Você está na página 1de 15

TEXTO I - Para as questões de 1 a 4.

O PLANO B DA FIFA

Em oitenta anos de Copa do Mundo, dezesseis países já sediaram o evento. Apenas quatro
experimentaram a oportunidade de fazê-lo de novo. Em outubro de 2007, o Brasil foi escolhido como o
quinto país a ter o privilégio de receber pela segunda vez o maior espetáculo esportivo do mundo. Em dois
anos e meio de preparação, porém, o que deveria ser motivo de euforia aos poucos vai se transformando
numa fonte crescente de preocupação. A quatro anos do início do campeonato, a única realização concreta
até hoje foi a escolha das doze cidades-sede – e nem isso está devidamente definido. As obras de
infraestrutura não começaram e os estádios só existem nas maquetes. Pelo cronograma imposto pela Fifa,
as arenas já deveriam estar sendo erguidas desde janeiro passado. Como nenhum tijolo foi movido,
prorrogou-se o prazo para março. Mas, de novo, nada aconteceu. O derradeiro “limite” – também não
levado a sério pelos organizadores – termina nesta semana. A Fifa, preocupada, enviou um alerta ao
governo sobre a existência de um plano de contingência. Se o Brasil continuar descumprindo as metas e os
prazos estabelecidos pela entidade, a Inglaterra já estará pronta e preparada para receber a Copa de 2014.
O risco de o Brasil pagar o maior mico da história dos mundiais – até hoje nunca houve um caso de
descredenciamento às vésperas da competição – é muito baixo, mas os alertas emitidos devem ser levados
em conta. A azáfama da Copa da África do Sul corre o risco de se repetir no Brasil. A advertência da Fifa
funciona como estratégia de pressão. [...]
Gustavo Ribeiro, Brasil, Veja, 5 de maio 2010, p.74-75.

01. Assinale nas afirmativas abaixo falso (F) ou verdadeiro (V).

I. ( ) O Brasil irá, pela primeira vez, sediar uma Copa do Mundo de Futebol.
II. ( ) O que se sabe, com certeza absoluta, são as 12 cidades que sediarão os jogos.
III. ( ) O prazo final para a construção e/ou reforma dos estádios termina no início de maio, segundo
o texto.
IV. ( ) É muito grande o risco de o Brasil perder o privilégio de sediar a Copa do Mundo de 2014.

A alternativa correta é:

a) I – V, II – F, III – F e IV – F
b) I – V, II – V, III – F e IV – F
c) I – F, II – F, III – V e IV – V
d) I – V, II – F, III – V e IV – F
e) I – F, II – F, III – V e IV – F

02. No trecho: “O derradeiro “limite” – também não levado a sério pelos organizadores – termina nesta
semana.”, as aspas, em limite, têm a intenção de:
a) Definir o prazo para as providências, dando-lhe o devido destaque.
b) Comprovar que há um limite para tudo.
c) Ironizar sobre a irresponsabilidade dos organizadores.
d) Demonstrar a gravidade da situação.
e) Reforçar que, se não cumprido esse prazo, perderemos a chance de sediar a Copa do Mundo
2014.

03. Marque a opção em que a palavra “azáfama”, do trecho: “A azáfama da Copa da África do Sul corre o
risco de se repetir no Brasil”, encontra um significado semelhante:
a) Não se podia conter a irritação que assolava a todos naquela preparação do evento.
b) Todos sabiam da urgência que havia em se preparar.
c) Podia-se ver a alegria de todos os presentes.
d) Todas as preocupações exacerbavam seu humor naquele período.
e) A possibilidade de vencer assoberbava os torcedores.

04. As “arenas” de que fala o texto são:


a) A área central, coberta de areia, como nos circos romanos.
b) Picadeiro.
c) Terreno circular, fechado, para espetáculos.
d) Palco, nos teatros de arena.
e) Estádios.
1
TEXTO II - Para as questões de 5 a 9.

ESSE POÇO TEM FUNDO?

Houve um tempo em que se ensinava às crianças que, se a gente furasse um poço dias e dias e
anos e anos a fio, chegaríamos ao Japão (ou era China que diziam?) e estaríamos no meio de crianças
orientais de olhos puxados e costumes muito diferentes. Menina de cidade do interior, só conheci a
maravilhosa cultura oriental muitos anos depois.
Adulta, descobri que a vida tem outros poços, nem todos divertidos. Um deles agora se afunda
como se não tivesse chão: o poço dos escândalos nossos de cada dia, o poço da nossa desolação e dos
nossos enganos. Percebo que, a pior das situações, raras pessoas ainda se dão ao trabalho de se
preocupar de verdade. A maioria, talvez para suportar tantos desencantos dá de ombros, dizendo que é
isso mesmo, as coisas são assim, no Brasil é assim, no mundo inteiro está ficando assim, e afinal “não tem
problema”.
Propriedades produtivas são invadidas sob proteção não se sabe de quem: ninguém parece fazer
nada. Congressistas e senadores fazem farras inimagináveis quando ainda acreditávamos neles: não tem
problema. Mensaleiros continuam sendo processados, mas não sei que tenham perdido a honra, ou vivam
execrados. Agora, no Supremo Tribunal do país, ministros batem boca diante de telespectadores atônitos:
parece que perdemos o último baluarte de nossa esperança.
Mas fiquem tranquilos, não tem problema.
(Lya Luft, Veja, 6 de maio, 2009, p. 24)

05. O texto inicia-se com uma lenda brasileira, segundo a qual, se furássemos um poço durante muito
tempo, poderíamos chegar ao Japão, ou à China. Essa lenda parte do pressuposto que:
a) O planeta Terra é oco.
b) Nosso planeta tem as dimensões menores do que imaginamos.
c) A Terra é redonda.
d) O Japão não é tão distante do Brasil.
e) Não existe nada do outro lado do nosso planeta.

