Você está na página 1de 6

Contratos

Formação contratual
Manifestação de vontade A primeira dá início à formação do contrato e
não depende, em regra, de forma especial.
 Primeiro e mais importante requisito de
 Partes envolvidas na formação do
existência do negócio jurídico. O que se
contrato: proponente e oblato.
considera é o momento objetivo, ou seja,
aquele em que a vontade se exterioriza  O proponente, também chamado
por meio da declaração. Assim, o de policitante, é a pessoa que emite a
requisito é a DECLARAÇÃO da vontade proposta (autor da proposta).
e não ela própria.  O oblato, também chamado de policitado,
 A manifestação da vontade pode ser é o destinatário da proposta. Ou seja, a
expressa ou tácita: quem a proposta é endereçada. 
 Na maior parte das vezes, a oferta é
1) Expressa quando a lei exige. antecedida de uma fase de negociações
2) O silêncio pode ser interpretado como preliminares, também denominada fase
manifestação tácita da vontade quando as da pontuação. Nesta fase, como as partes
circunstâncias ou os usos o autorizarem e ainda não manifestaram a sua vontade,
não for necessária a declaração expressa, não há nenhuma vinculação ao negócio.
e também quando a lei o autorizar (ex: Qualquer delas pode afastar-se,
doação pura), ou ainda quando tal efeito
simplesmente alegando desinteresse, sem
ficar convencionado em um pré-contrato.
Esse silêncio é chamado circunstanciado responder por perdas e danos.
ou qualificado.  Elas não geram, por si mesmas,
obrigações para qualquer dos
 O contrato é um negócio bilateral que
participantes, mas fazem surgir deveres
requer o acordo de vontades das partes
jurídicos para os contraentes, decorrentes
ou o consentimento que não é apenas
da incidência do princípio da boa-fé,
requisito de validade, mas assume
sendo os principais dos deveres de
condições de pressuposto essencial do
lealdade e correção, de informação, de
próprio ato.
proteção e cuidado e de sigilo.
 A violação desses deveres é que gera a
Negociações preliminares responsabilidade do contraente, tenha
sido ou não celebrado o contrato.
 A negociação preliminar é uma conversa
Responsabilidade essa que ocorre no
pré-contratual que ocorre antes da
campo da culpa aquiliana e não da
existência de um acordo de vontades, ou
contratual, somente no caso de um deles
seja, antes da formação de um contrato. 
induzir no outro a crença de que o
Obs: É importante destacar que a negociação contrato será celebrado, levando-o a
preliminar é diferente de contrato preliminar, despesas ou a não contratar com terceiro
pois neste último já podemos afirmar que existe etc. E depois recuar, causando-lhe dano.
um acordo de vontades. O contrato preliminar é Essa responsabilidade tem caráter
um contrato perfeito e acabado por meio do qual excepcional.
as partes se obrigam a, no futuro, celebrar outro
contrato que será considerado definitivo. Proposta
 O contrato resulta de 2 manifestações de
vontade:  A proposta é uma declaração de vontade
1) A proposta (oferta, policitação ou do proponente no sentido de contratar.  
oblação)
2) E a aceitação.
 A proposta é tratada normalmente como  A proposta deve conter todos os
sinônimo de policitação, e proponente elementos essenciais do negócio
como sinônimo de policitante. proposto, como preço, quantidade,
 Sendo assim, na fase da proposta podemos tempo de entrega, forma de pagamento,
verificar a existência de duas figuras: etc. Deve também ser séria e consciente,
1) Proponente ou policitante (autor da pois vincula o proponente. Deve ser ainda
proposta) clara, completa e inequívoca.
2) Oblato ou policitado (destinatário da
proposta) Art. 427. A proposta de contrato obriga o
proponente, se o contrário não resultar dos
Proposta X Oferta (CC) termos dela, da natureza do negócio, ou das
circunstâncias do caso.
 A proposta também pode ser encontrada
como sinônimo de oferta, mas,  A obrigatoriedade da proposta consiste no
normalmente, a proposta é dirigida a uma ônus, imposto ao proponente, de mantê-la
pessoa determinada e a oferta, a um por certo tempo a partir de sua efetivação
público incerto. e de responder por suas consequências,
por acarretar no oblato uma fundada
CC. Art. 429. A oferta ao público equivale a expectativa de realização do negócio. No
proposta quando encerra os requisitos essenciais entanto, a lei abre exceções a essa regra
ao contrato, salvo se o contrário resultar das (art. 428, CC):
circunstâncias ou dos usos.
Parágrafo único. Pode revogar-se a oferta I - se, feita sem prazo a pessoa presente, não foi
