Você está na página 1de 15

Iniciado em sábado, 20 mar 2021, 16:42

Estado Finalizada
Concluída em sábado, 20 mar 2021, 17:48
Tempo 1 hora 5 minutos
empregado
Notas 11,00/15,00
Avaliar 73,33 de um máximo de 100,00
Questão 1
Correto
Atingiu 1,00 de 1,00

Marcar questão

Texto da questão

Assinale a alternativa correta a respeito da relação da Constituição com a ordem


jurídica anterior:

Escolha uma opção:


1. Uma determinada norma infraconstitucional, publicada antes da Constituição
atual, pode ser com ela compatível e, desta forma, ser recepcionada pela nova
ordem jurídica.
2. Uma lei anterior a Constituição vigente pode não ser compatível com os valores
da nova ordem jurídica constitucional e, por esta razão, ser declarada
inconstitucional.
3. A Constituição atual deve recepcionar uma norma infraconstitucional anterior
com ela incompatível como ato administrativo infralegal.
4. Uma norma anterior a Constituição vigente não compatível com os valores da
nova Carta Magna só pode ser revogada por esta por previsão expressa no texto
constitucional.
5. Um dispositivo da nova Constituição incompatível com uma lei anterior não
poderá entrar em vigor.
Feedback

Resposta: 1. Uma determinada norma infraconstitucional, publicada antes da


Constituição atual, pode ser com ela compatível e, desta forma, ser recepcionada
pela nova ordem jurídica.
Feedback: Sobre a relação que existe entre a Constituição vigente e a Ordem
Jurídica anterior, basicamente, dois fenômenos podem ocorrer: uma determinada
norma infraconstitucional, publicada antes da Constituição atual, pode ser com ela
compatível e, desta forma, ser recepcionada pela nova ordem jurídica. De outro
lado, uma outra norma, também anterior a Constituição vigente, pode não ser
compatível com os valores da nova ordem jurídica e, por esta razão, será
considerada revogada, independentemente de previsão expressa na nova Lei
Magna. Neste caso, não se fala que a lei é inconstitucional, pois somente se pode
falar em inconstitucionalidade em relação a atos normativos publicados após a
vigência de uma determinada Constituição. Módulo 2, Unidade 2
A resposta correta é: 1. Uma determinada norma infraconstitucional, publicada
antes da Constituição atual, pode ser com ela compatível e, desta forma, ser
recepcionada pela nova ordem jurídica..

Questão 2
Correto
Atingiu 1,00 de 1,00

Marcar questão

Texto da questão

Julgue a seguinte afirmativa sobre a Constituição Federal de 1988: O texto da atual


Carta Magna é dividido em três partes: preâmbulo, corpo e normas transitórias.

Escolha uma opção:


VERDADEIRA
FALSA
Feedback

Resposta: VERDADEIRA.
Feedback: O texto da atual Carta Magna é dividido em três partes: Preâmbulo,
Corpo e normas transitórias. O Preâmbulo é um texto introdutório de inspiração da
nova Carta Constitucional que se inaugura. Embora não seja norma jurídica capaz
de disciplinar direitos e deveres, o Preâmbulo possui a importante tarefa de
demonstrar a posição ideológica de um Estado, situando-se na área da política. O
Corpo, ou Parte Central, é composto por nove Títulos sobre diversos temas, como
princípios fundamentais, direitos e deveres dos cidadãos, ordem econômica e
financeira e defesa do Estado e das Instituições Democráticas, representando a
parte permanente das normas constitucionais. Já as normas transitórias são
compostas pelo Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT), o qual se
destina a regular as situações de adaptação entre a ordem jurídica passada e a
atual. Embora seja de caráter transitório, o ADCT tem o mesmo valor de norma
constitucional do Corpo. Módulo 2, Unidade 1
A resposta correta é: VERDADEIRA.

Questão 3
Correto
Atingiu 1,00 de 1,00

Marcar questão

Texto da questão

Julgue a seguinte afirmativa sobre o Poder Constituinte Derivado Difuso: O Poder


Constituinte Derivado Difuso é expressamente previsto na Constituição Federal.