06. Observe este trecho: “Mensaleiros continuam sendo processados, mas não sei que tenham perdido a
honra” e dê a classificação correta da oração destacada:
a) Oração coordenada assindética.
b) Oração subordinada substantiva objetiva direta.
c) Oração coordenada sindética adversativa.
d) Oração subordinada adjetiva restritiva.
e) Oração subordinada substantiva completiva nominal.

07. Ao afirmar que: “Congressistas e senadores fazem farras inimagináveis quando ainda acreditávamos
neles: não tem problema. Mensaleiros continuam sendo processados, mas não sei que tenham perdido
a honra, ou vivam execrados”, Lya Luft confirma seu ponto de vista de que:
a) O MST ocupa terras produtivas.
b) Os Ministros do STF batem boca diante da população.
c) Realmente, isso não é um problema para o país.
d) Ninguém parece fazer nada nos casos de desmandos deste país.
e) O povo brasileiro está encantado com isso tudo.

08. No texto, Lya Luft utiliza a construção: “Adulta, descobri que a vida tem outros poços, nem todos
divertidos”. É um recurso estilístico que busca dar ênfase à sua construção. Na realidade, ela está
dizendo que:
a) Descobriu outros poços nem tão divertidos só porque ficou adulta.
b) Quando ficou adulta, descobriu outros poços nem tão divertidos.
c) Quando se é adulto, descobrir outros poços não é mais divertido.
d) Porque descobriu outros poços nem tão divertidos, fez-se adulta.
e) Os adultos sempre descobrem outros poços nem tão divertidos.

09. A linguagem utilizada pela escritora neste seu texto é:


a) Informativa
b) Popular
c) Coloquial
d) Culta
e) Erudita

2
10. Marque a alternativa em que todas as palavras estão corretamente grafadas:
a) “A tecnologia, ainda que desigualmente distribuída, é a melhor metáfora da trajetória humana na
Terra.”
b) “O tratamento psiquiátrico moderno praticamente inexiste no país e pacientes com depressão ou
psicose sofrem um forte estiguima social.”
c) “A decisão do estado de retomar o controle das favelas cariocas rompe com a lógica da
complacência e da froxidão com a bandidagem, que contaminou as políticas de segurança pública
no Rio nas últimas décadas.”
d) Ele já foi segurança particular do Presidente, atuando como acessor especial da Presidência da
República.
e) Eles não temiam os prováveis impecilhos que surgissem no caminho.

11. Verifique as construções abaixo, observando o uso das formas verbais :


I. Eles não haviam ainda visitado os museus da cidade, como o previsto.
II. Quando vir meu novo apartamento, saberá o porquê do meu sufoco.
III. No momento em que você disse saber todas as respostas, fiquei preocupado.
IV. Peça-lhes para virem aqui, assim que elas poderem.

a) Todas as construções estão corretas.


b) Apenas as construções I e II estão corretas.
c) Apenas as construções III e IV estão erradas.
d) Apenas a construção III está correta.
e) A construção IV é a única errada.

TEXTO III – Para as questões 12, 13, 14 e 15.

Arruda, quem te viu e quem te vê

Cabisbaixo, abatido e amparado por Flávia, sua mulher, o ex-governador do DF José Roberto
Arruda deixou a Superintendência da PF em Brasília, na segunda-feira, 12, após 61 dias de prisão. Barba e
cabelos brancos, Arruda era um homem deprimido e de olhar vazio, e em nada parecia o governador
arrogante que, exibindo um sorriso sarcástico, apareceu na televisão embolsando um calhamaço de
cédulas entregues pelo delator Durval Barbosa como parcela da propina do Mensalão do DEM. Na semana
do aniversário de Brasília, pode-se afirmar que Arruda envelheceu 60 anos em 60 dias. Ao sair da cadeia,
ele disse aos amigos que vai para um lugar onde ninguém o conheça. Será muito difícil encontrar tal lugar
no País.
Arruda deixou a carceragem da PF a tempo de interferir na eleição indireta para a escolha do novo
governador – ele ainda tem parlamentares que lhe são fiéis. Entre os candidatos com mais chance de vitória
estavam o atual governador interino, Wilson Lima (PR), que reuniu em torno de seu governo os grupos de
Arruda e do ex-governador Joaquim Roriz. Outro candidato forte era Rogério Rosso (PMDB), que foi
presidente da Codeplan na administração de Arruda. E também levava chance o pastor Aguinaldo de Jesus
(PRB), articulado e com o apoio dos ex-deputados Leonardo Prudente (DEM) e Júnior Brunelli (PSC), que
renunciaram, por envolvimento no Mensalão. No cinquentenário da capital não há santo para governá-la.
ISTOÉ, 21/04/2010, p. 48-49.

12. “Mensalão” é um termo atual, criado no século XXI e que vem sendo bastante usado na mídia e que
significa:
a) Suborno periódico a parlamentares.
b) Aumentativo da palavra “mês”.
c) Aumentativo da palavra “mensal”.
d) Pagamento de dívida descontado em holerite.
e) Pagamento de Imposto de Renda.

13. No trecho: “...Arruda era um homem deprimido e de olhar vazio, e em nada parecia o governador
arrogante que, exibindo um sorriso sarcástico, apareceu na televisão ...”os sinônimos das palavras
grifadas são, respectivamente:
a) Altivo – abatido – vago – escarnecedor
b) Orgulhoso – zombeteiro – vago – abatido
c) Abatido – atrevido – vago – escarnecedor
d) Abatido – vago – atrevido – escarnecedor
e) Zombeteiro – orgulhoso – vago – abatido

3
14. Observe a passagem: “... ele ainda tem parlamentares que lhe são fiéis ...”, o pronome pessoal
oblíquo LHE está exercendo que função sintática?
a) Objeto indireto.
b) Complemento nominal.
c) Adjunto adnominal.
d) Sujeito.
e) Predicativo do sujeito.

15. Na construção: “No cinquentenário da capital não há santo para governá-la”, há um recurso estilístico
que provoca ironia, além de ambiguidade de sentido. Em que termo(s) repousa a força desse recurso?
a) Capital.
b) Cinquentenário.
c) Governá-la.
d) Santo.
e) Não há.

