Você está na página 1de 3

Danças de salão: nos passos do Forró

A palavra forró

A primeira versão, talvez a mais conhecida, é que o termo surgiu no final do


século XIX, nas construções das estradas de ferro no Nordeste pelos ingleses. Eles
faziam festas frequentemente, que não eram abertas à população. Quando a festa era
aberta a todos, escrevia-se na entrada "For All“, isto é, "para todos“. Assim, o termo
forró teria surgido da variação da pronúncia da expressão inglesa.
A segunda versão é muito parecida, porém, quem realizariam as festas seriam os
soldados norte-americanos durante a Segunda Guerra Mundial: 1939- 1945.
A terceira versão, é apresentada por Aurélio Buarque de Holanda, dicionarista e
crítico literário, que "forró" é a contração de "forrobodó“.
O termo forrobodó - expressão africana que significa "algazarra", "festa para a
ralé", "arrasta-pé”. Inclusive esse termo é mais antigo que as duas outras versões.

Dançado em pares, o forró é uma dança popular de origem nordestina. Esta dança é
acompanhada de música, que possui o mesmo nome da dança. A música de forró possui
temática ligada aos aspectos culturais e cotidianos da região Nordeste do Brasil.
A música de forró é acompanhada dos seguintes instrumentos musicais: triângulo,
sanfona e zabumba.
https://bit.ly/31haUbH

O forró é uma expressão artística genuinamente nordestina. Por ser uma forma de
manifestação cultural ampla, o termo Forró tem diversos significados e pode servir tanto
para designar o ritmo musical, o estilo de dança e mesmo a festividade em que acontece.

Sua origem tem relação com bailes populares que eram realizados no final do século
XIX e eram chamados de "forrobodó", "forrobodança" ou "forrobodão". Naquele tempo era
preciso molhar o piso do local onde essas festas aconteciam, pois eles eram feitos de
"chão batido", ou seja, não havia revestimento, somente terra.As pessoas costumavam
dançar arrastando os pés, a fim de evitar que a poeira levantasse, daí o termo rastapé ou
arrasta- pé.
Uma das principais características do forró é o ato de arrastar os pés durante a dança. Ela
é realizada por casais, que dançam com os corpos bem colados, transmitindo
sensualidade.

Alguns subestilos de forró

Baião: veio do lundu e era dançado em roda; representado pelo estilo Luiz Gonzaga.

Xote: de origem europeia, passou dos salões aristocráticos do final do século XIX para as
festas populares urbanas e regiões rurais do país.

Côco: de origem nas praias, uma dança de roda do Norte e Nordeste do Brasil.

Xaxado– dança do agreste e sertão pernambucanos, cujo nome vem do som que os
sapatos faziam no chão ao se dançar; dançado inicialmente apenas por homens,
popularizou-se com os cangaceiros do grupo de lampião.

Quadrilhas juninas: de tradição europeia e natureza rural, passou a ser praticada, já


desde a Corte Imperial, por pares de dançarinos em fileiras, com graus diferentes na sua
forma, se praticada em salões ricos e pobres; atualmente é lembrada nas festas Juninas.

Algumas categorias dos “forrós” conhecidos atualmente:

Forró Pé-de-serra (FPS): caracterizado por ter como fonte de inspiração artística o
universo rural do sertanejo. Tem origem em meados da década 1940, no Nordeste. A
música é tocada e embalada pelo trio: zabumba, sanfona e triângulo. Na dança, é comum
vermos o passo básico e variações simples, tais como giros simples da dama (não muito
frequentes). Luiz Gonzaga, Jackson do Pandeiro e Dominguinhos são exemplos de
músicos que tocam FPS.

Forró Universitário (FU): surgiu quando os jovens sulistas começam a tocar e a dançar o
FPS de maneira diferente da original, com influências do Rock`n Roll, do Samba, do Funk
e do Reggae, nas décadas de 1990/2000. Estas influências introduziram características
peculiares no passo básico (marcação atrás) e em variações, tais como giros mais
complexos, que passam a não ser somente da dama e são frequentes. A FU é constituído
principalmente por três danças constituintes do FPS: baião, xote e menos frequente, o
xaxado. Na música, além da zabumba, sanfona e triângulo há a introdução de
instrumentos como violão, contrabaixo e percussão (os mais comuns) além de bateria,
entre outros. Entre as bandas que tocam o FU, encontramos Fala Mansa e Rastapé.

Forró Eletrônico (FE): também originado na década 1990, mostra uma linguagem
estilizada e um visual chamativo, com grande destaque para os instrumentos eletrônicos:
guitarra, contrabaixo e o órgão eletrônico. A dança também tem seu estilo, com passos
para frente e para trás, passos mais complexos que envolvem o "balanço" do corpo da
mulher, os giros e as movimentações. Entre os artistas encontramos Frank Aguiar e
Wesley Safadão.

Benefícios proporcionados pela dança do Forró


 Trabalha todo o corpo;
 Melhora a postura;
 Trabalha a flexibilidade, a força e a coordenação do corpo;
 Promove o bem estar, diminuindo sensações de estresse, tensão e ansiedade;
 Melhora o condicionamento cardiovascular e a resistência;
 Pode ser praticada por crianças, jovens, adultos e idosos.
Escola/Colégio:
Disciplina: Ano/Série:
Estudante:

LISTA DE EXERCÍCIOS
AULA 20

1) Dançado em pares, o forró é uma dança popular de origem nordestina. Esta dança
é acompanhada de música, que possui o mesmo nome da dança. A música de forró
possui temática ligada aos aspectos culturais e cotidianos da região Nordeste do Brasil
e é acompanhada por instrumentos musicais que são característicos da região. Quais
instrumentos são esses?

a) Triângulo, sanfona e zabumba.


b) Berimbau, piano e violão.
c) Pandeiro, piano e sanfona.
d) Triângulo, sanfona e piano.

2) A origem do Forró tem relação com bailes populares que eram realizados no final
do século XIX e eram chamados de "forrobodó", "forrobodança" ou "forrobodão".
Esse estilo de dança é marcado por ter como principal característica:

a) Poder dançar solto ou em roda.


b) Possuir três marcações bem definidas, sendo a primeira mais forte e
duas seguintes mais leves e rápidas.
c) O ato de arrastar os pés durante a dança. Esta é realizada por casais,
que dançam com os corpos bem colados, transmitindo sensualidade.
d) Sua coreografia possui características comuns, com nomes e ritmos fixos
para cada marca, que podem ser bailadas (dançadas) ou batidas
(sapateadas), variando somente as melodias e textos.