Escolha uma opção:


VERDADEIRA
FALSA
Feedback

Resposta: FALSA.
Feedback: Além dos três Poderes Constituintes Derivados expressamente
mencionados na CF/88 (reformador, revisor e decorrente), existe também outro
implícito na sociedade, e já reconhecido pelo Supremo Tribunal Federal (STF),
denominado Poder Constituinte Difuso. Ele se manifesta por meio das chamadas
“mutações constitucionais”, sendo um poder espontâneo e fruto das mudanças
sociais. Por meio dele, algumas expressões da Constituição, embora permaneçam
com o mesmo texto, ganham um novo significado ou um significado mais amplo.
Um bom exemplo seria o termo “casa”, constante do art. 5º, XI, que, no decorrer
dos anos, passou a abranger, também, outros locais, por exemplo: o
estabelecimento comercial, o escritório de contabilidade, o quarto de hotel
ocupado, o escritório de advocacia e o consultório médico. Normalmente, essa
nova interpretação é dada pelo STF, que interpreta a Lei Magna no papel de
guardião da Constituição (art. 102, CF/88). Módulo 2, Unidade 2
A resposta correta é: FALSA.

Questão 4
Correto
Atingiu 1,00 de 1,00

Marcar questão

Texto da questão

Sobre Poder Constituinte Originário, podemos afirmar que: I. É inicial e autônomo,


na medida em que é livre para criar uma nova ordem. II. É ilimitado juridicamente,
pois rompe com os limites traçados pelo direito anterior. III. É um poder de fato e
um poder político, identificado com a força social da qual se origina e com a ordem
jurídica através da qual se manifesta. IV. É dependente da ordem jurídica que o
precede. Escolha uma:

Escolha uma opção:


1. F, F, F, F.
2. F, V, V, F.
3. F, V, V, V.
4. V, V, V, F.
5. V, V, V, V.
Feedback

Resposta: 4. V, V, V, F.
Feedback: O Poder Constituinte Originário elabora uma nova Constituição, a qual
dá origem a um novo Estado, criando uma nova ordem jurídica. O Poder
Constituinte Originário possui algumas peculiaridades: a) é inicial, uma vez que a
nova Constituição será estruturada livremente, do zero, de acordo com os anseios
de quem exerce o poder; b) é ilimitado juridicamente, pois não precisa respeitar os
limites traçados pelo Direito (ordem jurídica) anterior; c) é incondicionado, pois a
forma de elaboração da nova Constituição não está sujeita a condições ou regras
pré-estabelecidas; d) é um poder de fato (poder político), ao se identificar como
verdadeira força social, na qual a ordem jurídica passa a existir a partir de sua
manifestação. Módulo 2, Unidade 2
A resposta correta é: 4. V, V, V, F..

Questão 5
Incorreto
Atingiu 0,00 de 1,00

Marcar questão

Texto da questão

Julgue a seguinte afirmativa sobre o Poder Constituinte Originário: Segundo a


corrente do Direito Natural, o Poder Constituinte Originário é ilimitado
juridicamente, pois não precisa respeitar os limites traçados pelo Direito anterior.

Escolha uma opção:


VERDADEIRA
FALSA
Feedback

Resposta: FALSA
Feedback: Apesar de, sob a visão do Juspositivismo (Positivismo Jurídico) o Poder
Constituinte Originário ser ilimitado, a corrente Jusnaturalista (Direito Natural)
defende que há alguns direitos que são indissociáveis da natureza do homem e,
por isso, mesmo o “onipotente” Poder Constituinte Originário não poderia suprimi-
los. Já para a corrente juspositivista, não haveria limites para o Poder Constituinte
Originário, pois apenas o direito positivo (escrito, posto) pode ser obrigatório.
Módulo 2, Unidade 2
A resposta correta é: FALSA.

