Você está na página 1de 98

TELHADOS E COBERTURAS

2017/1
Escola de Artes e Arquitetura
ESCOLA EDGAR ALBUQUERQUE GRAEFF
CURSO de ARQUITETURA e URBANISMO

PLANO DE ENSINO

Ramo: PROJETO Sequência: Disciplina Optativas

Disciplina: Telhados e Pré-requisito: ARQ3335 e


Código: ARQ 2318
Coberturas ARQ3135

Período: - Créditos: 04 Referência: 2017/1

Professor: Pedro Batista dos Santos Turma: A01 Turno: Matutino


HORÁRIO: QUARTA-FEIRA das 9:00 às 10:30 e das 10:45 às 12:15

EMENTA
Ampliação dos conhecimentos sobre telhados/coberturas adquiridos nas
disciplinas da área tecnológica e a relação com o projeto do edifício.
OBJETIVOS GERAIS
Desenvolver a síntese teórico-prática através da representação gráfica,
conforme material a ser utilizado (dimensionamento, representação gráfica e
quantificação do material).

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Estimular o aluno para o desenvolvimento de uma visão crítica e criativa nos
estudos sobre o tema e da sua relação com o processo de composição da
arquitetura.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
1- Noções e Conceitos:
•Telhados;
•Coberturas;
•Configurações.
2- Materiais e Técnicas Construtivas.
3- Exercícios práticos:
•Telhado de Madeira Convencional;
•Cobertura com Platibanda;
•Detalhamento.
METODOLOGIA
A disciplina será desenvolvida ao longo do semestre na forma de
preleção e uso de projeção de imagens, exercícios práticos ao longo
de cada unidade de estudo e desenvolvimento de trabalhos.

A disciplina será desenvolvida em três unidades, assim


compreendidas:
•UNIDADE 1 – Noções e Conceitos(nomenclaturas, representação e
detalhes).
•UNIDADE 2 – Materiais e Técnicas Construtivas.
•UNIDADE 3 – Projeto (soluções, representação e quantificação)

A disciplina estrutura-se em aulas teóricas, visitas e orientações


individuais. Os trabalhos serão orientados e desenvolvidos em sala
e complementados em casa. Não serão aceitos trabalhos
desenvolvidos sem orientação do professor, para isso haverá
uma ficha de controle onde o aluno deve ter no mínimo 75% de
orientação em sala. Os trabalhos serão entregues exclusivamente
na data e horário definido no cronograma. A frequência mínima
obrigatória é de 75% das aulas dadas.
AVALIAÇÃO
Conforme Resolução número 01/93 GR ou 19/07/93, para aprovação, o aluno
deve ter uma freqüência mínima de 75% e média final no mínimo igual a
5.0, ou seja,

Média Final = 0.4 N1 + 0.6 (N2 +A.I.) ≥ 5,0.

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
Os critérios de avaliação deverão contemplar os seguintes aspectos:
• Avaliação contínua e acompanhamento sistemático do desenvolvimento
dos trabalhos, do interesse, da participação e dedicação do aluno.
• Avaliação periódica da produção nas etapas do trabalho das UNIDADES
DE ESTUDO: conteúdo, expressão gráfica e organização do trabalho.

Trabalhos a serem desenvolvidos:


N1 = Telhado Convencional (Planta, Cortes e Detalhes)
N2 = Cobertura com Platibanda + A.I.
MF = N1 x 0,4 + N2 x 0,6. A MF terá de ser igual ou maior que (5,0) cinco.
BIBLIOGRAFIA BÁSICA
BANS, Hans. El detalle en la edificación. Barcelona: Gustavo Gili, 1975.
MELLO FRANCO, Caio de. Tesouras de Telhado. São Paulo: Tecnoprint,
1986.
MONTEIRO, Jonathas da Costa Rego. Tesouras de telhado. Rio de Janeiro:
Interciência, 1976.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
ENGEL, Heino. Sistemas estruturais. Barcelona: Gustavo Gili, 1997.
MARTÍNEZ, Andrés. Habitar la Cubierta. Barcelona: Gustavo Gili, 2005.
MOLITERNO, Antônio. Caderno de Projetos de Telhados em estruturas de
madeiras. São Paulo: Edgard Blücher, 1981.
MONTENEGRO, Gildo A. Ventilação e Cobertas. São Paulo: Edgard
Blücher, 1981.
SAN PIETRO, Silvio, GALLO, Paola. Lofts 2 in Italy. Barcelona: L’Archivolto,
2003.
CRONOGRAMA