16. Na seguinte propaganda da “OI”, que circula pela mídia atual,: “MOSTRE QUE VOCÊ TEM ORGULHO
DE SER BRASILEIRO”, a forma verbal em destaque está no:
a) Modo indicativo, tempo presente.
b) Modo indicativo, tempo futuro do presente.
c) Modo imperativo, forma afirmativa.
d) Modo subjuntivo, tempo presente.
e) Infinitivo pessoal.

17. Se substituirmos VOCÊ por TU, no texto da questão anterior, mantendo o mesmo tempo e modo, a
redação ficará:
a) Mostra que tu tens orgulho de ser brasileiro.
b) Mostras que tu tens orgulho de ser brasileiro.
c) Mostra que tu tem orgulho de ser brasileiro.
d) Mostres que tu tens orgulho de ser brasileiro.
e) Mostre que tu tens orgulho de ser brasileiro.

18. Leia esta frase: “O Pato Donald, que Walt Disney criou, usa sempre uma camisa e um quepe de
marinheiro”. Se retirarmos as vírgulas dessa frase, que mudança de significado ocorre?
a) Nenhuma, pois elas ali são apenas explicativas.
b) Fazem perceber que o Pato Donald está sempre vestido.
c) Dão a informação de que o Pato Donald era um marinheiro.
d) Dão a informação de que há outros “Patos Donalds”, criados por outros desenhistas.
e) Dão a certeza de que há apenas um Pato Donald.

19. Observe as frases abaixo, retiradas do texto “Os urubus e os sabiás”, de Rubem Alves, com ligeiras
alterações, para o questionamento que segue:
I. Quando lhes pediram os alvarás para o canto, as aves se olharam perplexas, porque nunca
tinham imaginado que tais coisas houvessem.
II. Não haviam passado por escolas de canto, porque o canto nascera com elas.
III. Os urubus decidiram que haveriam de se tornar grandes cantores.
IV. E os urubus, em uníssono, expulsaram da floresta os passarinhos que haviam por lá e que
cantavam sem alvarás...
Pode-se afirmar que estão erradas quanto à concordância do verbo HAVER, as seguintes frases:
a) Apenas a frase I
b) Todas elas estão erradas
c) Apenas as frases I e II
d) Apenas a frase IV
e) Apenas as frases I e IV

20. Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas do seguinte período:


“Ainda ________ nervosa, mas com ________ veemência, gritava palavrões ___________ para corar
os mais sensatos.”
a) meio – menos – bastantes.
b) meio – menos – bastante.
c) meio – menas – bastante.
d) meia – menos – bastante.
e) meia – menas – bastantes.
4
21. Em relação às obras literárias indicadas para leitura, analise as afirmativas abaixo.

I. Memórias de um sargento de milícias, de Manuel Antônio de Almeida, contrasta com a ficção


brasileira do período romântico por apresentar tom coloquial e estilo de caráter popular, elementos
que acarretam comicidade à obra.
II. Em Lira dos vinte anos, de Álvares de Azevedo, destacam-se contos que apresentam criaturas
marginalizadas como personagens de enredos ambientados em cenários escuros, tétricos,
macabros e tematizam a necrofilia, o incesto e a morte. Constitui um dos mais significativos
exemplos da literatura “mal do século”.
III. Morte e vida severina,de João Cabral de Melo Neto, é um poema dramático que remete ao
percurso realizado por Severino para escapar da seca nordestina, peregrinando do interior do
sertão até o rio Capibaribe.
IV. Em Macunaíma, o herói sem nenhum caráter, de Mário de Andrade, pode-se observar o ideal
estético do autor ao recorrer a frases feitas, provérbios, lendas populares das várias regiões do
país e modismos de linguagem como forma de delinear a figura do brasileiro comum.

Estão corretas as afirmativas:

a) Apenas I e II
b) Apenas I, II e III
c) Apenas I, III e IV
d) Apenas II, III e IV
e) Apenas III e IV

22. Estão presentes em Uma noite em Curitiba, de Cristóvão Tezza, exceto:

a) romance epistolar
b) crítica ao sistema educacional
c) quebra de valores familiares
d) relação conflituosa entre pai e filho
e) linguagem hermética

23. Observe o trecho:


“Quando eu tinha os meus quinze anos e traduzia na classe de grego do Pedro II a Ciropédia, fiquei
encantado com esse nome de uma cidadezinha fundada por Ciro, o Antigo, nas montanhas ao sul da
Pérsia, para lá passar os verões. A minha imaginação de adolescente começou a trabalhar, e vi
Pasárgada e vivi durante alguns anos em Pasárgada”.
As palavras acima podem ser atribuídas a que poeta e a qual poema de sua produção
respectivamente?

a) Manuel Bandeira e Vou me embora pra Pasárgada


b) Álvares de Azevedo e Lembrança dos quinze anos
c) Manuel Bandeira e Poética
d) João Cabral de Melo Neto e Vou me embora pra Pasárgada
e) Álvares de Azevedo e Lembrança de morrer

24. Em relação ao romance Angústia, de Graciliano Ramos, assinale a alternativa incorreta:

a) Trata-se de um romance pertencente à literatura engajada produzida pelo autor, cuja luta de
classes é um tópico evidente.
b) Representante do neorregionalismo modernista, o romance é ancorado na paixão proibida entre
Luís da Silva e Marina, respectivamente representantes da família rica advinda dos grandes
latifudiários e dos serviçais escravizados pelos senhores de engenho.
c) Marina é a personagem feminina que aparece para desestruturar o mundo do personagem Luís da
Silva, fazendo-o cometer atos violentos.
d) Julião Tavares representa o elemento antagonista do romance, através de seus valores
apregoados exerce função opositiva a Luís da Silva.
e) Caracterizado pela função metalinguística, o romance discorre sobre o inferno autodestrutivo
vivenciado por Luís da Silva a partir do momento que se deixa levar pelo sentimento amoroso e
possessivo por Marina, sua vizinha.