Questão 6
Correto
Atingiu 1,00 de 1,00

Marcar questão

Texto da questão

Sobre o controle de constitucionalidade judicial, podemos afirmar que: I. Tem como


órgão competente de fiscalização o Supremo Tribunal Federal. II. É exercido por
meio da Ação Direta de Inconstitucionalidade, da Arguição de Descumprimento de
Preceito Fundamental e da Ação Declaratória de Constitucionalidade. III. Legitima
qualquer cidadão a acioná-lo. IV. Estende-se aos casos de omissão legislativa.
Escolha uma:

Escolha uma opção:


1. V, V, V, V.
2. V, V, V, F.
3. F, F, F, F.
4. V, V, F, V.
5. F, F, V, F.
Feedback

Resposta: 4. V, V, F, V.
Feedback: No Brasil, a regra é que o Judiciário, por meio de ações próprias, realize
o controle de constitucionalidade dos atos normativos. No caso do controle
concentrado e abstrato (em tese), o órgão competente é o Supremo Triobunal
Federal (STF). São cinco as ações de controle abstrato de constitucionalidade: 1)
ADI (Ação Declaratória de Inconstitucionalidade), que tem por fundamento discutir,
abstratamente, a validade de uma lei em face da Constituição; 2) ADO (Ação
Declaratória de Inconstitucionalidade por Omissão), cujo objetivo é suprir lacuna
legislativa, que, por força de comando constitucional, deveria ter sido preenchida;
3) ADC (Ação Declaratória de Constitucionalidade), a qual tem por objeto decidir
sobre a constitucionalidade da norma, quando houver controvérsia judicial em
torno dela; 4) ADPF (Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental), cujo
objeto é evitar ou reparar lesão a preceito fundamental; e 5) Ação Declaratória
Interventiva (ADI Interventiva), a qual tem a função de iniciar o processo de
intervenção em ente da Federação que desrespeite regras ou princípios da
Constituição. Apenas as autoridades ou órgãos taxativamente descritos na
Constituição (art. 103) podem dar início a essas ações perante o STF. Módulo 2,
Unidade 3
A resposta correta é: 4. V, V, F, V..

Questão 7
Correto
Atingiu 1,00 de 1,00

Marcar questão

Texto da questão

Sobre o controle de constitucionalidade realizado pelo Poder Legislativo, assinale a


opção INCORRETA:

Escolha uma opção:


1. É da competência exclusiva do Congresso Nacional sustar os atos normativos do
Poder Executivo que exorbitem do poder regulamentar.
2. É da competência exclusiva do Congresso Nacional sustar os atos normativos do
Poder Executivo que exorbitem dos limites de delegação legislativa.
3. É da competência exclusiva do Congresso Nacional anular os atos dos outros
Poderes que contrariarem a Constituição.
4. É da competência exclusiva do Congresso Nacional zelar pela preservação de sua
competência legislativa em face da atribuição normativa dos outros Poderes.
5. O veto do Presidente da República a projeto de lei por motivo de
inconstitucionalidade pode ser rejeitado pelo Congresso Nacional.
Feedback

Resposta: 3. É da competência exclusiva do Congresso Nacional anular os atos dos


outros Poderes que contrariarem a Constituição.
Feedback: Nos termos do art. 49, V, da CF/88, o Congresso Nacional possui
competência exclusiva para sustar os atos normativos do Poder Executivo que
exorbitem do poder regulamentar ou dos limites de delegação legislativa (leis
delegadas). Do mesmo modo, é da competência exclusiva do Congresso Nacional
zelar pela preservação de sua competência legislativa em face da atribuição
normativa dos outros Poderes (art. 49, XI, da CF/88). Esses dispositivos trazem
mecanismos de controle repressivo de constitucionalidade a serem utilizados pelo
Poder Legislativo, em face de inconstitucionalidades promovidas pelos outros
Poderes. No entanto, essa competência não permite que o Congreso anule
(invalide, extinga) atos de outros Poderes, mas apenas que promova sua sustação,
isto é, a suspensão de seus efeitos, de sua eficácia. Quanto ao veto, o art. 66 da
Carta Magna prevê que ele pode ser oposto a um projeto de lei pelo Presidente da
República em caso de contrariedade ao interesse público ou de
inconstitucionalidade. Em ambos os casos, o Congresso Nacional pode derrubar o
veto, pelo voto da maioria absoluta dos Deputados e Senadores. Módulo 2,
Unidade 3
A resposta correta é: 3. É da competência exclusiva do Congresso Nacional anular
os atos dos outros Poderes que contrariarem a Constituição..

Questão 8
Incorreto
Atingiu 0,00 de 1,00

Marcar questão

Texto da questão

A inconstitucionalidade por vício formal de uma lei pode se dar por: I.