MATUTINO AULAS DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES


Apresentação do Plano de Curso, do professor e dos
FEVEREIRO(12)

8 QUARTA 4
alunos

15 QUARTA 4 Aula expositiva – Noções e Conceitos: Telhados

Aula expositiva – Materiais e Técnicas Construtivas:


22 QUARTA 4
Telhados

1 QUARTA - FERIADO

8 QUARTA 4 Lançamento: Projeto do Telhado Convencional (N1)


MARÇO (16)

15 QUARTA 4 Orientação - Planta

22 QUARTA 4 Orientação – Corte transversal

29 QUARTA 4 Orientação – Corte Longitudinal


5 QUARTA 4 Orientação - Detalhamento
ABRIL (16)
12 QUARTA 4 Orientação - Detalhamento
19 QUARTA 4 Entrega: Projeto do Telhado Convencional (N1)

26 QUARTA 4 Aula expositiva – Noções e Conceitos: Coberturas

Aula expositiva – Materiais e Técnicas Construtivas:


3 QUARTA 4
Coberturas
MAIO (20)

10 QUARTA 4 Lançamento: Projeto do Telhado Convencional (N1)


17 QUARTA 4 Orientação - Planta
IV JORNADA DA CIDADANIA – participação obrigatória dos
24 QUARTA 4
alunos
31 QUARTA 4 Orientação – Corte Transversal

7 QUARTA 4 Orientação – Corte Longitudinal


JUNHO (16)

14 QUARTA 4 Orientação - Detalhamento

21 QUARTA 4 Entrega: Projeto de Cobertura com Platibanda (N2)

28 QUARTA 4 Discussão e Entrega das notas e frequências com os alunos.


TOTAL DE AULAS 80 HORAS AULA - FREQUÊNCIA MÍNIMA DE 60 PRESENÇAS
ACESSO AO MATERIAL DA DISCIPLINA

Pelo seu acesso, de aluno, ao SOL é possível acessar os


sites dos docentes do Departamento de Artes e
Arquitetura. Acessar o site do Prof. Pedro Batista dos
Santos, disciplina de Telhados e Coberturas com a
senha PEDROARQ2318 e ter acesso aos materiais da
disciplina ao longo do semestre.

Fique atento!
MONTENEGRO, Gildo A. Ventilação e Cobertas. São Paulo: Edgard Blücher, 1981.

INTERSEÇÃO de TELHADOS
Telhados e Coberturas –

prof. Ruy Rocha


• PLANTAS RETANGULARES ou QUADRADAS

• PLANTAS de FORMA IRREGULAR


PLANTA RETANGULAR
Dados:
4 ÁGUAS
Inclinação única i = 40%

Espigões: M, N, P e Q = BISSETRIZES

45° c/ os
lados do retângulo

40%
2m

5m
PLANTA QUADRADA
Dados:
4 ÁGUAS
Inclinação única i = 40%

Espigões: BISSETRIZES

45° c/ os
lados do retângulo

40%
2m

5m
PLANTA em forma de L Dados:
2 ÁGUAS em cada bloco
Inclinação única: i = 40%
ESPIGÃO e RINCÃO: BISSETRIZES

45° c/ os
lados do retângulo

40%
2m

5m
PLANTA em forma de T Dados:
2 ÁGUAS em cada bloco
Inclinação única: i = 40%
RINCÃO: BISSETRIZES

45° c/ os
lados do retângulo

40%
2m

5m
PLANTA em forma de T CASO ANÁLOGO

Dados:
2 ÁGUAS em cada bloco
Inclinação única: i = 40%

RINCÃO: BISSETRIZES

45° c/ os
lados do retângulo

40%
2m

5m
Dados:
O APÊNDICE tem o BEIRAL
PLANTA em forma de T em altura menor

2 ÁGUAS em cada bloco


Inclinação única: i = 40%

RINCÃO: BISSETRIZES

45° c/ os
lados do retângulo

40%
2m

5m
Planta em interseção de
DADOS:
2 blocos retangulares
4 ÁGUAS em cada bloco

BEIRAIS em altura única Inclinação única: i = 40%

ESPIGÕES e RINCÕES:
BISSETRIZES

45° c/ os
lados do retângulo
PROBLEMA: CALHA HORIZONTAL

40%
2m
BEIRAIS em alturas diferentes

5m
DADOS:
Planta IRREGULAR As paredes não são ORTOGONAIS.

