Você está na página 1de 94

Transtorno Invasivo do

Desenvolvimento e
Terapia ABA
Psic. Me. Robson Brino Faggiani
Especialista em Terapia Comportamental e Cognitiva

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Transtorno Invasivo do
Desenvolvimento
• O autismo é uma disfunção global do desenvolvimento
quatro vezes mais comum em homens.
• Estima-se que haja um autista a cada 300 pessoas.
– O governo americano fala de 1 para 150.

• TID é diagnosticado por meio de critérios de observação


descritos no DSM-IV e CID-10.
• É considerando um transtorno que ocorre em diferentes
graus de comprometimento (espectro autista).

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Transtorno Invasivo do
Desenvolvimento
• O indivíduo com TID (mais particularmente o autista) possui:
– Contato social pobre ou inexistente;
– Defasagem na linguagem;
• Linguagem repetitiva ou inadequada.
– Comportamentos repetitivos;
– Interesse restrito;
– Inabilidade em utilizar a imaginação;
• Pensamento concreto.
– Sensibilidade alterada.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

1
TID – Causas e Características

• Não há consenso quanto às causas do TID.


• Os indivíduos diferem muito entre si, o que
sugere múltiplas causas, cada uma relacionada
a uma característica apresentada.
• Metais pesados podem ser uma causa.
• Problemas no tubo digestivo (eliminação) e
alergias.
• Os cérebros são maiores. O sistema límbico
possui muitas, mas pequenas células.
• Possíveis causas genéticas.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

TID – 7 Perguntas comuns

1. Pacientes com TID vivem em um


mundo próprio?

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

TID – 7 Perguntas comuns

2. Todos eles resistem a contato físico?

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

2
TID – 7 Perguntas comuns

3. Todos têm capacidade intelectual


superior em alguma área?

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

TID – 7 Perguntas comuns

4. Eles são muito semelhantes entre si?

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

TID – 7 Perguntas comuns

5. É possível que eles vivam uma vida


normal?

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

3
TID – 7 Perguntas comuns

6. Eles possuem aparência física


particular?

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

TID – 7 Perguntas comuns

7. O autismo é causado por “mães


geladeiras”?

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Terapias para o TID

• Protocolo DAN – Limpar o organismo. Envolve dieta


especial, principalmente sem glúten e sem caseína.
• Ecoterapia – Contato social com animais. Facilita
concentração.
• Son-Rise – Realizada pelos pais. Consiste em “ir ao
mundo” da pessoa com TID.
• TEACCH – Método estruturado de aprendizado.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

4
Terapias para o TID

• Terapias Motores-Sensoriais (por exemplo, Doman,


Padovan) – Reestruturação por meio de atividades
motoras.
• Fonoaudiologia – Desenvolvimento da fala funcional e
complementação de outras terapias.
• Atividades Esportivas – Principalmente natação.
• Terapia ABA – Terapia baseada em princípios da
análise do comportamento.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Introdução à Terapia ABA

Psic. Me. Robson Brino Faggiani


Especialista em Terapia Comportamental e Cognitiva

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Eu tenho um filho autista. E agora?

• Expectativas frustradas.
– Luto.
SUPERPROTEÇÃO
• Ansiedade intensa.

• Preocupação excessiva.

• Medo. Birras,
Dependência e
• Angústia. Estagnação

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

5
Eu tenho um filho autista. E agora?

• Dupla Mãe. Duplo Pai.


– Ter um filho com autismo é ser mãe ou pai
duplamente, com todos os sofrimentos e prazeres
multiplicados.

– O filho necessitará dos cuidados comuns a todas as


crianças e de cuidados especiais para desenvolver
suas potencialidades.

– O objetivo é o mesmo, o cuidado é maior.


www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Agora, você precisa...

• Agora, você precisa saber que:


– Seu filho não é o diagnóstico. Ele é o seu filho.

– Seu filho vai te amar.

– Seu filho vai aprender.

– Seu filho vai te surpreender.

• Para que essas coisas aconteçam você só


precisa de três coisas...

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Agora, você precisa...

1. NÃO PROTEGER DEMAIS

2. PERSISTÊNCIA

3. PACIÊNCIA

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

6
Pais e Tratamentos

Pessimismo de quem assiste

vs

Otimismo de quem participa

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Pais como Terapeutas

• Para serem bons terapeutas, os pais precisam


ter duas coisas em mente:
– Proteção demasiada não ajuda seu filho a se
desenvolver.

– Todos os momentos de interação podem ser usados


para ensinar (exemplo: guardar brinquedos, ligar a
televisão, puxar a descarga, montar blocos, etc).

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Pais como Terapeutas

• O que é necessário para o ensino:


– Persistir no ensino, repetindo-o pacientemente tantas
vezes quanto for preciso;

– Compreender o ritmo de cada criança;

– Não comparar seu filho ao de outros pais;

– Reconhecer e vibrar com cada conquista.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

7
Pais como Terapeutas

• Algumas dicas para você ensinar o seu filho:


1. Tenha um objetivo.

a. Divida o objetivo em etapas.

2. Mostre como desempenhar em cada etapa.

a. Gradualmente, vá retirando as dicas.

b. Prefira usar imagens a dicas verbais.

3. Deixe claro que a criança acertou e não reprove o erro.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Pais como Terapeutas

• Continuando com as dicas:

4. Não tente ensinar tudo de uma vez. Concentre-se no que pode


ser feito com tempo apropriado e paciência.

5. Inicialmente, é válido concentrar o ensino em atividades do


cotidiano: almoçar, ir ao banheiro, guardar brinquedos, vestir a
roupa, abrir a porta, apagar a luz, etc.

6. Desde sempre, comece a exigir que a criança peça pelo que


deseja vocalmente ou com gestos.

7. Aprenda com os profissionais que atendem seus filhos.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Pais como Terapeutas

• Pais terapeutas:

– Reduzem os custos da família;

– Aumentam o tempo de interação com os filhos;

– Sentem-se bem por participarem da evolução dos


filhos;

– Facilitam a continuidade do tratamento;

– São naturalmente especialistas em generalização.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

8
Pais Coordenando Tratamentos

• É recomendável que os pais coordenem o tratamento.

• O primeiro passo é escolher bons terapeutas:


• Devem conhecer sobre TID. Ou estarem disponíveis para
aprender.

• Devem ser transparentes, deixando claros seus objetivos,


limitações e procedimentos.

• Devem ser flexíveis, adaptando seu trabalho às


necessidades das crianças e dos pais (que precisam intervir,
deixando claras suas dificuldades e expectativas).
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Pais Coordenando Tratamentos

• É comum que as crianças realizem diversos tipos de


terapia: Fonoaudiologia, Terapia Ocupacional,
Padovan, Terapia ABA, etc.

• Os pais não têm ferramentas para avaliar o que está


sendo eficaz e o que não está.

• As muitas terapias geram ansiedade e expectativas


inadequadas.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Pais Coordenando Tratamentos

• É válido que os pais exijam dos terapeutas:


• Metas que têm com as crianças;

• Demonstração o mais objetiva possível dos ganhos e


problemas que estão ocorrendo no tratamento;

• Discussão mensal sobre o andamento da terapia;

• Reuniões entre os diferentes terapeutas;

• Estudo bibliográfico sobre TID e o tratamento.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

9
ABA –
Análise do Comportamento Aplicada
• O objetivo principal da Terapia ABA para as crianças diagnosticadas com
autismo é aumentar a percepção que elas têm do mundo ao redor, suas
interações sociais e sua comunicação. Para isso, as tarefas de
aprendizagem propostas pelos terapeutas ABA são formuladas de modo a
auxiliar as crianças a atentarem adequadamente para os contextos e
pessoas com quem convive. Os programas ABA constroem pré-
requisitos de atenção e habilidades básicas de aprendizagem para que as
crianças sejam capazes de aprenderem sem ajuda e estarem preparadas
para desenvolver conhecimentos complexos. Faz isso direcionando as
potencialidades de aprendizagem já presentes nas crianças, permitindo
que elas sejam efetivadas de maneira apropriada.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

ABA –
Análise do Comportamento Aplicada

• Ciência e tecnologia para lidar com o comportamento em


todas as situações e contextos em que ele ocorre.

– Ciência = pesquisas e evidências empíricas.

– Tecnologia = aplicação sistemática das descobertas


científicas.

• O nome Terapia ABA ficou mais conhecido por sua


aplicação no tratamento de pessoas diagnosticadas com
autismo.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

ABA –
Análise do Comportamento Aplicada

• Desenvolvimento dos conceitos no início do século XX.

• Consolidação dos conceitos em 1938, com o livro “O


Comportamento dos Organismos”, de Skinner.
– Ainda apenas uma ciência experimental.

• Fase 1 de aplicação (dos anos1950 ao 1970): modificação


do comportamento.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

10
ABA –
Análise do Comportamento Aplicada

• Fase 2: Conceitos mais refinados. Perspectiva mais


humana e reforçadora.
– Desenvolvimento e Populatização da Terapia ABA.

– Lovaas, 1987 e Deixe-me ouvir a sua voz (Catherine Maurice).

• Fase 3: Mais foco em ambiente natural, reforçadores


naturais e prazer do estudante.
– Terapia ABA como ela é hoje.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

7 Dimensões da
Análise do Comportamento Aplicada

1. Aplicada

• Seu objeto de interesse devem ser


comportamentos socialmente relevantes.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

7 Dimensões da
Análise do Comportamento Aplicada

2. Comportamental

• O foco da intervenção deve ser no que o


indivíduo é capaz de FAZER.
• Deve-se levar em conta o comportamento de
quem realiza a intervenção.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

11
7 Dimensões da
Análise do Comportamento Aplicada

3. Analítica

• Deve-se ter certeza de que as mudanças no


comportamento do cliente são resultado da
intervenção.
– Para isso, avalia-se constantemente o
comportamento do cliente e dos passos do
tratamento.
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

7 Dimensões da
Análise do Comportamento Aplicada

4. Tecnológica

• A intervenção deve ser detalhadamente


descrita, de modo que qualquer outra pessoa
seja capaz de executá-la.
• Linguagem clara.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

7 Dimensões da
Análise do Comportamento Aplicada

5. Conceitual

• A linguagem utilizada deve ser correta do


ponto de vista conceitual, evitando
ambiguidades.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

12
7 Dimensões da
Análise do Comportamento Aplicada

6. Eficaz

• Para ser ABA, a intervenção deve ser eficaz:


produzir os resultados desejados.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

7 Dimensões da
Análise do Comportamento Aplicada

7. Produzir Generalização

• A intervenção deve:
A. Ser durável (resistir ao tempo);
B. Estender-se para outros ambientes;
C. Estender-se para outros comportamentos;
D. Estender-se para outras pessoas.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Uma Oitava Dimensão...

8. Humana
• A intervenção só deve ocorrer com o pleno
consentimento e participação das pessoas
envolvidas.
– Respeito;
– Motivação;
– Participação.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

13
Terapia ABA

• Baseada nas descobertas de Skinner.

– Foco no comportamento: o comportamento pode ser


modificado se sua relação com o ambiente for mudada.

• Popularizada por Lovaas, que mostrou que 50% das


crianças tratadas com ABA saem do espectro autista.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Terapia ABA

• Práticas e técnicas aperfeiçoadas e em aperfeiçoamento,


objetivando serem as mais efetivas possíveis.

• Tecnologia efetiva com centenas de crianças.

• Filosofia Behaviorismo Radical (de raiz).


– Pensamentos e sentimentos são comportamento.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Terapia ABA

• Foco no ensino de:


– Linguagem;
– Habilidades Sociais;
– Habilidades Acadêmicas;
– Habilidades de Brincar;
– Habilidades de Auto-cuidado.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

14
Terapia ABA

• Cria ambientes especiais para a


aprendizagem em casa, na clínica, na
escola, etc.
– Ambiente reforçador.