Incompetência do órgão para legislar sobre um determinado fato. II. Inobservância
do devido processo legislativo. III. Inobservância dos pressupostos necessários à
elaboração do ato normativo. IV. Falta de decoro parlamentar, quando, por
exemplo, da aprovação de uma norma em troca da percepção de vantagens
indevidas, ou propinas. Escolha uma:

Escolha uma opção:


1. V, V, V, F.
2. V, V, V, V.
3. F, F, F, F.
4. V, F, V, F.
5. V, F, F, F.
Feedback

Resposta: 1. V, V, V, F.
Feedback: A inconstitucionalidade de uma lei por vício formal pode se dar em
relação a três aspectos: 1) incompetência do órgão para legislar sobre um
determinado fato, por exemplo, o STF entende que lei municipal que trata de uso
de cinto de segurança é inconstitucional, pois cabe à União legislar sobre a matéria;
2) inobservância do devido processo legislativo, como no caso de a aprovação de
um projeto de lei não respeitar o quórum necessário para sua aprovação, por
exemplo, de maioria absoluta para uma lei complementar; e 3) inobservância dos
pressupostos necessários à elaboração do ato normativo, por exemplo, quando
uma lei não observa os requisitos enumerados na Constituição para sua criação,
como no caso de criação de município por lei estadual sem observância das
exigências da Constituição Federal. Quanto à quebra de decoro parlamentar na
elaboração de uma lei, ainda não existe regra ou decisão do STF que determine ser
esse caso fundamento para invalidar um determinado ato normativo, embora boa
parte da doutrina defenda que uma lei possa ser declarada inconstitucional com
base nessa hipótese. Módulo 2, Unidade 3
A resposta correta é: 1. V, V, V, F..

Questão 9
Incorreto
Atingiu 0,00 de 1,00

Marcar questão

Texto da questão

Quanto às ações de controle abstrato de constitucionalidade, julgue as assertivas


abaixo e marque depois a sequência correta: I – A Ação Declaratória de
Inconstitucionalidade (ADI) tem por fundamento discutir, abstratamente (com
efeitos gerais), a validade de uma lei em face da Constituição. II – A Ação
Declaratória de Inconstitucionalidade por Omissão (ADO) tem por objetivo suprir
lacuna legislativa, que, por força de comando constitucional, deveria ter sido
preenchida. III – A Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF)
tem por objeto evitar ou reparar lesão a preceito fundamental, sendo que o
fundamento para sua propositura é a existência de controvérsia constitucional
sobre lei ou ato normativo apenas federal ou estadual, desde que editado após a
atual Constituição. IV – A Ação Declaratória de Constitucionalidade (ADC) tem por
objeto decidir sobre a constitucionalidade da norma, quando houver controvérsia
judicial em torno da lei ou do ato normativo. V – A Ação Declaratória Interventiva
(ADI Interventiva) serve para iniciar o processo de intervenção em algum ente da
federação que desrespeite os chamados princípios constitucionais sensíveis.
Presentes os pressupostos constitucionais, a União pode intervir nos Estados, no DF
ou nos municípios em geral.

Escolha uma opção:


1. V, V, V, V, V.
2. V, V, F, V, F.
3. V, V, F, F, F.
4. F, F, V, V, V.
5. V, F, V, V, F.
Feedback

Resposta: 2. V, V, F, V, F.
Feedback: A ADI tem por fundamento discutir, abstratamente (com efeitos gerais), a
validade de uma lei em face da Constituição. A ADO tem por objetivo suprir lacuna
legislativa, que, por força de comando constitucional, deveria ter sido preenchida. A
ADPF tem por objeto evitar ou reparar lesão a preceito fundamental, sendo que o
fundamento para sua propositura é a existência de controvérsia constitucional
sobre lei ou ato normativo federal, estadual ou municipal, incluídos os anteriores à
Constituição. A ADC funciona como se fosse uma ADI de sinal trocado, tendo por
objeto decidir sobre a constitucionalidade da norma, quando houver controvérsia
judicial em torno da lei ou do ato normativo. Finalmente, a ADI Interventiva serve
para iniciar o processo de intervenção em algum ente da federação que desrespeite
os chamados princípios constitucionais sensíveis. Presentes os pressupostos
constitucionais, a União pode intervir nos Estados, no DF e nos municípios
localizados em Território Federal; e os Estados, em seus respectivos municípios.
Módulo 2, Unidade 3
A resposta correta é: 2. V, V, F, V, F..