Beiral horizontal (altura única).


Forma TRAPEZOIDAL CUMEEIRA INCLINADA

4 ÁGUAS em cada bloco


Inclinação única: i = 40%
ESPIGÕES: BISSETRIZES

diferentes de 45º c/
os lados do polígono.

A solução exige fixação prévia de:

BEIRAL / CUMEEIRA HORIZONTAL


(em geral uma alternativa elimina a outra)
DADOS:
Planta IRREGULAR As paredes não são ORTOGONAIS.
h = pé-direito mínimo

Forma QUADRILÁTERO CUMEEIRA - HORIZONTAL


IRREGULAR BEIRAL - INCLINADO

2 ÁGUAS - Inclinação única: i = 40%

ESPIGÕES: BISSETRIZES

diferentes de 45º c/
os lados do polígono.

CUMEEIRA HORIZONTAL,
Impossibilita 4 águas planas.
A solução exige fixação prévia de:
4 ÁGUAS em um quadrilátero irregular,
p/ cumeeira horizontal,
BEIRAL / CUMEEIRA HORIZONTAL
Só é possível com
(em geral uma alternativa elimina a outra)
Inclinação diferente para cada água.
DADOS:
Planta IRREGULAR As paredes não são ORTOGONAIS.
CUMEEIRA - HORIZONTAL
BEIRAL - HORIZONTAL
Forma QUADRILÁTERO 4 ÁGUAS - Inclinação única: i = 50%
IRREGULAR
ESPIGÕES: BISSETRIZES

diferentes de 45° c/
os lados do polígono.

CUMEEIRA HORIZONTAL,
Impossibilita 4 águas planas.

4 ÁGUAS em um quadrilátero irregular,


p/ cumeeira e beirais horizontais,
Só é possível desde que
A solução exige fixação prévia de: as águas não sejam planas.
Ou seja,
BEIRAL / CUMEEIRA HORIZONTAL Que as ÁGUAS do telhado sejam
(em geral uma alternativa elimina a outra) superfícies reversas.
EXERCÍCIO 1
6 águas
I = 40%
Beiral variável

N soluções.
Optar, por exemplo,
pela CUMEEIRA MAIOR
= ao dobro
CUMEEIRA MENOR

OUTRA SOLUÇÃO:
Beirais em ALTURA ÚNICA

OBSERVAR
TÉCNICAS de DESENHO
INTERSEÇÃO de TELHADOS
Referência Bibliográfica

Telhados e Coberturas –

prof. Ruy Rocha


MONTENEGRO, Gildo A. Ventilação e
Cobertas. São Paulo: Edgard Blücher,
1984.
Telhados e Coberturas – TESOURAS
de TELHADOS prof.
Ruy Rocha
Telhados e Coberturas – TESOURAS
de TELHADOS prof.
Ruy Rocha
Telhados e Coberturas – TESOURAS
de TELHADOS prof.
Ruy Rocha
Telhados e Coberturas – TESOURAS
de TELHADOS prof.
Ruy Rocha
Telhados e Coberturas – TESOURAS
de TELHADOS prof.
Ruy Rocha
Telhados e Coberturas – TESOURAS
de TELHADOS prof.
Ruy Rocha
Telhados e Coberturas – TESOURAS
de TELHADOS prof.
Ruy Rocha
38
Telhados e Coberturas – TESOURAS
39 de TELHADOS prof.
Ruy Rocha
Telhados e Coberturas – TESOURAS
40 de TELHADOS prof.
Ruy Rocha
Telhados e Coberturas – TESOURAS
41 de TELHADOS prof.
Ruy Rocha
Telhados e Coberturas – TESOURAS
42 de TELHADOS prof.
Ruy Rocha
Telhados e Coberturas – TESOURAS
prof.
Referência Bibliográfica:

MELLO FRANCO, Caio de. Tesoura s de Telhado.

de TELHADOS
Ruy Rocha
São Paulo: Tecnoprint,1986.

