos são caracterizados como o maior Para finalizar, há algumas práticas comportamentais
grupo de risco. relacionadas a melhora da liberação do suco gástrico, na qual
podemos citar o mindful eating, sendo essa responsável pela
ativação do sistema nervoso parassimpático, estimulando a
A relação entre hipocloridria e sarcopenia secreção e também o aumento da mastigação, facilitando a
ação do suco gástrico.
Quando pensamos na hipocloridria, principalmente na
população idosa, podemos associá-la a sarcopenia. De
maneira geral, a sarcopenia é uma doença progressiva e
generalizada da musculatura esquelética associada a efeitos
adversos, como quedas, fraturas, incapacidade física, entre
outras, sendo caracterizada pela perda de massa e força
muscular. Como explicação dessa associação, de acordo com
o consenso de sarcopenia de 2019. Essa é uma patologia que
pode ser resultado da má digestão e absorção proteica, sendo
esse um cenário observado na hipocloridria.

M E E T I N G E Q U A L I V - L E V A N D O E Q U I L Í B R I O C O M C I Ê N C I A 0 7
Vitamina D: muito além
de uma vitamina
A vitamina D vai muito além de uma vitamina, podendo hoje ser
considerada um hormônio. É produzida principalmente
através da captação de luz solar pela pele e metabolizada pelo
organismo até 1,25-dihidroxivitamina D, sendo essa a forma
ativa que atua em nosso corpo.

De maneira geral, diversos estudos mostram que a população


infantil apresenta deficiência desta vitamina e, devido a sua
importância e suas diversas funções, essa deficiência pode
provocar, futuramente, diversas desordens metabólicas e
doenças cardiovasculares. Desta forma, podemos perceber
através desta relação, o papel essencial da vitamina D no
metabolismo humano.

Dr. Fábio dos Santos

M E E T I N G E Q U A L I V - L E V A N D O E Q U I L Í B R I O C O M C I Ê N C I A 0 8
Carência em Vitamina D
Alguns grupos de pessoas mostram um maior risco de Dessa forma, a utilização e a permanência desta vitamina em
apresentar deficiência de vitamina D. Entre eles temos os níveis adequados é de extrema importância, em primeiro lugar,
idosos; lactentes; obesos, por acumularem vitamina D nos na prevenção destes quadros prejudiciais a nossa saúde, e
tecidos adiposos; e também pessoas que apresentam uma também como auxiliar no tratamento de doenças.
exposição solar limitada. Além disso, alguns estudos mostram
que pacientes bariátricos também costumam apresentar um Benefícios da Vitamina D
déficit desta vitamina.
Entre os benefícios encontrados através da utilização da
vitamina D, temos a melhora da função endotelial, redução da
Doses diárias recomendadas calcificação coronária, melhora das respostas imunológicas,
A recomendação publicada pela Sociedade Endócrina Norte além de que apresenta efeito direto na contratilidade
Americana pode variar bastante de acordo com a pessoa e miocárdica e também redução de interleucinas inflamatórias.
sua faixa etária de 400 até 4000 UI, podendo chegar até a
10.000UI em alguns casos. A utilização desta vitamina vai Desta forma, a vitamina D apresenta efeito direto sobre
depender dos níveis da vitamina D ativa do paciente. doenças cardiovasculares, como insuficiência cardíaca,
doença coronariana e hipertensão arterial. Portanto, é um
Os níveis adequados sugeridos pelos estudos, mostram que a importante aliado na prevenção de problemas cardíacos e na
suficiência de vitamina D ativa, se apresenta acima de 30 promoção da saúde dos pacientes.
ng/ml, sendo insuficiente entre 20 e 30 ng/ml e a deficiência
quando menor que 20 ng/ml.

Doenças associadas ao déficit de Vitamina D


A deficiência em vitamina D está associada a inúmeras
doenças, envolvendo problemas oncológicos,
cardiovasculares, respiratórios, metabólicos,
musculoesqueléticos, reumáticos, entre diversos outros
problemas de saúde. Isso ocorre devido a onipresença desta
vitamina em todos os tecidos do nosso corpo.

