Você está na página 1de 9

Guilherme

Borges

fisiologia do sistema digestório - AULA 4


professor: Ney
03 de setembro de 2019

Cont. intestino

Ø absorção de lipídeos

• a absorção do lipídeos em si, não precisa de mecanismo complexo, pois ele de difunde
pela membrana que é de fosfolipídio
• mas os lipídeos tem que chegar na membrana, e a frente dele tem muito muco que
tem muita água, então o lipídeos não atravessa
• os sais biliares vão formar um sistema de emulsionamento, ou seja, o sal biliar (tem
um lado hidrofílico e outro hidrofóbico) vai englobar a gotícula de lipídio, e então essa
gotícula agora consegue se misturar em água (e atravessar o muco)
• para atravessar o muco, com o sais biliares, nós formamos a micela (grupo de gorduras
englobadas)
• a função do sal biliar é levar a molécula de lipídio até a membrana, permitindo o
contato


• os lipídeos vão atravessar a membrana apical e começar a se transformar
• o monoglicerideo pode ganhar acetil CoA e virar diglicerídeo, e pode ganhar mais
acetil CoA e formar triglicerídeo
• o ácido graxo vai se ligar a lisolecitina e formar
lecitina, e ainda vai se ligar ao colesterol e formar
o ester de colesterol
• toda a gordura vai formar o quilomícron, que vai
ser formado e fazer exocitose, mas ele é muito
grande, então ele não consegue entrar em um
vaso sanguíneo, então ele vai cair na circulação
química (linfática) e assim chegando a cava, para
cair na circulação sistêmica





Guilherme Borges

Ø absorção de cálcio

• vai depender da vitamina D3, ou seja, se
não tiver D3 suficiente, a absorção do
cálcio vai ser péssima

obs: passar vitamina D pro doente, se ele tomar e
comer fibra ou óleo mineral, isso leva a gordura
embora e não faz efeito

• a vitamina D na célula vai ativar a bomba
de cálcio e o transportador de cálcio
(calbindina)

• se não tivermos D3, não ativamos a
bomba de cálcio ATPase, então nós não
absorvemos cálcio

• o cálcio passa por canal na membrana
apical do enterocito



Ø absorção de ferro

• se alguém tiver quantidade baixa por período longo, vai causar anemia ferropriva ou
micro citica (características histológica da célula, por a hemácia fica pequena e com
pouca cor - hipocronica -)
• nos encontramos muito ferro no feijão (não é absorvido de cara) e na carne

obs: feijoada com a laranja é bom pois a laranja vai ajudar a absorver o ferro do feijão

• o ferro da carne, é um ferro bem absorvido, é o ferro HEME, e esse ferro tem um
transportador próprio para ele (HCP-1), e então ele é absorvido da membrana apical
para dentro do enterocito
• no feijão, tem ferro 3+ que não tem transportador e nós não conseguimos absorver,
então o ferro 3+ vai ser transformado em ferro 2+ pela desferroxamina ou ferro
redutase (é uma enzima)
• o ferro 2+ vai ser transportado por um transportador (DMT-1), assim que o ferro 2+
entra na célula, ele fica nessa forma
• o ferro HEME (da carne), assim que passa pelo seu transportador e entra na célula, vai
sofrer ação da enzima hemioxigenase e formar ferro 2+
• existe na célula a molécula apoferritina, e essa molécula quando recebe ferro 2+, ela
vai virar ferritina
• apoferritina é uma proteína para armazenar ferro (vira ferritina)

obs: alimento de intestino de animal é rico em ferro, por conta da ferritina que fica dentro do
enterocito

Guilherme Borges

• o ferro quando está na forma de ferritina (ligado à apoferritina) fica armazenado no


intestino, ou seja, o intestino além de absorver ferro, ele ainda armazena, isso é
importante pois nós passamos às vezes período sem ferro
• o ferro que se desligou da ferritina, ele atravessa um canal chamado ferroportina, e
assim que ele atravessa ele chega no interstício, e nós não transportamos ferro 2+
pois ele se ligaria a muitas coisas e o teríamos hemossiderose (acúmulo de ferro em
lugares que não se deve)
• o ferro 2+ assim que sair pela ferroportina e no interstício vai sofrer efeito da
hefaestina e vai se tornar Fe 3+ e vai ser carregado pelo transferrina


