Você está na página 1de 2

Universidade Nove de Julho - UNINOVE

Programa de Pós-Graduação em Administração - PPGA

Disciplina Teoria das Organizações


Curso Mestrado
Linhas de Pesquisa Organizações
Caracterização Obrigatória
Créditos/Carga 2 créditos / 30 horas

Ementa
Evolução da Teoria das Organizações, desde a formação de suas bases epistêmicas até as fronteiras atuais. Visão
compreensiva e crítica das diferentes vertentes da teoria organizacional, incluindo sua importância para a
interpretação não só das questões organizacionais em nosso contexto contemporâneo como também das linhas de
pesquisa fundamentais dessa área.

Objetivos
A disciplina enfatiza o desenvolvimento de uma compreensão ampla de organizações das mais variadas segundo
múltiplas perspectivas de entendimento (as imagens da organização, segundo Gareth Morgan, dentre outras), o que
será relevante para a pesquisa em Administração e sobre as organizações, assim como para a prática nas
organizações. Serão tratadas organizações de diversos tamanhos, setores de atividade, função social, das mais
burocráticas até as menos estruturadas ou do tipo emergentes – como aquelas já mais comuns atualmente, cuja
explicação se inspira muito da teoria dos movimentos sociais. Com tal abordagem, espera-se que os alunos, ao final
da disciplina, possam:
(1) Sem muita dificuldade, analisar teoria e prática organizacionais no mundo contemporâneo apoiando-se em
um olhar crítico e em múltiplas perspectivas já amplamente reconhecidas de explicação do fenômeno
organizacional;
(2) Com segurança, demonstrar ao menos razoável entendimento das principais teorias e abordagens
organizacionais, servindo-se do aprendizado promovido nas aulas, que também lhes oferecerá ampla
oportunidade e intenso estímulo para chegarem ao domínio avançado da matéria.

Metodologia
Aulas expositivas, seminários curtos e orientados dos alunos sobre conteúdo das aulas, além de trabalhos e
avaliações escritos que provocam a reflexão e a aplicação críticas do aprendizado realizado.

Critérios de Avaliação
A avaliação do desempenho acadêmico se dará da seguinte forma, contando com 15 pontos de bônus para melhorar
as notas daqueles que não atingirem a pontuação máxima de 100:
 Seminários apresentados pelos alunos – 15 pontos;
 Sínteses das leituras obrigatórias – 25pontos;
 Duas avaliações escritas – 40 pontos (20 pontos cada);
 Um trabalho final – 25 pontos;
 Participação – 10 pontos.

Referências Bibliográficas

REFERÊNCIAS BÁSICAS:

Alcadipani, R., Crubellate, J. M. (2003). Cultura Organizacional: Generalizações Improváveis e Conceituações


Imprecisas. RAE-Revista de Administração de Empresas, 43(2), 64-77.

1
Argyris, C., Schön, D. A. (1996). Organizational Learning II. Theory, Method, and Practice.
AddisonWesley. Reading, MA.
Astley, W. G., Van de Ven, A. H. (2005). Debates e Perspectivas Centrais na Teoria das Organizações. RAE-
Revista de Administração de Empresas,45(2), 52-73.
Billis, D. (2010). Towards a Theory of Hybrid Organizations. In: Billis, D. (ed.). Hybrid Organizations and the
Third Sector: Challenges for Practice, Theory and Policy. Basingstoke: Palgrave Macmillan.
Bort, S., Kieser, A. (2011). Fashion in Organization Theory: An Empirical Analysis of the Diffusion of
Theoretical Concepts. Organization Studies, 32(5), 655-681.
Daft, R. L., Weick, K. E. (2005). Por um Modelo de Organização Concebido como Sistema Interpretativo. RAE-
Revista de Administração de Empresas,45(4), 73-86.
Davis, G. F. (2015). Celebrating Organization Theory: The After Party. Journal of Management Studies, 52(2),
309-319.
Davis, G. F., Zald, M. N. (2005). Social Change, Social theory, and the Convergence of Movements and
Organizations. In: Davis, G. F., McAdam, D., Scott, W. R., & Zald, M. N. (eds.). Social Movements and
Organization Theory. Cambridge: Cambridge University Press, 335-350.
Lewis, M. W., Grimes, A. J. (2005). Metatriangulação: A Construção de Teorias a Partir de Múltiplos
Paradigmas. RAE-Revista de Administração de Empresas, 45(1), 72-91.
Lounsbury, M., Beckman, C. M. (2015). Celebrating Organization Theory. Journal of Management
Studies, 52(2), 288-308.
Morgan, G. (2002). Imagens da Organização. 2 ed. São Paulo: Atlas.
Schein, E. H. (2009). Conceito de Cultura Organizacional: Por que se Preocupar? In: Schein, E. H. Cultura
Organizacional e Liderança. São Paulo: Atlas, 3-34.
Schein, Edgar H. (1996). Culture: The Missing Concept in Organization Studies. Administrative Science
Quarterly, 41(2), 229-240.
Tracey, P. (2012). Religion and Organization: A Critical Review of Current Trends and Future Directions. The
Academy of Management Annals, 6(1), 87-134.
Van der Bent, J., Paauwe, J., Williams, R. (1999). Organizational Learning: An Exploration of Organizational
Memory and its Role in Organizational Change Processes. Journal of Organizational Change
Management, 12(5), 377-404.

Você também pode gostar