M E E T I N G E Q U A L I V - L E V A N D O E Q U I L Í B R I O C O M C I Ê N C I A 0 9
Suplementação de ômega-3
Suplementação de ômega-3 e
e creatina na saúde
creatina na saúde e no esporte
e no esporte.
Creatina e seu metabolismo
A creatina é um composto que desempenha um papel vital no
armazenamento e transporte de energia celular, na qual 95%
dessa molécula é encontrada no músculo. Apesar desse
composto poder ser encontrado na alimentação, a creatina é
considerada não essencial, ou seja, o nosso organismo pode
sintetizá-la. Assim, através de três aminoácidos, arginina,
glicina e metionina, a creatina é produzida, podendo ser
captada pelo músculo pela proteína CRT1. Nesse contexto,
torna-se interessante a suplementação de creatina em
conjunto com o consumo de carboidrato, pois a insulina está
relacionada a maior atividade desse transportador.

Dra. Daniel Coimbra

M E E T I N G E Q U A L I V - L E V A N D O E Q U I L Í B R I O C O M C I Ê N C I A 1 0
Mitos da creatina Sistema Imune
A história da suplementação da creatina sempre foi coberta Agora, quando falamos do sistema imunológico, a
por mitos. Dentre esses, muito se fala sobre a retenção hídrica suplementação de creatina tem provado alterar a produção
extracelular. Nesse contexto, a creatina é sim uma molécula e/ou a expressão de moléculas envolvidas nos
osmoticamente ativa e isso significa que haverá uma maior reconhecimentos de infecções, como receptores toll-like.
retenção hídrica. Contudo, a água irá se acumular no meio Assim, com a redução desses receptores, haverá uma menor
intracelular, trazendo benefícios e resultando na ativação de ativação, resultando na menor expressão de citocinas pró-
genes miogênicos, sendo esses relacionados ao maior inflamatórias e de marcadores da inflamação.
aumento da síntese de proteínas miofibrilares.

Será que a creatina pode melhorar a glicemia? Creatina no esporte


Quando falamos do aumento da concentração de creatina As maiores evidências da suplementação de creatina com
intramuscular, teremos como desfecho uma maior ativação da certeza se encontram na área esportiva. Nesse cenário,
via AMPK, influenciando positivamente a translocação de podemos prescrever esse composto em diferentes cenários.
GLUT4, sendo esse o transportador de glicose do meio extra De fato, a creatina apresenta um papel de potencializar o
para o intracelular. Assim, os estudos têm demonstrado que, mecanismo anaeróbio, resultando na melhora do desempenho
além da prática de exercícios físicos para a melhora da em sprints únicos ou repetidos, aumento da força e massa
glicemia, a suplementação de creatina pode potencializar muscular, síntese aprimorada de glicogênio, limiar anaeróbio
ainda mais esse processo, trazendo benefícios sobre a aumentado e maior deslocamento de ATP nas mitocôndrias.
tolerância à glicose e o glicogênio muscular. Logo, torna-se
interessante a suplementação em indivíduos resistência a
insulina ou pacientes DM2.
Um pouco sobre o ômega-3
Creatina e sistema nervoso O ômega-3 é uma família de ácidos graxos que apresentam
Já em relação ao sistema nervoso, diversos estudos têm uma ligação dupla entre o terceiro e o quarto átomo de
demonstrado possíveis funções secundárias da creatina. carbono. Em relação a sua principal função, esse ácido graxo
Nesse sentido, sua suplementação está relacionada à melhora atua como substrato de algumas enzimas, sendo elas a
da regeneração de ATP a nível cerebral. Além disso, seu ciclooxigenases (COX), lipoxigenases (LOX) e citocromo
consumo tem demonstrado potenciais sobre doenças P450, levando a produção de mediadores inflamatórios menos
neurodegenerativas, como o alzheimer e o parkinson, atuando potentes, associados a redução da inflamação.
principalmente nos processos neuroprotetores.