Questão 10
Correto
Atingiu 1,00 de 1,00

Marcar questão

Texto da questão

Julgue a seguinte afirmativa sobre o controle de constitucionalidade: O controle


repressivo de constitucionalidade pode ser realizado Poder Executivo, mediante
veto presidencial.

Escolha uma opção:


VERDADEIRA
FALSA
Feedback

Resposta: FALSA.
Feedback: O controle de constitucionalidade de uma norma legal pode ocorrer
tanto previamente, antes do início da vigência da lei, ou posteriormente, quando a
lei já está em vigor. No Poder Executivo, o controle prévio é realizado pelo veto
presidencial, que tem o poder de evitar que uma norma, ou parte dela, entre para o
mundo jurídico com vícios de constitucionalidade. Esse controle é prévio porque é
feito ainda sobre o projeto de lei, antes que o texto vire lei. Módulo 2, Unidade 3
A resposta correta é: FALSA.

Questão 11
Correto
Atingiu 1,00 de 1,00

Marcar questão

Texto da questão

Julgue a seguinte afirmativa sobre o controle de constitucionalidade: O controle


prévio de constitucionalidade pode ser realizado pelo Poder Legislativo, por meio
das Comissões de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados e do Senado
Federal.

Escolha uma opção:


VERDADEIRA
FALSA
Feedback

Resposta: VERDADEIRA.
Feedback: O controle de constitucionalidade de uma norma legal pode ocorrer
tanto previamente, antes do início da vigência da lei, ou posteriormente, quando a
lei já está em vigor. O controle prévio pode ser feito no âmbito do Poder
Legislativo, durante o processo legislativo, pela Comissão de Constituição e Justiça
– CCJ. Tanto a CCJ do Senado quanto da Câmara dos Deputados detém a
competência para examinar se um determinado Projeto de Lei está em
conformidade com a Constituição Federal. Módulo 2, Unidade 3
A resposta correta é: VERDADEIRA.

Questão 12
Correto
Atingiu 1,00 de 1,00
Marcar questão

Texto da questão

Considerando as características da Constituição Cidadã, marque a alternativa


INCORRETA:

Escolha uma opção:


1. A Constituição de 1988 é extensa, por não se limitar a regular somente a
estrutura do Estado e os direitos fundamentais.
2. A Constituição de 1988 adota como fundamental não somente os direitos
individuais e sociais e a estrutura do Estado, mas também os fins e objetivos que
ela persegue.
3. A Constituição de 1988 é formal, pois elege como norma constutucional tudo
aquilo que compõe seu texto e que é submetido a uma determinada forma de
elaboração, não importando seu conteúdo.
4. A Constituição de 1988 possui um corpo normativo homogêneo.
Feedback

Resposta: 4. A Constituição de 1988 possui um corpo normativo homogêneo.


Feedback: Vivenciamos hoje no Brasil um momento de “expansão constitucional”,
isto é, cada vez mais, há assuntos sendo inseridos no texto constitucional como
elementos essenciais. A CF/88 é, genuinamente, uma Constituição extensa
(analítica), por não se limitar a regular a estrutura do Estado e os direitos
fundamentais, possuindo uma série de assuntos heterogêneos em seu bojo, ao
contrário de Constituições sintéticas ou resumidas, como a dos EUA, que se
restringem a esses assuntos. as normas constitucionais. A CF/88 compõe um corpo
normativo sobre diversos temas, como princípios fundamentais, direitos e deveres
dos cidadãos, ordem econômica e financeira e defesa do Estado e das Instituições
Democráticas. Dizemos que as normas são materialmente constitucionais quando
abordam temas considerados próprios de uma Constituição, sobre a estruturação
do Estado e os direitos fundamentais, e são apenas formalmente constitucionais,
quando, apesar de estarem inseridas no texto da Constituição, não tratam de temas
essencialmente constitucionais. A CF/88 é uma Constituição formal, pois elege
como norma constitucional tudo aquilo que compõe o texto constitucional e foi
submetido a uma determinada forma de elaboração para figurar na Carta Magna,
não importando seu conteúdo. Essa divisão entre norma constitucional material e
norma constitucional formal tem sido rediscutida, pois o conteúdo das
Constituições vem, naturalmente, sendo ampliado, tornando menos precisa essa
diferenciação. As Constituições modernas têm adotado como conteúdo
fundamental não somente a estrutura do Estado e os direitos fundamentais, mas,
também, os fins e objetivos que ele persegue, por exemplo. Módulo 2, Unidade 1
A resposta correta é: 4. A Constituição de 1988 possui um corpo normativo
homogêneo..