5
25. A partir do fragmento a seguir, assinale a alternativa incorreta:
“Escrevo esse livro por dinheiro. É melhor dizer logo na primeira linha o que a cidade inteira vai repetir
quando o meu pai voltar a ser notícia, agora em forma de livro, o que é um pouco mais respeitável –
mas não muito. Bem, nada a perder; a imprensa se encarregou de destruí-lo antes de mim. Uma foto
indiscreta na revista e o porteiro já arrota superioridade – eu que abra sozinho a porta do elevador e
que o diabo carregue o pacote do supermercado! É a tal democracia, que o velho sempre prezou. Eu
também, é claro. O direito de dizer as coisas. Mesmo assim, posso imaginar a dupla condenação moral,
as cabeças balançando de horror, o próprio filho?! Inacreditável!”
Cristóvão Tezza. Uma noite em Curitiba. Rio de Janeiro: Rocco, 1995. p.05, grifo do autor.
a) O fragmento apresenta o narrador do romance, filho do professor universitário Frederico Rennon,
que, a partir das cartas deixadas pelo pai, inicia a elaboração da história utilizando elementos
metanarrativos que podem ser observados, por exemplo, na seguinte frase Escrevo esse livro por
dinheiro.
b) O fragmento antecipa situações que serão desenvolvidas e narradas, ainda que de forma
fragmentária, no romance. Entre elas a notícia do suicídio de F. Rennon e a organização dos fatos
em forma de livro a que o filho se dedica.
c) A frase É a tal democracia, que o velho sempre prezou permite verificar o traço característico de
Frederico Rennon, professor e pesquisador de história que, no passado, foi um jovem
revolucionário e, no presente, vê-se envolto nos mistérios e segredos desse tempo. Sara Donovan
emerge, assim, como o elemento que o conecta a esse passado.
d) O fragmento evidencia uma das características marcantes do romance, o processo crítico através
do qual o narrador se dispõe a avaliar tanto as atitudes do pai quanto as de si próprio. Dessa
forma, antecipa o pensamento dos outros quanto ao que se propõe a fazer quando afirma imaginar
a dupla condenação.
e) O fragmento expõe as características do personagem narrador, um jovem desprovido de ambições
que pretende, através da organização das cartas deixadas pelo pai, resgatar a relação harmoniosa
que mantinham e recuperar a felicidade familiar tão marcante em sua trajetória.

26. Leia os fragmentos abaixo pertencentes à obra Lira dos vinte anos, de Álvares de Azevedo.
Lembrança de morrer
Quando em meu peito rebentar-se a fibra
Que o espírito enlaça à dor vivente,
Não derramem por mim nem uma lágrima
Em pálpebra demente.
[...]
Eu deixo a vida como deixa o tédio
Do deserto, o poento caminheiro
- Como as horas de um longo pesadelo
Que se desfaz ao dobre de um sineiro.
[...]
Descansem o meu leito solitário
Na floresta dos homens esquecida,
À sombra de uma cruz, e escrevam nela:
- Foi poeta – sonhou – e amou na vida. –
[...]
Álvares de Azevedo. Lira dos vinte anos. São Paulo: Melhoramentos, 1999.
I. O primeiro verso representa a metáfora constante na poética do autor: a morte.
II. Pertencente à primeira parte da obra Lira dos vinte anos, os fragmentos representam o
romantismo sonhador e sentimental ancorado nos ideais de poetas com Lord Byron e Alfred de
Musset.
III. Representativos do chamado “mal do século”, os versos acima assinalam o pessimismo, o tédio e
a melancolia.
IV. Os versos finais “- Foi poeta – sonhou – e amou na vida” podem ser lidos como síntese da vida do
próprio poeta, uma vez que morreu jovem e acometido pelos sentimentos ultrarromânticos do
período.
V. Os versos “Eu deixo a vida como deixa o tédio/do deserto, o poento caminheiro” apresentam
traços estilísticos como o enjambement (encadeamento) e a hipérbole.
Estão corretas as afirmativas:
a) Apenas I e IV
b) Apenas II, III e V
c) Apenas I, II e III
d) Apenas I, II, III e IV
e) Todas.
6
27. A partir do fragmento que segue, extraído de Angústia, de Graciliano Ramos, assinale a alternativa
incorreta:

“Não, não é o sino da igreja, é o relógio da sala de jantar. Oito e meia. Preciso vestir-me depressa,
chegar à repartição às nove horas. Apronto-me, calço as meias pelo avesso e saio correndo. Paro
sobressaltado, tenho a impressão de que me faltam peças do vestuário. Assaltam-me dúvidas idiotas.
Estarei à porta de casa ou já terei chegado à repartição? Em que ponto do trajeto me acho? Não tenho
consciência dos movimentos, sinto-me leve. Ignoro quanto tempo fico assim. Provavelmente um
segundo, mas um segundo que parece eternidade. Está claro que todo o desarranjo é interior. Por fora
devo ser um cidadão como os outros, um diminuto cidadão que vai para o trabalho maçador, um Luís
da Silva qualquer.”
Graciliano Ramos. Angústia. 53 ed. São Paulo: Record, 2001, p. 22

a) Romance, narrado em primeira pessoa, apresenta a personalidade confusa de Luís da Silva, um


simples funcionário público, caracterizado no fragmento como “um diminuto cidadão que vai para o
trabalho maçador”.
b) Romance, narrado em terceira pessoa, apresenta como personagem principal Julião Tavares e
enredo voltado para o adultério feminino cometido por sua esposa, Marina.
c) Caracterizado por tempo predominantemente psicológico, a narrativa apresenta elementos como o
monólogo interior e o fluxo de consciência para dar profundidade e complexidade à psiquê
conturbada de Luís da Silva.
d) A narrativa endossa a preocupação ideológica de Graciliano Ramos ao registrar situações em que
o personagem Luís da Silva se vê acossado pelo avanço capitalista e pela dificuldade de lutar
contra o sistema que o oprime.
e) O personagem-narrador, Luís da Silva, mostra-se ciente de sua perturbação psicológica e tenta,
durante o romance, organizar suas memórias passadas e os acontecimentos presentes como
forma de recuperar seu equilíbrio mental.

