Você está na página 1de 3

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ

CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO - CCE


DISCIPLINA: História da Educação
PROFESSORA: Dra. Maria Escolástica de Moura Santos
Discente: Francys maylon dos reis silva

2ª ATIVIDADE AVALIATIVA
1) Durante 210 anos os jesuítas foram os responsáveis majoritários pela sistematização
da educação no Brasil. Toda sua atividade missionária, política e educadora, apresenta-se
subordinada tanto aos interesses da coroa portuguesa, quanto da Igreja. Explique o caráter
da educação jesuítica, seus métodos de ensino, os ideais pedagógicos e a amplitude da
sua obra. Destaque os elementos que entraram em desacordo com a coroa portuguesa e
os motivos da sua expulsão, bem como as consequências para o projeto educacional
brasileiro com a implementação da reforma pombalina. [mínimo 10 linhas / 2,5 pontos].

Resposta:
O caráter da educação jesuíta consistia na conversão indígena ao catolicismo por meio da
catequese. A metodologia de ensino aplicada pelos jesuítas começou pelo ensino do
português, incluído a aprendizagem da doutrina católica, a escola de ler e escrever. Após
isso, o ensino do canto e de música tornava-se opcional. Havia uma ramificação, tendo
em um dos lados o ensino profissional (trabalho manual) e agrícola, e do outro o ensino
da gramatica e de viagens à Europa. Um dos ideais pedagógicos consistia na
evangelização dos índios para benefício da igreja, assim mais pessoas se converteriam ao
catolicismo, pois o mesmo estava abalo com a Reforma. A catequese também interessava
o colonizador, pois com os índios mais dóceis ficaria mais fácil fazer uso da mão de obra.
A importância dos religiosos foi tamanha que se tornaram uma força capaz de influir no
domínio do senhor de engenho. Construíram colégios, confessionários, teatros e o número
de estabelecimentos que possuíam varia de autor para autor. A expulsão dos jesuítas
ocorreu após serem classificados como empecilho na conservação da unidade cristã, pois
Marques Pombal se interessava em tomar como base de educação o iluminismo e os
religiosos o confrontaram. Uma das consequências enfrentadas após essa ruptura, foi a
continuidade do exercício profissional da maioria dos professores que possuíam formação
jesuítica. As diretrizes para aula de filosofia ficaram para um pouco depois. A falta de
gente preparada se fez sentir no Brasil de forma extremamente aguda após a reforma
pombalina.

2. No período imperial ocorreram algumas iniciativas no sentido de institucionalizar a


educação, marcadas pela influência do pensamento iluminista e pela tentativa de
rompimento com o modelo humanístico clássico. Apresente em linhas gerais a situação
do ensino primário, secundário e superior. Não deixe de destacar a educação da mulher e
a educação para pobres. [mínimo 10 linhas/ 2,5 pontos].

Resposta:
Assim que D. João VI chegou ao brasil uma das primeiras medidas a ser adotadas foi a
criação de escolas de nível superior, assim atendendo as anciãs do momento que era
formar oficiais militares para a defesa da colônia, médicos e engenheiros militares. Já nos
primeiros níveis de ensino, podemos notar algumas dificuldades por conta dos interesses
elitistas do império que não se importava com a educação da população, formadas por
pessoas que na sua maioria eram escravos e pessoas que moravam e zonas rurais, essas
que na sua maioria eram analfabetas. Já em 1827 foi constituída uma lei que promulgava
a educação gratuita a todos os cidadãos, sem restrições de ensino e determinando a criação
de escolas de primeiro ensino em todas as cidades, vila e lugarejos. Assim como a criação
de escola para meninas nas cidades e vilas que tinham uma maior população. Contudo
ouve um fracasso com esta lei tanto por motivos técnicos, econômicos e políticos, sendo
assim a educação escolar de nível primário não chegou as pessoas mais carentes da
sociedade, e estes sem terem acesso à educação primaria, não podia avançar para os outros
níveis de escolaridade, somente os da elite tinham acesso e podiam contratar professores
para ensinar seus filhos, os demais tinham acesso a pouquíssimas escolas.
Pouquíssimas mulheres tinham instrução e acesso a aprendizagem, pois eram tratadas em
situação de dependência de suas famílias e inferioridade, porque o objetivo era prepará-
las para o casamento. Dessas poucas mulheres que eram instruídas, a grande maioria
vinha de famílias com boa condição social e recebiam noções de leitura, boas maneiras e
educação religiosa.

3) A educação brasileira, além de ser marcada por sucessivos avanços e retrocessos, tem
historicamente assumido a função estratégica de validar concepções, valores e modelos
impostos pelas classes dominantes, ao tempo em que busca dar respostas aos interesses
econômicos e às demandas do mercado.
Com base no texto da Romanelli, “A educação e o desenvolvimento brasileiro após
1930”, e no documentário “1930-1954 – História do Brasil – Getúlio Vargas” (disponível
no Youtube), apresente os principais acontecimentos políticos e econômicos que
marcaram este período (as crises, as polêmicas, as coalizões de forças e os levantes), bem
como, seus impactos na educação. É importante destacar as exigências educacionais
provocadas pelo processo de industrialização em curso no Brasil (as reformas, a expansão
do ensino, a relação quantidade e qualidade, e as contradições entre a educação das elites
e o ensino oferecido à classe trabalhadora). [mínimo de 10 linhas / 3 pontos].
Resposta:
Em 1929 o Brasil viveu uma crise econômica que provocou uma diminuição nas compras
do excedente de produção. Houve também uma fartura de café no país, o estoque superava
os limites. A economia interna se recupera devido ao mercado interno. Com a crise
mundial houve a chance de exportar para os produtos, nesse período o Brasil teve um
crescimento significativo. Em 130 Getúlio Vargas elege-se. Vargas cria o liberalismo
cultural mediante a cauterização mental que fez não só a indústria, mas a toda população.
Após esses ocorridos e após Vargas cometer suicídio, ocorreu a destruição das escolas,
primeiramente onde era mais industrializado, um dos motivos que originaram a luta de
classes, pois reivindicavam uma melhor distribuição pela nação. Devido a muitas
pressões o ensino se expandiu. A urbanização, e o aumento na renda per capita da
população, possibilitou um aumento considerável na procura por escolas. Ate 1930, a
educação era pautada pela elite oligárquica e a escola era apenas adereço que simbolizava
status social. No entanto em 1930 a escola ganha papel, ainda que ilusório, de preparação
ao mercado de trabalho. Na época houve uma grande procura para área de filosofia,
procuravam pesquisadores e professores. Entretanto o salário dos professores era baixo,
por isso as pessoas que procuravam esses cursos eram as pessoas de menor condição
financeira que não tinham como pagar cursos como medicina, engenharia, etc.
Critérios de avaliação:
Domínio do conteúdo; desenvolvimento do tema e sustentação da argumentação; Coesão
e coerência; correção gramatical; e problematização.

Bom trabalho!

Você também pode gostar