• se nós estamos comendo ferro
normalmente (oferta de ferro),
uma parte nós não absorvermos,
uma parte fica armazenado a
ferritina, e uma parte para o
sangue

• quando temos deficiência de ferro,
nosso intestino diminui a formação
de apoferritina, então diminui a
ferritina e nós fazemos o ferro que
estava armazenado ir para o
sangue, e no sangue nós
aumentamos o número de
transferrina

• no intestino a absorção aumenta
(maior taxa de absorção do ferro)

obs: mulher em gravidez tende a ter anemia mais fácil, pois passa ferro para o beber, e
em casos extremos, sente vontade de comer tijolo, telha, etc

Ø absorção de vitamina B12

• precisa da presença do fator intrínseco produzido pelas células parietais do
estômago
• a absorção ocorre no intestino
Guilherme Borges

• o fator intrínseco é fabricado no estômago, mas só se liga a B12 no intestino


• na boca nós pegamos a B12 (cianocobalamina) e engolimos, assim que ela chega
no estômago ela vai se acoplar na proteína R (transcobalamina 1), que também
veio da boca, ou seja, proteína R se liga a B12 e a B12 fica estável e resiste ao ácido
clorídrico e passa pelo estômago
• o fator intrínseco que foi produzido na célula parietal vai ser jogado no intestino
• a proteína R junto à B12 quando chegarem no intestino vão se dissociar porque o
pH é alto, e eles perdem afinidade, e nesse momento o fator intrínseco ganhar
afinidade pela B12
• o fator intrínseco se liga a B12 e leva ela através da membrana, quando eles
entram no enterocito, a enzima transcobalamina 2 se liga a B12 para atravessar a
outra membrana, e elas vão para o sangue

obs: proteína R é quem transporta a B12 do estômago para o intestino, e a
transcobalamina 2 é quem transporta a B12 no sangue


obs: se a pessoa tem bariátrica, ela pode ter muita redução de fator intrínseco, e o sujeito
para de absorver B12, e pode evoluir para a anemia perniciosa ou megaloblastica (porque
a hemácia ficou grande e pálida)

obs: anemia megaloblastica não tem a ver com ferro, mas pode ter haver com B12, fator
intrínseco, ácido fólico

Ø absorção de sódio

• ocorre por transporte ativo da membrana basal, onde jogamos o sódio no líquido
intersticial
• (isso no jejuno) quando diminui o sódio intracelular, o sódio da dieta acaba
entrando, entra em simporte com a glicose, entra em antiporte com o H+
• para esse antiporte com o H+, nós acabamos jogando bicarbonato no interstício

obs: ainda absorvemos cloro
Guilherme Borges

• (quando estamos no íleo) a diferença do íleo é que agora o bicarbonato está sendo
jogado na mesma direção que o H+, na direção da luz do órgão, e o cloro ao invés
de ir direto pro sangue, ele tá entrando na célula e depois para o sangue, logo,
nessa região estamos reduzindo o pH do sangue, e aumenta o do intestino
(bicarbonato indo para o intestino)


Ø vitaminas lipossolúvel

• absorção passiva, só precisam chegar a membrana
• se tomar complexo vitamínico e comer fibras, a fibra vai levar a vitamina embora,
pois ela absorve gordura







Guilherme Borges

Ø vitamina hidrossolúveis

• são absorvidas por transporte ativo, mas caso aumente muito a concentração,
passa por difusão


INTESTINO GROSSO

• aguenta uma quantidade enorme de bolo fecal, porém existem muitas infecções
• tem basicamente absorção, a digestão é podre
• a gente absorve uma quantidade razoável de água (1,4 de 9L), um pouco de cloro
sódio


Guilherme Borges

FÍGADO

• é um órgão que tem uma entrada, que é direto da aorta (artéria hepática) e a
outra é da circulação entero hepática
• a saída do fígado é a veia hepática que joga para a cava
• ele tem um sistema de microcirculacao até que forma pequenos ductos que vão
formar os ductos císticos, e drenar tudo que não foi para a veia hepática

obs: o fígado tem duas saídas, uma que vai para a cava e outra que vai para a vesícula ou
duodeno