– Recruta pais, professores e cuidadores das


crianças.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Terapia ABA

• Objetivos discutidos e apresentados para os


pais (acompanham a evolução da criança por
meio de registros).

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Terapia ABA

• É uma terapia intensiva (ideal 40


hs por semana), diretiva e
relacional.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

15
Terapia ABA

• Idealmente, mais de um terapeuta


(revezamento).

• O contato e atenção social são constantes


durante a terapia.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Terapia ABA

• Péssimos nomes para conceitos...


– Reforçamento;

– Controle de Estímulos;

– Extinção;

– Fading in;

– Etc...

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Três razões por que


realizar a Terapia ABA

1. A Terapia ABA Funciona

A Terapia ABA é a forma de tratamento que possui mais


investigações científicas e relatos de sucesso dentre as
terapias que lidam com indivíduos diagnosticados com
autismo.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

16
Três razões por que
realizar a Terapia ABA

2. A Terapia ABA não acredita em falha do aprendiz

A. O terapeuta ABA não acredita que uma pessoa é


incapaz de aprender. Ao invés disso, ele se pergunta
“como eu posso ensinar essa pessoa?”

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Três razões por que


realizar a Terapia ABA

2. A Terapia ABA não acredita em falha do aprendiz

B. Portanto, quando um aluno não aprende, o terapeuta


ABA pergunta “o que EU fiz de errado?”. Isso leva a uma
prática cada vez melhor.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Três razões por que


realizar a Terapia ABA

3. A Terapia ABA respeita o direito de aprender

A. Sabendo que somente o aprendizado pode conduzir a


uma vida plena, os terapeutas ABA se esforçam para
tornar o aprendizado relevante e empolgante.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

17
Três razões por que
realizar a Terapia ABA

3. A Terapia ABA respeita o direito de aprender

B. O aprendizado ocorre no ritmo do estudante, sempre


respeitando seus limites. O terapeuta procura realizar um
ensino sem erros.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Pais e Terapia ABA

• Existe a crença falsa de que os pais não devem aplicar


Terapia ABA porque ela é muito estruturada e mecânica, e
os pais podem não se adaptar a ela.

– Qual é a origem dessa crença?

• É comum, então, que os pais contratem aplicadores da


terapia e acompanhem o tratamento “a uma distância
segura”.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Pais são bons aplicadores de Terapia ABA

• Pesquisas mostram, no entanto, que os pais:

– São competentes na aplicação da Terapia ABA;

– São capazes de ensinar a outras pessoas;

– São eficientes em reduzir comportamentos-


problema.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

18
Envolvendo os pais na Terapia ABA

• O que os pais podem fazer:

– Tentativa Discreta (não gostam);

– Paradigma da Linguagem Natural;

– Ensino em Ambiente Natural;

– Atividades de Vida Diária;

– Quadros de Rotina;

– PECS.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Conceitos Básicos utilizados


na Terapia ABA

Psic. Me. Robson Brino Faggiani


Especialista em Terapia Comportamental e Cognitiva

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Tentem responder...

• Por que nos comportamos?

• Por que vemos todos os dias o mesmo programa de


televisão?

• Por que não gritamos em sala de aula?

• Por que nos abrimos com nossos amigos?

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

19
Tentem responder...

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Tentem responder...

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Tentem responder...

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

20
Tentem responder...

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Tentem responder...

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Tentem responder...

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

21
Tentem responder...

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Tentem responder...

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Tentem responder...

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

22
Tentem responder...

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Tentem responder...

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Tentem responder...

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

23
Tentem responder...

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Tentem responder...

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Tentem responder...

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

24
Tentem responder...

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Tentem responder...

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Tentem responder...

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

25
Conceitos Básicos:
Princípios do Comportamento

1. Nós nos comportamos porque


queremos ou precisamos de alguma
coisa, ou por que queremos escapar
de uma situação desagradável.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Conceitos Básicos:
Princípios do Comportamento

2. Comportamento modifica e é
modificado pelo ambiente.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Conceitos Básicos:
Princípios do Comportamento

3. Comportamentos que produzem o


que queremos ou precisamos são
fortalecidos.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

26
Conceitos Básicos:
Princípios do Comportamento

4. O contexto em que os
comportamentos foram bem
sucedidos passam a influenciá-los.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Conceitos Básicos:
Comportamento
• Comportamento é tudo o que o organismo faz.
– É a relação entre os eventos do meio (públicos e privados) e a
resposta do organismo (públicas e privadas).

ESTÍMULOS PÚBLICOS RESPOSTAS PÚBLICAS


Sinal de trânsito; Amigo se aproximando; Dirigir um carro; Caminhar; Comer;
Amigo falando; Braço se levantando; Proferir um discurso; etc.
Letras em um livro; etc.

ESTÍMULOS PRIVADOS RESPOSTAS PRIVADAS


Pensamentos; Emoções; Pensar; Imaginar; Raciocinar;
Sentido da posição do corpo; Sentir amor; Sentir raiva;
Dor; Sede; etc. Sentir dor, etc.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Conceitos Básicos:
Análise Funcional
OM
(motivação)

SD R SC
(contexto) (resposta) (consequência)

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

27
Conceitos Básicos:
Análise Funcional
modifica o valor de
OM
(motivação)

induz modifica a probabilidade de

é ocasião para produz


SD R SC
(contexto) (resposta) (consequência)

estabelece o controle do comportamento pelo estímulo

torna-se um estímulo condicionado

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Conceitos Básicos:
Funções dos Estímulos
• Operações Motivadoras (o que
nos faz querer algo).

– Queremos beber porque


ficamos muito tempo sem
água.

– Desabamos com nossos


amigos porque estamos
tensos (terminamos o
namoro, por exemplo).

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Conceitos Básicos:
Funções dos Estímulos
• Estímulos Consequentes (podem ser reforçadores ou
punitivos).

– Deixamos de sentir frio ao vestir uma blusa.

– Ganhamos parabéns por termos acertado algo.

– Tomamos uma bronca por bagunçar em aula.

– Somos colocados de castigo após fazer algo errado.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

28
Conceitos Básicos:
Funções dos Estímulos
• Estímulos Discriminativos – Controle de
Estímulos (contexto do comportamento).

– Amigos influenciam o tipo de


conversa.

– Dizer “bola” diante da palavra BOLA


é considerado correto.

– Responder “3” diante da pergunta


“quanto é 1+2?” é considerado
correto.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Conceitos Básicos:
Análise Funcional
OM Estar só
(motivação) Estar triste

SD R SC
(contexto) (resposta) (consequência)

Pessoa 1 Conversar Agradável

Pessoa 2 Conversar Desagradável

Pessoa 3 Conversar Neutro

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Conceitos Básicos:
Análise Funcional
OM Algum tempo
(motivação) sem brinquedo

SD R SC
(contexto) (resposta) (consequência)

Uma bola “BOLA” Brinquedo

Uma bola “BALA” Nada

Uma bola “CARRO” Nada

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

29
Conceitos Básicos:
Reforçamento
SD R SC
(contexto) (resposta) (consequência)

AUMENTA a probabilidade de

Brinquedo Chorar Recebe o


no chão brinquedo

ocorre mais vezes

• Reforçador aumenta a probabilidade de uma resposta.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Conceitos Básicos:
Punição
SD R SC
(contexto) (resposta) (consequência)

DIMINUI a probabilidade de

Brinquedo Chorar Recebe


no chão bronca

ocorre menos vezes

• Punição diminui a probabilidade de uma resposta. Mas


tem efeitos indesejáveis: raiva e/ou medo.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Conceitos Básicos:
Extinção
SD R SC
(contexto) (resposta) (consequência)

Diminui a probabilidade de

Brinquedo Chorar Nada


no chão acontece

vai deixando de ocorrer...

• Extinção faz a resposta ir desaparecendo. Antes de desaparecer:


aumenta de intensidade e provoca sofrimento.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

30
Conceitos Básicos:
Reforçamento Intermitente
• Reforçamento contínuo: uma resposta – um reforço.
• Reforçamento intermitente.
– Por tempo: A primeira resposta a cada 30s ganha reforçador.
– Por razão: A cada 5 respostas, um reforçador.
– Efeitos:
• Comportamento mais “forte”.
• Maior resistência à extinção.
– Ex: Jogos de azar (máquina caça-níquel).
• Reforçamento esporádico.
– “ Vício” causado facilmente.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Conceitos Básicos:
Mais sobre Consequências
• Quanto mais imediato o reforçador, mais efetivo ele é.

• Um reforçador não reforça para sempre (operações


motivadoras).

• Não foram os analistas do comportamento que inventaram o


reforçador.
– Eles apenas o descreveram.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Conceitos Básicos:
Forma vs Função
• Os Terapeutas ABA diferenciam entre a função de um
comportamento e sua forma (aparência – topografia).
– A função é definida pela relação da resposta com o ambiente.

• Dois comportamentos podem ter a mesma forma e


funções diferentes.

• Dois comportamentos podem ter a mesma função e


formas diferentes.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

31
Conceitos Básicos:
Forma vs Função

• Formas diferentes, mesma função: despedir-se


educadamente.

Indo Reforçador
“Tchau”
embora Social

Indo Acenar Reforçador


embora tchau Social

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Conceitos Básicos:
Forma vs Função

• Mesma forma, diferentes funções.

Prova Tirar boas


Estudar
em breve notas

Prova Estudar Não levar


em breve bronca

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Conceitos Básicos:
Modelagem
• Ensino gradual.

• Consiste em reforçar formas (topografias) de respostas cada vez


mais próximas da topografia final desejada (aproximações
sucessivas) e não reforçar outras topografias.

• Ao fim do procedimento, as respostas-alvo tornam-se mais


freqüentes e todas as outras diminuem sua taxa de ocorrência.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

32
Conceitos Básicos:
Modelagem
Exemplo: dizer “Quero TV”

“qqq” – reforço
“quê” – reforço
“qqq” – não reforço
O procedimento é utilizado
“qué” – reforço para produzir topografias
“quer” – reforço complexas de respostas:
Ensinar comportamentos complexos
“der” – não reforço
“quero” – reforço
“quero T” – reforço
“quero” – não reforço
“quero TV” – reforço
Dinâmica
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Conceitos Básicos:
Fading de Estímulos

• Procedimento utilizado para mudar o controle de estímulos.


– Consiste em alterar gradualmente valores do estímulo.

6 9
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Esposa Convidar para Jantar romântico


Sorridente jantar

Esposa com Convidar para Sem jantar


cara fechada jantar

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

33
Esposa Convida para
Jantar
sorridente jantar
Sogra
longe
Esposa com Convida para
cara fechada Sem jantar
jantar

Esposa Convida para


sorridente Jantar
Sogra jantar
em casa
Esposa com Convida para Jantar
cara fechada jantar

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Conceitos Básicos:
Atenção
• Atenção é uma relação de controle de estímulos.

– Atenta-se para o que está relacionado a eventos


reforçadores.
• Atenção = interesse

– Olha-se menos para o que está relacionado à


ausência de reforçadores.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Comportamento Verbal

• Comportamento Verbal é um

– Comportamento reforçado pela mediação de um ouvinte treinado


especialmente para fazê-lo por uma comunidade verbal.

• Exemplo: “pegue um copo de água para mim”.

– A emissão deste comportamento verbal só pode ser reforçada


caso um ouvinte treinado pegar a água para o falante.

• Não importa se a resposta é por meio de palavras, gestos ou


troca de figuras.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

34
Comportamento Verbal

• A proposta de CV de Skinner critica a idéia da


linguagem como um instrumento:

– É comum o pensamento de que a pessoa


capaz de pedir por água, é também capaz
de dizer “água” quando a vê.