pela mesma via de sua divulgação, desde que imediatamente aceita - considera-se também
ressalvada esta faculdade na oferta realizada. presente a pessoa que contrata por telefone ou
por meio de comunicação semelhante;
 Oferta não é toda iniciativa ou
 O proponente não estará obrigado se o
manifestação de vontade no sentido de dar
oblato não aceitar, imediatamente, a
vida a um contrato, mas só a declaração
proposta. Mas, nesse caso, para que o
de vontade dirigida a uma parte à outra
proponente não esteja obrigado, a proposta
com a intenção de provocar uma adesão
deverá ter sido feita entre presentes e sem
do destinatário à proposta.
estipulação de prazo para sua aceitação.
 A oferta traduz uma vontade definitiva de
 A presença, nesse contexto, possui um
contratar nas bases oferecidas, não
aspecto temporal e não espacial. Quando
estando mais sujeita a estudos ou
as partes envolvidas são
discussões, mas dirigindo-se à outra parte
consideradas presentes significa dizer que
para que aceite ou não.
elas estão em contato naquele
 É uma declaração receptícia de vontade,
determinado momento (pessoalmente,
dirigida por uma pessoa a outra (com
por telefone...).
quem pretende celebrar um contrato), por
força da qual a primeira manifesta sua  Se o proponente estipular prazo para a
intenção de se considerar vinculada, se a aceitação da proposta, o oblato não
outra parte aceitar. precisará aceitar a proposta imediatamente.
Assim, o proponente continuará
 Cria no aceitante a convicção do contrato
obrigado à sua proposta.
em perspectiva, levando-o à realização de
projetos e às vezes de despesas e à
II - se, feita sem prazo a pessoa ausente, tiver
cessação de alguma atividade. Por isso,
decorrido tempo suficiente para chegar a
vincula o policitante, que responde por resposta ao conhecimento do proponente;
todas essas consequências, se
injustificadamente retirar-se do negócio.  O proponente não estará obrigado à
proposta, se tiver decorrido
tempo razoável para a resposta (aceitação desistiu da venda. Mariana não estará mais
ou não aceitação) chegar ao seu obrigada à proposta, não estará mais obrigada
conhecimento. a vender o celular por 100 reais.
 Nesse caso, para que o proponente não
esteja obrigado, a proposta deverá ter sido  A proposta de contrato não obriga o
feita entre ausentes e sem estipulação de proponente:
prazo para sua aceitação.
I) A proposta de contrato não obriga o
 Lembrando que "ausentes" significa
autor da proposta em decorrência de
distanciamento temporal entre elas, ou
seus próprios termos estipulados.
seja, não há uma comunicação imediata. 
 A doutrina entende que o prazo Ex: academia feminina informa que a
mencionado deverá ser mensalidade é de 150 reais (proposta). A
interpretado razoavelmente e de acordo proposta, nesse caso, não obriga a academia
com o caso em concreto. com relação a pessoas do sexo masculino. Isso
porque é uma academia que estabelece
contrato apenas com o público feminino.
Portanto, a academia não está obrigada a
III - se, feita a pessoa ausente, não tiver sido
cumprir a proposta de 150 reais (receber os
expedida a resposta dentro do prazo dado;
150 reais), de um homem. O mesmo ocorre
com barbearias que oferecem serviços apenas
 Sendo assim, para obrigar o proponente, ao público masculino.
a resposta (aceitação ou não da proposta)
do oblato tem que ter sido enviada dentro II) A proposta de contrato não obriga o
do prazo estipulado. proponente em decorrência de sua
própria natureza. 
Ex: Mariana manda um e-mail de manhã para
Luiza emitindo uma proposta a ela: “estou Ex: quando você passa em frente uma loja de
vendendo o meu celular por 100 reais. Você sapatos e vê escrito “promoção
quer comprar? Espero sua resposta até às válida enquanto durar o estoque!” (proposta).
19:00 horas de hoje”. Se Luiza enviar a Nesse caso, o proponente (loja de sapatos),
resposta aceitando a proposta até às 19:00 não estará mais obrigado à proposta quando o
horas, Mariana estará obrigada a vender o estoque do produto acabar. Se o estoque do
celular por 100 reais. Mesmo que Mariana produto acabar, não poderá ser exigido (pelo
receba a resposta depois da 19:00, ainda estará oblato) o cumprimento do preço promocional.
obrigada, pois Luiza enviou dentro do prazo
estipulado. Se Luiza enviar a resposta depois  A proposta de contrato não obriga o
das 19:00 Mariana não estará mais obrigada a proponente a depender das circunstâncias
vender seu celular por 100 reais. do caso (art. 428, já visto)