• a menor unidade funcional do fígado
• o fígado apresenta a veia centro lobular, os canaliculos, artéria, veia e ducto biliar
• artéria e veia estão jogando matéria no centro lobular, enquanto que o ducto biliar
é saída (tudo que metabolizar vai sair por aqui)

obs: no fígado há capilares sinusóides

• o sistema porta do fígado é caracterizado pela junção da veia e da artéria, então a
Po2 vai ficar intermediária entre o Po2 arterial e Po2 venosa
• o capilar recebe dos dois
• muito do sangue desses capilares vão extravasar e vão atingir as células hepáticas,
e nessa células vão ocorrem fenômenos enzimáticos, tanto que elas metabolizam
milhares de drogas
• dependendo da molécula, ela pode voltar para o sangue e seguir para o centro
lobular, veia hepática e circulação sistêmica, mas ela também pode ser jogada nos
canaliculos e ir para o ducto biliar (vai jogar a molécula fora)


• o fígado pode fazer metabolismo, por exemplo de álcool, de medicamentos, de
toxinas
• o álcool produz efeito e passa pelo fígado, e assim que chega, ele sofre ação da
enzima hepática desidrogenase alcoólica vai converter o álcool em acetoaldeido
(serve para nada e é um veneno, causa cefaleia, mal estar, dispneia)
Guilherme Borges

• e depois o acetoaldeido vai sofrer ação da aldeia desidrogenase, que vai


transformar o acetoaldeido em ácido acético, e esse ácido vai virar energia

obs: indivíduo que bebe muito, vai se sentir saciado depois por causa do ácido acético, e o
indivíduo vai comer muito pouco, e ficar magro

obs: quanto mais o indivíduo bebe, essas enzimas aumentam de maneira indizível, então
que bebe mais vai ter mais enzimas, e vai ser mais difícil ficar bebado

• nós vamos metabolizar a hemoglobina, e com isso nós vamos gerar o grupo HEME
e a globina, vamos liberar o ferro e formar a biliverdina, então a biliverdina vai ser
convertida em bilirrubina livre, e a bilirrubina se chegar ao sangue vai nos deixar
amarelo, ou seja, quanto mais bilirrubina livre, mais perigoso ficarmos amarelos
• quando passa pelo fígado, a enzima glicoronil transferase vai pegar a bilirrubina
livre e vai transformar em bilirrubina conjugada, e essa conjugada vai cair na
vesícula biliar e vai chegar no duodeno e vai ser usada como sais biliares e
emocionador

• esse processo funciona muito bem, mas em recém nascidos há diminuição da
glicoronil transferase, então ela em baixo, a bilirrubina livre vai se acumular e cair
no sangue, e eles vão ficar amarelinhos (isso no bebe é geralmente fisiológico)


















obs: existe muito remédio que precisa da
glicoronil transferase para ser metabolizado
(destruído), então se der para o recém
nascido, nós pioramos a situação do recém
nascido, pois ele já tem pouca enzima, então
a criança vai acumular mais bilirrubina, e se
ela se acumular no cérebro vai causar a
síndrome de kernicterus (bilirrubina nos
gânglios da base)


Guilherme Borges

• a icterícia (acúmulo de bilirrubina livre) pode ser pré hepática (problema antes do
fígado) como quebra hemácia em excesso, doença hemolítica que só pode ser a
partir da 2º geração que a mãe tem anti corpo anti Rh e essa doença vai quebrar
as células vermelhas da criança, a icterícia pode ser intra-hepática geralmente
causado por lesão hepática, que diminui a enzima, e a pós hepática pode ser
problema de drenagem da bile, que até conjugada pode cair muito no sangue e
levar ao cedo clínico


• no fígado há síntese proteica (albumina, globulina), síntese de fatores de
coagulação e síntese de lipídeos

obs: perde essas proteinas, começamos a ter edema

obs: se o líquido dos vasos (pois o sangue está sem proteinas) começar a extravasar, o
indivíduo vai ter uma barriga gigantesca cheia de líquido (ascite) e o indivíduo vai precisar
de paracentese (retirada de líquido), isso acontece geralmente quando o indivíduo está
com cirrose, nesse estado, não há filtração no fígado (isso leva a varizes de esôfago), não
tem metabolismo de drogas (acúmulo de toxinas), passa a não fabricar gorduras (leva a
subnutrição) e não produz fator de coagulação

obs: na ascite a pessoa acaba aumentando pressão no sistema porta, e as veias
abdominais estão duras, e o peritônio cheio de água, na ascite a pessoa não respira direito