Você está na página 1de 15

FACULDADE ALPHA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM URGÊNCIA E EMERGÊNCIA/UTI

FABÍOLA MELO ARAÚJO


MARIA DA CONCEIÇÃO ALVES BARBOSA
TACIANA BARROS DE OLIVEIRA MOURA

IMPORTÂNCIA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM


NA PREVENÇÃO DA LESÃO POR PRESSÃO EM
PACIENTES INTENSIVOS: REVISÃO INTEGRATIVA
DE LITERATURA.

Recife
2020
FABÍOLA MELO ARAÚJO
MARIA DA CONCEIÇÃO ALVES BARBOSA
TACIANA BARROS DE OLIVEIRA MOURA

IMPORTÂNCIA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA


PREVENÇÃO DA LESÃO POR PRESSÃO EM PACIENTES
INTENSIVOS: REVISÃO INTEGRATIVA DE LITERATURA.

Trabalho de Conclusão de Curso


(Artigo) apresentado à Faculdade
ALPHA, no Curso de Especialização
em urgência e emergência/UTI como
pré-requisito para obtenção do título de
especialista.
Orientador: Prof. Esp. Bruna Roberta
Alves.

RECIFE
2020
IMPORTÂNCIA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA
PREVENÇÃO DA LESÃO POR PRESSÃO EM PACIENTES
INTENSIVOS: REVISÃO INTEGRATIVA DE LITERATURA.

Artigo apresentado à Faculdade ALPHA, como parte dos requisitos para


obtenção do título de Especialista em Urgência e Emergência/UTI.

Aprovado em //2020

BANCA EXAMINADORA

Profª Esp. Bruna Roberta Alves da Silva


Orientador
Especialista em Pesquisa Clínica

Profª.Esp.Thayanne de Azevedo Falcão


Coordenadora do Curso de Pós-Graduação

Prof. Esp.Luan Müller dos Anjos


Diretor Acadêmico da Pós-Graduação.
IMPORTÂNCIA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO DA
LESÃO POR PRESSÃO EM PACIENTES INTENSIVOS: REVISÃO
INTEGRATIVA DE LITERATURA.

FABÍOLA MELO ARAÚJO1


MARIA DA CONCEIÇÃO ALVES BARBOSA2
TACIANA BARROS DE OLIVEIRA MOURA3

A Lesão por pressão (LPP) se caracteriza por ser uma ferida de estrutura crônica, que
apresenta necrose tecidual em um local específico do corpo. A nomenclatura anterior
para a LPP era a úlcera por pressão, no entanto, em 2016, o
NationalPressureUlcerAdvisoryPanel (NPUAP), órgão norte americano, passou a
denominá-la como lesão por pressão. O enfermeiro para atuar com lesões deve estar em
aprendizado permanente, necessitando ser habilitado para desempenhar tal função,
além de possuir conhecimento atualizado em curativos e sobre as inúmeras coberturas
empregadas e dispostas no mercado atualmente, tudo isso exige conhecimento do
enfermeiro das características e a finalidade dos curativos voltados para o
tratamento.Diante disso, por ser a enfermagem o principal agente na prevenção e
tratamento da lesão por pressão, pois é ele o profissional capacitado para aplicar os
cuidados corretos no tratamento e prevenção da LPP, com isso busca-se através desse
estudo aprimorar o conhecimento acerca das principais funções desempenhadas pelo
enfermeiro no cuidado prestado ao paciente em fator de risco a desenvolver lesão por
pressão.

Palavras-chave:lesão por pressão, condutas terapêuticas, assistência de enfermagem.


1. INTRODUÇÃO

Lesão por Pressão (LPP) é um dano localizado na pele e/ou tecidos


moles subjacentes, normalmente resultante sobre uma proeminência óssea ou
relacionada ao uso de dispositivo médico ou de outro artefato, afetada pelo
microclima, nutrição, perfusão, comorbidades e pela sua condição, que se
manifesta como lesão de pele íntegra ou como úlcera aberta, acompanhada ou
não por dor (MAZZO et al, 2018). A LP ocasiona déficit do aporte sanguíneo,
gerando isquemia, hiperemia, edema e necrose do tecido e, por consequente
morte celular (HORA et al., 2016).
No ano de 2016, os termos Úlcera por Pressão (UP) e ainda Úlcera de
Decúbito (UD), foram atualizados para a nova terminologia Lesão por Pressão
(LP), visando descrever com maior precisão as lesões em pele intactase
ulceradas (COREN-DF, 2016). O National Pressure Ulcer Advisory Panel
(NPUAP), organização sem fins lucrativos estadunidense que atua na
prevenção e ao tratamento de LP anunciou a mudança na terminologia e
também a modificação do sistema de classificação em estágios, não mais
identificados por algarismo romanos, mas por números árabes (COMARU et
al.,2016).
Através do novo sistema de classificação foram categorizados quatro
estágios: no 1 a pele encontra-se integra com hiperemia em área localizada; no