43
MONTEIRO, Jonathas dea Costa Rego. Tesouras
de Telhado. Rio de Janeiro: Interciência, 1976.
RESIDÊNCIA - EDUARDO
PROPOSTA 02
ARQ. URB. PEDRO BATISTA DOS SANTOS

2015
PROPOSTA 02
PROPOSTA 02
PROPOSTA 02
PROPOSTA 02
PROPOSTA 02
PROPOSTA 02
PROPOSTA 02
PROPOSTA 02
PROPOSTA 02
PROPOSTA 02
PROPOSTA 02
PROPOSTA 02
PROPOSTA 02
• PROPOSTA 01
• PROPOSTA 01
• PROPOSTA 01
PROPOSTA 01
• PROPOSTA 01
• PROPOSTA 01
• PROPOSTA 01
• PROPOSTA 01
EMATER
EMATER
EMATER
EMATER
EMATER
TELHADOS PARA
GRANDES
COBERTURAS
TELHAS
Existem vários tipos de telhas, com vários tamanhos e tipos de
materiais.
Todas têm características de uso muito espécificas que definem
como o projeto deve ser pensado e detalhado.
Veremos um exemplo muito usado e aprenderemos como
pesquisar as características técnicas para realizar os projetos das
coberturas.

A seguir, o exemplo e as características da telha de fibrocimento,


que é a mais usual no Mercado devido ao seu baixo custo e a
amplitude de uso.

Características da Fabricante: ETERNIT – Fibrocimento Ondulada


FIBROCIMENTO ONDULADA
Comprimentos: 1,22m; 1,53m; 1,83m; 2,13m; 2,44m; 3,05m e 3,66m

coberturas/fibrocimento/ondulada
http://www.eternit.com.br/produtos/
Largura: 1,10m
Largura útil: 1,05m
Espessura: 6mm e 8mm
Vão máximo:
Telha de 6mm (1,22m, 1,53m, 1,83m) = 1,69m com 2 apoios
Telha de 6mm (2,13m, 2,44m, 3,05m, 3,66m) = 1,76m com 3 apoios
Telha de 8mm (1,22m, 1,53m, 1,83m, 2,13m) = 1,99m com 2 apoios
Telha de 8mm (2,44m, 3,05m, 3,66m) = 1,99m com 3 apoios
Inclinação mínima: 9% (5°)
(Normas ABNT: NBR - 7196/ NBR - 7581/ NBR - 8055/ NBR - 9066/ NBR - 6123)

NÚMERO DE APOIOS E VÃO LIVRE MÁXIMO


ONDULADA 6 MM

coberturas/fibrocimento/ondulada
http://www.eternit.com.br/produtos/
As telhas de
Vão livre máximo
1 ,83 m comprimento
3,05 m e 3,66 m
devem ser fixadas
1,69 m nos apoios
intermediários.
3,66 m

1,7 6 m
1 ,76 m Obs.: Os apoios
Apoio intermediário com devem ter largura
fixação nas telhas 3,05 m e 3,66 m
mínima de 4 cm,
sempre
Comprimento da Telha Número de Apoios Vão Livre Máximo acompanhando o
At é 1,83 m, inclusive 2 1,69 m caimento das
telhas.
Acima de 1,83 m 3 1,69 m
(Normas ABNT: NBR - 7196/ NBR - 7581/ NBR - 8055/ NBR - 9066/ NBR - 6123)

