Você está na página 1de 6

de DG Bernardon — apresentar o gênero discursivo tira em quadrinhos, a fim de

analisá-lo a partir do Método ... 1 Doutoranda do Programa de Pós-Graduação Stricto


Sensu em Letras ... Fonte: QUINO, J. L. Toda Mafalda. São Paulo: Martins Fontes,
2003. p. 228.

Dissertação Denis 09 set 16repositorio.ufmg.br › disserta__o_denis_09_set_16

PDF

de DP de Andrade · 2016 — GRÁFICO 1 - Distribuição das tirinhas nas seções do livro


do 7º ano ............ ... Estamos trabalhando com a nomenclatura “tira” e “tirinha” para
designar o mesmo gênero discursivo. 2 ... QUINO. Toda. Mafalda. São Paulo: Martins
Fontes, 2003. p. 205. ... 228. DAVIS, Jin. Garfield. Contraste entre a linguagem verbal e
a visual.

formações imaginárias que compartilham. O sujeito locutor poderá, a partir disso,


antecipar as representações do imaginário do outro e produzir seu discurso. Pêcheux
(1997a, p. 81-3) define esses lugares como espaço de representações sociais
constitutivas do processo de significação discursiva colocados em jogo em
contraposição a um “feixe de traços objetivos”. Nesse processo se colocam
protagonistas não individualmente, mas na representação de lugares (que atribuem, a si
e ao outro, a imagem do seu lugar e do lugar do outro) numa determinada formação
social e o referente como um objeto imaginário em condições históricas na produção de
um discurso. Então, exterioridade e interioridade não se separam, pelo contrário,
relacionam-se simultaneamente e apreender o movimento dos sentidos significa
compreender que a linguagem está sempre sujeita a falhas e deslizamentos. Conforme
Orlandi (2001, p. 30), as condições de produção compreendem os sujeitos, a situação e a
memória histórica que fazem parte da exterioridade linguística e (sub)dividemse em
condições de produção de sentido amplo (contexto sócio-histórico-ideológico) e estrito
Revista do Programa de Pós-Graduação em Estudo de Li

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA ...pos-


graduacao.uepb.edu.br › ppgfp › download

PDF
24 de mai. de 2017 — 1.4.1 Os gêneros textuais: da sociedade à sala de aula . ... 2003,
p. 77), observa-se a importância de trazer textos para a sala de aula que ...

SIMULADOwww.cuiaba.mt.gov.br › 2014/10/02 › outros

PDF

2 de set. de 1995 — 1. Este caderno de teste contém 90 questões numeradas de 91 a 180


... Tira 1. Tira 2. 10 años de Mafalda. p. 75. Na tira 2, o enunciado “ha jugado un trapo”
dá des- ... Quino. Desse jeito você nunca vai terminar de ler um livro tão grosso! ...
228,3. 150,3. 93,1. Em US$ bilhões. Global Development Finance ...

GLÁUKS - UFVwww.revistaglauks.ufv.br › issue › downloadPDF

De acordo com Ezequiel Theodoro da Silva (2003, p. 21), “[. ... exemplificada aqui com
a tira Aline, de Adão Iturrusgarai, mas que pode ser utilizada com.

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ANÁFORA ... - RI


UFBArepositorio.ufba.br › bitstream › 1

PDF

de EO Santos — ESQUEMA 1 Ilustração da divisão da coesão . ... tirinhas da Mafalda,


criadas pelo cartunista argentino Quino;. - tirinhas da Turma da Mônica, ...
(MARCUSCHI, 2003, p. 1) ... tira cômica, tira em quadrinhos, tira de quadrinhos,
tirinha, tira de jornal, tira diária, tira ... São Paulo: Contexto, 2010a, p.193-228. BRAIT,
B.

UNIVERSIDADE DE ARARAQUARA Toda Mafalda ... - UNIARAm.uniara.com.br ›


cesar-wiliam-furqui-massoco

PDF
1) Como conectar os conceitos de poder e micropoder em Foucault e os conceitos de ...
2 Conteúdo do livro Toda Mafalda (QUINO, 2010, p. ... Para Werle (2003, p. ... Figura
4: Fonte: (LAVADO, 2010, p. 228). Penso que nesta tira, Mafalda ...

LUCIANE BOTELHO MARTINS MAFALDA: GESTOS DE ...wp.ufpel.edu.br › ppgl


› files › 2018/10 › Mafald...

PDF

de D DA INTERROGAÇÃO · 2015 — 1. leitura. 2interrogação. 3. sentido.. I.Ernest,


Aracy, or. II. Título. ... estudado: obras Toda Mafalda – da primeira à última tira e
Mafalda Inédita. ... produtos, Quino constrói seu texto para um leitor que é posto diante
da ... significante (2003, p. ... outro ou a ambos” (1991, p. 228). Essa divisão
determinada de ...

A PRÁTICA ESCOLAR DE LEITURA: UMA ... - Revista UEGwww.revista.ueg.br ›


revelli › article › view

PDF

4 de dez. de 2018 — (2003, p. 280-281),. [...] a riqueza e a variedade dos gêneros do


discurso são infinitas, pois a variedade ... cit., p. 228) expõe que os indicadores
explícitos ... Tira 1. Fonte: LAVADO, Joaquín Salvador (Quino). Toda Mafalda.