1
Bacharel em enfermagem pela Faculdade especialização em urgência e emergência/ UTI na Faculdade
ALPHA. E-mail: fabiolaaraujo355@gmail.com.
2
Bacharel em enfermagem pela Faculdade Cursando especialização em urgência e emergência/ UTI na
Faculdade ALPHA.
3
Bacharel em enfermagem pela Faculdade especialização em urgência e emergência/ UTI na Faculdade
ALPHA.
2 existe perda parcial da pele com exposição dérmica; no 3ocorre a perda de
tecido em sua espessura total, com visibilidade de gordura, tecido de
granulação e epíbole4 podem estar presentes; no 4 há perda total de tecido e
perda tissular com exposição ou palpação direta da fáscia, óssea, músculos ou
tendão, podendo haver presença de necrose. Também foram descritas
definições adicionais especificadas como lesões do tipo não classificável,
tissular profunda,resultantes do uso de dispositivos médicos e em membranas
mucosas (COREN-DF, 2016; MENDOÇA, 2017).
A repercussão negativa da LP não se dá apenas aos pacientes e
familiares, mas impacta na qualidade de vida dos profissionais de saúde e nos
custos hospitalares. A Organização Mundial de Saúde (OMS) dispõe de metas
para melhoria da assistência ao paciente baseados na prevenção de danos. Os
profissionais de saúde, em especial o serviço de enfermagem, deve
desenvolver habilidades no uso rotineiro de tecnologias na avaliação e
prevenção da lesão por pressão, minimizando as repercussões negativas deste
problema desafiador na saúde coletiva (HORA et al, 201; SOARES;
HEIDEMANN, 2018).
Se compreende a LP como uma das principais consequências
relacionada a longas permanências hospitalares, sobretudo aos pacientes com
restrição de mobilidade, devido estes apresentarem alteração das funções
vitais e da mobilidade impostas pelo seu quadro clínico, habitualmente
vivenciado nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI), o que justifica se implantar
nas unidades de saúde o Plano de Prevenção de Lesão por Pressão (PPLP)
(COMARU et al., 2016). Mas, mesmo diante das novas ferramentas
tecnológicas que proporcionam o aprimoramento dos serviços e cuidados de
saúde, a incidência de LP ainda é expressivamente alta, no Brasil se
aproximando de 40% (HORA et al,2016).
Neste estudo, foi estabelecido como pergunta condutora: “apesar dos
estudos recentes e novas tecnologias de enfermagem na assistência em saúde
porque ainda é prevalente a alta incidência da LP em pacientes intensivos?”;
objetivando identificar a importância da assistência de enfermagem na
prevenção da LP em pacientes acamados em UTI através da revisão de artigos

4
Lesão com bordas enroladas.
científicos. Ainda se busca examinar aprevalência e incidência da LP em UTI;
discriminar diferentes Estágios da LP; e avaliar o papel da enfermagem nas
principais medidas preventivas de LPP.

1. METODOLOGIA

Esta foi um estudo de revisão literária exploratório, de abordagem


qualitativa. A metodologia será embasada em artigos científicos encontrados
na Biblioteca Virtual de Saúde (BVS/BIREME) através do cruzamento de três
descritores (DeCS): Lesão por pressão, Prevenção e Enfermagem; aplicados
com o boleador AND, nas bases de dadosBDENF – enfermagem, LILACS
(Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde), e SCIELO
Brasil (Scientific Eletronic LibraryOnline).
Gil (2010) afirma que uma parte dos estudos exploratórios pode ser
definida como pesquisas bibliográficas, tendo a vantagem de permitir ao
investigador a cobertura de uma maior amplitude de fenômenos do que poderia
pesquisar diretamente em campo (GIL, 2008).A análise qualitativa,apesar de
sofrer direta influência do modo de pensar do investigador, pode ser utilizada
para investigar um tema em profundidade (NICOLÁS, 2014).
Foram estabelecidos critérios de inclusão e exclusão para refinar a
busca dos dados. Os critérios de inclusão utilizados foram idioma em português
e publicação na última década, entre 2010 e 2020. Os critérios exclusivos se
aplicam a textos incompletos e indisponíveis, artigos duplicados nas bases de
dados e os que não apresentam relação direta com o tema. Após a aplicação
destes critérios se selecionou 12 artigos para utilização na pesquisa, conforme
ilustrado na figura1.

