Você está na página 1de 6

Livro revela o cinema segundo Vinicius de Moraes

O Cinema dos Meus Olhos reúne as crônicas e comentários do poetinha sobre a sétima arte
Publicado em 15/02/2016, às 05h38

 A

 A

Diogo Guedes

Orson Welles e Vinicius de Moraes se encontraram no Recife e em Los Angeles


Divulgação
“Ser bom fã não é só gostar de ir ao cinema. É preciso também saber ir ao cinema.” O tom da
crônica de Vinicius de Moraes – sim, a sétima arte foi mais um dos interesses do insaciável
poeta – mostra bem a sua aproximação dos filmes: com reverência, algum humor e, quase
sempre, alguma polêmica. O volume O Cinema dos Meus Olhos (Companhia das Letras),
organizado por Carlos Augusto Calil, revela a sua paixão (com erros e homenagens sinceras,
como o próprio amor evocado tanta vezes por Vinicius) pelo tema.

Em sua terceira edição, a obra recebeu novo tratamento e foi ampliada. Ali, é possível ver o
que Vinicius – que depois teria a peça Orfeu da Conceição adaptada para o cinema em Orfeu
Negro – escreveu para impressos como A Manhã, Diário Carioca e Diretrizes, com crônicas,
artigos e até mesmo esboços de críticas sobre o cinema brasileiro e mundial. As páginas da
coletânea são um passeio pela sétima arte e seus debates nos anos 1940 e 1950, com papel de
destaque para Carlitos – seu parâmetro máximo –, Orson Welles e Grande Otelo.

Vinicius começou sua relação com o cinema quando foi representante do departamento de
censura em 1936. Como crítico, a partir de 1941, acompanhava com frequência os
lançamentos, postando-se, por exemplo, como um defensor do “cinema silencioso” contra o
cinema falado – achava que este último distorcia a pureza e a beleza da imagem em
movimento, verdadeira natureza do cinema. O título do livro é bastante apropriado: Vinicius,
antes de tudo, queria ver o cinema com os olhos e, se possível, só com eles. O volume
acompanha o longo debate que travou com críticos nessa “luta por uma causa sem
esperança”, como definiu Otto Maria Carpeaux. Até Manuel Bandeira entrou no imbróglio
discordando do amigo poeta e comentando que ele idealizava a sétima arte como uma paixão:
“Você ama o cinema mudo como se ama uma mulher... muda”.

Se o autor carioca lamentava que “Machado de Assis nunca chegou a ver um filme de
Carlitos”, também criticava o padrão da indústria hollywoodiana ainda em 1941. Figura
máxima do cinema de então, o produtor era para ele alguém com o papel de criar “a arte de
ganhar dinheiro” e efetuar a “limitação progressiva da liberdade do diretor” – Vinicius ali
esboçava a sua própria (e precária) teoria do autor no cinema, ressaltando a importância da
direção.

Quando foi vice-cônsul em Los Angeles, de 1946 a 1951, o autor se aproximou ainda mais do
mundo hollywoodiano. Orson Welles, com o seu Cidadão Kane, mereceu alguns dos maiores
elogios de Vinicius. “É impossível imaginar o que esse homem não será capaz de fazer em
cinema”, vaticinou. Quando Welles veio ao Brasil, os dois se tornaram amigos: “Sobretudo
encantou-me a sua esperteza, a malícia que a espontaneidade lhe assegura, o dote de uma
autocrítica bem-humorada”. Era um diretor “longe da perfeição”, mas que “às vezes chega a
tocar com o dedo no coração do mundo”.

Acima do amigo americano, só havia espaço para Chaplin, afinal, Vinicius foi um dos
componentes do Chaplin Club. O poeta sentia Carlitos “no que há de afetuoso nas coisas e nas
criaturas”; descrevia-o como um “antigrão-fino”, um homem que “nunca agride, sempre se
defende”. Até se permite imaginar Chaplin morando no Brasil, sendo desprezado como um
vagabundo chato, que importuna os outros. Mas o que lhe importa é o amor ao diretor e ao
personagem. Tanto que, ao ver Luzes da Cidade, conclama em uma crônica poética: “Vós,
que amais a mulher nas suas algemas (...) Vós, homens que não sabeis mais amar – ide ver
amar Carlitos”.