28. Observe o fragmento abaixo, pertencente ao romance Memórias de um Sargento de Milícias, e assinale
a alternativa correta:

Cumpre-nos agora dizer alguma coisa a respeito de uma personagem que representará no correr desta
história um importante papel, e que o leitor apenas conhece, porque nela tocamos de passagem no
primeiro capítulo: é a comadre, a parteira que, como dissemos, servira de madrinha ao nosso
memorando.
Era a comadre uma mulher baixa, excessivamente gorda, bonachona, ingênua ou tola até certo ponto,
e finória até outro: vivia do ofício de parteira, que adotara por curiosidade, e benzia de quebranto; todos
a conheciam por muito beata e pela mais desabrida papa-missas da cidade.
Manuel Antônio de Almeida. Memórias de um Sargento de Milícias. 4 ed. São Paulo. FTD. 1999. p. 35.

a) A descrição revela uma das características principais do romance ao apresentar personagens tipos
(a comadre, parteira e benzedeira) que advém das camadas populares e torna-se, a comadre,
elemento representativo na obra ao lado do compadre, de Maria da Hortaliça e Leonardo Pataca.
b) A personagem descrita no fragmento ocupa posição secundária na trama, exercendo papel de
coadjuvante de Maria da Hortaliça.
c) A descrição apresenta a característica peculiar do autor Manuel Antônio de Almeida, um estilo que
se utiliza de figuras de linguagem extravagantes recorrentes ao período parnasiano.
d) A personagem descrita revela-se, durante a narrativa, a mãe biológica de Leonardinho e, por isso,
intervém no futuro do rapaz ao indicá-lo para o cargo de Sargento de Milícias.
e) A descrição aponta para a essência da narrativa, a comadre, tal qual Leonardinho, é representante
da malandragem brasileira. À sua maneira, utiliza-se de meios ilícitos para enriquecer e mudar de
vida.

7
29. Sobre os romances Memórias de um Sargento de Milícias, de Manuel Antônio de Almeida e
Macunaíma: O herói sem nenhum caráter, de Mário de Andrade, assinale a alternativa correta:
a) Apresentam elementos convergentes entre si. Entre eles podemos destacar o personagem
principal caracterizado como anti-herói, a linguagem marcada por traços coloquiais e o espaço
narrativo exclusivamente urbano.
b) Apresentam elementos designativos da identidade nacional. Em ambos, o caráter (ou a falta de
caráter) do brasileiro encontra nas malandragens promovidas pelos personagens a sua melhor
expressão. Ressalte-se, ainda, que tanto Macunaíma quanto Leonardinho são premiados ao fim
de sua trajetória, o primeiro feliz com sua Muiraquitã e o segundo, feliz com sua amada Vidinha.
c) Podem ser compreendidas como narrativas que recorrem a elementos nacionais: a música, a
miscigenação, o sincretismo religioso, os ditos populares etc. como fundo das ações
empreendidas pelos personagens, e recursos linguísticos que contribuem para o ritmo narrativo.
Tais elementos, entretanto, não figuram como recursos fundamentais que corroboram para a
importância das obras.
d) Apresentam personagens malandros e anti-heróis que fogem da designação maniqueísta dos
romances estritamente românticos. Além disso, Macunaíma e Leonardinho possuem raízes na
tradição da novela picaresca, marcados pelo espírito bufão, travesso e ardiloso.
e) Ainda que obras pertencentes a momentos literários distintos, apresentam elementos míticos
correspondentes à formação da identidade nacional. Para isso, recorrem a elementos fantásticos
como a metamorfose, o primitivismo e o sobrenatural.

30. Leia atentamente os fragmentos abaixo.


Fragmento I
“E se somos Severinos,
iguais em tudo na vida,
morremos de morte igual,
mesma morte severina:
que é a morte de que se morre
de velhice antes dos vinte,
de fome um pouco por dia
(de fraqueza e de doença
é que a morte severina
ataca em qualquer idade,
e até gente não nascida)”.
João Cabral de Melo Neto. Morte e vida severina e outros poemas em voz alta. 10 ed. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1978. p. 74.
Fragmento II
“De uma coisa tenho certeza: essa narrativa mexerá com uma coisa delicada: a criação de uma pessoa
inteira que na certa está tão viva quanto eu. Cuidai dela porque meu poder é só mostrá-la para que vós
a reconheçais na rua, andando de leve por causa da esvoaçada magreza. E se for triste a minha
narrativa? Depois na certa escreverei algo alegre, embora alegre por quê? Porque também sou um
homem de hosanas e um dia, quem sabe, cantarei loas que não as dificuldades da nordestina. (...)
Agora não é confortável: para falar da moça tenho que não fazer a barba durante dias e adquirir
olheiras escuras por dormir pouco, só cochilar de pura exaustão, sou um trabalhador manual. Tudo isso
para me pôr no nível da nordestina. Sabendo no entanto que talvez eu tivesse que me apresentar de
modo mais convincente às sociedades que muito reclamam de quem está neste instante batendo à
máquina.”
Clarice Lispector. A hora da estrela. Rio de Janeiro: Rocco, 1999. p. 19.
Assinale a alternativa incorreta:
a) Os textos, pertencentes a gêneros literários distintos – lírico e narrativo – coadunam-se por
apresentarem conteúdo de temática social.
b) Os textos aproximam elementos entre os personagens. No monólogo de Morte e vida são
observados os tipos de morte que atingem o nordestino Severino e em A hora da estrela são
mencionadas a magreza e as dificuldades da nordestina Macabéa.
c) Através do monólogo, os fragmentos apresentam o mesmo tipo de narrador. Tanto em Morte e
Vida... quanto em A hora da estrela verifica-se um narrador onisciente que avalia criticamente as
posições dos personagens.
d) Enquanto o narrador de A hora da estrela caracteriza-se fisicamente para se colocar ao nível da
nordestina, Severino apresenta-se como o próprio nordestino e evidencia sua aproximação com os
demais nordestinos identificados como severinos.
e) Os fragmentos distinguem-se porque Morte e vida severina apresenta o monólogo introdutório de
Severino, enquanto em A hora da estrela, o narrador Rodrigo S. M. apresenta, de forma
metalinguística, o processo de construção da personagem Macabéa.

