Você está na página 1de 4

“Esse livro do Dawkins é uma auto-ajuda para ateus inseguros”

IHU Online

No ponto de vista do filósofo Luiz Felipe Pondé, Deus, um delírio, de Dawkins, não passa de um libelo
político. Ele explica o motivo: “Não há idéias novas no sentido da biologia darwinista ou sua concepção
cosmológica; sua intenção é convencer a neo-esquerda (mistura de iluminismo anti-clerical +
foucaultismo das minorias oprimidas) de que o darwinismo não tem a política ‘de direita’ do darwinismo
social, mas sim é uma teoria que liberta do medo da opressão metafísica de uma autoridade louca como
Deus”. A entrevista, exclusiva, foi concedida neste final de semana, por e-mail, à IHU On-Line. Pondé não
acha necessária uma explicação que polarize fé e razão no sentido “esclarecimento x escuridão”. Essa
postura, dispara, “é para iniciantes que acreditam na utopia racionalista moderna”, e completa: “Esse
livro do Dawkins é uma auto-ajuda para ateus inseguros”.

Pondé leciona no Programa de Estudos Pós-graduados em Ciências da Religião e do Departamento de


Teologia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), na Fundação Armando Álvares
Penteado (FAAP) e na Escola Paulista de Medicina (UNIFESP), além ser professor convidado na
Universidade de Varsóvia em 2007. Mestre em História da Filosofia Contemporânea pela USP e em
Filosofia Contemporânea pela Université de Paris VIII, França, é doutor em Filosofia Moderna, pela USP,
e pós-doutor, pela Universidade de Tel Aviv, Israel. Escreveu O homem insuficiente (São Paulo: EDUSP,
2001); Crítica e profecia, filosofia da religião em Dostoiévski (São Paulo: Editora 34, 2003); e
Conhecimento na desgraça. Ensaio de epistemologia pascaliana (São Paulo: EDUSP, 2004). No livro No
limiar do mistério. Mística e religião (São Paulo: Paulinas, 2004), organizado por Faustino Teixeira, Pondé
publicou o artigo “O método de Deus”. Na edição 133 da IHU On-Line, de 21-03-2005, cujo tema de capa
foi Delicadezas do mistério. A mística hoje, Pondé concedeu com exclusividade a entrevista “A mística
judaica”. À IHU On-Line concedeu, também, as entrevistas “Parricídio, niilismo e morte da tradição”,
quando falou sobre Dostoiévski, na edição 195, de 11-09-2006, e “A fé é dada pela Graça”, na edição 209,
de 18-12-2006.

IHU On-Line - Poderia explicar com detalhes sua idéia de que o livro de Dawkins não passa de um libelo
político? O que quer dizer com isso?

Luiz Felipe Pondé - Não há idéias novas no sentido da biologia darwinista ou sua concepção cosmológica;
sua intenção é convencer a neo-esquerda (mistura de iluminismo anti-clerical + foucaultismo das
minorias oprimidas) de que o darwinismo não tem a política “de direita” do darwinismo social, mas sim
é uma teoria que liberta do medo da opressão metafísica de uma autoridade louca como Deus. O ateu
pode sair do armário, como ele diz, e será feliz. Essa idéia é melhor apresentada por gente como
Nietzsche, Rosset , Gracian , e todos os trágicos, sem a tentativa de cooptar os pequenos desejos de
felicidade banal da gente contemporânea. Seu iluminismo é aquele que pensa que a confessionalidade
atéia nos deixa mais felizes. Por definição, não levo a sério ninguém que associa suas idéias e venda

de alegria, mesmo que supostamente dolorida.

IHU On-Line - Vivemos numa época na qual se corre o risco de abandonarmos a crença em Deus para
abraçarmos uma crença antropocêntrica? O que isso demonstra a respeito de nossa sociedade?

Luiz Felipe Pondé - Nada além da tendência do pecado (falando teologicamente). Do ponto de vista
judaico, pecar é errar o alvo: queremos acertar o alvo de sermos o centro do mundo e independentes de
Deus, mas acertamos o alvo da coisficação (em hebraico clássico, 'morte = o ques'... coisa, objeto...).
Historicamente, o antropocentrismo é figura de nosso banal desespero em termos de um cérebro que
pensa mais do que agüenta e, por isso, acaba buscando formas que o acalmem. Teologicamente, é
idolatria. Filosoficamente, o antropocentrismo é simples empobrecimento epistêmico, Deus é o melhor
de todos os conceitos, e o contato com Ele nos torna mais inteligentes. A prova é que o
antropocentrismo foi obrigado a cair no Dawkins político e as variadas formas de auto-ajuda.
Pessoalmente, só respeito a filosofia trágica, além, é claro, aquela que dialoga com Deus. Quanto à nossa
socidedade, talvez uma coisa boa fosse pararmos

de pensar em termos político-sociais. O futuro do antropocentrismo é a mania de políticas públicas +


publicidade auto-ajuda. Isso é matemático.