– Na verdade, há vários tipos de


comportamentos verbais. Eles variam no
tipo de relação que estabelecem com o
ambiente.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Comportamento Verbal:
Operantes sob Controle Formal

• Ecóico (vocal – vocal).

SD R SC
(contexto) (resposta) (consequência)

“Bola” “Bola” SOCIAL


e/ou natural

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Comportamento Verbal:
Operantes sob Controle Formal

• Cópia (escrito - escrito).

SD R SC
(contexto) (resposta) (consequência)

Bola Bola SOCIAL


e/ou natural

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

35
Comportamento Verbal:
Operantes sob Controle Formal

• Ditado (vocal – escrito).

SD R SC
(contexto) (resposta) (consequência)

“Bola” Bola SOCIAL


e/ou natural

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Comportamento Verbal:
Operantes sob Controle Formal

• Textual (escrito – vocal).


– Leitura: envolve compreensão.

SD R SC
(contexto) (resposta) (consequência)

Bola “Bola” SOCIAL


e/ou natural

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Comportamento Verbal –
Mando
• Controlado por operações motivadoras.
– Incluindo situações aversivas.
• O reforçador, para este operante, é específico.
• Usualmente, a forma da resposta (topografia) anuncia o
reforçador.
– Quero biscoito (controlado pela fome).
– Feche a janela, por favor (controlado pelo frio).
– Correr e gritar (controlado pelo desejo de fugir de uma tarefa).
– Bater nos outros ou em si mesmo (controlado pela necessidade
de atenção).

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

36
Comportamento Verbal –
Mando

Algum tempo
OM sem brincar
(motivação) com a bola
Reforçador
específico

Resposta geralmente
“Bola”
especifica o reforçador

R SC
(resposta) (consequência)

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Comportamento Verbal –
Tato
• O tato é um operante verbal sob controle de um estímulo
não-verbal: um objeto ou evento ou a propriedade de um
objeto ou evento do meio.
– Dizer carro diante de um carro,

– Dizer estou com frio diante de sensações corporais específicas.

– Dizer azul diante de um trem de brinquedo azul.

• Para o tato, o reforçador é generalizado.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Comportamento Verbal:
Tato

• Tato é dar nome às coisas ou às suas propriedades.

SD R SC
(contexto) (resposta) (consequência)

“Bola” SOCIAL
e/ou natural

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

37
Comportamento Verbal:
Intraverbal
• Comportamento verbal controlado por outro
comportamento verbal.
• Relacionado à conversação, socialização e habilidades
acadêmicas.
• Exemplos de intraverbal:
– Quem descobriu o Brasil? “Pedro Álvares Cabral”.
– Qual seu nome e idade? “Sou Pedro e tenho 7 anos”.
– A, E, I, O? “U”.
– Conversação de todos os tipos.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Comportamento Verbal:
Intraverbal

• Intraverbal é o mais difícil dos comportamentos verbais. Não


há regras claras em uma conversa.

SD R SC
(contexto) (resposta) (consequência)

Qual seu
jogo Futebol SOCIAL
continuação e
favorito?
aprofundamento
da conversa

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Comportamento Verbal:
Linguagem Receptiva
• Ser capaz de se comportar adequadamente diante do
comportamento verbal de outra pessoa.

• Relacionado à compreensão e entendimento da linguagem.

• O estímulo é verbal. A resposta dada é não-verbal.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

38
Comportamento Verbal:
Linguagem Receptiva

• Tato é dar nome às coisas ou às suas propriedades.

SD R SC
(contexto) (resposta) (consequência)

“Pegue a
bola Pegar a bola SOCIAL
para mim” e/ou natural

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Avaliação do Comportamento
e Comportamentos-Problema

Psic. Me. Robson Brino Faggiani


Especialista em Terapia Comportamental e Cognitiva

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Terapia ABA:
Não-rotulação
• As mesmas “leis” comportamentais (e do pensamento
e do sentimento) controlam o que é chamado de
doença e o que é chamado de normal.

• A questão é: “Quais são as dificuldades desta pessoa


única e como lidar com elas?”

– E não “Que doença esta pessoa tem?”

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

39
Terapia ABA:
Não-rotulação
• Foco nas relações do indivíduo e não na doença.
• Diagnosticar não é o passo mais importante.
– O melhor é uma análise das necessidades do
indivíduo.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Terapia ABA:
Não-rotulação
• A ABA compreende características do
TID como uma continuação das
características consideradas típicas.
• TID, portanto, não é considerada
uma doença ou transtorno, e sim
um conjunto de características
particulares.
– Os indivíduos que a possuem
precisam APRENDER a viver no
Mais baixo Mais alto
mundo como ele é hoje.
Menos Mais
contato contato
social social

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Terapia ABA:
Não-rotulação
• Se o diagnóstico é comportamental...
• O desaparecimento dos comportamentos significa...
• Desaparecimento do nome “autismo”.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

40
Terapia ABA: Avaliação

• Testes de inteligência valem a


pena?

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Terapia ABA: Avaliação

• Existem alguns testes que avaliam o grau de ocorrência e


severidade de comportamentos autísticos. Exemplos:

– CARS (Childhood Autism Rating Scale)

– ATEC (Autism Treatment Evaluation Checklist)

• São úteis para questões comparativas e de pesquisa.

• Pensando em avaliação para planejamento de terapia, é mais


útil analisar funcionalmente.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Terapia ABA: Avaliação

• Análise funcional:

– Identificar o que está controlando o comportamento para


além de sua aparência.

– Procura-se identificar (1) o contexto em o comportamento


está ocorrendo, (2) qual é o comportamento e (3) quais
são as consequências do comportamento.

– Fornece a base para programas de tratamento.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

41
Análise Funcional
modifica o valor de
OM
(motivação)

induz modifica a probabilidade de

é ocasião para produz


SD R SC
(contexto) (resposta) (consequência)

estabelece o controle do comportamento pelo estímulo

torna-se um estímulo condicionado

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Terapia ABA: Avaliação

• Testes Funcionais:

• ABLLS (Assessment of Basic Language and Learning


Skills) – Avaliação de repertório e guia curricular.

• ABLA (Assessment of Basic Learning Abilities) – Simplista.

• ABLLS reduzido – Simples, mas avalia as habilidades mais


importantes.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Lidando com
Comportamentos-Problema
• Comportamentos-problema são aqueles que impedem a
realização de comportamentos adequados, retardando a
aprendizagem e, consequentemente, a evolução da criança.
Podem ser:

1. Estereotipias.

2. Rituais.

3. Interesse restrito.

4. Disruptivos e birras.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

42
Estereotipias

• As estereotipias são movimentos


repetitivos mantidos por auto-
estimulação. Costumam ocorrer em
três situações: quando a criança
está ansiosa, quando está muito
excitada ou quando não tem
atividades produtivas a fazer. mantém

1
Estereotipias Auto-estimulação
produzem

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Estereotipias

• Os movimentos podem ocorrer com objetos (como


bater na mesa repetidamente) ou com o próprio corpo
da criança (agitar os braços, morder-se, correr pela
casa, etc). Além disso, a ecolalia e o balbuciar
ininterrupto são formas de estereotipia.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Estereotipias

• Os comportamentos auto-estimulatórios tendem a


diminuir quando o indivíduo está engajado em
atividades produtivas. Por isso, a regra de ouro
para evitar as estereotipias é manter a pessoa
com o problema sempre ativa.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

43
Estereotipias

• Há teóricos, como Lovaas, que


supõem que as auto-estimulações
têm a função de evitar
deterioração do sistema nervoso.
O autor defende que, apesar
disso, o mais adequado é
substituir a auto-estimulação
inadequada por ações O comportamento
inadequado de enfileirar
apropriadas e produtivas. pode ser substituído por
jogar dominó, por exemplo.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Lidando com as Estereotipias:


Técnica do Redirecionamento
• A melhor forma de lidar com a estereotipia é manter a
criança em atividades adequadas durante todo o tempo.
Infelizmente, isso não é possível. Uma alternativa é
seguir esses passos:

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Lidando com as Estereotipias:


Técnica do Redirecionamento
• 1. Faça uma lista de todas
Exemplo de lista
as estereotipias da criança Dia Hora Estereotipia Situação

e em que situações elas 20/05 08:20 Bater palmas Sozinho na sala,


sem parar vendo Ben 10
ocorrem (anote a hora da 20/05 12:30 Correr pela casa Eu e meu marido
movendo os dissemos que
estereotipia e o que estava braços íamos levá-lo a
uma rede de fast-
acontecendo no ambiente da food

criança); 20/05 18:15 Bater dois


blocos de
Deixamos ele
sozinho com o
plástico brinquedo de
coloridos um no montar
outro

A lista permite identificar quais são os


movimentos mais frequentes e estabelecer o
padrão de sua ocorrência

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

44
Lidando com as Estereotipias:
Técnica do Redirecionamento
• 2. Com base no levantamento feito, fique atento às
situações em que os movimentos costumam
acontecer.

• 3. Nas situações em que os movimentos ocorrem,


seja mais rápido do que a criança e direcione o
comportamento dela para uma atividade
adequada ANTES de a estereotipia ocorrer.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Lidando com as Estereotipias:


Técnica do Redirecionamento
• 4. Repita os passos acima
insistentemente por alguns
dias, ou até semanas.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Rituais

• Rituais têm semelhanças com as


estereotipias. Também são
comportamentos repetitivos,
mas que ocorrem de forma
mais localizada. Por exemplo, a
criança insiste em passear
sempre pelo mesmo caminho.
Outro exemplo: a criança reclama
bastante sempre que muda de O maior problema causado pelos
rituais é que eles impedem a criança
de experimentar alternativas.
ambiente.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

45
Rituais

• Há teóricos que dizem que os


rituais têm o objetivo de
“proteger” os indivíduos autistas
de estimulação nova, pois ela
sobrecarrega seus sentidos
sensíveis.

O maior problema causado pelos


rituais é que eles impedem a criança
de experimentar alternativas.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Lidando com os Rituais:


Técnica do Quadro de Rotinas
• Faça uma lista de mapeamento dos rituais
(semelhante à feita para as estereotipias). Depois,
modifique gradualmente as situações nas quais
o ritual ocorre e o comportamento tipicamente
apresentado.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Lidando com os Rituais:


Técnica do Quadro de Rotinas
• Por exemplo, se a criança
insistir em sentar sempre na
Caso a criança se irrite
mesma cadeira, deslize-a em
muito com as mudanças,
torno da mesa, mudando sua
associe-as com os objetos e
posição. No dia seguinte, mova
as atividades preferidas por
a cadeira ainda mais, e assim
ela. Por exemplo, ajude-a a
sucessivamente. Termine se sentar em uma cadeira
ajudando a criança a se sentar diferente e imediatamente
em uma cadeira diferente todos dê a ela seu brinquedo mais
os dias. querido.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

46
Lidando com os Rituais:
Técnica do Quadro de Rotinas
• É muito útil, para lidar com
mudanças de ambiente, criar um
quadro de rotinas para a criança,
que apresenta (com fotos) todas
as atividades que ela realizará
durante o dia. O quadro, para ser Exemplos de quadros de rotina

melhor aproveitado, deve ser


utilizado de manhã e novamente a
cada nova atividade.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Lidando com os Rituais:


Técnica do Quadro de Rotinas
• Ajude a criança a olhar todas as fotos e o nome dos
itens constantes no quadro. É ainda mais interessante
que o quadro e seus itens sejam de velcro, permitindo à
criança montar o próprio dia. Ajude-a nos primeiros dias
ou semanas e gradualmente permita que ela faça tudo
sozinha.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Interesse Restrito

• Trata-se do apego demasiado a


um determinado objeto ou
atividade e a não aceitação do
engajamento em outras tarefas
ou brincadeiras. O interesse
restrito limita o campo de
possibilidades de interação e
aprendizagem da criança
diagnosticada com autismo.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

47
Interesse Restrito

• Sua ocorrência provavelmente está ligada à mesma


necessidade de proteção de estímulos novos presente nos
rituais. Infelizmente, isto ainda é uma hipótese que
necessita de confirmação empírica.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Lidando com o Interesse Restrito:


Princípio de Premack
• 1. Direcione a criança para outra Princípio de Premack

atividade. Ajude-a nesta nova Os passos descritos ao


tarefa ou com o novo objeto, lado resumem o Princípio
de Premack: use as
fazendo muita festa. atividades mais
interessantes para o
• 2. Nas primeiras vezes, não exija indivíduo para fortalecer
o engajamento em
muito tempo de engajamento.
atividades menos
Aumente o tempo gradualmente. interessantes. Em outras
palavras, reforce uma
atividade menos “bacana”
com uma mais “bacana”

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Lidando com o Interesse Restrito:


Princípio de Premack
• 3. Após segundos, ou minutos, na
nova tarefa, dê a ela o objeto ou
deixe-a realizar a atividade que Quando possível, torne
mais gosta. uma tarefa a sequência
natural da outra. Por
exemplo: se um garoto
• 4. Repita esses passos com novas
gosta de um avião de
tarefas. brinquedo, ajude-o a
empurrar um carrinho que
vai chegar até o avião, e
então decole...