IV - se, antes dela, ou simultaneamente, chegar Proposta X oferta (CDC)


ao conhecimento da outra parte a retratação do  Regulamenta a proposta nos contratos que
proponente. envolvem relações de consumo. A
distinção básica é a destinação do CDC à
 O proponente poderá se retratar (desistir) contratação em massa, como regra geral.
da proposta realizada, desde que a  No tocante aos efeitos, a recusa indevida
retratação chegue ao conhecimento do de dar cumprimento à proposta dá
oblato antes da própria proposta ou, pelo ensejo à execução específica, consistindo
menos, junto com ela. opção exclusiva do consumidor a
resolução em perdas e danos.
Ex: Mariana manda uma carta para Luiza  Além de poder preferir a execução
emitindo uma proposta a ela: “estou vendendo específica, o consumidor pode optar por,
o meu celular por 100 reais. Você quer em seu lugar, aceitar outro produto ou
comprar? Mas, antes de a carta chegar na casa prestação de serviço equivalente, ou por
de Luiza, Mariana liga pra ela falando que rescindir o contrato, com direito à
restituição de quantia eventualmente  Nesse caso, o proponente
antecipada, monetariamente atualizada, e
estará desobrigado da proposta, pois teve
a perdas e danos.
sua expectativa frustrada
 Toda informação ou publicidade,
suficientemente precisa, veiculada por  No entanto, o proponente deverá
qualquer forma ou meio de comunicação comunicar ao aceitante a respeito da não
com relação a produtos ou serviços formação do contrato, sob pena de
oferecidos ou apresentados, obriga o responder por perdas e danos.
fornecedor, integrando o contrato.
 Se o fornecedor recusar a dar Aceitação X Nova proposta
cumprimento à sua oferta, o
Art. 431.  A aceitação fora do prazo,
consumidor poderá exigir,
com adições, restrições, ou modificações,
alternativamente, o cumprimento forçado
da obrigação, um produto equivalente ou importará nova proposta.
ainda a rescisão do contrato, recebendo
perdas e danos.  Para que possamos falar
em aceitação da proposta, é necessário
que a mesma seja tempestiva (dentro do
Aceitação prazo) e integral (sem modificações).
 A aceitação consiste na declaração de Caso contrário não há que se falar em
vontade do oblato (destinatário da aceitação e sim em nova proposta.
proposta) de que aceita aos termos da
proposta recebida. 
 Os polos da relação contratual se
invertem: o aceitante passa a ser o autor da
 Então, podemos afirmar que a aceitação nova proposta e o proponente se torna o
ocorre quando o oblato adere ao contrato, destinatário da nova proposta.
o que o torna obrigado ao mesmo. 
Ex: Mariana manda um e-mail para Luiza
 Se apresentada fora do prazo, com
emitindo uma proposta a ela: “Estou vendendo
adições, restrições, ou modificações,
o meu celular por 100 reais. Você quer
importará nova proposta.
comprar? Espero sua resposta até às 19:00
(contraproposta).
horas de hoje”. Para que a aceitação da
 Pode ser expressa ou tácita. A primeira proposta por Luiza seja válida, ela terá que
decorre de declaração do aceitante, enviar sua resposta até às 19:00 horas
manifestando a sua anuência; a segunda, (tempestivo), concordando em pagar os 100
de sua conduta, reveladora do reais (integral). Se Luiza enviar a resposta
consentimento. depois das 19:00 horas (fora do prazo) ou
Circunstâncias imprevistas responder que quer pagar outro valor (não
integral), a resposta será considerada
Art. 430. Se a aceitação, por circunstância uma nova proposta e Mariana estará na
imprevista, chegar tarde ao conhecimento do posição de aceita-la ou não.
proponente, este comunicá-lo-á imediatamente ao
aceitante, sob pena de responder por perdas e Aceitação tácita
danos. Art. 432. Se o negócio for daqueles em que não
seja costume a aceitação expressa, ou o
 Durante a formação de um contrato pode
proponente a tiver dispensado, reputar-se-á
ocorrer a seguinte situação: o oblato recebe
concluído o contrato, não chegando a tempo a
a proposta, aceita e encaminha sua
recusa.
aceitação para o proponente a
tempo (dentro do prazo). Entretanto, por Nem sempre a aceitação precisa ser
circunstâncias imprevistas, a aceitação
expressa, pois a lei admite a
pode demorar para chegar ao
chamada aceitação tácita. 
conhecimento do proponente. 
Há casos em que o silêncio pode ser
pelo proponente. (Quando Mariana
recebe a resposta que Luiza aceitou
interpretado como aceitação. Por
comprar o celular).
exemplo, quando o proponente dispensar a
necessidade de uma aceitação expressa. 
Art. 434 do Código Civil, podemos afirmar que o
Dessa forma, a eventual recusa da mesmo adota, em regra, a teoria da expedição
proposta deverá ser comunicada a (envio da aceitação)
tempo, sob pena de se considerar
concluído e formado o contrato.  EXCETO:

 Se houver retratação da aceitação: 

Quando o contrato estará celebrado? Art. 433. Considera-se inexistente a aceitação, se


antes dela ou com ela chegar ao proponente a
 Assim como na proposta, a retratação do aceitante – arrependimento do
aceitante. Não há formação do contrato, desde a
aceitação poderá ocorrer entre presentes
expedição, porque o aceitante se arrependeu.
(quando as partes podem se comunicar
imediatamente) ou entre ausentes (quando
as partes não podem se comunicar
 Se o proponente se houver
imediatamente). comprometido a esperar resposta.

 Se as partes estiverem presentes,


Nesse caso, o contrato se forma com
o recebimento da aceitação pelo proponente e
assim que o oblato aceitar imediatamente não com o envio da resposta – aplicação
a proposta, o contrato estará formado. da teoria da recepção. Não há formação do
Mas, a partir de que momento podemos contrato, desde a expedição. Haverá a
considerar que um contrato está celebrado entres formação de contrato a partir do recebimento.
ausentes?
 Se a resposta do aceitante não tiver
 Para respondermos essa pergunta chegado no prazo acordado.
deveremos analisar as seguintes teorias. Para que a aceitação se forme, não basta
I) Teoria da cognição: o contrato se expedir a resposta no prazo. É preciso que a
forma com o conhecimento da
resposta chegue e seja recebida pela outra
aceitação pelo proponente. (Quando
parte (proponente) no prazo que ela se
Mariana fica sabendo que Luiza
comprometeu a esperar. Não há formação do
aceitou comprar o celular).
contrato, desde a expedição. Haveria a
II) Teoria da declaração: o contrato se
formação do contrato a partir do
forma com a declaração da aceitação.
recebimento se  a aceitação tivesse chegado
(Quando Luiza declara que aceitou
no prazo acordado.
comprar o celular).
III) Teoria da expedição: o contrato se Obs: Adota-se como regra geral a teoria da
forma com a expedição (envio) da expedição da aceitação, para se considerar como
aceitação. (Quando Luiza envia a formado o contrato. Entretanto, na maioria dos
resposta para Mariana de que aceitou casos, verificamos a aplicação da teoria da
comprar o celular). recepção... formando-se o contrato quando
IV) Teoria da recepção: o contrato se recebida a resposta (aceitação).
forma com o recebimento da aceitação

Observações adicionais

Você também pode gostar