IHU On-Line - A paixão pela razão pode ser um elemento explicativo para esse comportamento? Por
quê?

Luiz Felipe Pondé - Só se pensarmos em “razão” no sentido reduzido de causa-efeito empiricamente


perceptível e suas funções instrumentais.

IHU On-Line - O niilismo em suas diversas nuances é conseqüência dessa postura fundamentalista atéia
que presenciamos?

Luiz Felipe Pondé - O niilismo ou é aquilo que Nietzsche critica (melancolia covarde de ressentidos sem
fé) ou arrogância que vai do cinismo à mentira revolucionária do homem que se auto-funda (a neurose
de Adão), niilismo russo descrito por Turgueniev e Dostoiévski. Acho que o niilismo pode ser um
conceito essencial como experiência da transcendência para o nada, aquilo que a razão e a consciência
encontram quando operam sua mecânica escatológica cética e percebem o não

fundamento de si mesmas... a experiência do deserto: o olhar no olhos do vazio que nos habita. Nesse
sentido, tanto psicológico quanto teológico, é terapêutico.
IHU On-Line - Como podemos compreender o “flerte” de Dawkins com alguns totalitarismos do
presente?

Luiz Felipe Pondé - Nada além da repetição de tentarmos deduzir o mundo e suas múltiplas faces a partir
de idéias que algumas pessoas têm em seus escritórios e acham que todo mundo deve se organizar a
partir delas. Contra ele, Edmund Burke : temos os sofistas, calculadores da perfectibilidade humana e os
economistas. Qualquer um que ache que exista uma lógica da felicidade passível de se formular em duas
ideais é totalitário, principalmente quando oferece a ciência como fundamento: quando a ciência sai do
laboratório, ela é sempre opressora.

IHU On-Line - O ateísmo chique de Dawkins reedita o embate fé-razão. Por que é importante definir
quais dos dois campos está correto na explicação da origem da vida?

Luiz Felipe Pondé - Não acho que seja necessário uma explicação que opere em uma das pontas. Não
partilho da idéia de que exista tal oposição, pelo menos nos moldes de como é colocado (esclarecimento
x escuridão, por exemplo, o que é pra iniciantes que acreditam na utopia racionalista moderna). Dawkins
não é elegante em seu ateísmo. O darwinismo é elegante em sua tentativa de negar o argumento de
Aristóteles ao design inteligente, e acho que devemos enfrentar essa elegância. Nietzsche é um “ateu
elegante”, Freud também. Esse livro do Dawkins é uma auto-ajuda para ateus inseguros.

IHU On-Line - Como você, pessoalmente, entende a relação entre esses dois campos? Como
complementaridade ou exclusão?

Luiz Felipe Pondé - Como disse acima, não reconheço essa oposição. Proponho a leitura de Raison et foi,
de Alain de Libera : essa oposição é típica das más soluções que a teologia do século XIII em diante deu
para a relação com Aristóteles e sua herança medieval dos “filósofos artisans e não teólogos”. Como
sempre, como diria Heine sobre os teólogos de sua época, “só se é traído pelos seus, assim como hoje
vemos a teologia orar aos pés da sociologia e das modas políticas foucaultianas. Não há oposição entre
fé e razão. Há uma relação de trabalho entre elas, ainda mais porque são centros de atividade do mesmo
animal, o ser humano. O fato que alguns homens e mulheres têm fé e outros não é um problema da
psicologia e da teologia da personalidade. Quando fé e razão estão postas na mesma pessoa, e aí não
falta repertório ou não abunda o medo, o diálogo é sempre rico, mas nem sempre fácil.

IHU On-Line - Qual seria seu contra-argumento à afirmação de Dawkins de que as religiões são nocivas
ao bem-estar da humanidade?

Luiz Felipe Pondé - A filosofia do bem-estar é utilitarismo. A preocupação com o bem-estar leva o
homem à burrice e a ontologia da vida como empresa e eficácia. Não há evidências empíricas de que a
humanidade sem a fé seria mais feliz. A humanidade é infeliz e, como eu disse antes, não levo a sério
filósofos preocupados com o bem-estar na humanidade: afinal o que é isso? Vivemos há

algum tempo já numa filosofia do bem-estar: TV a cabo, liberdades sexuais, suposição democrática,
antibióticos. Falta ao bem-estar de Dawkins a sutileza de quem pensa o ser humano como animal ferido
que é. Como diria Chesterton , não há problema em não se acreditar em Deus; o problema é que se
acaba sempre acreditando em alguma besteira, como, por exemplo, no bem-estar da

humanidade.

Você também pode gostar