Figura 1: Fluxograma dos critérios de inclusão e exclusão. Recife/PE, 2019.

Artigos selecionados pelo cruzamento dos DeCS: Lesão por pressão, Prevenção e Enfermagem, nas bases de dados BDENF, LILACS e SCIELO Brasil
(nº = 2.555)

Incluídos por estarem escritos em português (nº= 246)


Incluídos por serem publicados entre 2015 a 2019 (nº = 76)

Excluídos por ter texto incompleto


Excluídose por
indisponível
duplicação nas Excluídos por não
bases de dados (nºse=23)
relacionar com o tema (nº =38)
(nº =03)

Artigos selecionados para pesquisa (n=12)

Fonte: Elaborado pelas autoras, 2019.

2. RESULTADOS E DISCUSSÃO

Por meio de aplicação dos filtros supracitados, foram selecionados 20


artigos com valides acadêmica. A posteriori, estes tiveram seu resumo lido
sistematicamente , tendo sido excluídos 5 trabalhos, porque não
correspondiam ao objetivo deste estudo. Assim, por fim, foram selecionados 15
artigos, cuja síntese encontra-se No Quadro 1abaixo.

Quadro 1: Síntese dos artigos selecionados (n=15) quanto ao ano,


autores, título e periódico. Recife-PE, Brasil, 2020

Ano de Autor Títu Periódico


lo
publicaç
ão

2012 ALMEIDA et Avaliação da Revista Ciência &


al., Saúde
utilização de
protocolos na
prevenção de
úlceras por pressão

2012 FASSINI; Riscos à segurança Revista


HAHN
do paciente em
Enfermagem UFSM
unidade

2012 LUZ et al., Úlceras de pressão Revista Geriatria


&Gerontologia
2012 SILVA; Incidência de úlcera Revista de
por pressão como Enfermagem UFSM
DICK;
indicador de
MARTINI
qualidade na
assistência de
enfermagem

2013 SANTOS et al., Indicador de Revista Gaúcha


qualidade de
assistencial úlcera Enfermagem
por pressão: análise
de prontuário e de
notificação de incidente

2013 SILVA et al., Úlcera por pressão Revista da Rede de


em unidade de Enfermagem
terapia intensiva:
do Nordeste –RENE
análise da
incidência e lesões
instaladas

2015 COSTA et al., Custos do tratamento Enfermagem Revista


de úlceras por
pressão em unidade
de cuidados
prolongados em uma
instituição

2016 SOARES et al., Protocolos de Revista de Saúde –


prevenção e SantaMaria
tratamento de úlceras
por pressão: análise
da
produção brasileira

2017 SOUZA et al., Lesão por Pressão: In:


Fatores
Congresso
Desencadeantes e
Internacional
Atualização do
de
National
Enfermagem.
PressureUlcer
Advsory Panel
(NPUAP)
2017 ABREU et al., Ações de Revista de
enfermagem para Pesquisa
prevenção de Interdisciplinar
úlceras por pressão
em
clientes em unidade de
terapia intensiva

2017 CALDINI et al., Intervenções e Revista da Rede de


resultados de Enfermagem
enfermagem para
do Nordeste –RENE
risco de lesão por
pressão em pacientes
críticos

2017 PEREIRA et Pressure in jury Revista de


al.,
incidence in a Enfermagem UFPI
university hospital

2017 STUQUE et Protocolo para Revista da Rede de


al.,
prevenção de úlcera Enfermagem
por pressão
do Nordeste –RENE

2017 VASCOCELO Ações de Escola Anna


S; CALIRI enfermagem antes e Nery
após um protocolo Revista
de prevenção de deEnfermagem
lesões por pressão
em terapia intensiva