M E E T I N G E Q U A L I V - L E V A N D O E Q U I L Í B R I O C O M C I Ê N C I A 0 5
Assim, muitos estudos documentaram o papel anti- Ômega-3 no esporte
inflamatório do ômega-3 durante a endotoxemia. Logo, sua Agora no esporte, cada vez mais está sendo realizado estudos
suplementação demonstra-se estar relacionada com a sobre a influência do ômega-3 principalmente no processo de
redução da produção de TNF-alfa, interleucina IL-1 e IL-6, recuperação muscular. Nesse cenário, esse lipídio
frente a resposta a lipopolissacarídeos. Além disso, esses demonstrou influenciar a dor muscular de início tardio (DMIT).
PUFAS levam a estimulação da ativação do PPAR-Y, o qual Para quem não conhece, a DMIT é descrita como dano
interfere fisicamente na translocação de NF-kB para o núcleo, muscular estrutural que ocorre após o exercício e é
reduzindo assim os fatores inflamatórios. caracterizada por dor muscular elevada, com redução da
função e força, diminuindo assim o desempenho do atleta.
Ômega-3 na TPM Nesse contexto, os pesquisadores evidenciam que a
Além do contexto inflamatório, podemos citar diversas outras suplementação reduziu a DMIT. Além disso, novos estudos
atividades do ômega-3. Falando sobre sua ação no processo estão explorando o efeito do ômega-3 sobre a construção
da TPM, é demonstrado que sua suplementação está muscular.
relacionada com o aumento das concentrações de BDNF,
favorecendo a neurogênese e resultando na melhora dos
sintomas da TPM. Ademais, esse ácido graxo atua na fluidez
de membrana e na transdução da sinalização celular, logo sua
suplementação aumenta o número e função de receptores de
serotonina e dopamina, impactando positivamente nesses
neurotransmissores relacionados à emoção.

M E E T I N G E Q U A L I V - L E V A N D O E Q U I L Í B R I O C O M C I Ê N C I A 1 2
Meditação
O sofrimento e o estresse não são gerados pelos fatos que
acontecem na sua vida de modo isolado, mas sim pela forma
que você recebe esses fatos. Por isso, trocar as lentes pela
qual você interage com o mundo é um caminho que pode
auxiliar na redução dos sentimentos de angústia, vazio e
ansiedade.

O processamento mental mais sofisticado do ser humano faz


com que, nesse momento de fluxo grande de informações,
seja gerada uma pobreza de atenção, na qual faz com que o
ser humano se coloque no centro de infinitos problemas.
Dessa maneira, esquecemos de focar no momento presente e
acabamos remoendo os acontecimentos do passado e os
problemas que podem vir a acontecer.

Dr. Fábio Gabas

M E E T I N G E Q U A L I V - L E V A N D O E Q U I L Í B R I O C O M C I Ê N C I A 1 3
Como trocar uma mente turbulenta
Um primeiro passo e lembrete importante para tranquilizar a
mente é ter a consciência de que tudo passa. Ou seja, é
importante ter paciência para entender que sentimentos ruins
e de sofrimento vão passar, assim como aproveitar momentos
bons, pois eles também irão passar.

Outro aspecto importante é o conceito de humanidade


comum, que consiste em entender que a dor e o sofrimento,
por exemplo, são comuns entre as pessoas. Entender que
certas emoções são normais entre todas as pessoas, faz com
que você estabeleça outra relação com a suas emoções.

Por fim, a atividade de Mindfulness e atenção plena faz com


que você consiga enxergar de outra perspectiva emoções e
pensamentos que permeiam a sua cabeça. A observação de
pensamentos e emoções em uma terceira pessoa, muda o
impacto que elas têm sobre você, devido a uma perda de
identificação, na qual ajuda a criar outra dinâmica na hora de
lidar com os pensamentos.