Questão 13
Correto
Atingiu 1,00 de 1,00

Marcar questão

Texto da questão

Uma Constituição é promulgada quando:

Escolha uma opção:


1. É fruto da vontade unipessoal de um governante.
2. Prescinde da participação popular em sua elaboração.
3. É outorgada, como as de 1824, 1937 e 1967.
4. É fruto de uma revolução promovida pelo povo.
5. Todas as alternativas são incorretas.
Feedback

Resposta: 5. Todas as alternativas são incorretas.


Feedback: Dizer que uma Constituição foi promulgada significa, em regra, que
houve participação popular em sua elaboração, que ela não é fruto da vontade de
um governante ou de um grupo detentor do poder. Ela não foi imposta à
sociedade, mas aprovada por ela, por meio de representantes eleitos para
comporem uma Assembleia Nacional Constituinte, independentemente de essa
Assembleia ter sido constituída após ter havido uma revolução social, pois ela pode
ser (e normalmente é) fruto de uma decisão tomada pacificamente pela sociedade.
Já quando a Carta Política é imposta pelos governantes, ela é chamada de
outorgada. Na nossa história, três Constituições foram impostas ou outorgadas: a
imperial de 1824, a getulista de 1937 e a militar de 1967/69, apesar de nesta última
conter a palavra “promulgamos”. As demais foram promulgadas (1891, 1934, 1946
e 1988). Veja que, nestas, a imagem democrática da Constituição é traduzida pela
intensa participação popular, enquanto naquelas a figura do constituinte se resume
a uma pessoa ou a um pequeno grupo de pessoas. Módulo 2, Unidade 1
A resposta correta é: 5. Todas as alternativas são incorretas..

Questão 14
Correto
Atingiu 1,00 de 1,00

Marcar questão

Texto da questão

Sobre o Poder Constituinte Originário e os poderes constituintes dele derivados,


assinale a resposta INCORRETA:

Escolha uma opção:


1. O Poder Reformador, sujeito a limitações, dentre as quais o respeito às “cláusulas
pétreas”, é responsável por modificar a Carta Magna por meio de Emenda
Constitucional, aperfeiçoando a regulamentação de determinada matéria.
2. O Poder Decorrente, conferido às Assembleias Legislativas estaduais para
estruturarem suas respectivas Constituições, tem como limitações não invadir
competências asseguradas à União, seguir os princípios orçamentários
estabelecidos pela Constituição Federal, respeitar a forma federativa, o princípio
republicano e os direitos fundamentais enumerados na Carta Magna e observar as
regras do processo legislativo federal, adaptando-as às peculiaridades estaduais.
3. O Poder Revisor teve como objetivo revisar a Constituição após o quinto ano de
sua promulgação, produziu as Emendas Constitucionais de Revisão e já não pode
mais ser exercido.
4. Elaborada a nova Consituição, o Poder Constituinte Originário fica
definitivamente extinto.
5. O Distrito Federal possui Poder Decorrente, quando elabora sua Lei Orgânica,
que tem natureza de Constituição Distrital, segundo o STF.
Feedback