2018 SILVA et al., As principais Revista Uningá


coberturas
utilizadas
pelo
enfermeiro
3. CONSIDERAÇÕESFINAIS

Após a cotização das informações e análise das mesmas foi verossímil c


oncluir que o trabalho realizado pela enfermagem na prevenção das lesões por
pressão é trivial e basal, mas também é o melhor que estes podem fazer.
Para a verificação de desenvolvimento das LPP, é primordial que todas
as particularidades sejam consideradas para a melhor avaliação e com isso ad
otar a melhor conduta, pois esta não ocorre apenas por um resoluto fator de ris
co, mas pela relação dos diversos fatores relacionados ao paciente e aos cuida
dos realizados pela equipe de enfermagem.
A confluência de LPP em pacientes acamados ainda é muito colossal o
que aponta que os enfermeiros têm um papel muito fundamental a realizar frent
e na utilização de escalas preditivas, da educação continuada, por ser o enferm
eiro um educador por excelência, e através da adoção de protocolos operacion
ais padrão (POP).
Outro item que merece saliência são as ações preventivas efetuadas pel
a equipe de enfermagem, mesmo sendo trivial e basais é, de certa forma, sufici
ente e atenua o advento das lesões.
E se faz primordial apontar que a contingência formulada e os objetivos
cursados para a empreendimento deste artigo, foram majestosamente
confirmados. Onde percebeu-se que é realmente o enfermeiro o fundamental
agente, apto para realizar as rotinas de prevenção e tratamento das lesões por
pressão.
REFERENCIAS

COMARU, JL; LOPES, EM; MACHADO, AC; MAIA, RLA; MEIRELES, SMP.
SOARES, CRS; Protocolo de prevenção de lesão por pressão. EBSERH/
MEAC. 2016. Disponível em:
<http://www.ebserh.gov.br/documents/214336/1110036/pro.nusep.005+-
+protocolo+de+prevenção+de+lesão+por+pressão.pdf/f7001413-ed33-4033-
8259-d0e3b5ba926b>. Acesso em: 18 nov. 2019.

COREN-DF. Muda Terminologia para úlcera por pressão. 2016.


Disponível em:https://www.coren-df.gov.br/site/muda-terminologia-para-
ulcera-por- pressao/. Acesso em: 15 nov. 2019.

GIL, AC. Métodos e Técnicas de pesquisa social. São Paulo: 6.ed. Atlas,
2008.

HORA, FL.; JESUÍNO, PS; NÔ, LA; ROCHA, RM; SILVA, EC. Semana de
prevenção da lesão por pressão: relato de experiência. Revista Focando a
Extensão, v.4, n.6, 2016.
Disponívelem:<http://periodicos.uesc.br/index.php/extensao/article/view/1436>.
Acesso em: 18 nov. 2019.

MARCONI, MA; LAKATOS, EM. Fundamentos de metodologia científica. 6ª


ed. São Paulo, SP: Atlas, 2005.

MAZZO, A; MIRANDA, FBG; MESKA, MHG; BIANCHINI, A; BERNARDES,


RM; PEREIRA JR, GA. Ensino de prevenção e tratamento de lesão por
pressão utilizando simulação. Esc Anna Nery, 22(1), 2018.
Disponívelem:<http://www.scielo.br/pdf/ean/v22n1/pt_1414-8145-ean-2177-
9465-EAN-2017-0182.pdf>. Acesso em: 19 nov. 2019.

MENDONÇA, PK. Lesões por pressão: ocorrências, fatores de risco e


prática clínica preventivas dos enfermeiros em centros de terapia
intensiva. 86f. Dissertação (Mestrado). UFMS. 2017. Disponível em:
<http://repositorio.cbc.ufms.br:8080/jspui/handle/123456789/3105. >. Acesso
em: 16 nov. 2019.

NICOLÁS, MAS. Uma análise sobre o processo de desenvolvimento de


negócios inovadores de base tecnológica. Araranguá, 2014. Disponível em:
<https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/132198/Michel_Ni
colas.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em: 23 out. 2019

SOARES, CF; HEIDEMANN, ITSB. Promoção da saúde e prevenção da lesão


por pressão: expectativas do enfermeiro da atenção primária. Texto contexto -
enferm.,Florianópolis, v. 27, n. 2, 2018. Disponível em:
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-
07072018000200301>. Acesso em: 15 nov. 2019.

Você também pode gostar