NÚMERO DE APOIOS E VÃO LIVRE MÁXIMO


ONDULADA 8 MM
Vão livre máximo

coberturas/fibrocimento/ondulada
http://www.eternit.com.br/produtos/
2 ,13 m

1,99 m

3 ,66 m

1,53 m
1,99 m

Apoio intermediário com


fixação nas telhas 3,05 m e 3,66 m

Comprimento da Telha Número de Apoios Vão Livre Máximo


At é 2,13 m, inclusive 2 1,99 m
Acima de 2,13 m 3 1,99 m
Obs.: Em fechamentos laterais, pode-se usar vão livre de 2,03 m para a telha 2,13 m de
8 mm. Nos demais casos, usam-se os mesmos vãos livres máximos das coberturas.
(Normas ABNT: NBR - 7196/ NBR - 7581/ NBR - 8055/ NBR - 9066/ NBR - 6123)

RECOBRIMENTO LATERAL

coberturas/fibrocimento/ondulada
http://www.eternit.com.br/produtos/
Obs.: O cordão de
vedação é
encontrado em
filetes com ø 8 mm
e comprimento de
55 cm.
Ondulada 6mm Ondulada 8 mm
Inclinação Recobrimento Lateral Recobrimento Lateral
1¼ onda
≤ α < 18% (10 º)
9% (5º) 1/4 onda + cordão vedação1/4 onda + cordão vedação
≤ α < 27% (15º)
18% (10º) 1/4 onda ou 1¼ onda 1/4 onda
≤ α < 75º
27% (15º) 1/4 onda ou 1¼ onda 1/4 onda
(Normas ABNT: NBR - 7196/ NBR - 7581/ NBR - 8055/ NBR - 9066/ NBR - 6123)

RECOBRIMENTO LONGITUDINAL

coberturas/fibrocimento/ondulada
http://www.eternit.com.br/produtos/
Recobrimentos em fechamentos laterais:
(inclinação acima de 75°)
- Recobrimento lateral: 1/4 de onda;
- Recobrimento longitudinal: 10 cm.

Inclinação Recobrimento Longitudinal (Mínimo)


9% (5º) ≤ α < 18% (10º) 25 cm ou 14 cm + cordão vedação
18% (10º)≤ α < 27% (15 º) 20 cm ou 14 cm + cordão vedação
27% (15º)≤ α < 75º 14 cm
(Normas ABNT: NBR - 7196/ NBR - 7581/ NBR - 8055/ NBR - 9066/ NBR - 6123)

APLICAÇÃO

coberturas/fibrocimento/ondulada
http://www.eternit.com.br/produtos/
máx. 6º Fechamento lateral
75º 90º
Cobertura
Tanto em coberturas como em
fechamentos laterais, formando Utilização com
superfícies planas ou poliédricas
cuidados especiais 10º
(com ângulo entre duas telhas
consecutivas nunca superior a Limite de utilização 5º
6°, conforme a figura acima). da telha 0º
Inclinações
Inclinação mínima: 9% (5°).
Inclinação com melhor aproveitamento: 27% (15°).

Obs.: Considera-se fechamento lateral inclinações de telhado superiores a 75°.


(Normas ABNT: NBR - 7196/ NBR - 7581/ NBR - 8055/ NBR - 9066/ NBR - 6123)

BALANÇOS
Comprimento No sentido do comprimento das telhas, o

coberturas/fibrocimento/ondulada
http://www.eternit.com.br/produtos/
balanço é medido a partir do furo para a
Sem calha fixação. No sentido da largura, é medido
a partir da extremidade do apoio.
máx. 40 cm
m
mí n. 25 c Largura

Com calha
m
máx. 25 c máx. 10 cm
mín . 10 cm

Obs.: Em função da composição arquitetônica, mesmo sem calha, o balanço no


beiral pode ser reduzido para 10 cm, desde que os elementos estruturais sejam
devidamente protegidos.
(Normas ABNT: NBR - 7196/ NBR - 7581/ NBR - 8055/ NBR - 9066/ NBR - 6123)

CORTES DE CANTOS
4ª Esta recobre
a 1ª, 2ª e 3ª

coberturas/fibrocimento/ondulada
http://www.eternit.com.br/produtos/
2ª Esta só As medidas dos cortes de cantos
recobre a 1ª devem seguir o esquema da figura
acima. Observar
também que os cantos a serem
cortados dependem do sentido de
montagem das
telhas (veja Esquema de Montagem e
Gabarito para Cortes de Cantos).