Resposta: 4. Elaborada a nova Consituição, o Poder Constituinte Originário fica


definitivamente extinto.
Feedback: Elaborada a Constituição, o Poder Constituinte Originário sai de cena e
entram os outros poderes instituídos por ele, que estarão presentes durante o
período em que vigorar o novo texto. É importante ressaltar, contudo, que o Poder
Constituinte Originário nunca se extingue, fica apenas adormecido, latente,
podendo ser acionado novamente a qualquer momento, para a elaboração de uma
nova Constituição, caso seja essa a vontade da sociedade. Na nossa Federação,
existem três poderes constituintes que são derivados do originário: poder
reformador, poder decorrente e poder revisor. O Poder Reformador é o responsável
por modificar a Constituição, por meio de um procedimento específico,
determinado pelo originário, sem que seja necessário abandonar o texto vigente e
convocar uma nova Assembleia Nacional Constituinte, produzindo as chamadas
emendas constitucionais. O Poder Decorrente é aquele conferido aos Estados-
membros para que eles estruturem suas respectivas Constituições Estaduais. Uma
vez que vivemos sob a forma federalista de Estado, os entes federados detém
capacidade para se auto-organizarem, tanto no âmbito administrativo, quanto nas
áreas judiciária e legislativa, sendo que o exercício deste poder foi concedido às
Assembleias Legislativas Estaduais. Também o DF possui Poder Decorrente, quando
elabora sua Lei Orgânica, que tem natureza de Constituição Distrital, segundo o
STF. Por fim, o Poder Revisor, também instituído pelo Poder Originário, teve o
objetivo de revisar a Constituição após cinco anos de sua promulgação, mediante
um procedimento mais simplificado do que aquele estabelecido para se propor
Emendas Constitucionais. Assemelhou-se ao Poder Reformador, mas com regras
mais simples para a alteração constitucional e hoje não mais pode ser exercido,
devido à eficácia esgotada da norma que o instituiu. O Poder Revisor produziu as
chamadas emendas constitucionais de revisão. Módulo 2, Unidade 2
A resposta correta é: 4. Elaborada a nova Consituição, o Poder Constituinte
Originário fica definitivamente extinto..

Questão 15
Incorreto
Atingiu 0,00 de 1,00

Marcar questão

Texto da questão

Julgue as assertivas abaixo a respeito da hierarquia das normas jurídicas e do


controle de constitucionalidade e depois marque a sequência correta: I – A
Constituição ocupar o ponto mais alto de um ordenamento, por decorrência do
princípio da “Supremacia da Constituição”, segundo o qual os atos inferiores (legais
e infralegais) devem ser com ela compatíveis. II – Uma Constituição rígida é aquela
que possui um processo de alteração mais árduo do que o processo de alteração
das leis infraconstitucionais. III – O controle de constitucionalidade concreto e
difuso é aquele realizado por qualquer juiz ou tribunal, segundo as regras de
organização judiciária, em relação aos casos concretos submetidos aos
magistrados. IV – O controle de constitucionalidade abstrato e concentrado é
aquele realizado pelo órgão de cúpula do Poder Judiciário, em relação às leis em
tese, independentemente de sua aplicação a casos concretos.

Escolha uma opção:


1. F, V, V, V.
2. F, V, F, V.
3. V, V, F, F.
4. F, F, V, V.
5. V, V, V, V.
Feedback

Resposta: letra “”.


Feedback: A estrutura do nosso ordenamento jurídico foi construída segundo um
verdadeiro escalonamento normativo, sendo que as normas superiores servem de
fundamento de validade para as normas inferiores. Nessa pirâmide normativa, a
Constituição Federal ocupa o vértice (nível constitucional) e dela emanam os
princípios e as regras que devem ser seguidos para a elaboração das demais
normas, tanto as leis em sentido estrito (nível legal), como as normas
administrativas (nível infralegal ou administrativo). A Constituição rígida, como a
CF/88, é aquela que possui um processo de alteração mais árduo do que o
processo de alteração das leis infraconstitucionais, sendo essa rigidez pressuposto
para o controle de constitucionalidade. Opõe-se à Constituição flexível, alterável
pelo mesmo proceso das leis ordinárias. O controle de constitucionalidade pode se
dar tanto de forma concentrada, quando a questão é levada para um órgão
especificamente dotado de competência para tanto (no Brasil, o STF), que analisa a
validade da lei para toda a sociedade (efeito abstrato); ou, então, de forma difusa,
que é a realizada por qualquer juiz ou tribunal, caso em que a decisão valerá
apenas para aquele processo (efeito concreto). O Brasil adotou o sistema misto,
que abrange tanto o controle concentrado quanto o difuso. Módulo 2, Unidade 3
A resposta correta é: 5. V, V, V, V..