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

48
Birras e Comportamentos Disruptivos

• São comportamentos agressivos, de oposição e


enfrentamento, em que as crianças ficam muito agitadas,
chorosas e não demonstram consideração por objetos e
pessoas.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Birras e Comportamentos Disruptivos

• Birras e comportamentos
disruptivos são, em última
análise, uma forma de
comunicação. Geralmente, dizem
uma de duas coisas: “eu não quero
esta situação” ou “eu quero este
objeto ou atividade”.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Birras e Comportamentos Disruptivos


• A ocorrência desses
comportamentos inadequados em Para o autista:

crianças diagnosticadas com


autismo provavelmente está ligada Comunicação
Objetivo
adequada
à dificuldade que elas têm em difícil

utilizar a comunicação convencional


para manifestar seus desejos e
inquietudes. Por conta disso, o autista
Birra Objetivo
utiliza da forma de comunicação que funciona
lhe é acessível (e que é extremamente
funcional): a birra e os disruptivos.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

49
Birras e Comportamentos Disruptivos
• O problema se agrava quando os
pais realizam todos os desejos das
crianças, o que é infelizmente
muito comum. Para o autista:

Comunicação
Objetivo
adequada difícil

Birra Objetivo
funciona

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Birras e Comportamentos Disruptivos

• O problema se agrava quando os


pais realizam todos os desejos das
crianças, o que é infelizmente
muito comum. A solução:

Comunicação
Objetivo
adequada
funciona

substituir

Birra Objetivo
não funciona

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Lidando com Birras e Comportamentos Disruptivos:


Técnica do Reforçamento a Respostas Incompatíveis ou
Alternativas
• Como mostrado na animação anterior, a solução para
diminuir a frequência de birras e comportamentos
disruptivos é ensinar formas de comunicação
adequadas, que permitam à criança manifestar suas
necessidades.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

50
Lidando com Birras e Comportamentos Disruptivos:
Técnica do Reforçamento a Respostas Incompatíveis ou
Alternativas
• A técnica mais funcional para isso
A extinção consiste em
é a extinção somada ao suspender o reforço da birra
reforçamento de comportamentos ou do comportamento
alternativos ou incompatíveis com disruptivo. Ou seja, em não
permitir que ele funcione.
as birras.
Apesar de ser funcional, o
problema de utilizar apenas
a extinção é que ela
provoca resultados
indesejáveis, como raiva e
aumento inicial do
comportamento inadequado
antes de ele desaparecer.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Lidando com Birras e Comportamentos Disruptivos:


Técnica do Reforçamento a Respostas Incompatíveis ou
Alternativas

• Para realizar adequadamente o reforçamento de


comportamentos adequados que substituem os inadequados,
o primeiro passo é fazer uma lista mapeando a ocorrência das
birras e disruptivos.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Lidando com Birras e Comportamentos Disruptivos:


Técnica do Reforçamento a Respostas Incompatíveis ou
Alternativas

• Deve ser uma lista mais Dia e Situação Comportamento Consequência


hora (o que a criança
completa do que a obteve)
14/04 Na hora do Gritar e sair Desisti de dar o
anteriormente mostrada. 12:00 almoço, quando correndo da alface e ele
ofereci alface mesa parou de chorar
Ela deve conter não 16/04 Pedi a ele para Derrubou tudo Não fez o
fazer o desenho que estava na desenho. Foi ver
apenas a situação em 14:00
que a professora mesa. Quando TV.
passou de tarefa coloquei tudo no
que o comportamento lugar, derrubou
de novo
ocorreu, mas também o 16/04 Depois de andar Começou a Parou de chorar
18:35 um pouco pela chorar e gritar e quando lhe
que a criança obteve com casa me puxar pela entreguei o
mão carrinho que ele
ele. Veja ao lado um gosta.

exemplo. Esta listagem é fundamental para o procedimento de


ensinar comportamentos alternativos

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

51
Lidando com Birras e Comportamentos Disruptivos:
Técnica do Reforçamento a Respostas Incompatíveis ou
Alternativas
• Agora que você fez o levantamento, é
válido seguir esses passos:

• 1. Crie um sistema de comunicação


alternativa e o tenha sempre em
mãos. O PECS é a melhor solução
(fotos dos diferentes objetos e atividades PECS (Sistema de
comunicação por troca de
da criança). Não esqueça de ter uma figuras). Particularmente,
prefiro fotos a desenhos.
foto de tudo que apareceu como
O ideal é que ao invés do PECS, a
consequência na lista do seu filho. É criança seja ensinada a pedir
válido também ter um cartão escrito verbalmente. Utilize as fotos apenas
se a criança não usar as palavras.
“Não” para que a criança o utilize.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Lidando com Birras e Comportamentos Disruptivos:


Técnica do Reforçamento a Respostas Incompatíveis ou
Alternativas
• 2. Nas situações em que as birras costumam ocorrer,
fique a postos para ajudar a criança a lhe entregar a
imagem correspondente ao que ela deseja.

• 3. Imediatamente após a criança lhe entregar a foto,


ou pedir verbalmente, permita que ela acesse o que
ela deseja. No caso do “Não”, suspenda o pedido por
alguns minutos. Após isso, peça novamente, oferecendo
algo desejável após ela cumprir sua solicitação.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Lidando com Birras e Comportamentos Disruptivos:


Técnica do Reforçamento a Respostas Incompatíveis ou
Alternativas

• 4. Ainda que a criança esteja se


comportamento inadequadamente O procedimento descrito
(o que é comum no começo desse nestes passos chama-se
“Reforçamento diferencial
procedimento), aceite a figura e
de comportamento
lhe dê o que ela quer. alternativo”. Ele funciona
Gradualmente, vá exigindo que ela porque permite à criança
acessar o que deseja de
faça cada vez menos birra, até que
forma mais simples (é mais
somente o comportamento adequado fácil entregar uma figura ou
prevaleça. fazer um pedido verbal do
que gritar, berrar, correr, etc).

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

52
Comportamentos-Problema:
Um Guia Geral

Faça uma análise funcional Geralmente, os


detalhada do comportamento- comportamentos-problema têm
problema: alguma(s) dessas funções:

• Em que situações ele ocorre? • Receber atenção social;


• Em que ambientes ele ocorre? • Pedir por algo;
• Quais as consequências que • Fugir de uma situação
ele recebe? desagradável;
• Com que frequência ele • Auto-Estimulação.
ocorre?
• Ocorre mais com uma pessoa
do que com outra?

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Se a função for...
Receber atenção social
• Pare de prestar atenção, ou ficar bravo, ou ficar
chocado com o comportamento-problema
(procedimento de extinção).

• É válido pedir por respostas adequadas alternativas.

• Comece a dar atenção e elogios quando a criança


estiver se comportando de maneira apropriada.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Se a função for...
Pedir por Algo ou Fugir de uma Situação Desagradável

• Ensine formas de comunicação alternativas ao


comportamento-problema: pedir verbalmente, ou por
troca de figuras, ou por gestos (reforçamento de
respostas alternativas).

• Concomitantemente, não mais permita que o


comportamento-problema seja bem sucedido
(extinção).

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

53
Se a função for...
Auto-Estimulação
• Redirecione imediatamente a resposta para algo
adequado.

• Quanto mais tempo de atividade apropriada, menos


tempo de auto-estimulação.

• Procure respeitar a necessidade de auto-estimulação e


propor atividades que forneçam estimulação
semelhante.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Princípios de Ensino e
Programas de Aprendizagem

Psic. Me. Robson Brino Faggiani


Especialista em Terapia Comportamental e Cognitiva

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Programando a Terapia

• Preparar ambiente especial para o ensino;


• Conhecer os princípios de ensino da Terapia ABA;
• Conhecer os tipos de ensino da Terapia ABA;
• Conhecer alguns programas de ensino da Terapia ABA;
• Analisar funcionalmente;
– Definir objetivos;

• Aplicar os princípios e tipos de ensino;


• Avaliar o andamento do processo terapêutico.
• Remodelar a Terapia.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

54
Programando a Terapia

• Preparar ambiente especial para o ensino;


• Conhecer os princípios de ensino da Terapia ABA;
• Conhecer os tipos de ensino da Terapia ABA;
• Conhecer alguns programas de ensino da Terapia ABA;
• Analisar funcionalmente;
– Definir objetivos;

• Aplicar os princípios e tipos de ensino;


• Avaliar o andamento do processo terapêutico.
• Remodelar a Terapia.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Ambiente e material

• Para realizar a Terapia ABA, são necessárias as seguintes


condições:
– Ambiente tranquilo, sem muitas distrações.
– Mesa apropriada ao tamanho da criança;
– Estímulos diversos: cores, letras, números, formas, figuras de
animais, de pessoas, de emoções, fotos dos familiares, dos
objetos da criança, etc.
• Imagens todas do mesmo tamanho (sugiro no formato
paisagem 5 X 7,5cm).
– Brinquedos diversos.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Programando a Terapia

• Preparar ambiente especial para o ensino;

• Conhecer os princípios de ensino da Terapia ABA;


• Conhecer os tipos de ensino da Terapia ABA;
• Conhecer alguns programas de ensino da Terapia ABA;
• Analisar funcionalmente;
– Definir objetivos;

• Aplicar os princípios e tipos de ensino;


• Avaliar o andamento do processo terapêutico.
• Remodelar a Terapia.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

55
ABA
Princípios de Ensino
• Avaliação constante.
• Ensino personalizado: ritmo individual.
• Ensino do simples para o complexo.
• Exigência de domínio para avançar.
• Repetição de testes.
• Relação social durante o ensino.
• Aprendizagem sem erro.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Terapia ABA:
Técnicas de Ensino
• Motivação;
• Hierarquia de Dicas;
• Modelagem;
• Apresentação dos Estímulos;
• Generalização.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Técnicas de Ensino:
Motivação
• Na Terapia ABA, tudo é realizado de
modo a não permitir que a criança erre e
esteja sempre motivada a aprender:
– Utilização constante de interesses da
criança para ajudar na realização de
tarefas.
– Teste de reforçadores: verificar quais
são os interesses das crianças o
tempo todo.
– Repetir constantemente o teste.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