8
LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA

Atenção: Responda as questões de língua estrangeira de acordo com a opção feita no ato da inscrição:
Língua Inglesa – páginas 10, 11 e 12 ou Língua Espanhola – páginas 12, 13, 14 e 15.

LÍNGUA INGLESA

TEXTO IV – Para responder as questões 31 e 32.

Mahatma Gandhi
A saint, political leader and religious prophet born in India in 1869. His millions of followers called
him “Mahatma”, the great soul. He married at the age of twelve and studied law at the University of London.
His greatest ambition: to free India from the British Empire.
During World War I he traveled to England and organized an ambulance corps of Indian students
to help the British Government. Gandhi hoped, by this evidence of loyalty, to secure full equality of rights for
India in the British Empire.
As his plan failed he returned to India and started a civil disobedience campaign of non-
cooperation with the government and boycott of western ideas and goods. He advocated non-violence
(passive resistance) as the best way for India to achieve freedom.
From People Magazine.

31. De acordo com o texto, assinale a alternativa correta:


a) Gandhi, quando estudava em Londres, criou uma associação para ajudar estudantes indianos.
b) Gandhi morou doze anos na Inglaterra.
c) Gandhi mandou seu filho de doze anos estudar em Londres.
d) Gandhi estudou direito em Londres.
e) Gandhi casou aos doze anos e por isso teve que interromper seus estudos na Inglaterra.

32. Assinale a alternativa correta:


a) Gandhi era um líder religioso fanático que influenciou os indianos contra a Inglaterra.
b) O objetivo de Gandhi era tornar a Índia independente.
c) Auxiliando o Governo Britânico durante a guerra, Gandhi conseguiu plena igualdade de direitos para
os indianos.
d) Gandhi lutou contra o Império Britânico na Primeira Grande Guerra.
e) Gandhi passou toda sua vida lutando contra o Império Britânico.

TEXTO V – Para responder as questões 33 e 34.


An uproar of voices was coming from the farmhouse.They rushed back and looked through the
window again. Yes, a violent quarrel was in progress. There were shoutings, bangings on the table, sharp
suspicious glances, furious denials.The source of the trouble appeared to be that Napoleon and Mr.
Pilkington had each played an ace of spades simultaneously.
Twelve voices were shouting in anger, and they were all alike. No question, now, what had
happened to the faces of the pigs.The creatures outside looked from pig to man and from man to pig, and
from pig to man again; but already it was impossible to say which was which.
From Animal Farm, by George Orwell.

33. According to the text:


a) There were twelve pigs there.
b) There were twelve men there.
c) There was just a pig and a man there.
d) There were twelve people there.
e) Pig and man looked alike.

34. A synonym for “to rush back” is:


a) to run away
b) to go back slowly
c) to hurry back
d) to come back
e) to return slowly

9
35. Complete the sentences by inserting the correct relative pronouns:
“The man __________ lives in that farmhouse is very rich.”
“That is the farmer __________ pigs won the first prize .”
“The pigs __________ won the first prize are from my farm.”
“Where is the man at __________ you were smiling?”
a) whose, who, which, whom;
b) who, whose, which, whom;
c) who, which, whose, whom;
d) who, whom, which, whose;
e) whom, whose, which, who.

TEXTO VI – Para responder as questões 36 e 37.


Facts about Kenya
Situated in east Africa, with a coast on the Indian Ocean, Kenya is a vast country of ½ million
square kilometers and with a population of 34 million people. It stretches from the sea with its sandy
beaches, across the plains and forest land, to the mountains which rise to heights of over 5.ooo meters. The
capital, Nairobi, which is a hundred and ten years old, is the most important business and conference centre
in Africa.
The climate is very pleasant, although there is heavy rain in April, May and June.This type of
weather is particularly suitable for growing bananas, sugar, cotton, tea and, above all, coffee. Much of this
produce is taken to Mombasa, the largest port in the country , and exported all over the world. Most tourists
come to see the wonderful national game parks, taking safari tours through the bush to see the scenery and
the wildlife: elephants, lions, giraffes, rhinos and monkeys. There are also plenty of opportunities for fishing
or relaxing on the beach.
From National Geographic.
36. Nairobi is:
a) not a very ancient city.
b) situated near very tall mountains.
c) the largest city in Africa.
d) rainy in summer.
e) not as large as Mombasa.

37. Kenya is visited mainly by tourists who:


a) want to visit Mombasa.
b) want to visit Nairobi.
c) hate safari tours and national parks.
d) enjoy wildlife and safari tours.
e) are interested in doing business.

TEXTO VII – Para responder as questões 38 e 39.


The origin of the condom
One of the first reliable references of the use of the condom dates back to the Italian anatomist
Fallopius (1523 – 1562). He recommended an uncomfortable little linen bag tied to the penis that probably
th
was not used as contraceptive, but as prevention against venereal diseases. In the 18 century, an English
doctor, known as Dr. Condom, alarmed with the number of illegitimate children of the king Charles II of
England, (nine sons and seven daughters from his many mistresses but none from his wife ) decided to
create a protector made of animal guts, to prevent the birth of more royal illegitimate children. Only in the first
half of the last century condoms began to be made of rubber.
From Kings, Queens, Bones & Bastards by David William
38. Assinale a alternativa correta.
a) Fallopius inventou o preservativo para evitar que nascessem crianças bastardas.
b) Dr. Condom criou uma espécie de preservativo para prevenir doenças venéreas.
c) O primeiro preservativo era feito de borracha.
d) Fallopius inventou um preservativo feito de tripa de animal.
e) O primeiro preservativo foi criado para prevenir doenças venéreas.