1ª Esta é a 3ª Esta recobre


primeira telha a 1ª e a 2ª
a ser colocada

No recobrimento de 4 cantos de Mesma medida


telhas, os dois intermediários do recobrimento
devem ser cortados. longitudinal

5 cm ou 22 cm
(Normas ABNT: NBR - 7196/ NBR - 7581/ NBR - 8055/ NBR - 9066/ NBR - 6123)

ESQUEMA DE MONTAGEM

A montagem deve ser feita do beiral para a cumeeira. No caso

coberturas/fibrocimento/ondulada
http://www.eternit.com.br/produtos/
de águas opostas, fazer as duas montagens sucessivamente,
conforme indicado.

Montagem à esquerda

Sentido dos ventos


Montagem à direita

predominantes
Linha de cumeeira
(Normas ABNT: NBR - 7196/ NBR - 7581/ NBR - 8055/ NBR - 9066/ NBR - 6123)

ESQUEMA DE MONTAGEM

coberturas/fibrocimento/ondulada
http://www.eternit.com.br/produtos/
Montagem à direita Vento predominante

Vento predominante Montagem à esquerda

A montagem deve ser feita no sentido contrário ao dos ventos predominantes


da região.
(Normas ABNT: NBR - 7196/ NBR - 7581/ NBR - 8055/ NBR - 9066/ NBR - 6123)

PERFURAÇÃO DAS TELHAS

coberturas/fibrocimento/ondulada
http://www.eternit.com.br/produtos/
5 cm
m ín.

Ø 13 mm (1/2”)

cm
ín .5
m
Ø 7,5 mm (19/64”)

(1/2”) na crista da onda e ø 7,5 mm (19/64’’) no apoio de madeira.


(Normas ABNT: NBR - 7196/ NBR - 7581/ NBR - 8055/ NBR - 9066/ NBR - 6123)

FIXAÇÃO EM COBERTURAS

coberturas/fibrocimento/ondulada
http://www.eternit.com.br/produtos/
1ª 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª

Parafuso com rosca soberba sobre apoio da madeira

Em cada telha de periferia da água do telhado (beirais ou faixas de cumeeira)


colocar sempre 2 parafusos com rosca soberba ou ganchos com rosca por apoio,
nas cristas da segunda e da quinta onda.
Nas demais telhas pode-se optar, alternativamente, pela colocação de 2
ganchos chatos por apoio, na primeira e na quarta cavas.
LAJE IMPERMEABILIZADA

EXEMPLO
Inclinação mínima
Escoamento das águas
impermeabilização
EXEMPLO
Exercício
Pesquisar todos os dados da TELHA e projetar a cobertura com
as informações técnicas necessárias (Apoios, recobrimentos,
fixação e inclinação).

• Telha de PVC
• Telha Metálica
• Telha Termoacústica
• Telha Ecológica
PLANTA DE COBERTURA

Telhados e Coberturas
prof. PEDRO BATISTA DOS SANTOS
PERSPECTIVA ESTRUTURA

Telhados e Coberturas
prof. PEDRO BATISTA DOS SANTOS
PERSPECTIVA COBERTURA

Telhados e Coberturas
prof. PEDRO BATISTA DOS SANTOS
PERSPECTIVA COBERTURA

Telhados e Coberturas
prof. PEDRO BATISTA DOS SANTOS
PERSPECTIVA / CORTE

Telhados e Coberturas
prof. PEDRO BATISTA DOS SANTOS
PLANTA COBERTURA (ESTRUTURA)

Telhados e Coberturas
prof. PEDRO BATISTA DOS SANTOS
PLANTA COBERTURA (ESTRUTURA)

Telhados e Coberturas
prof. PEDRO BATISTA DOS SANTOS
CORTES

Telhados e Coberturas
prof. PEDRO BATISTA DOS SANTOS
CORTES

Telhados e Coberturas
prof. PEDRO BATISTA DOS SANTOS
PERSPECTIVA COBERTURA (ESTRUTURA)

Telhados e Coberturas
prof. PEDRO BATISTA DOS SANTOS
PERSPECTIVA COBERTURA (ESTRUTURA)

Telhados e Coberturas
prof. PEDRO BATISTA DOS SANTOS

Você também pode gostar