56
Técnicas de Ensino:
Motivação
• Utilizar motivadores (reforçadores) poderosos é central na Terapia
ABA.
• Há vários tipos de reforçadores:
– Arbitrários. Não relacionados à tarefa. Um brinquedo por acertar
uma tentativa discreta que pede imitação.
– Sociais. Festa, cócegas, etc: algo que vem do outro.
– Generalizados. Que jamais perdem seu poder reforçador.
Dinheiro, por exemplo. Economia de fichas.
– Naturais. São os melhores reforçadores, que decorrem da própria
tarefa.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Técnicas de Ensino:
Hierarquia de Dicas
• A hierarquia de dicas é um tipo de fading out.
– Consiste em retirar gradualmente as dicas dada às crianças
para a realização de atividades.
• O objetivo é impedir que a criança erre e se mantenha motivada.
• Em alguns casos, a ajuda é apenas verbal.
• A hierarquia:
– Ajuda Física;
– Ajuda Leve;
– Ajuda Gestual;
– Sem ajuda.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Técnicas de Ensino:
Modelagem
• A modelagem permite ensinar comportamentos
complexos de forma gradual e afim com a evolução da
criança.
• Trata-se, junto com a hierarquia de dicas, de um
procedimento planejado para evitar o erro e manter a
criança interessada.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

57
Técnicas de Ensino:
Modelagem

“qqq” – reforço
“quê” – reforço
“qqq” – não reforço
“qué” – reforço
“quer” – reforço
“der” – não reforço
“quero” – reforço
“quero T” – reforço
“quero” – não reforço
“quero TV” – reforço

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Técnicas de Ensino:
Apresentação dos Estímulos
• Para facilitar o aprendizado e para evitar controle de estímulos
inapropriados, a apresentação de novas tarefas e estímulos deve ser
feita de forma planejada:
– Iniciar com um estímulo real e um em branco (quando possível).
– Adicionar um segundo estímulo, o mais diferente do primeiro
possível.
– Adicionar um terceiro estímulo.
– Caso a criança seja habilidosa, acrescentar mais estímulos
gradualmente.
– Apresentá-los sempre em ordem aleatória.
– Modificar estímulos conforme eles forem dominados.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Técnicas de Ensino:
Generalização
• Consiste em programar o ensino de forma que o conteúdo
aprendido se estenda para além da sala de tarefas e
ocorra no ambiente natural da criança.
• Algumas maneiras de criar generalização:
– Variar o ambiente da tarefa;
– Variar a pessoa que requisita a tarefa;
– Pedir a tarefa na situação natural em que o aprendizado
costumar ser utilizado.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

58
Programando a Terapia

• Preparar ambiente especial para o ensino;


• Conhecer os princípios de ensino da Terapia ABA;

• Conhecer os tipos de ensino da Terapia ABA;


• Conhecer alguns programas de ensino da Terapia ABA;
• Analisar funcionalmente;
– Definir objetivos;

• Aplicar os princípios e tipos de ensino;


• Avaliar o andamento do processo terapêutico.
• Remodelar a Terapia.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Tipos de Ensino

• Ensino em Ambiente Natural;


• Tentativa Discreta;
• Ensino Incidental;
• Encadeamento de Trás para Frente.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Terapia ABA: Tipos de ensino –


Ensino em Ambiente Natural
• O ensino em ambiente natural consiste em analisar as
possibilidades de aprendizado do indivíduo em suas
situações cotidianas e programar ensino de
comportamentos adequados a esses ambientes.

– Ensinar a dizer “bom dia” e “tchau”.


– Abrir a porta do carro.
– Ir ao banheiro da escola.
– Vestir-se.
– Pedir o que quer na lanchonete.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

59
Terapia ABA: Tipos de ensino –
Ensino em Ambiente Natural
• O Ensino em Ambiente Natural pode ocorrer de forma
planejada.
– É válido aproveitar o cotidiano da criança para ver o que
pode ser ensinado.
• Lembrar sempre de:
– Dividir a tarefa em passos (quando possível);
– Reforçar o comportamento correto;
– Utilizar hierarquia de dicas;
– Utilizar modelagem.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Terapia ABA: Tipos de ensino –


Tentativa Discreta
• Ensino estruturado, que vai ao encontro das necessidades
iniciais da criança diagnosticada com TID.
• Consiste em três passos: (1) fazer um pedido para a criança,
(2) resposta dela e (3) reforçar a resposta correta.
• Utilizada para programas acadêmicos (ler, escrever, contar,
etc), imitações iniciais, seguir instruções, identificações,
emparelhamentos.
• O objetivo é criar controle de estímulo adequado.
• É o tipo de ensino mais realizado pelos terapeutas ABA.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Tentativa Discreta X
Ensino em Ambiente Natural

Tentativa Ensino em
Discreta Ambiente Natural
• Maior controle do • Maior possibilidade de
aprendizado generalização
• Mais fácil corrigir erros • Ensino mais adequado
• Menos possibilidade de ao cotidiano
generalização • Menos controle de erros
• Pouca fluidez e eventos inesperados

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

60
Terapia ABA: Tipos de ensino –
Encadeamento de trás para frente

• Consiste em quebrar comportamentos complexos em


pequenos passos e ensiná-los de trás para frente, de
modo que os passos inicias sejam dicas para o último.
• Utilizado nas atividades diárias:
– Tomar banho;
– Escovar os dentes;
– Trocar de roupa, etc.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Encadeamento de Trás para Frente

Refeição Escovar os Dentes limpos e


terminada dentes sadios

Boca com sabão Gargarejar Dentes limpos e


Guardar tudo sadios

Escova com Mover a escova Boca com sabão


pasta sobre os dentes

Pasta e escova Passar pasta na Escova com


escova pasta

Armário do Abrir armário Pasta e escova


banheiro

Refeição Ir ao banheiro Armário do


terminada banheiro
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Terapia ABA: Tipos de ensino –


Ensino Incidental
• Não-estruturado e não planejado.
• Aproveitar o ambiente da criança e suas preferências
para ensinar.
• Deste modo, aproveita-se ao máximo o potencial de
ensino e a criança permanece motivada.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

61
Programando a Terapia

• Preparar ambiente especial para o ensino;


• Conhecer os princípios de ensino da Terapia ABA;
• Conhecer os tipos de ensino da Terapia ABA;

• Conhecer alguns programas de ensino da Terapia ABA;


• Analisar funcionalmente;
– Definir objetivos;

• Aplicar os princípios e tipos de ensino;


• Avaliar o andamento do processo terapêutico.
• Remodelar a Terapia.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Programas Sociais

Complexo
• Imitação de sequências • Conversação
em grupo • Interação prolongada
• Imitação em grupo • Convidar para brincadeiras
• Imitação de sequências • Brincadeira imaginativa
• Imitação motora fina • Brincadeira com regras
• Imitação motora grossa • Brincadeira com turno
• Imitação com objetos • Reforçamento social
• Atenção social • Contato visual

Simples

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Programas de Linguagem

Complexo
• Conversação
• Fazer comentários
• Intraverbal avançado
• Fazer perguntas
• Tato avançado • Pedir com frases
• Mando avançado • Pedir com palavras
• Intraverbal simples • Pedir com sons
• Tato simples • Pedir apontando
• Mando • Pedir guiando
• Ecóico / Mando

Simples

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

62
Linguagem Receptiva

Complexo
• Seguir instruções
compostas
• Identificação por FCC
• Seguir instruções
duplas
• Identificar objetos com
base em 2 propriedades
• Seguir instruções
simples
• Identificar objetos

Simples

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Programas Cognitivos

Complexo
• Pareamento arbitrário
• Matemática
• Pareamento por FCC
• Leitura e escrita
(Função, Classe ou
• Somar e subtrair
Característica)
• Ler pequenas frases
• Pareamento por
• Ordenar números
categoria
• Ler palavras
• Pareamento por
semelhança • Ler sílabas
• Identificar letras e números
• Pareamento de
identidade

Simples

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Programas Motores

Complexo
• Jogar tênis • Escrever palavras
• Escrever letras
• Jogar basquete
• Seguir pontilhados
• Andar de bicicleta
• Recortar
• Jogar futebol
• Pintar
• Pular
• Rabiscar
• Andar para trás
• Segurar o lápis
• Andar em linhas
• Movimento de pinça

Simples

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

63
Programas de Vida Diária

Complexo
• Tomar banho sem ajuda
• Servir-se de comida
• Comer com talheres
• Ir ao banheiro sem
ajuda
• Pedir para ir ao
banheiro
• Aceitar ajuda

Simples

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Evolução ABA

Simples Simples Simples Simples Simples Simples Simples Simples


Mecânico Mecânico Mecânico Mecânico Mecânico Mecânico Mecânico Mecânico

Simples Simples Simples Simples Simples Simples Simples Simples


Mecânico Mecânico Mecânico Mecânico Mecânico Mecânico Mecânico Mecânico

Simples Simples Simples Simples Simples Simples Simples Simples


Mecânico Mecânico Mecânico Mecânico Mecânico Mecânico Mecânico Mecânico

Simples Simples Simples Simples Simples Simples Simples Simples


Mecânico Mecânico Mecânico Mecânico Mecânico Mecânico Mecânico Mecânico

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Evolução ABA

Mais complexo Mais complexo Mais complexo Mais complexo


Mais natural Mais natural Mais natural Mais natural

Mais complexo Mais complexo Mais complexo Mais complexo


Mais natural Mais natural Mais natural Mais natural

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

64
Evolução ABA

Complexo Complexo
Integrativo Integrativo

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Evolução ABA

Mais complexo
Abrangente
Novidades aprendidas facilmente

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Evolução ABA

Espontâneo
Curioso
Criativo

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

65
Programando a Terapia

• Preparar ambiente especial para o ensino;


• Conhecer os princípios de ensino da Terapia ABA;
• Conhecer os tipos de ensino da Terapia ABA;
• Conhecer alguns programas de ensino da Terapia ABA;

• Analisar funcionalmente;
– Definir objetivos;

• Aplicar os princípios e tipos de ensino;


• Avaliar o andamento do processo terapêutico.
• Remodelar a Terapia.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Analisar Funcionalmente

• Identificar, dentro dos programas ABA, quais são as


necessidades da criança.
– Ela imita, pareia, segue instruções, lê, etc?
– Em que grau ela imita, pareia, segue instruções, lê, etc?
• Identificar comportamentos indesejados que necessitam
ser considerados e trabalhados.
• Este também é o momento em que os objetivos são
definidos.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Definir Objetivos

• Os objetivos devem ser:


– Claros e facilmente verificáveis;
– Compartilhados por todos que convivem com a criança;
– Alterados a partir do desempenho da criança;
– Especificados para curto prazo, médio prazo e de longo
prazo;
– Respeitados.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

66
Objetivos de Curto Prazo

• Os Objetivos de Curto Prazo (OCPs) indicam geralmente


duas características dos programas:
– O nível de ajuda;
– A quantidade de estímulos (ou de tempo) no ensino.

• Geralmente, um OCP é considerado cumprido quando a


criança desempenha de acordo em duas sessões seguidas
com mais de 90% de acertos em cada sessão.
– OCPs cumpridos permitem o avanço a OCPs mais complexos.
– OCPs podem retornar a níveis anteriores (mais simples), caso a
criança desempenhe com quedas em duas sessões consecutivas.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Programando a Terapia

• Preparar ambiente especial para o ensino;


• Conhecer os princípios de ensino da Terapia ABA;
• Conhecer os tipos de ensino da Terapia ABA;
• Conhecer alguns programas de ensino da Terapia ABA;
• Analisar funcionalmente;
– Definir objetivos;

• Aplicar os princípios e tipos de ensino;


• Avaliar o andamento do processo terapêutico.
• Remodelar a Terapia.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Aplicar os Princípios de Ensino

• Apesar de alguns programas serem básicos e indicados para todas


as crianças, no momento de decidir o que ensinar, lembre-se:
– Cada criança é única. Se possível, faça um programa específico
para ela.
– A forma de aplicação também pode variar, dependendo da
criança.
– Atente sempre ao desempenho da criança e mude os
procedimentos quando necessário.
– Quando a criança não tiver desempenho elaborado, crie
programas simples e siga passos os mais fixos possíveis.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

67
Aplicar os Princípios de Ensino

• A maioria dos programas ocorre em tentativa discreta.