39. Assinale a alternativa incorreta.


a) O rei Carlos II da Inglaterra teve muitos herdeiros para dividir o trono.
b) O rei Carlos II da Inglaterra teve muitos filhos ilegítimos.
c) O rei Carlos II da Inglaterra teve muitas amantes.
d) Dr. Condom era um médico inglês no reinado de Carlos II.
e) O rei Carlos II da Inglaterra teve sete filhas e nove filhos.

10
40. Choose the correct negative form for:
“Charles II of England had a legitimate child.”
a) Charles II of England did not had a legitimate child.
b) Charles II of England does not have a legitimate child.
c) Charles II of England did not have a legitimate child.
d) Charles II of England has not had a legitimate child.
e) Charles II of England don’t have a legitimate child.

LÍNGUA ESPANHOLA

31. Elija la alternativa que completa correctamente las sentencias con los artículos definidos adecuados:
Por ello, ____ leche en polvo era un ítem esencial en ___ equipaje. También lo era ___ crema para
____ protección de ___ piel, en especial de ___ nariz, puesto que parece ser esta la parte del cuerpo
más sensitiva a las acciones directas de los rayos del sol.
Un viaje fantástico, adaptado de Adalberto Ayala, La Estrella de Tegucigalga, 29/09/95
a) el, la, la , el, la, lo
b) la, la, la, el, la, lo
c) la, el, la, el, la, lo
d) la, el, la, la, la, la
e) el, el, la, la, la, la

32. Ponga atención en las expresiones, dónde, adónde, de dónde. Después, elija la alternativa que
completa correctamente las sentencias con esas palabras:
¿________ te gustaría ir en tus vacaciones de julio? Me gustaría ir a Isla Fernando de Noronha. ¿
_________ sacaste esa idea bárbara? La saqué de mi cerebro. ¿Y ahora ________ va usted? Ahora
voy al cine. Dímelo: ¿______ vino aquela chica? Ella vino de Madrid. ¿ _____ está tu reloj? Mi reloj está
en mi casa.
a) dónde, adónde, dónde, de dónde, adónde
b) adónde, de dónde, adónde, de dónde, dónde
c) dónde, dónde, adónde, de dónde, adónde
d) adónde, adónde, de dónde, adónde, de dónde
e) dónde, dónde, adónde, adónde, dónde

33. Lee la frase y después señala el ítem que corresponde a la traducción correcta del adverbio “apenas”
para el portugués:
“Las personas que no les gustan leer y estudiar apenas pueden entender las cosas más sencillas.”
a) somente
b) só
c) nem bem
d) logo
e) mal

34. Observa estos versos del poema Me gustas cuando callas..., de Pablo Neruda. Luego, elija la
alternativa que se adecua al sentido de la palabra melancolía.

Me gustas cuando callas porque estás como ausente,


y me oyes desde lejos, y mi voz no te toca.
parece que los ojos se te hubieran volado
y parece que un beso te cerrara la boca.

Como todas las cosas están llenas de mi alma,


emerges de las cosas, llena del alma mía.
Mariposa de sueño, te pareces a mi alma,
Y te pareces a la palabra melancolía.(...)

a) antipatía y aversión hacia alguna cosa o persona cuyo mal se desea.


b) síndrome caracterizado por una tristeza profunda e inmotivada y por la inhibición de todas las
funciones físicas.
c) tristeza vaga, profunda, sosegada y permanente, nacida de causas físicas o morales, que hace que
no encuentre el que la padece gusto ni diversión en ninguna cosa.
d) calma, paciencia, facultad de saberse contener y de no proceder sin reflexión.
e) canto grave y monótono con que se enamoravan los reyes de Menipea.

11
35. ¿ Cuál de las cinco expresiones con el verbo hablar te parece que corresponde al dibujo?

a) Hablar despacito y siempre.


b) Hablar hasta por los codos.
c) Hablar a calzón quitado.
d) Hablar de bueyes perdidos.
e) Hablar más que una mujer.

36. Fíjete en las cinco frases, en seguida, elija el ítem correcto cuanto a los pronombres personales de
cada una de las hablas:
“¿Vive en Sevilla? ¿Hablas chino? ¿Se llama Carmela? ¿Estudias idiomas? ¿Es extranjero?
a) usted, tú, usted, tú, usted
b) tú, usted, tú, usted, usted
c) usted, tú, tú, tú, tú
d) usted, tú, tú, tú, usted
e) tú, tú, usted, tú, usted

37. Atente para la charla y después marca el ítem que corresponde al uso adecuado de los conectores muy
o mucho en los huecos del diálogo.
En el hotel
Recepcionista: Los dos tipos de habitaciones son _____ confortables. Sin embargo, la habitación
superior tiene acondicionador de aire y de televisor en colores.
Juan: ¿La superior es _____ más cara que la estándar?
Recepcionista: Pienso que el precio de la superior no es _____ alto, si consideramos las comodidades
adicionales que incluye. Le sale sólo 120 pesos, mientras la otras le va a costar 90 pesos.
Juan: İGuau! Eso es _____ más de lo que puedo pagar. Voy a quedarme con la estándar.
Recepcionista: Como quiera.
Juan: Muchas gracias.
Texto adaptado.
a) muy, muy, mucho, mucho
b) mucho, muy, mucho, muy
c) mucho, mucho, muy, muy
d) muy, mucho, muy, mucho
e) muy, mucho, mucho, muy