O conteúdo temático no gênero discursivo tiras em quadrinhosperiodicos.uem.br ›


index.php › article › download

PDF

de NG Moterani · 2010 · Citado por 8 — temático do gênero discursivo Tira em


Quadrinhos ocorre em uma das oficinas ... occurs in one of the modules produced to the
elaboration to the Didactic Sequence, ... (2003, p. 271). Nesse movimento
comunicativo, o ouvinte se torna falante, já que, ... 228. Moterani e Menegassi. Acta
Scientiarum. Language and Culture.
histórias em quadrinhos do universo macanudo - IFESbiblioteca.ifes.edu.br ›
pergamumweb › vinculos

PDF

Quino. Toda Mafalda. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2010, p. 49. ... Figura 174
– Tira da página 1 do material estudado ............................................. 168. Figuras
175 e ... Figura 228 - Cartaz do filme "O show de Truman" . ... 2003 e 2006,
trabalhei na Universidade como Tutora de

index.php › article › download

PDF

de NG Moterani · 2010 · Citado por 8 — temático do gênero discursivo Tira em


Quadrinhos ocorre em uma das oficinas ... occurs in one of the modules produced
to the elaboration to the Didactic Sequence, ... (2003, p. 271). Nesse movimento
Indubitavelmente, foram os exércitos da República, em seguida os de Napoleão que,
mais do que a força das ideias, abateram nos países por eles ocupados o Antigo Regime,
abolindo a servidão, libertando os camponeses Indubitavelmente, foram os exércitos da
República, em seguida os de Napoleão que, mais do que a força das ideias, abateram
nos países por eles ocupados o Antigo Regime, abolindo a servidão, libertando os
camponeses Indubitavelmente, foram os exércitos da República, em seguida os de
Napoleão que, mais do que a força das ideias, abateram nos países por eles ocupados o
Antigo Regime, abolindo a servidão, libertando os camponeses Indubitavelmente, foram
os exércitos da República, em seguida os de Napoleão que, mais do que a força das
ideias, abateram nos países por eles ocupados o Antigo Regime, abolindo a servidão,
libertando os camponeses Indubitavelmente, foram os exércitos da República, em
seguida os de Napoleão que, mais do que a força das ideias, abateram nos países por
eles ocupados o Antigo Regime, abolindo a servidão, libertando os camponeses
Indubitavelmente, foram os exércitos da República, em seguida os de Napoleão que,
mais do que a força das ideias, abateram nos países por eles ocupados o Antigo Regime,
abolindo a servidão, libertando os camponeses Indubitavelmente, foram os exércitos da
República, em seguida os de Napoleão que, mais do que a força das ideias, abateram
nos países por eles ocupados o Antigo Regime, abolindo a servidão, libertando os
camponeses Indubitavelmente, foram os exércitos da República, em seguida os de
Napoleão que, mais do que a força das ideias, abateram nos países por eles ocupados o
Antigo Regime, abolindo a servidão, libertando os camponeses Indubitavelmente, foram
os exércitos da República, em seguida os de Napoleão que, mais do que a força das
ideias, abateram nos países por eles ocupados o Antigo Regime, abolindo a servidão,
libertando os camponeses Indubitavelmente, foram os exércitos da República, em
seguida os de Napoleão que, mais do que a força das ideias, abateram nos países por
eles ocupados o Antigo Regime, abolindo a servidão, libertando os camponeses
Indubitavelmente, foram os exércitos da República, em seguida os de Napoleão que,
mais do que a força das ideias, abateram nos países por eles ocupados o Antigo Regime,
abolindo a servidão, libertando os camponeses Indubitavelmente, foram os exércitos da
República, em seguida os de Napoleão que, mais do que a força das ideias, abateram
nos países por eles ocupados o Antigo Regime, abolindo a servidão, libertando os
camponeses Indubitavelmente, foram os exércitos da República, em seguida os de
Napoleão que, mais do que a força das ideias, abateram nos países por eles ocupados o
Antigo Regime, abolindo a servidão, libertando os camponeses Indubitavelmente, foram
os exércitos da República, em seguida os de Napoleão que, mais do que a força das
ideias, abateram nos países por eles ocupados o Antigo Regime, abolindo a servidão,
libertando os camponeses Indubitavelmente, foram os exércitos da República, em
seguida os de Napoleão que, mais do que a força das ideias, abateram nos países por
eles ocupados o Antigo Regime, abolindo a servidão, libertando os camponeses
Indubitavelmente, foram os exércitos da República, em seguida os de Napoleão que,
mais do que a força das ideias, abateram nos países por eles ocupados o Antigo Regime,
abolindo a servidão, libertando os camponeses Indubitavelmente, foram os exércitos da
República, em seguida os de Napoleão que, mais do que a força das ideias, abateram
nos países por eles ocupados o Antigo Regime, abolindo a servidão, libertando os
camponeses Indubitavelmente, foram os exércitos da República, em seguida os de
Napoleão que, mais do que a força das ideias, abateram nos países por eles ocupados o
Antigo Regime, abolindo a servidão, libertando os camponeses Indubitavelmente, foram
os exércitos da República, em seguida os de Napoleão que, mais do que a força das
ideias, abateram nos países por eles ocupados o Antigo Regime, abolindo a servidão,
libertando os camponeses Indubitavelmente, foram os exércitos da República, em
seguida os de Napoleão que, mais do que a força das ideias, abateram nos países por
eles ocupados o Antigo Regime, abolindo a servidão, libertando os camponeses