– Geralmente um programa é realizado em sessões com 12
ou 20 tentativas.
• Isso é importante para questões de registro e avaliação
do cumprimento das OCPs.
• Lembre-se de variar e utilizar os tipos e técnicas de ensino
descritas anteriormente.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Programando a Terapia

• Preparar ambiente especial para o ensino;


• Conhecer os princípios de ensino da Terapia ABA;
• Conhecer os tipos de ensino da Terapia ABA;
• Conhecer alguns programas de ensino da Terapia ABA;
• Analisar funcionalmente;
– Definir objetivos;
• Aplicar os princípios e tipos de ensino;

• Avaliar o andamento do processo terapêutico.


• Remodelar a Terapia.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Registro de Desempenho

Imitação Motora Grupo 1 Imitação Motora Grupo 2


100

80

60

40

20

0
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

68
Registro de Desempenho

• Registrar permite:
– Avaliar constantemente;
– Organizar o ensino;
– Mudar ensino problemático (lembre-se que a criança tem
sempre razão);
– Aperfeiçoar o processo de ensino;
– Ter certeza de que o tratamento está funcionando;
– Acompanhar passo a passo a evolução da criança;
– Modificar OCPs: estímulos, tempo, ajuda, etc..

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Registro de Desempenho

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Programando a Terapia

• Preparar ambiente especial para o ensino;


• Conhecer os princípios de ensino da Terapia ABA;
• Conhecer os tipos de ensino da Terapia ABA;
• Conhecer alguns programas de ensino da Terapia ABA;
• Analisar funcionalmente;
– Definir objetivos;
• Aplicar os princípios e tipos de ensino;
• Avaliar o andamento do processo terapêutico.

• Remodelar a Terapia.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

69
Remodelar a Terapia

• A Terapia deve mudar sempre.


• Novos programas devem ser adicionados.
• Programas antigos devem ser retirados.
• Estímulos devem ser modificados.
• Objetivos precisam ser reformulados.
• Lembrando mais uma vez: a criança tem sempre razão.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Programas Básicos Comuns:


Contato Visual
• O objetivo do programa é aumentar o tempo de contato visual da
criança com seus interlocutores e objetos.
• Procedimento:
1. Sente-se de frente para a criança e faça um teste de
reforçadores;
2. Chame o nome da criança;
3. Ajude utilizando a dica necessária (hierarquia de dicas);
4. Reforce muito o olhar da criança;
1. Reforçamento social.

5. Repita o processo.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Programas Básicos Comuns:


Contato Visual
• Variações:
– Olhar para objetos;
– Procura de objetos (visual tracking): copos e reforçadores.

• Exemplos de OCPs (Objetivos de Curto Prazo):


– OCP 1 – olhar com Ajuda Leve
– OCP 2 – olhar sem ajuda
– OCP 3 – olhar por 1s
– OCP 4 – olhar por 3s
– OCP 5 – olhar por 5s
– OCP 6 – olhar por 10s

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

70
Programas Básicos Comuns:
Colaboração
• O objetivo deste programa é ensinar a criança repertórios básicos
de colaboração que servirão para aumentar sua atenção à terapia.
• Variadas instruções podem ser ensinadas (sente-se quietinho,
venha até aqui, espere um pouco, etc).
• Procedimento:
1. Sente-se com a criança e faça um teste de reforçadores;
2. Peça a ela “fique quietinha” ou “venha até aqui” (dependendo do objetivo
imediato e/ou da tentativa;
3. Ajude, utilizando a dica apropriada (de acordo com OCP);
4. Reforce a resposta correta;
5. Repita o processo mais 11 vezes, variando a instrução.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Programas Básicos Comuns:


Colaboração
• Variações:
– Novas instruções que ajudem na terapia.
• Exemplos de OCPs (Objetivos de Curto Prazo):
– OCP 1 – colaborar com ajuda física
– OCP 2 – colaborar com ajuda leve
– OCP 3 – colaborar com ajuda gestual
– OCP 4 – colaborar sem ajuda

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Programas Básicos Comuns:


Imitação Motora
• Os programas de imitação são fundamentais porque ensinam a
criança a prestar atenção no que os outros fazem. Imitar é uma
relação social poderosa e permite à criança aprender novos
comportamentos sem ser diretamente ensinada.
• Procedimento:
1. Sente-se com a criança e faça um teste de reforçadores;
2. Diga a ela “faça isto” enquanto realiza um movimento motor amplo (varie o
movimento. Inicie com três movimentos diferentes;
3. Ajude, utilizando a dica apropriada (de acordo com OCP);
4. Reforce a resposta correta;
5. Repita o processo mais 11 vezes, variando o movimento.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

71
Programas Básicos Comuns:
Imitação Motora
• Variações:
– Imitações com objetos, motora fina, de montagem de blocos, de
sequências, em grupo, etc.
• Exemplos de OCPs (Objetivos de Curto Prazo):
– OCP 1 – colaborar com ajuda física
– OCP 2 – colaborar com ajuda leve
– OCP 3 – colaborar com ajuda gestual
– OCP 4 – colaborar sem ajuda

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Programas Básicos Comuns:


Pareamento (visual-visual)
• Os programas de pareamento são a base do repertório cognitivo. Eles
ensinam as relações entre objetos e ajudam a criança a prestar atenção ao
mundo diferencialmente.
• Material: figuras e objetos idênticos e/ou relacionados.
• Procedimento:
1. Sente-se com a criança e faça um teste de reforçadores;
2. Disponha estímulos sobre a mesa (inicie com um estímulo e um em branco.
Depois com dois, depois com três estímulos. Se possível, use mais);
3. Instrua “Relacione”.
4. Ajude, utilizando a dica apropriada (de acordo com OCP);
5. Reforce a resposta correta;
6. Repita o processo mais 11 vezes, variando a posição dos estímulos.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Programas Básicos Comuns:


Pareamento (visual-visual)
• Variações:
– Pareamento de identidade, pareamento 2D-3D, pareamento por
semelhança, por categoria, arbitrário.
• Exemplos de OCPs (Objetivos de Curto Prazo):
– OCP 1 – parear com ajuda física
– OCP 2 – parear com ajuda leve
– OCP 3 – parear com ajuda gestual
– OCP 4 – parear sem ajuda
– OCP 5 – parear estímulos 4 a 4
– OCP 6 – parear estímulos 5 a 5

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

72
Programas Básicos Comuns:
Identificação (auditivo-visual)
• Os programas de identificação ensinam a criança a responder à linguagem,
o que as auxilia a compreender sobre os objetos do seu cotidiano. Em
outras palavras, ensina o nome e as características dos objetos.
• Material: figuras e objetos.
• Procedimento:
1. Sente-se com a criança e faça um teste de reforçadores;
2. Disponha estímulos sobre a mesa (inicie com um estímulo e um em branco.
Depois com dois, depois com três estímulos. Se possível, use mais);
3. Instrua “aponte (nome do estímulo)” ou “me dê (nome do estímulo)”.
4. Ajude, utilizando a dica apropriada (de acordo com OCP);
5. Reforce a resposta correta;
6. Repita o processo mais 11 vezes, variando a posição dos estímulos.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Programas Básicos Comuns:


Identificação (auditivo-visual)
• Variações:
– Identificação de objetos, com dois elementos, por FCC (função,
classe ou característica).
• Exemplos de OCPs (Objetivos de Curto Prazo):
– OCP 1 – identificar com ajuda física
– OCP 2 – identificar com ajuda leve
– OCP 3 – identificar com ajuda gestual
– OCP 4 – identificar sem ajuda
– OCP 5 – identificar estímulos 4 a 4
– OCP 6 – identificar estímulos 5 a 5

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Programas Básicos Comuns:


Seguir Instruções
• O objetivo do programa de seguir instruções é ensinar a criança a
responder a solicitações, além de fornecer a base de compreensão
da linguagem necessária para conversação.
• Procedimento:
1. Sente-se com a criança e faça um teste de reforçadores;
2. Instrua-a a realizar uma série de ações (as que forem mais relevante para a
família, ou a tocar objetos ou partes do corpo);
3. Ajude, utilizando a dica apropriada (de acordo com OCP);
4. Reforce a resposta correta;
5. Repita o processo mais 11 vezes, variando a instrução.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

73
Programas Básicos Comuns:
Seguir Instruções
• Variações:
– Instruções simples, instruções duplas, instruções em grupo.
• Exemplos de OCPs (Objetivos de Curto Prazo):
– OCP 1 – seguir instruções com ajuda física
– OCP 2 – seguir instruções com ajuda leve
– OCP 3 – seguir instruções com ajuda gestual
– OCP 4 – seguir instruções sem ajuda

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Programas Básicos Comuns:


Ecóico / Mando
• Este programa tem o objetivo de aumentar as vocalizações da criança, repetindo o
que outra pessoa diz. Para contribuir, faz-se isso pedindo que ela repita o nome de
itens desejados.
• Procedimento:
1. Sente-se de frente para a criança e faça um teste de reforçadores
2. Coloque um dos objetos preferidos da criança próximo à sua boca e diga seu
nome.
3. Peça para a criança repetir, dando a dica apropriada à OCP atual.
4. Para dar dicas adicionais para crianças que não têm fala espontânea, ponha a
mão da criança em sua garganta, para que ela sinta vibrar as cordas vocais.
5. Para crianças que não têm fala espontânea, reforce qualquer som. Para
crianças que falam, reforce vocalizações idênticas ou as mais parecidas
possíveis com o som desejado.
6. Caso a criança não diga som algum, peça duas respostas alternativas fáceis e
as reforce.
7. Se a criança tiver interesses diversos, varie os estímulos apresentados..