38. Lee el siguiente texto, después las afirmaciones y luego señala solamente una sentencia correcta:
Largo fin de semana
Este fin de semana ha sido muy ajetreado en las carreteras españolas, debido al ‘puente’. Más de un
millón de madrileños han aprovechado la festividad de la Virgen del Pilar para disfrutar en las playas de
Alicante o en la Sierra de Madrid los últimos días cálidos antes del invierno. Los atascos más
importantes se han producido en la salida de las carreteras Nacionales VI, a la Coruña, y IV a
Andalucía.
I. Algunos madrileños han tenido tres días de puente.
II. Sólo ha habido atascos en dos carreteras.
III. Falta poco para el invierno.
IV. Ha habido muchos atascos en el puente del Pilar.
V. Muchos madrileños van a las playas de La Coruña cuando hay puente.
Somente estão corretas as afirmações:
a) I, III e IV
b) II e IV
c) II e V
d) III e IV
e) III e V
12
39. Elija la sentencia adecuada, con los artículos definidos propios, para los siguientes heterogenéricos:
Árbol, sonrisa, labor, dolor, coraje, pasaje, legumbre, protesta, lenguaje, puente.
a) el, la, la, el, el, el, la, la, el, el
b) el, el, el, le, la, la, la, la,el, el
c) la, la, la, el, la, la, el, el, la, la
d) el, el, la, la, el, el, la, el, la,la
e) la, la, el, el, la, la, el, el, la, el

40. Señala la cuestión que establece la relación correcta de las frases:


I. “– Me he roto una pierna” “ – ¡Qué bien!”
II. “– Me he encontrado un billete de 5.000 pesetas por la calle”. “ – ¡Qué rollo!”
III. “– Ayer estuve en un concierto muy bueno.” “ – ¡Qué lástima!”
IV. “– Estoy de mal humor”. “–¿Qué te pasa?”
V. “– He perdido la cartera con el pasaporte”. “ – ¡Qué mala suerte!”
Somente estão corretas as expressões:
a) I, III e IV
b) I, II e V
c) II, III e IV
d) III e IV
e) IV e V

REDAÇÃO
Orientações:

1. A sua redação deverá ter no mínimo 20 e máximo de 30 linhas.


2. Dê um título à sua redação.
3. Apresente-a de forma legível e sem rasuras na folha VERSÃO DEFINITIVA, utilizando caneta
esferográfica com tinta da cor azul ou preta
4. Para rascunho, use a folha disponível no final deste caderno.
5. Só será considerada para avaliação a versão definitiva da redação.
6. Use a norma culta da linguagem.

Com as idéias que surgirem na leitura dos textos abaixo, redija um texto dissertativo-argumentativo em
prosa a respeito do seguinte tema:

LIVRO SEM PAPEL

"Um Livro
Não há transporte comparável a um livro
Ou embarcações como a página
De tocante poesia,
Para nos levar às plagas mais longínquas
Tal travessia ao mais pobre oferecida
Não tem taxas de viagem
Quão frugal é a carruagem
Que ampara a alma humana!"
Emily Dickinson

Por vivermos na era da informatização, em que quase todas as funções e atividades humanas acabam
sendo incorporadas ao computador, não é surpresa que o livro também tenha de se adaptar a esse
contexto e, dessa forma, satisfazer suas decorrentes necessidades.
Glaucia Ventura: unicamp.br/revista/infotec/artigos: 20 maio 2010

A principal vantagem do livro digital é a sua portabilidade. Ele é facilmente transportado em disquetes, CD-
ROMs, pen-drives e cartões de memória. Como se encontra no formato digital, pode ser transmitido
rapidamente por meio da Internet. Se um leitor que se encontra no Japão, por exemplo, tiver interesse em
adquirir um livro digital vendido nos Estados Unidos ou no Brasil, pode adquiri-lo imediatamente e em
alguns minutos estará lendo tranquilamente o seu ebook.
Wikipédia.org: 20 maio 2010

13
“O livro digital pode ser um caminho para aproximar os jovens da leitura, já que eles têm mais facilidade
para lidar com a tecnologia", aposta Norma Lúcia de Queiroz, professora da Faculdade de Educação da
Universidade de Brasília (UnB).
Veja. com: 23 abr. 2010

"Ou a indústria editorial se adapta ou morre." A afirmação, com pretensão de sentença, é do escritor best
seller Paulo Coelho. O criador de O Alquimista se refere, é claro, à suposta ameaça que os e-books,
livros em formato digital, oferecem ao modelo consagrado. De olho na onda virtual que já começou, ele
resolveu surfar: foi o primeiro autor brasileiro a transformar toda a sua obra em e-books e colocá-la à venda
na Amazon.
Veja. com: 23 abr. 2010

O período escolar é mesmo o momento para fisgar o leitor. No Brasil, é durante essa fase que se lê mais -
ainda que pouco. Segundo a última pesquisa Retratos da Leitura, realizada pelo Instituto Pró-Livro em 2008,
quem está na escola lê 7,2 livros por ano. Entre os não estudantes o número cai para menos da metade:
3,4 obras. Ou seja, por aqui, a obrigação faz o leitor. "Você tem que usar uma ferramenta para levar o
potencial leitor até o livro. Se o equipamento evoluir e conseguir instigar as crianças a descobrir histórias,
isso poderá despertar o interesse em ler", diz Zoara Failla, gerente-executiva de projetos do Pró-Livro.
Veja. com: 23 abr. 2010

Eis uma novidade no mercado de e-books brasileiros. A Companhia das Letras começou a vender hoje dois
e-books, no site da Livraria Cultura: Antes do Baile Verde, de Lygia Fagundes Telles, e Cidade Ilhada, de
Milton Hatoum. Infelizmente, os e-book têm preço de livro impresso: estão apenas 25% mais baratos que o
livro de papel, ...
editoraplus.org: 05 abr 2010

São mais de 150 mil brasileiros cegos, quase 1% da população, de acordo com o Censo de 2000 do IBGE.
Desses, 2,8 mil estão matriculados no ensino superior. A falta de material didático é um problema constante
que atinge esses estudantes. Para minimizar o problema, a Universidade São Marcos, através de sua rede
de bibliotecas, montou um acervo digitalizado que já conta com cerca de 250 títulos técnico-científicos nas
áreas de direito, psicologia e pedagogia para atender seus alunos deficientes visuais.
universia.com.br:20 maio 2010

14
FOLHA DE RASCUNHO PARA A REDAÇÃO

________________________________________

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

15