Você está na página 1de 2

Universidade Nove de Julho - UNINOVE

Programa de Pós-graduação em Administração - PPGA

Disciplina Redes e Poder


Curso ( x) Mestrado ( x ) Doutorado
Linha de pesquisa Organizações
Caracterização ( ) Obrigatória (x ) Eletiva
Créditos/Carga 2 créditos / 40 horas

Ementa
Poder e Redes Sociais no contexto da gestão empresarial. Perspectivas estruturais de redes sociais e suas manifestações concretas
nos diversos campos da administração. A construção e a manutenção de redes sociais em diferentes contextos organizacionais
e institucionais, com atenção especial para as inter-relações entre cultura, poder e classe social.

Objetivos

O objetivo desta disciplina é entender a natureza e a dinâmica de redes sociais, poder e as suas inter-relações. Ao
final da disciplina o aluno deve ser capaz de: 1.Compreender e discutir redes sociais e os seus processos e estruturas.
2. Compreender e discutir poder nas organizações e os seus processos. 3. Avaliar e compreender a inter-relação
entre redes e poder

Metodologia
Aula expositiva, Exercícios, Leitura e discussão, Trabalho de campo, e Prova escrita (ensaio)

Critérios de Avaliação
A avaliação será constituída pela média aritmética das notas das duas partes da disciplina:

1) Presença e participação nas aulas, incluindo a demonstração do domínio das leituras pelas
respostas a perguntas feitas sobre o material de leitura prévia– 20%
2) Trabalho comparando as redes sociais duas organizações no ramo da saúde utilizando o modelo
GBAS– 50%
3) Avaliação individual (prova), que poderá ser feita com consulta à notas escritas a mão– 30%

Referências Bibliográficas
Brass, D.J., Galaskiewicz, J., Greve, H. R. e Tsai, W. (2004). “Taking stock of networks and
organizations: a multilevel perspective” Academy of Management Journal, v.
47, no. 6, p. 795-817.

Breiger, R.L. (2002). Poststructuralism in organization studies. Research in the Sociology


of Organizations. v.19, p. 295-305.

Breiger, R. L. e Pattison, P. E. (1978). “The joint role structure of two community elities”.
Sociological Methods and Research v.7, p. 213-226.

Breiger, R.L. Boorman, S.A. e Arabie, P. (1975). “An algorithm for clustering relational
data. Journal of Mathematical Psychology. v. 12, p. 323-383.

Burt, R.S., Hogarth, R.M. and Machaud, C. (2000). The social capital of French and
American managers. Organization Science. 11: 123-147.

1
Burt, R.S. (2005). Brokerage and Closure. Oxford: Oxford University Press.

Emirbayer, M, e Goodwin. (1994). Network analysis, culture, and the problem of agency.
American Journal of Sociology v. 6, p. 1411-1454.

Emirbayer, M e Mische, A. (1998). What is agency. American Journal of Sociology.


v.103, n.4, p. 962-103.

Gibbons, D. E. (2004). Friendship and advice networks in the context of changing values.
Administrative Science Quarterly. v. 43, p.238-262.

Kilduff, M. e Tsai, W. (2003). Social networks and organizations. London: Sage.

Nelson, R.E. (1984). "O Uso da Analise de Redes Sociais no Estudo das Estruturas
Organizacionais." Revista de Administracao de Empresas v. 24, p. 150-157.

Obstfeld. D. (2005). Social networks, the tertius lungens orientation and involvement in
innovation. Administrative Science Quarterly. v. 50, p. 100-130.

Powell, W.W. (1990). Neither market nor hierarchy: Network forms of organization.
Research in Organizational Behavior. v.12, p. 295-336.

Regans, R. E. Zuckerman and B. McEvily. (2004). Making the team: Social networks vs
demography as criteria for designing effective teams. Administrative Science
Quarterly. v. 49, p.101-133.