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Programas Básicos Comuns:


Ecóico / Mando
• Variações:
– Ecóico puro (apenas repetir sons), mando puro (o objetivo não
seria criar sons, mas ensinar a usá-los).
• Exemplos de OCPs (Objetivos de Curto Prazo):
– OCP 1 – ajudar dizendo o som da palavra toda
– OCP 2 – ajudar dizendo o som da primeira sílaba
– OCP 3 – ajudar esperando 2” antes de dizer qualquer som
– OCP 4 – ajudar esperando 4” antes de dizer qualquer som
– OCP 5 – não ajudar

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

74
Programas Básicos Comuns:
Tato
• Este programa objetiva ensinar à criança a nomear os objetos ao seu redor e
suas características.
• Material: diferentes figuras e objetos. É fundamental que a criança emita sons.
• Procedimento:
1. Sente-se de frente para a criança e faça um teste de reforçadores
2. Apresente à criança diferentes objetos (comece com 3 ou 4 e amplie
posteriormente).
3. Pergunte à criança “o que é isso?”, dando a dica apropriada à OCP atual.
4. Reforce a emissão de som da criança.
5. Caso a criança não diga som algum, peça duas respostas alternativas
fáceis e as reforce.
6. Repita o procedimento, variando os estímulos apresentados.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Programas Básicos Comuns:


Tato
• Variações:
– Tato simples, tato com duas palavras, tato de dois elementos,
descrição, tato com FCC (função, classe ou característica).
• Exemplos de OCPs (Objetivos de Curto Prazo):
– OCP 1 – ajudar dizendo o som da palavra toda
– OCP 2 – ajudar dizendo o som da primeira sílaba
– OCP 3 – ajudar esperando 2” antes de dizer qualquer som
– OCP 4 – ajudar esperando 4” antes de dizer qualquer som
– OCP 5 – não ajudar

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Programas Básicos Comuns:


Intraverbal
• O programa de intraverbal ensina uma das mais difíceis habilidades para
crianças com TID: conversação. É um programa fundamental, que muitas vezes
avança vagarosamente.
• Material: diferentes figuras e objetos. É fundamental que a criança emita sons.
• Procedimento:
1. Sente-se de frente para a criança e faça um teste de reforçadores
2. Faça diferentes perguntas simples para a criança (Qual é o seu nome?
Quantos anos você tem?, etc.).
3. Ajude-a a responder, dando a dica apropriada à OCP atual.
4. Reforce a emissão de som da criança.
5. Caso a criança não diga som algum, peça duas respostas alternativas
fáceis e as reforce.
6. Repita o procedimento, variando os estímulos apresentados.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

75
Programas Básicos Comuns:
Intraverbal
• Variações:
– Completar letras de músicas, respostas a perguntas variadas,
respostas a perguntas sobre o passado, resposta a perguntas
elaboradas, fazer perguntas, fazer perguntas complexas, conversar.
• Exemplos de OCPs (Objetivos de Curto Prazo):
– OCP 1 – ajudar dizendo o som da palavra toda
– OCP 2 – ajudar dizendo o som da primeira sílaba
– OCP 3 – ajudar esperando 2” antes de dizer qualquer som
– OCP 4 – ajudar esperando 4” antes de dizer qualquer som
– OCP 5 – não ajudar

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Outras questões

• ABA e Protocolo Dan


• ABA e TEACCH
• ABA e Fonoaudiologia
• ABA e Terapias Motoras
• ABA e Integração Sensorial
• ABA e Son-Rise

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Estimulação da Linguagem

Psic. Me. Robson Brino Faggiani


Especialista em Terapia Comportamental e Cognitiva

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

76
Linguagem

• A linguagem é uma das habilidades mais difíceis de


ensinar às crianças com TID.

• É um processo longo, com muitos percalços, mas que


pode ser altamente recompensador.

• Infelizmente, é impossível que o profissional preveja até


onde a criança poderá ir na linguagem vocal.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

O Grande Fato Sobre a Linguagem

A LINGUAGEM É SOCIAL

Então...

SEJA SOCIAL

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Outros Fatos Sobre a Linguagem

• A linguagem ocorre em ambiente social para obter


contato social ou para obter vantagens via contato
social.

• A linguagem é altamente abstrata e ocorre geralmente


na ausência dos objetos discutidos.

• A linguagem é o caminho mais fácil e mais rápido entre


dois pontos.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

77
Outros Fatos Sobre a Linguagem

UTILIZE IMAGENS

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Exigindo Linguagem

Uma bola Choro e birra “Não entendo”

Uma bola Apontar Bola


Devagar

Uma bola “BOLA” Bola

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Ensinando Linguagem –
Uma boa modelagem...

1. Aceite qualquer som.

2. Aceite um som que existe na palavra.

3. Aceite dois sons que existem na palavra.

4. Aceite sons mais claros que existem na palavra.

5. Aceite a palavra clara.

6. Aceite a frase clara.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

78
Ensinando Linguagem –
Um bom fading...

1. Dica: palavra inteira.

2. Dica: até a última sílaba.

3. Dica: primeira sílaba

4. Dica: atraso de 2s.

5. Dica: atraso de 5s.

6. Dica: atraso de 7s.

7. Dica: atraso de10s.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Ensinando Linguagem –
Ecóico (tudo começa na imitação)

• Inicialmente, todo e qualquer ensino de linguagem ocorrerá


por meio da imitação do que você diz a seu filho. Tome
esses cuidados:
– Ensine imitações motoras e orais para o seu filho (não é condição
obrigatória, mas ajuda no processo, tornando tudo mais fácil).

– Ensine pareamento de identidade e linguagem receptiva para seus


filho (identificação de figuras e seguimento de instruções). Novamente,
não é obrigatório, mas ajuda.

– Comece com fonemas simples. Pergunte ao/à fono.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Exigindo Linguagem

LEMBREM-SE DA MODELAGEM

LEMBREM-SE DO FADING

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

79
Ensinando Linguagem –
Mandos (criando vontades)

• A forma mais efetiva de ensinar linguagem é criando


situações nas quais as crianças necessitam dizer alguma
coisa para obter o que desejam.

• É um trabalho de criar vontades nas crianças.

• Em outras palavras: SEJA CHATO.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Ensinando Linguagem –
Mandos (criando vontades)
• Criando vontades:

– Dizer ´’água” para beber água.

– Dizer “comida” para acessar uma guloseima.

– Dizer “bola” para ganhar bola.

– Dizer “pula” para ser carregado no colo.

• Procure...

– Pedir durante as brincadeiras, quando a criança estiver


RELAXADA.

– Pedir quando ela precisar de sua ajuda.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Ensinando Linguagem –
Tatos (nomeando o mundo)

• Mando nível 1: palavra (substantivo): Carro.

• Mando nível 2: quero + substantivo (quero carro).

• Mando nível 3: nome + quero + substantivo + fulano


(mamãe, quero carro)

• Mando nível 4: nome + quero + substantivo + modificador


(mamãe, quero carro, por favor).

• Mando nível 5: nome + quero + substantivo + adjetivo +


modificador (mamãe, quero o carro grande, por favor).

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

80
Exigindo Linguagem

LEMBREM-SE DA MODELAGEM

LEMBREM-SE DO FADING

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Ensinando Linguagem –
Tatos (nomeando o mundo)

• O ideal é só ensinar o nome dos objetos quando a criança


tiver repertório de imitação (ecóico).

• No entanto, é válido que desde sempre a criança se


acostume a ouvir linguagem e compreender que tudo tem
nome.

• Por isso, quando tiver tempo e uma criança atenta, explore o


nome de tantos objetos quanto possível.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Ensinando Linguagem –
Tatos (nomeando o mundo)

• Quando a criança possuir repertório ecóico...


– Tire alguns momentos do dia para ensinar o nome dos objetos e peça
para ela repetir.

– A cada nome dito mostre intensa felicidade e aprovação.

– Pergunte o nome dos objetos como se não soubesse e vibre como se


tivesse descoberto algo incrivelmente novo e interessante quando a
criança lhe disser o nome correto.

– Posteriormente, avance para o tato de ações.

– Depois, de características dos objetos.

– Enfim, descrições mais elaboradas.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

81
Ensinando Linguagem –
Tatos (nomeando o mundo)

• Tato nível 1: palavra isolada (substantivo): bola.

• Tato nível 2: artigo + substantivo (uma bola).

• Tato nível 3: artigo + substantivo + adjetivo (uma bola azul).

• Tato nível 4: artigo + substantivo 1 + verbo + conjunção +


artigo + substantivo 2 (o menino brincando com a bola).

• Tato nível 5: artigo + substantivo 1 + verbo + conjunção +


artigo + substantivo 2 + adjetivo (o menino brincando com a
bola azul).

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Exigindo Linguagem

LEMBREM-SE DA MODELAGEM

LEMBREM-SE DO FADING

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Ensinando Linguagem –
Intraverbal (Conversação)

• Conversação é uma habilidade complexa.

• Inicie com as seguintes habilidades:

– Completar letras de músicas;

– Sons dos animais;

– Responder a questões simples sobre si mesmo:Qual é o


seu nome? Quantos anos você tem? Qual é o nome da
sua mãe?, etc.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

82
Ensinando Linguagem –
Intraverbal (Conversação)

• Habilidades mais complexas, como falar sobre o passado


e responder a perguntas diversas, exigem que seu filho:

– Possua um bom repertório de tatos e mandos.

– Tenha um mínimo de linguagem espontânea.

– Faça perguntas (não obrigatório, mas ajuda).

• Quando ele possuir esse repertório, inicie conversações


simples, como perguntar o nome de algo, depois a cor.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Ensinando Linguagem –
Intraverbal (Conversação)

• Por exemplo:
– A: O que é isso?

– C: Um cachorro.

– A: Como ele faz?

– C: Au-au.

– A: É isso mesmo. Muito legal. Qual desses mia?

– C: O gato.

– A: Você sabe tudo!

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Ensinando Linguagem –
Intraverbal + Espontâneo + Tatos + Mandos

• Ensinando a perguntar (curiosidade). Pré-requisito: ecóico


bem instalado.
– Coloque algo muito divertido dentro de um recipiente fechado.

– Peça para a criança perguntas “o que tem aí dentro?”.

– Diga e dê a ela, fazendo a maior festa.

– Peça para alguém de quem ela gosta bater na porta.

– Ajude-a a perguntar “quem é?”.

– Entre fazendo a maior festa.

– Mostre uma porção de coisas das quais a criança gosta muito e peça
para ela dizer o nome de cada uma delas

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

83
Ensinando Linguagem –
Intraverbal + Espontâneo + Tatos + Mandos

• Mostre uma porção de coisas das quais a criança gosta


muito e peça para ela dizer o nome de cada uma delas.

• No meio das coisas que ela gosta, ponha algo que ela
não conheça.

• Peça para ela perguntar “o que é isso?”

• Responda com muita festa e brinque com o novo


objeto.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Exigindo Linguagem

LEMBREM-SE DA MODELAGEM

LEMBREM-SE DO FADING

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Ensinando Linguagem –
Paradigma da Linguagem Natural

• O PLN é uma maneira de ensinar linguagem que utiliza


estratégias lúdicas e aproveita o interesse da criança e
suas brincadeiras favoritas como incentivo à
comunicação.

• A ideia é que a criança aprenda a falar e aprenda sobre


os objetos se divertindo.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

84
Paradigma da Linguagem
Natural
Tentativa Discreta Paradigma da Linguagem
Natural
Estímulos 1. Escolhidos pelo terapeuta 1. Escolhidos pela criança
2. Repetido até que o critério 2. Variam depois de algumas
seja atingido tentativas
3. Fonologicamente fácil, seja
ou não funcional
Interação 1. Terapeuta segura o item 1. Terapeuta e criança brincam
reforçador (não com o estímulo (isto é, o
necessariamente estímulo é funcional)
relacionado ao som que se
requisita)
Resposta 1. Respostas corretas, ou 1. Modelagem mais “solta”:
aproximações sucessivas, tentativas de verbalizar são
são reforçadas reforçadas
Consequência 1. Reforçadores tangíveis 1. Reforçador natural (o próprio
mais sociais item) mais social

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Paradigma da Linguagem
Natural
1. Fique atento às brincadeiras da criança e ao que ela deseja.
2. Quando ela começar a brincar com alguma coisa ou se engajar
em alguma atividade, entre na brincadeira.
3. Assim que possível, reveze turnos, pegando o objeto com o qual
ela está brincando.
4. Brinque com o objeto, dizendo o que está fazendo (“andando com
o carro”, por exemplo).
5. Peça para ela repetir a frase apresentada. No exemplo: “andando
com o carro”.
6. Inicialmente, aceite qualquer resposta verbal como correta, ainda
que não relacionada ao que você disse.
7. Caso ela diga qualquer coisa, dê o objeto para ela, fazendo muita
festa e continuando a brincadeira.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Paradigma da Linguagem
Natural
8. Caso ela nada diga, continue brincando e mostrando a ela como
se fala, ao mesmo tempo em que faz carinhos, dá risada com ela.
9. Peça pela vocalização mais três vezes. Se em nenhuma delas a
criança nada disser, ajude-a apontar o objeto e diga “você
apontou, você quer, vamos brincar” e continue a brincadeira.
10. Se for notado que ela está ficando impaciente, rapidamente a
ajude a apontar e iniciem a brincadeira.
11. Durante os pedidos por resposta é válido revezar turnos, deixando
a criança brincar um pouco e depois você.
12. É recomendado ficar com os olhos na altura dos olhos da criança.
13. Vá mudando o objeto e o foco da brincadeira de acordo com o
interesse da criança.
14. Elogie quando ela olhar para você e para o objeto.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

