Você está na página 1de 1

O

 Processos  Emotivos:  Sentimento,  Emoção  e  Afecto  


 
 

Processo  Emocional  
         «António  Damásio  argumenta  que  é  imprescindível  distinguir  as  fases  deste  processo:  a  
fase   da   emoção   e   a   fase   do   sentimento.   Quando   experimentamos   uma   emoção,   esta   esta  
produz-­‐se   porque   existe   um   estímulo   que   tem   o   poder   ou   a   capacidade   de   desencadear  
uma   reacção   automática.   Por   exemplo,   se   levantar   os   olhos   deste   livro   e   vir   um   homem  
embuçado  ao  fundo  da  sala,  pode  ter  a  certeza  de  que  o  seu  cérebro  disporá  imediatamente  
de  alguns  recursos  automáticos.  Essa  reacção  começa  no  cérebro.    
         Pode  acontecer  que  em  alguns  casos  não  actue  exteriormente,  mas  seja  lá  como  for,  o  seu  
corpo  reagirá.  Se  ouvir  um  grito  no  apartamento  ao  lado,  primeiro  sentirá  inquietação,  ou  
medo,   e   sentirá   que   o   seu   coração   se   acelera,   ou   que   fica   com   os   pêlos   eriçados...   Então,  
analisará  a  situação  e  decidirá  se  é  melhor  ficar  quieto  a  ler  este  livro,  ou  não  se  mexer  e  
prestar  atenção,  ou  levantar-­‐se  e  ir  ver  o  que  é  que  se  está  a  passar,  ou  chamar  a  polícia...  
quando  somos  capazes  de  associar  ideias,  reacções  fisiológicas  e  factos  exteriores  é  quando  
se  configura  um  sentimento.  “O  conjunto  estímulo/reacção  corporação/ideias  é  aquilo  em  
que  consiste  um  sentimento”,  conclui  o  doutor  Damásio.    
         Sentir   é   receber   este   grupo   informativo   e,   por   essa   razão,  o  associamos  a  um  processo  
mental.   De   modo   que,   em   resumo,   tudo   começa   no   exterior,   o   nosso   organismo   é  
modificado   ou   alterado   –   porque   assim   o   determina   o   cérebro   –   e,   depois,   vamos   então  
avaliar  mentalmente  todo  o  processo.    
         Poderia  dizer-­‐se  que  as  emoções  pertencem  ao  corpo  e  os  sentimentos  à  mente.  No  
entanto,   a   interacção   parece   muito   estreita:   quando   o   corpo   funciona   bem   e   quando   a  
fisiologia  está  perfeita,  surge  também  um  sentimento  de  tranquilidade  ou  prazer.  E  quando  
se  sente  medo  ou  se  está  zangado,  a  fisiologia  normal  fica  perturbada:  cria-­‐se  um  conflito,  
falta  a  harmonia  e,  então,  percebe-­‐se  que  algo  não  está  bem,  que  algo  não  está  a  funcionar...  
         Segundo   Damásio,   para   ter   sentimentos   é   necessário   um   sistema   nervoso   não  
danificado,  com  capacidade  para  projectar  em  imagens  as  emoções.  E,  sobretudo,  o  sujeito  
tem   de   estar   consciente   de   si   mesmo.   “Sim...   Suspeito   que   os   nossos   sentimentos,  
especialmente  os  sentimentos  mais  simples,  pressupõem  quase  o  princípio  da  consciência.  
De   certo   modo,   não   é   possível   ter   um   sentimento   propriamente   dito   sem   consciência,  
mas  também  não  creio  que  se  possa  ter  consciência  sem  sentimentos.”  
         António   Damásio   admite   que   esta   teoria   se   assemelha   bastante   ao   problema   de   ovo   e   da  
galinha:   podemos   ter   consciência   de   nós   mesmos   sem   sentimentos?   E   podemos   ter  
sentimentos  sem  uma  consciência  do  eu?  Não.  Consciência  e  sentimentos  formam  uma  
espiral  em  que  uma  configura  os  outros  e  vice-­‐versa.  Em  qualquer  caso,  há  sempre  um  
início:  a  emoção,  que  faz  desencandear  os  recursos  fisiológicos  e  mentais  do  ser  humano.  Se  
não  sentíssemos  essas  mudanças  no  nosso  organismo,  o  cérebro  não  seria  capaz  de  saber  o  
que   está   a   acontecer   e   não   poderia   existir   consciência   de   si   mesmo.   “A   consciência   está  
intimamente   vinculada   a   esta   sensação   inicial   de   si   mesmo,   e   para   ter   sensação   de   si  
mesmo  é  necessário  sentir  o  seu  próprio  organismo  e  aquilo  que  muda  nele.”  
PUNSET,  Eduardo  (2008),  A  Alma  está  no  Cérebro.  Lisboa:  Dom  Quixote,  176-­‐178p.