As musas do cinema são outro tema recorrente – algumas de suas crônicas deixam de ser
sobre o filme e passam a ser sobre protagonista como Joan Crawford. Sua paixão por Marlene
Dietrich lhe rende até uma carta-crônica direcionada a Carlos Drummond de Andrade. Os
dois, como diz Carlos Augusto Calil, têm visões opostas de beleza: Drummond prezava pela
Garbo quase imaterial; Vinicius queria a Marlene carnal, que deixou suas pernas bambas na
primeira aparição.

Com o cinema brasileiro, Vinicius tinha certa paciência programática – defendia a necessidade
de criar uma história da sétima arte nacional e, quando tecia críticas, buscava ainda assim
incentivar a produção. Um dos que recebem seus elogios é o ator Grande Otelo, dono de
“uma bossa fantástica para representar” e apontado, segundo o poetinha, como o maior ator
da América Latina segundo Orson Welles. Na paixão idealizada pela sétima arte, no bom
humor até para “brigar” com Drummond e nos relatos de bastidores, Vinicius sempre tentou
mostrar a poesia que seus olhos terminavam encontrando nas telas dos cinemas.

Leia um trecho de O Cinema dos Meus Olhos.

SERVIÇOS

O Cinema dos Meus Olhos, de Vinicius de Moraes, organizado por Carlos Augusto Calil - Companhia das
Letras, 512 páginas, R$ 70

PALAVRAS-CHAVE
 vinícius de moraes

 orson welles

 charles chaplin

Comentar

nome e-mail

comentário

DIGITE O CÓDIGO
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.
Últimas notícias


o Segunda-feira, 15 / 02 / 2016


o Netflix divulga trailer da nova temporada de 'Demolidor'
o 12h28


o Começa pré-venda no Brasil de novo livro de Harry Potter
o 12h01


o A Regra do Jogo: Romero sequestra Tóia
o 11h43


o Grammy deverá consagrar Kendrick Lamar e homenageará David Bowie
o 11h41


o Termina prazo de inscrição de curso para Gestores Culturais
o 11h17


o HBO divulga trailer sombrio da sexta temporada de Game of Thrones
o 10h48


o Joaquim Lopes e Giovanna Ewbank apresentam o Video Show
o 10h28


o Prefeitura de Caruaru anuncia memorial em homenagem a Manuel Eudócio
o 09h27


o Atualidade Apple produzirá primeira série original com Dr. Dre
o 09h27


o Argentino Relatos Selvagens leva Bafta de melhor filme estrangeiro
o 09h27


o O adeus ao mestre do barro Manuel Eudócio Rodrigues
o 09h27


o Encontrada em Praga obra musical escrita por Mozart e Salieri
o 09h27


o Livro revela o cinema segundo Vinicius de Moraes
o 05h38

o Domingo, 14 / 02 / 2016


o Todos os membros do grupo britânico Viola Beach morrem em acidente de trânsito
o 21h32


o O Regresso leva principais Baftas, incluindo melhor filme
o 20h15


o Amigos e parentes se despedem do ceramista Manuel Eudócio, em Caruaru
o 15h28


o Autoridades lamentam a morte do ceramista Manuel Eudócio
o 12h50


o Morre Manuel Eudócio, último artista da geração de Vitalino. Ele tinha sintomas de chicungunha
o 11h29


o Everardo Norões fala sobre seu novo livro de poesia
o 05h38


o Rihanna se despe à meia-luz
o 03h11

 mais notícias

Fotos do dia
Manuel Eudócio morreu aos 85 anos, em Caruaru, no Agreste do Estado

JC Imagem

Ranking do dia
+ lidas
+ comentadas
+ enviadas

 Período:
 dia

 semana

 mês

 1
 Livro revela o cinema segundo Vinicius de Moraes

 2
 O adeus ao mestre do barro Manuel Eudócio Rodrigues

 3
 Joaquim Lopes e Giovanna Ewbank apresentam o Video Show

 4
 Encontrada em Praga obra musical escrita por Mozart e Salieri

 5
 Argentino Relatos Selvagens leva Bafta de melhor filme estrangeiro

Você também pode gostar