Você está na página 1de 3

Cuidados com a saúde – Relação entre diabetes e exercício

físico
https://bit.ly/2SEeyqE

Diabetes: praticar exercício físico é tão importante quanto medicamento (disponível em: bit.ly/3lmaMyx)

Embora o diabetes geralmente seja associado apenas ao tratamento medicamentoso e à mudança dos
hábitos alimentares, a prática de atividades físicas também deve ser considerada um tipo de terapia para a
doença. "O exercício é tão obrigatório quanto tomar remédio", diz João Salles, vice-presidente da Sociedade
Brasileira de Diabetes e professor da Faculdade de Medicina da Santa Casa, de São Paulo. O endocrinologista
comparou os cuidados da doença a uma cadeira, na qual cada pé tem sua devida importância: o tratamento, a
educação do diabetes, a reeducação alimentar e o exercício físico. "Infelizmente, hoje essa cadeira não se
mantém em pé no Brasil. As pessoas precisam entender que são necessários pelo menos três desses itens para
conviver com a condição, e quatro deles para viver confortável com ela", explica o médico

Insulina natural

A prática de exercício físico melhora o controle metabólico tanto do diabetes tipo 1 quanto do tipo 2. Isso
porque a atividade expõe a célula muscular a um trabalho e automaticamente essa célula começa a captar glicose
independentemente de insulina. "O diabetes é a falta da insulina, mas quando você a repõe, a glicose cai. A
diferença aqui é que o exercício faz a glicose cair sozinha", conta Salles.

O ideal é seguir a recomendação da OMS (Organização Mundial da Saúde): fazer 150 minutos de exercício
por semana. Mas não pense que, para atingir essa meta, basta caminhar 30 minutos por dia. De acordo com o
endocrinologista, é preciso realizar treinos aeróbicos, como corrida e natação, e anaeróbicos, como a musculação.
"Enquanto o aeróbico queima aquela glicose que está em excesso, tendo uma ação mais curta, o resistido
melhora a massa muscular como um todo, que é justamente onde o corpo pega a glicose. Nesse caso, o resultado
é mais duradouro."

Segundo Marco Petti, diretor médico e chefe de pesquisa clínica da Novo Nordisk, movimentar-se também
diminui o tecido gorduroso periférico, que está associado ao aumento da resistência à insulina, ou seja, o controle
da doença se torna melhor. "O impacto da atividade física na terapia é nítido. Nós acompanhamos um time de
ciclistas com diabetes tipo 1. Para se ter uma ideia, no dia em que eles pedalam, chegam a usar uma aplicação de
insulina por dia, quando em um dia normal usam cinco", conta ele.

Riscos e cuidados

Por causa do tratamento com a insulina, quem tem a diabetes deve A hipoglicemia ocorre por
tomar cuidado ao praticar atividades físicas. "Alguns tipos de insulina têm hiperinsulinização exógena pré-
picos, o que aumenta os riscos de hipoglicemia. Como o músculo queima a exercício aeróbico, pela taxa
glicose na hora do exercício, se o paciente aplicar uma injeção, vai sofrer inadequada de insulina/glucagon ou
uma hipoglicemia", explica Salles. pelo aumento da sensibilidade à
insulina.
É por esse motivo que é preciso fazer uma consulta com um médico
antes de começar a se mexer, para saber quando e onde tomar -- injeções Sintomas: fraqueza, tontura, tremor,
na barriga podem diminuir os riscos de hipoglicemia, já que a glicose sonolência, sudorese, fome,
demora mais para ser absorvida do que quando é aplicada na perna-- ou se confusão, agressividade.
deve se alimentar de outra forma antes do treino, como comer um
carboidrato.

"Depende muito de cada caso, mas isso não deve impedir ninguém de sair do sofá", garante o médico. "O
problema maior é não se exercitar."
Escola/Colégio:

Disciplina: Ano/Série:

te:

LISTA DE EXERCÍCIOS

1) (ENEM 2012) Uma pesquisa foi realizada com a intenção de conhecer o que as pessoas sabem sobre o diabetes.
Nela, utilizou-se um questionário com 16 perguntas, respondidas pelas pessoas na entrada de estações do metrô
de São Paulo. Os gráficos a seguir mostram, respectivamente, os percentuais de respostas dadas às seguintes
perguntas do questionário: “Você conhece alguém com diabetes?” e “Caso conheça, indique onde.”

O percentual do número de entrevistados que


conhecem pessoas diabéticas na escola é mais
aproximado por
a) 6%
b) 15%
c) 37%
d) 41%
e) 52%

2) (ENEM 2015) Obesidade causa doença


A obesidade tornou-se uma epidemia global, segundo a Organização Mundial da Saúde, ligada à Organização das
Nações Unidas. O problema vem atingindo um número cada vez maior de pessoas em todo o mundo, e entre as
principais causas desse crescimento estão o modo de vida sedentário e a má alimentação. Segundo um médico
especialista em cirurgia de redução de estômago, a taxa de mortalidade entre homens obesos de 25 a 40 anos é
12 vezes maior quando comparada à taxa de mortalidade entre indivíduos de peso normal. O excesso de peso e
de gordura no corpo desencadeia e piora problemas de saúde que poderiam ser evitados. Em alguns casos, a boa
notícia é que a perda de peso leva à cura, como no caso da asma, mas em outros, como o infarto, não há solução.
FERREIRA, T. Disponível em: http://revistaepoca.globo.com. Acesso em: 2 ago. 2012 (adaptado).
O texto apresenta uma reflexão sobre saúde e aponta o excesso de peso e de gordura corporal dos indivíduos
como um problema, relacionando-o ao:
a) padrão estético, pois o modelo de beleza dominante na sociedade requer corpos magros.
b) equilíbrio psíquico da população, pois esse quadro interfere na autoestima das pessoas.
c) quadro clínico da população, pois a obesidade é um fator de risco para o surgimento de diversas
doenças crônicas.
d) preconceito contra a pessoa obesa, pois ela sofre discriminação em diversos espaços sociais.
e) desempenho na realização das atividades cotidianas, pois a obesidade interfere na performance.