85
PECS (Sistema de
Comunicação por troca de Figuras)
• O PECS (Picture Exchange Communication
System) consiste em uma alternativa de
comunicação
• É uma pasta com fotos e/ou figuras do
cotidiano do cliente (comidas e brinquedos
favoritos, pessoas com as quais convive,
atividades que gosta de fazer, etc).
• O cliente é ensinado a pegar a figura do que
lhe interessa e entregar aos pais,
professores e terapeutas. Em troca, recebe o
que pediu.
• Idealmente, comece com apenas três fotos.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

PECS (Sistema de
Comunicação por troca de Figuras)
• O PECS tem as funções de ajudar as crianças sem
linguagem a se comunicar adequadamente, a desenvolver
a compreensão da comunicação, a desenvolver os pré-
requisitos e perceber a importância da fala vocal, reduzir a
frustração e comportamentos inapropriados, desenvolver o
conhecimento da estrutura da linguagem, permitir que a
criança escolha e seja compreendida.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

PECS (Sistema de
Comunicação por troca de Figuras)
• FASE 1 – Troca Física Simples: Nesta fase, a criança
simplesmente aponta ou pega a figura do objeto
desejado na presença de um adulto. Procedimento:
1. Tire fotos de cerca de três a cinco itens que a
criança gosta muito (ponha o nome dos objetos em
todas as fotos, abaixo da imagem).
2. Sente-se de frente para a criança.
3. Deixe os itens ao alcance da visão da criança, bem
como as fotos dos itens em uma faixa de velcro.
4. Pergunte à criança “o que você quer?”

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

86
PECS (Sistema de
Comunicação por troca de Figuras)
5. Ajude-a (hierarquia de dicas) a pegar a foto de um
dos itens e lhe entregar.
6. Diga “eu quero (nome do item)!” e peça para ela
repetir.
7. Permita que ela acesse o item.
8. Repita o procedimento acima várias vezes.
9. Aumente o número de itens após domínio das
primeiras fotos sem ajuda.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

PECS (Sistema de
Comunicação por troca de Figuras)
• FASE 2 – Desenvolvendo a espontaneidade: Semelhante à fase
anterior, mas desta vez tanto o PECS como os objetos reforçadores
não estarão ao alcance imediato da criança Procedimento:

1. Pergunte à criança “o que você quer?”

2. Ajude-a a caminhar até o PECS.

3. Ajude-a a tirar uma figura e lhe entregar.

4. Diga “eu quero (nome do item)!” e peça para ela repetir.

5. Permita que ela acesse o item.

6. Repita o procedimento acima várias vezes.

7. Aumente o número de itens ainda mais.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

PECS (Sistema de
Comunicação por troca de Figuras)
• FASE 3 – Discriminação de Figuras: Agora, a criança precisa
identificar entre os objetos desejados e objetos não desejados.
Procedimento:

1. Acrescente ao PECS um desenho representativo do “NÂO”.

2. Tire fotos de itens do cotidiano da criança pelos quais ela não


sente atração particular.

3. Repita o procedimento da FASE 2: itens 1 a 7.

4. Caso a criança peça um item não desejado, entregue-o a ela.

5. Se ela recusar o item, ensine-a a pegar o desenho, ou figura,


do “NÃO”.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

87
PECS (Sistema de
Comunicação por troca de Figuras)
• FASE 4 – Compondo frases: Nesta fase, a criança aprende a
compor frases simples por meio do PECS. Procedimento:

1. Acrescente ao PECS as palavras “Eu”, “quero”.

2. Pergunte à criança “o que você quer?”

3. Ajude-a a montar, na capa do PECS, a frase “Eu quero + (foto


do item)”.

4. Ajude-a a repetir a frase vocalmente.

5. Permita que ela acesse o item.

6. Repita o procedimento várias vezes.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

PECS (Sistema de
Comunicação por troca de Figuras)
• FASE 5 – “O que você quer?”: Esta fase consiste em tornar a criança
independente após a pergunta “o que você quer?”. Reduza
gradativamente a ajuda à criança até ela se torna inteiramente
independente no uso do PECS.
• FASE 6 – Respostas e Comentários Espontâneos: Agora, a criança
deve ser capaz de responder a outras perguntas além de “o que você
quer?”. Ela deve responder “o que você está vendo?”, “O que está
ouvindo?”, “O que é isto?” e assim por diante. É uma fase muito difícil;
requer paciência, persistência e muita dedicação em ajudar a criança.
Para realizar esta fase, acrescente novas frases ao PECS, varie as
perguntas e ajude a criança a montar as sentenças corretamente.
Sempre elogie muito os acertos, sejam eles com ajuda ou
independentes.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Leitura

• Procure não ensinar leitura com letras e sílabas isoladas


apenas (está tudo bem fazer isso, desde que não seja
apenas isso).
– Uma das dificuldades da criança com autismo é abstrair... E letras e
sílabas isoladas são sem sentido.

– Comece dando preferência pelo ensino de palavras inteiras


relacionadas a objetos e montagem dessas palavras com suas
sílabas constituintes.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

88
Leitura

LOBO BOLO BALA

BO LA BA LO
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Terapia ABA e Escola

Psic. Me. Robson Brino Faggiani


Especialista em Terapia Comportamental e Cognitiva

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Escola

• A Escola é fundamental. Nela, a criança pode aprender as


regras de conduta e é o local onde o relacionamento social
pode ser ensinado da forma mais natural e divertida possível:
com crianças da mesma idade da criança especial.

• O objetivo principal na Escola deveria ser promover a


socialização.

– Um dia sem interação social é um dia perdido.

• Um segundo objetivo é contribuir para o avanço acadêmico


do estudante.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

89
O que a Escola deve Oferecer

• A Lei torna obrigatória a inclusão adequada. Por isso,


verifique se a escola dispõe de, ou exija:

– Especialista em inclusão.

– Produção de material adaptado (semelhante ao dos


colegas, mas adaptado ao nível da criança).

– Avaliação adequada e descrição dos objetivos


pedagógicos e sociais que a escola planejou para a
criança.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

O que a Escola deve Oferecer

• Encontrar uma escola que atenda as necessidades dos


filhos é um desafio imenso para os pais.

• Geralmente, as escolas aceitam as crianças, colocam-nas


dentro da sala de aula e chamam isso de fazer inclusão.

– Isso é abandono.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

O que a Escola deve Oferecer

• Continuando a lista do que a escola deve dispor:


– Professoras participativas, que envolvam a criança nas
atividades dos colegas, incentivando a aprendizagem e a
interação social.
– Apoio visual para as crianças compreenderem o que devem
fazer.
– Estipular as mesmas regras para todos os alunos.
– Enviar adiantado material de ensino adaptado para que os pais
possam realizá-lo em casa com o filho antes de o material ser
repetido na escola.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

90
Terapia ABA na Escola:
Acompanhante Terapêutico
• Em geral, o terapeuta ABA propõe que o acompanhante
terapêutico realize as seguintes ações na escola:
– Seja uma “sombra” da criança, intervindo apenas quando
necessário;
• As intervenções devem ser no sentido de auxiliarem a
criança a realizar as atividades de forma semelhante aos
colegas;
• Caso seja necessário, material especial deve ser criado
(preferencialmente, com o uso de imagens);
– Lembrar ao professor que ele deve atentar para a criança
especial tanto quanto dá atenção aos outros alunos.
– (continua...)

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Terapia ABA na Escola:


Acompanhante Terapêutico
– O acompanhante deve favorecer a socialização da criança
com seus pares...
• “recrutando” colegas para ajudar,
• criando brincadeiras que exijam interação,
• sendo um animador nos momentos de interação.
– No caso de a criança especial ainda possuir dificuldades
mesmo com material adaptado, cabe ao acompanhante
realizar alguns programas de ensino ABA enquanto os
colegas realizam suas atividades;

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Terapia ABA na Escola:


Acompanhante Terapêutico
– Manter a criança ativa e adequada na sala de aula,
utilizando os procedimentos de resolução de
problemas propostos pela Terapia ABA.

– Também é função do acompanhante


terapêutico exigir que a criança especial seja
tratada com o mesmo carinho, respeito e
atenção com que as outras crianças são
tratadas.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

91
Terapia ABA na Escola:
Quadro de Rotina
• Pessoas diagnosticadas com autismo geralmente não
compreendem e não lidam bem com mudanças de
atividades.
• Quadros de rotina que mostrem todas as atividades que a
criança realizará no dia a ajudam a compreender o que irá
fazer e a lidar melhor com as mudanças de atividades.
• Idealmente, deve haver dois quadros: o PROGRAMADO e
o IMEDIATO.
– Todas as atividades do dia são exibidas no PROGRAMADO.
– Quando uma nova atividade for realizada, deve passar do
PROGRAMADO para o IMEDIATO (a criança deve participar
disso).
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Terapia ABA na Escola:


Rotina Móvel
• Semelhante ao quadro de rotinas fixos, mas é leve e
móvel.
– Composto por diversas fotos de todas as atividades que a criança
realizará.
– Antes de iniciar uma nova atividade, o terapeuta mostra a foto
correspondente e pede para a criança nomeá-la.
• Ideal para atividades complexas, com vários passos. Cada
passo pode ser uma foto.
• Pode-se fazer uma sequência visual de músicas, histórias, etc.
• Baseado no fato de que crianças autistas têm bom
processamento visual.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Terapia ABA na Escola:


Caminho Divertido

• Para que a criança aceite ir a locais importantes, pode-


se criar caminhos divertidos.

• São placas coloridas e com desenhos colocadas no


chão (de E.V.A.), formando um caminho por onde a
criança deve seguir.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

92
Terapia ABA na Escola:
Recrutar os Colegas

• É comum que, em escolas regulares, algumas crianças


mostrem interesse especial em brincar com as crianças
com autismo.

• Recrute-as, e a outras crianças, para brincarem com,


chamarem por, pegarem na mão de, sentarem ao lado
da criança que necessita de ajuda.

• Isso é divertido para os ajudantes e muito funcional para


a criança especial.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Terapia ABA na Escola:


Brincadeiras Sociais
• Qualquer brincadeira pode ser transformada em
brincadeira social:
– Montar quebra-cabeça: uma vez de cada, passando a peça um
para o outro.
– Piscina de bolinha: procurar pelo colega, passar bolinhas.
– Pintar: escolher uma cor para o amigo, ajudar em um pedaço do
desenho.

• O limite é a criatividade.
• O importante é envolver a criança no máximo de
socialização possível.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Terapia ABA na Escola:


Torne a Criança o Centro da Aula
• Se possível, peça para os pais da criança
especial trazerem lanches para todos (uma vez
por mês, que seja).

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

93
Terapia ABA na Escola:
Torne a Criança o Centro da Aula
• Peça para a TURMA TODA fazer uma atividade
que a criança especial faz muito bem e ajude-se
a demonstrar como deve ser feito.

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

Terapia ABA na Escola:


Torne a Criança o Centro da Aula

• Peça para a criança especial (ajude-a, se


preciso) a escolher a próxima atividade
(desenho, um livro de história, etc).

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

MUITO OBRIGADO

ROBSON BRINO FAGGIANI


robsonfaggiani@gmail.com
Tel: (11) 6783.2345

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia-aba

www.psicologiaeciencia.com.br/terapia--aba
www.psicologiaeciencia.com.br/terapia

94

Você também pode gostar