M E E T I N G E Q U A L I V - L E V A N D O E Q U I L Í B R I O C O M C I Ê N C I A 1 4
Referências
GARCÍA-GARCÍA, Francesc Josep et al. Nutrition, Bioenergetics, and GARLAND, Cedric F. et al. What is the Dose-Response Relationship
Metabolic Syndrome. Nutrients, [S.L.], v. 12, n. 9, p. 2785-2795, 11 between Vitamin D and Cancer Risk? Nutrition Reviews, [S.L.], v. 65,
set. 2020. MDPI AG. http://dx.doi.org/10.3390/nu12092785. p. 91-95, 28 jun. 2008. Oxford University Press (OUP).
http://dx.doi.org/10.1111/j.1753-4887.2007.tb00349.x.
GOEDE, Paul de et al. Circadian rhythms in mitochondrial
respiration. Journal Of Molecular Endocrinology, [S.L.], v. 60, n. 3, p. LAPPE, Joan M; TRAVERS-GUSTAFSON, Dianne; DAVIES, K Michael;
115-130, abr. 2018. Bioscientifica. http://dx.doi.org/10.1530/jme-17- RECKER, Robert R; HEANEY, Robert P. Vitamin D and calcium
0196. supplementation reduces cancer risk: results of a randomized trial.
The American Journal Of Clinical Nutrition, [S.L.], v. 85, n. 6, p.
REAL-HOHN, Antonio et al. The synergism of high-intensity 1586-1591, 1 jun. 2007. Oxford University Press (OUP).
intermittent exercise and every-other-day intermittent fasting http://dx.doi.org/10.1093/ajcn/85.6.1586.
regimen on energy metabolism adaptations includes hexokinase
activity and mitochondrial efficiency. Plos One, [S.L.], v. 13, n. 12, p. GUALANO, Bruno et al. Creatine in type 2 diabetes: a randomized,
10-20, 21 dez. 2018. Public Library of Science (PLoS). double-blind, placebo-controlled trial. Medicine & Science in Sports
http://dx.doi.org/10.1371/journal.pone.0202784. & Exercise, v. 43, n. 5, p. 770-778, DOI: 2011.
https://doi.org/10.1249/mss.0b013e3181fcee7d
CERNEA, Ana et al. Prognostic networks for unraveling the biological
mechanisms of Sarcopenia. Mechanisms of ageing and development, MARTÍNEZ-FERNÁNDEZ, Leyre et al. Omega-3 fatty acids and
v. 182, p. 111129, 2019. adipose tissue function in obesity and metabolic syndrome.
https://doi.org/10.1016/j.mad.2019.111129. Prostaglandins & other lipid mediators, v. 121, p. 24-41,
2015.https://doi.org/10.1016/j.jnutbio.2018.02.012
HEIDELBAUGH, Joel J. et al. Overutilization of proton-pump
inhibitors: what the clinician needs to know. Therapeutic advances in KREIDER, Richard B.; STOUT, Jeffery R.. Creatine in Health and
gastroenterology, v. 5, n. 4, p. 219-232, 2012. Disease. Nutrients, [S.L.], v. 13, n. 2, 29 jan. 2021. MDPI AG.
https://doi.org/10.1177/1756283X12437358. http://dx.doi.org/10.3390/nu13020447

ZAGUE, Vivian et al. Collagen hydrolysate intake increases skin


collagen expression and suppresses matrix metalloproteinase 2
activity. Journal of medicinal food, v. 14, n. 6, p. 618-624, 2011.
https://doi.org/10.1089/jmf.2010.0085.

KUMAR, J. et al. Prevalence and Associations of 25-Hydroxyvitamin D


Deficiency in US Children: nhanes 2001-2004. Pediatrics, [S.L.], v.
124, n. 3, p. 362-370, 3 ago. 2009. American Academy of Pediatrics
(AAP). http://dx.doi.org/10.1542/peds.2009-0051.

M E E T I N G E Q U A L I V - L E V A N D O E Q U I L Í B R I O C O M C I Ê N C I A 1 5

Você também pode gostar