Você está na página 1de 15

“OS MAIAS”

Realismo e Naturalismo

2011/2012 Álvaro Brasil e Carolina Costa


Índice

REALISMO
(Definição,
surgimento, porque
surge, influencias, em
Portugal, algumas
características)
EÇA DE QUEIROZ
(como trata o realismo
e naturalismo)
NATURALISMO
(Definição,
surgimento, porque
surge, influencias, em
Portugal, algumas
características)
Realismo
(Definição, surgimento, porque surge,
influencias, em Portugal, algumas
características)
Realismo

 O Realismo é um movimento literário;


 Surgiu na segunda metade do séc.XIX, na
Europa, mais propriamente em França;
 Pelas transformações que ali se operavam
no âmbito econômico, político, social e
científico surge como reação ao idealismo e
ao subjetivismo emocional romântico.
 Preocupa-se com a verdade dos factos, a
realidade concreta e com a explicação lógica
dos comportamentos.
 Procura ver a realidade de forma objetiva.
 Como movimento da arte e da literatura,
procura representar o mundo exterior de uma
forma digna de fé, sem interferência de
reflexões intelectuais nem preconceitos.
Em Portugal
 A partir de 1860, uma reviravolta intelectual
portuguesa: o Romantismo está agonizante.
 Coimbra é o abrigo de jovens revolucionários
influenciados pelas ideias
de Proudhon, Quinet, Taine, Renan, etc.
 Em 1861, Antero de Quental funda a
Sociedade do Raio e em 1865 edita Odes
Modernas.
Naturalismo
(Definição, surgimento, porque surge,
influencias, em Portugal, algumas
características)
Naturalismo
 Naturalismo é uma escola literária conhecida
por ser a radicalização do Realismo.
 Baseia-se na observação fiel da realidade e
na experiência, mostrando que o indivíduo é
determinado pelo ambiente e
pela hereditariedade.
EÇA DE QUEIROZ
Eça de Queiroz

• Foi influenciado pelos


lugares onde passou.
• Viveu em Cuba,
Inglaterra e França
(onde faleceu).
• Inspirando-se nas suas
viagens, notas que
escrevia, lugares onde
viveu e pessoas à sua
volta.
• Antero de Quental foi
Eça de Queiroz – Literatura

 Linguagem perfeita;
 Mostra a classe dominante do seu tempo de
uma maneira impecável e com humor;
 Domínio estético do idioma;
 Vocabulário rico e bem humorado;
 Sempre extremamente realista;
 Critica a escravidão monetária e de bens
materiais;
 Ridicularizou-se a si mesmo.
Eça de Queiroz – Principais
Obras

 O Crime do Padre Amaro (1875);

 Os Maias (1888);

 O Primo Basílio (1878).


Eça de Queiroz – Os Maias

 Obra mais conhecida do autor;


 Publicado no Porto em 1888;
Resumo – Os Maias

• Tudo começa com a descrição da casa – “O ramalhete”- Lisboa, mas


que nada tem de fresco ou de campestre.
• O nome vem-lhe de um painel de azulejos com um ramo de girassóis.
• Afonso da Maia casou-se com Maria Eduarda Runa e do seu
casamento resultou apenas um filho - Pedro da Maia.
• Pedro da Maia, que teve uma educação tipicamente romântica, era
muito ligado à mãe e após a sua morte ficou inconsolável, tendo só
recuperado quando conheceu uma mulher chamada Maria Monforte,
com quem casou, apesar de Afonso não concordar.
• Deste casamento resultaram dois filhos: Carlos Eduardo e Maria
Eduarda.
• Algum tempo depois, Maria Monforte apaixona-se por Tancredo (um
italiano que Pedro fere acidentalmente e acolhe em sua casa) e foge
com ele para Itália, levando consigo a filha, Maria Eduarda.
• Quando sabe disto, Pedro, destroçado, vai com Carlos para casa de
Afonso, onde comete suicídio.
 Carlos fica na casa do avô, onde é educado à inglesa (tal como
Afonso gostaria que Pedro tivesse sido criado).
 Passam-se alguns anos e Carlos torna-se médico - abre um
consultório.
 Mais tarde conhece uma mulher no Hotel Central num jantar
organizado por Ega (seu amigo dos tempos de Coimbra) em
homenagem a Cohen.
 Essa mulher vem mais tarde saber chamar-se Maria Eduarda.
 Os dois apaixonam-se.
 Carlos crê que a sua irmã morreu. Maria Eduarda crê que apenas
teve uma irmãzinha que morreu em Londres.
 Os dois namoram em segredo.
 Carlos acaba depois por descobrir que Maria lhe mentiu sobre o
seu passado – podiam ter-se zangado definitivamente.
 Guimarães vai falar com João de Ega, e dá-lhe uma caixa que diz
ser para Carlos ou para a sua irmã Maria Eduarda.
 Aí Ega descobre tudo, conta a Vilaça (procurador da família Maia)
e este acaba por contar a Carlos o incesto que anda a cometer.